BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BuscaLegis.ccj.ufsc.Br"

Transcrição

1 BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O direito autoral e sua tutela penal na internet Claudia Curi Direito exclusivo, individual, subjetivo, decorrente da garantia Constitucional [1] de que é livre a expressão da atividade intelectual, o Direito Autoral é o conjunto de prerrogativas de ordem patrimonial e de ordem não patrimonial atribuídas aos autores de obras intelectuais. O Direito Autoral trata, portanto, de modo amplo, da propriedade intelectual [1] (literária, artística e científica), protegendo os interesses do autor e de seus sucessores, em relação às obras criadas. Está regulado em nosso sistema jurídico pela Lei 9.610, de 20 de fevereiro de 1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. Tem por objetivo regulamentar as relações jurídicas que podem ocorrer entre o autor e uma obra intelectual e interessados em tirar proveito dela. Segundo ensina Eduardo Vieira Manso [2], o direito autoral se exercita, seja qual for a obra intelectual envolvida, mediante a comunicação desta ao público, o que implica, quase sempre, o emprego de tecnologias de várias espécies. Indubitavelmente, pode-se afirmar que, atualmente, a Internet é o veículo mais utilizado para a dispersão e a democratização de informações. Dada a sua estrutura, a Internet possibilita a elaboração e a divulgação de obras intelectuais, bem como o acesso, a qualquer instante, a um gigantesco acervo de obras literárias, artísticas e científicas, além dos mais variados tipos de informações educativas, culturais e de entretenimento. A Internet, como nenhuma outra invenção tecnológica, desafia conceitos fundamentais do sistema jurídico de proteção à propriedade intelectual [3]. Pela facilidade com que as obras colocadas na rede podem ser copiadas, transmitidas e armazenadas e, pela fragilidade dos sistemas de segurança atualmente disponíveis, é de se perguntar se, neste novo século, ainda irá se discutir por muito tempo Propriedade Intelectual em relação à Internet.

2 Talvez o instituto jurídico Direito Autoral esteja fadado ao desaparecimento, pois a Internet trouxe consigo um fenômeno paralelo: as leis de proteção à Propriedade Intelectual tornaram-se obsoletas, pois a criação intelectual humana não tem mais a forma material. Analisando os institutos que regem o direito autoral, verifica-se que toda a produção de obras intelectuais está assentada na existência de um suporte físico, material. Afirma Marco Aurélio Greco [4] que a Internet joga por terra essa necessidade, na medida em que os dados (de um texto ou de um programa, por exemplo) são fixados exclusivamente em forma digital. A digitalização consiste em transformar textos, imagens, sons e vídeos em um sistema binário, bites, que se constitui de um arranjo de números composto de zeros e uns. É um processo peculiar e diferente do que ocorreu em outras épocas, com as máquinas fotocopiadoras e o videocassete, pois em ambos a reprodução depende de um suporte tangível como um simples pedaço de papel e uma fita magnética. Além disso, a Internet choca-se com outros conceitos, inerentes ao Direito Autoral, como edição, reprodução, divulgação etc., os quais estão definidos pela Lei 9.610/98. Está-se diante de uma enorme copiadora, sem fronteiras, que possibilita a cópia e a distribuição gratuita de inimagináveis quantidades de informação, que se propagam em progressão geométrica pela rede, gerando um esquema global de reprodução. A própria noção do ato de fazer uma cópia perde o sentido quando se trata de reprodução de obras intelectuais na Internet. Isso se deve ao fato de que, no campo da reprodução, a revolução digital possibilita a realização de cópias perfeitas a um custo reduzido. Além do mais, o próprio conceito de cópia está sendo afetado: nas mídias tradicionais há clara distinção entre cópia e acesso. Já no meio digital, muitas vezes, o acesso não é possível sem a realização de uma cópia. Mesmo que apenas temporárias, essas cópias acabam sendo necessárias para o efetivo acesso a um dado material, o que ataca um dos princípios basilares do direito autoral, representado pela necessidade de permissão do autor para a realização de cópias. No âmbito da distribuição, tem-se outra significativa mudança, pois desde os primórdios a economia da informação foi baseada na venda de cópias físicas dos seus produtos. As sociedades, desde as épocas mais remotas, sempre lidaram com a noção de valor agregado à representação física das coisas. Hoje, as informações digitais não exigem mais um suporte físico. A tecnologia de rede, centrada basicamente na Internet, possibilita uma distribuição veloz e de baixo custo de seu conteúdo, na forma de bits, seja ele som, vídeo, softwares, imagem ou texto.

3 Por outro lado, mais correto seria afirmar que a informação é transportada por propagação e não por distribuição, ou seja, deixa um pouco de si mesma em todos os lugares por onde passa. Na verdade, pode-se constatar que qualquer modalidade de reprodução na era digital torna-se imediatamente uma distribuição já que, pelo simples fato de estar na tela de um computador ou de vários, simultaneamente, a obra já está sendo multiplicada e copiada, sem a devida autorização do autor, ocorrendo a violação dos direitos autorais. É o que comenta Liliana M. Paesani [5]. Já na área de edição, a Internet torna possível a produção de milhares de documentos, opiniões e artigos que circulam na rede. A divulgação em larga escala, inaugurada pela imprensa e desenvolvida com o rádio, a televisão e agora a Internet, torna mais difícil a fiscalização da circulação de obras e, conseqüentemente, propicia uma maior facilidade de violação dos direitos autorais. Em decorrência disso, muitas discussões surgem dos mais variados campos de pesquisa, eis que a comunicação virtual quase que impossibilita a aplicação do Código Penal, uma vez que fica quase impossível a determinação de critérios espaciais e temporais da ocorrência de fatos, como no caso da reprodução indevida de uma obra, onde não é possível se identificar a origem de um arquivo, bem como o momento de sua criação. De igual modo, para que se possa estabelecer as responsabilidades e o nexo de causalidade por ato ilícito dentro da Internet, é preciso identificar os personagens que fazem parte da rede. Pode-se identificar claramente o cliente (porque mantém contrato com um provedor) e o provedor (porque aluga seu espaço na rede junto à empresa de telecomunicação). O problema surge da dificuldade de se identificar o usuário, que pode ser qualquer pessoa física ou jurídica, em qualquer lugar do mundo. As sanções que se prevêem até o presente momento dificilmente atingem o usuário final que, em última análise, poderá incorrer no crime de violação aos direitos autorais. Em verdade, a punição da legislação autoral em vigor atinge o cliente, que disponibiliza na rede a obra protegida, retirando a matéria do ar, podendo inclusive penalizar o provedor que, advertido do conteúdo ilícito do material de seu cliente, permite a continuidade da divulgação. E na hipótese de um procedimento judicial, qual a legislação aplicável? a do território de origem da transmissão ou daquele em que se verificou a violação? Nesse ponto, entram na discussão diferentes conceitos de legislação autoral, que variam de sistema jurídico para sistema jurídico, o que suscita conflitos de Direito Internacional Privado, já que o material que navega na Internet pode ser utilizado em qualquer dos países ligados na rede.

4 De acordo com o artigo 6, do Código Penal, a lei aplicável é a do lugar do resultado. Mas outras questões surgem de maneira tormentosa: onde se produz o resultado? o lugar onde está assentado o servidor que hospeda a página na Internet ou lugar onde efetivamente o autor sofreu a violação de sua propriedade intelectual? Se se considerar que de forma anexa à demanda penal por violação da propriedade intelectual existe uma demanda civil, a qual está regulada pelo Código Civil pátrio, seria mais lógico afirmar que a lei aplicável seria a do lugar onde o autor teve efetivamente seu patrimônio violado, uma vez que a proteção conferida aos direitos é definida pelo bem jurídico protegido. Assim, de acordo com o Princípio da Territorialidade (art. 5º, CP), a lei brasileira será aplicável se o resultado ocorrer em território brasileiro. Quanto à extraterritorialidade, prevista no artigo 7º do Código Penal, a lei brasileira só será aplicada, ainda que o crime tenha sido praticado no estrangeiro, se o crime disposto no artigo 184 (violação de direito autoral) for praticado contra o patrimônio de entidade de direito público, autarquia, empresa pública, sociedade de economia mista ou fundação instituída pelo poder público. Nesse caso a ação penal será pública. Veja-se o que dispõe a respeito o Código Penal pátrio: Art. 7. Ficam sujeitos à lei brasileira, embora cometidos no estrangeiro: I os crimes: b) contra o patrimônio ou fé pública da União, do Distrito Federal, de Estado, de Território, de Município, de empresa pública, sociedade de economia mista, autarquia ou fundação instituída pelo poder público. Art Nos crimes previstos neste Capítulo somente se procede mediante queixa, salvo quando praticados em prejuízo de entidade de direito público, autarquia, empresa pública, sociedade de economia mista ou fundação instituída pelo poder público, (...). Outra questão que se destaca é o fato de que a aplicação dos artigos 184 e 185 do Código Penal se aplicariam às violações da propriedade intelectual no mundo digital, sem ferir o Princípio da Legalidade, disposto no artigo 1, do mesmo diploma legal. Parece que não, haja vista que os crimes previstos nos artigos supracitados prevêem em seu tipo a violação feita por qualquer meio. Disso, pode-se inferir que a Internet pode ser enquadrada na previsão legal. A Lei nº 9.610/98, diz o seguinte em seu artigo 7 : São obras intelectuais protegidas as criações do espírito, expressas por qualquer meio ou fixadas em qualquer suporte, tangível ou intangível, conhecido ou que se invente no futuro.

5 Pela segunda parte do artigo, pode-se perceber que já existe previsão legal para a proteção de obras intelectuais publicadas em forma digital, quer sejam textos de obras literárias, artísticas ou científicas, ou composições musicais, obras audiovisuais, programas de computador, compilações e bases de dados. Todas essas criações resultantes do espírito criativo humano estão protegidas contra a reprodução ou uso não autorizado, indiferentemente da forma que seja adotada para a sua publicação e divulgação. Pode-se constatar que o meio Internet, como expressão de obras intelectuais, está previsto, haja vista que a intenção do legislador tenha sido a de proteger o artista em qualquer situação, presente ou futura. É de se perguntar, então: essa norma do artigo 7º é suficiente para proteger os abusos à propriedade intelectual facilitados pelas novas tecnologias da informação? É evidente que a proteção já existe, mas faz-se necessária a criação de lei especial para que essa proteção se efetive. A legislação atual dos direitos autorais distingue, também, a reprodução para uso público (quando é necessária autorização e pagamento) daquela para uso privado, em pequena escala, em locais reservados como bibliotecas ou no recesso do lar. A essas poucas exceções a doutrina americana dá o nome de fair use. No entanto, com a utilização da gigantesca copiadora que é a Internet, qualquer indivíduo pode gravar em seu computador a cópia perfeita de um banco de dados completo ou de um clip de vídeo inteiro. Será isto ainda fair use? O significado da expressão utilização de uma obra intelectual é bastante simples quando a obra é reproduzida em papel ou gravada em áudio ou videotape: é quando um editor obtém direitos de reprodução e alguém compra um exemplar de jornal, revista, livro ou fita. Entretanto, a resposta é mais complicada quando um computador entrega a obra: será a leitura na tela uma utilização? armazenar no disco rígido e imprimir a obra são modalidades distintas de utilização? rebobinar o texto na tela do computador para retê-lo seria ainda uma nova utilização? A Lei dos Direitos Autorais é omissa em resposta a essas perguntas. Henrique Gandelman [6], ao analisar a matéria, observa: O direito de reproduzir uma obra é exclusivo do seu titular, inclusive o direito de reproduzi-la eletronicamente em uns e zeros (para serem lidos por computadores). E se alguém armazena de forma permanente em seu computador material protegido pelo direito autoral, uma nova cópia é feita, necessitando, portanto, de uma autorização expressa do respectivo titular. Alguns tribunais norte-americanos vêm considerando uma cópia RAM de uma obra, por exemplo, como uma cópia protegida por copyright.

6 Até o próprio conceito de propriedade e da essência da proteção de uma obra não está claro. Será que o direito do editor a uma obra abrange também as versões eletrônicas a que os usuários dos computadores têm acesso repetidamente? Veja-se a respeito o que diz o artigo 53 da Lei nº 9.610/98: Art. 53. Mediante contrato de edição, o editor, obrigando-se a reproduzir e a divulgar a obra literária, artística ou científica, fica autorizado, em caráter de exclusividade, a publicá-la e a explorá-la pelo prazo e nas condições pactuadas com o autor. A doutrina pátria também não esclarece se a divulgação eletrônica de uma obra intelectual pode ser objeto do pacto entre autor e editor, ou seja, se essa forma de divulgação pode ser inserida no contrato de edição. Outra questão levantada diante da recente utilização comercial da Internet : será que a proteção autoral dada a textos e imagens alcança também a sucessão de zeros e uns, o código digital que somente o computador pode ler para a transmissão e cópia? A criação intelectual para ser protegida pelo direito autoral necessita ser expressa por um suporte material, também denominado corpo mecânico. Desse fato pode-se inferir que as normas de direitos autorais devem ser modificadas e aprimoradas na medida em que os suportes materiais se desenvolvem. Desta forma, aprimorando-se os meios de comunicação, suportes materiais por excelência, devem também ser aprimoradas as normas referentes aos direitos autorais, dado que a cada evolução tecnológica surgem novos problemas e, conseqüentemente, novos desafios jurídicos para subsumir a norma às novas realidades. Essa nova realidade, portanto, vem impor a necessidade de os países reverem ou adaptarem suas legislações sobre direitos autorais. Por mais que já exista previsão legal para a proteção de obras intelectuais publicadas em forma digital, esta se mostra ineficaz. Não se pode manter uma visão voltada apenas para a indústria e o desenvolvimento do setor, eis que a era digital criou um vaso campo para os crimes contra os direitos intelectuais. No âmbito virtual, fica difícil combater a pirataria na Internet. O Brasil ainda não possui legislação específica para regular a matéria Referências: BRASIL. Constituição Constituição da República Federativa do Brasil. 21º ed. São Paulo: Saraiva, BRASIL. LEIS, decretos etc. Código Penal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1996.

7 BRASIL. Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção I, p. 3, de GANDELMAN, Henrique. De Gutemberg à Internet: direitos autorais na era digital. Rio de Janeiro: Record, 2001, p GRECO, Marco A. Internet e direito. São Paulo: Dialética, PAESANI, Liliana M. Direito e internet: liberdade de informação, privacidade e responsabilidade civil. São Paulo: Atlas. [1] A Propriedade literária, artística e científica é direito constitucional. A Constituição Federal vigente, em seu artigo 5, inciso XXVII, refere-se expressamente a esse direito ao enunciar que pertence aos autores o direito exclusivo de utilização de suas obras. [2] MANSO, Eduardo Vieira. A informática e os direitos intelectuais. São Paulo: RT, [3] Lei 9.610/98. [4] CRECO, Marco Aurélio. Internet e Direito. 2º ed. São Paulo: Dialética, [5] PAESANI, Liliana M. Direito e Internet: liberdade de informação, privacidade e responsabilidade civil. São Paulo: Atlas, [6] GANDELMAN, Henrique. De Gutemberg à Internet: direitos autorais na era digital. 4 ed, Rio de Janeiro: Record, 2001, p Disponível em: Acesso em: 11/05/09.

3º A proteção aos direitos de que trata esta Lei independe de registro.

3º A proteção aos direitos de que trata esta Lei independe de registro. Lei Nº 9.609 CAPÍTULO II DA PROTEÇÃO AOS DIREITOS DE AUTOR E DO REGISTRO Art. 2º O regime de proteção à propriedade intelectual de programa de computador é o conferido às obras literárias pela legislação

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Faculdade de Tecnologia Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Alunos: Anderson Mota, André Luiz da Silva, Misael Bezerra, Rodrigo Damasceno Kaji. GTI 5 Noturno Noções de Direito Prof.

Leia mais

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LUIZ GUILHERME JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA WISLIY LOPES Noções de Direito e Legislação da Informática GOIÂNIA JUNHO DE 2014 RELACIONAR

Leia mais

SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL

SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL FABRICIO DOS SANTOS RESUMO A sociedade virtual, com suas relações próprias vem se tornando uma nova realidade para a responsabilidade

Leia mais

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins)

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) CÂMARA DOS DEPUTADOS *PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) Dispõe sobre o patrimônio público digital institucional inserido na rede mundial de computadores e dá outras providências.

Leia mais

Ética e Legislação em Comunicação

Ética e Legislação em Comunicação Ética e Legislação em Comunicação Ambientes Digitais Blog Site/Sitio Portal Acervo Virtual Plataformas de aprendizagem virtual / Educação à distância Exercício coletivo: Exemplos e análise de ambientes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS PARECER Nº 001/2012 DLN. INTERESSADO: Reitoria da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). ASSUNTO: PLÁGIO. Vem a este Departamento Ofício de nº 066/2011 PRODERE/FES, encaminhado pela Reitoria desta UFAM,

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS Guilherme Carboni I. CRIAÇÕES INTELECTUAIS PROTEGIDAS PELA PROPRIEDADE INTELECTUAL Campo da Técnica Campo da Técnica Campo Estético Campo Estético Propriedade Industrial

Leia mais

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 Fabiana Rikils 2 Elói Martins Senhoras 3 A internet tem produzido uma crescente transformação fática na sociedade global que repercute em diferentes

Leia mais

ENTENDA O DIREITO AUTORAL

ENTENDA O DIREITO AUTORAL ENTENDA O DIREITO AUTORAL @Positivo Informática S.A. ENTENDA O DIREITO AUTORAL Au t o r i a : D r ª F l á v i a L u b i e s k a N. K i s c h e l e ws k i C o o r d e n a ç ã o : R a d am é s M a n o s

Leia mais

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI Nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998 Dispõe sobre a proteção de propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências.

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE TERMOS E CONDIÇÕES DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE O presente Termo apresenta as regras e condições, bem como a política de privacidade, aplicáveis a todos os visitantes, usuários, afiliados e cadastrados,

Leia mais

PLÁGIO ACADÊMICO: CONHECER PARA COMBATER

PLÁGIO ACADÊMICO: CONHECER PARA COMBATER PLÁGIO ACADÊMICO: CONHECER PARA COMBATER A prática de plágio tem sido comum em diversas publicações científicas e precisa ser combatida. Com o objetivo de informar os profissionais, docentes e discentes

Leia mais

Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998.

Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Lei de Software Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre a proteção da propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

TERMOS DE USO DO SITE DE ENVIO DE FOTOS DO GRUPO CCR

TERMOS DE USO DO SITE DE ENVIO DE FOTOS DO GRUPO CCR TERMOS DE USO DO SITE DE ENVIO DE FOTOS DO GRUPO CCR ATENÇÃO: LEIA ATENTAMENTE OS TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DESTE SITE PARA ENVIO DE FOTOS DO GRUPO CCR (TERMOS DE USO). O PRESENTE TERMO DE USO IMPORTARÁ

Leia mais

SUBSTITUTIVO. (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) O CONGRESSO NACIONAL decreta:

SUBSTITUTIVO. (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) O CONGRESSO NACIONAL decreta: 20 SUBSTITUTIVO (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), o Decreto-Lei nº 1.001, de 21 de outubro de 1969 (Código Penal Militar),

Leia mais

Dreaming in Digital, Living in Real Time, Thinking in Binary, Talking in IP? Welcome to your wolrd!

Dreaming in Digital, Living in Real Time, Thinking in Binary, Talking in IP? Welcome to your wolrd! Dreaming in Digital, Living in Real Time, Thinking in Binary, Talking in IP? Welcome to your wolrd! Leis de Software U M A V I S Ã O D O S A S P E C T O S R E G U L A T Ó R I O S D A T E C N O L O G I

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral RESUMO A cultura livre é um movimento que propõe o livre acesso e uso de obras intelectuais e culturais. É um conceito mais genérico que o software livre, pois

Leia mais

CRIMES NA INTERNET. 1. Desenvolvimento

CRIMES NA INTERNET. 1. Desenvolvimento CRIMES NA INTERNET * James Nogueira Bueno ** Vânia Maria Bemfica Guimarães Coelho 1 Resumo Este trabalho apresenta a dimensão ética contida nos espaços e suportes informacionais trazido à realidade do

Leia mais

Prof. Douroando Luiz Carlos Pereira AULA 1

Prof. Douroando Luiz Carlos Pereira AULA 1 Prof. Douroando Luiz Carlos Pereira AULA 1 EMENTA: Caracterização das leis de software. Conceituação: Tratamento e sigilo de dados; Propriedade intelectual; Noções de Direitos Autorais; Responsabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO N 67, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO N 67, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO N 67, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013. Dispõe sobre os Direitos Autorais na Arquitetura e Urbanismo, estabelece normas e condições para o registro de obras intelectuais no Conselho de Arquitetura e

Leia mais

MANUAL DE NORMAS. 1. Fonogramas para TV, TV por assinatura, Cinema, Rádio, Internet e Mídia Alternativa

MANUAL DE NORMAS. 1. Fonogramas para TV, TV por assinatura, Cinema, Rádio, Internet e Mídia Alternativa MANUAL DE NORMAS 1. Fonogramas para TV, TV por assinatura, Cinema, Rádio, Internet e Mídia Alternativa A criação da composição musical ou lítero-musical, a produção fonográfica, a direção musical, a direção

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 1. EMENTA A Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014, estabeleceu princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, conhecido

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

REGULAMENTO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E INTERNET

REGULAMENTO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E INTERNET 1 REGULAMENTO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E INTERNET Ricardo Machado Torres Ricardo Ariel Correa Rabelo Renata Azevedo Santos Carvalho José Albérico Gonçalves Ferreira Fábio Severo da Silva ARACAJU

Leia mais

Trilha 6: Ambiente legal, regulatório, segurança e inimputabilidade da rede

Trilha 6: Ambiente legal, regulatório, segurança e inimputabilidade da rede Trilha 6: Ambiente legal, regulatório, segurança e inimputabilidade da rede A) Questões chave levantadas: (Relato concatenado das discussões dos dias 13 e 14.) Busca de um ambiente legal e regulatório

Leia mais

INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS SOBRE A MONOGRAFIA FORMA DE AVALIAÇÃO

INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS SOBRE A MONOGRAFIA FORMA DE AVALIAÇÃO Faculdade Minas Gerais Avenida do Contorno, nº 10.185 - Prado - Belo Horizonte MG CEP: 30.110-140 Fone: (0xx)31 3295-4004 CURSO DE DIREITO - NÚCLEO DE MONOGRAFIA INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS SOBRE A

Leia mais

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção Leonardo de Medeiros Garcia Coordenador da Coleção Marcelo André de Azevedo Promotor de Justiça no Estado de Goiás. Assessor Jurídico do Procurador-Geral de Justiça e Coordenador da Procuradoria de Justiça

Leia mais

Curso de Direitos Autorais

Curso de Direitos Autorais Curso de Direitos Autorais Prof. Heros Elier Martins Neto Bacharel e Mestrando em Direito Civil pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Funcionário do Tribunal de Justiça do Estado de São

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS SOBRE A MONOGRAFIA FORMA DE AVALIAÇÃO

INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS SOBRE A MONOGRAFIA FORMA DE AVALIAÇÃO Faculdade Minas Gerais Avenida do Contorno, nº 10.185 - Prado - Belo Horizonte MG CEP: 30.110-140 Fone: (0xx)31 3295-4004 CURSO DE DIREITO - NÚCLEO DE MONOGRAFIA INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS SOBRE A

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE OSMAR LOPES JUNIOR CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE A internet rompe barreiras, fronteiras e qualquer

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA

PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA Grupo de Discussão UFMT/ESUD Cuiabá (MT), 05/11/2010 Geraldo da Cunha Macedo E-mail e MSN: gmacedo@terra.com.br PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade Industrial (LPI) Direito

Leia mais

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet.

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet. Faculdade INED Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III Legislação Propriedade Intelectual do Software Banco de Dados e Sistemas para Internet Agosto-2008 1 2 Referências Agenda PRESIDÊNCIA

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS (UFPelNet)

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS (UFPelNet) REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS (UFPelNet) A Universidade Federal de Pelotas (UFPel), através de seu Comitê de Tecnologia da Informação (PORTARIA

Leia mais

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor O Dano Moral e o Direito Moral de Autor Guilherme L. S. Neves Advogado especializado em Direito do Entretenimento Associado à Drummond e Neumayr Advocacia 11/05/2007 Introdução: Como é cediço, o direito

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA 1 REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX Empresa XX LTDA A EMPRESA XX LTDA, através de seu Comitê de Tecnologia da Informação, órgão responsável pela normatização e padronização

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. RUY CARNEIRO) Dispõe sobre diretrizes gerais e normas para a promoção, desenvolvimento e exploração da atividade de computação em nuvem no País. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Do papel ao meio eletrônico: a validade jurídica dos documentos eletrônicos e a assinatura Carolina Cunha dos Reis* Projeto de Monografia 1. INTRODUÇÃO No âmbito nacional, encontram-se

Leia mais

Trademarks: protege logotipos e outros símbolos que identificam um produto, empresa ou negócio.

Trademarks: protege logotipos e outros símbolos que identificam um produto, empresa ou negócio. DIREITOS AUTORAIS As informações a seguir foram elaboradas para ajudar a esclarecer as dúvidas mais frequentes sobre ilustração, contratos e direitos autorais. Para maiores informações jurídicas aconselhamos

Leia mais

3 PROGRAMA DE COMPUTADOR...2

3 PROGRAMA DE COMPUTADOR...2 Sumário 3 PROGRAMA DE COMPUTADOR...2 3.1 Conceito de Software...2 3.2 Aplicação do Direito Autoral...2 3.3 Direitos...2 3.4 Titularidade e Autoria...3 3.5 Prazo de Proteção...3 3.6 Registro...3 3.7 Relação

Leia mais

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS Os conteúdos listados abaixo são uma prévia dos temas e podem ser adequados ao cliente de acordo com o perfil e demanda da empresa/instituição.

Leia mais

GESTÃO COLETIVA NO AMBIENTE DIGITAL

GESTÃO COLETIVA NO AMBIENTE DIGITAL GESTÃO COLETIVA NO AMBIENTE DIGITAL CONTEXTO A gestão coletiva de direitos autorais é uma das formas com que os autores podem garantir de maneira efetiva os seus direitos. Disciplinada no ordenamento jurídico

Leia mais

TERMO DE RESPONSABILIDADE E DE ACEITE PARA UTILIZAÇÃO DO ATENDIMENTO WEB DO CREA-RJ

TERMO DE RESPONSABILIDADE E DE ACEITE PARA UTILIZAÇÃO DO ATENDIMENTO WEB DO CREA-RJ TERMO DE RESPONSABILIDADE E DE ACEITE PARA UTILIZAÇÃO DO ATENDIMENTO WEB DO CREA-RJ 1. Aceitação dos Termos e Condições de Uso O uso do Atendimento Web oferecido pela CREA-RJ está condicionado à aceitação

Leia mais

Trilha 2 Propriedade intelectual na rede

Trilha 2 Propriedade intelectual na rede TEMA: Mudança de paradigma: do bem físico para o intangível POSICIONAMENTOS Governo - O conceito de propriedade está relacionado ao seu contexto. Passamos da noção de centralidade do bem físico na economia

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direitos do Autor Código

Leia mais

A PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DOS PROGRAMAS DE COMPUTADORES

A PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DOS PROGRAMAS DE COMPUTADORES Resumo: A PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DOS PROGRAMAS DE COMPUTADORES RENATA ALBUQUERQUE LIMA Faculdade Lourenço Filho - FLF Este trabalho trata de questões específicas sobre a proteção a programas

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014.

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. Dispõe sobre aprovação da Política de Segurança da Informação do IFMG. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS, no uso

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

1. Política de Privacidade e Confidencialidade do PAG CENTERCOB

1. Política de Privacidade e Confidencialidade do PAG CENTERCOB 1. Política de Privacidade e Confidencialidade do PAG CENTERCOB Estas políticas de privacidade (as "Políticas de Privacidade") entrarão em vigor desde sua aceitação para os usuários do S.C.A Serviço de

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE A FUNCIONAL, com o escopo de firmar o compromisso junto aos USUÁRIOS visando a segurança e privacidade das informações transitadas e recepcionadas através de seus sites www.funcionalcorp.com.br

Leia mais

O DIREITO AUTORAL E AS RELAÇÕES DE PLÁGIO ACADÊMICO

O DIREITO AUTORAL E AS RELAÇÕES DE PLÁGIO ACADÊMICO O DIREITO AUTORAL E AS RELAÇÕES DE PLÁGIO ACADÊMICO MIRANDA, M.R. RESUMO: Abordar-se-á a prática do plágio acadêmico, que tornou-se muito mais acessível nas últimas décadas como jamais foi experimentado

Leia mais

CULTURA DIGITAL É CULTURA LIVRE?

CULTURA DIGITAL É CULTURA LIVRE? CULTURA DIGITAL É CULTURA LIVRE? Seminário: A cultura além do digital Recife: 06/12 e Rio:07/12 2 Para começar a debater o assunto, devemos nos lembrar que a questão é ainda muito recente no Brasil, o

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

TERMO DE USO DO PORTAL SEU PET COM SOBRENOME

TERMO DE USO DO PORTAL SEU PET COM SOBRENOME TERMO DE USO DO PORTAL SEU PET COM SOBRENOME O respectivo Termo de Uso tem como objetivo regrar a utilização pelos usuários do Portal SEU PET COM SOBRENOME, localizado pelo endereço eletrônico http://www.seupetcomsobrenome.com.br,

Leia mais

3.2 SSI: formulário de Solicitação de Serviço à Informática - SSI, disponível na Intranet (Portal Corporativo Record).

3.2 SSI: formulário de Solicitação de Serviço à Informática - SSI, disponível na Intranet (Portal Corporativo Record). 1. OBJETIVOS Regulamentar o processo a ser seguido pelos usuários para liberação de ferramentas e recursos de Tecnologia da Informação, visando otimizar e agilizar as solicitações de forma que não gere

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini IME USP Outubro/2007 Direitos Autorais Lei nº 9.610/98 Propriedade imaterial Direitos autorais Propriedade industrial Direitos

Leia mais

O USO LEGAL DO SAMPLE Escrito por Fulvio Machado Faria

O USO LEGAL DO SAMPLE Escrito por Fulvio Machado Faria O USO LEGAL DO SAMPLE Escrito por Fulvio Machado Faria 1. INTRODUÇÃO. 1.1. O Porquê. 1.2. O Incômodo. 2. MÉTODO SAMPLE. 3. A UTILIZAÇÃO DO SAMPLE. 3.1. Lei 9.610/98 (Lei Brasileira dos Direitos Autorais).

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO Estabelece o Marco Civil da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Esta Lei estabelece direitos

Leia mais

Termo de Uso. 1. Aceitação do Termo de Uso pelo Usuário

Termo de Uso. 1. Aceitação do Termo de Uso pelo Usuário Termo de Uso O respectivo Termo de Uso, objetiva determinar a utilização pelo Usuário do portal FUTMUNDI, localizado pelo endereço eletrônico http://www.futmundi.com, de titularidade FUTMUNDI Entretenimento

Leia mais

Riesgos del Trabajo. Términos Legais e Condições de Uso. Âmbito de Aplicação

Riesgos del Trabajo. Términos Legais e Condições de Uso. Âmbito de Aplicação Riesgos del Trabajo Términos Legais e Condições de Uso SANCOR COOPERATIVA DE SEGUROS LIMITADA e/ou as sociedades do GRUPO SANCOR SEGUROS (em adiante SANCOR SEGUROS) são titulares dos Sítios Web www.sancorseguros.com,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES

REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES Faculdade de Filosofia e Ciências REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES Versão 1.0 Abril de 1998 REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

DIREITO ELETRÔNICO. Palavras-chave: conceito; legislação subsidiária, direito penal, civil, consumidor, constitucional.

DIREITO ELETRÔNICO. Palavras-chave: conceito; legislação subsidiária, direito penal, civil, consumidor, constitucional. 1 DIREITO ELETRÔNICO Samara Luna, aluna do 9º semestre do Curso de Direito do CEUNSP de Salto. RESUMO Este artigo tem por escopo traçar as primeiras linhas a respeito do Direito Eletrônico, tecendo breves

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

Direitos autorais Legislação e Normas

Direitos autorais Legislação e Normas 3 Direitos autorais Legislação e Normas Lígia Fascioni Aula de hoje lei autoral tipos de obra registro de obras direitos morais direitos patrimoniais registro e patente de desenho industrial marcas Lei

Leia mais

Termo de Uso. 1. Aceitação do Termo de Uso pelo Usuário. 2. Acesso e Utilização dos Serviços

Termo de Uso. 1. Aceitação do Termo de Uso pelo Usuário. 2. Acesso e Utilização dos Serviços Termo de Uso O respectivo Termo de Uso (doravante, Termo de Uso ) tem como objetivo regrar a utilização pelos usuários de Internet (doravante, Usuário ) do Site BlenderWeb, localizado pelo endereço eletrônico

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

RAQUEL DA SILVA OFRANTI VIOLAÇÃO E PROTEÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS DE OBRAS LITERÁRIAS PUBLICADAS NA INTERNET

RAQUEL DA SILVA OFRANTI VIOLAÇÃO E PROTEÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS DE OBRAS LITERÁRIAS PUBLICADAS NA INTERNET RAQUEL DA SILVA OFRANTI VIOLAÇÃO E PROTEÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS DE OBRAS LITERÁRIAS PUBLICADAS NA INTERNET RIO DE JANEIRO 2003 RAQUEL DA SILVA OFRANTI VIOLAÇÃO E PROTEÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS DE OBRAS

Leia mais

a adaptação de músicas conhecidas sem autorização do autor

a adaptação de músicas conhecidas sem autorização do autor Prezado Coordenador: Gostaria de saber se constitui crime a reprodução de músicas, sem autorização do autor, pelos candidatos ao Legislativo Municipal ou pelas empresas que realizam a reprodução. Aqui

Leia mais

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual Nota: O estudo deste módulo requer cerca de 02 horas. Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão. Sabemos que o inventor

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

FICHA DE CADASTRO DE USUÁRIO:

FICHA DE CADASTRO DE USUÁRIO: FICHA DE CADASTRO DE USUÁRIO: www.condominio-on-line.com Email: * CPF / CNPJ: * Nome: * Apelido: Morador: Proprietário [ ] Inquilino [ ] * Complemento: * Tel. Celular: (Visão - Síndico) Tel. Residencial:

Leia mais

DIREITO AUTORAL ELETRÔNICO

DIREITO AUTORAL ELETRÔNICO DIREITO AUTORAL ELETRÔNICO Resumo A novidade da Internet tem trazido alguma confusão no que se refere a propriedade de conteúdo disponibilizado on-line. Muitas vezes, pensa-se, erroneamente, que qualquer

Leia mais

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Presidente do Conselho Curador da FESP, no uso de suas atribuições, faz regulamentar o uso da rede de computadores

Leia mais

LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO N 12.527/2011 CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO

LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO N 12.527/2011 CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO N 12.527/2011 REGRAS ESPECÍFICAS PARA OS ESTADOS Art. 45 da LAI: Cabe aos Estados, em legislação própria, definir regras específicas, observadas as regras gerais estabelecidas

Leia mais

VALIDAÇÃO DE DADOS o cadastro de usuário só será validado, se todas as informações pessoais estiverem corretas;

VALIDAÇÃO DE DADOS o cadastro de usuário só será validado, se todas as informações pessoais estiverem corretas; Este Termo de Uso apresenta as "Condições Gerais" aplicáveis ao uso dos serviços oferecidos por Nome Fantasia: Acordo Certo, inscrito no CNPJ sob n.º 08.702.298/0001-93, com sede a Rua Sete de Abril, 97-6º

Leia mais

CONVÊNIO PROGRAMA CIDADE LIMPA DIGITAL

CONVÊNIO PROGRAMA CIDADE LIMPA DIGITAL CONVÊNIO PROGRAMA CIDADE LIMPA DIGITAL QUE ENTRE SI FAZEM ABES - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE SOFTWARE, SUCESU-SP SOCIEDADE DE USUÁRIOS DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES- SÃO PAULO E EMPRESA DE

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE UNISINOS Unidade 07 Professora Liz Beatriz Sass 2010/II O direito brasileiro e a informática Lei nº 7.232/84 Política Nacional de Informática Criou

Leia mais

SMART DIALOGUE ON INTERNET GOVERNANCE PROPRIEDADE INTELECTUAL E RESPONSABILIDADE DOS INTERMEDIÁRIOS

SMART DIALOGUE ON INTERNET GOVERNANCE PROPRIEDADE INTELECTUAL E RESPONSABILIDADE DOS INTERMEDIÁRIOS SMART DIALOGUE ON INTERNET GOVERNANCE PROPRIEDADE INTELECTUAL E RESPONSABILIDADE DOS INTERMEDIÁRIOS CONSIDERAÇÕES GERAIS Como é do domínio público, a internet permite transmitir dados de qualquer ordem,

Leia mais

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO TOPHQ" O presente Termo e Condições Gerais regulamentam o concurso TOPHQ.

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO TOPHQ O presente Termo e Condições Gerais regulamentam o concurso TOPHQ. TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO TOPHQ" O presente Termo e Condições Gerais regulamentam o concurso TOPHQ. Por favor, leia atentamente antes de participar. CONCORDÂNCIA COM OS TERMOS 1 - A Yamato Comunicações

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 12, DE 2015 (Do Sr. Lucas Vergilio)

PROJETO DE LEI N.º 12, DE 2015 (Do Sr. Lucas Vergilio) *C0050960A* C0050960A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 12, DE 2015 (Do Sr. Lucas Vergilio) Dispõe sobre a utilização de sistemas de verificação biométrica e dá outras providências. DESPACHO: ÀS

Leia mais

Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014;

Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014; Projeto de resolução da Seção IV Preâmbulo: Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014; Baseados no

Leia mais

TERMOS DE USO DO SITE WWW.DAYCOVALINVESTE.COM.BR

TERMOS DE USO DO SITE WWW.DAYCOVALINVESTE.COM.BR TERMOS DE USO DO SITE WWW.DAYCOVALINVESTE.COM.BR Este site é de propriedade do Banco Daycoval S/A e foi desenvolvido com a finalidade de disponibilizar informações para sua correta utilização e reserva-se

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: 1 SUBEMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL ÀS EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 2.126, DE 2011 Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN

Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN AGENDA Lei de Inovação e demais legislação. Propriedade Intelectual na Lei

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DEZEMBRO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cgti@listas.ifbaiano.edu.br Site: http://www.ifbaiano.edu.br

Leia mais

PIRATARIA DE SOFTWARE E SUAS RESPONSABILIDADES: OS DANOS CAUSADOS E AS SOLUÇÕES PONTUAIS ADOTADAS

PIRATARIA DE SOFTWARE E SUAS RESPONSABILIDADES: OS DANOS CAUSADOS E AS SOLUÇÕES PONTUAIS ADOTADAS PIRATARIA DE SOFTWARE E SUAS RESPONSABILIDADES: OS DANOS CAUSADOS E AS SOLUÇÕES PONTUAIS ADOTADAS 2 I. INTRODUÇÃO I. a) BREVE HISTÓRICO Para relatar, ainda que de modo sucinto, a trajetória do programa

Leia mais

PROGRAMA TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL

PROGRAMA TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL LÍNGUA PORTUGUESA Compreensão e interpretação de textos Tipologia textual Ortografia oficial Acentuação gráfica Emprego das classes de palavras Emprego do sinal indicativo de crase Sintaxe da oração e

Leia mais

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA ESTUDO POLUIÇÃO SONORA José de Sena Pereira Júnior Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO DEZEMBRO/2005 Câmara

Leia mais