Para informações complementares, favor contatar nosso posto avançado mais próximo:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para informações complementares, favor contatar nosso posto avançado mais próximo:"

Transcrição

1 Local/Data: São Paulo, 25 de Setembro de Cliente: Engebio A/C: Sr. Mário Saffer PROPOSTA TÉCNICA PRELIMINAR (Fase 1 *) EPC p/ Central Termelétrica de 8MW el -13,8kV-60Hz c/ Subestação Elevadora-10MVA-13,8/69kV Combustível: Resíduo Sólido Urbano (RSU) * Obs.: Para este caso, deverá ocorrer a implantação de uma segunda unidade de mesmo porte para entrada em operação à partir de Objetivo: Proposta técnica para fornecimento de construção civil, serviços de engenharia, painéis elétricos, sistema de automação, instrumentação, equipamentos, materiais e serviços de instalação elétrica e mecânica, comissionamento, start-up e operação assistida descritos a seguir. Para informações complementares, favor contatar nosso posto avançado mais próximo: PAULO SERGIO STEIDEL Aplicação & Vendas Fone: (41) Fax: (11) Cel: (41) JORGE ELIAS Gerente de Vendas Fone: (11) Fax: (11) Cel: (11) Estamos a disposição para quaisquer esclarecimentos que se façam necessários. Atenciosamente, JOSÉ ROMERO RÊGO Diretor Comercial 1

2 ÍNDICE 1 OBJETIVO CONSTRUÇÃO CIVIL PROJETO CIVIL EXECUTIVO OBRA CIVIL SISTEMA MECÂNICO PROJETO MECÂNICO SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO MECÂNICA MATERIAIS MECÂNICOS EQUIPAMENTOS MECÂNICOS SISTEMA ELÉTRICO PROJETO ELÉTRICO SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA MATERIAIS DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS PAINÉIS ELÉTRICOS SISTEMA DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE AUTOMAÇÃO CONSIDERAÇÕES / FORA DE ESCOPO CONSIDERAÇÕES FORA DE ESCOPO CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO PRAZO DE ENTREGA LOCAL DE ENTREGA EMBALAGEM DATA BASE VALIDADE DA PROPOSTA ANEXO I - CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

3 1 OBJETIVO Esta proposta tem como objetivo apresentar as condições técnicas para fornecimento de construção civil, serviços de engenharia, painéis elétricos, sistema de automação, instrumentação, equipamentos, materiais e serviços de instalação elétrica e mecânica, comissionamento, start-up e operação assistida necessários à implantação de uma Usina Termelétrica (UTE), movida à resíduo sólido urbano (RSU), com potência instalada de 8MW el *, a ser implantada no Sul do Estado de Minas Gerais. * Obs.1 : Devido ao aumento de disponiblidade de RSU, deverá ocorrer a implantação de uma segunda unidade de mesmo porte para entrada em operação à partir de 2016 (custo não incluso na presente proposta). * Obs. 2: O dimensionamento da UTE foi feito com base em estimativa do Poder Calorífico Inferior (PCI) do RSU. O valor considerado foi 1.850kcalkg (médio). Entretanto, deverá ser realizada uma análise química do combustível, para verificação do valor exato do PCI, estando a presente proposta sujeita a revisões, caso o valor encontrado seja diferente do considerado. A central geradora operará em paralelo contínuo com a concessionária de energia local, fornecendo energia elétrica às cargas auxiliares e exportando o excedente de energia gerado. Foi considerado que a interligação da central geradora com o sistema elétrico externo se dará através de conexão em 69,0 kv (à ser confirmada), dispondo das proteções de acoplamento exigidas pelas normas da concessionária local e com controle através do sistema de automação e supervisão a ser instalado. Está incluso na presente proposta, o fornecimento da Subestação Elevadora da UTE 13,8/69,0kV, com um transformador, barramento simples e um bay simples de saída de LT. Entretanto, este item da proposta está sujeito à revisão orçamentária após a emissão do Parecer de Acesso Conclusivo da Concessionária. Não estão inclusos na presente proposta o fornecimento de Linha de Transmissão 69,0kV e Bay de Conexão na Subestação da Concessionária Local. Na presente proposta está previsto o fornecimento total ou parcial dos seguintes itens, conforme detalhamento desta proposta: Gerenciamento do empreendimento; Construção civil: Projeto básico e executivo; Obra civil; Sistema mecânico: Projeto; Serviços; Materiais; Equipamentos; Sistema elétrico: Projeto; Serviços; Materiais; Equipamentos. Estudos de proteção: Curto-circuito; Coordenação e seletividade; Tratativas Técnicas: CREA; Concessionária de energia local; Painéis de força, comando e proteção; Sistema de automação: Projeto; Materiais; Equipamentos; 3

4 Instrumentação: Projeto; Materiais; Equipamentos; Comissionamento e start-up; Operação assistida. 4

5 2 CONSTRUÇÃO CIVIL 2.1 Projeto Civil Executivo A AREVA KOBLITZ desenvolverá o projeto civil executivo da obra em questão, contendo os seguintes documentos: Projeto arquitetônico executivo; Projeto executivo das fundações; Especificações, procedimentos e requisitos mínimos a serem observados durante a execução das obras civis; Listagem de materiais; Lay-out geral com o posicionamento dos diversos prédios, estruturas e equipamentos; Detalhes construtivos das diversas edificações e estruturas; Cálculo estrutural para execução de bases e edificações. 2.2 Obra Civil Composta pelos serviços e materiais de construção civil da obra em questão, bem como a supervisão de seu andamento. A obra civil consistirá basicamente das seguintes atividades: Locação; Fundações (considerando fundação direta); Edificações. Para implantação da UTE serão construídos: Canteiro de Obras: Montagem de canteiro de obras, considerando disponibilizados pelo cliente pontos de água, esgoto, luz e internet a uma distância máxima de até 50m. Subestação 69,0kV: Bases para painéis elétricos; Bases para transformador e demais equipamentos do pátio; Caixa de contenção de óleo; Caixa separadora de óleo; Canaletas; Assentamento de brita; Cercas e portões. Casa de Força: Prédio da casa de força; Bases para equipamentos, tais como: turbina, gerador, condensador, transformador e painéis elétricos; Instalações hidro-sanitárias; Caixa de contenção de óleo; Caldeira e seus auxiliares: Bases; ETA / Desmi / ETE: Bases para equipamentos; Edificações; Tanques de concreto. Balança Rodoviária; Sistema de alimentação de RSU: Tanque de concreto ( bunker ) para armazenamento do RSU com 5.000m 3 úteis; Bases para equipamentos de movimentação. 5

6 * Obs.: Na presente proposta estamos considerando o fornecimento da Construção Civil (Serviços e Materiais) na forma de faturamento direto para o cliente, sob responsabilidade técnica da AREVA KOBLITZ. * Obs. 2: Devido à inexistência de sondagens do terreno da UTE, estamos considerando em nossa proposta a execução de fundação direta, sem a necessidade de estaqueamento. Dessa forma, os custos com fundações estão sujeitos à revisões orçamentárias, caso as sondagens do local indiquem valores superiores ao considerado. * Obs. 3: Não estamos considerando em nossa proposta o tratamento de solo (impermeabilização, etc) para evitar contaminação pelo combustível na região do pátio movimentação do RSU (recepção, manuseio e armazenagem do combustível). * Obs. 4: Em nossa proposta não está considerado o asfaltamento/pavimentação dos arruamentos da UTE. 6

7 3 SISTEMA MECÂNICO 3.1 Projeto Mecânico Consistirá na especificação de equipamentos e sistemas e no detalhamento da instalação mecânica da UTE. A elaboração do projeto se desenvolve em diversas etapas, da concepção inicial até a fase conclusiva, com a entrega dos desenhos "as built". Os trabalhos serão desenvolvidos de acordo com o seguinte escopo: Estudo conceitual do sistema de geração, com a definição macro dos equipamentos e parâmetros do processo; Tratativas técnicas com o cliente com vistas à definição conceitual do projeto; Elaboração e cálculo do balanço térmico e de massa do sistema; Visitas ao local de implantação da obra para levantamento de dados necessários à elaboração do projeto; Elaboração dos seguintes fluxogramas de processo: Geral de água; Vapor; Condensado; Água de refrigeração; Água de serviço; Ar comprimido. Elaboração de especificações técnicas destinadas à compra dos seguintes equipamentos e sistemas: Reservatórios de água; Estação de tratamento de água; Estação de desmineralização; Sistema de neutralização do PH para efluentes líquidos; Caldeira aquatubular p/ queima de RSU c/ sistema de tratamento de gases; Sistema de alimentação de RSU (pátio de combustível); Turboredutor de condensação à vácuo; Ponte rolante; Sistema de ar comprimido; Balança rodoviária; Sistema de Combate à incêndio Sistema de ventilação adiabático; Sistema de refrigeração para salas de comando/painéis; Montagem mecânica; Solicitação de propostas e tratativas técnicas com os fornecedores; Elaboração de planilhas de equalização técnico-comercial das propostas de equipamentos e sistemas, para o caso de aquisição direta pelo cliente; Cálculo e dimensionamento das tubulações e componentes do sistema. Serão elaborados os seguintes lay-outs e desenhos: Lay-out de instalação dos equipamentos; Plantas e cortes para instalação das tubulações; Desenhos isométricos das diversas linhas de tubulações, onde se fizer necessário; Elaboração da lista de linhas do projeto; Elaboração da listagem de materiais do projeto para compras; Elaboração do procedimento de tratamento de superfície e pintura das tubulações, dutos e suportes; Elaboração do manual de operação e manutenção do sistema; As built. 7

8 Circuitos Mecânicos Serão objeto do projeto mecânico os seguintes circuitos/sistemas da UTE: Linha de Água Bruta / Clarificada A partir de um reservatório de água bruta (iníco do escopo da presente proposta), a água será bombeada através de tubulação de aço carbono para a estação de tratamento de água (ETA), onde passará por um processo de clarificação. À partir da ETA, a água irá para um reservatório de água clarificada e deste será distribuída através de tubulações de aço carbono para os seguintes pontos: estação de desmineralização, casa de força (para serviços gerais), torres de resfriamento e sistema de retenção de particulados. As válvulas desta linha serão de aço fundido com extremos para flanges e com os mecanismos internos de aço inoxidável. Os flanges serão do tipo sobreposto de aço carbono, fabricados conforme Norma ANSI B A tubulação será suportada através de pipe-racks ou aproveitando estruturas próximas. Limites de bateria: De: Reservatório de água bruta; Para: estação de desmineralização, casa de força, torres de resfriamento e sistema de retenção de particulados. * Obs.: Como não há definição do ponto de captação de água, as bombas, tubulações e demais estruturas necessárias entre o ponto de captação e o reservatório de água bruta, não estão inclusas na presente proposta. Linha de Água Desmineralizada Após a passagem pela Estação de Desmineralização, a água segue para o tanque de água desmineralizada. Por conta da temperatura ambiente da água, este tanque não necessita ser isolado termicamente. A linha de água desmineralizada começa na parte inferior do tanque onde uma tubulação de aço carbono, se conecta à(s) bomba(s) da linha, sendo uma reserva. A água desmineralizada será bombeada através de tubos de aço carbono, ligados por solda de topo, em direção à parte superior do desaerador. As válvulas desta linha serão de aço fundido com extremos para flanges e com os mecanismos internos de aço inoxidável. Os flanges serão do tipo sobreposto de aço carbono, fabricados conforme Norma ANSI B A tubulação será suportada através de pipe-racks ou aproveitando estruturas próximas. Limites de bateria: De: Estação de Desmineralização; Para: Desaerador. Linhas de Água Desaerada A linha de água desaerada começa na parte inferior do desaerador, onde uma tubulação de aço carbono, se conecta às bombas da caldeira (sendo uma reserva). A água desaerada será bombeada através de tubulação de aço carbono, sem costura, em direção à caldeira. Ao longo da linha de água desaerada existirão válvulas de controle do nível da caldeira, com by-pass, para manutenção. Existirão tubulações de aço carbono que irão manter a vazão mínima das bombas de alimentação da caldeira com auxílio de válvulas de controle. As válvulas da linha de água desaerada serão de aço fundido com extremos para flanges e com os mecanismos internos de aço inoxidável. Os flanges serão do tipo sobreposto de aço carbono forjado, fabricado conforme Norma ANSI B A tubulação de água desaerada será suportada através de pipe-racks, que estão dispostos ao longo da linha. Todas a tubulação será isolada termicamente com a utilização de tubos de lã de rocha, chapas de alumínio e rebites. Limites de bateria: De: Desaerador; Para: Caldeira. 8

9 Circuitos de Vapor Direto Após a instalação da caldeira em questão, será possível produzir vapor a uma vazão nominal de 35t/h com 45bar (a) de pressão e 410ºC de temperatura. Este vapor será coletado e transportado por uma tubulação de aço liga até a casa de força. Toda a tubulação de vapor direto será isolada com manta em lã de rocha basáltica e ao longo dos trajetos serão instalados conjuntos de drenagem e purgas para eliminar o condensado das linhas. Também para auxiliar na drenagem das linhas, a tubulação será instalada com um pequeno decaimento constante na direção do fluxo. Os flanges serão do tipo sobreposto de aço liga, fabricado conforme Norma ANSI B Afim de que se evitem tensões internas e reações provenientes da dilatação térmica, a tubulação de vapor será projetada afastando-se da linha reta, por meio de ângulos no plano ou no espaço (liras) ou ainda utilizando juntas de dilatação e suportes de molas, de maneira que a tubulação fique com flexibilidade própria, capaz de absorver as dilatações. A tubulação será suportada através de pipe-racks ou aproveitando estruturas próximas. Limites de bateria: De: Válvula globo de saída da caldeira; Para: Entrada daturbina de condensação. Circuitos de Vapor para o Desaerador O vapor para o desaerador será transportado por tubos de aço carbono ligados por solda de topo. As válvulas da linha de vapor serão de aço fundido com extremos para solda de topo e com os mecanismos internos de aço inoxidável. Os flanges serão do tipo sobreposto de aço carbono, fabricado conforme Norma ANSI B Na tubulação de vapor serão instalados, em alguns pontos da linha, purgadores para que haja uma perfeita drenagem do condensado formado. Também para auxiliar na drenagem da linha, a tubulação será instalada com um pequeno decaimento constante na direção do fluxo. A fim de que se evitem tensões internas e reações provenientes da dilatação térmica, a tubulação de vapor será projetada afastando-se da linha reta, por meio de ângulos no plano ou no espaço (liras) ou ainda utilizando juntas de dilatação e suportes de molas, de maneira que a tubulação fique com flexibilidade própria, capaz de absorver as dilatações. A tubulação será suportada através de pipe-racks ou aproveitando estruturas próximas. Limites de bateria: De: Tomada de vapor da turbina de condensação; Para: Desaerador. Circuitos de Retorno de Condensado Após a passagem pelo condensador de vapor à seco, o vapor condensa e se acumula no poço de água quente (hot well). Em seguida o condensado é bombeado para o desaerador da caldeira, através de tubulação de aço carbono ligada por solda de topo. O nível de condensado é controlado por uma válvula de recirculação que o mantém sempre acima do mínimo exigido. As válvulas da linha de condensado são de aço fundido com extremos para flanges e com os mecanismos internos de aço inoxidável. Os flanges serão do tipo sobreposto de aço carbono, fabricado conforme Norma ANSI B A tubulação será suportada através de pipe-racks ou aproveitando estruturas próximas, sendo isolada termicamente com isotubo / manta em lã de rocha basáltica, chapas de alumínio e rebites. Limites de bateria: De: Bombas de condensado da turbina de condensação; Para: Desaerador. 9

10 Circuitos de Água de Resfriamento A partir da bacia das torres de resfriamento, a água será bombeada para o condensador de vapor, através de tubulação de aço carbono. A tubulação de água se conecta na parte inferior do condensador de vapor através de flanges (bocais de entrada), fabricado conforme Norma ANSI B 16.5, e sai na parte superior através de flanges (bocais de saída), também fabricados conforme a mesma norma. A referida tubulação será suportada através de pipe-racks, que estarão dispostos ao longo da linha. Após a passagem pelo condensador de vapor, onde troca calor com o vapor proveniente do turbogerador, a água de resfriamento tem sua temperatura elevada numa faixa que pode variar entre 9ºC e 10ºC, seguindo então para as torres de resfriamento. A entrada de água nas torres se dá através do bocal de entrada, fabricado conforme Norma ANSI B 16.5, em seqüência é distribuída ao enchimento de contato por intermédio de bicos de distribuição de água. Simultaneamente o ventilador, instalado na parte superior das torres, quando necessário, aspira o ar passando pelo enchimento onde há o contato com a água ocorrendo a transferência de calor. O ar quente sai na parte superior da torre e a água fria é disponibilizada pelo bocal de saída instalada na bacia. Esta água será novamente bombeada para o condensador de vapor continuando o ciclo de resfriamento. Limites de bateria: De: Torres de resfriamento; Para: Condensador da turbina de condensação. Suportes Todos os suportes serão fabricados na obra utilizando vigas I, vigas U, chapas, cantoneiras, barras e demais materiais necessários para sua fabricação. Obs 1: Como não há infomações de como será feita a captação da água utilizada, considerou-se como fora de escopo o transporte da água do ponto de captação até reservatório de água bruta. Obs 2: Todos os suportes e as linhas que não tiverem isolamento térmico serão pintadas com uma demão de primer e uma demão de tinta de acabamento. 3.2 Serviços de Instalação Mecânica Gerenciamento do Projeto Todos os documentos do projeto deverão ser enviados à equipe de gerenciamento na AREVA KOBLITZ, a qual promoverá o devido controle e distribuições. Os documentos gerados por terceiros serão distribuídos internamente para comentários e aprovação. Os documentos gerados pela AREVA KOBLITZ serão enviados, conforme o conteúdo, às diversas entidades envolvidas (cliente, fornecedores, montadores, empreiteira civil e coordenação da obra). No início do projeto é elaborado um cronograma detalhado do empreendimento e o gerenciamento deve atuar no controle e acompanhamento do desenvolvimento de tal cronograma, promovendo os ajustes necessários através de diligenciamentos junto às várias entidades envolvidas. Caberá ao gerenciamento alertar ao cliente sobre atrasos e reprogramações provenientes de terceiros a fim de que este tome as necessárias medidas para correções dos desvios. Durante o desenvolvimento do projeto, de acordo com as necessidades, serão feitas reuniões com os vários fornecedores e representantes do cliente para acompanhamento do desenvolvimento do projeto. Obs: As atividades de gerenciamento são realizadas por equipe única e tem seus custos distribuídos proporcionalmente entre os sistemas mecânico e elétrico. Análise de Documentos de Terceiros Serão analisados e aprovados os documentos gerados pelos fabricantes dos diversos equipamentos, com o objetivo de garantir o perfeito interfaceamento dos vários sistemas de energia. 10

11 Serão analisados: Desenhos dimensionais; Especificações técnicas; Escopo e limites de fornecimento. Administração de Suprimentos Para equipamentos faturados diretamente para o cliente, a AREVA KOBLITZ será responsável pelas seguintes atividades: Lançamento de consulta de preços à praça, a partir das especificações estabelecidas em projeto; Análise de propostas e equalização técnico-comercial junto aos fabricantes; Elaboração de planilhas de preços e indicação da opção de compra que apresente as condições mais favoráveis; Elaboração de minuta dos diversos contratos com os fornecedores, amarrando condições técnicas e de performance dos equipamentos, materiais e serviços; Elaboração de cronograma físico-financeiro que contemple eventos de fabricação importantes para liberação de pagamentos de parcelas contratuais; Acompanhamento de fabricação dos equipamentos e materiais encomendados, quando necessário, através de diligenciamento e visitas aos fornecedores, tomando as ações corretivas cabíveis em caso de previsão de atrasos ou outra forma de desvio das condições contratuais de fornecimento; Inspeção final de equipamentos e materiais nos fabricantes, quando necessário, emitindo em caso de aprovação, as liberações para embarque ao canteiro de obras; Coordenação da Obra Para os serviços de coordenação do empreendimento, a AREVA KOBLITZ fornecerá equipe técnica composta por engenheiros, técnicos e supervisores, com experiência na execução de obras similares ao empreendimento em questão. Neste orçamento foi previsto a permanência de 01 (um) engenheiro e 01 (um) supervisor da obra mecânica em tempo integral, com visitas frequentes de outros técnicos da empresa envolvidos no projeto, sempre que necessário. Esta equipe será responsável direta pela condução da obra, coordenando a equipe de serviços e realizando a interface em campo com o cliente e os diversos fornecedores de equipamentos, visando garantir o cumprimento do cronograma estabelecido pelo gerenciamento do projeto. Equipe de Serviços A equipe de serviços (mão-de-obra direta de instalação), a ser fornecida pela AREVA KOBLITZ será composta por profissionais devidamente registrados conforme as normas trabalhistas vigentes. A equipe de execução dos serviços será composta por: Serralheiros; Encanadores; Caldeireiros; Mecânicos montadores; Soldadores; Pintores industriais; Auxiliares de mecânica; Inspetor de serviços mecânicos. Escopo dos Serviços de Instalação Mecânica A AREVA KOBLITZ fornecerá toda a mão-de-obra técnica necessária ao desenvolvimento dos serviços de instalação mecânica, conforme descrito abaixo: Instalação de Equipamentos Forneceremos a mão-de-obra para instalação mecânica dos equipamentos da UTE. 11

12 Montagem de Spools no Campo Fabricação dos spools no pipe-shop do canteiro ou da unidade fabril, dotado de toda estrutura e ferramental, em área coberta de forma a proteger os trabalhos das intempéries. Estes por sua vez serão montados nos locais previamente definidos nos desenhos / isométricos, após aprovação e liberação pela equipe de inspeção. Montagem de Pipe-racks Montagem dos pipe-racks, envolvendo as seguintes atividades: Fabricação dos pipe-racks; Posicionamento das estruturas nas respectivas bases; Serviços de alinhamento e nivelamento dos pipe-racks; Montagem de Suportes Os suportes serão instalados de forma a atender às necessidades dos serviços de montagem das diversas linhas. Podendo ocorrer antes ou simultâneamente aos serviços de montagem destas. Montagem de Válvulas Montagem das válvulas em suas respectivas linhas, observando o perfeito alinhamento, vedação e acoplamento à tubulação, através de flanges, roscas ou soldas. Montagem de Equipamentos Estacionários Montagem dos equipamentos estacionários, envolvendo as seguintes atividades: Inspeção e liberação das respectivas bases; Verificação da quantidade e adequação dos itens de fixação dos equipamentos nas bases, tais como, chumbadores, nichos, entre outros; Avaliação e definição dos equipamentos de elevação e movimentação necessários; Posicionamento dos equipamentos nas suas respectivas bases; Alinhamento e nivelamento dos equipamentos, com a utilização dos instrumentos necessários; Fixação e grouteamento do equipamento. Execução de Junções das Tubulações Execução das junções das diversas tubulações e acessórios, com a utilização de conexões flangeadas, rosqueadas ou soldadas. Soldagem Execução de soldagem em tubulações, flanges e conexões, com soldadores qualificados, quando necessário, conforme ASME IX. Tais soldas devem ser limpas, isentas de falhas, poros, trincas, bolhas, inclusões, mordeduras ou outros defeitos visíveis. O processo e a seqüência de soldagem adotada deverão minimizar os efeitos de retração da solda, empenamento das peças e tensões residuais, utilizando se necessário, procedimento de alívio de tensão. Em função das condições de operação (temperatura e pressão) as soldas das tubulações deverão ser submetidas a ensaios não destrutivos, tais como líquido penetrante, raio X, entre outros. Tratamento de Superfícies e Pintura Execução da preparação mecânica por meio de lixa, escova rotativa ou jateamento de areia, seguida da aplicação de tinta de fundo (primer) e da tinta de acabamento, quando aplicável. Limpeza de Sistemas Execução da limpeza das linhas feita por trechos de tubulação, a fim de que sejam removidos depósitos de ferrugem, escórias e outras impurezas do interior da tubulação. Testes de Pressão Execução, quando aplicável, de testes de pressão nas tubulações, após a conclusão dos serviços de montagem, sendo a pressão aplicada gradualmente até a pressão de teste e mantida durante o tempo necessário para a total verificação do sistema. 12

13 Comissionamento / Start-up O comissionamento será realizado por pessoal especializado da AREVA KOBLITZ logo em seguida aos trabalhos de instalação do sistema. Para os casos onde a instalação for de responsabilidade do cliente, os custos adicionais em função de atrasos nas interligações entre os equipamentos, correrão por conta deste. As modificações ocasionadas por alteração das informações de projeto não reportadas e/ou informadas de última hora ou durante as atividades de comissionamento serão consideradas aditivos ao projeto, tornando-se alvo de negociação comercial adicional. A equipe de comissionamento foi dimensionada para a realização de suas atividades durante o horário comercial, ou seja, de segunda à sexta, dàs 8:00h às 12:00h e dàs 14:00h às 18:00h. Caso seja necessário o trabalho em regime de horas extras por motivos alheios à AREVA KOBLITZ, este se dará mediante acerto comercial complementar que cubra os respectivos custos adicionais. Treinamento Está previsto o treinamento teórico e prático para operação e manutenção básica, contemplando os sistemas mecânico, elétrico e de automação. Para tal, será utilizado um dia útil para o treinamento teórico e outro dia para o treinamento prático, sendo efetuado logo em seguida à conclusão das atividades de comissionamento. Para o treinamento teórico o cliente deverá disponibilizar sala ou auditório, juntamente com os recursos audiovisuais necessários (TV, projetor, flip-chart, etc...), sendo abordados neste treinamento, os principais aspectos funcionais e recursos oferecidos pelo sistema. Não estão previstos treinamentos específicos para utilização de equipamentos ou software de terceiros. O treinamento prático será efetuado on-site utilizando os equipamentos instalados, procurando reproduzir todas as situações operacionais possíveis. Operação Assistida Está prevista a operação assistida da planta durante o período de adaptação da equipe operacional do cliente. Para tal, está prevista a permanência de uma equipe técnica, durante o horário comercial (segunda a sexta das 8:00h às 12:00h e das 14:00h às 18:00h), por um período de 30 (trinta) dias consecutivos, iniciado logo após o start-up. Qualquer alteração das condições propostas para a operação assistida, deverá ser objeto de acerto comercial complementar. 3.3 Materiais Mecânicos Forneceremos os materiais necessários e adequados aos serviços de instalação mecânica descritos nesta proposta, utilizando produtos de alta qualidade e aceitação, tais como: Tubos de aço carbono; Tubos de aço liga; Tubos em ferro galvanizado; Flanges tipo sobreposto; Flanges tipo pescoço; Flanges tipo cego; Conjunto de válvulas borboleta; Conjunto de válvulas de retenção; Conjunto de válvulas esfera; Conjunto de válvulas gaveta; Conjunto de válvulas globo; Conjunto de válvulas diafragma; 13

14 Curvas 90 e 45 ; Tês 90 e 45 ; Reduções concêntrica; Reduções excêntricas; Purgadores e filtros; Manômetros, termômetros e acessórios; Juntas de expansão e vedação; Luvas, uniões, niples, bujões e tampões; Perfis laminados (tipo: U, I, H, cantoneiras L, barras chatas, etc.); Chapas; Parafusos, chumbadores, porcas e arruelas; Isolamento térmico; Tintas, componentes, diluentes para pintura; Consumíveis, tais como: eletrodos, gases, etc Equipamentos Mecânicos Descrevemos abaixo as principais características dos equipamentos e sistemas mecânicos da UTE Reservatório de Água Bruta Quantidade: 01; Tipo: Elevado; Capacidade: 400m³; Fabricante: Jaraguá/Calnil/Mutti/Brumazi Pré-Tratamento de Água (*) Quantidade: 01; Tipo considerado da água: Rio; Tipo: Clarificação; Capacidade: 20m³/h; Fabricante: Filtrágua/Fluid Brasil/GE-Betz/Atag Mecalp. (*) Em virtude da não existência de informações sobre a qualidade da água, o tratamento de água e a estação de desmineralização foram dimensionados tomando como base na experiência da AREVA KOBLITZ em projetos similares. Porém este item deverá ser melhor analisado futuramente, através de análise química da água (orçamento sujeito a revisão) Reservatório de Água Clarificada Quantidade: 01; Tipo: Elevado; Capacidade: 200m³; Fabricante: Jaraguá/Calnil/Mutti/Brumazi Estação de Desmineralização (*) Tipo considerado da água: Rio; Tipo da Desmineralização: Osmose Reversa; Capacidade: 10m³/h; Fabricante: Filtrágua/Fluid Brasil/GE-Betz/Atag Mecalp. (*) Em virtude da não existência de informações sobre a qualidade da água, o tratamento de água e a estação de desmineralização foram dimensionados tomando como base na experiência da AREVA KOBLITZ em projetos similares. Porém este item deverá ser melhor analisado futuramente, através de análise química da água (orçamento sujeito a revisão) Reservatório Metálico de Água Desmineralizada Quantidade: 01; Capacidade: 100m³; Fabricante: Jaraguá/Calnil/Mutti/Brumazi. 14

15 3.4.6 Sistema de neutralização de PH para efluentes líquidos Quantidade: 01; Capacidade: 10m³/h; Fabricante: Yete/Filtrágua/similar Caldeira Quantidade: 01; Produção Nominal de Vapor: 35t/h; Pressão de Operação: 45bar (a) ; Temperatura do Vapor: 410 o C; Combustível: Resíduo Sólido Urbano; Tipo: Aquatubular c/ Grelha especial para queima de RSU; Sistema de combustão: a solução ainda está em desenvolvimento pela engenharia da AREVA KOBLITZ para atendimento às exigências de emissões atmosféricas conforme CONAMA (custo ainda estimativo); Tratamento de gases: a solução ainda está em desenvolvimento pela engenharia da AREVA KOBLITZ para atendimento às exigências de emissões atmosféricas conforme CONAMA (custo ainda estimativo); Fabricante: Dedini/HPB/Caldema/Biocham/Equipálcool/Similar Turboredutor Quantidade: 01; Tipo: Condensação; Potência nominal nos bornes do gerador: kw; Pressão do vapor de entrada: 43bar (a) ; Temperatura do vapor de entrada: 405 o C; Pressão da tomada: 2,5 kgf/cm²; Pressão do vapor de exaustão: 0,12bar (a) ; Rotação Nominal: 6.000rpm; Regulador eletrônico de velocidade: Woodward 505E; Sistema de monitoração de vibração: SKF ou Brüel & Kjaer; Fabricante: TGM/NG/Engecrol/Similar Torres de Resfriamento Quantidade: 01; Número de células: 02; Carga térmica total: Mcal/h; Vazão de água total: 2.000m³/h; Temperatura de água quente: 40ºC; Temperatura de água fria: 30ºC; Perda d água por evaporação + arraste (aprox.): 1,43%; Bacia das torres: Concreto; Fabricante: Vettor/Alpina/similar. Conjunto de Bombas: Quantidade: 03 (01 em stand-by); Vazão: 1.000m³/h; Fabricante: KSB/Imbil/similar Ponte Rolante para a casa de força Quantidade: 01; Tipo: Biviga; Acionamento: Motorizada; Capacidade: 25t; Vão: 9 m; Fabricante: Bauma/Schwanke/Demag/Similar. 15

16 Sistema de Ar Comprimido Quantidade: 02; Tipo do compressor: Parafuso; Capacidade unitária: 250 m³/h; Pressão: 8,0 bar; Capacidade do reservatório: litros; Fabricante: Atlas Copco/Worthington/Schulz/Similar Sistema Adiabático da Casa de Força Quantidade: 01; Numero de trocas: 30trocas; Vazão do sistema: m³/h. Fabricante: Ventec/Aerotécnica União Sistema de Refrigeração para Salas de Comando e Painéis Quantidade: 02; Tipo: Split; Capacidade unitária: Btu/h (*); Fabricante: Hitachi/LG/Carrier. (*) À ser confirmado no projeto executivo Sistema de Alimentação da Caldeira O sistema de alimentação da caldeira será composto por: a) Ponte Rolante: Quantidade: 02; Tipo: Biviga; Acionamento: Motorizada; Capacidade: 5ton; Vão: 9 m; Fabricante: Demag/Similar. b) Garra para manuseio de RSU: Quantidade: 02; Capacidade: 2,5 ton; Acionamento: Hidraulico; Fabricante: Demag/Similar Balança Rodoviária Quantidade: 01; Capacidade: 40ton; Comprimento da plataforma: 21m; Fabricante: Toledo/similar Sistema de Combate à Incêndio Será fornecido e montado um sistema de detecção de incêndio composto por: Central de alarme; Detectores de fumaça e chama (30 detectores); Acionadores manuais; Indicadores visual e sonoro; Rede de hidrantes em anel (6 hidrantes) com respectivo sistema de bombeamento; Extintores. Obs.: O dimensionamento do sistema obedecerá à legislação local. 16

17 4 SISTEMA ELÉTRICO 4.1 Projeto Elétrico Através de equipe experiente, sob a coordenação de engenheiros, a AREVA KOBLITZ fornecerá a mãode-obra necessária para elaboração e execução do projeto elétrico da obra em questão, bem como a supervisão de seu andamento, sendo responsável também pela interface técnica com os fornecedores dos equipamentos relacionados com a montagem elétrica. O projeto elétrico consistirá no detalhamento dos equipamentos e sistemas, bem como a elaboração de todos os desenhos e diagramas necessários para a instalação dos diversos equipamentos que integram o sistema, contemplando os tópicos abaixo descritos: Locação da UTE na planta baixa geral; Unifilar geral com diagramas de proteção e intertravamento do sistema; Lay-out dos setores, com plantas e cortes; Plantas de encaminhamento e interligação entre painéis e equipamentos; Esquemas de distribuição de serviços auxiliares CA/CC; Memória de cálculo e planta da malha de aterramento; Memória de cálculo e planta do sistema de proteção atmosférica (SPDA); Projeto da subestação elevadora da UTE; Projeto do sistema de iluminação interna, externa e de emergência; Especificação de equipamentos elétricos; Listagem de equipamentos elétricos de faturamento direto; Lista de cabos de controle, comando, proteção e sinalização; As built. Tratativas Técnicas CREA A AREVA KOBLITZ será responsável pelo recolhimento da ART relativa ao projeto elétrico perante o CREA. Concessionária de Energia A AREVA KOBLITZ será responsável pelas tratativas junto à respectiva concessionária de energia local para aprovação do projeto elétrico de cada UTE. ANEEL A AREVA KOBLITZ será responsável pela elaboração da documentação técnica necessária ao registro da referida UTE na ANEEL, de acordo com as portarias e resoluções vigentes. Documentação Legal Para o registro de cada UTE na ANEEL, o cliente será responsável pelo envio à AREVA KOBLITZ de duas cópias devidamente autenticadas dos seguintes documentos: Razão social; Número de inscrição no cadastro de pessoas físicas-cpf ou do registro no cadastro nacional de pessoas jurídicas-cnpj do ministério da fazenda-mf; Endereço da empresa ou empreendedor; Nome do representante legal da empresa; Contrato ou estatuto social da empresa, com indicação da composição acionária; Denominação e localização da central geradora; Prova de propriedade da área ou do direito de dispor livremente do terreno, onde será implantada a central geradora; Acordo de fornecimento comprovando, quando for o caso, a disponibilidade do combustível a ser utilizado pela central geradora; Certificados de regularidade do domicílio ou sede do interessado: 17

18 Seguridade Social; FGTS; Fazenda federal; Fazenda estadual; Fazenda municipal. Documentação Técnica Para o registro de cada UTE na ANEEL será elaborada pela AREVA KOBLITZ a seguinte documentação técnica: Arranjo geral e memorial descritivo da central geradora, contendo suas características técnicas principais, incluindo a respectiva subestação e as demais instalações de conexão ao sistema de transmissão, à rede de distribuição e/ou diretamente a outros consumidores; Fluxograma simplificado do processo; Diagrama elétrico unifilar geral; Balanço térmico da planta para as condições de operação com 100%, 75% e 50% de carga, quando aplicável; Fluxograma do sistema de resfriamento da central geradora, contendo vazões e temperaturas, quando aplicável; Ficha técnica preenchida na forma dos modelos disponibilizados pela ANEEL; Cronograma geral de implantação do empreendimento destacando as seguintes datas: Elaboração do projeto básico; Elaboração do projeto executivo; Obtenção das licenças ambientais; Início da construção; Implantação da subestação e respectivo sistema de transmissão associado; Conclusão da montagem eletromecânica; Período do comissionamento; Início da operação comercial de cada unidade geradora. Obs.: Não fazem parte de nosso escopo os seguintes itens: Coleta junto ao cliente e organização da documentação legal exigida pela ANEEL para o referido registro. Este serviço será de responsabilidade de empresa a ser contratada diretamente pelo cliente; Organização da pasta geral do processo, contendo a documentação legal e técnica exigida, bem como o protocolo da mesma na ANEEL, acompanhamento do processo e diligências junto ao referido orgão para aprovação e registro do projeto. Estes serviços serão de responsabilidade de empresa a ser contratada diretamente pelo cliente. Custos com transporte, hospedagem e alimentação de nosso pessoal em viagem, para coleta de dados no cliente. Estes custos serão de responsabilidade do cliente; Execução de quaisquer ensaios para determinação de dados técnicos de equipamentos existentes, tais como geradores, turbinas e caldeiras, no caso de indisponibilidade dos mesmos. È do cliente a responsabilidade de obtenção dos mesmos junto aos respectivos fabricantes. Estudos de Proteção Serão elaborados os estudos de proteção abaixo listados, visando garantir a confiabilidade da operação da UTE. Estudo de Curto-Circuito A análise de curto-circuito será efetuada de acordo com as recomendações da ANSI C37 (C37.5 e C37.010) constante na IEEE std /92 com a apresentação para todas as barras envolvidas dos valores de curto-circuito trifásico subtransitório/transitório em 2, 3, 5 e 8 ciclos. Valores monofásico, bifásico e bifásico-terra também serão apresentados bem como as relações X/R de cada barra em curto e tensões remanescentes das barras interligadas. 18

19 Estudo de Coordenação e Seletividade da Proteção Será efetuado o estudo de seletividade do sistema elétrico de cada UTE, desde a recepção até as unidades geradoras e a distribuição de força em média/baixa tensão. Para isso serão geradas as folhas de coordenação gráfica, as tabelas de ajustes e as recomendações. Os resultados destes estudos consistirão de um relatório composto dos casos simulados com seus resultados gráficos, conclusões e recomendações. * Obs.: Não estão insclusos no escopo da AREVA KOBLITZ os estudos sistêmicos (responsabilidade do cliente). 4.2 Serviços de Instalação Elétrica A AREVA KOBLITZ fornecerá toda a mão-de-obra técnica necessária ao desenvolvimento dos serviços de instalação elétrica, conforme descrito abaixo: Gerenciamento do Projeto Idem ao descrito no sistema mecânico. Análise de Documentos de Terceiros Idem ao descrito no sistema mecânico. Administração de Suprimentos Idem ao descrito no sistema mecânico. Coordenação da Obra Para os serviços de coordenação do empreendimento a AREVA KOBLITZ fornecerá equipe técnica composta por engenheiros, técnicos e supervisores, com experiência na execução de obras do tipo e porte do projeto em questão. Neste orçamento foi previsto a permanência de 01 (um) engenheiro e 01 (um) supervisor da obra elétrica em tempo integral, com visitas frequentes de outros técnicos da empresa envolvidos no projeto, sempre que necessário. Esta equipe será responsável direta pela condução da obra, coordenando a equipe de serviços e realizando a interface em campo com os diversos fornecedores de equipamentos, visando garantir o cumprimento do cronograma estabelecido pelo gerenciamento do projeto. Equipe de Serviços A equipe de serviços (mão-de-obra direta de instalação), a ser fornecida pela AREVA KOBLITZ será composta por profissionais devidamente registrados conforme as normas trabalhistas vigentes. A equipe de execução dos serviços será composta por: Eletricistas; Auxiliares de eletricistas. Escopo dos Serviços de Instalação Elétrica Subestação 69,0kV Execução de malha de aterramento, obedecendo às normas técnicas aplicáveis, com o uso de cabos de cobre, hastes tipo cooperweld, soldas exotérmicas e demais acessórios; Posicionamento e fixação dos painéis elétricos de força, comando e proteção; Posicionamento e fixação dos equipamentos do pátio da subestação, tais como, pára-raios, chaves seccionadoras, transformadores de corrente, transformadores de potencial, disjuntor, transformador de força; Execução de encaminhamentos, lançamento e interligação de cabos de força e comando entre equipamentos e painéis elétricos; 19

20 Conexão através de cabos de cobre nú de todos equipamentos e painéis elétricos à malha de aterramento; Montagem do barramento aéreo da subestação; Execução do sistema de proteção atmosférica da subestação; Execução do sistema de iluminação externa e de emergência da subestação; Testes de isolamento, continuidade e funcional de cada ponto conectado, por ocasião do comissionamento da planta. Casa de Força, Torres, Caldeira e Sistema de Alimentação de RSU Execução de malha de aterramento, obedecendo às normas técnicas aplicáveis, com o uso de cabos de cobre, hastes tipo cooperweld, soldas exotérmicas e demais acessórios; Posicionamento e fixação dos painéis elétricos de força, comando e proteção; Posicionamento e fixação de transformadores de força de serviços auxiliares; Posicionamento e fixação dos motores elétricos auxiliares de cada central de geração; Posicionamento, fixação, alinhamento e balanceamento do gerador; Execução de encaminhamentos, lançamento e interligação de cabos de força, comando e instrumentação entre equipamentos, painéis elétricos e demais componentes. Os encaminhamentos se darão através de leitos, eletrocalhas e eletrodutos galvanizados à fogo fixados à estrutura da casa de força através de suportes adequados ou através de eletrodutos corrugados enterrados no solo; Conexão através de cabos de cobre nú de todos equipamentos e painéis elétricos à malha de aterramento; Execução do sistema de proteção atmosférica, sendo utilizada para as edificações, proteção do tipo gaiola de Faraday e para as demais áreas, hastes captoras tipo Franklin com posicionamento e quantidade determinadas pelo método dos cones; Instalação da subestação de serviços auxiliares do sistema de geração, composta por 01 transformador de força de kva-13,8/0,38 kv e 01 centro de controle de motores que atender: auxiliares do turbogerador e torres de resfriamento. Interligação de força e comando do respectivo CCM com suas cargas. Tendo sido considerados os seguintes lances médios a partir da casa de força: 30 m (turbogerador); 80 m (torres). Instalação de subestação de serviços auxiliares da caldeira/sistema de alimentação de RSU, composta por 01 transformador de força de 1.000kVA-13,8/0,38kV e 01 centro de controle de motores. Interligação de força e comando do respectivo CCM com suas cargas. Tendo sido considerados os seguintes lances médios a partir da casa de força: 100 m (caldeira); 150 m (pátio). Instalação elétrica predial da casa de força, sendo disponibilizados pontos de tomadas trifásicos e monofásicos para cargas diversas tais como, condicionadores de ar, computadores, iluminação de emergência, além de interruptores para a iluminação interna; Execução do sistema de iluminação externa, interna e de emergência da casa de força, composto por projetores, luminárias diversas e unidades de emergência autônomas, alimentadas a partir do quadro de luz. Para áreas externas próximas às edificações serão utilizados projetores fixados nas estruturas; Execução de encaminhamentos, lançamento dos cabos e instalação de tomadas de força trifásicas e monofásicas distribuídas na área da casa de força para usos diversos de manutenção; Instalação do sistema de refrigeração de conforto das salas de comando e de painéis; Testes de isolamento, continuidade e funcional de cada ponto conectado, por ocasião do comissionamento da planta. * Obs.: A distribuição elétrica das subestações secundárias, assim como as potência dos respectivos trasnformadores, estão indicadas apenas de forma orientativa. Demais Circuitos de Interligação de Força Execução de encaminhamentos, lançamento e interligação de cabos para distribuição de força em média tensão, sendo para tal utilizados eletrodutos corrugados tipo kanaflex enterrados ou leitos montados sobre pipe-racks nos locais onde o encaminhamento subterrâneo não for possível. 20

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Projeto executivo para construção do prédio das Promotorias da Infância e Juventude. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO CUIABÁ MT OUTUBRO DE 2003 1 PCH BARUITO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO Empreendedor : Global Energia Elétrica S/A Empreendimento:

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação.

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. INSTALAÇÃO DE GRUPO MOTOR GERADOR INTRODUÇÃO O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. Se o Grupo Gerador for instalado dentro dos parâmetros recomendados e se

Leia mais

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. 1 2 ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. A energia é o núcleo dos acontecimentos,

Leia mais

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO OBJETO: Contratação de empresa c/ Tradição no Ramo (trabalha de forma especializada) p/ Locação e Execução (Instalação, Montagem, Manutenção, Operacionalização e Desmontagem)

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC)

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTALAÇÕES E MONTAGENS INDUSTRIAIS QUALIDADE QUE SUPERA EXPECTATIVAS

APRESENTAÇÃO INSTALAÇÕES E MONTAGENS INDUSTRIAIS QUALIDADE QUE SUPERA EXPECTATIVAS QUALIDADE QUE SUPERA EXPECTATIVAS APRESENTAÇÃO A Munhoz Instalações Industriais é uma empresa referência no mercado, com forte atuação em engenharia elétrica e hidráulica. Reconhecimento resultado de dedicação

Leia mais

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos.

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulações Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulação é conjunto de tubos e seus diversos acessórios(curvas, tês, reduções, flanges, luvas, junta de expansão, válvulas,

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Alternadores Síncronos Linha AN10. Novo

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Alternadores Síncronos Linha AN10. Novo Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Alternadores Síncronos Linha AN10 Novo Alternadores Síncronos Linha AN10 Os alternadores da linha AN10 foram desenvolvidos para aplicação em

Leia mais

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria PROJETO BÁSICO 1. OBJETO: Prestação de Serviços por empresa de engenharia especializada para elaboração de projetos e execução de serviços, com fornecimento parcial de materiais, para substituição de 04

Leia mais

CENTRAL HIDRELÉTRICA DE ITAIPU ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESP 002/07 SISTEMA DE PRODUÇÃO, PURIFICAÇÃO, COMPRESSÃO E ARMAZENAMENTO DE HIDROGÊNIO

CENTRAL HIDRELÉTRICA DE ITAIPU ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESP 002/07 SISTEMA DE PRODUÇÃO, PURIFICAÇÃO, COMPRESSÃO E ARMAZENAMENTO DE HIDROGÊNIO BRASIL PARAGUAI CENTRAL HIDRELÉTRICA DE ITAIPU ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESP 002/07 SISTEMA DE PRODUÇÃO, PURIFICAÇÃO, COMPRESSÃO E ARMAZENAMENTO DE HIDROGÊNIO 2 1 No DESCRIÇÕES APROV. DATA REVISÕES Elab. :

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

SAIU A NOVA NORMA NBR 5419 PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS O QUE MUDOU?

SAIU A NOVA NORMA NBR 5419 PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS O QUE MUDOU? ART489-07 - CD 262-07 - PÁG.: 1 SAIU A NOVA NORMA NBR 5419 PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS O QUE MUDOU? Ângelo Stano Júnior* João Roberto Cogo** * GSI - Engenharia e Comércio LTDA.

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

vendas1@juntasamf.com.br

vendas1@juntasamf.com.br À Sr( a) Ref.: Apresentação para Cadastro de Fornecedor Prezados Senhores, Vimos através desta, apresentar a Juntas AMF Ind. e Com. de Peças Ltda., uma empresa que já se tornou referencia no mercado de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA MODELO TAM TRANSFORMADORES - TIPO TAM Os transformadores a seco moldados em resina epóxi são indicados para operar em locais que exigem segurança, os materiais utilizados em sua construção são de difícil

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

Central de Produção de Energia Eléctrica

Central de Produção de Energia Eléctrica Central de Produção de Energia Eléctrica Ref.ª CPEE Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 Tipo 4 Tipo 5 5 a 25 kva 25 a 150 kva 150 a 500 kva 500 a 1.000 kva 1.000 a 2.700 kva Pág. 1 ! Combustível Diesel! Frequência 50

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS 1 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 CANTEIRO DE OBRAS 1.1.1 Construção provisória em madeira -

Leia mais

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO ANEXO A Ao Ilmo Sr. Comandante do Corpo de Bombeiros Militar Cidade: SERTÃO - RS Data: 10/03/2014 Encaminhamos a V. S.ª, para ANÁLISE, o Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI). Nome: INSTITUTO

Leia mais

Proprietário Página 1 de 6

Proprietário Página 1 de 6 MEMORIAL DESCRITIVO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO ACOPIARA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACOPIARA(CE) DATA 10/11/2011 MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O

A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D E C O N S T R U Ç Ã O D E

Leia mais

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS 1 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 CANTEIRO DE OBRAS 1.1.1 Construção provisória em madeira -

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

www.pratil.com.br Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014

www.pratil.com.br Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014 Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014 Eduardo Guimarães E-mail.: eduguimarães@pratil.com.br Cel.: (85) 9635-2993 Tel.: (85) 3133-9404 Rua Vicente Linhares,

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS TORRE ESTAIADA A torre estaiada é a solução mais econômica por atingir grandes alturas e com elevada capacidade de carga, porém exige-se disponibilidade de terreno para sua instalação. Possui seção transversal

Leia mais

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE PROJETO EXECUTIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE MEMORIAL DESCRITIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS - CIE - R40-45 - R01 ESTRUTURA METÁLICA

Leia mais

bambozzi MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL USINEIRO

bambozzi MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL USINEIRO bambozzi MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro, 155 - Centro - CEP 15990-630 - Matão (SP) - Brasil Fone (16) 3383-3800 - Fax (16) 3382-4228 bambozzi@bambozzi.com.br

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

Manual do Usuário. Produto LUBE-SEAL. Versão: LUBE-SEAL Manual V1.0 Data: 13/10/2006 Escrito por: Marcelo da Silveira Petter Prada dos Santos

Manual do Usuário. Produto LUBE-SEAL. Versão: LUBE-SEAL Manual V1.0 Data: 13/10/2006 Escrito por: Marcelo da Silveira Petter Prada dos Santos Manual do Usuário Produto Versão: Manual V1.0 Data: 13/10/2006 Escrito por: Marcelo da Silveira Petter Prada dos Santos SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. TERMOS E CONVENÇÕES 4 2. INFORMAÇÕES GERAIS 5 2.1. Dados do

Leia mais

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica Descrição Geral: Equipamento esterilizador horizontal automático para esterilização por vapor saturado de alta temperatura com duas

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR Tel.: (021) 2583 6737 Fax.: (021) 2583 6737 Cel.: (021) 9159 4057 dsp@dsp-rj.com.br 1 / 9 Sumário 1 OBJETIVO... 3 2- NORMAS APLICÁVEIS...

Leia mais

Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO. Série GXG-S Série GSG-S

Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO. Série GXG-S Série GSG-S Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO Série GXG-S Série GSG-S Chiller Centrífugo Novas Séries GXG-S e GSG-S A nova série de Chiller Centrífugo de Alta Eficiência

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES

FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DAS INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO EMPRESA RESPONSÁVEL: Senemig Engenharia LTDA RESPONSÁVEIS

Leia mais

FUNCIONAMENTO FILTROS PRENSA - MS-CE

FUNCIONAMENTO FILTROS PRENSA - MS-CE MANUAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO FILTROS PRENSA - MS-CE 1 - INTRODUÇÃO 1.1 - FINALIDADE DESTE MANUAL Este manual proporciona informações teóricas e de instalação, operação e manutenção dos filtros

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA CLIENTE: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS- DR/PE CNPJ 34.028.316/0021-57 LOCAL: AVENIDA GUARARAPES Nº250-SANTO ANTÕNIO RECIFE-PE.

Leia mais

ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO ESPECIFICAÇÃO

ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO 1. O PROJETO Projeto básico e executivo para construção do prédio das Promotorias de Justiça de Parauapebas. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563.

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563. ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS LOTE 01 Especificar Sistema de Geração de Ar Comprimido, incluindo compressor, secador por adsorção e filtros coalescentes Diagrama Pneumático. Confirmar detalhes com equipe

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO ELÉTRICO PARA CONSTRUÇÃO DAS CASAS POPULARES DO LOTEAMENTO DE INTERESSE SOCIAL PRESIDENTE KENNDY ES

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO ELÉTRICO PARA CONSTRUÇÃO DAS CASAS POPULARES DO LOTEAMENTO DE INTERESSE SOCIAL PRESIDENTE KENNDY ES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO ELÉTRICO PARA CONSTRUÇÃO DAS CASAS POPULARES DO LOTEAMENTO DE INTERESSE SOCIAL PRESIDENTE KENNDY ES MEMORIAL DESCRITIVO Memorial Descritivo Elétrico Projeto: Marcelo

Leia mais

ANEXO I PROJETO ELÉTRICO GRUPO GERADOR COM ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LOTE 1 LOCAÇÃO DE GERADOR

ANEXO I PROJETO ELÉTRICO GRUPO GERADOR COM ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LOTE 1 LOCAÇÃO DE GERADOR ANEXO I PROJETO ELÉTRICO GRUPO GERADOR COM ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LOTE 1 LOCAÇÃO DE GERADOR ITEM 1 - PROJETO ELETRICO DE ENERGIA DE EMERGENCIA PARA SUPRIR 345KW CONSUMIDOR: SENAC UNIDADE DE MANAUS LOCAL

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA BRASÍLIA - DF

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA BRASÍLIA - DF INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA - DF 1 - MEMORIAL DESCRITIVO 2 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno

CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno 1.0 Introdução Existe um crescimento enorme em termos de instalação

Leia mais

1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE

1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE 1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE OBJETO: Aquisição de Equipamentos, Mobiliários, Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos, para atender as Necessidades

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

energia de forma simples

energia de forma simples energia de forma simples www,fgwilson,com LINHA DE 8,5 A 290 KVA Desempenho I Durabilidade I Manutenção A vida moderna é complicada, mas garantir o fornecimento de energia para seu negócio pode ser algo

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

Compressor Portátil MOBILAIR M 135

Compressor Portátil MOBILAIR M 135 www.kaeser.com Compressor Portátil MOBILAIR M 135 Com o mundialmente renomado PERFIL SIGMA Vazão 10,5 a 13,0 m³/min Feito na Alemanha A renomada linha de compressores portáteis MOBILAIR da KAESER é fabricada

Leia mais

BOOSTER BOOSTER? Benefícios e vantagens PORQUE COMPRAR UM

BOOSTER BOOSTER? Benefícios e vantagens PORQUE COMPRAR UM Linha BOOSTER Agilidade, confiabilidade e eficiência BOOSTER Os compressores Schulz modelo SB, possuem como função principal elevar a pressão da rede de baixa pressão para até 40 bar (580 psi). Benefícios

Leia mais

Sua solução - todos os dias

Sua solução - todos os dias Sua solução - todos os dias A produção de um leite de qualidade depende de diversos fatores, entre eles a higiene da ordenha e do tanque, a manutenção dos equipamentos, a disponibilidade de um ambiente

Leia mais

Aterramentos. por Rafael Alves

Aterramentos. por Rafael Alves Aterramentos por Rafael Alves Dentre as causas mais comuns que podem ocasionar distúrbios e danos à segurança das pessoas e equipamentos numa estação de telecom estão as descargas atmosféricas, as sobretensões

Leia mais

ANEXO AO ADITAMENTO N. 003 LISTA DE DOCUMENTOS NOVOS / ATUALIZADOS

ANEXO AO ADITAMENTO N. 003 LISTA DE DOCUMENTOS NOVOS / ATUALIZADOS ANEXO AO ADITAMENTO N. 003 LISTA DE DOCUMENTOS NOVOS / ATUALIZADOS Arquivo Revisão Descrição 0803-PE-DE-200-00-002 C GERAL ARRANJO GERAL PLANTA 0803-PE-DE-230-00-001 B GERAL DIAGRAMA UNIFILAR GERAL SIMPLIFICADO.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO FL.: 1/8 SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO SISTEMA DO AR CONDICIONADO CENTRO DE CULTURA, MEMÓRIA E ESTUDOS DA DIVERSIDADE SEXUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. LOJAS 515 e 518 - METRÔ REPÚBLICA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR OBJETO...CONTRATAÇÃO DE EMPRESA HABILITADA PARA REFORMA DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DOS PAVILHÕES 1 E 2 EVENTOS...CENTRO DE

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Megabloc Manual Técnico

Megabloc Manual Técnico Bomba Padronizada Monobloco Manual Técnico Ficha técnica Manual Técnico Todos os direitos reservados. Os conteúdos não podem ser divulgados, reproduzidos, editados nem transmitidos a terceiros sem autorização

Leia mais

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II Informações sobre este material didático: Edição: 1ª Edição Data da versão: 30/12/2006 Autor(es): Bruno Campos Pedroza, DSc Professor

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

MOTOBOMBAS E CONJUNTOS PARA COMBATE A INCÊNDIO

MOTOBOMBAS E CONJUNTOS PARA COMBATE A INCÊNDIO MOTOBOMBAS E CONJUNTOS PARA COMBATE A INCÊNDIO Motobombas para combate a incêndio ÍNDICE FSGIN Pg. 3 FIN Pg. 13 Pg. 33 A Famac tem a solução certa em Bombas para sistemas de combate a incêndio. CONJUNTOS

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea ITEM DESCRIÇÃO QUANT. 1.00 REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.1 Cabo de alumínio com alma de aço (CAA), seção 4/0, diâmetro externo

Leia mais

ASSUNTO: CO.APR.T.013.2004 CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO.

ASSUNTO: CO.APR.T.013.2004 CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO. ASSUNTO: CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO. ESCLARECIMENTOS N 04 1) Transcrevemos abaixo, perguntas de empresas participantes

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 112, DE 18 DE MAIO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 112, DE 18 DE MAIO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 112, DE 18 DE MAIO DE 1999 Estabelece os requisitos necessários à obtenção de Registro ou Autorização para a Implantação, Ampliação ou Repotenciação

Leia mais

TUBOS EM AÇO CARBONO COM SOLDA HELICOIDAL CONFORME NORMA NBR 5622

TUBOS EM AÇO CARBONO COM SOLDA HELICOIDAL CONFORME NORMA NBR 5622 TUBOS EM AÇO CARBONO COM SOLDA HELICOIDAL CONFORME NORMA NBR 5622 APRESENTAÇÃO Atuando no mercado desde 1988, a DRAGTEC, empresa conceituada no mercado de tubos, apresenta sua linha de produtos para comercialização,

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas.

Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas. Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas. NBR-5419 eletroalta montagens elétricas ltda Eng Glauber Maurin LEGISLAÇÃO: NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07 PROJETO BÁSICO TGE/014/2007 1- OBJETIVO Especificar os serviços quanto à CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DE BAY 69 kv E INSTALAÇÃO DE 01 BANCO DE CAPACITORES DE 7,6 MVAr NA SE VILHENA I, com fornecimento

Leia mais

VENTILADOR INDUSTRIAL

VENTILADOR INDUSTRIAL VENTILADOR INDUSTRIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES INDUSTRIAIS Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: E L D I 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005 PROJETO BÁSICO 001/2005 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE ALTO PARAÍSO 34,5/13.8 kv 10/12,5MVA 1- OBJETIVO Este projeto tem por finalidade especificar os serviços para CONTRATAÇÃO

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

Tecnologia solar de alta eficiência para aquecimento de água

Tecnologia solar de alta eficiência para aquecimento de água [ Ar ] [ Água ] [ Terra ] Tecnologia Solar [ Buderus ] Tecnologia solar de alta eficiência para aquecimento de água Coletores Logasol Controladores Logamatic Estação Logasol Vasos de expansão Bomba circuladora

Leia mais

CARTA CONVITE FUnC 02/2014

CARTA CONVITE FUnC 02/2014 CARTA CONVITE FUnC 02/2014 A FUnC encaminha a presente Carta Convite, para se houver interesse, participar do processo de fornecimento do seguinte serviço: ABERTURA DE PROPOSTAS PARA APRESENTAÇÃO DE PREÇOS

Leia mais

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas das linhas E e EP de nossa fabricação assim como seus acessórios e opcionais. Dele constam informações técnicas, desde a construção,

Leia mais

Soluções Industriais do Projeto a Execução

Soluções Industriais do Projeto a Execução A Teoria Engenharia Acústica Ltda. é uma empresa que atua há mais de dez anos no mercado brasileiro disponibilizando a seus clientes soluções concebidas com a utilização de bases teóricas e sólidas e moderna

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Revisão 03 INSTALAÇÃO DO DISCO SOLAR Parabéns por adquirir um dos mais tecnológicos meios de aquecimento de água existentes no mercado. O Disco Solar é por sua natureza uma tecnologia

Leia mais