CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO"

Transcrição

1 CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MISSÃO DA UNIDADE: Fomentar a atividade acadêmica, promover o intercâmbio da Universidade com órgãos públicos, empresas privadas e comunidade, contribuindo, assim, com o desenvolvimento científico, tecnológico e cultural, com ética, transparência e legalidade. OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Promover as condições ideais de infra-estrutura como espaço físico, instalações equipamentos e processos, de forma a atender as necessidades no prazo de quatro anos, sendo o quinto ano para reavaliação. TEMA ESTRATÉGICO 1: Promover a revisão e a adequação dos métodos e procedimentos administrativos informatizados e os não informatizados. TEMA ESTRATÉGICO 2: Estabelecer melhor aproveitamento do espaço físico e instalações, adequando às necessidades das equipes dentro das normas de segurança do trabalho. TEMA ESTRATÉGICO 3: Promover a adequação da capacidade instalada de equipamentos de informática, audiovisuais e outros. OBJETIVO ESTRATÉGICO 2: Promover um plano de desenvolvimento profissional do CEPUERJ, a partir de 28, buscando congregar as percepções de crescimento individual e organizacional. TEMA ESTRATÉGICO 1: Promover o programa de integração dos funcionários. TEMA ESTRATÉGICO 2: Capacitar os profissionais do CEPUERJ. TEMA ESTRATÉGICO 3: Criar o Programa de Qualidade de Vida no Trabalho. OBJETIVO ESTRATÉGICO 3: Instituir um plano de comunicação e marketing no período de março a setembro de 28. TEMA ESTRATÉGICO 1: Expandir as atividades de comunicação interna entre todos os setores do órgão. TEMA ESTRATÉGICO 2: Ampliar a divulgação dos serviços e atividades gerenciadas pelo CEPUERJ. TEMA ESTRATÉGICO 3: Intensificar a divulgação institucional a fim de proporcionar maior visibilidade ao CEPUERJ e fortalecer a integração com os segmentos e demandas da sociedade.

2 CEPUERJ - PEP TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS OE1:PROMOVER AS CONDIÇÕES IDEAIS DE INFRA-ESTRUTURA COMO: ESPAÇO FÍSICO, INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E PROCESSOS, DE FORMA A ATENDER AS NECESSIDADES NO PRAZO DE QUATRO ANOS, SENDO O QUINTO ANO PARA REAVALIAÇÃO Seleção e contratação de profissional apto para realizar o trabalho de O&M Realização de trabalho de O&M Realização de reuniões com setores para mapear e identificar processos e fluxos Avaliação das alternativas TEMA 1: Promover a revisão e a adequação dos métodos e procedimentos administrativos informatizados e os não informatizados Desenho do modelo global de dados Realização de reuniões com setores para aprovação da metodologia proposta Avaliação do modelo de dados existente segundo a metodologia proposta Desenho do novo modelo global de dados Mapeamento dos sistemas existentes Adequação dos sistemas informatizados existentes e disponibilização de novas rotinas informatizadas Identificação das necessidades de modificações de acordo com o relatório de O&M e estabelecimento de prioridades Implementação das modificações de acordo com o cronograma físico-financeiro Treinamento dos usuários na utilização das novas ferramentas

3 CEPUERJ - PEP TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS OE1:PROMOVER AS CONDIÇÕES IDEAIS DE INFRA-ESTRUTURA COMO: ESPAÇO FÍSICO, INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E PROCESSOS, DE FORMA A ATENDER AS NECESSIDADES NO PRAZO DE QUATRO ANOS, SENDO O QUINTO ANO PARA REAVALIAÇÃO TEMA 2:Estabelecer melhor aproveitamento do espaço físico e instalações, adequando às necessidades das equipes dentro das normas de segurança do trabalho Reavaliação do espaço físico e das instalações existentes Realização das reformas necessárias, de acordo com o orçamento aprovado Solicitação à Prefeitura dos Campi do projeto para melhor aproveitamento do espaço físico Fornecimento dos dados necessários ao profissional que realizará os projetos Promoção de reuniões com as coordenações para estabelecer aprovação dos projetos propostos Realização da reforma dos 6(seis) sanitários Encaminhamento do projeto aprovado para orçar Estabelecimento de um plano de investimentos para realização das reformas Realização das reformas de acordo com o cronograma físico-financeiro aprovado Identificação dos recursos tecnológicos necessários Promoção de reuniões com as coordenações para estabelecer as reais necessidades Encaminhamento aos setores do levantamento realizado para análise TEMA 3:Promover a adequação da capacidade instalada de equipamentos de informática, audio-visuais e outros Realização de aquisições de hardware e software e a promoção da baixa ou transferência dos bens móveis Levantamento e avaliação dos equipamentos e softwares existentes Elaboração de um plano de investimentos para aquisição de novos equipamentos e componentes Aquisição de equipamentos e componentes novos Solicitação da baixa ou transferência de bens

4 CEPUERJ - PEP TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS OE2: PROMOVER UM PLANO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO CEPUERJ, A PARTIR DE 28, BUSCANDO CONGREGAR AS PERCEPÇÕES DE CRESCIMENTO INDIVIDUAL E ORGANIZACIONAL TEMA 1:Promover o programa de integração dos funcionários Integração dos funcionários e interação entre as coordenadorias Criação de calendário de eventos do CEPUERJ, em parceria com o COMARKE Levantamento preliminar junto às coordenadorias Contratação de consultoria externa Acompanhamento permanente dos funcionários e coordenadorias Definição preliminar do calendário pela CODI e COMARKE Apresentação do calendário dos funcionários para aprovação Implementação e divulgação do calendário de eventos TEMA 2:Capacitar os profissionais do CEPUERJ Treinamento e aperfeiçoamento dos funcionários para o atendimento qualitativo das funções e atividades Promoção de levantamento das necessidades de treinamento junto às coordenadorias Elaboração do plano de treinamento funcional e apresentação para aprovação Contratação de treinamentos Avaliação do conhecimento e verificação da sua aplicação Apresentação de relatório anual TEMA 3:Criar o Programa de Qualidade de Vida no Trabalho Contribuição para a saúde dos funcionários, por meio de diversos eventos Aproveitamento do espaço laboral na Universidade para o desenvolvimento de atividades nas áreas e esporte, lazer e cultura Levantamento dos assuntos de interesse Divulgação de notícias, cursos e eventos referentes a saúde do trabalhador Promover eventos de interesse dos funcionários na área de saúde do trabalho Levantamento dos espaços disponíveis na universidade Utilização dos espaços identificados com a implementação de atividades nas áreas de esporte, lazer e cultura Criação e manutenção de novo espaço de conveniência no CEPUERJ

5 CEPUERJ - PEP TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS OE3: INSTITUIR UM PLANO DE COMUNICAÇÃO E MARKETING NO PERÍODO DE MARÇO A SETEMBRO DE 28 TEMA 1:Expandir as atividades de comunicação interna entre todos os setores do órgão Reestruturação dos murais e ampliação das informações às equipes descentralizadas Implantação da Intranet como principal ferramenta de comunicação interna Definição da utilização e administração dos murais Criação de caixas de sugestões Implantação dos murais Avaliação e adequação do sistema de Intranet Treinamento dos usuários e implementação da nova ferramenta Avaliação da funcionalidade da ferramenta Criação de lay-out Criação de uma newsletter trimestral para estruturar a comunicação com parceiros e fomentar a captação de novos clientes Captação e seleção das informações Diagramação e revisão dos textos TEMA 2:Ampliar a divulgação dos serviços e atividades gerenciadas pelo CEPUERJ Reformulação da home page tornando-a mais atrativa e funcional Ampliação da assessoria de imprensa utilizando um banco de coordenadores por área de atuação Distribuição aos clientes, parceiros e instituições Análise do sistema de internet pela COMARKE e COSISTE Criação e aprovação do novo lay-out Desenvolvimento e implementação da nova home page Levantamento de informações junto às coordenadorias de serviços Criação de banco de dados de coordenadores dos projetos por área de atuação Criação de banco de dados de mídias direcionadas para os projetos Divulgação à Imprensa

6 CEPUERJ - PEP TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS OE3: INSTITUIR UM PLANO DE COMUNICAÇÃO E MARKETING NO PERÍODO DE MARÇO A SETEMBRO DE 28 Confecção de novas peças institucionais Levantamento de informações junto aos setores do órgão Confecção e aprovação do portfólio Impressão Distribuição TEMA 3:Intensificar a divulgação institucional a fim de proporcionar maior visibilidade ao CEPUERJ e fortalecer a integração com os segmentos e demandas da sociedade Criação de um catálogo on-line Levantamento de informações junto aos setores do órgão Elaboração dos textos Diagramação e revisão Distribuição Criação e sinalização externa que facilite o acesso ao CEPUERJ Implantação do Projeto de sinalização do CEPUERJ Revisão do projeto de sinalização interna adequando-o ao que for definido no projeto de infra-estrutura Implantação da sinalização interna

7 CEPUERJ - PEP RESUMO OBJETIVO ESTRATÉGICO TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES FONTE Realização de trabalho de O&M 1 1. Desenho do modelo global de dados Promover as condições ideais de infraestrutura como espaço físico, instalações,equipamentos e processos, de forma a atender as necessidades no prazo de quatro anos, sendo o quinto ano para reavaliação Promover um plano de desenvolvimento profissional do CEPUERJ, a partir de 28, buscando congragar as percepções de crescimento individual e organizacional Instituir um plano de comunicação e marketing no período de março a setembro de 28 Promover a revisão e a adequação dos métodos e procedimentos administrativos informatizados e os não informatizados Estabelecer melhor aproveitamento do espaço físico e instalações, adequando às necessidades das equipes dentro das normas de segurança do trabalho Promover a adequação da capacidade instalada de equipamentos de informática, audio-visuais e outros Promover o programa de integração dos funcionários Capacitar os profissionais do CEPUERJ Criar o Programa de Qualidade de Vida no Trabalho Expandir as atividades de comunicação interna entre todos os setores do órgão Ampliar a divulgação dos serviços e atividades gerenciadas pelo CEPUERJ Intensificar a divulgação institucional afim de proporcionar maior visibilidade ao CEPUERJ e fortalecer a integração com os segmentos e demandas da sociedade Adequação dos sistemas informatizados existentes e disponibilização de novas rotinas informatizadas Reavaliação do espaço físico e das instalações existentes TOTAL Realização das reformas necessárias, de acordo com o orçamento aprovado TOTAL Identificação dos recursos tecnológicos necessários - Realização de aquisições de hardware e software e a promoção da baixa ou transferência dos bens móveis Integração dos funcionários e interação entre as coordenadorias Criação de calendário de eventos do CEPUERJ, em parceria com o COMARKE Treinamento e aperfeiçoamento dos funcionários para o atendimento qualitativo das funções e atividades Contribuição para a saúde dos funcionários, por meio de diversos eventos Aproveitamento do espaço laboral na Universidade para o desenvolvimento de atividades nas áreas de esporte, lazer e cultura Reestruturação dos murais e ampliação das informações às equipes descentralizadas Implantação da Intranet como principal ferramenta de comunicação interna Criação de uma newsletter trimestral para estruturar a comunicação com parceiros e fomentar a captação de novos Reformulação da home page tornando-a mais atrativa e funcional Ampliação da assessoria de imprensa utilizando um banco de coordenadores por área de atuação TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL Confecção de novas peças institucionais Criação de um catálogo on-line Implantação do Projeto de sinalização do CEPUERJ TOTAL

8 TEMAS ESTRATÉGICOS Promover a revisão e a adequação dos métodos e procedimentos administrativos informatizados e os não informatizados Estabelecer melhor aproveitamento do espaço físico e instalações, adequando às necessidades das equipes dentro das normas de segurança do trabalho AÇÕES Realização de trabalho de O&M Desenho do modelo global de dados Adequação dos sistemas informatizados existentes e disponibilização de novas rotinas informatizadas Reavaliação do espaço físico e das instalações existentes CEPUERJ - PEP DETALHE Seleção e contratação de profissional apto para realizar o trabalho de O&M Realização de reuniões com setores para mapear e identificar processos e fluxos Avaliação das alternativas Realização de reuniões com setores para aprovação da metodologia proposta Avaliação do modelo de dados existente segundo a metodologia proposta Desenho do novo modelo global de dados Mapeamento dos sistemas existentes Identificação das necessidades de modificações de acordo com o relatório de O&M e estabelecimento de prioridades Implementação das modificações de acordo com o cronograma físico-financeiro Treinamento dos usuários na utilização das novas ferramentas VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE 1. 1 Solicitação à Prefeitura dos Campi do projeto para melhor aproveitamento do espaço físico Fornecimento dos dados necessários ao profissional que realizará os projetos Promoção de reuniões com as coordenações para estabelecer aprovação dos projetos propostos Promover a adequação da capacidade instalada de equipamentos de informática, audio-visuais e outros Promover o programa de integração dos funcionários Realização das reformas necessárias, de acordo com o orçamento aprovado Identificação dos recursos tecnológicos necessários Realização de aquisições de hardware e software e a promoção da baixa ou transferência dos bens móveis Integração dos funcionários e interação entre as coordenadorias Criação de calendário de eventos do CEPUERJ, em parceria com o COMARKE Realização da reforma dos 6(seis) sanitários Encaminhamento do projeto aprovado para ser orçado Estabelecimento de um plano de investimentos para realização das reformas Realização das reformas de acordo com o cronograma físico-financeiro aprovado Promoção de reuniões com as coordenações para estabelecer as reais necessidades Encaminhamento aos setores do levantamento realizado para análise Levantamento e avaliação dos equipamentos e softwares existentes Elaboração de um plano de investimentos para aquisição de equipamentos e regularização de licenças de software Aquisição de equipamentos e regularização de licenças de softwares Solicitação da baixa ou transferência de bens Levantamento preliminar junto às coordenadorias Contratação de consultoria externa Acompanhamento permanente dos funcionários e coordenadorias Definição preliminar do calendário pela CODI e COMARKE Apresentação do calendário dos funcionários para aprovação Implementação e divulgação do calendário de eventos

9 TEMAS ESTRATÉGICOS Capacitar os profissionais do CEPUERJ Criar o Programa de Qualidade de Vida no Trabalho Expandir as atividades de comunicação interna entre todos os setores do órgão Ampliar a divulgação dos serviços e atividades gerenciadas pelo CEPUERJ AÇÕES Treinamento e aperfeiçoamento dos funcionários para o atendimento qualitativo das funções e atividades Contribuição para a saúde dos funcionários, por meio de diversos eventos Aproveitamento do espaço laboral na Universidade para o desenvolvimento de atividades nas áreas de esporte, lazer e cultura Reestruturação dos murais e ampliação das informações às equipes descentralizadas Implantação da Intranet como principal ferramenta de comunicação interna CEPUERJ - PEP DETALHE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE Promoção de levantamento das necessidades de treinamento junto às coordenadorias Elaboração do plano de treinamento funcional e apresentação para aprovação Contratação de treinamentos Avaliação do conhecimento e verificação da sua aplicação Apresentação de relatório anual Levantamento dos assuntos de interesse Divulgação de notícias, cursos e eventos referentes a saúde do trabalhador Promover eventos de interesse dos funcionários na área de saúde do trabalho Levantamento dos espaços disponíveis na universidade Utilização dos espaços identificados com a implementação de atividades nas áreas de esporte, lazer e cultura Criação e manutenção de novo espaço de conveniência no CEPUERJ Definição da utilização e administração dos murais Criação de caixas de sugestões Implantação dos murais Avaliação e adequação do sistema de Intranet Treinamento dos usuários e implementação da nova ferramenta Avaliação da funcionalidade da ferramenta Criação de uma newsletter trimestral para estruturar a Criação de lay-out comunicação com parceiros e fomentar a captação de novos Captação e seleção das informações clientes Diagramação e revisão dos textos Distribuição aos clientes, parceiros e instituições Reformulação da home page tornando-a mais atrativa e funcional Ampliação da assessoria de imprensa utilizando um banco de coordenadores por área de atuação Análise do sistema de internet pela COMARKE e COSISTE Criação e aprovação do novo lay-out Desenvolvimento e implementação da nova home page Levantamento de informações junto às coordenadorias de serviços Criação de banco de dados de coordenadores dos projetos por área de atuação Criação de banco de dados de mídias direcionadas para os projetos Divulgação à Imprensa

10 TEMAS ESTRATÉGICOS Intensificar a divulgação institucional afim de proporcionar maior visibilidade ao CEPUERJ e fortalecer a integração com os segmentos e demandas da sociedade AÇÕES Confecção de novas peças institucionais Criação de um catálogo on-line Implantação do Projeto de sinalização do CEPUERJ CEPUERJ - PEP DETALHE Levantamento de informações junto aos setores do órgão Confecção e aprovação do portfólio Impressão Distribuição Levantamento de informações junto aos setores do órgão Elaboração dos textos Diagramação e revisão Distribuição Criação e sinalização externa que facilite o acesso ao CEPUERJ Revisão do projeto de sinalização interna adequando-o ao que for definido no projeto de infra estrutura VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE Implantação da sinalização interna

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses.

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses. SRH - SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS MISSÃO DA UNIDADE: Promover as políticas de recursos humanos contribuindo para o funcionamento e aprimoramento das atividades desenvolvidas pela Universidade.

Leia mais

TEMA ESTRATÉGICO 3: Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa.

TEMA ESTRATÉGICO 3: Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa. CTC - CENTRO DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS MISSÃO DA UNIDADE: O Centro de Tecnologia e Ciências tem seu objetivo maior consubstanciado nos objetivos gerais de Ensino, Pesquisa e Extensão. No que tange ao objetivo

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que?

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que? ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO CCSH Questão Geral 1.1 Como você percebe a utilização dos resultados da autoavaliação como subsídio à revisão, proposição e implementação das ações

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde DESENVOLVIMENTO DA GESTÃO DO TRABALHO E SAÚDE DO TRABALHADOR DA SAÚDE Adryanna Saulnier Bacelar Moreira Márcia Cuenca

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO E PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO ESTRATÉGICO E PLANO DE ATIVIDADES 2016 PLANO ESTRATÉGICO E PLANO DE ATIVIDADES 2016 1. INTRODUÇÃO O Plano Estratégico 2016 visa atender as necessidades do Conselho de Medicina Veterinária do Estado do Pará perante aos Médicos Veterinários,

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16.

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16. - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Esportes e Lazer Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.660/06, nº 12.979/06 e nº 16.385/15 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e assessorar o Secretário Municipal

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011

PLANO DE TRABALHO 2011 Unidade Temática do Turismo Apresentada pela cidade Porto Alegre 1) Introdução PLANO DE TRABALHO 2011 Fortalecer o turismo internacional é um trabalho prioritário que deve ser cada vez mais consolidado

Leia mais

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 1. Recursos SEF 1.1. Custeio - Dotação Básica - Manutenção e Reposição de Equipamentos de Informática - Treinamento de Recursos Humanos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO

PLANO DE AÇÃO INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO 2016-207 São Luís 2016 1 INTRODUÇÃO O plano de ações da CPA define os rumos dos trabalhos que serão desenvolvidas pela

Leia mais

Trajetória dos serviços de TI no Centro de Processamento de Dados da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Trajetória dos serviços de TI no Centro de Processamento de Dados da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Trajetória dos serviços de TI no Centro de Processamento de Dados da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Márcia Carlotto Centro de Processamento de Dados Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Leia mais

Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação

Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação A FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE entende que deve acompanhar as necessidades de atendimento da área acadêmica e administrativa

Leia mais

Prover soluções eficientes e flexíveis de TIC para que a Unifesp cumpra sua missão.

Prover soluções eficientes e flexíveis de TIC para que a Unifesp cumpra sua missão. O Departamento de Comunicação Institucional (DCI Unifesp) está subordinado à Reitoria e tem como função estabelecer as diretrizes de uma política global de comunicação para a Unifesp. Missão Prover soluções

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108 PROGRAMA Nº- 108 AMPLIAÇÃO DO PROJETO VOLTA REDONDA CIDADE DA MÚSICA SUB-FUNÇÃO: 361 ENSINO FUNDAMENTAL Proporcionar aos alunos da Rede Pública Municipal de Volta Redonda atividades musicais diversas nos

Leia mais

FICHA TÉCNICA SEBRAETEC

FICHA TÉCNICA SEBRAETEC FICHA TÉCNICA SEBRAETEC 1. ÁREA Serviços Digitais 2. SUBÁREA Serviços Online 3. TIPO DE SERVIÇO Aperfeiçoamento Tecnológico 4. NOME DO SERVIÇO Desenvolvimento de website TECNOLÓGICO 5. PORTE MEI ME EPP

Leia mais

Plano de Ação Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional

Plano de Ação Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional Plano de Ação 2013 Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional Áreas estratégicas Ensino Pesquisa Desenvolvimento Ins.tucional Administração Extensão Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional DIRETRIZES

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO 2016

PLANO DE COMUNICAÇÃO 2016 PLANO DE COMUNICAÇÃO 2016 Associação Executiva de Apoio à Gestão de Bacias Hidrográficas Peixe Vivo Janeiro 2016 AGB PEIXE VIVO SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Contexto... 4 3. Justificativa... 6 4. Objetivo

Leia mais

Programa Sebraetec. Área - Serviços Digitais. Subárea - Serviços On-line. Solução - Aperfeiçoamento Tecnológico Desenvolvimento de website

Programa Sebraetec. Área - Serviços Digitais. Subárea - Serviços On-line. Solução - Aperfeiçoamento Tecnológico Desenvolvimento de website Programa Sebraetec Área - Serviços Digitais Subárea - Serviços On-line Solução - Aperfeiçoamento Tecnológico Desenvolvimento de website OBJETIVO O QUE É APERFEIÇOAMENTO TECNOLÓGICO: Serviço que visa adequar

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: IFE - Brasília Objeto:

Leia mais

II FORTEC NE DINE/UFPE

II FORTEC NE DINE/UFPE II FORTEC NE DINE/UFPE NIT/PROPLAN/UECE Vladimir Spinelli Chagas Pró-Reitor PROPLAN Teresa Mota NIT Recife, 13 de abril, 2007 Recife, 13 de abril, 2007 Sumário Estrutura Objetivo Geral Objetivos Específicos

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UFPR

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UFPR PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UFPR 1. Apresentação O Departamento de Matemática - DMAT da UFPR possui atualmente 45 professores efetivos, 42 dos quais trabalhando em regime de dedicação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO

PLANO DE TRABALHO 1 REITORIA PLANO DE TRABALHO Ouvidoria Institucional Apresentação Análise Estratégica Mapeamento Estratégico 2015-2016 São Luís MA Fevereiro 2015 2 Apresentação Neste Plano de Trabalho, estão presentes

Leia mais

BOLETIM ESPECIAL CPA/2016

BOLETIM ESPECIAL CPA/2016 Unidade Guarapari BOLETIM ESPECIAL CPA/2016 Você sabe o que é CPA? CPA Comissão Própria de Avaliação - é uma comissão de Autoavaliação que tem o objetivo de coordenar e articular o processo interno de

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

Criando Conhecimento e Desenvolvendo Competências ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL

Criando Conhecimento e Desenvolvendo Competências ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL Criando Conhecimento e Desenvolvendo Competências ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL Plano de Trabalho 2013 PALAVRA DO PRESIDENTE Desde 2007, os municípios de Santa Catarina contam com a Escola de Gestão

Leia mais

Plano de Trabalho da Ouvidoria UFSJ (2017)

Plano de Trabalho da Ouvidoria UFSJ (2017) Plano de Trabalho da Ouvidoria UFSJ (2017) São João del-rei/mg 2017 1. APRESENTAÇÃO A Ouvidoria UFSJ é um espaço aberto para a comunidade, que recebe e responde manifestações relacionadas às atividades

Leia mais

Soluções Corporativas Eduardo Pitombo

Soluções Corporativas Eduardo Pitombo Soluções Corporativas Eduardo Pitombo Nossa Missão Desenvolver soluções de educação customizadas para empresas públicas e privadas, que contribuam diretamente para a melhoria das competências de seus funcionários

Leia mais

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS PERSPECTIVA: TRE/RN e Sociedade Objetivo 1: Primar pela satisfação do cliente de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Descritivo: Conhecer e ouvir o cliente

Leia mais

Atividades executadas durante o mês de Janeiro:

Atividades executadas durante o mês de Janeiro: INSTITUTO NOROESTE DE BIRIGUI RELATÓRIO PEDAGÓGICO REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO DE 2016 Atividades executadas durante o mês de Janeiro: EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL I Atendimento a pais (novas

Leia mais

Software Livre no Governo Eletrônico do Brasil

Software Livre no Governo Eletrônico do Brasil Software Livre no Governo Eletrônico do Brasil Rogério Santanna dos Santos Brasília, 16 de Abril de 2009 FORO IBEROAMERICANO SOBRE ESTRATEGIAS PARA IMPLANTAÇAO DA CARTA IBEROAMERICANA DE GOVERNO ELETRONICA

Leia mais

Estratégia de Governança Digital do Governo Federal

Estratégia de Governança Digital do Governo Federal Estratégia de Governança Digital do Governo Federal São Paulo, 24 de fevereiro de 2016 Agenda Contexto da TI na APF Estratégia de Governança Digital - Histórico - Conceito - Elaboração - Monitoramento

Leia mais

PLANO DE AÇÃO do CEPIC PARA ASSESSORIA NAS ESCOLAS DA RME

PLANO DE AÇÃO do CEPIC PARA ASSESSORIA NAS ESCOLAS DA RME PLANO DE AÇÃO do CEPIC PARA ASSESSORIA NAS ESCOLAS DA RME (...) a informática na educação (hoje) é um novo domínio da ciência que em seu próprio conceito traz embutida a idéia de pluralidade, de inter-relação

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Comunicação Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº 12.659/06 e Nº 15.052 I - Secretaria Executiva: - assessorar o Secretário Municipal no exercício de suas atribuições;

Leia mais

CPA-UFPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

CPA-UFPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 1 CPA-UFPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PLANO DE TRABALHO julho 2010/março 2011 JULHO/2010 Requisição, junto às instâncias superiores, da legitimação e participação da

Leia mais

Acompanhamento do Planejamento

Acompanhamento do Planejamento MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ENSINO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PROPLAN Acompanhamento do Planejamento A

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA (FATECIB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS, PESQUISA E EXTENSÃO (NEPE)

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA (FATECIB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS, PESQUISA E EXTENSÃO (NEPE) FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA (FATECIB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS, PESQUISA E EXTENSÃO (NEPE) 1. OBJETIVO GERAL O Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Governança em TI na UFF. Modelo de Gestão da STI. Henrique Uzêda

Governança em TI na UFF. Modelo de Gestão da STI. Henrique Uzêda Governança em TI na UFF Modelo de Gestão da STI Henrique Uzêda henrique@sti.uff.br 2011-2013 Universidade Federal Fluminense 122 cursos de graduação e 359 de pós-graduação ~ 45.000 alunos de graduação

Leia mais

Quem somos. Porque ABCCorp? Referencias

Quem somos. Porque ABCCorp? Referencias 1 Quem somos 2 Porque ABCCorp? 3 Referencias Trabalhamos como você! Experiência não somente acadêmica, sobre o teu segmento; Entendemos suas expectativas Valorizamos e garantimos o teu investimento com

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA. Centro de Referência em Tecnologia Assistiva para a Educação Profissional

FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA. Centro de Referência em Tecnologia Assistiva para a Educação Profissional FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Centro de Referência em Tecnologia Assistiva para a Educação Profissional Valores Institucionais LEMA LIBERATO: uma escolha, um caminho, um futuro.

Leia mais

introdução ao marketing - gestão do design

introdução ao marketing - gestão do design introdução ao marketing - gestão do design Universidade Presbiteriana Mackenzie curso desenho industrial 3 pp e pv profa. dra. teresa riccetti Fevereiro 2009 A gestão de design, o management design, é

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Título do Projeto: Aprimoramento da sistemática de

Leia mais

Depende da aprovação do Plano

Depende da aprovação do Plano Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Reunião de 19/08/2014 SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Página 1 de 6 RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento sobre a Política Nacional de Comunicação (PNC) no âmbito do Sistema CFN/CRN e dá outras providências. O Conselho Federal

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE INTERIORES

DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE INTERIORES DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE INTERIORES EDITAL Nº 01, DE 29 DE JANEIRO DE 2013 PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE COMPETÊNCIAS/CONHECIMENTOS

Leia mais

SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR)

SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR) Nº Comité de Estudio: 11 Nº IV SESEP: CE.11.08e SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR) Irineu J. V. Finato ITAIPU BINACIONAL Ricardo Gonzalez Jacques ITAIPU BINACIONAL Edeltraut Eyng Thiel ITAIPU BINACIONAL

Leia mais

EDITAL N.º 17/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica

EDITAL N.º 17/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

É IMPOSSÍVEL VIVER SEM ELA!!!!

É IMPOSSÍVEL VIVER SEM ELA!!!! É IMPOSSÍVEL VIVER SEM ELA!!!! Premissas básicas da Rede RPMe Missão Incentivar o desenvolvimento da metrologia e sua cultura no cotidiano para aumentar a competência e qualidade e competitividade dos

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA A proposta de um Plano para o desenvolvimento da informática da FAUUSP deverá compreender os três objetivos da USP: ensino, pesquisa e serviços à comunidade. GRUPO

Leia mais

Oficina - Gestão por Processos

Oficina - Gestão por Processos Oficina - Gestão por Processos Isaac da Silva Torres João Francisco da Fontoura Vieira 02/09/2015 Escritório de Processos 1 Tópicos Nesta oficina, apresentaremos a Gestão por Processos e a sua relação

Leia mais

PDI IFCE/PRPI

PDI IFCE/PRPI PDI 2014-2019 IFCE/PRPI Perspectiva dos Clientes da PRPI Expansão e consolidação da pesquisa científica e tecnológica Captação de recursos externos para Pesquisa e Inovação Cronograma de Metas 01 R$ 34.000.000,00

Leia mais

DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA Direção de Serviço de Reformas Cargo Função Técnico Diretor de Serviço Dirigir e enquadrar os projetos de modernização e reforma no âmbito do

Leia mais

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL EIXO 1 DIMENSÃO 8 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO 1 O plano de desenvolvimento do instituto PDI ( http://www.ufopa.edu.br/arquivo/portarias/2015/pdi20122016.pdf/view ) faz referência a todos os processos internos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 35/2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 35/2010 RESOLUÇÃO Nº 35/2010 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 17.618/2010 18 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CASSIANO

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2012 2013 APRESENTAÇÃO O Planejamento Estratégico tem como objetivo descrever a situação desejada de uma organização e indicar os caminhos para

Leia mais

O PAPEL ESTRATÉGICO DO INPI. DART Diretoria de Articulação

O PAPEL ESTRATÉGICO DO INPI. DART Diretoria de Articulação O PAPEL ESTRATÉGICO DO INPI DART Diretoria de Articulação CEDIN Centro de Divulgação, Documentação e Informação Tecnológica O PAPEL ESTRATÉGICO DO INPI CONCESSÃO DE PATENTES E REGISTROS consolida meio

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2008

PLANO DE TRABALHO 2008 PLANO DE TRABALHO 2008 1. INTRODUÇÃO A Fundação Stickel em 2007 iniciou efetivamente sua atuação direta na área da assistência social, através da unidade Vila Brasilândia do Programa Mulheres de Talento,

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Estratégia de Governança Digital. do Governo Federal

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Estratégia de Governança Digital. do Governo Federal Estratégia de Governança Digital do Governo Federal Histórico da Governança Digital 2000 Comitê Executivo de Governo Eletrônico 2005 eping: padrões de interoperabilidade 2010 Estratégia Geral de TI (EGTIC)

Leia mais

Solicitações de divulgação no Broadcast

Solicitações de divulgação no Broadcast BROADCAST O broadcast é a ferramenta para envio de informes de caráter excepcional e/ou emergencial. É destinado à comunicação de assuntos de cunho informativo e administrativo, sem periodicidade fixa.

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO NORTE ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO NORTE ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO NORTE ESTADO DO PARANÁ Av. Tapejara, 88 CEP 87.780-000 Fone: (44) 3431 1132 CNPJ 75.476.556/0001-58 www.paraisodonorte.pr.gov.br DECRETO Nº 58/2012 SÚMULA: Dispõe

Leia mais

Escola de Gestão Pública Municipal - EGEM

Escola de Gestão Pública Municipal - EGEM 1 Escola de Gestão Pública Municipal - EGEM Plano de Trabalho 2016 O Plano de Trabalho é ferramenta essencial para planejar, executar, implementar e monitorar ações, identificar os problemas a serem resolvidos

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE NITE SAÚDE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE NITE SAÚDE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE NITE SAÚDE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º. O Núcleo de Inovação Tecnológica e Empreendedorismo em Saúde da Universidade Federal

Leia mais

Apresentação do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas da Inspecção-Geral de Finanças

Apresentação do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas da Inspecção-Geral de Finanças Apresentação do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas da Inspecção-Geral de Finanças Seminário A Prevenção dos Riscos de Corrupção 1. A prevenção da corrupção A prevenção do fenómeno

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA COORDENADORIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COAI COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE I O DOCENTE AVALIA AS AÇÕES DO CURSO Prezado(a)

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA COORDENADORIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COAI COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE I O DISCENTE AVALIA AS AÇÕES DO CURSO Prezado(a)

Leia mais

PANORAMA DE COMUNICAÇÃO E MARKETING 1

PANORAMA DE COMUNICAÇÃO E MARKETING 1 PANORAMA DE COMUNICAÇÃO E MARKETING 1 PANOROMA DE COMUNICAÇÃO E MARKETING Objetivo: apresentar trabalhos realizados pela Assessoria de Comunicação da ANAFE Meta: Colher orientações para elaboração do Plano

Leia mais

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 leitos 19 leitos de UTI 5 Salas Cirúrgicas 300 Cirurgias/mês

Leia mais

Parceiros Parceiro Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas

Parceiros Parceiro Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas Diante do cenário atual (necessidades x investimentos), onde a participação dos parceiros/canais Ramo Sistemas é essencial para o crescimento dos negócios das empresas no Brasil, sugerimos fazer: 1. Mapear

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA- Ano: 2011

RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA- Ano: 2011 COMISSÃO PROPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA- Ano: 2011 São Luis- MA 2011 1 RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA - 2011 Programa de sensibilização de discente, coordenadores

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional PDI -

Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - Diretrizes para Elaboração Eixos Temáticos Essenciais do PDI Perfil Institucional Avaliação e Acompanhamento do Desenvolvimento Institucional Gestão Institucional

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE FRUTAL-FAF CAPÍTULO I DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE FRUTAL-FAF CAPÍTULO I DA OUVIDORIA FACULDADE FRUTAL-FAF Rua Nova Ponte, 439 Jardim Laranjeiras Frutal MG CEP:38.200-000 REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE FRUTAL-FAF CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da Faculdade Frutal - FAF

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUNI-ILACVN Nº 06/2017, de 29 de junho de 2017.

RESOLUÇÃO CONSUNI-ILACVN Nº 06/2017, de 29 de junho de 2017. RESOLUÇÃO CONSUNI-ILACVN Nº 06/2017, de 29 de junho de 2017. Dispõe sobre a criação do Núcleo de Informática em Ciências da Saúde, bem como aprova seu Regimento Interno. O CONSELHO DO INSTITUTO LATINO-AMERICANO

Leia mais

Realização: Conselho Setorial da Industria do Vestuário do Paraná

Realização: Conselho Setorial da Industria do Vestuário do Paraná Realização: C Conselho Setorial da Industria do Vestuário do Paraná OBJETIVO Promover a moda paranaense e gerar negócios! VISIBILIDADE Inserir o Paraná no calendário nacional do setor. COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO OFICINA PARA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS

PLANO DE TRABALHO OFICINA PARA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS PLANO DE TRABALHO OFICINA PARA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS 1 ÁREA DE CREDENCIAMENTO/SUBÁREA Área Planejamento Empresarial; Subáreas Planejamento Estratégico. 2 PROJETO/AÇÃO Linha

Leia mais

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA 2012 PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA POLÍTICAS DE PROTEÇÃO POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ PROTEÇÃO ESPECIAL META: COMBATE AO TRABALHO INFANTIL

Leia mais

Governo eletrônico e promoção da cidadania. José Carlos Vaz

Governo eletrônico e promoção da cidadania. José Carlos Vaz Governo eletrônico e promoção da cidadania José Carlos Vaz As questões de hoje: O que significa promover a cidadania através do governo eletrônico? Qual é o real alcance das possibilidades de utilização

Leia mais

PLANO DE TRABALHO

PLANO DE TRABALHO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO REITORIA PLANO DE TRABALHO Ouvidoria Institucional- Apresentação, Análise Estratégica e Mapeamento Estratégico de sua Implantação. 2013-2014

Leia mais

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU Profa. Gilcinéa de Cássia Santana Coordenadora da COREMU/UFMG COREMU RESOLUÇÃO Nº 2, DE 4 DE MAIO

Leia mais

ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO COLÉGIO POLITÉCNICO DA UFSM

ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO COLÉGIO POLITÉCNICO DA UFSM ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO COLÉGIO POLITÉCNICO DA UFSM EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação 1 Publicização dos resultados no sítio

Leia mais

Gestão Estratégica do Sistema de Iluminação Pública. Fernando Mirancos da Cunha Salto, 31 de julho de 2013

Gestão Estratégica do Sistema de Iluminação Pública. Fernando Mirancos da Cunha Salto, 31 de julho de 2013 Gestão Estratégica do Sistema de Iluminação Pública Fernando Mirancos da Cunha Salto, 31 de julho de 2013 1 InovaFocus Criada em 2008 Áreas de atuação Centros de Operação e Controle Contact Center e Callcenters

Leia mais

Programa de Cooperação Científica e Tecnológica Subprograma de Empresas Juniores. Plano de trabalho

Programa de Cooperação Científica e Tecnológica Subprograma de Empresas Juniores. Plano de trabalho Programa de Cooperação Científica e Tecnológica Subprograma de Empresas Juniores Plano de trabalho 2016-2017 1. JUSTIFICATIVA O Subprograma de Empresas Juniores, vinculado ao PDI PROGRAMA 10 PROGRAMA UNESP

Leia mais

UNIVERSIDADE CEUMA PROCESSO SELETIVO MANUAL DO CANDIDATO

UNIVERSIDADE CEUMA PROCESSO SELETIVO MANUAL DO CANDIDATO UNIVERSIDADE CEUMA PROCESSO SELETIVO MANUAL DO CANDIDATO Este manual é para você que busca desenvolver seus potenciais. Venha ser um EMPRESÁRIO JÚNIOR MAS O QUE É UMA EMPRESA JÚNIOR? Uma empresa júnior

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos - ANVISA Escritório de Gestão de Processos III Congresso Paraibano da Qualidade IV Seminário em Busca da Excelência João Pessoa - PB 25/08/2010 Cenário Desejado Cumprimento efetivo de sua missão Agência

Leia mais

Governo Eletrônico no Brasil: Integração e Padronização para a Prestação de Serviços Públicos

Governo Eletrônico no Brasil: Integração e Padronização para a Prestação de Serviços Públicos Governo Eletrônico no Brasil: Integração e Padronização para a Prestação de Serviços Públicos João Batista Ferri de Oliveira Agenda Cenários Diretrizes do Governo Eletrônico Integração e Interoperabilidade

Leia mais

www.compras.mg.gov.br O PORTAL DE COMPRAS HISTÓRICO Implantação do Sistema Integrado de Administração de Materiais e Serviços - SIAD em 2004 Obrigatoriedade de utilização pela Administração Direta e Indireta

Leia mais

Hospital de Clínicas da UFTM. Macroproblema 1: falta de gestão adequada

Hospital de Clínicas da UFTM. Macroproblema 1: falta de gestão adequada Hospital de Clínicas da UFTM Macroproblema 1: falta de gestão adequada 2016 MP1. Falta de gestão adequada NC1. Falta de um projeto de comunicação interna NC2. Falta de fluxos e rotinas administrativas

Leia mais

Fórum de Cidades Digitais da Região Metropolitana de Curitiba 2015

Fórum de Cidades Digitais da Região Metropolitana de Curitiba 2015 Fórum de Cidades Digitais da Região Metropolitana de Curitiba 2015 Morretes em busca da Cidade Digital Inteligente Prefeitura de Morretes Secretaria de Administração Depto de Tecnologias da Informação

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO CORE-PE PARA 2017

PLANO DE AÇÃO DO CORE-PE PARA 2017 PLANO DE AÇÃO DO CORE-PE PARA 2017 INTRODUÇÃO O objetivo da Diretoria-Executiva do CORE-PE, ao estabelecer o seu Plano de Ação para 2017, consiste em sistematizar as ações relacionadas às atividades institucionais

Leia mais

EDITAL N.º 16/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica

EDITAL N.º 16/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

PLANO DE ADMINISTRAÇÃO Fonte de Recurso (R$ 1,00)

PLANO DE ADMINISTRAÇÃO Fonte de Recurso (R$ 1,00) Rio de Janeiro, 23 de outubro de 2015. PLANO DE ADMINISTRAÇÃO - 2016 O exercício financeiro de 2015 foi um ano de reestruturação administrativa e austeridade financeira, marcado pela recessão econômica

Leia mais

TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Objetivo 1: Aprimorar a adoção de soluções de TI nas atividades de ensino, pesquisa, extensão e gestão, auxiliando na consecução

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EXTERNO

PROCESSO SELETIVO EXTERNO ANEXO I EDITAL N /26, DE 19 DE MAIO DE 26 UNIDADE TERESINA CÓDIGO CARGO (PROFISSIONAL) A- Assessor Técnico III Coordenador/Supervisor Pedagógico Saúde A-02 Assessor Técnico III Planejamento PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO SINAL EM ATIVIDADES POLÍTICAS CIDADANIA. Relatores da proposta: Paulo Eduardo de Freitas Laerte Silveira Porto

PARTICIPAÇÃO DO SINAL EM ATIVIDADES POLÍTICAS CIDADANIA. Relatores da proposta: Paulo Eduardo de Freitas Laerte Silveira Porto PARTICIPAÇÃO DO SINAL EM ATIVIDADES POLÍTICAS CIDADANIA Relatores da proposta: Paulo Eduardo de Freitas Laerte Silveira Porto EDUCAÇÃO FINANCEIRA PROPOSTA AUTOR: Laerte Silveira Porto Participação efetiva

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

A FEDERAÇÃO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL

A FEDERAÇÃO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL A FEDERAÇÃO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL é a entidade representativa dos estudantes e de seu curso EM ÂMBITO NACIONAL representamos 29 MIL estudantes de Eng. Civil 53 FILIADAS 19 ESTADOS

Leia mais