Aplicação ao bloco do Alfundão Alto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicação ao bloco do Alfundão Alto"

Transcrição

1 Aplicação ao bloco do Alfundão Alto Paula Rodrigues; Sofia Azevedo; Victor Paulo

2 Mostrar o dimensionamento da rede de rega Comparar os resultados de dois métodos de optimização dos diâmetros da rede de rega: Programação linear (algoritmo simplex modificado) e Programação dinâmica (algoritmo descontínuo de Labye) Analisar o funcionamento da rede de rega.

3 EFMA (Sistema do Alqueva) 4017 ha N Alfundão ALFUNDÃO BAIXO 3408 ha ALFUNDÃO ALTO 609 ha km

4 N ALFUNDÃO BAIXO EF EE R Adutor do Alfundão ALFUNDÃO ALTO Barragem do Pisão km

5 Comprimento: 15,1 km Densidade: 24,8 m/ha Nº de hidrantes: 43 Nº de bocas de rega: 86 ALFUNDÃO ALTO N km

6 DEFINIÇÃO DAS UNIDADES DE REGA Pequena propriedade: áreas mínimas de 7 a 8 ha, agrupando um máximo de 6 a 7 prédios.

7 DEFINIÇÃO DAS UNIDADES DE REGA Grande propriedade: áreas máximas de 86 ha.

8 MATERIAIS DAS CONDUTAS PEAD com soldadura topo a topo: 500 mm

9 MATERIAIS DAS CONDUTAS FFD com juntas automáticas: 500 < < 900 mm

10 MATERIAIS DAS CONDUTAS Betão armado/pré-esforçado com alma de aço: 1000 mm

11 CAUDAIS DE DIMENSIONAMENTO DAS BOCAS DE REGA Modelo cultural Olival 30% 70% 21% Milho 21% Culturas indústriais 14% Girassol Trigo 14% Métodos de rega

12 CAUDAIS DE DIMENSIONAMENTO DAS BOCAS DE REGA Dotação útil na boca de rega 1672 m3/ha Dotação total na boca de rega 2051 m3/ha Horário de rega: Tempo máx. utiliz. = 540 horas 6 dias por semana; Rendimento de utilização= 72,6 % 20 horas por dia Caudal específico 1,05 l/s/ha

13 CAUDAIS DE DIMENSIONAMENTO DAS BOCAS DE REGA Classe Caudal máximo (m3/h) (l/s) 10 2,8 20 5,6 30 8, , , , , , , , , , ,1 Área dominada (ha) 0-2,1 2,2-4,2 4,3-6,3 6,4-8,4 8,5-12,6 12,7-16,9 17,0-21,1 21,2-26,9 27,0-31,3 31,4-35,8 35,9-40,3 40,4-44,8 44,9-52,1 Grau de liberdade 1,7 1,6 1,5 Nº de bocas

14 CAUDAIS DE DIMENSIONAMENTO NA REDE Distribuição a pedido com restrição do caudal máximo. Caudal de dimensionamento (740 l/s) é correspondente a um certo nº de bocas em funcionamento, em função de uma certa probabilidade de não excedencia - Calculo pelo primeiro modelo de Clément. Caudal de dimensionamento / caudal total = 0,79.

15 40 m.c.a. PRESSÃO MÍNIMA A GARANTIR Redes pressurizadas DIÂMETROS DA TUBAGEM Custos de investimento ALTURA DE ELEVAÇÃO Custos anuais em energia

16 Cu s t o (1 )0 0 0 ALTURA DE ELEVAÇÃO Custo total Cota Piezométrica (m) Custo de investimento Custo energético

17 OPTIMIZAÇÃO DOS DIÂMETROS DA REDE Método de Programação Linear (algoritmo simplex modificado) Programa computacional Determinação do valor mínimo do custo da rede, a partir de um sistema de equações lineares com restrições. Método de Programação Dinâmica (algoritmo descontínuo de Labye) Modelo LIDM (COPAM) Método prático, que permite seleccionar o diâmetro óptimo de um troço, a partir da relação entre as diferenças de custo e de perdas de carga associadas a dois diâmetros candidatos de tubagem.

18 RESULTADOS DA OPTIMIZAÇÃO DOS DIÂMETROS DA REDE Custo (x1000 ) Programação linear 1341,530 Programação dinâmica + 1,5 % 1361,716 Programação linear Programação dinâmica Material Diâmetros (mm) PEAD ,9 50,9 75,4 45,0 FFD ,1 49,1 24,6 55,0 Comprimento (%) Custo (%) Comprimento Custo (%) (%)

19 Modelo AKLA (COPAM) Geração aleatória de múltiplas combinações de bocas de rega em funcionamento Bom desempenho (sem falha): (H j )r Hmin 40mca INDICADORES Diferença relativa de pressão: (H-Hmin)/Hmin Fiabilidade

20 RESULTADOS (H-Hmin)/Hmin Falhas em 7 hidrantes ou 16 bocas de rega. Falhas com déficites de pressão superiores a 30 mca. NmE=137 m

21 RESULTADOS (H-Hmin)/Hmin (%) >40.0 N 1 2 km 0 0 Altimetria (m ) > < 100 NmE=137 m

22 Fiabilidade RESULTADOS Fiabilidade de 100 % em 81 % das bocas de rega. Fiabilidade inferior a 85 % nas bocas com falhas. NmE=137 m

23 O dimensionamento de uma rede de rega com bombagem deve atender aos custos de investimento na rede e aos custos energéticos inerentes ao funcionamento da estação de bombagem. A optimização da rede através dos métodos de programação linear e de programação dinâmica produzem resultados semelhantes. A análise do funcionamento da rede de rega prevê a existencia de algumas bocas de rega em que a pressão disponível seja inferior a 40 mca. No entanto, esta ocorrência é aceitável.

24

AULAS 11 e 12 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO CÂMARAS DE PERDA DE CARGA, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS E SOBREPRESSORAS EXEMPLOS

AULAS 11 e 12 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO CÂMARAS DE PERDA DE CARGA, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS E SOBREPRESSORAS EXEMPLOS SANEAMENTO Aulas 11 e 12 - Sumário AULAS 11 e 12 ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO Tipos, função e localização. Exemplos CÂMARAS DE PERDA DE CARGA, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS E SOBREPRESSORAS Disposições dos órgãos

Leia mais

Exercício 9 Água escoa do reservatório 1 para o 2 no sistema mostrado abaixo. Sendo:

Exercício 9 Água escoa do reservatório 1 para o 2 no sistema mostrado abaixo. Sendo: 1 a LIST DE EXERCÍCIOS DE SISTEMS FLUIDO MECÂNICOS 014 Referências: 1) Giles, Evett & Liu - Mecânica dos Fluidos e Hidráulica Coleção Schaum, a edição, Makron ooks, 1997. ) Fox e McDonald Introdução à

Leia mais

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 3ª Reunião do GIC Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 Acionamento de motores elétricos em sistemas de irrigação via Inversor de Frequência e Qualidade na Aplicação e Operação de Sistema Carretel

Leia mais

Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga.

Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga. DISCIPLINA DE SANEAMENTO AULA 8 / SUMÁRIO AULA 8 ÓRGÃOS E ACESSÓRIOS Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga. SANEAMENTO / FEVEREIRO

Leia mais

Aplicação do modelo de simulação hidráulica EPANET integrado com Sistemas de Informação Geográfica.

Aplicação do modelo de simulação hidráulica EPANET integrado com Sistemas de Informação Geográfica. Aplicação do modelo de simulação hidráulica EPANET integrado com Sistemas de Informação Geográfica. Estudo de caso: Sub-bloco do Aproveitamento Hidroagrícola da Cova da Beira Luísa Vaz - Paulo Fernandez

Leia mais

Hidráulica Geral (ESA024A)

Hidráulica Geral (ESA024A) Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA024A) 2º semestre 2011 Terças de 10 às 12 h Quintas de 08 às 10h Problema IV.1 Conhecendo-se as características da bomba descrita a

Leia mais

Estações Elevatórias de Água

Estações Elevatórias de Água Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Hidráulica Aplicada Estações Elevatórias de Água Renato de Oliveira Fernandes Professor

Leia mais

S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E

S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E TERMOACUMULADORES ELÉCTRICOS S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E Índice Conforto garantido 03 Compatibilidade solar e selecção de capacidade 04 Gama PrimeAqua 05 Gama EasyAqua 06 Gama NaturaAqua 07

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL APLICADA A LOGÍSTICA

PESQUISA OPERACIONAL APLICADA A LOGÍSTICA PESQUISA OPERACIONAL APLICADA A LOGÍSTICA Pós-Graduação em Logística e Supply Chain Valdick Sales 1 APRESENTAÇÃO Valdick sales Graduado em Ciência da Computação pela UFPE. Pós-Graduado em Redes e Banco

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE PROJECTO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS PARA REGA. Aplicação à estação elevatória do Alfundão.

CRITÉRIOS GERAIS DE PROJECTO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS PARA REGA. Aplicação à estação elevatória do Alfundão. CRITÉRIOS GERAIS DE PROJECTO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS PARA REGA. Aplicação à estação elevatória do Alfundão. Sofia AZEVEDO; Vitor PAULO Sofia AZEVEDO Ph.D., Agricultural Engineering & Water Resources, Campo

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir critérios para elaboração de Simulação Hidráulica para Sistemas de Abastecimento de Água de Pequeno Porte (até 12.500 ligações), Médio Porte (até 62.500 ligações)

Leia mais

LISTA SOBRE MÉTODO SIMPLEX

LISTA SOBRE MÉTODO SIMPLEX LISTA SOBRE MÉTODO SIMPLEX. Resolva pelo Método Simple o problema Maimizar Z = + Sujeito a + 5 + 8 4 0, 0 Para entender Faça a solução gráica e acompanhe passo a passo como o método do Simple pula de um

Leia mais

Ar Condicionado Residencial NOVA FUNÇÃO SEGUIR LÍNHA DE PRODUTO

Ar Condicionado Residencial NOVA FUNÇÃO SEGUIR LÍNHA DE PRODUTO LÍNHA DE PRODUTO NOVA FUNÇÃO SEGUIR Pressionar o botão Follow me y a temperatura da habitação baseia-se na temperatura da zona onde está Ar Condicionado Residencial Ar condicionado Carrier Poupança Máxima

Leia mais

Hidráulica Geral (ESA024A)

Hidráulica Geral (ESA024A) Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA04A) º semestre 01 Terças de 10 às 1 h Quntas de 08 às 10h Golpe de Aríete Conceito -Denomina-se golpe de aríete ou transiente hidráulico

Leia mais

Optimização em Redes e Não Linear

Optimização em Redes e Não Linear Departamento de Matemática da Universidade de Aveiro Optimização em Redes e Não Linear Ano Lectivo 005/006, o semestre Folha - Optimização em Redes - Árvores de Suporte. Suponha que uma dada companhia

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir critérios e procedimentos para elaboração da Simulação Hidráulica dos Sistemas de Abastecimento de Água, visando: Simulação e Calibração do Sistema Existente;

Leia mais

Modelação e análise de sistemas de abastecimento de água Parte III Calibração de modelos

Modelação e análise de sistemas de abastecimento de água Parte III Calibração de modelos Gestão Avançada ada de Sistemas de Abastecimento de Água Modelação e análise de sistemas de abastecimento de água Parte III Calibração de modelos Dídia Covas António Jorge Monteiro Helena Alegre 19 de

Leia mais

Hidráulica de linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP Prof. Roberto Testezlaf

Hidráulica de linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP Prof. Roberto Testezlaf Hidráulica de linhas pressurizadas Dimensionamento da Tubulação Consiste em: Dimensionar o valor do diâmetro comercial. Critérios: Velocidade média permitida ao longo da linha; Valores de perdas de carga

Leia mais

8 Divisões AOY125UI-MI8. Características. Elevada Eficiência e Design Compacto 8 DIVISÕES MULTISPLIT

8 Divisões AOY125UI-MI8. Características. Elevada Eficiência e Design Compacto 8 DIVISÕES MULTISPLIT 8 Divisões AOY125UI-MI8 Características Elevada Eficiência e Design Compacto Unidade exterior compacta Tecnologia inovadora Exemplo de modelo multi split de 14 kw 1290 mm Novo modelo Diferença de altura

Leia mais

Reguladores Automotores. Válvula Redutora de Pressão Tipo 2333 com válvula piloto Válvula Estabilizadora de Pressão Tipo 2335 com válvula piloto

Reguladores Automotores. Válvula Redutora de Pressão Tipo 2333 com válvula piloto Válvula Estabilizadora de Pressão Tipo 2335 com válvula piloto Reguladores Automotores Piloto operado pelo fluido Válvula Redutora de Pressão Tipo 2333 com válvula piloto Válvula Estabilizadora de Pressão Tipo 2335 com válvula piloto Aplicação Reguladores de pressão

Leia mais

Processo de gerenciamento de capacidade

Processo de gerenciamento de capacidade Processo de gerenciamento de capacidade O fornecimento da capacidade exigida para processamento e armazenamento de dados é tarefa do gerenciamento de capacidade. Isso é feito para que o provimento desta

Leia mais

semana 03/05/2014 a 09/05/2014 semana 10/05/2014 a 16/05/2014 semana 17/05/2014 a 23/05/ e 25/05/2014

semana 03/05/2014 a 09/05/2014 semana 10/05/2014 a 16/05/2014 semana 17/05/2014 a 23/05/ e 25/05/2014 semana 03/05/2014 a 09/05/2014 semana 10/05/2014 a 16/05/2014 semana 17/05/2014 a 23/05/2014 24 e 25/05/2014 PROGRAMAÇÃO DE 03/05/2014 a 09/05/2014 PROGRAMAÇÃO DE 03/05/2014 a 09/05/2014 PROGRAMAÇÃO DE

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS ENERGÉTICA E HÍDRICA NO CICLO URBANO DA ÁGUA AQUAPOR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA HÍDRICA E ENERGÉTICA Otimização Energética Grupo AQUAPOR Edifício do auditório

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 07 CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL Nº 20100015/CAGECE/CCC

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 07 CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL Nº 20100015/CAGECE/CCC NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 07 CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL Nº 20100015/CAGECE/CCC OBJETO: LICITAÇÃO DO TIPO MENOR PREÇO PARA EXECUÇÃO DAS OBRAS DE AMPLIAÇÃO DO SISTEMA ADUTOR DA IBIAPABA-CE, COM FORNECIMENTO

Leia mais

Pesquisa Operacional. Introdução à Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional. Introdução à Pesquisa Operacional Pesquisa Operacional Introdução à Pesquisa Operacional 1 PESQUISA OPERACIONAL PO Sumário Origens A natureza O impacto Principais sociedades profissionais ligadas à PO Algumas publicações científicas ligadas

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA

FACULDADE DE MEDICINA Tenha em consideração o exercício que se segue. Sobre ele responda às questões seguintes: onsidere o sistema horizontal representado na figura, onde circula um fluido líquido, sem atrito B interno, de

Leia mais

Hidráulica. Escoamento Uniforme em Tubulações. Hidráulica. Aula 3 Professor Alberto Dresch Webler 2015

Hidráulica. Escoamento Uniforme em Tubulações. Hidráulica. Aula 3 Professor Alberto Dresch Webler 2015 Hidráulica Hidráulica Escoamento Uniforme em Tubulações Aula 3 Professor Alberto Dresch Webler 2015 Fenômenos Hidráulica Resistências de Transporte dos Materiais - Aula 8 Veremos 1.1 Tensão tangencial

Leia mais

13 Milhões de Euros de investimento em concretização no Município de Torres Novas

13 Milhões de Euros de investimento em concretização no Município de Torres Novas 13 Milhões de Euros de investimento em concretização no Município de Torres Novas A ÁGUAS DO RIBATEJO EM, SA está a concretizar investimentos de cerca de 13 ME nas obras de saneamento e abastecimento de

Leia mais

EXERCÍCOS DES TESTES/EXAMES DE ANOS ANTERIORES (LEGI-IST-JRF)

EXERCÍCOS DES TESTES/EXAMES DE ANOS ANTERIORES (LEGI-IST-JRF) EXERCÍCOS DES TESTES/EXAMES DE ANOS ANTERIORES (LEGI-IST-JRF) 1. Nero, o Imperador romano, num momento de inspiração resolveu promover um jantar para eliminar os seus melhores inimigos. Após consultar

Leia mais

SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO

SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO AESBE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS ESTADUAIS DE SANEAMENTO SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO Tipologias de projeto Rio de Janeiro Março / 2013 Airton S. Gomes - Consultor

Leia mais

Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR

Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR 0 v1.0-030510 Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR APRESENTAÇÃO A Estação Elevatória é uma estação completa de recolha e elevação para águas carregadas pronta a ser instalada. É composta por um reservatório

Leia mais

6 BOMBAS HIDRÁULICAS PROBLEMA 6.1

6 BOMBAS HIDRÁULICAS PROBLEMA 6.1 6 BOMBAS HIDRÁULICAS PROBLEMA 6.1 Uma bomba cujo diagrama em colina é o da figura anexa foi projectada para, com o rendimento máximo de 0,90, elevar o caudal de 10,00 m 3 s -1 à altura total de 100,00

Leia mais

1.Introdução. hidráulica (grego hydoraulos) hydor = água; aulos = tubo ou condução.

1.Introdução. hidráulica (grego hydoraulos) hydor = água; aulos = tubo ou condução. 1.Introdução hidráulica (grego hydoraulos) hydor = água; aulos = tubo ou condução. Conceito : hidráulica é o ramo da engenharia que estuda a condução da água, seja através de tubulações fechadas, seja

Leia mais

CANAIS DE REGA COM CONTROLO POR MONTANTE E SUA MODERNIZAÇÃO. Manuel Rijo,

CANAIS DE REGA COM CONTROLO POR MONTANTE E SUA MODERNIZAÇÃO. Manuel Rijo, CANAIS DE REGA COM CONTROLO POR MONTANTE E SUA MODERNIZAÇÃO Manuel Rijo, rijo@uevora.pt CANAIS CONTROLADOS POR MONTANTE Controlador Q =Qmax Q=0 Sensor NOTA: são mais de 90% canais rega a nível mundial

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

1 Conferência de Investidores da Província de Nampula

1 Conferência de Investidores da Província de Nampula REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVINCIA DE NAMPULA 1 Conferência de Investidores da Província de Nampula DESAFIOS NO SECTOR DE AGUA E PRESPECTIVAS PARA NAMPULA 18 de Setembro de 2015 O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Lista de Exercícios de Operações Unitárias I

Lista de Exercícios de Operações Unitárias I Lista de Exercícios de Operações Unitárias I Bombas Prof. Dra. Lívia Chaguri Monitor Victor Ferreira da Motta L. Fonseca ¹Exercício 1) Considere a instalação mostrada na Figura 1. Azeite de Oliva a 20

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Seleção da primeira etapa de avaliação em Ensino de Ciências Instruções para a realização

Leia mais

1 Despacho económico

1 Despacho económico Trânsito de potência difuso DC com despacho incorporado Documento complementar à dissertação José Iria ee06210@fe.up.pt - 10-03-2011 1 Despacho económico 1.1 Considerações Gerais O problema de decisão

Leia mais

SANEAMENTO Aula 5 - Sumário AULA 5. Constituição dos sistemas de abastecimento e de distribuição de água. Saneamento [55]

SANEAMENTO Aula 5 - Sumário AULA 5. Constituição dos sistemas de abastecimento e de distribuição de água. Saneamento [55] SANEAMENTO Aula 5 - Sumário AULA 5 Constituição dos sistemas de abastecimento e de distribuição de água. Saneamento [55] SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Adução / Dimensionamento Hidráulico

Leia mais

Análise de Funções de Custo de Componentes de Construção Civil e de Equipamentos de Serviços Públicos de Água

Análise de Funções de Custo de Componentes de Construção Civil e de Equipamentos de Serviços Públicos de Água Análise de Funções de Custo de Componentes de Construção Civil e de Equipamentos de Serviços Públicos de Água Susana Isabel Martins Lopes Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Civil

Leia mais

Planejamento da Operação de Sistemas Hidrotérmicos. Parte II

Planejamento da Operação de Sistemas Hidrotérmicos. Parte II Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Planejamento da Operação de Sistemas Hidrotérmicos Parte II Prof.: Clodomiro Unsihuay-Vila A Função de Custo Futuro

Leia mais

FreziPUMP Com Sol, tenha Água!

FreziPUMP Com Sol, tenha Água! FreziPUMP Com Sol, tenha Água! A FREZITE apresenta uma vasta A gama Frezite de equipamentos apresenta uma para vasta gama captação de e equipamentos gestão da água, para o captação que permite e gestão

Leia mais

Nome empresa: Criado por: Telefone:

Nome empresa: Criado por: Telefone: Posição Quantid. Descrição 1 SQF 2.5-2 Nota! Imagem do produto pode diferir do prod. real Código: A pedido A bomba SQF de 3", com rotor helicoidal, é adequada para alturas manométricas elevadas e caudais

Leia mais

Estruturas Marítimas Utilizando Métodos Probabilísticos de Níveis II e III. Maria Teresa Reis João Alfredo Santos

Estruturas Marítimas Utilizando Métodos Probabilísticos de Níveis II e III. Maria Teresa Reis João Alfredo Santos Verificação da Segurança a de Estruturas Marítimas Utilizando Métodos Probabilísticos de Níveis II e III Maria Teresa Reis João Alfredo Santos SUMÁRIO >Introdução > Conceitos básicos >Software PARASODE-BALI

Leia mais

Projecto Hidroagricola da Baixa de Óbidos. Localização. Objectivos

Projecto Hidroagricola da Baixa de Óbidos. Localização. Objectivos Projecto Hidroagricola da Baixa de Óbidos Regadio e Aproveitamentos Hidroagrícolas» Aproveitamentos hidroagrícolas em projecto» Projecto Hidroagricola da Baixa de Óbidos Localização A vila de Óbidos situada

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM ESTRUTURAS

ESPECIALIZAÇÃO EM ESTRUTURAS Mestrado Integrado em Engenharia Civil 2014-2015 Sumário 2 34 1. Objectivos da especialização 2. Saídas profissionais 3. Estrutura do plano curricular 4. Descrição das disciplinas 5. Temas de dissertação

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE ERROS Conceitos básicos. Limitação das medições experimentais: há sempre uma incerteza associada.

PROPAGAÇÃO DE ERROS Conceitos básicos. Limitação das medições experimentais: há sempre uma incerteza associada. Erro: Existência Será possível obter o valor verdadeiro pela medição? Não Limitação das medições experimentais: há sempre uma incerteza associada. Qualquer processo experimental está sujeito a erros com

Leia mais

Mecânica dos Fluidos I

Mecânica dos Fluidos I Mecânica dos Fluidos I Aula prática 1 EXERCÍCIO 1 Em Mecânica dos Fluidos é muito frequente que interesse medir a diferença entre duas pressões. Os manómetros de tubos em U, que são um dos modelos mais

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DATA: FEV/2011 1 de 10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NORMAS E ESPECIFICAÇÕES... 3 3. SISTEMAS

Leia mais

OTIMIZAÇÃO APLICADA EM PROJETO DE CAIXA D`ÁGUA METÁLICA 1

OTIMIZAÇÃO APLICADA EM PROJETO DE CAIXA D`ÁGUA METÁLICA 1 OTIMIZAÇÃO APLICADA EM PROJETO DE CAIXA D`ÁGUA METÁLICA 1 Evandro Bertoldi 2, Nara Liege Barbieri 3, Everton Bertoldi 4. 1 Trabalho de Projetos do Curso de Engenharia Mecânica 2 Coordenador Engenharia

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS - FENÔMENO DE TRANSPORTES II. Revisão Conservação de Energia e Massa

LISTA DE EXERCÍCIOS - FENÔMENO DE TRANSPORTES II. Revisão Conservação de Energia e Massa LISTA DE EXERCÍCIOS - FENÔMENO DE TRANSPORTES II Revisão Conservação de Energia e Massa 1) Determinar a velocidade do jato de líquido no orifício do tanque de grande dimensões da figura abaixo. Considerar

Leia mais

PROJECTO DA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

PROJECTO DA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROJECTO DA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA CONSTRUÇÃO DE ARRUAMENTO DESDE A ROTUNDA DANMARIE - LÉS - LYS À AV. ENGº CASTRO CALDAS - A2 ARCOS DE VALDEVEZ ÍNDICE 1) Planta de Localização 2) Termo de Responsabilidade

Leia mais

DADOS TÉCNICOS Caudal, avaliação do coeficiente de caudal e do diâmetro de passagem

DADOS TÉCNICOS Caudal, avaliação do coeficiente de caudal e do diâmetro de passagem Avaliação do tamanho das válvulas É importante escolher bem o tamanho das válvulas. Se seleccionarmos uma válvula demasiado grande ou demasiado pequena, haverá efeitos nefastos no funcionamento do sistema.

Leia mais

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Rendimento per capita de 2008 foi de US$3.130, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização: 83,8% para adultos e 97% para

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL. UNIDADE 1 Introdução à Pesquisa Operacional. Prof. Me. Carlos Guimarães

PESQUISA OPERACIONAL. UNIDADE 1 Introdução à Pesquisa Operacional. Prof. Me. Carlos Guimarães PESQUISA OPERACIONAL UNIDADE 1 Introdução à Pesquisa Operacional Prof. Me. Carlos Guimarães Objetivo Introduzir o tema Pesquisa Operacional por meio da apresentação: Da sua origem; Das sociedades profissionais

Leia mais

TEORIA DAS ESTRUTURAS I. Prof. DSc. Renata Machado Soares TEORIA I

TEORIA DAS ESTRUTURAS I. Prof. DSc. Renata Machado Soares TEORIA I TEORIA DAS ESTRUTURAS I Prof. DSc. Renata Machado Soares TEORIA I Teoria das Estruturas - Idéia Básica Estudar métodos de análise de estruturas hiperestáticas e sua aplicação no projeto de estruturas.

Leia mais

Concepção de uma Aplicação SIG para Gestão de um Aproveitamento Hidroagrícola

Concepção de uma Aplicação SIG para Gestão de um Aproveitamento Hidroagrícola Concepção de uma Aplicação SIG para Gestão de um Aproveitamento Hidroagrícola Paulo Fernandez ESA Castelo Branco Natália Roque - ESA Castelo Branco Bruno Vilela - EST Castelo Branco . Enquadramento A produtividade

Leia mais

A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q:

A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q: Cálculo da Perda de Carga 5-1 5 CÁLCULO DA PEDA DE CAGA 5.1 Perda de Carga Distribuída 5.1.1 Fórmula Universal Aplicando-se a análise dimensional ao problema do movimento de fluidos em tubulações de seção

Leia mais

Exame de Investigação Operacional - Época Especial 13 de Dezembro de I (4 val.)

Exame de Investigação Operacional - Época Especial 13 de Dezembro de I (4 val.) Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Licenciatura em Informática Exame de Investigação Operacional - Época Especial 13 de Dezembro de 2000 1. O tempo destinado à sua resolução são 120 minutos

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (11) Número de Publicação: PT 104718 (51) Classificação Internacional: G06Q 99/00 (2006) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2009.08.18 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

Ar Condicionado. VRF Modular

Ar Condicionado. VRF Modular Ar Condicionado VRF Modular MINI-VRF 8 ~ 16 KW Unidades de Caudal de Refrigerante Variável (VRF) equipadas com compressores DC Inverter e ventiladores de velocidade variável. Ventiladores de descarga

Leia mais

Seminário Os cereais regados na área de influência de Alqueva Elvas, 22 de Abril de 2010

Seminário Os cereais regados na área de influência de Alqueva Elvas, 22 de Abril de 2010 Seminário Os cereais regados na área de influência de Alqueva Elvas, 22 de Abril de 2010 Constituição de uma Reserva Estratégica de Água Garantia de Abastecimento de Água Alteração do Modelo Cultural

Leia mais

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLIC O. Escalão único 2,1335

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLIC O. Escalão único 2,1335 ÁGUA* CONSUMO DE ÁGUA CONSUMO DOMÉSTICO 1º Escalão (0 5 m 3 /mês) 0,4628 2º Escalão (6 15 m 3 /mês) 0,8421 3º Escalão (16 a 25 m 3 /mês) 1,3993 4º Escalão (superior a 25 m 3 /mês) 2,2546 COMÉRCIO, INDÚSTRIA,

Leia mais

CAPÍTULO 2 Visão Geral da Abordagem de Modelagem da Pesquisa Operacional 7

CAPÍTULO 2 Visão Geral da Abordagem de Modelagem da Pesquisa Operacional 7 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 Introdução 1 1.1 A origem da pesquisa operacional 1 1.2 A natureza da pesquisa operacional 2 1.3 O impacto da pesquisa operacional 3 1.4 Algoritmos e/ou courseware 3 Referências selecionadas

Leia mais

Rodovia SC 303, km 05 Bairro Campo Experimental 89560-000 Videira/SC Fone (49)3533-4900

Rodovia SC 303, km 05 Bairro Campo Experimental 89560-000 Videira/SC Fone (49)3533-4900 HOMOLOGAÇÃO DA LISTAGEM DOS CANDIDATOS INSCRITOS PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR SUBSTITUTO - EDITAL Nº 017/IFC/2012, DE 09 DE FEVEREIRO DE 2012 Homologa a listagem dos candidatos

Leia mais

Programação Linear. Rosa Canelas 2010

Programação Linear. Rosa Canelas 2010 Programação Linear Rosa Canelas 2010 Problemas de Optimização São problemas em que se procura a melhor solução (a que dá menor prejuízo, maior lucro, a que é mais eficiente, etc.) Alguns destes problemas

Leia mais

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 12,999,976 km 9,136,765 km 1,276,765 km 499,892 km 245,066 km 112,907 km 36,765 km 24,159 km 7899 km 2408 km 76 km 12 14 16 9 10 1 8 12 7 3 1 6 2 5 4 3 11 18 20 21 22 23 24 26 28 30

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES 1. ALTURA DE SUCÇÃO (AS) - Desnível geométrico (altura em metros), entre o nível dinâmico da captação e o bocal de sucção da bomba. 2. ALTURA DE RECALQUE (AR)

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Máquinas Hidráulicas

LISTA DE EXERCÍCIOS Máquinas Hidráulicas LISTA DE EXERCÍCIOS Máquinas Hidráulicas 1- Água escoa em uma tubulação de 50 mm de diâmetro a uma vazão de 5 L/s. Determine o número de Reynolds nestas condições, informe se o escoamento é laminar ou

Leia mais

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO ÁGUA * CONSUMO DE ÁGUA DOMÉSTICO 1º Escalão (0 5 m 3 /mês) 0,4966 2º Escalão (6 15 m 3 /mês) 0,7378 3º Escalão (16 a 25 m 3 /mês) 1,2258 4º Escalão (superior a 25 m 3 /mês) 1,9752 COMÉRCIO, INDÚSTRIA E

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURRÍCULO PLENO BACHARELADO 1 CICLO/MÓDULO A Ciências Exatas I Cálculo Diferencial 06 0 06 120 Desenho Técnico 0 02 02 40 Física I Mecânica da Partícula 04 02 06 120 Projeto

Leia mais

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Folha 1 de 14 APRESENTAÇÃO Este Anexo é dividido em duas partes: A Seção I introduz a descrição da Infra-estrutura de Irrigação de Uso Comum do Projeto Pontal,

Leia mais

Aplicação de Sistemas de Controle e Gestão de Redes de Distribuição. Autor: Carlos Rafael Bortolotto Galhardo 6º ENA - Março 2016

Aplicação de Sistemas de Controle e Gestão de Redes de Distribuição. Autor: Carlos Rafael Bortolotto Galhardo 6º ENA - Março 2016 Aplicação de Sistemas de Controle e Gestão de Redes de Distribuição Autor: Carlos Rafael Bortolotto Galhardo 6º ENA - Março 2016 Prolagos S/A Sistema de Água 2 2.460 3.470 222 Captações superficiais km

Leia mais

REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PARTE 2

REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PARTE 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PARTE 2 Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

SISTEMA 50 - Alumínio

SISTEMA 50 - Alumínio 9.5 SISTEMA 50 - Alumínio s Material Resumo 1-5021 210 mm Tubo em alumínio anodizado Recomendado para fontes de concentração de poluição pequenas 1-5031 310 mm Tubo em alumínio anodizado Recomendado para

Leia mais

Saneamento I Adutoras

Saneamento I Adutoras Saneamento I Adutoras Prof Eduardo Cohim ecohim@uefs.br 1 INTRODUÇÃO Adutoras são canalizações que conduzem água para as unidades que precedem a rede de distribuição Ramificações: subadutoras CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Atividades de Medidas

Atividades de Medidas Curso: Engenharia Civil Disciplina: Física Geral e Experimental I Período: 1 período Data: 09/02/2015 Prof.a: Érica Estanislau Muniz Faustino Valor: 5,0 Nota: Atividades de Medidas Observações: O trabalho

Leia mais

21/2/2012. Hidráulica. Programa

21/2/2012. Hidráulica. Programa Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Unidade Acadêmica de Ciências Agrárias Introdução a Disciplina: Prof.: D.Sc. Marcos Eric Origem do Nome Do Grego: hydor

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA 2012 2013 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Curso Profissional de Técnico de Multimédia ELENCO MODULAR A7 Probabilidades 28 A6 Taxa de variação 36 A9 Funções de crescimento

Leia mais

Pesquisa Operacional Introdução. Profa. Alessandra Martins Coelho

Pesquisa Operacional Introdução. Profa. Alessandra Martins Coelho Pesquisa Operacional Introdução Profa. Alessandra Martins Coelho julho/2014 Operational Research Pesquisa Operacional - (Investigação operacional, investigación operativa) Termo ligado à invenção do radar

Leia mais

COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER CONTEÚDOS Nº HORAS ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO. (30 x 45 ) Windows XP Office 2003 Internet Explorer

COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER CONTEÚDOS Nº HORAS ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO. (30 x 45 ) Windows XP Office 2003 Internet Explorer PROFESSORES: Vasco Travassos /Alexandra Aragão *** GRUPO DISCIPLINAR: INFORMÁTICA [550] Módulo 1 - Introdução aos Sistemas Operativos Funções e características de um SO. Processos concorrentes. O Núcleo

Leia mais

A perfeita definição de qualidade. Calor é o nosso elemento. Bosch Group. Acumuladores Logalux. Logalux LT Logalux SU Logalux LTN Logalux SM.

A perfeita definição de qualidade. Calor é o nosso elemento. Bosch Group. Acumuladores Logalux. Logalux LT Logalux SU Logalux LTN Logalux SM. [ Ar ] [ Água ] [ Terra ] Acumuladores Logalux [ Buderus ] A perfeita definição de qualidade Logalux LT Logalux SU Logalux LTN Logalux SM Calor é o nosso elemento Bosch Group Acumuladores Logalux Avançada

Leia mais

TERMOACUMULADORES ELÉCTRICOS

TERMOACUMULADORES ELÉCTRICOS TERMOACUMULADORES ELÉCTRICOS S O L UÇÕE S DE ÁGUA QUE N T E Índice Conforto garantido 03 Compatibilidade solar e selecção de capacidade 04 Gama EasyAqua 05 Gama NaturaAqua 06 Dados técnicos 07 02 SOLUÇÕES

Leia mais

Mecanismos de Elevação Artificial

Mecanismos de Elevação Artificial Mecanismos de Elevação Artificial Pressão do reservatório é suficiente para os fluidos nele contidos alcançarem a superfície Poço Surgente Elevação Natural Pressão do reservatório insuficiente Necessidade

Leia mais

ALQUEVA UMA PLATAFORMA PARA O. Conselho Nacional da Água 49.ª Reunião Plenária Lisboa, 05 julho 2013

ALQUEVA UMA PLATAFORMA PARA O. Conselho Nacional da Água 49.ª Reunião Plenária Lisboa, 05 julho 2013 ALQUEVA UMA PLATAFORMA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Conselho Nacional da Água 49.ª Reunião Plenária Lisboa, 05 julho 2013 Alentejo - O Território Baixa Densidade Populacional Povoamento concentrado

Leia mais

GSCI - GSIG. 2 Programação Linear. Prof. Ricardo Villarroel Dávalos, Dr. Eng.

GSCI - GSIG. 2 Programação Linear. Prof. Ricardo Villarroel Dávalos, Dr. Eng. GSCI - GSIG 2 Programação Linear Prof. Ricardo Villarroel Dávalos, Dr. Eng. E-mail: ricardo.davalos@unisul.br Fpolis, Setembro de 2012 2.4 Modelagem do Problema Problema MODELO: * Restrições =; =

Leia mais

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS REDES PREDIAIS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS António Morgado André UAlg-EST-ADEC aandre@ualg.pt 1 Noções Básicas

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO - FESP LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE - BT1 CENTRO TECNOLÓGICO DE HIDRÁULICA - CTH

FACULDADE DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO - FESP LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE - BT1 CENTRO TECNOLÓGICO DE HIDRÁULICA - CTH FACULDADE DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO - FESP LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE - BT1 CENTRO TECNOLÓGICO DE HIDRÁULICA - CTH APOSTILA DO EXPERIMENTO - BOMBAS HIDRÁULICAS Esta apostila contém o roteiro

Leia mais

Formação das precipitações

Formação das precipitações 6.1. Definição A precipitação consiste no produto da condensação atmosférica depositado no solo. As formas mais comuns de precipitação entre outras são a chuva, a neve, o granizo e o orvalho. Formação

Leia mais

rolls Automation for sectional doors up to 23 m 2 and overhead doors up to 14 m 2

rolls Automation for sectional doors up to 23 m 2 and overhead doors up to 14 m 2 PT rolls Automation for sectional doors up to 23 m 2 and overhead doors up to 14 m 2 Rolls Automatização para portas seccionadas até 23 m 2 e basculantes até 14 m 2 1. DESIGN E TECNOLOGIA A abertura de

Leia mais

Avaliação de Perdas nos Sistemas de Distribuição de Água:

Avaliação de Perdas nos Sistemas de Distribuição de Água: PRÉMIOS APDA ENSINO SUPERIOR 2012 Avaliação de Perdas nos Sistemas de Distribuição de Água: Análise e aplicação aos sistemas da EPAL em Lisboa e da IGA na Ilha do Porto Santo João Filipe Nóbrega Drumond

Leia mais

RADIADORES E TOALHEIROS

RADIADORES E TOALHEIROS RADIADORES E TOALHEIROS Índice A parte visível de um sistema de aquecimento central 03 Gama Elegance 04 Gama Jazz 05 Válvulas e Cabeças Termostáticas 06 Dimensões e Atravancamentos 07 Dados técnicos 07

Leia mais

APROVEITAMENTO HIDRÁULICO DE FINS MÚLTIPLOS DO CRATO. SUA VIABILIDADE. ANÁLISE TÉCNICA, ECONÓMICA E AMBIENTAL

APROVEITAMENTO HIDRÁULICO DE FINS MÚLTIPLOS DO CRATO. SUA VIABILIDADE. ANÁLISE TÉCNICA, ECONÓMICA E AMBIENTAL APROVEITAMENTO HIDRÁULICO DE FINS MÚLTIPLOS DO CRATO. SUA VIABILIDADE. ANÁLISE TÉCNICA, ECONÓMICA E AMBIENTAL Maria João CALEJO Engª Agrónoma, PhD, COBA, Av. 5 de Outubro, 323, 1649-011, Lisboa, Portugal,

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Ano lectivo: 0/06 Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática Investigação Operacional Ficha de exercícios n o Algoritmo Simplex Cursos: Gestão e Economia. Considere o seguinte conjunto

Leia mais

RESERVATÓRIO DE ÁGUA INDUSTRIAL DO CERRO DA MINA

RESERVATÓRIO DE ÁGUA INDUSTRIAL DO CERRO DA MINA GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO RESERVATÓRIO DE ÁGUA INDUSTRIAL DO CERRO DA MINA Gonçalo Tavares goncalo.tavares@cenor.pt SUMÁRIO CONSIDERAÇÕES

Leia mais

TP052-PESQUISA OPERACIONAL I Introdução. Prof. Volmir Wilhelm Curitiba, Paraná, Brasil

TP052-PESQUISA OPERACIONAL I Introdução. Prof. Volmir Wilhelm Curitiba, Paraná, Brasil TP052-PESQUISA OPERACIONAL I Introdução Prof. Volmir Wilhelm Curitiba, Paraná, Brasil TP052-PESQUISA OPERACIONAL I Ementa Revisão de Álgebra Linear. Modelos de Programação Linear. O Método Simplex. O Problema

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO

Capítulo 1 INTRODUÇÃO Capítulo 1 INTRODUÇÃO Introdução 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS O elevado crescimento urbano verificado nos últimos anos, bem como a necessidade de construção de vias de comunicação, de forma a contribuir

Leia mais