ANÁLISE GEOAMBIENTAL DA VULNERABILIDADE DA SUB-BACIA SANTA ROSA NO MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA - SP COMO SUBSÍDIO AO ZONEAMENTO TERRITORIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE GEOAMBIENTAL DA VULNERABILIDADE DA SUB-BACIA SANTA ROSA NO MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA - SP COMO SUBSÍDIO AO ZONEAMENTO TERRITORIAL"

Transcrição

1 ANÁLISE GEOAMBIENTAL DA VULNERABILIDADE DA SUB-BACIA SANTA ROSA NO MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA - SP COMO SUBSÍDIO AO ZONEAMENTO TERRITORIAL Carla Mourão Pós-Graduanda da Universidade Federal de Alfenas, UNIFAL-MG Bacharel em Geografia. Bolsista pela FAPEMIG ( ) Clibson Alves dos Santos Professor da Universidade Federal de Alfenas 429 Resumo O município de Porto Ferreira está situado a aproximadamente 250 km a noroeste de São Paulo - SP. Com a cidade ainda em crescimento, ocorrem inúmeras e constantes demandas nos setores técnicos, científicos e, principalmente, econômicos, para o seu desenvolvimento. A expansão acarreta alterações do meio físico, buscando cumprir as necessidades antrópicas, causando graves impactos ambientais e sociais. A busca pelo desenvolvimento sustentável, precisa do envolvimento de uma grande diversidade de agentes e segmentos sociais. Com isso, torna-se imprescindível a necessidade de estudos sobre o meio físico, visando a identificação das fragilidades e das potencialidades dos recursos naturais perante diversos empreendimentos e/ou atividades de uso do solo, conciliando as demandas econômicas à preservação ambiental e bem estar das pessoas que ali residem. Portanto, utilizando a base bibliográfica e cartográfica obtida, realiza-se uma análise geoambiental, apontando a estabilidade e vulnerabilidade ambiental do terreno pela aplicação dos métodos propostos por Crepani et al. (2001). Com isso, procura-se disponibilizar uma ferramenta prática no planejamento do território, como o Zoneamento Territorial, no município de Porto Ferreira. Orientando o uso dos recursos naturais de forma coerente, conciliando os interesses econômicos do município com a preservação ambiental e melhoria na qualidade de vida da população local. Palavras-Chave: Análise Geoambiental; Vulnerabilidade Ambiental; Zoneamento Territorial. Abstract

2 The municipality of Porto Ferreira is located approximately 250 km north-west of São Paulo-SP. With the city still growing, there are numerous and constant demands on scientific, technical, and mainly economic sectors, for its development. The expansion involves changes in the physical environment, seeking to meet the human needs, causing serious social and environmental impacts. The search for sustainable development requires the involvement of a wide range of agents and social segments. Therewith, it is imperative the need for studies on the physical environment, aiming at the identification of weaknesses and potentialities of natural resources towards several developments and/or land use activities, conciliating the demands on the environmental preservation and economic well-being of people living there. Therefore, using the bibliographic and cartographic database obtained, a geoenvironmental analysis is conducted, pointing the stability and environmental vulnerability of ground by the application of the methods proposed by Crepani et al. (2001). Therewith, it is sought to provide a practical tool in the planning of the territory, as the Territorial Zoning, in the municipality of Porto Ferreira. Guiding the use of natural resources coherently, reconciling the economic interests of the municipality with the environmental preservation and improving the quality of life of the local population. Keywords: Geoenvironmental Analysis, Environmental Vulnerability, Territorial Zoning. 430 EIXO 5 - Planejamento Ambiental e Ordenamento Territorial INTRODUÇÃO O município de Porto Ferreira está situado a aproximadamente 250 km noroeste de São Paulo-SP. É uma cidade em desenvolvimento e com os seus 117 anos e cresce em um ritmo sem muitos planejamentos. Foi realizado um estudo do meio físico para elaboração do Plano Diretor de Macrodrenagem do município e além desse estudo, também foi criado o Plano Diretor da cidade em 2007, mas mesmo com as pesquisas e medidas apresentadas, não foi apontado um diagnóstico ambiental do município. Presentemente, a realização de um plano do uso da terra tem sido decidido apenas com base nos fatores econômicos, ignorando-se o meio biofísico, o qual a sociedade humana também é dependente para sua sobrevivência. Este diagnóstico ambiental visa identificar o potencial dos recursos naturais em suportar diversos tipos de uso do solo. Realizado o estudo do meio físico e das atividades antrópicas, juntamente com a caracterização dos recursos hídricos e o estudo da fragilidade dos terrenos frente aos agentes erosivos, é possível proceder a análise integrada dos aspectos estudados, tendo como base a teoria geossistêmica, que auxiliou no entendimento das potências naturais dos terrenos frente às fragilidades sofridas.

3 Com a cidade ainda em desenvolvimento, ocorrem inúmeras e constantes demandas técnicas, científicas e, principalmente, econômicas, além de diversas alterações do meio físico, causando graves impactos ambientais e sociais. A busca pelo desenvolvimento sustentável, precisa do envolvimento de uma grande diversidade de agentes e segmentos sociais. Com isso, torna-se imprescindível a necessidade de estudos sobre o meio físico, visando a identificação das fragilidades e das potencialidades dos recursos naturais perante diversos empreendimentos e/ou atividades de uso do solo, conciliando as demandas econômicas à preservação ambiental e bem estar das pessoas que ali residem. Portanto, realizando uma análise geoambiental utilizando a base bibliográfica, cartográfica e fotogramétrica obtida através do estágio curricular realizado na Prefeitura de Porto Ferreira, procura-se disponibilizar uma ferramenta prática no planejamento ambiental da sub-bacia Santa Rosa, a qual tem a maior influência na área do município de Porto Ferreira, para orientar no uso dos recursos naturais de forma coerente, conciliando os interesses econômicos do município com a preservação ambiental e melhoria na qualidade de vida da população local. 431 OBJETIVOS Visando direcionar a política de desenvolvimento do município, a análise geoambiental tem importância fundamental no que tange às questões de uso dos recursos naturais, tendo em vista a possibilidade de uma visão sistêmica e integrada dos componentes do ambiente. O trabalho teve por objetivo a confecção de uma Carta de Vulnerabilidade da Subbacia Santa Rosa, afluente do Rio Mogi Guaçu, a partir de levantamento de aspectos ambientais, com a utilização de SIG para gestão dos dados. A carta de vulnerabilidade permite identificar e priorizar as áreas que necessitam de maior cuidado na preservação, sendo essencial para o monitoramento, fiscalização e como subsídio à gestão, auxiliando no ordenamento territorial. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O estudo sobre fragilidade ambiental apresenta-se com grande relevância para o planejamento ambiental e territorial, já que o aumento da vulnerabilidade dos ambientes naturais é intensificada pela ação antrópica, e segundo Ross (1994) os ambientes naturais normalmente estão em equilíbrio dinâmico, mas com a evolução da sociedade há um aumento das necessidades de recursos naturais e consequentemente uma degradação do ambiente. Tricart (1977) afirma ser importante

4 estudar a organização do espaço para determinar a ação nas dinâmicas naturais para corrigir aspectos desfavoráveis e facilitar a exploração dos recursos ecológicos que o meio ambiente oferece. Assim, Crepani et. Al. (2001) fundamenta seus estudos nas metodologias propostas anteriormente por Ross (op. Cit.), de Ecodinâmica por Tricart (op. Cit) e na potencialidade para estudos integrados das imagens de satélite que permitem uma visão sinótica, repetitiva e holística da paisagem. Fortalece assim a ideia do equilíbrio natural do meio, e por isso em seus estudos trabalha com o conceito de Vulnerabilidade/Estabilidade dos processos Naturais a Erosão Ambiental a partir da análise das Unidades Territoriais Básicas (UTB s). Segundo Kawakubo et. al. (2005) o mapa de Fragilidade Ambiental consiste em um dos principais instrumentos na elaboração do Planejamento Territorial ambiental, pois permite avaliar as potencialidade e restrições de cada lugar e dimensionar os problemas da área. Nessa metodologia de vulnerabilidade ambiental, para se analisar uma unidade de paisagem natural é necessário conhecer sua gênese, constituição física, forma e estágio de evolução, bem como o tipo da cobertura vegetal que sobre ela se desenvolve. Estas informações são fornecidas pelos cinco componentes físicos que são trabalhados pelos autores: Geologia, Geomorfologia, Pedologia, Fitogeografia e que auxiliados pelo Clima, que interagem-se e levam ao estabelecimento das unidades de paisagem natural. De forma a se construir uma escala de vulnerabilidade, desenvolveu-se então o modelo que estabelece 21 classes de vulnerabilidade à perda de solo, distribuídas entre as situações onde há o predomínio dos processos de pedogênese (às quais se atribuem valores próximos de 1,0), passando por situações intermediárias (às quais se atribuem valores ao redor de 2,0) e situações de predomínio dos processos de morfogênese (às quais se atribuem valores próximos de 3,0). Com este procedimento metodológico é possível elaborar cartas de vulnerabilidade natural à perda de solo a partir de um banco de dados contendo as informações básicas do meio físico e de uso da terra de uma determinada região. A partir desta metodologia proposta pelos autores, foi elaborada pelo INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o Zoneamento Ecológico-Econômico da região Amazônica, desenvolvido por Crepani et al (op. Cit.). No estudo, primeiramente é feita uma elaboração de mapa com as Unidades Territoriais Básicas (UTB s) e posteriormente é associado à informações já preexistentes sobre a área. As variáveis trabalhadas são as mesmas dos autores e como resultado final temos um mapa para 432

5 cada uma dessas variáveis, onde se associa os pesos com valor 1(à áreas mais estável) a 3 (à áreas mais vulneráveis). Spörl e Ross (2004) aplicam três modelos distintos para comparar qual o mais apropriado para os Estudos de Fragilidade Ambiental, sendo dois deles propostos por Ross (1994) e um por Crepani et al (1996). Confrontando-os, concluem que não há muitas divergências em cada metodologia, mas que os procedimentos podem não refletir as características reais da área já que alguma variável na metodologia pode ter um peso comum para uma determinada área, sendo que na realidade isso varia para cada ambiente. Assim é necessário hierarquizar os atributos para representar fielmente as fragilidades locais, conforme o trecho a seguir: [...] nem sempre o relevo mais dissecado é de fato mais frágil, ou ao contrário, nem sempre o relevo pouco dissecado é realmente mais estável. Pois a fragilidade depende também do tipo de rocha, dos solos, do uso da terra e do regime de chuvas. Isto quer dizer que a valorização do relevo/declividade (1 dígito) no modelo sugerido por ROSS (1994) pode definir uma fragilidade muito forte para uma área muito dissecada, mas que na realidade as demais variáveis poderiam amenizar sua vulnerabilidade, ou ainda, poderia determinar uma fragilidade muito fraca para uma área de relevo estável, mas que as outras variáveis poderiam acentuar sua vulnerabilidade. Já no modelo proposto por CREPANI et al (1996), a igual ponderação entre os diferentes médios para cada UTB pode acabar por mascarar ou atenuar o resultado final do índice de fragilidade da unidade identificada. (Spörl; Ross, 2004, p.48.) 433 O que acaba mais diferenciando os modelos são justamente os pesos de cada atributo, mas como conclusão, os autores julgam difícil estabelecer precisamente qual o atributo é mais significativo para cada área. Eles trazem como apontamento, identificar o melhor modelo que se ajuste com os eventos naturais, e que os estudos de fragilidade ambiental são importantes para a tomada de decisão. METODOLOGIA Área de Estudo A área de estudo (FIGURA 1) compreende a Sub-bacia Santa Rosa, afluente do rio Mogi-Guaçu, localizada entre as coordenadas 21º e de latitude ao sul e a de longitude a oeste. Abrange os municípios os municípios de Porto Ferreira e parte de Pirassununga e Descalvado - SP. Dentro do limite municipal de Porto Ferreira se localiza algumas sub-bacias do rio Mogi-Guaçu., entre

6 elas está a sub-bacia que está em análise em questão. Ela possui uma área de 107,15 km², é a mais extensa e mais influente no município entre todas constatadas. 434 Figura 1: Delimitações Políticas, delimitações da área da Sub-bacia Santa Rosa e Rede de drenagem. Levantamento e Organização de Dados Básicos Inicialmente foi realizada uma pesquisa bibliográfica de aspectos teóricos metodológicos sobre a temática analisada juntamente com os aspectos do meio físico e social da região. Nessa mesma etapa, foi executado o levantamento cartográfico,

7 buscando a aquisição de mapas e cartas temáticas e básicas já elaboradas, além de imagens de satélite e aerofotos disponíveis. Nessa pesquisa inicial pôde ser obtido todo o material necessário para a realização da carta de vulnerabilidade ambiental, de acordo com a metodolgia proposta por Crepani, E. (2001). A partir dos mapas encontrados no Estudo do Meio Físico para Elaboração do Plano Diretor de Macrodrenagem do Município de Porto Ferreira serão realizados o diagnóstico geoambiental com o subsídio ao zoneamento ambiental. Este estudo contém os seguintes mapas: Localização das sub-bacias com influência na área urbana e na área de expansão do município de Porto Ferreira, mapas geológico, geomorfológico, pedológico, carta de declividades, mapa de APPs, de processos minerários, mapa do uso do solo e cobertura vegetal natural, do uso e ocupação do solo conforme NRCS, de grupos hidrológicos, do coeficiente de escoamento, mapa do risco de inundações e de propostas e alternativas. Todos em escala 1: Além também de dados de precipitação das sub-bacias e também da vazão dos córregos. Os mapas contêm dados de todas as sub-bacias influentes no município, já este projeto se resumiu em realizar o diagnóstico geoambiental somente da sub-bacia Santa Rosa, identificada no estudo do meio físico, já que os trabalhos usam, predominantemente, as bacias hidrográficas como unidade de mapeamento e têm tido aplicação intensa nos estudos ambientais de caráter mais amplo. Esta sub-bacia é a que possui a maior área e maior influência no município. 435 Interpretação e Correlação dos Dados Esta fase corresponde à análise dos materiais obtidos, os quais resultaram na caracterização dos aspectos do meio físico e na caracterização geotécnica. Através da associação entre os mapas é possível diagnosticar a vulnerabilidade. A metodologia utilizada para o mapeamento da vulnerabilidade de paisagens foi elaborada por Crepani, E. (2001). De acordo com a metodologia primeiramente é realizada a reinterpretação das informações temáticas disponíveis (mapas geológicos, geomorfológicos, pedológicos, e de cobertura vegetal e uso da terra) com a intensidade pluviométrica. Posteriormente é realizada uma classificação do grau de vulnerabilidade de cada unidade territorial baseada nos processos de morfogênese e pedogênese (FIGURA 2). A vulnerabilidade é expressa pela atribuição de valores (de 1 a 3, num total de 21 valores) para cada classe de cada tema. Desenvolveu-se então um modelo que estabelece 21 classes de vulnerabilidade à perda de solo, distribuídas entre as situações onde há o predomínio dos processos de pedogênese (às quais se

8 atribuem valores próximos de 1,0), passando por situações intermediárias (às quais se atribuem valores ao redor de 2,0) e situações de predomínio dos processos de morfogênese (às quais se atribuem valores próximos de 3,0). 436 Figura 2: Escala de vulnerabilidade das unidades territoriais básicas Toda essa fase de compilação de mapas, interpretação e classificação de valores de vulnerabilidade foi realizada no programa ArcGis 10.1 Elaboração dos Produtos Finais A partir das análises e interpretações realizadas anteriormente, é feito assim uma compilação dos mapas dos atributos, gerando um mapa grau de vulnerabilidade final de todas variáveis em um só arquivo. O modelo de adotar grau de vulnerabilidade às unidades é aplicado individualmente aos temas (Geologia, Geomorfologia, Solos, Vegetação e Clima) que compõem cada unidade territorial básica e que recebe posteriormente um valor final, resultante da média aritmética dos valores individuais segundo uma equação empírica, que busca representar a posição desta unidade dentro da escala de vulnerabilidade natural à perda de solo: onde: V = Vulnerabilidade G = vulnerabilidade para o tema Geologia V = (G + R + S +Vg + C) 5

9 R = vulnerabilidade para o tema Geomorfologia S = vulnerabilidade para o tema Solos Vg = vulnerabilidade para o tema Vegetação C = vulnerabilidade para o tema Clima A partir do resultado final, se apresenta um diagnóstico geoambiental da área estudada a partir da carta final de vulnerabilidade ambiental, a qual apresenta os graus de fragilidade e estabilidade que o terreno possui. Com a realização desse diagnóstico pode ser proposto obter um o zoneamento ambiental da área, o qual auxiliará na política de planejamento do município, orientando quais as atividades adequadas para cada porção da área da sub-bacia. O zoneamento pode ser elaborado tendo como base principal os aspectos geomorfológicos, geológicos, pedológicos e cobertura vegetal. As destinações propostas seriam indicadas utilizando informações sobre as fragilidades e as potencialidades do terreno da sub-bacia compreendidas através das diversas análises realizadas no decorrer do trabalho. 437 RESULTADOS Neste trabalho foram analisados atributos geoambientais (rocha, solo, relevo, vegetação e uso do solo e clima) dos mapas temáticos da área, com objetivo de classificar os polígonos das diferentes características seguindo a metodologia do Crepani et al.(2001). Resultando no mapa de estabilidade/vulnerabilidade ambiental que mostra zonas com diferentes graus de fragilidade tendo como área a sub-bacia Santa Rosa do Rio Mogi-Guaçu. No levantamento prévio foram encontrados todos os mapas das variáveis utilizadas para se calcular a vulnerabilidade aplicando a respectiva metodologia. No próprio programa ArcGis foi quantificado cada polígono destes mapas com seu respectivo grau de vulnerabilidade de acordo com a metodologia proposta por Crepani et al.(2001). Realizando a compilação dos cinco mapas de vulnerabilidade gerados anteriormente, é possível aplicar a fórmula empírica [ V=(G + R + S +Vg + C)/5] e assim o próprio programa ArcGis realiza automaticamente o cálculo do grau de vulnerabilidade final. Utilizando este método apresentado, temos como resultado final a Figura 3, que contém os valores do grau de vulnerabilidade de acordo com o cálculo aplicado.

10 438 Figura 3: Grau de Vulnerabilidade Final Este mapa apresenta dez diferentes graus de vulnerabilidade para cada unidade de paisagem tratada na área da sub-bacia. A aplicação das cores do mapa foi de acordo com a que Crepani estipulou para esse tipo de estudo, como mostra a Figura 2 da escala de vulnerabilidade das unidades territoriais básicas. A partir da variação dos graus de vulnerabilidade, agrupam-se alguns valores, nomeando em classes que vão do nível de estabilidade até o nível máximo de vulnerabilidade. Observando novamente o Quadro 1, nota-se em uma de suas colunas esse agrupamento de valores. Crepani estipula que valores que vão do nível 1 ao nível 1,3, temos o grau de vulnerabilidade nomeado como Estável. Do nível 1,4 ao 1,7 como Moderadamente Estável. Do nível 1,8 ao 2,2 como Medianamente Estável/Vulnerável. Do nível 2,3 ao 2,6 como Moderadamente Vulnerável. E por fim do nível 2,7 ao 3,0 nomeado o grau de vulnerabilidade como Vulnerável.

11 Partindo desse agrupamento de valores e sua classificação, temos como resultado o mapa abaixo (FIGURA 4) contendo três grupos de grau de vulnerabilidade. 439 Figura 4: Classificação de Grau de Vulnerabilidade Realizando a leitura deste, encontramos três diferentes categorias morfoginâmicas. A primeira citada é a classificada como Moderadamente Estável inclui valores do grau de vulnerabilidade que vão do 1,44 ao 1,79. Esta destaca ao norte da área, terrenos com características geológicas de Coberturas Cenozóicas indiferenciadas correlatas ã Formação Rio Claro, composta por arenitos finos a médios, argilosos com níveis subordinados de argilitos e arenitos conglomerados. A categoria se localiza em sobre uma geomorfologia de colinas amplas, com vertentes com perfis retilíneos a convexos, uma pedologia composta por latossolos além de um índice de pluviosidade

12 relativamente baixo. Esta combinação, que possui graus de fragilidade relativamente baixos, fez com que a porção norte da sub-bacia caracterizar-se como Moderadamente Estável. Já na outra porção, ao sul, esta categoria define alguns fragmentos devido a vegetação densa que é presente no local. A segunda categoria considerada como Medianamente Estável/Vulnerável, inclui valores do grau de vulnerabilidade do 1,80 ao 2,29 e é a que mais aparece no mapa, ocupando maior parte da área da sub-bacia com a maior parte dos polígonos com esses valores finais. Ao norte, apesar de ainda estar em um relevo composto por colinas, que não indicam grande fragilidade, suas delimitações estão em uma área de características geológicas do Período Permiano, de Formação Corumbataí e Grupo Passa Dois, compostos por siltitos, falhelhos, arenitos, calcários e sílex. Com essa caracterização, possui um grau de vulnerabilidade maior, o que fez diferenciar a área, tornando mais frágil. Outro motivo também para que essa categoria indicasse a área como medianamente estável/vulnerável é a ação antrópica que se exerce ali. Todo o extremo norte do mapa, tem seu uso do solo para atividades humanas, tanto residenciais, comerciais e industriais, que acabam tornando o terreno muito mais vulnerável à degradações. Já na região sul da área da sub-bacia, esse grau de vulnerabilidade se distingue ao moderadamente estável pela geomorfologia que se representa com colinas médias, com vertentes já com perfis convexos a retilíneos e também pela falta de vegetação no terreno e pelo tipo de uso do solo que contém. Essas áreas são predominantemente utilizadas como pastagens, culturas e alguns fragmentos de solo exposto, elevando a classificação do nível de fragilidade. Por fim, a última categoria, nomeada como Moderadamente Vulnerável inclui valores de grau de vulnerabilidade que vão do valor do 2,30 ao somente 2,34. Se localiza em uma área mais localizada, na parte sul do mapa. Está área é composta por características geológicas da Formação Pirambóia, com níveis de folhelhos e arenitos argilosos de cores variadas e raras intercalações de natureza areno-conglomerática e também por uma parte composta por Aluviões, em depósitos em terraços suspensos (cascalheiras e aluviões pré-atuais) compostos por arenitos médios grossos estratificados. E além da ausência de vegetação se localiza na delimitações da área aonde encontramos uma pedologia formada por neossolos quartzarênicos com areias quartzosas, areias quartzosas hidromórficas, que possuem a classificação de vulnerabilidade em nível três, uma área muito instável. Combinando as variáveis, temos como resultado do cálculo final um valor maior da intensidade dessa fragilidade. 440

13 CONCLUSÕES Com todos os resultados apresentados, observa-se que a área pesquisada apresenta somente três das cinco categorias de graus de vulnerabilidade proposta pela metodologia de Crepani, E. (2001), tendo somente as classes intermediárias e ausentando-se das duas restantes, a denominada Estável e Vulnerável. Assim tendese a concluir que a área da sub-bacia Santa Rosa está em uma condição estável, com uma fragilidade mediana, mas com tendência a atingir o estado de Vulnerável. Isso se tornará possível se a ação antrópica for responsável por continuar utilizando o solo de forma inadequada, extraindo seus nutrientes em uma velocidade maior do que eles possam se regenerar, não se preocupando com o seu futuro e também do futuro das próximas gerações que hão de habitar este terreno. Além da ação antrópica, o que também contribui para a degradação é a força física, o inteperismo. Para que ele não atue em grande escala contra o ambiente é preciso algo barre suas ações. Este papel pertence à vegetação. A cobertura vegetal, que acaba representando a defesa da unidade de paisagem contra os efeitos dos processos modificadores das formas de relevo (erosão). Assim o controle do desmatamento e programas de reflorestamento nas áreas mais instáveis devem ser prontamente iniciados. Para que a área não siga essa tendência e venha se tornar Vulnerável, é necessário se aplicar medidas de políticas públicas que controlem e preservem cada unidade natural. A busca pelo desenvolvimento sustentável, precisa do envolvimento de uma grande diversidade de agentes e segmentos sociais. Com isso, torna-se imprescindível a necessidade de estudos sobre o meio físico, visando a identificação das fragilidades e das potencialidades dos recursos naturais perante diversos empreendimentos e/ou atividades de uso do solo, encaminhando para uma política pública de desenvolvimento sustentável da cidade. Diante desse intuito, a proposta é que a partir do estudo detalhado dos recursos naturais que o município dispõe em relação a sua utilização antrópica e a fragilidade do terreno, realizar a proposição de medidas de recuperação, prevenção e destinação à cada área do município, realizando assim, um Zoneamento Territorial, que auxiliará na política de desenvolvimento do município, orientando no uso dos recursos naturais de forma coerente, conciliando os interesses econômicos do município com a preservação ambiental e melhoria na qualidade de vida da população local. 441

14 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Crepani, E.; Medeiros, J. S.; Azevedo, L.G.; Hernandez, P.; Florenzano, T.; Barbosa, C Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao zoneamento ecológico-econômico e ao ordenamento territorial. São José dos Campos-SP. INPE Instituto de Pesquisas Espaciais VM Engenharia de Recursos Hídricos. Estudo do Meio Físico para Elaboração do Plano Diretor de Macrodrenagem do Município de Porto Ferreira SP Visando a Preservação dos Recursos Naturais, Solo e Água Santos, C. A Diagnóstico e Análise Geoambiental das Bacias Hidrográficas do Ribeirão Carioca e dos Córregos do Bação e Carioca, Afluentes do Rio Itabirito (MG), como Subsídio ao Zoneamento Ambiental. Universidade Federal de Ouro Preto. Tese (Doutorado) Programa de Pós-Graduação em Evolução Crustal e Recursos Naturais. KAWAKUBO, F. S.; MORATO, R. G; CAMPOS, K. C.; LUCHIARI, A.; ROSS, J. L. S.. Caracterização empírica da fragilidade ambiental utilizando geoprocessamento. In.: Anais XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Goiânia, Brasil, abril 2005, INPE, p ROSS, J. L. S. Análise Empírica da Fragilidade dos Ambientes Naturais e Antropizados. In: Revista do Departamento de Geografia, n 8, FFLCH-USP, São Paulo, Crepani, E.; Medeiros, J.S.; Azevedo, L.G.; Duarte, V.; Hernandez, P.; Florenzano, T. Curso de Sensoriamento Remoto Aplicado ao Zoneamento Ecológico- Econômico. INPE, São José dos Campos, SP,

UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA.

UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA. UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA. Ivonice Sena de Souza 1, Ana Paula Sena de Souza 2, Danilo da Silva Carneiro 3, Jumara Souza Alves 4, Marcos Roberto Souza Santos 5, Deorgia

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA FRAGILIDADE AMBIENTAL COM APLICAÇÃO DE TRÊS MODELOS

ANÁLISE COMPARATIVA DA FRAGILIDADE AMBIENTAL COM APLICAÇÃO DE TRÊS MODELOS GEOUSP - Espaço e Tempo, São Paulo, Nº 15, pp.39-49, 2004 ANÁLISE COMPARATIVA DA FRAGILIDADE AMBIENTAL COM APLICAÇÃO DE TRÊS MODELOS Christiane Spörl* & Jurandyr Luciano Sanches Ross** RESUMO: Este trabalho

Leia mais

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva.

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva. Mapeamento da cobertura vegetal e uso do solo nas bacias do ribeirão Carioca, córrego do Bação e córrego da Carioca, no município de Itabirito - MG: uma análise preliminar. AUTORES: MSc. Clibson Alves

Leia mais

Análise da Susceptibilidade a Processos Erosivos, de Inundação e Assoreamento em Itajobi-SP a Partir do Mapeamento Geológico- Geotécnico

Análise da Susceptibilidade a Processos Erosivos, de Inundação e Assoreamento em Itajobi-SP a Partir do Mapeamento Geológico- Geotécnico Análise da a Processos Erosivos, de Inundação e em Itajobi-SP a Partir do Mapeamento Geológico- Geotécnico Lucas Duarte Beggiato Departamento de Geotecnia, Universidade de São Paulo, São Carlos, São Paulo

Leia mais

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE Débora Barbosa da Silva 1 ; Neise Mare de Souza Alves 1 ; Aracy Losano Fontes 1 deborabarbs@ig.com.br Universidade

Leia mais

ANÁLISE DAS ÁREAS DE RISCO A ENCHENTES E INUNDAÇÕES EM ALFENAS-MG.

ANÁLISE DAS ÁREAS DE RISCO A ENCHENTES E INUNDAÇÕES EM ALFENAS-MG. ANÁLISE DAS ÁREAS DE RISCO A ENCHENTES E INUNDAÇÕES EM ALFENAS-MG. FONSECA, Homero Ferreira da¹ homeros77@hotmail.com BONASSI, Igor Rafael Pernambuco¹ igor1505@hotmail.com SANTOS, Clibson Alves dos² clibsonsantos@gmail.com

Leia mais

CAPÍTULO 7 EXEMPLO DE MANIPULAÇÃO EM LEGAL

CAPÍTULO 7 EXEMPLO DE MANIPULAÇÃO EM LEGAL CAPÍTULO 7 EXEMPLO DE MANIPULAÇÃO EM LEGAL Este capítulo é dedicado à apresentação de um exemplo real de uso da linguagem. Inicialmente descrevese a estrutura geral de um programa usando a linguagem LEGAL.

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MAPA GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

ELABORAÇÃO DE MAPA GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. ELABORAÇÃO DE MAPA GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. João Osvaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br), Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br) Universidade Estadual Paulista

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE MORFOMÉTRICA COMO INSTRUMENTO PARA AVALIAR A VULNERABILIDADE AMBIENTAL EM SUB-BACIAS HIDROGRÁFICAS NO MUNICÍPIO DE RIO POMBA/MG

UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE MORFOMÉTRICA COMO INSTRUMENTO PARA AVALIAR A VULNERABILIDADE AMBIENTAL EM SUB-BACIAS HIDROGRÁFICAS NO MUNICÍPIO DE RIO POMBA/MG UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE MORFOMÉTRICA COMO INSTRUMENTO PARA AVALIAR A VULNERABILIDADE AMBIENTAL EM SUB-BACIAS HIDROGRÁFICAS NO MUNICÍPIO DE RIO POMBA/MG Pedro José de Oliveira MACHADO (Professor da UFJF;

Leia mais

UNIDADES DE RELEVO DA BACIA DO RIO PEQUENO, ANTONINA/PR: MAPEAMENTO PRELIMINAR

UNIDADES DE RELEVO DA BACIA DO RIO PEQUENO, ANTONINA/PR: MAPEAMENTO PRELIMINAR UNIDADES DE RELEVO DA BACIA DO RIO PEQUENO, ANTONINA/PR: MAPEAMENTO PRELIMINAR Julio Manoel França da Silva, Mestrando em Geografia, Universidade Federal do Paraná. Email: juliogeog@yahoo.com.br; Leonardo

Leia mais

Disciplina: Cartografia Geoambiental

Disciplina: Cartografia Geoambiental Disciplina: Cartografia Geoambiental Professor: Me. Diego Alves de Oliveira Outubro de 2013 Carga horária Carga horária semestral: 64 Carga horária semanal: 4 Carga horária Teórica: 32 Carga horária Prática:

Leia mais

Identificação de Áreas Prioritárias para Recuperação Município de Carlinda MT

Identificação de Áreas Prioritárias para Recuperação Município de Carlinda MT Identificação de Áreas Prioritárias para Recuperação Município de Carlinda MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol A Agenda 21 Local é um processo participativo de consulta sobre os problemas ambientais,

Leia mais

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho 1 Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho A preservação da mata ciliar é importante para a manutenção do equilíbrio natural

Leia mais

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA CÓRREGO DO PORTO-TRÊS LAGOAS MS SILVA, Laís C.N. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul- UFMS lais_cns@yahoo.com.br DELGADO, Valeria P. Universidade Federal de

Leia mais

USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANALISE GEOMORFOLÓGICA USANDO O USO E COBERTURA DE TERRA NO MUNICÍPIO DE NITERÓI-RJ.

USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANALISE GEOMORFOLÓGICA USANDO O USO E COBERTURA DE TERRA NO MUNICÍPIO DE NITERÓI-RJ. USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANALISE GEOMORFOLÓGICA USANDO O USO E COBERTURA DE TERRA NO MUNICÍPIO DE NITERÓI- RJ. Costa, B.L. 1 ; Marins, L.S. 2 ; Neto, D.S. 3 ; 1 UERJ - FFP Email:brunolopescosta@gmail.com;

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR 17 Luiz Giovanni Bornia Acadêmico 4º Geografia - UEM luiz.bornia@cocamar.com.br Wérica Cardoso de Oliveira Acadêmica 1º Geografia - UEM wericaco@gmail.com

Leia mais

MORFOMETRIA E USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DO RIBEIRÃO DA CACHOEIRINHA SANTA RITA DO SAPUCAÍ-MG

MORFOMETRIA E USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DO RIBEIRÃO DA CACHOEIRINHA SANTA RITA DO SAPUCAÍ-MG MORFOMETRIA E USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DO RIBEIRÃO DA CACHOEIRINHA SANTA RITA DO SAPUCAÍ-MG CARLOS R. HEKER JUNIOR 1 e MARTA FELÍCIA MARUJO FERREIRA² carlos_heker@yahoo.com.br, martafelicia@uol.com.br 1

Leia mais

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DE PESQUISA. Prof.ª Larissa da Silva Ferreira Alves TCC II

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DE PESQUISA. Prof.ª Larissa da Silva Ferreira Alves TCC II PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DE PESQUISA Prof.ª Larissa da Silva Ferreira Alves TCC II Necessidade de compreensão de que MÉTODO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS (METODOLOGIA) ALVES, 2008. MÉTODO NA GEOGRAFIA

Leia mais

USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA O MAPEAMENTO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DA SUB-BACIA DO RIO PIANCÓ, PB.

USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA O MAPEAMENTO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DA SUB-BACIA DO RIO PIANCÓ, PB. USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA O MAPEAMENTO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DA SUB-BACIA DO RIO PIANCÓ, PB. Ulisses Alencar Bezerra (1); Luísa Thaynara Muricy de Souza Silva (2); Luís Gustavo De Lima Sales (3) Universidade

Leia mais

Alterações no padrão de cobertura da terra na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro/RJ nos anos de 1985 e DOMINIQUE PIRES SILVA

Alterações no padrão de cobertura da terra na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro/RJ nos anos de 1985 e DOMINIQUE PIRES SILVA Alterações no padrão de cobertura da terra na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro/RJ nos anos de 1985 e 2010. DOMINIQUE PIRES SILVA Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro E-mail: nique_rhcp@hotmail.com

Leia mais

Mapeamento espaço-temporal da ocupação das áreas de manguezais no município de Aracaju-SE

Mapeamento espaço-temporal da ocupação das áreas de manguezais no município de Aracaju-SE http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.118-552-1 Mapeamento espaço-temporal da ocupação das áreas de manguezais no município de Aracaju-SE Dráuzio C. Gama 1, Janisson B. de Jesus 1, Milton

Leia mais

¹ Estudante de Geografia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estagiária na Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP).

¹ Estudante de Geografia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estagiária na Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP). 89 Interpretação e classificação de imagens de satélite na extração de informações sobre o uso da terra e cobertura vegetal na bacia hidrográfica do rio Teles Pires/MT-PA Jéssica da Silva Rodrigues Cecim

Leia mais

PROJETOS DE PESQUISA VINCULADOS AO MESTRADO PROFISSIONAL EM GEOGRAFIA

PROJETOS DE PESQUISA VINCULADOS AO MESTRADO PROFISSIONAL EM GEOGRAFIA Circuitos da exclusão social e da pobreza urbana Produção do Espaço Urbano (PEU) Raul Borges Guimarães Este projeto tem como objetivos aprofundar o conhecimento sobre os processos de exclusão social no

Leia mais

Utilização de Técnicas de SIG e de Campo para Identificação de Áreas Sensíveis com Intuito de Regularização Fundiária

Utilização de Técnicas de SIG e de Campo para Identificação de Áreas Sensíveis com Intuito de Regularização Fundiária Utilização de Técnicas de SIG e de Campo para Identificação de Áreas Sensíveis com Intuito de Regularização Fundiária Ludmilson Roberto da Silva Lud_roberto@yahoo.com.br Rodrigo Baldson Godoi godoi_rodrigo@yahoo.com.br

Leia mais

Caixa Postal São José dos Campos - SP, Brasil {agomes, vitor, e

Caixa Postal São José dos Campos - SP, Brasil {agomes, vitor, e Aplicação da metodologia ZEE para a análise da vulnerabilidade à perda de solo em ambiente semi-árido Alessandra Rodrigues Gomes 1 Edison Crepani 1 Vitor Celso de Carvalho 1 José Simeão de Medeiros 1 1

Leia mais

Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos. Dourados na Bacia do Rio Araguari.

Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos. Dourados na Bacia do Rio Araguari. 1 Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos Dourados na Bacia do Rio Araguari. José Arlindo Braga Neto 1 ; Ana Cláudia Bernardes Brito! ; Kathereyn Jéssica Rosa Fiordelice!

Leia mais

ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO MÉDIO-BAIXO CURSO DO RIO ARAGUARI

ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO MÉDIO-BAIXO CURSO DO RIO ARAGUARI ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO MÉDIO-BAIXO CURSO DO RIO ARAGUARI RESUMO Fausto Miguel da Luz Netto faustoluz_netto@hotmail.com Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geografia

Leia mais

Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil

Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil 102 Resumos Expandidos: XI Mostra de Estagiários e Bolsistas... Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil Cezar Freitas Barros 1 João dos Santos Vila da Silva 2 Resumo: Busca-se

Leia mais

SOBRINHO, J. Falcão ; ROSS, J. L. S.. O Processo de Erosão em Ambiente de Superfície Sertaneja - Varjota (CE). Geousp, v. 21, p.

SOBRINHO, J. Falcão ; ROSS, J. L. S.. O Processo de Erosão em Ambiente de Superfície Sertaneja - Varjota (CE). Geousp, v. 21, p. SOBRINHO, J. Falcão ; ROSS, J. L. S.. O Processo de Erosão em Ambiente de Superfície Sertaneja - Varjota (CE). Geousp, v. 21, p. 53-66, 2007 SANTOS, Leonardo J. C ; OKA-FIORI, C. ; CANALI, N. E. ; FIORI,

Leia mais

ANÁLISE MULTI-TEMPORAL DO USO DA TERRA E DA COBERTURA VEGETAL NO SUL DE MINAS GERAIS UTILIZANDO IMAGENS LANDSAT-5 TM E CBERS-2B

ANÁLISE MULTI-TEMPORAL DO USO DA TERRA E DA COBERTURA VEGETAL NO SUL DE MINAS GERAIS UTILIZANDO IMAGENS LANDSAT-5 TM E CBERS-2B ANÁLISE MULTI-TEMPORAL DO USO DA TERRA E DA COBERTURA VEGETAL NO SUL DE MINAS GERAIS UTILIZANDO IMAGENS LANDSAT-5 TM E CBERS-2B DIEGO GOMES DE SOUSA¹ e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO² dgomes.sousa@gmail.com,

Leia mais

O GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA DE IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO THE GEOPROCESSING AS SUBSIDY OF IDENTIFICATION AREAS OF PRESERVATION

O GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA DE IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO THE GEOPROCESSING AS SUBSIDY OF IDENTIFICATION AREAS OF PRESERVATION O GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA DE IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO THE GEOPROCESSING AS SUBSIDY OF IDENTIFICATION AREAS OF PRESERVATION GONZAGA, T.P.A. 1 ; LIMA, A. S. 2 ; SANTANA, L. B. 3 RESUMO:

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL.

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL. MAPEAMENT GEMRFÓGIC N MUNICÍPI DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASI. Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br), João svaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br) Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.210-469-2 Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE Janisson B. de Jesus 1, Dráuzio C.

Leia mais

Mapeamento e Análise da Vulnerabilidade Natural à Erosão do Município de Salinas-MG

Mapeamento e Análise da Vulnerabilidade Natural à Erosão do Município de Salinas-MG Mapeamento e Análise da Vulnerabilidade Natural à Erosão do Município de Salinas-MG Hugo Henrique Cardoso de Salis (1) ; Carlos Henrique Soares Silva (1) ; Rafaela Letícia Ramires Cardoso (1) ; Ronaldo

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE CLASSIFICAÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES de março 2015 Paramaribo, Suriname

SISTEMA NACIONAL DE CLASSIFICAÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES de março 2015 Paramaribo, Suriname SISTEMA NACIONAL DE CLASSIFICAÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES 09-13 de março 2015 Paramaribo, Suriname REFERENCIAS NACIONAIS DE COBERTURA TERRESTRE SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO PARA A COBERTURA E O USO DA TERRA A nomenclatura

Leia mais

VULNERABILIDADE NATURAL AOS PROCESSOS EROSIVOS NO AGLOMERADO MORRO DAS PEDRAS EM BELO HORIZONTE-MG

VULNERABILIDADE NATURAL AOS PROCESSOS EROSIVOS NO AGLOMERADO MORRO DAS PEDRAS EM BELO HORIZONTE-MG VULNERABILIDADE NATURAL AOS PROCESSOS EROSIVOS NO AGLOMERADO MORRO DAS PEDRAS EM BELO HORIZONTE-MG Ferreira, N.S. (GRADUANDA DE GEOGRAFIA - PUC MINAS) ; Gonçalves, B.A. (GRADUANDA DE GEOGRAFIA - PUC MINAS)

Leia mais

I - METOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO

I - METOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO I - METOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO O conceito de Plano de Manejo, segundo a definição da Lei n 9.985, de 18 de julho de 2000 (institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza),

Leia mais

Anais 1º Simpósio de Geotecnologias no Pantanal, Campo Grande, Brasil, novembro 2006, Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p

Anais 1º Simpósio de Geotecnologias no Pantanal, Campo Grande, Brasil, novembro 2006, Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p Quantificação de Desmatamentos na Bacia do Alto Paraguai no Estado de Mato Grosso MT, com base nos estudos de Dinâmica de Desmatamentos utilizando séries temporais de imagens de satélites LANDSAT TM/ETM+.

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; PALAVRAS CHAVES: Planejamento ambiental; Geoprocessamento; Geomorfologia

Costa, B.L. 1 ; PALAVRAS CHAVES: Planejamento ambiental; Geoprocessamento; Geomorfologia USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANALISE GEOMORFOLÓGICA USANDO O MAPA DE LOCALIZAÇÃO DE PONTOS DE MOVIMENTOS DE MASSAS NA. Costa, B.L. 1 ; 1 UERJ - FFP Email:brunolopescosta@gmail.com; RESUMO: O objetivo deste

Leia mais

Caracterização dos processos evolutivos e da dinâmica erosiva em Rondon do Pará, com ênfase na prevenção de desastres.

Caracterização dos processos evolutivos e da dinâmica erosiva em Rondon do Pará, com ênfase na prevenção de desastres. Caracterização dos processos evolutivos e da dinâmica erosiva em Rondon do Pará, com ênfase na prevenção de desastres. Pré - projeto de pesquisa apresentada ao curso de Pós- Graduação em Gestão de Risco

Leia mais

Cartografia Temática

Cartografia Temática Cartografia Temática Os mapas temáticos podem ser gerados por intituições públicas e privadas, especializadas em mapeamento. Servem para auxiliar o poder público e empresas privadas na tomada de decisões,

Leia mais

Análise de Uso e ocupação do solo no Distrito São Félix na cidade de Marabá-Pará INTRODUÇÃO

Análise de Uso e ocupação do solo no Distrito São Félix na cidade de Marabá-Pará INTRODUÇÃO Diana Oneide Montelo de Oliveira UNIFESSPA/Camos Marabá; dianaoneide@gmail.com Análise de Uso e ocupação do solo no Distrito São Félix na cidade de Marabá-Pará INTRODUÇÃO A geografia é uma Ciência essencial

Leia mais

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 1 Sumário Executivo Apresentação A Bacia Hidrográfica do Alto

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO

AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO 1 Tito José de Barba Avaroma Universidade Federal de Rondônia - UNIR tito.geo.ro@gmail.com Introdução Porto

Leia mais

MAPEAMENTO DE SUSCEPTIBILIDADE À EROSÃO EM ZONA DE AMORTECIMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS BRASILEIRAS, ULTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO

MAPEAMENTO DE SUSCEPTIBILIDADE À EROSÃO EM ZONA DE AMORTECIMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS BRASILEIRAS, ULTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO MAPEAMENTO DE SUSCEPTIBILIDADE À EROSÃO EM ZONA DE AMORTECIMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS BRASILEIRAS, ULTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO Taiana Evangelista dos Reis, Mestranda em Geografia, Universidade

Leia mais

MODELAGEM DINÂMICA DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL DA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA - RS

MODELAGEM DINÂMICA DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL DA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA - RS MODELAGEM DINÂMICA DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL DA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA - RS Daniel Borini Alves Bolsista PIBIC/CNPq danielborini@terra.com.br INTRODUÇÃO Impactos sobre a rede de drenagem,

Leia mais

Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ

Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ DER-RJ Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ O uso inapropriado do meio ambiente aceleram e ampliam alguns processos. Por exemplo, as inundações são agravadas pelo desmatamento

Leia mais

Identificação de Áreas de Risco à Erosão Utilizando Sistemas de Informações Geográficas

Identificação de Áreas de Risco à Erosão Utilizando Sistemas de Informações Geográficas Identificação de Áreas de Risco à Erosão Utilizando Sistemas de Informações Geográficas Geíza Coutinho Figueiredo Alessandra Lopes Braga Maria Lúcia Calijuri Departamento de Engenharia Civil - Informações

Leia mais

CARTA DE RISCO E PLANEJAMENTO DO MEIO FÍSICO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA: INSTRUMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA

CARTA DE RISCO E PLANEJAMENTO DO MEIO FÍSICO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA: INSTRUMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA CARTA DE RISCO E PLANEJAMENTO DO MEIO FÍSICO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA: INSTRUMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA M. Sc. Rosângela Mendanha da Veiga Consultora em Planejamento e Gestão Ambiental GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

MAPEAMENTO DO USO DA TERRA E DA EXPANSÃO URBANA EM ALFENAS, SUL DE MINAS GERAIS

MAPEAMENTO DO USO DA TERRA E DA EXPANSÃO URBANA EM ALFENAS, SUL DE MINAS GERAIS MAPEAMENTO DO USO DA TERRA E DA EXPANSÃO URBANA EM ALFENAS, SUL DE MINAS GERAIS BRENO FURTADO LIMA 1 e RÚBIA GOMES MORATO 2 brenogeo@yahoo.com.br, rubiagm@gmail.com 1 Bolsista de iniciação científica FAPEMIG

Leia mais

Retrospectiva sobre regimes hidrológicos e importância do planejamento urbano na prevenção quanto a eventos extremos

Retrospectiva sobre regimes hidrológicos e importância do planejamento urbano na prevenção quanto a eventos extremos Retrospectiva sobre regimes hidrológicos e importância do planejamento urbano na prevenção quanto a eventos extremos José Teixeira Filho Faculdade de Engenharia Agrícola Ciência da Terra - Geografia UNICAMP

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA BIOTA DO AÇUDE ITANS EM CAICÓ/RN: ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA BIOTA DO AÇUDE ITANS EM CAICÓ/RN: ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA BIOTA DO AÇUDE ITANS EM CAICÓ/RN: ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Renato de Medeiros Rocha¹; João Paulo de Oliveira Medeiros¹; Diógenes Félix da Silva Costa¹; Ibsen Pereira

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À EROSÃO LAMINAR NA BACIA DO RIO ARAGUARI MG A PARTIR DA ANÁLISE MULTIFATORIAL

DETERMINAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À EROSÃO LAMINAR NA BACIA DO RIO ARAGUARI MG A PARTIR DA ANÁLISE MULTIFATORIAL DETERMINAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À EROSÃO LAMINAR NA BACIA DO RIO ARAGUARI MG A PARTIR DA ANÁLISE MULTIFATORIAL Andrade, I. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA) ; Pinese Jr, J.F. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM.

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. Selma Coelho de Carvalho- Discente do curso de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas - CEST. Bolsista

Leia mais

SUSCEPTIBILIDADE E POTENCIALIDADE À EROSÃO LAMINAR NA BACIA DO CÓRREGO BARREIRO - GOIÂNIA GO

SUSCEPTIBILIDADE E POTENCIALIDADE À EROSÃO LAMINAR NA BACIA DO CÓRREGO BARREIRO - GOIÂNIA GO SUSCEPTIBILIDADE E POTENCIALIDADE À EROSÃO LAMINAR NA BACIA DO CÓRREGO BARREIRO - GOIÂNIA GO André Souto REZENDE, GECON/UFG andresoutoufg@hotmail.com Patrícia Araújo ROMÃO, IESA/UFG pat_iesa@yahoo.com.br

Leia mais

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho Juliano Boeck Santos Osmar Delmanto Junior Célia Regina Lopes Zimback Ana Paula

Leia mais

Tópicos da apresentação

Tópicos da apresentação Tópicos da apresentação Metodologia utilizada; Resultados de Vulnerabilidade e Potencialidade; Classificação final das Zonas; Classificação das bacias do perímetro urbano de Campo Grande; Carta de gestão

Leia mais

BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO BARBOSA

BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO BARBOSA Ângela Maria Soares * Carolina Santos Melo ** Laila da Silva Vieira *** Suely Regina Del Grossi **** RESUMO O presente artigo é o resultado de uma pesquisa que teve como objetivo mapear e caracterizar

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO SÃO PEDRO, JEQUITINHONHA/MG Aline J. Freire 1, Cristiano Christofaro 2

CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO SÃO PEDRO, JEQUITINHONHA/MG Aline J. Freire 1, Cristiano Christofaro 2 CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO SÃO PEDRO, JEQUITINHONHA/MG Aline J. Freire 1, Cristiano Christofaro 2 1- Graduanda em Engenharia Florestal pela Universidade Federal dos

Leia mais

DINÂMICAS GEOAMBIENTAIS: DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

DINÂMICAS GEOAMBIENTAIS: DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DINÂMICAS GEOAMBIENTAIS: DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Rafael Brugnolli Medeiros¹ O homem como integrante do meio, necessita da natureza para sua sobrevivência, assim, é necessário

Leia mais

Allan Saddi Arnesen 1,2 Janaina Sant Ana Maia 2

Allan Saddi Arnesen 1,2 Janaina Sant Ana Maia 2 Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.1113 Análise da vulnerabilidade natural à erosão na Bacia Hidrográfica do Rio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - MG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - MG CHRISTIANY MATTIOLI SARMIENTO ANÁLISE ESPACIAL DA DESIGUALDADE AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE LAVRAS -MG ALFENAS / MG 2010 1 INTRODUÇÃO Este projeto de pesquisa tem como

Leia mais

Planejamento Ambiental

Planejamento Ambiental Universidade de São Paulo PHD2344 Manejo de recursos Naturais Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Planejamento Ambiental Aula 2 Prof. Dr. Arisvaldo V. Méllo Júnior Enga. Carla Voltarelli da

Leia mais

ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - MONITORAMENTO AMBIENTAL

ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - MONITORAMENTO AMBIENTAL ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - MONITORAMENTO AMBIENTAL ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL NO MUNICIPIO DE SÃO MIGUEL DO GUAMÁ, ESTADO DO PARÁ. RAYSSA CHAVES BRAGA, LAIS VIEIRA DE CARVALHO, MERILENE

Leia mais

Avaliação de perigos e riscos de inundação em Campos do Jordão (SP) aplicada à gestão local de risco de desastres

Avaliação de perigos e riscos de inundação em Campos do Jordão (SP) aplicada à gestão local de risco de desastres 16, 17 e 18 de setembro de 2014 São Paulo - SP Avaliação de perigos e riscos de inundação em Campos do Jordão (SP) aplicada à gestão local de risco de desastres Eduardo de Andrade; Paulo César Fernandes

Leia mais

Getulio T. Batista & Nelson W. Dias

Getulio T. Batista & Nelson W. Dias Getulio T. Batista & Nelson W. Dias Primeiro Seminário de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Paraíba do Sul SERHIDRO-PS 2007. Taubaté, 7 a 9 de novembro de 2007 OBJETIVOS O Laboratório de Geoprocessamento,

Leia mais

ESTUDO DE CASO DA VULNERABILIDADE À OCUPAÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE BLUMENAU (SC-BRASIL) COM APLICAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (SIG) 1

ESTUDO DE CASO DA VULNERABILIDADE À OCUPAÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE BLUMENAU (SC-BRASIL) COM APLICAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (SIG) 1 ESTUDO DE CASO DA VULNERABILIDADE À OCUPAÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE BLUMENAU (SC-BRASIL) COM APLICAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (SIG) 1 1. INTRODUÇÃO CRISTIANE MANSUR DE MORAES SOUZA 2 GILBERTO

Leia mais

9º SINAGEO - Simpósio Nacional de Geomorfologia 21 à 24 de Outubro de 2012 RIO DE JANEIRO / RJ

9º SINAGEO - Simpósio Nacional de Geomorfologia 21 à 24 de Outubro de 2012 RIO DE JANEIRO / RJ Dissecação do Relevo da área de influência da Hidrelétrica do Funil (MG): uma comparação entre os métodos de mapeamento manual e Índice de Concentração de Rugosidades Messias, C.G. (UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA Clima urbano e qualidade socioambiental Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim João Lima Sant Anna Neto Este projeto tem como objetivo identificar como se processa a produção do clima urbano em cidades

Leia mais

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA DOS RIBEIRÕES LAPA/CANTAGALO IPEÚNA (SP)

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA DOS RIBEIRÕES LAPA/CANTAGALO IPEÚNA (SP) USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA DOS RIBEIRÕES LAPA/CANTAGALO IPEÚNA (SP) EDUARDO APARECIDO BONIFÁCIO COSTA 1 e MARTA FELÍCIA MARUJO FERREIRA 2 Eduardo_bonifacio88@hotmail.com, martafelicia@uol.com.br

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA Colegiado dos Cursos de Graduação em Arquitetura e Urbanismo Fone: (31) 3409-8840 Fax: (31) 3409-8818 E-mail: colgrad@arq.ufmg.br CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA:

Leia mais

Mapeamento do risco de deslizamento de encostas na região da Serra do Mar no Estado do Rio de Janeiro

Mapeamento do risco de deslizamento de encostas na região da Serra do Mar no Estado do Rio de Janeiro Mapeamento do risco de deslizamento de encostas na região da Serra do Mar no Estado do Rio de Janeiro Supervisor: Gilvan Sampaio Vanessa Canavesi PCI CCST Engenheira Florestal Mestre em Ciências Florestais

Leia mais

FORMAS DO RELEVO NA PORÇÃO NOROESTE DE ANÁPOLIS-GO. Lidiane Ribeiro dos Santos 1 ; Homero Lacerda 2

FORMAS DO RELEVO NA PORÇÃO NOROESTE DE ANÁPOLIS-GO. Lidiane Ribeiro dos Santos 1 ; Homero Lacerda 2 1 FORMAS DO RELEVO NA PORÇÃO NOROESTE DE ANÁPOLIS-GO. Lidiane Ribeiro dos Santos 1 ; Homero Lacerda 2 1 Bolsista PIBIC/UEG 2 Orientador, Curso de Geografia, Unidade Universitária de Ciências Sócio Econômicas

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE EXPANSÃO URBANA E O RELEVO LOCAL O CASO DO MUNICÍPIO DE SOROCABA (1)

RELAÇÃO ENTRE EXPANSÃO URBANA E O RELEVO LOCAL O CASO DO MUNICÍPIO DE SOROCABA (1) RELAÇÃO ENTRE EXPANSÃO URBANA E O RELEVO LOCAL O CASO DO MUNICÍPIO DE SOROCABA (1) SILVA, A. M. (2) (2) Pesquisador bolsista da FAPESP (Processo: FAPESP 04/15.796-6) e professor voluntário da Unidade Diferenciada

Leia mais

O uso de geotecnologias como subsídio à gestão dos recursos hídricos: o zoneamento ambiental da bacia hidrográfica do rio Capivari (SP)

O uso de geotecnologias como subsídio à gestão dos recursos hídricos: o zoneamento ambiental da bacia hidrográfica do rio Capivari (SP) Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.4744 O uso de geotecnologias como subsídio à gestão dos recursos hídricos: o

Leia mais

Escola Básica do 2º e 3ºCiclo Dr. Alfredo Ferreira Nóbrega Júnior

Escola Básica do 2º e 3ºCiclo Dr. Alfredo Ferreira Nóbrega Júnior Escola Básica do 2º e 3ºCiclo Dr. Alfredo Ferreira Nóbrega Júnior Informação - Prova de Equivalência à Frequência de 3º ciclo - Geografia Disciplina (código: 18) Prova 2014/ 2015 9º Ano de Escolaridade

Leia mais

MAPEAMENTO E ANÁLISE AMBIENTAL DAS NASCENTES DO MUNICÍPIO DE IPORÁ-GO 1

MAPEAMENTO E ANÁLISE AMBIENTAL DAS NASCENTES DO MUNICÍPIO DE IPORÁ-GO 1 MAPEAMENTO E ANÁLISE AMBIENTAL DAS NASCENTES DO MUNICÍPIO DE IPORÁ-GO 1 Katyuce Silva katysilv470@gmail.com Diego Tarley Ferreira Nascimento - diego.tarley@gmail.com Universidade Estadual de Goiás Campus

Leia mais

Dinâmica da paisagem no parque nacional de Jurubatiba e seu entorno (Rio de Janeiro, Brasil)

Dinâmica da paisagem no parque nacional de Jurubatiba e seu entorno (Rio de Janeiro, Brasil) Dinâmica da paisagem no parque nacional de Jurubatiba e seu entorno (Rio de Janeiro, Brasil) Carla Bernadete Madureira Cruz Simone R. Freitas Vinicius Seabra Rafael Barros Departamento de. Geografia Universidade

Leia mais

ESTUDO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA- ES: CONTRIBUIÇÃO PARA O PLANEJAMENTO MUNICIPAL

ESTUDO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA- ES: CONTRIBUIÇÃO PARA O PLANEJAMENTO MUNICIPAL AMANDIO GONÇALVES DE OLIVEIRA FILHO amgfilho12@yahoo.com.br ESTUDO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA- ES: CONTRIBUIÇÃO PARA O PLANEJAMENTO MUNICIPAL 1. INTRODUÇÃO O avanço das relações

Leia mais

Dinâmica da paisagem e seus impactos em uma Floresta Urbana no Nordeste do Brasil

Dinâmica da paisagem e seus impactos em uma Floresta Urbana no Nordeste do Brasil http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.261-610-2 Dinâmica da paisagem e seus impactos em uma Floresta Urbana no Nordeste do Brasil Mayara M. de L. Pessoa 1, Daniel C. de Carvalho 1, Luis M.

Leia mais

Lucas Noremberg Scotto 1 Manoel de Araújo Sousa Júnior 1

Lucas Noremberg Scotto 1 Manoel de Araújo Sousa Júnior 1 Avaliação de vulnerabilidade à perda de solo da bacia hidrográfica do Rio Icamaquã RS Lucas Noremberg Scotto 1 Manoel de Araújo Sousa Júnior 1 1 Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Camobi 97110-970

Leia mais

Utilização de imagens de satélite para criação do mapa de uso e cobertura da terra para o estado de Goiás Ano base 2015

Utilização de imagens de satélite para criação do mapa de uso e cobertura da terra para o estado de Goiás Ano base 2015 Utilização de imagens de satélite para criação do mapa de uso e cobertura da terra para o estado de Goiás Ano base 2015 Robson Vieira Coelho 1 (IC)*, Silvio Braz de Sousa 2 (PO) 1 - Bolsista de Iniciação

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL: ESTUDO NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DE MINAS (MG) E DO BAIRRO COLÔNIA - SÃO JOÃO DEL REI MG

MAPEAMENTO DIGITAL: ESTUDO NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DE MINAS (MG) E DO BAIRRO COLÔNIA - SÃO JOÃO DEL REI MG MAPEAMENTO DIGITAL: ESTUDO NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DE MINAS (MG) E DO BAIRRO COLÔNIA - SÃO JOÃO DEL REI MG Willian Henrique Pacheco¹ Silvia Elena Ventorini² 1638 (Will_lot@hotmail.com, sventorini@ufsj.edu.br)

Leia mais

Revista Geográfica de América Central ISSN: X Universidad Nacional Costa Rica

Revista Geográfica de América Central ISSN: X Universidad Nacional Costa Rica Revista Geográfica de América Central ISSN: 1011-484X revgeo@una.cr Universidad Nacional Costa Rica Fushimi, Melina; Rodrigues Nunes, João Osvaldo GEOMORFOLOGIA DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP,

Leia mais

PROJETOS DE PESQUISA VINCULADOS AO MESTRADO PROFISSIONAL EM GEOGRAFIA

PROJETOS DE PESQUISA VINCULADOS AO MESTRADO PROFISSIONAL EM GEOGRAFIA Circuitos da exclusão social e da pobreza urbana Produção do Espaço Urbano (PEU) Raul Borges Guimarães Este projeto tem como objetivos aprofundar o conhecimento sobre os processos de exclusão social no

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE ARAXÁ MG, UTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO ROCHA, M. B. B. 1 ROSA, R. 2

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE ARAXÁ MG, UTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO ROCHA, M. B. B. 1 ROSA, R. 2 MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE ARAXÁ MG, UTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO ROCHA, M. B. B. 1 1 Mestranda na Universidade Federal de Uberlândia/ IG-UFU/MG. (34)3662-5980, bebrand@uai.com.br

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROF. PAULA NOGUEIRA - OLHÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PROGRAMA CURRICULAR - 3º CICLO - 7º ANO GEOGRAFIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROF. PAULA NOGUEIRA - OLHÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PROGRAMA CURRICULAR - 3º CICLO - 7º ANO GEOGRAFIA ANO 2015-2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROF. PAULA NOGUEIRA - OLHÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PROGRAMA CURRICULAR - 3º CICLO - 7º ANO GEOGRAFIA DOMINÍOS e SUBDOMÍNIOS OBJETIVOS 1 1º PERÍODO

Leia mais

ATLAS ESCOLAR FÍSICO DO LITORAL SUL DA BAHIA

ATLAS ESCOLAR FÍSICO DO LITORAL SUL DA BAHIA ATLAS ESCOLAR FÍSICO DO LITORAL SUL DA BAHIA Heibe Santana Da Silva Discente do Curso de Licenciatura em Geografia e bolsista - FAPESB E-mail: heibe.geouesc@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Profa.

Leia mais

Palavras-chaves: relevo; morfodinâmica; mapeamento; Presidente Prudente; Brasil.

Palavras-chaves: relevo; morfodinâmica; mapeamento; Presidente Prudente; Brasil. Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-16 GEOMORFOLOGIA DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP, BRASIL. RESUMO Melina Fushimi 1 João Osvaldo

Leia mais

¹ Universidade Federal de Campina Grande

¹ Universidade Federal de Campina Grande Diagnós(co do Sistema de Drenagem Urbana do Município de Campina Grande - PB Priscila Barros Ramalho¹, Joelma Ferreira Silva¹, Hiran de Melo Filho¹, Patrícia Hermínio Cunha Feitosa¹ & Rodolfo Lucas Santos

Leia mais

FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO

FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO Mosar Faria Botelho PONTOS DE APOIO Objetiva relacionar os objetos contidos na foto aérea com os objetos contidos no terreno. MÉTODOS DE POSICIONAMENTO POR GPS Modo Ponto

Leia mais

Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis

Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis Semasa Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis 00 TEMA: Definição

Leia mais

VARIÁVEIS GEOMORFOLÓGICAS NO ESTUDO DE DESLIZAMENTOS EM CARAGUATATUBA-SP UTILIZANDO IMAGENS TM-LANDSAT E SIG

VARIÁVEIS GEOMORFOLÓGICAS NO ESTUDO DE DESLIZAMENTOS EM CARAGUATATUBA-SP UTILIZANDO IMAGENS TM-LANDSAT E SIG MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS INPE-7511-TDI/724 VARIÁVEIS GEOMORFOLÓGICAS NO ESTUDO DE DESLIZAMENTOS EM CARAGUATATUBA-SP UTILIZANDO IMAGENS TM-LANDSAT E SIG

Leia mais

MAPEAMENTO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL NO TRECHO DE VAZÃO REDUZIDA DO RIO ARAGUARI (MG) COM TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO. Silvio Carlos Rodrigues*

MAPEAMENTO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL NO TRECHO DE VAZÃO REDUZIDA DO RIO ARAGUARI (MG) COM TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO. Silvio Carlos Rodrigues* GEOUSP Espaço e Tempo, São Paulo, n. 35, 2013, p. 129-142. MAPEAMENTO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL NO TRECHO DE VAZÃO REDUZIDA DO RIO ARAGUARI (MG) COM TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO Silvio Carlos Rodrigues*

Leia mais

ESTADO A,BIENTAL DO MUNDO E RISCOS

ESTADO A,BIENTAL DO MUNDO E RISCOS DISCIPLINA NATUREZA E SOCIEDADE ESTADO A,BIENTAL DO MUNDO E RISCOS Selma Simões de Castro selma@pq.cnpq.br Goiânia, 2013 Introdução JÁ SE CONHECE O LUGAR E A FUNÇÃO DOS SOLOS NAS PAISAGENS, TERRITORIOS

Leia mais

Análise Multicritério e Modelagem de Dados Ambientais. Web Treinamento do Instituto GEOeduc Autor: Arthur Paiva

Análise Multicritério e Modelagem de Dados Ambientais. Web Treinamento do Instituto GEOeduc Autor: Arthur Paiva Análise Multicritério e Modelagem de Dados Ambientais Web Treinamento do Instituto GEOeduc Autor: Arthur Paiva SUMÁRIO Análise Espacial e Geoprocessamento Mapeamento Temático no Ambiente SIG Conceito de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO 1 - Identificação da Consultoria GEO 3.1 Prestação de serviço especializado de consultoria pessoa

Leia mais

Sistema Interativo de Análise Geoespacial da Amazônia Legal: análise da distribuição e localização de dados

Sistema Interativo de Análise Geoespacial da Amazônia Legal: análise da distribuição e localização de dados 107 Sistema Interativo de Análise Geoespacial da Amazônia Legal: análise da distribuição e localização de dados Daniel Dias de Andrade 1 João dos Santos Vila da Silva 2 Resumo: O uso de operações estatísticas

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO A ANÁLISE AMBIENTAL NO SEMIÁRIDO: A CLASSIFICAÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA NO MUNICÍPIO DE FEIRA DE SANTANA-BA

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO A ANÁLISE AMBIENTAL NO SEMIÁRIDO: A CLASSIFICAÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA NO MUNICÍPIO DE FEIRA DE SANTANA-BA Revista do CERES Volume 1, Número 2 2015 http://www.cerescaico.ufrn.br/ceres/ SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO A ANÁLISE AMBIENTAL NO SEMIÁRIDO: A CLASSIFICAÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia. Interpretação de imagens e confecção de mapas

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia. Interpretação de imagens e confecção de mapas Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Interpretação de imagens e confecção de mapas Prof. Dr. Ailton Luchiari Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado Interpretação de imagens e confecção de mapas Etapas

Leia mais