Aula 01: Introdução e conceitos básicos. Ghislaine Miranda Bonduelle

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 01: Introdução e conceitos básicos. Ghislaine Miranda Bonduelle"

Transcrição

1 Aula 01: Introdução e conceitos básicos Ghislaine Miranda Bonduelle

2 Introdução Importância da Qualidade Evolução da Qualidade

3 Qualidade Qualidades dos produtos (ou serviços) De acordo com exigência explícita e implicíta do cliente No menor prazo... No menor preço...

4 Otimização Fazer desde a primeira vez dos processos e dos recursos... todas as vezes visando a maior... ao menor custo produtividade e competitividade

5 Gerente Liderança Comunicação Criatividade

6 LIDERANÇA A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida

7 LIDERANÇA Liderar significa possuir a capacidade e o discernimento para comandar pessoas e isto é muito mais do que os chefes sabem fazer

8 LIDERANÇA Líderes carismáticos possuem forte personalidade carismática que foge aos padrões usuais do comportamento humano.

9 Características da liderança Objetividade Saber compreender os outros Flexibilidade Capacidade de comunicação Uso da autoridade Maturidade e comportamento

10 ESTILOS BASICOS DE LIDERANÇA AUTOCRÁTICO Reservado Pouco comunicativo Centralizador Define ao invés de perguntar Concede pouca autonomia de decisão Não aceita críticas

11 ESTILOS BASICOS DE LIDERANÇA DEMOCRÁTICO Mais aberto e comunicativo Diálogo e troca de idéias Valoriza e dá ênfase no trabalho em grupo Delega tarefas e parte das decisões Estimula a iniciativa e criatividade dos funcionários Sabe tomar decisões sozinho =diálogo

12 ESTILOS BASICOS DE LIDERANÇA LIVRE Grande liberdade de ação e autonomia Delega tarefas, responsabilidades e autoridade Ênfase sobre os objetivos e não em controles Estimula em alto grau a iniciativa e criatividade

13 ESTILOS BASICOS DE LIDERANÇA Flexibilidade de estilos

14 INSTRUMENTOS BÁSICOS MOTIVAÇÃO È a diferença entre fazer e não fazer (ou querer fazer) Algo que o faça agir Associada a expectativa de atingir um objetivo : desde que este objetivo tenha para ele um valor e um significado

15 INSTRUMENTOS BÁSICOS DELEGAÇÃO Transferir autoridade e a responsabilidade Autoridade sem responsabilidade Responsabilidade sem autoridade

16 INSTRUMENTOS BÁSICOS COMUNICAÇÃO E CRIATIVIDADE Estabelecer o contato com a outra pessoa Estabelecer o objetivo da comunicação Estimular a criatividade

17 INSTRUMENTOS BÁSICOS RESOLUÇÃO DE CONFLITOS Origem: falha na comunicação

18 INSTRUMENTOS BÁSICOS RESOLUÇÃO DE CONFLITOS-fatores Natureza Grau Intensidade e possíveis consequências Grau de motivação dos indivíduos

19 INSTRUMENTOS BÁSICOS RESOLUÇÃO DE CONFLITOS-abordagens Evitar o conflito: grupos homogêneos Reprimir o conflito: recompensas e/ou punições Aguçar as divergências: aceitação Transformar as diferenças em soluções

20 INSTRUMENTOS BÁSICOS REOLUÇÃO DE CONFLITOS Qual a melhor abordagem????

21 INSTRUMENTOS BÁSICOS RESOLUÇÃO DE CONFLITOS Levar o grupo a compreender o problema a seu modo Juntar as diferenças numa síntese significativa Canalizar as energias para as atividades construtivas

22 INSTRUMENTOS BASICOS ADMINISTRAÇÃO DO TEMPO: O TEMPO DEPOIS DE GASTO JAMAIS SERÁ RECUPERADO

23 ADMINISTRAÇÃO DO TEMPO TER AUTODISCIPLINA Manter um plano de ação pessoal Não adiar as coisas Um papel de cada vez Concentração Uso de telefone com inteligência Análise de causas das interrupções

24 ADMINISTRAÇÃO DO TEMPO Causas das interrupções Medo do outro Falta de prazos reais Pessoal não treinado Centralização de autoridade e/ou responsabilidade Ilusão que é importante ser sempre gentil Dificuldade em concluir uma idéia Falta de planejamento

25 COMUNICAÇÃO Em muitas situações, a tendência de quem fala é colocar a culpa em quem ouve, quando, de fato, falar para ser ouvido está se tornando uma arte esquecida Doris Drucker *

26 COMUNICAÇÃO: Impacto positivo no desempenho individual dos funcionários O homem para produzir e sobreviver necessita de comunicação Melhor entendimento : melhor o bem estar produtividade maior

27 O INÍCIO

28 COMUNICAÇÃO INEFICIENTE Frustração Menosprezo Medos Incertezas Concentração Motivação Irritação Estresse SEGURANÇA PRODUTIVIDADE

29 SABER COMUNICAR Empatia Voz Gerar estímulos conforme a clientela O que você entendeu do que eu disse? Devagar/depressa Dicção ruim Forma linear Volume baixo Mais importante que a voz Aparência Excesso ou ausência de gesticulação Posturas inadequadas Corpo

30 SABER COMUNICAR Vícios Prolixidade Controle emocional SNIOP (salve-se das nefastas influências dos outros) Foco de mudanças Eeee...aaaa... Né? Tá? Certo? Motorista desorientado Trânsito, tom de voz mais elevado, falta de um cumprimento. Poder tirar o seu bom humor, otimismo, motivação. Assuma você mesmo

31 SABER COMUNICAR Saber fazer: conhecimento Poder fazer : recursos Querer fazer: estado de espírito : clima organizacional Qualidade pessoal : dar o melhor de si Desempenho e atitudes que levam ao aperfeiçoamento contínuo

32 SABER COMUNICAR Saber fazer: conhecimento Poder fazer : recursos Querer fazer: estado de espírito : clima organizacional Qualidade pessoal : dar o melhor de si Desempenho e atitudes que levam ao aperfeiçoamento contínuo

33 SABER OUVIR Quem não ouve não capta o desejo do interlocutor Peter Russel : 90% dos problemas das empresas são devido a comunicação Comunicação eficaz : missão das pessoas alinhada com missão da empresa Ter conhecimento ter experiência Quem vive : sabe

34 Por que ouvimos? Obter informações (poder)-manter o controle Curiosidade Participar da estória do outro Anseio por novas experiências Ampliar horizontes Estabelecer novos relacionamentos Respeito e desejo de valorização do outro

35 RETENÇÃO DE CONTEÚDOS Após 10 minutos: 50 % do que escutou Após 48 horas : 10% do que escutou

36 CAUSAS DO NÃO OUVIR Audição seletiva Ritmo da fala Falta de interesse (surpresas) Crenças e atitudes Reações possíveis a pessoa que fala Nossos preconceitos Frases da moda Distrações físicas

37 SABER FALAR Potencial linear : impede potencial competência Timidez : saber Medos : erro/branco FRUSTRAÇÃO o que fazer com o saber Baixa auto-estima : incapacidade de expressão diante de situações desafiadoras Manifestações do corpo: tremedeira, gagueira, taquicardia, sudorese.

38 Atenção física O BOM OUVINTE 7% fala, 38% tom voz, 55% linguagem corporal Atenção psicológica Concentrar-se : o que, como está sendo dito; o que não está sendo dito, sentimentos e emoções expressos Não interromper quem fala Atenção verbal Resumo do que foi dito, fazer perguntas, repetir palavraschave

39 Tipos de comunicação VISUAL ORAL AUDITIVA

40 CRIATIVIDADE

41 CRIATIVIDADE Motivação Ambiente Competência Técnica Capacidade Criativa

42 TÉCNICAS DE DESENVOLVIMENTO Brainstorming Brainwritting Analogia direta, simbolica ou pessoal Quebra de adaptação psicológica Listagem de atributos Inversão do processo, etc

43 INIMIGOS DA CRIATIVIDADE Medo Insegurança Individualismo Clima de desconfiança Falta de conhecimento

44 PAPEL DA ORGANIZAÇÃO Motivação interna e externa Criar desafios Objetivos e metas claras Participação no processo Participação dos funcionários na gestão

Liderança. A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos.

Liderança. A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos. CHEFIA E LIDERANÇA Liderança A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos. Liderança Liderar significa possuir a capacidade e o discernimento para

Leia mais

Liderança 04/11/2011. Fonte: Maximiano (2009)

Liderança 04/11/2011. Fonte: Maximiano (2009) Fonte: Maximiano (2009) Autoridade Formal Fundamenta-se em leis aceitas de comum acordo, que criam figuras de autoridade dotadas do poder de comando. O seguidor obedece à lei incorporada na figura de autoridade,

Leia mais

ROTEIRO ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS

ROTEIRO ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS FILIPE S. MARTINS ROTEIRO ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS LIDERANÇA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO LIDERANÇA É UM DOS PAPÉIS DOS ADMINISTRADORES. O LÍDER INFLUENCIA O COMPORTAMENTO DE UM OU MAIS LIDERADOS OU SEGUIDORES.

Leia mais

Escola de Relações Humanas e o Comportamento nas Organizações

Escola de Relações Humanas e o Comportamento nas Organizações Escola de Relações Humanas e o Comportamento nas Organizações Aulas 6 e 7 EAD-610 2017 1 SUMÁRIO Contextualizando A Escola de Relações Humanas Elton Mayo e o efeito Hawthorne Conceitos relacionados: Motivação:

Leia mais

LIDERANÇA. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira

LIDERANÇA. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira LIDERANÇA Os objetivo deste estudo é conhecer os estilos de liderança. Reconhecer estes estilos nas pessoas dentro da organização de maneira que possamos orientar, treinar e desenvolver adequadamente os

Leia mais

Proporcionar aos participantes a aquisição de aptidões específicas nos domínios da expressão/comunicação e das capacidades relacionais

Proporcionar aos participantes a aquisição de aptidões específicas nos domínios da expressão/comunicação e das capacidades relacionais Assertividade Formato do curso: Presencial Localidade: Lisboa Data: 07 Nov. 2016 a 08 Nov. 2016 Preço: 625 Horário: Laboral - 09h00-17h00 Nível: Intermédio Duração: 14 horas No final desta ação, os participantes

Leia mais

Não obstante sejam importantíssimas, as técnicas retóricas alcançam, em termos de força de comunicação, não mais do que 20% do resultado final.

Não obstante sejam importantíssimas, as técnicas retóricas alcançam, em termos de força de comunicação, não mais do que 20% do resultado final. O uso de técnicas retóricas. As técnicas retóricas são essenciais ao orador. Elas colocam ordem nas frases. Fazem com que a fala do orador seja agradável aos ouvidos. No entanto, as técnicas retóricas,

Leia mais

Relatório de Competências de Nataly Lopez (Perfil Natural) Autoconfiança. Autocontrole. Busca de Informação. Capacidade de Negociação.

Relatório de Competências de Nataly Lopez (Perfil Natural) Autoconfiança. Autocontrole. Busca de Informação. Capacidade de Negociação. IMPORTANTE: Em ótimas condições do ambiente, a grande maioria das pessoas pode ter a capacidade de desempenhar-se adequadamente em quaisquer das seguintes competências. Referimo-nos a "ótimas condições"

Leia mais

LIDERANÇA. Bom dia! Sejam todos Bem Vindos!

LIDERANÇA. Bom dia! Sejam todos Bem Vindos! LIDERANÇA Bom dia! Sejam todos Bem Vindos! VAMOS REFLETIR O que é ser líder? Onde posso exercer minha liderança? ? Porque o assunto liderança é tão discutido no mundo corporativo? RÁPIDA LINHA DO TEMPO

Leia mais

Trabalho em Equipe. São unidades com duas ou mais pessoas que interagem e coordenam seu trabalho para conseguir atingir uma meta específica.

Trabalho em Equipe. São unidades com duas ou mais pessoas que interagem e coordenam seu trabalho para conseguir atingir uma meta específica. Equipe Trabalho em Equipe São unidades com duas ou mais pessoas que interagem e coordenam seu trabalho para conseguir atingir uma meta específica. Objetivo comum. Objetivos do grupo acima dos interesses

Leia mais

Liderança e Gestão de Equipes. Prof. Valter de Menezes Eugenio

Liderança e Gestão de Equipes. Prof. Valter de Menezes Eugenio Prof. Valter de Menezes Eugenio O mundo empresarial mudou muito nas ultimas décadas, particularmente nos últimos 20 anos. Estas mudanças influenciam no comportamento das pessoas no ambiente de trabalho.

Leia mais

LIDERANÇA E COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO. Caps. 11 e 12 (11ª ed.) Cap. 12 (14ª ed)

LIDERANÇA E COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO. Caps. 11 e 12 (11ª ed.) Cap. 12 (14ª ed) LIDERANÇA E COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Caps. 11 e 12 (11ª ed.) Cap. 12 (14ª ed) Profa. Dra. Adriana Cristina Ferreira Caldana Thiago Ferreira Quilice Liderança O que faz um líder? Quais são os atributos

Leia mais

1/28/2017 PSICOLOGIA APLICADA AO FUTEBOL. A Relação Treinador Atleta. a influência do treinador vai muito além do contexto desportivo

1/28/2017 PSICOLOGIA APLICADA AO FUTEBOL. A Relação Treinador Atleta. a influência do treinador vai muito além do contexto desportivo PSICOLOGIA APLICADA AO FUTEBOL CURSO TREINADORES DE FUTEBOL NÍVEL I UEFA C Componente Específica Joana Cerqueira joanacerqueira.cifi2d@gmail.com a influência do treinador vai muito além do contexto desportivo

Leia mais

Gestão de Pessoas Prof (a): Mestre Patrícia Bellotti

Gestão de Pessoas Prof (a): Mestre Patrícia Bellotti Gestão de Pessoas Prof (a): Mestre Patrícia Bellotti As competências nas Problematizações das unidades d de aprendizagem UNID 2.1 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. Como o treinamento atua no desenvolvimento

Leia mais

Mapa Comparativo do Perfil Individual x Matriz de Competências Corporativas

Mapa Comparativo do Perfil Individual x Matriz de Competências Corporativas Mapa Comparativo do Perfil x de Competências Dados Principais de Competências E-mail joao_modelo@curriculum.com.br CPF 88995451467 O que é É o comparativo entre a pontuação obtida pelo indivíduo em cada

Leia mais

Competências e Habilidades

Competências e Habilidades Competências e Habilidades Aula 11 Gestão da Carreira Autoconhecimento Personalidade Motivações Valores Habilidades Interesses Análise do Ambiente Definição de objetivos Ações / Estratégias 2 1 Gerenciamento

Leia mais

Administração. Competência Interpessoal. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Competência Interpessoal. Professor Rafael Ravazolo. Administração Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX COMPETÊNCIA INTERPESSOAL Qualquer organização que queira obter êxito não admite mais profissionais individualistas.

Leia mais

IV WORKSHOP GESTÃO DA QUALIDADE COM FOCO EM CLÍNICA DE DIÁLISE

IV WORKSHOP GESTÃO DA QUALIDADE COM FOCO EM CLÍNICA DE DIÁLISE IV WORKSHOP GESTÃO DA QUALIDADE COM FOCO EM CLÍNICA DE DIÁLISE 18 e 19 de março de 2011 RECIFE/PE A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO COM PESSOAS PARA O SUCESSO NA IMPLANTAÇÃO DO MODELO DE GESTÃO Ana Paula Penido

Leia mais

Unidade IV MODELOS DE LIDERANÇA. Prof. Gustavo Nascimento

Unidade IV MODELOS DE LIDERANÇA. Prof. Gustavo Nascimento Unidade IV MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Os princípios da Liderança Proativa Passividade é uma adjetivo que não combina com a liderança proativa, diferentemente da liderança reativa, na

Leia mais

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÃO em PROJETOS

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÃO em PROJETOS GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÃO em PROJETOS Gerenciamento de Projetos A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO: Uma boa comunicação no ambiente de Projeto resultará em uma equipe motivada; Ampliam-se as chances de sucesso

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA SOCIEDADE ANGOLA DIÁLOGO

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA SOCIEDADE ANGOLA DIÁLOGO ? O PAPEL DO PSICÓLOGO NA SOCIEDADE ANGOLA DIÁLOGO DECIFRAR PESSOAS Pare, olhe e ouça (paciência e atenção) Entender as pessoas Revelar algo de si próprio Saber o que se está a procurar Seja objetivo O

Leia mais

- REPRODUÇÃO AUTORIZADA - Eu sou seu cliente sabia? Instrutora: Jane Costa de Paula Oliveira

- REPRODUÇÃO AUTORIZADA - Eu sou seu cliente sabia? Instrutora: Jane Costa de Paula Oliveira - REPRODUÇÃO AUTORIZADA - Eu sou seu cliente sabia? Instrutora: Jane Costa de Paula Oliveira CLIENTE INTERNO Instrutoria: Jane Costa de Paula Oliveira FOCO NO CLIENTE O que é CLIENTE? O QUE É CLIENTE INTERNO?

Leia mais

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses.

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. CONFLITO Conceito de Conflito Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. Fator inevitável seja na dinâmica pessoal ou organizacional. Existem

Leia mais

Avaliação de Desempenho Organizacional

Avaliação de Desempenho Organizacional Avaliação de Desempenho Organizacional O que é avaliar? Avaliar significa julgar alguma atitude ou atividade de forma qualitativa, podendo-se transcrever essa percepção com o auxílio de informações quantitativas

Leia mais

O EGOGRAMA. O Egograma, foi elaborado com a intenção de nortear o indivíduo de forma auto perceptiva, sobre suas prováveis tendências comportamentais.

O EGOGRAMA. O Egograma, foi elaborado com a intenção de nortear o indivíduo de forma auto perceptiva, sobre suas prováveis tendências comportamentais. O EGOGRAMA O Egograma foi criado por Eric Berne, Criador da Analise Transacional (Pode ler um livro chamado "O que você diz depois de dizer olá ), fala teoricamente sobre a abordagem Analise transacional.

Leia mais

RELAÇÕES INTERPESSOAIS: UM DEBATE NA DIVERSIDADE. Profa. Elizabeth Toledo Novembro/2012

RELAÇÕES INTERPESSOAIS: UM DEBATE NA DIVERSIDADE. Profa. Elizabeth Toledo Novembro/2012 RELAÇÕES INTERPESSOAIS: UM DEBATE NA DIVERSIDADE Profa. Elizabeth Toledo Novembro/2012 Homem: Ser Social Só existe em relação. Subjetividade e individualidade: se formam a partir de sua convivência social.

Leia mais

Objetivo. Desenvolver habilidades interpessoais para trabalhar melhor com pessoas

Objetivo. Desenvolver habilidades interpessoais para trabalhar melhor com pessoas Perfil Profissional Pesquisas mostram que 80% das falhas ou acidentes que ocorrem durante o trabalho nos EUA, não acontecem em razão da capacidade técnica das pessoas, mas sim, em função dos conflitos

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 3. Comunicação. Contextualização. Motivação dos Talentos Humanos. Instrumentalização

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 3. Comunicação. Contextualização. Motivação dos Talentos Humanos. Instrumentalização Gestão de Recursos Humanos Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Comunicação nas empresas Motivação dos talentos humanos Comunicação Processo de comunicação Contextualização Barreiras

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento

Treinamento e Desenvolvimento Aula 8 Treinamento e Desenvolvimento Agenda 1 2 Seminário T&D e Estratégia de RH 3 4 Treinamento & Desenvolvimento Desenvolvimento de Lideranças 1 Seminário 3 The Young and the Clueless Bunker, K. A.;

Leia mais

Unidade II MODELOS DE LIDERANÇA. Prof. Gustavo Nascimento

Unidade II MODELOS DE LIDERANÇA. Prof. Gustavo Nascimento Unidade II MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento O líder como administrador de conflitos A dinâmica dos grupos organizacionais é marcada por diferentes conflitos, principalmente do tipo interpessoal,

Leia mais

PALESTRANTE

PALESTRANTE PALESTRANTE Conexão Animal & Sucesso Pessoal Contrate o Palestrante que trará melhor RESULTADO para seu próximo evento! SOBRE O PALESTRANTE: Adriano Simões é médico veterinário e palestrante comportamental

Leia mais

15/2/2012 GESTÃO DE PESSOAS. Profa. Adriana Duarte RELAÇÃO. Motivação Clima Integração Inclusão Confiança Comunicação Liderança... QUEM É VOCÊ TAREFA

15/2/2012 GESTÃO DE PESSOAS. Profa. Adriana Duarte RELAÇÃO. Motivação Clima Integração Inclusão Confiança Comunicação Liderança... QUEM É VOCÊ TAREFA 15/2/2012 Profa. Adriana Duarte GESTÃO DE PESSOAS Profa. Mary Pires Profa. Adriana Duarte 2 RELAÇÃO TAREFA Motivação Clima Integração Inclusão Confiança Comunicação Liderança... QUEM É VOCÊ 1 CONHECENDO

Leia mais

Administração de Conflitos

Administração de Conflitos Administração de Conflitos Profa. Dra. Ilíada de Castro 1 OBJETIVOS Fornecer estratégias para evitar, resolver ou conter conflitos. Destacar a importância da inteligência emocional. Valorizar o papel de

Leia mais

Sumário. parte um INTRODUÇÃO. parte dois COMPORTAMENTO E PROCESSOS INDIVIDUAIS. Capítulo 1 Introdução ao campo do comportamento organizacional...

Sumário. parte um INTRODUÇÃO. parte dois COMPORTAMENTO E PROCESSOS INDIVIDUAIS. Capítulo 1 Introdução ao campo do comportamento organizacional... Sumário parte um INTRODUÇÃO Capítulo 1 Introdução ao campo do comportamento organizacional... 3 BEM VINDO AO CAMPO DO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL!... 4 o CAMPO DO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL... 4 Por

Leia mais

Liderança. Cap Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994.

Liderança. Cap Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994. Liderança Cap. 10 - Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994. pag 143 a 156 Um dos fatos mais impressionantes e universais sobre

Leia mais

PROFESSOR RINALDO LIMA AUDITORIA EM RECURSOS HUMANOS OBJETIVOS ANÁLISE DA CONSULTORIA PREMISSAS PARA CONSULTORIA

PROFESSOR RINALDO LIMA AUDITORIA EM RECURSOS HUMANOS OBJETIVOS ANÁLISE DA CONSULTORIA PREMISSAS PARA CONSULTORIA PROFESSOR RINALDO LIMA Graduado em Ciências e Matemática e Especializado em Reengenharia e Qualidade Total e Engenharia de Telecomunicações. rinaldo@unopar.br AUDITORIA EM RECURSOS HUMANOS OBJETIVOS Aula

Leia mais

Motivação Conceito e Aplicações

Motivação Conceito e Aplicações Motivação Conceito e Aplicações Cap. 6 e 7 (11º edição) Cap. 7 e 8 (14º edição) Profª. Drª. Adriana Cristina Ferreira Caldana Motivação Origem Etimológica: (Latim: Movere), noção de dinâmica ou de ação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO

EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO 1 EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO O que é? O quanto as empresas estimulam? O quanto os funcionários valorizam? Características de um intraempreendedor?... 2 OFERECIMENTO REALIZAÇÃO

Leia mais

Empreendedorismo no Feminino Mo.vações Obstáculos Desafios. 29 Março de 2017

Empreendedorismo no Feminino Mo.vações Obstáculos Desafios. 29 Março de 2017 Empreendedorismo no Feminino Mo.vações Obstáculos Desafios 29 Março de 2017 seies@cooperativaseies.org FALAR DE IGUALDADE CONCEITO DE EMPREENDEDORISMO Qualquer tentativa de criação de : um novo negócio

Leia mais

desenvolva e utilize seu pleno potencial de modo coerente e convergente com os objetivos estratégicos da organização. Dentro da área de gestão de

desenvolva e utilize seu pleno potencial de modo coerente e convergente com os objetivos estratégicos da organização. Dentro da área de gestão de Gestão de Pessoas Hoje a sociedade busca desenvolver trabalhos para aprimorar o conhecimento das pessoas em um ambiente de trabalho. A capacitação e o preparo que uma organização deve ter para com os seus

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE LÍDERES

PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE LÍDERES PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE LÍDERES CONQUISTE A LIDERANçA INSCRIÇÕES ABERTAS Prepare-se para novos desafios e seja o destaque no mercado de trabalho. Muitas vezes, a liderança não sabe quais

Leia mais

desenvolvimento pessoal Preparação para os processo seletivos

desenvolvimento pessoal Preparação para os processo seletivos AVON Crescimento e desenvolvimento pessoal Preparação para os processo seletivos Líder do Século XXI Sabe sua missão de vida e tem uma visão de futuro Conhece seus valores e os vivencia Sabe a diferença

Leia mais

A Administração de Conflitos consiste exatamente na escolha e implementação das estratégias mais adequadas para se lidar com cada tipo de situação.

A Administração de Conflitos consiste exatamente na escolha e implementação das estratégias mais adequadas para se lidar com cada tipo de situação. Conceito A Administração de Conflitos consiste exatamente na escolha e implementação das estratégias mais adequadas para se lidar com cada tipo de situação. Lidar com o conflito consiste em trabalhar com

Leia mais

Clima e Socialização organizacional

Clima e Socialização organizacional Função Aplicação de pessoas: Clima e Socialização organizacional Livros: CHIAVENATO, Gestão de pessoas TACHIZAMA, et al. Material na xerox (pg.240-255) SOCIALIZAÇÃO ORGANIZACIONAL É a maneira pela qual

Leia mais

Métodos contemporâneos para avaliação de desempenho

Métodos contemporâneos para avaliação de desempenho Métodos contemporâneos para avaliação de desempenho Gestão do desempenho Prof. Marco A. Arbex Gestão x avaliação O termo gestão do desempenho surge nos últimos anos como conceito alternativo para as técnicas

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 3.3 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

Leia mais

Estágio: por onde começar?

Estágio: por onde começar? ENG09046 Terça-feira, das 16h30 às 18h10 Agosto de 2012 Estágio: por onde começar? Internamente: buscar entender como funciona a empresa, o setor/ departamento Externamente: ter uma visão macro sobre a

Leia mais

Programa de atualização pedagógica Atividade de atualização pedagógica

Programa de atualização pedagógica Atividade de atualização pedagógica Programa de atualização pedagógica Atividade de atualização pedagógica Aula expositiva no ensino de graduação: importância, limites e papel do professor Profa. Maria Bernardete Cordeiro de Sousa Depto.

Leia mais

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL RELACIONAMENTO INTERPESSOAL Forma de interagir com outras pessoas RELACIONAMENTO Estabelecimento de um processo de comunicação onde o emissor e receptor tenham claro suas reais atribuições. Para existir

Leia mais

Grupos e Equipes. Caps 8 e 9 11ª edição Caps 9 e 10 14ª edição. Profa. Dra. Adriana Cristina Ferreira Caldana Thiago Ferreira Quilice

Grupos e Equipes. Caps 8 e 9 11ª edição Caps 9 e 10 14ª edição. Profa. Dra. Adriana Cristina Ferreira Caldana Thiago Ferreira Quilice Grupos e Equipes Caps 8 e 9 11ª edição Caps 9 e 10 14ª edição Profa. Dra. Adriana Cristina Ferreira Caldana Thiago Ferreira Quilice Razões para estarmos em grupo reduzem a solidão e insegurança dos indivíduos

Leia mais

Oficina de. Expressividade. Orientação: Fga. Millena Vieira. Apresentação: Ana Júlia Passos Bárbara Camilo

Oficina de. Expressividade. Orientação: Fga. Millena Vieira. Apresentação: Ana Júlia Passos Bárbara Camilo Oficina de Orientação: Fga. Millena Vieira Expressividade Apresentação: Ana Júlia Passos Bárbara Camilo Como a voz é produzida? A voz... Expressa nossas emoções Sentimentos e personalidade Enriquece o

Leia mais

TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Gestão da Qualidade Aula 01 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves COMPETÊNCIAS Interpretar a legislação e as normas técnicas referentes ao processo; Avaliar as técnicas de

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento

Treinamento e Desenvolvimento Treinamento e Desenvolvimento Agenda 1 2 T&D e Estratégia de RH Treinamento & Desenvolvimento 3 4 Coaching & Mentoring Desenvolvimento de Lideranças 1 T&D e Estratégia de RH Relembrando... Os processos

Leia mais

Competências Pessoais e Sociais I Inteligência Emocional Sessão 2 20 e 21 de Outubro. Isabel Paiva de Sousa

Competências Pessoais e Sociais I Inteligência Emocional Sessão 2 20 e 21 de Outubro. Isabel Paiva de Sousa Competências Pessoais e Sociais I Sessão 2 20 e 21 de Outubro Isabel Paiva de Sousa isabelmpsousa@netcabo.pt Outubro 2015 1 Alegria Confiança Apego Prazer Alivio Esperança Euforia Surpresa Raiva Tristeza

Leia mais

Gestão em Saúde LIDERANÇA

Gestão em Saúde LIDERANÇA Gestão em Saúde LIDERANÇA Profa. Ms. Raquel J. Oliveira Lima A administração tinha como objetivos principais: alcançar a eficiência e eficácia, Hoje alcançar a excelência por meio da eficiência e eficácia

Leia mais

JUDITH NOGUEIRA. Temas da palestra: motivação, desafio, criatividade, sipat, superação de desafios, saúde

JUDITH NOGUEIRA. Temas da palestra: motivação, desafio, criatividade, sipat, superação de desafios, saúde JUDITH NOGUEIRA Temas da palestra: motivação, desafio, criatividade, sipat, superação de desafios, saúde Judith Nogueira é escritora, médica e professora universitária. Sua produção literária contempla

Leia mais

Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC. BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017

Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC. BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017 Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017 1 INTRODUÇÃO 1.3. Os fundamentos pedagógicos da BNCC Compromisso com a formação e o desenvolvimento humano global (dimensões

Leia mais

LIDERANÇA ORGANIZACIONAL PROFª ESP. ANA CARLA ALBUQUERQUE DA CUNHA MARINHO

LIDERANÇA ORGANIZACIONAL PROFª ESP. ANA CARLA ALBUQUERQUE DA CUNHA MARINHO LIDERANÇA ORGANIZACIONAL PROFª ESP. ANA CARLA ALBUQUERQUE DA CUNHA MARINHO Antes de Falar de liderança iremos relembrar as funções do Gestor em uma organização, pois elas são cruciais para um eficiente

Leia mais

O Gestor Escolar. Histórias de um Construtor de Pontes.

O Gestor Escolar. Histórias de um Construtor de Pontes. O Gestor Escolar Histórias de um Construtor de Pontes robson@professorrobsonsantos.com.br Imagens do Gestor O grande líder é aquele que está disposto a desenvolver as pessoas até o ponto em que elas eventualmente

Leia mais

Entrevista Carreira Correio Braziliense

Entrevista Carreira Correio Braziliense Entrevista Carreira Correio Braziliense 1. Por que as habilidades pessoais (ou socioemocionais) são cada vez valorizadas? As pessoas são contratadas por seu currículo, ou seja, pela formação acadêmica

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Liderança Prof. Dra. Ana Carolina de Aguiar Rodrigues REFLEXÕES APÓS DEBATE Relembrar nosso contrato psicológico Avaliação geral da atividade O que aprenderam? Que insights

Leia mais

GESTÃO EM SAÚDE. Teorias da Administração. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

GESTÃO EM SAÚDE. Teorias da Administração. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 1 GESTÃO EM SAÚDE Teorias da Administração - 2 DEFINIÇÕES GESTÃO - engloba pessoas, processos e planejamento. ADMINISTRAÇÃO - finanças, contabilidade e mercado. 3 DEFINIÇÕES O conceito de administração

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS PARA CONSELHOS DE PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS PARA CONSELHOS DE PORTADORES DE DEFICIÊNCIA CENTRO DE DEFESA DE DIREITOS HUMANOS DE BETIM FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS PARA CONSELHOS DE PORTADORES DE DEFICIÊNCIA PALESTRANTE ANA RITA DE MACEDO MOURA Psicóloga

Leia mais

Marketing de Negociação. Empreendedorismo II. Empreendedorismo II. Unidade II: LIDERANÇA.

Marketing de Negociação. Empreendedorismo II. Empreendedorismo II. Unidade II: LIDERANÇA. Marketing de Negociação Centro Universitário de Jaraguá do Sul - UNERJ Administração Habilitação em Marketing 7a. fase - semestre 2009/2 Prof. Adm. Marco Antonio Murara,Esp. Unidade II: LIDERANÇA. A fonte

Leia mais

LIDERANÇA EM ENFERMAGEM E GERÊNCIA DO CUIDADO EM UTI NEONATAL

LIDERANÇA EM ENFERMAGEM E GERÊNCIA DO CUIDADO EM UTI NEONATAL 1 LIDERANÇA EM ENFERMAGEM E GERÊNCIA DO CUIDADO EM UTI NEONATAL Drª. Zenith Rosa Silvino e Drª. Bárbara Pompeu Christovam Curso: II Curso de Assistência de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve. PORTUGUÊS 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPREENSÃO DO ORAL Compreensão de formas complexas do oral, exigidas para o prosseguimento de estudos e para a entrada na vida profissional. * Capacidade de extrair

Leia mais

Currículo das Áreas Disciplinares/Critérios de Avaliação 5º Ano Disciplina: Português Metas Curriculares: Domínios/Objetivos

Currículo das Áreas Disciplinares/Critérios de Avaliação 5º Ano Disciplina: Português Metas Curriculares: Domínios/Objetivos Currículo das Áreas Disciplinares/Critérios de 5º Ano Disciplina: Português Metas Curriculares: Domínios/Objetivos Conteúdos Programáticos Critérios de Instrumentos de Comunicação oral Observação direta

Leia mais

Afinando os instrumentos da comunicação do líder nas organizações.

Afinando os instrumentos da comunicação do líder nas organizações. Afinando os instrumentos da comunicação do líder nas organizações Mirieli Colombo, Fga Fga. Especialista em Voz Especialista em Dinâmica dos Grupos Master em PNL Personal e Profissional Coaching EUA, 70

Leia mais

1- Conteúdo Programático (16 horas) . O novo perfil do profissional de atendimento ao público hospitalar. Os 7 fundamentos do atendimento ao cliente

1- Conteúdo Programático (16 horas) . O novo perfil do profissional de atendimento ao público hospitalar. Os 7 fundamentos do atendimento ao cliente Objetivo: Desenvolver o atendimento como um diferencial afetivo e de imagem do hospital, gerando consciência de atitude nos profissionais responsáveis por essa importante atividade. Aborda aspectos posturais,

Leia mais

COMPETÊNCIAS COLABORATIVAS Garantir Resultados Diferenciados por meio das Competências Colaborativas

COMPETÊNCIAS COLABORATIVAS Garantir Resultados Diferenciados por meio das Competências Colaborativas COMPETÊNCIAS COLABORATIVAS Garantir Resultados Diferenciados por meio das Competências Colaborativas Rogerio Leme rogerio@lemeconsultoria.com.br www.facebook.com/rogeriolemeoficial Rogerio Leme Diretor

Leia mais

Desenvolvimento. Inteligência Emocional (4 horas) Capacidade de relacionar-se consigo mesmo e compreender os outros ao ponto de conviver bem.

Desenvolvimento. Inteligência Emocional (4 horas) Capacidade de relacionar-se consigo mesmo e compreender os outros ao ponto de conviver bem. Desenvolvimento Inteligência Emocional (4 horas) Capacidade de relacionar-se consigo mesmo e compreender os outros ao ponto de conviver bem. Líder Treinador (4 horas) Capacidade de desenvolver e potencializar

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório de Feedback 360 Extended DISC FINXS

Fulano de Tal. Relatório de Feedback 360 Extended DISC FINXS O Feedback 360 é um instrumento projetado para fornecer um foco desenvolvimentista a respeito dos pontos fortes das habilidades comportamentais específicas e suas necessidades de desenvolvimento. Este

Leia mais

Critérios de Avaliação Disciplina: Orquestra de Sopros 2º CICLO

Critérios de Avaliação Disciplina: Orquestra de Sopros 2º CICLO 2º CICLO DOMÍNIO DA CRITÉRIOS GERAIS PERFIL DO ALUNO: DESCRITORES GERAIS INSTRUMENTOS INDICADORES DE % Coordenação psico-motora. Sentido de pulsação/ritmo/harmonia/ fraseado. COGNITIVOS: APTIDÕES CAPACIDADES

Leia mais

PSICOLOGIA DA SAÚDE. Conceitos, Personalidade, Comportamento e Transtornos Mentais no Trabalho

PSICOLOGIA DA SAÚDE. Conceitos, Personalidade, Comportamento e Transtornos Mentais no Trabalho PSICOLOGIA DA SAÚDE Conceitos, Personalidade, Comportamento e Transtornos Mentais no Trabalho Boas vindas e Objetivo Contribuir com os Participantes no Desenvolvimento de Mudanças e Repertorio técnico

Leia mais

I Seminário Nacional RED Rendimento Escolar e Desenvolvimento

I Seminário Nacional RED Rendimento Escolar e Desenvolvimento Rendimento Escolar e Desenvolvimento Aferição do Questionário de Inteligência Emocional de Bar-On para estudantes do Ensino Básico Português Candeias, Diniz, Pires, Rebelo & Franco 17 novembro 2012 Universidade

Leia mais

Análise do Artigo para leitura

Análise do Artigo para leitura Conflitos e gerações Análise do artigo solicitado para leitura; Conflitos geracionais no ambiente de trabalho; Stress e conflitos organizacionais; Stress, conflitos e doenças do trabalho. Prof. Dr. Alexandre

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Material para Avaliação

Material para Avaliação Material para Avaliação DPP Letras 1 Para Fixar. Projeto de vida é uma visualização antecipada da vida que desejamos ter ou levar. 2 O que é um projeto de vida? Um projeto de vida é mais do que uma ferramenta,

Leia mais

IV Seminário Internacional Maturidade em Gerenciamento de Projetos. Dieter Kelber

IV Seminário Internacional Maturidade em Gerenciamento de Projetos. Dieter Kelber IV Seminário Internacional Maturidade em Gerenciamento de Projetos MATURIDADE EM GESTÃO DE PROJETOS: QUESTÃO DE COMPETÊNCIAS OU PERFIL DO GESTOR? Dieter Kelber Nunca comece um projeto sem ter todos os

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

6 Conclusões e Recomendações

6 Conclusões e Recomendações 93 6 Conclusões e Recomendações Este capítulo pretende relacionar as informações do referencial teórico com os resultados da pesquisa realizada com as duas pequenas empresas familiares no ramo do comércio.

Leia mais

Aula 4 Cultura e Sociedade

Aula 4 Cultura e Sociedade Sociologia e Antropologia em Administraçã ção Aula 4 Cultura e Sociedade Profa. Ms. Daniela Cartoni Leitura para a aula DIAS, Reinaldo. Sociologia Geral. Campinas: Alinea, 2008. PLT 254 Capítulo 2 CONCEITO

Leia mais

Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra Delegacia da Bahia CECEPE. Curso de Extensão de Cerimonial, Etiqueta, Protocolo e Eventos

Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra Delegacia da Bahia CECEPE. Curso de Extensão de Cerimonial, Etiqueta, Protocolo e Eventos CECEPE Curso de Extensão de Cerimonial, Etiqueta, Protocolo e Eventos Disciplina: Gestão do Conhecimento Professor: Dr.Sergio Loncan Módulo 4: Implantação da Gestão do Conhecimento 1.INTRODUÇÃO A Implantação

Leia mais

Modulo 5 Adm Tempo + Adm Dinheiro Vendas Transforme seu produto e serviço em necessidade explicita

Modulo 5 Adm Tempo + Adm Dinheiro Vendas Transforme seu produto e serviço em necessidade explicita Modulo 5 Adm Tempo + Adm Dinheiro Vendas Transforme seu produto e serviço em necessidade explicita HOVA COACHING & INSTITUTO DE LIDERANÇA TIME TO SHARE HOVA COACHING & INSTITUTO DE LIDERANÇA TEMA INSPIRACIONAL

Leia mais

05/05/2014 LIDERANÇA ESTILOS DE LIDERANÇA DIFERENCIAR CHEFE DE LÍDER

05/05/2014 LIDERANÇA ESTILOS DE LIDERANÇA DIFERENCIAR CHEFE DE LÍDER LIDERANÇA DIFERENCIAR CHEFE DE LÍDER 1 LIDERANÇA Você já sentiu que não recebeu o reconhecimento merecido quando atingiu uma meta imposta por seu chefe ou realizou uma tarefa com sucesso? E, no entanto,

Leia mais

ATENDIMENTO: ATENDIMENTO AO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: GARANTINDO O CLIENTE DE AMANHÃ

ATENDIMENTO: ATENDIMENTO AO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: GARANTINDO O CLIENTE DE AMANHÃ ATENDIMENTO AO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: GARANTINDO O CLIENTE DE AMANHÃ ATENDIMENTO: Ato ou efeito de atender; Maneira como habitualmente são atendidos os usuários de determinado serviço. Dicionário

Leia mais

Comercializar e Vender Módulo 8- Atendimento e Venda

Comercializar e Vender Módulo 8- Atendimento e Venda Nome: Vera Nogueira Professor: João Mesquita Disciplina: Comercializar e Vender Módulo: 8- Atendimento e Venda Ano/Turma: 11ºI Ano Letivo: 2012/2013 Escola Secundária Serafim Leite Índice Atendimento e

Leia mais

P-48 AVALIAR É GERENCIAR. Bernardo Leite

P-48 AVALIAR É GERENCIAR. Bernardo Leite P-48 AVALIAR É GERENCIAR Bernardo Leite Há 8 anos (+-)= FEEDBACK Por derivação = AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO (Gestão de Performance) Avaliar como função Gerencial, foi natural. Escolher (avaliar), portanto,

Leia mais

Reunião do Grupo de RH Pesquisa de Clima Organizacional Setembro Carlos Bertazzi

Reunião do Grupo de RH Pesquisa de Clima Organizacional Setembro Carlos Bertazzi Reunião do Grupo de RH Pesquisa de Clima Organizacional Setembro 2016 Carlos Bertazzi www.rh4youconsultoria.wordpress.com O que é? Clima é a percepção coletiva que as pessoas têm da empresa, por meio do

Leia mais

Soluções para os Cases

Soluções para os Cases Soluções para os Cases As etapas da construção de uma equipe Joinville Dia 05 de Outubro de 2013 Roteiro da conversa.... Autoconhecimento. Tudo começa pela confiança Fundamentos de uma equipe As etapas

Leia mais

Diferença? Qual é a. você 17/9/2012. O que aconteceria se homens e mulheres gastassem mais de 75% Como transformar talento desempenho

Diferença? Qual é a. você 17/9/2012. O que aconteceria se homens e mulheres gastassem mais de 75% Como transformar talento desempenho 17/9/2012 Como transformar talento desempenho em de gerente a gestor escolar Alessandra assad opet 2012 Qual é a Diferença? O que aconteceria se homens e mulheres gastassem mais de 75% você sabia? do seu

Leia mais

Dinâmica interna de Grupos

Dinâmica interna de Grupos Dinâmica interna de Grupos Cap. 6 - A dinâmica interna dos grupos, do livro: BEAL, G., BOHLEN, J., RAUDABAUGH, J. N. Liderança e dinâmica de grupo. Rio de Janeiro: Zahar, 1990. pag 59 a 90 Manifestações

Leia mais

Afundamentos da Administração

Afundamentos da Administração Afundamentos da Administração aula 3 Professor Douglas Pereira da Silva 1 Fayol em uma de suas contribuições para o estudo da Administração define o chamado processo administrativo, com o desempenho de

Leia mais

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância Colégio Valsassina Modelo pedagógico do jardim de infância Educação emocional Aprendizagem pela experimentação Educação para a ciência Fatores múltiplos da inteligência Plano anual de expressão plástica

Leia mais

Facebook.com/concursovirtual Gestão de pessoas Trabalho em equipe O que é um grupo? Grupo primário x Grupo Secundário Os grupos podem ser formais ou informais. Formais - designados pela organização. Criados

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO Perfil Profissional Revolução Verde Modernização da Agricultura (1960-1980) Produtividade e produção agrícolas especialistas / fragmentos da realidade tecnicista

Leia mais

Comunicação e Relacionamento Interpessoal

Comunicação e Relacionamento Interpessoal Comunicação e Relacionamento Interpessoal Prof. José Junio Lopes Prof. Roberto César Ferreira Comunicação e Relacionamento Interpessoal A beleza de um trabalho em equipe se dá através de um elemento muito

Leia mais

Competência Interpessoal e Trabalho em Equipe. Rebeca Ribeiro de Barcellos, MSc.

Competência Interpessoal e Trabalho em Equipe. Rebeca Ribeiro de Barcellos, MSc. Competência Interpessoal e Trabalho em Equipe Rebeca Ribeiro de Barcellos, MSc. Interação humana Pessoas reagem às pessoas com as quais entram em contato: - Comunicam-se - Simpatizam e sentem atrações

Leia mais

O desafio da transformação pela excelência em gestão

O desafio da transformação pela excelência em gestão O desafio da transformação pela excelência em gestão Conheça o novo Modelo de Excelência da Gestão - MEG 21ª Edição Gilmar Casagrande Sócio e Diretor da Casattos 23/08/2017 O PGQP, há 25 anos, mobiliza

Leia mais

Manual do Aluno Engenharia Insper i

Manual do Aluno Engenharia Insper i Manual do Aluno Engenharia Insper i Capítulo 1 A visão do Insper para a Engenharia A missão dos cursos de engenharia do Insper é: Desenvolver jovens engenheiros que estarão preparados para reconhecer as

Leia mais