O AMOR QUE ILUDE A FALTA EM MIM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O AMOR QUE ILUDE A FALTA EM MIM"

Transcrição

1 O AMOR QUE ILUDE A FALTA EM MIM Baydoun, Mahamoud Medeiros, Melissa Andrea Vieira De Resumo: Ilusoriamente acreditamos que o objeto amado possui o que preenche a nossa falta e apazigua momentaneamente o nosso desamparo. Portanto, somos seres faltosos mesmo amando. O objeto amado torna-se o representante ideativo da falta e da carência do sujeito, e justamente nesse ponto encontramos a ética do amor e da psicanálise: tratar o real pelo simbólico, fazendo valer o desejo. Que desejo? O puro desejo, o desejo de morte - aquele sem o amparo da fantasia, o de gozo, de completude, aquele que para o neurótico sempre irá desvelar a castração - o objeto perdido para sempre. Nesse sentido o amor é faltoso, pois sempre anuncia o encontro com a castração, com a incompletude. A escolha do objeto amado, além disso, se dá pela fantasia - ilusão mediadora da relação do sujeito com o mundo, que revela a dimensão da sua falta e de seu desamparo, logo, aponta para o seu próprio eu, revelando que o narcisismo se manifesta em toda forma de escolha de objeto, seja narcísica ou anaclítica. Não importa o quão fortes são as catexias ao redor da representação mental do amado, o eu sempre reinará sobre o outro. Supõe-se, também, que o amor é clivado: ama-se, concomitantemente, o objeto amado exterior de carne e sua imagem fantasiada no inconsciente. Essa duplicidade do amor reflete a impossibilidade de fidelidade, pois traímos o objeto amado real recobrindo-o com o véu da fantasia inconsciente que só pode jurar fidelidade ao narcisismo de quem ama. Palavras-Chave: Amor. Narcisismo. Fantasia. Falta. Resumen: Creemos de forma engañosa que el objeto amado llena lo que nos hace falta y apacigua momentáneamente nuestro desamparo. Por lo tanto, 1

2 nosotros somos seres incompletos mismo amando. El objeto amado se convierte en el representante ideal de la falta del sujeto, sin embargo es precisamente en este punto que se da la ética del amor y del psicoanálisis: tratar lo real por lo simbólico, haciendo valer el deseo. Qué deseo? El puro deseo o el deseo de la muerte - aquel sin amparo de la fantasía, lo de gozo, de completitud, aquel que para el neurótico siempre irá desvelar la castración - el objeto que se ha perdido para siempre. Así, el amor hace falta, pues siempre anuncia el encuentro con la castración, con la falta de completitud. La elección del objeto amado, además, ocurre a través de la fantasía - ilusión mediadora de la relación del sujeto con el mundo, que revela la dimensión de su falta y desamparo, y, luego, apunta para su propio yo, revelando que el narcisismo se manifiesta en todas las formas de elección de objeto, sean narcísica o anaclítica. No importa la magnitud de las catexias alrededor de la representación mental del amado, el yo siempre reinará sobre el otro. Se supone, también, que el amor es clivado: se ama concomitantemente el objeto amado exterior de carne y su imagen fantaseada en el inconsciente. Esta duplicidad del amor refleja la imposibilidad de la fidelidad, pues se traiciona el objeto amado real recubriéndolo con el velo de la fantasía inconsciente que sólo puede jurar lealtad al narcisismo de quien ama. Palabras- clave: El Amor. Narcisismo. Fantasia. Falta. O AMOR QUE ILUDE A FALTA EM MIM O sujeito condenado a viver numa eterna busca de completude e felicidade, ilusoriamente acredita que o objeto amado possui o que preenche a sua falta e apazigua momentaneamente o seu desamparo, sem saber que está muito mal protegido contra o sofrimento, principalmente quando ama, já dizia Freud. Logo, somos seres faltosos mesmo amando. O amor é condenado a nos evidenciar a falta, ele próprio é faltoso, pois anuncia e traz em si a marca da castração, da incompletude. Nasio (2007, p.56) afirma que o ser que mais 2

3 amamos continua sendo inevitavelmente o ser que mais nos insatisfaz. O objeto amado é o representante ideativo da falta e da carência do sujeito, pois ele se constrói pela fantasia, ilusão mediadora da relação do sujeito com o mundo, que revela a dimensão da falta e do desamparo. Só captamos a realidade do eleito através da lente deformante da fantasia. (NASIO, 2007, p.56). A fantasia que recobre o objeto amado, através do véu que o transforma em um representante ideativo de suplência da falta é o que permite a ética da psicanálise e do amor: tratar o Real pelo Simbólico, fazendo valer o desejo. Com a Interpretação dos Sonhos (1900), Freud abre novas perspectivas para a compreensão do ser humano. O imaginário torna-se objeto privilegiado da psicanálise, inaugura-se uma dimensão além das amarras do tempo, do espaço e da consciência. A realidade interna prevalece sob a externa e o desejo se caracteriza pelo desejo de continuar desejando, marcado pela castração. As marcas da falta e das fantasias construídas na singularidade subjetiva de cada sujeito apontam para seu próprio eu, revelando o narcisismo que se manifesta em toda forma de escolha objetal (analítica ou narcísica), afinal o eu sempre reinará sobre o outro. O conceito de narcisismo é de fundamental importância para a psicanálise, pois a partir dele novas conjecturas são estabelecidas sobre as relações de objeto, pulsões e seus destinos, idealizações do eu e principalmente identificações e escolhas objetais como maneiras de formar vínculo com o outro; sendo ou tendo o objeto amado. Ter um objeto amado, um relacionamento amoroso pode gerar a ilusão de estar protegido da solidão, do vazio existencial, mas como diz Lacan: não há relação sexual, há uma suplência possível - o Amor. O que vem em suplência à relação sexual é precisamente o amor. (LACAN, 1985, p.62). O amor para a psicanálise está também relacionado à transferência. Freud (1912) no texto Observações sobre o amor transferencial comenta que a maior dificuldade em análise encontra-se no manejo da transferência. A transferência revela em análise as condições e características de 3

4 estabelecimento de vínculos do sujeito. O direcionamento desse amor transferencial na análise não é para o analista, mas para um lugar vazio, objeto a, e o analista encontra-se na posição de tornar-se semblante desse objeto a. O analista estabelece com o analisando um Eros platônico, ideativo, um amor na alcova dos significantes. Porém, fora do campo da análise, o amor se permite ir além do Eros platônico e da alcova de significantes. Todos desejam serem amados, cada um à sua maneira narcísica. Por conseguinte, é preciso saber que quando amamos, amamos sempre um ser híbrido, constituído ao mesmo tempo pela pessoa exterior com que convivemos no exterior e pela presença fantasiada e inconsciente em nós. E reciprocamente, somos para ele o mesmo ser misto feito de carne e inconsciente. (NASIO, 2007, p. 59). Quem é a pessoa amada? Quem é o meu objeto de amor? A psicanálise responde: o objeto a. O a, afinal, é apenas um nome para designar o que ignoramos, ou seja, essa presença inapreensível do outro amado em nós. (NASIO, 2007, p.53). A desejada essência do outro, o que desejo dele, refere-se sempre a uma busca desenfreada de nós mesmos; o apaixonado reproduz com o amado uma alienação primeva que teve com o seu Outro, numa certa compulsão à repetição das experiências infantis. Afinal: encontrar o objeto amado é na verdade reencontrá-lo. Sócrates no Banquete conclui que o amor não pode ser belo, pois todo amor remete à falta, à incompletude, à imperfeição, logo não pode se constituir de beleza algo que seja imperfeito. Daí o narcisismo do amor: o sujeito direciona seu amor ao que ele gostaria de Ser ou Ter na ilusão de se completar. Portanto, a pessoa, e quem quer que deseje alguma coisa, deseja forçosamente o que não está à sua disposição, o que não tem, o que lhe falta; ora, não são esses justamente os objetos do desejo e do amor? (SÓCRATES para ÀGATON, PLATÃO, 2002, p.139). Eis que Diotima (Platão, 2002) contra-argumenta Sócrates e diz que o alvo do amor não é ser belo, mas gerar e criar o belo. O amor é a via de criação inclusive da imortalidade. Imortalidade essa da própria espécie, das produções 4

5 artísticas e culturais, etc. O amor viabiliza a criação. A procriação e o nascimento são coisas imortais num ser mortal! (DIOTIMA; PLATÃO, 2002, p.149). Portanto, a criação do belo e da imortalidade através do amor precisa do objeto amado incorporado em sua existência física, real e exterior. A fantasia se alia a uma presença real, imaginária e simbólica. Conforme Nasio (2007), o laço que une esta fantasia à existência física do amado se origina na falta e no narcisismo do amante. Supõe-se, então que o amor é clivado: ama-se, concomitantemente, o objeto amado exterior de carne e sua imagem fantasiada no inconsciente. Essa duplicidade do amor reflete a impossibilidade da fidelidade, pois traímos o objeto amado real recobrindo-o com o véu da fantasia inconsciente que só pode jurar fidelidade ao narcisismo de quem ama. Bibliografia FERREIRA, Nadiá P. A Teoria do Amor na Psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., Passo- a- passo; vol. 38. FREUD, Sigmund. Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, (1912) Observações Sobre o Amor Transferencial. Vol (1914) Sobre o Narcisismo: Uma Introdução. Vol (1921) Psicologia de Grupo e Análise do Ego. Vol (1930[1929]) O Mal-Estar na Civilização. Vol. 21. LACAN. O Seminário, livro 20: mais, ainda. Rio de Janeiro, Jorge Zahar,1985 LEITE, Julia Cristina Tosto. Dimensões do Amor. Em: Agora. Rio de Janeiro. V. VIII n. 1 jan/jun Disponível em: Acesso em: 15 de fevereiro de NASIO, Juan- David. A Dor de Amar. Trad. André Telles e Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,

6 PLATÃO. Banquete. Martin Claret, São Paulo,

Como a análise pode permitir o encontro com o amor pleno

Como a análise pode permitir o encontro com o amor pleno Centro de Estudos Psicanalíticos - CEP Como a análise pode permitir o encontro com o amor pleno Laura Maria do Val Lanari Ciclo II, terça-feira à noite O presente trabalho tem por objetivo relatar as primeiras

Leia mais

ADALINE E O DISCURSO DA HISTERIA

ADALINE E O DISCURSO DA HISTERIA MARIA ELIENE RODRIGUES DE ARAÚJO CICLO VI - Quarta-feira ADALINE E O DISCURSO DA HISTERIA São Paulo SP 2015 Adaline e o discurso da histeria Em Psicologia de Grupo e Análise do Ego (1921), Freud nos adverte

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas 98 Referências Bibliográficas ALBERTI, S. Esse Sujeito Adolescente. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos, 1999. APOLINÁRIO, C. Acting out e passagem ao ato: entre o ato e a enunciação. In: Revista Marraio.

Leia mais

Especulações sobre o amor

Especulações sobre o amor Especulações sobre o amor Janete Luiz Dócolas, Psicanalista O amor é um mistério que há muito tempo, talvez desde que fora percebido, os homens vem tentando compreender, descrever ou ao menos achar um

Leia mais

Um tipo particular de escolha de objeto nas mulheres

Um tipo particular de escolha de objeto nas mulheres Um tipo particular de escolha de objeto nas mulheres Gabriella Valle Dupim da Silva Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Psicologia(PPGP/UFRJ)/Bolsista CNPq. Endereço: Rua Belizário Távora 211/104

Leia mais

Ato poético: entusiasmo no amor

Ato poético: entusiasmo no amor Ato poético: entusiasmo no amor Gilda Pitombo Mesquita Se o poeta for casto nos seus costumes, também o será nos seus versos, a pena é a língua da alma: quais forem os conceitos que nela gerarem, tais

Leia mais

5 Referências bibliográficas

5 Referências bibliográficas 82 5 Referências bibliográficas BAKER, L. R. Attitudes in Action. Separata de: LECLERC, A.; QUEIROZ, G.; WRIGLEY, M. B. Proceedings of the Third International Colloquium in Philosophy of Mind. Manuscrito

Leia mais

COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1. Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos

COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1. Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1 Alejandro Luis Viviani 2 Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos importantes na obra de Lacan; falar deles implica fazer uma

Leia mais

O AMOR, O FEMININO E A ESCRITA. Valdelice Nascimento de França Ribeiro Maria Aimée Laupman Ferraz Ana Maria Medeiros da Costa O AMOR EM FREUD

O AMOR, O FEMININO E A ESCRITA. Valdelice Nascimento de França Ribeiro Maria Aimée Laupman Ferraz Ana Maria Medeiros da Costa O AMOR EM FREUD O AMOR, O FEMININO E A ESCRITA Valdelice Nascimento de França Ribeiro Maria Aimée Laupman Ferraz Ana Maria Medeiros da Costa O AMOR EM FREUD Recorreremos ao texto freudiano: Sobre o narcisismo: uma introdução

Leia mais

O OBJETO A E SUA CONSTRUÇÃO

O OBJETO A E SUA CONSTRUÇÃO O OBJETO A E SUA CONSTRUÇÃO 2016 Marcell Felipe Psicólogo clínico graduado pelo Centro Universitário Newont Paiva (MG). Pós graduado em Clínica Psicanalítica pela Pontifícia Católica de Minas Gerais (Brasil).

Leia mais

O falo, o amor ao pai, o silêncio. no real Gresiela Nunes da Rosa

O falo, o amor ao pai, o silêncio. no real Gresiela Nunes da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 15 novembro 2014 ISSN 2177-2673 e o amor no real Gresiela Nunes da Rosa Diante da constatação de que o menino ou o papai possui um órgão fálico um tanto quanto

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 78 6 Referências bibliográficas ALMEIDA PRADO, M. C. Uma Introdução aos Qüiproquós Conjugais. In: FÉRES CARNEIRO T. (org.). Relação Amorosa, Casamento, Separação e Terapia de Casal. Rio de Janeiro: Associação

Leia mais

Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014

Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014 Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014 Prof. Dr. Mario Eduardo Costa Pereira PROGRAMA - Io. SEMESTRE Março/2014 14/03/2014 CONFERÊNCIA INAUGURAL : Contextualização do seminário

Leia mais

7 Referências Bibliográficas

7 Referências Bibliográficas 81 7 Referências Bibliográficas ARRIVÉ, M. Linguagem e psicanálise: lingüística e inconsciente. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1999. BAUMAN, Z. Vida líquida. (2009). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

Leia mais

CEP -CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS. Curso de Formação em Pasicanálise. Ciclo IV 3ª Noite

CEP -CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS. Curso de Formação em Pasicanálise. Ciclo IV 3ª Noite CEP -CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS Curso de Formação em Pasicanálise Ciclo IV 3ª Noite O atravessamento da Psicanálise em meu cotidiano Nathália Miyuki Yamasaki 2014 Chego para análise e me ponho a

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA. Débora Spinelli Edmar Peixoto Emari Andrade Lisiane Fachinetto Suelen Igreja

A TRANSFERÊNCIA. Débora Spinelli Edmar Peixoto Emari Andrade Lisiane Fachinetto Suelen Igreja A TRANSFERÊNCIA Débora Spinelli Edmar Peixoto Emari Andrade Lisiane Fachinetto Suelen Igreja Roteiro: Tratar do conceito de transferência, como elaborado por Freud e Lacan. Apresentar o estado da arte

Leia mais

AMOR SEM LIMITES: SOBRE A DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA E NA PARCERIA AMOROSA

AMOR SEM LIMITES: SOBRE A DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA E NA PARCERIA AMOROSA AMOR SEM LIMITES: SOBRE A DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA E NA PARCERIA AMOROSA Fernanda Samico Küpper Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Leia mais

O MASOQUISMO E O PROBLEMA ECONÔMICO EM FREUD. Esse trabalho é parte de uma pesquisa de mestrado, vinculada ao Programa de

O MASOQUISMO E O PROBLEMA ECONÔMICO EM FREUD. Esse trabalho é parte de uma pesquisa de mestrado, vinculada ao Programa de O MASOQUISMO E O PROBLEMA ECONÔMICO EM FREUD Mariana Rocha Lima Sonia Leite Esse trabalho é parte de uma pesquisa de mestrado, vinculada ao Programa de Pós Graduação em Psicanálise da UERJ, cujo objetivo

Leia mais

O amor: esse encontro faltoso

O amor: esse encontro faltoso O amor: esse encontro faltoso Profa. Ms. Célia Ferreira Carta Winter 1 Sumário: 1.Contextualização.2 O amor em Freud e Lacan 3. O amor e a Linguagem. 4. Considerações Finais 1.Contextualização: O tema

Leia mais

FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009

FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009 FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009 APRESENTAÇÃO O Corpo de Formação em Psicanálise do Instituto da Psicanálise Lacaniana- IPLA trabalhará neste ano de 2009 a atualidade clínica dos quatro conceitos fundamentais

Leia mais

Palavras-chave: Sintoma, fantasia, Nome-do-Pai, sinthoma, parceiro_sinthoma.

Palavras-chave: Sintoma, fantasia, Nome-do-Pai, sinthoma, parceiro_sinthoma. Título: Da solução do sintoma ao sinthoma como solução Autor: Leandro Marques Santos Formado no Curso de Psicanálise pelo Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais, Psicanalista, Pós-graduado

Leia mais

LATINOAMERICANA DE PSICOPATOLOGIA. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., São Paulo, v. 11, n. 4, p , dezembro 2008

LATINOAMERICANA DE PSICOPATOLOGIA. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., São Paulo, v. 11, n. 4, p , dezembro 2008 Narcisismos Oscar M. Miguelez São Paulo: Escuta, 2007, 156 págs. João Ezequiel Grecco 688 Os escritos de Freud conferiram amplas dimensões e profundidade à psicanálise. É inegável que a forma, o estilo

Leia mais

QUE AMOR NA TRANSFERÊNCIA? Ana Paula de Aguiar Barcellos 1

QUE AMOR NA TRANSFERÊNCIA? Ana Paula de Aguiar Barcellos 1 QUE AMOR NA TRANSFERÊNCIA? Ana Paula de Aguiar Barcellos 1 Na descoberta do inconsciente Freud apontou que a transferência é um fenômeno espontâneo que adquire status de conceito na psicanálise. Ela é

Leia mais

O amor de transferência ou o que se pode escrever de uma análise

O amor de transferência ou o que se pode escrever de uma análise O amor de transferência ou o que se pode escrever de uma análise Palavras-chave: Amor de transferência; Escrita; Literatura; Relação Sexual. Márcia de Souza Mezêncio O amor é transferência " Amor será

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social RELACIONAMENTOS AMOROSOS NA ATUALIDADE: DA PERDA À ELABORAÇÃO

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social RELACIONAMENTOS AMOROSOS NA ATUALIDADE: DA PERDA À ELABORAÇÃO RELACIONAMENTOS AMOROSOS NA ATUALIDADE: DA PERDA À ELABORAÇÃO Emalline Angélica de Paula Santos (Psicóloga formada pela Universidade Estadual do Centro Oeste, Irati-PR, Brasil); Paulo Victor Bezerra* (Professor

Leia mais

Referências bibliográficas

Referências bibliográficas Referências bibliográficas BEZERRIL, C. (relatora). Imagens da letra. Opção Lacaniana Revista Brasileira Internacional de Psicanálise, n. 41, 2004. COTTET, S. La belle inertie. Note sur la depression en

Leia mais

NOME DO PAI E REAL. Jacques Laberge 1

NOME DO PAI E REAL. Jacques Laberge 1 NOME DO PAI E REAL Jacques Laberge 1 Na época em que estava proferindo seu Seminário As formações do inconsciente, Lacan retomou pontos de seu Seminário III, As psicoses em De uma questão preliminar a

Leia mais

Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Lopes Período: 8º TURNO: Noturno Ano:

Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Lopes Período: 8º TURNO: Noturno Ano: CRÉDITOS Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Lopes Período: 8º TURNO: Noturno Ano: 2015.2 TOTAL DE AULAS(h/a) CARGA HORÁRIA ATIVIDADES EM ESPAÇOS DIVERSIFICADOS CARGA

Leia mais

A fantasia O prazer de ler Lacan

A fantasia O prazer de ler Lacan J.-D. Nasio A fantasia O prazer de ler Lacan Rio de Janeiro Título original: Le fantasme (Le plaisir de lire Lacan) Tradução autorizada da edição francesa publicada em 2005 por Payot & Rivages, de Paris,

Leia mais

Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Peira Lopes Período: 8º TURNO: Matutino Ano:

Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Peira Lopes Período: 8º TURNO: Matutino Ano: CRÉDITOS Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Peira Lopes Período: 8º TURNO: Matutino Ano: 2015.2 TOTAL DE AULAS(h/a) CARGA HORÁRIA ATIVIDADES EM ESPAÇOS DIVERSIFICADOS

Leia mais

Incurável. Celso Rennó Lima

Incurável. Celso Rennó Lima 1 Incurável Celso Rennó Lima Em seu primeiro encontro com o Outro, consequência da incidência de um significante, o sujeito tem de lidar com um incurável, que não se subjetiva, que não permite que desejo

Leia mais

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE Pauleska Asevedo Nobrega Assim como na Psicanálise com adultos, as entrevistas preliminares na psicanálise com crianças, sustentam um tempo

Leia mais

ATÉ QUE EU NÃO GOZE MAIS DE VOCÊ: O AMOR NOS LAÇOS CONJUGAIS

ATÉ QUE EU NÃO GOZE MAIS DE VOCÊ: O AMOR NOS LAÇOS CONJUGAIS ATÉ QUE EU NÃO GOZE MAIS DE VOCÊ: O AMOR NOS LAÇOS CONJUGAIS Karine da Rocha Queiroz Mestranda em Psicologia pela Universidade de Fortaleza UNIFOR karine.psi@gmail.com Dra. Júlia S.N.F. Bucher-Maluschke

Leia mais

Cadernos da Escola de Saúde O AMOR NA FEMINILIDADE

Cadernos da Escola de Saúde O AMOR NA FEMINILIDADE Cadernos da Escola de Saúde ISSN 1984 7041 O AMOR NA FEMINILIDADE THE LOVE IN FEMININITY Nicolle Shigueoka de Oliveira 1 Ana Suy Sesarino Kuss 2 Recebido em 03 de julho de 2015 Aceito em 05 de agosto de

Leia mais

De Descartes a Lacan: a questão sujeito na psicanálise

De Descartes a Lacan: a questão sujeito na psicanálise De Descartes a Lacan: a questão sujeito na psicanálise Joana Souza Psicanalista. Mestranda do Programa de Pós-graduação em Psicanálise da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Especialização

Leia mais

Da política dita do amor ao ódio ditado pelo amor: o desejo de fazer o bem pode ser a causa do mal.

Da política dita do amor ao ódio ditado pelo amor: o desejo de fazer o bem pode ser a causa do mal. Da política dita do amor ao ódio ditado pelo amor: o desejo de fazer o bem pode ser a causa do mal. Desde Freud em O mal-estar na cultura, sabemos em psicanálise que um grande problema enfrentado pelo

Leia mais

Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005

Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Sinthoma e identificação Lenita Bentes Ondina Machado * Abordaremos alguns aspectos do tema de nossa oficina, que dá título ao texto, através de dois pequenos escritos.

Leia mais

Transferência e desejo do analista

Transferência e desejo do analista Transferência e desejo do analista Doris Rinald 1 i Originalmente a transferência é descoberta por Freud como um fenômeno espontâneo que, ao ser vinculado ao desenvolvimento da experiência psicanalítica,

Leia mais

O real escapou da natureza

O real escapou da natureza Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 10 março 2013 ISSN 2177-2673 Sandra Arruda Grostein O objetivo deste texto é problematizar a proposta feita por J.-A. Miller de que o real emancipado da natureza

Leia mais

O gozo, o sentido e o signo de amor

O gozo, o sentido e o signo de amor O gozo, o sentido e o signo de amor Palavras-chave: signo, significante, sentido, gozo Simone Oliveira Souto O blá-blá-blá Na análise, não se faz mais do que falar. O analisante fala e, embora o que ele

Leia mais

Escritores Criativos E Devaneio (1908), vol. IX. Fantasias Histéricas E Sua Relação Com A Bissexualidade (1908), vol. IX. Moral Sexual Civilizada E

Escritores Criativos E Devaneio (1908), vol. IX. Fantasias Histéricas E Sua Relação Com A Bissexualidade (1908), vol. IX. Moral Sexual Civilizada E 6 Bibliografia ANDRÉ, S., A Impostura Perversa, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 1995. BROUSSE, M. H., A Fórmula do Fantasma? $ a, in Lacan, organizado por: Gérard Miller, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed.,

Leia mais

12. SOCIEDADE DO ESPETÁCULO: A CRIANÇA COMO ALVO Aline Vaneli Pelizoni 1 Geovane dos Santos da Rocha 2 Michaella Carla Laurindo 3

12. SOCIEDADE DO ESPETÁCULO: A CRIANÇA COMO ALVO Aline Vaneli Pelizoni 1 Geovane dos Santos da Rocha 2 Michaella Carla Laurindo 3 12. SOCIEDADE DO ESPETÁCULO: A CRIANÇA COMO ALVO Aline Vaneli Pelizoni 1 Geovane dos Santos da Rocha 2 Michaella Carla Laurindo 3 As propagandas as quais somos expostos diariamente demonstram um mundo

Leia mais

MÃES QUE SE SEPARAM DE SEUS FILHOS

MÃES QUE SE SEPARAM DE SEUS FILHOS MÃES QUE SE SEPARAM DE SEUS FILHOS Em primeiro lugar, chamaria a atenção para um fenômeno muito importante e que começa a ser mais conhecido: a persistência até o fim do século XVII do infanticídio tolerado.

Leia mais

A dor no feminino: reflexões sobre a condição da mulher na contemporaneidade

A dor no feminino: reflexões sobre a condição da mulher na contemporaneidade A dor no feminino: reflexões sobre a condição da mulher na contemporaneidade Alcione Alves Hummel Monteiro 1 Vanusa Balieiro do Rego 2 Roseane Freitas Nicolau 3 Susette Matos da Silva 4 A arte dá ao artista

Leia mais

FATALIDADE DO DESTINO OU COMPULSÃO DE UM DESTINO? NELE GONÇALVES DURÃO

FATALIDADE DO DESTINO OU COMPULSÃO DE UM DESTINO? NELE GONÇALVES DURÃO Artículos y Ensayos FATALIDADE DO DESTINO OU COMPULSÃO DE UM DESTINO? NELE GONÇALVES DURÃO RESUMO Este trabalho pretende fazer uma reflexão a respeito de determinados fatos que podem ocorrer na vida do

Leia mais

ALÉM DO CORPO E DAS PALAVRAS: POR UMA ERÓTICA DO ENVELHECIMENTO

ALÉM DO CORPO E DAS PALAVRAS: POR UMA ERÓTICA DO ENVELHECIMENTO ALÉM DO CORPO E DAS PALAVRAS: POR UMA ERÓTICA DO ENVELHECIMENTO Hermano de França Rodrigues, Angeli Raquel Raposo Lucena de Farias Universidade Federal da Paraíba hermanorg@gmail.com Resumo: Envelhecer,

Leia mais

Toxicomanias: contra-senso ao laço social e ao amor?

Toxicomanias: contra-senso ao laço social e ao amor? Toxicomanias: contra-senso ao laço social e ao amor? Rita de Cássia dos Santos Canabarro 1 Eros e Ananke são, segundo Freud (1930/1987), os pais da civilização. De um lado, o amor foi responsável por reunir

Leia mais

Amar demais: um destino inevitável na sexuação feminina?

Amar demais: um destino inevitável na sexuação feminina? 1 Amar demais: um destino inevitável na sexuação feminina? Este trabalho faz parte da mesa redonda intitulada Sexuação: amor, desejo e gozo na clínica psicanalítica, coordenada por Tania Coelho dos Santos,

Leia mais

O AMOR NA PSICOSE. fórmulas da sexuação, entre o homem e a mulher. Já na articulação amor / suplência 3 o sujeito

O AMOR NA PSICOSE. fórmulas da sexuação, entre o homem e a mulher. Já na articulação amor / suplência 3 o sujeito O AMOR NA PSICOSE Nancy Greca de Oliveira Carneiro 1 A doutrina da foraclusão generalizada faz ver que há para o sujeito, e não apenas para o psicótico, um objeto indizível, o que estende a foraclusão

Leia mais

AMORES QUE (NÃO) ENVELHECEM: PSICANÁLISE, TEMPO E EXPERIÊNCIA Angeli Raquel Raposo Lucena de Farias (UFPB) Hermano de França Rodrigues (UFPB)

AMORES QUE (NÃO) ENVELHECEM: PSICANÁLISE, TEMPO E EXPERIÊNCIA Angeli Raquel Raposo Lucena de Farias (UFPB) Hermano de França Rodrigues (UFPB) AMORES QUE (NÃO) ENVELHECEM: PSICANÁLISE, TEMPO E EXPERIÊNCIA Angeli Raquel Raposo Lucena de Farias (UFPB) Hermano de França Rodrigues (UFPB) Um dia, ou talvez uma noite, muitas dezenas de milênios antes

Leia mais

O MANEJO DA TRANSFERÊNCIA NA PSICOSE: O SECRETÁRIO DO ALIENADO E SUAS IMPLICAÇÕES

O MANEJO DA TRANSFERÊNCIA NA PSICOSE: O SECRETÁRIO DO ALIENADO E SUAS IMPLICAÇÕES O MANEJO DA TRANSFERÊNCIA NA PSICOSE: O SECRETÁRIO DO ALIENADO E SUAS IMPLICAÇÕES Roberto Lopes Mendonça O tratamento da psicose: impasses iniciais No trabalho clínico com a psicose, torna-se cada vez

Leia mais

NEUROSE OBSESSIVA E RELIGIÃO O OBSESSIVO E SUA RELAÇÃO COM O PAI NA RELIGIÃO

NEUROSE OBSESSIVA E RELIGIÃO O OBSESSIVO E SUA RELAÇÃO COM O PAI NA RELIGIÃO NEUROSE OBSESSIVA E RELIGIÃO O OBSESSIVO E SUA RELAÇÃO COM O PAI NA RELIGIÃO Carlos Eduardo Rodrigues Neurose obsessiva: uma religião particular Falar em neurose obsessiva hoje em dia pode parecer ultrapassado,

Leia mais

Imaginário, Simbólico e Real. Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano

Imaginário, Simbólico e Real. Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano Imaginário, Simbólico e Real Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano Roteiro: 1) Breve relato sobre a primeira concepção de inconsciente em Freud - o corte epistemológico.

Leia mais

A QUESTÂO DO EU, A ANGÚSTIA E A CONSTITUIÇÃO DA REALIDADE PARA A PSICANÁLISE 1

A QUESTÂO DO EU, A ANGÚSTIA E A CONSTITUIÇÃO DA REALIDADE PARA A PSICANÁLISE 1 A QUESTÂO DO EU, A ANGÚSTIA E A CONSTITUIÇÃO DA REALIDADE PARA A PSICANÁLISE 1 Joana Souza Mestranda do Programa de Pós-graduação em Psicanálise da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Especialização

Leia mais

ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES

ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica

Leia mais

A OPERAÇÃO DO DISCURSO ANALÍTICO

A OPERAÇÃO DO DISCURSO ANALÍTICO A OPERAÇÃO DO DISCURSO ANALÍTICO Este trabalho é um recorte do projeto de iniciação científica (PIBIC) Estruturas Clínicas e Discurso: a neurose, no qual trabalhamos o texto do Seminário XVII: O Avesso

Leia mais

Esperam que o analista tenha um saber sobre a causa de seus males que trazem tanta dor e lhes responda para que essa dor cesse. Simples assim...

Esperam que o analista tenha um saber sobre a causa de seus males que trazem tanta dor e lhes responda para que essa dor cesse. Simples assim... Dor convoca piedade? Graziela Rebouças Há algum tempo tenho me atentado às observações de muitos pacientes sobre o processo de análise. Dizem eles que a análise é um processo doloroso, pois implica em

Leia mais

Repetição, com Estilo 1.

Repetição, com Estilo 1. O artista é aquele que saiu da trincheira e não cedeu quanto à sua marca diferencial. (Jorge Forbes) Repetição, com Estilo 1. Repetição e o Artista Raymond Queneau, escritor francês, contemporâneo de Lacan,

Leia mais

O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da. identificação 1

O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da. identificação 1 O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da Arlete Mourão 2 identificação 1 Na formação do analista, o lugar e a função do estudo da psicanálise são conseqüências lógicas da

Leia mais

Vectores. Sentido de un vector. (origen) al punto B (extremo). Dirección de un vector

Vectores. Sentido de un vector. (origen) al punto B (extremo). Dirección de un vector Vectores Un vector fijo es un segmento orientado que va del punto A (origen) al punto B (extremo). Elementos de un vector Dirección de un vector La dirección del vector es la dirección de la recta que

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! 1 (Sobre a posição do analista na direção da cura)

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! 1 (Sobre a posição do analista na direção da cura) ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! 1 (Sobre a posição do analista na direção da cura) Arlete Mourão Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Reflexão sobre a cantiga Se essa rua fosse minha

Reflexão sobre a cantiga Se essa rua fosse minha Centro de Estudos Psicanalíticos Curso de Formação em Psicanálise Ciclo II Quarta-feira noite Reflexão sobre a cantiga Se essa rua fosse minha Paralelos com a Psicanálise Mariana Andrade Araújo São Paulo,

Leia mais

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X A PSICANÁLISE NO CONTEXTO DA CLÍNICA-ESCOLA Bruna C. de Oliveira Danziger Rafael dos Reis Biazin O que se configura de forma premente no âmbito das práticas clínicas atuantes nas clínicas-escolas é a impossibilidade

Leia mais

Sofrimento e dor no autismo: quem sente?

Sofrimento e dor no autismo: quem sente? Sofrimento e dor no autismo: quem sente? BORGES, Bianca Stoppa Universidade Veiga de Almeida-RJ biasborges@globo.com Resumo Este trabalho pretende discutir a relação do autista com seu corpo, frente à

Leia mais

Entretantos, 2014 LACAN COMENTÁRIO DO TEXTO: A DIREÇÃO DO TRATAMENTO E OS PRINCÍPIOS DO SEU

Entretantos, 2014 LACAN COMENTÁRIO DO TEXTO: A DIREÇÃO DO TRATAMENTO E OS PRINCÍPIOS DO SEU Entretantos, 2014 Grupo: DE LEITURA: CASOS CLÍNICOS DE FREUD ACOMPANHADOS DE COMENTÁRIOS DE LACAN Integrantes: Ana Maria Leal, Célia Cristina Marcos Klouri, Claudia Justi Monti Schonberger, Cristina Petry,

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS

CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS ANTES DE TUDO, O AMOR: CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRANSFERÊNCIA EM FREUD E LACAN. Cláudia Sampaio Barral Ciclo V quarta feira/manhã São Paulo 2013 1 A primeira aparição do termo

Leia mais

CEP CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS

CEP CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS CEP CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS As pulsões e suas repetições. Luiz Augusto Mardegan Ciclo V - 4ª feira manhã São Paulo, maio de 2015. Neste trabalho do ciclo V apresentamos as análises de Freud sobre

Leia mais

Coordenador do Núcleo de Psicanálise e Medicina

Coordenador do Núcleo de Psicanálise e Medicina O corpo e os objetos (a) na clínica dos transtornos alimentares Lázaro Elias Rosa Coordenador do Núcleo de Psicanálise e Medicina Com este título, nomeamos o conjunto de nossos trabalhos, bem como o rumo

Leia mais

Ingesta líquida e o Paciente Renal Crônico: A Restrição do Essencial e o Essencial da Restrição, a clínica do excesso.

Ingesta líquida e o Paciente Renal Crônico: A Restrição do Essencial e o Essencial da Restrição, a clínica do excesso. Ingesta líquida e o Paciente Renal Crônico: A Restrição do Essencial e o Essencial da Restrição, a clínica do excesso. Bárbara Breder 1 Este trabalho surge do diálogo estabelecido sobre a clínica com pacientes

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS

CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS CONSIDERAÇÕES SOBRE A HISTERIA Cláudia Sampaio Barral Ciclo VI quarta-feira/manhã São Paulo 2015 A Histeria não é uma doença, mas a doença em estado puro, aquela que não

Leia mais

DESEJO DE ANALISTA. Ana Lúcia Bastos Falcão 1. O x da questão

DESEJO DE ANALISTA. Ana Lúcia Bastos Falcão 1. O x da questão DESEJO DE ANALISTA Ana Lúcia Bastos Falcão 1 O x da questão O desejo do analista sempre acompanhado de uma questão é o próprio x da questão. Tratando-se de escolha de profissão, carreira... O importante

Leia mais

Latusa digital N 10 ano 1 outubro de 2004

Latusa digital N 10 ano 1 outubro de 2004 Latusa digital N 10 ano 1 outubro de 2004 Política do medo versus política lacaniana Mirta Zbrun* Há três sentidos possíveis para entender a política lacaniana 1. Em primeiro lugar, o sentido da política

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas ABREU, T. Perversão generalizada. In: Agente: Revista digital de psicanálise da EBP-Bahia, n. 03. Salvador: EBP-Bahia, 2007. Disponível em: .

Leia mais

As Implicações do Co Leito entre Pais e Filhos para a Resolução do Complexo de Édipo. Sandra Freiberger

As Implicações do Co Leito entre Pais e Filhos para a Resolução do Complexo de Édipo. Sandra Freiberger As Implicações do Co Leito entre Pais e Filhos para a Resolução do Complexo de Édipo Sandra Freiberger Porto Alegre, 2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PSICOLOGIA CURSO: INTERVENÇÃO

Leia mais

PERÍODO EDIPIANO. Salomé Vieira Santos. Psicologia Dinâmica do Desenvolvimento

PERÍODO EDIPIANO. Salomé Vieira Santos. Psicologia Dinâmica do Desenvolvimento PERÍODO EDIPIANO Salomé Vieira Santos Psicologia Dinâmica do Desenvolvimento Março de 2017 Fases do Desenvolvimento Psicossexual Ao longo do desenvolvimento (bb-adolescente) ocorrem mudanças marcantes:

Leia mais

O Fenômeno Psicossomático (FPS) não é o signo do amor 1

O Fenômeno Psicossomático (FPS) não é o signo do amor 1 O Fenômeno Psicossomático (FPS) não é o signo do amor 1 Joseane Garcia de S. Moraes 2 Na abertura do seminário 20, mais ainda, cujo título em francês é encore, que faz homofonia com en corps, em corpo,

Leia mais

UMA POSSÍVEL ÉTICA DO OLHAR 1

UMA POSSÍVEL ÉTICA DO OLHAR 1 www.interseccaopsicanalitica.com.br UMA POSSÍVEL ÉTICA DO OLHAR 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 A pulsão escópica tem importância significativa na teoria psicanalítica. Em 1915, Freud dedicou ao par antitético

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EDU210 Psicologia da Educação I

Programa Analítico de Disciplina EDU210 Psicologia da Educação I 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Educação - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 4 0 4

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PSICOLOGIA ANTÔNIO CARLOS DE BARROS JÚNIOR. Quem vê perfil não vê coração:

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PSICOLOGIA ANTÔNIO CARLOS DE BARROS JÚNIOR. Quem vê perfil não vê coração: UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PSICOLOGIA ANTÔNIO CARLOS DE BARROS JÚNIOR Quem vê perfil não vê coração: a ferida narcísica de desempregados e a construção de imagens de si no Facebook e no LinkedIn

Leia mais

O AMOR ENTRE UM HOMEM E UMA MULHER - UM OLHAR PSICANALÍTICO

O AMOR ENTRE UM HOMEM E UMA MULHER - UM OLHAR PSICANALÍTICO O AMOR ENTRE UM HOMEM E UMA MULHER - UM OLHAR PSICANALÍTICO Artigo cedido pela autora para publicação no website da Somática Educar Liria Helena M G LIttig Professora Psicanalista e psicopedagoga lhlittig@gmail.com

Leia mais

7. Referências Bibliográficas

7. Referências Bibliográficas 102 7. Referências Bibliográficas ANSERMET, François. Clínica da Origem: a criança entre a medicina e a psicanálise. [Opção Lacaniana n 02] Rio de Janeiro: Contra capa livraria, 2003. ARAÚJO, Marlenbe

Leia mais

DO GOZO À FALTA: O SUJEITO E O ENLAÇAMENTO ENTRE O SINTOMA E O DESEJO. Em termos psicanalíticos a referência ao desejo como campo subjetivo ligado

DO GOZO À FALTA: O SUJEITO E O ENLAÇAMENTO ENTRE O SINTOMA E O DESEJO. Em termos psicanalíticos a referência ao desejo como campo subjetivo ligado DO GOZO À FALTA: O SUJEITO E O ENLAÇAMENTO ENTRE O SINTOMA E O DESEJO Altair José dos Santos Em termos psicanalíticos a referência ao desejo como campo subjetivo ligado necessariamente à linguagem, implica

Leia mais

A ameaça da alta: considerações sobre o amor na psicose 1

A ameaça da alta: considerações sobre o amor na psicose 1 1 A ameaça da alta: considerações sobre o amor na psicose 1 Sâmea Carolina Ferreira Quebra 2 O presente trabalho discute o amor na psicose que para Lacan 3 é considerado um amor morto e suas implicações

Leia mais

Mastectomia: Perda no Real do corpo é possível simbolizar?

Mastectomia: Perda no Real do corpo é possível simbolizar? Miryelle Pedrosa Após sete anos de atendimentos a pacientes acometidos pelo câncer, num ofício que consiste em partir do lugar do não saber, atuando numa instituição médica, que busca um saber, para marcar

Leia mais

O lugar do amor na transição da adolescência para a vida adulta 1 Michele Melo Reghelin 2009

O lugar do amor na transição da adolescência para a vida adulta 1 Michele Melo Reghelin 2009 O lugar do amor na transição da adolescência para a vida adulta 1 Michele Melo Reghelin 2009 Na área da psicologia, a escolha conjugal e o relacionamento conjugal são entendidos como um processo maturacional

Leia mais

O Édipo em Lacan. O uso perverso do falo imaginário no mundo contemporâneo

O Édipo em Lacan. O uso perverso do falo imaginário no mundo contemporâneo O Édipo em Lacan O uso perverso do falo imaginário no mundo contemporâneo CAMILA DENENO PEREZ São Paulo 2012 Ser completo não tem uma definição, ser completo compete a quem te diz completo. Ser completo

Leia mais

INTRODUÇÃO À PSICOPATOLOGIA PSICANALÍTICA. Profa. Dra. Laura Carmilo granado

INTRODUÇÃO À PSICOPATOLOGIA PSICANALÍTICA. Profa. Dra. Laura Carmilo granado INTRODUÇÃO À PSICOPATOLOGIA PSICANALÍTICA Profa. Dra. Laura Carmilo granado Pathos Passividade, paixão e padecimento - padecimentos ou paixões próprios à alma (PEREIRA, 2000) Pathos na Grécia antiga Platão

Leia mais

DO MAL-ESTAR NA CULTURA PARA O SOFRIMENTO NO CORPO. Tiago Ravanello 1. Flavia Milanez de Farias 2. Lindayane dos Santos Amorim de Sá 3

DO MAL-ESTAR NA CULTURA PARA O SOFRIMENTO NO CORPO. Tiago Ravanello 1. Flavia Milanez de Farias 2. Lindayane dos Santos Amorim de Sá 3 DO MAL-ESTAR NA CULTURA PARA O SOFRIMENTO NO CORPO Tiago Ravanello 1 Flavia Milanez de Farias 2 Lindayane dos Santos Amorim de Sá 3 RESUMO A partir do viés freudo-lacaniano, destacaremos como o discurso

Leia mais

O CASO CLÍNICO E A CONSTRUÇÃO DA TEORIA EM PSICANÁLISE: UMA ARTICULAÇÃO NO CAMPO DA SAÚDE MENTAL

O CASO CLÍNICO E A CONSTRUÇÃO DA TEORIA EM PSICANÁLISE: UMA ARTICULAÇÃO NO CAMPO DA SAÚDE MENTAL O CASO CLÍNICO E A CONSTRUÇÃO DA TEORIA EM PSICANÁLISE: UMA ARTICULAÇÃO NO CAMPO DA SAÚDE MENTAL Emilie Fonteles Boesmans Jonas Torres Medeiros Lia Carneiro Silveira Introdução Neste trabalho, apresentaremos

Leia mais

O DESAMPARO E A FANTASIA: UMA DEFESA DO SUJEITO 1

O DESAMPARO E A FANTASIA: UMA DEFESA DO SUJEITO 1 1 O DESAMPARO E A FANTASIA: UMA DEFESA DO SUJEITO 1 Ricardo Monteiro Guedes de Almeida 2 Propõe-se discutir dois temas fundamentais para o campo da clínica psicanalítica. Primeiramente, a fronteira instransponível

Leia mais

PSICANÁLISE Dissolução do complexo de Édipo

PSICANÁLISE Dissolução do complexo de Édipo PSICANÁLISE Dissolução do complexo de Édipo COMPLEXO DE ÉDIPO O fundador da psicanálise, Sigmund Freud, instituiu o Complexo de Édipo como uma fase universal na infância do sujeito em que há uma triangulação

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E CURSO: MESTRADO PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E CURSO: MESTRADO PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM CURSO: MESTRADO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: PDA00021 - Desenvolvimento Psicossexual e Constituição da Personalidade na Abordagem

Leia mais

Maria Eliana de Mello Barbosa Helsinger

Maria Eliana de Mello Barbosa Helsinger Maria Eliana de Mello Barbosa Helsinger Maria Eliana de Mello Barbosa Helsinger Em 11 de setembro deste ano, um analisando de 15 anos, com uma voz um tanto desolada, inicia sua sessão dizendo: Pôxa, até

Leia mais

Amor Louco CLINICA PSICANALÍTICA. Sônia Vicente. Unitermos: Amor - Paixão - Transferência

Amor Louco CLINICA PSICANALÍTICA. Sônia Vicente. Unitermos: Amor - Paixão - Transferência CLINICA PSICANALÍTICA Amor Louco Sônia Vicente Unitermos: Amor - Paixão - Transferência Resumo: Inicia seu trabalho com a pergunta Qual o Lugar do Amor na Psicanálise? e faz referência histórica sobre

Leia mais

8 Referências bibliográficas

8 Referências bibliográficas 8 Referências bibliográficas ANDRÉ, S. A impostura perversa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995. BARANDE, R. Poderemos nós não ser perversos? Psicanalistas, ainda mais um esforço. In: M UZAN, M. et al.

Leia mais

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora:

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A dor física Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A alucinação E outros estudos lacanianos Cinco lições sobre a teoria de Jacques Lacan Como trabalha um psicanalista? A criança do espelho

Leia mais

SIGMUND FREUD. SPR promove curso de introdução ao pensamento psicanalítico

SIGMUND FREUD. SPR promove curso de introdução ao pensamento psicanalítico O Espaço Sigmund Freud tem o objetivo de introduzir o conhecimento sobre as bases teóricas do pensamento psicanalítico, aos estudantes e profissionais de diversas áreas de interesse. Estão abertas as inscrições

Leia mais

AMOR DE TRANSFERÊNCIA E A QUESTÃO DA CURA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA

AMOR DE TRANSFERÊNCIA E A QUESTÃO DA CURA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA AMOR DE TRANSFERÊNCIA E A QUESTÃO DA CURA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA (2006) Virgínia Ferreira Universidade Católica de Petróplois UCP (Brasil) Contactos: virginia-ferreira@uol.com.br RESUMO O presente artigo

Leia mais

SIGNOS DE PERCEPÇÃO, RESTOS INDIZÍVEIS E MEMÓRIA: A FANTASIA E A ELABORAÇÃO NA EXPERIÊNCIA CLÍNICA

SIGNOS DE PERCEPÇÃO, RESTOS INDIZÍVEIS E MEMÓRIA: A FANTASIA E A ELABORAÇÃO NA EXPERIÊNCIA CLÍNICA SIGNOS DE PERCEPÇÃO, RESTOS INDIZÍVEIS E MEMÓRIA: A FANTASIA E A ELABORAÇÃO NA EXPERIÊNCIA CLÍNICA Francisco Ramos de Farias 1 Acerca da noção de fantasia A fantasia, os signos de percepção e a memória

Leia mais