PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 618, DE 2004 (Nº 885/2003, na Câmara dos Deputados)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 618, DE 2004 (Nº 885/2003, na Câmara dos Deputados)"

Transcrição

1 Maio de 2004 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Quinta-feira ) De acordo 2) Encaminhe-se o processo ao Departamento de Fiscalização e Outorgas para prosseguimento. São Paulo, 26 de junho de Eduardo Graziano, Delegado. (À Comissão de Educação Decisão terminativa.) PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 618, DE 2004 (Nº 885/2003, na Câmara dos Deputados) Aprova o ato que outorga permissão à Fundação Educacional Unificada do Oeste de Santa Catarina LINOESC, para executar serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada na cidade de Joaçaba, Estado de Santa Catarina. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 1.300, de 16 de julho de 2002, que outorga permissão à Fundação Educacional Unificada Santa Catarina UNOESC para executar, por 10 anos, sem direito da exclusividade, serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada, com fins exclusivamente educativos, na cidade de Joaçaba, Estado de Santa Catarina. Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação. MENSAGEM Nº 735, DE 2002 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do art. 49, inciso XII, combinado com o 3º do art. 223 da Constituição Federal, submeto à apreciação de Vossas Excelências, acompanhadas de Exposições de Motivos do Senhor Ministro de Estado das Comunicações, permissões para executar, pelo prazo de dez anos, sem direito de exclusividade, serviços de radiodifusão sonora em freqüência modulada, com fins exclusivamente educativos, conforme os seguintes atos e entidades: 1 Portaria nº 784, de 15 de maio de 2002 Fundação de Armação dos Búzios, na cidade de Iguaba Grande RJ; 2 Portaria nº 1.297, de 16 de julho de 2002 Fundação Educacional e Cultural Cacondense, na cidade de Caconde SP; 3 Portaria nº 1.298, de 16 de julho de 2002 Fundação Juvenilia Loiola, na cidade de Tauá CE; 4 Portaria nº 1.299, de 16 de julho de 2002 Fundação Mater Dei, na cidade de Vigia PA; 5 Portaria nº 1.300, de 16 de julho de 2002 Fundação Educacional Unificada do Deste de Santa Catarina UNOESC, na cidade de Joaçaba SC; 6 Portaria nº 1.301, de 16 de julho de 2002 Fundação Educativa e Cultural Senhor do Bonfim, na cidade de Iço CE; 7 Portaria nº 1.313, de 16 de julho de 2002 Fundação José Francisco Filho, na cidade de Carnaíba PE; 8 Portaria nº 1.316, de 16 de julho de 2002 Fundação João XXIII, na cidade de Votorantim SP; 9 Portaria nº 1.362, de 26 de julho de 2002 Fundação Exclusiva Educativa, na cidade de Campo Largo PR; e 10 Portaria nº 1.365, de 26 de julho de 2002 Fundação Bento Freire de Sousa, na cidade de Sousa PB. Brasília, 10 de agosto de Marco Maciel. MC nº EM Brasília, 2 de agosto de 2002 Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Encaminho a Vossa Excelência o Processo nº /01, de interesse da Fundação Educacional Unificada do Oeste de Santa Catarina UNO- ESC, objeto de permissão para executar serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada, com fins exclusivamente educativos, na cidade de Joaçaba, Estado de Santa Catarina. 2. De acordo com o art. 13, 1º, do Regulamento dos Serviços de Radiodifusão, aprovado pelo Decreto nº , de 31 de outubro de 1963, com a redação que lhe foi dada pelo Decreto nº 2.108, de 24 de dezembro de 1996, não dependerá de edital a outorga para execução de serviço de radiodifusão com fins exclusivamente educativos. 3. Cumpre ressaltar que o pedido se encontra devidamente instruído, de acordo com a legislação aplicável, demonstrando possuir a entidade as qualificações exigidas para a execução do serviço, o que me levou a outorgar a permissão, nos termos da inclusa Portaria. 4. Esclareço que, nos termos do 3º do art. 223 da Constituição, o ato de outorga somente produzirá efeitos legais após deliberação do Congresso Nacional, para onde solicito seja encaminhado o referido ato, acompanhado do processo que lhe deu origem. Respeitosamente, Juarez Quadros do Nascimento, Ministro de Estado das Comunicações.

2 16140 Quinta-feira 27 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Maio de 2004 PORTARIA Nº 1.300, DE 16 DE JULHO DE 2002 O Ministro de Estado das Comunicações, no uso de suas atribuições, considerando o disposto no art. 13, 1º, do Regulamento dos Serviços de Radiodifusão, aprovado pelo Decreto nº , de 31 de outubro de 1963, com a redação que lhe foi dada pelo Decreto nº 2.108, de 24 de dezembro de 19%, e tendo em vista o que consta do Processo nº /01, resolve: Art. 1º Outorgar permissão à Fundação Educacional Unificada do Oeste de Santa Catarina UNOESC, para executar, pelo prazo de dez anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada, com fins exclusivamente educativos, na cidade de Joaçaba, Estado de Santa Catarina. Art. 2º A permissão ora outorgada reger-se-á pelo Código Brasileiro de Telecomunicações, leis subseqüentes, regulamentos e obrigações assumidas pela outorgada. Ar. 3º Este ato somente produzirá efeitos legais após deliberação do Congresso Nacional, nos termos do 3º do art. 223 da Constituição. Ar. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Juarez Quadros do Nascimento. PARECER Nº 184/2002 Referência: Processo nº /01 Interessada: Fundação Educacional Unificada do Oeste de Santa Catarina UNOESC Assunto: Outorga de serviço de radiodifusão. Ementa: Independe de edital a outorga para serviço de radiodifusão com fins exclusivamente educativos. Atendimento das exigências estabelecidas no Regulamento dos Serviços de Radiodifusão e na Portaria Interministerial nº 651/99. Conclusão: Pelo deferimento I Os Fatos A Fundação Educacional Unificada do Oeste de Santa Catarina UNOESC, com sede na cidade de Joaçaba, Estado de Santa Catarina, requer lhe seja outorgada permissão para executar o serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada, com fins exclusivamente educativos, naquela cidade, mediante a utilização do canal 294-E, previsto no Plano Básico de Distribuição de Canais do referido serviço. 2. Trata-se de fundação de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia patrimonial, administrativa e financeira, cujo objetivo principal é promover, mediante concessão ou permissão, programas informativos, culturais e recreativos pela TV e outros meios de comunicação. 3. Para atender aos requisitos estabelecidos pela legislação de radiodifusão, a entidade apresentou toda a documentação pertinente. 4. A escritura pública com o estatuto social da entidade encontra-se devidamente matriculada no Registro Civil de Pessoas Jurídicas, Livro A 4, sob o nº 505, aos 11 dias do mês de novembro de 1981, na cidade de Joaçaba, Santa Catarina, atendendo a todos os requisitos dispostos no Código Civil Brasileiro e na legislação específica de radiodifusão. 5. O cargo de Diretor Presidente, que terá mandato de quatro anos, de acordo o artigo 34 do Estatuto da entidade, está ocupado pelo Sr. Antonio Osvaldo Conci, cabendo a ele a representação ativa e passiva da fundação, nos atos de sua administração. 6. Está previsto também, o cargo de Diretor Vice- Presidente, ocupado pelo Sr. Antônio Adolpho Maresch. II Do Mérito 7. A outorga de permissão, concessão e autorização para executar serviços de radiodifusão sonora e de sons e imagens está admitida na Constituição Federal (art. 21, inciso XII, alínea a). 8. É também a Carta Magna, em seu art. 223, que atribui ao Poder Executivo competência para outorgar concessão, permissão e autorização para o referido serviço, ao tempo em que condiciona a eficácia do correspondente ato à deliberação do Congresso Nacional. 9. O Regulamento dos Serviços de Radiodifusão, aprovado pelo Decreto nº , de 31 de outubro de 1963, em seu art. 13, com a redação que lhe foi dada pelo Decreto nº 2.108, de 24 de dezembro de 1996, publicado no DOU de 26 subseqüente, dispensa a publicação de edital para a outorga de serviço de radiodifusão com fins exclusivamente educativos. Art (...) 1º É dispensável a licitação para outorga para execução de Serviços de Radiodifusão com fins exclusivamente educativos. 10. A documentação instrutória concernente à entidade e aos seus diretores está em ordem. A entidade encaminhou a declaração prevista na Portaria Interministerial nº 651, de 15 de abril de 1999, publicada no DOU de 19 de abril de O deferimento da outorga pretendida não implicará descumprimento dos limites fixados pelo Decreto-lei nº 236/67, quanto aos diretores, conforme

3 Maio de 2004 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Quinta-feira declarações firmadas por eles, juntadas às fls. 71 e 127 dos presentes autos. III Conclusão Estando o processo devidamente instruído, em conformidade com os dispositivos legais que regem os serviços de radiodifusão, concluo pelo deferimento do pedido, sugerindo que os autos sejam encaminhados ao Diretor do Departamento de Outorga de Serviços de Radiodifusão para prosseguimento. Posteriormente à decisão da outorga, o processo deverá ser encaminhado ao Congresso Nacional, onde o ato de outorga será apreciado conforme dispõe a Constituição Federal (art. 223). É o parecer sub censura. Brasília, 7 de junho de Fernando Sampaio Netto, Assessor Jurídico. De acordo. À consideração do Sr. Diretor do Departamento de Outorga de Serviços de Radiodifusão. Brasília, 7 de junho de Anacleto Rodrigues Cordeiro, Coordenador-Geral de Outorga, Substituto. À consideração do Sr. Secretário de Serviços de Radiodifusão. Brasília, 10 de junho de Antônio Carlos de Magalhães Mesquita, Diretor do Departamento de Outorga de Serviços de Radiodifusão. Encaminhem-se os autos à douta Consultoria Jurídica, para prosseguimento. Brasília, 10 de junho de Antônio Carlos Tardeli, Secretário de Serviços de Radiodifusão. (À Comissão de Educação decisão terminativa.) PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 619, DE 2004 (Nº 923/2003, na Câmara dos Deputados) Aprova o ato que autoriza a Prefeitura Municipal de São Carlos a explorar serviço de radiodifusão de sons e imagens na cidade de São Carlos, Estado de São Paulo. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere o Decreto s/nº de 4 de agosto de 2003, que autoriza a Prefeitura Municipal de São Carlos a explorar, por 15 (quinze) anos, sem direito de exclusividade, serviço da radiodifusão de sons e imagens, com fins exclusivamente educativos, na cidade de São Carlos, Estado de São Paulo. Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação. MENSAGEM Nº 401, DE 2003 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do art. 49, inciso XII, combinado com o 3º do art. 223, da Constituição, submeto à apreciação de Vossas Excelências, acompanhado de Exposição de Motivos do Senhor Ministro de Estado das Comunicações, o ato constante do Decreto de 4 de agosto de 2003, que Autoriza a Prefeitura Municipal de São Carlos, Estado de São Paulo, a explorar serviço de radiodifusão de sons e imagens, com fins exclusivamente educativos, e dá outras providências. Brasília, 19 de agosto de _ Luiz Inácio Lula da Silva MC nº 154 EM Brasília, 25 de julho de 2003 Excelentíssimo Senhor Presidente da República, 1. Encaminho a Vossa Excelência o Processo nº /2002, acompanhado de projete de decreto que trata da outorga de autorização à Prefeitura Municipal de São Carlos, Estado de São Paulo para executar serviço de radiodifusão de sons e imagens, com fins exclusivamente educativos. 2. De acordo com o art. 14, 2º do Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967, e como 1º do art. 13 do Regulamento de Serviços de Radiodifusão, aprovado pelo Decreto nº , de 31 de outubro de 1963, com a redação que lhe foi dada pelo Decreto nº 2.108, de 24 de dezembro de 1996, não dependerá de edital a outorga para a execução de serviço de radiodifusão com fins exclusivamente educativos. 3. Cumpre ressaltar que o pedido encontra-se devidamente instruído, de acordo com a legislação aplicável, demonstrando possuir a entidade as qualificações exigidas para a execução do serviço. 4. Esclareço que, nos termos do 3º do art. 223 da Constituição Federal, o ato de outorga somente produzirá efeitos legais após deliberação do Congresso Nacional, para onde solicito seja encaminhado o referido ato, acompanhado do processo correspondente. Respeitosamente, _ Miro Teixeira. DECRETO DE 4 DE AGOSTO DE 2003 Autoriza a Prefeitura Municipal de São Carlos, Estado de São Paulo, a explorar serviço de radiodifusão de sons e imagens, com fins exclusivamente educativos, e dá outras providências. O Presidente da República, no uso das atribuições que lhe conferem os arts. 84, inciso IV, e 223, caput, da Constituição, e tendo em vista o disposto no art. 14, 2º, do Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de

De forma simplificada, os serviços de radiodifusão podem ser classificados da seguinte forma:

De forma simplificada, os serviços de radiodifusão podem ser classificados da seguinte forma: O que são "serviços de radiodifusão"? São os serviços, estabelecidos por legislação própria, que promovem a transmissão de sons (radiodifusão sonora) e de sons e imagens (televisão), a serem direta e livremente

Leia mais

LEI Nº 5.194, DE 24 DEZ 1966

LEI Nº 5.194, DE 24 DEZ 1966 LEI Nº 5.194, DE 24 DEZ 1966 Regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro- Agrônomo, e dá outras providências. O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

REGIMENTO INTERNO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

REGIMENTO INTERNO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Brasília, 2 de janeiro de 2015 - Ano XLVIII - Nº 1 REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (Republicado) SECRETARIA-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Boletim do Tribunal de Contas

Leia mais

Transferências de. Registro de Preços. Perguntas e respostas. Controladoria-Geral da União - CGU Secretaria Federal de Controle Interno

Transferências de. Registro de Preços. Perguntas e respostas. Controladoria-Geral da União - CGU Secretaria Federal de Controle Interno Controladoria-Geral da União - CGU Secretaria Federal de Controle Interno Transferências de Recursos Sistema da União de Registro de Preços Perguntas e respostas Perguntas e respostas Edição revisada -

Leia mais

SOBRE A LEI DO ESTÁGIO

SOBRE A LEI DO ESTÁGIO NOVA CARTILHA ESCLARECEDORA SOBRE A LEI DO ESTÁGIO Ministério do Trabalho e Emprego Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Carlos Lupi Secretário-Executivo André

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PROCESSO DE ESCOLHA EM DATA UNIFICADA DOS MEMBROS DOS CONSELHOS TUTELARES

GUIA DE ORIENTAÇÕES PROCESSO DE ESCOLHA EM DATA UNIFICADA DOS MEMBROS DOS CONSELHOS TUTELARES GUIA DE ORIENTAÇÕES PROCESSO DE ESCOLHA EM DATA UNIFICADA DOS MEMBROS DOS CONSELHOS TUTELARES Brasília - 2015 Secretaria de Direitos Humanos GUIA DE ORIENTAÇÕES PROCESSO DE ESCOLHA EM DATA UNIFICADA DOS

Leia mais

CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA DO CREA

CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA DO CREA REGIMENTO DO CREA-SE TÍTULO I DO CONSELHO REGIONAL CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º O Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado de Sergipe Crea-SE, é autarquia federal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Câmara dos Deputados D D D I R D D D I R D D D I R D D D I R D D D I R D D D I R D D D I R D D D Regimento dos Deputados Câmara Interno da Brasília 2012 10ª edição REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS DELIBERAÇÃO CEE Nº

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS DELIBERAÇÃO CEE Nº GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS DELIBERAÇÃO CEE Nº 253 /2000 Fixa normas para matrícula de alunos na Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/N o 32 DE 10 DE AGOSTO DE 2006.(*) FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal, art. 205 e 208

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS ESTATUTO E REGIMENTO GERAL DA UFAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS ESTATUTO E REGIMENTO GERAL DA UFAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS ESTATUTO E REGIMENTO GERAL DA UFAL Maceió - Alagoas 2006 CORPO DIRIGENTE DA UFAL Ana Dayse Rezende Dorea Reitora Eurico de Barros Lôbo Filho Vice-reitor João Carlos Cordeiro

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RIO DAS OSTRAS ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DE RIO DAS OSTRAS ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROMULGADA EM 09 DE JUNHO DE 1994 REIMPRESSA, COM A INCLUSÃO DAS EMENDAS. Nº 01/95, 02/95, 03/95, 04/97,05/97, 06/97, 07/97, 08/97, 09/97, 010/98, 011/99, 012/00, 013/00 e 014/01, 015/01, 016/01,017/01,

Leia mais

Como criar uma ONG. A) LEI DO TERCEIRO SETOR: AS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIPs)

Como criar uma ONG. A) LEI DO TERCEIRO SETOR: AS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIPs) Como criar uma ONG Esta publicação foi editada pela Revista IntegrAção - CETS/EAESP/FGV em abril de 2000. Tem como principal fonte de informação o Programa Estadual de Apoio às ONGs PROAONG, da Secretaria

Leia mais

LEI Nº 9.615/98 ATUALIZADA ANOTAÇÕES Paulo M. Schmitt 1. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.615/98 ATUALIZADA ANOTAÇÕES Paulo M. Schmitt 1. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.615/98 ATUALIZADA ANOTAÇÕES Paulo M. Schmitt 1 LEI Nº 9.615, DE 24 DE MARÇO DE 1998. Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o

Leia mais

MANUAL DE REGISTRO SOCIEDADE ANÔNIMA

MANUAL DE REGISTRO SOCIEDADE ANÔNIMA Presidência da República Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração MANUAL DE REGISTRO SOCIEDADE ANÔNIMA Atualizado

Leia mais

S E G U R A N Ç A d o T R A B A L H O

S E G U R A N Ç A d o T R A B A L H O M A N U A L D O E X E R C Í C I O P R O F I S S I O N A L FISCALIZAÇÃO S E G U R A N Ç A d o T R A B A L H O Câmara Especializada de Segurança do Trabalho MANUAL DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL - FISCALIZAÇÃO

Leia mais

Câmara Municipal de Rio das Ostras Estado do Rio de Janeiro

Câmara Municipal de Rio das Ostras Estado do Rio de Janeiro PROMULGADA EM 09 DE JUNHO DE 1994 REIMPRESSA, COM A INCLUSÃO DAS EMENDAS Nº 01/95, 02/95, 03/95, 04/97,05/97, 06/97, 07/97, 08/97, 09/97, 010/98, 011/99, 012/00, 013/00 e 014/01, 015/01, 016/01,017/01,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA Promulgada em 5 de outubro de 1989 Atualizada e acompanhada dos textos integrais das Emendas Constitucionais n s. 1 a 31, bem como dos dispositivos e expressões suspensos

Leia mais

Direito Financeiro é ramo do Direito Público, sendo ramo autônomo, que estuda a atividade financeira do Estado sob o ponto de vista jurídico.

Direito Financeiro é ramo do Direito Público, sendo ramo autônomo, que estuda a atividade financeira do Estado sob o ponto de vista jurídico. 1. Direito Financeiro: Conceito e Objeto Direito Financeiro é ramo do Direito Público, sendo ramo autônomo, que estuda a atividade financeira do Estado sob o ponto de vista jurídico. 1 O objeto do Direito

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO Poder Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Superior do Trabalho REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO Aprovado pela Resolução Administrativa nº 1295/2008, com alterações dos Atos Regimentais

Leia mais

Ministério do Trabalho e Emprego

Ministério do Trabalho e Emprego Manual da Aprendizagem O que é preciso saber para contratar o aprendiz Edição revista e ampliada Presidente da República Dilma Rousseff Ministro do Trabalho e Emprego Carlos Lupi Secretário-Executivo Paulo

Leia mais

MANUAL DE CONDUTAS VEDADAS AOS SERVIDORES PÚBLICOS EM ELEIÇÕES

MANUAL DE CONDUTAS VEDADAS AOS SERVIDORES PÚBLICOS EM ELEIÇÕES MANUAL DE CONDUTAS VEDADAS AOS SERVIDORES PÚBLICOS EM ELEIÇÕES 2 3 I Apresentação II Conceitos Fundamentais II.1. Direitos Políticos Perda e Suspensão dos Direitos Políticos II.2. Elegibilidade e Inelegibilidade

Leia mais

ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS

ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 1º. O Presidente da República, o Presidente do Supremo Tribunal Federal e os membros do Congresso Nacional prestarão o compromisso de manter, defender

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO O atual Regimento Interno do CNE foi instituído por força da Portaria MEC nº 1.306 de 02/09/1999, resultante da homologação do Parecer CNE/CP nº 99, de julho de 1999. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

LEI Nº 4595 DE 31 DE DEZEMBRO DE

LEI Nº 4595 DE 31 DE DEZEMBRO DE LEI Nº 4595 DE 31 DE DEZEMBRO DE 1964 Dispõe sobre a política e as instituições monetárias, bancárias e creditícias, cria o Conselho Monetário Nacional e dá outras providências. CAPÍTULO I DO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

Lei nº 10.931/2004. Um Marco para o Mercado Imobiliário

Lei nº 10.931/2004. Um Marco para o Mercado Imobiliário Lei nº 10.931/2004 Um Marco para o Mercado Imobiliário Lei nº 10.931/2004 Um Marco para o Mercado Imobiliário Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) SCN Qd.1 Bl. E Ed. Central Park 13º Andar

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA DIRETORIA Presidente: Vice-presidente: Secretária Geral: Tesoureiro: Jaldo de Souza Santos Edson Chigueru Taki Lérida Maria dos Santos Vieira Salim Tuma Haber CONSELHEIROS

Leia mais

5680 Diário da República, 1.ª série N.º 163 24 de Agosto de 2007

5680 Diário da República, 1.ª série N.º 163 24 de Agosto de 2007 5680 Diário da República, 1.ª série N.º 163 24 de Agosto de 2007 para agendamento, acompanhadas dos relatórios devidamente fundamentados e dos elementos instrutórios, se os houver. 3 As petições são agendadas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/79/CONSU. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e estatutárias,

RESOLUÇÃO Nº 01/79/CONSU. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 01/79/CONSU Aprova Regimento Geral da Universidade Federal de Sergipe. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Sergipe, no

Leia mais

Constituição do Estado da Bahia

Constituição do Estado da Bahia Constituição do Estado da Bahia Promulgada em 05 de outubro de 1989 Atualizada e acompanhada dos textos das Emendas Constitucionais n os : 01, de 05 de julho de 1990; 02, de 12 de junho de 1991; 03, de

Leia mais