Seminário. Centros Para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Orientação que modelo de funcionamento?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário. Centros Para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Orientação que modelo de funcionamento?"

Transcrição

1 Seminário A Indústria e o Sistema de Educação e Formação: contributos para a Estratégia Europa de março de 2013 Centros Para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Orientação que modelo de funcionamento? Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, IP Departamento de Gestão Integrada de Sistemas de Qualificação Isabel Olivença 1

2 ENQUADRAMENTO A Estratégia Europeia Educação e Formação 2020 recomenda a implementação de políticas articuladas entre os setores da educação, formação e o mercado de trabalho, tendo em vista a construção de uma Europa mais forte e competitiva. As atividades de orientação ao longo da vida são olhadas como um elemento chave de apoio a estas políticas, capacitando as pessoas para responderem a mudanças e desafios, ao desenvolverem competências de gestão da carreira. 2

3 ENQUADRAMENTO O Compromisso para o Crescimento, Competitividade e Emprego (Janeiro 2012, CPCS) prevê o reforço do ensino profissional e da ligação das escolas às empresas para melhorar os níveis de qualificação da população portuguesa e a qualidade da oferta de educação e formação, através de medidas e iniciativas que visem estimular a empregabilidade: Aumento da escolaridade obrigatória para doze anos de escolaridade; Aumento do número de jovens nas vias profissionais do ensino secundário; Parcerias entre escolas, outras entidades formadoras, empresas e autarquias; Criação de um sistema integrado de orientação escolar e profissional. 3

4 CONCEITO A Orientação é um processo contínuo que permite aos cidadãos, de qualquer idade e ao longo de toda a sua vida, identificar as suas capacidades, os seus conhecimentos e os seus interesses, tomar decisões em matéria de educação, de formação e de trabalho e gerir o seu percurso de vida na educação e formação, no trabalho e noutros contextos em que possam adquirir e utilizar as suas capacidades e competências. Deste processo fazem parte atividades como a informação, exploração vocacional, aconselhamento, avaliação diferencial das capacidades, interesses e valores, tutoria, aprendizagem em matéria de tomada de decisão e de capacidade de gestão da carreira, entre outras. (Resolução do Conselho da UE de ) 4

5 OBJETIVOS Investimento eficiente na educação e formação: Aumentar as taxas de conclusão dos estudos e da formação, através de uma melhor adequação entre os interesses e aptidões das pessoas e as oportunidades de aprendizagem. Eficiência relativa ao mercado de trabalho: Elevar as taxas de manutenção de emprego, reduzir o tempo de procura de emprego e de duração do desemprego, promovendo competências de gestão da carreira e a mobilidade geográfica e profissional. Aprendizagem ao longo da vida: Motivar as pessoas para a educação e formação contínuas, ajudando-as a encontrar o seu próprio caminho entre os diversos itinerários de aprendizagem e a identificar as suas competências transferíveis e as aprendizagens decorrentes das experiências de vida. Inclusão social: Apoiar a inserção e reinserção das pessoas nos vários contextos de vida, especialmente aquelas que têm dificuldade em compreender a informação relativa à aprendizagem e em aceder ao mercado de trabalho. (OCDE e CE 2004, Orientação Escolar e Profissional: Guia para Decisores) 5

6 PRINCÍPIOS Centralidade das pessoas: Os serviços de orientação devem respeitar a liberdade de escolha das pessoas, não exercendo qualquer tipo de discriminação baseada no género, idade, origem étnica ou outras, garantindo que todas têm direito à confidencialidade da informação pessoal. O processo de orientação deve capacitar os cidadãos para uma participação ativa e autonomia, assumindo as consequências das suas decisões. Melhoria do acesso: A orientação deve ser prestada ao longo do percurso de vida das pessoas, abrangendo vários contextos, de forma acessível e próxima, utilizando-se métodos de abordagem adequados e que satisfaçam as suas necessidades quando procuram os serviços. Garantia de qualidade: Os serviços de orientação devem ter uma cultura de aperfeiçoamento contínuo, que implica estratégias de autoavaliação, o feedback regular dos cidadãos e a formação contínua aos profissionais que prestam os serviços. (OCDE e CE 2004, Orientação Escolar e Profissional: Guia para Decisores) 6

7 AGÊNCIA NACIONAL PARA A QUALIFICAÇÃO E O ENSINO PROFISSIONAL MISSÃO ( ) Coordenar a execução das políticas de educação e formação profissional de jovens e adultos e assegurar o desenvolvimento e a gestão do sistema de reconhecimento, validação e certificação de competências, sob a tutela conjunta dos Ministros da Educação e Ciência e da Economia e do Emprego, em articulação como o membro do Governo responsável pela área da segurança social. ATRIBUIÇÕES Desenvolver e gerir o sistema de reconhecimento, validação e certificação de competências, de âmbito escolar e profissional, assegurando a coordenação da correspondente rede de estruturas ( ); Coordenar, dinamizar e gerir a oferta de educação e formação profissional de dupla certificação destinada a jovens e adultos, bem como a rede de entidades responsáveis pela aplicação dos correspondentes dispositivos de informação e orientação ( ). (Decreto-Lei n.º 36/2012, de 15 de fevereiro) 7

8 DESAFIOS Atingir os objetivos e respeitar os princípios das políticas de educação, formação e emprego, contribuindo para um equilíbrio entre a oferta e a procura de formação e de emprego e a redução das taxas de abandono precoce. Disponibilizar uma informação clara, acessível, adequada e atualizada das ofertas de educação, formação disponíveis. Promover a procura de informação sobre a organização e funcionamento dos mercados de emprego, dispositivos e condições de mobilidade. Apoiar jovens e adultos nas fases de mudança, transição e nas tomadas de decisão. Ajudar jovens e adultos na identificação das características pessoais que contribuem para uma eficaz gestão da carreira. Apoiar a integração escolar, profissional e social de pessoas em situação de desfavorecimento. 8

9 SERVIÇOS DE ORIENTAÇÃO Em Portugal, como noutros países, não existe um sistema integrado de orientação e os serviços de orientação disponíveis atuam de forma segmentada, dirigindo-se a públicos específicos e em diversos contextos. Além dos serviços de orientação de âmbito privado ou que ocorrem por iniciativa de instituições autárquicas ou de ensino superior, estão regulamentados outros subsistemas de orientação. Um outro desafio promover o desenvolvimento de prestação de serviços de orientação de forma articulada com outras estruturas de orientação 9

10 SERVIÇOS DE ORIENTAÇÃO Serviços de Psicologia e Orientação (SPO) Destinados a jovens que frequentam escolas do ensino básico e secundário (MEC); São estruturas especializadas instaladas em escolas; Intervêm de forma sistémica, não só no âmbito da orientação escolar e profissional, mas em áreas de dificuldade que possam surgir no processo de ensino e aprendizagem, facilitando o desenvolvimento pessoal e social dos alunos e a construção do seu projeto de vida; Atuam em estreita articulação com os outros serviços da escola e da comunidade, nomeadamente com a educação especial, a ação social escolar, os centros de emprego e a educação para a saúde. 10

11 Serviço Público de Emprego SERVIÇOS DE ORIENTAÇÃO Visa promover a informação, a orientação, a qualificação e a reabilitação profissional, com vista à colocação dos trabalhadores no mercado de trabalho e à sua progressão profissional; Os serviços de orientação são prestados nos Centros de Emprego, Centros de Formação Profissional e Gabinetes de Inserção Profissional (IEFP MEE), privilegiando a articulação com outros serviços de orientação ; Destinados a jovens e adultos que procuram formação e emprego; A intervenção centra-se: - Na capacitação dos desempregados para encontrarem futuras situações de transição; - Dirige-se aos ativos empregados na identificação e valorização das competências adquiridas; - A todos os que se encontram em risco de desemprego, apoiando a sua reconversão profissional. 11

12 SERVIÇOS DE ORIENTAÇÃO Os Centros Para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) para além de desenvolverem os processos de RVCC, asseguram a prestação de serviços de orientação a jovens e adultos que procurem uma formação ou que visem uma integração qualificada no mercado de trabalho. Jovens com idade igual ou superior a 15 anos ou a frequentar o 9º ano de escolaridade. Articulação com outros serviços de orientação. Compete também ao Técnico de Orientação, Reconhecimento e Validação de Competências desenvolver as etapas de Acolhimento, Diagnóstico, Informação e Orientação, Encaminhamento e Monitorização. 12

13 MONITORIZAÇÃO aferir o cumprimento ou o desvio das trajetórias assumidas, acompanhando os resultados das aprendizagens e o nível de sucesso da (re)inserção no mercado de emprego (follow-up). ACOLHIMENTO inscrição no CQEP e esclarecimento sobre o âmbito da intervenção. DIAGNÓSTICO elaboração do perfil vocacional através da análise do percurso escolar, profissional, experiência de vida, motivações, necessidades, expectativas, com recurso a entrevista, questionário, testes de diagnóstico, ENCAMINHAMENTO com base em todo o processo de orientação, incluindo a tomada de decisão, implicar o jovem ou o adulto nas opções que pretende efetuar. INFORMAÇÃO E ORIENTAÇÃO ajudar a construir uma ideia clara sobre ofertas de educação e formação, mundo do trabalho e mercado de emprego para apoiar a construção de projetos individuais de qualificação e emprego com sentido na sua vida (materiais escritos, multimédia, online, feiras, fóruns, balanço de competências, ). 13

14 O destino constrói-se no dia-a-dia, quando estamos atentos e abertos a encarar as circunstâncias como oportunidades. O destino não é apenas uma questão de sorte e de conhecimentos, é também uma questão de atitude perante o presente e o futuro. O destino prepara-se todos os dias ao longo da vida, aproveitando as oportunidades que vão surgindo ou criando-as. William Bryan 14

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

Deveres do empregador no que respeita à Formação Profissional

Deveres do empregador no que respeita à Formação Profissional Formação Profissional O QUE DIZ A LEI Deveres do empregador no que respeita à Formação Profissional Contribuir para a elevação da produtividade e empregabilidade do trabalhador, nomeadamente proporcionando-lhe

Leia mais

Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia Tavira Direcção Regional de Educação do Algarve CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES

Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia Tavira Direcção Regional de Educação do Algarve CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES Regulamento Artigo 1º Definição O Centro Novas Oportunidades é uma estrutura que tem como missão proporcionar a todos os adultos uma oportunidade de qualificação e de certificação, de nível básico ou secundário,

Leia mais

Desafio Portugal 2020: Educação, Qualificação Profissional e Mercado de Trabalho: Impacto na Economia Portuguesa

Desafio Portugal 2020: Educação, Qualificação Profissional e Mercado de Trabalho: Impacto na Economia Portuguesa Desafio Portugal 2020: Educação, Qualificação Profissional e Mercado de Trabalho: Impacto na Economia Portuguesa Auditório da Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes Torres Novas Fundos Europeus 2014-2020

Leia mais

I Simpósio Luso-Alemão sobre a qualificação

I Simpósio Luso-Alemão sobre a qualificação I Simpósio Luso-Alemão sobre a qualificação profissional em Portugal: Oportunidades e desafios SANA Lisboa Hotel A Educação e o Sistema Nacional de Qualificações Gonçalo Xufre Silva Presidente do Conselho

Leia mais

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INDICE 1. OBJECTIVO 2. PORQUÊ A INICIATIVA? 3. PARA OS JOVENS: UMA OPORTUNIDADE NOVA 4. PARA OS ADULTOS:

Leia mais

Novas Oportunidades

Novas Oportunidades Qualificar os Portugueses: Uma Prioridade no Presente e no Futuro Novas Oportunidades 2011-2015 Luís Capucha (luis.capucha@anq.gov.pt) Agência Nacional para a Qualificação, IP Guimarães, 30 de Novembro

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

Enquadramento. RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO, aos países membros UE, de 22/04/2013, relativa ao estabelecimento de uma Garantia para a Juventude

Enquadramento. RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO, aos países membros UE, de 22/04/2013, relativa ao estabelecimento de uma Garantia para a Juventude Enquadramento RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO, aos países membros UE, de 22/04/2013, relativa ao estabelecimento de uma Garantia para a Juventude Resolução do Conselho de Ministros n.º 104/2013 de 31/12 - Plano

Leia mais

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social BASES PARA UM ACORDO DE REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social BASES PARA UM ACORDO DE REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL BASES PARA UM ACORDO DE REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Considerando os Parceiros Sociais e o Governo que: A aposta estratégica na qualificação da população Portuguesa enquanto instrumento crítico para

Leia mais

Conferência Nacional. Qualidade ao Serviço da Educação de Adultos. Revisão por Pares": uma proposta inovadora?

Conferência Nacional. Qualidade ao Serviço da Educação de Adultos. Revisão por Pares: uma proposta inovadora? Conferência Nacional Qualidade ao Serviço da Educação de Adultos Revisão por Pares": uma proposta inovadora? Maria João Alves CECOA 4 de maio 2017 Programa Qualifica Enquadramento Valorização da educação

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

Portugal 2020: Objetivos e Desafios António Dieb

Portugal 2020: Objetivos e Desafios António Dieb Portugal 2020: Objetivos e Desafios 2014-2020 António Dieb Porto, 11 de julho de 2016 Tópicos: 1. Enquadramento Estratégico (EU 2020) 2. Portugal 2020: Objetivos e prioridades 3. Estrutura Operacional

Leia mais

Seminário de apresentação dos resultados do projeto Build Up Skills Foresee. 14 de Fevereiro de 2017

Seminário de apresentação dos resultados do projeto Build Up Skills Foresee. 14 de Fevereiro de 2017 Seminário de apresentação dos resultados do projeto Build Up Skills Foresee 14 de Fevereiro de 2017 Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, I.P ANQEP Instituto público tutelado conjuntamente

Leia mais

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude.

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA PROGRAMA EMPREENDE JOVEM Objetivos Para quem Iniciativas PLATAFORMA EMPREENDEJOVEM MOVE YOUR WAY @ PORTO

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fragoso 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fragoso

Leia mais

Portugal APOIOS COMUNITÁRIOS às entidades da economia social. Versão de 11/jun/2015

Portugal APOIOS COMUNITÁRIOS às entidades da economia social. Versão de 11/jun/2015 Portugal 2020 APOIOS COMUNITÁRIOS às entidades da economia social Versão de 11/jun/2015 1 Regulamento FSE Através da Portaria nº 97-A/2015, de 30 de março, da Presidência do Conselho de Ministros e Ministério

Leia mais

INSCRIÇÕES GABINETE DE INGRESSO:

INSCRIÇÕES GABINETE DE INGRESSO: INSCRIÇÕES GABINETE DE INGRESSO: Rua Central de Gandra, 1317 4585-116 Gandra - Paredes T.: 224 157 100. T: 224 157 171 GPS: 41.183509,-8.445928 Formulário de pré-inscrição em: https://www.cespu.pt/formacao-profissional/cursos-de-aprendizagem/

Leia mais

Transição para a vida pós-escolar: Portaria n.º 201-C/2015

Transição para a vida pós-escolar: Portaria n.º 201-C/2015 João Adelino Matias Lopes dos Santos Transição para a vida pós-escolar: Portaria n.º 201-C/2015 Ciclos de Sábados Porto, 16 de abril de 2016 Índice Enquadramento normativo Fases do processo de transição

Leia mais

Porto, 15 de Julho de 2016

Porto, 15 de Julho de 2016 Porto, 15 de Julho de 2016 Elevar o nível de qualificação da população adulta balanço 2007-2013 A intervenção do QREN com vista à qualificação de adultos consubstanciou-se num investimento sem precedentes

Leia mais

O Sistema Nacional de Qualificações e respetivos instrumentos

O Sistema Nacional de Qualificações e respetivos instrumentos O Sistema Nacional de Qualificações e respetivos instrumentos Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, IP Sandra Lameira 25 de março de 2014 Sistema Nacional de Qualificações Objetivos

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5 A Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS, IP) é um Instituto Público, criado em 2007, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial

Leia mais

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições ISHST - Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Criado em 2004, pelo Decreto-lei n.º 171, de 17 de Julho, o Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (ISHST), I. P., é o organismo

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO 2007-201 Apresentação da Proposta ÍNDICE 1 O PROBLEMA 2 A ESTRATÉGIA 4 PLANO DE FINANCIAMENTO 1 1 O PROBLEMA Taxa de emprego Emprego em média e alta tecnologia

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Planificação Psicologia 11º Ano ANO LETIVO 2014/2015 10º GRUPO B MÓDULO 5- Fatores e Processos de Aprendizagem 1. Aprendizagem

Leia mais

Catálogo Nacional de Qualificações

Catálogo Nacional de Qualificações Catálogo Nacional de Qualificações Sessão de Apresentação...Para uma oferta relevante e certificada 18 de Junho de 2007 INDICE 1. O Catálogo: enquadramento e objectivos 2. O Catálogo hoje 3. O Catálogo

Leia mais

www.algarve.portugal2020.pt Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento CAPACITAR Fundo Social Europeu (FSE) Eixos Prioritários Prioridades de Investimento

Leia mais

Normas para atribuição do prémio Empresa. Inclusiva

Normas para atribuição do prémio Empresa. Inclusiva Normas para atribuição do prémio Empresa Inclusiva Preâmbulo A Educação Inclusiva é reconhecida como um dos principais fatores de desenvolvimento das sociedades modernas, prevalecendo a igualdade de oportunidades

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA Plano de Formação do Agrupamento 2015/2018 Índice 1. Nota Introdutória... 3 2. Enquadramento do Plano de Formação... 4 3. Diagnóstico... 6 4. Objetivos Gerais...

Leia mais

DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO

DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO Turismo em Portugal Importância na economia portuguesa. Um setor competitivo e com relevância crescente na economia de Portugal. 11,4Mm Receitas Turísticas (2015, BdP)

Leia mais

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário)

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) Versão de 17 de maio de 2012 1 CARACTERIZAÇÃO DO CICLO DE ESTUDOS A.1. Instituição

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) 1 Índice I Disposições Legais...3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

Criando Conhecimento e Desenvolvendo Competências ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL

Criando Conhecimento e Desenvolvendo Competências ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL Criando Conhecimento e Desenvolvendo Competências ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL Plano de Trabalho 2013 PALAVRA DO PRESIDENTE Desde 2007, os municípios de Santa Catarina contam com a Escola de Gestão

Leia mais

AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA

AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA Aumentar a liquidez / crédito Política monetária Normalização sistema financeiro Expandir a procura Apoiar o emprego Investimento público Investimento privado Políticas

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

Seminário Financiamento Europeu para Artistas Teatro Nacional D. Maria II

Seminário Financiamento Europeu para Artistas Teatro Nacional D. Maria II Seminário Financiamento Europeu para Artistas Teatro Nacional D. Maria II 27.06.2016 POCH 1 www.poch.portugal2020.pt Estratégia Europa 2020 POCH 2 www.poch.portugal2020.pt Convergência e Regiões de Intervenção

Leia mais

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana 3ª Reunião do GAL Alcabideche, DNA Cascais 07 de julho de 2015 ORDEM DE TRABALHOS Ponto de situação sobre

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 45/XIII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 45/XIII. Exposição de Motivos Exposição de Motivos A livre circulação de trabalhadores é uma liberdade fundamental dos cidadãos da União Europeia (UE) e assume um relevo determinante para o desenvolvimento de um verdadeiro mercado

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE AS CONDICIONANTES DA POLÍTICA ECONÓMICA (mercado de trabalho e educação)

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE AS CONDICIONANTES DA POLÍTICA ECONÓMICA (mercado de trabalho e educação) MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE AS CONDICIONANTES DA POLÍTICA ECONÓMICA (mercado de trabalho e educação) I Mercado de trabalho Objetivos: Rever o sistema de prestações de desemprego com o objetivo de reduzir

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DO PNAC 2020/2030

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DO PNAC 2020/2030 Programa Nacional para as Alterações Climáticas (PNAC2020/2030) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DO PNAC 2020/2030 O Programa

Leia mais

REFERENCIAIS PARA OS SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR (Versão de outubro de 2016, adaptada aos ESG 2015)

REFERENCIAIS PARA OS SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR (Versão de outubro de 2016, adaptada aos ESG 2015) REFERENCIAIS PARA OS SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR (Versão de outubro de 2016, adaptada aos ESG 2015) Os referenciais a seguir apresentados, formulados

Leia mais

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo!

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! apresentação PORTUGAL 2020 www.in-formacao.com.pt Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! 03-02-2015 FAMALICÃO PORTO IN.03.03.00 1 INTRODUÇÃO O PORTUGAL 2020 é o Acordo de Parceria adotado

Leia mais

Quadro Nacional de Qualificações: O foco nos resultados de aprendizagem

Quadro Nacional de Qualificações: O foco nos resultados de aprendizagem Quadro Nacional de Qualificações: O foco nos resultados de aprendizagem Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, IP Sandra Lameira 22 de março de 2013 O Quadro Nacional de Qualificações

Leia mais

Proposta de Revisão do Programa

Proposta de Revisão do Programa Proposta de Revisão do 31 Dezembro 2010 Identificação Objectivos: Convergência e Competitividade e do Emprego PROGRAMA OPERACIONAL Período de programação: 2007-2013 Número do programa (CCI): 2007PT05UPO001

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO BÁSICO Regulamento dos Cursos Vocacionais do

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro Comissão Executiva da Especialização em Engenharia de Segurança ORDEM DO 16 de Dezembro, 2015 ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2015-2020 - Por um trabalho seguro, saudável e produtivo

Leia mais

Cursos de Dupla Certificação - A Experiência do Cinform/Cercilei. ESECS - Leiria

Cursos de Dupla Certificação - A Experiência do Cinform/Cercilei. ESECS - Leiria Cursos de Dupla Certificação - A Experiência do Cinform/Cercilei ESECS - Leiria 1 de Abril de 2017 Apresentação será dividida em 3 momentos: 1º - Enquadramento legal e Cronologia 2º - Modalidade de Formação

Leia mais

ANEXO AO MEMORANDO Nº 032/2017-CGPE/CAMPUS PESQUEIRA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2017

ANEXO AO MEMORANDO Nº 032/2017-CGPE/CAMPUS PESQUEIRA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2017 ANEXO AO MEMORANDO Nº 032/2017-CGPE/CAMPUS PESQUEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CAMPUS PESQUEIRA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2017 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS

ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS PROCESSO DE MAPEAMENTO DAS INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS NACIONAIS 9 de agosto de 2016 Página 1 de 6 Índice

Leia mais

O sistema dos Serviços de Emprego na Italia Torino 26 gennaio 2016

O sistema dos Serviços de Emprego na Italia Torino 26 gennaio 2016 O sistema dos Serviços de Emprego na Italia Torino 26 gennaio 2016 1 O sistema dos Serviços de Emprego na Italia 2 Desde a publicação da L. 15 Março 1997, nº 59, que o Governo tem vindo a realizar um processo

Leia mais

O Perfil do Psicólogo na Administração Local

O Perfil do Psicólogo na Administração Local CATEGORIA AUTORIA JANEIRO 15 Perfis do Psicólogo Gabinete de Estudos Técnicos O Perfil do Psicólogo na Administração Local Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O Perfil do Psicólogo

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1.1. IMPLEMENTAR A ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR - Aprimorar ação educativa. Otimizar o desempenho de funções de coordenação. Valorizar a centralidade da escola e do

Leia mais

Responsabilidade Social Interna. Porque queremos ir mais longe, chegando MAIS PERTO

Responsabilidade Social Interna. Porque queremos ir mais longe, chegando MAIS PERTO Porque queremos ir mais longe, chegando MAIS PERTO No Município de Oeiras é entendida como: Um agente facilitador do desenvolvimento socioprofissional dos colaboradores Um Instrumento de Criação de Valor

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. 1. Introdução

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. 1. Introdução Procedimento simplificado para avaliação do desempenho dos docentes em regime de contrato a termo - Ano letivo 2011/2012 1. Introdução O presente documento decorre do referido no nº 5 do artigo 30º do

Leia mais

POCI 2020 PROGRAMA O PERACIONAL

POCI 2020 PROGRAMA O PERACIONAL POCI 2020 PROGRAMA O PERACIONAL PARA A COMP ETITIVIDADE E INTERNACIO NALIZAÇÃO Aveiro, maio de 2014 Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação POCI PROGRAMA OPERACIONAL PARA A COMPETITIVIDADE

Leia mais

REPUBLICAÇÃO DO ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS

REPUBLICAÇÃO DO ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS REPUBLICAÇÃO DO ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS PROCESSO DE MAPEAMENTO DAS INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS NACIONAIS (13 DE OUTUBRO DE 2016)

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

Mais e melhores empregos nos serviços de apoio domiciliário

Mais e melhores empregos nos serviços de apoio domiciliário Mais e melhores empregos nos serviços de apoio domiciliário Robert Anderson Seminário: Apoio domiciliário e trabalho doméstico: perspetivas de emprego 29 de novembro de 2013, Lisboa Panorâmica Os profissionais

Leia mais

ERASMUS+ OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o

ERASMUS+ OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO SEMINÁRIO DESAFIO PORTUGAL 2020 EDUCAÇÃO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO: IMPACTO NA ECONOMIA PORTUGUESA

Leia mais

ALV em PME Um guia de apoio CEPCEP, UCP Parceiro no projeto COPELLL

ALV em PME Um guia de apoio CEPCEP, UCP Parceiro no projeto COPELLL / ALV em PME Um guia de apoio CEPCEP, UCP Parceiro no projeto COPELLL Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação (comunicação) vincula exclusivamente o

Leia mais

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral julho 2015 Introdução O presente Plano de Melhoria insere-se no âmbito do Relatório elaborado pela Equipa de Avaliação Externa da IGEC, em resultado

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização

Quadro de Avaliação e Responsabilização ANO: Ministério da Educação e Ciência Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P. MISSÃO: A FCT tem por missão apoiar, financiar e avaliar o Sistema Nacional de Investigação e Inovação, desenvolver a cooperação

Leia mais

ECOEFICIÊNCIA E COMPETITIVIDADE

ECOEFICIÊNCIA E COMPETITIVIDADE apresentação do projeto ECOEFICIÊNCIA E COMPETITIVIDADE Em relação a barreiras à inovação, as respostas (das empresas ao inquérito) apontam os recursos financeiros como os mais relevantes, o que denota,,

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro (EPE) Aluno. Dados Pessoais. (Esta informação é necessária para posterior recuperação de password) Morada

Ensino Português no Estrangeiro (EPE) Aluno. Dados Pessoais. (Esta informação é necessária para posterior recuperação de password) Morada Inscrição para a frequência de cursos de Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Secundário Aluno Dados Pessoais Nome completo*: Nacionalidade: Data de nascimento (dia/mês/ano): Local de nascimento: Doc.

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro Programa EaSI É um instrumento de financiamento, a nível europeu, gerido diretamente pela Comissão Europeia, para apoiar o emprego, a política social e a mobilidade profissional em toda a UE Visa contribuir

Leia mais

A resposta do Sistema Nacional de Qualificações na área da segurança e saúde

A resposta do Sistema Nacional de Qualificações na área da segurança e saúde A resposta do Sistema Nacional de Qualificações na área da segurança e saúde Gonçalo Xufre Silva Presidente do Conselho Diretivo da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional 9 de maio

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

DESEMPREGO DE LONGA DURAÇÃO +45 ANOS

DESEMPREGO DE LONGA DURAÇÃO +45 ANOS DESEMPREGO DE LONGA DURAÇÃO +45 ANOS 1 Apresentação de Resultados: Mapa Conceptual Propostas Govint Painel de Comentadores Debate 2 O histórico 3 http://issuu.com/ipav/docs/problemas_sociais_complexos_-_atas_

Leia mais

Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade

Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO INTERNA DA ESCOLA Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade 1 ÍNDICE Constituição da CAI... 3 I. Conceção

Leia mais

COMPROMISSO DOS ASSOCIADOS DA APESPE RH AO CÓDIGO DE CONDUTA DA EUROCIETT PARA O BOM FUNCIONAMENTO DO MERCADO LABORAL EUROPEU

COMPROMISSO DOS ASSOCIADOS DA APESPE RH AO CÓDIGO DE CONDUTA DA EUROCIETT PARA O BOM FUNCIONAMENTO DO MERCADO LABORAL EUROPEU COMPROMISSO DOS ASSOCIADOS DA APESPE RH AO CÓDIGO DE CONDUTA DA EUROCIETT PARA O BOM FUNCIONAMENTO DO MERCADO LABORAL EUROPEU Introdução Os serviços prestados pelas Agências Privadas de Emprego são uma

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE OS MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

PROTOCOLO ENTRE OS MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROTOCOLO ENTRE OS MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Concorrendo para o processo de transformação em curso no Exército Português, decorrente

Leia mais

www.algarve.portugal2020.pt Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento Roteiro Regional CRESC ALGARVE 2020 Fundo Social Europeu (FSE) Eixos Prioritários

Leia mais

Procura de emprego na Europa

Procura de emprego na Europa Procura de emprego na Europa IEFP - EURES VAE IPS Setúbal 27 de setembro, de 2016 Porquê ir para fora? MOTIVAÇÕES Perspetivas de emprego Enriquecimento da carreira profissional Novos horizontes: cultura

Leia mais

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS NO PORTUGAL 2020

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS NO PORTUGAL 2020 OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS NO PORTUGAL 2020 Sessão de apresentação/divulgação Barreiro Vítor Escária 28.01.2015 1. Enquadramento 2. Condições de Elegibilidade e Apoios Máximos 3. Apoio

Leia mais

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento. I Legislação de referência

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento. I Legislação de referência CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento I Legislação de referência Os Cursos de Educação e Formação de Adultos, na Região Autónoma da Madeira, regem-se segundo o seguinte Enquadramento Legal:

Leia mais

REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra

REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra CENTRO 2020 POR EIXOS Eixo 1 Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDEIAS) 7,8% 169 M 2,5% 54 M Eixo 10 Assistência Técnica Eixo 2 Competitividade

Leia mais

Parceria para a formação financeira na Região Norte

Parceria para a formação financeira na Região Norte Parceria para a formação financeira na Região Norte Objetivos da formação financeira Elevar os conhecimentos financeiros da população Contribuir para a melhoria dos comportamentos financeiros Promover

Leia mais

A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO ENSINO BÁSICO

A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO ENSINO BÁSICO A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO ENSINO BÁSICO Comissão Europeia A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO ENSINO BÁSICO PORTUGAL Ano lectivo 2008/09 O ensino básico em Portugal é obrigatório, universal, gratuito e compreende

Leia mais

Iniciativa Novas Oportunidades. Julho de Av. 24 de Julho, nº Lisboa Telf.: Fax:

Iniciativa Novas Oportunidades. Julho de Av. 24 de Julho, nº Lisboa Telf.: Fax: Iniciativa Novas Oportunidades Julho de 2010 1 Índice A. Iniciativa Novas Oportunidades...3 B. A rede nacional de Centros Novas Oportunidades...4 C. Protocolos de cooperação no âmbito da Iniciativa Novas

Leia mais

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei nº 3/2008 de 7 de janeiro Pela 1ª vez: Revisão (final de ciclo) : ESCOLA: Ano Letivo: 1. Identificação do Aluno: Nome: Data de nascimento: / / Ano: Turma: Nível

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017 Psicólogas do Externato Pré-Escolar Vera Almeida 1º Ciclo Vera Almeida 2º Ciclo Manuela Pires 3º Ciclo Irene Cardoso Ensino Secundário

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Gestão e Coordenação da Formação em elearning INTRODUÇÃO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Gestão e Coordenação da Formação em elearning INTRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Coordenação da Formação em elearning INTRODUÇÃO O sistema de certificação das entidades formadoras supervisionado pela Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes Missão do Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes Assegurar a prestação de um serviço público de qualidade na educação, partindo do reconhecimento das condições objectivas do

Leia mais

PLANO GLOBAL DE AVALIAÇÃO Orientações para o acompanhamento da implementação das recomendações das avaliações do Portugal 2020 (follow-up)

PLANO GLOBAL DE AVALIAÇÃO Orientações para o acompanhamento da implementação das recomendações das avaliações do Portugal 2020 (follow-up) PLANO GLOBAL DE AVALIAÇÃO 2014-2020 Orientações para o acompanhamento da implementação das recomendações das avaliações do Portugal 2020 (follow-up) julho 2016 Orientações para o acompanhamento da implementação

Leia mais

I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016

I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016 I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016 O Ministério da Educação e Ciência, através da publicação

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional.

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional. CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Cargo: Vogal do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: Período de 5 anos a contar

Leia mais

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA - ATUALIZADO EM OUTUBRO DE 2016 - TRIÉNIO 2015-2018 Índice I INTRODUÇÃO... 2 II ENQUADRAMENTO ESTRATÉGICO... 2 III IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE MELHORIA... 3 IV PRIORIZAÇÃO DAS

Leia mais

DECRETO-LEI 3/ de Janeiro

DECRETO-LEI 3/ de Janeiro DECRETO-LEI 3/2008 7 de Janeiro ÂMBITO Define os apoios especializados a prestar na Educação Pré-Escolar e nos ensinos básico b e secundário dos sectores públicos, p particular e cooperativo. Princípios

Leia mais

A sua aprendizagem poderá ser reconhecida como conhecimento... Será um ponto de partida e não um ponto de chegada!

A sua aprendizagem poderá ser reconhecida como conhecimento... Será um ponto de partida e não um ponto de chegada! A sua aprendizagem poderá ser reconhecida como conhecimento... Será um ponto de partida e não um ponto de chegada! Iniciativa Novas Oportunidades Objectivos: Elevar o nível de qualificação da população

Leia mais

Despacho Conjunto n.º 198/99, de 3 de Março

Despacho Conjunto n.º 198/99, de 3 de Março Despacho Conjunto n.º 198/99, de 3 de Março O regime jurídico da formação especializada de educadores de infância e de professores dos ensinos básico e secundário foi aprovado pelo Decreto Lei n.º 95/97,

Leia mais

FARTEC-FACULDADE REGIONAL TECMED LTDA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE - NAD. Atendimento Psicopedagógico Faculdade de Tecnologia TECMED

FARTEC-FACULDADE REGIONAL TECMED LTDA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE - NAD. Atendimento Psicopedagógico Faculdade de Tecnologia TECMED FARTEC-FACULDADE REGIONAL TECMED LTDA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE - NAD Atendimento Psicopedagógico Faculdade de Tecnologia TECMED 2016 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE - NAD CAPÍTULO

Leia mais

Apresentação do Programa

Apresentação do Programa Apresentação do Programa A Região Lisboa e Vale do Tejo AML A Estratégia do Programa Operacional Afirmar Lisboa como uma região cosmopolita e competitiva no sistema das regiões europeias, contribuindo

Leia mais

EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE

EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE Programa de Ocupação de Jovens (POJ) Descrição: Programa que proporciona a jovens experiências iniciais de contacto com o mercado de trabalho facilitando o desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO E APOIO

PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO E APOIO PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO E APOIO À QUALIFICAÇÃO DOS PORTUGUESES II Simpósio Luso-Alemão sobre a Educação e Qualificação Profissional Joaquim Bernardo Presidente da Comissão Diretiva do PO CH Lisboa 25

Leia mais