Prensas. Classificação: Quanto ao acionamento:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prensas. Classificação: Quanto ao acionamento:"

Transcrição

1 1 Prensas As prensas são equipamentos utilizados para deformação plástica do material. Apresentam-se com uma infinidade de aplicações e modelos para cada uso específico. Classificação: Quanto ao acionamento: 1 - Manuais: 2 - Mecânicas: - Girabrequim - Excêntricas - Came - Fricção - Cremalheira 3 - Hidráulicas 4 - Pneumáticas Quanto à finalidade: 1 - Dobramento 2 - Corte 3 - Estampagem 4 - Estampagem profunda 5 - Forjamento 6 - Cunhagem Quanto à posição: 1 Horizontais 2 Verticais Quanto a Pressão: 1 Leves até 50 ton 2 Médias de 50 a 500 ton 3 Grande porte acima de 500 ton

2 2 Maior que se tem noticia ton, 30 m de altura, peso 6000 ton. Principais partes de uma prensa Tipos de estruturas utilizadas na fabricação das prensas

3 3 Principais tipos de acionamento das prensas. Os principais tipos de prensas mecânicas utilizadas na industria metalúrgica são, sem sombra de duvidas: a excêntrica, fricção e cames. Possuem grande versatilidade e amplo leque de aplicações. Prensa excêntrica As prensas excêntricas são um aperfeiçoamento das prensas de pistão onde o sistema biela manivela é substituído por um volante que aciona excentricamente o pistão da prensa. As prensas excêntricas apresentam movimentos rápidos e podem ser utilizadas em serviços de grande produção. Entre os serviços mais utilizados para as prensas excêntricas podemos citar: Corte de peças feitas de chapas de aço, cutelaria, cunhagem de moedas, forja de ganchos, anilhas, etc. Sendo as mais usadas, são também as que oferecem maior condições de riscos para acidentes em prensas. São responsáveis por quase 30% de todos os acidentes ocorridos com os diversos tipos de prensas, que por sua vez representam aproximadamente 32% dos acidentes graves investigados em vários tipos de máquinas.

4 4 A maioria das prensas mecânicas, de fato possuem seu movimento e esforço derivado da rotação de um girabrequim ou eixo excêntrico. A rotação deste se dá na parte superior da prensa, sendo que estes ou são colocados da esquerda para direita ou de trás para frente. Um eixo excêntrico necessita maior área nos mancais e para fornecer um curso grande deve possuir um diâmetro grande. Prensa excêntrica de 100 ton Prensa excêntrica de 60 ton. Prensa excêntrica de mecanismo protegido Prensa excêntrica de acionamento lateral

5 5 A altura com o cabeçote recuado é uma dimensão importante da prensa pois limita as alturas do punção e da matriz que podem ser colocadas na prensa (caso de prensa hidráulica) A altura livre de uma prensa mecânica é definida como sendo a distancia da mesa ao pistão quando este está na parte mais baixa da sua posição inferior e uma regulagem pode deixa-lo em uma posição mais alta ainda da posição inferior Prensa de Fricção A prensa acionada por parafuso, tambem chamada prensa de fricção, possue um curso comprido e dá um pequeno impacto na peça, sem porem ser um choque grande como o de um martelo mecânico. A operação de uma prensa de fricção é relativamente lenta A resistência do mecanismo que aciona o pistão é quem determina a capacidade em toneladas da prensa. A velocidade para cada caso depende da condição do metal, das matrizes e da severidade de estampagem.velocidades excessivas provocam ou tendem a encravar o metal na matriz. Muitas vezes não é desejado que a punção encontre a peça acima da metade do curso, a fim de permitir fácil colocação e remoção das peças. Desenho de uma prensa de fricção com sistema de extração da peça.

6 6 Por outro lado, quanto menor for o curso, mais serão os cursos por minuto para uma velocidade de estampagem. Para se conseguir isto, o indicado é trabalhar com o curso o menor possível a fim de se obter a máxima produção. Prensa de fricção de acionamento unilateral Prensa de fricção de 80 ton. Em operações de estampagem de aços de baixa resistência as velocidades recomendadas estão entre 15 a 30 m/min, para alumínio entre 25 a 50 m/min. E para o latão entre 45 a 70 m/min. Tanto as prensas de fricção quanto as prensas excêntricas possuem mecanismos de acionamento que podem ser de embreagem ou de chaveta móvel. O sistema do motor e volante da prensa permanecem em constante movimento de rotação, devendo porém acionar o eixo excêntrico somente quando da necessidade do operador para o movimento de descida da massa da prensa. No mecanismo de chaveta móvel, um eixo possuindo uma chaveta ou parte excêntrica, pode ser acionado mediante uma alavanca, ou outro sistema qualquer de engate transferindo o movimento circular do volante para o eixo excêntrico no caso das prensas excêntricas, ou para as rodas de fricção no caso das prensas a frição. O funcionamento de engate e desengate da chaveta é algo importante durante o projeto ou funcionamento da prensa tendo em vista fatores de segurança da mesma.

7 7 Exemplo de acionamento de prensa por meio de engate com chavetas. No sistema de acionamento por embreagem, um conjunto de discos de embreagem e utilizado para transmitir o torque, quando necessário, do conjunto em movimento para o excêntrico, no caso das prensas excêntricas, ou para as rodas de atrito ou fricção no caso das prensas de fricção. Exemplo de um sistema de embreagem de engate utilizado em prensas.

8 8 Prensa Hidráulica As prensas hidráulicas funcionam mediante o acionamento hidráulico do pistão que movimenta a ferramenta superior da pensa. As prensas hidráulicas são máquinas que revolucionaram a conformação das peças, principalmente as estampadas de grande profundidade. Dependendo da capacidade da prensa, as mesmas podem ter até 8 pistões operando simultaneamente para o funcionamento da prensa. Possuem grandes capacidades de prensagem da peça e podem ser utilizadas desde pequenos valores, como é o caso das prensas manuais de oficinas mecânicas, entre 5 a 20 ton, até as enormes prensas da industria automobilística que chegam a 1600 ou 2000 ton. Pequena prensa manual Prensa hidráulica de 60 ton Prensa hidráulica de 200 ton de 10 ton Prensa para fardo de reciclagem Prensa para processo contínuo de embutimento

9 9 Prensa hidráulica da Jundiaí prensas Prensa de grande superfície para embutimentos Prensa hidráulica de 400 ton Prensa hidráulica de 800 ton

10 10 PROJETO MÁQUINA, RISCO ZERO...NOSSA META! No ano de o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Mogi das Cruzes e Região, destacou-se na luta pela eliminação dos acidentes com mutilação em prensas mecânicas. Dentre as conquistas destacamos: A instalação da CNT - Comissão de Negociação Tripartite sobre Proteção das Prensas, tem a participação das bancadas dos trabalhadores, dos empresários e do governo. Regulada pela portaria nº 50 DRT-SP/MTb. elaborou o Protocolo de Entendimento. A celebração dos primeiros acordos entre o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e empresas metalúrgicas, com o estabelecimento de cronogramas para a obtenção do RISCO ZERO(*) nas operações com prensas mecânicas. O desenvolvimento de comissões de estudo e de normatização, visando as operações em prensas, dentre as quais destacam: - P.P.R.P.S. (**) - Comissão da ABIMAQ/ABNT (***) Entretanto, há um outro evento iniciado em 97, que serviu e está servindo para alimentar todos os eventos citados, uma importante fonte de dados e informações, além de facultar a aproximação dos sindicatos patronais e dos trabalhadores, e assim favorecer a realização dos necessários acordos e convenções. Trata-se do projeto MÁQUINA, RISCO ZERO... NOSSA META!, desenvolvido pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Mogi das Cruzes e Região em convênio com a Fundacentro. * Risco Zero: Sob consenso, no projeto do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Mogi das Cruzes e Região e a Fundacentro, Risco Zero na operação com prensas mecânicas, corresponde à situação onde a mão do trabalhador seja totalmente impedida de atingir a área de prensagem, que é a principal zona de riscos. Tal situação é garantida por sistemas alimentadores (veja sistemas de alimentação). ** PPRPS (Programa de Prevenção de Riscos em Prensas e Similares): Programa elaborado pela iniciativa dos sindicatos patronais e que introduz importantes conceitos de proteção de prensas e similares para a sua operação, manutenção e processos de estamparia. *** Comissão ABIMAQ/ABNT: Patrocinada pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas (ABIMAQ), estuda e elabora norma para subsidiar a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que dispõe sobre proteção em operação com prensas. As novas prensas serão seu principal objetivo (as que estarão sendo fabricadas depois da publicação da NORMA). Portanto, não pode ser aplicada às prensas em operação no parque industrial. PROTOCOLO DE ENTENDIMENTO PARA PROTEÇÃO ADEQUADA EM PRENSAS MECÂNICAS ( resumido ) Acordado pelos integrantes: BANCADA GOVERNAMENTAL (MINISTÉRIO DO TRABALHO, SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, DELEGACIA REGIONAL DO TRABALHO EM SÃO PAULO, FUNDACENTRO - FUNDAÇÃO JORGE DUPRAT FIGUEIREDO DE SEGURANÇA E MEDICINA NO TRABALHO). BANCADA PATRONAL (FIESP - FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO, SINDIFORJA - SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE FORJARIA,

11 11 SINDIPEÇAS -SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE COMPONENTES PARA VEÍCULOS AUTOMOTORES, SINPA - SINDICATO DA INDÚSTRIA DE PARAFUSOS, PORCAS, REBITES E SIMILARES DO ESTADO DE SÃO PAULO, SINDIMAQ - SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS, SIAMFESP - SINDICATO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE METAIS NÃO FERROSOS DO ESTADO DE SÃO PAULO, SINFAVEA - SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE TRATORES, CAMINHÕES, AUTOMÓVEIS E VEÍCULOS SIMILARES, SIEMESP - SINDICATO DA INDÚSTRIA DE ESTAMPARIA DE METAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO). BANCADA DOS TRABALHADORES (SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE SÃO PAULO). Pontos discutidos e condensados entre as partes, até a presente data, os quais serão encaminhados a CTPP - Comissão Tripartite Paritária Permanente, como proposta para inclusão, em anexo, à NR-12: Prensas Mecânicas que operam com partida de função acionada por chaveta, não deverão permitir o ingresso das mãos do trabalhador à zona de prensagem, por meio de, pelo menos, um dos seguintes recursos físicos, a ser incorporados nessas prensas, independente dos movimentos da máquina: Ferramenta fechada; enclausuramento da zona de prensagem, com fresta que permita o ingresso da matéria prima, mas impeça o ingresso da mão humana; mão mecânica ou sistema de automação similar, que impeça o ingresso da mão humana na zona de prensagem; sistema de gaveta, deslizante ou basculante; sistema de alimentação por gravidade e de remoção por ar comprimido ou outro recurso similar; sistema de bandeja rotativa ("tambor de revolver"). Outras prensas ou equipamentos similares, que trabalhem à quente ou a frio, deverão ser controlados por meio do PPRPS - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS EM PRENSAS E SIMILARES. As prensas novas e as em fabricação deverão atender, obrigatoriamente, a NBR /97. As prensas que atenderem a regulamentação ora proposta e em discussão, deverão receber um SELO de adequação.

12 12 Ferramenta fechada Toda parte exposta de acionamento da prensa, assim como a zona de prensagem onde vai a ferramenta e a peça à ser conformada devem estar completamente protegidas. Mecanismo de uma prensa excêntrica Sem proteção Mecanismo de uma prensa com proteção e enclausuramento da zona de prensagem. Enclausuramento da zona de prensagem Trata-se de um dispositivo simples que permite a proteção da área de prensagem da peça, evitando-se a aproximação das mãos do trabalhador por qualquer descuido. Peça simples de proteção Proteção só frontal Proteção total da zona de prensagem.

13 13 Sistema de simulação da mão para colocação da peça Trata-se de um dispositivo bastante simples e que pode ser aplicado para evitar que a mão e braço do operador alcancem a zona de prensagem. Peças componentes Montagem do conjunto Montagem na zona de prensagem Sistema de gaveta basculante Trata-se de um dispositivo bastante simples, que funciona para peças mais regulares e que não nhecessitem de maiores ajustes de posicionamento na área efetiva de prensagem. A tampa basculante pode ser montada de maneira que a sua abertura também seja automatizada em sincronia com o movimento da própria prensa. Peças componentes da gaveta Montagem da gaveta na região de prensagem

14 14 Sistema de alimentação e remoção por gravidade Duas canaletas; uma para alimentação da peça, e outra para a sua retirada são colocadas para alimentação e retirada da peça. Confecção das canaletas de alimentação Posicionamento e proteção da área de montagem Sistema de bandeja rotativa Trata-se de um sistema que pode ser automatizado para trabalhar em sintonia com os movimentos da prensa. Sistema anterior sem proteção Bandeja de alimentação Tela de proteção Montagem na zona de prensagem

15 15 Calandras Calandras são máquinas de rolos cilíndricos que servem para conformar as chapas dando-lhes a forma circular. Dependendo do posicionamento dos rolos e da chapa a calandrar, o formato final da peça pode ser cilíndrico ou cônico. Podem trabalhar com a chapa fria ou a quente e com espessuras que podem alcançar até 4 ou 5 dependendo da capacidade da calandra e se a conformação é fria ou quente. Teoricamente o diâmetro interno mínimo é o diâmetro do rolo da calandra. Existem ainda as calandras que trabalham na posição vertical. Calandra em serviço de peça a quente. Calandragem de grande diâmetro. Esquema de funcionamento das calandras de três e quatro rolos Dobradeiras São máquinas próprias que funcionam na dobragem de chapas de pequenas e médias espessuras. Seu acionamento pode ser excêntrico por intermédio de um volante de massa ou hidráulico. As dobradeiras acionadas hidraulicamente são mais precisas, devido ao acionamento do esforço ser transmitido de uma forma mais continua à peça. Algumas tesouras possuem uma extensão que possibilitam adobra de chapas de até 3 m de largura.

16 16 Exemplos de dobradeiras de chapas Esquema de dobramento de uma chapa em ângulo reto Tesouras Guilhotinas As tesouras guilhotinas permitem o corte de peças compridas, pelo cisalhamento da chapa. Exemplo de tesouras guilhotinas

17 17 Comparação entre o corte por cisalhamento e o corte por tesoura rotativa. Exemplo de conformação à quente em uma prensa Exemplo de estampagem de chapa à frio em uma prensa hidráulica.

18 18 Modernos equipamentos de proteção Trata-se de sistemas automáticos de proteção e guarda de movimentos e áreas que necessitam de segurança. O sistema foto elétrico funciona com um dispositivo de emissão de raios laser e um detector foto sensível acoplado a um comando eletrônico. Proteção contra furtos de peças Proteção frontal de uma dobradeira Proteção de uma prensa hidráulica Proteção de um cabeçote de máquina sensível Proteção de um cabeçote copiador Controle obrigatório das duas mãos.

19 19 Sistema de proteção frontal de uma prensa excêntrica. Sistema de proteção por ultra-som Interruptores de segurança Alguns fabricantes alertam para o não uso desses equipamentos sem uma análise mais detalhada do sistema, principalmente em máquinas que não podem ter seu funcionamento interrompido de imediato.

20 20 PPRPS PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS EM PRENSAS E SIMILARES 1. DISPOSIÇÕES GERAIS : 1.1. CONCEITO : O Programa de Prevenção de Riscos em Prensas e Similares PPRPS, é um planejamento estratégico e seqüencial que visa demonstrar as diversas etapas das medidas de segurança que devem ser implementadas em prensas e equipamentos similares com o objetivo de evitar acidentes do trabalho. Aplicam-se nos estabelecimentos que possuam prensas e equipamentos similares. 2. PRENSAS : Para efeito do PPRPS são considerados os tipos de prensas, abaixo relacionadas, independente de sua capacidade Prensa Mecânica Excêntrica de Engate por Chaveta e similares 2.2. Prensa Hidráulica 2.3. Prensa Mecânica Excêntrica com Freio/Fricção Pneumático 2.4. Prensa de Fricção com Acionamento por Fuso 2.5. Outras prensas não relacionadas acima 3. EQUIPAMENTOS SIMILARES : São aqueles equipamentos com funções similares aos das Prensas, os quais porém recebem denominações diferentes, a saber: 3.1. Martelo de queda 3.2. Martelo pneumático 3.3. Martelete 3.4. Dobradeira 3.5. Rolo laminador e desbobinadeira 3.6. Guilhotina/Tesoura/Cisalhadora e outros afins 3.7. Recalcadora 4. COMPONENTES E SEUS REQUISITOS : São todos os artefatos utilizados em prensas e equipamentos similares que garantam a produção de peças, tais como:

21 Matrizes ou estampos: Blocos de aço que possuem o formato "negativo" da peça, presos nas partes superior e inferior das prensas e equipamentos similares, devem atender os seguintes requisitos de segurança: Ser armazenados em locais próprios e seguros Ser fixados à máquina da forma mais segura possível, sem improvisações Ser dotados de dispositivos fixadores que facilitem a retirada das peças e que não ofereçam riscos adicionais ao operador Ser construídos de tal forma que evitem a projeção de rebarba sobre o operador Calços de Segurança: Os calços de Segurança são considerados dispositivos necessários e obrigatórios e devem atender os seguintes requisitos de Segurança: Devem ser utilizados nas operações de troca, quando aplicável, ajuste e manutenção dos estampos / matrizes Nunca devem ser utilizados com a prensa em funcionamento, para sustentar apenas o peso do pilão Devem ser dotados de Interligação Eletro-mecânica, ou seja, conectados ao comando central da máquina de tal forma que, quando removidos impeçam o funcionamento da mesma Ser pintado na cor amarela Situações onde não seja possível o uso de calço, deverão ser adotadas medidas de segurança alternativas, mediante orientação do coordenador do PPRPS. 5. REQUISITOS BÁSICOS PARA TRABALHOS COM PRENSAS OU SIMILARES: 5.1. As empresas devem valer-se, entre outros, dos seguintes recursos tecnológicos: a) Ferramenta fechada; b) Enclausuramento da zona de prensagem, com fresta que permita apenas o ingresso do material e não da mão humana; c) Mão mecânica; d) Sistema de gaveta; e) Sistema de alimentação por gravidade e de remoção pneumática; f) Sistema de bandeja rotativa (tambor de revólver); g) Transportador de alimentação ou robótica; h) Cortina de luz com auto teste; i) Comando bimanual com simultaneidade e autoteste, que garanta a vida útil do comando.

22 Para as prensas do tipo 2.1., é obrigatória a adoção de pelo menos um dos recursos listados no item 5.1., alíneas "a" a "g", garantindo assim o impedimento físico ao ingresso das mãos do operador na zona de prensagem Os recursos mencionados nas alíneas "h" e "i", somente poderão ser aceitos como complementares Será considerada condição de risco grave e iminente o descumprimento do item Exclusivamente para as atividades de forjamento a morno e a quente, além dos recursos citados no item 5.1., as empresas poderão valer-se de: a. Pinças magnéticas ou mecânicas; b. Tenazes Fica vedada a utilização de dispositivos afasta-mão ou similar Nas prensas dos tipos 2.2. e 2.3. onde houver a necessidade do operador ingressar na zona de prensagem, devem existir, obrigatoriamente, os dispositivos de segurança previstos nas alíneas "h" e "i", do item ESTRUTURA DO PPRPS: O PPRPS deve ter a seguinte estrutura: 6.1. Procedimentos: As empresas devem elaborar o PPRPS e mantê-lo à disposição dos representantes dos trabalhadores na CIPA, onde houver, e das autoridades competentes, norteando que nenhum trabalhador deve executar as suas atividades expondo-se à área de prensagem Toda empresa deve ter um procedimento por escrito, para definir as seqüências lógicas e seguras de todas as atividades relacionadas a prensas e similares Planta baixa e/ou relação com todos os equipamentos, os quais devem ser identificados e descritos individualmente constando: a) Tipo de prensa e/ou equipamento similar; b) Modelo; c) Fabricante; d) Ano de fabricação; e) Capacidade; 6.3. Definição dos Sistemas de Proteção, para cada prensa e/ou equipamento similar, devendo conter seu princípio de funcionamento.

23 A implantação dos Sistemas para cada prensa e ou equipamento similar deve ser acompanhado de cronograma, especificando-se cada etapa e prazo a ser desenvolvida No caso de prensa mecânica por engate com chaveta, caso seja convertida para freio/fricção, a mudança deverá obedecer cronograma conforme menção anterior Para a utilização a frio, as proteções exigidas para impedir o acesso do operador à zona de prensagem deverão estar instalados antes do seu funcionamento O Plano de Manutenção de cada prensa e/ou equipamento similar, deve ser registrado em livro próprio, ficha e ou informatizado As prensas deverão receber um selo de adequação conforme o padrão de segurança exigido, conforme definição O Treinamento para Operadores de Prensas e/ou equipamentos similares, deve obedecer ao seguinte Currículo Básico: a) tipos de prensa e/ou equipamento similar; b) princípio de funcionamento; c) sistemas de proteção; d) possibilidades de falhas dos equipamentos; e) responsabilidade do operador; f) responsabilidade da chefia imediata; g) riscos na movimentação e troca dos estampos e matrizes; h) calços de proteção; i) outros O treinamento para movimentação e troca dos estampos e matrizes deve conter: a) tipos de estampos e matrizes; b) movimentação/transporte; c) responsabilidades na supervisão e operação de troca dos estampos e matrizes; d) meios de fixá-los à máquina; e) calços de segurança; f) lista de checagem (check-list) de montagem; g) outros O treinamento previsto no item 6.5 terá validade de 01 ano, devendo os operadores de prensas e/ou equipamentos similares, passarem por reciclagem após este período.

24 24 7. RESPONSABILIDADES: 7.1. O responsável pelo PPRPS é a pessoa jurídica, por intermédio do representante designado, comprometendo-se com as medidas previstas e nos prazos estabelecidos O PPRPS deverá ser coordenado por um Engenheiro de Segurança do Trabalho Nas empresas onde o SESMT não comportar Engenheiro de Segurança do Trabalho no seu dimensionamento, o PPRPS será coordenado por Técnico de Segurança do Trabalho Nas Empresas onde não há o SESMT o programa deve ser coordenado por Engenheiro de Segurança do Trabalho, documentado conforme legislação vigente A montagem dos estampos ou matrizes é considerada momento crítico sob o ponto de vista de segurança, portando todos os recursos humanos e materiais devem ser direcionados para o controle dos riscos de acidentes O responsável pela supervisão da operação de troca de estampos e matrizes deve acompanhar as etapas de montagem e somente após certificar-se de que todas foram cumpridas, conforme procedimento específico, liberar a máquina para operação. 8. NORMAS GERAIS: 8.1. As prensas mecânicas excêntricas com freio/fricção pneumático devem dispor de válvula de segurança que impeça o seu acionamento acidental A rede de ar comprimido de alimentação de prensas (freio/fricção), deve ter um sistema que garanta a eficiência das válvulas de segurança Quando a movimentação das prensas for realizada por intermédio de pedais, na realização de trabalhos de conformação a quente e uso de tenaz para segurar a peça, os pedais deverão ser montados, obrigatoriamente, no interior de uma proteção tipo caixa; 8.3. As grandes prensas devem possuir plataformas e/ou escadas de acesso com guarda-corpos com dimensões tais que impeçam a passagem do corpo de uma pessoa, permitindo assim a plena segurança na manutenção As prensas de fricção com acionamento por fuso devem ter proteção nos volantes, horizontais, verticais, braços e cintas.

25 As prensas mecânicas excêntricas de engate por chaveta devem ter proteção na biela Os martelos pneumáticos devem conter as seguintes proteções: a) O parafuso central da cabeça do amortecedor ser preso com cabo de aço; b) O mangote de entrada de ar, deve possuir proteção que impeça sua projeção em caso de ruptura; c) Todos os prisioneiros (inferior e superior) devem ser travados com cabo de aço, para evitar a projeção As Guilhotinas ou Tesouras devem possuir grades de proteção fixas ou móveis, para impedir o ingresso das mãos do operador, na zona de corte As proteções móveis, devem ser dotadas de dispositivos eletromecânicos para, quando estiverem abertos ou forem removidos, impedir o funcionamento da máquina As Dobradeiras, Laminadoras, Recalcadoras e Equipamentos Similares devem dispor de sistemas de proteção, para impedir o contato do operador com a zona de operação. 8.9.Os fabricantes de prensas e similares se comprometem a fazer figurar do manual de instrução de operação, o texto completo do PPRPS. 9 - PRAZO: Ficam definidos os prazos de implantação, aqueles definidos nos cronogramas de metas, parte integrante e complementar deste PPRPS.

ANEXO II PPRPS - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS EM PRENSAS E SIMILARES

ANEXO II PPRPS - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS EM PRENSAS E SIMILARES ANEXO II PPRPS - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS EM PRENSAS E SIMILARES Conceito e aplicação 1. O Programa de Prevenção de Riscos em Prensas e Equipamentos Similares é um planejamento estratégico e seqüencial

Leia mais

NR-12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ANEXO VIII PRENSAS E SIMILARES

NR-12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ANEXO VIII PRENSAS E SIMILARES NR-12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ANEXO VIII PRENSAS E SIMILARES 1. Prensas são máquinas utilizadas na conformação e corte de materiais diversos, nas quais o movimento do martelo

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP SINDICATOS DE EMPREGADORES

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP SINDICATOS DE EMPREGADORES CONVENÇÃO COLETIVA DE MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO EM PRENSAS E EQUIPAMENTOS SIMILARES, INJETORAS DE PLÁSTICO E TRATAMENTO GALVÂNICO DE SUPERFÍCIES NAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS NO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

ANEXO VIII PRENSAS E SIMILARES

ANEXO VIII PRENSAS E SIMILARES Nome da entidade: ANEXO VIII PRENSAS E SIMILARES 1. Prensas são máquinas utilizadas na conformação e corte de materiais diversos, utilizando ferramentas, nas quais o movimento do martelo punção, é proveniente

Leia mais

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES. Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail:

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES. Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail: PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail: Texto Proposto Comentário Nossa Proposta Justificativa Técnica Dobradeiras

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FIERGS

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FIERGS FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FIERGS Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul Paulo Gilberto Fernandes Tigre Presidente do Sistema FIERGS Conselho de Relações do Trabalho

Leia mais

02 - Empresa ou entidade que representa, cargo que ocupa e há quanto tempo exerce a atividade.

02 - Empresa ou entidade que representa, cargo que ocupa e há quanto tempo exerce a atividade. SEGURANÇA NO TRABALHO COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS 01 - Nome completo e breve formação acadêmica e profissional. JAQUES SHERIQUE - Engenheiro Mecânico e de Segurança do Trabalho, foi Vice- Presidente do

Leia mais

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário.

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário. Estampagem A estampagem é o processo de fabricação de peças, através do corte ou deformação de chapas em operação de prensagem geralmente a frio. A conformação de chapas é definida como a transição de

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE ARARAQUARA FIA

FACULDADES INTEGRADAS DE ARARAQUARA FIA FACULDADES INTEGRADAS DE ARARAQUARA FIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA NO TRABALHO DISSERTAÇÃO DE CONCLUSÃO DE CURSO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS E PREVENÇÃO DE ACIDENTES EM PRENSAS E

Leia mais

DESIN DESIN. Avaliação do Plano de Desenvolvimento JULHO Produtivo / 2011 Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP

DESIN DESIN. Avaliação do Plano de Desenvolvimento JULHO Produtivo / 2011 Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP Avaliação do Plano de Desenvolvimento JULHO Produtivo / 2011 Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP 1 NOVA NR 12 PORTARIA 197 DE 17.12.2010; CPN ( VIAGEM NO TEMPO); (FAP/ NTEP);

Leia mais

Dobramento. e curvamento

Dobramento. e curvamento Dobramento e curvamento A UU L AL A Nesta aula você vai conhecer um pouco do processo pelo qual são produzidos objetos dobrados de aspecto cilíndrico, cônico ou em forma prismática a partir de chapas de

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NR-12

SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NR-12 SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NR-12 METALÚRGICA MP INTRODUÇÃO Este trabalho tem por objetivo atender as exigências contidas no texto da NR-12 da Port. 3.214/78 Segurança no Trabalho

Leia mais

Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355.

Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355. Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355. Sócio do Grupo Rumo Engenharia www.rumoengenharia.com.br Telefone: (15) 3331-2300 Celular: (15) 9 9742-9819 Diretor da Área de Engenharia

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra A U A UL LA Corte e dobra Introdução Nesta aula, você vai ter uma visão geral de como são os processos de fabricação por conformação, por meio de estampos de corte e dobra. Inicialmente, veremos os princípios

Leia mais

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação descontínua de produtos moldados, por meio de injeção de material

Leia mais

SENAI - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL CARTILHA ORIENTATIVA PARA ADEQUAÇÃO DE EQUIPAMENTOS À NR12

SENAI - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL CARTILHA ORIENTATIVA PARA ADEQUAÇÃO DE EQUIPAMENTOS À NR12 SENAI - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL CARTILHA ORIENTATIVA PARA ADEQUAÇÃO DE EQUIPAMENTOS À NR12 (BALACIM SYCLON AF6) (BALACIM RAPID 28) (PRENSA SOLAS UNIPEG SAFE) 2 Introdução 4 Balancim

Leia mais

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 -

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Informativo 21/2011 NR 12 NOVO ANEXO (XII - EQUIPAMENTOS DE GUINDAR PARA ELEVAÇÃO DE PESSOAS E REALIZAÇÃO DE TRABALHO

Leia mais

INPAME. www.inpame.org.br. Instituto Nacional de Prevenção aos. Fones: (11) 3765 2155 / 3719 1059. Filiado à:

INPAME. www.inpame.org.br. Instituto Nacional de Prevenção aos. Fones: (11) 3765 2155 / 3719 1059. Filiado à: INPAME Instituto Nacional de Prevenção aos Acidentes em Máquinas M e Equipamentos www.inpame.org.br Fones: (11) 3765 2155 / 3719 1059 Filiado à: PROTEÇÃO AO TRABALHO EM MÁQUINAS Palestra realizada em Florianópolis

Leia mais

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA AS VÁRIAS V MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA Forjado Sinterizado Usinado Fundido A diferença estará apenas nos custos e tempos de fabricação? 1 EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES COM O TRATAMENTO TERMOMECÂNICO

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

FELOC ATIBAIA 06-05-2015

FELOC ATIBAIA 06-05-2015 FELOC ATIBAIA 06-05-2015 ANO Desabamento e soterramento Choque Acidentes Fatais Queda na Construção de Civil Queda Município de elevador SP Equipamentos Diversos elétrico operários de objetos 1997 6

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares)

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) Nota Introdutória Este documento é um anexo ao livro Tecnologia Mecânica Tecnologia da Deformação

Leia mais

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO e MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO Trabalho em Altura Uma das principais causas de acidentes de trabalho graves e fatais se deve a eventos envolvendo quedas de trabalhadores de diferentes

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

PRONTA ENTREGA LISTA DE MÁQUINAS. www.hidralmac.com.br 28.07.2015

PRONTA ENTREGA LISTA DE MÁQUINAS. www.hidralmac.com.br 28.07.2015 28.07.2015 LISTA DE MÁQUINAS PRONTA ENTREGA www.hidralmac.com.br Este documento é propriedade intelectual da Hidral-Mac e todos seus direitos são reservados pelas leis de direitos autorais do Brasil. A

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

PALESTRA NR 12: Suas alterações e as mudanças de paradigmas. Eng. Almir Buganza. Grupo Rumo Engenharia 18/11/2014

PALESTRA NR 12: Suas alterações e as mudanças de paradigmas. Eng. Almir Buganza. Grupo Rumo Engenharia 18/11/2014 PALESTRA NR 12: Suas alterações e as mudanças de paradigmas Eng. Almir Buganza Grupo Rumo Engenharia 18/11/2014 Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355. Sócio do Grupo Rumo Engenharia

Leia mais

NR 11 - TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS

NR 11 - TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS NR 11 - TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SIT n.º 56, de 17

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES E OPERAÇÃO. DPE Desmontadora de Pneus Elétrica

MANUAL DE INSTRUÇÕES E OPERAÇÃO. DPE Desmontadora de Pneus Elétrica MANUAL DE INSTRUÇÕES E OPERAÇÃO DPE Desmontadora de Pneus Elétrica 01 - Cabeçote Fixador 02 Garras 03 Bicos de Pato Deslocador 04 Haste Móvel 05 Braço Deslocador 06 Trava da Haste Móvel 07 Mola 08 Bico

Leia mais

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS ELEVADOR A CABO ELEVADOR DE CREMALHEIRA Elevador de cremalheira e pinhão Maior custo compra / aluguel; Maior padrão de segurança;

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR Sumário Andaime Tubular...03 Montagem Especial...04 Acessórios...05 Modos e Pontos de Ancoragem...06 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09

Leia mais

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil.

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil. FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª MarivaldoOliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de prevenção

Leia mais

As tendencias normativas mundiais e a NR12 Fundacentro - SP, Novembro 2015

As tendencias normativas mundiais e a NR12 Fundacentro - SP, Novembro 2015 As tendencias normativas mundiais e a NR12 Fundacentro - SP, Novembro 2015 AFT Aida Cristina Becker Coordenadora Comissão Nacional Tripartite Temática CNTT NR12 http://www.tst.jus.br/legislacao?p_auth=5nbo3ayt&p_

Leia mais

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira.

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira. Conjunto de processos: Corte, Dobramento/curvamento (calandragem), Embutimento (estamp. profunda), Cunhagem, Perfilamento, Repuxamento. Processo a frio, Produto acabado, Matéria prima laminada, Forma volumétrica,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE GUARATINGUETÁ ALEXANDRE OTÁVIO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE GUARATINGUETÁ ALEXANDRE OTÁVIO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE GUARATINGUETÁ ALEXANDRE OTÁVIO ANÁLISE DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR REDUNDÂNCIA E BLOQUEIO DE ENERGIAS CONTRA INCIDENTES EM PRENSAS E EQUIPAMENTOS

Leia mais

SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA

SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA 2 SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA Com um conceito que busca facilidades, desenvolvemos uma plataforma cabinada, compacta e moderna, perfeita para o tipo de aplicação em estrutura de alvenaria. Com

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR LOGO DA EMPRESA EMPRESA: DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: LOCAL DA ATIVIDADE: ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR FOLHA: 01 DE 10. DATA DE EMISSÃO: DATA DE APROVAÇÂO: REVISÃO: HORÁRIO: ASSINATURA DOS ENVOLVIDOS NA

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

Cestas aéreas, cestos acoplados e suspensos devem atender ao anexo XII da NR 12

Cestas aéreas, cestos acoplados e suspensos devem atender ao anexo XII da NR 12 PROTEÇÃO DE MÁQUINAS Novo padrão Cestas aéreas, cestos acoplados e suspensos devem atender ao anexo XII da NR 12 Hélio Domingos R. Carvalho Em dezembro de 2011 o Ministério do Trabalho publicou por meio

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE CONFORMIDADE SEGURANÇA DE MÁQUINAS

RELATÓRIO TÉCNICO DE CONFORMIDADE SEGURANÇA DE MÁQUINAS RELATÓRIO TÉCNICO DE CONFORMIDADE SEGURANÇA DE MÁQUINAS EMPRESA: Jzardo-ME ENDEREÇO: Rua sebastião Ferraz de Campos Junior,210 BAIRRO: Chácara Flora ESPECIFICAÇÃO: Equipamento destina à compactação de

Leia mais

3º ENCONTRO ESTADUAL DE CIPA E SESMT DO SETOR QUÍMICO

3º ENCONTRO ESTADUAL DE CIPA E SESMT DO SETOR QUÍMICO 3º ENCONTRO ESTADUAL DE CIPA E SESMT DO SETOR QUÍMICO PROTEÇÃO DE MÁQUINAS NR 12 ENG. ROBERTO DO VALLE GIULIANO CONVENÇÃO COLETIVA DE 1995 EXEMPLOS DE PROTEÇÕES UNIDADE DE FECHAMENTO Proteção móvel Proteção

Leia mais

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas *

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * 1. Introdução Uma das principais fontes de potência, responsáveis pela alta produção agrícola com significante economia de mão-de-obra, é o trator agrícola.

Leia mais

catálogo de PRodutos

catálogo de PRodutos catálogo de PRodutos Linhas de trabalho Equipamentos como os fabricados pela eixomaq reduzem o esforço físico, tornando a jornada de trabalho muito mais prática e produtiva, além de, na maioria das vezes,

Leia mais

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Características Construtivas Tomada de Força VM Contents Generalidades, página 2 Tomada de força montada na caixa de mudanças, página 2 Tomada de

Leia mais

Sistemas Pneumáticos

Sistemas Pneumáticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Sistemas Pneumáticos Gilson PORCIÚNCULA wp.ufpel.edu.br/porciuncula Estrutura de um circuito Pneumático

Leia mais

DTGHV_20130524. Características e especificações técnicas sujeitas a alterações sem prévio aviso./ Fotos meramente ilustrativas. pág.

DTGHV_20130524. Características e especificações técnicas sujeitas a alterações sem prévio aviso./ Fotos meramente ilustrativas. pág. DT_20130524 GUILHOTINA HIDRÁULICA DE ÂNGULO VARIÁVEL MARCA NEWTON LINHA Características e especificações técnicas sujeitas a alterações sem prévio aviso./ Fotos meramente ilustrativas. pág. 1/5 DT_20130524

Leia mais

Omanual e as principais ferramentas eram o martelo de forja e a bigorna. Neste artigo são

Omanual e as principais ferramentas eram o martelo de forja e a bigorna. Neste artigo são LUCAS BOEIRA MICHELS - lucasboeira@ifsc.edu.br DIEGO RODOLFO SIMÕES DE LIMA - diego.lima@luzerna.ifc.edu.br LÍRIO SCHAEFFER - schaefer@ufrgs.br VILSON GRUBER - vilson.gruber@ufsc.br Uma visão geral sobre

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS TALHAS ELÉTRICAS GUINCHOS DE ALAVANCA TALHAS COM ACIONAMENTO MANUAL 1) NORMAS UTILIZADAS: NBR 10401 e 10402 Especificação: Fixa as condições exigíveis

Leia mais

PTR 13530-P PTR 17530-P

PTR 13530-P PTR 17530-P DESCRITIVO TÉCNICO Linha P -22/02/12 Rev. I PRENSA DOBRADEIRA HIDRÁULICA SINCRONIZADA marca NGP mod. P Especificações Técnicas: Descrição Unid 4020-P 13530-P 17530-P 22030-P 26030-P 32030-P 40040-P Força

Leia mais

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO Página: 1 de 5 ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.15.1 Manter 18.15.1.1 18.15.2 Os andaimes devem ser dimensionados e construídos de modo a suportar, com segurança, as cargas de trabalho a que estarão

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO ADEQUAÇÃO DE PRENSAS COM MECANISMO DE ACIONAMENTO EXCÊNTRICO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA VIGENTES

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO ADEQUAÇÃO DE PRENSAS COM MECANISMO DE ACIONAMENTO EXCÊNTRICO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA VIGENTES CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO ADEQUAÇÃO DE PRENSAS COM MECANISMO DE ACIONAMENTO EXCÊNTRICO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA VIGENTES CURITIBA 2006 FRANCISCO SILVA CEOLIN JOÃO CARLOS PASSONI JUNIOR ADEQUAÇÃO DE PRENSAS

Leia mais

FORJAMENTO FORJAMENTO FORJAMENTO O FORJAMENTO É A TRANSFORMAÇÃO DOS METAIS NUMA FORMA ÚTIL POR PRENSAGEM OU MARTELAGEM

FORJAMENTO FORJAMENTO FORJAMENTO O FORJAMENTO É A TRANSFORMAÇÃO DOS METAIS NUMA FORMA ÚTIL POR PRENSAGEM OU MARTELAGEM FORJAMENTO O FORJAMENTO É A TRANSFORMAÇÃO DOS METAIS NUMA FORMA ÚTIL POR PRENSAGEM OU MARTELAGEM FORJAMENTO Martelo de forjar: aplica golpes de impacto rápidos sobre a superfície do metal (def. camadas

Leia mais

PORTARIA N.º 20, DE 17 DE ABRIL DE 1998

PORTARIA N.º 20, DE 17 DE ABRIL DE 1998 PORTARIA N.º 20, DE 17 DE ABRIL DE 1998 MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe confere o

Leia mais

Capa TN. com Índice. Conheça os produtos TN Faça uma escolha inteligente

Capa TN. com Índice. Conheça os produtos TN Faça uma escolha inteligente Conheça os produtos TN Faça uma escolha inteligente Corrediça Oculta TN Slowmotion Corrediça Telescópica TN H45 Corrediça Telescópica TN H45 Slowmotion Corrediça Telescópica TN MINI H35 Capa TN Corrediça

Leia mais

ATecnopress, fundada em 1987, é hoje. equipamentos para automação de prensas, fornecendo soluções e prestando

ATecnopress, fundada em 1987, é hoje. equipamentos para automação de prensas, fornecendo soluções e prestando Mais Tecnologia para Maior Produtividade ATecnopress, fundada em 1987, é hoje a mais moderna indústria brasileira na fabr icação de equipamentos para automação de prensas, fornecendo soluções e prestando

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse molde é (quase) para sempre Manuais ou mecanizados, de precisão, não importa qual o processo de fundição que tenhamos estudado até agora, todos tinham em comum duas coisas: o fato de que o material

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO Sumário Andaime Fachadeiro...03 Instrução de Montagem...04 Acessórios...06 Modos e Pontos de Ancoragem...07 Dicas Importantes...08 Acesso dos Andaimes...09 Informações

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA 1 INTRODUÇÃO As Furadeiras de Base Magnética Merax caracterizam-se por serem robustas, porém leves e de fácil transporte. Utilizam qualquer tipo de broca, preferencialmente as brocas anulares. Trabalham

Leia mais

TS-300BR. ( TRANSPORTADOR: VOLVO VM 6x4R 260) 4 seções, 10,0 m ~ 32,2 m DIMENSÕES GERAIS

TS-300BR. ( TRANSPORTADOR: VOLVO VM 6x4R 260) 4 seções, 10,0 m ~ 32,2 m DIMENSÕES GERAIS TDB GUINDASTE HIDRÁULICO SOBRE RODAS CATÁLOGO DE ESPECIFICAÇÕES N TS-300BR-1(VM6x4) TS-300BR ( TRANSPORTADOR: VOLVO VM 6x4R 260) DADOS GERAIS CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m LANÇA 4 seções, 10,0

Leia mais

Manual de instruções. Rampa de alinhamento

Manual de instruções. Rampa de alinhamento Manual de instruções Rampa de alinhamento Apresentação Primeiramente queremos lhe dar os parabéns pela escolha de um equipamento com nossa marca. Somos uma empresa instalada no ramo de máquinas para auto

Leia mais

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante Segurança na Operação de Ponte Rolante Material elaborado pelo Professor LUÍS FRANCISCO CASTELETTI Formação: Técnico em Segurança do Trabalho Técnico Mecânico Licenciatura Plena em Pedagogia Pós Graduação

Leia mais

Proposta Empresarial

Proposta Empresarial Proposta Empresarial NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ANEXO V MÁQUINAS PARA PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA 1. Este Anexo estabelece requisitos específicos de segurança para máquinas

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

NR 12 e os Anexos VI e VII:

NR 12 e os Anexos VI e VII: TREINAMENTO FIEMG - 28/02/2013 NR 12 e os Anexos VI e VII: Diagnóstico em Fev/2013 Marcos Ribeiro Botelho Auditor-Fiscal do Trabalho SRTE/MG 31-32706151 Paralelo entre as duas NR-12 Antiga NR-12 NR-12

Leia mais

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 1.Cesto aéreo é um equipamento de trabalho móvel, para trabalho em altura, destinado a transportar um ou mais trabalhadores, para atividades ou acesso em locais de uma obra,

Leia mais

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01)

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01) Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01) 1 - É proibida a utilização de equipamentos de guindar para o transporte de pessoas, em cesto aéreo suspenso, exceto nos casos de operação assistida, nos seguintes

Leia mais

NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Portaria n.º 197, de 17 de dezembro de 2010 17 de outubro 2011 Eng João Baptista Beck Pinto REVISÃO NR-12 Art. 2º Criar a Comissão Nacional Tripartite

Leia mais

CADERNO GERAL DE ESPECIFICAÇÕES DOS MOBILIÁRIOS ITEM 1 MESAS ORGÂNICAS/GAVETEIROS/CONEXÕES/MESA REUNIÃO ITEM 1.1 MR1200 -MESA DE REUNIÃO REDONDA cor ARGILADimensões mínimas: 1200X740 mm Tampo Mesa autoportante

Leia mais

SOLUÇÕES PARA FACHADA. metax.com.br

SOLUÇÕES PARA FACHADA. metax.com.br SOLUÇÕES PARA FACHADA metax.com.br Passarela para pedestres Estes equipamentos são utilizados em locais onde a instalação do andaime fachadeiro obstrui a passagem de via, ou seja, a fachada do prédio não

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AUTOMOBILISMO E KARTING 001 / 2008. VÁLIDA A PARTIR DE 01 de Junho de 2008

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AUTOMOBILISMO E KARTING 001 / 2008. VÁLIDA A PARTIR DE 01 de Junho de 2008 Ficha Técnica Nº FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AUTOMOBILISMO E KARTING FICHA TÉCNICA PARA O FIATUNO 45 S FIRE VÁLIDA A PARTIR DE 01 de Junho de 2008 A) Viatura vista de ¾ frente B) Viatura vista de ¾ trás 1

Leia mais

6. CILINDROS PNEUMÁTICOS

6. CILINDROS PNEUMÁTICOS 6. CILINDROS PNEUMÁTICOS Os cilindros, também conhecidos como atuadores lineares, são elementos pneumáticos de trabalho os quais transformam a energia proveniente do ar comprimido em energia mecânica,

Leia mais

Empilhadeira Tracionária Elétrica LET15

Empilhadeira Tracionária Elétrica LET15 Empilhadeira Tracionária Elétrica LET15 Manual de peças Empilhadeira ÍNDICE 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 Sistema do Comando Conjunto da Tração Sistema da Suspensão - Barra Estabilizadora

Leia mais

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 Conheça o funcionamento, diagnóstico e reparo do ajustador de freio automático, um componente primordial para segurança, aplicado em veículos pesados. Que a

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc.

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc. GRUAS Os modernos Canteiros de Obras se utilizam de GRUAS para reduzirem o número de operários, auxiliar no cumprimento de prazos apertados e viabilizar a implantação de diversos sistemas de pré-moldados

Leia mais

Sistemas para Estacionamento e Vagas de Garagem DUPLIKAR. Projetamos e desenvolvemos inúmeras soluções para estacionamentos.

Sistemas para Estacionamento e Vagas de Garagem DUPLIKAR. Projetamos e desenvolvemos inúmeras soluções para estacionamentos. A Empresa A Duplikar é representante autorizado da marca Engecass, queremos apresentar uma solução caso tenha necessidades de aumentar suas vagas de garagem. A Engecass é uma indústria Brasileira, fabricante

Leia mais

DINÂMICA DE MÁQUINAS

DINÂMICA DE MÁQUINAS DINÂMICA DE MÁQUINAS CAPITULO 2 Momentos de inércia de componentes de máquinas com diferentes geometrias 1. O corpo composto mostrado na figura consiste em uma barra esbelta de 3 kg e uma placa fina de

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

Lista de Peças Máquina de Costura Doméstica

Lista de Peças Máquina de Costura Doméstica Lista de Peças Máquina de Costura Doméstica 00 SINGER DO BRASIL TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Marca registrada da THE SINGER COMPANY LIMITED Impresso no Brasil P/N -00 JUN/0 A B C D E A B C D E A B C D

Leia mais

Dimensão da peça = Dimensão do padrão ± diferença

Dimensão da peça = Dimensão do padrão ± diferença Relógio comparador Um problema Como vocês podem perceber, o programa de qualidade da empresa envolve todo o pessoal. Na busca constante de melhoria, são necessários instrumentos de controle mais sofisticados

Leia mais

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul DETERMINAÇÃO DE CONDIÇÃO DE ACIONAMENTO DE FREIO DE EMERGÊNCIA TIPO "VIGA FLUTUANTE" DE ELEVADOR DE OBRAS EM CASO DE QUEDA DA CABINE SEM RUPTURA DO CABO Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho

Leia mais

ANEXO I DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA E REQUISITOS PARA O USO DE DETECTORES DE PRESENÇA OPTOELETRÔNICOS

ANEXO I DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA E REQUISITOS PARA O USO DE DETECTORES DE PRESENÇA OPTOELETRÔNICOS ANEXO I DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA E REQUISITOS PARA O USO DE DETECTORES DE PRESENÇA OPTOELETRÔNICOS A) Distâncias de segurança para impedir o acesso a zonas de perigo quando utilizada barreira física QUADRO

Leia mais

Relógio comparador. Como vocês podem perceber, o programa de. Um problema. O relógio comparador

Relógio comparador. Como vocês podem perceber, o programa de. Um problema. O relógio comparador A U A UL LA Relógio comparador Um problema Como vocês podem perceber, o programa de qualidade da empresa envolve todo o pessoal. Na busca constante de melhoria, são necessários instrumentos de controle

Leia mais

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 A SECRETÁRIA DE INSPEÇAO DO TRABALHO e o DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe conferem o Decreto n.º

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador DESCRITIVO TÉCNICO Nome Equipamento: Máquina automática para corte de silício 45º e perna central até 400 mm largura Código: MQ-0039-NEP Código Finame: *** Classificação Fiscal: 8462.39.0101 1 Alimentador

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs Robôs e seus Periféricos

Leia mais

LAUDO. ELY GOMES DOS SANTOS Engenheiro de Operação Eletrotécnica Engenheiro de Segurança do Trabalho Técnico em Mecânica

LAUDO. ELY GOMES DOS SANTOS Engenheiro de Operação Eletrotécnica Engenheiro de Segurança do Trabalho Técnico em Mecânica ILUSTRÍSSIMO SENHOR DIRETOR DO AMERICAN PARK LTDA - ME ELY GOMES DOS SANTOS, Engenheiro de Operação modalidade Eletrotécnica, Engenheiro de Segurança do Trabalho e, infra assinado, Responsável Técnico

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO Introdução 03 Descrição da plataforma 04 Instruções de montagem 08 Informações de segurança 12 INTRODUÇÃO O ANDAIME SUSPENSO ELÉTRICO JIRAU é recomendado para trabalhos em altura

Leia mais