CONFECÇÃO DE SINÓTICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONFECÇÃO DE SINÓTICOS"

Transcrição

1 Documento Nº: Título: NORMATIZAÇÃO PARA XOM EF 028 CONFECÇÃO DE SINÓTICOS Especificação Funcional Revisão: Data: Documento Anterior: R01 15/06/2009 NA Elaborado: Setor: Verificado: Setor: Miguel Lima Mendes / Mário H. G. Freitas DOP CONCERT / UFMG / CEMIG DOP Revisado: Setor: Aprovado: Setor: CONCERT / UFMG / CEMIG DOP Sirlene R.R. Magalhães DOP Resp Técnico: Crea: Ass. do emitente: Setor: Petrônio Spyer Prates D Renato A Couto SDT Revisão Data: Resumo da Alteração: Nº Solicitação: NA R01 15/06/09 Revisão inicial Observação: Destino: Projeto: Arquivo: Cemig 802/04 XOMEF028_R01 Cópias impressas controladas devem conter o carimbo DOCUMENTO LIBERADO na cor vermelha. Arquivo: SDTFM008.DOT - Modelo: SDT FM Data: 10/95

2 ESTA PÁGINA É INTENCIONALMENTE EM BRANCO

3 Software SCADA Sistema de Automação do Setor Elétrico Especificação Funcional Normatização para Confecção de Sinóticos Copyright 2009

4 CONCERT / UFMG XOMNI junho/2009 Este documento é de propriedade da CONCERT e UFMG, não podendo ser reproduzido total ou parcialmente, sem a expressa autorização por escrito, ou utilizado para qualquer finalidade diferente daquela para a qual está sendo fornecido. A CONCERT e a UFMG reservam-se o direito de alterar quaisquer informações contidas neste documento sem aviso prévio. UFMG Avenida Antônio Carlos, Belo Horizonte, MG Tel.: +55 (31) Tel: (31) CONCERT Technologies S/A Matriz Rua Haddock Lobo, 846 Cj. 702 Torre Alpha, Jd. Paulista São Paulo SP Tel.: +55 (11) Filial Rua Lauro Jacques, 20 10º pavimento Floresta Belo Horizonte MG Tel.: +55 (31) Fax: +55 (31)

5 SUMÁRIO Página 1 Introdução Objetivo Escopo Documentos de Referência Especificações Documentos de Terceiros Organização do Documento Padrões para Desenhos de Telas Padrões para Desenho de Telas Gerais de Subestação Desenho dos Equipamentos na Tela Geral Desenho das Barras na Tela Geral Caixas de Medição na Tela Geral Padrões para Desenhos de Telas de Vãos Telas de Transformador Telas de Disjuntor Geral Telas de Serviço Auxiliar Telas de Vão de Transferência Telas de Banco de Capacitor Telas de Medições da Subestação Telas de Supervisão das Chaves Seletoras Tamanhos de Textos Tamanhos dos Textos na Tela Geral Tamanhos dos Textos nas Telas de Vão Desenhos de Equipamentos Primários Transformador Capacitor Banco de Capacitores Chaves Bobina de Potência Outros Símbolos Desenho de Quadros, Botões e Títulos Barra de Título Barras de Menu Caixas de Medição Quadros de Indicação Desenhos de Botões Planos de Visualização Informação nos Quadros de Indicação Tela de Vão k (138 kv)

6 6.2 Telas de Transformadores Tela de Disjuntor Geral Tela de Disjuntor Tela de Banco de Capacitores Tela de Serviço Auxiliar Tela de Regulador Tela de Erac Tela de Vão J (69 kv) Tela de Vão H (23 kv) Tela de Vão L (161 kv) Definições Lista de Siglas e Abreviações Lista de Termos e Definições Anexos Telas Gerais Atípicas Exemplo de Diagrama de Operação Lista de Figuras Figura 2-1: Exemplo de sinótico de Tela Geral Figura 2-2: Exemplo de Subestação com religamento especial (esquerda) e com ERAC (direita) Figura 2-3: Exemplo de sinótico de Tela de Vão com ERAC e apenas um equipamento telecomandado Figura 2-4: Exemplo de desenho de etiqueta junto a equipamento telecomandado em uma tela de Vão Figura 2-5: Exemplo de tela de disjuntor geral de 13,8kV Figura 2-6: Exemplo de tela de disjuntor geral com linha subterrânea para transformador Figura 2-7: Exemplo de tela de disjuntor de transferência de 138kV Figura 2-8: Exemplo de sinótico de vão de transformador Figura 2-9: Exemplo de sinótico de vão de disjuntor geral Figura 2-10: Exemplo de sinótico de serviço auxiliar Figura 2-11: Exemplo de sinótico de vão de transferência Figura 2-12: Exemplo de sinótico de banco de capacitores Figura 2-13: Exemplo de tela de Medições Figura 2-14: Exemplo de tela de supervisão de chaves seletoras Figura 5-1: Modelo de barra de título Figura 5-2: Modelo de barra de menu em duas colunas para telas gerais Figura 5-3: Modelo de barra de menu em duas colunas para telas de vão Figura 5-4: Modelo de barra de menu em duas linhas para telas de gerais Figura 5-5: Modelo de barra de menu em duas linhas para telas de vão Figura 5-6: Exemplo de caixa de medição para transformador com comutador de Tap Figura 5-7: Padrão de desenho para caixa de medição de serviço auxiliar Figura 5-8: Padrão de desenho para caixa de sinalização de chave MCI

7 Figura 5-9: Padrão de desenho para caixa de medição de neutro Figura 5-10: Modelo para quadros de indicação Figura 8-1: Botões especiais e menu de seis botões Igarapé Figura 8-2: Botões especiais e barras verticas Governador Valadares Figura 8-3: Linhas de vão na diagonal e menu de dois botões Barreiro Figura 8-4: Barras na diagonal e menu de dois botões BH Centro Figura 8-5: Menu à esquerda e botão de comunicação falha Neves Figura 8-6: Barra de títulos à direita Sabará Figura 8-7: Menu abaixo da barra de títulos, com botões especiais alinhados - Sete Lagoas Figura 8-8: Diagrama de Operação (rotacionado) referente à subestação Barreiro 1 (veja a figura 8-3) Figura 8-9: Detalhe dos transformadores T1 e T2 do DO referente à subestação Barreiro Lista de Tabelas Tabela 2-1: Níveis de tensão, cores relacionadas e identificadores Tabela 2-2: Significados das cores nas etiquetas Tabela 4-1: Símbolos para representação de transformadores e suas identificações na norma IEC Tabela 4-2: Símbolos para representação de Capacitores e suas identificações na norma IEC Tabela 4-3: Símbolos para representação de Bancos de Capacitores e suas identificações na norma IEC Tabela 4-4: Símbolos para representação de chaves e suas identificações na norma IEC Tabela 4-5: Símbolos para representação de Bobinas e suas identificações na norma IEC Tabela 4-6: Símbolos para representação de componentes em um sinótico e suas identificações na norma IEC Tabela 5-1: Desenhos e dimensões de botões especiais Tabela 5-2: Planos de Visualização dos Elementos dos Sinóticos Tabela 6-1: Informações no Quadro de Indicação para telas de vão K Tabela 6-2: Informações no Quadro de Indicação para telas de transformador Tabela 6-3: Informações no Quadro de Indicação para telas de disjuntor geral Tabela 6-4: Informações no Quadro de Indicação para telas de disjuntor Tabela 6-5: Informações no Quadro de Indicação para telas de Banco de Capacitores Tabela 6-6: Informações no Quadro de Indicação para telas de serviço auxiliar Tabela 6-7: Informações no Quadro de Indicação para telas de regulador Tabela 6-8: Informações no Quadro de Indicação para telas de ERAC Tabela 6-9: Informações no Quadro de Indicação para telas de vão J Tabela 6-10: Informações no Quadro de Indicação para telas de vão H Tabela 6-11: Informações no Quadro de Indicação para telas vão L Tabela 7-1: Lista de Siglas e Abreviações Tabela 7-2: Lista de Termos e Definições

8 ESTA PÁGINA É INTENCIONALMENTE EM BRANCO

9 1 Introdução

10 ESTA PÁGINA É INTENCIONALMENTE EM BRANCO

11 Introdução Objetivo O objetivo deste documento é apresentar a normatização para geração de sinóticos para o Sistema xomni, seguindo padrões estéticos já adotados pela CEMIG, além da especificação de novos padrões para sinóticos em etapas que ainda não são padronizadas. A padronização inclui todos os elementos presentes em um sinótico de tela geral, telas de vão, telas de medição e telas de chaves seletoras de posição de uma subestação. Serão abordados os símbolos e seus significados, tabelas e quadros de informações, menus de botões, além de todas as dimensões associadas a estes elementos. 1.2 Escopo O escopo deste documento compreende a normatização para geração de sinóticos de subestações. Esta normatização será base para o desenvolvimento de uma ferramenta, a ser desenvolvida pela CONCERT em parceria com a UFMG, capaz de gerar sinóticos de telas gerais, de vão, de medição e de chaves seletoras de forma automática. Assim, esta padronização define como estas telas devem ser desenhadas, incluindo uma descrição detalhada de todos os símbolos, informações e outros elementos que aparecem nestes sinóticos, a fim de se obter sinóticos de fácil entendimento aos operadores do sistema. 1.3 Documentos de Referência Este documento se baseia nos seguintes documentos de referência Especificações Sirlene Rosália Rolla Magalhães / Concert Technologies: Workstatement Desenvolvimento de Software para Conversão Automática de Diagramas de Operação de Subestações em Quadros Sinóticos e Base de Dados Digitalizada. DOPWS001-08_R00, de 19/05/ Documentos de Terceiros Gerência de Engenharia e Coordenação da Operação EG/SD / CEMIG - Manual de Referência xomni v. 4.0, vol. II - Telas e Dinâmicas, de 01/ OP/EG / CEMIG - Diagrama de Operação Instrução: Simbologia e Regras Básicas para Elaboração, de 31/07/1990. CEMIG - Sistema de Supervisão e Controle EX/SE-0067.

12 Normatização para Confecção de Sinóticos Organização do Documento Este documento está organizado como segue: O Capítulo 1: Introdução Fornece o objetivo, lista os documentos de referência que serviram de base para a confecção e descreve a organização deste documento. O Capítulo 2: Padrões para Desenhos de Telas Apresenta as regras para desenhos em telas gerais e de vão, definindo-se quais elementos devem aparecer nestas telas, qual a dimensão de uma tela, que textos devem aparecer, etc. O Capítulo 3: Tamanhos de Textos Define os tamanhos dos textos que devem aparecer nestas telas e demais informações associadas aos campos de texto presentes nos sinóticos. O Capítulo 4: Desenhos de Equipamentos Primários Define símbolos para equipamentos e a dimensão que estes desenhos devem ocupar na tela. O Capítulo 5: Desenho de Quadros, Botões e Títulos Apresenta os botões e menus que aparecem em telas de sinóticos e suas dimensões. O Capítulo 6: Informação nos Quadros de Indicação Apresenta uma listagem de todos os dados que devem aparecer nos quadros de indicação das telas de vão específicas. O Capítulo 7: Definições Apresenta a lista de termos e definições utilizadas neste documento. O Capítulo 8: Anexo Apresenta exemplos de telas de sinóticos e diagramas de operação da CEMIG.

13 2 Padrões para Desenhos de Telas

14 ESTA PÁGINA É INTENCIONALMENTE EM BRANCO

15 Padrões para Desenhos de Telas 2.1 Entre os principais aspectos que podem ser considerados no desenho de um sinótico estão a representação dos dispositivos presentes, o tamanho ocupado pelos desenhos de cada dispositivo, a posição relativa dos elementos na tela, a ordem padrão para desenho dos dispositivos, as informações que devem aparecer na tela e onde estas devem aparecer, entre outros. Para identificar de forma coerente as necessidades para desenhos de sinóticos, estes foram divididos em classes com características específicas: sinóticos para Telas Gerais de Subestação, Telas de Vão de Subestação, Telas de Medições da Subestação e para telas de Supervisão de Chaves Seletoras da Subestação. As informações e elementos que aparecem nestes tipos de sinóticos serão tratados separadamente. De forma geral são desenhados os barramentos, os equipamentos, linhas de transmissão, caixas de medição e quadros de indicações. As caixas de medição delimitam tabelas de valores medidos por equipamentos em determinados vãos ou em pontos de uma barra. Os quadros de indicações, presentes apenas em telas de vão, mostram informações relativas à proteção e serviços de equipamentos. É de interesse determinar o tamanho relativo que cada símbolo, texto, quadro ou menu ocupa em uma tela. Todos os tamanhos indicados nesta e nas próximas seções referemse a uma tela com margem de tamanho 530 em largura por 335 em altura. 2.1 Padrões para Desenho de Telas Gerais de Subestação As telas gerais no sistema xomni são sinóticos que fornecem uma visão geral de uma subestação (SE). Nesta subseção são apontados alguns aspectos relevantes à geração automática de sinóticos de telas gerais. Estes sinóticos atualmente são gerados a partir do Diagrama de Operação (DO) da subestação. Os DOs contêm toda informação sobre equipamentos relacionados ao sistema elétrico, relés de proteção e medições realizadas na subestação, além de também possuir a informação sobre a disposição dos elementos de uma subestação, sendo estes relacionados ou não ao sistema elétrico. Assim, a forma como uma SE é desenhada em um DO é baseada na forma como os dispositivos da SE estão fisicamente distribuídos. Os sinóticos das SEs não apresentam na tela geral todas as informações presentes no DO. De fato, os únicos elementos presentes nesta tela são os equipamentos relacionados ao sistema elétrico, barras, serviços auxiliares, linhas e algumas medições. As informações de proteção e informações de transformadores serão apresentadas em telas de vão (como será detalhado na seção 2.2 deste documento). Além dos elementos relacionados diretamente à subestação, deverão estar presentes na tela geral a barra de títulos, contendo o logotipo CEMIG seguido pelo nome da SE e pelo texto TELA GERAL, conforme exemplo na Figura 2-1: Exemplo de sinótico de Tela Geral. Deve ser adicionado um menu de botões, preferencialmente no canto superior direito da tela definido conforme modelo mostrado na seção 5 deste documento. Caso botões especiais precisem ser adicionados, estes devem ser

16 Normatização para Confecção de Sinóticos 2.2 preferencialmente colocados imediatamente abaixo da barra de título, alinhados à esquerda Desenho dos Equipamentos na Tela Geral Todos os equipamentos relacionados ao sistema de potência (e não a funções de proteção) devem ser desenhados na tela geral. Os vãos (que contêm os equipamentos) devem ser desenhados conforme ordem definida no diagrama unifilar, interligando duas barras ou a partir de uma barra apenas. Um único vão pode conter vários equipamentos. As linhas verticais ou horizontais internas a um vão devem se desenhadas com espessura fina (valor 0), na cor do nível de tensão. Os símbolos que representam os possíveis equipamentos são mostrados na seção 4 deste documento e suas cores poderão ser: vermelho para chaves fechadas ou equipamentos ligados e verde para chaves abertas ou equipamentos desligados. Um transformador é um equipamento bicolor, onde cada enrolamento deve estar desenhado na cor do nível de tensão do mesmo. A margem (moldura), barra de títulos, medições, botões de navegação, comunicação falha e SE simulada são desenhados preferencialmente na escala 1 na tela geral enquanto os demais símbolos são desenhados preferencialmente na escala 0,5, conforme os tamanhos definidos na seção 4 deste documento. Sempre que possível, deve-se incluir etiquetas ao lado dos equipamentos, disjuntor, religador, chave a óleo, chave a vácuo e chave secionadora que forem telecomandados. As regras para desenho de etiquetas na tela geral seguem as mesmas regras para etiquetas em telas de vão, conforme mostrado na subseção 2.2 deste documento, exceto pela escala, que deve ser preferencialmente 0, Desenho das Barras na Tela Geral As barras (ou barramentos) da SE devem ser desenhadas de forma contínua, mesmo que não estejam assim no DO (facilita a leitura e economiza espaço). Toda a SE deve, preferencialmente, ser representada em um único sinótico, ou seja, não se deve gerar mais de uma tela geral para uma subestação. As barras devem ser desenhadas preferencialmente em posição horizontal, do maior nível de tensão para o menor, seguindo o sentido de cima para baixo. Em um mesmo nível de tensão, a ordem das barras é definida pela ordem de alimentação das mesmas, que deve ser a mesma ordem com que as barras são numeradas. Assim, as barras alimentadas primeiramente pelas linhas de transmissão (LTs) devem ser desenhadas mais acima e já devem ser numeradas na ordem em que vão ser desenhadas na etapa de engenharia. É desejável também que se mantenha a posição relativa dos equipamentos conforme ordem definida no diagrama unifilar, porém isto não é uma restrição. A ordem com que as barras são desenhadas no sinótico nem sempre será idêntica à ordem com que aparecem nos DOs. Além disso, a distribuição dos equipamentos pode ser modificada para se obter toda a parte de alta tensão (138 kv, 69 kv) e média tensão (13,8 kv, 23,1

17 Padrões para Desenhos de Telas 2.3 kv, 34,5 kv) em um único sinótico, organizados conforme ilustrado na Figura 2-1: Exemplo de sinótico de Tela Geral., procurando-se manter o máximo possível de fidelidade ao DO. Se necessário, pode-se também reduzir os tamanhos dos textos identificadores de equipamentos e vãos na tela geral. Figura 2-1: Exemplo de sinótico de Tela Geral. As cores com que as barras são desenhadas variam de acordo com o nível de tensão. Todas as barras horizontais deverão ser desenhadas com espessura grossa (valor 3), na cor equivalente da tensão. A tabela abaixo mostra os níveis e as cores adotadas no xomni. Nível de Tensão Identificador Cor 4,16 kv A Marrom (cor 41) 13,8 kv F Amarelo (cor 39) 23,0 kv H Branco (cor 0) 69,0 kv J Cinza (cor 2) 138 kv K Vermelho (cor 54) 161 kv L Violeta (cor 61) 230 kv M Azul (cor 15) 345 kv P Laranja (cor 52) 500 kv U Verde (cor 35) Tabela 2-1: Níveis de tensão, cores relacionadas e identificadores.

18 Normatização para Confecção de Sinóticos Caixas de Medição na Tela Geral Deverão ser incluídos na tela geral as caixas ou quadros de medição referentes a cada transformador, medições de tensão das barras de alta tensão (AT) e média tensão (MT) disponíveis, LTs e disjuntores de AT (neste caso, somente se houver espaço), sempre ao lado destes. Todas as medições de equipamentos de um único vão devem ser colocadas em uma mesma caixa, que deve estar localizada à direita do desenho do vão na tela, o mais próximo possível a este. As medições dos transformadores estarão nestas mesmas caixas. As caixas de medição de transformadores deverão mostrar as seguintes informações, separadas por linhas: Correntes nas fases Vermelha (Vm), Azul (Az) e Branca (Br). Potência Ativa. Potência Reativa. Outras medições presentes no mesmo vão também devem ser mostradas na mesma caixa. Deve-se sempre mostrar os valores medidos, seguidos da unidade de medida e da cor (Az, Vm ou Br) quando aplicável. Os padrões para desenho destas caixas, incluindo suas possíveis dimensões, são definidos na seção 5 deste documento. Além das caixas de medição, deve-se desenhar também junto a cada vão sua tag identificadora, à esquerda do mesmo. Nomes de transformadores também serão mostrados na tela geral, sempre alinhados e imediatamente à esquerda do desenho dos mesmos, com fonte definida conforme descrito na seção 3 deste documento. Não se coloca referência (nome, descrição) à chave em posição simulada. As chaves que antecedem e sucedem o transformador deverão estar nomeadas, inclusive as que fazem parte do conjunto de linhas subterrâneas. Quando o transformador não possuir medições próprias, mas o Regulador ou Disjuntor Geral de 13,8kV possuírem, estas medições deverão ser colocadas na caixa de medição próxima ao Transformador. As caixas de medição de tensão da barra deverão ser posicionadas junto às mesmas e devem ser posicionadas imediatamente acima da barra. Estas caixas contêm uma única linha que é a medição da tensão da fase azul (exceto quando especificado em contrário) em um determinado ponto da barra seguida da unidade de medida (kv). Em subestações específicas, deve-se incluir as indicações de ERAC e RELIGAMENTO ESPECIAL, além da legenda conforme tela modelo. O ERAC (Esquema Regional de Alivio de Carga) faz o desligamento de circuitos quando há oscilação de potência do sistema elétrico, prevenindo um colapso no sistema. Deve-se observar a mudança de cor nos nomes das linhas, dos alimentadores e dos identificadores dos símbolos. Quando não houver saída para alimentador (no caso dos disjuntores de transferência por exemplo) ou houver disjuntor entre duas barras que tenha ERAC, deve-se colocar as indicações de ERAC junto ao símbolo. Deverá ser incluído o número do estágio logo

19 Padrões para Desenhos de Telas 2.5 acima do texto identificador do disjuntor com a cor deste na cor azul (mesma cor do indicador de ERAC). Figura 2-2: Exemplo de Subestação com religamento especial (esquerda) e com ERAC (direita). 2.2 Padrões para Desenhos de Telas de Vãos Cada tela de vão permite o controle de apenas um de seus equipamentos. Algumas telas são definidas repetidamente, pois as telas de vão devem ser repetidas pelo menos uma vez para cada equipamento controlável presente no mesmo. O que identifica o equipamento sendo controlado em cada uma delas é o título da tela. Se apenas variáveis digitais são definidas em um vão, então este não terá uma tela de sinótico específica. Se apenas um equipamento for telecomandado em um determinado vão, então a tela deste aparecerá uma única vez no sistema. Se em um mesmo vão existem dois equipamentos telecomandados, então esta tela aparecerá duas vezes no sistema. A Figura 2-3: Exemplo de sinótico de Tela de Vão com ERAC e apenas um equipamento telecomandado. ilustra uma tela de vão onde existe apenas um equipamento telecomandado. Neste caso, esta tela aparece uma única vez no sistema. A Figura 2-8: Exemplo de sinótico de vão de transformador. apresenta uma tela de vão onde aparecem dois equipamentos telecomandados: um transformador e um disjuntor geral. Naquela figura, as informações que aparecem no quadro de indicações são referentes ao transformador. A mesma tela é redesenhada posteriormente, porém com o título diferente e com indicações referentes ao disjuntor. Nesta última tela o único equipamento que pode ser comandado é o disjuntor geral, enquanto na tela do transformador apenas o próprio transformador pode ser comandado. Na Figura 2-9: Exemplo de sinótico de vão de disjuntor geral. é mostrado um exemplo de como ficaria o desenho da tela do disjuntor.

20 Normatização para Confecção de Sinóticos 2.6 Figura 2-3: Exemplo de sinótico de Tela de Vão com ERAC e apenas um equipamento telecomandado. O desenho de um vão é normalmente caracterizado pelo desenho das barras as quais este se conecta, uma linha fina interligando os equipamentos do mesmo, quadros de medição das barras, quadros de medição de equipamentos (localizados à esquerda destes) e um quadro de indicações localizado à direita na tela. Nestas telas, os equipamentos devem ser desenhados respeitando as dimensões definidas na seção 4 deste documento, com escala 1.0. As caixas de medições de tensão deverão ser posicionadas junto às barras específicas. Deverá ser colocado um asterisco sobre a identificação de todo equipamento que não possuir ponto físico associado, ou seja, equipamento que não é telecomando e portanto é representado por uma variável digital no xomni. A mensagem relativa deve ser posicionada sob o quadro de indicação: (*) CHAVE COM POSICAO SIMULADA (veja figura acima). O quadro de indicações deverá ser montado à direita da tela e a partir do limite inferior da mesma. Durante a confecção e alinhamento das descrições pertencentes ao mesmo, deve-se procurar manter uma distância uniforme nas laterais, na parte superior e inferior (centralização). Para fins de segurança, é possível associar a cada equipamento telecomandado uma etiqueta indicando o modo de operação do mesmo. Os símbolos das etiquetas deverão ser posicionados junto a todos os equipamentos que possuírem telecomandos associados, de maneira uniforme e alinhada, à esquerda destes, conforme mostrado na figura abaixo. Equipamentos que estiverem sem etiquetas na subestação, também não

21 Padrões para Desenhos de Telas 2.7 possuirão etiquetas nos sinóticos. Porém deve-se sempre deixar espaço para que estas possam ser adicionadas ao desenho futuramente (caso alguma etiqueta venha a ser colocada no equipamento). Figura 2-4: Exemplo de desenho de etiqueta junto a equipamento telecomandado em uma tela de Vão. Etiquetas de diferentes cores identificam diferentes situações possíveis. A Tabela abaixo mostra as possíveis cores de etiquetas a serem utilizadas e seus significados. Cor Vermelha Verde Amarela Branca Significado Trabalho com equipamento fora de serviço Trabalho com equipamento em serviço Etiqueta de Perigo Condição Especial Tabela 2-2: Significados das cores nas etiquetas. Diferentemente das Telas Gerais, todas as chaves e equipamentos deverão ser identificados em telas de vão, inclusive aqueles que são simulados. No canto superior direito da tela deve ser sempre incluído um menu com os botões de navegação para: TELA GERAL Tela geral da subestação SISTEMA ELÉTRICO Painel mímico que representa os sistema elétrico da superintendência DIAGRAMA DE OPERAÇÃO navegação para o Diagrama de Operação AUTOMATISMOS Para telas específicas de automatismos EQUIPAMENTOS Menu que chama a tela de equipamentos do sistema elétrico MEDIÇÕES Medições da subestação (corrente, tensão e potência) COMUNICAÇÕES Comunicação com as subestações do sistema elétrico. A forma como a barra de botões será desenhada pode variar dependendo da necessidade de espaço na tela. Na Figura 2-3: Exemplo de sinótico de Tela de Vão com ERAC e apenas um equipamento telecomandado., por exemplo, estes botões foram desenhados

22 Normatização para Confecção de Sinóticos 2.8 em duas colunas. Em situações onde o quadro de indicações se torna muito grande, pode-se utilizar a barra em duas linhas As possíveis barras de botões para navegação se encontram disponíveis na biblioteca de células e são definidas na seção 5 deste documento. As principais características das telas de vãos foram mostradas aqui. Porém, existem telas de vãos específicas com características especiais. Nas próximas subseções são mostradas algumas destas telas. As telas dos Transformadores, dos Reguladores e dos Disjuntores Gerais de 13,8kV deverão ser idênticas em relação ao layout. Caso a subestação tenha disjuntor geral de 138kV, a tela do transformador deverá conter os dois disjuntores (13,8kV e 138kV). No entanto, a tela do disjuntor geral de 13,8kV deverá conter apenas o transformador e o disjuntor geral de 13,8kV. A figura abaixo ilustra este último caso. Figura 2-5: Exemplo de tela de disjuntor geral de 13,8kV. Na tela dos Disjuntores Gerais de 138kV, os mesmos devem estar sozinhos e com as indicações para os referidos transformadores, a exemplo do que acontece na tela do disjuntor geral de 13,8kV. Caso existam na subestação chaves da alta tensão sem disjuntor, estas deverão ser incluídas nesta tela. No entanto, os pontos referentes a tais chaves deverão estar presentes no quadro de indicação da tela do transformador. O título das telas de disjuntores de 13,8kV e de 138kV será DISJUNTOR GERAL. As secionadoras antes dos transformadores terão etiquetas se possuírem saídas digitais correspondentes. Estes pontos deverão fazer parte tanto do quadro de indicação do disjuntor geral (caso exista) quanto do próprio transformador.

23 Padrões para Desenhos de Telas 2.9 Quando do Disjuntor Geral de 13,8kV saírem linhas subterrâneas para autotransformadores, na tela do disjuntor geral de 13,8kV e do seu transformador deverão existir indicações referindo-se a estes autotransformadores, sem as chaves que antecedem o cabo mufla. O cabo mufla é aquele que faz a ligação subterrânea entre o transformador e o disjuntor. A figura abaixo ilustra esta situação. Figura 2-6: Exemplo de tela de disjuntor geral com linha subterrânea para transformador. Caso haja disjuntor de transferência na barra de 138kV, será criada uma tela específica para o mesmo (veja Figura 2-7: Exemplo de tela de disjuntor de transferência de 138kV.). Existindo secionadoras de transferência de barras, com os transformadores finalizando na barra, elas farão parte do vão de transferência e seus pontos deverão estar no quadro de indicações deste vão. Caso o transformador finalize entre as secionadoras, as mesmas farão parte da tela deste transformador, inclusive seus pontos.

24 Normatização para Confecção de Sinóticos 2.10 Figura 2-7: Exemplo de tela de disjuntor de transferência de 138kV Telas de Transformador Figura 2-8: Exemplo de sinótico de vão de transformador.

25 Padrões para Desenhos de Telas 2.11 As telas de transformadores devem conter algumas informações adicionais em relação às telas de outros vãos. Nestas telas deve-se incluir uma caixa de medição referente ao secundário do transformador, incluir os dados técnicos do transformador no sinótico (à direita deste e fora de caixa) e deve-se incluir a sinalização da chave MCI referente ao transformador, conforme exemplo da Figura 2-8: Exemplo de sinótico de vão de transformador. Esta sinalização deve ser posicionada exatamente acima da caixa de medição do transformador Telas de Disjuntor Geral As telas de disjuntores gerais são idênticas às dos respectivos transformadores, com exceção do quadro de indicações e barra de título. A descrição do Transformador deve estar presente somente na tela do mesmo. A caixa de medição (do Transformador ou do Disjuntor Geral) deve estar próxima ao símbolo do Transformador, tanto na tela do Transformador quanto na tela do Disjuntor Geral. Figura 2-9: Exemplo de sinótico de vão de disjuntor geral. As telas de reguladores de tensão do transformador são idênticas às dos respectivos transformadores, com exceção do quadro de indicações e barra de título. A descrição do regulador deve estar próxima ao regulador e a do transformador próxima ao transformador.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS Tutorial de Teste. Objetivo: Teste da curva do elemento de sobrecarga

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS Tutorial de Teste. Objetivo: Teste da curva do elemento de sobrecarga Tutorial de Teste Tipo de Equipamento: Relé de Proteção Marca: ABB Modelo: SPAM 150 C Funções: 49 ou PTTR - Sobrecarga Térmica Ferramenta Utilizada: CE-6003 & CE-6006 Objetivo: Teste da curva do elemento

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO MODO FAIL

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO MODO FAIL CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO Os módulos da linha TOTALSAFE PRO foram desenvolvidos para agregar além de conforto, segurança total na automação dos vidros elétricos. Essa linha de produtos oferece

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER

AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER Este case apresenta a aplicação da solução Elipse Power para controlar a subestação da Usina Termelétrica de Linhares,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO ALÍVIO DE PRESSÃO INTERNA

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO ALÍVIO DE PRESSÃO INTERNA CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO Os módulos da linha TOTALSAFE PRO foram desenvolvidos para agregar além de conforto, segurança total na automação dos vidros elétricos. Essa linha de produtos oferece

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO ALÍVIO DE PRESSÃO INTERNA

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO ALÍVIO DE PRESSÃO INTERNA CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO Os módulos da linha TOTALSAFE PRO foram desenvolvidos para agregar além de conforto, segurança total na automação dos vidros elétricos. Essa linha de produtos oferece

Leia mais

REQUISITOS DE COMISSIONAMENTO. O Programa de Atuações deverá conter no mínimo as seguintes verificações, onde aplicável:

REQUISITOS DE COMISSIONAMENTO. O Programa de Atuações deverá conter no mínimo as seguintes verificações, onde aplicável: REQUISITOS DE COMISSIONAMENTO Deverá ser elaborado um Programa de Atuações para o comissionamento das subestações que será aprovado pela Cemig. O Programa de Atuações deverá conter no mínimo as seguintes

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Nr Denominação 1 Elemento Principal 2 Relé de partida ou fechamento temporizado 3 Relé de verificação ou interbloqueio 4 Contator principal 5 Dispositivo de interrupção 6 Disjuntor de partida 7 Relé de

Leia mais

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC.

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente alternada 110/220V. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES SUBESTAÇÃO Uma subestação elétrica é um grupamento de equipamentos elétricos com a finalidade de dirigir o fluxo de energia elétrica num sistema de potência e de possibilitar a operação segura do sistema,

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 03. 1. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.00175.2013, informamos que este Suplemento visa alterar:

SUPLEMENTO Nº 03. 1. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.00175.2013, informamos que este Suplemento visa alterar: PE.GCM.A.0075.203 /6 SUPLEMENTO Nº 03. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.0075.203, informamos que este Suplemento visa alterar:.. Edital, Seção V, Anexo II, Formulário 02 Acessórios e Ferramentas

Leia mais

Action RU - Modulo Run-Time SE Santos Brasil Manual de Operação do Sistema

Action RU - Modulo Run-Time SE Santos Brasil Manual de Operação do Sistema Action RU - Modulo Run-Time SE Santos Brasil Manual de Operação do Sistema SPIN Engenharia de Automação Ltda. Versão 7.5 Abril de 2009 SPIN Engenharia de Automação Ltda. SCLN-Quadra 212 Bloco D - Sala

Leia mais

RÁDIO PARA SISTEMAS DE TRANSPORTES

RÁDIO PARA SISTEMAS DE TRANSPORTES RÁDIO PARA SISTEMAS DE TRANSPORTES Atenção e Cuidado Os seguintes símbolos podem ser encontrados no produto ou toda a documentação. Consulte o manual do usuário para obter informações adicionais quando

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

Características Técnicas Série Quasar

Características Técnicas Série Quasar Descrição do Produto A Série Quasar é uma linha de painéis tipo CCMi (centro de controle de motores inteligente) para baixa tensão e correntes até 3150 A, ensaiados conforme a norma NBR/IEC 60439-1 - TTA

Leia mais

SISTEMA DE SEGURANÇA E AUTOMAÇÃO MANUAL - PAINEL DE INTERTRAVAMENTO

SISTEMA DE SEGURANÇA E AUTOMAÇÃO MANUAL - PAINEL DE INTERTRAVAMENTO SISTEMA DE SEGURANÇA E AUTOMAÇÃO MANUAL - PAINEL DE INTERTRAVAMENTO Índice PAINEL DE INTERTRAVAMENTO 2 1. Apresentação... 3 2. Características... 3 3. Equipamento... 3 4. Controladoras... 3 5. Visão Geral

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM SUBESTAÇÕES DE MÉDIA E ALTA TENSÃO 13,8kV

MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM SUBESTAÇÕES DE MÉDIA E ALTA TENSÃO 13,8kV MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM SUBESTAÇÕES DE MÉDIA E ALTA TENSÃO 13,8kV EQUIPAMENTOS CONSTANTES: 1.0 CABINE SEMI-ENTERRADA (MECANICA) 13,8 kv - GENÉRICA 1.1.1 Disjuntor de Alta Tensão (classe tensão 15 KV);

Leia mais

1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL

1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL 1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Corte de geração 5. Finalidade: A finalidade deste esquema é evitar que

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Solução Integrada para Instalações em Alvenaria O kit de entrada em média tensão VBWK

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Manual. Controle de motores via Bluetooth. William Trevine

Manual. Controle de motores via Bluetooth. William Trevine A Manual Controle de motores via Bluetooth 1 William Trevine Sumário 1 Introdução... 4 2 Características... 5 3 Instalação... 6 3.1 Alimentação... 7 3.2 Motores... 8 3.3 Liga e desliga... 9 3.4 Saídas

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Monitoramento do banco de baterias utilizando LEDs tricolores e mensagens no display Rafael Cardoso 1. INTRODUÇÃO: Os atuais relés de proteção incorporam diversas funções de controle, medição e monitoramento,

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP16-4.2A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

ID-9.007. Bloqueios e Sinalizações INSTRUÇÃO TÉCNICA. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Diretoria de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente

ID-9.007. Bloqueios e Sinalizações INSTRUÇÃO TÉCNICA. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Diretoria de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente ID-9.007 Bloqueios e Sinalizações INSTRUÇÃO TÉCNICA Diretoria de Planejamento e Engenharia Diretoria de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente Gerência de Engenharia da Distribuição Gerência de Engenharia

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Plus - Manual do equipamento

Plus - Manual do equipamento Plus - Manual do equipamento Plus - Manual do equipamento SUMÁRIO 1. CUIDADOS COM O EQUIPAMENTO... 4 2. DESCRIÇÃO... 5 2.1 Dimensões... 5 2.2 Funções e Características... 5 3. INSTALAÇÃO... 6 3.1 Gabarito

Leia mais

www.comatreleco.com.br R:Benjamim Constant, 56 Tel:(11) 2311-5682 contato@comatreleco.com.br

www.comatreleco.com.br R:Benjamim Constant, 56 Tel:(11) 2311-5682 contato@comatreleco.com.br Monitoramento de motores monofásico/trifásico MRU, MRI, MRM 1 Características Tensão de Alimentação UC12-48V ou UC110-240V Contato Reversível Entradas de medição separadas galvanicamente da alimentação

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09 ÍNDICE Sobre o SabeTelemarketing 03 Ícones comuns à várias telas de gerenciamento Contato Verificar registros 09 Telas de cadastro e consultas 03 Menu Atalho Nova pessoa Incluir um novo cliente 06 Novo

Leia mais

Anemômetro SEY A20. Anemômetro Digital Multitensão IP67. Manual De Instrução

Anemômetro SEY A20. Anemômetro Digital Multitensão IP67. Manual De Instrução Anemômetro SEY A20 Anemômetro Digital Multitensão IP67 Manual De Instrução 1. DESCRIÇÃO Anemômetro Digital Seyconel com dois níveis de alarme e sinalizador visual foi projetado para cumprir a norma brasileira

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Temporizador Automático / Relógio Programador de Horário Para Acionamento Automático de Sirenes e Outros Equipamentos Código: AFKITPROG 2 O REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO REP O Relógio Acionador Automático

Leia mais

Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE. Índice

Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE. Índice CAPA Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE Índice 1. Página da área administrativa... 1.1 Botões e campo iniciais... 2. Explicar como funcionam as seções... 2.1. Seções dinâmicos... 2.1.1 Como

Leia mais

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. 1 2 ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. A energia é o núcleo dos acontecimentos,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control MANUAL DO USUÁRIO Software de Gerenciamento Controlador de Fator de Potência Self Control ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 4 1.1 Aplicações 4 2.0 CARACTERÍSTICAS 4 2.1 Compatibilidade 4 3.0 INSTALAÇÃO 4 4.0 INICIALIZAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA EMERGENCIAL DE RECUPERAÇÃO DO SISTEMA DE SUBTRANSMISSÃO (CRESCE MINAS)

PROGRAMA EMERGENCIAL DE RECUPERAÇÃO DO SISTEMA DE SUBTRANSMISSÃO (CRESCE MINAS) 02.111-OM/EO-159 Superintendência de Engenharia e Coordenação da Operação e Manutenção da Distribuição - OM PROGRAMA EMERGENCIAL DE RECUPERAÇÃO DO SISTEMA DE SUBTRANSMISSÃO (CRESCE MINAS) REQUISITOS OPERACIONAIS

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria PROJETO BÁSICO 1. OBJETO: Prestação de Serviços por empresa de engenharia especializada para elaboração de projetos e execução de serviços, com fornecimento parcial de materiais, para substituição de 04

Leia mais

Manual do Usuário. TVA Digital

Manual do Usuário. TVA Digital Manual do Usuário TVA Digital AF_Manual_TV_SD_8.indd 1 AF_Manual_TV_SD_8.indd 2 Parabéns por escolher a TVA Digital! Além de optar por uma excelente programação, você terá uma série de recursos e interatividade.

Leia mais

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS 1 Para iniciar a edição de um esquema elétrico para posterior simulação, busque no menu Iniciar do Windows, a opção Todos os Programas. Localize a pasta onde foi instalado o Proteus e selecione o programa

Leia mais

P á g i n a 2. Avisos Importantes

P á g i n a 2. Avisos Importantes P á g i n a 1 P á g i n a 2 Avisos Importantes Todas as instruções contidas neste manual devem ser seguidas, caso contrário o produto perderá a garantia. Faça primeiro as conexões dos cabos de alimentação

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 NORMA TÉCNICA CELG Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TIPOS

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

FACILITY TOP HÍBRIDA. Manual Técnico MANUAL TÉCNICO AUTOMATIZADOR PARA PORTÕES DESLIZANTES MONDIALE. P19165 - Rev. 1

FACILITY TOP HÍBRIDA. Manual Técnico MANUAL TÉCNICO AUTOMATIZADOR PARA PORTÕES DESLIZANTES MONDIALE. P19165 - Rev. 1 MANUAL TÉCNICO AUTOMATIZADOR PARA PORTÕES DESLIZANTES P19165 - Rev. 1 MONDIALE 1 ÍNDICE DIAGRAMA DE CONEXÕES...4 Principais características... 5 Funções do led SN...5 Entrada PARA Trava...6 botões (+)

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

Módulo de Georreferenciamento. Sistema. Página 1/75

Módulo de Georreferenciamento. Sistema. Página 1/75 Módulo de Georreferenciamento Sistema Página 1/75 Para iniciar o Módulo de Georreferenciamento acesse, no AutoCAD a partir do Menu flutuante >Posição >Georreferenciamento >Módulo de Georreferenciamento.

Leia mais

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO PARA RESFRIAMENTO EVAPORATIVO TEMPER UMIDADE 1. DESCRIÇÃO Controlador microprocessado de alta performance, o Humitech aplica-se em conjunto a sistemas de resfriamento evaporativo para conforto térmico

Leia mais

Tabela de Funções Ansi

Tabela de Funções Ansi Tabela de Funções Ansi A ANSI visando a padronização dos códigos das funções de proteções, criou uma tabela de códigos com das funções de proteção. Na verdade, esta tabela veio da ASA e posteriormente

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral DISPOSITIVOS DE COMANDO Índice 1 Objetivo... 1 2... 1 2.1 Generalidades......

Leia mais

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input.

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para detecção de acionamentos e monitoração de sensores. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. Possui seis entradas digitais optoacopladas com indicação de

Leia mais

FingerTech Importação e Comércio de produtos tecnológicos LTDA

FingerTech Importação e Comércio de produtos tecnológicos LTDA FingerTech Importação e Comércio de produtos tecnológicos LTDA Avenida Tiradentes, 501 - Torre 2 5 Andar - Sala 502 Jardim Shangrilá A - 86070-565 Londrina - PR Sumário 1. Introdução...4 1.1 Características...4

Leia mais

SIMARIS design Tutorial

SIMARIS design Tutorial Tutorial Software para Dimensionamento eficiente de Sistemas de Distribuição de Energia 1 Introdução 2 Iniciando 3 Desenho de Rede 4 Dimensionamento 5 Saída do Projeto 6 Mais sobre SIMARIS Slide 1 Tutorial

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

CR20C. Manual do Usuário

CR20C. Manual do Usuário CR20C Manual do Usuário Descrição Geral Controlador para ar condicionado CR20C O CR20C é um controlador digital microprocessado de baixo custo e de fácil programação e instalação. O seu avançado software

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

ANEXO. 1. Plano Mínimo de Manutenção. 2. Manutenção Preditiva

ANEXO. 1. Plano Mínimo de Manutenção. 2. Manutenção Preditiva ANEXO 1. Plano Mínimo de Manutenção 1.1 O Plano Mínimo de Manutenção define as atividades mínimas de manutenção preditiva e preventiva e suas periodicidades para transformadores de potência e autotransformadores,

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 03

ESCLARECIMENTO Nº 03 PE.GCM.A.00130.2013 1/30 ESCLARECIMENTO Nº 03 FURNAS Centrais Elétricas S.A. comunica resposta ao pedido de esclarecimento sobre o Edital, efetuado por empresa interessada: 1. GERAL Entendemos que os Relés

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

MANUAL ZEDIT 32 Índice:

MANUAL ZEDIT 32 Índice: MANUAL ZEDIT 32 Índice: Configuração Painel -------------------------------------------------------------------- 02 à 04 Criar Novo modelo Painel -------------------------------------------------------------

Leia mais

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Cópia Este capítulo inclui: Cópia básica na página 3-2 Ajustando as opções de cópia na página 3-4 Configuração básica na página 3-5 Ajustes de imagem na página 3-9 Ajustes de posicionamento de imagem na

Leia mais

Novidades da Versão 3.0.0.30

Novidades da Versão 3.0.0.30 Novidades da Versão 3.0.0.30 Alteração Equipamento Unidade Instalação Inserida informação Telemetria na Tela de Alteração de Equipamento Unidade de Instalação (326). A informação Roaming Internacional

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0053 ESPECIFICAÇÃO E INSTALAÇÃO DE

Leia mais

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS Tutorial de Teste. Funções: 50 ou PIOC sobrecorrente instantâneo e 51 ou PTOC sobrecorrente temporizado

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS Tutorial de Teste. Funções: 50 ou PIOC sobrecorrente instantâneo e 51 ou PTOC sobrecorrente temporizado Tutorial de Teste Tipo de Equipamento: Relé de Proteção Marca: Schneider Modelo: SEPAM T87 Funções: 50 ou PIOC sobrecorrente instantâneo e 51 ou PTOC sobrecorrente temporizado Ferramenta Utilizada: CE-6006

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos O objetivo deste Manual é permitir a reunião de informações dispostas de forma sistematizada, criteriosa e segmentada

Leia mais

Manual de funcionamento Esteira transportadora

Manual de funcionamento Esteira transportadora Manual de funcionamento Esteira transportadora Sumário 1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 2 2. ITENS DO SISTEMA... 3 2.1. PLACA DE COMANDO... 3 2.1.1. Sinalizador... 3 2.1.2. Botão pulsador... 3 2.1.3. Chave comutadora...

Leia mais

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas CLIMATIZAÇÃO O exemplo apresentado aqui controla um sistema que envolve bombas, torres, chillers e fan-coils para climatização ambiente para conforto térmico. Pode-se montar controles para sistemas dos

Leia mais

AFERIDOR E PROGRAMADOR DE BANCADA MICROSAD STC-BR

AFERIDOR E PROGRAMADOR DE BANCADA MICROSAD STC-BR MANUAL DE OPERAÇÃO AFERIDOR E PROGRAMADOR DE BANCADA MICROSAD STC-BR STC-BR REV-002 Atenção: Modificações futuras serão reportadas através das Informações de Serviço (I.S.). Este documento é propriedade

Leia mais

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 CAPÍTULO 01 PREPARAÇÃO DO AMBIENTE... 2 1.1 IMPORTAÇÃO DO DICIONÁRIO DE DADOS... 2 CAPÍTULO 02 CADASTRO E CONFIGURAÇÃO DE RELATÓRIOS... 4 2.1 CADASTRO DE RELATÓRIOS... 4 2.2 SELEÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS - REDMINE MANUAL DE USO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS - REDMINE MANUAL DE USO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS - REDMINE MANUAL DE USO AGOSTO DE 2013 SUMÁRIO STI/UFF - Sistema de Gerenciamento de Projetos do PDI SUMÁRIO... 2 1 Introdução... 3 1.1 O que é e qual a finalidade

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO QTA-GMG

MANUAL DE INSTALAÇÃO QTA-GMG MANUAL DE INSTALAÇÃO QTA-GMG 1º verificar o nível de água do radiador, e ligue os cabos da bateria. 2º verificar o nível do óleo do motor 3º Ligação da rede ao painel.. Dentro do painel, na parte superior

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Astra LX Parametrização das Amostras e Etiquetas Guia para a Configuração das Amostras e Etiquetas no Programa AstraLX.

Astra LX Parametrização das Amostras e Etiquetas Guia para a Configuração das Amostras e Etiquetas no Programa AstraLX. 2011 www.astralab.com.br Astra LX Parametrização das Amostras e Etiquetas Guia para a Configuração das Amostras e Etiquetas no Programa AstraLX. Equipe Documentação Astra AstraLab 15/08/2011 1 Sumário

Leia mais

Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios

Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios Revisão 03 12/2014 NORMA ND.62 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejamento e

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Conceitos modernos de especificação e uso de Subestações e Painéis de média tensão Eng. Nunziante Graziano, M. Sc. AGENDA - NORMAS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Instruções de Operação Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Conteúdo Instruções de segurança... pág. 03 Função e características... pág. 04 Montagem... pág. 04 Conexão elétrica... pág. 05

Leia mais

Malha de terra para Subestação de Alta-Tensão utilizando o software TecAt Plus 5 (Grounding grid design using TecAt Plus 5)

Malha de terra para Subestação de Alta-Tensão utilizando o software TecAt Plus 5 (Grounding grid design using TecAt Plus 5) Malha de terra para Subestação de Alta-Tensão utilizando o software TecAt Plus 5 (Grounding grid design using TecAt Plus 5) st 1 ed. July 12, 2011 2011 Officina de Mydia Editora Ltda., Brazil www.mydia.com

Leia mais

CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL

CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL CARACTERÍSTICAS BÁSICAS 8 Zonas programáveis sendo 4 mistas, ou seja, com fio e sem fio e 4 com fio; 1 senha mestre; 1 senha de usuário; Entrada para teclado

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

Manual de Formatação de Tabelas, Figuras e Gráficos para Envio de Artigos à Revista ABC

Manual de Formatação de Tabelas, Figuras e Gráficos para Envio de Artigos à Revista ABC Manual de Formatação de Tabelas, Figuras e Gráficos para Envio de Artigos à Revista ABC Sumário 1. Formatação de Tabelas... 03 2. Formatação de Figuras... 03 3. Formatação de Gráficos... 04 4. Anexo 1

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-321.00XX MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA PEP 1/27 1- OBJETIVO O presente manual tem o objetivo de orientar

Leia mais