Recomendações da Câmara Técnica Nacional de Medicina Baseada em Evidências do Sistema Unimed. Rastreamento (Screening) para glaucoma

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recomendações da Câmara Técnica Nacional de Medicina Baseada em Evidências do Sistema Unimed. Rastreamento (Screening) para glaucoma"

Transcrição

1 Rastreamento (Screening) para glaucoma 1

2 I Elaboração Final: 25/01/2007 II Autores: Dr. Luiz Henrique P. Furlan*, Dr. Alexandre Pagnoncelli*, Dr. Carlos Augusto Cardim de Oliveira*, Dra. Claudia Regina de O. Cantanheda*, Dra. Izabel Cristina Alves Mendonça*, Dr. Jurimar Alonso*, Dra. Silvana M Bruschi Kelles*. Declaração de isenção de conflito de Interesses Os membros da Câmara Nacional de Medicina Baseada em Evidências declaram que não mantêm nenhum vínculo empregatício, comercial ou empresarial, ou ainda qualquer outro interesse financeiro com a indústria farmacêutica ou de insumos para área médica. Todos os membros da Câmara Nacional de Medicina Baseada em Evidências trabalham para o Sistema Unimed. III Previsão de Revisão: / / IV Tema: Rastreamento (Screening) para glaucoma V Especialidade Envolvida: Oftalmologia VI Questão Clínica: Qual é o benefício clínico do rastreamento do glaucoma e qual o papel da tonometria neste screening? VII Enfoque: Diagnóstico e prognóstico VIII Introdução: O glaucoma é uma doença caracterizada pela atrofia do nervo óptico e perda da visão. Ele está freqüentemente associado ao aumento da pressão intraocular. O aumento da pressão intraocular é um fator de risco para lesão do nervo óptico cursando com perda da visão periférica, de caráter irreversível. Está entre a segunda ou terceira causa de cegueira no mundo. A perda visual progride de maneira assintomática nos estágios iniciais. A forma mais * Membro da CTNMBE 2

3 comum é o glaucoma do ângulo aberto primário, cuja prevalência na população branca acima de 40 anos é de 0,9 a 2,1% e de 1,2% a 11,3% na população negra dessa mesma faixa etária. A prevalência aumenta à medida que a faixa etária aumenta. Um estudo populacional realizado por Kenji e colaboradores 6 na região de Piraquara PR demonstrou uma prevalência de 3,73% de glaucoma do ângulo aberto em pessoas acima de 40 anos, sendo 1,79% de glaucoma crônico simples e 1,95% de glaucoma de pressão normal. Atualmente, o Sistema de Saúde Canadense 1 e a Força Tarefa de Serviços Preventivos dos E.U.A 3 não fazem recomendação nem a favor nem contra o rastreamento de glaucoma, por causa da falta de evidências sobre a efetividade do tratamento em reduzir a progressão da doença, ou que o rastreamento seja custo-efetivo ou ambos. O propósito de um programa de rastreamento é melhorar a longevidade ou a qualidade de vida de uma população. Os critérios utilizados em programas de rastreamento são: 1) a condição deve ser um problema de saúde importante com epidemiologia e história natural reconhecidas; 2) deve ter um teste de boa acurácia para o diagnóstico a um custo razoável e 3) o tratamento disponível deve ser efetivo com evidências de que o tratamento precoce (em fase assintomática da doença) traz melhores resultados do que o tratamento em fase mais avançada (sintomática). O objetivo desse estudo é revisar as evidências na literatura sobre as recomendações do rastreamento do glaucoma, bem como avaliar qual o papel da tonometria nesse screening. IX Metodologia: Fonte de dados: MEDLINE, Biblioteca do Cochrane, Clinical Evidence, Medscape, ICSI, e outros bancos eletrônicos de comitês de avaliações de tecnologias (NICE, FDA, CADTH), nas línguas portuguesa e inglesa. Palavras-chaves: glaucoma screening, cost-effectiveness. 3

4 Desenhos dos estudos buscados: Revisões sistemáticas, ensaios clínicos randomizados, estudos transversais e de custo-efetividade. Período pesquisado: 1990 a População incluída e excluída: Foram avaliados os estudos que abrangessem população adulta e infantil rastreadas para glaucoma. Resultados da busca bibliográfica: Foram selecionados 15 artigos que apresentavam desfechos clínicos de relevância: - Revisões Sistemáticas: 4 1,3,4,12, - Ensaios Clínicos Randomizados: 3 7,8,9 - Coorte prospectiva: Estudo de Caso controle: Estudo de corte (prevalência): Guidelines: 3 5,10,13,14 O grau de recomendação tem como objetivo dar transparência às informações, estimular a busca de evidência científica de maior força e auxiliar a avaliação crítica do leitor, o responsável na tomada de decisão junto ao paciente. Nível de Evidência Científica por Tipo de Estudo - Oxford Centre for Evidence-based Medicine - última atualização maio de Grau de Recomendação Nível de Evidência Tratamento/ Prevenção Etiologia Diagnóstico Revisão Sistemática (com Revisão Sistemática (com homogeneidade) homogeneidade) A 1A de Ensaios Clínicos Controlados e de Estudos Diagnósticos nível 1 Critério Randomizados Diagnóstico de estudos nível 1B, em diferentes centros clínicos 1B Ensaio Clínico Controlado e Randomizado com Intervalo de Confiança Estreito Coorte validada, com bom padrão de referência Critério Diagnóstico testado em um único centro clínico 4

5 B 1C 2A 2B 2C 3A Resultados Terapêuticos do tipo tudo ou nada Revisão Sistemática (com homogeneidade) de Estudos de Coorte Estudo de Coorte (incluindo Ensaio Clínico Randomizado de Menor Qualidade) Observação de Resultados Terapêuticos (outcomes research) Estudo Ecológico Revisão Sistemática (com homogeneidade) de Estudos Caso-Controle Sensibilidade e Especificidade próximas de 100% Revisão Sistemática (com homogeneidade) de estudos diagnósticos de nível > 2 Coorte Exploratória com bom padrão de Referência Critério Diagnóstico derivado ou validado em amostras fragmentadas ou banco de dados Revisão Sistemática (com homogeneidade) de estudos diagnósticos de nível > 3B 3B C 4 D 5 Seleção não consecutiva de casos, ou Estudo Caso-Controle padrão de referência aplicado de forma pouco consistente Relato de Casos (incluindo Coorte ou Estudo caso-controle; ou padrão de Caso-Controle de menor qualidade) referência pobre ou não independente Opinião desprovida de avaliação crítica ou baseada em matérias básicas (estudo fisiológico ou estudo com animais) X Principais estudos encontrados: a) O estudo de Einarson e colaboradores 1 é uma revisão sistemática sobre o rastreamento de glaucoma no Canadá. Foram revisados bancos de dados como o MEDLINE, EMBASE, HealthSTAR e Cochrane Database, no período de 1990 a 2005, sendo selecionados 34 estudos de intervenção e 5 estudos econômicos. Os estudos de economia (3 de custo-efetividade e 2 de custo-análise) avaliaram populações diferentes. Dos 34 estudos de intervenção, 19 eram transversais (cross-sectional), uma coorte, e em 14 não estava relatado o desenho do estudo. Nesses estudos foram utilizadas 31 alternativas de rastreamentos diferentes. Os testes mais utilizados foram tonometria de aplanação (medida da força necessária para achatar determinada parte da córnea); perimetria de dupla freqüência, tonometria sem contato (o tonômetro possui um sistema pneumático que produz um jato de ar que leva a aplanação da córnea, em cuja superfície é projetado um 5

6 feixe colimado de luz e a medição é feita com base na mudança da luz refletida pela córnea durante o jato); perimetria oculocinetica, análise de campo visual e tonometria de Schiotz. Os autores revisaram as recomendações do Canadian Task Force on Periodic Health Examination e do U.S. Preventive sercice Task Force, as quais são inconclusivas. Os autores sugerem a necessidade de reavaliar a custo-efetividade dos programas de screening para glaucoma a luz dos novos estudos. Comentário dos revisores: estudo financiado pela indústria farmacêutica (Alcon) e inconclusivo quanto à indicação de rastreamento sistemático para glaucoma. Não foram descritos os critérios de inclusão e exclusão dos estudos ou desenhos de estudos buscados. b) A revisão sistemática do Centro Cochrane de Hatt e colaboradores 4 avaliou o impacto do screening do glaucoma de ângulo aberto comparando populações rastreadas com populações com casos encontrados de maneira oportuna. Foram buscados ensaios clínicos randomizados que avaliassem programas de screening baseados em população com um seguimento mínimo de um ano. Não foi encontrado nenhum ensaio clínico randomizado avaliando o tema. Os autores concluem que baseado nas evidências atuais, o screening para glaucoma do ângulo aberto não pode ser recomendado, embora muito possa ser feito para encorajar as pessoas de risco individual a procurar o teste. Em países com acesso eqüitativo aos cuidados na saúde dos olhos, a cegueira por glaucoma do ângulo aberto crônico tem se tornado raro. A efetividade do rastreamento para o glaucoma do ângulo aberto somente pode ser estabelecida por ensaios clínicos randomizados de boa qualidade. Comentário dos revisores: O estudo conclui não haver evidências que justifiquem o rastreamento sistemático para glaucoma. c) Recomendação da Força Tarefa para Serviços Preventivos dos E.U.A (USPSTF). 3 A USPSTF encontrou evidências insuficientes para recomendar a favor ou contra o rastreamento de glaucoma em adultos. A USPSTF encontrou 6

7 boa evidência que o screening pode detectar o aumento da pressão intra-ocular (PIO) e o glaucoma primário do ângulo aberto (GPAA) em fase inicial nos adultos. Também, encontrou evidências de que o tratamento precoce em adultos com PIO aumentada, detectada pelo screening, reduz o número de pessoas que desenvolverão pequenos defeitos do campo visual e que o tratamento precoce de pessoas com GPAA em fase assintomática diminui a progressão de defeitos do campo visual. Entretanto, as evidências são insuficientes para determinar em que extensão o rastreamento levando a detecção precoce e tratamento de pessoas com PIO aumentada e GPAA reduziria o prejuízo da função visual ou da qualidade de vida. A USPSTF encontrou boa evidência de que o tratamento da PIO aumentada e do GPAA precoce resulta em riscos, incluindo irritação local do olho e aumento do risco de catarata. Dada as incertezas da magnitude dos benefícios e dos riscos do rastreamento e tratamento precoce, a USPSTF não pode determinar o balanço entre os benefícios e os riscos do rastreamento do glaucoma. Considerações Clínicas da USPSTF 3 : O diagnóstico de GPAA não é feito com base em um único teste, mas em achados característicos do disco óptico e defeitos do campo visual. Embora o aumento da PIO tenha sido considerado importante na definição desta condição, é sabido que muitos indivíduos com GPAA não apresentam PIO aumentada. Portanto, há pouco valor em utilizar a tonometria para o rastreamento de GPAA. Aumento da PIO, história familiar, idade avançada, e afrodescendência constituem as características relacionadas ao risco aumentado de glaucoma. Afrodescendentes de idade avançada têm alta prevalência de glaucoma e talvez, progressão de doença mais rápida. Portanto, esse grupo teria maior benefício com o rastreamento. Pessoas com expectativa de vida limitada teriam pouco ganho com o rastreamento. A história natural do glaucoma é heterogênea e não está bem definida. Há um subgrupo de indivíduos com GPAA em que não há progressão de 7

8 doença ou a progressão é tão lenta que não traria efeitos importantes na visão. A proporção desse grupo é desconhecida e pode depender da etnia e da idade dessa população. Outros indivíduos apresentam progressão rápida da doença levando a redução da visão em 10 anos. A evolução do glaucoma não pode ser predita com precisão. Indivíduos com níveis mais elevados de PIO, defeito visual estabelecido e aqueles mais idosos, tendem a ter uma progressão mais rápida da doença. A mensuração do defeito visual pode ser difícil. A confiabilidade de uma mensuração do defeito visual pode ser baixa. Várias mensurações dos defeitos visuais são necessárias para estabelecer a presença de defeitos. Oftalmoscopia com dilatação ou exame com lâmpada de fenda são utilizados pelos especialistas para examinar as alterações do disco óptico. Entretanto, a habilidade de detectar essas alterações varia entre os especialistas. Além disso, não há um exame padrão para definir e medir a progressão dos defeitos visuais. O tratamento primário para GPAA reduz a PIO. Entre as opções terapêuticas estão as medicações, terapia com laser ou cirurgia. Esses tratamentos reduzem efetivamente o desenvolvimento e progressão de pequenos defeitos no campo visual. A magnitude dessa efetividade em reduzir o comprometimento da função visual é incerta. Os riscos relacionados a essas intervenções incluem a formação de catarata, riscos da cirurgia de catarata e riscos da medicação tópica. A USPSTF encontrou ensaios clínicos randomizados com controles não tratados fornecendo evidências sobre o efeito do tratamento precoce em pessoas com PIO ou GPAA com desfechos intermediários. Comentários dos revisores: A USPSTF encontrou evidências insuficientes para recomendar a favor ou contra o rastreamento populacional de glaucoma em adultos. d) O estudo de tratamento da hipertensão ocular de Kass e colaboradores 7 foi um ensaio clínico randomizado que envolveu 1636 pacientes na faixa etária de 8

9 40 a 80 anos, sem evidência de lesões glaucomatosas e com uma PIO entre 24 a 32 mmhg em um olho e 21 a 32 em outro olho. Os pacientes foram randomizados para observação ou tratamento com colírios com ação hipotensiva. O desfecho primário foi o desenvolvimento de anormalidade no campo visual reproduzível ou deterioração do disco óptico atribuída ao GPAA. Após cinco anos a probabilidade de desenvolver GPAA, medido como o desenvolvimento de anormalidade do campo visual reproduzíveis ou lesões do disco óptico, porém sem manifestações clínicas, foi de 4,4% no grupo tratado e de 9,5% no grupo de observação (IC 0,27-0,59 p<0,0001). O NNT foi de 19,6. Comentário dos revisores: Avaliou desfechos intermediários (alterações do campo visual e no disco óptico, assintomáticas). Há evidências de que o tratamento com colírios aumenta o risco de complicações oculares. e) O estudo de manifestações do glaucoma em fase inicial de Heijl e colaboradores 8 foi um ensaio clínico randomizado que envolveu 255 pacientes na faixa etária de 50 a 80 anos e comparou a progressão dos defeitos visuais em pessoas rastreadas para glaucoma. Os pacientes foram randomizados para tratamento com trabeculoplastia a laser e colírio de beta-bloqueador ou não tratamento. O desfecho principal foi a progressão do glaucoma medido por alterações no campo visual (o critério de progressão perimétrica foi baseado em computador) e no disco óptico (acompanhamento com fotografia). Os participantes foram predominantemente brancos com PIO aumentada e normal. Após um seguimento de seis anos a progressão do defeito visual foi de 45% no grupo tratado, comparado com 62% no grupo controle (p = 0,007). A progressão não foi definida pelo desenvolvimento de prejuízo funcional e os efeitos na qualidade de vida não foram relatados. Comentário dos revisores: Embora o grupo tratado tenha tido uma redução significativa na progressão do defeito visual, o desfecho avaliado foi intermediário (alteração no exame) e não avaliação funcional e de qualidade de vida. 9

10 f) No estudo colaborativo de glaucoma de pressão normal 9 o objetivo foi determinar o papel da PIO no processo patogênico do glaucoma de pressão normal. Foram randomizados 140 olhos de 140 indivíduos com manifestações de GPAA, mas sem PIO elevada, sendo 61 para receber tratamento com medicação ou cirurgia para baixar a PIO e 79 não receberam tratamento (controles). Alcançaram os desfechos finais (progressão da lesão do disco óptico e perda do campo visual) 35% (28) dos olhos controles e 12% (7) dos olhos tratados. A análise de sobrevida total mostrou uma diferença estatisticamente significativa (p < 0,0001) entre os dois grupos. A média de vida no grupo tratado foi de dias e para o grupo controle foi de 1965 dias. De 34 cataratas desenvolvidas durante o estudo, 11 (14%) foram no grupo controle e 23 (38%) no grupo tratado (p = 0,0075). Uma análise secundária concluiu que havia uma redução na progressão do glaucoma no grupo tratado. Porém, ao final de cinco anos, não houve diferença estatisticamente significante entre o grupo tratado e o não tratado em relação à piora do defeito visual ou o aparecimento de novos defeitos. Comentário dos revisores: esta análise não incluiu indivíduos que desenvolveram catarata, e uma vez que a catarata se desenvolveu com maior freqüência no grupo tratado, isto pode ter introduzido um viés favorecendo o tratamento. Além disso, uma porcentagem pequena dos pacientes atingiu o desfecho no estudo, que pode ter comprometido a análise comparativa entre os grupos. g) A Academia Americana de Oftalmologia recomenda o rastreamento de glaucoma como parte da avaliação oftalmológica de adultos iniciando a partir dos 20 anos e com freqüência dependendo da idade e de outros fatores de risco para glaucoma 13. h) A Sociedade Internacional de Glaucoma 10 recomenda que pessoas acima de 40 anos façam exames a cada dois anos para rastrear o glaucoma. Os exames recomendados são: tonometria, oftalmoscopia e perimetria. 10

11 i) A recomendação da Academia Americana de Oftalmologia sobre a freqüência do exame dos olhos em adultos 14 na população geral sem fatores de riscos para doenças dos olhos está descrita na tabela abaixo: Avaliação ocular para adultos sem fatores de risco Idade (anos) > < Freqüência de avaliação (anos) Obs. Avaliações visuais (refração, avaliação de óculos, lentes de contato, etc.) podem ser feitas durante estes períodos. Pacientes com fatores de risco para doenças ou com sintomas e sinais de doença ocular e pacientes poderão ter avaliações durante estes períodos Para indivíduos que apresentam fatores de risco para glaucoma a freqüência da avaliação oftalmológica é maior, conforme tabela abaixo: Condição / Fator de risco Fator de risco para glaucoma (p.ex. pressão IOC elevada, história familiar de laucoma, afro ou hispano/latinodescendentes Freqüência de avaliação > 65 anos 6-12 meses anos 1-2 anos anos 1-3 anos < 40 anos 2-4 anos j) Hattenhauer e colaboradores 16 do Departamento de Oftalmologia da Mayo Clinic publicaram um estudo de coorte retrospectiva que envolveu 295 pacientes residentes em Minessota (EUA), diagnosticados e tratados de glaucoma de ângulo aberto (GAA) entre 1965 e 1980 com um seguimento médio de 15 anos. A probabilidade de cegueira foi estimada para os pacientes tratados e seguidos pelo GAA. O desfecho observado foi a cegueira. Após 20 anos de seguimento a 11

12 probabilidade de cegueira em pelo menos um olho foi de 27% (IC 95% 20% 33%) e para ambos os olhos foi de 9% (IC 95% 5% a 14%). evidência. Comentário dos revisores: Estudo retrospectivo, considerado fraco nível de l) Oliver e colaboradores 15 da mesma Instituição do estudo de Hattenhauer 16, publicaram um estudo de caso controle, envolvendo pacientes de Minessota (EUA) entre 1965 e 1980 com seguimento até Esse estudo comparou pacientes que progrediram para cegueira com pacientes pareados por idade e defeito de campo visual que não progrediram para cegueira. Dos 290 pacientes que foram seguidos por 34 anos, 56 (19,3%) apresentaram cegueira em pelo menos um olho. Muitos dos pacientes que progrediram para cegueira tinham perdas de moderada a severa do campo visual no momento do diagnóstico do glaucoma. Aqueles que evoluíram para cegueira tinham média de pressão intraocular menor do que os que não evoluíram para cegueira, porém a variabilidade de pressão foi maior no grupo da cegueira. Os autores sugerem que quando ocorre dano no campo visual pelo glaucoma, ele deve ser monitorizado continuamente e manejada a pressão intra-ocular para níveis alvo. XI Discussão: O principal fator de risco para desenvolver GPAA é o aumento da PIO acima de 21 mmhg. Entretanto, de 25% a 50% dos indivíduos com glaucoma têm medidas de pressão normal. Os afrodescendentes têm uma incidência de glaucoma quatro vezes maior que pessoas de cor branca. Outros fatores de risco são: história familiar, diminuição da espessura central da córnea, pressão de perfusão diastólica baixa, diabetes e miopia severa 3. Apesar da PIO aumentada ser o principal fator de risco para o glaucoma, a utilidade da tonometria como uma ferramenta de screening para o GPAA é limitada. A PIO varia durante o dia e pode ser necessária mais de uma medida para detectá-la. O aumento da PIO tem uma sensibilidade de 47% e especificidade de 92% para o diagnóstico do glaucoma. A oftalmoscopia direta tem uma sensibilidade de 59% e uma especificidade de 73% em detectar e 12

13 classificar alterações no disco óptico associado ao glaucoma. Mesmo entre os especialistas, há uma variabilidade intra-observador e inter-observador em detectar progressões de lesões do disco óptico pelo glaucoma 3. As implicações clínicas de pequenas diferenças nas medidas de campo visual entre os participantes tratados e não tratados entre termos de prejuízo da função é incerto. Se pequenas reduções no campo visual se traduzirão ao longo do tempo em importantes reduções da função visual para um substancial número de pessoas, também é incerto. Por essas razões, a USPSTF não pode determinar a magnitude dos benefícios do rastreamento do glaucoma para adultos. Os potenciais riscos do rastreamento incluem a irritação dos olhos, alteração do paladar associado com anestésicos tópicos, abrasão de córnea e infecções associadas a instrumentos que tocam o olho e ansiedade em relação ao exame e ao diagnóstico. Os riscos associados ao tratamento medicamentoso incluem xeroftalmia, coceira e lacerações. Entretanto, os estudos não indicam aumento do risco de efeitos sistêmicos ou piora de condições pré-existentes. A trabeculectomia cirúrgica está associada a complicações intra-operatórias como sangramento na câmara anterior (7%), lesões da conjuntiva e complicações pósoperatórias. O tratamento cirúrgico aumenta o risco de desenvolvimento de catarata. Embora seja difícil de ser estudada, a história natural do GPAA inicial não tratado necessita ser melhor entendida. É necessário estabelecer critérios de validade para avaliar a progressão dos defeitos visuais e como essa progressão se relaciona com o prejuízo visual e qualidade de vida. O impacto de pequenas alterações no campo visual sobre a função visual necessita ser clareada. Dois estudos retrospectivos 15,16 demonstraram uma taxa de cegueira de 27% em pelo menos um dos olhos de pacientes com glaucoma do ângulo aberto. XII Conclusões da Revisão: Dadas as incertezas da magnitude dos benefícios e dos riscos do rastreamento e tratamento precoce, não é possível determinar o balanço 13

14 entre os benefícios e os riscos do rastreamento do glaucoma para população geral assintomática. Há boas evidências de que o rastreamento pode detectar o aumento da pressão intra-ocular (PIO) e o glaucoma primário do ângulo aberto (GPAA) em fase inicial nos adultos e que o tratamento precoce em adultos com a PIO aumentada reduz o número de pessoas que desenvolverão pequenos defeitos do campo visual. Entretanto, as evidências são insuficientes para determinar em que extensão o rastreamento levando a detecção precoce e tratamento de pessoas com PIO aumentada e GPAA reduziria o prejuízo da função visual ou da qualidade de vida. Os estudos clínicos 7,8,9 avaliaram desfechos intermediários (alterações do exames complementares). Há boas evidências que o tratamento da PIO aumentada e do GPAA precoce resulta em riscos, incluindo irritação local do olho e aumento do risco de catarata. O diagnóstico de GPAA não é feito com base em um único teste. De 25% a 50% indivíduos com GPAA não apresentam PIO aumentada. Portanto, há pouco valor em utilizar a tonometria isolada para o rastreamento de GPAA. A freqüência da medida da PIO varia de acordo com a faixa etária e presença de fatores de risco para glaucoma (vide quadro acima da Academia Americana de Oftalmologia). 14 Os fatores de risco principais para desenvolver glaucoma são: pressão intra-ocular aumentada, afrodescendência, idade avançada, história familiar. Fatores adicionais são: a diminuição da espessura central da córnea, pressão de perfusão diastólica baixa, diabetes e miopia severa. XIII Recomendação final: As evidências são insuficientes para recomendar a favor ou contra o 14

15 rastreamento de glaucoma na população geral assintomática. Entretanto, indivíduos de alto risco (pressão intra-ocular aumentada, afrodescendência, idade avançada, história familiar, diminuição da espessura central da córnea, pressão de perfusão diastólica baixa, diabetes e miopia severa) podem ser considerados como população alvo em programas de detecção de casos. A tonometria isolada tem pouco valor no rastreamento do glaucoma primário de ângulo aberto. A recomendação para a freqüência da medida da PIO varia de acordo com a faixa etária e presença de fatores de risco para glaucoma. (vide quadro acima da Academia Americana de Oftalmologia). 14 XIV Bibliografia: 1. Einarson TR, Colin V, Machado M, et al. Screening for glaucoma in Canada: a systematic review of the literature. Can J Ophthalmol 2006;41: UK National Screening Committee Disponível em: 3. U.S. Preventive Services Task Force. Screening for Glaucoma: Recommendation Statement. Disponivel em 4. Hatt S, Wormald R, Burr J. Screening for prevention of optic nerve damage due to chronic open angle glaucoma. Cochrane Database of Systematic Reviews 2006, Issue 4. Art. No.: CD DOI: / CD pub2 5. Singapore Ministry of Health. Glaucoma. Singapore: Singapore Ministry of Health; 2005 Oct. 43 p. Disponível em: 6. SAKATA, Kenji et al. Glaucoma project: partials results 2000 in the region of Piraquara - PR. Arq. Bras. Oftalmol., São Paulo, v. 65, n. 3,

16 7. Kass MA, Heuer DK, Higginbotham EJ, et al. The Ocular Hypertension Treatment Study: a randomized trial determines that topical ocular hypotensive medication delays or prevents the onset of primary open-angle glaucoma. Arch Ophthalmol Jun;120(6):701-13; discussion Heijl A, Leske MC, Bengtsson B, et al. Reduction of intraocular pressure and glaucoma progression: results from the Early Manifest Glaucoma Trial. Arch Ophthalmol Oct;120(10): Comparison of glaucomatous progression between untreated patients with normaltension glaucoma and patients with therapeutically reduced intraocular pressures. Collaborative Normal-Tension Glaucoma Study Group. Am J Ophthalmol Oct;126(4): International Glaucoma Association. Detecting Glaucoma. Disponível em: 11. Canadian Glaucoma Study Group. Canadian Glaucoma Study: 1. Study design, baseline characteristics, and preliminary analyses. Can J Ophthalmol Oct;41(5): Rowe S, MacLean CH, Shekelle PG. Preventing visual loss from chronic eye disease in primary care: scientific review. JAMA Mar 24;291(12): American Academy of Ophthalmology. Screening for glaucoma. (http://www.aao.org/education/library/ppp/loader.cfm?url=/commonspot/security/getfile. cfm&pageid=1275). 14. American Academy of Ophthalmology. Comprehensive Adult Medical Eye Evaluation, Preferred Practice Pattern. San Francisco: American Academy of Ophthalmology, Available at: 16

17 15. Oliver JE, Hattenhauer MG, Herman D, Hodge DO, Kennedy R, Fang-Yen M, Johnson DH. Blindness and glaucoma: a comparison of patients progressing to blindness from glaucoma with patients maintaining vision. Am J Ophthalmol Jun;133(6): Hattenhauer MG, Johnson DH, Ing HH, Herman DC, Hodge DO, Yawn BP, Butterfield LC, Gray DT. The probability of blindness from open-angle glaucoma. Ophthalmology Nov;105(11): Levels of Evidence and Grades of Recommendations - Oxford Centre for Evidence-Based Medicine. Disponível em URL: Contatos com: Câmara Técnica Nacional de Medicina Baseada em Evidências Viviam Siqueira Goor Fone: (11)

GLAUCOMA PRIMÁRIO DE ÂNGULO ABERTO (GPAA)

GLAUCOMA PRIMÁRIO DE ÂNGULO ABERTO (GPAA) Prof. F. Falcão dos Reis 2006 DEFINIÇÃO Um suspeito de glaucoma é um indivíduo com achados físicos e/ou uma constelação de factores de risco que indicam uma probabilidade elevada de desenvolver Glaucoma

Leia mais

Curativo com pressão negativa no tratamento de feridas

Curativo com pressão negativa no tratamento de feridas Curativo com pressão negativa no tratamento de feridas (VACUUM ASSISTED WOUND CLOSURE VAC) 1 I Elaboração Final: II Origem: CT de MBE da Unimed Federação-SC. Responsáveis Técnicos pela Avaliação: Dr. Alvaro

Leia mais

Uso de Estimulação Neurológica Transcutânea (tens) no Tratamento da Dor Lombar Crônica

Uso de Estimulação Neurológica Transcutânea (tens) no Tratamento da Dor Lombar Crônica Uso de Estimulação Neurológica Transcutânea (tens) no Tratamento da Dor Lombar Crônica 1 I Elaboração Final: II Autores: Dr Alexandre Pagnoncelli, Dr Carlos Augusto Cardim de Oliveira*, Dra Claudia Regina

Leia mais

Tipos de Estudos Epidemiológicos

Tipos de Estudos Epidemiológicos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Ciências Agrárias e Biológicas Epidemiologia e Saúde Pública Tipos de Estudos Epidemiológicos Prof. Macks Wendhell Gonçalves Msc. Quando recorrer às

Leia mais

Hipertensão Arterial e a Prevenção Quaternária

Hipertensão Arterial e a Prevenção Quaternária Hipertensão Arterial e a Prevenção Quaternária Luiz Henrique Picolo Furlan Especialista em Saúde Coletiva e Cardiologia Mestre em Medicina Interna MBA em Gestão em Saúde Potenciais conflitos de interesse

Leia mais

Curativo com pressão negativa no tratamento de feridas (VACUUM ASSISTED WOUND CLOSURE VAC)

Curativo com pressão negativa no tratamento de feridas (VACUUM ASSISTED WOUND CLOSURE VAC) Curativo com pressão negativa no tratamento de feridas (VACUUM ASSISTED WOUND CLOSURE VAC) 1 I - Especialidade(s) envolvida(s): Endocrinologia, Cirurgia Vascular, Auditoria Médica II - Códigos envolvidos

Leia mais

Desenhos de estudos científicos. Heitor Carvalho Gomes

Desenhos de estudos científicos. Heitor Carvalho Gomes Desenhos de estudos científicos Heitor Carvalho Gomes 2016 01 01 01 Desenhos de estudos científicos Introdução Epidemiologia clínica (Epidemiologia + Medicina Clínica)- trata da metodologia das

Leia mais

João Ferreira, Carla Lança, Manuel Oliveira e Wilson Quintino. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

João Ferreira, Carla Lança, Manuel Oliveira e Wilson Quintino. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa João Ferreira, Carla Lança, Manuel Oliveira e Wilson Quintino Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa http://www.redorbit.com/news/health/1987876/recommendations_changed_for_vision_screening_of_children/

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário de evidências e recomendações para o uso de tomografia de coerência óptica em pacientes com glaucoma Porto Alegre,

Leia mais

Efetividade do uso do plasma rico em plaquetas no tratamento de feridas agudas ou crônicas

Efetividade do uso do plasma rico em plaquetas no tratamento de feridas agudas ou crônicas Efetividade do uso do plasma rico em plaquetas no tratamento de feridas agudas ou crônicas 1 I - Data: 06/2013 II - Especialidade(s) envolvida(s): Ortopedia e Traumatologia IV - Responsáveis Técnicos:

Leia mais

Stent coronariano híbrido revestido com sirolimus ORSIRO

Stent coronariano híbrido revestido com sirolimus ORSIRO Stent coronariano híbrido revestido com sirolimus ORSIRO 1 I - Data: 12/2011 II - Especialidade(s) envolvida(s): cardiologia, hemodinâmica, auditoria médica e de enfermagem. III - Responsáveis Técnicos:

Leia mais

Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES

Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES A manutenção da saúde ocular está diretamente relacionada com os exames de rotina realizados por um médico oftalmologista, em

Leia mais

A análise da evidência para esta diretriz se baseia em dois processos. detalhados de revisão anteriores. O primeiro foi a conferência de consenso dos

A análise da evidência para esta diretriz se baseia em dois processos. detalhados de revisão anteriores. O primeiro foi a conferência de consenso dos Material Suplementar On-line MÉTODOS E PROCESSO A análise da evidência para esta diretriz se baseia em dois processos detalhados de revisão anteriores. O primeiro foi a conferência de consenso dos National

Leia mais

Fazer um diagnóstico. Testes Diagnósticos. Necessidade dos testes. Foco principal

Fazer um diagnóstico. Testes Diagnósticos. Necessidade dos testes. Foco principal Testes Diagnósticos Avaliação Crítica Fazer um diagnóstico tentativa de tomar uma decisão adequada usando informações inadequadas resultado de testes diminuir a incerteza do diagnóstico Ideal saber viver

Leia mais

Fazer um diagnóstico. Necessidade dos testes. Foco principal. Variabilidade do teste. Diminuição das incertezas definição de normal

Fazer um diagnóstico. Necessidade dos testes. Foco principal. Variabilidade do teste. Diminuição das incertezas definição de normal Fazer um diagnóstico Avaliação Crítica tentativa de tomar uma decisão adequada usando informações inadequadas resultado de testes diminuir a incerteza do diagnóstico Ideal saber viver com a incerteza saber

Leia mais

Dr. Marcelo Palis Ventura. Coleção Glaucoma Coordenador: Dr. Carlos Akira Omi. Volume 1. Conceito e Diagnóstico. Volume 2. Exames complementares

Dr. Marcelo Palis Ventura. Coleção Glaucoma Coordenador: Dr. Carlos Akira Omi. Volume 1. Conceito e Diagnóstico. Volume 2. Exames complementares Introdução Glaucoma pode ser definido como um grupo complexo de doenças caracterizadas pela degeneração progressiva das células ganglionares da retina e perda progressiva da visão, sendo a pressão ocular

Leia mais

B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E O QUE SE DEVE SABER PARA MONTAR UMA ESTRATÉGIA DE BUSCA

B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E O QUE SE DEVE SABER PARA MONTAR UMA ESTRATÉGIA DE BUSCA B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E O QUE SE DEVE SABER PARA MONTAR UMA ESTRATÉGIA DE BUSCA 1 1 PROBLEMA DE PESQUISA O risco de eclampsia em mulheres grávidas com pressão arterial alta.

Leia mais

I Data: 24/05/05. II Grupo de Estudo: III Tema: IV Especialidade(s) envolvida(s):

I Data: 24/05/05. II Grupo de Estudo: III Tema: IV Especialidade(s) envolvida(s): Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 016/05 Tema: Ultra-sonografia dinâmica de vias urinárias I Data: 24/05/05 II Grupo de Estudo: Silvana Márcia Bruschi Kelles Lélia Maria de Almeida Carvalho

Leia mais

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade A importância da consulta oftalmológica De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade cheia de apelos visuais, em que o contato com o mundo se faz inicialmente por

Leia mais

04/03/2008. Identificar o desenho do estudo. Opinião de especialista Exemplo: Revisão Narrativa. Identificando Principais Tipos de Estudos

04/03/2008. Identificar o desenho do estudo. Opinião de especialista Exemplo: Revisão Narrativa. Identificando Principais Tipos de Estudos Identificando Principais Tipos de Estudos Dr. André Sasse Identificar o desenho do estudo Fundamental para a prática da MBE Leitura atenta dos métodos O desenho do estudo é adequado para responder à pergunta

Leia mais

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Conheça lesões e doenças que podem comprometer o sistema visual. São informações rápidas para melhor entendimento do que pode ser feito para preservar a sua visão.

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTO EM METODOLOGIA CIENTÍFICA E INTERPRETAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO NÍVEL DOUTORADO PROVA A. Candidato:

PROVA DE CONHECIMENTO EM METODOLOGIA CIENTÍFICA E INTERPRETAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO NÍVEL DOUTORADO PROVA A. Candidato: UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIENCIAS DA SAÚDE - Processo seletivo 2017 PROVA DE CONHECIMENTO EM METODOLOGIA CIENTÍFICA E INTERPRETAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

Leia mais

VALIDADE EM ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS

VALIDADE EM ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA -DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA 1º semestre

Leia mais

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Este inquérito está inserido no trabalho de investigação Statistical interpretation of studies among doctors and medical students. Tem como objetivo

Leia mais

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Este inquérito está inserido no trabalho de investigação Statistical interpretation of studies among doctors and medical students. Tem como objetivo

Leia mais

Tutorial de Pesquisa Bibliográfica- BVS. 2ª. Versão 2012

Tutorial de Pesquisa Bibliográfica- BVS. 2ª. Versão 2012 B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E SD DA Universidade Federal do Paraná - UFPR Tutorial de Pesquisa Bibliográfica- BVS 2ª. Versão 2012 1 Pesquisa Bibliográfica É o levantamento de um

Leia mais

III Tema: Imunoglobulinas em dermatomiosite e polimiosite

III Tema: Imunoglobulinas em dermatomiosite e polimiosite Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 013/06 Tema: Imunoglobulinas em Dermatomiosite e polimiosite I Data: 02/05/2006 II Grupo de Estudo: Dra. Silvana Márcia Bruschi Kelles Dra. Lélia Maria de

Leia mais

Ferramenta de rastreamento global: uma revisão das evidências (edição de 2016)

Ferramenta de rastreamento global: uma revisão das evidências (edição de 2016) Ferramenta de rastreamento global: uma revisão das evidências (edição de 2016) Relatório da Health Quality & Safety Commission New Zealand Sumário executivo Introdução: A atenção dedicada recentemente

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA. Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015

A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA. Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015 A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015 INTRODUÇÃO Câncer de mama: resultante de proliferação incontrolável de células anormais. Origem:

Leia mais

TRATAMENTO SISTÊMICO

TRATAMENTO SISTÊMICO QUAL A MELHOR SEQUÊNCIA DE TRATAMENTO DO PACIENTE COM CÂNCER RENAL AVANÇADO RECÉM DIAGNOSTICADO? TRATAMENTO SISTÊMICO João Paulo Solar Vasconcelos Oncologista Clínico CONFLITOS DE INTERESSE De acordo com

Leia mais

aula 6: quantificação de eventos em saúde

aula 6: quantificação de eventos em saúde ACH-1043 Epidemiologia e Microbiologia aula 6: quantificação de eventos em saúde Helene Mariko Ueno papoula@usp.br Como quantificar eventos relacionados à saúde? O que medir? Como medir? Quando medir?

Leia mais

Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea

Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea Sérgio Madeira, João Brito, Maria Salomé Carvalho, Mariana Castro, António Tralhão, Francisco Costa,

Leia mais

Ponteira de Radiofrequência para hemostasia em Artroscopias

Ponteira de Radiofrequência para hemostasia em Artroscopias Ponteira de Radiofrequência para hemostasia em Artroscopias 1 I - Data: 05/2012 II - Responsáveis Técnicos: Dra. Luíza de Oliveira Rodrigues**, Dra. Lélia Maria de Almeida Carvalho**, Dra. Daniela Castelo

Leia mais

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Camila Belonci Internato em Cirurgia Cardíaca Prof. Mário Augusto Cray da Costa Medicina UEPG Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Leia mais

Avaliação Econômica de Tecnologias em Saúde

Avaliação Econômica de Tecnologias em Saúde Palestra 3: Avaliação Econômica de Tecnologias em Saúde Everton Nunes da Silva everton@ppge.ufrgs.br Maio/2008 CONTEXTO MUNDIAL: GASTO EM SAÚDE Total Health Expenditure % of GDP Public Expenditure % of

Leia mais

MEDICINA BASEADA EM EVIDÊNCIAS

MEDICINA BASEADA EM EVIDÊNCIAS MEDICINA BASEADA EM EVIDÊNCIAS PERÍCIA MÉDICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS Dr Luciano Janussi Vacanti Mestre em Cardiologia UNIFESP Doutor em Medicina - USP ISENÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES Declaro ausência

Leia mais

Vigilância Epidemiológica, Sanitária e Ambiental

Vigilância Epidemiológica, Sanitária e Ambiental Saúde Pública Vigilância Epidemiológica, Sanitária e Ambiental Tema 8 Estudos em Epidemiologia Bloco 1 Danielle Cristina Garbuio Objetivo da aula Apresentar os principais desenhos de pesquisa em epidemiologia.

Leia mais

Resumo dos Grandes Ensaios Clínicos

Resumo dos Grandes Ensaios Clínicos Resumo dos Grandes Ensaios Clínicos Adaptado do Terminology and Guidelines for Glaucoma II Edition European Glaucoma Society Artigo revisado pela Dra. Luciana Meirelles (Belo Horizonte MG) I. Ensaios Randomizados

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTO EM METODOLOGIA CIENTÍFICA E INTERPRETAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO NÍVEL MESTRADO PROVA A. Candidato:

PROVA DE CONHECIMENTO EM METODOLOGIA CIENTÍFICA E INTERPRETAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO NÍVEL MESTRADO PROVA A. Candidato: UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIENCIAS DA SAÚDE - Processo seletivo 2017 PROVA DE CONHECIMENTO EM METODOLOGIA CIENTÍFICA E INTERPRETAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

Leia mais

Curso de Aperfeiçoamento: Pesquisa Científica em Cirurgia Coordenadora: Profa. Dra. Lydia Masako Ferreira Vice coordenador: Juan Montano

Curso de Aperfeiçoamento: Pesquisa Científica em Cirurgia Coordenadora: Profa. Dra. Lydia Masako Ferreira Vice coordenador: Juan Montano Curso de Aperfeiçoamento: Pesquisa Científica em Cirurgia 2016 Coordenadora: Profa. Dra. Lydia Masako Ferreira Vice coordenador: Juan Montano Tipos de Revisão da Literatura Dr. Juan Montano Mestrado Profissional

Leia mais

Na hipertensão arterial

Na hipertensão arterial Erros frequentes na prática clínica como evitá-los? Na hipertensão arterial - Novembro de 2013 - Liliana Marta Serviço de Cardiologia, Hospital de Santarém Hipertensão Arterial Importante problema de saúde

Leia mais

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A número 22 - maio/2016 DECISÃO FINAL RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS CROSSLINKING PARA O TRATAMENTO DO CERATOCONE RELATÓRIO

Leia mais

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Roteiro da Apresentação 1. Estrutura da Pesquisa Científica 2. Classificação dos estudos epidemiológicos 3.

Leia mais

Introdução à pesquisa clínica. FACIMED Investigação científica II 5º período Professora Gracian Li Pereira

Introdução à pesquisa clínica. FACIMED Investigação científica II 5º período Professora Gracian Li Pereira Introdução à pesquisa clínica FACIMED 2012.1 Investigação científica II 5º período Professora Gracian Li Pereira Questão de pesquisa x relevância Questão PICO FINER Literatura existente Como fazer? Delineamento

Leia mais

Tipos de Estudos Científicos e Níveis de Evidência

Tipos de Estudos Científicos e Níveis de Evidência Tipos de Estudos Científicos e Níveis de Evidência Francisco Batel Marques, PhD Professor, School of Pharmacy, University of Coimbra Director, CHAD Centro de Avaliação de Tecnologias em Saúde e Investigação

Leia mais

aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle

aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle ACH-1043 Epidemiologia e Microbiologia aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle Helene Mariko Ueno papoula@usp.br Estudo epidemiológico observacional experimental dados agregados dados individuais

Leia mais

HOSPITAL MOINHOS DE VENTO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU: FISIOTERAPIA HOSPITALAR

HOSPITAL MOINHOS DE VENTO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU: FISIOTERAPIA HOSPITALAR HOSPITAL MOINHOS DE VENTO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU: FISIOTERAPIA HOSPITALAR TÍTULO DO TRABALHO Autores (aluno 1, Filippin, LI 2, da Cunha,LS 3 ) 1 Fisioterapeuta, aluna

Leia mais

Rastreamento para Câncer de Pulmão

Rastreamento para Câncer de Pulmão Rastreamento para Câncer de Pulmão Rosana S Rodrigues Coordenadora de Pesquisa - Área de Imagem ID Or Médica Radiologista Hospital Copa D Or e HUCFF/UFRJ Rastreamento anual por TC de baixa dose (LDCT)

Leia mais

Avaliação de tecnologias em saúde (ATS): um guia prático para Gestores

Avaliação de tecnologias em saúde (ATS): um guia prático para Gestores Avaliação de tecnologias em saúde (ATS): um guia prático para Gestores Manual ATS Capa.indd 1 28/5/2010 17:29:44 Manual ATS :: 5 Introdução Segundo o Ministério da Saúde, a Avaliação de Tecnologia em Saúde

Leia mais

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE Paulo Augusto de Arruda Mello Filho INTRODUÇÃO A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença ocular que acomete as regiões da retina e coróide responsáveis

Leia mais

METODOLOGIA DA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA

METODOLOGIA DA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA METODOLOGIA DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA Profª. Dra. Paula Silva de Carvalho Chagas Faculdade de Fisioterapia UFJF Doutora em Ciências da Reabilitação

Leia mais

Curso de Metodologia Científica para Residentes. Luiz Watanabe e Ana Márcia Gaudard

Curso de Metodologia Científica para Residentes. Luiz Watanabe e Ana Márcia Gaudard Curso de Metodologia Científica para Residentes e Preceptores da SES/DF - 2008 Luiz Watanabe e Ana Márcia Gaudard PRÁTICA CLÍNICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS COMO DESENVOLVER UMA ESTRATÉGIA DE BUSCA? EXPLOSÃO

Leia mais

CONHECIMENTO E TECNOLOGIAS* NA ÁREA DA SAÚDE *Tecnologia: qualquer conhecimento organizado e aplicado (Banta) CONSENSO EVIDÊNCIAS

CONHECIMENTO E TECNOLOGIAS* NA ÁREA DA SAÚDE *Tecnologia: qualquer conhecimento organizado e aplicado (Banta) CONSENSO EVIDÊNCIAS CONHECIMENTO E TECNOLOGIAS* NA ÁREA DA SAÚDE *Tecnologia: qualquer conhecimento organizado e aplicado (Banta) CONSENSO EVIDÊNCIAS Classificação de confiabilidade dos resultados de trabalhos científicos

Leia mais

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR).

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Diretriz de tratamento da Catarata Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Participantes: Dr. Armando

Leia mais

Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública

Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública Prevenção e tratamento do VIH/SIDA nos migrantes e não migrantes: alguns aspectos económicos Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública (com a colaboração de Alexandre Carvalho e Helena Vaz, Coordenação

Leia mais

Prática farmacêutica: saúde baseada em evidências

Prática farmacêutica: saúde baseada em evidências Prática farmacêutica: saúde baseada em evidências Comissão de Farmácia Comunitária do CRF-PR Nos últimos anos, os farmacêuticos que atuam em farmácias comunitárias ganharam novas ferramentas de trabalho,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011 (Do Sr. ELISEU PADILHA)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011 (Do Sr. ELISEU PADILHA) PROJETO DE LEI Nº., DE 2011 (Do Sr. ELISEU PADILHA) Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento

Leia mais

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO RESUMO SEPSE PARA SOCESP 2014 1.INTRODUÇÃO Caracterizada pela presença de infecção associada a manifestações sistêmicas, a sepse é uma resposta inflamatória sistêmica à infecção, sendo causa freqüente

Leia mais

Herniorrafia inguinal ou femoral por videolaparoscopia

Herniorrafia inguinal ou femoral por videolaparoscopia V Jornada Nacional de Economia da Saúde II Jornada de Avaliação de Tecnologias em Saúde do IMIP Herniorrafia inguinal ou femoral por videolaparoscopia Enfª Tania Conte, Luiz H. P. Furlan MD, MsC, Marlus

Leia mais

BIOMICROSCOPIA ÓPTICA

BIOMICROSCOPIA ÓPTICA Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Serviço de Oftalmologia Director de Serviço: Dr. António Melo BIOMICROSCOPIA ÓPTICA 15 de Junho de 2012 Catarina Pedrosa, Susana Pina, Ana Azevedo, Cristina Santos,

Leia mais

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016 A incidência de tumores neuroendócrinos (TNE) retais tem aumentado ao longo dos últimos 35 anos. A maioria dos TNEs retais são diagnosticados por acaso, provavelmente devido ao aumento do número de sigmoidoscopias

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

Curso de Formação Avançada em Diabetes

Curso de Formação Avançada em Diabetes Curso de Formação Avançada em Diabetes Fundamentação Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crónica cada vez mais frequente na nossa sociedade. Em 2014 a prevalência estimada da Diabetes na população portuguesa

Leia mais

Picos de pressão intra-ocular: comparação entre curva tensional diária, minicurva e medida da pressão intra-ocular às 6 horas

Picos de pressão intra-ocular: comparação entre curva tensional diária, minicurva e medida da pressão intra-ocular às 6 horas Picos de pressão intra-ocular: comparação entre curva tensional diária, minicurva e medida da pressão intra-ocular às 6 horas Intraocular pressure peaks: comparison between the circadian curve, diurnal

Leia mais

Estudos de avaliação de tecnologias em saúde e a incorporação de novas tecnologias no sistema de saúde

Estudos de avaliação de tecnologias em saúde e a incorporação de novas tecnologias no sistema de saúde ABRES 2014 - XI Encontro Nacional de Economia da Saúde & VI Encontro Latino Americano de Economia da Saúde Estudos de avaliação de tecnologias em saúde e a incorporação de novas tecnologias no sistema

Leia mais

Doenças e Condições Oculares Relacionadas ao Envelhecimento. Enxergue bem durante toda a sua vida

Doenças e Condições Oculares Relacionadas ao Envelhecimento. Enxergue bem durante toda a sua vida Doenças e Condições Oculares Relacionadas ao Envelhecimento Enxergue bem durante toda a sua vida Alterações da visão Talvez você perceba algumas alterações com o envelhecimento. Muitas alterações são comuns

Leia mais

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ESTUDOS DE COORTE 1) Com o objetivo de investigar

Leia mais

PESQUISA CLÍNICA (PESQUISA EM SERES HUMANOS) CNS/Res 196/1996

PESQUISA CLÍNICA (PESQUISA EM SERES HUMANOS) CNS/Res 196/1996 PESQUISA CLÍNICA (PESQUISA EM SERES HUMANOS) CNS/Res 196/1996 Pesquisa que, individual ou coletivamente, envolva o ser humano, de forma direta ou indireta, em sua totalidade ou parte dele, incluindo o

Leia mais

INSTITUI A "CAMPANHA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO DO GLAUCOMA" E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

INSTITUI A CAMPANHA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO DO GLAUCOMA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Projeto de Lei Nº 38/2010 INSTITUI A "CAMPANHA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO DO GLAUCOMA" E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Santa Bárbara d Oeste decreta: Art. 1 - Fica instituída a CAMPANHA MUNICIPAL

Leia mais

Vigilância ativa em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia

Vigilância ativa em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Vigilância ativa em câncer de próstata Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Argumentos que justificam a vigilância ativa como opção terapêutica Câncer de próstata na era do PSA Apresentação clínica

Leia mais

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde Epidemiologia Tipos de Estudos Epidemiológicos Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde TIPOS DE ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Observacionais Experimental x Observacional Relatos de Casos Série de casos Transversal

Leia mais

Projeto Olhar Brasil. Ministério da Saúde / Ministério da Educação

Projeto Olhar Brasil. Ministério da Saúde / Ministério da Educação Projeto Olhar Brasil Ministério da Saúde / Ministério da Educação Fevereiro 2007 Projeto Olhar Brasil Justificativa 30% das crianças em idade escolar e 100% dos adultos com mais de 40 anos apresentam problemas

Leia mais

CAROLINA ROTTILI DAGUANO EFEITO DA MUDANÇA POSTURAL NA PRESSÃO INTRAOCULAR DE CRIANÇAS SAUDÁVEIS DA REGIÃO SUL DO BRASIL - PROJETO GLAUCOMA

CAROLINA ROTTILI DAGUANO EFEITO DA MUDANÇA POSTURAL NA PRESSÃO INTRAOCULAR DE CRIANÇAS SAUDÁVEIS DA REGIÃO SUL DO BRASIL - PROJETO GLAUCOMA CAROLINA ROTTILI DAGUANO EFEITO DA MUDANÇA POSTURAL NA PRESSÃO INTRAOCULAR DE CRIANÇAS SAUDÁVEIS DA REGIÃO SUL DO BRASIL - PROJETO GLAUCOMA Curitiba 2011 Carolina Rottili Daguano Efeito da mudança postural

Leia mais

Debates prós e contras

Debates prós e contras Grupo de interesse especial em medicina de urgências, cuidados intensivos e anestesia Debates prós e contras Trauma medular Uso Corticosteroides Vs Não uso Corticosteroides Nuno Alexandre Universidade

Leia mais

MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6

MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6 MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6 MEDIDA DA OCORRÊNCIA DE EVENTOS COMO DOENÇAS, AGRAVOS À SAÚDE (ACIDENTES, VIOLÊNCIAS) E MORTES. Exemplo: número de pessoas que apresentaram uma dada doença num certo

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal - Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal - Lei nº 5.905/73 Homologado na 401ª ROP, de 18/02/2016 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Câmara Técnica de Saúde e Atenção Básica Câmara Técnica de Urgência e Emergência PARECER TÉCNICO Nº 05/2016 Análise

Leia mais

Uma simples técnica para detectar metrite

Uma simples técnica para detectar metrite Uma simples técnica para detectar metrite Stephanie Stella, Anne Rosi Guadagnin, Angelica Petersen Dias, and Dr. Phil Cardoso Não existem dúvidas que o parto é uma situação estressante para a vaca e seu

Leia mais

Metodologia científica e Medicina Baseada em Evidências Prof. Fernando Monteiro Aarestrup, MD,PhD

Metodologia científica e Medicina Baseada em Evidências Prof. Fernando Monteiro Aarestrup, MD,PhD Metodologia científica e Medicina Baseada em Evidências Prof. Fernando Monteiro Aarestrup, MD,PhD Método científico Se podes medir algo é um fato, se não, é uma opinião Benjamim Cardoso USA Supreme Justice

Leia mais

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero XIII Congresso Brasileiro de Citologia Clínica 03 de julho de 2012 Fábio Russomano IFF/Fiocruz Fábio Russomano Possíveis

Leia mais

FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS ENTENDA MANUAL COMO E POR QUE. RELATAR EventoS AdversoS

FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS ENTENDA MANUAL COMO E POR QUE. RELATAR EventoS AdversoS FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS MANUAL ENTENDA COMO E POR QUE RELATAR EventoS AdversoS Apresentação O desastre da Talidomida no final da década de 50 foi um marco mundial na história da

Leia mais

Monitor de Índice Bispectral (BIS) na Unidade de Terapia Intensiva

Monitor de Índice Bispectral (BIS) na Unidade de Terapia Intensiva V Jornada Nacional de Economia da Saúde II Jornada de Avaliação de Tecnologias em Saúde do IMIP Monitor de Índice Bispectral (BIS) na Unidade de Terapia Intensiva Luiz H. P. Furlan MD, MsC, Enfª Tania

Leia mais

04/07/2014. Apneia do Sono e Hipertensão Resistente Qual a importância?

04/07/2014. Apneia do Sono e Hipertensão Resistente Qual a importância? e Hipertensão arterial resistente (HAR): todo paciente com HAR deve fazer Polissonografia? Gleison Guimarães TE SBPT 2004/TE AMIB 2007 Área de atuação em Medicina do Sono pela SBPT - 2012 Profº Pneumologia

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Assunto: Risco Global Cardiovascular Nº: 06/DSPCS DATA: 18/04/07 Para: Contacto na DGS: Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

GLAUCOMA APÓS CIRURGIA DE CATARATA CONGÉNITA

GLAUCOMA APÓS CIRURGIA DE CATARATA CONGÉNITA GLAUCOMA APÓS CIRURGIA DE CATARATA CONGÉNITA Catarina Pedrosa, Inês Coutinho, Cristina Santos, Mário Ramalho, Susana Pina, Isabel Prieto Estágio de Glaucoma Dr. Esperancinha, Dr. Fernando Vaz, Dr. Paulo

Leia mais

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA).

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). Associa-se frequentemente a alterações funcionais e/ou

Leia mais

O Custo do Mau Controle do Diabetes para a Saúde Pública

O Custo do Mau Controle do Diabetes para a Saúde Pública O Custo do Mau Controle do Diabetes para a Saúde Pública DR. AUGUSTO PIMAZONI NETTO Coordenador dos Grupos de Educação e Controle do Diabetes do Hospital do Rim e Hipertensão da Universidade Federal de

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES Dra Fabrícia de Oliveira Assis Cantadori Cardiologista do HUJM Cuiabá, maio de 2015 UFMT PREVENÇÃO É procurar e utilizar métodos para prevenir doenças e/ou suas complicações,

Leia mais

Notícias do Medscape Medical. Diretrizes de avaliação pré-operatória geriátrica emitidas por ACS/AGS Laurie Barclay, MD

Notícias do Medscape Medical. Diretrizes de avaliação pré-operatória geriátrica emitidas por ACS/AGS Laurie Barclay, MD Notícias do Medscape Medical Diretrizes de avaliação pré-operatória geriátrica emitidas por ACS/AGS Laurie Barclay, MD Em 2 de outubro de 2012, o Colégio Americano de Cirurgiões (ACS) e a Sociedade Americana

Leia mais

Módulo 3: Estatística Básica Usando o SPSS

Módulo 3: Estatística Básica Usando o SPSS Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Projetos Especiais Módulo 3: Estatística Básica Usando o SPSS Professora: Mônica R. Campos (DCS/ENSP - FIOCRUZ)

Leia mais

Produção de projeto de pesquisa na Blossom Educação em Terapia Floral

Produção de projeto de pesquisa na Blossom Educação em Terapia Floral Produção de projeto de pesquisa na Blossom Educação em Terapia Floral Dra. Léia Salles Coordenadora de pesquisa leia.salles@blossomedu.com.br As etapas de uma pesquisa são: Planejamento, execução, divulgação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Cristina Marques de Almeida Holanda¹, Michele Alexandre da Silva². Universidade Federal da Paraíba - UFPB cristinamahd@gmail.com¹, michelebr@live.com

Leia mais

Introdução à Revisão Sistemática

Introdução à Revisão Sistemática Introdução à Revisão Sistemática Rafael Leonardo Vivian rlvivian.uem [at] gmail [dot] com Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Laboratório de Desenvolvimento Distribuído de Software

Leia mais

Desempenho visual na correção de miopia com óculos e lentes de contato gelatinosas

Desempenho visual na correção de miopia com óculos e lentes de contato gelatinosas BRENO BARTH AMARAL DE ANDRADE Desempenho visual na correção de miopia com óculos e lentes de contato gelatinosas Tese apresentada ao Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia da Faculdade de

Leia mais

1 Desenho da investigação. 1.1 Definição e objectivos 1.2 Elementos do desenho

1 Desenho da investigação. 1.1 Definição e objectivos 1.2 Elementos do desenho 1 Desenho da investigação 1.1 Definição e objectivos 1.2 Elementos do desenho Definição: Plano e estrutura do trabalho de investigação; Conjunto de directivas associadas ao tipo de estudo escolhido Objectivos:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Acuidade visual. Crianças. Tabela de Snellen.

PALAVRAS-CHAVE Acuidade visual. Crianças. Tabela de Snellen. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha Controlo e Adesão à Terapêutica Anti-hipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários da Região de Lisboa resultados preliminares do estudo DIMATCH-HTA Verónica Gómez, Milene

Leia mais

10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS

10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS 10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS SOUZA-NETO, José Augusto; FREITAS-JUNIOR, Ruffo; CABERO, Flávia Vidal; FREITAS, Thaís Castanheira; TERRA,

Leia mais

Saúde Baseada em Evidências Tomada de decisões em saúde baseada em evidências. Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS Março 2010

Saúde Baseada em Evidências Tomada de decisões em saúde baseada em evidências. Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS Março 2010 Saúde Baseada em Evidências Tomada de decisões em saúde baseada em evidências Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS Março 2010 O que é Saúde (Medicina) Baseada em Evidências? MBE (SBE) é o uso consciente, explícito

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES Epidemiologia Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2 (duas) questões da prova discursiva.

Leia mais

Avaliação de Tecnologias em Saúde. Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências

Avaliação de Tecnologias em Saúde. Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Assunto: Habib 4X e Habib 4X Laparoscópico Dispositivos para ressecção bipolar Canoas, Julho de 2012. Câmara Técnica de

Leia mais