O 7º CRP E A REDE RODOVIÁRIA NACIONAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O 7º CRP E A REDE RODOVIÁRIA NACIONAL"

Transcrição

1

2 PARCEIROS AUTORIDADES CIDADÃOS CONCERTAÇÃO HARMONIZAÇÃO PROJECTO CONSTRUÇÃO OPERAÇÃO & MANUTENÇÃO

3 ESTRADAS EXISTENTES NA DECADA DE 80 Ausência de zona adjacente à faixa de rodagem Grande ocupação marginal

4 Binding and CONSTRUÇÃO DA REDE RODOVIÁRIA NACIONAL ( ) Subconcessões EP Programa SCUT Adesão à UE PRN2000 PRN85 Além dos novos 4200 km estão em operação cerca de km da rede antiga 2012 Fonte: EP, S.A

5 NOVOS REQUISITOS GEOMÉTRICOS Binding and A24 Via existente TRAÇADOS DISTINTOS EM MEIO NATURAL IDÊNTICO

6 VIADUTOS E OBRAS DE ARTE ESPECIAIS. TÚNEIS Ant Após 2000 A 10 - Cerca de 50% da extensão em viaduto/túnel TIPO Nº L (m) Unidireciona is Túneis da RRN Bidirecionais Viadutos e Obras de Arte Especiais (Percentagem de extensão da via) Fonte : BRISA TODOS Fonte : IMT

7 Binding and OBSERVÂNCIA DOS REQUESITOS AMBIENTAIS Barreira acústica natural Bacia de tratamento de águas de escorrência

8 MELHORIA DA MOBILIDADE E DA ACESSIBILIDADE -40% -40% : EVOLUÇÃO DO TMDA* NA REDE RODOVIÁRIA NACIONAL 7% -50% -45% -42% 1986 e 2004: aumento superior a 2,5 vezes. *Tráfego Médio Diário Anual ponderado aos km da RRN e AE Fonte : EP

9 CONCESSÕES: TMDA TMDA contratos de 16 desempenho TMDA 2009 TMDA 2010 TMDA TMDA * E.P. inclui 7 subconcessões km Fonte: IMT

10 CONCESSÕES: CIRCULAÇÃO EM 2012 Lusoponte 2% Oeste 2% Algarve 1% Beira Interior Interior Norte 1% 1% Norte Litoral 2% Marão 0% Ascendi 6% Estradas de Portugal Brisa Brisa 18% Estradas de Portugal 67% Ascendi Lusoponte Oeste Algarve Beira Interior Interior Norte Norte Litoral Marão Nota: Dados calculados com base nos valores do TMDA 2012 fornecidos pelas concessionárias rodoviárias no âmbito da TRIR 2013 Fonte : IMT

11 DESENVOLVIMENTOS ITS Monitorização do tráfego Portagens eletrónicas

12 Binding and DESENVOLVIMENTOS ITS Operação e Manutenção das Vias Deteção Informação Prevenção Informação de tráfego em tempo real Base de dados de acidentes e-call (situações de emergência) Redução da procura (controlo de acessos) Planeamento de viagem Gestão de frotas e cargas perigosas Reduzir o risco de acidente Alertar para locais de risco acrescido Gerir os incidentes

13 Binding and : EVOLUÇÃO DAS VÍTIMAS MORTAIS (24H) Fonte : ANSR

14 : EVOLUÇÃO DA CIRCULAÇÃO E DAS VÍTIMAS MORTAIS (24H) Milhão de veículos km Mortos Ano Volume de circulação Vítimas mortais Estimativa LNEC-NPTS : a circulação aumentou 3 vezes e as vítimas mortais reduziram em mais de 40% Fonte: LNEC

15 OS CONDUTORES NO CENTRO DAS PREOCUPAÇÕES Aproximadamente 50% dos condutores consideram que o principal factor de insegurança numa autoestrada é o mau estado do pavimento, sendo que apenas 14,4% dos utilizadores sugerem a melhoria do estado do piso. Apesar de, no global a dimensão Estado do Pavimento possuir uma valorização considerada positiva (6,9), existem auto-estradas, com valores médios abaixo dos 6 pontos, numa escala de 1 a 10. Segundo o modelo de Satisfação utilizado, o Estado do Pavimento é a dimensão com maior impacto na Satisfação dos utentes, e como tal, deve ser sempre vista como uma prioridade de actuação, em particular nas auto-estradas pior classificadas.

16 IMPORTÂNCIA DA CONSERVAÇÃO DA REDE (SÉCULO 18)

17 MUITO OBRIGADO

O Programa de PPP e seu Desenvolvimento

O Programa de PPP e seu Desenvolvimento Rui Manteigas Estradas de Portugal, S.A. Direcção de Concessões Diferentes fases de desenvolvimento do sistema rodoviário 1ª Fase 2ª Fase 3ª Fase Maturidade Sector Público Concepção, construção e operação

Leia mais

Da construção à eficiência Um desafio à Segurança Rodoviária

Da construção à eficiência Um desafio à Segurança Rodoviária IX Sessão Técnica Fórum Auditores de Segurança Rodoviária Da construção à eficiência Um desafio à Segurança Rodoviária António Ramalho Presidente EP-Estradas de Portugal, SA Ordem dos Engenheiros, 26 de

Leia mais

Financiamento e Gestão; as Concessões. Manuel Lamego. As concessionárias e os Contratos de Concessão. Concessionárias

Financiamento e Gestão; as Concessões. Manuel Lamego. As concessionárias e os Contratos de Concessão. Concessionárias As concessionárias e os Contratos de Concessão Concessionárias Auto-estradas Concessionadas/Subconcessionadas 1200 1000 800 Total de Concessões/Subconcessões: 25 (sem EP) Total de km de auto-estradas:

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE 2013 SEGURANÇA. RODOVIáRIA COMITÉ PERMANENTE CP 2 AMBIENTE E SEGURANÇA

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE 2013 SEGURANÇA. RODOVIáRIA COMITÉ PERMANENTE CP 2 AMBIENTE E SEGURANÇA ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE 213 SEGURANÇA RODOVIáRIA COMITÉ PERMANENTE CP 2 AMBIENTE E SEGURANÇA índice Índice 213 1. Apresentação 4 2. Caracterização da rede 5 3. Circulação 3.1. Tráfego em 213 6 3.2. Variação

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA COMITÉ PERMANENTE CP 2 AMBIENTE E SEGURANÇA

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA COMITÉ PERMANENTE CP 2 AMBIENTE E SEGURANÇA 14 ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA COMITÉ PERMANENTE CP AMBIENTE E SEGURANÇA ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA 14 índice 1. Apresentação 4. Caracterização da rede 5 3. Circulação

Leia mais

Síntese Projeto Plano de Ação Concessão Costa de Prata - A29

Síntese Projeto Plano de Ação Concessão Costa de Prata - A29 Síntese Projeto Plano de Ação Concessão Costa de Prata A29 2016 Síntese Projeto Plano de Ação Concessão Costa de Prata - A29 Autoestradas da Costa de Prata, S.A. Relatório número: 0101PA317 Data do Relatório:

Leia mais

COMITÉ PERMANENTE CP 2 AMBIENTE E SEGURANÇA ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA 2O1O

COMITÉ PERMANENTE CP 2 AMBIENTE E SEGURANÇA ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA 2O1O COMITÉ PERMANENTE CP 2 AMBIENTE E SEGURANÇA ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA 2O1O 1 2 ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA 2O1O Índice 4 Apresentação 5 Caracterização da rede 8 Circulação

Leia mais

SEGURANCA RODOVIARIA COMITÉ PERMANENTE CP 2 AMBIENTE E SEGURANÇA

SEGURANCA RODOVIARIA COMITÉ PERMANENTE CP 2 AMBIENTE E SEGURANÇA 215 ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE SEGURANCA RODOVIARIA COMITÉ PERMANENTE CP 2 AMBIENTE E SEGURANÇA Associação Portuguesa das Sociedades Concessionárias de Auto-Estradas ou Pontes com Portagens ANUÁRIO ESTATÍSTICO

Leia mais

Novas Perspectivas de Contratação Pública

Novas Perspectivas de Contratação Pública Seminário Tribunal de Contas Novas Perspectivas de Contratação Pública As Empreitadas de Obras Públicas em Contexto de Mudança Sumário I. Rede Rodoviária Nacional II. III. Características Relevantes do

Leia mais

COMITÉ PERMANENTE CP 2 AMBIENTE E SEGURANÇA ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA

COMITÉ PERMANENTE CP 2 AMBIENTE E SEGURANÇA ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA COMITÉ PERMANENTE CP 2 AMBIENTE E SEGURANÇA ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA > 28 COMITÉ PERMANENTE CP 2 AMBIENTE E SEGURANÇA Anuário Estatístico de Segurança Rodoviária > Ano 28 Índice 4 Apresentação

Leia mais

Impacte na Rede de Auto-estradas da Nova Disposição Técnica de Sinalização de Orientação. Ugo Berardinelli Jorge Ferreira

Impacte na Rede de Auto-estradas da Nova Disposição Técnica de Sinalização de Orientação. Ugo Berardinelli Jorge Ferreira Impacte na Rede de Auto-estradas da INDICE 1. Enquadramento: PRN2000 2. Regime de Circulação: Auto-estrada vs Via reservada 3. Eixo A44/A29/A17: Características Gerais 4. Eixo A44/A29/A17: 5. Eixo A44/A29/A17:

Leia mais

DÉCADA DE ACÇÃO PARA A SEGURANÇA RODOVIÁRIA

DÉCADA DE ACÇÃO PARA A SEGURANÇA RODOVIÁRIA DÉCADA DE ACÇÃO PARA A SEGURANÇA RODOVIÁRIA 2011-2020 Gestão da Segurança Rodoviária A Estratégia Nacional Escola Nacional de Saúde Pública, 11 de Maio Paulo Marques Augusto 1965 1966 1967 1968 1969 1970

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO NA UE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ACTUAL 3. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 4. TRANSPORTES ENERGIA E AMBIENTE 5. INFRAESTRUTURAS 6. CONCLUSÕES

Leia mais

O papel da Engenharia Civil na sociedade. Como é que a Engenharia Civil contribui para garantir a segurança da Sociedade?

O papel da Engenharia Civil na sociedade. Como é que a Engenharia Civil contribui para garantir a segurança da Sociedade? O papel da Engenharia Civil na sociedade Como é que a Engenharia Civil contribui para garantir a segurança da Sociedade? Sumário 1. Introdução 2. Áreas de atuação da Engenharia Civil 2.1 Especializações

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º Objecto

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º Objecto DATA: Quarta-feira, 18 de Julho de 2007 NÚMERO: 137 SÉRIE I EMISSOR: Assembleia da República DIPLOMA: Lei n.º 24/2007 SUMÁRIO: Define direitos dos utentes nas vias rodoviárias classificadas como auto-estradas

Leia mais

VII ENCONTRO TÉCNICO MAPAS DE RUÍDO E BARREIRAS ACÚSTICAS

VII ENCONTRO TÉCNICO MAPAS DE RUÍDO E BARREIRAS ACÚSTICAS VII ENCONTRO TÉCNICO MAPAS DE RUÍDO E BARREIRAS ACÚSTICAS Funchal, 2 de Junho de 2005 Rute Roque (isofonia@mail.telepac.pt) 1 1 ELABORAÇÃO DE MAPAS DE RUÍDO MAPA DE RUÍDO - Descritor dos níveis de exposição

Leia mais

INDICADORES. key figures

INDICADORES. key figures 2015 INDICADORES key figures REDE NETWORK 2015 2.942,9 km 2 x 2 2.401,6 km 2 x 3 515,7 km 2 x 4 25,6 km 15.015 16.129 x 10 6 172 64 86 6 Extensão da Rede em Operação Network Length in Operation Extensão

Leia mais

Década de Ação pela. Segurança no Trânsito VEÍCULOS SEGUROS

Década de Ação pela. Segurança no Trânsito VEÍCULOS SEGUROS Década de Ação pela Segurança no Trânsito VEÍCULOS SEGUROS Prof. João M. P. Dias jdias@dem.ist.utl.pt www.dem.ist.utl.pt/acidentes NIAR Núcleo de Acidentes Rodoviários IDMEC Instituto de Engenharia Mecânica

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Parcerias Público-Privadas e Concessões Relatório de 2011 é uma publicação da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças Rua da Alfândega, n.º 5, 1.º 1149-008 Lisboa Telefone: 21 884

Leia mais

Recomenda a intervenção urgente na requalificação do IC2 entre Leiria e Pombal e do IC8 entre Pombal e Ansião

Recomenda a intervenção urgente na requalificação do IC2 entre Leiria e Pombal e do IC8 entre Pombal e Ansião PROJECTO RESOLUÇÃO N.º 879 / XIII/ 2ª Recomenda a intervenção urgente na requalificação do IC2 entre Leiria e Pombal e do IC8 entre Pombal e Ansião EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS São do conhecimento público, as

Leia mais

IX SessãoTécnica: Fórum de Auditores de Segurança Rodoviária. Revisão da Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária Eng.

IX SessãoTécnica: Fórum de Auditores de Segurança Rodoviária. Revisão da Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária Eng. IX SessãoTécnica: Fórum de Auditores de Segurança Rodoviária Revisão da Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária Eng. Jorge Jacob Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária 2009-2015 Metas 62 mortos/milhão

Leia mais

1. Sumário Executivo Enquadramento Legal Reclamações dos Utentes de Infra-Estruturas Rodoviárias... 11

1. Sumário Executivo Enquadramento Legal Reclamações dos Utentes de Infra-Estruturas Rodoviárias... 11 ÍNDICE 1. Sumário Executivo... 3 2. Enquadramento Legal... 5 3. Reclamações dos Utentes de Infra-Estruturas Rodoviárias... 11 3.1. Tipificação de Eventos... 11 3.2. Análise às Reclamações Dirigidas ao

Leia mais

MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO DA A7 E A11

MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO DA A7 E A11 MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO DA A7 E A11 RESUMO NÃO TÉCNICO Equipa Técnica: Luís Conde Santos, Director Técnico Christine Matias, Técnica Superior Catarina Melo, Técnica estagiária Referência: 12_116_MRIT01_RNT01

Leia mais

Desafios em Questões Ambientais: O Ruído e as Externalidades

Desafios em Questões Ambientais: O Ruído e as Externalidades Desafios em Questões Ambientais: O Ruído e as Externalidades CP2 - Ambiente e Segurança Margarida Braga Luis Carlos S. Trabulo INDICE Externalidades 1. Externalidades 2. Ar 3. Ruído 4. Água 5. Fragmentação

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº 483/XI-2ª Cria o Programa de Remoção de Obstáculos e Armadilhas nas vias de circulação rodoviária Preâmbulo Não existindo uma abordagem

Leia mais

CARTA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO GAIA

CARTA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO GAIA Pág. 1 de 17 CARTA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO GAIA Pág. 2 de 17 I INTRODUÇÃO O ruído é um dos principais factores que afectam o ambiente urbano, contribuindo de modo significativo para a degradação da qualidade

Leia mais

Porto 15/05/2014. Jorge Jacob Presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária

Porto 15/05/2014. Jorge Jacob Presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Porto 15/05/2014 Jorge Jacob Presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária SUMÁRIO: Código da Estrada Revisto principais alterações em vigor desde 1 de janeiro de 2014 Panorâmica da sinistralidade

Leia mais

Parceria Público-Privada em Portugal O caso das estradas sem portagem (SCUTs) Rio de Janeiro. 13/Novembro/2003 1

Parceria Público-Privada em Portugal O caso das estradas sem portagem (SCUTs) Rio de Janeiro. 13/Novembro/2003 1 Parceria Público-Privada em Portugal O caso das estradas sem portagem (SCUTs) Rio de Janeiro 13/Novembro/2003 1 A Conjuntura Crescimento económico do país Construção de estradas Aceleração do ritmo de

Leia mais

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Programa Paulista de Concessões Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Foz do Iguaçu, 13 de Maio de 2016 Sobre a ARTESP Criada pela Lei Complementar nº 914,

Leia mais

Evolução da Sinistralidade Rodoviária. A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária

Evolução da Sinistralidade Rodoviária. A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Evolução da Sinistralidade Rodoviária A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária DIMENSÃO DO PROBLEMA Relatório da Organização Mundial de Saúde (WHO) sobre Prevenção Rodoviária (2009) 2004 2030 POS

Leia mais

RISCOS NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS. JORNADAS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Lisboa, 11 de outubro de 2013 JOSÉ ALBERTO FRANCO

RISCOS NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS. JORNADAS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Lisboa, 11 de outubro de 2013 JOSÉ ALBERTO FRANCO RISCOS NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS JORNADAS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Lisboa, 11 de outubro de 2013 JOSÉ ALBERTO FRANCO 1 SEGURANÇA GERAL DO TRANSPORTE DE MERCADORIAS Nos transportes

Leia mais

SISTEMA ANCHIETA IMIGRANTES WORKSHOP LOGÍSTICA FIESP

SISTEMA ANCHIETA IMIGRANTES WORKSHOP LOGÍSTICA FIESP SISTEMA ANCHIETA IMIGRANTES WORKSHOP LOGÍSTICA FIESP Junho/2016 Área de Influência Características Gerais Capacidade Rodoviária Operações Principais Investimentos Realizados Outros Investimentos Investimentos

Leia mais

Amostragem Aleatória Simples. Exercício Resolvido 4

Amostragem Aleatória Simples. Exercício Resolvido 4 Exercício Resolvido 4 Amostragem Aleatória Simples Para dimensionar o pavimento de uma infra-estrutura rodoviária é necessário ter em conta para além de outros factores, o tráfego médio diário anual (TMDA)

Leia mais

Urbanismo,Transportes

Urbanismo,Transportes Urbanismo,s Vias de Comunicação Area de Especialização DEC-FCTUC ÁREAS TEMÁTICAS Ordenamento do Território Urbanismo Vias de Comunicação Tráfego e s Sistemas de Gestão de Cidades e Infraestruturas 2 1

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DO TROÇO IP 3 MORTÁGUA EN228 / RAIVA IC6 RESUMO NÃO TÉCNICO

PLANO DE ACÇÃO DO TROÇO IP 3 MORTÁGUA EN228 / RAIVA IC6 RESUMO NÃO TÉCNICO PLANO DE ACÇÃO DO TROÇO IP 3 MORTÁGUA EN228 / RAIVA IC6 RESUMO NÃO TÉCNICO Abril de 2013 IP 3 - Mortágua (EN 228) / Raiva (IC 6). Resumo do Plano de Acção ÍNDICE DE TEXTO Pág. 1 - CONSIDERAÇÕES GERAIS...

Leia mais

Hinterland Acessibilidades ao Terminal do Barreiro

Hinterland Acessibilidades ao Terminal do Barreiro Hinterland Acessibilidades ao Terminal do Barreiro O futuro faz-se hoje Gare Marítima de Alcântara, 21 de outubro de 2016 Mário Fernandes Diretor de Planeamento da IP Acessibilidades ao Terminal do Barreiro

Leia mais

PROMOVER O INVESTIMENTO E O CRESCIMENTO

PROMOVER O INVESTIMENTO E O CRESCIMENTO PROMOVER O INVESTIMENTO E O CRESCIMENTO António Laranjo Presidente do Conselho de Administração Famalicão 24 de julho de 2017 ÍNDICE 01 PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DAS ÁREAS EMPRESARIAIS 02 REQUALIFICAÇÃO

Leia mais

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE 1 IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE AUDIÊNCIA PÚBLICA OUTRAS INFORMAÇÕES 2266-0369 SMTR www.rio.rj.gov.br 2589-0557 SMO Rio de Janeiro

Leia mais

A problemática das SCUT e a Mobilidade na Região do Algarve. Manuel Margarido Tão, Universidade do Algarve Loulé,

A problemática das SCUT e a Mobilidade na Região do Algarve. Manuel Margarido Tão, Universidade do Algarve Loulé, A problemática das SCUT e a Mobilidade na Região do Algarve Manuel Margarido Tão, Universidade do Algarve Loulé, 19.2.2011 SCUT: Origem e conceito (1) O conceito de Auto-Estrada Livre nasce nos anos 30

Leia mais

Os acidentes rodoviários são um dos riscos tecnológicos mais preocupantes, pois são muito frequentes e uma das principais causas de vítimas mortais.

Os acidentes rodoviários são um dos riscos tecnológicos mais preocupantes, pois são muito frequentes e uma das principais causas de vítimas mortais. ACIDENTES RODOVIÁRIOS Os acidentes rodoviários são um dos riscos tecnológicos mais preocupantes, pois são muito frequentes e uma das principais causas de vítimas mortais. É importante saber que há 3 causas

Leia mais

Semana Nacional do Trânsito

Semana Nacional do Trânsito Semana Nacional do Trânsito Trecho Sul do Rodoanel evita mais de 10 milhões de viagens de veículos pesados na região metropolitana de São Paulo nos últimos 12 meses. De setembro de 2012 a agosto de 2013

Leia mais

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Workshop Regional U.M. BRAGA 10 ABRIL 2012 SUMÁRIO Compromissos Estudos e avaliação Intervenções Financiamento e Cooperação Institucional Desafios para Municípios COMPROMISSOS A

Leia mais

Oferta de Infraestruturas Rodoviárias. Conferência sobre Multimodalidade na Área Metropolitana do Porto

Oferta de Infraestruturas Rodoviárias. Conferência sobre Multimodalidade na Área Metropolitana do Porto Oferta de Infraestruturas Rodoviárias Conferência sobre Multimodalidade na Área Metropolitana do Porto José Serrano Gordo Vice Presidente da EP-Estradas de Portugal, SA Hotel Tiara Porto ISEL, 14 de Novembro

Leia mais

Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta

Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta Estoril, 5 a 7 de Abril 2006 Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta Ana Bastos Silva, Dep. Engª Civil da FCTUC da Universidade de Coimbra João Pedro Silva, Dep. Engª Civil da ESTG, Instituto Politécnico

Leia mais

Boletim Trimestral PPP 4.º Trimestre de U T A P Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos

Boletim Trimestral PPP 4.º Trimestre de U T A P Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos Boletim Trimestral PPP 4.º Trimestre de 2012 U T A P Conteúdos 1. Introdução e enquadramento... 6 2. Factos relevantes... 8 2.1 Constituição e nomeação de comissão de renegociação... 8 2.2 Grupo de Trabalho

Leia mais

Análise da Capacidade e Nível de Serviço com base na metodologia proposta pelo HCM 2000 SECÇÃO CORRENTE

Análise da Capacidade e Nível de Serviço com base na metodologia proposta pelo HCM 2000 SECÇÃO CORRENTE Análise da Capacidade e Nível de Serviço com base na metodologia proposta pelo HCM 2000 SECÇÃO CORRENTE AUTO-ESTRADAS 1 CAPACIDADE E NÍVEL DE SERVIÇO CAPACIDADE numa secção rodoviária é o máximo valor

Leia mais

Relatório de Reclamações 2008

Relatório de Reclamações 2008 Relatório de Reclamações 2008 Lisboa, 2009 Disponível em www.inir.pt Índice 1. Nota Introdutória... 4 2. Monitorização das Reclamações... 7 2.1. Enquadramento... 7 2.2. Tipificação de Eventos... 9 2.3.

Leia mais

Autónomos Desafios à Infraestrutura

Autónomos Desafios à Infraestrutura Autónomos Desafios à Infraestrutura Autonomous Driving and the Impact on Traffic Safety LISBOA outubro de 2016 Direção de Marketing Estratégico Departamento de Mobilidade e Clientes Unidade de Estudos

Leia mais

Transportes Rodoviários Pesados de Passageiros

Transportes Rodoviários Pesados de Passageiros Transportes Rodoviários Pesados de Passageiros Que políticas para o Sector? Seminário Transporte Rodoviário Transportes & Negócios Sumário O sector dos transportes Principais problemas do sector Conclusões

Leia mais

PROJETO DE NORMA NIE 3

PROJETO DE NORMA NIE 3 SERVICE LEVELS OF OPERATIONAL CAPACITY OF A ROAD NIVEAUX DE SERVICE DE CAPACITÉ D'EXPLOITATION D'UNE ROUTE ÍNDICE Art.º 1º Preâmbulo... 2 Art.º 2º Campo de aplicação... 2 Art.º 3º Referências normativas...

Leia mais

Barlavento Algarvio Fase 1: Caracterização e Diagnóstico

Barlavento Algarvio Fase 1: Caracterização e Diagnóstico Barlavento Algarvio Fase 1: Caracterização e Diagnóstico Enquadramento Territórios distintos em termos de povoamento, demografia, economia e orografia: Municípios de cariz mais rural e com problemas de

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO INFRAESTRUTURAL DA GUINÉ BISSAU NO PROCESSO DA INTEGRAÇÃO SUB REGIONAL

CONTRIBUIÇÃO INFRAESTRUTURAL DA GUINÉ BISSAU NO PROCESSO DA INTEGRAÇÃO SUB REGIONAL CONTRIBUIÇÃO INFRAESTRUTURAL DA GUINÉ BISSAU NO PROCESSO DA INTEGRAÇÃO SUB REGIONAL 2º Congresso dos Engenheiros da Lingua Portuguesa Macau, 27-29 de Novembro de 2014 Engº Jose Antonio da Cruz Almeida

Leia mais

INDICADORES. key figures

INDICADORES. key figures 2014 INDICADORES key figures REDE NETWORK 2014 2.942,9 km 2 x 2 2.401,6 km 2 x 3 515,7 km 2 x 4 25,6 km 14.092 15.137 x 10 6 172 59 90 7 Extensão da Rede em Operação Network Length in Operation Extensão

Leia mais

TÚNEIS RODOVIÁRIOS QUALIDADE DO AR

TÚNEIS RODOVIÁRIOS QUALIDADE DO AR TÚNEIS RODOVIÁRIOS QUALIDADE DO AR Jorge Saraiva Ter o tráfego rodoviário em túneis é dispôr de uma oportunidade para contribuir para a Qualidade do Ar (QA). De facto, isto pode significar remover fontes

Leia mais

PROJECTO DE ALTERAÇÃO DE POSTURA MUNICIPAL DE TRÂNSITO DE OLVEIRA DE AZEMÉIS. Preâmbulo

PROJECTO DE ALTERAÇÃO DE POSTURA MUNICIPAL DE TRÂNSITO DE OLVEIRA DE AZEMÉIS. Preâmbulo PROJECTO DE ALTERAÇÃO DE POSTURA MUNICIPAL DE TRÂNSITO DE OLVEIRA DE AZEMÉIS Preâmbulo A presente proposta de alteração da Postura Municipal de Trânsito, aprovada em Assembleia de Câmara de 15 de Junho

Leia mais

Gestão Pública ou Gestão Privada? Álvaro Costa

Gestão Pública ou Gestão Privada? Álvaro Costa Seminário Transportes e Negócios Transporte Rodoviário Painel Transportes Públicos em Portugal O que há a fazer? Gestão Pública ou Gestão Privada? Álvaro Costa PORTO.26.MAIO.2011 Estrutura 1. Enquadramento

Leia mais

Urbanismo,Transportes Vias de Comunicação Area de Especialização DEC-FCTUC

Urbanismo,Transportes Vias de Comunicação Area de Especialização DEC-FCTUC Urbanismo,s Vias de Comunicação Area de Especialização DEC-FCTUC UTVC Urbanismo,s e Vias de Comunicação ÁREAS TEMÁTICAS Tráfego e s Vias de Comunicação Sistemas de Gestão de Cidades e Infraestruturas Urbanismo

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 73/XIII/1.ª DETERMINA A ISENÇÃO DE PORTAGENS NA A22 (VIA DO INFANTE)

PROJETO DE LEI N.º 73/XIII/1.ª DETERMINA A ISENÇÃO DE PORTAGENS NA A22 (VIA DO INFANTE) Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 73/XIII/1.ª DETERMINA A ISENÇÃO DE PORTAGENS NA A22 (VIA DO INFANTE) Exposição de motivos No dia 8 de dezembro de 2015 completaram-se 4 anos sobre a introdução de portagens

Leia mais

BOLETIM MENSAL Nº 44 MARÇO DE LOULÉ Uma Nova Dinâmica para a Mobilidade Sustentável

BOLETIM MENSAL Nº 44 MARÇO DE LOULÉ Uma Nova Dinâmica para a Mobilidade Sustentável BOLETIM MENSAL Nº 44 MARÇO DE 2017 LOULÉ Uma Nova Dinâmica para a Mobilidade Sustentável BOAS PRÁTICAS EM MUNICÍPIOS ECOXXI Um município ECOXXI evidencia um conjunto de políticas, práticas e ações conducentes

Leia mais

INDICADORES KEY FIGURES

INDICADORES KEY FIGURES INDICADORES KEY FIGURES 2013 INDICADORES 2013 key figures REDE NETWORK 2013 2.942,6 km 2 x 2 2.401,1 km 2 x 3 515,9 km 2 x 4 25,6 km 134,9 km 13.853 14.174 x 10 6 km 171 63 90 7 Extensão da Rede em Operação

Leia mais

Avaliação Estratégica e Planeamento da Rede Rodoviária: Reflexões em torno de perspectivas futuras

Avaliação Estratégica e Planeamento da Rede Rodoviária: Reflexões em torno de perspectivas futuras Avaliação Estratégica e Planeamento da Rede Rodoviária: Reflexões em torno de perspectivas futuras José Meliço,, Ana Cristina Martins, Paula Rodrigues Abril 2006 TÓPICOS DA APRESENTAÇÃO 1. O PLANO RODOVIÁRIO

Leia mais

Apresentação Transversal - MPT

Apresentação Transversal - MPT Apresentação Transversal - MPT Acessibilidade de peões/ ciclistas e espaço público Predominância do TI; As deslocações pedonais no território algarvio nem sempre têm posição de destaque; Quota modal das

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DOS TRANSPORTES. Infraestruturas Rodoviárias ANÁLISE FACE AOS OBJETIVOS DO AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO E DO CRESCIMENTO

PLANO ESTRATÉGICO DOS TRANSPORTES. Infraestruturas Rodoviárias ANÁLISE FACE AOS OBJETIVOS DO AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO E DO CRESCIMENTO Jorge Zúniga Santo, Engenheiro Civil Ordem dos Engenheiros O PET é um instrumento das Grandes Opções do Plano para 2012-2015 1. ENQUADRAMENTO Endividamento elevadíssimo da Estradas de Portugal, SA para

Leia mais

MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO DA A4, VRI, A41 E A42

MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO DA A4, VRI, A41 E A42 MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO DA A4, VRI, A41 E A42 RESUMO NÃO TÉCNICO Equipa Técnica: Luís Conde Santos, Director Técnico Christine Matias, Técnica Superior Catarina Melo, Técnica Referência: 12_115_MRIT01_RNT01

Leia mais

Informações Trimestrais Comentários Sobre o Desempenho - 1º trimestre Principais Destaques

Informações Trimestrais Comentários Sobre o Desempenho - 1º trimestre Principais Destaques Informações Trimestrais Comentários Sobre o Desempenho - 1º trimestre 2012 As informações financeiras e operacionais abaixo, exceto onde indicado em contrário, são apresentadas de acordo com a Legislação

Leia mais

1- O Estacionamento e a Circulação

1- O Estacionamento e a Circulação 1- O Estacionamento e a Circulação "Quando se estuda um sistema de tráfego urbano as principais funções a analisar são a circulação e o estacionamento, por corresponderem aos aspectos em que se concentram

Leia mais

IV CONGRESSO RODOVIÁRIO PORTUGUÊS POLÍTICAS E PROGRAMAS DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O RISCO DE ACIDENTES EM DIFERENTES PAÍSES EUROPEUS

IV CONGRESSO RODOVIÁRIO PORTUGUÊS POLÍTICAS E PROGRAMAS DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O RISCO DE ACIDENTES EM DIFERENTES PAÍSES EUROPEUS POLÍTICAS E PROGRAMAS DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O RISCO DE ACIDENTES EM DIFERENTES PAÍSES EUROPEUS IV CONGRESSO Por António Lemonde de Macedo Sandra Vieira Gomes João Lourenço Cardoso RODOVIÁRIO

Leia mais

A excelência no serviço Brisa

A excelência no serviço Brisa A excelência no serviço Brisa IV Congresso Rodoviário Português A excelência no serviço É um objectivo estratégico da Brisa Por razões de sustentabilidade Não por ser moda ou por retórica Rota única para

Leia mais

INSPEÇÕES DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA PROCEDIMENTO DE IMPLEMENTAÇÃO NA ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A.

INSPEÇÕES DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA PROCEDIMENTO DE IMPLEMENTAÇÃO NA ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. INSPEÇÕES DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA PROCEDIMENTO DE IMPLEMENTAÇÃO NA ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. Carlos Malva Ferreira 1, César Augusto Cristo Silvestre 1, Manuel Cordeiro Fernandes 1, Paula Cristina de Oliveira

Leia mais

O TÚNEL FAIAL/CORTADO (MADEIRA)

O TÚNEL FAIAL/CORTADO (MADEIRA) O TÚNEL FAIAL/CORTADO (MADEIRA) SRES MADEIRA Eng.º Carlos Bandeira Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias I - INTRODUÇÃO A mobilidade das pessoas

Leia mais

Teste n.º 3 Tema V. Vias de trânsito, condições ambientais adversas

Teste n.º 3 Tema V. Vias de trânsito, condições ambientais adversas Teste n.º 3 Tema V Vias de trânsito, condições ambientais adversas 1 O que se entende por via de trânsito? Via de comunicação terrestre do domínio privado aberta ao trânsito público. Via de tráfego resultante

Leia mais

ICTs and improving road safety

ICTs and improving road safety ICTs and improving road safety 17 de Maio de 2013 Fundação Portuguesa das Comunicações Patrocinadores Globais APDSI Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária- O Papel das TICs no seu desenvolvimento

Leia mais

1. NOTA INTRODUTÓRIA RECLAMAÇÕES DOS UTENTES DE INFRA-ESTRUTURAS RODOVIÁRIAS TIPIFICAÇÃO DE EVENTOS... 10

1. NOTA INTRODUTÓRIA RECLAMAÇÕES DOS UTENTES DE INFRA-ESTRUTURAS RODOVIÁRIAS TIPIFICAÇÃO DE EVENTOS... 10 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 4 2. RECLAMAÇÕES DOS UTENTES DE INFRA-ESTRUTURAS RODOVIÁRIAS... 10 2.1. TIPIFICAÇÃO DE EVENTOS... 10 2.2. ANÁLISE DAS RECLAMAÇÕES DIRIGIDAS AO INIR... 12 2.3. LEI DO UTENTE...

Leia mais

1. NOTA INTRODUTÓRIA RECLAMAÇÕES DOS UTENTES DE INFRA-ESTRUTURAS RODOVIÁRIAS TIPIFICAÇÃO DE EVENTOS... 10

1. NOTA INTRODUTÓRIA RECLAMAÇÕES DOS UTENTES DE INFRA-ESTRUTURAS RODOVIÁRIAS TIPIFICAÇÃO DE EVENTOS... 10 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 4 2. RECLAMAÇÕES DOS UTENTES DE INFRA-ESTRUTURAS RODOVIÁRIAS... 10 2.1. TIPIFICAÇÃO DE EVENTOS... 10 2.2. ANÁLISE DAS RECLAMAÇÕES DIRIGIDAS AO INIR... 12 2.3. LEI DO UTENTE...

Leia mais

Relatório de Monitorização da Rede Rodoviária Nacional 2010

Relatório de Monitorização da Rede Rodoviária Nacional 2010 Relatório de Monitorização da Rede Rodoviária Nacional 2010 FICHA TÉCNICA Título: Relatório de Monitorização da Rede Rodoviária Nacional - 2010 Edição: 2011 Editor: Instituto de Infra-estruturas Rodoviárias,

Leia mais

Implantação e Pavimentação da BR-285/RS/SC Obras e Programas Ambientais. Traçando novos horizontes

Implantação e Pavimentação da BR-285/RS/SC Obras e Programas Ambientais. Traçando novos horizontes Implantação e Pavimentação da BR-285/RS/SC Obras e Programas Ambientais Traçando novos horizontes Vídeo Serra da Rocinha antes das obras Fontes: www.youtube.com/watch?v=v9baakzbi2c, www.youtube.com/watch?v=86fmlmrf3fi,

Leia mais

1. Introdução. 2. Objetivos. Geral. Específicos

1. Introdução. 2. Objetivos. Geral. Específicos 0 1. Introdução O crescimento da morbimortalidade pelos acidentes envolvendo motociclistas nos últimos dez anos é uma realidade, conhecida pelos dados divulgados pelas instituições de trânsito, transporte

Leia mais

Habitação em Portugal: evolução e tendências.

Habitação em Portugal: evolução e tendências. Habitação em Portugal: evolução e tendências João Branco Lisboa http://portugalfotografiaaerea.blogspot.pt/search/label/arcos%20de%20valdevez Sumário Introdução 1. Publicação 2. Estrutura e conteúdo da

Leia mais

BRISA Concessão Rodoviária, S.A.

BRISA Concessão Rodoviária, S.A. BRISA Concessão Rodoviária, S.A. Sede: Quinta da Torre da Aguilha, Edifício BRISA, São Domingos de Rana Capital social: EUR 75 000 000, matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Cascais, sob

Leia mais

Administração, Segurança e Território

Administração, Segurança e Território Administração, Segurança e Território trabalho elaborado por:ana Martins 1 Actuação/regulação da Autarquia As autarquias tem o dever de : Manter os pavimentos em bom estado (Tapar os buracos, alcatroar

Leia mais

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE Diagnóstico Perturbações na fluidez Grandes dimensões Manobras lentas Raio de giro restrito Remoção difícil em caso de

Leia mais

DÍVIDA CONSOLIDADA DO ESTADO FINANÇAS PÚBLICAS E SUSTENTABILIDADE DAS. Fernando Ulrich

DÍVIDA CONSOLIDADA DO ESTADO FINANÇAS PÚBLICAS E SUSTENTABILIDADE DAS. Fernando Ulrich Assembleia da República Comissão de Orçamento e Finanças COLÓQUIO SOBRE DÍVIDA PÚBLICA DÍVIDA CONSOLIDADA DO ESTADO E SUSTENTABILIDADE DAS FINANÇAS PÚBLICAS Fernando Ulrich Presidente da Comissão Executiva

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO

INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA LABORATÓRIO DE ACÚSTICA MAPA DE RUÍDO PARA O CONCELHO DE VILA VELHA DE RÓDÃO (Resumo não-técnico) Direcção Técnica: Prof. Doutor Paulo

Leia mais

Sustainable Mobility

Sustainable Mobility Sustainable Mobility Sustainable Mobility A mobilidade é um dos maiores desafios das cidades. Simultaneamente é também uma oportunidade para combinar uma resposta eficiente aos desafios colocados pelas

Leia mais

Ccent. 43/2010 BRISA-ASCENDI / VIA VERDE. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent. 43/2010 BRISA-ASCENDI / VIA VERDE. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 43/2010 BRISA-ASCENDI / VIA VERDE Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 12/11/2010 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DA SINISTRALIDADE NO CORREDOR LISBOA CASCAIS ( )

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DA SINISTRALIDADE NO CORREDOR LISBOA CASCAIS ( ) ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DA SINISTRALIDADE NO CORREDOR LISBOA CASCAIS (1988-1997) SANDRA VIEIRA GOMES ENGENHEIRA, BOLSEIRA DE INVESTIGAÇÃO DO LNEC JOÃO LOURENÇO CARDOSO ENGENHEIRO, INVESTIGADOR PRINCIPAL DO

Leia mais

BRISA AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A.

BRISA AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. BRISA AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. A2 AUTO-ESTRADA DO SUL SUBLANÇOS ALMADA / FOGUETEIRO / COINA / PALMELA / NÓ A2-A12 / MARATECA / NÓ A2-A6-A13 / ALCÁCER DO SAL / GRÂNDOLA NORTE / GRÂNDOLA SUL MAPA

Leia mais

Despacho n.º 07/2010

Despacho n.º 07/2010 Despacho n.º 07/2010 Em 26 de Julho de 2004 foi aprovado o Decreto-Lei n.º 30/2004 que visa estabelecer o regime jurídico dos transportes colectivos urbanos de passageiros com vista a impor ordem e disciplina

Leia mais

EDUARDO FUNG COORDENADOR DE PROJECTOS DA COBA,S.A. E DIRECTOR TÉCNICO DA CONSULSTRADA ANTÓNIO QUINTÃO, COLABORADOR DA COBA, S.A.

EDUARDO FUNG COORDENADOR DE PROJECTOS DA COBA,S.A. E DIRECTOR TÉCNICO DA CONSULSTRADA ANTÓNIO QUINTÃO, COLABORADOR DA COBA, S.A. EDUARDO FUNG COORDENADOR DE PROJECTOS DA COBA,S.A. E DIRECTOR TÉCNICO DA CONSULSTRADA ANTÓNIO QUINTÃO, COLABORADOR DA COBA, S.A. RESUMO Tem-se vindo a assistir nos últimos anos ao desenvolvimento da exploração

Leia mais

A Importância das Inspeções de Segurança Rodoviária na Redução da Sinistralidade

A Importância das Inspeções de Segurança Rodoviária na Redução da Sinistralidade A Importância das Inspeções de Segurança Rodoviária na Redução da Sinistralidade Paulo Gil Mota 1 1 Fórum dos Auditores de Segurança Rodoviária, Alameda dos Oceanos, Lote 1,02.1.1 T 32, 1990-203, Lisboa,

Leia mais

ACESSIBILIDADES ENTRE A A26 E CAMINHOS RURAIS

ACESSIBILIDADES ENTRE A A26 E CAMINHOS RURAIS ACESSIBILIDADES ENTRE A A26 E CAMINHOS RURAIS 2014/02/21 Acessibilidades a caminhos rurais Levantamento fotográfico geográfico das condições de acessibilidade a caminhos rurais interrompidos e/ou danificados

Leia mais

EMTA Barometer Nome da Região e Cidade: Organismos responsáveis pelo preenchimento: Área Metropolitana de Lisboa (Lisboa)

EMTA Barometer Nome da Região e Cidade: Organismos responsáveis pelo preenchimento: Área Metropolitana de Lisboa (Lisboa) Nome da Região e Cidade: Organismos responsáveis pelo preenchimento: AML, GPERI, IMTT* * (IMTT) Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, (GPERI) Gabinete de Planeamento Estratégico e Relações

Leia mais

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE Inicialmente, o que é BRT? O BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus, é um sistema de transporte coletivo de passageiros

Leia mais

Serviços de Transportes Inteligentes nas infraestruturas rodoviárias

Serviços de Transportes Inteligentes nas infraestruturas rodoviárias no âmbito do Seminário T&N - Transporte Rodoviário Porto, 18 de junho Serviços de Transportes Inteligentes nas infraestruturas rodoviárias pedro.barradas@inir.pt conteúdos Enquadramento Melhor mobilidade

Leia mais

MOTA-ENGIL ENGENHARIA INTELLIGENT TRANSPORT SYSTEMS

MOTA-ENGIL ENGENHARIA INTELLIGENT TRANSPORT SYSTEMS MOTA-ENGIL ENGENHARIA INTELLIGENT TRANSPORT SYSTEMS A Mota-Engil Engenharia é líder destacada em Portugal na sua área de atuação, encontrando-se muito bem posicionada na rota de expansão à escala internacional.

Leia mais

Aliança para a prevenção rodoviária

Aliança para a prevenção rodoviária Aliança para a prevenção rodoviária 1 Aliança para a prevenção rodoviária O número de vítimas mortais resultante de acidentes rodoviários em Portugal continua a ser preocupante. Apesar da gravidade atribuída

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO-43-2016-01 PRIORIDADES DE INVESTIMENTOS: 4.5 (4e) PROMOÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE BAIXO TEOR DE CARBONO

Leia mais

O processo de AIA no planeamento e construção de infra-estruturas de transportes Parte II - Casos de Estudo

O processo de AIA no planeamento e construção de infra-estruturas de transportes Parte II - Casos de Estudo O processo de AIA no planeamento e construção de infra-estruturas de transportes Parte II - Casos de Estudo Teórico rico-práticas: : Filipe Moura 1 Enquadramento na Génese de IA Decisões primárias (localizações,

Leia mais