Proteção de Redes de Distribuição Aérea Primária GERÊNCIA DE ENGENHARIA DE ESTUDOS, PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO. Eng o. Dener Pioli

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proteção de Redes de Distribuição Aérea Primária GERÊNCIA DE ENGENHARIA DE ESTUDOS, PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO. Eng o. Dener Pioli"

Transcrição

1 ND Proteção de Redes de Distribuição Aérea Primária NORMA TÉCNICA VICE-PRESIDÊNCIA TÉCNICA DIRETORIA DE ENGENHARIA GERÊNCIA DE ENGENHARIA DE ESTUDOS, PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO AUTOR: COLABORADORES: APROVADO: DATA: Eng o. Dener Pioli Eng os - E. Vicentini A. Monteiro H.G. Bueno F.R.Sassaki R.B. Queiroga Eng o. Douglas Camargo AGOSTO/2004

2 Página 1 de 190 ÍNDICE 1. RESUMO 2. TERMINOLOGIA BÁSICA 3. INTRODUÇÃO 4. CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO 4.1. Subestação de Distribuição (ETD) 4.2. Circuito de Distribuição 4.3. Níveis Máximos de Curto-Circuitos Trifásicos na Barra das ETDs 4.4. Níveis Básicos de Isolamento (NBI) 5. CONCEITOS BÁSICOS DE PROTEÇÃO 5.1. Relé ou dispositivo de proteção 5.2. Sistema de proteção 5.3. Zona de proteção 5.4. Sensibilidade 5.5. Seletividade 5.6. Coordenação 5.7. Metodologia de coordenação de proteção 6. ASPECTOS GERAIS DOS SISTEMAS DE PROTEÇÃO 6.1. Desempenho de um sistema de proteção 6.2. Tipos de falta 6.3. Magnetude das correntes de falta 6.4. Equipamentos de proteção 6.5. Locação dos equipamentos de proteção 6.6. Coordenação e ajustes dos equipamentos de proteção 7. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO ESTUDO 7.1. Coleta de dados 7.2. Locação dos elementos de proteção 7.3. Impedâncias do sistema 7.4. Cálculo das correntes de curto-circuito 7.5. Elaboração do diagrama unifilar para estudos 7.6. Estudos de coordenação

3 Página 2 de EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 8.1. Chave Fusível ou Corta-circuito 8.2. Religador Automático 8.3. Seccionalizadores 8.4. Relé de Sobrecorrente 9. LOCAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 9.1. Geral 9.2. Critérios para Localização dos Elementos de Proteção 10. CALCULO DAS CORRENTES DE CURTO-CIRCUITO Geral Dados para o Cálculo das Correntes de Curto-circuito Obtenção do Diagrama de impedâncias de Seqüência Positiva Obtenção das Correntes de Curto-Circuito Obtenção das Correntes de Curto-Circuito Fase-Fase - Valor Simétrico Obtenção das Correntes de Curto-Circuito Fase-Terra - Valor Simétrico Obtenção das Correntes de Curto-Circuito para Circuitos Bifásicos e Monofásicos Representação de Outros Tipos de Transformadores em uso no Sistema da Eletropaulo para Cálculo das Correntes de Curto-Circuito Obtenção das Correntes de Curto-CircuIto - Valor Assimétrico Exemplo de Aplicação 11. CRITÉRIOS PARA AJUSTES DOS DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO Fusível Religador automático Relé de sobrecorrente 12. COORDENAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Geral 12.2.Coordenação Relé - Elo Fusível Coordenação Relé-Religador 12.4.Coordenação Religador-Fusível 12.5.Coordenação Religador-Religador 12.6.Coordenação Religador-Seccionalizador 12.7.Coordenação Religador-Seccionalizador-ELO Fusível Critérios para Coordenação de Elos Fusíveis Coordenação das Proteções de Entradas Primárias (EP) Critérios para Proteção de Banco de Capacitores 13. BIBLIOGRAFIA

4 Página 3 de 190 1) OBJETIVO Esta norma tem por objetivo fixar critérios e metodologias para estudo de proteção contra sobrecorrentes nas redes de distribuição aérea primária. Deve ser aplicada nos projetos de ampliação, melhoria das redes ou conexão de cargas, visando garantir a adequada continuidade de fornecimento aos consumidores, bem como minimizar os danos aos equipamentos devidos às correntes de falta. Em sua aplicação poderá ser necessário consultar as seguintes publicações: PND 2.2: Projeto de redes de distribuição aérea primária: PND 2.1: Projeto de redes de distribuição aérea secundaria: PND 3.2: Compensação de reativos e regulação de tensão em redes de distribuição aérea primária.

5 Página 4 de 190 2) TERMINOLOGIA BÁSICA a) Elementos Componentes da Rede Primária Rede Primária Conjunto qualquer de circuitos primários alimentados por uma ou mais ETDs. Circuito Primário Parte da rede elétrica destinada a alimentas diretamente ou por intermédio de ramais ou sub-ramais as cargas elétricas conectadas a ETs, IPs e EPs, termos estes a seguir definidos. Estação Transformadora de Distribuição (ETD) Subestação alimentada em tensão de transmissão/sub-transmissão, através da qual são alimentados os circuitos de distribuição primária. Estação Transformadora Subestação aérea constituída de um ou mais transformadores de distribuição, alimentados em tensão primária, dos quais são derivados os circuitos de distribuição secundária. Estação Transformadora de Iluminação Pública (IP) Subestação aérea tipo ET pata serviço de iluminação pública. Entrada Primária (EP) Consumidor alimentado em tensão primária. Tronco de Alimentador Circuito primário principal, alimentado através de uma ETD, do qual podem ser derivados para distribuição de energia elétrica. Ramal de Alimentador (Ramal) Parte de um circuito primário derivado diretamente de um ramal de alimentador.

6 Página 5 de 190 b) Termos Gerais para Estudo de Proteção Falta ou Falha Termo que se aplica a todo fenômeno acidental que impede o funcionamento de um sistema ou equipamento elétrico. Curto-circuito Ligação intencional ou acidental entre dois ou mais pontos de um circuito, através de impedância desprezível, estando tais pontos com potenciais diferentes. Sobrecorrente Intensidade de corrente superior à máxima permitida para um sistema, equipamento elétrico ou componente. Seqüência de Operação de Religamento (Seqüência de Operação) Sucessão de desligamentos e religamentos de um equipamento na tentativa de eliminar faltas de natureza transitória, visando a continuidade de serviço do sistema. c) Equipamento de Proteção Elo Fusível Elemento sensível a sobrecorrente incorporado às chaves fusíveis que em conjunto com os mesmos podem interromper os circuitos elétricos para determinadas magnitudes de corrente. Chave Fusível (ou Corta Circuito) Dispositivo constituído de um porta-fusível e outras partes que tem como função a abertura do circuito na ocorrência de sobrecargas anormais. Religador Automático Dispositivo destinado a interromper e efetuar religamentos nos circuitos de distribuição primária com características de operação rápida e/ou temporizada.

7 Página 6 de 190 Seccionalizador Automático Dispositivo projetado para operar de forma coordenada em conjunto com religadores automáticos ou mesmo com disjuntores equipados com relé de religamento. Relé de Sobrecorrente Dispositivo destinado a operar de forma rápida ou temporizada na ocorrência de sobrecorrentes anormais nos circuitos de distribuição. Os relés de sobrecorrente atuam sobre os circuitos de disparo nos disjuntores das ETDs que por sua vez interrompem os circuitos faltosos. 3. INTRODUÇÃO A definição do esquema de proteção para um sistema elétrico deve ser efetuada com base em um estudo cuidadoso. É necessário conhecer profundamente as características operacionais dos equipamentos, as solicitações normais causadas pelo carregamento devido aos consumidores, bem como aquelas oriundas das falhas. Além disso, é indispensável levar em consideração a continuidade de fornecimento na rede e nas restrições econômicas. Os requisitos da adequada proteção aos equipamentos, da boa continuidade de serviço e do custo adequado ao do sistema de distribuição em estudo, freqüentemente se revelam incompatíveis entre si. Dessa forma, o estudo da proteção exige a adoção de soluções de compromisso entre as exigências acima, visando obtenção da melhor relação entre os benefícios técnicos. Os custos referentes ao esquema adotado. Esta norma apresenta os critérios e métodos para a definição do esquema de proteção contra sobrecorrente, sendo a proteção contra sobretensões abordada na PND-2.1: Projetos de Redes de Distribuição Aérea Primaria. A estruturação aqui adotada é a seguinte:

8 Página 7 de CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE DISTRIBUÍÇÃO Subestação de Distribuição (ETD) As subestações recebem energia dos sistemas de transmissão/subtransmissão e abaixam o nível de ter tensões para as tensões de distribuição primária: a. 34,5 kv b. 23,0 kv c. 13,2 kv d. 3,8 kv As relações de transformação e tipos de ligação dos enrolamentos dos transformadores da ETDs são os seguintes: Relação de Transformação Tipo de Ligação Entre os Enrolamentos 88/34,5 kv Triângulo/Estrela Aterrada ou Triângulo/Triângulo + Trafo de Aterramento 88/23,0 kv Triângulo/Estrela Aterrada 88/23,0 kv Estrela/Triângulo + Trafo de Aterramento 88/13,8 kv Triângulo/ Estrela Aterrada 88/13,8 kv Triângulo/ Estrela Aterrada 138/13.8 kv Estrela/Triângulo/Estrela Aterrada 345/34.5 kv Estrela/Triângulo + Trafo de Aterramento 4.1. Circuitos de Distribuição a) Tipo do circuito quanto ao número de fases e número de condutores: - Circuito trifásico a 4 fios sendo o neutro contínuo, multi-aterrado e interligado à malha da ETD: - Circuitos monofásicos com neutro contínuo, multi-aterrado e interligado à malha da ETD: - Circuitos bifásicos com neutro contínuo, multi-aterrado e interligado à malha da ETD.

9 Página 8 de 190 b) Condutores Utilizados nos Circuitos Aéreos: - Condutores de fase: Cabo tipo CAA ou CA nas bitolas 1/0 AWG, 3/0 AWG e 336,4 MCM, 556 MCM, 240mm 2, 300mm 2 - Condutores de Neutro: Cabo tipo CA ou CAA nas bitolas 1/0 e 3/ Níveis Máximos de Curtos-circuitos Trifásicos nas Barras das ETDs. Deverão ser obtidos para cada caso os níveis de curto-circuito para as tensões nominais e condições normais de operação Níveis Básicos de Isolamentos (NBI) A tabela 2.2 apresenta os níveis básicos de isolamento exigidos nos equipamentos do sistema de distribuição: TENSÃO (kv) 3,8 13, ,5 NBI (kv) /200 Tabela Níveis Básicos de Isolamento dos Equipamentos 5. Conceitos Básicos de Proteção 5.1. Relé e/ou Dispositivos de Proteção São equipamentos especialmente projetados e devidamente aplicados para detectar condições anormais, indesejáveis ou intoleráveis nos sistema elétrico e prever simultânea ou parcialmente: Pronta remoção de serviço (desligamento) dos componentes sob falta, ou dos componentes sujeitos a danos, ou ainda dos componentes que de alguma forma possam interferir na efetiva operação do restante do sistema. Acionamentos e comandos complementares para se garantir confiabilidade, rapidez e seletividade na sua função. Sinalizações ou alarmes identificando sua operação e o trecho sob falha

10 Página 9 de Sistema de Proteção: Conjunto de relés, dispositivos de proteção, sistemas de fontes auxiliares, circuitos de comandos, disjuntores, TCs, TPs, etc. que associados tem a finalidade de proteger componentes ou partes do sistema elétrico sob os efeitos das falhas que provocam insuportabilidade termo-dinâmica, por sobrecorrentes ou sobretensões 5.3. Zona de Proteção Trecho compreendido de um sistema elétrico no qual esta protegido por um ou mais elementos de proteção 5.4. Sensibilidade: Capacidade que um dispositivo de proteção tem, em identificar uma condição de falta de variações indesejáveis de grandezas elétricas préestabelecidas. Exemplo: Relé de Sobrecorrente Ssc = Icc min / (K x I AJ ) > 1 Onde: Ssc = Fator de sensibilidade Icc min = Corrente de curto-circuito mínima I AJ = Corrente de disparo do relé K = Fator de segurança 5.5. Seletividade: Capacidade de dois dispositivos de proteção não atuarem simultaneamente para uma falta dentro da intensão de suas zonas de proteção.

11 Página 10 de Coordenação: Condição de dois ou mais equipamentos de proteção operarem numa determinada ordem ou seqüência de operação, pré estabelecida. Exemplo: Falta transitória Elimina a falta no menor tempo possível Falta permanente Isolar o maior trecho possível Metodologia de Coordenação de Proteção: Conjunto de procedimentos que tem como objetivo principal a orientação para a execução de um estudo de proteção, visando o melhor desempenho dos equipamentos de proteção, qualidade e continuidade no fornecimento de energia elétrica Tipos de sistemas a) Sistema coordenado Interrupções de curta duração para falhas transitórias Menor trecho interrompido para faltas permanentes CURVA DE NEUTRO CURVA DE FASE CURVA DO ELO FUSÍVEL INST. DE NEUTRO INST. DE FASE Exemplo de sistema coordenado

12 Página 11 de 190 b) Sistema seletivo Menor trecho interrompido para faltas transitórias ou permanentes CURVA DE NEUTRO CURVA DE FASE CURVA DO ELO FUSÍVEL INST. DE NEUTRO INST. DE FASE Exemplo de sistema seletivo

13 Página 12 de 190 c) Sistema combinado Consiste no agrupamento do sistema coordenado com o sistema seletivo num mesmo circuito CURVA DE NEUTRO CURVA DE FASE CURVAS DE ELOS FUSÍVEIS CURVA DE NEUTRO RELIGADOR CURVA DE FASE RELIGADOR INST. DE NEUTRO INST. DE FASE Exemplo de sistema combinado 6. ASPECTOS GERAIS DOS SISTEMAS DE PROTEÇÃO 6.1. Desempenho de um Esquema de Proteção. Em sistemas aéreos de distribuição os esquemas de proteção deverão atender aos seguintes aspectos: - Proteção de materiais e equipamentos contra danos causados por correntes de curtos-circuitos ou sobrecargas anormais: - Melhoria da confiabilidade da rede aérea de modo que na ocorrência de uma falta, as proteções atuem de seletivamente e num tempo satisfatório de modo a minimizar o número de consumidores atingidos; - Racionalização dos custos do esquema de proteção.

14 Página 13 de Tipos de Faltas Os tipos de falta em sistemas trifásicos encontram-se representados na Figura 3.1 e 3.2 para transformadores com ligação triângulo/estrela aterrada e triângulo/triângulo + transformador de aterramento, respectivamente.

15 Página 14 de 190 Figura 6.1

16 Página 15 de 190 Figura 6.2

17 Página 16 de Magnitude das Correntes de Falta A magnitude das correntes de falta á obtida através da metodologia para cálculo das correntes de curto-circuito apresentada no Capítulo 10 desta norma. Basicamente os níveis de curto-circuito dependerão dos seguintes pontos: - Distância da ocorrência do defeito em relação a ETD: - Tipo de falha - Potência de curto-circuito do sistema de transmissão/sub-transmissão que alimenta a ETD; - Impedâncias do transformados da ETD e do transformador de aterramento; impedância de aterramento; - Características dos condutores do tronco de alimentador, ramais e subramais; - Contribuição das fontes de curto-circuito existentes, instaladas nos consumidores, tais como motores síncronos e assíncronos de potência nominal ele vada Equipamentos de Proteção Os equipamentos de proteção utilizados nas redes aéreas de distribuição são basicamente: - Chave fusível, elo fusível; - Religador automático; - Seccionalizador automático; - Relé de sobrecorrente. A função e características principais de cada equipamento de proteção encontram-se descritas no capítulo 5 deste manual.

18 Página 17 de Locação dos Equipamentos de Proteção A locação dos equipamentos de proteção deve objetivar basicamente os seguintes pontos: - minimizar o número de consumidores atingidos na ocorrência de faltas sistema de distribuição primária; no - possibilitar condições de religamento do sistema em tempo programado, na ocorrência de faltas transitórias; - na ocorrência de defeitos permanentes no sistema, restringir o desligamento apenas ao ramal defeituoso, permitindo continuidade de serviço ou religamento dos demais ramais ou troncos de alimentadores; - estabelecer esquemas de proteção econômicos em função das particularidades de cada sistema de distribuição primária, tais como: Tipos de carga Importância dos consumidores Densidade dos alimentadores ou ramais Trajeto dos circuitos por zonas de risco Os circuitos para locação dos equipamentos de proteção são apresentados no capítulo 6 desta norma Coordenação e Ajustes dos Equipamentos de Proteção As características de atuação dos equipamentos proteção deverão ser escolhidas e ajustadas de modo a: - Proporcionar desligamentos seletivos dos circuitos elétricos na ocorrência de sobrecorrentes anormais, minimizando o número de consumidores atingidos por tais desligamentos. - Garantir que os limites de suportabilidade térmica dos vários equipamentos da rede aérea não sejam ultrapassados durante a ocorrência de sobrecorrentes anormais. - Os critérios de coordenação e ajustes dos equipamentos de proteção são apresentados no capítulo 8 desta norma.

19 Página 18 de ROTEIRO PARA ELABORACÃO DO ESTUDO. Etapas do Estudo A elaboração de um estudo de proteção pode ser dividida nas seguintes etapas: 7.1. Coleta de dados 7.2. Locação dos elementos de proteção 7.3. Obtenção das impedâncias de seqüências positivas e de seqüência zero 7.4. Cálculo das correntes de curto-circuito 7.5. Elaboração de diagrama unifilar para o estudo de coordenação de proteção; 7.6. Estudo de coordenação da proteção 7.1. Na fase de coleta de dados será elaborado um diagrama unifilar básico em formato A3 intitulado DIAGRAMA UNIFILAR BÁSICO DADOS PARA ESTUDO DE PROTEÇÃO, que deverá conter no mínimo as seguintes informações: a) Nome e designação da ETD ou ETDs que alimentarão o sistema distribuição. b) Tensão nominal do sistema de transmissão/subtransmissão V1 (kv) c) Tensão nominal do sistema de distribuição V2 (kv). d) Potências de curto-circuito do sistema de transmissão/subtransmissão: - Scc3φ (MVA) trifásico - SccφT (MVA) fase-terra e) Características técnicas dos transformadores abaixadores que alimentarão os circuitos de distribuição em estudo: - Potência nominal ST (MVA); - Tipo de ligação entre os enrolamentos de tensão superior; - Tipo de ligação entre o enrolamento de tensão inferior; - Tensão nominal de enrolamento de tensão superior VT1 (kv); - Tensão nominal de enrolamento de tensão inferior VT2 (kv);

20 Página 19 de Tensão nominal do enrolamento de tensão intermediária caso o transformador possua três enrolamentos VT3 (kv); - Impedância percentual ou de curto-circuito: ZT (%) Entre os enrolamentos de tensão superior e os enrolamentos de tensão inferior, no caso de transformadores de dois enrolamentos; ZT12 (%), ZT23 (%) e ZT13 (%) entre os enrolamentos de tensão superior e inferior (ZT12), entre os enrolamentos de tensão inferior e intermediária (ZT23) e entre os enrolamentos de tensão superior e intermediária (ZT13), no caso de transformadores de três enrolamentos. f) Características técnicas dos transformadores de aterramento: - Potência nominal - STA (MVA); - Tensão nominal - VTA (KV); - Impedância percentual ou de curto-circuito: ZTA (%) ou em ohms. g) Características técnicas dos condutores aéreos de cada tronco de alimentados, ramal ou sub-ramal pertinentes aos circuitos de distribuição em estudo: Condutores de Fase: - Tipo de conduto; - Bitola (AWG) ou secção transversal padronizada em milímetros quadrados (ABNT). - Extensão dos ramos (km) - Impedância equivalente dos condutores Z1 em (ohms/km) por fase. Condutores de Neutro: - Tipo de condutor - Bitola do condutor (AWG) ou secção transversal padronizada (ABNT) - Tipo de aterramento do neutro - Impedâncias equivalentes dos condutores de neutro em função do tipo de circuito de distribuição primária e da resistividade média do solo Zn (ohms/km) por fase. h) Dados das entradas primárias: - Ponto de conexão ao circuito de distribuição primária - Demanda máxima (KW) - Potência instalada (KVA)

21 Página 20 de Número e características técnicas principais dos transformadores instalados: Potência nominal (KVA) Impedância percentual (%) Relação de transformação Grupo de ligação do transformador Designação (*) para consumidores classificados como especiais - Tipos de cargas: Motores C.A. (síncronos ou assíncronos) Acionamentos em corrente contínua Fornos elétricos Iluminação Aquecimento Outros Previsão de ampliação para um horizonte de 5 anos. i) Estação Transformadora (ETs): - Ponto de conexão - Tipo do transformador: trifásico ou monofásico - Potencial nominal - Grupo de ligação j) Designação dos pontos relevantes do circuito através de números: - Barras das ETDs - Derivação dos troncos de alimentadores em ramais e destes em sub-ramais - Pontos de conexão das EPs e ETs k) Previsão de expansão do sistema Na figura 7.1 encontra-se representado um diagrama unifilar básico resumindo os dados básicos para o estudo de proteção.

22 Página 21 de 190 Figura 7.1

23 Página 22 de 190 Fases Seguintes Após a coleta dos dados iniciais, a seqüência de etapas será: 7.2. Locação dos equipamentos de proteção Com base nas considerações do Capítulo 9, deverão ser locados os equipamentos de proteção no diagrama unifilar para estudo de coordenação de proteções Obtenção das impedâncias de seqüência positiva e seqüência zero: Com base nas considerações do capítulo 10 deverão ser obtidos em ohms os valores das impedâncias de seqüência positiva e seqüência zero Cálculo dos níveis de curto-circuito Com base nas considerações deverão ser calculadas para os pontos relevantes dos circuitos: - Icc3φ - corrente de curto-circuito trifásico (A) - Iccφφ - corrente de curto-circuito fase-fase (A) - Iccφφ - T Corrente de curto-circuito fase-fase-terra ( A) - IccφTmáx - Corrente de curto-circuito fase-terra máxima (A) - IccφTmín - Corrente de curto-circuito fase-fase-terra mínima (A) Serão considerados pontos relevantes do circuito de distribuição: - Barras das ETDs de nível de tensão de distribuição primária: - Derivações dos troncos de alimentadores; - Derivações dos ramais; - Derivações dos sub-ramais; - Conexões das entradas primárias (EPs): - Conexões das estações transformadoras (ETs): - Terminações dos circuitos de distribuição

24 Página 23 de Elaboração de diagrama unifil ar intitulado "DIAGRAMA UNIFILAR PARA ESTUDO DA COORDENAÇÃO DAS PROTEÇÕES" que deverá conter as seguintes informações: - Traçado básico dos circuitos de distribuição primária; - Designação das ETDs, consumidores primários e estações transformadoras; - Indicação das correntes nominais (valores máximos) previstos ara os troncos de alimentadores, ramais e sub-ramais. - Indicação das correntes de curto-circuito para os pontos relevantes do circuito com base na seguinte convenção: Icc3φ IccφTmax IccφTmin Iccφφ IccφφT Curto-circuito trifásico Curto-circuito fase-terra máximo Curto-circuito fase-terra mínimo Curto-circuito fase-fase Curto-circuito fase-fase-terra 7.5. Estudo de coordenação das proteções Com base nas informações obtidas no diagrama unifilar para estudo da coordenação das proteções e nos critérios prescritos no Capítulo 8 serão escolhidos os valores nominais dos equipamentos de proteção assim como o ajuste das características de atuação dos mesmos. Terminada a fase de estudo da coordenação, os valores nominais e ajustes das características de atuação dos elementos de proteção deverão ser registrados em diagrama unifilar denominado "DIAGRAMA UNIFILAR GERAL". Os valores nominais e características de atuação dos equipamentos de proteção deverão ser registrados nas folhas de controle para o respectivo sistema em estudo.

25 Página 24 de 190 Figura 7.2

26 Página 25 de EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Chave Fusível ou Corta Circuito Requisitos Técnicos Principais. - Corrente nominal. Deverá ser superior a 150% do valor nominal do elo fusível a ser instalado na mesma. - Capacidade de interrupção Deverá ser igual ou superior a máxima corrente ASSIMÉTRICA de curtocircuito no ponto da instalação, calculada conforme critérios do Capítulo 7. - Dispositivo para abertura em carga Visando possibilitar o desligamento de ramais sem necessidade de prejudicar o fornecimento de energia a outros consumidores Ligados no mesmo circuito, deverão ser utilizadas chaves fusíveis equipadas com dispositivo para abertura em carga. Características Técnicas Principais das Chaves Fusíveis. Para sistemas trifásicos a quatro fios com neutro multiaterrado, as chaves fusíveis possuem as características técnicas principais resumidas na tabela 8.2 Tensão Nominal do Sistema (kv) Máxima Tensão de Projeto (kv) NBI (kv) Corrente Nominal (A) Capacidade de Interrupção Assimétrica (A) 3,8 5, / , / / , Tabela 8.2

27 Página 26 de Características Técnicas Principais dos Elos Fusíveis Os elos utilizados para proteção das redes aéreas primárias são os do tipo T, cujas correntes nominais e curvas características encontram-se representados nas figuras abaixo : CLASSE A FUSÍVEIS TIPO T FL.02/04 Figura 8.2A Fusível Tipo T

28 Página 27 de As curvas características dos elos fusíveis são as t (tempo) x I (corrente) que representam o tempo necessário para a fusão do elo em função da corrente passante. Tais curvas características representam curvas médias obtidas pelos fabricantes através de ensaios sob condições pré-determinadas. - As curvas características são fornecidas através de uma região de pontos e desligamento, delimitada pela curva de fusão (tempo mínimo) e pela curva de fusão (tempo total). CLASSE B FUSÍVEIS TIPO T FL.03/04 Figura 8.2B Fusível Tipo T

29 Página 28 de Critérios Básicos para a Escolha da Capacidade do Elo Fusível - Corresponder no mínimo a 150% da máxima corrente de carga medida ou convenientemente avaliada no ponto de locação considerado. - No caso do sistema com neutro multi-aterrado: a) Circuitos Monofásicos Corresponder no máximo a 35% do valor da corrente de curtocircuito fase-terra no fim do ramal b) Circuitos Bifásicos ou Trifásicos Corresponder no máximo a 45% do valor da corrente de curtocircuito fase-fase no fim do ramal. Nos cas os a e b acima, deve-se considerar, se possível, o trecho para o qual o elo fusível é proteção de retaguarda Religador Automático Definições Gerais - Princípio de Funcionamento Quando um religador detecta uma condição anormal de sobrecorrente, o mesmo interrompe tal corrente através da abertura de seus contatos. Os contatos são mantidos abertos durante um determinado tempo, chamado tempo de religamento, após o qual se fecham automaticamente para reenergização do circuito. Se no instante do fechamento dos contatos (religamento), a condição anormal de sobrecorrente persistir, a seqüência abertura/fechamento é repetida até quatro vezes consecutivas. Após a quarta abertura, os contatos do religador ficam abertos e travados, sendo que o novo fechamento só poderá ser manual. C aso o defeito desapareça após o primeiro, segundo, terceiro ou quarto disparo, o mecanismo rearma-se-á automaticamente tornando o religador a pto a realizar novamente a seqüência completa de quatro operações. - Seqüência de Operações A s operações de um religador de quatro operações podem ser combinadas nas seguintes seqüências:

30 Página 29 de 190 a. Uma rápida e três retardadas; b. Duas rápidas e duas retardadas; c. Três rápidas e uma retardada; d. Todas rápidas; e. Todas retardadas Condições Básicas para Instalação de Religadores A instalação de religadores requer que as seguintes condições sejam satisfeitas: a) A corrente nominal da bobina série deve ser igual ou maior que a corrente máxima de carga no ponto considerado para instalação do religador. O critério para determinação da máxima carga no ponto de locação deverá incluir: d) Condições usuais de manobra; e) Limites da capacidade do cabo (tronco ou ramal); f) Previsão de crescimento de carga. b) A capacidade de interrupção deve ser maior que a máxima corrente de curto-circuito trifásica calculada no ponto de sua instalação. c) A corrente de curto-circuito máxima assimétrica no ponto da instalação, deverá ser menor que a corrente do religador. d) Corrente de disparo da bobina série: - Deverá ser menor que a mínima corrente de curto-circuito fasefase, no casa do religador possuir disparos para faltas a terra; ou - Deverá ser menor que a mínima corrente de curto-circuito no trecho protegido quando o religador não possuir sistema de disparo para faltas à terra. e) A corrente de disparo para faltas à terra deverá ser menor que a mínima corrente de curto-circuito fase-terra na zona de proteção e maior que a máxima corrente de desequilíbrio admitida para o sistema, considerando a queima de um ou mais fusíveis no lado da carga. Icmáx <Idn<Icc f) Como regra geral as correntes de disparo devem ser menores do que as correntes de curto-circuito na zona de proteção do equipamento, incluindo, sempre que possível, os trechos a serem adicionados quando se realizarem manobras consideradas usuais.

31 Página 30 de 190 g) Caso o critério de inclusão de trechos sob manobras acarretar coordenação insatisfatória entre as proteções do sistema, devido a sensibilidade das bobinas de disparo ser reduzida, tal condição não deverá ser considerada no dimensionamento tais bobinas. h) O religador deverá ser equipado com dispositivo de proteção para à terra compatível com o tipo de aterramento do sistema: - Solidamente aterrado; - Aterramento através de impedância; - Isolado. i) Tensão nominal da bobina de fechamento ou de potencial deve ser igual à tensão entre fases do sistema. j) Demais características do religador, tais como: tensão nominal, freqüência nominal e NBI, deverão ser compatíveis com os valores do sistema onde for instalado. k) Seqüência de operações recomendada: - Duas rápidas e duas temporizadas no caso de não existir seccionalizador em série com fusível no lado da carga; - Em caso contrário recomenda-se uma operação rápida e três operações temporizadas; - Em casos especiais, conforme a necessidade de coordenação entre as proteções, a seqüência de operações para faltas entre fases poderá ser diferente da seqüência de operações para faltas à terra; g) - Em casos especiais pode ser utilizado um número operações menor do que quatro. A Figura 8.3 ilustra as seqüências de operações acima descritas na ocorrência de uma falta.

32 Página 31 de 190 Figura 8.3

33 Página 32 de Tipos e Características Técnicas Primárias dos Religadores Utilizados pela Empresa Na tabela 8.3A e 8.2B encontram-se os dados técnicos dos religadores utilizados pela empresa. CONVENCIONAIS Tipo Religadores Automáticos Nº de Fases VNOM (kv) KF 3 14,4 110 Vácuo R 3 14,4 100 Óleo RV 3 24,4 150 INOM (A) NBI Bob. Bob. Bob. Câmara (kv) Série Terra Série Óleo , , IMIN de Interrup. (A) Bob. Terra , ,5 110 Capacidade de Interrupção L 1 14,4 110 Óleo SEV 3 14,4 110 Vácuo ESV 3 24,0 150 Vácuo Pa ra tais religadores os valores das correntes das bobinas série e terra poderão ser escolhidos independentemente, por exemplo, ao fixar-se 100 A para bobina de um rel igador tipo kf, pode-se escolher a bobina terra com corrente nominal de 140 A, 100 A ou 70 A MICROPROCESSADOS - GVR Tabela 8.3A CARACTER ÍSTICAS ESPECÍFIC AS ÃO TENS C O R PARÂMETROS W&B Religador Tipo GVR GVR GVR GVR Nominal 15 kv 15kV 27 kv 38 kv mínima de operação (1) Não se aplica Não se aplica Não se aplica Não se aplica suportável de impulso atmosférico 110 kv 110 kv para onda padrão de 1,2 x 50 micro s suportável a freqüência nominal a seco durante 1 minuto. 50 Kv 50 kv suportável a freqüência nominal sob 50Kv 50kV chuva durante 1 minuto. Nominal A (2) 560/630 A 560/630 A 560/630 A 560/630 A

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-017 PROTEÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-017 PROTEÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-017 PROTEÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. DEFINIÇÕES... 1 2.1. Falta... 1 2.2. Falta Momentânea ou Transitória... 1 2.3. Falta Sustentada ou Permanente...

Leia mais

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária Elaborado por: Eng. Dener Pioli Gerencia de Engenharia de Automação e Proteção Aprovado por: Sergio

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição:

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição: Capítulo2 CHAVE-FUÍVEI PARA PROTEÇÃO DE ALIMENTADORE E TRANFORMADORE 2.1 Introdução Classicamente, os sistemas de distribuição primários, aéreos, trifásicos e aterrados, constituídos por condutores nus,

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES A6. Dispositivos Eletrônicos Inteligentes IED s (Relés Microprocessados) A6.1 Introdução Esta especificação técnica tem como objetivo estabelecer

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios

Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios Revisão 03 12/2014 NORMA ND.62 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejamento e

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

Proteção de Redes Aéreas de Distribuição

Proteção de Redes Aéreas de Distribuição Proteção de Redes Aéreas de Distribuição Revisão 02 07/2014 NORMA ND.78 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejamento e Operação Rua Ary Antenor

Leia mais

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS Análise de Circuitos Contatores/Relés Aula 02 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Sobrecarga

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

Kyle Distribution Switchgear. ...a proteção que faltava para seu sistema.

Kyle Distribution Switchgear. ...a proteção que faltava para seu sistema. Kyle Distribution Switchgear...a proteção que faltava para seu sistema. Confiabilidade do Sistema Além das Expectativas Complete o quebra-cabeças do seu sistema de proteção com o Relé para Religador Form

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 42BEspecificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva 38BEngetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: Hwww.engetron.com.br

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 36 Fusível NH Zonasde Atuação 224 A Fusível NH Zonasde Atuação 355 A 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 37 5 Proteção e Coordenação

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGA DE CÁLCULO SUBESTAÇÕES DE 5kV Elaborado por Carlos Alberto Oliveira Júnior Maio 26 ÍNDCE. Obtenção dos dados...2.. Documentos necessários...2.2. Dados necessários...2 2. Cálculo

Leia mais

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. 1 2 ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. A energia é o núcleo dos acontecimentos,

Leia mais

Metodologia de Proteção e Análise de Impacto no Sistema Elétrico

Metodologia de Proteção e Análise de Impacto no Sistema Elétrico Metodologia de Proteção e Análise de Impacto no Sistema Elétrico NT 07 05 008 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. DEFINIÇÕES 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

Proteção dos transformadores Parte I

Proteção dos transformadores Parte I 26 Capítulo IX Proteção dos transformadores Parte I Por Cláudio Mardegan* Normas e guias Para o desenvolvimento deste capítulo, proteção dos transformadores, as seguintes normas/guias foram consideradas:

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES 11 DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES 11.1 INTRODUÇÃO Freqüentemente os projetos e as instalações de engenharia elétrica de potência apresentam um ou mais equipamentos elétricos, instalados ao longo

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Dispositivos de Proteção de CCM

Dispositivos de Proteção de CCM 58 Dispositivos de Proteção de CCM Elaborado por Weberton Eller, Thiago Ribeiro, Gilberto Marques e Allan Souto A utilização dos centros de controle de motores (CCM) é bastante comum nas indústrias, em

Leia mais

Tabela de Funções Ansi

Tabela de Funções Ansi Tabela de Funções Ansi A ANSI visando a padronização dos códigos das funções de proteções, criou uma tabela de códigos com das funções de proteção. Na verdade, esta tabela veio da ASA e posteriormente

Leia mais

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Solução Integrada para Instalações em Alvenaria O kit de entrada em média tensão VBWK

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DA SUBESTAÇÃO ELÉTRICA ELÉTRICO-SUBESTAÇÃO ABRIGADA 2MVA 1/6 NOVO FÓRUM DA

Leia mais

Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Índice. Título Aqui. Seção 1 Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Seção 2 Disjuntor Padrão 3AE

Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Índice. Título Aqui. Seção 1 Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Seção 2 Disjuntor Padrão 3AE Disjuntores a Vácuo Descrição Disjuntores a Vácuo Título Aqui Índice Seção 1 Disjuntores a Vácuo Descrição Seção 2 Disjuntor Padrão 3AE Seção 3 Módulo Deslizante 3AE Anexo Siemens AG 2005 Disjuntores a

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP PROCESSO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS TERMO DE REFERÊNCIA 005/2011 - DOP AQUISIÇÃO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES; RELÉS MULTIFUNCIONAIS

Leia mais

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral DISPOSITIVOS DE COMANDO Índice 1 Objetivo... 1 2... 1 2.1 Generalidades......

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

CURSO: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

CURSO: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS CURSO: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO DE: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS DIRIGIDO À Engenheiros

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Produtos de Média Tensão. Is-limiter Limitador de corrente extra rápido

Produtos de Média Tensão. Is-limiter Limitador de corrente extra rápido Produtos de Média Tensão Is-limiter Limitador de corrente extra rápido Is-limiter O limitador de corrente extra rápido reduz os custos das instalações resolve problemas de curto-circuito em instalações

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Tecnologia Inversor: Freqüência de saída Capacidade de sobrecarga: Fusíveis de Proteção: Proteção da Bateria:

Tecnologia Inversor: Freqüência de saída Capacidade de sobrecarga: Fusíveis de Proteção: Proteção da Bateria: Sistema de proteção e fornecimento de energia elétrica ininterrupto, com tempo limitado a capacidade das baterias, autonomia de 10 (dez) minutos em plena carga, capacidade de 30KVA, 24.000W, entrada e

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

7 - CORRENTES DE FALTA

7 - CORRENTES DE FALTA 36 7 - CORRENTES DE FALTA Toda instalação elétrica está sujeita a defeitos que proporcionam altas correntes elétricas, as denominadas correntes de falta. Sempre da ocorrência de uma falta, os dispositivos

Leia mais

REQUISITOS DE COMISSIONAMENTO. O Programa de Atuações deverá conter no mínimo as seguintes verificações, onde aplicável:

REQUISITOS DE COMISSIONAMENTO. O Programa de Atuações deverá conter no mínimo as seguintes verificações, onde aplicável: REQUISITOS DE COMISSIONAMENTO Deverá ser elaborado um Programa de Atuações para o comissionamento das subestações que será aprovado pela Cemig. O Programa de Atuações deverá conter no mínimo as seguintes

Leia mais

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp Plus foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014 Questão 1 Conhecimentos Específicos Técnico em Eletrotécnica Um forno elétrico industrial de 100 kw/440v trifásico é acionado diariamente por cerca de 5 horas e 12 minutos. O consumo mensal (30 dias) de

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET Especificação Técnica 1. Objeto Aquisição de 1 (um) NOBREAK DE POTÊNCIA 5 kva Obs.: Os atributos técnicos abaixo relacionados são de atendimento obrigatório. A nomenclatura

Leia mais

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Nível de Óleo para Transformadores e reatores MNO, é um equipamento microprocessado de alta precisão que indica o nível de óleo em escala

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O 2 PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O CÓDIGO DO CARGO/VAGA: V0013 1) Considere um transformador

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

Monitor de Temperatura M96

Monitor de Temperatura M96 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura M96 foi desenvolvido para supervisionar até 8 (oito) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 SIPLUX E SIVACON S4

Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 SIPLUX E SIVACON S4 Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 SIPLUX E SIVACON S4 Painéis de distribuição e Centro de Controle de Motores para todas as aplicações em Baixa Tensão. O que se espera de um painel de Baixa tensão?

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul PAPER 1/5 Título Plano de instalação de religadores AES Sul Registro Nº: (Resumo) SJBV7283 Autores do paper Nome País e-mail Angelica Silva AES Sul Brasil angelica.silva@aes.com Flavio Silva AES Sul Brasil

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

Fontes CC. Principais características. www.supplier.ind.br

Fontes CC. Principais características. www.supplier.ind.br A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

Universidade São Francisco Itatiba Engenharia Elétrica Sistema de Proteção da Rede de Distribuição de Energia Elétrica

Universidade São Francisco Itatiba Engenharia Elétrica Sistema de Proteção da Rede de Distribuição de Energia Elétrica Universidade São Francisco Itatiba Engenharia Elétrica Sistema de Proteção da Rede de Distribuição de Energia Elétrica Daniel Maciel Leme Márcio Aparecido da Cunha Tadeu Armando Pitocco Wellington Cornetto

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

Capítulo X Proteção de transformadores Parte II

Capítulo X Proteção de transformadores Parte II 30 Capítulo X Proteção de transformadores Parte II Por Cláudio Mardegan* No capítulo anterior, iniciamos o estudo sobre proteção dos transformadores. Na primeira parte, falamos sobre normas, guias de consulta

Leia mais

Reduzindo os Religamentos Automáticos em Redes de Distribuição. Eng. Elves Fernandes da Silva

Reduzindo os Religamentos Automáticos em Redes de Distribuição. Eng. Elves Fernandes da Silva 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Reduzindo os Religamentos Automáticos em Redes de Distribuição Eng. Dilson Andrade de Sousa Eng. Elves Fernandes da Silva Eng. Ricardo Cordeiro de Oliveira

Leia mais

O que é uma Sobreintensidade?

O que é uma Sobreintensidade? O que é uma Sobreintensidade? Uma sobreintesidade é uma corrente de intensidade superior à nominal. Para este efeito, a intensidade de corrente máxima admissível num condutor é considerada como a sua intensidade

Leia mais

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt 26 Capítulo XIII Proteção de Bancos de Capacitores Shunt Por Cláudio Mardegan* A utilização de bancos de capacitores em sistemas elétricos industriais tem crescido ultimamente devido ao fato de se constituir

Leia mais

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNVERSDADE FEDERAL DE JUZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f.

Leia mais

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br 1. INTRODUÇÃO A representação dos circuitos de comando de motores elétricos é feita normalmente

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

PAINÉIS COMPACTOS DE MÉDIA TENSÃO SÉRIE BEPAC MINISYS

PAINÉIS COMPACTOS DE MÉDIA TENSÃO SÉRIE BEPAC MINISYS PAINÉIS COMPACTOS DE MÉDIA TENSÃO SÉRIE BEPAC MINISYS IND. E COM. S./A MATRIZ Rua Cantagalo, 2187-03319-901 - Tatuapé - São Paulo - SP Fone: (011) 2942-4500 - Fax: (011) 2294-9371 - ligação gratuíta -

Leia mais

Submódulo 2.6. Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações

Submódulo 2.6. Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações Submódulo 2.6 Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 Este documento foi

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R substitui a R02 e visa estabelecer instruções técnicas para

Leia mais

LINHA VOLT/X-POWER. Catalogo Produto 600 700 1200 1400VA. Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda

LINHA VOLT/X-POWER. Catalogo Produto 600 700 1200 1400VA. Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Catalogo Produto LINHA VOLT/X-POWER 600 700 1200 1400VA Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: www.engetron.com.br As informações contidas neste

Leia mais

38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE

38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE 38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE PROTEÇÃO ELÉTRICA VISTA COMO EFICIÊNICA ENERGÉTICA RICARDO DANIELI ZANIN 1 RENATO PESSANHA SANTOS 1 EDISON LUIZ MENDES 1 (1) Endereço: TME SANASA Rua Abolição, 180 Bairro:

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

Perfil. Proteções. Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão. 10 a 100 kva

Perfil. Proteções. Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão. 10 a 100 kva 10 a 100 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas de 10 a 50KVA de 60 a 100KVA Perfil Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão A linha de nobreaks SMS Sinus Triphases

Leia mais

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola)

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola) Supervisão de parada de emergência e monitoramento de portas Supervisão de sensores de segurança magnéticos codificados Entrada para 1 ou 2 canais Categoria de Segurança até 4 conforme EN 954-1 Para aplicações

Leia mais

ANTEPROJETO DA SE-UFRJ 138 13,8 kv. Haroldo Ennes dos Santos Junior

ANTEPROJETO DA SE-UFRJ 138 13,8 kv. Haroldo Ennes dos Santos Junior ANTEPROJETO DA SE-UFRJ 138 13,8 kv Haroldo Ennes dos Santos Junior PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Disjuntores a vácuo SION 3AE5 e 3AE1. Equipamento de média tensão. Totally Integrated Power SION. Catálogo HG 11.02. Edição 2015. siemens.

Disjuntores a vácuo SION 3AE5 e 3AE1. Equipamento de média tensão. Totally Integrated Power SION. Catálogo HG 11.02. Edição 2015. siemens. Disjuntores a vácuo SION AE5 e AE1 Equipamento de média tensão Totally Integrated Power SION Catálogo HG 11.0 Edição 015 siemens.com/sion Disjuntores a vácuo SION AE5 e AE1 R-HG11-8.tif Siemens HG 11.0

Leia mais