ORTHOGEN. Determinações Humano (%) IC 95% Bovino (%) IC 95% Água 7,93-7,75 - Gordura 0,06 0,1 0,1 0,1. Nitrogênio 4,3 0,1 4,3 0,1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORTHOGEN. Determinações Humano (%) IC 95% Bovino (%) IC 95% Água 7,93-7,75 - Gordura 0,06 0,1 0,1 0,1. Nitrogênio 4,3 0,1 4,3 0,1"

Transcrição

1 ORTHOGEN Orthogen é um enxerto ósseo liofilizado integral, de origem bovina que mantém, em função de seu processamento, as características físico-químicas do osso in natura. É produzido pela Genius, divisão de biomateriais da Baumer, empresa com mais de 50 anos de atuação no mercado médico-cirúrgico. Foi desenvolvido ao longo de 15 anos e testado amplamente durante esse período em projetos de pesquisas em diversas áreas da cirurgia ortopédica. Mais de 800 pacientes foram beneficiados com sua aplicação clínica. Diversos trabalhos científicos (experimentais e clínicos) foram publicados e apresentados em congressos nacionais e internacionais demonstrando os resultados clínicos e suas características mecânicas, físico-químicas, estruturais e micro-estruturais, além da biocompatibilidade. Características Físico-químicas Orthogen possui grande semelhança físico-química com o osso humano in natura, sendo essas propriedades demonstradas por exaustivos estudos realizados em laboratórios de Universidades ou certificados pela REBLAS (Rede Brasileira de Laboratórios) 1, 2, 3. Essas características proporcionam excelentes condições para a neo-formação vascular (angiogênese) e aporte de células osteogênicas (osteoblastos) responsáveis pela deposição de osso neo-formado (Tabelas I e II) e (Figura I) Determinações Humano (%) IC 95% Bovino (%) IC 95% Água 7,93-7,75 - Gordura 0,06 0,1 0,1 0,1 Nitrogênio 4,3 0,1 4,3 0,1 Proteínas 27,5 0,2 27,2 0,2 Fósforo 11,9 0,1 11,9 0,2 P 2 O 5 total 27,1 0,2 27,2 0,7 Cálcio 24,6 0,7 23,7 0,6 Ca / P 2,06-1,99 - Sódio total 0,57 0,01 0,46 0,01 Cinzas 64,8 0,6 64,3 0,1 Cloreto 1,3 0,06 1,3 0,2 Tabela I - Caracterização físico-química do Orthogen comparado ao Osso Liofilizado Humano

2 Orthogen Osso liofilizado humano Tabela II- Caracterização físico-química do Orthogen comparado ao osso liofilizado humano por microscopia eletrônica Figura I - Microscopia eletrônica demonstrando a semelhança do trabeculado de Orthogen com o do osso humano.

3 BIOMPATIBILIDADE E CITOTOXICIDADE Orthogen foi submetido a ensaios in vivo e in vitro para avaliar sua citotoxicidade e biocompatibilidade. Os seguintes testes foram realizados: citotoxicidade in vitro, toxicidade aguda sistêmica in vivo, potencial de irritação oral in vivo, reação pirogênica in vitro e biocarga 2, 4. Orthogen revelou ausência de citotoxicidade em 100% das amostras. Quanto à avaliação in vivo de toxicidade sistêmica aguda, não apresentou alterações macroscópicas nem mortes nos animais estudados. Pirogenicidade foi inferior a 0,125 UE / ml em todas as amostras. Além disso, Orthogen, mesmo antes da esterilização terminal, revelou resultados culturais negativos para crescimento microbiano. Quanto ao potencial de irritação oral, avaliação in vivo em 24 e 72 horas mostraram que os animais não tinham edema ou eritema na mucosa oral 2. Portanto, Orthogen demonstrou excelente biocompatibilidade e ausência total de citotoxicidade, que pode ser traduzido por SEGURANÇA. ESTUDOS DE RESISTÊNCIA MECÂNICA Orthogen foi submetido a testes de resistência à compressão realizados em máquina de compressão automatizada e comparado ao osso congelado retirado do mesmo local (côndilo femoral). Os dois grupos estudados (Orthogen e osso bovino congelado) suportaram as mesmas cargas compressivas e demonstraram a mesma razão de deformação. Portanto, Orthogen demonstrou excelente resistência mecânica e o processo de liofilização não interferiu em sua resistência Gupo I Grupo II Grupo III Amostras

4 USO CLÍNICO Foi inicialmente idealizado para suprir a carência de enxerto ósseo homólogo para cirurgias de revisão de prótese total de quadril (RATQs), onde aproximadamente 300 pacientes foram beneficiados com seu uso. A partir de então, com os bons resultados obtidos nessas cirurgias, outras subespecialidades ortopédicas também passaram a utilizá-lo com sucesso. Orthogen foi utilizado em mais de 800 pacientes, nas mais diversas cirurgias ortopédicas. Os estudos comparando os resultados de Orthogen versus enxerto liofilizado humano não foram capazes de demonstrar diferenças estatisticamente significativas. Orthogen foi utilizado com sucesso em RATQS, fraturas do colo do úmero, distais de rádio, do platô tibial, do pilão tibial, artrodeses subtalares, preenchimento de cistos ósseos em ossos longos, entre outros 6, 7, 8. Orthogen em bloco

5 Afrouxamento asséptico do componente femoral Pré-op de Revisão de PTQ Trans-op de Revisão de PTQ Pós-op de Revisão de PTQ Revisão de PTQ Infectada (Candida sp.) tratada com Orthogen Impactado R-X pré-operatório R-X com cinco anos de pós-operatório AP + P

6 Fratura segmentar de fêmur com uso de Orthogen no foco distal Pré-operatório Pós-operatório Imediato 3 meses de pós-operatório 5 meses de pós-operatório Cisto ósseo no colo femoral: curetagem + Orthogen impactado Pós-operatório Imediato de cisto ósseo no colo femoral 4 meses de pósoperatório Encondroma no 5 dedo da mão: curetagem + Orthogen impactado Pré-operatório 3 meses de pós-operatório 6 meses de pós-operatório

7 Estudo de osteointegração (Biópsias em pacientes) Biópsias realizadas em pacientes após o uso de Orthogen e apresentadas no Estudo: Enxerto Ósseo Liofilizado Bovino em Humanos-Análise Histológica demonstraram histologicamente sua capacidade de osteointegração com deposição de osso novo e manutenção das trabéculas acelulares de Orthogen 9, 10. Orthogen Osso neo-formado Orthogen Osso neo-formado Resultados Em Longo Prazo Qualquer biomaterial ou implante para uso ortopédico ou odontológico só tem real valor se possuir resultados clínicos favoráveis em longo prazo. Não há testes laboratoriais, por mais bem executados que sejam, que possam garantir o bom desempenho do produto no uso clínico. Por essa razão Orthogen só foi produzido em escala industrial após passar por todos os testes in vitro e in vivo e demonstrar claramente suas qualidades, hoje indiscutíveis, de biocompatibilidade, osteo-integração e resistência mecânica. Orthogen vem sendo testado há mais de 15 anos com resultados consistentes no longo prazo, sendo, portanto, um biomaterial de uso seguro e eficaz como substituto ósseo 6, 7, 8, 11.

8 Referências Bibliográficas 1. Galia CR, Rosito R, Mello TM, Macedo CAS. Uso de enxerto ósseo homólogo e heterólogo em diáfise femoral de ratos: comparação entre enxerto ósseo congelado e liofilizado. RBO (3): Galia CR, Macedo CAS, Rosito R, Mello TM, Quaresma LM, Moreira LF. In vitro and in vivo evaluation of lyophilized bone biocompatibility. Clinics, 2008 Dec; 63(6): Galia CR, Macedo CAS, Rosito R, Mello TM, Diesel C, Moreira LF. Caracterização físico-quimica de ossos liofilizados de origem bovina e humana. Rev. Col. Bras. Cir. 2009; 36(2): Oliveira AC. Comparação entre enxerto ósseo autólogo, homólogo congelado e homólogo liofilizado em modelo de cranioplastia em ratos. Dissertação de mestrado. UFRGS Macedo CA, Galia CR, Silva AB, Cesar PC, Sanches PR, Duarte L, Muller LM. Comparação da resistência à compressão do osso bovino congelado e liofilizado. RBO 1999; 6. Galia CR. Enxertos ósseos liofilizados e impactados humano e bovino em revisão de artroplastia total de quadril. Tese de Doutorado UFRGS Galia CR, Macedo CAS, Rosito R, Moreira LF. Osteointegração de enxertos liofilizados impactados. Acta Ortop Bras. 2008; 17(2): De Luca G, Galia CR, Macedo CAS, Rosito R. Enxerto Bovino Liofilizado (EBL): comportamento histológico em seres humanos após seguimento médio de 49 meses Trabalho apresentado no 43 Congresso Brasileiro de Ortopedia e Traumatologia-SP. 10. Orsi VV, Collares MVM, Nardi NB, et al. Osso liofilizado bovino não desmineralizado com células tronco mesenquimais para engenharia tecidual: estudo experimental em sítio heterotópico. Rev Soc Bras Cir Craniomaxilofac 2007; 10(4): Rosito R, Galia CR, Macedo CAS, Moreira LF, Quaresma LM, Palma HM. Acetabular reconstruction with human and bovine freeze-dried bone grafts and a reinforcement device. Clinics 2008 Aug; 63(4):

ODONTOLOGIA. Baumer. Líder no Brasil. Forte no mundo. Enxertos Ósseos e Barreiras Biológicas LINHA DE ENXERTOS ÓSSEOS. SOLUÇÃO PARA: Odontologia

ODONTOLOGIA. Baumer. Líder no Brasil. Forte no mundo. Enxertos Ósseos e Barreiras Biológicas LINHA DE ENXERTOS ÓSSEOS. SOLUÇÃO PARA: Odontologia Enxertos Ósseos e Barreiras Biológicas SOLUÇÃO PARA: Odontologia ODONTOLOGIA TECNOLOGIA PARA: Implantodontia, Periodontia, Endodontia e Bucomaxilo. Vista Aérea - Parque Industrial Baumer - Mogi Mirim -

Leia mais

Baumer. Líder no Brasil. Forte no mundo.

Baumer. Líder no Brasil. Forte no mundo. SOLUÇÃO PARA: Ortopedia. FIXADORES EXTERNOS TECNOLOGIA PARA: Lesões Traumáticas e Cirúrgicas reconstrutoras do sistema músculo-esquelético. Vista Aérea - Parque Industrial Baumer - Mogi Mirim - SP - Brasil

Leia mais

Cromus Maxxion a mais completa...

Cromus Maxxion a mais completa... Cromus Maxxion a mais completa... A linha Cromus Maxxion oferece aos cirurgiões ferramentas adequadas no tratamento de lesões traumáticas e cirurgias reconstrutoras do sistema músculo-esquelético. Fixador

Leia mais

Revisão de artroplastia total do quadril com prótese modular não-cimentada de fixação distal tipo ZMR. Análise clínica e radiográfica de 30 casos.

Revisão de artroplastia total do quadril com prótese modular não-cimentada de fixação distal tipo ZMR. Análise clínica e radiográfica de 30 casos. Revisão de artroplastia total do quadril com prótese modular não-cimentada de fixação distal tipo ZMR. Análise clínica e radiográfica de 30 casos. Richard Prazeres Canella Paulo Gilberto Cimbalista de

Leia mais

www.sinimplante.com.br 0800 770 8290 Distribuído no Brasil por: O uso clínico de CERASORB M na Cirurgia Oral Caso 1 Situação inicial: Maxila atrofiada subseqüente à perda dos dentes 25-27, densidade óssea

Leia mais

CO-10. haste femoral modular não cimentada - titânio liga. Técnica Cirúrgica

CO-10. haste femoral modular não cimentada - titânio liga. Técnica Cirúrgica CO-10 haste femoral modular não cimentada - titânio liga CO-10 Haste Femoral Modular não Cimentada - Titânio Liga Material A Haste Femoral Modular Não Cimentada Titânio Liga CO-10 Primária e Revisão Haste

Leia mais

JOELHOS META BIO 1023

JOELHOS META BIO 1023 1023 JOELHOS META BIO JOELHOS META BIO Sistema para Artroplastia de Joelho META BIO Excelente desempenho biomecânico. Histórico com mais de 10 anos de sucesso. Variedade de tamanhos intercambiáveis de

Leia mais

OSTEOINTEGRATION OF IMPACTED LYOPHILIZED GRAFTS

OSTEOINTEGRATION OF IMPACTED LYOPHILIZED GRAFTS Artigo Original OSTEOINTEGRAÇÃO DE ENXERTOS LIOFILIZADOS IMPACTADOS OSTEOINTEGRATION OF IMPACTED LYOPHILIZED GRAFTS Carlos Roberto Galia, Carlos Alberto de Souza Macedo, Ricardo Rosito, Luis Fernando Moreira

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Ossos

Propriedades Mecânicas dos Ossos Propriedades Mecânicas dos Ossos Adriano J. Holanda http://adrianoholanda.org Depto de Computação e Matemática FFCLRP USP Faculdade Dr. Francisco Maeda FAFRAM 23 de maio de 2014 Trilha Biomecânica O Osso

Leia mais

TUMOR DE CÉLULAS GIGANTES DO COLO DO FÊMUR

TUMOR DE CÉLULAS GIGANTES DO COLO DO FÊMUR TUMOR DE CÉLULAS GIGANTES DO COLO DO FÊMUR CRISTIANO ALVES DE MENESES, PAULO SILVA, PETER GONÇALVES RESENDE RODRIGUES, ROGÉRIO DE ANDRADE AMARAL Resumo: relata-se o caso de uma paciente portadora de Tumor

Leia mais

MS/DATASUS 26/03/2013 09:00:19 E430000001

MS/DATASUS 26/03/2013 09:00:19 E430000001 26/03/2013 09:00:19 Gestor: - Secretaria Estadual da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul Página: 1 PASSO FUNDO COMPLEXIDADE: MEDIA COMPLEXIDADE FINANCIAMENTO: Fundo de Ações Estratégicas e TIPO FINANC:

Leia mais

Haste Femoral não Cimentada de Revisão com Fixação Distal VEGA Técnica Cirúrgica

Haste Femoral não Cimentada de Revisão com Fixação Distal VEGA Técnica Cirúrgica Haste Femoral não Cimentada de Revisão com Fixação Distal VEGA 82.30 - Técnica Cirúrgica VEGA Revision Cementless Femoral Stem With Distal Fixation MATERIAL: TITANIUM ( Ti 6Al 4V ELI ) ISO 5832-3 / ASTM

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO SP CREDENCIAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Em MEDICINA, área de contratação em ORTOPEDIA E TRAUMATOLGIA, NÍVEIS DE MESTRADO E DOUTORADO, MINISTRADO PELA FACULDADE DE MEDICINA

Leia mais

Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga

Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga Unidade da Coluna Drs. Bessa da Silva, Artur Teixeira, Daniel Silva e Pedro Varanda Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga Unidade do Joelho Drs. Alberto Monteiro, Carlos Alegre, Francisco Silva e Manuel

Leia mais

Ortopedia e Traumatologia Cirúrgica

Ortopedia e Traumatologia Cirúrgica Introdução à Ortopedia Ortopedia e Traumatologia Cirúrgica Profa. MSc. Analy Ramos Mendes Estruturas presentes: Epífise Metáfise Diáfise Fraturas FRATURAS Forças biomecânicas Forças fisiológicas Forças

Leia mais

Monitoramento da Limpeza. Enfª. Cristiane Uyeno

Monitoramento da Limpeza. Enfª. Cristiane Uyeno Monitoramento da Limpeza Enfª. Cristiane Uyeno Responsabilidade O Enfermeiro é responsável legal, por assegurar ao cliente uma assistência de enfermagem livre de danos decorrentes a imperícia, imprudência

Leia mais

Artroplastia de Ombro TRATAMENTO POR ARTROPLASTIA NAS FRATURAS DO ÚMERO PROXIMAL INDICAÇÃO. partes? rachadura da

Artroplastia de Ombro TRATAMENTO POR ARTROPLASTIA NAS FRATURAS DO ÚMERO PROXIMAL INDICAÇÃO. partes? rachadura da Artroplastia de Ombro TRATAMENTO POR NAS FRATURAS DO ÚMERO PROXIMAL INDICAÇÃO em 4 partes? tipo rachadura da cabeça umeral (split head) impactada cabeça atingindo 40% do colo anatômico FRATURAS DO ÚMERO

Leia mais

BIOMECÂNICA DO CORPO HUMANO

BIOMECÂNICA DO CORPO HUMANO BIOMECÂNICA DO CORPO HUMANO António Torres Marques (DEMec/FEUP) 30 de Setembro de 2010 BIOMECÂNICA: DIAGNÓSTICO, PRÓTESES E REGENERAÇÃO APLICAÇÕES: Sistema cardiovascular; Sistema respiratório; Biomecânica

Leia mais

Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain

Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain 67 4.2 Estudo II Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain Enquanto anticorpos anti-t. gondii são

Leia mais

S UMÁRIO 1 DIAGNÓSTICO DAS AFECÇÕES MUSCULO-ESQUELÉTICAS CONSIDERAÇÕES GERAIS TRAUMATOLOGIA CONSIDERAÇÕES GERAIS PREFÁCIOS...

S UMÁRIO 1 DIAGNÓSTICO DAS AFECÇÕES MUSCULO-ESQUELÉTICAS CONSIDERAÇÕES GERAIS TRAUMATOLOGIA CONSIDERAÇÕES GERAIS PREFÁCIOS... S UMÁRIO PREFÁCIOS... 1-3 1 DIAGNÓSTICO DAS AFECÇÕES MUSCULO-ESQUELÉTICAS CONSIDERAÇÕES GERAIS... 6 1.1 INTRODUÇÃO... 6 1.2 ANAMNESE... 8 1.2.1 DOR... 8 1.2.2 DEFORMIDADE... 10 1.2.3 IMPOTÊNCIA FUNCIONAL...

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS. GMReis.com.br. GMReis / Catálogo Geral de Produtos / Rev 02 / 2013

CATÁLOGO DE PRODUTOS. GMReis.com.br. GMReis / Catálogo Geral de Produtos / Rev 02 / 2013 CATÁLOGO DE PRODUTOS GMReis / Catálogo Geral de Produtos / Rev 02 / 2013 GMReis Matriz Rua Pierre Simon de Laplace, 600 / Lote 3 Quadra F/ Techno Park / CEP: 13069-310 Campinas SP Brasil / Tel.: +55 19

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS. GMReis.com.br. GMReis / Catálogo Geral de Produtos / Rev 02 / 2013

CATÁLOGO DE PRODUTOS. GMReis.com.br. GMReis / Catálogo Geral de Produtos / Rev 02 / 2013 CATÁLOGO DE PRODUTOS GMReis / Catálogo Geral de Produtos / Rev 02 / 2013 GMReis Matriz Rua Pierre Simon de Laplace, 600 / Lote 3 Quadra F/ Techno Park / CEP: 13069-310 Campinas SP Brasil / Tel.: +55 19

Leia mais

Enxerto de tecido conjuntivo com objetivo estético em prótese fixa

Enxerto de tecido conjuntivo com objetivo estético em prótese fixa Caso Selecionado Enxerto de tecido conjuntivo com objetivo estético em prótese fixa Cléverson O. Silva, Bruno César de Vasconcelos Gurgel, Fernando Rodrigues Pinto Uma vez que um dente é perdido, ocorre

Leia mais

86º Curso AOTrauma - Princípios do Tratamento Cirúrgico das Fraturas

86º Curso AOTrauma - Princípios do Tratamento Cirúrgico das Fraturas Programa do Curso 86º Curso AOTrauma - Princípios do Tratamento Cirúrgico das Fraturas 28-30 Julho, 2011 Belém, Brasil Chairperson Hélio J. A. Fernandes São Paulo, Brasil Faculty Flamarion dos Santos Batista

Leia mais

Disciplinas 13 de December de 2012 Última Atualização 04 de January de 2013

Disciplinas 13 de December de 2012 Última Atualização 04 de January de 2013 13 de December de 01 Última Atualização 04 de January de 013 e créditos 17/1/01 SISTEMA DE CRÉDITOS ADOTADOS PELO PPGO-UNIOESTE: Um (1) crédito = quinze (15) h/aulas; Número total de créditos: 44 (660

Leia mais

INFORMAÇÃO AO PACIENTE DENTE PERDIDO E DEPOIS? Alvéolos pós-extração

INFORMAÇÃO AO PACIENTE DENTE PERDIDO E DEPOIS? Alvéolos pós-extração INFORMAÇÃO AO PACIENTE DENTE PERDIDO E DEPOIS? Alvéolos pós-extração OS TRATAMENTOS DENTÁRIOS SÃO UMA QUESTÃO DE CONFIANÇA NOSSA EXPERIÊNCIA E COMPE- TÊNCIA SÃO ALGO EM QUE VOCÊ PODE CONFIAR Mais de 10

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS CURITIBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS CURITIBA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS CURITIBA Orto-Hemo HC-UFPR LUCIANO DA ROCHA LOURES PACHECO HC-UFPR Luciano Rocha Loures Pacheco COMPLICAÇÕES MUSCULOESQUELÉTICAS E ALTERNATIVAS TERAPÊUTICAS

Leia mais

Data: 20/08/2014. Resposta Técnica 01/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura

Data: 20/08/2014. Resposta Técnica 01/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura Resposta Técnica 01/2014 Solicitante: Dr. Renato Dresch Juiz de direito Nº Processo: 9010665.22.2014.813.0024 Ré: Unimed de Belo Horizonte Data: 20/08/2014 Medicamento Material Procedimento X Cobertura

Leia mais

Explante Ortopédico: A realidade de um hospital especializado

Explante Ortopédico: A realidade de um hospital especializado Explante Ortopédico: A realidade de um hospital especializado Idalina Brasil Rocha da Silva Diretora Técnica de Serviço CME Instituto de Ortopedia e Traumatologia - HCFMUSP O IOT Instituto dedicado ao

Leia mais

INFORMAÇÃO AO PACIENTE QUANDO OS IMPLANTES SE TORNAM VISÍVEIS. Enxerto ósseo menor

INFORMAÇÃO AO PACIENTE QUANDO OS IMPLANTES SE TORNAM VISÍVEIS. Enxerto ósseo menor INFORMAÇÃO AO PACIENTE QUANDO OS IMPLANTES SE TORNAM VISÍVEIS Enxerto ósseo menor OS TRATAMENTOS DENTÁRIOS SÃO UMA QUESTÃO DE CONFIANÇA NOSSA EXPERIÊNCIA E COMPE- TÊNCIA SÃO ALGO EM QUE VOCÊ PODE CONFIAR

Leia mais

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica.

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. Fábio Gonçalves 1 Resumo O objetivo deste estudo é apresentar um caso clínico

Leia mais

Osso liofilizado bovino não-desmineralizado com células-tronco mesenquimais para engenharia tecidual ARTIGO ORIGINAL

Osso liofilizado bovino não-desmineralizado com células-tronco mesenquimais para engenharia tecidual ARTIGO ORIGINAL ARTIGO ORIGINAL Osso liofilizado bovino não-desmineralizado com células-tronco mesenquimais para engenharia tecidual: estudo experimental em sítio heterotópico Bovine non-demineralized lyophilized bone

Leia mais

7. APLICAÇÃO DE MODELOS PARA PREVISAO DA FORÇA DE CONTATO PIG / TUBO E COMPARAÇÃO COM RESULTADOS EXPERIMENTAIS

7. APLICAÇÃO DE MODELOS PARA PREVISAO DA FORÇA DE CONTATO PIG / TUBO E COMPARAÇÃO COM RESULTADOS EXPERIMENTAIS 7. APLICAÇÃO DE MODELOS PARA PREVISAO DA FORÇA DE CONTATO PIG / TUBO E COMPARAÇÃO COM RESULTADOS EXPERIMENTAIS O objetivo principal deste trabalho era fazer uma comparação entre os valores de forças de

Leia mais

PORTARIA GM/MS Nº 880, DE 16 DE MAIO DE 2013

PORTARIA GM/MS Nº 880, DE 16 DE MAIO DE 2013 PORTARIA GM/MS Nº 880, DE 16 DE MAIO DE 2013 Procedimentos TO de Média Complexidade- TOM Define a estratégia de aumento do acesso, com os seguintes objetivos: I - promover ações que visem ao aumento do

Leia mais

CALO EXTERNO CALO INTERNO

CALO EXTERNO CALO INTERNO PRINCÍPIOS BÁSICOS DE FRATURA ÓSSEA E DESLOCAMENTO ARTICULAR Prof. Dr. Carlos Cezar I. S.Ovalle FRATURA DESLOCAMENTO ARTICULAR A) FRATURA: Perda (ou quebra) da solução de continuidade de um OSSO ou cartilagem.

Leia mais

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Prof André Montillo Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Lesões do Joelho: Lesões Ósseas: Fratura Distal do Fêmur Fratura da Patela Fratura Proximal da Tíbia: Platô Tibial Anatomia: Lesões Traumáticas

Leia mais

Segurança no Processo de Esterilização de Motores

Segurança no Processo de Esterilização de Motores Segurança no Processo de Esterilização de Motores 5º Congresso Pan-Americano de Esterilização 6º Simpósio i Internacional de Esterilização e Controle de Infecção Hospitalar SOBECC São Paulo, 24 de julho

Leia mais

MS/DATASUS 23/08/2012 09:28:03 E430000001

MS/DATASUS 23/08/2012 09:28:03 E430000001 23/08/2012 09:28:03 Página: 1 PASSO FUNDO COMPLEXIDADE: MEDIA COMPLEXIDADE FINANCIAMENTO: Fundo de Ações Estratégicas e TIPO FINANC: Cirurgias Eletivas - Estabelecimento: 2246988 HOSPITAL SAO VICENTE DE

Leia mais

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE.

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. CARLA CARVALHO HORN IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. Dissertação de Mestrado em Gerontologia Biomédica Para a obtenção do

Leia mais

Versão 5.60 Página: 1 MS/DATASUS 16/12/2011 11:56:31 E430000001 RIO GRANDE DO SUL

Versão 5.60 Página: 1 MS/DATASUS 16/12/2011 11:56:31 E430000001 RIO GRANDE DO SUL 16/12/2011 11:56:31 Gestor: - Secretaria Estadual da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul Página: 1 PAROBE COMPLEXIDADE: MEDIA COMPLEXIDADE Estabelecimento: 2227762 HOSPITAL SAO FRANCISCO DE ASSIS 4311106319212

Leia mais

CEMENTLESS ACETABULAR CUP. Técnica Cirúrgica Componente Acetabular Não Cimentado

CEMENTLESS ACETABULAR CUP. Técnica Cirúrgica Componente Acetabular Não Cimentado CEMENTLESS ACETABULAR CUP Técnica Cirúrgica 13.30 - COLABORADOR: Dr. Flávio M. Turíbio MATERIAIS: TITÂNIO ASTM F67 / ISO 5832-2 Cr Co Mo ASTM F75 / ISO 5832-4 AÇO INOX ASTM F138 / ISO 5832-1 TITÂNIO -

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Engenharia de Materiais/Ponta Grossa, PR. Engenharias, Engenharia de Materiais e Metalúrgica

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Engenharia de Materiais/Ponta Grossa, PR. Engenharias, Engenharia de Materiais e Metalúrgica ESTUDO DA CARACTERÍSTICA MORFOLÓGICA DO AÇO API 5L X-70 PROCESSADO POR LAMINAÇÃO CONTROLADA Igor Fabian de Goes Lopes (outros/uepg), André Luís Moreira de Carvalho (Orientador), e-mail: andrelmc@uepg.br.

Leia mais

Residência em Ortopedia e Traumatologia

Residência em Ortopedia e Traumatologia Residência em Ortopedia e tologia FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG 26 NOVEMBRO - 23º NÚMERO AGORA É A VEZ DO CME ANO DE1978 Mini-fixador externo em mão, desenvolvido em Rio Grande, apresentado

Leia mais

A atuação profissional do graduado em Biotecnologia.

A atuação profissional do graduado em Biotecnologia. A atuação profissional do graduado em Biotecnologia. Com ênfases especialmente fortes em e Celular, e Bioinformática, o profissional em Biotecnologia formado pela UFRGS irá ocupar uma ampla lacuna existente

Leia mais

Variação da pressão arterial antes e após cirurgia nasal - com e sem tamponamento nasal.

Variação da pressão arterial antes e após cirurgia nasal - com e sem tamponamento nasal. Variação da pressão arterial antes e após cirurgia nasal - com e sem tamponamento nasal. Serviço de Otorrinolaringologia Hospital dos Servidores do Estado - RJ Krishnamurti Sarmento Junior Daniel Robson

Leia mais

Comparação da resistência à compressão do osso bovino congelado e liofilizado *

Comparação da resistência à compressão do osso bovino congelado e liofilizado * COMPARAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO OSSO BOVINO CONGELADO E LIOFILIZADO Comparação da resistência à compressão do osso bovino congelado e liofilizado * CARLOS ALBERTO DE SOUZA MACEDO 1, CARLOS ROBERTO

Leia mais

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza AVALIAÇÃO DA ESTERILIZAÇÃO APÓS A OCLUSÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS OVARIANOS DE COELHAS UTILIZANDO ELÁSTICO DE AFASTAR OS DENTES OU ABRAÇADEIRAS DE NÁILON Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym

Leia mais

Acompanhamento da estabilidade de Implantes BEST-FIT (Longo Prazo)

Acompanhamento da estabilidade de Implantes BEST-FIT (Longo Prazo) Acompanhamento da estabilidade de Implantes BEST-FIT (Longo Prazo) Estudo retrospectivo com avaliação da capacidade de amortecimento INTRODUÇÃO Objetivo: Avaliação retrospectiva da estabilidade dos implantes

Leia mais

LISTA DE FIGURAS. Definição Relação das figuras inseridas pelo autor no texto e suas respectivas páginas para auxiliar o leitor a localizá-las.

LISTA DE FIGURAS. Definição Relação das figuras inseridas pelo autor no texto e suas respectivas páginas para auxiliar o leitor a localizá-las. Guia prático para Normalização de Trabalhos Acadêmicos do ICT LISTA DE FIGURAS Definição Relação das figuras inseridas pelo autor no texto e suas respectivas páginas para auxiliar o leitor a localizá-las.

Leia mais

Titânio e suas ligas. André Paulo Tschiptschin

Titânio e suas ligas. André Paulo Tschiptschin Titânio e suas ligas André Paulo Tschiptschin Titânio -obtenção Identificado como um novo elemento metálico por Gregor, na Inglaterra, em 1791. Sua produção era muito difícil devido à forte tendência a

Leia mais

HORÁRIO - 2º SEMESTRE DE 2011

HORÁRIO - 2º SEMESTRE DE 2011 1º PERÍODO Campus I 7:00-8:40 Metodologia Científica GAAV Inglês Instrumental I GAAV Laboratório de Química Básica - L1 8:50-10:30 Cálculo I Cálculo I Desenho I*- T1/T2 Cálculo I Laboratório de Química

Leia mais

TRAUMATOLOGIA DOS MEMBROS INFERIORES

TRAUMATOLOGIA DOS MEMBROS INFERIORES Fraturas da pelve TRAUMATOLOGIA DOS MEMBROS INFERIORES - As fraturas da pelve instáveis comumente estão associadas a lesões de órgãos e estruturas da cavidade pélvica. Nos casos de fraturas expostas a

Leia mais

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Estratégias Isolamento em sistemas vivos Pesquisa de antígeno viral Pesquisa de anticorpos Pesquisa do ácido nucléico viral (DNA ou RNA) Pré requisitos para

Leia mais

PROJETO DE SEDIMENTADOR CONTÍNUO A PARTIR DE ENSAIOS DE PROVETA COM SUSPENSÃO DE CARBONATO DE CÁLCIO UTILIZANDO O MÉTODO DE TALMADGE E FITCH

PROJETO DE SEDIMENTADOR CONTÍNUO A PARTIR DE ENSAIOS DE PROVETA COM SUSPENSÃO DE CARBONATO DE CÁLCIO UTILIZANDO O MÉTODO DE TALMADGE E FITCH PROJETO DE SEDIMENTADOR CONTÍNUO A PARTIR DE ENSAIOS DE PROVETA COM SUSPENSÃO DE CARBONATO DE CÁLCIO UTILIZANDO O MÉTODO DE TALMADGE E FITCH Guimarães, L. de M. J. (1); Oliveira, L. G. (Orientador) Universidade

Leia mais

PROJECTO DE UM DISPOSITIVO MECÂNICO PARA A REALIZAÇÃO DE ENSAIOS ESTÁTICOS E DINÂMICOS DE REFORÇOS ACETABULARES

PROJECTO DE UM DISPOSITIVO MECÂNICO PARA A REALIZAÇÃO DE ENSAIOS ESTÁTICOS E DINÂMICOS DE REFORÇOS ACETABULARES PROJECTO DE UM DISPOSITIVO MECÂNICO PARA A REALIZAÇÃO DE ENSAIOS ESTÁTICOS E DINÂMICOS DE REFORÇOS ACETABULARES P. M. A. Talaia*, C. Relvas*, L. Almeida**, J. Salgado** e J. A. Simões* * Departamento de

Leia mais

Introdução à Anatomia

Introdução à Anatomia ESTRUTURA ANIMAL 1 Introdução à Anatomia : É o fundamento de todas as outras ciências médicas. Função: Fornecer noções preciosas para as aplicações na prática médico-cirúrgica Anatomia vem do grego; Significa

Leia mais

Programa de Aperfeiçoamento ONCOLOGIA ORTOPÉDICA. Comissão de Residência Médica COREME

Programa de Aperfeiçoamento ONCOLOGIA ORTOPÉDICA. Comissão de Residência Médica COREME Comissão de Residência Médica COREME A.C.CAMARGO CANCER CENTER O sonho do Prof. Dr. Antônio Prudente de oferecer assistência integrada a pacientes com câncer, formar profissionais especialistas e disseminar

Leia mais

INFORMAÇÃO AO PACIENTE GENGIVAS INFLAMADAS E AGORA? Ganho de tecido queratinizado

INFORMAÇÃO AO PACIENTE GENGIVAS INFLAMADAS E AGORA? Ganho de tecido queratinizado INFORMAÇÃO AO PACIENTE GENGIVAS INFLAMADAS E AGORA? Ganho de tecido queratinizado OS TRATAMENTOS DENTÁRIOS SÃO UMA QUESTÃO DE CONFIANÇA NOSSA EXPERIÊNCIA E COMPE- TÊNCIA SÃO ALGO EM QUE VOCÊ PODE CONFIAR

Leia mais

Artroplastia Total de Quadril Cerâmica/cerâmica sem cimento. Técnica Cirúrgica Mecânica HORIOZON + LOGIC. LOGIC grooved. HORIZON ceramic/ceramic

Artroplastia Total de Quadril Cerâmica/cerâmica sem cimento. Técnica Cirúrgica Mecânica HORIOZON + LOGIC. LOGIC grooved. HORIZON ceramic/ceramic HORIOZON + LOGIC Artroplastia Total de Quadril Cerâmica/cerâmica sem cimento Técnica Cirúrgica Mecânica LOGIC grooved cementless partial HAP femoral stem HORIZON ceramic/ceramic cementless acetabular component

Leia mais

Osteologia Introdução

Osteologia Introdução Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Osteologia Introdução Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I Objetivos da Aula Composição dos ossos Função dos

Leia mais

Princípios do tratamento das fraturas

Princípios do tratamento das fraturas Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Princípios do tratamento das fraturas Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Tratamento conservador - indicações - imobilizações - redução incruenta

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 216, DE 3 DE MAIO DE 2010

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 216, DE 3 DE MAIO DE 2010 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 26, DE 3 DE MAIO DE 200 A Secretária de Atenção à Saúde - Substituta, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria n 325/GM, de 25 de

Leia mais

PLACA TUBO PLACA ÓSSEA COM DISPOSITIVO DE FIXAÇÃO DESLIZANTE - PLACA TUBO BCPP 135º E 150º. Técnica Cirúrgica

PLACA TUBO PLACA ÓSSEA COM DISPOSITIVO DE FIXAÇÃO DESLIZANTE - PLACA TUBO BCPP 135º E 150º. Técnica Cirúrgica PLACA TUBO PLACA ÓSSEA COM DISPOSITIVO DE FIXAÇÃO DESLIZANTE - PLACA TUBO BCPP 135º E 150º Técnica Cirúrgica - 50.30 BCPP Tube Plate Placa Tubo BCPP - 135 o e 150 o Materiais Titânio - Ti 6Al 4V ELI ASTM

Leia mais

Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital da Força Aérea do Galeão (HFAG) Rio de Janeiro RJ

Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital da Força Aérea do Galeão (HFAG) Rio de Janeiro RJ Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital da Força Aérea do Galeão (HFAG) Rio de Janeiro RJ Programa de Especialização em Cirurgia de Quadril (R4) Treinamento Avançado em Cirurgia do Quadril 1-

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DE

PROPRIEDADES MECÂNICAS DE DE MATERIAIS METÁLICOS CONCEITO DE TENSÃO E DEFORMAÇÃO Formas de aplicação de carga: 2 1 COMPORTAMENTO ELÁSTICO E PLÁSTICO 3 COMPORTAMENTO ELÁSTICO E PLÁSTICO 4 2 COMPORTAMENTO ELÁSTICO 5 COMPORTAMENTO

Leia mais

MS/DATASUS 23/05/2012 10:23:44 E430000001

MS/DATASUS 23/05/2012 10:23:44 E430000001 23/05/2012 10:23:44 Gestor: - Secretaria Estadual da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul Página: 1 PASSO FUNDO COMPLEXIDADE: MEDIA COMPLEXIDADE FINANCIAMENTO: Fundo de Ações Estratégicas e TIPO FINANC:

Leia mais

USO DA CINETICA DE ORDEM ZERO E PRIMEIRA ORDEM DO CLORETO FERRICO PARA PURIFICAÇÃO DE ÁGUA

USO DA CINETICA DE ORDEM ZERO E PRIMEIRA ORDEM DO CLORETO FERRICO PARA PURIFICAÇÃO DE ÁGUA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 USO DA CINETICA DE ORDEM ZERO E PRIMEIRA ORDEM DO CLORETO FERRICO PARA PURIFICAÇÃO DE ÁGUA Joseane D. P.Theodoro 1, Grasiele S. Madrona 1, Paulo S. Theodoro

Leia mais

AS PRINCIPAIS VANTAGENS DE ESTUDO DA DENSIDADE MINERAL ÓSSEA POR EXAME DE DENSITOMETRIA ÓSSEA PARA O TRATAMENTO E PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE.

AS PRINCIPAIS VANTAGENS DE ESTUDO DA DENSIDADE MINERAL ÓSSEA POR EXAME DE DENSITOMETRIA ÓSSEA PARA O TRATAMENTO E PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE. AS PRINCIPAIS VANTAGENS DE ESTUDO DA DENSIDADE MINERAL ÓSSEA POR EXAME DE DENSITOMETRIA ÓSSEA PARA O TRATAMENTO E PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE. STEFANY CRISTINE DE CARVALHO ALVES 1, DANIELA PATRICIA VAZ 2

Leia mais

Projeto de Máquina para Ensaios de Fadiga

Projeto de Máquina para Ensaios de Fadiga Universidade Santa Cecília Faculdade de Engenharia Engenharia Industrial Mecânica Objetivo Executar o projeto de uma máquina para ensaios de fadiga. Projeto de Máquina para Ensaios de Fadiga Allan Carlo

Leia mais

AVALIAÇÕES QUÍMICA, MINERALÓGICA E FÍSICA DE UM TIPO DE ROCHA DA EMPRESA SULCAMAR

AVALIAÇÕES QUÍMICA, MINERALÓGICA E FÍSICA DE UM TIPO DE ROCHA DA EMPRESA SULCAMAR Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência e Tecnologia Coordenação do Campus Avançado de Cachoeiro de Itapemirim CETEM/ ES AÇÃO Nº 07/0318 AVALIAÇÕES QUÍMICA, MINERALÓGICA E FÍSICA DE UM TIPO

Leia mais

Aplicação da Estatística de Weibull na Avaliação da Tensão de Ruptura a Flexão de Revestimento Cerâmico

Aplicação da Estatística de Weibull na Avaliação da Tensão de Ruptura a Flexão de Revestimento Cerâmico Aplicação da Estatística de Weibull na Avaliação da Tensão de Ruptura a Flexão de Revestimento Cerâmico Bruno Carlos Alves Pinheiro 1, Gustavo Matias Estevão 2, Ricardo da Rocha Vitor 3 1 Introdução Devido

Leia mais

Versão 3.51 Página: 1 MS/DATASUS 14/03/2010 16:25:02 E430000001 HOSPITAL NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Estabelecimento: 2244128

Versão 3.51 Página: 1 MS/DATASUS 14/03/2010 16:25:02 E430000001 HOSPITAL NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Estabelecimento: 2244128 14/03/2010 16:25:02 Gestor: - Secretaria Estadual da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul Página: 1 NOVA PALMA COMPLEXIDADE: MEDIA COMPLEXIDADE FINANCIAMENTO: Fundo de Ações Estratégicas e TIPO FINANC:

Leia mais

MS/DATASUS 11/05/2010 11:07:51 E430000001

MS/DATASUS 11/05/2010 11:07:51 E430000001 11/05/2010 11:07:51 Gestor: - Secretaria Estadual da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul Página: 1 TEUTONIA COMPLEXIDADE: MEDIA COMPLEXIDADE FINANCIAMENTO: Fundo de Ações Estratégicas e TIPO FINANC: Política

Leia mais

Guoping Chen, Takashi Ushida and Tetsuya Tateishi Materials Science and Engineering C (2001)

Guoping Chen, Takashi Ushida and Tetsuya Tateishi Materials Science and Engineering C (2001) Desenvolvimento de Suportes Porosos Biodegradáveis para Engenharia de Tecidos Guoping Chen, Takashi Ushida and Tetsuya Tateishi Materials Science and Engineering C (2001) Jorge Beira, Lina Espinha e Marisa

Leia mais

Apresentação clínica e histológica da utilização do substituto ósseo sintético Gen Phos ( ßTCP) em odontologia.

Apresentação clínica e histológica da utilização do substituto ósseo sintético Gen Phos ( ßTCP) em odontologia. Apresentação clínica e histológica da utilização do substituto ósseo sintético Gen Phos ( ßTCP) em odontologia. Resumo: Este estudo tem como objetivo apresentar o comportamento do substituto ósseo sintético

Leia mais

História do Tratamento Cirúrgico das Fraturas

História do Tratamento Cirúrgico das Fraturas M!K! História do Tratamento Cirúrgico das Fraturas www.ortopediausp.med.br História 1 300 A.C 1517: Gersdorf - Tutor Externo Madeira 1767: Goch Tutor Funcional Precursores das Bandagens Gessadas Hugh Owen

Leia mais

LOCAL. Exponor DATA. 1 a 3 de Dezembro de 1994

LOCAL. Exponor DATA. 1 a 3 de Dezembro de 1994 LOCAL Exponor DATA 1 a 3 de Dezembro de 1994 19 Presidente do Congresso João Carvalho Secretário Geral Manuel Fontes de Carvalho Comissão Científica Manuel Neves João Pimenta Carlos Silva Comissão Organizadora

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL 1º Semestre (Matutino)

ENGENHARIA CIVIL 1º Semestre (Matutino) 1º Semestre (Matutino) Int. Computação para Eng/ Pré-Cálculo Química Tecnológica Int. à Engenharia Expressão Gráfica Int. Computação para Eng / Pré-Cálculo Química Tecnológica Int. à Engenharia Expressão

Leia mais

Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36)

Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36) Rozana M. Ciconelli, Marcos B. Ferraz, Wilton Santos, Ivone Meinão, Marina R. Quaresma. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil

Leia mais

APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE CINZAS DE CARVÃO MINERAL APLICADOS NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS E ARGAMASSAS

APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE CINZAS DE CARVÃO MINERAL APLICADOS NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS E ARGAMASSAS APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE CINZAS DE CARVÃO MINERAL APLICADOS NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS E ARGAMASSAS Rodney Cascaes Júnior 1 ; Msc. Lucimara Aparecida Schambeck Andrade 2 (orientadora) RESUMO: O uso de novos

Leia mais

Anquilose da Anca Tratamento Cirúrgico

Anquilose da Anca Tratamento Cirúrgico Hospitais da Universidade de Coimbra Reunião do Serviço de Ortopedia Março de 2011 Anquilose da Anca Tratamento Cirúrgico Dr. J. Alexandre Marques Prof. Fernando Judas Caso Clínico IDENTIFICAÇÃO R.M.R.S.

Leia mais

BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS-OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA. Profa. Maria Helena Lourenço Monteiro Pimenta Rossi

BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS-OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA. Profa. Maria Helena Lourenço Monteiro Pimenta Rossi BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS-OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA Profa. Maria Helena Lourenço Monteiro Pimenta Rossi A FOTOTERAPIA é considerada uma das maiores revoluções tecnológicas para as ciências

Leia mais

RESPIRE. SORRIA. SINTA-SE BEM. Soluções inteligentes para fixação Crânio Maxilo Facial

RESPIRE. SORRIA. SINTA-SE BEM. Soluções inteligentes para fixação Crânio Maxilo Facial Registro dos implantes 1.5 / 2.0 / 2.4 ANVISA 80455630030 REV. 04 E E E M E PR SA CERTIFIC A EN ISO DA DA DA Rua 1A JC, 138, Jd. Centenário, 13503-510, Rio Claro/SP traumec.com.br vendas@traumec.com.br

Leia mais

CISTO ÓSSEO ANEURISMÁTICO EM METATARSO RELATO DE CASO

CISTO ÓSSEO ANEURISMÁTICO EM METATARSO RELATO DE CASO Hospital do Servidor Público Municipal CISTO ÓSSEO ANEURISMÁTICO EM METATARSO RELATO DE CASO AYRTON PEREIRA São Paulo-SP 2011 Hospital do Servidor Público Municipal CISTO ÓSSEO ANEURISMÁTICO EM METATARSO

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni ANATOMIA HUMANA I Sistema Esquelético Prof. Me. Fabio Milioni FUNÇÕES Sustentação Proteção Auxílio ao movimento Armazenamento de minerais Formação de células sanguíneas 1 CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS Longos

Leia mais

[ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO]

[ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO] 2011 IMPOL Instrumentais e Implantes Samuel de Castro Bonfim Brito [ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO] Casos apresentados neste estudo foram operados e pertencem à Fundação Pio XII Hospital do Câncer de

Leia mais

Determinação do teor de fosfato em gema de ovos de pata e de guiné, coletados no Rio Grande do Norte.

Determinação do teor de fosfato em gema de ovos de pata e de guiné, coletados no Rio Grande do Norte. Determinação do teor de fosfato em gema de ovos de pata e de guiné, coletados no Rio Grande do Norte. *Denise Porfírio Emerenciano 1, Heloiza Fernanda Oliveira da Silva 1, Geovane Chacon de Carvalho 1,

Leia mais

HORÁRIOS DOS BLOCOS. Horário do 1º Bloco. Álgebra Linear José Lameira Salimos

HORÁRIOS DOS BLOCOS. Horário do 1º Bloco. Álgebra Linear José Lameira Salimos 07:30-08:20 Eletrônica Digital Química Geral Teórica I Desenho Técnico p/ Eng. (02) Desenho Técnico p/ Eng. (02) HORÁRIOS DOS BLOCOS Horário do 1º Bloco Química Geral Teórica I Desenho Técnico p/ Eng.

Leia mais

ONCOLOGIA ORTOPÉDICA

ONCOLOGIA ORTOPÉDICA Programa de Capacitação Profissional ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Comissão de Residência Médica COREME A.C.CAMARGO CANCER CENTER O sonho do Prof. Dr. Antônio Prudente de oferecer assistência integrada a pacientes

Leia mais

ANEXO II TABELA DO IAMESC. Valor do CHO em reais- R$0,32 CLÍNICO GERAL

ANEXO II TABELA DO IAMESC. Valor do CHO em reais- R$0,32 CLÍNICO GERAL ANEXO II TABELA DO IAMESC Valor do CHO em reais- R$0,32 CLÍNICO GERAL COD PROCEDIMENTOS CHO Valor seg. Valor inst. Valor total 01 70110000 Consulta Inicial 157 15,07 35,16 50,24 02 70115000 Profilaxia

Leia mais

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB Leonardo S. Carvalho OBJETIVOS Avaliar a capacidade da MDCT com MPRs, para a predição da ressecabilidade do adenocarcinoma pancreatico MATERIAL E MÉTODO Trabalho retrospectivo

Leia mais

Múcua. super fruto do passado.

Múcua. super fruto do passado. Múcua super fruto do passado. Prof Doutor Pedro Catarino 2ª Conferência Nacional sobre Ciência e Tecnologia Caracterização físicoquímica e bioactiva da polpa do fruto de Adansonia digitata L. Objectivos

Leia mais

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3.1. Material O material adotado no presente trabalho foi um aço do tipo SAE 4140 recebido em forma de barra circular com diâmetro e comprimento de 165 mm e 120 mm,

Leia mais

Traumatologia Infantil. O Esqueleto da Criança Não É O Esqueleto do Adulto em Miniatura

Traumatologia Infantil. O Esqueleto da Criança Não É O Esqueleto do Adulto em Miniatura O Esqueleto da Criança Não É O Esqueleto do Adulto em Miniatura Formação do Osso e Ossificação Esboço Cartilaginoso Pontos de Ossificação Primária Pontos de Ossificação Secundária Formação da Epífise

Leia mais

Métodos de Descalcificação

Métodos de Descalcificação 1 JANEIRO FIO CRUZ Métodos de Descalcificação Dimitrius Leonardo Pitol. PhD Técnico de Laboratório IV FORP/USP Osso Cortical ou Compacto ou Denso VI CONGRESSO REGIONAL DE 2 Processamento de Tecidos mineralizados

Leia mais

Tecido Conjuntivo de Sustentação: Ósseo II

Tecido Conjuntivo de Sustentação: Ósseo II Tecido Conjuntivo de Sustentação: Ósseo II Prof. a Sara Tatiana Moreira, Ph.D. UTFPR Campus Santa Helena 1 Histogênese :. Formação Óssea Ossificação Intramembranosa Osso é formado a partir de um molde

Leia mais

LITERATURA MERATRIM REDUTOR DE MEDIDAS DIMINUÇÃO DAS MEDIDAS DE CINTURA E QUADRIL EM 2 SEMANAS!

LITERATURA MERATRIM REDUTOR DE MEDIDAS DIMINUÇÃO DAS MEDIDAS DE CINTURA E QUADRIL EM 2 SEMANAS! MERATRIM REDUTOR DE MEDIDAS DIMINUÇÃO DAS MEDIDAS DE CINTURA E QUADRIL EM 2 SEMANAS! A Organização Mundial de Saúde aponta a obesidade como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. Segundo dados

Leia mais

A Anatomia do quadril

A Anatomia do quadril A Anatomia do quadril O quadril é uma articulação semelhante a uma bola no pegador de sorvete, onde a cabeça femoral (esférica) é o sorvete e o acetábulo (em forma de taça) é o pegador. Esse tipo de configuração

Leia mais

Curso AOTrauma Avanços no Tratamento de Fracturas

Curso AOTrauma Avanços no Tratamento de Fracturas Programa preliminar Curso AOTrauma Avanços no Tratamento de Fracturas 16 a 19 de Junho de 2011 Évora, Portugal Curso AOTrauma Avanços no Tratamento de Fracturas, Évora - Portugal 2 Declaração de Qualidade

Leia mais