OS IMPACTOS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO POR LESÃO CORPORAL NA VIDA DOS VITIMADOS EM FACE AO CONTROLE SOCIAL DO ESTADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS IMPACTOS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO POR LESÃO CORPORAL NA VIDA DOS VITIMADOS EM FACE AO CONTROLE SOCIAL DO ESTADO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA - UNAMA PRO-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO - PPPE NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISA EM QUALIDADE DE VIDA E MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE URBANO MARCO JOSÉ ANDRADE CRUZ OS IMPACTOS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO POR LESÃO CORPORAL NA VIDA DOS VITIMADOS EM FACE AO CONTROLE SOCIAL DO ESTADO BELÉM 2013

2 MARCO JOSÉ ANDRADE CRUZ OS IMPACTOS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO POR LESÃO CORPORAL NA VIDA DOS VITIMADOS EM FACE AO CONTROLE SOCIAL DO ESTADO Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano, da Universidade da Amazônia para a obtenção do título de Mestre. Orientadora: Profª. Drª: Maisa Sales Gama Tobias. BELÉM 2013

3 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Nazaré Soeiro CRB C957i Cruz, Marco José Andrade. Os impactos dos acidentes de trânsito por lesão corporal na vida dos vitimados em face ao controle social do Estado./Marco José Andrade Cruz f. ; 21 x 30 cm. Dissertação (Mestrado) Universidade da Amazônia, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano, Orientador: Profª. Drª. Maisa Sales Gama Tobias. 1. Acidente no transito Dano Ambiental. 2. Lesão Corporal - Atropelamento. 3. Crime de Trânsito Controle Social. I. Tobias, Maisa Sales Gama (orient.). II. Título.

4 MARCO JOSÉ ANDRADE CRUZ OS IMPACTOS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO POR LESÃO CORPORAL NA VIDA DOS VITIMADOS EM FACE AO CONTROLE SOCIAL DO ESTADO Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano, da Universidade da Amazônia para a obtenção do título de Mestre. Orientadora: Profª. Drª: Maisa Sales Gama Tobias. Banca Examinadora: Profª. Drª. Maísa Sales Gama Tobias - Orientadora Universidade da Amazônia UNAMA Profª. Drª. Luciana Fonseca Universidade Federal do Pará UFPA Profª. Drª. Ângela Maria Nascimento Oliva Examinador Interno Universidade da Amazônia - UNAMA Apresentado em: / / Conceito:

5 Dedico este trabalho primeiramente a Deus, criador e mantenedor de todas as coisas, por ter me concedido o privilégio da vida e a serenidade necessária para vencer os obstáculos dessa jornada. A minha esposa Eliany e aos meus filhos: Thaynara, Marco e Matheus, pelos estímulos que me impulsionaram a buscar vida nova a cada dia; meus agradecimentos por terem aceitado se privar de algum conforto em favor dos meus estudos, concedendo a mim a oportunidade de me realizar ainda mais.

6 AGRADECIMENTOS A vitória é conquistada quando aprendemos a construir degraus com as pedras que encontramos no caminho. Esses degraus construídos a base de suor e lágrimas é que possibilitam alcançar os objetivos traçados. Apesar de saber que, o esforço deve ser individual, é imprescindível a colaboração de outras pessoas. Para ajudar nessa tarefa uma legião de anjos transfigurados na figura de amigos, professores e familiares deram apoio, incentivo, orientação e, até mesmo broncas, para que não se perdesse o foco. Por esta razão, registro nesse espaço os meus sinceros agradecimentos a todos que me ajudaram a transformar as pedras de tropeço em degraus para o êxito. Primeiramente agradeço a Deus porque com Ele e através Dele, todas as coisas se fazem possíveis. A nossa Orientadora Profª. Drª Maisa Sales Gama Tobias, pela sábia condução dos rumos da pesquisa. Agradeço a Profª. Drª Luciana Fonseca pela simpatia e presteza e importante contribuição técnica para o aprimoramento desta Dissertação. Especialmente agradeço a Profª. Drª. Ângela Oliva e a Prof. Msc. Mirna Moraes pela valiosa orientação, paciência, carinho e incentivo nesta árdua estrada de produção do conhecimento. Agradeço a minha chefia e aos colegas de trabalho pelo apoio e carinho. Aos meus irmãos e irmãs, esposa e filhos pelas orações e apoio. Aos meus colegas de turma, entusiastas do conhecimento, pela espontaneidade e alegria na troca de informações e materiais numa rara demonstração de amizade e solidariedade, dos quais sentirei imensa saudade. Agradeço a todas as pessoas que de alguma forma estiveram na torcida. em Deus! No limiar dessa tarefa podemos dizer que, aqui chegamos pela fé, confiando

7 Os rios atingem os seus objetivos porque aprenderam a contornar os seus obstáculos. (Mao Tse Tung)

8 RESUMO O acidente de trânsito é um fenômeno que causa grande preocupação em todo o mundo, em razão de suas consequências irem além dos danos materiais e ambientais. Por causa das lesões que produz afeta a vida pessoal, profissional e familiar dos vitimados. O estudo em foco é resultado de uma pesquisa exploratória com abordagem crítico-dialética que teve como lócus inicial a VEPMA. A amostragem envolveu 112 casos de lesões corporais escolhidos aleatoriamente entre os processos em fase de execução de pena, em cumprimento na VEPMA, correspondentes ao período de 2007, 2008 e Através da análise documental foi possível a localização e a obtenção dos dados socioeconômicos dos sujeitos da pesquisa. Foi utilizado o questionário para complementar dados que não constavam nos processos e a entrevista semi-estruturada para capturar a essência do fenômeno pesquisado. O resultado da pesquisa mostrou que o impacto que o acidente de trânsito causa na vida dos vitimados ultrapassa os danos visíveis, já que afeta a vida pessoal da vítima quando o tira bruscamente de sua rotina cotidiana obrigando-o a ficar num leito, com dor física ou psicológica. Afeta ainda, a sua vida profissional tirando-o de maneira momentânea ou permanente do mercado de trabalho no auge da capacidade produtiva. Além disso, a vida familiar fica comprometida, visto que seus membros experimentam privações e necessidades em razão da falta de recursos financeiros. O Estado realiza o controle social sobre o trânsito através dos órgãos de do Sistema Nacional de Trânsito. No entanto, em face de ocorrência de ilícito que ultrapasse a competência administrativa, no caso deste estudo, as lesões corporais, a presença do Estado é percebida na esfera judicial, sendo a VEPMA um dos órgãos executores de sentença condenatória. Palavras-Chaves: Acidente no transito Dano Ambiental. Lesão Corporal - Atropelamento. Crime de Trânsito - Controle Social.

9 ABSTRACT Traffic accidents are a phenomenon that cause great concern in the entire world, because the consequences stretch beyond material and environmental damages. Because of the harms it causes, it affects personal, professional, and family lives of victims. The present study is a result of an exploratory research with a criticdialectical approach, which had VEPMA as initial locus. The sample involved 112 cases of actual bodily harms, which were chosen randomly among the processes during sentence enforcement phase or sentence serving at VEPMA, during 2007, 2008, and The documental analysis enabled the localization and obtaining of socioeconomic data about the research subjects. A questionnaire was used to complete data that were not present in processes and a partially structured interview was held to capture the essence of the researched phenomenon. The research result showed the impact that traffic accidents cause in victims' lives, which surpass visible damages, affects their personal lives, compelling them to be bedridden with physical or psychological pain. It also affects their professional lives, depriving them shortly or permanently from job market at the peak of their productive capacity. Furthermore, family life is compromised, because their limbs experience privations and needs due to their lack of financial resources. The state carries out social control regarding traffic through agencies of National Traffic System. However, in view of a tort that surpasses the administrative environment - in the case of this study, actual bodily harms - the presence of state is perceived in courts and VEPMA is one of enforcement bodies of sentences. Keywords: In Traffic Accident-Environmental Damage. Personal Injury-Trampling. Transit Crime-Social Control.

10 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 - Distribuição por tipo de deficiência (%) Gráfico 2 - Causas de deficiência física Gráfico 3 - Distribuição das lesões por área do corpo Gráfico 4 - Distribuição dos pacientes vítimas de Acidentes de Trânsito por causa de internação Gráfico 5 - Posição na Família (em %) Gráfico 6 - Demonstrativo geral da pesquisa Gráfico 7 - Por gênero Gráfico 8 - Por Faixa etária Gráfico 9 - Por Escolaridade Gráfico 10 - Por Renda Gráfico 11 - Motivo do deslocamento Gráfico 12 - Tipo de veículo envolvido no acidente Gráfico 13 - Circunstâncias do tempo e iluminação Gráfico 14 - O que deu causa ao acidente Gráfico 15 - Circunstâncias do Meio Ambiente Urbano que contribuíram para a ocorrência do acidente Gráfico 16 - Quem prestou socorro Gráfico 17 - local de atendimento Gráfico 18 - Maneira como o acidente afetou a vida pessoal Gráfico 19 - Sentimentos referidos após o acidente Gráfico 20 - Maneira como o acidente afetou a vida profissional Gráfico 21 - Posição que a vítima ocupa/ocupava na família enquanto responsável financeiro Gráfico 22 - Maneira como o acidente afetou a vida familiar... 90

11 LISTA DE ABREVIATURA AT CF CP CTB DETRAN DNIT DPVAT HMUE IPEA OMS SNT TEPT VEPMA Acidente de Trânsito Constituição Federal Código Penal Código de Trânsito Brasileiro Departamento de Trânsito do Estado do Pará Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transporte Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres Hospital Metropolitano de urgência e Emergência Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Organização Mundial da Saúde Sistema Nacional de Trânsito Transtorno do Estresse Pós-Traumático Vara de Execução de Penas e Medidas Alternativas

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO O projeto de dissertação Estrutura da dissertação 15 2 CATEGORIAS DE ANÁLISES Acidente de trânsito Classificações dos tipos de acidentes Causas dos acidentes Mortalidade e morbidade causadas por acidentes de trânsito O enfrentamento do problema pelo Estado Lesão corporal e suas consequências Lesões mais frequentes e a tipificação como crime de trânsito Consequência das lesões O controle social do estado sobre o trânsito Evolução histórica da atuação do Estado sobre o trânsito O código de trânsito vigente Controle Administrativo e Judicial do trânsito 56 3 FUNDAMENTOS METODOLÓGICOS O tipo de pesquisa Procedimentos metodológicos O método de análise 68 4 OS IMPACTOS DOS ACIDENTES NA VIDA DOS VITIMADOS: ANÁLISE DAS DIMENSÕES QUANTITATIVA E QUALITATIVA DEMONSTRATIVOS DA PESQUISA Dados Socioeconômicos Dados sobre o acidente Impacto dos acidentes na vida das vítimas Impactos na vida pessoal Impactos na vida profissional Impactos na vida familiar A percepção atual da vítima sobre o acidente 91 5 CONCLUSÃO 93 REFERÊNCIAS 97

13 11 1 INTRODUÇÃO A presente dissertação é resultado de uma investigação exploratória sobre os impactos que os acidentes de trânsito causa na vida dos vitimados. O despertar do interesse em estudar o fenômeno deve-se ao fato do acidente de trânsito ser um grave problema no mundo contemporâneo que afeta tanto países ricos quanto países pobres, deixando um rastro de dor, sofrimento, sequelas e mortes. Em termos de Brasil, considerando os anos de 1998 a 2008, morreram pessoas vitimadas pelo trânsito (WAISELFISZ, 2011). Estima-se que em 2010, houve mais de 1 milhão de acidentes e mais de 500 mil feridos, milhares ficando com sequelas graves definitivas que impedem uma vida normal. Em 2011, a empresa que administra o seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres DPVAT, divulgou que foram pagas indenizações por invalidez permanente (SEGURADORA LÍDER, 2011). No Estado do Pará, considerando os anos de 2007 a 2009, ocorreram, acidentes de trânsito que resultaram em feridos e mortos. A capital paraense, nesse mesmo período, registrou acidentes que resultaram em feridos e 397 mortos (DETRAN/PA, 2010). Em virtude da violência do trânsito o Estado do Pará é considerado o primeiro Estado da Região Norte em número de mortes por acidente de trânsito (WAISELFISZ, 2011). Apesar do Código de Trânsito vigente prever leis mais duras, e, mesmo com os avanços na engenharia de tráfego, os acidentes de trânsito continuam evoluindo e causando: danos materiais, ambientais, custos previdenciários, despesas com internações e indenizações, deixando sequelas visíveis e invisíveis. Desta forma, o pós-acidente traz repercussão para a vida pessoal, profissional e familiar dos envolvidos, o que afeta também, familiares e a sociedade como um todo. Estudos e pesquisas mostram as causas e os prejuízos materiais e ambientais em decorrência do acidente (Impactos Sociais e Econômicos dos Acidentes de Trânsito nas Rodovias Brasileiras IPEA 2006; Juventude e Segurança Rodoviária - OMS, 2007; Mapa da Violência: Acidentes de Trânsito, 2011). No entanto, poucos se debruçam em estudar o que acontece com o vitimado após o acidente, e responder questões, tais como: 1) O que alterou na situação ocupacional? 2) De que forma o acidente afetou a família? 3) Como ficou a vida

14 12 profissional após o sinistro? Diante destas questões, esta dissertação se debruça na investigação do impacto que o sinistro causou na vida do vitimado. 1.1 O projeto de dissertação Nesta seção estão apresentados os pontos desencadeadores e norteadores do trabalho que envolve a justificativa, a caracterização do problema e os objetivos da pesquisa, para efeito de entendimento da proposta inicial da dissertação, bem como do processo de pesquisa e os possíveis resultados alcançados. Primeiramente, faz-se necessário refletir que o deslocamento para as mais diversas atividades humanas: trabalho, educação, lazer, saúde, comércio, dentre outras, passou a ser uma condição básica de sobrevivência e desenvolvimento da sociedade, principalmente, nas cidades. A maior necessidade de viagens pode ocasionar problemas à mobilidade urbana e, com isto, resultar em acidentes. O acidente de trânsito é um fenômeno social de caráter mundial, que traz consequências para todos os atores envolvidos impedindo, de forma momentânea ou permanente, o prosseguimento de uma vida normal. Pode causar a morte prematura ou como resultado das lesões, deixarem o vitimado padecendo com sequelas física, mental ou psicológica, obrigando-o a parar subitamente com suas atividades produtivas. O grande desafio da sociedade contemporânea, na área de trânsito e transporte, é reduzir os crescentes índices estatísticos de acidente de trânsito. Sob essa ótica é relevante então destacar que o acidente de trânsito é reflexo de vários fatores, que inclui desde o comportamento dos usuários, as políticas públicas de trânsito e transporte, até a produção da indústria automobilística que investem em veículos cada vez mais potentes. Aparentemente alheio aos riscos da velocidade, que é uma das causas desencadeadora de acidentes de trânsito, as indústrias automobilísticas oferecem opcionais de segurança para os modelos mais sofisticados, como cintos com prétensionamento, airbags frontais, freios com ABS, prometendo segurança para os ocupantes do veículo. Porém, apesar da comprovada eficácia de tais equipamentos, estes não são suficientes para impedir a tragédia quando a velocidade ultrapassa o seu limite de impacto. Margaret Chan, Diretora Geral da Organização Mundial da Saúde afirma que:

15 13 Historicamente, muitas das medidas para reduzir as mortes e ferimentos por acidentes trânsito destinam-se a proteger os ocupantes dos veículos. No entanto, (...) cerca de metade das pessoas que morrem anualmente por acidentes de trânsito no mundo são pedestres, motociclistas, ciclistas e passageiros de transportes públicos. (Informe sobre la situación mundial de la seguridad vial: es hora de pasar a la acción. Ginebra, Organización Mundial de la Salud, 2009, p.iv). As estatísticas oficiais demonstram que aqueles que conseguem sobreviver acabam por adquirir deficiências, consideradas sequelas visíveis (SEGURADORA LÍDER, 2011). No entanto, os estudos de Cavalcante et al (2007) mostra a existência de transtornos pós traumáticos, denominadas de sequelas invisíveis resultantes dos acidentes. Desta maneira, tanto as sequelas visíveis, quanto as sequelas invisíveis interferem no retorno à normalidade existente antes do sinistro. Esta dissertação parte da seguinte questão-problema: Quais as consequências das lesões provocadas por acidente de trânsito na vida pessoal, familiar e profissional do vitimado? Em resposta ao problema levantado, foi elaborada a seguinte hipótese: quem adquire deficiência física, assim como, aquele que desenvolve transtorno póstraumático, em virtude do acidente, sofre um violento impacto em sua vida que vai além das feridas no corpo: na vida pessoal pode adiar ou inviabilizar planos pessoais; profissionalmente pode resultar em perdas econômicas, em decorrência da interrupção temporária ou permanente das atividades produtivas; e, familiar pode causar dificuldades financeiras e sociais, principalmente se o acidentado era o principal provedor financeiro da família, obrigando a família a promover adaptações por conta do acidente. O fenômeno acidente de trânsito motiva o interesse de estudos e pesquisas pelas diversas áreas do conhecimento, como: engenharia, medicina, direito, psicologia, dentre outras. Investigar as consequências do pós-acidente colocará em evidencia o impacto que as sequelas, visíveis e invisíveis, causaram na vida dos vitimados, assim como, a maneira que afetou os familiares, e seu reflexo na sociedade. Esse conhecimento trará importante contribuição para a implantação de políticas públicas para: segurança viária; saúde pública; e, também, de inclusão social para portadores de deficiência adquirida.

16 14 Diante do exposto, este trabalho tem como objetivos: Geral: Realizar um estudo exploratório acerca das consequências dos acidentes de trânsito na vida pessoal, profissional e familiar dos vitimados, tendo como local de pesquisa a Vara de Execuções de Penas e Medidas Alternativas VEPMA, no período de 2007, 2008 e 2009, na capital paraense. Objetivo específico: Apresentar os impactos dos acidentes de trânsito para a sociedade; Analisar os acidentes de trânsito como produtores de mortes e lesões; Identificar as sequelas visíveis e invisíveis causadas pelos acidentes de trânsito; Analisar o papel do Estado no controle social da questão. A escolha do tema nasceu da observação do cotidiano do trânsito na cidade de Belém-PA. O sistema viário principal do transporte coletivo urbano da cidade é espaço disputado, de visual caótico onde, além dos pedestres, das bicicletas, da quantidade de carros cada vez maior; vans, kombis e motocicletas - para transporte clandestino de pessoas - disputam com o transporte coletivo regular um número expressivo de passageiros, o que gera conflito e faz com que o ato de dirigir se torne um risco constante nas vias e resulte em muitos acidentes. Os acidentes de trânsito são produtores de lesão corporal, porém, quando a lesão corporal for consequência do acidente, essas, serão consideradas crimes de trânsito, tipificadas como lesão corporal culposa. O foco da pesquisa está centrado nas consequências do acidente na vida dos envolvidos, essas consequências são percebidas a partir da sequela deixada pelo acidente de trânsito. A possibilidade de capturar o fenômeno num estágio após o impacto imediato do sinistro, sendo produto de um crime de trânsito específico lesão corporal - motivou a escolha da VEPMA como local para realização da pesquisa exploratória por possibilitar maiores informações sobre os impactos dos acidentes de trânsito. O recorte temporal avaliado nessa discussão compreende os anos de 2007, 2008 e 2009.

17 15 A VEPMA é um espaço jurídico-social com competência na Região Metropolitana de Belém para aplicar, fiscalizar e controlar o cumprimento das penas restritivas de direitos. Essas penas são formas alternativas, legalmente constituídas para o cumprimento das penas atribuídas aos crimes considerados de menor potencial ofensivo, como é o caso da lesão corporal culposa quando provocada na direção de um veículo automotor. Para servir de instrumento de coleta de dados utilizou-se a pesquisa documental e a entrevista semi-estruturada. A pesquisa documental foi realizada nos 112 processos, a entrevista semi-estruturada, aplicada em 71 vitimados e 8 familiares, totalizando 79 entrevistas. Os dados coletados foram analisados através do método de Análise de Conteúdo (BARDIN, 1988), com procedimentos temáticos e categoriais. Esse método é considerado híbrido pelo fato de fazer ponte entre o formalismo estatístico e a análise qualitativa da matéria. Portanto, mostra-se adequado para atender aos objetivos desta dissertação. Assim sendo, este estudo constitui-se num importante instrumento investigativo para retratar os impactos causados pelo acidente de trânsito, demonstrando a outra face do sinistro ao pesquisar o que acontece com o vitimado de maneira tridimensional: na vida pessoal, profissional e familiar. Desta forma, objetiva-se trazer importantes contribuições para a construção e materialização de políticas públicas. 1.2 Estrutura da dissertação Na sua organização formal, esta dissertação está dividida em duas partes, a saber: na primeira parte estão presentes as categorias de análises com a contribuição de diferentes autores e o itinerário metodológico da pesquisa que foi levada a efeito para a concretização da dissertação. Na segunda parte, é apresentado o resultado do estudo empírico com aplicação do método de Análise de Conteúdo (Bardin, 2009), momento de discussão e análise daquilo que foi revelado pela pesquisa com base nos fundamentos apresentados na primeira parte. Buscando um efeito didático que proporcione melhor compreensão do objeto em estudo, as partes que compõem esta dissertação obedecem à seguinte ordem:

18 16 1- Introdução, utilizada para elucidar as primeiras aproximações ao tema e aos parâmetros de fundamentos teóricos; 2- Categorias de análises, na qual se discute o acidente de trânsito com sua tipologia e causa, mortalidade e morbidade, a lesão corporal e suas consequências e a tipificação como crime de trânsito; e, finalizando as categorias de análises, o controle social do Estado sobre o trânsito; 3- Fundamentos metodológicos, onde são demonstrados o tipo de pesquisa e o método de análise dos dados coletados; 4- Análise da dimensão quali-quantitativa, na qual é apresentado o resultado da pesquisa de campo realizada na VEPMA, com a análise do impacto que o acidente causou na vida pessoal, profissional e familiar da vítima; 5- Por último, as Conclusões do estudo mostrando a eficácia do método aplicado para responder à questão-problema e apresentação de sugestões.

19 17 2 CATEGORIAS DE ANÁLISES Esse Capítulo faz a discussão teórica sobre o tema, analisa a situação do acidente de trânsito mostrando os tipos de acidentes, as causas, a mortalidade e morbidade provocadas pelo sinistro; as Lesões corporais e suas consequências, as lesões mais frequentes e a tipificação como crime de trânsito; finaliza com o controle social do Estado sobre o trânsito, o Código vigente e o controle administrativo e judicial sobre o trânsito. 2.1 Acidente de trânsito A evolução da economia e do poder aquisitivo da população, aliada as facilidades de crédito, possibilitou a aquisição de um modo de transporte motorizado por uma significativa parcela da população, que, anteriormente, era excluída desse privilégio. A aquisição de um veículo para o transporte individual, que num primeiro momento mostrou-se como facilitador da mobilidade para as diversas atividades humanas causou impacto direto na frota nacional e na malha viária, e, por consequência, o aumento das ocorrências de acidentes de trânsito. A esse respeito, Resende e Sousa (2009) consideram que:...os congestionamentos... começam a se prolongar de maneira assustadora... isso resulta em travamento dos principais corredores, com graves consequências para a qualidade de vida dos cidadãos, associadas a enormes prejuízos econômicos e sociais... Na maioria das estradas brasileiras, acidentes e imprevistos são comuns. Uma pessoa que necessita chegar ao destino em um horário determinado, precisa adicionar um tempo extra ao tempo previsto para o trajeto. Este tempo extra é um dos mais agravantes aspectos dos congestionamentos (RESENDE; SOUSA, 2009, p. 16). Os acidentes de trânsito apresentam elevadas taxas de mortalidade e morbidade. Além de causar mortes trágicas, também dão causa a incapacidades, momentâneas ou permanentes em virtude das sequelas deixadas pelas lesões corporais. Apesar de haver vítimas graves que evoluem para uma recuperação total, não se pode ignorar o longo período de internação/tratamento. Esse período em que o vitimado compulsoriamente dedica ao tratamento obriga-o a se afastar de suas atividades laborais e de outras relações sociais,

20 18 ocasionando consequências para a vida pessoal, profissional e familiar, em razão de perdas financeiras, necessidade de acompanhamento de familiar nas internações e outras necessidades do tratamento, como consultas e fisioterapia, assim como, afastamento das atividades produtivas provedoras da subsistência. A Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT (NBR 10697/1989) define acidente de trânsito como todo evento não premeditado de que resulte dano em veículo ou na sua carga e/ou lesões em pessoas e/ou animais, em que pelo menos uma das partes está em movimento nas vias terrestres ou áreas abertas ao público. Pode originar-se, terminar ou envolver veículo parcialmente na via pública. Para o IPEA (2006) acidente é um evento independente do desejo do homem, causado por uma força externa, alheia, que atua subitamente, de forma inesperada e deixa ferimentos no corpo e na mente do acidentado. Já o DETRAN-PA (2010) conceitua o acidente de trânsito como sendo todo evento com dano que envolve um veículo, a via, o homem ou animais e que, para caracterizar-se, tem a necessidade da presença de pelo menos dois desses fatores. Na trilha desse entendimento, Ferraz et al (2012) considera como acidente de trânsito um evento envolvendo um ou mais veículos, motorizados ou não, em movimento por uma via, que provoca ferimentos em pessoas e/ou danos em veículos e/ou em outros elementos (postes, edificações, sinais de trânsito, etc). Numa ampliação desse entendimento, também deveria ser considerado como acidente de trânsito a queda de uma pessoa no interior de um veículo de transporte coletivo, fato esse que atualmente está fora desse conceito Classificações dos tipos de acidentes O DNIT (2009) considera que, se na sequência de eventos da qual ocorreu um acidente de trânsito, o veículo, que depois de projetado para fora da área da via destinada ao trânsito, venha a capotar, tombar ou mesmo colidir com qualquer objeto, pessoa ou animal, o acidente deve ser tipificado como saída de pista. No entanto, se o veículo, antes de ser projetado para fora da referida área, tiver colidido com, por exemplo, uma mureta, o acidente deve ser tipificado como colisão com objeto fixo. A importância da classificação dos tipos de acidente de trânsito está no fato de possibilitar a identificação das prováveis causas para implantação de medidas

21 19 preventivas. É plenamente admitido que um mesmo acidente apresente mais de uma forma de possibilidade classificatória dado ao contexto em que o fato ocorreu. A classificação colocada a seguir é baseada no Anuário estatístico das rodovias federais (DNIT, 2009). Choque com objeto fixo - colisão de veículo motorizado com objeto estacionário ou fixo (exceto veículo estacionado), tais como: poste, meio-fio, mureta, barranco etc., presente na área da via destinada ao trânsito de veículos; Capotagem ocorrência que se caracteriza pelo fato do veículo girar sobre si até ficar de rodas para cima, ou mesmo de lado, ou voltar a ficar sobre as próprias rodas; Atropelamento colisão de veículo motorizado com pessoa a pé ou conduzindo animal ou veículo não motorizado, na área da via destinada ao trânsito de veículos; Atropelamento de animal colisão de veículo motorizado com animal solto na área de influência da rodovia; Choque com veiculo estacionado colisão de veículo motorizado com outro veículo motorizado estacionado na área da via destinada ao trânsito de veículos (usualmente, pista de rolamento e acostamento); Colisão traseira colisão de veículo motorizado com outro veículo motorizado que trafegue à sua frente, quando o impacto se dá com a parte traseira do veículo; Abalroamento no mesmo sentido colisão de veículo motorizado com outro veículo motorizado que trafegue no mesmo sentido, quando o impacto se dá entre as laterais dos veículos envolvidos;

22 20 Colisão frontal colisão de veículo motorizado com outro veículo motorizado que trafegue em sentido contrário, quando o impacto se dá com a parte frontal de ambos os veículos; Abalroamento em sentido oposto colisão de veículo motorizado com outro veículo motorizado que trafegue em sentido contrário, quando o impacto se dá entre as laterais dos veículos envolvidos; Abalroamento transversal colisão de veículo motorizado com outro veículo motorizado que trafegue em sentido perpendicular (usualmente em cruzamento de fluxos), quando o impacto se dá com a parte da frente de um com a lateral do outro; Tombamento ocorrência que se caracteriza pelo fato do veículo motorizado tombar sem ter girado sobre si, ficando, usualmente, de lado; Saída de pista ocorrência que se caracteriza pelo fato do veículo motorizado projetar-se para fora da área destinada ao tráfego de veículos, sem que tenha colidido, tombado ou capotado dentro da referida área; Outros tipos outras situações não enquadráveis dentre as demais classes descritas; Atropelamento e fuga colisão de veículo motorizado com pessoa a pé ou conduzindo animal ou veículo não motorizado, da qual o motorista do veículo motorizado tenha escapado furtivamente do local da ocorrência; Queda de veículo ocorrência em que uma das vítimas (condutor ou passageiro) tenha caído do veículo em movimento, na área da via destinada ao trânsito de veículos.

23 21 A Tabela 1 demonstra o tipo de acidente em que estiveram envolvidas ocorrências do fenômeno, em Belém-PA, no período de 2007 a Tabela 1 - Tipos de acidentes de trânsito no Município de Belém de 2007 a TIPO DE ACIDENTES 2007 % 2008 % 2009 % Abalroamento 124 1, , ,79 Atropelamento 840 8, , ,60 Capotamento 21 0,2 27 0,3 25 0,23 Choque objeto fixo 242 2, , ,49 Colisão bicicleta 806 7, , ,77 Colisão veículo , , ,85 Queda de motocicleta 124 1,2 98 1, ,12 Queda de ônibus 155 1, , ,76 Não informado 8 0,1 15 0,1 18 0,16 Outros 25 0,2 20 0,2 27 0,24 TOTAL Fonte: DETRAN/PA, Observa-se, através da Tabela, que nesse período houve um declínio no percentual de colisão de veículos. Enquanto que, os abalroamentos, apresentaram um pequeno aumento devido aos constantes engarrafamentos e a diminuição das distâncias entre veículos o que propicia este tipo de acidente. Os demais tipos de acidentes apresentam aumentos e declínios ao longo do período analisado (DETRAN/PA, 2010). O conhecimento do tipo de acidente proporciona a possibilidade de se estudar a causa. O conhecimento da causa possibilita a implementação de medidas mais eficazes de segurança viária. Rozestraten (1988) considera que, a partir daquilo que restou do acidente deve-se reconstruir o que, como e onde aconteceu, e daí deduzir quais foram as causas principais e quem foi o responsável. Isso se discute quando a investigação parte de alguma coisa palpável ou pelo menos visível. No entanto, quando se quer saber o que de fato aconteceu, recorre-se geralmente a testemunhas. Nessa situação ele faz a seguinte ponderação:

24 22 Há duas observações importantes: (1) o acidente acontece numa fração de segundo e (2) as testemunhas não estavam lá para observar o acidente: viram-no casualmente e são influenciáveis por tudo que se falou, publicou e se interpretou depois. (...) todos nós temos a tendência de procurar o culpado de um acidente. Quanto mais grave o acidente tanto maior nossa tendência de acusar alguém (ROZESTRATEN,1988, p.77). categorias: Com relação à gravidade dos acidentes o DNIT (2009) reconhece três Acidente com morto - é o evento no qual tenha ocorrido, pelo menos, uma morte, independentemente da quantidade de pessoas e de veículos envolvidos; Acidente com ferido - é o evento no qual tenha ocorrido, pelo menos, um ferido (lesões leves ou graves); Acidente sem vítima - é o evento do qual todas as pessoas envolvidas tenham saído com ausência de lesões (ilesas). Desta forma, considerando os tipos de acidentes e a gravidade de cada um pode-se inferir que nem todas as ocorrências de acidente de trânsito chegam a ser registradas, como, por exemplo, pequenas batidas ou aqueles que não causam vítimas. Assim sendo, os acidente de trânsito registrados em Belém no ano de 2010, representam os casos que chegaram ao conhecimento dos órgãos gestores do trânsito (DETRAN/PA, 2010). Com relação ao estado físico das vítimas a ABNT (NBR 10697/1989) apresenta a seguinte classificação: Fatal quando a vítima falecer em razão dos ferimentos sofridos no local do acidente, ou depois de socorrido no período até a conclusão do boletim de ocorrência;

25 23 Grave quando a vítima sofrer lesões graves que exigem tratamento médico mais prolongado; Leve quando a vítima sofrer ferimentos leves, em geral superficiais, que não exigem tratamento médico prolongado; Ileso quando a vítima não sofrer qualquer tipo de ferimento aparente, nem apresentar sintomas ou queixas de lesões internas. Com relação à morte da vítima, será atribuída como causa o acidente de trânsito, se ocorrer o óbito no período de até 30 dias após o acidente em decorrência das lesões sofridas; conforme determina a Convenção Sobre Trânsito Viário de Viena de 1968, da qual o Brasil é signatário desde 1981 (Decreto nº /81). No tocante ao estado físico da vítima, relacionado a lesão corporal culposa grave, leve, é importante saber que se trata de um crime de trânsito de menor potencial ofensivo, que depende de representação do ofendido ou de seu representante legal para que se busque reparação judicial Causas dos acidentes O significado do termo causa, remete a uma série de acontecimentos pretéritos que deram origem a um fato. Raramente os acidentes de trânsito acontecem motivados por uma única causa. Em geral existe uma convergência de fatores, sendo possível identificar, um ou mais fatores que contribuíram ou determinaram a ocorrência do sinistro, de maneira direta ou indireta. Neves (2013) considera que: Enquanto as autoridades culpam a irresponsabilidade, a imperícia, a negligencia, a imprudência dos motoristas... Parecem esquecer-se do aumento desmesurado da frota, da precariedade das nossas vias e estradas e da falta de uma sinalização eficiente e de uma fiscalização moralizadora (NEVES, 2013, p.36) Rozestraten (1988) diz que, todo acidente de trânsito tem uma causa material ou psíquica, resultado de uma cadeia causal de fatores: humanos, do veículo e do

26 24 ambiente. Por esse entendimento, a causa do acidente de trânsito pode ter origem numa disfunção do sistema homem-via-veículo que, em circunstâncias normais, funciona sem problemas. A esse respeito faz o seguinte comentário: A explicação científica não pode aceitar o destino, a vontade de Deus ou forças ocultas como causas de um acidente. Portanto, a base (...) é a existência de uma explicação real, algo concreto no ambiente, no veículo ou no homem que os causou. (...) no simples dirigir um carro há uma enorme quantidade de fatores a serem considerados. No carro temos a gasolina, o duto da gasolina, o carburador e dezenas de outras peças que podem apresentar defeitos. No ambiente há outra série de fatores, não somente da via com o asfalto esburacado, ou com um semáforo desregulado, mas toda quantidade de carros em volta do seu que podem provocar acidentes. Além disso, a quantidade de fatores que envolvem o próprio indivíduo: seus olhos, seus ouvidos, sua capacidade de atenção, de discriminação, de previsão e de decisão. É praticamente impossível dizer quantos fatores estão funcionando e integrando quando se está guiando um carro. Como resultado do mau funcionamento de um ou alguns desses fatores os acidentes acontecem (ROZESTRATEN, 1988, p, 91). Fell apud ROZESTRATEN, p, 92, defende a Teoria Causal para a ocorrência de acidentes de trânsito. Para esse teórico existe uma cadeia causal de fatores humanos, do veículo e do ambiente que contribuem para a ocorrência de acidentes, da seguinte forma: existe uma causa inicial, cujo efeito se transforma em outra causa da qual resultará outro efeito que irá se transformar em nova causa de modo a formar uma cadeia de causas e efeitos até resultar na ocorrência do acidente. Para exemplificar a Teoria Causal toma-se como exemplo uma briga de casal momentos antes da saída para o trabalho, o veículo não estava com as revisões atualizadas e estava chovendo. Primeiramente, vejamos a cadeia causal humana: causa inicial, um homem briga com a sua mulher antes de sair para o trabalho, em razão da briga sai tarde para o trabalho, saindo tarde para o trabalho dirige agressivamente, a velocidade alta demais para as condições da via não permite que o motorista compreenda imediatamente o perigo de um veículo lento à sua frente perto de uma curva, resultando em acidente. Com base nesse exemplo, a teoria de Fell (1976) considera que, a discussão do homem com a mulher foi uma causa, que teve como efeito o homem sair tarde para o trabalho. O fato de o homem ter saído tarde para o trabalho passou a ser

27 25 uma causa, que teve como efeito dirigir agressivamente. O dirigir agressivamente se transformou em causa que teve como efeito a velocidade alta demais para as condições da via. A velocidade alta demais para as condições da via teve como efeito a não percepção pelo motorista do perigo de um veículo lento à frente perto de uma curva, causando como resultado a ocorrência do acidente. Para compreensão da cadeia causal do veículo, o exemplo explica da seguinte forma: causa inicial, a falta de revisão do veículo, tendo como efeito o desconhecimento por parte do motorista sobre o fato dos freios estarem gastos, os freios gastos fez com que a distância de frenagem aumentasse resultando em acidente. Assim, para Teoria Causal a causa inicial foi a falta de revisão, que teve como efeito o desconhecimento, por parte do motorista, sobre as condições do freio, os freios gastos tiveram como efeito o aumento da distância para frenagem resultando na ocorrência do acidente. Seguindo com o mesmo exemplo para explicar a cadeia causal do ambiente. Causa inicial, a condição do tempo, chovia, tendo como efeito provocado pela chuva a estrada molhada, com a estrada molhada há diminuição do coeficiente de fricção sobre a estrada resultando em acidente. Desta maneira, a chuva foi a causa inicial que teve como efeito a estrada molhada, a estrada molhada transformou-se em causa cujo efeito foi a diminuição do coeficiente de fricção sobre a estrada cujo efeito foi o acidente. Essa teoria sobre prováveis efeitos de prováveis causas mostra que o acidente de trânsito pode ocorrer pela soma das causas originadas na cadeia causal humana, mais a cadeia causal do veículo, mais a cadeia causal do ambiente. Assim como, pode ocorrer motivada por uma única causa, que mesmo assim, salvo os fenômenos da natureza, guardará relação com fatores humanos. Afinal, quem projetou o carro ou construiu a estrada foi o próprio homem. De maneira subjetiva, os fatores humanos refletem aspectos ligados à formação insatisfatória dos envolvidos, relacionadas com a imperícia, inabilitação, inexperiência entre outras, ou às suas condições físicas / psicológicas desfavoráveis, como: o cansaço, sonolência, estresse, agressividade, euforia, pressa, desatenção etc. Fatores que potencializam o cometimento de erros no trânsito por parte dos seus usuários. De maneira objetiva os fatores humanos estão relacionados com ações arriscadas do indivíduo no trânsito, quer na condição de condutor de veículo que

28 26 pode se envolver em um acidente, quer na condição de pedestre arriscando-se a ser atropelado. Estes comportamentos indevidos acabam, isolados ou juntamente com outros fatores, induzindo à ocorrência do acidente. Vasconcelos (2005) considera que, existe divergência entre os técnicos e especialistas a respeito da importância relativa das várias causas dos acidentes de trânsito. Porém, há consenso sobre o fato dos acidentes raramente terem uma única causa e o paradigma vigente apontar para o fator humano como sendo o maior responsável pelos acidentes. Dentre os fatores considerados desencadeadores dos acidentes, mencionamse como os mais importantes: o ambiente inadequado de circulação, tanto em relação aos veículos quanto a pedestres e ciclistas; o uso de álcool ou de outras drogas por interferirem nos reflexos dos condutores e, até mesmo, dos outros usuários da via; a velocidade excessiva, em razão de a energia cinética aumentar exponencialmente com a velocidade; as condições da pista e da sinalização estão por traz dos grandes acidentes; por último, o estado de manutenção dos veículos, principalmente com relação aos freios e suspensão (VASCONCELOS, 2005). Ferraz et. al., (2012) acrescenta: o cansaço e sonolência, por reduzirem a capacidade física e mental dos condutores, e assim, interferirem na resposta a situação de risco; a conduta perigosa, que consiste em dirigir sem respeitar as leis de trânsito e o bom senso; a falta de habilidade, ocasionada pela ausência de treinamento, inexperiência e/ou incapacidade por doenças, idade avançada, etc.; desvio de atenção, como procurar/pegar objetos no chão do carro, bolsa, etc.; não ver e não ser visto, fato que pode estar associado a deficiência visual, condições ambientais, etc.; propaganda comercial na lateral da pista que pode desviar a atenção dos condutores; dentre outros fatores que exercem influência sobre aqueles que estão expostos ao trânsito. A Tabela 2 mostra que, em Belém- PA, de acordo com o DETRAN/PA (2010), as principais causas dos acidentes de trânsito ocorridos de 2007 a 2009, estão relacionadas com: perder o controle do veículo; manobra irregular; desrespeito a preferencial; contra mão; desviar de um veículo; embriaguês alcoólica; excesso de velocidade; atravessar na pista sem atenção; avançar de sinal; falta de atenção e frear bruscamente.

29 27 Tabela 2 - Principais causas de Acidentes de Trânsito registrados no município de Belém de 2007 a CAUSAS DE ACIDENTES 2007 % 2008 % 2009 % Manobra irregular , , ,84 Falta de atenção 83 5, , ,26 Desrespeito a preferencial 117 8, , ,80 Perdeu o controle 108 7, , ,86 Avanço de sinal 134 9, , ,51 Excesso de velocidade ,98 Embriaguês alcoólica 103 7, , ,35 Desviar de um veículo 109 7, , ,35 Atravessar na pista sem atenção 126 8, , ,35 Contra mão 80 5, Frear bruscamente , Outras , , ,70 TOTAL Fonte: DETRAN/PA, Calil et. al., (2009) considera que o panorama de acidentalidade deve servir de orientação para medidas preventivas e educacionais úteis para prevenção de acidentes. Analisando a Tabela 2, pode-se observar a expressiva participação do fator humano dando causa aos acidentes de trânsito. A manobra irregular e o avanço do sinal vermelho despontam entre as principais causas dos acidentes. De todas as causas apontadas, a manobra irregular teve um aumento de 195% em 2009, em relação a 2007, passando de 195 para 576 casos. Esse crescimento põe em xeque a maneira com que os condutores estão sendo preparados para tirarem a habilitação. Além de que, de acordo com Vasconcelos (2005), há uma tendência das pessoas acharem que uma vez obtida à carteira de habilitação, o seu processo de aprendizado está terminado.

30 Mortalidade e morbidade causadas por acidentes de trânsito Ferraz et. al., (2012) considera que o cenário de tragédia no trânsito irá piorar cada vez mais, se não forem implantadas e colocadas em prática políticas adequadas. A avaliação do impacto causado pela mortalidade e morbidade dos acidentes de trânsito é feita através de dois indicadores: I - Disabilly-adjusted life year DALY, que corresponde a uma escala de saúde composta pela combinação dos anos perdidos com a morte prematura e o número de anos vividos com sequelas graves; II - Global Burden Disease GBD, que é uma estimativa regional e global ampla da mortalidade e da incapacidade provocada por 107 doenças e por dez fatores de risco. Para esses indicadores, o acidente de trânsito, em 1990, era classificado como a 9º causa mortis, representando 2,6% do total de mortes no mundo. No entanto, se os índices de mortalidade no trânsito continuarem no patamar de evolução que se encontram, a previsão que fazem é de que, em 2020 os acidentes de trânsito ocuparão a 3º posição, representando 5,1% do total de mortes no mundo. No Brasil, no ano de 2010, ocorreram óbitos motivados por acidentes de trânsito, 66,6% das vítimas, a saber, , foram pedestres, ciclistas e/ou motociclistas. A tendência nacional da última década está marcando uma evolução extremamente diferencial: significativas quedas na mortalidade de pedestres; manutenção das taxas de ocupantes de automóveis; leves incrementos nas mortes de ciclistas e violentos aumentos na letalidade de motociclistas (WAISELFISZ, 2012). Em Belém, também em 2010, foram contabilizados 131 óbitos em virtude de acidentes de trânsito (DETRAN/PA 2010). Houve um aumento em relação a 2009, que registrou 108 mortes, e queda em relação a 2007 e 2008 que registraram 142 e 147 óbitos, respectivamente. Outro fato relevante refere-se à queda no percentual de acidentes com automóveis, contudo os valores absolutos continuam elevados, ao apresentar percentuais em crescimento de acidentes envolvendo motocicletas e microônibus. Acrescenta-se ainda, uma peculiaridade da cidade de Belém um pequeno aumento no percentual de acidentes envolvendo viaturas policiais. Além das mortes, os acidentes de trânsito causam morbidade, ou seja, são produtores de deficiências em virtude das lesões provocadas naqueles que sobrevivem. Mesmo que os dados do Censo 2010 do IBGE não apontar as causas

31 29 da deficiência, o que dificulta saber quantas deficiências adquiridas foram motivadas por acidentes, pode-se considerar as indenizações por invalidez permanente pagas pelo seguro DPVAT para demonstrar que os acidentes de trânsito estão aumentando o número de deficientes no Brasil. A Tabela 3 mostra um crescimento percentual das indenizações pagas pelo seguro DPVAT em 2010 e 2011 revelando que, em 2011 o crescimento no pagamento das indenizações por invalidez permanente foi maior que a registrada em Revela, também, que, as indenizações pagas pelo seguro em 2011 registraram um crescimento de 45% em face de Tabela 3 Indenização pagas pelo seguro DPVAT em decorrência de invalidez permanente nos anos de 2010 e Fonte: Seguradora Lider DPVAT Período: janeiro a dezembro/2011. Essas informações revelam que os acidentes de trânsito são produtores de lesões que causam invalidez permanente, dessa maneira, aumentando os índices de portadores de deficiência. Comparando esses dados com as estatísticas que mostram a faixa etária em que mais ocorre acidentes, percebe-se que um importante grupo de indivíduos jovens adquire deficiência física, e por esta razão saem do mercado de trabalho em plana capacidade produtiva. Esse fato resulta em ônus para a sociedade em virtude dos custos com internações hospitalares, tratamento e reabilitação, inclusive custos previdenciários. Soma-se a isso, o forte impacto na família que muitas vezes se desestrutura em face da nova realidade. Os Gráficos 1 e 2 são resultado do estudo realizado pela FEBRABAN (2006) sobre a população com deficiência no Brasil, cuja amostra utilizada foi de deficiente. Através desses gráficos observa-se a distribuição por tipo e as causas das deficiências.

32 30 Gráfico 1 - Distribuição por tipo de deficiência (%). Fonte: FEBRABAN, Gráfico 2 - Causas de deficiência física Fonte: FEBRABAN, Os dados apresentados mostram que, dos indivíduos participantes da pesquisa portadores de deficiência, 342, ou seja, 27,1% são portadores de deficiência física. Quando investigado as causas que deram origem a deficiência o resultado mostra que 313, ou seja, 25,9% tornaram-se deficientes em consequência de acidente de trânsito. Os acidentes de trânsito dão causa a um número preocupante de deficiências física adquiridas. Consideram-se deficiência adquirida, aquelas

33 31 adquiridas ao longo da vida. Ou seja, o indivíduo não nasceu deficiente, passou a ser deficiente devido a uma causa externa, fazendo parte de uma estatística que afeta não só o vitimado, mas também, toda a sua família trazendo consequências que vão além dos danos materiais e ambientais causado pelo acidente que o vitimou. Independente da culpa pelo acidente percebe-se, pelas estatísticas, as consequências desse fenômeno em todo mundo. Vitimados e vitimizados padecem em virtude das sequelas físicas ou psicológicas deixadas pelas lesões corporais que foram produzidas pelos acidentes. Os custos ambientais e materiais podem ser mensurados e demonstrados através dos números. No entanto, a perda de vidas ou de qualidade de vida não pode ser mensurada pelo quantum indenizatório, pois não há dinheiro que pague a vida ou a saúde de um indivíduo O enfrentamento do problema pelo Estado A investigação do fenômeno mostra que os acidentes de trânsito representam um significativo peso econômico e social arcado por toda sociedade. Os números das estatísticas oficiais apontam que os acidentes são responsáveis, dentre as causas externas, pelo maior número de internações, representando altos custos hospitalares, perdas materiais e custos previdenciários. Além desses custos que podem ser representados estatisticamente, existe um ônus invisível, que não pode ser mensurado através dos números: o sofrimento das vítimas e de seus familiares. A mortalidade e morbidade do fenômeno afeta tanto os países pobres quanto os países ricos, deixando rastro de dor, sofrimento, sequelas e mortes. Além do mencionado custo previdenciário, existem custos ambientais, que, também, afetam toda a sociedade. Fato que motivou a Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas - ONU, a proclamar oficialmente o período de 2011 a 2020 como a Década Mundial de Ações de Segurança no Trânsito. Proclama el período Decenio de Accion para la Seguridad Vial, com el objetivo de estabilizar y después reducir las cifras previstas de victimas mortales em accidentes de tránsito em todo el mundo aumentando las actividades em los planos nacional, regional y mundial. (Assembléia General 24 de febrero de A/64/L.44/Rev. 1º)

34 32 O Estado brasileiro é signatário desse pacto mundial que tem como objetivo reduzir em 50% o número de mortes no trânsito até Nessa empreitada desenvolve as políticas públicas com base no Plano Nacional de Ações pela Segurança no Trânsito Esse plano está estruturado em cinco pilares, a saber: Gestão da Segurança no Trânsito; Infraestrutura Viária Adequada; Segurança Veicular; Comportamento/Segurança do Usuário; Atendimento Pré/Hospitalar/Pós. Concentrando as informações no foco da pesquisa, destaca-se: Gestão da Segurança no Trânsito e Atendimento Pré/Hospitalar/Pós. Na gestão, destaca-se: I o Sistema Integrado de Informações de Trânsito; e, II - o Observatório Nacional de Trânsito. I - O Sistema Integrado de Informações de Trânsito tem como objetivos: Integrar os sistemas de informações de trânsito, saúde e segurança pública através de um sistema de informação nacional com módulos específicos para registro da ocorrência, internações hospitalares, mortes, invalidez e afastamento do trabalho e exame médico legal; Fortalecer, modernizar e consolidar a gestão do sistema de informação de acidentes que permita o planejamento e o mapeamento detalhado dos pontos de risco como instrumento de apoio às políticas de prevenção de acidentes; Gerar informações integradas e importantes para a escolha de soluções que visem a melhoria nas condições de segurança viária aumentando a confiabilidade dos dados e análises e apoiando a tomada de decisões.

35 33 II o Observatório Nacional de Trânsito tem como objetivos: Produzir análise sobre situação, tendências e cenários sobre acidentes de trânsito e fatores de risco/proteção, com informações oriundas do sistema integrado de informações alimentadas pelas áreas de trânsito, segurança pública, saúde e previdência; Identificar os principais problemas relacionados à segurança no trânsito; Desenvolver programas de estudos e investigações sobre segurança viária, violência e prevenção de acidentes e lesões mortes no trânsito; Fazer revisão de políticas e experiências exitosas de promoção da segurança no trânsito; Propor recomendações de intervenções aos órgãos envolvidos com a saúde e segurança no trânsito; Monitorar e acompanhar as ações do plano da Década Com relação ao Atendimento Pré/Hospitalar/Pós as políticas estão balizadas nos seguintes objetivos: Implementação da Vigilância de Lesões, Mortes, condicionantes e determinantes dos acidentes de trânsito Produção Qualificação da Informação; Prevenção e Promoção da Saúde e Paz no trânsito Ampliação e consolidação do Projeto Vida no Trânsito; Implementação da Rede de Atenção às Urgências (RAU) com priorização das vítimas do trânsito (ênfase em motociclistas) Rede Saúde Toda Hora;

36 34 Ampliação e consolidação do atendimento de reabilitação das vítimas em articulação com o componente de Atenção à Saúde do Plano Nacional para as Pessoas com Deficiência; Ampliação da atenção psicossocial das vítimas do trânsito em conformidade com a Rede de Cuidados em Saúde Mental, Álcool, Crack e outras Drogas. Essas ações, acima mencionadas, complementam as políticas públicas que já vinham sendo desenvolvidas anteriormente, a saber: Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Portaria MS/GM nº. 737 de 16 de maio de 2001; Projeto de Redução da Morbimortalidade por Acidentes de Trânsito: Mobilizando a Sociedade e Promovendo a Saúde Portaria MS nº. 344 de 19/02/2002; Política Nacional de Promoção da Saúde Portaria MS/GM nº. 687 de 30/03/2006, publicada no DOU / Seção 1 nº. 63 de 31/03/2006. Ante ao exposto, percebe-se que existe a implementação de políticas públicas para o enfrentamento desse fenômeno desde antes da promulgação da década de segurança viária, proclamada pela ONU. Desta forma, o Estado brasileiro procura materializar ações que tenham como resultado a garantia de um trânsito seguro para que a liberdade de circulação não seja vetor de tantas mortes nas estradas. 2.2 Lesão corporal e suas consequências A Constituição Federal - CF (art. 5º) protege a vida humana, ainda quando em desenvolvimento no útero materno. Do direito à vida decorrem todos os demais direitos, portanto, nessa perspectiva o corpo humano, em sua integralidade física e mental, é a matéria protetora da vida. Para proteger o corpo e a mente, a legislação tutela a integridade física e mental; com isso, o Estado quer evitar a prática de atos

37 35 capazes de causar lesão corporal que ponham em risco a vida ou resultem em sequelas. Os acidentes de trânsito são produtores de lesões corporais que podem deixar sequelas irreversíveis, afetando a vítima, a família e, de certo modo, toda a sociedade em virtude dos custos sociais resultantes da reparação do dano físico ou mental causado pelo sinistro. Para compreender a importância de se estudar a lesão corporal e suas consequências são imprescindíveis que se estabeleça inicialmente o aspecto conceitual. A lesão corporal consiste em dano ocasionado por alguém à integridade de outra pessoa. Croce (2004) conceitua a lesão corporal como todo e qualquer dano ocasionado à normalidade do corpo humano, quer do ponto de vista anatômico, quer do fisiológico ou mental. Alcântara (1982) considera que as lesões corporais podem atingir o corpo, a mente e alterar o funcionamento perfeito da saúde da pessoa. Almeida (1998) ao analisar o âmbito da matéria disse: Desde que a violência dolosa ou culposa (seja de que natureza for mecânica ou física, química ou biológica, e até mesmo psíquica) ofenda a integridade corporal ou a saúde de outrem, configura-se lesão corporal (...) a ofensa a integridade corporal objetiva-se pelo dano anatômico (...) a ofensa a saúde se expressa mediante perturbações funcionais na sensibilidade geral ou específica, na motricidade, nas funções vegetativas (...) existe lesão mesmo que o dano funcional pareça não acompanha-se de alteração anatômica - como perturbações mentais provindas de traumas psíquicos ( p ). Entende-se como saúde, o mais completo bem-estar físico, mental e social, não apenas a ausência de enfermidade (OMS, 2003). O Código Penal CP (art.129) tipifica as condutas humanas que se voltam contra a integridade corporal e a saúde, reconhecendo cinco modalidades diferentes de lesão: lesão corporal leve, lesão corporal grave, lesão corporal gravíssima, lesão corporal seguida de morte e lesão corporal culposa. As lesões corporais leves são representadas frequentemente por danos superficiais, lesionando: a pele, tela subcutânea, músculos superficiais, vasos arteriais e venosos de pequeno calibre, sendo, assim consideradas, as escoriações, as equimoses, os hematomas, as feridas contusas, algumas entorses, os torcicolos traumáticos, os edemas e a maioria das luxações. Constituem, pericialmente, cerca de 80% das lesões corporais (CROCE, 2004).

38 36 Considera-se lesão corporal de natureza grave, quando dela resultar: incapacidade para as ocupações habituais, por mais de 30 dias; perigo de vida, debilidade permanente de membro, sentido ou função; ou, aceleração do parto (CP, art.129, 1º). E, será considerada lesão corporal de natureza gravíssima, quando dela resultar: incapacidade permanente para o trabalho, enfermidade incurável, perda ou inutilização de membro, sentido ou função; deformidade permanente, ou aborto (CP, art. 129, 2º). Enquanto que, lesão corporal seguida de morte, será assim considerada, quando a conduta que foi dirigida para produzir lesão corporal, tiver como resultado das lesões a ocorrência da morte. Para que essa morte não seja tipificada como homicídio, o texto legal diz que as circunstâncias devem evidenciar que aquele que praticou a ação não quis o resultado nem assumiu o risco de produzi-lo (art. 129, 3º, do CP). A lesão corporal será considerada culposa quando a ofensa, física ou mental, acontecer em razão de negligência, imprudência ou imperícia por parte de quem praticou a ação, isto é, apesar do resultado a conduta não foi direcionada para aquele resultado, nem mesmo se assumiu o risco de produzir o resultado lesivo (DINIZ, 1998). O Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transporte DNIT reconhece duas modalidades de leões: lesões leves e lesões graves (DNIT 2008). Lesão leve é aquela que não apresenta risco de vida e se caracteriza por dores em geral; lacerações leves, contusões e abrasões; queimaduras de 1 grau e as pequenas de 2 e 3 graus. Enquanto que, lesão grav e é aquela que apresenta risco de vida com sobrevivência provável e se caracteriza por grandes lacerações e ou avulsões com hemorragias severas; queimaduras de 2 e 3 graus envolvendo até 50% da superfície corporal. A Tabela 4 mostra a existência de certa relação entre a gravidade da lesão e o tipo de acidente de trânsito, conforme pesquisa realizada pelo DNIT (2009) envolvendo feridos.

39 37 Tabele 4 Amostra das vítimas por tipo de acidente e gravidade das lesões. TIPO DE ACIDENTE GRAVIDADE DAS LESÕES LESÕES LEVES LESÕES GRAVES TOTAL Abalroamento lateral mesmo sentido Abalroamento lateral sentidos opostos Abalroamento transversal Atropelamento Atropelamento de animal Atropelamento e fuga Capotagem Choque com objeto fixo Choque com veículo estacionado Colisão frontal Colisão traseira Saída de pista Tombamento Outros tipos TOTAL Fonte: Pesquisa médico-hospitalar, DNIT, Apesar das lesões leves predominarem, não se pode esquecer que, salvo as lesões em órgãos vitais, a gravidade é mensurada levando em consideração a extensão da área atingida. Por exemplo, as escoriações, muito comum nos acidentes de moto, são consideradas lesões leves, porém, se atingirem grandes áreas do corpo o sofrimento do paciente e o risco de infecções serão bem maiores que uma fratura de um membro inferior, que é considerada uma lesão grave. Por outro lado, as lesões tipificadas como grave, por sua própria natureza e lesividade podem causar mortes e sequelas muitas vezes irreversíveis. No entanto, os primeiros atendimentos, o transporte adequado, o atendimento em serviço de saúde especializado e a sucessão de tratamento podem evitar ou minimizar suas consequências Lesões mais frequentes e a tipificação como crime de trânsito As pesquisas de Koizumi (1992), REDE SARAH (2009) e DNIT (2009) mostram que as lesões mais frequentes, provocadas por acidentes de trânsito, são: fraturas e luxações de membros e pelve; ferimentos de superfície externa; lesões medulares; lesão cerebral; lesão ortopédica e lesão neurológica.

40 38 O Gráfico 3 a distribuição percentual das lesões em função das áreas do corpo afetadas. A pesquisa realizada pelo DNIT (2009) envolveu pessoas. Gráfico 3 - Distribuição das lesões por área do corpo. 17,40% 2222 Fonte: Pesquisa médico-hospitalar/ DNIT, Os traumatismos de cabeça e pescoço são considerados uma das formas mais graves de lesões, em virtude de sua letalidade e sequelas, salvo raras exceções, quando não mata deixa o acidentado com sequela motora, tais como, paraplegia e tetraplegia, isto é, a sequela do traumatismo de cabeça e pescoço geralmente conduz o acidentado para as estatísticas dos deficientes físicos. Esse tipo de lesão tem maior incidência nos acidentes com moto ou bicicleta e nos atropelamentos. O Gráfico 4 mostra os tipos de lesões que foram causas de internações em virtude de acidentes de trânsito. A pesquisa realizada pela Rede Sarah (2009) envolvendo 799 internados vitimados pelo trânsito

41 39 Gráfico 4 - Distribuição dos pacientes vítimas de Acidentes de Trânsito por causa de internação. Lesão medular Lesão cerebral Lesão ortopédica Lesão neurológica - 20 Fonte: REDE SARAH, O Gráfico demonstra o total predomínio das lesões medulares e lesões cerebrais em virtude de traumatismos crânio-encefálico. Os neurotraumas consubstanciam, portanto, o padrão das lesões verificadas entre as vítimas desse tipo de acidente: somadas, as lesões medulares e as lesões cerebrais foram responsáveis por 83% das internações registradas no período de 01/01/2009 a 30/06/2009 nos hospitais da Rede Sarah. As lesões ortopédicas constituíram a terceira causa de internação mais frequente, dentre os pacientes vítimas de acidentes de trânsito, concentrando-se a maioria (73,0% dos casos) dessas lesões na região dos membros inferiores, particularmente na perna. Vale destacar que a quase totalidade das lesões neurológicas observadas nesse tipo de acidente referiram-se a lesões do plexo braquial. Diante dos resultados das pesquisas realizadas pode-se perceber que o traumatismo da cabeça e do pescoço tem um resultado lesivo devastador, visto que as sequelas resultantes, geralmente não tem reversão obrigando o vitimado a uma mudança brusca em sua rotina, alguns, apesar de vivos, passam a ter uma vida vegetativa sem nenhuma esperança de reversão do quadro. A esse respeito, Calil et. al., (2009) considera que:...não há dúvida em afirmar que as lesões na região da cabeça, denominadas traumatismo crânio-encefálico (TCE) ocupam o primeiro lugar em gravidade de lesão... O TCE em vítimas de acidente de transporte é a lesão isolada mais frequentemente encontrada em casos graves e fatais e aquela que mais traz

42 40 sequelas, incapacidades e deficiências... (CALIL et. al., 2009, p. 126). Esse é um dos motivos da lesão corporal ser tipificada como crime contra a pessoa, sabendo que a tutela do Estado busca proteger a integridade física ou fisiopsíquica da pessoa. Desta forma, pune-se o condutor do veículo por ofender, em acidente de trânsito, culposamente, a integridade corporal ou a saúde da vítima. Considera-se crime um fato humano que, propositada ou descuidadamente, lesa ou expõe a perigo bens jurídicos considerados fundamentais para a existência da coletividade e da paz social (CAPEZ, 2005). Dependendo da manifestação da vontade de quem pratica, o crime pode ser tipificado na modalidade dolosa ou culposa. Considera-se doloso quando se fizer presente os elementos de ligação consciência e vontade. Dolo é a vontade consciente de concretizar determinado ato. De outra maneira, considera-se culposo quando a conduta estiver diretamente ligada à inobservância do dever de cuidado, manifestada pela negligência, imprudência ou imperícia. A respeito desse tema, Rizzardo (1998) faz o seguinte comentário: Há de se distinguir se o condutor procedeu com dolo ou culpa. As análises procedidas relativamente ao dolo direto, ao dolo eventual e à culpa estendem-se à prática de lesão corporal na direção de veículo. Imprescindível a configuração da culpa, resultante de imprudência, negligencia ou imperícia, para a tipificação. Se previsto o resultado, embora não pretendido, reconhece-se o dolo eventual, não incidindo na tipificação culposa. (RIZZARDO, p, 762). O legislador ao tipificar os crimes de trânsito considerou que as vias são espaços de convivência, utilizadas por diversos usuários, que a pé ou através de outros modos de transporte, motorizados ou não, objetivam alcançar seus destinos. Portanto, não estão ali para cometer crimes, e se acontecem não foi por vontade do condutor. Por esse motivo, quando tipificou os crimes de trânsito, considerou que as lesões corporais praticadas na direção de veículo automotor devem ser consideradas lesão corporal culposa.

43 Consequência das lesões Das lesões corporais provocadas pelos acidentes de trânsito podem resultar sequelas, visíveis ou invisíveis. Entende-se por sequela o efeito de uma causa, a alteração anatômica ou funcional permanente, motivada direta ou indiretamente por doença ou acidente (Houaiss 2001). Essas sequelas podem interferir no retorno à normalidade existente antes do sinistro. E, dependendo da gravidade da lesão e das sequelas, pode nem existir a possibilidade de retorno. Calil et. al., (2009) dissertando sobre o impacto dos ferimentos em virtude de lesões provocadas por acidentes de trânsito, disse: Elevado número de pacientes permanece, por semanas, meses ou até anos, em programas de reabilitação e fisioterapia, com perdas salariais e de emprego em decorrência desses eventos, mostrando a dimensão econômico-social do problema (CALIL et. al., 2009, p. 125). Esse fato é preocupante, considerando o aumento dos acidentes que levam a uma sequela motora, cuja consequência manifesta-se na forma de paraplegia e/ou tetraplegia, principalmente afetando um grupo etário na idade produtiva. Esses acidentes, segundo Mello e Laurenti (1997), representam importante carga social, não só pelas perdas de vidas e pelas sequelas, mas também por onerarem a sociedade com custos diretos e indiretos. Quem sobreviveu a um acidente de trânsito e adquiriu uma deficiência física vive um martírio diário. Para reconstruir a vida é preciso muito sacrifício, principalmente se as consequências são para a vida toda. Quem se torna deficiente tem todo um sofrimento psicológico a ser trabalhado. Por vezes sente-se culpado pela sua sobrevivência, ou ainda, pela carga que acredita ter-se tornado para seus familiares. De acordo com o estudo sobre a população com deficiência no Brasil: fatos e percepções, que envolveu participantes (FEBRABAN, 2006), em razão das lesões, os acidentes de trânsito deram causa a 34% das deficiências adquiridas, isto é, da amostra pesquisada 408 acidentados adquiriram algum tipo de deficiência. Desta forma, 25,9%, ou seja, 308 acidentados tornaram-se deficientes físico; 5%, ou

44 42 seja, 60 tornaram-se deficientes visual e, 3,4%, ou seja, 40 acidentados tornaram-se deficientes auditivo. Pires (2008) considera que anualmente são contabilizadas, no Brasil, mais de pessoas que adquirem deficiências temporárias ou permanentes, motivadas por acidentes de trânsito. Fato confirmado através das estatísticas da seguradora que administra o seguro DPVAT, que mostra que é crescente o índice de pagamento de indenizações por invalidez permanentes pagas em virtude de acidentes de trânsito. Há de se considerar também, que a faixa etária que mais se envolve em acidentes afeta pessoas jovens, fato preocupante, pois, considera-se que o ingresso pleno na força de trabalho se dê aos 20 anos de idade e o horizonte produtivo presumido alcance até a idade de 64 anos. Desta maneira, as vítimas de acidente de trânsito estão na faixa etária de pessoas economicamente ativa. Assim, o acidente afeta a capacidade de auferir ganhos em função unicamente do próprio trabalho. Observando o Gráfico 5, também é fruto do estudo da FEBRABAN (2006), mostra a posição que o indivíduo com deficiência física ocupa na família, na maioria dos casos apresenta-se como chefe, isto é, o principal responsável financeiro da família. Gráfico 5 - Posição na Família (em %) Fonte: FEBRABAN, 2006.

45 43 A deficiência física adquirida em consequência das lesões corporais provocadas pelo acidente de trânsito é uma sequela visível. Em virtude das sequelas ocorrem mudanças bruscas na vida pessoal, profissional e familiar dos vitimados, ocasionando perdas de rendimentos futuros em virtude da perde da capacidade de trabalho. Pela estimativa do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transporte - DNIT (2008) em termos econômicos, os custos das lesões provocadas pelos acidentes de trânsito são estimados em 1% do Produto Interno Bruto - PIB dos países de baixa renda, 1,5% dos de média e 2% dos de alta renda. Há de se considerar que não é somente o vitimado que sofre com a deficiência adquirida. A partir do momento da constatação da deficiência, inicia-se uma fase que provoca revolução e mudança no seio familiar, sendo que, em alguns casos ocorre a desorganização e ruptura, e em outras pode haver reorganização, união e fortalecimento (HADDAD et. al., 2007). Outra consequência está relacionada com os traumas psíquicos, considerados sequelas invisíveis. Conhecidos na ciência médica como Transtorno do Estresse Pós-Traumático TEPT. Almeida (1998) afirma que perturbações mentais provindas de traumas psíquicos também podem ser consideradas lesões. Evangelista e Menezes (2000) consideram que o dano psíquico existe quando o evento desencadeante, no caso o acidente, gera efeitos traumatizantes na organização psíquica ou no repertório de comportamentos da vítima. No acidente de trânsito a reação ao estresse pode ser vivida como uma experiência traumática. Há pessoas mais vulneráveis para viverem situações de traumas do que outras. Para o IPEA (2006) os impactos do estresse pós-traumático de um acidente na pessoa vitimada e nas suas relações familiares e sociais, embora sejam de difícil quantificação, necessitam ser identificados e caracterizados, pois evidenciam a amplitude da violência dos acidentes. O TEPT é caracterizado por reações a um evento que causa estresse, que seja ameaçador e/ou catastrófico, que traga sério dano a si ou a outros, com impossibilidade de defesa, resultando em forte estresse e ocasionando sempre um prejuízo nas atividades usuais da pessoa. Essa reação pode se apresentar na vítima sobrevivente - vítima primária, ou em pessoas próximas de seu convívio, profissionais que trabalham na ocorrência ou que presenciam essas situações, e familiares - vítimas secundárias. (DSM-IV/1994 e CID 10/1998).

46 44 Os estudos sobre Sequelas Invisíveis dos Acidentes de Trânsito (HADDAD et. al., 2007) diz que o TEPT é uma resposta, neuroquímica e neurofisiológica, do cérebro ao perceber que está em perigo. Essa resposta fisiológica faz com que haja liberação de hormônios e permita reação de sobrevivência. É uma resposta extremamente adaptativa e adequada à situação. Os acidentes de trânsito são acontecimentos traumáticos, há ameaça à vida; confronto com o sofrimento ou com a morte de outros e responsabilidade pela causa do sinistro. Assim, desencadeiam respostas de medo intenso ou culpa que podem culminar em excitamento, experienciação, dissociação e hipervigilância. Estima-se que 11,5% dos acidentados de trânsito desenvolvam TEPT (NORRIS, 1992). Outro estudo realizado por Blanchard (1998) que investigou três milhões de pessoas envolvidas em acidentes rodoviários, estimou que entre 8 e 40% das vitimas terão transtorno de estresse pós-traumático no primeiro ano após o acidente. Os estudos de Mayou, Bryant e Ehlers (2001) detectaram em vítimas de acidentes de trânsito a ocorrência das seguintes perturbações: ansiedade fóbica a viagens (52%); ansiedade generalizada (58%), transtorno de estresse póstraumático (50%) e depressão (39%). Ao discutir sobre o tema, Pires e Maia (2006) disseram que: A primeira queixa das pessoas depois de um acidente rodoviário é a dificuldade de concentração e memória, menor funcionamento intelectual, menor capacidade de diferenciar o que é ou não importante, de manter autocontrole, com lembranças recorrentes do acidente e, muitas vezes, sentimentos de culpa por causa do acidente, o que traz um custo laboral significativo, pois muitas delas ficam sem condições de trabalhar. Na prática, algumas pessoas passam a viver embrulhadas no acidente rodoviário (MAIA e PIRES 2006, p. 20). Muitas dessas pessoas vão precisar de uma intervenção psicológica focada em ajudá-las a dar sentido a suas vidas, buscando ressignificar o que a experiência traumática lhes ensinou acerca da vida, bem como suporte social e oportunidades para aprender a lidar com a situação. O que mostra que os acidentes de trânsito não causa só feridas no corpo, as suas consequência podem destruir planos, inviabilizar projetos, desestruturar famílias e literalmente acabar com a vida dos vitimados sobreviventes.

47 45 Portanto, as consequências dos acidentes de trânsito podem afetar, não só a capacidade de locomoção, mas também abalar o psicológico do vitimado. Essas perturbações interferem na vida pessoal atrapalhando o convívio social, visto que, profissionalmente afetam a capacidade laboral para o desempenho de atividades que possam relembrar o ocorrido, e na família podem ocasionar desestruturação em virtude das mudanças de humor do vitimado ou da situação financeira. Há de se esclarecer que não existe um programa específico de atenção as vítimas de acidentes de trânsito que apresentam sequelas visíveis ou invisíveis, o que existe é a ampliação de programas já existentes para atender tal demanda. No caso das deficiências existem políticas públicas de acesso à educação, inclusão social, acessibilidade e atenção à saúde, constantes no Plano Nacional para Pessoas com Deficiência. Já atenção psicossocial das vítimas do trânsito é feito através Rede de Cuidados em Saúde Mental, Álcool, Crack e outras Drogas, as chamadas Casa Mental. 2.3 O controle social do estado sobre o trânsito A convivência em sociedade pressupõe um complexo de relações ensejadas por interesses de toda ordem, e tem reflexo direto na vida das pessoas, de modo que existe a necessidade de uma autoridade hierarquicamente superior que aponte a direção do bem comum, esta autoridade é o Estado. Para compreender a relevância da atuação do Estado como forma de controle social é imprescindível que se estabeleça inicialmente, a distinção entre sociedade e Estado. A sociedade é uma unidade orgânica interna que pressupõe a existência do Estado. Ribeiro Jr (1995) considera que para haver sociedade, é preciso que haja, numa pluralidade de homens, uma união estável, procedente da inteligência e da vontade de cada um dos componentes do corpo social, e que tenha por objetivo a consecução de um bem comum de todos. E, além disso, que haja uma autoridade que conjugue e coordene os esforços individuais, convergindo à atuação de todos, para que possam atingir, sem divergência, a finalidade comum, que é o próprio existir da sociedade. Enquanto que o Estado é a organização política de uma coletividade social, com a finalidade de salvaguardar a paz, protegendo a vida dos indivíduos que a ele pertençam. O Estado constitui-se quando os homens renunciam a fazer uso da força

48 46 individual, que produz situações de anarquia, para se entregarem a um poder coletivo ao qual se reconhece o direito de impor as próprias ordens, recorrendo nos casos extremos também a força. Ribeiro Jr (1995) ao analisar o âmbito da matéria disse: O Estado é uma criação necessária da exigência da coexistência e cooperação entre os homens, que não pode realizar-se, de modo satisfatório, se o grupo social não se organiza sob uma autoridade, reconhecida por todos e com força de impor-se. Esta autoridade dá ao grupo o ordenamento jurídico indispensável para realizar a convivência pacífica e a atuação dos fins coletivos, garantindo, ainda que coativamente, a observância daquele ordenamento (RIBEIRO JR 1995, p.113) Para atingir sua finalidade, o Estado apresenta uma estrutura de poder com setores mais próximos ou mais afastados do centro da decisão, de acordo com essa estrutura, controla-se socialmente a conduta dos homens. O controle social é uma forma de limitação da liberdade individual por intermédio de normas que expressam padrões de comportamento. A eficácia específica da ordem de conduta jurídica baseia-se na probabilidade segura de impor a observância das normas mediante um procedimento de imposição, juridicamente organizado. A formalização do controle social estampa-se na lei e o sistema de leis que regula a conduta humana chama-se ordenamento jurídico. Portanto, o Estado no contexto de poder político de uma nação é o responsável pelas normas jurídicas que tem a função de garantir entre os homens uma convivência ordenada de forma harmoniosa e segura. Por intermédio das leis, protege bens jurídicos fundamentais, especificando exatamente o que é proibido e, sanciona com penas as condutas que não são toleradas no convívio social. Kelsen (1996) ensina que a ordem jurídica não é um sistema de normas ordenadas no mesmo plano, situadas umas ao lado das outras. É uma construção escalonada de diferentes camadas ou níveis. Desta maneira, existem hierarquias entre as normas jurídicas, ou seja, um mapeamento formal das competências de cada norma estabelecida de maneira que não exista conflito de competência. A ordem de importância das normas pode ser percebida em forma de pirâmide, que as classifica numa escala de valor, cuja norma de menor grau deve obedecer as de grau maior, na seguinte estrutura: Constituição Federal; Lei Complementar; Lei Ordinária; Lei Delegada; Decreto; e, Resoluções/Portarias. Desta

49 47 maneira, entende-se que norma jurídica é o gênero cuja espécie são as leis, decretos, portarias e resoluções. Figura 1 - Hierarquia das Leis. Fonte: Hans Kelsen,1996. No topo das normas jurídicas está a Constituição Federal CF, também chamada de lei suprema, carta magna. Contém um conjunto de normas e princípios que tem por finalidade a estruturação do Estado, a organização de seus órgãos supremos e a definição de suas competencias. Assim como, direitos e garantias individuais para viabilizar o pleno exercício da cidadania e a prática responsável da liberdade. Nos seus preceitos, indica como devem ser elaboradas as normas gerais, que, com ela, não podem conflitar. A Constituição Federal assegura que todos são iguais perante a lei (art. 5º), sem distinção, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade. Dentre esses direitos fundamentais, o direito à liberdade e o direito à vida estão intimamente ligados com a questão do trânsito. Nessa perspectiva, pouco importa o tipo de via, o modo de transporte terrestre utilizado, se automotor ou por propulsão humana, para caracterização de trânsito. A mera movimentação, se acontecer como prevista no CTB, constitui trânsito, independente da qualificação do local destinado ao deslocamento, e até por mais remoto, íngremes e afastados que sejam os pontos onde se dê a utilização da via. Apesar de simbolizar uma liberdade, a ninguém é facultado desrespeitar a sinalização, e muito menos seguir na contramão da ordem estabelecida pelo Estado. Nos termos do CTB (art. 1º 1º) o trânsito é a circulação de pessoas, veículos ou animais em vias, ou seja, é o exercício da liberdade de locomoção

50 48 prevista na Constituição Federal (art. 5º, XV). Por esta ótica, a liberdade de circulação é uma garantia constitucional, assim sendo, é reconhecida como um direito fundamental do indivíduo, que deve ser exercida sob a proteção do Estado que tem o dever de garantir um trânsito seguro, conforme preconiza a Constituição Federal (art. 6º e 144 da CF/88). As garantias constitucionais asseguram ao cidadão a possibilidade de exigir dos poderes públicos o respeito ao direito que instrumentalizam, nesse caso, a segurança no trânsito. Desta forma, em virtude da liberdade de circulação ser uma atividade cujo exercício expõe à constante risco a integridade física dos usuários da vias, a propriedade e ao meio ambiente, se faz necessária a intervenção do Estado para garantir o exercício de uma liberdade sem lesionar outros direitos. A esse respeito Bonavides (2007) considera que: As garantias constitucionais, em qualquer das acepções (...), legitimam sempre a ação do Estado, uma vez que sua presença ou intervenção se faz ora em defesa da Constituição como um todo, ora em prol da sustentação, integridade e observância dos direitos fundamentais (BONAVIDES, P. 534). Assim compreendido, o trânsito seguro consiste em garantia constitucional, que tem como finalidade assegurar o direito à vida e à incolumidade física de todos os usuários das vias terrestres. Que mesmo sendo dever do Estado garantir tal segurança, e direito do cidadão exigir tal proteção, a responsabilidade pelo trânsito seguro é dever de todos, não podendo o autor do acidente se eximir de sua parcela de culpa invocando a responsabilidade exclusiva do Estado. A liberdade é considerada o valor supremo da sociedade, mas, o Estado, para garantir a liberdade dos cidadãos deve possuir poder de coação em face daquele que violar a lei previamente estabelecida. Que, em se tratando de trânsito essa lei está esculpida no CTB. Delmanto (2010) ao tratar do tema liberdade fez o seguinte comentário: Na clássica lição de Montesquieu, a liberdade é o direito de fazer tudo o que as leis permitem; se um cidadão pudesse fazer tudo o que elas proíbem, não teria mais liberdade, porque os outros também teriam tal poder (Do Espírito das Leis, Livro XII, Das leis que formam a liberdade política na sua relação com o cidadão, Capítulo 2). Sobre outro enfoque, Montesquieu ressalta a necessidade da tutela da liberdade dos cidadãos perante o próprio Estado, característica dos Estados

51 49 Democráticos de Direito atuais, por meio dos chamados direitos fundamentais... (DELMANTO, 2010, p. 205). A fronteira do pleno exercício de um direito situa-se no início de um próximo direito, igualmente tutelado pelo Estado. Na iminência de um conflito de direitos, o Estado realiza o controle social limitando a liberdade individual, porque a liberdade de fazer ou não fazer e de que forma fazer determinada coisa, não pode causar lesão a outros direitos fundamentais. Então, a liberdade de circular não pode impedir o exercício do direito à vida. O direito à vida é considerado o mais fundamental de todos os direitos, já que se constitui em pré-requisito à existência e exercício de todos os demais direitos. Sem vida perde-se a razão de ser dos outros direitos. A CF proclama, portanto, o direito à vida, cabendo ao Estado assegurá-lo em sua dupla acepção, sendo a primeira relacionada ao direito de continuar vivo (art. 5º) e a segunda de se ter vida digna quanto à subsistência (art.1º). A esse respeito Silva (1999) considera que: De nada adiantaria a Constituição assegurar outros direitos fundamentais, como a igualdade, a intimidade, a liberdade, o bemestar, se não erigisse a vida humana num desses direitos. No conteúdo de seu conceito se envolvem o direito à dignidade humana, o direito a privacidade, o direito à integridade físico-corporal, o direito a integridade moral e, especialmente, o direito à existência (SILVA, 1999, p. 201). Porém, as estatísticas mostram que o trânsito está cada vez mais violento, diariamente centenas de vítimas perdem a vida ou a oportunidade de uma vida digna, quando são compulsoriamente obrigados a substituir o caminhar com suas próprias pernas por cadeiras de rodas e muletas. Diante de tal constatação, o fenômeno trânsito não pode ser visto apenas como o exercício de liberdades individuais. Deve-se considerar que na utilização de espaços coletivos os exercícios das liberdades pressupõem resguardar a vida, a integridade física e moral do ser humano, pois só assim há de se falar em dignidade da pessoa humana. O CTB (art. 1, 1º e 2º) preconiza que a circulação seja realizada em condições seguras para todos os usuários da via, ratificando que tal fato é um direito de todos e um dever do Estado que deve ser executado pelos órgãos do SNT. As estatísticas oficiais mostram que, a falta de segurança nas vias propicia a ocorrência de acidentes. Por seu turno, os acidentes podem por fim a existência da pessoa ou

52 50 ser causa de lesões incapacitantes que, pela própria condição de deficiência física e precariedade dos espaços urbanos, em termos de acessibilidade, retiram do indivíduo o direito a uma vida com dignidade, o que acaba afetando o seu bemestar. Num Estado democrático de direito, a liberdade de circulação deve acontecer em condições seguras de modo a preservar a vida e a integridade física de todos os usuários da via, daí a importância do controle social realizado pelo Estado ao criar um arcabouço de normas de circulação e condutas para o trânsito, que dentre suas finalidades está à regulamentação do uso das vias terrestres, de modo a torná-la útil e segura para utilização coletiva. Ao comentar sobre as liberdades e a existência de normas Bobbio (2005) fez a seguinte consideração: A nossa vida se desenvolve em um mundo de normas. Acreditamos ser livres, mas na realidade, estamos envolto em uma rede muito espessa de regras de conduta... o desenvolvimento da vida de um homem através da atividade educadora... se desenvolve guiada por regras... Bobbio (2005, p. 22). Ante as lições de Norberto Bobbio (2005) percebe-se que as normas também têm uma finalidade educadora, que também é uma finalidade social do Estado. Desta forma, quando o Estado edita normas de conduta no trânsito está buscando educar os usuários da via para que através de um comportamento adequado na utilização do espaço coletivo de trânsito e circulação evite as ocorrências de acidentes. O Estado realiza seu papel social e intervencionista no trânsito através das normas regulamentadoras, da fiscalização e da implementação de políticas públicas de segurança viária. Assim, regulamenta o uso das vias, realiza o policiamento ostensivo e a fiscalização do cumprimento das normas, assim como, promove ações visando proteger os Direitos Humanos relacionados ao fenômeno trânsito, como, por exemplo, as campanhas de educação para o trânsito. Resta provado que, os acidentes de trânsito afetam os direitos fundamentais quando impedem a continuidade da vida, quer no seu aspecto existencial causando óbito, quer no aspecto da dignidade da pessoa humana, ao retirar o cidadão do convívio social, em razão das dificuldades de locomoção ou impondo-lhe uma vida vegetativa, subtraindo-lhe a oportunidade de uma vida saudável e produtiva.

53 51 Desta maneira, o Estado, sem impedir a liberdade de locomoção e a crescente necessidade de deslocamento para as mais diversas atividades humanas, intervém no exercício do direito fundamental de locomoção, exercendo o controle social do trânsito através das normas gerais de circulação e conduta previstas no CTB. Esse controle social realizado pelo Estado tem por finalidade evitar riscos proibidos que coloque em perigo a vida humana Evolução histórica da atuação do Estado sobre o trânsito Até o século XVII, a condução das pessoas nas cidades e para as cidades era feita a pé, montado em animal ou através de carruagem. Com o período industrial foram surgindo novos meios de locomoção; em 1839 surgiu a bicicleta, nos anos que se seguiram veio a motocicleta, o trem, o carro, o ônibus (ARRUDA, 1996). Na medida em que essas ditas melhorias iam sendo criadas, nasciam também, problemas para a circulação, que envolvia esses meios de locomoção com eles mesmos, e, entre eles e as pessoas que trafegavam a pé. Nesse sentido, Pires (2008) faz o seguinte comentário: A humanidade sempre teve necessidade de regulamentar os deslocamentos de pedestres e veículos. (...) com o crescimento das urbes e a construção das primeiras estradas, regras foram sendo estudadas e implantadas. Sempre se admitiu que, a semelhança da selva valeria as regras impostas pelo mais forte, secundada pela disposição de tirar ou levar vantagem tópica e momentânea. Assim, um homem a cavalo tinha prioridade sobre o pedestre, bem como um homem dirigindo uma carroça tinha prioridade sobre um homem a cavalo e, mais ainda, sobre o pedestre. Apesar disso, a sociedade sempre procurou defender os mais fracos, aplicando punições aos que desrespeitavam as regras (PIRES, P, 12). A legislação referente ao trânsito no Brasil inicia-se esparsamente a partir de 1910, tendo como marco inicial o Decreto Federal nº de 27 de outubro daquele ano, o qual aprovou o Regulamento para o serviço subvencionado de transporte por automóveis. Dentre os seus preceitos, determinava que os condutores, na época chamados de motoneiros, se mantivessem constantemente senhores da velocidade do veículo, devendo diminuir a marcha ou mesmo parar o movimento todas as vezes que o automóvel pudesse ser causa de acidente.

54 52 Em 24 de julho de 1928 o Decreto nº , aprovou o Regulamento para circulação internacional de automóveis no território brasileiro. Atribuiu à União, Estados ou Municípios a competência para fiscalizar, sinalizar e tomar as medidas para garantir a segurança, na medida do domínio da estrada. Um dado curioso a respeito desse Decreto é que ele permitia a qualquer pessoa, de notória idoneidade, autenticar multas de infrações de trânsito e levá-las ao conhecimento de quem de direito, cabendo a esta pessoa, metade do valor da multa arrecadada. Em 28 de janeiro de 1941 foi criado o primeiro Código Nacional de Trânsito, que surgiu através do Decreto-Lei nº 2.994, entretanto, teve curta duração, pois oito meses depois foi revogado pelo Decreto-Lei 3.651, de 25 de setembro de 1941 que deferia expressamente aos Estados a atribuição de regulamentar o trânsito de veículos automotores, devendo, contudo, a legislação adaptar-se a Lei Nacional. Em dezembro do mesmo ano, foram criados o Conselho Nacional de Trânsito CONTRAN e o Departamento Nacional de Estradas de Rodagem DNER. Em 21 de setembro de 1966, através do Decreto-Lei nº foi instituido o segundo Código Nacional de Trânsito, estabelecendo que os Estados poderiam adotar normas pertinentes as peculiaridades locais, complementares ou supletivas da legislação federal. No ano de 1967 foi feita uma modificação no Código Nacional de Trânsito e em seguida foi criado o Departamento Nacional de Trânsito DENATRAN. De um modo geral, pode-se dizer que cabe à União legislar sobre os assuntos nacionais de trânsito e transporte; ao Estado-membro compete regular e prover os aspectos regionais e a circulação intermunicipal em seu território, e ao Município cabe a ordenação do trânsito urbano, que é de seu interesse local previsto constitucionalmente (CF, art. 30, I e V) O código de trânsito vigente Em vista da expansão do uso do veículo automotor, o Estado tem demonstrado, desde as primeiras legislações de trânsito, a preocupação em conter a acidentalidade no trânsito. O vigente CTB partiu dos estudos feitos por uma comissão que se formou por determinação do Ministro da Justiça, em 1991, com a finalidade de elaborar um anteprojeto para revisão do CTB de 1966.

55 53 O que diferencia o CTB vigente dos outros que o antecederam, é o fato de não apenas codificar posturas e penalidades, mas, também, de orientar as ações do Sistema Nacional de Trânsito SNT. Estruturalmente, contém 20 capítulos, 321 artigos e dois anexos, posteriormente foram acrescentados outros anexos que modificaram a redação de determinados artigos. Por ser um conjunto de normas codificadas para regulação unitária do direito do trânsito, o CTB, têm como eixo principal, a segurança dos usuários; a qualidade de gestão do trânsito e a relação entre os órgão públicos e a sociedade. Nesse eixo, existem três pilares, conhecidos como os três Es, do inglês: Education (Educação), Engineering (Engenharia), Enforcement (Fiscalização). As diretrizes do pilar Education (Educação) leva em considerando que a culpa pela causa dos acidentes de trânsito são muitas vezes atribuídas aos próprios usuários da via quando praticam ações arriscadas no trânsito, tanto quando estão na condição de condutor cujo desrespeito à sinalização e às normas de trânsito podem resultar em acidentes, quanto na condição de pedestres pondo-se em risco de atropelamento quando atravessam fora da faixa. Desta maneira, através da educação para o trânsito, busca-se aumentar o nível de educação e respeito ao próximo para que, nos momentos cruciais, onde há maior incidência de acidentes, como: diante de vias preferenciais, aproximação dos cruzamentos, vias de trânsito livre, ultrapassagens e aproximação de pedestres, o usuário tenha consciência do perigo de modo a agir com atenção, quer na condição de condutor ou pedestre, sem jamais subestimar o risco da atividade e nem supor que os outros se cuidem. A educação para o trânsito é um valioso instrumento para redução de acidentes se estiver aliada com as soluçõs propostas pela engenharia de tráfego e a intensificação da fiscalização. Por esta razão, dentre as várias funções do Sistema Nacional de Trânsitoc SNT, destaca-se a educação, com realização de campanhas dirigidas à educação, à redução de acidentes, a observância da sinalização, à diminuição da velocidade, além de outras, sempre envolvendo o trânsito. O segundo pilar Engineering (Engenharia), refere-se à engenharia de tráfego que é a área do conhecimento que tem como funções: planejamento, projeto geométrico e operação de tráfego em vias, suas redes, terminais e relações com outros modos de transporte. Tem como objetivo assegurar o movimento seguro,

56 54 eficiente e conveniente de pessoas e bens, trata de problemas que não dependem apenas de fatores físicos, mas frequentemente incluem o comportamento humano do motorista e do pedestre e suas inter-relações com a complexidade do ambiente. As propostas de soluções para o trânsito, apresentadas pela engenharia de tráfego, levam em consideração o intervalo de tempo entre o estímulo sofrido pelos usuários da via e as reações correspondentes. Este intervalo de tempo considerado é composto de quatro parcelas e conhecido como PIEV, do inglês: Perception (percepção), Identification ou intellection (identificação), Emotion ou judgment (decisão), Volition ou reaction (ação). A percepção é um processo que se dá através dos sentidos, especialmente a visão. É importante destacar que é a visão periférica a primeira a se perder com o avanço da idade, particularmente a partir dos sessenta anos. A visão periférica não permite distinguir formas, mas é sensível a movimentos e ao brilho. Por isso, a sua obstrução diminui a capacidade do ser humano de avaliar a velocidade em que se encontra e de manter a direção do movimento. Lynch (1999) considera que o espaço e a paisagem urbana afetam as pessoas, uma vez que esses mesmos espaços são percebidos, observados e transitados por elas. No espaço urbano o motorista está exposto a vários estímulos: i) estímulos do ambiente geral, como: o céu, as casas, as árvores; ii) os estímulos do ambiente do trânsito, como por exemplo: o trânsito que está a sua frente, ao nosso lado, atrás. Esses estímulos são transformados em impulsos nervosos que, por sua vez, agem sobre as diversas partes do cérebro provocando a percepção. A identificação é o reconhecimento do estímulo por parte do usuário que o sofre. O processo de identificação é extremamente dependente da intimidade do usuário com os estímulos a que ele está exposto. Assim, é fundamental a padronização da sinalização, a adoção de soluções geométricas iguais para problemas iguais, a minimização da interferência de quaisquer fontes externas aos sistemas de tráfego etc. A tomada de decisão por parte do usuário do sistema de tráfego raramente é um processo racional. Dirigir um veículo é um processo em que o motorista está submetido a um estado permanente de tensão. Frequentemente ele é chamado a tomar decisões de complexidade próxima dos limites individuais a partir dos quais erros podem ser cometidos, tais decisões são difíceis e a ponderação das

57 55 alternativas possíveis consome um tempo tal que pode comprometer o tempo necessário à concretização da ação. Velocidades menores permitem maior margem de segurança para a tomada de decisões. Por outro lado, o tempo necessário à tomada de decisão depende também das condições individuais de motivação do motorista e das situações de risco. Quando os estímulos são previsíveis e a viagem é monótona, o nível de atenção do motorista cai, cedendo lugar ao que se pode chamar de automonitoramento da atividade de dirigir, nestas circunstâncias, quando ocorre um estímulo não previsível, o risco de acidentes é maior. A ação é o intervalo de tempo que vai desde a tomada da decisão até o início de sua execução por parte do usuário, é a implementação da ação decidida no processo anterior. A reação de cada indivíduo é um processo que depende da sua capacidade de coordenação motora. Por exemplo, o tempo entre o motorista tomar a decisão de parar o veículo e o instante em que o pedal do freio é acionado. O terceiro pilar Enforcement (Fiscalização) é o elemento catalisador de todas as ações propostas. Faria e Braga (1999) consideram que todas as regras de circulação, estacionamento e parada contidas no CTB devem ser fiscalizadas; no entanto, para reduzir os atropelamentos, algumas merecem ser fiscalizadas com mais intensidade: estacionamento sobre calçadas, avanço de sinais, excesso de velocidade e consumo de bebida alcoólica. Nesses termos, pode-se inferir que qualquer solução proposta para reduzir a acidentalidade do trânsito deve ser pensada de maneira interdisciplinar. De forma que, o resultado positivo da proposta de solução de Engenharia só terá resultado se acompanhada da Educação e da Fiscalização, assim como, as campanhas de Educação para o trânsito dependem da Fiscalização e da Engenharia para surtirem resultado. Desta maneira, o código de trânsito vigente define atribuições das diversas autoridades e órgãos ligados ao trânsito, fornece diretrizes para a Engenharia de tráfego e estabelece normas de conduta, infrações e penalidades para os diversos usuários das vias de circulação. Logo no seu primeiro artigo define que o trânsito em condições seguras é um direito de todos e um dever dos órgão que compõem o SNT, que devem ter como prioridade de suas ações: a vida, a saúde e o meio ambiente.

58 56 Para Rizzardo (2003) o CTB representa um forte apelo à consciência da responsabilidade dos condutores de veiculos, ao mesmo tempo em que trouxe sanções implacáveis aos infratores, implantou uma nova filosofia no trato do trânsito, considerando-o não apenas incubência, mas missão de luta em prol de uma grande causa por todos os brasileiros conter o crescente indice de acidentalidade no trânsito. O CTB guarda estreita vinculação com os preceitos estabelecidos na CF. No entanto, a sua efetividade para redimir o trânsito brasileiro de ostentar níveis estatísticos elevados de acidentes, de transgressão das normas de circulação e de inobservância de cuidados básicos com a segurança pessoal e veicular depende do comprometimento de todos Controle Administrativo e Judicial do trânsito Na disposição dos assuntos contidos no CTB, percebe-se que o Estado exerce o controle social do trânsito sob duas formas: administrativa e judicial. O controle social de forma administrativa, é feito através dos órgão do SNT, esses órgãos têm por finalidade o exercício das atividades de planejamento, administração, normatização, pesquisa, registro e licenciamento de veículos, formação, habilitação e reciclagem de condutores, educação, engenharia, operação do sistema viário, policiamento, fiscalização, julgamento de infrações e de recursos e aplicação de penalidades. Compõem o SNT os seguintes órgãos e entidades: Conselho Nacional de Trânsito CONTRAN; Departamento Nacional de Trânsito DENATRAN; Departamento de Trânsito dos Estados e do Distrito Federal DETRAN; Conselho de Trânsito Estados/Distrito Federal; Polícia Rodoviária Federal PRF; Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transporte DNIT; Junta Administrativa de Recursos de Infração JARI; Órgãos Municipais; Polícia Militar; Departamento de Estradas e Rodagens DER.

59 57 A Composição do SNT revela a indicação de todos os órgãos que exercem controle sobre o trânsito, a começar com o de maior importância, até aqueles que se encarregam de setores particularizados. São órgãos administrativos, instituídos para a aplicação do CTN, o que se realiza através de Resoluções, Circulares e, inclusive, de ofícios circulares. O CONTRAN é órgão máximo normativo e consultivo. Coordena o Sistema objetivando a integração de suas atividades. Expede normas e determinações, dirigidas geralmente a outros órgãos, aos quais competem atividades executórias. Todas as resoluções, portarias e circulares que o CONTRAN emite têm força de lei (art. 12 do CTB), obrigando não apenas as partes diretamente atingidas, mas a sociedade em geral. O DENATRAN é órgão máximo executivo do trânsito. Tem a função de administrar e colocar em prática a legislação em todo o território nacional. É o órgão executor da política nacional do trânsito e das decisões do CONTRAN. Através das atribuições conferidas ao DENATRAN, a União conduz e orienta políticas públicas de promoção de direitos humanos e da cidadania, por meio da pacificação e do combate à violência do trânsito. DETRAN é o órgão Estadual executivo do trânsito. Além das competências elencadas no CTB (art. 22) o DETRAN tem competência para gerenciar ações que possibilitem um trânsito seguro, direcionando suas atividades ao desenvolvimento de trabalhos de alta relevância e qualificação, visando, primordialmente, à segurança, defesa da vida, preservação da saúde, do meio-ambiente e cidadania, oferecendo a sociedade o controle do registro de veículos e de habilitação de condutores, fiscalização e a educação de trânsito. Nos termos do CTB, compete aos órgãos executivos de trânsito municipais: planejar, projetar, regulamentar e operar o trânsito de veículos, de pedestres e de animais, bem como promover o desenvolvimento da circulação e da segurança de ciclistas. Além de ter competência para, implementar, manter e operar o sistema de sinalização, os dispositivos e os equipamentos de controle viário, coletar dados estatísticos e elaborar estudos sobre acidentes de trânsito e suas causas, executar a fiscalização do trânsito, autuar e aplicar as medidas administrativas cabíveis por infração de circulação, estacionamento e parada, dentre outras funções. Com tantos meios de transportes e pedestres utilizando o mesmo espaço de circulação, o acidente de trânsito passa a ser um risco da atividade de mobilidade

60 58 urbana. O esforço das autoridades é manter este risco em níveis aceitável e diminuir a gravidade das lesões capazes de oferecer risco à vida das vítimas ou resultem em sequelas incapacitantes. Os artigos do CTB traduzem um dever geral de atenção que o condutor deve ter na direção de veículo automotor (art. 28), em nome da segurança do trânsito e da proteção da integridade física das pessoas, estabelece normas de cuidado a que se submeterão todos os usuários das vias terrestres (arts. 26 a 55), sob pena de, com a violação, criarem-se riscos proibidos, que, quando violados podem resultar no cometimento de crimes culposos, como no caso de lesão corporal (art. 303). Na visão do legislador as vias terrestres são locais de convivência de veículos e pedestres, que mesmo tendo interesses diferentes não estão ali com a finalidade de praticar delito, e quando acontecem é em razão da efetiva inobservância dos deveres de cautela previstos no CTB. Razão pela qual, justifica a tipificação na forma culposa. Na ocorrência de crime de trânsito o controle social do Estado é feito através de procedimento judicial. Dependendo da natureza e resultado do delito o caso pode ser de competência do Juizado Especial ou do Tribunal de Justiça. Os Juizados Especiais Criminais JEC estaduais são órgãos do Poder Judiciário, criados com o intuito de agilizar os procedimentos penais de sua competência, à luz dos princípios da oralidade, informalidade, economia processual e celeridade, objetivando, sempre que possível, a reparação dos danos sofridos pela vítima e a aplicação de pena não privativa de liberdade (Lei n.º 9.099/95). A finalidade dos JECs é a resolução das infrações de menor potencial ofensivo, principalmente pela via conciliatória e pela aplicação de penas restritivas de direitos ou de multa. A Lei prevê que a condenação privativa de liberdade inferior a 04 (quatro) anos de prisão, pode ser convertida em pena restritiva de direitos. Hipótese na qual está enquadrada a lesão corporal culposa quando praticada na direção de veículo automotor cuja pena prevista é de detenção, de seis meses a dois anos, podendo chegar ao tempo máximo de três anos nos casos de agravantes legalmente previstos (art. 303 do CTB). No JEC o Ministério Público, independente da vontade da vítima, pode apresentar uma proposta de aplicação imediata de multa ou pena restritiva de direitos, ao invés de prosseguir o processo para que seja aplicada a pena prevista

61 59 no delito, uma vez que um dos objetivos primordiais da Lei nº 9.099/95 é evitar a aplicação de pena privativa de liberdade. Ao invés de ficar encarcerado, o condenado paga por seu crime efetuando doação de bens ou dinheiro, através da prestação de serviços gratuitos à comunidade ou outra pena restritiva de direitos. Esta possibilidade de resolver através da apresentação de uma proposta alternativa de pena, somente poderá ser concretizada desde que observadas algumas condições pré-estabelecidas na lei, tais como, o infrator não ter praticado crime com violência ou grave ameaça contra a pessoa, nem ser reincidente (art. 43 do CP). Em conformidade com Código Penal (art. 43) as penas restritivas de direito que podem ser cumpridas como formas alternativas, são: prestação pecuniária, perda de bens e valores, prestação de serviço à comunidade ou a entidades públicas, interdição temporária de direitos e, limitação de fim de semana. Na execução alternativa, o apenado é chamado de beneficiário que, como o próprio nome diz, é aquele que recebeu ou usufrui benefício ou vantagem. A ideia é exatamente essa. O beneficiário recebe a alternativa de cumprir a sua pena sem que seja recolhido a um estabelecimento prisional. Em certos casos acontecem reuniões mensais, com lições de cidadania e palestras de profissionais de diversas áreas, no sentido de despertar a consciência do erro e se eliminar a possibilidade de novamente infringir a lei. Considera-se que as penas e medidas alternativas ofereçam vantagens para: o poder judiciário; as instituições que acolhem os beneficiários; para o próprio beneficiário desta modalidade de cumprimento de pena e, para a sociedade. Para o poder judiciário: Desafogam as vias tradicionais já esgotadas; Torna-se um agente punitivo mais justo e eficaz, visando ao fim da impunidade para delitos de pequeno e médio potencial ofensivo; Desenvolve o seu papel de agente social; Tem baixo custo de execução.

62 60 Para a Instituição: Torna-se parceira do Poder Judiciário; É valorizada como agente de responsabilidade social; Recebe colaboradores, sem ônus. Para o Beneficiário: Promove a sua ressocialização, resgatando a sua cidadania através de seu trabalho e habilidades, mostra-se útil à sociedade; Não fica preso, permanecendo no meio social e familiar, não abandona suas responsabilidades, bem como seu emprego, contribuindo para a redução do índice populacional nos presídios do Estado; Tem a possibilidade de contratação pela instituição, ao final do tempo de cumprimento (na modalidade prestação de serviço). Para a Sociedade: Conquistas sociais resultantes do conjunto de ações que envolvem os diversos segmentos da sociedade; Tem um indivíduo reinserido, livre do isolamento que estimula a marginalização; Possibilita o indivíduo refletir sobre sua conduta e alterar sua visão de mundo e valores que norteiam seu agir na sociedade; É importante saber que o CTB, quando define os delitos, apresenta algumas situações em que a pena alternativa aparece não em caráter substitutivo, mas cumulativo com a privativa de liberdade. É o caso da lesão corporal culposa, onde se tem além da pena privativa, que pode ser de detenção de seis meses a dois anos, a pena restritiva de direito na modalidade de suspensão ou proibição de obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor (art. 303). As medidas alternativas de cumprimento de penas são consideradas uma forma de garantir a reinserção social do condenado, humanizando o cumprimento da pena e atribuindo a ela uma finalidade social. A meta prioritária é a ressocialização

63 61 daqueles que transgrediram as regras sociais, mas não representam um perigo para a sociedade, e, por isso podem ser beneficiados com a conversão da pena aplicada. Em Belém, a execução das penas alternativas é cumprida na Vara de Execução de Penas e Medidas Alternativas VEPMA. Diferente dos Juizados Especiais, o Tribunal de Justiça do Estado julga os casos de maior complexidade, com penas previstas superiores a dois anos, e que atentaram contra a vida, por exemplo, o homicídio culposo no trânsito, em que a conduta do causador do sinistro pode determinar que este desejou o resultado lesivo ou assumiu o risco de produzi-lo, conduta tipificada como dolo eventual. Nesses casos, a autoridade policial procederá ao inquérito para apurar as causas, a autoria e a materialidade do delito. Existem crimes de ação penal pública e crimes de ação penal privada. Se a tipificação indicar que o crime é de ação penal pública o resultado do inquérito será enviado para o Ministério Público que decidirá sobre a acusação ou arquivamento do inquérito, conforme a suficiência ou não das provas obtidas. A esse respeito Bonfim (2007) ensina: Cabe exclusivamente ao Ministério Público o exercício da ação penal pública, por meio do oferecimento de denuncia, devendo, também, atuar durante todo o curso do processo até a sentença final, desenvolvendo a acusação, velando pela legalidade do procedimento e interpondo os recursos cabíveis. (BONFIM, 2007.p, 41). No entanto, se o crime for de ação penal privada, cabe ao ofendido, ou quem a ele represente demonstrar o interesse de ver processado e julgado o culpado pelo crime de trânsito. Iniciando a ação penal por meio da queixa-crime que deverá ser oferecida por advogado. Nesse caso, o Ministério Público atuará durante todo o processo, velando pela legalidade. Após a queixa-crime o processo é entregue ao Tribunal para julgamento. Nessa fase, cabe ao Ministério Público sustentar a acusação em juízo e fiscalizar a legalidade do respectivo procedimento. O Tribunal indica com a maior brevidade a data, hora e local para a audiência e notifica do despacho da audiência: o Ministério Público, o acusado e/ou seu advogado. A audiência é una, ou seja, o ato processual é único, porém divide-se em três fases conhecimento, instrução e julgamento. A fase de instrução de uma audiência

64 62 corresponde ao momento destinado à apresentação das provas. A fase seguinte corresponde ao julgamento, culminando com a sentença. Conceitualmente, sentença é a decisão judicial que põe fim ao processo. É a resposta do Estado-Juiz decidindo o destino do acusado, inocentando ou condenando. Há um princípio no direito penal que diz que não é o tamanho da pena que inibe a criminalidade, o que inibe é a certeza da punição. Delmanto (2010) considera a pena como instrumento excepcional e subsidiário de controle social, visando proteger bens considerados essenciais à vida harmônica em sociedade. Há de se considerar que, via de regra, a lesão corporal culposa prevista no CTB (art. 303) é infração penal de menor potencial ofensivo, cabendo perfeitamente a adoção de penas alternativas. No entanto, o próprio CTB (art. 291) diz que, existem circunstâncias capazes de mudar o conceito de menor potencial ofensivo e transformar em crime de ação penal pública, quando o crime for praticado nas seguintes circunstâncias: Sob a influência de álcool ou qualquer outra substância psicoativa que determine dependência; Participando, em via pública, de corrida, disputa ou competição automobilística, de exibição ou demonstração de perícia em manobra de veículo automotor, não autorizada pela autoridade competente; Transitando em velocidade superior à máxima permitida para a via em 50 km/h (cinquenta quilômetros por hora). O consumo do álcool ou outras substâncias análogas potencializam a gravidade dos acidentes. Diversas pesquisas mostram que o álcool é um forte depressor do Sistema Nervoso Central. Quem bebe e pega o volante tem os reflexos prejudicados, se acha mais corajoso, porém, reage de forma lenta e perde a noção de distância. Dados estatísticos da Policia Rodoviária Federal, apontam que o consumo de bebidas alcoólicas é uma das principais causas de acidentes automobilísticos no País. Razão determinante para aprovação da Lei /12, conhecida como lei seca, cujo objetivo é diminuir os acidentes de trânsito causados por motoristas

65 63 embriagados. Com esta lei o Brasil passou a ser um dos 12 países do mundo com mais rigor quando se trata da associação álcool e volante, segundo pesquisa publicada pela International Center for Alcohol Policies EUA. Os outros 11 países são: Armênia, Azerbaijão, Colômbia, Croácia, República Tcheca, Etiópia, Hungria, Nepal, Panamá, Romênia e Eslováquia. Portanto, o Estado exerce o controle social sobre o trânsito, limitando liberdades com o intuito de preservar o bem maior, que é a vida. Dita normas de conduta no trânsito para que todos passam usufruir o direito de liberdade de circulação no território nacional, de tal forma que o exercício desse direito não ofenda outros direitos, nem a integridade física dos usuários das vias.

66 64 3 FUNDAMENTOS METODOLÓGICOS Neste capítulo são apresentados os fundamentos metodológicos que nortearam o processo de elaboração da pesquisa, incluindo, o tipo de pesquisa, os procedimentos metodológicos e o método de análise. Oliva (2012) considera que a investigação descortina uma realidade e traz muitos desafios, questionamentos e perplexidade. Assim sendo, é necessário a realização de um planejamento metodológico para conduzir os rumos da investigação. 3.1 O tipo de pesquisa O estudo em foco é resultado de uma pesquisa exploratória com abordagem crítico-dialética, em razão de ter possibilitado a definição de objetivos, aproximação do objeto de análise e permitir que as compreensões do fenômeno obtidas através das discussões teóricas sofressem intervenção crítica na realidade observada possibilitando maior compreensão sobre o objeto de estudo. De acordo com Cervo e Bervian (1996), os estudos exploratórios são utilizados quando se deseja definir objetivos na busca de maiores informações sobre um determinado assunto, possibilitando uma maior familiarização com um determinado fenômeno, bem como a obtenção de uma nova percepção, além de realizar descrições precisas da situação e das relações existentes entre seus elementos. A razão de realizar um estudo exploratório reside no fato de existir carência de material de pesquisas com temática que trata dos impactos que os acidentes de trânsito causam na vida dos vitimados e a resistência dos próprios entrevistados em reviver, através dos relatos a tragédia sofrida. Desta maneira, a pesquisa exploratória possibilitou aproximação com o objeto de análise permitindo conhecer aspectos objetivos, subjetivos e ideológicos que interferem, pela dificuldade de serem mensurados, mas que, precisam ser evidenciados porque trazem consequências para vida pessoal, profissional e familiar da vítima. Por seu turno, a abordagem crítico-dialética, traz em seu bojo, segundo Oliva (2003, p. 16) não apenas a compreensão do fenômeno que interfere em determinada realidade, mas, primordialmente, a possibilidade de intervenção crítica na realidade posta. Na visão de Gamboa (1992, p.97):

67 65 As pesquisas crítico-dialética questionam fundamentalmente a visão estática da realidade (...) uma postura marcadamente crítica, expressa a pretensão de desvendar, mais que o conflito das interpretações, o conflito dos interesses. Essas pesquisas manifestam um interesse transformador das situações e fenômenos estudados, resgatando sua dimensão sempre histórica e desvendando suas possibilidades de mudanças. O que justifica a utilização da pesquisa crítico-dialética, nesta dissertação é a possibilidade de intervir criticamente na realidade observada em campo levando em consideração as discussões presentes nas categorias de análises para se propor possibilidades de mudanças. Desta maneira, o resultado desta pesquisa sobre os impactos que os acidentes causam na vida dos vitimados face ao referencial teórico adotado permite que sejam apresentadas sugestões importantes para a construção e materialização de políticas públicas sobre a temática em questão. 3.2 Procedimentos metodológicos Por se tratar de pesquisa com seres humanos foi necessário certificado ético, o qual foi emitido pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade da Amazônia UNAMA. Após aprovação do projeto de pesquisa, conforme protocolo n , foi iniciada a pesquisa de campo realizada nos meses de outubro, novembro e dezembro de 2012, considerando o lapso temporal de 2007, 2008 e A pesquisa investigou os impactos da lesão corporal provocada por acidente de trânsito na vida dos vitimados, buscando saber a maneira que o Estado realiza o controle social da questão. Haja vista que, a lesão corporal culposa é considerada crime de trânsito, enquadrando-se no conceito de crime de menor potencial ofensivo, fato que possibilita o benefício de penas alternativas. O local escolhido para a realização da pesquisa foi a Vara de Execuções de Penas e Medidas Alternativas VEPMA, sendo necessária Autorização para Realização de Pesquisa, a qual foi emitida pelo Juiz titular da Vara, em 28 de agosto de O que motivou a escolha desse espaço jurídico-social foi a sua competência, na região metropolitana de Belém/PA para aplicar, fiscalizar e controlar o cumprimento das penas e medidas alternativas, o que demonstra o controle social do Estado. E, também, a possibilidade de capturar o fenômeno estudado num estágio posterior ao acidente onde subsistem as sequelas.

68 66 De posse do Certificado Ético emitido pelo CEP da Unama e da Autorização para Pesquisa emitida pela VEPMA, foi iniciada a fase exploratória da pesquisa através da análise documental realizada em 112 processos, com o intuito de perceber algumas especificidades e, a partir disso, ter a possibilidade de construir procedimentos para a investigação e definir os rumos teóricos adotado pela pesquisa. A respeito da análise documental Oliva (2012, p.133) considera que: Esta técnica permite, além da captura dos discursos, a caracterização dos atendidos, ultrapassando a dimensão usual e oficial do sexo, idade, bairro. Com esta compreensão (...) pode-se construir outros indicadores, que possam retratar os escaninhos do fenômeno. Os sujeitos dessa pesquisa são os vitimados em acidentes de trânsito, identificados através da pesquisa exploratória realizada em 112 processos correspondentes aos anos de 2007, 2008 e Desta maneira, a amostragem caracterizada como não probabilística envolveu 112 casos. Marconi (1999) considera que esse tipo de amostragem seleciona um subgrupo de população, que à luz de informações disponíveis passa a ser considerado como representativo de toda população. Os dados da pesquisa foram coletados utilizando-se como instrumentos a análise documental e a entrevista semi-estruturada. A análise documental realizadas nos processos que se encontram na secretaria da VEPMA possibilitou a localização e contato dos sujeitos da pesquisa, assim como, à obtenção de dados socioeconômicos do vitimado e das circunstancias do acidente. De posse dos endereços e telefones iniciou-se os primeiros contatos esclarecendo sobre os objetivos da pesquisa. Após os esclarecimentos obteve-se a autorização, conforme assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido TCLE (Resolução CNS 196/96) para que as entrevistas fossem realizadas nas residências dos participantes da pesquisa. O roteiro da entrevista semi-estruturada (apêndice A) centra-se no próprio acidente de trânsito e nos impactos suportados pelo vitimado e seus familiares, com a finalidade de se obter a essência do fenômeno. Temas relacionados com as causas do acidente, o motivo do deslocamento, a maneira como o acidente afetou a família, de que forma interferiu na vida pessoal e profissional, fazem parte da entrevista. Essas entrevistas foram gravadas e, posteriormente transcritas. Trivinos (1987, p.146) Considera a entrevista semi-estruturada como sendo:

69 67 Aquela que parte de certos questionamentos básicos, apoiados em teorias e hipóteses que interessam a pesquisa e que, em seguida oferecem amplo campo de interrogativas, fruto de novas hipóteses que vão surgindo à medida que se recebem as respostas dos informantes. Desta maneira, o informante, seguindo espontaneamente a linha de seu pensamento e de suas experiências dentro do foco principal colocado pelo investigador, começa a participar na elaboração do conteúdo da pesquisa. Concluída a fase exploratória da pesquisa todo material coletado foi sistematizado e submetido a uma pré-análise para sistematização das idéias iniciais de forma a possibilitar a análise e consequente interpretação conforme o método Análise de Conteúdo proposto por Bardin (2009) culminado com a conclusão do estudo. O período de aplicação dos instrumentos de pesquisa foi de 10 de outubro de 2012 a 20 de janeiro de 2013, no período matutino ou vespertino, conforme disponibilidade do participante. O critério de inclusão na pesquisa foi: ter sido vitima ou familiar de vítima de lesão corporal causada por acidente de trânsito, independente de que pólo esteve no momento do sinistro, se autor ou vítima; e, ser maior de 18 anos. Como critério de exclusão, ser menor de 18 anos; mesmo sendo vítima de acidente de trânsito não ter sofrido lesão corporal. Do universo dos 112 processos analisados, de lesão corporal culposa, tipificada como crime de trânsito, que transitou na VEPMA de 2007 a 2009, foram realizadas 79 entrevistas, sendo 2 ou 3 entrevistas por dia, entre 10 a 20 minutos cada gravação, as quais eram imediatamente transcritas. Com relação aos benefícios, acredita-se que o desenvolvimento da pesquisa poderá gerar benefícios importantes para o conhecimento teórico-prático da segurança viária, além de estimular novos estudos científicos relacionados com o tema. Esse conhecimento trará considerável contribuição para a implantação de políticas públicas para: segurança viária; saúde pública; e, também, de inclusão social para portadores de deficiência adquirida. O segundo momento da pesquisa corresponde à abordagem crítico-dialética quando, já definidos os rumos das categorias de análise e, compreendido o fenômeno no seu aspecto conceitual, houve a intervenção crítica discutindo os achados da pesquisa de campo confrontado com os fundamentados da teoria, essa maneira possibilitou apresentar sugestões de medidas para subsidiar a tomada de decisões relacionadas com a segurança viária.

70 O método de análise Appolinário (2006) diz que há diferentes métodos de analisar dados em pesquisas qualitativas, porém, o método análise de conteúdo proposta por Bardin (2009) é o método mais tradicionalmente utilizado nesse tipo de pesquisa. Esse método busca uma interpretação teórica do material textual produzido pelas entrevistas utilizando-se de várias técnicas, sendo a temática e categorial a mais utilizada. O método análise de conteúdo é considerado uma técnica híbrida por fazer a ponte entre o formalismo estatístico e a análise qualitativa de materiais, cuja finalidade é identificar nos dados coletados o que está sendo dito a respeito do tema pesquisado. Bardin (2009) define a análise de conteúdo como sendo um conjunto de técnicas de análise das comunicações, que utiliza procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens. A esse respeito Lozano citado por Fonseca Jr, disse: A análise de conteúdo é sistemática porque se baseia num conjunto de procedimentos que se aplicam da mesma forma a todo conteúdo analisável. É também confiável ou objetivo porque permite que diferentes pessoas, aplicando em separado as mesmas categorias à mesma amostra de mensagens, podem chegar às mesmas conclusões (Lozano, 1994 apud Fonseca Jr, p.286). Na visão de Krippendorf (1990), o método de análise de conteúdo tem metodologia própria, que permite ao investigador programar, comunicar e avaliar criticamente um projeto de pesquisa com independência de resultados, pelo fato de possuir uma orientação fundamentalmente empírica, exploratória, vinculada a fenômenos reais e de finalidade preditiva; transcende as noções normais de conteúdo, envolvendo as idéias de mensagem, canal, comunicação e sistemas. A técnica constitui-se em três fases: a) pré-análise, com a qual objetiva-se obter a sistematização das idéias iniciais; b) exploração, utilizada para definir as categorias e unidades de registro e; c) tratamento de resultados com inferências e interpretações, esse é o momento mais fértil da análise de conteúdo, estando centrado nos aspectos implícitos da mensagem analisada. Nessa fase acontece a sistematização e a evidência das informações para análise, que deve ocorrer de maneira reflexiva e crítica.

71 69 Dentre as técnicas utilizadas em análise de conteúdo optou-se pela análise categorial. Nessa técnica há o desmembramento do texto em unidades, em categorias segundo grupamentos analógicos. Dentre as várias possibilidades de categorização, encontra-se a análise temática, bastante rápida e eficaz. Desta forma, para esta pesquisa o tema é o acidente de trânsito e a categoria refere-se ao impacto suportado pela vítima em sua vida pessoal, profissional e familiar. Em conformidade com os ensinamentos de Fonseca Jr (2005), para uma análise temática e categorial foi realizado os seguintes procedimentos: Definição do material: as entrevistas ou partes delas que tenham relação e sejam especialmente relevantes para a solução do problema de pesquisa, destacando e numerando cada fala do(s) sujeito(s). Cada uma dessas falas recebe a designação de unidade de registro; As unidades de registro devem ser analisadas e classificadas de acordo com o seu conteúdo. Procede-se, então, a uma avaliação da situação de coleta de dados incluindo-se, aí, as informações acerca de como o material foi obtido, quem participou da coleta, como foi realizado o registro do material, etc.; A terceira etapa do processo consiste na categorização das unidades de registros, de acordo com uma análise semântica; Mapeando-se as inter-relações entre as diversas categorias, podem ser obtidos esquemas que revelam a articulação que servirá de base à interpretação teórica do material; Finalmente, procede-se à interpretação dos esquemas, comparando-os com o referencial teórico desejado ou mesmo produzindo uma nova teoria a partir dos esquemas obtidos. Tendo em vista o problema de pesquisa e o referencial teórico adotado.

72 70 Desta maneira, a interpretação aconteceu após o processo de redução do material original em categorias claramente visíveis, de forma a desvendar seu significado por meio da interpretação e da comparação dos resultados com outras pesquisas e referencial teórico. Em razão da sua versatilidade este método é utilizado nos diversos campos do conhecimento, como a psicologia, antropologia, e comunicação, dentre outros, mostrando-se perfeitamente cabível para esta pesquisa.

73 71 4 OS IMPACTOS DOS ACIDENTES NA VIDA DOS VITIMADOS: ANÁLISE DAS DIMENSÕES QUANTITATIVA E QUALITATIVA Neste Capítulo, utilizando-se a dimensão quantitativa e qualitativa, é realizada a análise dos dados de maneira temática e categorial, através do método de Análise de Conteúdo proposto por Bardin (2009). Inicialmente houve a transcrição das entrevistas e a realização de várias leituras com a finalidade de perceber os temas que são considerados eixos do discurso. Após destacar esses temas, o próximo passo foi formar categorias claramente visíveis de maneira que possibilitasse desvendar seu significado por meio da análise interpretativa, desta maneira, busca-se capturar os impactos suportados pelas vitimas em sua vida pessoal, profissional e familiar, desvendando o que há além dos danos visíveis causado pelo fenômeno. Os dados foram sistematizados e transformados em gráficos para demonstrar a incidência do que foi coletado, de modo a facilitar a visualização e a análise. 4.1 DEMONSTRATIVOS DA PESQUISA O Gráfico 6 trata do desenho da amostra no universo de 112 casos de lesão corporal culposa tipificada como crime de trânsito, cujo processo de execução transitou na VEPMA de 2007 a 2009, os quais foram utilizados na pesquisa dessa dissertação, e apresenta percentual de exclusão, recusa e não-localização de vitimados. Gráfico 6 - Demonstrativo geral da pesquisa. Excluídos - 5 Recusaram - 17 Não localizados - 11 Amostra - 79 Fonte: autor da pesquisa.

74 72 Do universo de 112 casos indicados através dos processos consultados, apenas 79 vitimados aceitaram participar e demonstraram bastante interesse na pesquisa e na sua efetivação. Aqueles que se recusaram participar da pesquisa, usaram como justificativa: a desconfiança dos motivos desse estudo; o incômodo que as lembranças do sinistro ainda causam; e, o resultado do processo que deixou uma sensação de impunidade pelo fato dos culpados não irem para a cadeia. Ultrapassado essa barreira a pesquisa prosseguiu sem mais entraves. Desta maneira, os dados que serviram de base para a elaboração dos gráficos foram coletados através das entrevistas semi-estruturada realizadas com 79 vitimados. Os dados socioeconômicos e determinadas informações foram retiradas da análise documental realizada nos112 processos consultados, que se encontram na secretaria da VEPMA Dados Socioeconômicos O Gráfico 7 revela que na amostra há predominância do sexo masculino no envolvimento em acidentes. Enquanto que, o Gráfico 8 evidencia a faixa etária com maior incidência de acidentes. Gráfico 7 Por gênero. Masculino - 52 Feminino - 27 Fonte: autor da pesquisa.

75 73 Gráfico 8 Por Faixa etária. 18 a 29 anos a 59 anos anos ou mais - 6 Fonte: autor da pesquisa. A amostra pesquisada acompanha a tendência mundial com relação ao maior envolvimento dos homens em acidentes de trânsito. Porém, mostra-se diferente com relação à faixa etária. Pesquisa de âmbito mundial considera que a maioria dos acidentes de trânsito envolve jovens na faixa etária até os 24 anos (OMS, 2007), enquanto que, a amostra analisada revela maior envolvimento na faixa etária dos 30 a 59 anos. Esta faixa etária representa importante parcela da força de trabalho e afeta quase todo horizonte produtivo presumido que vai dos 20 anos até a idade de 64 anos. O Gráfico 9 está relacionado com a escolaridade dos vitimados revelando através de seus números a educação formal dos envolvidos em acidentes de trânsito no período pesquisado. Gráfico 9 Por Escolaridade Médio incompleto - 35 Médio completo - 25 Superior incompleto - 1 Analfabeto - 1 Fundamental incompleto - 9 Fundamental completo - 8 Fonte: autor da pesquisa.

76 74 A pesquisa mostrou que a grande maioria das vítimas de acidentes de trânsito não avançou nos estudos além do ensino médio incompleto. Esse fato é preocupante quando se considera que as condições gerais do mercado de trabalho somadas com a qualificação profissional do trabalhador constituem fatores que repercutem na empregabilidade e na renda do indivíduo. O pouco estudo do trabalhador cria situações de desemprego ou subemprego, nessas condições o indivíduo raramente contribui para o INSS ficando afastado do benefício previdenciário no caso de enfermidade ou acidente. Esse fato constitui-se numa ameaça à sobrevivência da família quando o principal mantenedor, que não tem vínculo empregatício, for vítima de acidente e por força das circunstâncias ter que parar de trabalhar. Foram 40 dias internados e mais seis meses me recuperando. Como trabalho por conta própria as coisas ficaram difíceis, não tinha INSS então passei a depender de favores da minha família. (P.A.44 anos, masc.) O Gráfico 10 está relacionado com a renda familiar, nele é possível observar a condição econômica do vitimado. Há predomínio de ganhos maior que um salário mínimo até dois salários. Gráfico 10 Por Renda. Até 1 salário mínimo - 6 Mais de 1 até 2 salário - 46 Mais de 2 até 4 salários - 3 Mais de 7 até 10 salários % Sem renda - 23 Fonte: Autor da pesquisa.

77 75 Com relação à renda a pesquisa revelou que a maioria das vítimas tem renda de um a dois salários mínimos, mostrando que existe predominância de vítimas pertencentes à classe econômica D (FGV, 2012). Através dessa informação podese inferir que, a melhora nas condições econômicas possibilita maior número de viagens e por consequência maior exposição ao risco de envolvimento em acidentes de trânsito. A evolução da economia, a valorização da moeda, a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI e as facilidades de crédito são apontadas como facilitadores para aquisição de um meio de transporte individual por parte daqueles que, por razões econômicas estavam excluídos dessa possibilidade. Hoje, até mesmo quem ganha um salário mínimo, após análise de crédito, pode financiar a aquisição de uma motocicleta. No entanto, se por um lado a conjuntura econômica possibilita a aquisição de um modo de transporte motorizado individual, por outro se percebe o esgotamento da malha viária, resultando em engarrafamentos e acidentes. Através do Gráfico 11 pode-se ter uma visão sobre o motivo do deslocamento quando ocorreu o acidente de trânsito. A complexidade das atividades desenvolvidas no meio urbano gera variedades de motivos de deslocamentos, para efeito desta pesquisa foi considerado os deslocamentos por motivo de: estudo, trabalho, lazer e consumo de bens e serviços. Gráfico 11 Motivo do deslocamento. Estudo - 12 Trabalho - 27 Lazer - 24 Consumo de bens e Serviços - 16 Fonte: Autor da pesquisa. Com relação ao motivo do deslocamento quando ocorreu o acidente a pesquisa revelou que as vítimas se deslocavam para variados destinos com a finalidade de trabalho, lazer, consumo de bens e serviços e estudo. Esses dados revelam que devido a dimensão do espaço urbano e a complexidade das atividades

78 76 há uma crescente necessidade de deslocamentos para diversas atividades imprescindíveis na vida urbana. Minha filha voltava da escola, vinha pela calçada. Mas tinha um contêiner, esses de pegar entulho de construção, bem no meio da calçada. Ela foi desviar pela pista quando veio o carro e bateu nela. Não gosto de ficar lembrando porque dói muito. Só Deus na nossa vida para dar força. Como a gente tem fé em Deus à gente supera. (A.M.L. mãe da vítima. P.M.L. 18 anos). Quando aconteceu o acidente eu tava fazendo uma corrida. O passageiro e eu ficamos todo ferido. Hoje quando vejo carro me fechando fico apreensivo, tenho medo de me quebrar de novo. (J.P. 24 anos. Masc) Estava voltando de Mosqueiro (praia). Como tinha bebido um pouco dei o carro para meu cunhado trazer. Fico com raiva só de lembrar que deixei outra pessoa dirigir o meu carro. Agora, veja só, sou autônomo e tenho que correr atrás do pão de cada dia. O carro ficou quebrado. E eu todo endividado, mas já passou (R.F.48 anos. masc.). Eu estava indo pro supermercado na minha bicicleta quando um cara de moto me bateu. Tive fratura exposta do meu pé, e por causa disso passei quase 15 dias internada. Imagina como é difícil para uma dona de casa com filho pequeno ficar todo esse tempo no hospital (N.C. 26 anos. FEM). A análise desses dados mostra que os impactos do acidente de trânsito, também afeta a sociedade, pois, o impedimento de locomover-se livremente pela cidade, em virtude das lesões provocadas pelo acidente, resulta em perdas econômicas por causa da perda de produção decorrente da interrupção das atividades produtivas por parte do acidentado, que, por via de consequência, afeta o próprio vitimado, sua família, o comércio e a sociedade como um todo. 4.3 Dados sobre o acidente O Gráfico 12 mostra o modo de transporte que se envolveram em acidentes na amostra pesquisada. O automóvel está envolvido na maioria dos acidentes. Porém, a motocicleta apresenta uma incidência bastante expressiva no percentual dos acidentes sistematizados. Logo em seguida estão as bicicletas, os ônibus, os caminhões e num percentual quase inexistente as Vans.

79 77 Gráfico 12 Tipo de veículo envolvido no acidente. Van - 1 Automóvel - 31 Bicicleta - 16 Motocicleta - 21 Caminhão- 3 Ônibus - 7 Fonte: Autor da pesquisa. O automóvel é o tipo de veículo que mais se envolveu em acidente, porém, as estatísticas mostram que os acidentes envolvendo motocicleta estão em crescente evolução. Já foi mencionado anteriormente que a atual conjuntura econômica possibilita a aquisição de motocicletas. Aliado ao crescente número desse tipo de veículos nas vias está o desrespeito às leis de trânsito, por parte dos condutores de moto, em destaque menciona-se o não uso do capacete e a velocidade excessiva, fatores que contribuem para a gravidade do sinistro. O Gráfico 13 demonstra as circunstâncias do tempo e iluminação quando ocorreu o acidente. Verifica-se que o período da noite foi o que mais produziu acidentes, em comparação com o período do dia. Com relação às condições do tempo, verificou-se que a maioria dos acidentes aconteceram no momento de chuva, porém, dias com sol aberto não evitaram acidentes. Gráfico 13 Circunstâncias do tempo e iluminação. Fonte: Autor da pesquisa.

80 78 Dos 79 acidentes pesquisados 33 aconteceram no período do dia e 46 no período da noite. Desta maneira, a pesquisa registrou ocorrências de acidentes em todos os horários, prevalecendo o período da noite com mais registros. Com relação às condições do tempo aconteceram mais acidentes no momento de chuva, porém, existe expressivo registro quando o tempo apresentava sol aberto e durante a noite em locais com boa iluminação. Há de se considerar que, a deficiência de iluminação do período noturno gerou menos acidentes do que os registrados sob sol. O acidente aconteceu quando voltava do trabalho para casa. Era noite e estava chovendo. Estava sentada na ultima cadeira na direção do corredor do ônibus. Não deu pra ver como aconteceu o acidente. Só sei dizer que o motorista corria muito. Ele bateu num outro ônibus que estava na frente, aí todo mundo caiu, se tivesse cinto de segurança acho que eu não tinha quebrado a minha perna e hoje não estaria deficiente. (A.S.C.V. 38 anos. Fem.) Essas informações demonstram que a preocupação com a segurança viária deve ser constante independente do horário do dia ou da noite e das condições do tempo. Campanhas educativas, estudos e discussões sobre a acidentalidade no trânsito mostram que o dever de cuidado e a observância das normas legais que regem o trânsito buscam evitar a ocorrência de acidentes. Porém, compete a cada usuário da via ter compromisso com a preservação da vida, tanto da sua quanto a de outrem, pois, os acidentes não têm hora marcada para acontecer. O Gráfico 14 aponta as causas dos acidentes na percepção das vítimas entrevistadas, dentre as causas estão: o excesso de velocidade; a embriaguez; o avanço de sinal vermelho; a ultrapassagem; o pedestre transitando pela pista de rolamento; a falta de atenção do pedestre; o avanço de preferencial; a falta de respeito ao idoso; e, a manobra irregular.

81 79 Gráfico 14 O que deu causa ao acidente. Ultrapassagem - 9 Avanço de preferencial - 6 Falta de respeito ao idoso - 3 Falta de atenção do pedestre - 1 Excesso de Velocidade - 21 Embriaguez - 19 Manobra irregular - 2 Pedestre transitava pela pista de rolamento - 6 Avanço de sinal Vermelho - 12 Fonte: Autor da pesquisa. Hoje em dia o trânsito em Belém tá muito difícil. Tem muita imprudência de motoristas que pensa que está disputando corrida. Quando me lembro do acidente fico nervoso, apreensivo... às vezes passa um filme na minha cabeça, sem querer começo a lembrar do acidente ( A.R.O.S. 64 anos. Masc). Ninguém respeita, o sinal tinha fechado quando o carro me bateu, ele não respeitou o sinal e ainda disse que eu tive culpa, culpa teve ele que tava porre. Fiquei quatro meses e meio me recuperando, nesse tempo o meu marido teve que colocar uma empregada em casa para fazer as coisas enquanto me recuperava (T. S. 30 anos. Fem.). Na percepção das vítimas o excesso de velocidade e a embriaguez ao volante foram apontados como possíveis causas do acidente. A gravidade dos acidentes guarda estreita relação com a velocidade que o veículo estava no momento do acidente, quanto maior a velocidade menor será o tempo que o condutor terá para decidir o que fazer diante da situação apresentada e racionar sobre os efeitos da decisão tomada. Sendo o consumo do álcool um agravante da situação por diminuir a capacidade de mensuração do risco e de reação no momento de perigo. O Gráfico 15 demonstra as circunstâncias do meio ambiente urbano que, na percepção dos participantes da pesquisa, contribuem para a ocorrência dos acidentes, destacando: a ocupação desordenada das calçadas existentes; a ausência de ciclo faixa/ciclovia; obras públicas inacabadas; a falta de manutenção

82 80 das vias que causam imperfeições e/ou buracos no asfalto; a falta de calçadas para os pedestres transitarem; a sinalização e a Iluminação precária. Gráfico 15 - Circunstâncias do Meio Ambiente Urbano que contribuíram para a ocorrência do acidente. Fonte: Autor da pesquisa. Minha filha voltava da escola, vinha pela calçada, mas tinha um contêiner, esses de pegar entulho de construção, bem no meio da calçada. (A.M.L. mãe da vítima. P. M. L. 18 anos). A ocupação desordenada das calçadas, por obras e construções ilegais ou mesmo as autorizadas ou pelo comércio irregular, dentre outras formas, impõem ao pedestre terem que arriscar-se pela via destinadas aos carros. Lynch (1999) ao dissertar sobre o a paisagem urbana ponderou que, os problemas do espaço e da paisagem urbana afetam as pessoas, uma vez que esses mesmos espaços são percebidos, observados e transitados por elas. O leito da pista de rolamento é um local inadequado para o trânsito de pedestres que se vêem obrigados a transitar por ela ante a ocupação ou inexistência de calçadas. A soma da sinalização precária, da iluminação deficiente no período da noite, com a falta de manutenção das vias que são esburacadas, tem imperfeições e/ ou buracos no asfalto, tem como resultando as condições propícias para a ocorrência de acidentes.

83 Impacto dos acidentes na vida das vítimas Através da análise do conteúdo das entrevistas verifica-se o desdobramento do acidente de trânsito afetando a vida pessoal, profissional e familiar das vítimas. Desta forma, pode-se perceber que os acidentes de trânsito, além de causarem danos materiais, ambientais e mortes, também são produtores de lesões corporais. O acidente de trânsito e tudo que esteja relacionado com sinistro, desde os primeiros atendimentos no local do acidente, passando pelo transporte, atendimento nos serviços especializados, período de recuperação, e tudo que esteve relacionado com o evento, podem causar na vítima um desequilíbrio no bem estar físico, mental e social, capaz de causar desestruturação em todos os aspectos da sua vida. O Gráfico 16 mostra quem prestou os primeiros atendimentos ao acidentado, enquanto que o Gráfico 17 mostra que os atendimentos na sua maioria foram realizados em hospitais públicos, evidenciando que, a sociedade arcou com quase a totalidade dos custos do atendimento pré-hospitalar, na amostra pesquisada. Gráfico 16 Quem prestou socorro. SAMU - 31 Bombeiro -19 Policia Militar - 22 O causador do acidente - 4 População - 3 Fonte: Autor da pesquisa.

84 82 Gráfico 17 local de atendimento. Pronto Socorro - 45 Hospital Metropolitano - 12 Hospital particular - 22 Fonte: Autor da pesquisa. A maioria das vítimas foi socorrida por serviço especializado de resgate e atendida em hospitais da rede pública, fato que transfere o ônus do acidente para toda a sociedade. Os profissionais que trabalham nos serviços de resgate e atendimento de urgência atuam num cenário de alto nível de estresse ante a gravidade das lesões, a ansiedade da população em socorrer o acidentado, o tempo até a chegada ao hospital e o cuidado no transporte para que não ocorra agravamento das lesões capazes de comprometer a vítima para o resto da vida. Há de se considerar também que, as estimativas da OMS (2009) apontam que, em virtude dos acidentes de trânsito, existe uma sobrecarga nos atendimentos de urgência e emergência com uma taxa ocupando: 50% dos centros cirúrgicos e 86% das hospitalizações. Além de aumento das demandas nos setores de radiologia, fisioterapia e reabilitação. A minha vida ficou arrasada, agora sou deficiente, dependo de favores para tudo, agora não dirijo mais, não ando com minhas próprias pernas. Quando me lembro tenho raiva de mim, falar desse assunto me irrita. Sinto muita tristeza porque sei que não vou me recuperar, acabou... (M.S.A. 36 Anos. Masc.). Na ocorrência de um acidente de trânsito um expressivo número de curiosos se apresenta como voluntários na prestação do socorro. No entanto, esta generosidade pode resultar no agravamento das lesões do acidentado. O transporte inadequado feito por pessoas não habilitadas, ansiosas em socorrer as vítimas, em

85 83 vez de ajudar pode resultar no agravamento irreversível das lesões em virtude da manipulação inadequada Impactos na vida pessoal Da amostra pesquisada 50,63%, isto é, 40 vitimados, disseram que tiveram sua vida pessoal abalada. O Gráfico 18 revela as diversas maneiras que o acidente afetou a vida pessoal dessas vítimas, mostra também em porcentagem que os impactos são representados por: deixar de andar de moto; de bicicleta; de dirigir carro; perdas financeiras; perdas do controle das finanças; deficiências físicas que interferem nas relações sociais; e, medo de sair de carro. Gráfico 18 - Maneira como o acidente afetou a vida pessoal. Fonte: Autor da pesquisa. Para maior clareza das informações, o Gráfico 18 deve ser analisado levando em consideração as informações constantes no Gráfico 12 o qual mostra os tipos de veículos envolvidos em acidentes, na amostra pesquisada. Desta maneira, das 21 ocorrências de acidentes envolvendo o tipo de veículo motocicleta, 9 vítimas deixaram de utilizar esse modo de transporte, o que em termos percentual representa 42,87% do número de acidentes. Somando 31 acidentes de carro, 3 de caminhão e 7 de ônibus, totaliza 41 acidentes. Desses, 9 vitimados deixaram de dirigir, representando 21,95% de vitimas que deixaram de dirigir após o acidente.

86 84 Em razão do acidente a vida pessoal do vitimado foi abalada com perda financeira, aumento das despesas, descontrole das finanças. O medo de novamente ser vítima de acidente fez com que deixasse de dirigir carro, andar de moto ou bicicleta; as lesões deixaram como sequelas deficiências físicas, que por sua vez interferem nas relações sociais. Consta nos autos que, em razão do acidente de trânsito ocorrido por culpa do condutor, a vítima ficou com sérias cicatrizes no rosto, as quais comprometem não só a sua estética e aparência, como também seu amor próprio, auto-estima e até mesmo seus futuros relacionamentos. (M.B.P. 22 anos. Fem. Síntese do caso pelo autor da pesquisa a partir dos autos do processo). Laudo do IML atesta deformidade estética permanente no membro inferior direito, decorrentes das cicatrizes e também pelo edema residual na perna direita. Concluindo pela invalidez parcial e permanente, em virtude do encurtamento em 2,9 cm da perna direita. (E.L.S. 29 anos. Fem. Síntese do caso pelo autor da pesquisa a partir dos autos do processo). Agora tenho medo de andar de moto. Às vezes choro. Tenho muito medo que aconteça de novo. Eu estava tentando uma vaga de estagiária no meu ramo de trabalho. Meus pais ficaram loucos com o acidente. Minha mãe teve que pedir licença do trabalho pra cuidar de mim (A.C. 26 anos fem.) Como visto anteriormente, a renda da maioria dos entrevistados não ultrapassa a dois salários mínimos, desta forma, a sucessão de perdas financeiras provocadas pelo acidente pode ter como resultado, significativa privação financeira obrigando-o a rever orçamento e comprometendo o sustento da própria família. O impacto suportado pelo vitimado em sua vida pessoal vai além das limitações físicas podendo até causar transtornos psicológicos. O Gráfico 19 representa a incidência de sentimentos referidos após o acidente, tais como: tristeza, medo da violência do trânsito, raiva, revolta por causa da impunidade no trânsito, pavor do trânsito, agradecimento por estar vivo, culpa por estar dando trabalho para a família, frustrados com a justiça, culpa por ter dado causa ao acidente, preocupados com o futuro e indignado por estar na situação de deficiente físico.

87 85 Gráfico 19 - Sentimentos referidos após o acidente. Culpa por ter provocado o acidente - 2 Culpa por dar trabalho aos familiares - 2 Preocupação - 2 Revoltado por causa da impunidade no trânsito - 11 Tristeza - 16 Raiva - 14 Indignação - 1 Pavor - 10 Medo do trânsito - 15 Frustração - 2 Agradecimento por Estar vivo - 3 Fonte: Autor da pesquisa. Os transtornos de ordem emocional são considerados sequelas invisíveis, por esta razão, são difíceis de serem mensurados, no entanto, verificou-se através das entrevistas, uma grande incidência de referência a sentimentos apresentados após o acidente, tais como: tristeza, medo da violência no trânsito, revolta por causa da impunidade, pavor, agradecimento, frustração, culpa, preocupação e indignação. Só Deus tem dado forças para ir sobrevivendo. Sinto-me triste, melancólico, sem animo. Passei a sofrer de pressão alta, depressão, gastrite. Depois desse acidente, tive que fazer uma viagem longa de carro. Eu passei mal. Tive que voltar. Só depois de dois ou três dias é que pude continuar a viagem. O abalo é pro resto da vida. Quanto menos tocar no assunto é melhor (D.C.O. 57 anos. Masc). O fato de ter causado o acidente ainda mexe muito comigo. Sinto-me culpada. Primeiro meus pais queriam me bater, mas depois eles se mantiveram do meu lado e cuidaram de mim. Eu fico muito apreensiva quando me deparo com uma situação semelhante aquela do acidente, fiquei com medo de andar de moto. (E.Q. 22 anos. fem.) Sempre que me deparo com histórias semelhantes como a minha, me causa uma revolta, porque parece que nada é feito, então pergunto: até quando vai continuar a impunidade no trânsito brasileiro? (R.C. 22 anos. Masc.). Já tinha problema para me locomover por causa da idade, agora piorou, não consegui me recuperar totalmente. Quando me lembro do acidente fico muito triste. Quando saímos na rua temos que estar atentos porque a ignorância é muito grande (A.F. 60 anos. Masc.)

88 86 A análise do conteúdo das entrevistas revela que o acidentado experimenta mudança em sua rotina, seus hábitos e em seu estilo de vida, passa ainda a experimentar sentimentos e apresentar sintomas antes não vivenciados. Percebe-se diante de perdas que, em alguns casos, impõe dependência de outras pessoas, isso é bastante frustrante para quem levava uma vida ativa e subitamente se ver obrigado a depender de assistência alheia para realizar atividades simples e até mesmo a própria higiene. Strunin (2004) diz que o indivíduo sente-se como se fosse outra pessoa e que as mudanças que acontecem na vida pessoal estendem-se para além das limitações físicas. Experimenta sentimentos de culpa, ansiedade e depressão que podem interferir na forma de conviver e interagir com outras pessoas. Aliado a isso a sucessão de perdas financeiras, em virtude do acidente, aumenta o sentimento de impotência em virtude das privações e da necessidade de rever orçamentos Impactos na vida profissional Na amostra pesquisada 50,63%, isto é, 40 vitimados, responderam que a vida profissional também foi afetada. O Gráfico 20 demonstra que a demora na recuperação resultou em perda de trabalhos, que o medo de dirigir interferiu na volta para o trabalho em razão de ser motorista profissional, houve demissão e perda de trabalhos eventuais. Gráfico 20 - Maneira como o acidente afetou a vida profissional. Foi prejudicado em virtude da dificuldade de andar - 1 Perda financeira em virtude do tempo de recuperação - 4 Demora na recuperação fez perder trabalhos - 9 Demissão - 4 Medo de dirigir - 6 Deixou de fazer bicos - 5 Desistência de planos profissionais - 7 Não consegue arranjar emprego por causa das sequelas - 3 Perdeu entrevista de emprego - 1 Fonte: Autor da pesquisa.

89 87 A gravidade do acidente afeta a vida profissional do vitimado em virtude das sequelas físicas, que podem resultar em deficiências, tirarem a capacidade do indivíduo de realizar determinadas tarefas, assim como as sequelas psicológicas, representadas pelo medo, pavor, receio, por exemplo, impossibilitar o exercício profissional daquelas que exercem suas atividades em meio ao trânsito como é o caso dos motoristas e motoqueiros. Soma-se a isso, o fato da demora na recuperação resultar em perda de trabalhos e de renda para os autônomos. Eu fiquei com deficiência física, a minha perna é mais fina que a outra, ainda tenho dores no local da fratura e também ainda estou com os parafusos. Por causa das dores não posso ficar muito tempo em pé. Então tive que ser readaptada no trabalho, pelo fato de trabalhar como técnica de enfermagem poderia ter mais um emprego, só que o acidente me tirou essa possibilidade porque não tenho condições de ficar muito tempo em pé. Graças a Deus sou funcionária pública e fui readaptada senão não sei como seria se trabalhasse em hospital particular. Acho que teria sido demitida. (A.S.C.V. 38 anos. Fem.) Vitima de atropelamento em via pública. Conforme laudo do IML teve fratura de bacia e esmagamento da mão. O que ocasionou perda de movimento no 2º dedo da mão esquerda, com perda moderada na bacia, causando-lhe incapacidade laborativa parcial e permanente, pois não poderá exercer atividades que exijam movimentos delicados da mão esquerda. (R.E.S. Mas. 40 anos. Síntese do caso pelo autor da pesquisa a partir dos autos do processo). O acidente que resulta no afastamento do empregado de suas atividades produtivas, por via reflexa, acaba por afetar também a empresa onde este indivíduo trabalha, pois cria a necessidade de remanejamento ou de contratação de outro funcionário para exercer as funções daquele até a sua recuperação. O funcionário temporário pode despertar o interesse do empregador em lhe contratar, em substituição ao acidentado, quando verificar que o temporário é mais eficiente e produtivo. Isso porque muitos daqueles que foram afastados do trabalho em virtude de acidentes graves, ao retornarem tem que diminuir o ritmo de trabalho por causa da condição de saúde; essa diminuição da produção não interessa ao empregador. Desta forma, ao retornarem para suas funções após longo período de benefício do INSS ficam mais expostos a demissões.

90 88 Para retornarem ao mercado de trabalho terão que enfrentar diversos fatores de ordem social que devem ser considerados, tais como: a disponibilidade de trabalho adequado, ambiente econômico e trabalhista, condições de mercado, habilidades e experiências. A amostra pesquisada revelou que a maioria dos acidentados tem baixo nivel de educação formal, fato que aumenta as dificuldades de retorno ao mercado de trabalho Impactos na vida familiar O Gráfico 21 demonstra a posição que a vítima ocupa na família enquanto responsável financeiro; considerando que o acidente vitimou o responsável pelo sustento da família percebe-se desde já que as consequências atingem toda a família. Enquanto o acidentado suporta as dores físicas, a família sofre privações e necessidades. Gráfico 21 - Posição que a vitima ocupa/ocupava na família enquanto responsável financeiros. Pai - 42 Mãe- 16 Filho (a) - 21 Fonte: Autor da pesquisa A pesquisa mostrou que na condição de pai/mãe a grande maioria dos vitimados são considerados o principal responsável financeiro da família. Fato que repercute diretamente no sustento da família, resultando em necessidade de a família fazer adaptações financeiras para enfrentar a nova realidade. Além de alguns familiares terem de deixar de trabalhar para cuidar do acidentado.

91 89 Por causa desse acidente passamos por muitas dificuldades financeiras. Além dos remédios, das dores que até hoje sinto. O meu marido teve que pagar uma pessoa pra fazer as coisas de casa até eu melhorar. Hoje fico apavorada quando ando de bicicleta. Não saio como antes, só ando por aqui perto de casa (N.C. 34 anos. FEM). As coisas ficaram difíceis, tive que me tornar duas para cuidar dele, antes eu trabalhava para ajudar, com o acidente tive que dar conta sozinha das despesas, ele, coitado, não podia trabalhar, como trabalhava como autônomo, cadê INSS, não tem porque nunca pagou. Tivemos que nos adaptar com a nova situação (E.I.C. Esposa da vítima J.L. 33 anos. Masc.) A família sofre um forte impacto quando o principal mantenedor financeiro é vitimado em acidente de trânsito, principalmente nas famílias que tem uma única fonte de renda, geralmente originada do trabalho assalariado ou autônomo da vítima. A amplitude das consequências do adoecimento e afastamento do trabalho será maior quando houver redução salarial, o que geralmente acontece quando o indivíduo fica de benefício previdenciário. O acidente afetou a minha vida porque ficou muito conturbada. Preciso trabalhar e como trabalho por conta própria as coisas ficaram difíceis. Foram 40 dias internado. E mais seis meses me recuperando. Não tenho INSS e passei a depender dos favores da minha família. Logo no inicio todo mundo ajudava. Mas sabe como é, né? Aí a falta de dinheiro, a mulher reclamava dia e noite uma aporrinhação, cabei me separando dela. (P.A. 44 anos. masc). Nem sempre o beneficio recebido é suficiente para absorver as crescentes demandas de gastos com medicamentos, consultas, deslocamento para os serviços de tratamento e recuperação. Pior ainda, quando o indivíduo trabalha por conta própria e não contribui para o INSS, ficando assim, afastado da cobertura previdenciária pública. O Gráfico 22 mostra a maneira como o acidente afetou a família, apontando dificuldades financeiras; necessidade de adaptações nas finanças domésticas, percentual de familiares que tiveram que deixar de trabalhar para cuidar do acidentado. Através desse gráfico percebe-se não só o impacto suportado, mas também, a importância que a família tem quando algum membro é acometido por enfermidade ou necessidade diversa.

92 90 Gráfico 22 - Maneira como o acidente afetou a vida familiar. Fonte: Autor da pesquisa. Em todos os casos de acidentes a amostra evidenciou que houve aproximação da família e muito raramente, relato de afastamento, mas isso aconteceu após algum tempo quando os cuidados não precisavam ser intensos. A vida urbana demanda muitos interesses individuais, porém, nos momentos de necessidade os laços de parentescos sobrepõem-se ao individualismo. Os parentes próximos, pais e irmãos, representam uma condição importante de segurança econômica, pois constitui um apoio seguro nas situações de crise. A minha família ficou desesperada porque não sabia como eu estava. A minha mãe tirou licença no trabalho pra cuidar de mim. Agora eu não gosto de andar de carro quando outra pessoa está dirigindo. Quando me lembro do acidente fico com raiva. Sinto ainda muitas dores na minha perna (R.A.R. masc. 29 anos). Algumas famílias estão mais bem preparadas do que outras para gerenciar as mudanças, no cotidiano doméstico, em razão do acidente. Mas independente de haver maior ou menor preparo, na ocorrência de um acidente com consequências graves, os membros da família apóiam-se mutuamente, buscam e mediam esforços para atenuar ou resolver o impacto.

POLÍTICA NACIONAL DE REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE POR ACIDENTES E VIOLÊNCIAS

POLÍTICA NACIONAL DE REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE POR ACIDENTES E VIOLÊNCIAS MINISTÉRIO DA SAÚDE POLÍTICA NACIONAL DE REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE POR ACIDENTES E VIOLÊNCIAS PORTARIA GM/MS Nº 737 DE 16/05/01 PUBLICADA NO DOU Nº 96 SEÇÃO 1e DE 18/05/01 PUBLICADA NO DOU Nº 96 SEÇÃO

Leia mais

AS DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA NO CUIDADO À SAÚDE DO DEPENDENTE QUÍMICO

AS DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA NO CUIDADO À SAÚDE DO DEPENDENTE QUÍMICO Universidade Estácio de Sá Programa de Pós-Graduação em Saúde da Família MESTRADO EM SAÚDE DA FAMÍLIA JANE DO SOCORRO PANTOJA DAUMAS AS DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA NO CUIDADO

Leia mais

A DEGRADAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LABORAL COMO CAUSA DE ACIDENTE DO TRABALHO

A DEGRADAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LABORAL COMO CAUSA DE ACIDENTE DO TRABALHO 0 UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TELEVIRTUAL EM DIREITO E PROCESSO DO TRABALHO THEREZINHA CASTRO BRASIL A DEGRADAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LABORAL COMO CAUSA DE ACIDENTE DO TRABALHO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES Currso:: Gesttão de Prrojjettos APOSTIILA maio, 2006 Introdução Conseguir terminar o

Leia mais

DÉCADA DE AÇÃO PELA SEGURANÇA NO TRANSITO 2011-2020

DÉCADA DE AÇÃO PELA SEGURANÇA NO TRANSITO 2011-2020 DÉCADA DE AÇÃO PELA SEGURANÇA NO TRANSITO 2011-2020 Resolução ONU n 2, de 2009 1. INTRODUÇÃO O Plano Nacional de Redução de Acidentes e Segurança Viária para a Década 2011-2020, cujo texto foi produzido

Leia mais

CAMILA GONÇALVES RECANELLO

CAMILA GONÇALVES RECANELLO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MESTRADO EM ENFERMAGEM CAMILA GONÇALVES RECANELLO REPERCUSSÕES DAS QUEDAS NA VIDA DOS IDOSOS E SEUS FAMILIARES

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA E ASPECTOS DO TRABALHO DE MOTOTAXISTAS

QUALIDADE DE VIDA E ASPECTOS DO TRABALHO DE MOTOTAXISTAS 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE - DS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM E SAÚDE - PPGES ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: SAÚDE PÚBLICA QUALIDADE DE VIDA E ASPECTOS DO TRABALHO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO NA REGIÃO DE JUNDIAÍ

A IMPORTÂNCIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO NA REGIÃO DE JUNDIAÍ FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA FACCAMP PROGRAMA DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO NA REGIÃO DE JUNDIAÍ Adaní Cusin

Leia mais

PORTARIA Nº 1.395, DE 10 DE DEZEMBRO DE 1999

PORTARIA Nº 1.395, DE 10 DE DEZEMBRO DE 1999 PORTARIA Nº 1.395, DE 10 DE DEZEMBRO DE 1999 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando a necessidade de o setor saúde dispor de uma política devidamente expressa relacionada

Leia mais

relações do trabalho i

relações do trabalho i LUIZ GUILHERME MORAES REGO MIGLIORA 2ª edição ROTEIRO De CURSO 2010.1 Sumário Relações do Trabalho I 1. Introdução...6 1.1. Visão Geral...6 1.2. Objetivos Gerais...6 1.3. Metodologia...6 1.4. Desafios

Leia mais

Riscos e Oportunidades para Crianças e Adolescentes no Futebol

Riscos e Oportunidades para Crianças e Adolescentes no Futebol A INFÂNCIA ENTRA EM CAMPO Riscos e Oportunidades para Crianças e Adolescentes no Futebol Salvador, 2014 APOIO REALIZAÇÃO REALIZAÇÃO CEDECA Centro de Defesa da Criança e do Adolescente Yves de Roussan Coordenador

Leia mais

Artigo original. Endereço para correspondência: Rua Fortaleza, 70, Jardim Paulista, Cuiabá-MT, Brasil. CEP: 78065-350 E-mail: leocris2001@terra.com.

Artigo original. Endereço para correspondência: Rua Fortaleza, 70, Jardim Paulista, Cuiabá-MT, Brasil. CEP: 78065-350 E-mail: leocris2001@terra.com. Artigo original A violência contra crianças e adolescentes: características epidemiológicas dos casos notificados aos Conselhos Tutelares e programas de atendimento em município do Sul do Brasil, 2002

Leia mais

Análise de Acidentes do Trabalho Como Ferramenta Auxiliar do Trabalho de Auditores Fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego:

Análise de Acidentes do Trabalho Como Ferramenta Auxiliar do Trabalho de Auditores Fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego: Análise de Acidentes do Trabalho Como Ferramenta Auxiliar do Trabalho de Auditores Fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego: Contribuições para a definição de orientações sobre a análise de acidentes

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA

O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA FACULDADE LOURENÇO FILHO BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ELIS MARIA CARNEIRO CAVALCANTE O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA FORTALEZA 2010 1 ELIS

Leia mais

O GRAU DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DA JORDÃO MORAIS IMPORT EM RELAÇÃO AOS SERVIÇOS DE LOGÍSTICA

O GRAU DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DA JORDÃO MORAIS IMPORT EM RELAÇÃO AOS SERVIÇOS DE LOGÍSTICA SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA Mantenedora da Faculdade do Vale do Ipojuca FAVIP CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS Andressa Danielly Vasconcelos Silva O GRAU DE SATISFAÇÃO

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho (QVT): Um Estudo na Loja Arco-Íris na Cidade de Picos PI.

Qualidade de Vida no Trabalho (QVT): Um Estudo na Loja Arco-Íris na Cidade de Picos PI. 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CAMPUS SENADOR HELVÍDIO NUNES DE BARROS CURO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ANDRÉIA MOURA ROCHA Qualidade de Vida no Trabalho (QVT): Um Estudo na Loja Arco-Íris

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM JENIFER DOS SANTOS PALMEIRA. As percepções de pais pela primeira vez na transição para a paternidade

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM JENIFER DOS SANTOS PALMEIRA. As percepções de pais pela primeira vez na transição para a paternidade UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM JENIFER DOS SANTOS PALMEIRA As percepções de pais pela primeira vez na transição para a paternidade São Paulo 2012 JENIFER DOS SANTOS PALMEIRA As percepções

Leia mais

uma obra de construção de dutos terrestres

uma obra de construção de dutos terrestres Gerenciamento de riscos de acidentes do Trabalho: estudo de caso em uma obra de construção de dutos terrestres por Tania da Silva Barbosa Orientador: Prof. Dr. Carlos Machado de Freitas DEDICATÓRIA Para

Leia mais

O TRABALHADOR-DOENTE E SUA FAMÍLIA NOS SEUS PAPÉIS COMO ATORES SOCIAIS NO PROCESSO DE RETORNO AO TRABALHO

O TRABALHADOR-DOENTE E SUA FAMÍLIA NOS SEUS PAPÉIS COMO ATORES SOCIAIS NO PROCESSO DE RETORNO AO TRABALHO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE, AMBIENTE E TRABALHO O TRABALHADOR-DOENTE E SUA FAMÍLIA NOS SEUS PAPÉIS COMO ATORES SOCIAIS NO PROCESSO DE

Leia mais

A POLÍTICA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA A ATENÇÃO INTEGRAL A USUÁRIOS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS

A POLÍTICA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA A ATENÇÃO INTEGRAL A USUÁRIOS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria Executiva Coordenação Nacional de DST e AIDS A POLÍTICA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA A ATENÇÃO INTEGRAL A USUÁRIOS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS Série B. Textos Básicos de Saúde

Leia mais

COLEÇÃO FEBRABAN DE INCLUSÃO SOCIAL

COLEÇÃO FEBRABAN DE INCLUSÃO SOCIAL população com def iciência no Brasil fatos e percepções COLEÇÃO FEBRABAN DE INCLUSÃO SOCIAL Créditos população com deficiência no Brasil fatos e percepções agosto/2006 Publicação: Febraban - Federação

Leia mais

educação permanente em saúde para os trabalhadores do sus fernanda de oliveira sarreta

educação permanente em saúde para os trabalhadores do sus fernanda de oliveira sarreta educação permanente em saúde para os trabalhadores do sus fernanda de oliveira sarreta EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE PARA OS TRABALHADORES DO SUS FERNANDA DE OLIVEIRA SARRETA EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE

Leia mais

1. Conceitos, teorias e tipologias de violência: a violência faz mal à saúde

1. Conceitos, teorias e tipologias de violência: a violência faz mal à saúde 1. Conceitos, teorias e tipologias de violência: a violência faz mal à saúde Maria Cecília de Souza Minayo Prezado leitor, este primeiro capítulo está relacionado a todos os outros que você encontrará

Leia mais

Subjetividade do consumo de álcool e outras drogas e as políticas públicas brasileiras

Subjetividade do consumo de álcool e outras drogas e as políticas públicas brasileiras Subjetividade do consumo de álcool e outras drogas e as políticas públicas brasileiras 1 1ª Edição Brasília-DF 2010 Subjetividade do consumo de álcool e outras drogas e as políticas públicas brasileiras

Leia mais

KARINE ISIS BERNARDES

KARINE ISIS BERNARDES 1 KARINE ISIS BERNARDES AVALIAÇÃO DO PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR ATRAVÉS DE ESTUDOS DE CASOS: O ENCONTRO ENTRE A EDUCAÇÃO FORMAL E NÃO-FORMAL Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do

Leia mais

Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação

Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação I. APRESENTAÇÃO II. GESTÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL 1. O panorama da Política Municipal

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA ATENÇÃO ASSISTENCIAL OFERECIDA AO IDOSO NO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA ATENÇÃO ASSISTENCIAL OFERECIDA AO IDOSO NO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS Fundação Educacional de Divinópolis - FUNEDI Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG Mestrado em Educação, Cultura e Organizações Sociais REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA ATENÇÃO ASSISTENCIAL OFERECIDA

Leia mais

ESTUDO DOS FATORES CONDICIONANTES DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ: INSTRUMENTO DE

ESTUDO DOS FATORES CONDICIONANTES DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ: INSTRUMENTO DE ESTUDO DOS FATORES CONDICIONANTES DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ: INSTRUMENTO DE CONTROLADORIA PARA A TOMADA DE DECISÕES NA GESTÃO GOVERNAMENTAL Tema 3: Tributação,

Leia mais

CARLA DA COSTA CAMPOS UM ESTUDO DAS RELAÇÕES ENTRE OPERADORAS DE PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE E PRESTADORES DE SERVIÇO

CARLA DA COSTA CAMPOS UM ESTUDO DAS RELAÇÕES ENTRE OPERADORAS DE PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE E PRESTADORES DE SERVIÇO CARLA DA COSTA CAMPOS UM ESTUDO DAS RELAÇÕES ENTRE OPERADORAS DE PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE E PRESTADORES DE SERVIÇO Trabalho de Conclusão do Curso de Mestrado Profissionalizante em Engenharia como requisito

Leia mais

JANE MARY DE PAULA PINHEIRO TEDESCHI A PROFESSORA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E A ALFABETIZAÇÃO: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

JANE MARY DE PAULA PINHEIRO TEDESCHI A PROFESSORA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E A ALFABETIZAÇÃO: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA JANE MARY DE PAULA PINHEIRO TEDESCHI A PROFESSORA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E A ALFABETIZAÇÃO: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO Campo Grande - MS Outubro - 2007 JANE MARY DE

Leia mais