PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000"

Transcrição

1 PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000 AS PARTES DO PRESENTE PROTOCOLO, SENDO PARTES da Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em caso de Poluição por Óleo, realizada em Londres em 30 de Novembro de 1990, LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO a Resolução 10, sobre a ampliação do escopo da Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em caso de Poluição por Óleo de 1990, para incluir substâncias potencialmente perigosas e nocivas, adotada pela Conferência sobre Cooperação Internacional sobre Preparo e Resposta à Poluição por Óleo de 1990, LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO AINDA que, de acordo com a Resolução 10 da Conferência sobre Cooperação Internacional sobre Preparo e Resposta à Poluição por Óleo, a Organização Marítima Internacional intensificou o seu trabalho, em colaboração com todas as organizações internacionais interessadas, sobre todos os aspectos do preparo, da resposta e da cooperação para incidentes de poluição por substâncias potencialmente perigosas e nocivas, LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO o princípio de que o poluidor paga, como sendo um princípio geral da legislação ambiental internacional, ESTANDO CIENTE da elaboração de uma estratégia para incorporar a abordagem de precaução nas políticas da Organização Marítima Internacional, CIENTE TAMBÉM de que, em caso de um incidente de poluição por substâncias potencialmente perigosas e nocivas, é essencial uma ação pronta e eficaz para minimizar os danos que possam resultar daquele incidente, ACORDARAM o seguinte: Artigo 1 Disposições Gerais (1) As Partes se comprometem, individualmente ou em conjunto, a tomar todas as medidas apropriadas, de acordo com o disposto neste Protocolo e no seu Anexo, para se prepararem e para responderem a um incidente de poluição por substâncias potencialmente perigosas e nocivas. (2) O Anexo deste Protocolo deverá constituir uma parte integrante deste Protocolo, e uma referência feita a este Protocolo constitui ao mesmo tempo uma referência feita ao Anexo. (3) Este Protocolo não deverá ser aplicado a qualquer navio de guerra, navio auxiliar de marinhas de guerra ou outro navio pertencente a um Estado ou operado por ele e utilizado, temporariamente, somente em serviço não comercial do governo. No entanto, toda Parte deverá assegurar, através da adoção de medidas apropriadas que não prejudiquem as operações ou a capacidade operacional daqueles navios pertencentes a ele, ou operados por ele, que tais navios atuem, até onde for razoável e possível, de uma maneira compatível com este Protocolo. Artigo 2 Definições Para os efeitos deste Protocolo: (1) Incidente de poluição por substâncias potencialmente perigosas e nocivas (daqui em diante referido como incidente de poluição ) significa qualquer ocorrência, ou uma série de ocorrências que tenham a mesma origem, inclusive incêndio ou explosão, que resulte, ou que possa resultar, numa descarga, liberação ou emissão de substâncias potencialmente perigosas e nocivas e - 1 -

2 que constitua, ou possa constituir, uma ameaça ao meio ambiente marinho, ou ao litoral, ou aos interesses correlatos de um ou mais Estados, e que requeira uma ação de emergência ou uma reação imediata. (2) Substâncias potencialmente perigosas e nocivas significa qualquer substância, que não óleo, que, se for introduzida no meio ambiente marítimo provavelmente provocará riscos a saúde humana, danos aos recursos vivos e à vida marinha, danos a amenidades ou que interfira com outras utilizações legítimas do mar. (3) Portos marítimos e instalações para manuseio de substâncias potencialmente perigosas e nocivas significa aqueles portos ou instalações em que tais substâncias são carregadas em navios ou deles descarregadas. (4) Organização significa a Organização Marítima Internacional. (5) Secretário-Geral significa o Secretário-Geral da Organização. (6) Convenção OPRC significa a Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em caso de Poluição por Óleo, Artigo 3 Planos de emergência e envio de informações (1) Toda Parte deverá exigir que os navios autorizados a arvorar a sua bandeira tenham a bordo um plano de emergência para incidentes de poluição e deverá exigir que os comandantes, ou outras pessoas encarregadas daqueles navios, sigam, até onde for necessário, os procedimentos de envio de informações. As exigências relativas tanto ao planejamento como aos procedimentos de envio de informações deverão estar de acordo com as disposições aplicáveis das convenções elaboradas na Organização e que tenham entrado em vigor para aquela Parte. Os planos de emergência de bordo para incidentes de poluição para unidades que operam ao largo ( offshore ), inclusive Instalações de Produção Flutuantes e Instalações para Transferência de Óleo para Navios Aliviadores ( offloading ) e Unidades de Armazenamento Flutuantes, deverão estar de acordo com as disposições nacionais e/ou com os sistemas de gerenciamento ambiental da companhia, não se aplicando a elas este artigo. (2) Toda Parte deverá exigir que as autoridades ou os operadores encarregados de portos marítimos e de instalações para manuseio de substâncias potencialmente perigosas e nocivas sob a sua jurisdição tenham, como considerar apropriado, planos de emergência para incidentes de poluição ou medidas semelhantes para substâncias potencialmente perigosas e nocivas, que considerarem apropriados e que sejam coordenados com o sistema nacional estabelecido de acordo com o Artigo 4 e que sejam aprovados de acordo com os procedimentos estabelecidos pela autoridade competente nacional. (3) Quando as autoridades apropriadas de uma Parte tomarem conhecimento de um incidente de poluição deverão informar a outros Estados cujos interesses possam ser afetados por aquele incidente. Artigo 4 Sistemas nacionais e regionais para preparo e resposta (1) Toda Parte deverá estabelecer um sistema nacional para responder pronta e eficazmente a incidentes de poluição. Esse sistema deverá conter, no mínimo: (a) a designação: (i) da autoridade ou autoridades competentes nacionais que sejam responsáveis pelo preparo e pela resposta a incidentes de poluição; (ii) (iii) do ponto ou pontos de contato operacionais nacionais; e de uma autoridade que esteja autorizada a agir em nome do Estado para solicitar ajuda, ou para decidir prestar a ajuda solicitada; - 2 -

3 (b) um plano de contingência nacional para o preparo e resposta que contenha as relações organizacionais dos vários órgãos envolvidos, sejam públicos ou privados, levando em consideração as diretrizes elaboradas pela Organização. (2) Além disto, toda Parte deverá estabelecer, dentro das suas possibilidades, individualmente ou através de uma cooperação bilateral ou multilateral, e, como for adequado, em cooperação com as indústrias de navegação, com as indústrias que lidam com substâncias potencialmente perigosas e nocivas, com as autoridades portuárias e com outras entidades pertinentes: (a) um nível mínimo, proporcional ao risco envolvido, de equipamentos previamente posicionados para responder a incidentes de poluição e programas para a sua utilização; (b) um programa de exercícios para as organizações responsáveis pela resposta a incidentes de poluição e de treinamento do pessoal pertinente; (c) planos detalhados e meios de comunicação para responder a um incidente de poluição. Esses meios deverão estar permanentemente disponíveis; e (d) um mecanismo, ou medida, para coordenar a resposta a um incidente de poluição, com a capacidade de mobilizar os recursos necessários, se for adequado. (3) Toda Parte deverá assegurar que sejam fornecidas à Organização as informações em curso, diretamente ou através da organização ou de medidas regionais, relativas: (a) à localização, aos dados relativos às telecomunicações e, se for aplicável, às áreas de responsabilidade das autoridades e das entidades mencionadas no parágrafo (1)(a); (b) às informações sobre os equipamentos utilizados na resposta e sobre o conhecimento em disciplinas relacionadas com a resposta a incidentes de poluição e a salvamento marítimo que possam ser disponibilizadas para outros Estados, mediante solicitação; e (c) ao seu plano de contingência nacional. Artigo 5 Cooperação internacional na resposta à poluição (1) As Partes concordam que, dependendo da sua capacidade e da disponibilidade de recursos pertinentes, cooperarão e prestarão serviços de assessoria, apoio técnico e equipamentos com a finalidade de responder a um incidente de poluição, quando a gravidade do incidente assim justificar, mediante solicitação de qualquer Parte afetada ou que possa ser afetada. O financiamento dos custos dessa ajuda deverá se basear nas disposições apresentadas no Anexo deste Protocolo. (2) Uma Parte que tenha solicitado ajuda pode pedir à Organização que a ajude a identificar as fontes de financiamento temporário dos custos mencionados no parágrafo (1). (3) De acordo com os acordos internacionais aplicáveis, toda Parte deverá tomar as medidas legais ou administrativas necessárias para facilitar: (a) a chegada e a utilização em seu território, bem como a partida, de navios, aeronaves e outros modos de transporte empregados na resposta a um incidente de poluição ou no transporte de pessoas, cargas, materiais e equipamentos necessários para lidar com aquele incidente; e (b) o movimento rápido para o seu território, e para fora do seu território, das pessoas, cargas, materiais e equipamentos mencionados no subparágrafo (a). Artigo 6 Pesquisa e desenvolvimento (1) As Partes concordam em cooperar, diretamente ou, como for adequado, através da Organização ou de organizações ou de medidas regionais pertinentes, na promoção e no intercâmbio de resultados de pesquisas e de programas de desenvolvimento relativos ao aperfeiçoamento do estado da arte do preparo para incidentes de poluição e da resposta a esses incidentes, inclusive da tecnologia e das técnicas de vigilância, contenção, recuperação, dispersão, - 3 -

4 limpeza e de outras maneiras de minimizar ou atenuar os efeitos de incidentes de poluição, e de restabelecimento das condições anteriores. (2) Com este propósito, as Partes se comprometem a estabelecer, diretamente ou, como for adequado, através da Organização ou de organizações ou medidas regionais pertinentes, as ligações necessárias entre as instituições de pesquisa das Partes. (3) As Partes concordam em cooperar, diretamente ou através da Organização ou de organizações e medidas regionais pertinentes, para promover, como for adequado, a realização, numa base regular, de simpósios internacionais sobre assuntos pertinentes, inclusive sobre os avanços tecnológicos ocorridos em técnicas e em equipamentos para reagir a incidentes de poluição. (4) As Partes concordam em incentivar, através da Organização ou de outras organizações internacionais competentes, a elaboração de normas relativas a técnicas e equipamentos compatíveis para combater a poluição por substâncias potencialmente perigosas e nocivas. Artigo 7 Cooperação técnica (1) As Partes se comprometem a fornecer apoio às Partes que solicitarem assistência técnica, diretamente ou através da Organização e de outros órgãos internacionais, como for adequado, com relação ao preparo e à resposta a incidentes de poluição: (a) para treinar pessoal; (b) para assegurar a disponibilidade de tecnologia, de equipamentos e de instalações pertinentes; (c) para facilitar outras medidas e providências no sentido de se preparar e de responder incidentes de poluição; e (d) para dar início a pesquisas e programas de desenvolvimento conjuntos. (2) As Partes se comprometem a cooperar ativamente, sujeitas às suas leis, regulamentos e políticas nacionais, na transferência de tecnologia com relação ao preparo e respostas a incidentes de poluição. Artigo 8 Promoção de cooperação bilateral e multilateral em preparo e resposta As Partes deverão se empenhar para concluir acordos bilaterais ou multilaterais com relação ao preparo e à resposta a incidentes de poluição. Cópias desses acordos deverão ser enviadas à Organização, que deverá disponibilizá-las às Partes mediante solicitação. Artigo 9 Relação com outras convenções e com outros acordos Nada do contido neste Protocolo deverá ser interpretado como alterando os direitos ou as obrigações de qualquer Parte com base em qualquer outra convenção ou acordo internacional. Artigo 10 Medidas institucionais (1) As Partes designaram a Organização, dependendo da sua concordância e da disponibilidade de recursos adequados para manter a atividade, para realizar as seguintes funções e atividades: (a) serviços de informação: (i) receber, coletar e disseminar, mediante solicitação, as informações fornecidas pelas Partes e as informações pertinentes fornecidas por outras fontes; e (ii) fornecer ajuda para identificar fontes de financiamento temporário dos custos; (b) formação e treinamento: - 4 -

5 (i) promover o treinamento no campo do preparo e resposta a incidentes de poluição; e (ii) promover a realização de simpósios internacionais; (c) serviços técnicos: (i) facilitar a cooperação em pesquisa e desenvolvimento; (ii) fornecer recomendações a Estados que estiverem criando uma capacidade nacional ou regional de reação; e (iii) analisar as informações fornecidas pelas Partes e as informações pertinentes fornecidas por outras fontes e fornecer recomendações ou informações a Estados; (d) assistência técnica: (i) facilitar a prestação de assistência técnica a Estados que estejam criando uma capacidade nacional ou regional de resposta; e (ii) facilitar a prestação de assistência técnica e o fornecimento de recomendações, mediante solicitação, a Estados que estejam enfrentando incidentes de poluição de grandes proporções. (2) Ao realizar as atividades especificadas neste artigo, a Organização deverá se empenhar para fortalecer a capacidade dos Estados se prepararem para incidentes de poluição e para combatê-los, individualmente ou através de medidas regionais, recorrendo à experiência de Estados, a acordos regionais e a medidas tomadas pela indústria, dando uma atenção especial às necessidades dos países em desenvolvimento. (3) O disposto neste artigo deverá ser implementado de acordo com um programa elaborado e mantido em exame pela Organização. Artigo 11 Avaliação do Protocolo As Partes deverão avaliar, dentro da Organização, a eficácia do Protocolo, à luz dos seus objetivos, principalmente em relação aos princípios fundamentais de cooperação e ajuda. Artigo 12 Emendas (1) Este Protocolo pode ser emendado através de um dos procedimentos especificados nos parágrafos seguintes. (2) Emenda após consideração pela Organização: (a) Qualquer emenda ao Protocolo proposta por uma Parte deverá ser submetida à Organização e disseminada pelo Secretário-Geral a todos os Membros da Organização e a todas as Partes, pelo menos seis meses antes da sua consideração. (b) Qualquer emenda proposta e disseminada como mencionado acima deverá ser submetida ao Comitê de Proteção ao Meio Ambiente Marinho da Organização para consideração. (c) As Partes do Protocolo, sejam ou não Membros da Organização, terão o direito de participar dos trabalhos do Comitê de Proteção ao Meio Ambiente Marinho. (d) As emendas serão adotadas por uma maioria de dois terços dos votos, somente das Partes do Protocolo que estavam presentes e que votaram. (e) Se adotadas de acordo com o subparágrafo (d), as emendas deverão ser informadas pelo Secretário-Geral a todas as Partes do Protocolo para aceitação. (f) (i) Uma emenda a um artigo ou ao Anexo do Protocolo será considerada como tendo sido aceita na data em que dois terços das Partes tiverem informado ao Secretário-Geral que a aceitaram. (ii) Uma emenda a um apêndice será considerada como tendo sido aceita ao fim de um período a ser estabelecido no momento da sua adoção pelo Comitê de - 5 -

6 Proteção do Meio Ambiente Marinho, de acordo com o subparágrafo (d), período esse que não deverá ser inferior a dez meses, a menos que dentro desse período seja comunicada uma objeção ao Secretário-Geral por pelo menos um terço das Partes. (g) (i) Uma emenda a um artigo ou ao Anexo do Protocolo, que tenha sido aceita de acordo com o subparágrafo (f)(i), entrará em vigor seis meses após a data em que for considerada como tendo sido aceita em relação às Partes que informaram ao Secretário-Geral que a aceitaram. (ii) Uma emenda a um apêndice, aceita de acordo com o subparágrafo (f)(ii), entrará em vigor seis meses após a data em que for considerada como tendo sido aceita em relação a todas as Partes, exceto àquelas que, antes daquela data, tiverem apresentado objeções a ela. Uma Parte pode retirar a qualquer momento uma objeção informada anteriormente, submetendo ao Secretário- Geral uma notificação a este respeito. (3) Emenda por uma Conferência: (a) Mediante solicitação de uma Parte, apoiada por pelo menos um terço das Partes, o Secretário-Geral convocará uma Conferência de Partes do Protocolo para analisar emendas ao Protocolo. (b) Uma emenda adotada por tal Conferência por uma maioria de dois terços das Partes que estavam presentes e que votaram deverá ser informada pelo Secretário-Geral a todas as Partes para a sua aceitação. (c) A menos que a Conferência decida em contrário, a emenda será considerada como tendo sido aceita e entrará em vigor de acordo com os procedimentos especificados no parágrafo (2)(f) e (g). (4) A adoção e a entrada em vigor de uma emenda que constitua um acréscimo de um Anexo ou de um apêndice deverão ser submetidas ao procedimento aplicável a uma emenda ao Anexo. (5) Qualquer Parte que: (a) não tiver aceitado uma emenda a um artigo ou ao Anexo de acordo com o parágrafo (2)(f)(i); ou (b) não tiver aceitado uma emenda que constitua um acréscimo de um Anexo ou de um apêndice de acordo com o parágrafo (4); ou (c) tiver comunicado uma objeção a uma emenda a um apêndice de acordo com o parágrafo (2)(f)(ii) será tratada como não Parte, somente para o efeito da aplicação daquela emenda. Esse tratamento cessará no momento da submissão de uma notificação de aceitação de acordo com o parágrafo (2)(f)(i), ou da retirada da objeção de acordo com o parágrafo (2)(g)(ii). (6) O Secretário-Geral deverá informar a todas as Partes qualquer emenda que entre em vigor de acordo com este artigo, juntamente com a data em que a emenda entra em vigor. (7) Qualquer notificação de aceitação, de objeção ou de retirada de objeção a uma emenda, feita de acordo com este artigo, deverá ser comunicada por escrito ao Secretário-Geral, que deverá informar às Partes aquela notificação e a data do seu recebimento. (8) Um apêndice do Protocolo só deverá conter disposições de natureza técnica. Artigo 13 Assinatura, ratificação, aceitação, aprovação e adesão (1) Este Protocolo permanecerá aberto para assinatura na Sede da Organização de 15 de março de 2000 até 14 de março de 2001 e, a partir daí, continuará aberto para adesão. Qualquer Estado Parte da Convenção OPRC pode tornar-se Parte deste Protocolo através: (a) da assinatura sem reservas quanto à ratificação, aceitação ou aprovação, ou (b) da assinatura sujeita a ratificação, aceitação ou aprovação, seguida de ratificação, aceitação ou aprovação; ou - 6 -

7 (c) adesão. (2) A ratificação, aceitação, aprovação ou adesão deverá ser feita através do depósito de um instrumento com essa finalidade com o Secretário-Geral. Artigo 14 Estados com mais de um sistema de leis (1) Se um Estado Parte da Convenção OPRC for constituído de duas ou mais unidades territoriais nas quais diferentes sistemas de leis sejam aplicáveis em relação a questões tratadas neste Protocolo, ele pode, no momento da assinatura, ratificação, aceitação, aprovação ou adesão, declarar que este Protocolo se estenderá a todas as suas unidades territoriais, ou a apenas a uma ou mais delas às quais tenha sido estendida a aplicação da Convenção OPRC, e pode alterar essa declaração submetendo a qualquer momento uma outra declaração. (2) Qualquer declaração dessas deverá ser notificada por escrito ao depositário, e deverá informar expressamente a unidade ou unidades territoriais às quais deverá ser estendida a aplicação do Protocolo e a data em que essa extensão entra em vigor. Artigo 15 Entrada em Vigor (1) Este Protocolo entrará em vigor doze meses após a data em que pelo menos quinze Estados o tiverem assinado sem reservas quanto à ratificação, aceitação ou aprovação, ou tenham depositado os instrumentos de ratificação, aceitação, aprovação ou adesão exigidos de acordo com o Artigo 13. (2) Para os Estados que tiverem depositado um instrumento de ratificação,aceitação, aprovação ou adesão com relação a este Protocolo após terem sido atendidas as exigências para a sua entrada em vigor, mas antes da data de entrada em vigor, a ratificação, aceitação, aprovação ou adesão surtirá efeito na data de entrada em vigor deste Protocolo, ou três meses após a data do depósito do instrumento, o que ocorrer depois. (3) Para os Estados que tiverem depositado um instrumento de ratificação, aceitação, aprovação ou adesão após a data em que este Protocolo tiver entrado em vigor, este Protocolo se tornará eficaz três meses após a data do depósito do instrumento. (4) Após a data em que uma emenda a este Protocolo for considerada como tendo sido aceita de acordo com o Artigo 12, qualquer instrumento de ratificação, aceitação, aprovação ou adesão que tiver sido depositado deverá se aplicar a este Protocolo como emendado. Artigo 16 Denúncia (1) Este Protocolo pode ser denunciado por qualquer Parte, a qualquer momento após transcorridos cinco anos da data em que entrar em vigor para aquela Parte. (2) A denúncia deverá ser feita através de uma notificação por escrito ao Secretário-Geral. (3) Uma denúncia surtirá efeito doze meses após o recebimento pelo Secretário-Geral da notificação de denúncia, ou após transcorrido qualquer período mais longo que possa estar indicado na notificação. (4) Uma Parte que denunciar a Convenção OPRC denuncia também, automaticamente, o Protocolo. Artigo 17 Depositário (1) Este Protocolo deverá ficar depositado com o Secretário-Geral. (2) O Secretário-Geral deverá: - 7 -

8 (a) informar a todos os Estados que tiverem assinado este Protocolo ou aderido a ele: (i) cada nova assinatura ou depósito de um instrumento de ratificação, aceitação, aprovação ou adesão, juntamente com a data daquela assinatura ou daquele depósito; (ii) qualquer declaração feita de acordo com o Artigo 14; (iii) a data de entrada em vigor deste Protocolo; e (iii) o depósito de qualquer instrumento de denúncia deste Protocolo, juntamente com a data em que foi recebido e a data em que a denúncia surte efeito; (b) transmitir cópias autenticadas deste Protocolo aos Governos de todos os Estados que o tiverem assinado ou aderido a ele. (3) Assim que o Protocolo entrar em vigor, deverá ser transmitida pelo depositário uma cópia autenticada ao Secretário-Geral das Nações Unidas para registro e publicação de acordo com o Artigo 102 da Carta das Nações Unidas. Artigo 18 Idiomas Este Protocolo foi elaborado num único original, nos idiomas árabe, chinês, inglês, francês, russo e espanhol, sendo cada texto igualmente autêntico. EM TESTEMUNHO DO QUE, os abaixo assinados *, estando devidamente autorizados por seus respectivos Governos para este fim, assinaram este Protocolo. ELABORADO EM Londres, neste décimo quinto dia de março de dois mil. * Assinaturas não reproduzidas

9 ANEXO REEMBOLSO DE CUSTOS DE AJUDA (1) (a) A menos que antes do acidente de poluição tenha sido concluído, numa base bilateral ou multilateral, um acordo referente a medidas financeiras para regular as ações das Partes para lidar com incidentes de poluição, as Partes deverão arcar com os custos das respectivas ações para lidar com a poluição, de acordo com o subparágrafo (i) ou (ii). (i) Se a ação foi realizada por uma Parte mediante solicitação expressa de outra Parte, a Parte solicitante deverá reembolsar à Parte que prestou a ajuda os custos da sua ação. A Parte solicitante pode cancelar a qualquer momento a sua solicitação, mas neste caso deverá arcar com os custos já feitos ou empenhados pela Parte que estava prestando a ajuda. (ii) Se a ação for realizada por uma Parte por sua própria iniciativa, essa Parte deverá arcar com os custos da sua ação. (b) Os princípios estabelecidos no subparágrafo (a) deverão ser aplicados, a menos que em qualquer caso isolado as Partes envolvidas concordem de outra maneira. (2) A menos que acordado de outra maneira, os custos da ação realizada por uma Parte mediante solicitação de outra Parte deverão ser calculados de maneira justa, de acordo com a legislação e com a prática usual da Parte que prestou a ajuda, com relação ao reembolso daqueles custos. (3) A Parte que solicitar ajuda e a Parte que prestar essa ajuda deverão, quando for adequado, cooperar para concluir qualquer ação em resposta a um pedido de compensação. Com esta finalidade, deverão levar na devida consideração os regimes legais existentes. Quando a ação assim concluída não permitir uma compensação total pelas despesas realizadas na operação de ajuda, a Parte solicitante pode pedir à Parte que a ajudou que abra mão do reembolso das despesas superiores à soma das compensações, ou que reduza os custos que tiverem sido calculados de acordo com o parágrafo (2). Ela pode pedir também um adiamento do reembolso daqueles custos. Ao considerar esse pedido, as Partes que prestaram ajuda deverão levar na devida consideração as necessidades dos países em desenvolvimento. (4) O disposto neste Protocolo não deverá ser interpretado como prejudicando de qualquer maneira os direitos das Partes de recuperar de terceiras partes os custos das ações realizadas para lidar com a poluição, ou com a ameaça de poluição, de acordo com as disposições aplicáveis e com as leis nacionais e internacionais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 43, DE 29 DE MAIO DE 1998

DECRETO LEGISLATIVO Nº 43, DE 29 DE MAIO DE 1998 DECRETO LEGISLATIVO Nº 43, DE 29 DE MAIO DE 1998 Aprova o texto da Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em Caso de Poluição por Óleo, 1990, concluída em Londres, em 30 de novembro

Leia mais

ANEXO CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A PREVENÇÃO, ACTUAÇÃO E COOPERAÇÃO NO COMBATE À POLUIÇÃO POR HIDROCARBONETOS, DE 1990.

ANEXO CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A PREVENÇÃO, ACTUAÇÃO E COOPERAÇÃO NO COMBATE À POLUIÇÃO POR HIDROCARBONETOS, DE 1990. Decreto n.º 8/2006 Aprova a Convenção Internacional sobre a Prevenção, Actuação e Cooperação no Combate à Poluição por Hidrocarbonetos (OPRC 90), adoptada em 30 de Novembro de 1990 A Convenção Internacional

Leia mais

Promulga a Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em Caso de Poluição por Óleo, assinada em Londres, em 30 de novembro de 1990

Promulga a Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em Caso de Poluição por Óleo, assinada em Londres, em 30 de novembro de 1990 Página 1 DECRETO Nº 2.870, de 10 de dezembro de 1998 Promulga a Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em Caso de Poluição por Óleo, assinada em Londres, em 30 de novembro de 1990

Leia mais

CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR NAVIOS, 1973

CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR NAVIOS, 1973 CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR NAVIOS, 1973 AS PARTES DA CONVENÇÃO: ESTANDO CIENTES da necessidade de preservar o meio ambiente humano de uma maneira geral e o meio ambiente marinho

Leia mais

Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares

Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Manutenção da Paz Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares Conclusão e assinatura: 01 de julho de 1968 Entrada em vigor: No Brasil: Aprovação:

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Os Estados Partes do presente Protocolo, Observando que na Carta das Nações Unidas se reafirma a

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A JURISDIÇÃO, LEI APLICÁVEL E RECONHECIMENTO DE DECISÕES EM MATÉRIA DE ADOÇÃO (Concluída em 15 de novembro de 1965) (Conforme o seu artigo 23, esta Convenção teve vigência limitada até

Leia mais

1 - Aprovar, para ratificação, a Convenção sobre Assistência em Caso de Acidente Nuclear ou de Emergência Radiológica, adoptada pela

1 - Aprovar, para ratificação, a Convenção sobre Assistência em Caso de Acidente Nuclear ou de Emergência Radiológica, adoptada pela Resolução da Assembleia da República n.º 72/2003 Convenção sobre Assistência em Caso de Acidente Nuclear ou Emergência Radiológica, adoptada pela Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atómica,

Leia mais

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares MATERIAL DE APOIO MONITORIA Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas

Leia mais

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL PELOS PREJUÍZOS POR POLUIÇÃO CAUSADA POR COMBUSTÍVEL DE BANCAS, 2001

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL PELOS PREJUÍZOS POR POLUIÇÃO CAUSADA POR COMBUSTÍVEL DE BANCAS, 2001 CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL PELOS PREJUÍZOS POR POLUIÇÃO CAUSADA POR COMBUSTÍVEL DE BANCAS, 2001 Os Estados Partes nesta Convenção, RELEMBRANDO o artigo 194.º da Convenção das

Leia mais

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos 1 CONVENÇÃO N. 170 Segurança no Trabalho com Produtos Químicos I Aprovada na 77a reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1990), entrou em vigor no plano internacional em 4.11.83. II Dados

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL. PARTE I Propósitos da Organização

CONVENÇÃO SOBRE A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL. PARTE I Propósitos da Organização --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- ADVERTÊNCIA O presente texto é uma

Leia mais

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE SALVAMENTO MARÍTIMO, 1989

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE SALVAMENTO MARÍTIMO, 1989 CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE SALVAMENTO MARÍTIMO, 1989 OS ESTADOS PARTES DA PRESENTE CONVENÇÃO, RECONHECENDO desejável o estabelecimento, por acordo, de regras internacionais uniformes relativas às operações

Leia mais

MEIO AMBIENTE DE TRABALHO (RUÍDO E VIBRAÇÕES)

MEIO AMBIENTE DE TRABALHO (RUÍDO E VIBRAÇÕES) Convenção 148 MEIO AMBIENTE DE TRABALHO (RUÍDO E VIBRAÇÕES) A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho convocada em Genebra pelo Conselho de Administração do Departamento Internacional

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO Emendas de 2014 à Convenção do Trabalho Marítimo, 2006 Aprovada pela Conferência na sua centésima trigésima sessão, Genebra, 11 de junho de 2014 Tradução não oficial

Leia mais

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovada,

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

a) garantindo que todos os produtos químicos sejam avaliados com o fim de determinar o perigo que apresentam;

a) garantindo que todos os produtos químicos sejam avaliados com o fim de determinar o perigo que apresentam; Convenção 170 PRODUTOS QUÍMICOS A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho convocada em Genebra pelo Conselho da Administração do Departamento Internacional do Trabalho, e congregada

Leia mais

PROTOCOLO DE 1967 RELATIVO AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS 1

PROTOCOLO DE 1967 RELATIVO AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS 1 PROTOCOLO DE 1967 RELATIVO AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS 1 Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que a Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados assinada em Genebra, em 28 de julho de

Leia mais

II. PROTEÇÃO DE VÍTIMAS DE TRÁFICO DE PESSOAS

II. PROTEÇÃO DE VÍTIMAS DE TRÁFICO DE PESSOAS a) a expressão tráfico de pessoas significa o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de pessoas, recorrendo à ameaça ou uso da força ou a outras formas de coação, ao

Leia mais

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil,

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil, Página 1 DECRETO Nº 93.413, de 15 de outubro de 1986 Promulga a Convenção nº 148 sobre a Proteção dos Trabalhadores Contra os Riscos Profissionais Devidos à Contaminação do Ar, ao Ruído e às Vibrações

Leia mais

MARPOL 73/78 ANEXO III REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS DANOSAS TRANSPORTADAS POR MAR SOB A FORMA DE EMBALAGENS

MARPOL 73/78 ANEXO III REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS DANOSAS TRANSPORTADAS POR MAR SOB A FORMA DE EMBALAGENS MARPOL 73/78 ANEXO III REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS DANOSAS TRANSPORTADAS POR MAR SOB A FORMA DE EMBALAGENS Regra 1 Aplicação 1 A menos que expressamente disposto em contrário, as

Leia mais

MARPOL 73/78 ANEXO III REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS DANOSAS TRANSPORTADAS POR MAR SOB A FORMA DE EMBALAGENS

MARPOL 73/78 ANEXO III REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS DANOSAS TRANSPORTADAS POR MAR SOB A FORMA DE EMBALAGENS MARPOL 73/78 ANEXO III REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS DANOSAS TRANSPORTADAS POR MAR SOB A FORMA DE EMBALAGENS Regra 1 Aplicação 1 A menos que expressamente disposto em contrário, as

Leia mais

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito Internacional Penal Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Conclusão e assinatura: Nova Iorque EUA, 09 de dezembro de

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

27 a CONFERÊNCIA SANITÁRIA PAN-AMERICANA 59 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

27 a CONFERÊNCIA SANITÁRIA PAN-AMERICANA 59 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 27 a CONFERÊNCIA SANITÁRIA PAN-AMERICANA 59 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 1-5 de outubro de 2007 Tema 4.7 da agenda

Leia mais

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências;

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências; CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO CONTRA AS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA (CONVENÇÃO DA GUATEMALA), de 28 de maio de 1999 Os Estados Partes nesta Convenção,

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO *

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * Aprovada e proposta para assinatura e ratificação ou adesão pela resolução 260 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 9 de Dezembro

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

Decreto nº 77.374, de 01.04.76

Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Promulga a Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento, Produção e Estocagem de Armas Bacteriológicas (Biológicas) e à Base de toxinas e sua Destruição. O PRESIDENTE DA

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Convenção sobre Prevenção da Poluição Marinha por Alijamento de Resíduos e outras Matérias (LONDON CONVENTION) (LC-72)

Convenção sobre Prevenção da Poluição Marinha por Alijamento de Resíduos e outras Matérias (LONDON CONVENTION) (LC-72) Convenção sobre Prevenção da Poluição Marinha por Alijamento de Resíduos e outras Matérias (LONDON CONVENTION) (LC-72) DECRETO N 87.566, DE 16 DE SETEMBRO DE 1982. Promulga o texto da Convenção sobre Prevenção

Leia mais

Contaminação do Ar, Ruído e Vibrações

Contaminação do Ar, Ruído e Vibrações 1 CONVENÇÃO N. 148 Contaminação do Ar, Ruído e Vibrações I Aprovada na 63ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1977), entrou em vigor no plano internacional em 11.7.79. II Dados referentes

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR ACORDO INTERGOVERNAMENTAL SOBRE A REDE TRANSAFRICANA DE AUTOESTRADAS

VERSÃO PRELIMINAR ACORDO INTERGOVERNAMENTAL SOBRE A REDE TRANSAFRICANA DE AUTOESTRADAS VERSÃO PRELIMINAR ACORDO INTERGOVERNAMENTAL SOBRE A REDE TRANSAFRICANA DE AUTOESTRADAS ACORDO INTERGOVERNAMENTAL SOBRE A REDE TRANSAFRICANA DE AUTOESTRADAS PREÂMBULO Considerando o Ato Constitutivo da

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 348, DE 2007 (MENSAGEM N o 437, de 2006) Aprova o texto consolidado da Convenção Internacional para a Prevenção

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China 26. CONVENÇÃO SOBRE A CELEBRAÇÃO E O RECONHECIMENTO DA VALIDADE DOS CASAMENTOS (concluída em 14 de março de 1978) Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar a celebração de casamentos

Leia mais

CONVENÇÃO PARA A REDUÇÃO DOS CASOS DE APATRIDIA

CONVENÇÃO PARA A REDUÇÃO DOS CASOS DE APATRIDIA CONVENÇÃO PARA A REDUÇÃO DOS CASOS DE APATRIDIA Feita em Nova York, em 30 de agosto de 1961 Entrada em vigor: 13 de dezembro de 1975, em conformidade com o Artigo 18 Texto: Documento das Nações Unidas

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China 15. CONVENÇÃO SOBRE A ESCOLHA DO FORO (celebrada em 25 de novembro de 1965) Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer previsões comuns sobre a validade e efeitos de acordos sobre

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO Os Estados Partes nesta Convenção, Tendo presente os propósitos e princípios da Carta da Organização dos Estados Americanos e da Carta das Nações Unidas; Considerando

Leia mais

Para ser presente á Assembleia Nacional.

Para ser presente á Assembleia Nacional. Decreto-Lei n.º 286/71 Tratado sobre os Princípios Que Regem as Actividades dos Estados na Exploração e Utilização do Espaço Exterior, Incluindo a Lua e Outros Corpos Celestes, assinado em Washington,

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

Convenção Internacional sobre Padrões de Instrução, Certificação e Serviço de Quarto para Marítimos, 1978

Convenção Internacional sobre Padrões de Instrução, Certificação e Serviço de Quarto para Marítimos, 1978 Convenção Internacional sobre Padrões de Instrução, Certificação e Serviço de Quarto para Marítimos, 1978 AS PARTES DESTA CONVENÇÃO, DESEJANDO promover a segurança da vida humana e da propriedade no mar,

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP

Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP A República de Angola, a República Federativa do Brasil, a República de Cabo Verde, a República da Guiné-Bissau,

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Decreto Nº 5.705, de 16.02.2006

Decreto Nº 5.705, de 16.02.2006 Decreto Nº 5.705, de 16.02.2006 Promulga o Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança da Convenção sobre Diversidade Biológica. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China 25. CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL PARA REGIMES DE BENS MATRIMONIAIS (celebrada em 14 de março de 1978) Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer previsões comuns concernente

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

PROTOCOLO referente ao Acordo de Madri relativo ao Registro Internacional de Marcas adotado em Madri em 27 de Junho de 1989 *

PROTOCOLO referente ao Acordo de Madri relativo ao Registro Internacional de Marcas adotado em Madri em 27 de Junho de 1989 * PROTOCOLO referente ao Acordo de Madri relativo ao Registro Internacional de Marcas adotado em Madri em 27 de Junho de 1989 * Artigo 1º - Membros da União de Madri Os Estados partes do presente Protocolo

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho de Administração

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 20

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 20 CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 20 MANEJO AMBIENTALMENTE SAUDÁVEL DOS RESÍDUOS PERIGOSOS, INCLUINDO A PREVENÇÃO DO TRÁFICO INTERNACIONAL ILÍCITO DE RESÍDUOS

Leia mais

Ap r e s e n ta ç ã o

Ap r e s e n ta ç ã o Brasília, 2009 1 Ap r e s e n ta ç ã o Convenção de Roterdã sobre o Procedimento de Consentimento Prévio Informado (PIC) Aplicado a Certos Agrotóxicos e Substâncias Químicas Perigosas Objeto de Comércio

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

Promulga o Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra o. Crime Organizado Transnacional Relativo à Prevenção, Repressão e Punição

Promulga o Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra o. Crime Organizado Transnacional Relativo à Prevenção, Repressão e Punição D5017 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.017, DE 12 DE MARÇO DE 2004. Promulga o Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo do Reino Tailândia (doravante denominadas Partes Contratantes ),

O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo do Reino Tailândia (doravante denominadas Partes Contratantes ), ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DO REINO DA TAILÂNDIA SOBRE COOPERAÇÃO TÉCNICA EM MEDIDAS SANITÁRIAS E FITOSSANITÁRIAS O Governo da República Federativa do Brasil e

Leia mais

Protocolo de 1992 à Convenção Internacional sobre Responsabilidade Civil pelos Prejuízos Devidos à Poluição por Hidrocarbonetos, 1969.

Protocolo de 1992 à Convenção Internacional sobre Responsabilidade Civil pelos Prejuízos Devidos à Poluição por Hidrocarbonetos, 1969. Decreto n.º 40/2001 Protocolo de 1992 relativo à Convenção Internacional sobre a Responsabilidade Civil pelos Prejuízos Devidos à Poluição por Hidrocarbonetos, de 1969, passando a constituir a Convenção

Leia mais

Os Estados Partes no presente Protocolo:

Os Estados Partes no presente Protocolo: Resolução da Assembleia da República n.º 32/98 Protocolo de 1988 para a Repressão de Actos Ilícitos de Violência nos Aeroportos ao Serviço da Aviação Civil Internacional, complementar à Convenção para

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A REPÚBLICA DA TUNÍSIA

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A REPÚBLICA DA TUNÍSIA CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA TUNÍSIA DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA DEFESA A República Portuguesa e a República da Tunísia, doravante designadas conjuntamente por "Partes" e separadamente

Leia mais

Decreto n.º 588/76 Tratado de não Proliferação das Armas Nucleares, assinado em Londres, Moscovo e Washington

Decreto n.º 588/76 Tratado de não Proliferação das Armas Nucleares, assinado em Londres, Moscovo e Washington Decreto n.º 588/76 Tratado de não Proliferação das Armas Nucleares, assinado em Londres, Moscovo e Washington Usando da faculdade conferida pelo artigo 3.º, n.º 1, alínea 3), da Lei Constitucional n.º

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA A República Federativa do Brasil e Os Estados Unidos da América (doravantedenominados, individualmente,

Leia mais

PROTOCOLO DE CARTAGENA SOBRE BIOSSEGURANÇA DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA

PROTOCOLO DE CARTAGENA SOBRE BIOSSEGURANÇA DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA PROTOCOLO DE CARTAGENA SOBRE BIOSSEGURANÇA DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA As Partes do presente Protocolo, Sendo Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica, doravante denominada "a Convenção",

Leia mais

Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados

Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito dos Tratados Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados Conclusão e assinatura: Viena Áustria, 23 de agosto de 1978

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores 10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns relativas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.007, DE 8 DE MARÇO DE 2004. Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança referente à venda

Leia mais

CONVENÇÃO DE BASILEIA E CONTROLO DE MOVIMENTOS TRANSFRONTEIRIÇOS DE RESÍDUOS PERIGOSOS E SUA ELIMINAÇÃO. Introdução

CONVENÇÃO DE BASILEIA E CONTROLO DE MOVIMENTOS TRANSFRONTEIRIÇOS DE RESÍDUOS PERIGOSOS E SUA ELIMINAÇÃO. Introdução CONVENÇÃO DE BASILEIA E CONTROLO DE MOVIMENTOS TRANSFRONTEIRIÇOS DE RESÍDUOS PERIGOSOS E SUA ELIMINAÇÃO Introdução As Partes desta Convenção: Conscientes do prejuízo causado à saúde humana e ao ambiente

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2014.1 MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I DISCIPLINA: ÉTICA E RELAÇÕES DE CIDADANIA PROFESSOR/TUTOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL 2014.1 MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I DISCIPLINA: ÉTICA E RELAÇÕES DE CIDADANIA PROFESSOR/TUTOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL 2014.1 MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I DISCIPLINA: ÉTICA E RELAÇÕES DE CIDADANIA PROFESSOR/TUTOR: EDUARDO PACHECO DECRETO Nº 5.017, DE 12 DE MARÇO DE 2004. Promulga o Protocolo Adicional

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76 Acordo Marítimo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Francesa Assinado em 24 de outubro de 1975 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid INTRODUÇÃO A Convenção Apartheid foi aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1973, mas com um grande número de abstenções por

Leia mais

Acordo sobre o Aquífero Guarani

Acordo sobre o Aquífero Guarani Acordo sobre o Aquífero Guarani A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Animados pelo espírito de cooperação e de integração

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA Convenção 135 SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho

Leia mais

PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO CONTRA A TORTURA E OUTROS TRATAMENTOS OU PENAS CRUÉIS, DESUMANOS OU DEGRADANTES *

PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO CONTRA A TORTURA E OUTROS TRATAMENTOS OU PENAS CRUÉIS, DESUMANOS OU DEGRADANTES * PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO CONTRA A TORTURA E OUTROS TRATAMENTOS OU PENAS CRUÉIS, DESUMANOS OU DEGRADANTES * PREÂMBULO Os Estados-Partes do presente Protocolo, Reafirmando que a tortura e outros

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 7.4.2015 COM(2015) 150 final 2015/0075 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura, em nome da União Europeia, do Protocolo de Alteração do Acordo entre a Comunidade

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERA- CIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR ANTECEDENTES A Organização de Aviação Civil Internacional

Leia mais

Tendo em vista a resolução sobre a eliminação do trabalho infantil adotada pela Conferência Internacinal do Trabalho, em sua 83 a Reunião, em 1996;

Tendo em vista a resolução sobre a eliminação do trabalho infantil adotada pela Conferência Internacinal do Trabalho, em sua 83 a Reunião, em 1996; CONVENÇÃO Nª 182 CONVENÇÃO SOBRE PROIBIÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL E AÇÃO IMEDIATA PARA SUA ELIMINAÇÃO Aprovadas em 17/06/1999. No Brasil, promulgada pelo Decreto 3597de 12/09/2000. A Conferência

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONVENÇÃO 184. Segurança e Saúde na Agricultura

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONVENÇÃO 184. Segurança e Saúde na Agricultura CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONVENÇÃO 184 Segurança e Saúde na Agricultura Genebra, 2001 Convenção 184 CONVENÇÃO SOBRE SEGURANÇA E SAÚDE NA AGRICULTURA A Conferência Geral da Organização Internacional

Leia mais

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação 27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação Os Estados signatários da presente Convenção: Desejosos de estabelecer disposições comuns sobre a lei aplicável aos

Leia mais

Proteção à Saúde e Assistência Médica aos Trabalhadores Marítimos

Proteção à Saúde e Assistência Médica aos Trabalhadores Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 164 Proteção à Saúde e Assistência Médica aos Trabalhadores Marítimos I Aprovada na 74ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1987), entrou em vigor no plano internacional

Leia mais

IMO ADOÇÃO DO ATO FINAL E OUTROS INSTRUMENTOS, RECOMENDAÇÕES E RESOLUÇÕES RESULTANTES DO TRABALHO DA CONFERÊNCIA

IMO ADOÇÃO DO ATO FINAL E OUTROS INSTRUMENTOS, RECOMENDAÇÕES E RESOLUÇÕES RESULTANTES DO TRABALHO DA CONFERÊNCIA Anexo A(26), do Of. 25/2007, da Sec-IMO ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL IMO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE CONTROLE DE SISTEMAS ANTIINCRUSTANTES DANOSOS EM NAVIOS AFS/CONF/26 18 de outubro de 2001

Leia mais

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países,

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países, Acordo sobre Navegação Marítima Comercial entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da Bulgária Assinado em 19 de agosto de 1982 Aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

Roterdã, 10 e 11 de setembro de 1998.

Roterdã, 10 e 11 de setembro de 1998. CONFERÊNCIA DE PLENIPOTENCIÁRIOS EM TORNO DA CONVENÇÃO SOBRE O PROCEDIMENTO DE CONSENTIMENTO PRÉVIO INFORMADO PARA O COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CERTOS PRODUTOS QUÍMICOS E PESTICIDAS PERIGOSOS Roterdã, 10

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 3.087, DE 21 DE JUNHO DE 1999. Promulga a Convenção Relativa à Proteção das Crianças e à Cooperação em Matéria de Adoção

Leia mais

SOBRE A PROTEÇÃO DO DIREITO DE SINDICALIZAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA DEFINIR AS CONDIÇÕES DE EMPREGO NO SERVIÇO PÚBLICO*

SOBRE A PROTEÇÃO DO DIREITO DE SINDICALIZAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA DEFINIR AS CONDIÇÕES DE EMPREGO NO SERVIÇO PÚBLICO* Convenção 151 SOBRE A PROTEÇÃO DO DIREITO DE SINDICALIZAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA DEFINIR AS CONDIÇÕES DE EMPREGO NO SERVIÇO PÚBLICO* A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional.

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional. Acordo sobre Transportes Marítimos entre a República Federativa do Brasil e a República Argentina Assinado em 15 de agosto de 1985, em Buenos Aires. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR UMA ABORDAGEM DO SETOR PARA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SOBRE DETERMINAÇÃO, AVALIAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL E SOCIAL EM FINANCIAMENTO DE PROJETOS Florianópolis Junho/2004

Leia mais

ACORDO SOBRE O PROJETO DE FOMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

ACORDO SOBRE O PROJETO DE FOMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 03/02 ACORDO SOBRE O PROJETO DE FOMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a

Leia mais