Avaliação da qualidade nutricional de soja em Mato Grosso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação da qualidade nutricional de soja em Mato Grosso"

Transcrição

1 Avaliação da qualidade nutricional de soja em Mato Grosso Francisca Gabriela Moreira Lustosa Teixeira 1, Aline Lehmkuhl 2, Maria Aparecida Braga Caneppele Estudante de Graduação em Agronomia na Universidade Federal de Matos Grosso. 2 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Agricultura Tropical na Universidade Federeal de Mato Grosso. 3 Professora Doutora Universidade Federeal de Mato Grosso. (Orientadora) Resumo Avaliou-se qualidade nutricional da soja produzida em Mato Grosso safra 2008/09. As cultivares Pintado, Monsoy 8757, Monsoy 8866 e TMG 103, foram colhidas nas regiões Norte, Sul, Leste e Oeste do Estado. Determinou-se: proteína, extrato etéreo e acidez. Em análise por cultivar, na cultivar Monsoy 8757 observou-se maiores teores de óleo (24,65%); proteína (41,40%) e acidez (1,20 Meq NaOH 01N/100 g). A cultivar Monsoy 8866 apresentou maior percentual de grãos avariados em todas as regiões.verificou-se relação entre grãos mofados, ardidos e fermentados com a elevação do teor de acidez. Palavras-chave: qualidade; grãos avariados. Introdução A soja (Glycine max), leguminosa pertencente à família Fabaceae, é originária da China. Chegou ao Brasil via Estados Unidos, em 1882 e já em 1966, a sua produção comercial passou a ser uma necessidade estratégica, cuja produção atingiu cerca de 500 mil toneladas no Brasil. Em meados de 1970, houve grande alta do preço da soja no mercado mundial, o que despertou os agricultores e o governo brasileiro para incentivos de recursos na cultura. Os investimentos em pesquisa genética levaram à tropicalização da espécie, permitindo que o grão fosse semeado com sucesso em regiões de baixas latitudes, entre o trópico de capricórnio e a linha do equador (Embrapa, 2009). O Brasil é o segundo maior produtor mundial de soja. Na safra 2008/09, a cultura ocupou uma área de 21,7 milhões de hectares, o que totalizou uma produção de 57,1 milhões de toneladas (Conab, 2009). 655

2 A qualidade da soja está ligada diretamente a um bom manejo no período que antecede a colheita até o armazenamento, o que permite que o nosso produto seja inserido em mercados cada vez mais exigentes em padrões. A qualidade da soja é o somatório de todos os fatores desde o plantio até a expedição e é determinada no momento da entrega através da avaliação de fatores de qualidade: físicos, sanitários e nutricionais que refletem no valor do grão de soja para o seu uso final. O conhecimento das características físicas dos produtos agrícolas e de seus princípios tem grande importância para o armazenamento seguro e a comercialização justa. Para que esse processo seja eficiente, é fundamental que os produtores e sua equipe estejam capacitados sobre a armazenagem e classificação de produtos agrícolas, para evitar perdas e descontos no momento da expedição de seus produtos. Material e métodos Esta pesquisa fez parte de uma parceria entre o Núcleo de Tecnologia em Armazenagem da Universidade Federal de Mato Grosso NTA/UFMT e a Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso - APROSOJA/MT. As amostras de soja foram recebidas de diferentes produtores de todas as regiões do estado de Mato Grosso. Teve como objetivo, fazer um levantamento da qualidade da soja produzida no Estado de Mato Grosso e mapear as áreas conforme o teor de óleo, proteína bruta e acidez. A área experimental da pesquisa foi constituída das quatro regiões do estado do Mato Grosso (Norte, Sul, Leste e Oeste), no qual foram amostradas propriedades localizadas em municípios provenientes de cada região, durante a safra 2008/2009, para o acompanhamento da qualidade física e nutricional dos grãos de soja de quatro cultivares, sendo elas Monsoy 8757, Monsoy 8866, Pintado e TMG 103 (Tabela 1). Qualidade nutricional Para a realização das análises químicas foram determinados os teores de proteína, extrato etéreo e a massa da matéria seca com base nos Métodos Analíticos de Controle de Alimentos para uso Animal (IAL, 1985). As amostras foram trituradas em moinho elétrico, homogeneizadas e divididas em duas subamostras para cada determinação. Determinação da proteína bruta: A proteína bruta foi calculada a partir da determinação do nitrogênio total pelo método Kjeldahl, utilizando o processo semimicro Kjedahl, em duas subamostras de 0,2 g do produto moído e seco (Silva, 2002; IAL, 1985). Determinação de extrato etéreo: Baseado na fração gordurosa e demais substâncias solúveis por meio de arraste por solvente. Foram pesadas, para cada amostra encaminhada, duas subamostras de 2 g, transferidas para cartucho extrator preparado com papel de filtro e secas a 105 o C por duas horas. Os cartuchos, após secagem, foram introduzidos no extrator do tipo Goldfisch (IAL, 656

3 1985). O resultado foi expresso em percentagem. Determinação de acidez: Determinada através de titulação com NaOH utilizando como indicador a fenolftaleína, empregando a metodologia do Instituto Adolfo Lutz (IAL, 1985) e o resultado expresso em Meq NaOH 01N/100 g. Dados climáticos: As amostras foram agrupadas de acordo com a unidade climática a qual pertencia, as médias dos fatores de qualidade (de avariados, picados, extrato etéreo, proteína e acidez) das unidades climáticas, foram comparadas através do teste de Tukey ao nível de 5% de probabilidade, utilizando o programa estatístico SISVAR 5.0 (Figura 1). O experimento foi instalado em delineamento inteiramente casualizado Os dados foram submetidos à análise de variância, Teste F e as médias comparadas pelo Teste Tukey a o nível de 5% de probabilidade. Tabela 1. amostras encaminhadas, por município, de cada cultivar, safra 2008/2009. Regiões Município Pintado TMG 103 Monsoy 8757 Monsoy 8866 Norte Ipiranga do Norte Lucas do Rio Verde Tapurah Vera Sul Itiquira Jaciara Santo Antônio do Leverger Oeste Campo Novo do Parecis Campos de Júlio Diamantino Sapezal Leste Canarana Gaúcha do Norte Querência Nova Xavantina Total 37 com repetições = Resultados e discussão Comparação da qualidade nutricional entre os municípios Verificou-se que a percentagem de grãos avariados não está diretamente relacionada com o teor de água. O grão de soja pode sofrer grandes alterações de qualidade desde a maturação, ainda no campo, até o momento da sua utilização (Lazzari, 1999). Ao secar produtos agrícolas, os 657

4 teores de água devem estar abaixo de 14%, geralmente, para que o desenvolvimento de fungos seja bloqueado. Pois a umidade relativa do ar intragranular é estabilizada em valores inferiores a 60%. Isto faz estabelecer índices de atividade aquosa menores que 0,60. Nesta situação é inviabilizado o desenvolvimento de fungos e bactérias. Para a cultivar Monsoy 8757, a amostra que apresentou menor percentual de avariados e menor percentual de grãos picados foi a proveniente do município de Ipiranga do Norte. Os maiores teores de proteína foram observados nas amostras de Vera e Canarana. O maior teor de óleo foi observado no município de Lucas do Rio Verde. A maior acidez foi observada nas amostras de Campos de Júlio, em que a elevação da acidez da soja está diretamente ligada à deterioração dos grãos e com a presença de fungos. Estas amostras também apresentaram menores teores de óleo e proteína. (Tabela 2). Para a cultivar Monsoy 8866, os menores percentuais de avariados foram observados nas amostras provenientes dos municípios de Querência, Campo Novo dos Parecis, Sapezal e Vera, essas amostras também apresentaram menor percentual de grãos picados. Os maiores teores de proteína foram encontrados em Querência e Campos de Júlio, os maiores percentuais de óleo foram observados em Querência, Canarana e Vera e a menor acidez foi observada nos municípios de Campo Novo dos Parecis e Campos de Júlio (Tabela 3). Para a cultivar Pintado, os menores percentuais de avariados foram encontrados nas amostras dos municípios de Campo Novo dos Parecis e Tapurah. Os maiores teores de proteína foram verificados nos municípios de Campos de Júlio, Lucas do Rio Verde e Sapezal. Os maiores teores de óleo foram encontrados em Lucas do Rio Verde e Tapurah. O menor teor de acidez foi encontrado no município de Sapezal (Tabela 4). Tabela 2. Resultados médios das características físicas e químicas para a cultivar Monsoy 8757 em diferentes Canarana 18/mar 6,87 AB 6,12 B 40,38 DE 22,83 BC 2,04 AB Diamantino 25/fev 9,59 BC 7,35 B 35,63 BC 22,76 BC 1,61 AB Campos de Júlio 12/mar 8,63 B 7,70 B 32,72 A 21,48 B 4,45 C Campos de Júlio 15/mar 18,05 D 10,85 C 34,08 AB 19,55 A 10,22 D Vera 3,23 AB 2,73 A 41,38 E 23,79 CD 1,20 A Vera 15,32 CD 11,34 C 41,40 E 23,52 BD 1,58 AB Ipiranga do Norte 2,02 A 0,57 A 39,39 D 23,06 BCD 2,11 AB Lucas do Rio Verde 7,81 AB 6,79 B 38,70 D 24,65 D 1,39 A Itiquira 22/mar 8,36 AB 6,76 B 36,64 C 23,64 BD 2,65 B CV 25,44 13,32 1,76 2,65 14,22 DMS 6,46 2,55 1,91 1,73 1,23 658

5 Tabela 3. Resultados médios das características físicas e químicas para a cultivar Monsoy 8866 em diferentes Canarana 18/mar 6,92 BC 3,53 A 39,67 CD 22,93 BC 2,19 CD Querência 19/mar 4,20 A 3,81 A 40,41 D 23,76 C 1,83 ABCD Gaucha do Norte 25/mar 4,54 AB 3,95 A 39,71 CD 19,39 ABC 2,12 CD Canarana 01/abr 20,89 DE 18,91 C 36,77 BC 23,35 C 3,39 E Campo Novo dos Parecis 03/mar 3,58 A 2,90 A 33,14 A 21,04 ABC 1,34 A Sapezal 04/mar 3,27 A 2,75 A 34,43 AB 22,69 BC 2,40 D Campos de Júlio 06/abr 19,19 D 18,86 C 32,52 A 18,45 AB 1,39 AB Campos de Júlio 09/abr 22,05 E 21,61 D 40,41 D 16,60 A 1,97 BCD Campos de Júlio 10/abr 22,85 E 20,99 D 35,00 AB 19,18 ABC 1,22 A Vera 27/fev 3,90 A 3,24 A 39,35 CD 23,70 C 1,49 AB Ipiranga do Norte 02/mar 8,60 C 7,91 B 33,70 AB 22,59 BC 1,71 ABC CV 8,34 7,04 3,03 7,43 11,01 DMS 2,65 2,03 3,26 4,61 0,61 Para a cultivar TMG 103, os menores percentuais de avariados e percentual de grãos picados foram encontrados no município de Vera. Os maiores teores de proteína e óleo foram verificados nos municípios de Santo Antônio do Leverger e Canarana. Os menores teores de acidez foram observados nos municípios de Jaciara e Canarana (Tabela 5). Tabela 4. Resultados médios das características físicas e químicas para a cultivar Pintado em diferentes Campos de Júlio 22/mar 8,46 D 7,95 D 34,06 A 18,96 A 1,49 AB Campos de Júlio 20/mar 4,97 B 4,58 B 39,64 C 20,88 AB 1,75 B Sapezal 10/fev 5,33 BC 4,06 B 41,12 C 18,30 A 1,10 A Campo Novo dos Parecis 23/fev 1,95 A 1,38 A 36,16 AB 21,64 AB 1,79 BC Lucas do R. Verde 10/fev 4,44 B 3,91 B 40,46 C 24,87 B 1,74 B Tapurah 2,08 A 1,52 A 36,72 B 23,96 B 1,73 B Jaciara 30/mar 19,91 E 11,49 E 39,52 C 18,05 A 2,20 C Itiquira 6/abr 7,23 CD 6,41 C 36,58 B 22,00 AB 1,56 B CV 11,54 10,42 2,30 7,14 9,09 DMS 2,22 1,52 2,47 4,26 0,43 659

6 Tabela 5. Resultados médios das características físicas e químicas para a cultivar TMG 103 em diferentes Canarana 18/fev 7,36 BCD 5,92 CD 38,97 CD 23,73 D 1,49 AB Canarana 27/fev 8,18 CDE 7,34 D 37,00 ABC 21,76 CD 1,68 D Campos de Júlio 28/jan 10,50 E 5,85 CD 34,50 A 19,35 BC 1,53 ABC Canarana 18/fev 6,97 BCD 2,84 B 41,06 D 20,15 C 1,48 A Vera 30/jan 2,36 A 0,56 A 35,41 AB 19,92 BC 1,64 CD Jaciara 27/fev 5,94 BC 4,69 C 38,23 BCD 16,14 A 1,48 A Santo Antônio do Leverger 27/fev 8,68 DE 5,12 C 40,28 D 16,87 AB 1,61 BCD Itiquira 13/mar 5,52 B 4,65 C 38,66 CD 18,66 ABC 1,71 D CV 12,05 12,05 2,87 5,75 2,69 DMS 2,36 1,57 3,08 3,18 0,12 A cultivar Monsoy 8757 apresentou maiores teores de óleo (24,65%); proteína (41,40%) e acidez (1,20 Meq NaOH 01N/100 g). As cultivares Pintado e TMG 103 apresentaram menor percentual de avariados e a cultivar Monsoy 8866 maior percentual de avariados em todas as regiões. O percentual de proteína foi maior para Monsoy 8757 (41,40%) nas regiões Norte e Leste. A cultivar Monsoy 8866 apresentou maior percentual de avariados em todas as regiões. Verificouse relação entre grãos mofados, ardidos e fermentados com a elevação do teor de acidez. Referências bibliográficas LAZZARI, A.F. Fatores de qualidade do grão de soja. IN: Congresso Brasileiro de Soja. Londrina, Anais. Londrina: p CONAB, Acompanhamento de safra brasileira: grãos, décimo primeiro levantamento, agosto/2009 / Companhia Nacional de Abastecimento. Brasília, Disponível em: <http://www.conab.gov.br/ conabweb/download/safra/11graos_08.09.pdf> Acessado em 25 de julho de INSTITUTO ADODOLFO LUTZ - IAL. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. São Paulo: O Instituto. 3 ed. v EMBRAPA. A Soja. Disponível em: <http://www.cnpso.embrapa.br/index.php?op_page=22&cod_pai=16>. Acessado em 19 de julho de

Qualidade física e sanitária de grãos de milho produzidos em Mato Grosso

Qualidade física e sanitária de grãos de milho produzidos em Mato Grosso Qualidade física e sanitária de grãos de milho produzidos em Mato Grosso Larissa Fatarelli Bento 1, Maria Aparecida Braga Caneppele 2, Carlos Caneppele 2, Larissa Duarte Gonçalves da Silva 3, Valéria Oda

Leia mais

Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho

Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho Larissa Fatarelli Bento 1, Maria Aparecida Braga Caneppele 2, Dayse Félix do Nascimento 3, Aline Lehmkuhl 1, Carlos Caneppele 2 64 1

Leia mais

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89)

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) 3562-2274 Efeito do uso dos produtos da linha Celleron no tratamento de semente e na parte aérea, para o aumento do

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Alberto Francisco Boldt; Engenheiro agrônomo, pesquisador do Instituto Mato-Grossense do Algodão IMAmt; Caixa Postal: 149, CEP 78.850-000;

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA NO MUNICÍPIO DE SINOP-MT

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA NO MUNICÍPIO DE SINOP-MT AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA NO MUNICÍPIO DE SINOP-MT Alexandre Ferreira da Silva (1), Miguel Marques Gontijo Neto (2), Flávio Dessaune Tardin (3) Eduardo Lopes Filimberti (4),

Leia mais

Rally da Safra. Qualidade Nutricional da Soja Safra 2012/13 e 2013/14. Cuiabá, 31 de Julho de 2014

Rally da Safra. Qualidade Nutricional da Soja Safra 2012/13 e 2013/14. Cuiabá, 31 de Julho de 2014 Rally da Safra Qualidade Nutricional da Soja Safra 2012/13 e 2013/14 Cuiabá, 31 de Julho de 2014 Composição Química Composição Química Tabela 1. Composição química da soja. Composição Quantidade Energia

Leia mais

05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS

05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS 05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DE DOENÇAS NA CULTURA DA SOJA EM DUAS EPOCAS DE SEMEADURA OBJETIVO Este trabalho tem como objetivo avaliar a eficiência dos principais

Leia mais

Rally da Safra. QUALIDADE DE GRÃOS Safra 2014/2015. Cuiabá, 08 de Julho de 2015

Rally da Safra. QUALIDADE DE GRÃOS Safra 2014/2015. Cuiabá, 08 de Julho de 2015 Rally da Safra QUALIDADE DE GRÃOS Safra 2014/2015 Cuiabá, 08 de Julho de 2015 Parâmetros de Qualidade Classificação Proteína Bruta Extrato Etéreo Composição Química VARIAÇÃO DE PROTEÍNA E ÓLEO Proteína:

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso. Resumo. Introdução

Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso. Resumo. Introdução Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso Marcelo Alvares de Oliveira 1, Irineu Lorini 2 47 1 Embrapa Soja, Caixa Postal 231, 86001-970

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

CULTIVARES DE SOJA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO ENCONTRO REGIONAL SOBRE TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO DE MILHO E SOJA 61 CULTIVARES DE SOJA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO LOPES, L.G. 1 CLEMENTE FILHO, A. 1 UNÊDA-TREVISOLI, S.H. 2 RECO, P.C. 3 BARBARO,

Leia mais

Uso da cama de Peru na substituição parcial ou total da adubação química na cultura da soja¹

Uso da cama de Peru na substituição parcial ou total da adubação química na cultura da soja¹ Uso da cama de Peru na substituição parcial ou total da adubação química na cultura da soja¹ L.C.Dias², W.S. Rezende³, M. R. Carbalial 4, L. A. Silva 5 Resumo Com o objetivo de se avaliar o efeito de produção

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL MAIO

CONJUNTURA MENSAL MAIO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL MAIO ANO 1 Nº1 O mercado de soja tem observado movimentação de queda em seus preços, decorrente principalmente das evoluções no lado da oferta, tanto em âmbito nacional

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação mineral. Adubação orgânica. Cama de Peru. Glycine max.

Palavras-Chave: Adubação mineral. Adubação orgânica. Cama de Peru. Glycine max. RENDIMENTO DE SOJA (GLICINE MAX) SUBMETIDO A SUBISTITUIÇÃO DO ADUBO QUIMICO POR CAMA DE PERU Leonardo Citelli Dias 1, Rejane Aparecida de Carvalho Pohlmann 1 Egresso do Curso de Agronomia UNIFIMES, Rua

Leia mais

CONJUNTURA QUINZENAL 01 A 15/02/2016

CONJUNTURA QUINZENAL 01 A 15/02/2016 SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA QUINZENAL 01 A 15/02/2016 ANO 2 Nº14 A colheita avança e começa a derrubar os preços da soja em Mato Grosso. De acordo com dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), Cornélio Procópio, PR. Estagiária na Embrapa Soja.

Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), Cornélio Procópio, PR. Estagiária na Embrapa Soja. Defeitos da Classificação Comercial da Soja Devido a Infestação de Percevejos na Lavoura e Sua Evolução no Armazenamento 03 Camila Rafaeli Bocatti 1 ; Irineu Lorini 2 ; José Ronaldo Quirino 3 ; Elivanio

Leia mais

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO José C. Cruz 1 ; Israel A. Pereira Filho 1 ;

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 QUALIDADE DE GRÃOS DE MILHO NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Paulo César da Luz Leão 1, Antonio Luis de Oliveira

Leia mais

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO 11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO ESTÁDIO R3 DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de diferentes fontes de potássio aplicados no estádio

Leia mais

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Página 1650 COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Marcelo Abdon Lira 1 ; Máira Milani 2 ; Hélio Wilson Lemos de Carvalho 3 ; João

Leia mais

EFEITO DA DESFOLHA DA PLANTA DO MILHO NOS COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE

EFEITO DA DESFOLHA DA PLANTA DO MILHO NOS COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE EFEITO DA DESFOLHA DA PLANTA DO MILHO NOS COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE Anne Mellisse Diaz Oliveira (1), Tiago Calves Nunes (2), Luiz Carlos de Souza Ferreira (3), Lígia Maria Maraschi da Silva Piletti

Leia mais

2005-Entressafra

2005-Entressafra Ferrugem Asiática no Estado do Mato Grosso - Safra 2006-2007 Relato Eng. Agr. Fabiano Victor Siqueri fabianosiqueri@fundacaomt.com.br (66) 3439-4100 Rondonópolis - MT Londrina - PR, 26 de Junho de 2.007

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Componentes de Produção de Seis Cultivares de Milho na Região de Pompéia - SP. Elvio Brasil Pinotti 1, Silvio José

Leia mais

Congresso Brasileiro de Fruticultura Natal/RN 17 a 22 de Outubro de 2010

Congresso Brasileiro de Fruticultura Natal/RN 17 a 22 de Outubro de 2010 INDICADORES DE MATURAÇÃO PARA DEFINIÇÃO DE PONTO DE COLHEITA DO MARACUJÁ SELVAGEM (Passiflora tenuifila) CULTIVADO NA REGIÃO DE CERRADO H. C. de Lima* 1, G. S. Das Chagas 2, L. T. Oliveira 2, A. M. Costa

Leia mais

COMPETIÇÃO DE GENÓTIPOS DE MAMONEIRA NO PERÍODO OUTONO-INVERNO EM ITAOCARA, RJ*

COMPETIÇÃO DE GENÓTIPOS DE MAMONEIRA NO PERÍODO OUTONO-INVERNO EM ITAOCARA, RJ* COMPETIÇÃO DE GENÓTIPOS DE MAMONEIRA NO PERÍODO OUTONO-INVERNO EM ITAOCARA, RJ* Guilherme Eugênio Machado Lopes 1 ; Luiz Antônio Antunes de Oliveira 1 ; Aldo Shimoya 2 ; Wander Eustáquio de Bastos Andrade

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1573

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1573 Página 1573 AVALIAÇÃO DE LINHAGENS DE MAMONEIRA NO MUNICÍPIO DE NOSSA SENHORA DAS DORES/SE Francisco Elias Ribeiro 1 ; Samuel Silva da Mata 1 ; Milena Mascarenhas de Jesus Ribeiro 2 ; Máira Milani 3 1Pesquisador

Leia mais

Avaliação de Híbridos de Milho do Programa de Melhoramento Genético do DBI/UFLA

Avaliação de Híbridos de Milho do Programa de Melhoramento Genético do DBI/UFLA XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação de Híbridos de Milho do Programa de Melhoramento Genético do DBI/UFLA Renato Barbosa Camargos 1, Amanda

Leia mais

Bolsista PBIC/UEG, graduando do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. Orientador, docente do Curso de Engenharia Florestal, UFG-Campus Jataí.

Bolsista PBIC/UEG, graduando do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. Orientador, docente do Curso de Engenharia Florestal, UFG-Campus Jataí. PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ADUBOS VERDES NO CERRADO Marcos Vinícius Ribeiro Nascimento 1 ; Paulo César Timossi 2 ; Mário Guilherme de B. Cava³; Bruce James Santos³; Gabriel Democh Goularte 3 ; Diego Fleury

Leia mais

Graduando em Tecnologia de Alimentos UTFPR/Londrina, 2 Embrapa Soja, 3 Caramuru Alimentos Rio Verde/GO

Graduando em Tecnologia de Alimentos UTFPR/Londrina, 2 Embrapa Soja, 3 Caramuru Alimentos Rio Verde/GO Variação nos Teores de Óleo e Proteína em Grãos de Soja, com diferentes intensidades de ataque de percevejo, da colheita ao armazenamento, utilizando a espectroscopia no infravermelho próximo ( NIR) Delafronte,

Leia mais

PODA ANTECIPADA DA VIDEIRA ENG. AGRÔNOMO E TECNÓLOGO EM VITICULTURA E ENOLOGIA: PAULO ADOLFO TESSER

PODA ANTECIPADA DA VIDEIRA ENG. AGRÔNOMO E TECNÓLOGO EM VITICULTURA E ENOLOGIA: PAULO ADOLFO TESSER PODA ANTECIPADA DA VIDEIRA ENG. AGRÔNOMO E TECNÓLOGO EM VITICULTURA E ENOLOGIA: PAULO ADOLFO TESSER Horti Serra Gaúcha, maio 2015. ÉPOCAS DE PODA SECA E SUA INFLUÊNCIA NA BROTAÇÃO, PRODUÇÃO E QUALIDADE

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Diferentes Épocas de Corte e Densidade de Plantas no Desempenho Agronômico de Duas Cultivares de Sorgo

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DA FARINHA DE MANDIOCA PRODUZIDA EM DIFERENTES ESTADOS DO PAÍS.

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DA FARINHA DE MANDIOCA PRODUZIDA EM DIFERENTES ESTADOS DO PAÍS. AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DA FARINHA DE MANDIOCA PRODUZIDA EM DIFERENTES ESTADOS DO PAÍS. L. de O. COSTA 1, L. BARROS 2, M. M. de O. SILVA 3. 1. Graduanda pela Universidade Federal do Ceará, Departamento

Leia mais

17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA

17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA 17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA PRODUTIVIDADE DA SOJA O objetivo deste experimento foi avaliar a resposta do programa nutricional via foliar recomendado pela microquímica na cultura da soja

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DA SOJA DE MATO GROSSO

RELATÓRIO MENSAL DA SOJA DE MATO GROSSO Fevereiro de 2009 Número: 06 RELATÓRIO MENSAL DA SOJA DE MATO GROSSO Índice Mato Grosso Quadro de Produção.....1 Evolução de Plantio...2 Preço: Soja Disponível...3 Preço: Fertilizantes.. 4 Preço: Químicos...5

Leia mais

REGIÕES DE MAIOR CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL

REGIÕES DE MAIOR CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL RELATÓRIO DA SAFRA DE SOJA E MILHO REGIÕES DE MAIOR CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL Relatório do USDA traz levantamento das regiões de produção de soja no Brasil, com a concentração da produção

Leia mais

Situação dos teores proteína de soja em Mato Grosso

Situação dos teores proteína de soja em Mato Grosso Situação dos teores proteína de soja em Mato Grosso Maria Aparecida Braga Caneppele UFMT Londrina, 05 de outubro de 2015 Parâmetros de Qualidade Classificação (Grãos Avariados) Proteína Bruta Extrato Etéreo

Leia mais

COMPORTAMENTO DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE MAMONEIRA IRRIGADOS POR GOTEJAMENTO EM PETROLINA-PE

COMPORTAMENTO DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE MAMONEIRA IRRIGADOS POR GOTEJAMENTO EM PETROLINA-PE COMPORTAMENTO DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE MAMONEIRA IRRIGADOS POR GOTEJAMENTO EM PETROLINA-PE Marcos Antônio Drumond 1, José Barbosa dos Anjos 1, Máira Milani 2, Luiz Balbino Morgado 1, e José Monteiro

Leia mais

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO Página 1481 CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. Murilo Barros Pedrosa (Fundação Bahia / algodao@fundacaoba.com.br), Camilo de Lelis Morello (Embrapa

Leia mais

PRODUÇÃO DE CULTIVARES DE AZEVÉM NO EXTREMO OESTE CATARINENSE. Palavras-chave: Lolium multiflorum L., Produção de leite, Pastagem de inverno.

PRODUÇÃO DE CULTIVARES DE AZEVÉM NO EXTREMO OESTE CATARINENSE. Palavras-chave: Lolium multiflorum L., Produção de leite, Pastagem de inverno. PRODUÇÃO DE CULTIVARES DE AZEVÉM NO EXTREMO OESTE CATARINENSE José Tiago Rambo Hoffmann 1 ; Leandro Werlang 1 ; Rogério Klein 1 ; Marcos Paulo Zambiazi 1 ; Fabiana Raquel Mühl 2 ; Neuri Antônio Feldman

Leia mais

Desafios para aumento da produtividade da soja

Desafios para aumento da produtividade da soja Desafios para aumento da produtividade da soja Embrapa Soja Avaliação e Reflexões sobre a Produtividade da Soja no Mato Grosso Passado, presente e futuro Londrina, 25 de outubro de 2016 Leandro Zancanaro

Leia mais

Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha cv. Piatã

Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha cv. Piatã XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha

Leia mais

FORTALECER A IMAGEM DA SUA EMPRESA

FORTALECER A IMAGEM DA SUA EMPRESA PROJETO COMERCIAL 2017 Descubra que patrocinar um evento da Aprosoja é a melhor maneira de FORTALECER A IMAGEM DA SUA EMPRESA junto aos produtores de Soja e Milho de Mato Grosso. CALENDÁRIO 2017 ABRIL

Leia mais

Resumo Expandido. Título da Pesquisa: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA FRIGORÍFICA NA FERTILIZAÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS DO GÊNERO BRACHIÁRIA

Resumo Expandido. Título da Pesquisa: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA FRIGORÍFICA NA FERTILIZAÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS DO GÊNERO BRACHIÁRIA Resumo Expandido Título da Pesquisa: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA FRIGORÍFICA NA FERTILIZAÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS DO GÊNERO BRACHIÁRIA Palavras-chave: brachiária, adubação, conteúdo ruminal.

Leia mais

EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO

EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO Daniela GOETEN 1, Joacir do NASCIMENTO 2, Oscar Emilio Ludtke HARTHMANN 3 1 Acadêmica do curso de Agronomia

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 25 de fevereiro de 2011 Número: 141. É mesmo

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 25 de fevereiro de 2011 Número: 141. É mesmo Milho - Análise É mesmo MILHO COMPROMETIDO EM PLENO PLANTIO: O Imea realizou na semana o primeiro levantamento de comercialização de milho da corrente safra e o volume comprometido alcança 28,8% no mês

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES E ÉPOCAS DE SEMEADURA DE MILHO SAFRINHA NA REGIÃO DE RIO VERDE (GO)

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES E ÉPOCAS DE SEMEADURA DE MILHO SAFRINHA NA REGIÃO DE RIO VERDE (GO) AVALIAÇÃO DE CULTIVARES E ÉPOCAS DE SEMEADURA DE MILHO SAFRINHA NA REGIÃO DE RIO VERDE (GO) Miguel Marques Gontijo Neto (1), André May (1), Álisson Vanin (2), Alexandre Ferreira da Silva (1), Eduardo de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS ESTÁDIOS DE MATURAÇÃO DE BANANA RESISTENTE À SIGATOKA NEGRA VARIEDADE CAIPIRA

CARACTERIZAÇÃO DOS ESTÁDIOS DE MATURAÇÃO DE BANANA RESISTENTE À SIGATOKA NEGRA VARIEDADE CAIPIRA CARACTERIZAÇÃO DOS ESTÁDIOS DE MATURAÇÃO DE BANANA RESISTENTE À SIGATOKA NEGRA VARIEDADE CAIPIRA Melissa de Lima Matias 1 ; Ebenézer de Oliveira Silva 2 ; Raimundo Wilane Figueiredo 3 ; Andréia Hansen

Leia mais

Boletim Agrometeorológico

Boletim Agrometeorológico 3 oletim grometeorológico Embrapa grossilvipastoril, Sinop, MT Julho, 2017 companhamento da 2 a safra 2016/2017 em Mato Grosso Cornélio lberto Zolin, Embrapa grossilvipastoril, cornelio.zolin@embrapa.br

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB Sandra Maria de Figueiredo 1, Fernanda Fernandes de Melo

Leia mais

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA 13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA FOLIAR APLICADOS NA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi testar e avaliar o programa de nutrição foliar recomendado pela empresa Helena

Leia mais

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis NOGUEIRA, C. H. P (FCAV - UNESP, Jaboticabal/SP - nogueirachp@gmail.com), CORREIA, N. M. (Embrapa, Brasília/DF

Leia mais

COMPARATIVO DE LUCRATIVIDADE ENTRE O PLANTIO DE MILHO SEQUEIRO/SOJA E O ARRENDAMENTO DA ÁREA

COMPARATIVO DE LUCRATIVIDADE ENTRE O PLANTIO DE MILHO SEQUEIRO/SOJA E O ARRENDAMENTO DA ÁREA COMPARATIVO DE LUCRATIVIDADE ENTRE O PLANTIO DE MILHO SEQUEIRO/SOJA E O ARRENDAMENTO DA ÁREA Mariana S. de Proença 1, Leonel J. Ribeiro 2, Maria C. Ferrari 3, Flavia C. Cavalini 4 1 Graduanda em Agronegócio,

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: pós-colheita, armazenamento, composição centesimal.

RESUMO. Palavras-chave: pós-colheita, armazenamento, composição centesimal. Teores de óleo, proteína e acidez em grãos de soja, com diferentes manejos de percevejo, da colheita ao armazenamento, provenientes das safras 2011/2012 e 2012/2013 60 Marcelo Alvares de Oliveira 1 ; Irineu

Leia mais

FONTES DE ADUBOS FOSFATADOS EM ARROZ DE TERRAS ALTAS.

FONTES DE ADUBOS FOSFATADOS EM ARROZ DE TERRAS ALTAS. FONTES DE ADUBOS FOSFATADOS EM ARROZ DE TERRAS ALTAS. Carvalho, F. F. (1) ; Lange, A. (2) (1) Acadêmico do curso de Bacharelado em Agronomia, UNEMAT, Campus Universitário de Alta Floresta e-mail: fernandofcarvalho@unemat.br.

Leia mais

06 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE FUNGICIDA COM

06 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE FUNGICIDA COM 06 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE FUNGICIDA COM ADIÇÃO DE FERTIADITIVO PARA O CONTROLE DE FERRUGEM-ASIÁTICA NA CULTURA DA SOJA OBJETIVO Este trabalho tem como objetivo avaliar a eficiência de fungicida com

Leia mais

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS Carlos Hissao Kurihara (1), Bruno Patrício Tsujigushi (2) Introdução A adubação da cultura do milho safrinha

Leia mais

Desempenho Operacional de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Sorgo Forrageiro

Desempenho Operacional de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Sorgo Forrageiro Desempenho Operacional de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Sorgo Forrageiro Flávia M. Nascimento 1, José G. L. Rodrigues 2, Carlos A. Gamero 3, Jairo C. Fernandes 4, Sílvio J. Bicudo 5 1,2,4

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DO ÓLEO DE ALGODÃO

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DO ÓLEO DE ALGODÃO COMPOSIÇÃO QUÍMICA DO ÓLEO DE ALGODÃO Ticiana Leite Costa 1 Francisco das Chagas Vidal Neto 2 Francisco Jardel Rodrigues da Paixão 1 Regilane Marques Feitoza 1 Luciana Façanha Marques 1 Dyalla Ribeiro

Leia mais

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA 14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA CULTURA DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar a eficácia dos herbicidas Boral, Classic, e Spider visando o manejo do complexo

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A cultura da soja apresenta relevante importância para a economia brasileira, sendo responsável por uma significativa parcela na receita cambial do Brasil, destacando-se

Leia mais

Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2

Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2 Avaliação de diferentes cultivares de milho (Zea mays) para a produção de minimilho na região Bambuí MG Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2 1 Estudante

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Produtos Florestais - Erva-mate

DERAL - Departamento de Economia Rural. Produtos Florestais - Erva-mate Produtos Florestais - Erva-mate Agosto de 2013 INTRODUÇÃO Do total do desempenho do grupo dos produtos florestais em 2012, a erva-mate respondeu por 5% equivalente a R$ 178,5 milhões classificada como

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Classificação do Milho Produzido no Centro Norte de Mato Grosso Utilizando Diferentes Instruções Normativas Fernando

Leia mais

LONGEVIDADE DE SEMENTES DE Crotalaria juncea L. e Crotalaria spectabilis Roth EM CONDIÇÕES NATURAIS DE ARMAZENAMENTO

LONGEVIDADE DE SEMENTES DE Crotalaria juncea L. e Crotalaria spectabilis Roth EM CONDIÇÕES NATURAIS DE ARMAZENAMENTO LONGEVIDADE DE SEMENTES DE Crotalaria juncea L. e Crotalaria spectabilis Roth EM CONDIÇÕES NATURAIS DE ARMAZENAMENTO Odilon Peixoto de Morais Júnior 1, Vladimir Sperandio Porto 1, Daniela Cleide Azevedo

Leia mais

BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL

BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL Adeliano Cargnin 1, João Augusto Müller 1, Fernando Daminelli Araújo Mello 1, Cláudia Martellet Fogaça 1 ( 1 Embrapa

Leia mais

Produtividade de Genótipos de Feijão do Grupo Comercial Preto, Cultivados na Safra da Seca de 2015, no Norte de Minas Gerais.

Produtividade de Genótipos de Feijão do Grupo Comercial Preto, Cultivados na Safra da Seca de 2015, no Norte de Minas Gerais. Produtividade de Genótipos de Feijão do Grupo Comercial Preto, Cultivados na Safra da Seca de 2015, no Norte de Minas Gerais. P. V. SANTOS JUNIOR 1 ; A. J. CARVALHO3; P. S. C. BATISTA 2 ; M. L. LACERDA

Leia mais

DESEMPENHO DE NOVAS CULTIVARES DE CICLO PRECOCE DE MILHO EM SANTA MARIA 1

DESEMPENHO DE NOVAS CULTIVARES DE CICLO PRECOCE DE MILHO EM SANTA MARIA 1 DESEMPENHO DE NOVAS CULTIVARES DE CICLO PRECOCE DE MILHO EM SANTA MARIA 1 TOEBE, Marcos 2 ; CARGNELUTTI FILHO, Alberto 3 ; SILVEIRA, Tatiani Reis da 2 ; CASAROTTO, Gabriele 4 ; SCHWANTES, Ismael Albino

Leia mais

Ensaio Intermediário de Cevada

Ensaio Intermediário de Cevada Ensaio Intermediário de Cevada - 1998 Antoniazzi, N. 1; Arias, G.N. 2 ; Minella, E. 2 Objetivos Avaliar as linhagens promovidas a partir dos Ensaios CEV de Cevada, visando selecionar em diferentes locais,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FISICO-QUÍMICA DO ÓLEO DE GENÓTIPOS DE MAMONA

CARACTERIZAÇÃO FISICO-QUÍMICA DO ÓLEO DE GENÓTIPOS DE MAMONA CARACTERIZAÇÃO FISICO-QUÍMICA DO ÓLEO DE GENÓTIPOS DE MAMONA Idila Maria da Silva Araújo 1, Tarcísio Marcos de Souza Gondim 2, Jonas dos Santos Sousa 3, Emanuel Neto Alves de Oliveira 3, Alexandre Barbosa

Leia mais

INTERFERÊNCIA DA VELOCIDADE E DOSES DE POTÁSSIO NA LINHA DE SEMEADURA NA CULTURA DO MILHO

INTERFERÊNCIA DA VELOCIDADE E DOSES DE POTÁSSIO NA LINHA DE SEMEADURA NA CULTURA DO MILHO INTERFERÊNCIA DA VELOCIDADE E DOSES DE POTÁSSIO NA LINHA DE SEMEADURA NA CULTURA DO MILHO Odair José Lucatelli 1, Neuri Antonio Feldmann 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Andersom Clayton Rhoden 2 Palavras chave:

Leia mais

Comunicado Técnico. Avaliação de aveia quanto a produção de folhas e colmos na matéria seca

Comunicado Técnico. Avaliação de aveia quanto a produção de folhas e colmos na matéria seca Comunicado Técnico Janeiro, 63 ISSN 1981-26X São Carlos, SP 26 Foto capa: Odo Primavesi Avaliação de aveia quanto a produção de e na matéria seca Ana Cândida Primavesi 1 Odo Primavesi 1 Rodolfo Godoy 1,2

Leia mais

Influências das Épocas de Plantio sobre Dirceu Luiz Broch a Produtividade de Híbridos de Milho Safrinha

Influências das Épocas de Plantio sobre Dirceu Luiz Broch a Produtividade de Híbridos de Milho Safrinha 5 Carlos Pitol Influências das Épocas de Plantio sobre Dirceu Luiz Broch a Produtividade de Híbridos de Milho Safrinha André Luis F. Lourenção 5.. Introdução O zoneamento agrícola para plantio de milho

Leia mais

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn Fabiano Andrei Bender da Cruz. Pesquisador/Consultor Fundação Bahia, Eng o. Agr o. Dr. CREA 40620232/MG. Aline Fabris. Estagiária, Acadêmica do Curso de Agronomia, convênio FAAHF/Fundação Bahia. Edimilson

Leia mais

Composição centesimal de cultivares de milho-verde produzidos em sistemas de cultivo orgânico e convencional.

Composição centesimal de cultivares de milho-verde produzidos em sistemas de cultivo orgânico e convencional. Composição centesimal de cultivares de milho-verde produzidos em sistemas de cultivo orgânico e convencional. Lucinéia de Pinho 1 ; Maria Cristina Dias Paes 2 ; Décio Karam 2, Anna Christina de Almeida

Leia mais

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 30/11/2015

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 30/11/2015 SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 30/11/2015 ANO 1 Nº9 O ritmo intenso de plantio da soja em Mato Grosso ao longo de todo o mês de novembro contribuiu para que a marca de 95,6% fosse atingida

Leia mais

Resultados de Pesquisa do Programa de Melhoramento de Soja: Ensaios de Avaliação Final

Resultados de Pesquisa do Programa de Melhoramento de Soja: Ensaios de Avaliação Final Resultados de Pesquisa do Programa de Melhoramento de Soja: Ensaios de Avaliação Final Resumo Alberto Francisco Boldt; Engenheiro agrônomo, pesquisador do Insituto Mato-Grossense do Algodão IMAmt; Caixa

Leia mais

VIABILIDADE DO TRIGO CULTIVADO NO VERÃO DO BRASIL CENTRAL

VIABILIDADE DO TRIGO CULTIVADO NO VERÃO DO BRASIL CENTRAL VIABILIDADE DO TRIGO CULTIVADO NO VERÃO DO BRASIL CENTRAL Auri Fernando de Moraes 1, Alexandre Pereira Bonfá 1, Walter Quadros Ribeiro Júnior 2, Maria Lucrécia Gerosa Ramos 3, Júlio César Albrecht 2, Renato

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM EQUIPAMENTO PARA DESCASCAMENTO DE MAMONA DA CULTIVAR BRS ENERGIA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM EQUIPAMENTO PARA DESCASCAMENTO DE MAMONA DA CULTIVAR BRS ENERGIA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM EQUIPAMENTO PARA DESCASCAMENTO DE MAMONA DA CULTIVAR BRS ENERGIA Ricardo Calisto Dutra 1, Valdinei Sofiatti 2, Odilon Reny Ribeiro Ferreira da Silva 2, Aldo Muniz

Leia mais

Caracterização Técnico-Econômica da Cultura do Milho Verde no Brasil em 2006 Alfredo Tsunechiro 1 e Maximiliano Miura 1

Caracterização Técnico-Econômica da Cultura do Milho Verde no Brasil em 2006 Alfredo Tsunechiro 1 e Maximiliano Miura 1 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Caracterização Técnico-Econômica da Cultura do Milho Verde no Brasil em 2006 Alfredo Tsunechiro 1 e Maximiliano Miura

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CONTEÚDO DE ÁGUA DE SOLO PELO MÉTODO DA FRIGIDEIRA EM UM LATOSSOLO VERMELHO ESCURO

DETERMINAÇÃO DO CONTEÚDO DE ÁGUA DE SOLO PELO MÉTODO DA FRIGIDEIRA EM UM LATOSSOLO VERMELHO ESCURO DETERMINAÇÃO DO CONTEÚDO DE ÁGUA DE SOLO PELO MÉTODO DA FRIGIDEIRA EM UM LATOSSOLO VERMELHO ESCURO Márcio Rodrigues TAVEIRA 1; Mário dos SANTOS 2 ; Antonio Clarette Santiago TAVARES 3, José ALVES Jr. 4,

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Metodologia... 2 3. Estimativa da Área Plantada... 3 4. Estimativa da Produção... 3 5. Avaliação das Culturas... 4 5.1 Algodão... 4 5.2 Arroz... 4 5.3 Feijão... 5 5.4 Milho...

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA 1.INTRODUÇÃO

VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA 1.INTRODUÇÃO VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA Alceu Richetti 1 1.INTRODUÇÃO No cenário nacional, o Estado de Mato Grosso do Sul é o terceiro maior produtor de milho safrinha e o quinto

Leia mais

MANEJO DAS PLANTAS INFESTANTES EM PLANTIOS DE ABACAXI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, MESORREGIÃO DO SUL BAIANO

MANEJO DAS PLANTAS INFESTANTES EM PLANTIOS DE ABACAXI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, MESORREGIÃO DO SUL BAIANO MANEJO DAS PLANTAS INFESTANTES EM PLANTIOS DE ABACAXI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, MESORREGIÃO DO SUL BAIANO Aristoteles Pires de Matos 1 ; Quionei Silva Araújo 2 ; Fábio José Pereira Galvão 3 ; Antônio

Leia mais

PRODUÇÃO DE MASSA SECA DA PARTE AÉREA E DE RAÍZES DA SOJA ADUBADA COM DEJETOS LÍQUIDOS DE SUÍNOS

PRODUÇÃO DE MASSA SECA DA PARTE AÉREA E DE RAÍZES DA SOJA ADUBADA COM DEJETOS LÍQUIDOS DE SUÍNOS PRODUÇÃO DE MASSA SECA DA PARTE AÉREA E DE RAÍZES DA SOJA ADUBADA COM DEJETOS LÍQUIDOS DE SUÍNOS Santos, C.J.L. 1 ; Menezes, J.F.S. 2* ; Gonçalves Júnior. D. 3 ; Gonçalves, M.E.M.P. 3 ; Silva, T.R. 3 1

Leia mais

Gessi Ceccon, Giovani Rossi, Marianne Sales Abrão, (3) (4) Rodrigo Neuhaus e Oscar Pereira Colman

Gessi Ceccon, Giovani Rossi, Marianne Sales Abrão, (3) (4) Rodrigo Neuhaus e Oscar Pereira Colman 9º Seminário Nacional de Milho Safrinha. Rumo à estabilidade: anais. 311 COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA, EM DOURADOS, MS (1) (2) (3) Gessi Ceccon, Giovani Rossi,

Leia mais

Agrex do Brasil S.A. Goiânia - (62) Goiatuba - (64)

Agrex do Brasil S.A. Goiânia - (62) Goiatuba - (64) Agrex do Brasil S.A. Goiânia - (62) 3018 2700 Goiatuba - (64) 3495 8200 Quem Somos Missão 2 Visão Valores Ser a solução integrada e sustentável para o agronegócio, criando valor para os acionistas, clientes,

Leia mais

Análise do ciclo de populações de milho crioulo cultivadas na região Norte do Rio Grande do Sul Introdução Material e Métodos

Análise do ciclo de populações de milho crioulo cultivadas na região Norte do Rio Grande do Sul Introdução   Material e Métodos Análise do ciclo de populações de milho crioulo cultivadas na região Norte do Rio Grande do Sul Machado, B.O. 1 ; Slaviero, C. 2 ; Slaviero, M. 2 ; Rizzardo, A. 2 ; Pasqualotto, L. 2 ; Argenta, J. 2 ;

Leia mais

LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA

LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA Página 1417 LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 200910. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Nelson Dias Suassuna 2, Camilo de Lelis Morello 2 ; Eleusio Curvelo Freire

Leia mais

AVALIAÇÃO DE HÍBRIDOS DE MAMONA NOS CERRADOS DO OESTE DA BAHIA. Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola S/A EBDA,

AVALIAÇÃO DE HÍBRIDOS DE MAMONA NOS CERRADOS DO OESTE DA BAHIA. Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola S/A EBDA, AVALIAÇÃO DE HÍBRIDOS DE MAMONA NOS CERRADOS DO OESTE DA BAHIA Ariosvaldo Novais Santiago 1, Luiz Alberto Passos Larangeiras 1, Jacques Magalhães Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola S/A EBDA, arisan@sendnet.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA CONVENCIONAL COLETADAS EM TRÊS POSIÇÕES DA PLANTA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA CONVENCIONAL COLETADAS EM TRÊS POSIÇÕES DA PLANTA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA CONVENCIONAL COLETADAS EM TRÊS POSIÇÕES DA PLANTA Tiago R. Sousa¹*(PG), Marina C. Guerrero²(PG), Itamar R. Teixeira³(PQ), Sebastião P. Silva Neto

Leia mais

Levantamento Sistemático da Produção Agrícola

Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Diretoria de Pesquisas COAGRO/GEAGRI LSPA Junho de 217 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 15 EFEITO DA APLICAÇÃO FOSFATADA VIA FOLIAR NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o comportamento da cultura da soja mediante adubação complementar de fósforo via aplicação foliar através do produto Free

Leia mais

AÇÚCARES TOTAIS, REDUTORES E NÃO-REDUTORES, EXTRATO ETÉREO E UMIDADE DE DIFERENTES PADRÕES DE BEBIDA DO CAFÉ ARÁBICA E DO CAFÉ CONILON

AÇÚCARES TOTAIS, REDUTORES E NÃO-REDUTORES, EXTRATO ETÉREO E UMIDADE DE DIFERENTES PADRÕES DE BEBIDA DO CAFÉ ARÁBICA E DO CAFÉ CONILON AÇÚCARES TOTAIS, REDUTORES E NÃO-REDUTORES, EXTRATO ETÉREO E UMIDADE DE DIFERENTES PADRÕES DE BEBIDA DO CAFÉ ARÁBICA E DO CAFÉ CONILON PÁDUA, F.R.M. 1 ; PEREIRA, R.G.F.A. 2 e FERNANDES, S.M. 3 1 Mestranda,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 10 EFEITO DE DOSES E FONTES DE ENXOFRE NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o efeito de diferentes doses e fontes de enxofre na cultura da soja em Lucas do Rio Verde-MT na Safra 2014/15. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 10 AVALIAÇÃO DE DOSES D CULTURA DO MILHO SE LUCAS DO RIO VERDE M Objetivo Avaliar o efeito do emprego diferentes doses de nitrogênio aplicado via cobertura nos caracteres agronômicos e na produtividade

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 04 EFEITO DE DIFERENTES POPULAÇÕES DE PLANTA SOJA Objetivo Avaliar a produtividade e atributos agronômicos de três cultivares de soja com hábitos de crescimento distintos em dois espaçamentos entre linhas

Leia mais