Mário Rabelo de Souza, Ph.D. Analista Ambiental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mário Rabelo de Souza, Ph.D. Analista Ambiental"

Transcrição

1 Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Laboratório de Produtos Florestais SEMINÁRIO SOUNDWOOD-AMAINAN Mário Rabelo de Souza, Ph.D. Analista Ambiental Físico, Doutor em Ciências Florestais, Pesquisador, Editor da Brasil Florestal, Diretor Executivo da Funtec-DF, Professor Visitante da UnB São Paulo - 21/10/2003

2 Natureza Administrativa centro de pesquisa do IBAMA criado em 1973 autonomia administrativa e financeira. Missão Apoiar os esforços nacionais para a consecução do desenvolvimento sustentável do setor florestal.

3 Objetivos Caracterizar tecnologicamente madeiras nativas e exóticas Desenvolver técnicas para a utilização de produtos florestais Apoiar o controle e fiscalização do comércio madeireiro Difundir tecnologias, aperfeiçoamento e capacitação de pessoal Promover novas espécies, produtos e o usos das madeiras Elaborar normas técnicas

4 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Gerente do Centro Conselho Consultivo Gerência de Pesquisa Anatomia e Morfologia Engenharia e Física Energia da Biomassa Preservação Biodegradação Produtos e Processos Secagem Química e Adesivos Borracha Usinagem Gerência de Desenvolvimento Planejamento Convênios Difusão de Tecnologia Documentação e Informação Estatística e Computação Articulação de Projetos Treinamento Gerência Administrativa e Financeira Secretaria Serviços Gerais Compras e Licitação

5 Recursos Humanos Profissionais de nível superior; 06- Ph.D M.Sc Graduados 01 em programa de doutorado Profissionais de nível médio; 13-1 o & 2 o graus Bolsistas & Estagiários; Estrutura Física Localizada junto a sede do IBAMA, ocupando uma área de 4500 m 2, abrangendo laboratórios, administração e outras instalações

6 Linhas de Pesquisa Propriedades físico-mecânicas e utilização; Anatomia e morfologia; Secagem e usinagem; Química, adesivos e compostos; Biodegradação e preservação; Energia da biomassa; Borracha Natural. Difusão e Transferência de Tecnologia Eventos técnico-científicos; Feiras e exposições; Consultorias; Formação e capacitação; Publicações.

7 Difusão e Transferência de Tecnologia Livros Publicações Por Ex: Madeiras da Amazônia - Vol 1,2,3 Séries Técnicas Por Ex: Madeiras Para Instrumentos Musicais Manuais Técnicos Por Ex: Secagem de Madeira Serrada Boletim LPF-NET Revista Brasil Florestal Internet Banco de Dados CDROM Catálogo de Árvores do Brasil

8 Difusão e Transferência de Tecnologia Publicações Livros MADEIRAS TROPICAIS BRASILEIRAS CATÁLOGO DE ÁRVORES DO BRASIL. MADEIRAS DA AMAZÔNIA - CARACTERÍSTICAS E UTILIZAÇÃO. VOLUME 3 INCENTIVO AO USO DE NOVAS MADEIRAS PARA FABRICAÇÃO DE MÓVEIS.

9 Boletim Difusão e Transferência de Tecnologia Publicações LPF-NET

10 Difusão e Transferência de Tecnologia Publicações Revista Brasil Florestal

11 Difusão e Transferência de Tecnologia 272 espécies descritas

12 Projeto Madeiras Brasileiras Para Instrumentos Musicais 1. O início 2. O 1º estudo 3. Seminário em Brasília 4. O projeto FUNART-FINEP 5. LPF/IPT/INPA 6. Outros participantes 7. Outros Seminários: Manaus e São Paulo 8. Resultados: 2 relatórios, algumas madeiras estão no mercado 9. Erros: não produziu instrumentos, não qualificou produtores de madeiras

13 Projeto Madeiras Brasileiras Para Instrumentos Musicais 1. O projeto atual 2. Apoios 3. Meta: introduzir no mercado 50 espécies 4. Alvo: atingir os instrumentos para MPB 5. Critérios e testes das madeiras 6. Confecção dos instrumentos 7. Testes dos instrumentos 8. Catálogo 9. Gravação de CDROM 10. Feiras e exposições 11. Equipe: Mário Rabelo e Maria Helena de Souza

14 Projeto Madeiras Brasileiras Para Instrumentos Musicais 1. O que é o LPF? 2. O que faz da madeira uma tone wood? 3. Em que o corte radial (quarter saw) influencia no resultado final? 4. As árvores de 200 anos são melhores às de 50 (observado o mogno por exemplo)? Analisando o plantado / reflorestado (em mata e em campo) x a árvore em seu habitat nativo, crescida sem interferência... Existem diferenças importantes em termos de propriedades acústicas? Será devido à erosão genética provocada pela extração predatória dos melhores indivíduos e agora só restam os indivíduos com piores características (me parece que foram feitos testes com Pau-brasil...)

15 Projeto Madeiras Brasileiras Para Instrumentos Musicais 5. Conexão entre a pesquisa de propriedades acústicas e similaridade conectada às espécies existentes para manejo 6. Qual é o substituto para o Jacarandá? E o mogno? 7. É possível capacitar o caboclo, que vai cortar a árvore, de acordo com as necessidades da industria de instrumentos? 8. Que novas espécies têm se mostrado com características tone wood? 9. Falar sobre experiência das Gaitas Diatônicas 10. Sebastião Tapajós 11. Como eu posso demandar uma pesquisa ao LPF?

16 Projeto Madeiras Brasileiras Para Instrumentos Musicais Cópia dessa palestra e outros documentos estão no site www. funtecg.org.br Dúvidas: Maria Helena de Souza Mário Rabelo

Madeiras para a Fabricação de Instrumentos Musicais

Madeiras para a Fabricação de Instrumentos Musicais Madeiras para a Fabricação de Instrumentos Musicais XII Semana Acadêmica de Engenharia Florestal da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Local: Auditório Luiz Gusmão(Salão azul)- P1, UFRRJ Data:

Leia mais

Curso de Engenharia Florestal

Curso de Engenharia Florestal Curso de Engenharia Florestal Dados Gerais sobre o curso Local: Campus Universitário de Gurupi Formação: Barechal Criação: Resolução CONSEPE/UFT N Implantação: 2 Sem./2007 05/2006, de 24/05/2006. Reconhecimento:

Leia mais

EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Criação do SENAI 1942 O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) foi criado pelo Decreto-Lei 4.048, em 22 de janeiro. Em agosto, o

Leia mais

Mapa das Florestas Intactas no Mundo

Mapa das Florestas Intactas no Mundo Mapa das Florestas Intactas no Mundo AMAZÔNIA Maior Floresta Tropical do Planeta Concentra Maior Biodiversidade do Mundo 17% da água doce disponível 15.000 rios 60% do Território Brasileiro 20 Milhões

Leia mais

Coordenação de Tecnologia e Inovação - COTI

Coordenação de Tecnologia e Inovação - COTI Coordenação de Tecnologia e Inovação - COTI Nome do GP Caracterização e Inovação Tecnológica de Produtos Madeireiros e não Madeireiros na Amazônia Central Nome do Líder Bazilio Frasco Vianez Membros do

Leia mais

Proposta de Parceria Cursos IBF. ibflorestas.org.br (43)

Proposta de Parceria Cursos IBF. ibflorestas.org.br (43) Proposta de Parceria Cursos IBF ibflorestas.org.br jessica.silva@ibflorestas.org.br (43) 3324-7551 Investimento Quem Somos O IBF atua no desenvolvimento do setor ambiental brasileiro, ajudando empresas

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCA ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL Rita de Cássia Gonçalves Borges

Currículos dos Cursos do CCA ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL Rita de Cássia Gonçalves Borges 48 ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADORA DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL Rita de Cássia Gonçalves Borges borgerg@ufv.br Catálogo de Graduação 2002 49 ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado a atuar em atividades

Leia mais

Cadeia Produtiva da Silvicultura

Cadeia Produtiva da Silvicultura Cadeia Produtiva da Silvicultura Silvicultura É a atividade que se ocupa do estabelecimento, do desenvolvimento e da reprodução de florestas, visando a múltiplas aplicações, tais como: a produção de madeira,

Leia mais

MAT002 Geometria Analítica e Álgebra Linear xxx

MAT002 Geometria Analítica e Álgebra Linear xxx MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO: ENGENHARIA FLORESTAL Estrutura Curricular - vigência a partir de 2008/1º

Leia mais

CENTRO DE ENGENHARIAS SEMESTRE: 1º (REOFERTAS) PERÍODO: 2017/2. Cálculo A T1. Cálculo A T1. Cálculo A T1. Cálculo A T4

CENTRO DE ENGENHARIAS SEMESTRE: 1º (REOFERTAS) PERÍODO: 2017/2. Cálculo A T1. Cálculo A T1. Cálculo A T1. Cálculo A T4 CENTRO DE ENGENHARIAS SEMESTRE: 1º (REOFERTAS) PERÍODO: 2017/2 08:00-08:50 08:50-09:40 09:50-10:40 10:40-11:30 Geometria Descritiva 1640081 Geometria Descritiva 1640081 Geometria Descritiva 1640081 Geometria

Leia mais

S e j a B e m - V i n d o à U f a m

S e j a B e m - V i n d o à U f a m Seja Bem-Vindo à U f a m Dados Gerais Breve histórico A Universidade Federal do Amazonas (Ufam) é uma instituição pública de ensino superior que oferece, por meio do ensino, pesquisa e extensão, cursos

Leia mais

Disciplina Turma Professor Vagas Observações Cálculo 1 T Álgebra Linear e Geometria Analítica T1 25

Disciplina Turma Professor Vagas Observações Cálculo 1 T Álgebra Linear e Geometria Analítica T1 25 CENTRO DE ENGENHARIAS SEMESTRE: 1º (REOFERTAS) PERÍODO: 2015/2 08:00-08:50 08:50-09:40 09:50-10:40 10:40-11:30 Cálculo 1 1640023 Cálculo 1 1640023 Cálculo 1 1640023 Cálculo 1 1640023 1640023 Cálculo 1

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sílvio Nolasco de Oliveira

Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sílvio Nolasco de Oliveira 106 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Sílvio Nolasco de Oliveira snolasco@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2014 107 Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O

Leia mais

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sebastião Renato Valverde

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sebastião Renato Valverde ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Sebastião Renato Valverde valverde@ufv.br 92 Currículos dos Cursos do CCA UFV Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado a atuar

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo

Universidade Federal do Espírito Santo Nível: Grau Conferido: Turno: Tipo: Modalidade: Funcionamento: Ensino Superior Engenheiro Industrial Madeireiro Integral Curso Bacharelado Em atividade Doc. de Autorização:Resolução n.º 44/2005 - CUn de

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E INOVAÇÃO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E INOVAÇÃO QUEM SOMOS? Uma instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de longo

Leia mais

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo 4 Núcleos de Trabalho São Paulo Porto Feliz Pilar do Sul Capão Bonito 26 Colaboradores eng.

Leia mais

Curso de Engenharia Industrial Madeireira INTRODUÇÃO À ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA. Prof. Carlos Tillmann

Curso de Engenharia Industrial Madeireira INTRODUÇÃO À ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA. Prof. Carlos Tillmann Curso de Engenharia Industrial Madeireira INTRODUÇÃO À ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA Prof. Carlos Tillmann FONTE: Eng.Agr. Floriano B.Isolan Consultor Florestal Distribuição Geográfica das Florestas

Leia mais

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais,

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais, RESOLU ÇÃO N 0212005 NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL 1)0 SESI - APROVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS - O PRESIDENTE DO DO SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Secretaria Municipal de Conservação e Meio Ambiente SECONSERMA

Secretaria Municipal de Conservação e Meio Ambiente SECONSERMA Secretaria Municipal de e Meio Ambiente SECONSERMA Fundo de Fundo de Fundo Especial de Fundo Iluminação Especial de Pública Iluminação Pública Secretaria Municipal Secretaria de Municipal de e Meio Ambiente

Leia mais

CENTRO DE ENGENHARIAS SEMESTRE: 1º (REOFERTAS) PERÍODO: 2017/2. Cálculo A T1. Cálculo A T1. Cálculo A T1. Cálculo A T4

CENTRO DE ENGENHARIAS SEMESTRE: 1º (REOFERTAS) PERÍODO: 2017/2. Cálculo A T1. Cálculo A T1. Cálculo A T1. Cálculo A T4 CENTRO DE ENGENHARIAS SEMESTRE: 1º (REOFERTAS) PERÍODO: 2017/2 08:00-08:50 08:50-09:40 09:50-10:40 10:40-11:30 Geometria Descritiva 1640081 Geometria Descritiva 1640081 Geometria Descritiva 1640081 Geometria

Leia mais

Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior.

Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior. Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior. PLANO GERAL DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO Com a entrada em vigor da Lei 9.394/96 Lei de Diretrizes e Bases da Educação

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira 108 ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira snolasco@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2012 109 Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado a atuar

Leia mais

ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA

ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA O CURSO E SUAS OPORTUNIDADES Autores: Prof. Dr. Alan Sulato de Andrade Prof. Dr. Umberto Klock Sejam bem-vindos à Universidade Federal do Paraná Sejam bem-vindos ao Curso

Leia mais

MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO E FAMILIAR

MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO E FAMILIAR MISSÃO Promover o conhecimento, o uso sustentável e a ampliação da cobertura florestal, tornando a agenda florestal estratégica para a economia do país. MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO E FAMILIAR Diretoria

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira Neto

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira Neto 102 ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira Neto snolasco@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 103 Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado

Leia mais

Currículo do Curso de Engenharia Florestal

Currículo do Curso de Engenharia Florestal Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado a atuar em atividades relacionadas com: construções de madeira; silvimetria e inventário; recursos naturais renováveis;

Leia mais

104 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira

104 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira 104 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira snolasco@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2015 105 Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O

Leia mais

UFPE/PROPESQ Diretoria de Inovação e Empreendedorismo

UFPE/PROPESQ Diretoria de Inovação e Empreendedorismo UFPE/PROPESQ Diretoria de Inovação e Empreendedorismo FORTEC-NE Salvador Junho/2006 A UFPE Alunos Matriculados 34.586 Graduação 26.705 Especialização 4.197 Mestrado 2.693 Doutorado 991 Cursos Oferecidos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO CORE-PE PARA 2017

PLANO DE AÇÃO DO CORE-PE PARA 2017 PLANO DE AÇÃO DO CORE-PE PARA 2017 INTRODUÇÃO O objetivo da Diretoria-Executiva do CORE-PE, ao estabelecer o seu Plano de Ação para 2017, consiste em sistematizar as ações relacionadas às atividades institucionais

Leia mais

Plano/Relatório Individual de Trabalho Docente (PIT/RIT)

Plano/Relatório Individual de Trabalho Docente (PIT/RIT) IFBA-PIT/RIT Plano/Relatório Individual de Trabalho Docente (PIT/RIT) Servidor Thalita Chagas Silva Araújo Siape 2075425 Regime de Trabalho 20h Email thalitaaraujo@ifba.edu.br Cargo DOCENTE EBTT Campus

Leia mais

Evento de Promoção da Cadeia Produtiva do Cacau e Chocolate desenvolvimento sustentável de valorização cultural da atividade cacaueira paraense

Evento de Promoção da Cadeia Produtiva do Cacau e Chocolate desenvolvimento sustentável de valorização cultural da atividade cacaueira paraense Evento de Promoção da Cadeia Produtiva do Cacau e Chocolate desenvolvimento sustentável de valorização cultural da atividade cacaueira paraense EVENTO de PROMOÇÃO Oportunizar negócios com o parque industrial

Leia mais

EDITAL 02/2014/PRH ANP 45

EDITAL 02/2014/PRH ANP 45 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA - CCET Programa de Recursos Humanos da ANP para o Setor de Petróleo e Gás Programa Multidisciplinar em Tecnologia de Petróleo,

Leia mais

19/12/2016 G1 - Ibama fecha serrarias que extraíam madeira em terras indígenas no PA - notícias em Santarém e Região

19/12/2016 G1 - Ibama fecha serrarias que extraíam madeira em terras indígenas no PA - notícias em Santarém e Região ENTRE MENU G1 Santarém e Região BUSCAR MENU G1 Santarém e Região BUSCAR 26/11/2016 09h56 - Atualizado em 26/11/2016 18h00 Do G1 Santarém, com informações da TV Tapajós http://g1.globo.com/pa/santarem-regiao/noticia/2016/11/ibama-fecha-serrarias-que-extraiam-madeira-em-terras-indigenas-no-pa.html

Leia mais

Secretaria. Secretaria. Municipal Meio de. Meio Ambiente. Meio Ambiente. Secretaria. Fundo Especial. Pública. Pública. Assessoria de Comunicação

Secretaria. Secretaria. Municipal Meio de. Meio Ambiente. Meio Ambiente. Secretaria. Fundo Especial. Pública. Pública. Assessoria de Comunicação Geral de Gestão Institucional Fundo de Fundo de Fundo Especial de Fundo Iluminação Especial de Pública Iluminação Pública Secretaria Municipal Secretaria de Municipal de e Meio Ambiente e Meio Ambiente

Leia mais

SANTARÉM, PARÁ. BELTERRA, PARÁ 2014 AGOSTO, 2016

SANTARÉM, PARÁ. BELTERRA, PARÁ 2014 AGOSTO, 2016 SANTARÉM, PARÁ. BELTERRA, PARÁ 2014 AGOSTO, 2016 Histórico e contextualização Criação da Florestal Nacional dotapajós pelo decreto 73.684em 1974 Termo de ajustamento de conduta celebrado em 1998 em IBAMA

Leia mais

Fortalecimento do extrativismo sustentável: a participação do Ipea

Fortalecimento do extrativismo sustentável: a participação do Ipea Fortalecimento do extrativismo sustentável: a participação do Ipea Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Júlio César Roma Técnico de Planejamento e Pesquisa da Diretoria de Estudos e Políticas

Leia mais

Acadêmica e estagiária UEPG/BASF,

Acadêmica e estagiária UEPG/BASF, 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( x ) TECNOLOGIA DIFUSÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Curso reconhecido através da Portaria n 1.098, de 24 de dezembro de 2015 Currículo

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Curso reconhecido através da Portaria n 1.098, de 24 de dezembro de 2015 Currículo 1 de 8 Colegiado: Nível:Graduação Início: 20051 01 - - CCA024 - BIOLOGIA GERAL - Ativa desde: CCA029 - ZOOLOGIA GERAL - Ativa desde: CCA235 - FUNDAMENTOS DE FILOSOFIA - Ativa desde: CCA281 - FUNDAMENTOS

Leia mais

GABARITOS DEFINITIVOS

GABARITOS DEFINITIVOS SUDENE - GABARITOS PROVAS DO DIA 5/09/203 Agente Administrativo Tipo E A A B C D A C B E E A E B D E C C C D E C D * A B D E D A B A C C E A E E C D B C D A A D C E B D A D C A B D C A D E Agente Administrativo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DO TRABALHO PST

DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DO TRABALHO PST TABELA 1: DESCRIÇÃO DOS LABORATÓRIOS NOME DO LABORATÓRIO Nº DE DOCENTES Nº DE ALUNOS GRADUAÇÃO PÓS DESCRIÇÃO LABORATÓRIO DE COGNIÇÃO E EFETIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES (CEO) 2 7 5 São realizadas pesquisas

Leia mais

Centro de Tecnologia Usiminas

Centro de Tecnologia Usiminas Centro de Tecnologia Usiminas Unidade Rio 11/02/2011 Agenda Centro de Tecnologia Usiminas Unidade Rio Relacionamento com a UFRJ Outros investimentos em P&D Centro de Tecnologia Usiminas Unidade Rio Plano

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E INVESTIMENTOS FLORESTAIS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E INVESTIMENTOS FLORESTAIS GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E INVESTIMENTOS FLORESTAIS Três Lagoas Florestal IMA 29 de Março, 2017 1 IMA Gestão e Desenvolvimento de Negócios Florestais Criada em 2009 como uma empresa de consultoria

Leia mais

Relatório de Atividades.

Relatório de Atividades. Relatório de Atividades 2016 www.apremavi.org.br Programa Matas Legais Objetivo: Desenvolver um programa de Conservação, Educação Ambiental e Fomento Florestal que ajude a preservar e recuperar os remanescentes

Leia mais

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS IvarWendling Engenheiro Florestal Pesquisador da Embrapa Florestas Chefede P&D Santa Maria, 27/05/2011 SUMÁRIO -A Embrapa

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL 1º Semestre (Matutino)

ENGENHARIA CIVIL 1º Semestre (Matutino) 1º Semestre (Matutino) Int. Computação para Eng/ Pré-Cálculo Química Tecnológica Int. à Engenharia Expressão Gráfica Int. Computação para Eng / Pré-Cálculo Química Tecnológica Int. à Engenharia Expressão

Leia mais

GINO FRANCESCO MAZZOCCATO ASPECTOS AMBIENTAIS NAS EMBALAGENS DE MADEIRA PARA FIOS E CABOS

GINO FRANCESCO MAZZOCCATO ASPECTOS AMBIENTAIS NAS EMBALAGENS DE MADEIRA PARA FIOS E CABOS GINO FRANCESCO MAZZOCCATO ASPECTOS AMBIENTAIS NAS EMBALAGENS DE MADEIRA PARA FIOS E CABOS SÃO PAULO 06 de Novembro de 2008 CARRETÉIS DE MADEIRA INTRODUÇÃO ORIGEM DA MATÉRIA-PRIMA FLORESTAS PLANTADAS MATÉRIA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ECONOMIA EM SAÚDE MENTAL DO DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ECONOMIA EM SAÚDE MENTAL DO DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ECONOMIA EM SAÚDE MENTAL DO DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO A Diretoria do Centro de Economia em Saúde Mental, no uso de suas atribuições

Leia mais

Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO

Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO A parceria do UFF inclui ONGs, institutos de setores de salvaguarda ambiental e social, peritos do sector financeiro e consultores

Leia mais

ANEXO III da Lei nº /2005 Progressão por Capacitação (Redação dada pela Lei nº de 2005

ANEXO III da Lei nº /2005 Progressão por Capacitação (Redação dada pela Lei nº de 2005 ANEXO III da Lei nº 11.091/2005 Progressão por Capacitação (Redação dada pela Lei nº 11.233 de 2005 TABELA PARA PROGRESSÃO POR CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NÍVEL DE NÍVEL DE CARGA HORÁRIA DE CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUC MINAS CENTRO DE MEMÓRIA E DE PESQUISA HISTÓRICA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUC MINAS CENTRO DE MEMÓRIA E DE PESQUISA HISTÓRICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUC MINAS CENTRO DE MEMÓRIA E DE PESQUISA HISTÓRICA INVENTÁRIO SUMÁRIO FUNDO CONSELHO DE REITORES DAS UNIVERSIDADES BRASILEIRAS - CRUB DATAS-LIMITE: 1966/1994

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL TOTAL ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL NÚCLEO DE CONTEÚDOS ÁREA DE FORMAÇÃO MATÉRIAS DISCIPLINAS CH T P 1º PERÍODO Silvicultura Ecossistemas Florestais Introdução à Engenharia Florestal

Leia mais

SÍNTESE DO PLANO DE TRABALHO Titulo do Projeto: IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E ENERGIAS ALTERNATIVAS/TECNOVATES. Convênio: SCIT 37/2014 FPE: 2347/2014 Fiscal: Jairo Leandro Patias

Leia mais

Estratégias da FINEP e seus Instrumentos de Apoio à Inovação. Prof. Oswaldo Massambani Titular da Superintendência Regional de São Paulo

Estratégias da FINEP e seus Instrumentos de Apoio à Inovação. Prof. Oswaldo Massambani Titular da Superintendência Regional de São Paulo Estratégias da FINEP e seus Instrumentos de Apoio à Inovação Prof. Oswaldo Massambani Titular da Superintendência Regional de São Paulo A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada ao MCTIC (Ministério

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Programa de Pós Graduação em Ciência e Tecnologia da Madeira Atenção! O conteúdo desta apresentação está sujeito a alterações! 10 de Maio de 2016 Bem vindos à equipe CTM!

Leia mais

Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento Coordenadoria de Gestão da Informação

Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento Coordenadoria de Gestão da Informação Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento Coordenadoria de Gestão da Informação Como dizer, claramente, nos projetos, o que você vai produzir ou o que produziu na Empresa. Valorize seu trabalho! Brasília-DF,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS SÃO AÇÕES INTEGRADAS DAS TRÊS ESFERAS DE PODER: GOVERNOS: FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL EM CONJUNTO COM A SOCIEDADE CIVIL GERANDO ESFORÇOS ESPECÍFICOS

Leia mais

AQUISIÇÃO RESPONSÁVEL DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Guia Prático para as Construtoras. Lilian Sarrouf

AQUISIÇÃO RESPONSÁVEL DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Guia Prático para as Construtoras. Lilian Sarrouf AQUISIÇÃO RESPONSÁVEL DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Guia Prático para as Construtoras Lilian Sarrouf Objetivo: Disseminar boas práticas e informações voltadas para processos produtivos eficientes e sustentáveis

Leia mais

EXAME DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS

EXAME DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS EXAME DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS DIA 24/07 quarta feira - 19:00 CURSOS/ DISCIPLINAS Disciplinas SALAS DE AULA TODOS OS CURSOS Física I, II, III Q302 Metodologia Cientifica Mecânica Geral Álgebra Linear

Leia mais

Plano/Relatório Individual de Trabalho Docente (PIT/RIT)

Plano/Relatório Individual de Trabalho Docente (PIT/RIT) IFBA-PIT/RIT Plano/Relatório Individual de Trabalho Docente (PIT/RIT) Servidor CARLA SEVERIANO DE CARVALHO Siape 217234 Regime de Trabalho 2h Email carlacarvalho@ifba.edu.br Cargo Professor EBTT Campus

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DA FOREST TRENDS

EXPERIÊNCIAS DA FOREST TRENDS EXPERIÊNCIAS DA FOREST TRENDS Oficina de Capacitação sobre Monitoramento de Carbono em SAFs e PSA no Noroeste de Mato Grosso Juruena MT Brasil 23 de Fevereiro de 2010 Rebecca Vonada 1 Sobre a Forest Trends

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECIS SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA INCLUSÃO SOCIAL

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECIS SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA INCLUSÃO SOCIAL MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECIS SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA INCLUSÃO SOCIAL PROJETOS ESTRUTURANTES CVTs CENTROS VOCACIONAIS TECNOLÓGICOS O QUE É O CVT? É um espaço voltado

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO - CIENTÍFICO

RELATÓRIO TÉCNICO - CIENTÍFICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC : CNPq, CNPq/AF, UFPA, UFPA/AF, PIBIC/INTERIOR,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Apresentação 2015 Prof. Dr. Carlos Fernando Jung carlosfernandojung@gmail.com Nosso Negócio Produtividade Rentabilidade Melhoria Contínua Otimização de Produtos e Processos

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA QUÍMICA. CRÉDITOS Obrigatórios: 204 Optativos: 18. 1º Semestre

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA QUÍMICA. CRÉDITOS Obrigatórios: 204 Optativos: 18. 1º Semestre Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:08:51 Curso : ENGENHARIA

Leia mais

PRH-49 / ANP PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS EM TECNOLOGIAS AVANÇADAS PARA RECUPERAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL EM CAMPOS MADUROS

PRH-49 / ANP PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS EM TECNOLOGIAS AVANÇADAS PARA RECUPERAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL EM CAMPOS MADUROS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Rua Professor Aristides Novis, nº 02 Federação EP/UFBA CEP 40.210-630 Salvador - Bahia Tel: 3203-9806,

Leia mais

Cacau e Pecuária na Amazônia: Análise de Meios de Vida em São Félix do Xingu - PA

Cacau e Pecuária na Amazônia: Análise de Meios de Vida em São Félix do Xingu - PA Cacau e Pecuária na Amazônia: Análise de Meios de Vida em São Félix do Xingu - PA Por: Daniel Braga 1 Como principais estratégias econômicas do meio rural, em São Félix do Xingu - PA, o cacau e a pecuária

Leia mais

O PROGRAMA PEIXE VIVO

O PROGRAMA PEIXE VIVO O PROGRAMA PEIXE VIVO Programa Peixe Vivo O Programa Peixe Vivo foi lançado em junho de 2007 por iniciativa da Cemig. Ele prevê a criação e expansão de ações voltadas para a preservação da fauna aquática

Leia mais

Planejamento Sistemático da Conservação e Restauração da Biodiversidade e dos Serviços Ambientais dos Biomas de Minas Gerais

Planejamento Sistemático da Conservação e Restauração da Biodiversidade e dos Serviços Ambientais dos Biomas de Minas Gerais Planejamento Sistemático da Conservação e Restauração da Biodiversidade e dos Serviços Ambientais dos Biomas de Minas Gerais Gerência de Proteção à Fauna e Flora-GPFAF Diretoria de Pesquisa e Proteção

Leia mais

Seminário ABRAEX/UDF 2016

Seminário ABRAEX/UDF 2016 Associação Brasiliense de Ex-Bolsistas Brasil-Japão Centro Universitário do Distrito Federal Seminário ABRAEX/UDF 2016 Infraestrutura: o desenvolvimento brasileiro a partir da experiência japonesa Realização:

Leia mais

Pinus: uma. floresta sustentável

Pinus: uma. floresta sustentável Pinus: uma floresta sustentável o conceito da produção sustentável 11 Os diferentes produtos de origem florestal, sejam para fins energéticos, construções, mobiliário, papel, chapas ou processamento mecânico,

Leia mais

Oportunidades de Negócios com Plantação de Árvores Políticas para Plantio de Árvores (PSS) Fausto Takizawa Secretário Geral da Arefloresta

Oportunidades de Negócios com Plantação de Árvores Políticas para Plantio de Árvores (PSS) Fausto Takizawa Secretário Geral da Arefloresta Oportunidades de Negócios com Plantação de Árvores Políticas para Plantio de Árvores (PSS) Fausto Takizawa Secretário Geral da Arefloresta AREFLORESTA ASSOCIAÇÃO DE REFLORESTADORES DE MATO GROSSO Ambiente

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

A energia gerada a partir da chamada biomassa florestal é fundamental para a economia do País e está presente em nosso dia-a-dia.

A energia gerada a partir da chamada biomassa florestal é fundamental para a economia do País e está presente em nosso dia-a-dia. Você já parou para pensar de onde vem a energia que move muitas indústrias, que assa a pizza deliciosa, que aquece a piscina da academia de natação? Grande parte vem das florestas! A energia gerada a partir

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. COORDENADOR Luciano José Minette

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. COORDENADOR Luciano José Minette UFV Catálogo de Graduação 2011 229 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO COORDENADOR Luciano José Minette minetti@ufv.br 230 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro de Produção ATUAÇÃO O Curso de Engenharia de Produção

Leia mais

Levantamento de conteúdo para o sistema WebAmbiente

Levantamento de conteúdo para o sistema WebAmbiente 45 Levantamento de conteúdo para o sistema WebAmbiente Meiry Helen Bordim 1 Alan Massaru Nakai 2 Resumo: O WebAmbiente é um sistema que está sendo desenvolvido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

HORÁRIO DE AULA - Eng. Florestal

HORÁRIO DE AULA - Eng. Florestal HORÁRIO DE AULA - Eng. Florestal 1º PERÍODO DIA ENTRADA E SAÍDA DISCIPLINA Professores DIAS RODIZIO Biologia Geral Drª. Carolina Pirajá HORÁRIO FIXO Segunda Feira Biologia Geral Drª. Carolina Pirajá HORÁRIO

Leia mais

CONTRIBUINDO PARA A COMPETITIVIDADE SUSTENTÁVEL

CONTRIBUINDO PARA A COMPETITIVIDADE SUSTENTÁVEL CONTRIBUINDO PARA A COMPETITIVIDADE SUSTENTÁVEL Uma organização autossustentável e não Governamental, que atua através de um sistema de Rede de Comitês, utilizando trabalho voluntário. Agentes Multiplicadores

Leia mais

O Estado de Mato Grosso

O Estado de Mato Grosso Logística e Meio Ambiente no Estado de Mato Grosso Governo do Estado de Mato Grosso 6º Seminário Internacional em Logística Agroindustrial Abril 2009 O Estado de Mato Grosso 3 Biomas : Amazônia; Cerrado;

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS

PLANO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS PLANO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS Artigo 1º. O Plano de Qualificação Docente tem por objetivo o aprimoramento profissional dos professores da FACULDADE JAUENSE, de modo a promover a melhoria

Leia mais

20/11/2013. Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO

20/11/2013. Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO PROF. ÉRICO VALVERDE Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO 1 Regimento Interno CAPITULO IV DO CONTRATO DE ADESÃO COM

Leia mais

2.1 As ações deste projeto serão desenvolvidas nos seguintes estados: RS, SC, PR, SP, RJ, ES, SE, AL, RN, PB e CE.

2.1 As ações deste projeto serão desenvolvidas nos seguintes estados: RS, SC, PR, SP, RJ, ES, SE, AL, RN, PB e CE. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE EXTRATIVISMO E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL GERÊNCIA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL Assunto: Origem: PROJETO

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE TERMO DE REFERÊNCIA 01/2002 ORÇAMENTO 2003 PÓLO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO PARANHANA/ENCOSTA DA SERRA

RELATÓRIO DE ANÁLISE TERMO DE REFERÊNCIA 01/2002 ORÇAMENTO 2003 PÓLO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO PARANHANA/ENCOSTA DA SERRA RELATÓRIO DE ANÁLISE TERMO DE REFERÊNCIA 01/2002 ORÇAMENTO 2003 PÓLO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO PARANHANA/ENCOSTA DA SERRA Apresentação Área de Abrangência: Meio Ambiente; Automação e Informática. Gestor:

Leia mais

Mesa Redonda da Madeira Tropical Sustentável

Mesa Redonda da Madeira Tropical Sustentável Mesa Redonda da Madeira Tropical Sustentável Rede Amigos da Amazônia Quem somos nós? 2000 Influenciar o setor público a adotar políticas responsáveis de consumo de madeira tropical Estados Amigos da Amazônia

Leia mais

Ambiente Empresarial do Setor Industrial na Região Centro X Projetos do Sebrae Centro

Ambiente Empresarial do Setor Industrial na Região Centro X Projetos do Sebrae Centro Ambiente Empresarial do Setor Industrial na Região Centro X Projetos do Sebrae Centro Quantidade de MPEs por Regional - Dados da RFB Setor Campanha Centro Metropolitana Noroeste Norte Planalto Serra Sinos

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas Universidade Federal de Pelotas Universidade Federal de Pelotas 47 Cursos de Graduação 3 Ensino Médio 60 Pós-Graduação: Doutorado Mestrado Mestrado Profissionalizante Especialização Residência Médica Residência

Leia mais

UNIVERSIDADE FUMEC. A Fundação Mineira de Educação e Cultura (FUMEC), pessoa jurídica de direito privado e sem fins lucrativos, foi fundada em 1965.

UNIVERSIDADE FUMEC. A Fundação Mineira de Educação e Cultura (FUMEC), pessoa jurídica de direito privado e sem fins lucrativos, foi fundada em 1965. UNIVERSIDADE FUMEC A Fundação Mineira de Educação e Cultura (FUMEC), pessoa jurídica de direito privado e sem fins lucrativos, foi fundada em 1965. A FUMEC integra o grupo dos melhores nomes em ensino

Leia mais

DIRETOR GERAL DO CAMPUS FEIRA DE SANTANA

DIRETOR GERAL DO CAMPUS FEIRA DE SANTANA Nome do candidato ao cargo de Diretor Geral do Campus Feira de Santana: Juliano Marques de Aguilar Cargo efetivo: Professor EBTT Matrícula Siape: 0268289 Data de admissão no IFBA: 03 de Julho de 1972 Campus

Leia mais

Anais do 1º Simpósio Internacional de Arborização de Pastagens em Regiões Subtropicais

Anais do 1º Simpósio Internacional de Arborização de Pastagens em Regiões Subtropicais 111 Demanda por lenha no Paraná: oportunidade para o sistema agrossilvipastoril Ives Clayton Gomes dos Reis Goulart 1, Gilson Martins 2, Emiliano Santarosa 3, Rogério Morcelles Dereti 4, Joel Penteado

Leia mais

ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA O quadro abaixo apresenta os ambientes organizacionais, com suas respectivas competências e cursos de capacitação relacionados, conforme Lei 11.091, de 12 de janeiro de 2005 e Portaria Nº 9, de 29 de junho

Leia mais

Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013

Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013 Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013 O Processo de Inovação na Empresa Brasileira: Avanços e Desafios Prof. Dr. Ruy Quadros Unicamp e Innovarelab Belo Horizonte 4/11/2013 O Processo de Inovação na Empresa

Leia mais

DECRETO Nº 7.882, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 7.882, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 7.882, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2008. Estabelece normas regulamentares para a aquisição de produtos e subprodutos florestais de origem nativa e não nativa, para aprovação de edificações no Município.

Leia mais

VII Simpósio de restauração ecológica

VII Simpósio de restauração ecológica VII Simpósio de restauração ecológica AVANÇOS E TECNOLOGIA 08 a 10 de novembro de 2017 botânica.sp.gov.br REALIZAÇÃO Instituto de Botânica / Secretaria do Meio Ambiente Coordenação Geral: Dr. Luiz Mauro

Leia mais

Lei Rouanet: Tipos e segmentos de projetos aceitos

Lei Rouanet: Tipos e segmentos de projetos aceitos Lei Rouanet: Tipos e segmentos de projetos aceitos por Samir Selman Jr. De uma maneira geral, a Lei Rouanet foi criada para estimular a cultura nacional, como já detalhamos em outros artigos, como em "A

Leia mais

Biblioteca Digital de Meio Ambiente

Biblioteca Digital de Meio Ambiente COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÃO AMBIENTAL: QUESTÕES SOBRE DADOS AMBIENTAIS ABERTOS NA AMÉRICA LATINA 23 e 24 de agosto de 2012 Universidade Federal de Rio Grande do Sul (UFRGS) Porto Alegre, Brasil IBAMA

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Acre Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Peixe Defumado

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Acre Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Peixe Defumado Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Acre Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Peixe Defumado Joana Maria Leite de Souza Ociléia de Araújo Pereira Inês Maria Pereira de Araújo

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15

GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15 GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15 Portaria CTPI 23/2013 Atribuições: I Propor diretrizes e ações de Educação Ambiental relacionadas aos recursos hídricos

Leia mais

Negociação Comercial

Negociação Comercial Negociação Comercial Aula 5-16/02/09 1 Negociação Comercial CONCEITOS INTELIGENCIA COMPETITIVA 2 INTELIGENCIA COMPETITIVA 1. Conceitos 2. Inteligência Competitiva no ambiente dos negócios 3. O Sistema

Leia mais