DISPONIBILIDADE DE ESTOQUE PARA O ATENDIMENTO DA EXPECTATIVA DO CLIENTE: LOJA DE CHOCOLATES FINOS EM SOBRAL/CE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISPONIBILIDADE DE ESTOQUE PARA O ATENDIMENTO DA EXPECTATIVA DO CLIENTE: LOJA DE CHOCOLATES FINOS EM SOBRAL/CE"

Transcrição

1 DISPONIBILIDADE DE ESTOQUE PARA O ATENDIMENTO DA EXPECTATIVA DO CLIENTE: LOJA DE CHOCOLATES FINOS EM SOBRAL/CE VIVIAN DOS SANTOS XIMENES ¹ Resumo: A presente pesquisa busca reconhecer a disponibilidade de estoque para o atendimento da expectativa do cliente, através de um estudo de caso em uma franquia de chocolates finos instalada na cidade de Sobral-CE. Para isso foi realizado levantamentos bibliográficos sobre a gestão de estoque e com isso foi feito relações com o composto de marketing, foi desenvolvido um estudo de caso com clientes da loja no período de páscoa já que a esta trabalha com sazonalidades e linha de produtos, para saber o grau de satisfação destes no que diz respeito a satisfação e qualidade de produtos, foram aplicados neste estudo formulários onde os clientes atribuíram notas de 1 a 5. O resultado foi obtido através de uma análise quantitativa dos formulários com aspectos descritivos com ênfase na qualidade do julgamento crítico dos dados coletados. Assim, os principais índices de satisfação encontrados foram: organização dos produtos na loja, produtos sem avarias, 86%, no quesito embalagem 89,3% apresentaram-se altamente satisfeitos, na facilidade de acesso a prateleira e ambiente os clientes também mostraram-se estar satisfeitos, e para o grau de satisfação, apresentaram em sua totalidade 73,3%, pontuado 5, ou seja a maior nota. Palavras - chave: Estoque. Cliente. Expectativa. Satisfação. 1 Acadêmica do curso de Administração da Faculdade Luciano Feijão - FLF

2 1 INTRODUÇÃO Com o abundante crescimento do mercado as empresas procuram novas estratégias que as diferencie de seus concorrentes, isto não é tão simples devido às exigências dos clientes, eles esperam chegar a loja e encontrar o produto conforme desejam e no momento esperado. A gestão de estoque é uma das principais atividades dentro de uma empresa, pois direciona o gestor em: o que comprar, quando, comprar, quanto e como comprar, garantindo a quantidade e minimizando a falta de produto e evitando estoque desnecessário. Para analisar a importância do estoque na gestão de uma empresa, foi aplicada a pesquisa em uma franquia considerada hoje, uma das maiores redes de chocolates finos do país e tem como visão ser a maior rede de lojas de chocolates finos do mundo, especializada na produção e distribuição de alimentos Premium, proporcionando uma experiência de valor aos consumidores, no ano de 2010 atingiu a marca de mil lojas abertas. A loja conta com um estoque de abastecimento que dura até 15 dias ou mais a depender da demanda já que a marca vende por sazonalidade e a cobertura de distribuição é de nível nacional, levando aos clientes uma linha completa formada por 200 produtos, diversas opções para todos os paladares. Para garantir a qualidade dos produtos a loja está constantemente em temperatura de 18 a 22 graus garantindo, portanto a satisfação de seu cliente. A empresa também tem como objetivo o comprometimento e a qualificação de pessoas envolvidas em todas as áreas, para que não haja falta de informação na entrada e na análise de dados. Com essas considerações surge a seguinte problemática a disponibilidade de estoque influencia na satisfação do cliente? Como a empresa gerencia seu estoque evitando faltas mínimas, considerando que o cliente vai até a loja a busca do produto e quando não o encontra pode gerar uma insatisfação? O objetivo geral deste estudo é explorar a percepção do cliente mediante a disponibilidade do estoque através de questões que apontem o grau de satisfação em relação a produtos adquiridos.

3 Os objetivos específicos compreendem: levantar expectativas do cliente no que diz respeito à satisfação do atendimento, prazo qualidade, embalagem. Aclarar os processos adequados e específicos sobre a estocagem, assim como, as minúcias que envolvem os mecanismos de precisão, cuidado, conservação e qualidade. Para desenvolver esse estudo será analisa através de uma análise quantitativa e qualitativa, onde clientes serão submetidos a uma pesquisa para a obtenção de dados. O posterior exame dessas informações gerará subsídios para a resposta do problema proposto com suporte de referencial teórico levantado pela bibliografia dos autores: Dias (2009), Ballou (2010), Viana (2008), Marras (2009), onde, serão abordados os seguintes tópicos: gestão de estoque, objetivo dos estoques, politicas de estoque, características de estoque, princípios básicos para controle de estoque, produto embalagem, promoção, satisfação do cliente. 2 DEFININDO GESTÃO DE ESTOQUE Gestão de estoque é um conjunto de atividades que visa, por meio das respectivas políticas de estoque, ao pleno atendimento das necessidades da empresa, com a máxima eficiência e ao menor custo, através do maior giro possível para o capital investido em matérias. (VIANA, 2010, p.117). De acordo com Ballou (2010, p. 277), o principal objetivo da gestão de estoque é assegurar que o produto esteja disponível em quantidades e no tempo planejados para atingir os pedidos e as previsões de venda. O sistema de gestão de estoque é definido por etapas ou procedimentos, os quais determinam uma ferramenta importante nas tomadas de decisões, de programação e operação. A principal função ou objetivo da gestão de estoques consiste na busca para achar o equilíbrio entre estoque e consumo, para Viana (p.120, 2010) existem dois modelos de estoques, os gerenciamentos manual que utilizam fichas e não dispõe de equipamentos informatizados e os gerenciamentos mecanizados, utilizados em empresas que utilizam controle por meio de mecanismos informatizados.

4 Segundo Viana, 2010, p.145 Os estoques possuem materiais ociosos de valor econômico, os quais podem ser representados como um investimento destinado à utilização nas atividades de produção ou servir aos clientes. 2.1 Objetivos do estoque O gestor que tem o controle do estoque de sua empresa, fazendo sempre a contagem de seus produtos através de inventários sejam rotativos ou periódico, levando em consideração o giro de seus produtos, conta com a certeza do que comprar como comprar e o quanto comprar, garantindo portanto a satisfação de seus clientes. O controle de estoque tem como objetivo otimizar o investimento em estoque, aumentando o uso dos meios internos da empresa, diminuindo as necessidades de capital investido. O controle de estoque tem também como objetivo qualificado o planejamento da estocagem, assim como, controlar e re-planejar o material armazenado na empresa. (BALLOU, 2010). De acordo com Ballou ( 2010 ps. 213 a 217), os objetivos de custo buscam estabelecer os níveis de estoque e a sua localização sendo apenas uma parte do problema global de planejamento logístico; para os objetivos de nível de serviço, muitas vezes, a dificuldade em estimar os custos de faltas leva ao estabelecimento de um objetivo ligeiramente diferente para o controle de estoques; definir Previsão de incertezas, pois controlar o nível de estoques é como apostar num jogo de azar. Nunca se tem certeza demanda da para armazenagem; determinar as Previsões de demanda, ou seja, prever qual a quantidade de produto que os clientes deverão comprar é assunto vital para todo planejamento empresarial. Por isso, grande esforço tem sido dedicado ao desenvolvimento de métodos e previsão. 2.2 Politicas de estoque

5 Dias (p.21, 2009), ressalta políticas importantes ao bom funcionamento da administração de estoque: a definição de metas quanto atempo de entrega de produtos ao cliente; definir o numero de depósitos e de almoxarifados e da linha de materiais a serem estocados neles; tomar conhecimento em que nível deverá flutuar os estoques para atender a uma alta ou baixa das vendas ou uma alteração de consumo; perceber até que ponto será permitido a especulação com estoques, fazendo compra antecipada com preços mais baixos ou comprando uma quantidade maior para se obter desconto. As definições das políticas são muito importantes ao bom funcionamento da administração de estoques. (DIAS, 2009, p. 22) 2.3 Características de estoque Nos dias de hoje as empresas tentam trabalhar com menores níveis de estoque para reduzir o custo, além da frequência e prazo de entrega das mercadorias interferirem na escolha do fornecedor. Existem certas características que são comuns a todos os problemas de controle de estoque, não importando se são matérias-primas, material em processo ou produto acabado. É preciso compreender esses traços básicos. Ballou (2010, p.211) define: as características básicas, comuns a todos os problemas de estoques, não importando se são matérias básicas, material em processo ou produtos acabados. É preciso compreender traços básicos de métodos de controle de estoque como: Custos de manutenção, custo de requisição ou compra custo de falta de estoque. Os custo de manutenção de estoque, estão associados a todos os custos necessários para manter certa quantidade de mercadorias por um período de tempo; Custo de compras estão associados ao processo de aquisição das quantidades requeridas para reposição do estoque; custos de falta são aqueles que ocorrem caso haja demanda por item em falta de estoque. Conforme a reação do cliente potencial a uma situação de carência pode haver dois tipos de custo de falta (1) custo de vendas perdidas,

6 ocorre quando um cliente cancela seu pedido caso o produto esteja em falta e (2) custo de atraso, estão relacionados a gastos diretos da empresa. 2.4 Princípios básicos para controle de estoques Para se organizar um setor de controle de estoque, inicialmente dever-se-á discriminar suas principais funções: Determinar o que deve permanecer em estoque, fazendo a checagem de número de itens; determinar quando se deve reabastecer o estoque, levando em consideração prioridades; determinar a quantidade de estoque que será necessário para um período prédeterminado; acionar o departamento de compras para executar a aquisição de estoque; receber, armazenar e atender os materiais estocados de acordo com as necessidades; controlar o estoque em termos de quantidade e valor e fornecer informações sobre sua posição; manter inventários periódicos para avaliação das quantidades e estados dos materiais estocados; identificar e retirar do estoque os itens danificados. Os principais tipos de estoques encontrados em uma empresa industrial são: matériaprima, produto em processo, produto acabado e peças de manutenção. (BALLOU, 2010) 3 RELAÇÕES COM O COMPOSTO DE MARKETING Hoje empresas que buscam se diferenciar no mercado precisam constantemente: lançar produtos novos, criar novas categorias de produtos, criar adicionais de linhas de produtos, ter constante melhorias em seus processos e reposicionar novos usos ou novos mercados, assim dando mais valor ao produto. (CROCCO, 2006, 2010 p. 6) Kotler (2007, p. 200), define produto como algo que pode ser oferecido a um mercado para apreciação, aquisição, uso ou consumo e que pode satisfazer um desejo ou uma necessidade, o produto é o elemento chave da oferta ao mercado que proporciona valor aos

7 clientes. Através desta oferta a empresa constrói relacionamento lucrativo com seus clientes. Para que um produto seja atrativo ao cliente, devem se bem planejados: características, design, ter um nível de qualidade, um nome de marca e uma embalagem que desperte a atenção do cliente. Reforçando o pensamento do autor, hoje o cliente não busca apenas por comprar um simples produto, seu desejo vai muito além, ele busca através do produto qualidades que agreguem valor a sua compra através de benefícios adicionais. Nos anos 60, as embalagens tinham pouca importância no composto de marketing. Sua função era proteger o produto e oferecer conveniência ao cliente, hoje a embalagem não serve apenas para proteger ou transportar o produto ela tem uma forma vantajosa de promover produtos de uma empresa. Hoje, existe toda uma preocupação no desenvolvimento das embalagens pois, para a empresas que procuram destaque no mercado competitivo elas buscam diferenciação através de questões ambientais e responsabilidades sociais. Segundo Ballou, (2010, p.196) a embalagem provê um atrativo para divulgar o nome da companhia para os clientes. Pode ser utilizada para transmitir informações sobre preço ou as virtudes de seu produto. Serve como tipo de anúncio e aumenta a eficiência da distribuição.. Dias (2009 p. 274), complementa: um fator preponderante no preço do produto comprado é o tipo de embalagem em que vem acondicionado; deve sempre lembrar e verificar se não existe um preço elevado por causa do fator de embalagem. Dentro do composto de marketing a promoção de vendas tem variados objetivos, dentre eles: direcionar promoções dirigidas ao consumidor para induzir um número maior de vendas a curto prazo ou melhorar relacionamentos de longo prazo com o cliente. Geralmente são utilizadas em conjunto com a propaganda, venda pessoal ou outras ferramentas do mix de promoção. Em geral a promoção não busca apenas criar vendas de curto prazo ou conseguir trocas momentâneas de marcas, ela ajuda a reforçara posição do produto e construir relacionamentos duradouro com os consumidores. Se desenvolvida de forma adequada, as ferramentas de promoção de venda tem poder de gerar tanto entusiasmo de curto prazo quanto relacionamento de longo prazo com cliente. Kotler (2007, p.422) reforça o paragrafo comentado: as promoções de vendas devem ajudar a reforçar a posição do produto e a construir relacionamentos duradouros com os consumidores.

8 É importante que a empresa faça a escolha do melhor tipo de promoção para reforçar a venda de seus produtos garantida que seu cliente esteja informado dos produtos oferecidos pela empresa e ganhando a fidelização deste. São exemplos de promoções: Amostra Grátis, oferecidas para que os consumidores possam experimentar os produtos, gostar deles e posteriormente lembrar deles e passarem a comprar. Cupom de Desconto, presentes em encartes de jornal, na embalagem de produtos (para serem recortados) e até mesmo nas prateleiras ao lado do produto. Brindes, que são técnica de oferecer alguma mercadoria grátis, ou a um preço mais baixo na hora de se comprar o produto. Concursos, que diferentemente dos brindes os clientes precisam realizar uma tarefa, normalmente relacionada de alguma forma à empresa ou ao produto. Propaganda, que tem a função de informar os clientes sobre os seus produtos. Publicidade, que se se utiliza dos mesmos formatos e meios da propaganda, e a diferença essencial entre as duas é que, no caso da publicidade, não há gasto financeiro. Venda Pessoal que envolve uma relação direta entre vendedores e clientes, seja face a face ou por telefone. A satisfação para cada tipo de cliente depende do que este percebe em relação ao desempenho do produto em comparação com suas expectativas. Se tal desempenho não corresponder ás expectativas do cliente, o comprador ficará insatisfeito, ao contrario ele ficará satisfeito e excedendo se corresponder as suas expectativas ele ficará altamente satisfeito ou encantado. Clientes encantados não apenas repetem as compras, como também se tornam evangelizadores de clientes que contam aos outros suas boas experiências com o produto (KOTLER, 2007 p.11) O cliente está ficando cada vez mais exigente, pois cada vez mais ele possui informações dos produtos fazendo comparações com o do concorrente. Clientes satisfeitos voltam mais vezes, compram mais, tornam-se fieis e dificilmente mudam de empresas, e ainda falam bem da sua empresa para outros clientes em potenciais. Segundo Lovelock (2001, p.117), Os cliente que ficam altamente satisfeitos disseminam informações positivas e, na verdade, se torna um anúncio ambulante e falante para uma empresa, o que reduz o custo para atrair novos clientes. Kotler (2007, p.5) reforça o pensamento do autor anterior com a seguinte afirmação: os clientes satisfeitos compram novamente e contam aos outros suas boas experiências. Os clientes insatisfeitos muitas vezes mudam para a concorrência e depreciam o produto aos outros.

9 4 METODOLOGIA A pesquisa é do tipo quantitativa de carácter exploratório, pois visa prover o pesquisador de um maior conhecimento sobre o tema ou problema da pesquisa em perspectiva. Segundo Mattar (p.86, 2008) Esse tipo de pesquisa é caracterizado por: levantamentos em fontes secundárias, levantamentos de experiências, estudos de caso selecionados e observação informal, é uma pesquisa descritiva já que se trata de um estudo de caso. A pesquisa teve seus dados obtidos também através do estudo de caso, que propicia uma maior riqueza de detalhes. Conforme Gil (1999), pesquisa quantitativa é considerar que tudo pode ser quantitativa, o que significa traduzir em números opiniões e informações para classificá-las e analisá-las. Desta maneira será mensurado o índice de satisfação do cliente através de gráficos, utilizando informações coletadas diretas e indiretamente pelos clientes. Esse tipo de estudo, está preocupado com estudos medianamente profundo de algumas situações típicas, sua ênfase está na geração de sumários estatísticos, como medias, modas..., (MATTAR, 2008, p. 92). Este estudo foi realizado com 150 cientes da franquia pesquisada, através de estudo de campo entre o período de 23 a 27 de abril aplicados por três entrevistadores, para explorar a percepção do cliente mediante a disponibilidade do estoque através de questões que apontassem o grau de satisfação em relação a produtos adquiridos, levantar expectativas do cliente no que diz respeito à satisfação do atendimento, prazo qualidade, embalagem. Esse estudo se deu através de formulário utilizando a escalas somatórias ou escala Likert. As escalas somatórias servem para medir atitudes, compreendendo uma série de afirmações relacionadas com o objeto pesquisado, os respondentes são solicitados não só a concordarem, mas a informar seu grau de concordância e discordância. A pontuação total da atitude de cada respondente é dada pela somatória das pontuações obtidas para cada afirmação, esse tipo de escala visa medir a intensidade das concordâncias e discordâncias. A pesquisa buscou através de formulário medir satisfação e

10 informações como: variedade de produtos, preço, ambiente, embalagem, organização de produtos, produtos com avarias,, grau de satisfação em relação aos produtos, ou seja, variantes que possam inquietar e deixar o cliente insatisfeito em relação ao estoque e atendimento da franquia. Através de fórmulas para se chegar à margem de confiança, foi calculado: Sendo a média absoluta total de 4,41, desvio padrão de 0,2823 e usando alguns cálculos pode-se encontra um erro de + 0,2196 (+4,9%) para média absoluta, chegando, portanto a um intervalo de confiança de 99%. Para a elaboração dos quadros apresentados foi utilizado um programa chamado winses, desenvolvido por um programador de informática.

11 5 ANÁLISE DOS DADOS A pesquisa de caráter quantitativa, realizada com 150 clientes da franquia, o que representa uma média de pessoas/mês. Através de um formulário atribuindo notas de 1 a 5 foram pontuadas questões como: variedades de produtos, disponibilidade, organização dos produtos na loja, estado dos produtos, embalagem, preço, ambiente, atendimento e grau de satisfação como mostra o quadro 1 abaixo. Quadro 1 Formulário de maior e menor nota e médias Média de nota Média de nota atribuída por item Item Pesquisado Média pondera da Menor nota Maior nota Nota % Nota % Variedade de produtos 1 0,7 5 39,3 4,0 Disponibilidade de produto 2 5,3 5 44,0 4,1 Organização dos produtos da loja 2 2,7 5 74,0 4,6 Bom estado dos Produtos (sem 4,6 avarias, amassados, derretidos, embalagens danificadas) 1 6,0 5 86,0 Facilidade de acesso à prateleira 1 0,7 5 85,3 4,7 Embalagens 2 2,0 5 89,3 4,8 Preço acessível 1 3,3 5 34,0 3,9 Ambiente 1 2,7 5 76,0 4,5 Processo de atendimento 1 0,7 5 60,7 4,4 Produtos atrativos (não ociosos) 1 5,3 5 71,3 4,4 Grau de satisfação 1 0,7 5 73,3 4,6 Fonte: Pesquisa direta (2012) De acordo com dados da pesquisa, o público da loja pesquisada se encontra em sua maioria nas faixas de 15 a 39 anos, representando 82% do universo da pesquisa, como mostra o quando 1, este público mostra um alto grau de satisfação, pois ele representa 88% do público pesquisado na amostra. Para garantir esta satisfação de seus clientes, a empresa acompanha todos os processos internos e externos com o objetivo de oferecer produtos com padrão de qualidade e

12 garantida, oferecendo com isso, produtos que atendam às necessidades das partes interessadas no negócio, tornando-se um referencial de excelência no setor alimentício. O quadro 2 apresenta a pontuação máxima de notas obtidas pelos clientes, o que apresenta excelentes resultados em relação a grau de satisfação, processo de atendimento, variedade de produto e ambiente. Quadro 2 - Faixa etária e médias ponderadas de satisfação, atendimento, variedade e ambiente Faixa etária % Grau de Processo de Variedade de Ambiente satisfação atendimento produtos de 15 a 19 anos 21, de 20 a 24 anos 34, de 25 a 29 anos 16, de 30 a 34 anos 10, de 35 a 39 anos 5, de 40 a 44 anos 6, de 45 a 49 anos 4, Maiores de 50 anos Fonte: Pesquisa direta (2012) 2, Para processo de atendimento 60% dos clientes pesquisados, disseram ter sido bem atendidos, o restante queixaram-se da demora do atendimento tendo que ficar mais tempo na fila, porém, 73% deste público não ficou insatisfeito, pois compreendeu o período da páscoa como maior movimentação para o consumo e compras de chocolates. Os dados reforçam os princípios da franquia pesquisada, pois o franqueador prioriza o atendimento personalizado aos seus clientes e parte do seguinte princípio: Aqui fabricamos

13 muito mais do que chocolates. O que produzimos são pequenas demonstrações de carinho que fazem as pessoas se sentirem lembradas e amadas. Na amostragem 107 pessoas, o que representa 71,33% dos clientes pesquisados, perceberam que, para esta franquia não existe produtos ociosos, eles acreditam que a maioria dos produtos, senão todos teriam grande possibilidade de sair das prateleiras. Em contrapartida, 27,33% não encontraram o produto desejado, para esta amostragem 30% deram nota média pela indisponibilidade de produtos o que fez com que estes clientes fizessem a escolha por outro produto que não estavam em seus planos. O que deu para perceber no público pesquisado é que o preço não interfere na renda familiar, pois até 2 salários mínimos este público é representado em 24% e estes não acham que o valor cobrado pelos produtos sejam tão elevados. O público que busca os produtos da loja pesquisada encontram-se em uma maioria entre 15 a 34 anos sendo que 21,33% deste público tem entre 15 e 19 anos. 76% pontuaram bem o ambiente em relação a temperatura da loja. O ambiente da loja pesquisada está dividido entre: Loja com 16 metros quadrado e setor estoque também com 16 metros quadrado um total de 36 metros quadrados, ou seja, é um espaço pequeno o que justifica a queixa dos clientes. Apesar de ser uma loja que tem em seu portfólio uma vasta variedade de produtos 39% da amostra apresentou queixa em relação a variedade de produtos, mas como a franquia trabalha com produtos sazonais, colocando linha de produtos de acordo com o tempo programado eles entenderam a diminuição da variedade de produtos. Esta variante não interferiu no grau de satisfação dos clientes, já que 73,33% mostraram-se bem satisfeitos com os produtos disponibilizados. Na franquia estudada, cada produto tem um lugar para ser alocado. Cada linha de produto tem uma prateleira definida e localizada por etiquetas de cores diferentes, assim na falta de produto, facilita o reposicionamento de outro. Nela são utilizados métodos quantitativos para a gestão de estoques. As ferramentas de acompanhamento do planejamento da empresa são programas simples como Word e Excel. O próprio site do franqueador emite gráficos, assim

14 como todos os indicadores existentes no sistema. Os estoques são recursos ociosos que possuem valor econômico os quais representam um investimento destinado a incrementar as atividades de produção e servir aos clientes. (VIANA, 2010, p. 144) No quesito embalagem a pontuação dada para criatividade, cuidado com o meio ambiente como é o caso das sacolas biodegradáveis utilizadas pela franquia, design cores e tipografia, 89,33% deram nota máxima. Em relação á produtos com avarias, ou seja, chocolates derretidos, quebrados embalagem rasgadas 86% não encontrou nenhuma queixa o que representa um excelente dado em se tratar de produtos perecíveis como é o caso de chocolates, o que precisa de maiores cuidados em manuseio de estocagem. Ballou (p.105,2010), afirma que a embalagem significa custo adicional para a firma. Esse custo é compensado na forma de fretes e custo de estoque menores, além de menor número de quebras. Na loja pesquisada cada embalagem agrega um custo adicional á empresa o que Nota Absoluta Grau de satisfação % inteiras de 1 a 5. Veja os resultados no quadro a seguir: Quadro 3 - Média de notas Processo de atendimento % Variedade de produtos % Ambiente % 1 0,7 0,7 0,7 2,7 2 0,7 5,3 4,7 2,0 3 10,7 7,3 26,7 9,3 4 14,7 26,0 28,7 10,0 5 73,3 60,7 39,3 76,0 reforça a afirmação do autor. As notas disponibilizadas aos entrevistados no intuito de avaliar o nível de satisfação compreendem a notas Fonte: Pesquisa direta (2012)

15 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS A conclusão desta pesquisa apresenta que há um alto grau de satisfação em relação a franquia pesquisada. O estudo procurou através de clientes saber a disponibilidade de estoque para o atendimento da expectativa do cliente em uma loja de chocolates finos na cidade de Sobral, onde o seu público maior está concentrado na faixa de 15 a 39 ano. Nesta franquia, cada produto tem uma prateleira definida para seus produtos o que garante a facilidade de acesso a seus cliente, assim na falta de algum produto tornara-se fácil o reposicionamento de outro. As ferramentas de acompanhamento do planejamento da empresa são programas simples como Word e Excel, onde o próprio site do franqueador emite gráficos para auxiliar assim o processo de gestão de estoque. Para garantir esse índice de satisfação dos clientes a loja faz pedido quinzenalmente, havendo necessidade para agilizar esse processo é possível pedir parte de estoque de uma franquia mais próxima da região, a garantia da qualidade dos produtos está no acondicionamento onde a loja encontra-se 24 horas com ar-condicionado em temperatura de 18 a 24 graus. Hoje o cliente também mostra preocupação com o meio ambiente, portanto todas as sacolas da loja são biodegradáveis e ainda oferece a sacola retornável, um cuidado a mais para mostrar ao cliente respeito não só a ele mas ao planeta também. O público que busca essa loja não mostrou preocupação no quesito preço, eles não acham que estes sejam tão caros. O que reforça os dados da pesquisa. A satisfação para cada tipo de cliente depende do que este percebe em relação ao desempenho do produto em comparação com suas expectativas. Se tal desempenho não corresponder ás expectativas do cliente, o comprador ficará insatisfeito, ao contrario ele ficará satisfeito e excedendo se corresponder as suas expectativas ele ficará altamente satisfeito ou encantado. Os clientes que buscam os produtos desta franquia encontram- se encantados, pois para estes, comprar chocolates é uma forma de não apenas se presentear, mas também presentear pessoas queridas. Os dados reforçam os princípios da franquia pesquisada, pois o franqueador prioriza o atendimento personalizado aos seus clientes e parte do seguinte princípio: Aqui

16 fabricamos muito mais do que chocolates. O que produzimos são pequenas demonstrações de carinho que fazem as pessoas se sentirem lembradas e amadas. Os resultados encontrados com a apresentação dos gráficos comprovam que uma totalidade dos entrevistados mostraram satisfeitos no que diz respeito a fatores relacionados a estoque como: estado dos produtos, variedade, localização destes, prateleiras definidas, embalagem, ambiente, logo, fica evidente que, dentre os objetivos específicos da pesquisa, dentre eles: levantar expectativas do cliente no que diz respeito a satisfação do atendimento, prazo qualidade, embalagem, processos adequados e específicos sobre a estocagem, assim como, as minúcias que envolvem os mecanismos de precisão, cuidado, conservação e qualidade estão de acordo com a necessidade do cliente que busca esta loja. Não houve limitações de estudo relacionados ao tema de estoque, o que facilitou o progresso deste estudo, pois muitos são os autores que propõem este assunto. A facilidade da aplicação da pesquisa serviu de segurança e de apoio para o desenvolvimento do tema pois estes mostraram satisfeitos e fidedignos a marca. Assim, os principais índices de satisfação encontrados foram: organização dos produtos na loja, produtos sem avarias, 86% do público pesquisado não encontrou chocolates derretidos nem amassados, embalagens rompidas ou danificadas, no quesito embalagem 89,3% apresentaram-se altamente satisfeitos, na facilidade de acesso a prateleira e ambiente os clientes também mostraram um grau de satisfação, e para o termo satisfação, se estes estavam satisfeitos para o grau de satisfação destes, os mesmos apresentou em sua totalidade 73,3% atribuindo a maior nota.

17 7 REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial. São Paulo, Atlas, CROCCO, Luciano, et al. Decisões de marketing: os 4 Os. Ed. São Paulo, CARVALHO, José Mexia Crespo de - Logística. 3ª ed. Lisboa: Edições Silabo, DIAS, Marco A. P. Administração de Materiais princípios, conceitos e gestão. São Paulo, Editora Atlas S/A ª edição. GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, LOVELOCK KOTLER, Philip; ARMSTRONG, Gary. Principios de Marketing. São Paulo: ED. Pearson Pretice Hall, 12 edição, MARRAS, Jean Pierre. Administração de recursos humanos: Do operacional ao estratégico. São Paulo: Ed. Saraiva, 13 edição, MATTAR, FauzeNajib. Pesquisa de Marketing. metodologia e planejamento. Ed. Atlas, MAXIMIANO, Antônio César Amaru. Teoria geral da administração. São Paulo: Atlas, 1ª Ed, VIANA, João José. Administração de Matérias. Um enfoque prático 1ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Profa. Marinalva Barboza Atividades da gestão de materiais e a logística Segundo Pozo, as atividades logísticas podem ser vistas por duas grandes áreas: atividades

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Ana Clara Rosado Silva (1) ; Daiane Oliveira Borges (2) ; Tatiana Morais Leite (3) ; Vanessa Oliveira Couto (4) ; Patrícia Carvalho

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Conceitos Segmentação de Mercado Rentabilidade de Clientes e Serviço ao Cliente Recuperação de Serviço

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING

CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING EMENTA (2012) Disciplina: COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Aspectos introdutórios. Os processos decisórios do consumidor. Diferenças individuais. Processos psicológicos. Influências

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 15 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO E DA INSATISFAÇÃO DOS CLIENTES Objetivo: Ao final desta aula, você deverá saber (1) sobre os fatores que causam a satisfação

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística Empresarial Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística de Serviço ao Cliente Kyj e Kyj definem: Serviços ao cliente, quando utilizados de forma eficaz, é uma variável primária

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA SWOT Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) Forças Oportunidades Fraquezas Ameaças Interno Externo Ajudam Atrapalham

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Autores Adriana Gimenes Patreze Jose Roberto Soares Ribeiro 1. Introdução Esta pesquisa diagnosticou a gestão de estoques no

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA Amanda Acacia Rodrigues (UNIPAM) amandaacacia.r@gmail.com Andressa Moreira Soares

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Pesquisas quantitativas etapas iniciais

Pesquisas quantitativas etapas iniciais A U L A 5 Pesquisas quantitativas etapas iniciais Metas da aula Apresentar as condições para realização de pesquisas quantitativas; estabelecer os procedimentos que norteiam as pesquisas de mercado com

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Como criar um clube de vantagens para seus clientes

Como criar um clube de vantagens para seus clientes Como criar um clube de vantagens para seus clientes Introdução Adquirir clientes no mundo competitivo atual é cada vez mais difícil e caro. Por este motivo, torna-se muito importante ações que fidelize

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA Em qualquer empresa que atua na comercialização de produtos, o estoque apresenta-se como elemento fundamental. No ramo farmacêutico, não é diferente, sendo o controle

Leia mais

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL

O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL 1 O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL CARLOS RUVENS COELHO PONTE 1 CARLOS WAGNER CAVALCANTE GOMES 2 RODRIGO VIANA 3 ALINE PINTO DE MACÊDO DA SILVA 4 Resumo: Todas as empresas vêm

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais