Direito Humano. à Educação. Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito Humano. à Educação. Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa"

Transcrição

1 Direito Humao à Educação Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa

2 Orgaização: Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Coordeação Editorial: Deise Carreira, Laura Bregeski Schühli e Salomão Ximees Autores: Ester Rizzi, Maria Gozalez e Salomão Ximees Colaboração: Deise Carreira e Suelaie Careiro Revisão: Silmara Vitta Projeto Gráfico e Editoração: SK Editora Ltda. Ilustração: Cristiao Suguimati Impressão e Acabameto: Maxigrafica Cooperação: Uesco Apoio istitucioal: EED, ICCO Apoio: Fudação Ford Tiragem: exemplares Ficha Bibliográfica Coleção Maual de Direitos Humaos volume 07 Direito Humao à Educação 2ª edição Atualizada e Revisada. Novembro 2011 ISBN: Esta publicação tem sua reprodução permitida, desde que citada a fote. Plataforma Dhesca Brasil Rua Des. Ermelio de Leão, º 15- cj. 72 Cetro Curitiba PR CEP Ação Educativa Assessoria, Pesquisa e Iformação Rua Geeral Jardim, º 660 Vila Buarque São Paulo SP CEP / Novembro 2011

3 Direito Humao à Educação Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa

4 Ë Ídice Apresetação 6 A educação o Brasil 8 Educação e direitos humaos 14 Direitos humaos 14 Um pouco de história 14 Características dos direitos humaos 16 Educação como direito humao 18 Características do direito à educação 24 Dimesões do direito à educação 25 O direito à educação o Brasil 27 Dever de respeitar, proteger e promover o direito à educação 27 As leis brasileiras 28 Educação e esio 29 A orgaização do esio: detalhado os deveres e resposabilidades 29 Educação é direito de todos. Todos mesmo! 35 Govero federal, estado e muicípio. Quem faz o quê? 36 Como deve ser a educação escolar? 37 Material, trasporte, mereda 39 Ir e vir 40 Livro, cadero, uiforme 41 Lache, mereda, comida 42

5 Para eteder as verbas da educação 43 Custo aluo-qualidade 46 Como exigir o direito à educação 48 Pressão social 49 Atuação política 50 Exigibilidade com ajuda da justiça (Justiciabilidade) 53 A força da pressão iteracioal 60 Como fazer uma petição 65 Quem é quem a defesa do direito à educação 70 Órgãos públicos 70 Orgaizações da sociedade civil 72 Sugestões de págias a iteret 74 Sobre a Plataforma Dhesca Brasil 78 O que são as Relatorias Nacioais de Direitos Humaos? 78 Relatoria Nacioal para o Direito Humao à Educação 79 Sobre a Ação Educativa 82 Sobre os autores 84 Etidades filiadas à Plataforma Dhesca Brasil 85

6 Ë Apresetação S e você abriu esta publicação é porque luta, acredita e se orgaiza. Ode você estiver, com o que você trabalhar, seja a escola, a associação, o coselho, o sidicato, debaixo de um pé de maga, a beira de um rio, o agito da cidade: seja bem-vido! Seja bem-vida! Este material faz parte de uma série com quatro publicações, orgaizadas pela Plataforma Dhesca Brasil, que tratam de diferetes aspectos dos direitos humaos: meio ambiete, cidade, trabalho, educação e terra, território e alimetação. Apresetamos aqui um cojuto de experiêcias e saberes proporcioado pelo trabalho das Relatorias Nacioais em Dhesca, iiciado em 2002, e que já esteve em 23 estados brasileiros, com mais de 130 Missões realizadas. No caso da publicação Direito Humao à Educação, esta foi cocebida e realizada em parceria com a Ação Educativa, orgaização ão goverametal que há dezessete aos promove e defede o direito à educação e os direitos da juvetude. Desde 2004, a Ação Educativa desevolve o Programa Ação a Justiça, que tem como objetivo promover a justiciabilidade dos direitos educacioais, por meio da educação jurídica popular, do apoio à mobilização social e da atuação o Sistema de Justiça. Ambas orgaizações, após aos de trabalho, setiram a ecessidade de ter um documeto comum, de ampla divulgação e fácil acesso, que sistematize cohecimetos e apote camihos para que os direitos humaos sejam realmete agregados às dimesões físicas e cocretas da vida de todos. Assim surgiu este maual, cuja 2ª edição agora apresetamos. Após um breve histórico sobre os direitos humaos em geral, o documeto aprofuda aspectos do direito à educação, tais como as leis que o asseguram, as pricipais violações que ocorrem em osso país e os espaços, istrumetos e meios istitucioais por meio dos quais pode ser exigido. Ao fial, você ecotrará uma lista com as etidades que formam a Plataforma Dhesca Brasil, além de outras que atuam a defesa dos direitos humaos em geral e do direito à educação em particular. Cada istituição pode ser um poto de apoio a busca pela realização dos direitos aqui apresetados. 6 Direito Humao à Educação / Apresetação

7 Acreditamos que o camiho a ser trilhado a luta pela implemetação dos direitos humaos passa, ecessariamete, pelo recohecimeto de seu sigificado e coteúdo. Também pressupõe o cohecimeto dos meios de promoção da exigibilidade dos direitos previstos os tratados iteracioais, a Costituição e as leis. Nesse setido, a coscietização é parte do processo de mobilização social pela democratização efetiva dos direitos. Esta publicação foi pesada para servir tato como material de estudo e cosulta idividual como para ser utilizada em atividades de formação, tais como cursos, oficias, grupos de estudo e debates. Agradecemos os apoios que possibilitaram esta iiciativa, especialmete à Fudação Ford e à Uesco. Boa leitura! Alexadre Cicoello, Adressa Caldas, Darci Frigo e Maria Luisa Pereira de Oliveira Coordeação Executiva da Plataforma Dhesca Brasil Salomão Ximees e Ester Rizzi Ação Educativa Assessoria, Pesquisa e Iformação Programa Ação a Justiça Deise Carreira e Suelaie Careiro Relatoria do Direito Humao à Educação Direito Humao à Educação / Apresetação 7

8 Ë A educação o Brasil O crescimeto da escolarização o Brasil se deu pricipalmete pela ampliação do esio público. A participação do esio privado a educação básica é pequea em todas as etapas: educação ifatil, esio fudametal e esio médio. Em 2010, foram registradas cerca de 51 milhões de matrículas a educação básica, 85% delas as redes públicas de esio (Tabela 1). Nas últimas décadas, osso país coseguiu algus avaços a educação. O úmero de pessoas que ão sabiam ler e escrever dimiuiu a taxa de aalfabetismo caiu de 13,6% em 2000 para 9,6% em 2010 e hoje quase todas as criaças etre 6 e 14 aos estão matriculadas a escola. Etretato, como comprova a persistêcia da alta taxa de aalfabetismo (9,6%, o que equivale a cerca de 14 milhões de pessoas com mais de 15 aos de idade), estamos muito loge de ter superado todos os problemas. Aida há muitas criaças, adolescetes, joves e adultos fora da escola. Também são muitas as pessoas que desistem de estudar, que frequetam escolas sem a qualidade desejada e que estão matriculadas, mas ão coseguem apreder. Também é eorme o cotigete de joves que cocluem a educação básica e ão ecotram oportuidades de acesso à educação superior gratuita e de qualidade. Tabela 1 Número e porcetagem de matrículas as redes pública e privada de esio Educação Básica (2010) Pública Privada Creches (65,6%) (34,4%) Pré-escola (76,2%) (23,8%) Esio fudametal (87,3%) (12,7%) Esio médio (88,2%) (11,8%) Educação de joves e adultos (96,8%) (3,2%) Educação profissioal (43,5%) (56,5%) Educação especial (ão icluídos em classes comus) (34,5%) (65,5%) Fote: Ceso Escolar 2010 (MEC/INEP). 8 Direito Humao à Educação / A educação o Brasil

9 Desigualdades educacioais Diferetes desigualdades marcam a educação brasileira. O direito à educação está mais distate para quem é pobre, egro(a), tem meos de 6 ou mais de 14 aos de idade e também para quem mora a zoa rural, possui alguma deficiêcia, está a prisão, etre muitos exemplos que poderiam ser citados. Vejamos algus dados. Tabela 2 Aalfabetismo (2009) Brasil: 9,7% Taxa de aalfabetismo Nordeste: 18,7% Sudeste: 5,7% a população de Rural: 22,8% Urbaa: 7,4% 15 aos ou mais Preta/Parda: 13,4% Braca: 5,9% 20% + pobre: 17,4% 20% + rico: 2,0% Número absoluto: 14,1 milhões de pessoas que ão sabem ler e escrever Fote: CDES. Observatório da Equidade. As desigualdades a escolarização o Brasil. No caso da educação de joves e adultos que ão sabem ler e escrever, apeas uma pequea proporção deles frequetava cursos de alfabetização em 2009 (6% dos joves e 2% dos adultos), o que idica uma tedêcia à mauteção do quadro apresetado. Direito Humao à Educação / A educação o Brasil 9

10 Tabela 3 Educação ifatil (2009) Brasil: 18,4% Taxa de frequêcia a Preta/Parda: 16,7% Braca: 20,2% estabelecimeto de esio - Rural: 8,9% Urbaa: 20,5% 0 a 3 aos (creche) Norte: 8,3% Sul: 24,2% 20% + pobre: 12,2% 20% + rico: 36,3% Brasil: 74,8% Taxa de frequêcia a Preta/Parda: 73,6% Braca: 76,4% estabelecimeto de esio - Rural: 63,5% Urbaa: 77,4% 4 e 5 aos (pré-escola) Sul: 59,5% Nordeste: 79,4% 20% + pobre: 67,8% 20% + rico: 92% Fote: CDES. Observatório da Equidade. As desigualdades a escolarização o Brasil. Os úmeros de acesso à educação ifatil, visualizados a Tabela 3, são preocupates. Iúmeros estudos já mostraram como é importate para o desevolvimeto da criaça e seu futuro desempeho escolar a experiêcia da educação ifatil. Também devemos prestar ateção às codições de fucioameto dessas creches e escolas. O Ceso Escolar (2009) mostrou que 55,1% das criaças matriculadas a educação ifatil frequetaram estabelecimetos que ão possuem parque ifatil. Outro dado preocupate: 44,4% das criaças estavam em uidades sem saitários adequados. Apesar dos avaços a cobertura do esio fudametal (ou seja, o úmero de criaças e adolescetes que frequetam essa etapa do esio), há aida cerca de 800 mil criaças e adolescetes excluídos em todo o país e um grade úmero de estudates abadoa os estudos ou termia em mais tempo do que ecessário, o que se reflete a grade distorção idade-série. Além disso, diversas avaliações têm demostrado que a apredizagem dos aluos mostra-se muito aquém da esperada. 10 Direito Humao à Educação / A educação o Brasil

11 Tabela 4 Esio fudametal e médio Taxas de trasição e distorção idade-série (2009) Esio fudametal séries iiciais (1ª a 4ª) Esio fudametal séries fiais (5ª a 8ª) Taxa de promoção Taxa de repetêcia Taxa de evasão Distorção idade-série 78,9% 17,7% 3,4% Brasil: 23,3% Pará: 36,4% 70% 20,6% 9,4% São Paulo: 8,3% Brasil: 34,4% Esio médio 66,3% 23,1% 10,7% Pará: 57,4% Sata Cataria: 16,7% Fote: CDES. Observatório da Equidade. As desigualdades a escolarização o Brasil. Outra questão aida loge de ser solucioada é a iclusão de aluos com deficiêcia. Apeas 36,7% das escolas públicas e 26,4% das escolas particulares icluem aluos com deficiêcia (2009). A ifraestrutura das escolas fudametais públicas também está loge do desejável: 28% dos aluos estudam em escolas que ão possuem biblioteca e cerca de 40% deles ão cotam com quadra de esportes em suas escolas. Cerca de 15% dos adolescetes com idade etre 15 e 17 aos ão estão matriculados a escola. Detre os que estão matriculados, uma parte sigificativa está o esio fudametal. Tabela 5 Esio médio (2009) Brasil: 50,4 Preta/parda: 43,5% Braca: 60,3% Proporção de joves de 15 a Rural: 35,7% Urbaa: 54,4% 17 aos cursado o esio médio Nordeste: 39,2% Sudeste: 60,5% 20% + pobres: 32% 20% + ricos: 77,9% Homes: 45,3% Mulheres: 56,7% Fote: CDES. Observatório da Equidade. As desigualdades a escolarização o Brasil. Direito Humao à Educação / A educação o Brasil 11

12 Além da alta taxa de exclusão de adolescetes e joves do esio médio e das desigualdades o acesso a esse ível de esio, as codições de qualidade da oferta também são isuficietes. Praticamete metade dos estudates (43,9%) do esio médio público ão tem acesso a laboratório de ciêcias em suas escolas (2009) e 9,1% das escolas de esio médio ão possuem sequer biblioteca. Em decorrêcia da desvalorização profissioal dos(as) trabalhadores(as) da educação, há grade carêcia de professores(as) com habilitação específica para as disciplias que lecioam. Somete 21% dos(as) professores(as) de física, 37,6% dos(as) professores(as) de química e 51,9% dos(as) professores(as) de matemática têm liceciatura essas áreas de cohecimeto. Certamete, um dos maiores etraves para a realização do direito à educação o Brasil é a gritate desvalorização dos(as) trabalhadores(as) da educação, o que dificulta a mobilização e mauteção de profissioais qualificados as uidades básicas de esio. Dados oficiais do IBGE demostram que o salário médio dos(as) professores(as) equivale a somete 60% do salário médio dos demais profissioais com formação equivalete. 12 Direito Humao à Educação / A educação o Brasil

13 * * * * * * * Mais desigualdades a educação brasileira Existem 57,7 milhões de pessoas com mais de 18 aos que ão frequetam escola e que ão têm sequer o esio fudametal completo (PNAD, 2009). Mais de 70% dos 473 mil adultos privados de liberdade o país ão cocluíram o esio fudametal e apeas cerca de 17% estão frequetado alguma atividade educativa (Miistério da Justiça). Estima-se que 15 milhões de brasileiros(as) possuem algum tipo de deficiêcia. Etretato, em 2009, apeas pessoas com deficiêcia estavam matriculadas a escola (Ceso Escolar, 2009). A população egra, com média de 6,7 aos de estudo, tem praticamete 2 aos de estudo a meos que a braca (8,4 aos) (PNAD, 2009). O úmero médio de aos de estudo das pessoas de 15 aos ou mais de idade o Brasil é de 7,5; o Nordeste o úmero médio é de somete 6,3 aos de estudo, equato o Sudeste é de 8,2 aos de estudo (PNAD, 2009). 28% dos brasileiros mais de um quarto da população com idade etre 15 e 64 aos é aalfabeto fucioal. Etre aqueles que têm reda familiar de até um salário míimo, há 55% de aalfabetismo fucioal; a população com mais de dois salários míimos, a porcetagem cai para 22% (INAF, 2009). Equato o valor aual por aluo do Fudeb para cada estudate matriculado o esio fudametal é de R$ os dez estados de meor arrecadação (AL, AM, BA, CE, MA, PA, PB, PE, PI e RN), alcaça R$ em São Paulo e R$ em Roraima (FNDE, 2011). Direito Humao à Educação / A educação o Brasil 13

14 Ë Educação e direitos humaos Ë Direitos humaos Os direitos humaos foram costruídos com base a ideia de digidade da pessoa humaa, ou seja, de que todo ser humao, idepedetemete de qualquer codição pessoal, deve ser igualmete recohecido e respeitado, ão podedo ser tratado como istrumeto de poucos, mas sim como fim de toda orgaização social e política. No etato, para se chegar a essa costrução, muitas foram as lutas travadas por campoeses, pequeos comerciates, trabalhadores, mulheres, itelectuais, escravos, homossexuais, joves, idígeas, etc. Da mesma forma, para que tais direitos sejam matidos e aplicados a prática, e para que ovos direitos sejam coquistados, é ecessário que cotiuemos lutado. O recohecimeto iteracioal dos direitos humaos represetou, assim, um passo histórico decisivo. Hoje muitos desses direitos estão previstos em documetos iteracioais assiados por ceteas de países e foram criados órgãos específicos para acompahar sua implemetação ao redor do mudo. Com esse processo, os direitos foram colocados acima das cotigêcias políticas dos países, fortalecedo a luta cotra os regimes autoritários, o imperialismo, o geocídio e a discrimiação. A todos devem ser garatidos os direitos humaos, estejam ou ão em seu país de origem. Ë Um pouco de história Na Europa e os Estados Uidos, etre o fial do século 17 e o século 18, ocorreu uma série de trasformações estruturais e políticas, que deu origem a uma mudaça de metalidade, fazedo com que as pessoas passassem a se preocupar em garatir a vida e a liberdade dos idivíduos, sem os abusos e arbitrariedades do Estado. A Revolução Americaa e pricipalmete a Revolução Fracesa cotribuíram para o surgimeto de uma série de direitos, como por exemplo, o direito à 14 Direito Humao à Educação / Educação e direitos humaos

15 vida, à liberdade de expressão, de pesameto, a garatia de que a lei só proibiria o que fosse prejudicial à sociedade, etre outros. Nas colôias da América do Sul e da África, ao mesmo tempo, os povos passaram a exigir os mesmos direitos proclamados a Declaração de Idepedêcia dos Estados Uidos da América (1776) e a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (Fraça, 1789). Em muitos casos, aos movimetos de idepedêcia somaram-se as lutas cotra a escravidão e a exploração dos povos. A crescete resistêcia dos africaos e de seus descedetes, maifesta em isurreições populares, foi o pricipal fator que iviabilizou a mauteção do regime escravocrata. A resistêcia idígea a América também se valeu do ideal dos direitos humaos, sedo atual a luta pelo recohecimeto de sua tradição cultural, pela mauteção de seu modo de vida e pela posse de suas terras origiárias. Esses direitos acabaram iflueciado as costituições de diversos países pelo mudo. Os direitos desse período histórico são chamados civis e políticos, deomiados de primeira geração. Com o iício da idustrialização, a partir do século 19, o desevolvimeto do capitalismo idustrial teve como cosequêcia a cotratação de grades massas de pessoas, gerado, por um lado, a exploração dos(as) trabalhadores(as) e, por outro, o eriquecimeto de pequeos grupos a burguesia, que passaram a se beeficiar da produção de bes e do avaço tecológico, excluido a maioria da população e agravado as suas codições de vida. Assim se iiciam as reividicações por direitos ecoômicos, sociais e culturais, deomiados de seguda geração dos direitos humaos. Tais direitos referem-se ao trabalho e salário digos, direito à saúde, à educação, à alimetação adequada, à orgaização sidical, ao direito de greve, à previdêcia social, ao acesso à cultura e à moradia, etre outros. Eles tiveram sua grade expressão o iício do século 20 com a Revolução Russa, a crise do capitalismo idustrial e com o começo de sua icorporação às costituições acioais. Em 1948, após os horrores cometidos durate a 2ª Guerra Mudial, como o geocídio de pessoas judias, cigaas e homossexuais promovido por azistas e o ataque e destruição das cidades japoesas de Hiroshima e Nagazaki pelas bombas atômicas laçadas pelos Estados Uidos, os países elaboraram um documeto com a iteção de estabelecer ormas para uma vida pacífica e diga. Direito Humao à Educação / Educação e direitos humaos 15

16 Esse documeto, de alcace mudial, estabelece regras etre as ações e o iterior de cada país a Declaração Uiversal dos Direitos Humaos. A Declaração icorpora tato os direitos civis e políticos quato os direitos ecoômicos, sociais e culturais. Também é criada a ONU Orgaização das Nações Uidas, cujo pricipal propósito é a mauteção da paz, evitado a repetição das atrocidades cometidas as duas grades guerras mudiais. Nos aos seguites, a proteção aos direitos humaos civis e políticos, ecoômicos, sociais e culturais se mostra isuficiete. O desrespeito à diversidade cultural etre povos, ao meio ambiete, a devastação do plaeta, a poluição do ar e da água, o acúmulo de lixo, assim como a cotiuidade da guerra e da exploração, fizeram surgir uma ova categoria de direitos humaos, que visa a proteger ão somete a pessoa idividual ou socialmete, mas também os direitos da humaidade, iclusive o direito das futuras gerações. Assim, garatir esses direitos é garatir que a vida de todas e todos, pessoas e povos, será melhor e mais saudável, agora e o futuro, detro e fora dos limites de cada país; esses são os direitos à paz, ao desevolvimeto, ao meio ambiete e à autodetermiação dos povos, deomiados de terceira geração. Ë Características dos direitos humaos Os direitos humaos são ormas míimas ecessárias para uma vida diga. Possuem quatro características que ajudam a eteder como devem ser iterpretados e realizados a prática: são uiversais, iterdepedetes, idivisíveis e justiciáveis. Mas vamos com calma para eteder cada uma dessas palavras. Uiversalidade Sigifica que os direitos humaos valem para todo mudo. Nehuma codição ou situação pode justificar o desrespeito à digidade humaa. Além disso, iguém pode reuciar a seus direitos. Não importa o país em que a pessoa teha ascido ou viva, seus direitos são os mesmos. O que pode mudar é a forma como esses direitos são garatidos pelos goveros. Por exemplo, o fato de uma pessoa estar fora do país em que asceu ou do qual é cidadão, seja ou ão de forma permaete, ão justifica que lhe seja egado o acesso à saúde, à alimetação, à educação e a todos os demais direitos. Da mesma forma, ão podem os goveros acioais adotar me- 16 Direito Humao à Educação / Educação e direitos humaos

17 didas cotra os direitos humaos de sua população ou de parte dela, pois a chamada soberaia acioal ão está acima do compromisso com os direitos humaos iteracioalmete assumidos. Idivisibilidade Todas as pessoas têm direito a gozar dos direitos em sua totalidade, sem fracioameto ou redução, sem serem obrigadas a abrir mão de um direito para acessar outro. Mais um exemplo: a educação, ão basta apeas garatir vagas (acesso), é preciso que o esio seja de qualidade e ateda às ecessidades e às especificidades dos diferetes grupos. Iterdepedêcia Todos os direitos estão relacioados etre si e ehum tem mais importâcia do que outro. Também ão há direito que possa ser realizado isoladamete, descosiderado os demais. Assim, só se pode exercer pleamete um direito se todos os outros são respeitados. Para desfrutar do direito à educação, por exemplo, é ecessária a garatia de outros direitos fudametais, como a alimetação e a saúde. E a saúde está mais protegida se a pessoa tem uma moradia diga, uma alimetação adequada e uma educação de qualidade. Também para participar ativamete da vida política e para se iserir de forma diga o mudo do trabalho é preciso ter acesso a uma escola de qualidade. Exigibilidade e justiciabilidade Os direitos podem ser exigidos quado forem desrespeitados ou violados. Como os direitos são previstos em leis acioais e também em ormas iteracioais como a Declaração Uiversal dos Direitos Humaos e os Pactos de Direitos Humaos de 1966, etre outros, para exigi-los, pode-se recorrer tato ao sistema de justiça acioal como itera- Direito Humao à Educação / Educação e direitos humaos 17

18 cioal. Essa exigibilidade ocorre tato o âmbito político, por meio de mobilizações sociais e de atuação os poderes públicos, como o âmbito jurídico (Poder Judiciário e Cortes Iteracioais), quado é chamada de Justiciabilidade. Ë Educação como direito humao A educação é um dos direitos humaos. Está recohecida o art. 26 da Declaração Uiversal dos Direitos Humaos de 1948: 1. Toda pessoa tem direito à istrução. A istrução será gratuita, pelo meos os graus elemetares e fudametais. A istrução elemetar será obrigatória. A istrução técico-profissioal será acessível a todos, bem como a istrução superior, esta baseada o mérito. 2. A istrução será orietada o setido do pleo desevolvimeto da persoalidade humaa e do fortalecimeto do respeito pelos direitos humaos e pelas liberdades fudametais. A istrução promoverá a compreesão, a tolerâcia e a amizade etre todas as ações e grupos raciais ou religiosos, e coadjuvará as atividades das Nações Uidas em prol da mauteção da paz. 3. Os pais têm prioridade de direito a escolha do gêero de istrução que será miistrada aos seus filhos. O direito humao à educação recohecido a Declaração foi fortalecido como orma jurídica iteracioal, pricipalmete, pelo Pacto Iteracioal dos Direitos Ecoômicos, Sociais e Culturais (arts. 13 e 14), da Coveção Relativa à Luta cotra a Discrimiação o Campo do Esio, da Coveção sobre os Direitos da Criaça (arts. 28 e 29) e do Protocolo Adicioal à Coveção Americaa sobre Direitos Humaos em Matéria de Direitos Humaos Ecoômicos, Sociais e Culturais (art. 13). Tratar a educação como um direito humao sigifica que ão deve depeder das codições ecoômicas dos estudates ou estar sujeita uicamete às regras de mercado. Também ão pode estar limitada à codição social, acioal, cultural, de gêero ou ético-racial da pessoa. O mais importate é coseguir que todas as pessoas possam exercer e estar coscietes de seus direitos. Nesse setido, o tópico 2 do art. 26 da Declaração é fudametal a defiição dos propósitos uiversais da educação. 18 Direito Humao à Educação / Educação e direitos humaos

19 O direito à educação tem um setido amplo, ão se refere somete à educação escolar. O processo educativo começa com o ascimeto e termia apeas o mometo da morte. A apredizagem acotece em diversos âmbitos, a família, a comuidade, o trabalho, o grupo de amigos, a associação e também a escola. Por outro lado, as sociedades moderas, o cohecimeto escolar é quase uma codição para a sobrevivêcia e o bem-estar social. Sem ele, ão se pode ter acesso ao cohecimeto acumulado pela humaidade. Além de sua importâcia como direito humao que possibilita à pessoa desevolver-se pleamete e cotiuar aprededo ao logo da vida, a educação é um bem público da sociedade, a medida em que possibilita o acesso aos demais direitos. Portato, a educação é um direito muito especial: um direito habilitate ou direito de sítese. E sabe por quê? Porque uma pessoa que passa por um processo educativo adequado e de qualidade pode exigir e exercer melhor todos seus outros direitos. A educação cotribui para que criaças, adolescetes, joves, homes e mulheres saiam da pobreza, seja pela sua iserção o mudo do trabalho, seja por possibilitar a participação política em prol da melhoria das codições de vida de todos. Também cotribui para evitar a margialização das mulheres, a exploração sexual e o trabalho ifatil, possibilita o efretameto de discrimiações e precoceitos, etre muitos outros exemplos que poderiam ser citados. A educação as ormas iteracioais de direitos humaos Pacto Iteracioal sobre Direitos Ecoômicos, Sociais e Culturais (1966) Artigo Os Estados Sigatários do presete Pacto recohecem o direito de toda pessoa à educação. Cocordam que a educação deve ser orietada para o pleo desevolvimeto da persoalidade humaa e do setido de sua digidade, e deve fortalecer o respeito pelos direitos humaos e liberdades fudametais. Cocordam, aida, que a educação deve capacitar todas as pessoas para participar efetivamete Direito Humao à Educação / Educação e direitos humaos 19

20 de uma sociedade livre, favorecer a compreesão, a tolerâcia e a amizade etre todas as ações e etre todos os grupos raciais, éticos ou religiosos e promover as atividades das Nações Uidas em prol da mauteção da paz. 2. Os Estados Sigatários do Presete Pacto recohecem que, com o objetivo de assegurar o pleo exercício desse direito: a) A educação primária deve ser obrigatória e acessível gratuitamete a todos; b) A educação secudária em suas diferetes formas, iclusive a educação secudária técica e profissioal, deve ser geeralizada e torar-se acessível a todos, por todos os meios apropriados e, pricipalmete, pela implemetação progressiva do esio gratuito; c) A educação de ível superior deve igualmete torar-se acessível a todos, com base a capacidade de cada um, por todos os meios apropriados e, pricipalmete, pela implemetação progressiva do esio gratuito; d) Deve-se fometar e itesificar, a medida do possível, a educação fudametal para aquelas pessoas que ão teham recebido ou termiado o ciclo completo de istrução primária; e) Deve-se prosseguir ativamete o desevolvimeto do sistema escolar em todos os íveis de esio, implemetar um sistema adequado de bolsas estudo e aprimorar cotiuamete as codições materiais do corpo docete. Coveção sobre os Direitos da Criaça (1989) Artigo Os Estados-Partes recohecem que a educação da criaça deverá estar orietada o setido de: a) Desevolver a persoalidade, as aptidões e a capacidade metal e física da criaça em todo o seu potecial; b) Imbuir a criaça o respeito aos direitos humaos e às liberdades fudame- 20 Direito Humao à Educação / Educação e direitos humaos

21 tais, bem como aos pricípios cosagrados a Carta das Nações Uidas; c) Imbuir a criaça o respeito aos seus pais, à sua própria idetidade cultural, ao seu idioma e seus valores, aos valores acioais do país em que reside, aos do evetual país de origem, e aos das civilizações diferetes da sua; d) Preparar a criaça para assumir uma vida resposável uma sociedade livre, com espírito de compreesão, paz, tolerâcia, igualdade de sexos e amizade etre todos os povos, grupos éticos, acioais e religiosos e pessoas de origem idígea; e) Imbuir a criaça o respeito ao meio ambiete. Coveção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiêcia (2007) Artigo 24 Educação 1. Os Estados-Partes recohecem o direito das pessoas com deficiêcia à educação. Para efetivar esse direito sem discrimiação e com base a igualdade de oportuidades, os Estados-Partes assegurarão sistema educacioal iclusivo em todos os íveis, bem como o apredizado ao logo de toda a vida, com os seguites objetivos: a) O pleo desevolvimeto do potecial humao e do seso de digidade e autoestima, além do fortalecimeto do respeito pelos direitos humaos, pelas liberdades fudametais e pela diversidade humaa; b) O máximo desevolvimeto possível da persoalidade, dos taletos e da criatividade das pessoas com deficiêcia, assim como de suas habilidades físicas e itelectuais; c) A participação efetiva das pessoas com deficiêcia em uma sociedade livre. 2. Para a realização desse direito, os Estados-Partes assegurarão que: a) As pessoas com deficiêcia ão sejam excluídas do sistema educacioal geral Direito Humao à Educação / Educação e direitos humaos 21

22 sob alegação de deficiêcia e que as criaças com deficiêcia ão sejam excluídas do esio primário gratuito e compulsório ou do esio secudário, sob alegação de deficiêcia; b) As pessoas com deficiêcia possam ter acesso ao esio primário iclusivo, de qualidade e gratuito, e ao esio secudário, em igualdade de codições com as demais pessoas a comuidade em que vivem; c) Adaptações razoáveis de acordo com as ecessidades idividuais sejam provideciadas; d) As pessoas com deficiêcia recebam o apoio ecessário, o âmbito do sistema educacioal geral, com vistas a facilitar sua efetiva educação; e) Medidas de apoio idividualizadas e efetivas sejam adotadas em ambietes que maximizem o desevolvimeto acadêmico e social, de acordo com a meta de iclusão plea. 3. Os Estados-Partes assegurarão às pessoas com deficiêcia a possibilidade de adquirir as competêcias práticas e sociais ecessárias de modo a facilitar às pessoas com deficiêcia sua plea e igual participação o sistema de esio e a vida em comuidade. Para tato, os Estados-Partes tomarão medidas apropriadas, iclusive: a) Torado dispoível o apredizado do braille, escrita alterativa, modos, meios e formatos de comuicação aumetativa e alterativa, e habilidades de orietação e mobilidade, além de facilitação de apoio e acoselhameto de pares; b) Torado dispoível o apredizado da lígua de siais e promoção da idetidade liguística da comuidade surda; c) Garatido que a educação de pessoas, em particular criaças cegas, surdocegas e surdas, seja miistrada as líguas e os modos e meios de comuicação mais adequados ao idivíduo e em ambietes que favoreçam ao máximo seu desevolvimeto acadêmico e social. 22 Direito Humao à Educação / Educação e direitos humaos

23 Coveção Relativa à Luta cotra a Discrimiação o Campo do Esio (UNESCO, 1960) Artigo 1º Para os fis da presete Coveção, o termo "discrimiação" abarca qualquer distição, exclusão, limitação ou preferêcia que, por motivo de raça, cor, sexo, lígua, religião, opiião pública ou qualquer outra opiião, origem acioal ou social, codição ecoômica ou ascimeto, teha por objeto ou efeito destruir ou alterar a igualdade de tratameto em matéria de esio, e, pricipalmete: a) Privar qualquer pessoa ou grupo de pessoas do acesso aos diversos tipos ou graus de esio; b) Limitar a ível iferior a educação de qualquer pessoa ou grupo; c) Sob reserva do disposto o art. 2º da presete Coveção, istituir ou mater sistemas ou estabelecimetos de esio separados para pessoas ou grupos de pessoas; d) De impor a qualquer pessoa ou grupo de pessoas codições icompatíveis com a digidade do homem. Artigo 3 A fim de elimiar e preveir qualquer discrimiação o setido da presete Coveção, os Estados-Partes se comprometem a: a) Elimiar quaisquer disposições legislativas e admiistrativas e fazer cessar quaisquer práticas admiistrativas que evolvam discrimiação; (...) c) Não admitir, o que cocere às despesas de esio, às atribuições de bolsas, (...) qualquer difereça de tratameto etre acioais pelos poderes públicos, seão as baseadas o mérito e as ecessidades; d) Não admitir, a ajuda que, evetualmete, e sob qualquer forma, for cocedida pelas autoridades públicas aos estabelecimetos de esio, ehuma preferêcia ou restrição baseadas uicamete o fato de que os aluos perteçam a determiado grupo; e) Coceder aos estrageiros que residirem em seu território o mesmo acesso ao esio que o cocedido aos próprios acioais. Direito Humao à Educação / Educação e direitos humaos 23

24 Ë Características do direito à educação Cada país tem autoomia para defiir como oferecerá à população o acesso à educação e ao esio. Etretato, as ormas iteracioais determiam que a educação, em todas as suas formas e íveis, deve ser sempre: dispoível, acessível, aceitável e adaptável. Vejamos o que cada uma dessas características sigifica. Dispoibilidade sigifica que a educação gratuita deve estar à disposição de todas as pessoas. A primeira obrigação do Estado brasileiro é assegurar que existam creches e escolas para todas as pessoas, garatido para isso as codições ecessárias (como istalações físicas, professores qualificados, materiais didáticos, etc.). Deve haver vagas dispoíveis para todos os que maifestem iteresse a educação escolar. O Estado ão é ecessariamete o úico resposável pela realização do direito à educação, mas as ormas iteracioais de direitos humaos obrigam-o a ser o pricipal resposável e o maior ivestidor, assegurado a uiversalização das oportuidades. 24 Direito Humao à Educação / Educação e direitos humaos

25 Acessibilidade É a garatia de acesso à educação pública, dispoível sem qualquer tipo de discrimiação. Possui três dimesões que se complemetam: 1) ão discrimiação; 2) acessibilidade material (possibilidade efetiva de frequetar a escola graças à proximidade da moradia ou à adaptação das vias e prédios escolares às pessoas com dificuldade de locomoção, por exemplo) e 3) acessibilidade ecoômica a educação deve estar ao alcace de todas as pessoas, idepedetemete de sua codição ecoômica, portato, deve ser gratuita. Aceitabilidade Garate a qualidade da educação, relacioada aos programas de estudos, aos métodos pedagógicos, à qualificação do corpo docete e à adequação ao cotexto cultural. O Estado está obrigado a assegurar que todas as escolas se ajustem aos critérios qualitativos elaborados e a certificar-se de que a educação seja aceitável tato para as famílias como para os estudates. A qualidade educacioal evolve tato os resultados do esio como as codições materiais de fucioameto das escolas e a adequação dos processos pedagógicos. Adaptabilidade Requer que a escola se adapte a seu grupo de estudates; que a educação correspoda à realidade das pessoas, respeitado sua cultura, costumes, religião e difereças; assim como possibilite o cohecimeto das realidades mudiais em rápida evolução. Ao mesmo tempo, exige que a educação se adeque à fução social de efretameto das discrimiações e desigualdades que estruturam a sociedade. A adaptação dos processos educativos às diferetes expectativas presetes a sociedade pressupõe a abertura do Estado à gestão democrática das escolas e dos sistemas de esio. Por isso a legislação do esio determia que os currículos devem ser compostos por uma base acioal comum, sedo complemetada, em cada estado ou muicípio, e em cada escola, por uma parte diversificada, exigida pelas características regioais e locais da sociedade, da cultura, da ecoomia e dos estudates. Direito Humao à Educação / Educação e direitos humaos 25

26 Ë Dimesões do direito à educação As quatro características que vimos acima os dizem que o direito humao à educação é muito mais que uma vaga a escola. Agora veremos que três dimesões desse direito chamam a ateção para como ele deve ser exercido, pois ão há setido em falar em direito à educação se outros direitos humaos são violados a escola. Direito humao à educação Como vimos, ão se resume ao direito de ir à escola. A educação deve ter qualidade, ser capaz de promover o pleo desevolvimeto da pessoa, respoder aos iteresses de quem estuda e de sua comuidade. Direitos humaos a educação O exercício do direito à educação ão pode estar dissociado do respeito a outros direitos humaos. Não se pode permitir, por exemplo, que a creche ou a escola, seus coteúdos e materiais didáticos reforcem precoceitos. Tampouco se deve aceitar que o espaço escolar coloque em risco a saúde e a seguraça de estudates, ou aida que a educação e a escola sejam geridas de forma autoritária, impossibilitado a livre maifestação do pesameto de professores e estudates, bem como sua participação a gestão da escola. Educação em direitos humaos Os direitos humaos devem fazer parte do processo educativo das pessoas. Para defeder seus direitos, todas as pessoas precisam cohecê-los e saber como reividicá-los a sua vida cotidiaa. Além disso, a educação em direitos humaos promove o respeito à diversidade (ético-racial, religiosa, cultural, geracioal, territorial, de gêero, de orietação sexual, de acioalidade, de opção política, detre outras), a solidariedade etre povos e ações e, como cosequêcia, o fortalecimeto da tolerâcia e da paz. No caso da educação básica, esses pricípios, características e dimesões precisam estar presetes a formação dos profissioais da educação, os materiais didáticos, o coteúdo das aulas e até a gestão da escola e a sua relação com a comuidade. Tato o que se esia como o modo como se esia precisam estar de acordo com os direitos humaos e estimular a participação e o respeito. Isso é o que propõe o Plao Nacioal de Educação em Direitos Humaos, cuja seguda versão foi cocluída em Direito Humao à Educação / Educação e direitos humaos

27 Ë O direito à educação o Brasil Ë Dever de respeitar, proteger e promover o direito à educação O Brasil, como sigatário dos tratados iteracioais, está obrigado a respeitar, proteger e promover os direitos humaos. Vejamos o caso da educação como cada uma dessas obrigações deve acotecer a prática. O dever de respeitar sigifica que o Estado ão pode criar obstáculos ou impedir o exercício do direito humao à educação. Isso implica obrigações de absteção, pois trata daquilo que os Estados ão deveriam fazer: por exemplo, impedir que as pessoas se eduquem, que orgaizem cursos livres em suas comuidades ou pela iteret, ou que abram escolas, desde que respeitem as codições estabelecidas as ormas sobre o tema. Evolve, portato, a liberdade de esiar e apreder, desde que respeitadas as ormas gerais que regulametam o esio formal. O dever de proteger exige que o Estado atue (obrigação ativa). É ecessário tomar medidas para evitar que terceiros (pessoas, grupos ou empresas, por exemplo) impeçam o exercício do direito à educação. Por exemplo, o Brasil, o esio é obrigatório etre 4 e 17 aos; em mesmos pais, mães ou resposáveis de uma criaça ou adolescete podem impedir seu acesso à escola, cabedo ao Estado atuar a proteção de seu direito, garatido-lhe o acesso à escola. O dever de promover é a pricipal obrigação ativa do Estado. Refere-se às ações públicas que devem ser adotadas para a realização e o exercício pleo dos direitos humaos. São as leis que defiem como deve ser a educação e o esio o país, as políticas públicas que cocretizam o direito à educação, o ivestimeto em educação e as escolas, etc. Essas são as obrigações diretas do Estado em garatir o direito humao à educação, por itermédio, por exemplo, da costrução de escolas, do fiaciameto adequado e da cotratação de professores. Direito Humao à Educação / O direito à educação o Brasil 27

28 Ë As leis brasileiras Vejamos o que dizem as leis brasileiras sobre o direito à educação. A educação é um direito garatido pela Costituição Federal de Logo em seu art. 6º, o documeto jurídico mais importate do osso país diz que a educação jutamete com a moradia, o trabalho, o lazer, a saúde, etre outros é um direito social. Ou seja, ão é um favor do Estado para as pessoas. Pelo cotrário, como é etedida como um direito, a educação pode e deve ser exigida dos órgãos competetes quado esse direito for violado ou desrespeitado. Mais à frete, o art. 205 da Costituição afirma: A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e icetivada com a colaboração da sociedade, visado ao pleo desevolvimeto da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadaia e sua qualificação para o trabalho. Aqui fica explícito o dever do Estado e o direito de todas as pessoas, sem qualquer distição, com relação à educação. Também está defiido que a família tem deveres (os pais e mães, por e- xemplo, são obrigados a matricular seus filhos e filhas a escola) e que a educação tem como objetivo o desevolvimeto itegral da pessoa e a preparação para a iserção cidadã. O fato de a Costituição citar aida a qualificação para o trabalho ão sigifica ser esse seu objetivo pricipal, como muitas vezes se teta iterpretar. A educação profissioal, para respeitar sua atureza de direito social costitucioal, precisa estar itegrada à cocepção ampla de educação, possibilitado a iserção autôoma e qualificada o mudo do trabalho. Não se ega que as ecessidades da vida e o avaço tecológico exijam que as pessoas estejam cada vez mais qualificadas para o trabalho e que uma das formas de se coseguir isso é por meio da educação. No etato, o desevolvimeto da pessoa implica muitas outras dimesões, pricipalmete o pleo desevolvimeto das capacidades humaas e o cosequete preparo ao exercício da cidadaia. 28 Direito Humao à Educação / O direito à educação o Brasil

29 Ë Educação e esio Para facilitar a compreesão dos deveres do Estado, da família e da sociedade em geral, a legislação brasileira faz a difereciação etre a educação e o esio. A educação é um coceito amplo, abragedo os processos formativos que se desevolvem a vida familiar, a covivêcia humaa, o trabalho, as istituições de esio e pesquisa, os movimetos sociais e orgaizações da sociedade civil e as maifestações culturais (Lei 9.394/1996, art. 1 ). A educação, esse setido amplo, é um dever compartilhado por todos os atores sociais e todos são livres para promover cursos e estudos livres, desde que ão violem as demais ormas de direitos humaos. Ao Estado cabe respeitar e proteger essa liberdade. Já o esio é a parte da educação que acotece em istituições escolares de educação básica e superior. O esio é regulametado, tem currículo e formas de fucioameto previstos em ormas jurídicas e, além disso, leva à certificação em cada etapa de escolaridade (fudametal, média, técica, superior, etc). O Estado tem o dever de promover o esio, assegurado a todos oportuidades de formação escolar. Ë A orgaização do esio: detalhado os deveres e resposabilidades Como a Costituição estabelece os pricípios e prevê os direitos, mas ão prevê detalhadamete como estes devem sair do papel, é preciso elaborar outras leis, que devem estar de acordo com o que determia a Costituição, que é a lei máxima. No caso da educação, temos duas leis importates, que são a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacioal LDB (Lei 9.394, de 1996), que detalha os direitos e orgaiza os aspectos gerais do esio, e o Plao Nacioal de Educação (Lei , de 2001), que estabelece diretrizes e metas a serem alcaçadas o prazo de dez aos. Também o Estatuto da Criaça e do Adolescete ECA (Lei 8.069, de 1990) estabelece importates pricípios e obrigações o campo educacioal. A seguir, vamos ver o que mais a Costituição diz sobre o direito à educação e também como a LDB divide em etapas e classifica em modalidades a educação brasileira. Direito Humao à Educação / O direito à educação o Brasil 29

30 Como a educação evolve processos que vão além da escola, é importate destacar que abaixo estão listadas pricipalmete as obrigações do Estado em relação à educação escolar (esio). Esta, segudo a LDB, está dividida em dois grades íveis, educação básica e educação superior. A educação básica é composta de três etapas: Educação ifatil Atede criaças até 5 aos em creches (0 a 3 aos) e pré-escolas (4 a 5 aos). Seu objetivo é promover o desevolvimeto itegral, em seus aspectos físico, psicológico, itelectual e social, complemetado a ação da família e da comuidade (art. 29 da LDB). A educação ifatil é duplamete protegida pela Costituição Federal de 1988: tato é direito das criaças como é direito dos(as) trabalhadores(as) urbaos(as) e rurais em relação a seus filhos e depedetes. Ou seja, a educação ifatil é um exemplo vivo da idivisibilidade e iterdepedêcia que caracterizam os direitos humaos, pois reúe em um mesmo coceito vários direitos: ao desevolvimeto, à educação, ao cuidado, à saúde e ao trabalho. (CF, art. 7, XXV, e art. 208, IV). Seu recohecimeto a Costituição de 1988 é expressão do dever de toda a sociedade, represetada pelo Estado, com o cuidado das criaças pequeas, e sua implemetação represeta o efretameto das desigualdades de gêero, etre homes e mulheres, pais e mães. Esio fudametal Com duração míima de ove aos, também cohecida como educação primária, é a etapa que objetiva o desevolvimeto da capacidade de apreder, tedo como meios básicos o pleo domíio da leitura, da escrita e do cálculo; a compreesão do ambiete atural e social, do sistema político, da tecologia, das artes e dos valores em que se fudameta a sociedade; o desevolvimeto da capacidade de apredizagem, tedo em vista a aquisição de cohecimetos e habilidades e a formação de atitudes e valores; o fortalecimeto dos vículos de família, dos laços de solidariedade humaa e de tolerâcia recíproca em que se asseta a vida social (art. 32, LDB). É a primeira etapa educacioal a ser recohecida como direito humao uiversal. Até a emeda costitucioal 59, de 2009, também era a úica etapa obrigatória (ver ao lado). Esio médio É a etapa fial da educação básica, com duração míima de três aos. A Costituição prevê que deve ser progressivamete uiversalizado, de modo a ateder a todas as pessoas que termiam o esio fudametal, iclusive os joves e adultos que ão tiveram oportuidade de cursá-lo. Pode ser oferecido de forma itegrada à educação profissioal. 30 Direito Humao à Educação / O direito à educação o Brasil

31 O que é o esio obrigatório? Até 2009, a obrigatoriedade do esio estava limitada ao esio fudametal de criaças e adolescetes. A Emeda Costitucioal º 59, de 2009, modificou o art. 208 da Costituição Federal para ampliar a obrigatoriedade. Quado falamos que o esio é obrigatório, estamos queredo dizer que todas as criaças e adolescetes essa idade devem estar a escola, seja a zoa rural ou a urbaa, seja uma criaça com deficiêcia ou ão. A ausêcia de matrícula ou frequêcia escolar pode levar à resposabilização tato dos geitores ou resposáveis como das autoridades públicas, cabedo às escolas, aos Coselhos Tutelares e ao Miistério Público moitorar a frequêcia dos estudates. Com a Emeda Costitucioal 59 ficou estabelecido que, progressivamete, até 2016, toda a educação básica será obrigatória para as criaças e adolescetes com idade etre 4 e 17 aos. É importate destacar que o dever do Estado vai além da educação obrigatória. Esse é o caso do direito à educação ifatil para meores de 4 aos e do esio fudametal e médio para maiores de 17, que são direitos dos geitores e estudates, mesmo que ão seja obrigatória a matrícula. Nesse caso, o Estado (Poder Público) tem o dever de assegurar vagas e frequêcia a todos(as) os que maifestem o iteresse em frequetar uma istituição pública de esio, iclusive aos adultos que ão puderam cocluir a educação básica quado criaças. Os íveis e as etapas são a base de estruturação da educação escolar, sedo utilizados para efeito de certificação. Isso sigifica que a coclusão de tais etapas (esio fudametal e esio médio) e íveis (educação básica e educação superior) abre a possibilidade de diplomação. Há também modalidades e formas difereciadas de oferta, que ão dizem respeito aos íveis e etapas, mas tem a ver com a adaptabilidade da oferta educacioal: Educação especial iclusiva É a modalidade complemetar de esio destiada aos estudates com deficiêcia, ão substituido, o etato, o esio regular. A Costituição e os tratados iteracioais de direitos humaos, pricipalmete a Coveção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiêcia (2007), que foi icorporada ao direito brasileiro por meio do Decreto , de 25 Direito Humao à Educação / O direito à educação o Brasil 31

32 de agosto de 2009, proíbem todas as formas de exclusão das pessoas com deficiêcia, devedo a educação ser iclusiva em todos os seus aspectos. Essa Coveção veio reforçar o pricípio da ão discrimiação já presete em diversos documetos legais, como a Coveção Relativa à Luta cotra a Discrimiação o Campo do Esio. A Coveção foi aprovada com status de emeda costitucioal (Costituição de 1988, art. 5, 3 ). Isso tem dois sigificados fudametais: a) os direitos, deveres e obrigações ela cotidos têm aplicação imediata; b) tais direitos, deveres e obrigações são superiores às leis e a outras ormas que, o caso de serem cotrárias à Coveção, são automaticamete revogadas ou devem ser iterpretadas de forma a fazer valer o documeto iteracioal. Assim, é importate deixar claro que as pessoas com deficiêcia gozam de todos os direitos previstos a Costituição e as leis, iclusive o direito à educação. Por exemplo, como vimos acima, a todos é devida a educação básica de qualidade. No caso dos estudates com deficiêcia, a Costituição determia que, além desse básico regular, devem ser asseguradas as codições ecessárias à sua iclusão educacioal. Um exemplo é o forecimeto de livros em braille ou com caracteres ampliados para os estudates com deficiêcia visual. Assim, educação especial ão sigifica escola ou sala especial, e sim, como diz a própria Costituição, atedimeto especializado complemetar à escolarização regular. (CF, art. 3, IV; art. 5, caput; e art. 208, III). No Brasil, é crime recusar, suspeder, procrastiar [adiar], cacelar ou fazer cessar matrícula de pessoa com deficiêcia (Lei 7.853/1989, art. 8º, iciso I).; Educação de joves e adultos EJA Atede aquelas pessoas que ão tiveram acesso ou ão termiaram o esio fudametal ou o esio médio quado criaça ou adolescete. A orgaização das aulas e os coteúdos têm que levar em cosideração as características, os iteresses, as codições de vida e de trabalho e a bagagem cultural desses estudates (LDB, art. 37). Segudo a legislação brasileira, todas as pessoas com idade superior a 15 aos têm o direito de cursar e cocluir o esio fudametal a modalidade EJA e todas as pessoas com mais de 18 aos têm o direito de cursar e cocluir o esio médio a mesma modalidade. Educação profissioal e tecológica Deve se articular preferecialmete com a educação de joves e adultos e o esio médio, bem como às dimesões do trabalho, da ciêcia e da tecologia. Pode ser oferecida tato em cursos autôomos de formação iicial e cotiuada ou qualificação profissioal como de forma itegrada à etapa de esio médio. 32 Direito Humao à Educação / O direito à educação o Brasil

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Dispensa e Redução de Contribuições

Dispensa e Redução de Contribuições Dispesa Temporária do Pagameto de Cotribuições Dec - Lei º 89/95, de 6 de Maio Dec - Lei º 34/96, de 18 de Abril Dec - Lei º 51/99, de 20 de Fevereiro Lei º 103/99, de 26 de Julho Taxa Cotributiva Dec

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E AS DROGAS. Dra. Neuza Jordão MÉDICA COORDENADORIA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO AS DROGAS COMUDA FUNDADORA DO INSTITUTO IDEAIS

ADOLESCÊNCIA E AS DROGAS. Dra. Neuza Jordão MÉDICA COORDENADORIA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO AS DROGAS COMUDA FUNDADORA DO INSTITUTO IDEAIS ADOLESCÊNCIA E AS DROGAS Dra. Neuza Jordão MÉDICA COORDENADORIA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO AS DROGAS COMUDA FUNDADORA DO INSTITUTO IDEAIS Coceitos Segudo a OMS, a adolescêcia é um período da vida, que começa

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Ano 1º Semestre 1º. Teóricas

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Ano 1º Semestre 1º. Teóricas Departameto Gestão Disciplia Matemática I Curso Gestão de Empresas Ao 1º Semestre 1º Grupo Docete Resposável Teóricas Carga horária semaal Teórico Práticas Nuo Coceição 3h 3h/5h Práticas/ Lab. Semiários

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shie - Colégio Etapa Artigo baseado em aula miistrada a IV Semaa Olímpica, Salvador - BA Nível Iiciate. A Torre de Haói é um dos quebra-cabeças matemáticos mais populares.

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais *

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais * Aálise de Pobreza com Idicadores Multidimesioais: Uma Aplicação para Brasil e Mias Gerais * Helger Marra Lopes Paulo Brígido Rocha Macedo Aa Flávia Machado ' Palavras-chave: idicador de pobreza; pobreza

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização Gestão Itegrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regioalização Ceará 2011 Apoio Istitucioal Covêio SRHU/MMA/ º 003/2008 - Projeto Regioalização da Gestão Itegrada de Resíduos Sólidos do Estado do

Leia mais

Quem Apresenta Melhor Rendimento Escolar,Meninas ou Meninos?

Quem Apresenta Melhor Rendimento Escolar,Meninas ou Meninos? Quem Apreseta elhor Redimeto Escolar,eias ou eios? Lidamir Salete Casagrade arilia Gomes de Carvalho Resumo Este estudo faz parte de uma pesquisa maior que visa aalisar as relações de gêero a sala de aula

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

A ESEC para o Novo Aluno...

A ESEC para o Novo Aluno... Praça Heróis do Ultramar Solum, 3030-329 Coimbra, Portugal Tel: (+ 35) 239 79 3 45/ 22 Fax: (+ 35) 239 40 46 www.esec.pt A ESEC para o Novo Aluo... CONTEÚDO A ESEC Serviços Directores de Curso Iformações

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DESPORTIVA

CÓDIGO DE ÉTICA DESPORTIVA CÓDIGO DE CÓDIGO DE Etidades/pessoas que cotribuiram para a eloboração do CÓDIGO DE // Associação de Estabelecimetos de Esio Particular e Cooperativo // Associação Nacioal Agetes de Futebol // Associação

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Kit de ferramentas de Advocacy

Kit de ferramentas de Advocacy ROOTS 1+2 ROOTS Kit de ferrametas de Advocacy SEGUNDA EDIÇÃO ROOTS: Recursos para Orgaizações com Oportuidades de Trasformação e Socialização ROOTS 1 E 2 Kit de ferrametas de Advocacy Seguda edição De

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA RESUMO

EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA RESUMO EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA 9 ORIGINAL EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA HEALTH AND NUTRITION EDUCATION IN JOÃO PESSOA,, PAR ARAÍBA AÍBA,, BRAZIL Roberto Teixeira LIMA

Leia mais

Educar na cibercultura: docência e aprendizagem no presencial e no online EDU/UERJ

Educar na cibercultura: docência e aprendizagem no presencial e no online EDU/UERJ Educar a cibercultura: docêcia e apredizagem o presecial e o olie Clique para Marco Silvaeditar o estilo do EDU/UERJ subtítulo mestre Poto de partida Revista Teias Dossiê CIBERCULTURA, EDUCAÇÃO ONLINE

Leia mais

A MÍDIA E SUA INFLUÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS. Erika Milena de Souza

A MÍDIA E SUA INFLUÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS. Erika Milena de Souza A MÍDIA E SUA INFLUÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS. Erika Milea de Souza INTRODUÇÃO Um dos problemas causados pelo aumeto do processo de urbaização é a falta de seguraça, o qual limitou os espaços

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

CONCEITO DE INTEGRAL: UMA PROPOSTA COMPUTACIONAL PARA SEU ENSINO E APRENDIZAGEM

CONCEITO DE INTEGRAL: UMA PROPOSTA COMPUTACIONAL PARA SEU ENSINO E APRENDIZAGEM JOSÉ MANUEL RIBEIRO DE MELO CONCEITO DE INTEGRAL: UMA PROPOSTA COMPUTACIONAL PARA SEU ENSINO E APRENDIZAGEM MESTRADO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PUC-SP SÃO PAULO - 2002 JOSÉ MANUEL RIBEIRO DE MELO CONCEITO

Leia mais

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações Potifícia Uiversidade Católica do Paraá Curso de Especialização em Iteligêcia Computacioal 2004/2005 Plao de Aula Iteligêcia Computacioal: Defiições e Aplicações Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. soares@ppgia.pucpr.br

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL Adré Luís Policai Freitas Uiversidade Estadual do Norte Flumiese, Brasil. INTRODUÇÃO Os úmeros

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET 20 MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET CONTRATANTE: TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, iscrito o CNPJ/MF sob o.º 00.509.968/0001-48, sediado a Praça dos Tribuais Superiores, bloco D, s/.º,

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I 00 MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I TEXTO DE APOIO MARIA ALICE FILIPE ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS ALGUNS CONCEITOS SOBRE SÉRIES6 NOTAS PRÉVIAS As otas seguites referem-se ao maual adoptado: Cálculo, Vol I James

Leia mais

O Reconhecimento da Educação como Direito Humano. 12 de abril de 2014. Ester Gammardella Rizzi Ester.rizzi@gmail.com

O Reconhecimento da Educação como Direito Humano. 12 de abril de 2014. Ester Gammardella Rizzi Ester.rizzi@gmail.com O Reconhecimento da Educação como Direito Humano 12 de abril de 2014 Ester Gammardella Rizzi Ester.rizzi@gmail.com Educação é Direito Humano e dever do Estado O que é direito? Quem diz o que é direito?

Leia mais

DPS 1016 Engenharia Econômica

DPS 1016 Engenharia Econômica DPS Egeharia Ecoômica Material de Aula Departameto de Egeharia de Produção e Sistemas Cetro de Tecologia - Uiversidade Federal de Sata Maria - RS Egeharia Ecoômica Prof. Dr. Eg. Dipl. Wirt. Ig. Adreas

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional Workshop Stakeholders Lisboa PIM da Jaela Úica Logística Vertete fucioal Coceito e Pricípios de Fucioameto Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL THE SECTOR OF MARKETING RESEARCH,OPINION AND MEDIA IN BRAZIL RESUMO Com base em dados da ABEP, o artigo faz um relato da evolução do setor de

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais Estatística II Atoio Roque Aula Testes de Hipóteses para a Difereça Etre Duas Médias Populacioais Vamos cosiderar o seguite problema: Um pesquisador está estudado o efeito da deficiêcia de vitamia E sobre

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais