algébrica das variações de entalpia de outras reacções químicas cujas equações, depois de somadas, dão a equação inicial.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "algébrica das variações de entalpia de outras reacções químicas cujas equações, depois de somadas, dão a equação inicial."

Transcrição

1 Ciclos de Born Haber Um CicIo de Born-Haber é um ciclo que estabelece relações entre várias grandezas termodinâmicas e que se baseia na lei de Hess a variação de entalpia de uma dada reacção é independente do percurso seguido entre o estado inicial e o estado final, isto é, a entalpia é uma função de estado. As funções de estado são propriedades termodinâmicas que são univocamente definidas pelo estado do sistema. A lei de Hess é consequência do 1º Princípio da Termodinâmica. Assim, é possível calcular a variação de entalpia associada a uma reacção química pela soma algébrica das variações de entalpia de outras reacções químicas cujas equações, depois de somadas, dão a equação inicial. Considerem-se esquematicamente dois estados, um final e um inicial, que é possível relacionar de forma directa através da variação de entalpia H 1 ou então por uma qualquer sucessão de estados intermédios separados pelas variações de entalpia H 2, H 3, H 4,. H n. Representa-se de forma abstracta um ciclo para n = 5. H 3 H 4 INICIAL H 2 H 1 H 5 FINAL Segundo a Lei de Hess, o percurso entre os estados inicial e final tanto pode ser "directamente" através de H 1, como se pode procurar um "caminho alternativo", que parta do mesmo estado inicial e chegue ao mesmo final. Assim, H 1 = H 2 + H 3 + H 4 + H 5. Se, como no exemplo abaixo, o sentido do percurso é contrário ao sentido das setas, quer dizer, quando nos estamos a referir à reacção inversa daquela que está indicada no ciclo, então, aplicando a lei de Hess: H 1 = H 2 H 3 H 4 + H 5. H 3 H 4 INICIAL H 2 H 1 H 5 FINAL 1

2 Uma das utilidades destes ciclos termodinâmicos é que, se apenas uma das variações de entalpia for desconhecida, é possível calculá-la usando equações como as anteriores. Assim, os ciclos de Born- Haber têm sido usados, por exemplo, para calcular energias reticulares ou electroafinidades (grandezas de determinação experimental difícil), entalpias de dissolução ou na previsão da estabilidade termodinâmica de um dado composto, através da sua entalpia de formação. Resumo de alguns conceitos, definições e convenções utilizados em ciclos de Born-Haber 1. Grandezas relativas ao estado gasoso Energia de dissociação ou de Iigação diss H, entalpia de dissociação (é definida no sentido da quebra das ligações): variação de entalpia associada ao processo de quebra homolítica (i.e., cada átomo fica com um dos dois electrões que estabeleciam a ligação) de uma mole de ligações, com reagentes e produtos no estado gasoso ideal, à pressão de 1 bar e à temperatura de 298,15 K. O processo de quebra de ligações é sempre endotérmico ( diss H >0). AB (g) diss H + B (g) Energia de ionização EI : energia que é necessário fornecer para arrancar uma mole de electrões a uma mole de átomos neutros (1ª energia de ionização), ou de iões (2ª, 3ª nª, energia de ionização), no estado gasoso ideal e fundamental, ficando os electrões arrancados com uma energia cinética nula. H = EI A + (g) + e (g) EIectroafinidade EA : energia libertada quando se adiciona uma mole de electrões a uma mole de átomos no estado gasoso ideal, para formar uma mole de iões mononegativos no estado fundamental e também no estado gasoso ideal. Por tradição, esta energia libertada é dada como positiva, i.e. os valores tabelados são positivos, o que é contra a convenção termodinâmica; daí o sinal menos no processo correspondente: + e (g) H = EA A (g) O processo inverso, +EA, corresponde à energia de ionização do ião A 2

3 A (g) EI(A ) = EA +e (g) 2. Grandezas que envolvem (ou não) mudança de estado Entalpia molar de formação padrão f H 0 : variação de entalpia envolvida na formação de 1 mole de uma substância directamente a partir dos seus elementos constituintes nos respectivos estados padrão a 298,15 K. Estado padrão define-se como a forma mais estável de um elemento ou composto no estado físico a que existe à pressão de 1 bar. Embora a temperatura não faça parte desta definição os valores tabelados costumam referir-se a 298,15 K (25 C). Exemplo: Na (c) + 1/2 Cl 2 (g) f H 0 (NaCl) NaCl (c) Por convenção, f H 0 (elemento no estado padrão) = 0 Por exemplo, f H 0 (Cl 2, g) = 0, mas f H 0 (Cl, g) 0, porque o estado padrão do cloro (tal como o hidrogénio, azoto, oxigénio, e os restantes halogéneos, fluor, bromo e iodo), corresponde à molécula diatómica. Entalpia de reacção A variação de entalpia de uma reacção em condições padrão, r H 0, pode calcular-se a partir das entalpias de formação padrão dos seus produtos e reagentes. : r H 0 = Σ n f H 0 (produtos) - Σ n f H 0 (reagentes) n coeficiente estequiométrico da espécie na equação química. Esta relação é uma consequência directa da lei de Hess. Por exemplo, consideremos a reacção: CH 4 (g) + 2O 2 (g) r H 0 CO 2 (g) + 2H 2 O (g) r H 0 = 2 x f H 0 (H 2 O,l) + f H 0 (CO 2,g) [2 x f H 0 (O 2,g) + f H 0 (CH 4,g)] = 2 x f H 0 (H 2 O,l) + f H 0 (CO 2,g) f H 0 (CH 4,g) Entalpia de atomização atom H 0 : variação de entalpia associada ao processo de cisão de todas as ligações de uma mole de 3

4 moléculas, ficando os átomos resultantes no estado gasoso ideal e com energia cinética nula. AB...C (c, l ou g) atm H +B(g) +C(g) Entalpia de sublimação sub H: variação de entalpia associada à conversão de uma mole de composto ou elemento cristalino em uma mole de composto ou elemento no estado gasoso, a temperatura constante. A (c) sub H Entalpia de vaporização vap H: variação de entalpia associada ao processo de conversão de uma mole de um composto ou elemento no estado liquido numa mole de composto ou elemento no estado gasoso a temperatura constante. A (l) vap H Entalpia de dissolução dissol H: variação de entalpia associada ao processo de dissolução de uma mole de um composto iónico, ficando os seus iões solvatados em solução. AB (c) dissol H A + (soln) +B (soln) Entalpia de solvatação solv H: variação de entalpia associada ao processo da passagem de uma mole de iões no estado gasoso à solução. Se for em solução aquosa denomina-se entalpia de hidratação, hid H. A + (g) solv H A + (soln) A + (g) hid H A + (aq) Energia reticular U ret - U (para um processo a pressão constante U ret ret H). Define-se energia reticular de um cristal como a energia que é necessário fornecer a uma mole desse cristal para o separar nos respectivos iões constituintes, considerando-se estes transportados desde as suas posições de equilíbrio na rede cristalina até uma distância infinita (o que corresponde o estado gasoso perfeito) e a 0 K. 4

5 U é a energia das interacções electrostáticas e da repulsão das nuvens electrónicas numa mole do cristal. Para separar uma cristal nos seus iões é sempre necessário fornecer energia, isto é, o processo é endotérmico. O sinal da energia reticular ou entalpia reticular é positivo. AB (c) U ret A + (g) + B (g) 5

N 2 O 4 (g) 2 NO 2 (g) [ ] Para T=298 K. tempo

N 2 O 4 (g) 2 NO 2 (g) [ ] Para T=298 K. tempo Equilíbrio Químico N 2 O 4 (g) 2 NO 2 (g) [ ] [ N O ] 2 4 2 NO 2 cte = 4.63x10 3 Concentração Concentração tempo Para T=298 K Concentração 2 SO 2 (g) + O 2 (g) 2 SO 3 (g) 2 [ SO ] [SO 2 ] / mol dm -3 [O

Leia mais

Energia Reticular em Sólidos Iônicos

Energia Reticular em Sólidos Iônicos Energia Reticular em Sólidos Iônicos Estutura Cristalina A fórmula química é uma fórmula empírica, simplesmente dando a proporção de íons com base no equilíbrio de carga. Entalpia de rede A estabilidade

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 04 Termoquímica Aplicação do ciclo de Born-Harber

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 04 Termoquímica Aplicação do ciclo de Born-Harber UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 04 Termoquímica Aplicação

Leia mais

Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao

Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao Box 6 Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao Vimos anteriormente que a variação de entalpia de uma reação é determinada experimentalmente no calorímetro. Existem, no entanto, maneiras indiretas de determinação

Leia mais

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia.

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Combustíveis Energia e Ambiente De onde vem a energia dos combustíveis? Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Sistema; Universo; Sistema Aberto, Fechado e Isolado; Estado final e Inicial; Energia

Leia mais

Termoquímica Entalpia e Lei de Hess

Termoquímica Entalpia e Lei de Hess Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Termoquímica Entalpia e Lei de Hess Sistemas a Pressão Constante Quando o volume do sistema não é constante,

Leia mais

Capítulo 18 Entropia, Energia de Gibbs e Equilíbrio

Capítulo 18 Entropia, Energia de Gibbs e Equilíbrio Capítulo 18 Entropia, Energia de Gibbs e Equilíbrio As Três Leis da Termodinâmica Processos Espontâneos Entropia A Segunda Lei da Termodinâmica Energia de Gibbs Energia de Gibbs e Equilíbrio Químico Termodinâmica

Leia mais

Provas de Acesso ao Ensino Superior para maiores de 23 anos

Provas de Acesso ao Ensino Superior para maiores de 23 anos Provas de Acesso ao Ensino Superior para maiores de 23 anos Duração: 1h30min.; Tolerância: 30 minutos Parte I - Seleccione a única opção que permite obter uma afirmação correcta nas seguintes questões:

Leia mais

A Ligação Iônica ou Eletrovalente

A Ligação Iônica ou Eletrovalente A Ligação Iônica ou Eletrovalente Formação de pares iônicos As substâncias sólidas podem ser formadas por átomos, moléculas, macromoléculas, ou seja, por partículas eletricamente neutras ou por íons dispostos

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina Aula 7 Ligação Iônica Prof. Isac G. Rosset Prof. Isac G. Rosset - UFPR - Palotina - Ciências Exatas 13 1 Ligações fortes: Ligações fracas:

Leia mais

Um dos grandes problemas mundiais é constante necessidade de geração de energia.

Um dos grandes problemas mundiais é constante necessidade de geração de energia. Termoquímica 1 2 Introdução Um dos grandes problemas mundiais é constante necessidade de geração de energia. A Termoquímica possibilita uma solução viável (econômica e ecológica) para esta crescente demanda.

Leia mais

Termoquímica. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins

Termoquímica. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins Termoquímica Mestrado integrado em Engenharia Biológica Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10 Professsora Ana Margarida Martins Termoquímica: estudo das trocas de calor postas em jogo durante os processos

Leia mais

Quase toda reação química é acompanhada de liberação ou absorção de calor (queima da gasolina, queima do etanol,

Quase toda reação química é acompanhada de liberação ou absorção de calor (queima da gasolina, queima do etanol, TERMOQUÍMICA TERMOQUÍMICA Quase toda reação química é acompanhada de liberação ou absorção de calor (queima da gasolina, queima do etanol, queima do GLP). A termoquímica estuda as quantidades de calor

Leia mais

ENSINO MÉDIO QUÍMICA

ENSINO MÉDIO QUÍMICA ENSINO MÉDIO QUÍMICA TERMOQUÍMICA TERMOQUÍMICA Termoquímica é a parte da química que estuda o calor associado a uma reação química. A unidade usada para medir a energia liberada ou absorvida por um sistema

Leia mais

PROPRIEDADES PERIÓDICAS DOS ELEMENTOS

PROPRIEDADES PERIÓDICAS DOS ELEMENTOS PROPRIEDADES PERIÓDICAS DOS ELEMENTOS Os exercícios seguintes estão directamente relacionados com a matéria exposta no capítulo 1 do manual da disciplina de Química Geral. São apresentados vários tipos

Leia mais

Apostila de Química 02 Termoquímica

Apostila de Química 02 Termoquímica Apostila de Química 02 Termoquímica 1.0 Introdução A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas; Não há reação química que ocorra sem variação de

Leia mais

O processo de dissolução

O processo de dissolução SOLUBILIDADE Sabemos que um soluto altera as propriedades do solvente. Solução sólida: silício dopado com fósforo eletrônica. indústria Sal sobre o gelo abaixa o ponto e congelamento se a temperatura é

Leia mais

Disciplina de Didáctica da Química I

Disciplina de Didáctica da Química I Disciplina de Didáctica da Química I Texto de Apoio Estrutura dos átomos no ensino básico e secundário Visão crítica / síntese dos tópicos de química nos ensinos básico e secundário A - ESTRUTURA DOS ÁTOMOS

Leia mais

QUI109 QUÍMICA GERAL (Ciências Biológicas) 7ª aula /

QUI109 QUÍMICA GERAL (Ciências Biológicas) 7ª aula / QUI109 QUÍMICA GERAL (Ciências Biológicas) 7ª aula / 2016-2 Prof. Mauricio X. Coutrim (disponível em: http://professor.ufop.br/mcoutrim) LIGAÇÃO QUÍMICA É A FORÇA QUE MANTÉM ÁTOMOS E/OU ÍONS UNIDOS NAS

Leia mais

Química I Exame de 2ª Época, 7/2/2012 Resolução 1. a)

Química I Exame de 2ª Época, 7/2/2012 Resolução 1. a) Química I Exame de 2ª Época, 7/2/2012 Resolução 1. a) b) A intensidade de corrente que passa no circuito (dada pelo nº de electrões que passa por unidade de tempo) depende da intensidade da radiação incidente.

Leia mais

Entropia. Energia de Gibbs e Equilíbrio

Entropia. Energia de Gibbs e Equilíbrio Entropia Energia de Gibbs e Equilíbrio Mestrado integrado em Engenharia Biológica Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10 Professsora Ana Margarida Martins TRANSFORMAÇÕES ESPONTÂNEAS Uma reacção diz-se

Leia mais

TERMOQUÍMICA- 3C13. As transformações físicas também são acompanhadas de calor, como ocorre na mudanda de estados físicos da matéria.

TERMOQUÍMICA- 3C13. As transformações físicas também são acompanhadas de calor, como ocorre na mudanda de estados físicos da matéria. TERMOQUÍMICA- 3C13 As transformações físicas e as reações químicas quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho de calor. O calor é uma das formas de energia mais comum que se conhece. A Termoquimica

Leia mais

Equilíbrio Químico. Controlo da Produção Industrial de Amoníaco

Equilíbrio Químico. Controlo da Produção Industrial de Amoníaco Equilíbrio Químico Controlo da Produção Industrial de Amoníaco Reações completas Combustão do carvão C (s) + O 2 (g) CO 2 (g) Reações completas Reação do Ácido clorídrico com o Magnésio 2 HCl (aq) + Mg

Leia mais

a) C 3 H 8 (g) 3C graf. + 4 H 2(g) C 3 H 8(g) b) C 2 H 6 O(l) 2C graf. + 3 H 2(g) + 1/2 O 2(g) C 2 H 6 O (l) c) Na 2 SO 4 (s)

a) C 3 H 8 (g) 3C graf. + 4 H 2(g) C 3 H 8(g) b) C 2 H 6 O(l) 2C graf. + 3 H 2(g) + 1/2 O 2(g) C 2 H 6 O (l) c) Na 2 SO 4 (s) setor 30 300408 Aula 3 TERMOQUÍMICA. ENTALPIA DE FORMAÇÃO Estado Padrão = Estado físico e alotrópico mais estáveis em condição ambiente (5 C, atm). Substâncias Simples no Estado Padrão H FORM H FORM =

Leia mais

Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial. Termoquímica

Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial. Termoquímica Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial Termoquímica Bolsista: Joyce de Q. Barbosa Tutor: Dr. José Ribamar Silva Termodinâmica Conceitos Básicos Termoquímica

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) Cursos Gerais Agrupamentos 1 e 2 PROVA 142/12 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2005 2.ª FASE PROVA

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/07/10 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,14

Leia mais

FCAV/ UNESP NOÇÕES DE TERMODINÂMICA

FCAV/ UNESP NOÇÕES DE TERMODINÂMICA FCAV/ UNESP NOÇÕES DE TERMODINÂMICA Profa. Dra. Luciana Maria Saran 1 1.TERMODINÂMICA Compreende o estudo da energia e suas transformações. Em grego, thérme-; calor, dy namis, energia. Termoquímica: área

Leia mais

Para compreender o conceito de reacção de precipitação é necessário considerar as noções básicas de dissolução e de solubilidade de sais em água.

Para compreender o conceito de reacção de precipitação é necessário considerar as noções básicas de dissolução e de solubilidade de sais em água. ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO ACETATO DE PRATA INTRODUÇÃO Para compreender o conceito de reacção de precipitação é necessário considerar as noções básicas de dissolução e de solubilidade de sais em água. O

Leia mais

ENERGIA INTERNA SISTEMA ISOLADO. Quando ocorre uma reação química num sistema isolado podem existir três situações:

ENERGIA INTERNA SISTEMA ISOLADO. Quando ocorre uma reação química num sistema isolado podem existir três situações: ENERGI INTERN energia interna, cujo símbolo é U, define-se como sendo a soma das energias cinéticas dos átomos e moléculas que se encontram no interior de um sistema e das energias potenciais associadas

Leia mais

Trabalho e calor. 1º Princípio da termodinâmica. Entalpia.

Trabalho e calor. 1º Princípio da termodinâmica. Entalpia. Trabalho e calor. 1º Princípio da termodinâmica. Entalpia. 1. O volume de um gás aumenta de 2,0 L até 6,0 L a temperatura constante. Calcule o trabalho feito pelo gás se ele se expandir: a) contra o vácuo

Leia mais

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia Unidade 6 - Conteúdo 13 - Termoquímica As transformações físicas e as reações químicas quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho de calor. O calor é uma das formas de energia mais comum que se conhece.

Leia mais

Entalpia. O trabalho realizado por esta reação é denominado trabalho de pressão-volume (trabalho PV)

Entalpia. O trabalho realizado por esta reação é denominado trabalho de pressão-volume (trabalho PV) Entalpia As reações químicas podem absorver ou liberar calor e também podem provocar a realização de trabalho. Quando um gás é produzido, ele pode ser utilizado para empurrar um pistão: Zn(s) + 2H + (aq)

Leia mais

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA Termodinâmica é a ciência que estuda as transformações de energia nas quais as variações de temperatura são importantes. A maioria das transformações químicas resulta em alterações

Leia mais

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS (Decreto Lei n.º 64/2006, de 21 de Março) 2010 PROVA DE QUÍMICA Data da prova:

Leia mais

Termoquímica. Trabalho, calor e energia interna. Leis da Termodinâmica. Entalpia. Lei de Hess. Entropia. Energia livre

Termoquímica. Trabalho, calor e energia interna. Leis da Termodinâmica. Entalpia. Lei de Hess. Entropia. Energia livre Termoquímica IV Trabalho, calor e energia interna Leis da Termodinâmica Entalpia Lei de Hess Entropia Energia livre Trabalho, calor e energia interna Cada reação química obedece a duas leis fundamentais:

Leia mais

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA Termodinâmica é a ciência que estuda as transformações de energia nas quais as variações de temperatura são importantes. A maioria das transformações químicas resulta em alterações

Leia mais

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA Termodinâmica é a ciência que estuda as transformações de energia nas quais as variações de temperatura são importantes. A maioria das transformações químicas resulta em alterações nas temperaturas e,

Leia mais

Nome Completo : Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos. Candidatura de Junho de 2013, 10: h

Nome Completo : Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos. Candidatura de Junho de 2013, 10: h Nome Completo : B. I. n.º Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos Candidatura 2013-2014 18 de Junho de 2013, 10:00 12.30 h Respostas às perguntas de escolha múltipla: assinale a resposta certa

Leia mais

ANEXO XIV. A) Alternativas de composição do Ciclo de Born-Haber para o CaF2, e. Proposta 1-A. Proposta 2-A

ANEXO XIV. A) Alternativas de composição do Ciclo de Born-Haber para o CaF2, e. Proposta 1-A. Proposta 2-A ANEXO XIV Departamento Acadêmico, Questão 01: (Valor 0,00 a 2,00 pts) - [Cada um dos itens (A) e (B) vale 1,00 ponto]. A) Alternativas de composição do Ciclo de Born-Haber para o CaF2, e Proposta 1-A Proposta

Leia mais

Dois exercícios desta lista entrarão na primeira prova teórica

Dois exercícios desta lista entrarão na primeira prova teórica Dois exercícios desta lista entrarão na primeira prova teórica 01. Quais são os três estados físicos da matéria? Quais as diferenças entre eles do ponto de vista de movimentação de moléculas e interações

Leia mais

Problemas de Química I

Problemas de Química I Problemas de Química I Reacções redox estados de oxidação e acerto de equações redox em meio ácido ou básico Para mais detalhes sobre o assunto consultar o link e-escola: http://e-escola.ist.utl.pt/ftema.asp?canal=quimica&id=105

Leia mais

Reacções de oxidação-redução em solução aquosa. Livro Química Inorgânica Básica na página da cadeira no Moodle Capítulo 4, p.

Reacções de oxidação-redução em solução aquosa. Livro Química Inorgânica Básica na página da cadeira no Moodle Capítulo 4, p. Reacções de oxidação-redução em solução aquosa Livro Química Inorgânica Básica na página da cadeira no Moodle Capítulo 4, p. 116 até ao final REACÇÕES de OXIDAÇÃO-REDUÇÃO reacções que envolvem troca de

Leia mais

Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Química. Programa do 10º ano e do 11º ano de Química do Ensino Secundário

Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Química. Programa do 10º ano e do 11º ano de Química do Ensino Secundário Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Química Programa da Prova de Acesso de Química (2016): Exemplos de exercícios 1.Indique a afirmação correcta. Programa do 10º ano e do 11º

Leia mais

PROFª. KAÍZA CAVALCANTI

PROFª. KAÍZA CAVALCANTI Processos Químicos Quando ocorre uma alteração qualitativa do sistema, dos tipos de substâncias presentes ou de suas proporções. Processos Físicos Quando ocorre uma alteração qualitativa do sistema, dos

Leia mais

1. Reconhecer o átomo de hidrogénio como o Átomo mais simples.

1. Reconhecer o átomo de hidrogénio como o Átomo mais simples. PROVA DE INGRESSO ANO LECTIVO 2016/2017 QUÍMICA 1. Reconhecer o átomo de hidrogénio como o Átomo mais simples. 2. Conhecer o espectro de emissão de hidrogénio. 3. Compreender como os resultados do estudo

Leia mais

Número de oxidação e balanceamento

Número de oxidação e balanceamento Número de oxidação e balanceamento Conceito de número de oxidação (N OX ) Carga do íon em compostos iônicos e carga do átomo em compostos moleculares Oxidação é a perda de elétrons. Redução é o ganho de

Leia mais

Colégio Estadual Professor Ernesto Faria. Subprojeto Pibid - Química UERJ. Termoquímica

Colégio Estadual Professor Ernesto Faria. Subprojeto Pibid - Química UERJ. Termoquímica Colégio Estadual Professor Ernesto Faria Subprojeto Pibid - Química UERJ Termoquímica REAÇÕES ENDOTÉRMICAS E EXOTÉRMICAS Processo Exotérmico Libera calor para ambiente (vizinhança) Transmite sensação de

Leia mais

Equações-chave FUNDAMENTOS. Seção A. Seção E. Seção F. Seção G. mv 2. E c E P. mgh. Energia total energia cinética energia potencial, ou E E c.

Equações-chave FUNDAMENTOS. Seção A. Seção E. Seção F. Seção G. mv 2. E c E P. mgh. Energia total energia cinética energia potencial, ou E E c. Equações-chave FUNDAMENTOS Seção A 3 A energia cinética de uma partícula de massa m relaciona-se com sua velocidade v, por: E c mv 2 4 Um corpo de massa m que está a uma altura h da Terra tem energia potencial

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTA MARIA MAIOR E QUÍMICA A 10ºANO (2015/2016)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTA MARIA MAIOR E QUÍMICA A 10ºANO (2015/2016) ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTA MARIA MAIOR FÍSICA E QUÍMICA A 10ºANO (2015/2016) Ficha de Trabalho nº 2.1 Domínio 2: Propriedades e Transformações da Matéria Subdomínioo 4: Ligações químicas 1. Na figura está

Leia mais

Aluno(a): nº: Turma: Data: / /2016. Matéria: Química Valor: 15,0

Aluno(a): nº: Turma: Data: / /2016. Matéria: Química Valor: 15,0 Aluno(a): nº: Turma: Nota Ano: 2º Ano EM Data: / /2016 Trabalho Recuperação Professor(a): Willian Novato Matéria: Química Valor: 15,0 PARA TODAS AS QUESTÕES, AS RESPOSTAS DEVERÃO CONSTAR DE RACIOCÍNIO

Leia mais

Questões de Exame Resolvidas. Física e Química A. 11. ano. Química

Questões de Exame Resolvidas. Física e Química A. 11. ano. Química Questões de Exame Resolvidas Física e Química A 11. ano Química Índice Apresentação 3 Questões de Exame e de Testes Intermédios Química 10.º ano Domínio 1 Elementos químicos e sua organização 7 Subdomínio

Leia mais

Entropia, Energia Livre e Equilíbrio Capítulo 17. Copyright The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.

Entropia, Energia Livre e Equilíbrio Capítulo 17. Copyright The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Entropia, Energia Livre e Equilíbrio Capítulo 17 Copyright The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. 1 Processos Físicos e Químicos Espontâneos Uma cascata corre

Leia mais

Termoquímica Pa P rte t 2

Termoquímica Pa P rte t 2 Termoquímica Parte 2 Entalpiasde mudançade de estado físico O calor necessário para mudar o estado físico de uma substância é conhecido como: Entalpia de fusão H fus ; ENDOTÉRMICO Entalpia de vaporização

Leia mais

Para compreender o conceito de reacção de precipitação é necessário considerar as noções básicas de dissolução e de solubilidade de sais em água.

Para compreender o conceito de reacção de precipitação é necessário considerar as noções básicas de dissolução e de solubilidade de sais em água. PRECIPITAÇÃO SELECTIVA INTRODUÇÃO Para compreender o conceito de reacção de precipitação é necessário considerar as noções básicas de dissolução e de solubilidade de sais em água. O fenómeno de dissolução

Leia mais

2ª FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA -MÓDULO Q1

2ª FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA -MÓDULO Q1 2ª FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA -MÓDULO Q1 Disciplina: Física e Química Escola Secundária de Odivelas Turma: 10º CPM e CPSI Data: 2014-11- Professora Teresa Candeias Aluno: nº Avaliação: (,_ val) Questão

Leia mais

Departamento de Química ICEx UFMG Exercícios de Fixação LIGAÇÃO IÔNICA

Departamento de Química ICEx UFMG Exercícios de Fixação LIGAÇÃO IÔNICA Departamento de Química ICEx UFMG Exercícios de Fixação LIGAÇÃO IÔNICA Questão 1 (Haroldo, modificada) Considere o composto hipotético CaF(s). a. Calcule a sua energia de rede. Suponha a estrutura do NaCl

Leia mais

Pergunta I II III IV Total. Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar

Pergunta I II III IV Total. Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar 3 de março 2012 (Semifinal) Pergunta I II III IV Total Classificação Escola:. Nome:. Nome:. Nome:. Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar Dados: Constante de Avogadro: N A = 6,022 x 10 23 mol -1

Leia mais

FUNÇÕES DE ESTADO TERMODINÂMICAS: ENTALPIA E ENERGIA LIVRE Parte 1

FUNÇÕES DE ESTADO TERMODINÂMICAS: ENTALPIA E ENERGIA LIVRE Parte 1 FUNÇÕES DE ESTADO TERMODINÂMICAS: ENTALPIA E ENERGIA LIVRE Parte 1 [texto baseado nas seções 2.5 (a e b) e 2.7 de Physical Chemistry, P. Atkins e J. de Paula, Freeman 2006] Funções de estado termodinâmico

Leia mais

- SOLUÇÃO = SOLUTO + SOLVENTE. COEFICIENTE DE SOLUBILIDADE ( Cs) Grandeza que depende da natureza do soluto e da temperatura.

- SOLUÇÃO = SOLUTO + SOLVENTE. COEFICIENTE DE SOLUBILIDADE ( Cs) Grandeza que depende da natureza do soluto e da temperatura. Soluções - MISTURA HOMOGÊNEA - SOLUÇÃO = SOLUTO + SOLVENTE menor quantidade maior quantidade COEFICIENTE DE SOLUBILIDADE ( Cs) Grandeza que depende da natureza do soluto e da temperatura. Cs = g de soluto

Leia mais

2005 by Pearson Education. Capítulo 05

2005 by Pearson Education. Capítulo 05 QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 5 Termoquímica David P. White A natureza da energia Energia cinética e energia potencial Energia cinética é a energia do movimento: Energia potencial é a energia

Leia mais

Estequiometria. Mestranda: Daniele Potulski Disciplina: Química da madeira I

Estequiometria. Mestranda: Daniele Potulski Disciplina: Química da madeira I Estequiometria Mestranda: Daniele Potulski Disciplina: Química da madeira I Estequiometria Estequiometria é o cálculo da quantidade de reagentes e produtos da reação, baseado nas leis das reações químicas.

Leia mais

FCAV/ UNESP. Assunto: Equilíbrio Químico e Auto-ionização da Água. Docente: Prof a. Dr a. Luciana M. Saran

FCAV/ UNESP. Assunto: Equilíbrio Químico e Auto-ionização da Água. Docente: Prof a. Dr a. Luciana M. Saran FCAV/ UNESP Assunto: Equilíbrio Químico e Auto-ionização da Água Docente: Prof a. Dr a. Luciana M. Saran 1 1. Introdução Existem dois tipos de reações: a) aquelas em que, após determinado tempo, pelo menos

Leia mais

FNC376N: Lista de junho de A energia de dissociação às vezes é expressa em quilocalorias por mol (kcal/mol). No SI se utiliza kj/mol.

FNC376N: Lista de junho de A energia de dissociação às vezes é expressa em quilocalorias por mol (kcal/mol). No SI se utiliza kj/mol. FNC376N: Lista 7 23 de junho de 2004 9-1 Ligação iônica 9-1. A energia de dissociação às vezes é expressa em quilocalorias por mol (kcal/mol). No SI se utiliza kj/mol. a) Determine a relação entre ev/molécula

Leia mais

A Troposfera. A Troposfera é a camada da atmosfera que está em contacto com a superfície terrestre que contém o ar que respiramos.

A Troposfera. A Troposfera é a camada da atmosfera que está em contacto com a superfície terrestre que contém o ar que respiramos. 1 A Troposfera A Troposfera é a camada da atmosfera que está em contacto com a superfície terrestre que contém o ar que respiramos. A atmosfera é constituída, maioritariamente, por moléculas. Espécies

Leia mais

SISTEMAS DE COMPOSIÇÃO VARIÁVEL EQUILÍBRIO QUÍMICO

SISTEMAS DE COMPOSIÇÃO VARIÁVEL EQUILÍBRIO QUÍMICO ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA EEL/USP TERMODINÂMICA QUÍMICA PROF. ANTONIO CARLOS DA SILVA SISTEMAS DE COMPOSIÇÃO VARIÁVEL EQUILÍBRIO QUÍMICO 1. EQUAÇÃO FUNDAMENTAL DA ENERGIA DE GIBBS Para uma substância

Leia mais

LCE0182 Química Analítica Quantitativa. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos

LCE0182 Química Analítica Quantitativa. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos LCE0182 Química Analítica Quantitativa Equilíbrio Químico Wanessa Melchert Mattos Equilíbrio Químico Estalactites: CaCO 3 (s) + CO 2 (aq) + H 2 O (l) Ca 2+ (aq) + 2 HCO 3- (aq) Estalagmites: Ca 2+ (aq)

Leia mais

Questões Objetivas. RESPONDA AS QUESTÕES DE 1 a 30, MARCANDO UMA DAS ALTERNATIVAS DE ACORDO COM O QUE SE PEDE.

Questões Objetivas. RESPONDA AS QUESTÕES DE 1 a 30, MARCANDO UMA DAS ALTERNATIVAS DE ACORDO COM O QUE SE PEDE. 6ª EXAME 2011 Questões Objetivas RESPONDA AS QUESTÕES DE 1 a 30, MARCANDO UMA DAS ALTERNATIVAS DE ACORDO COM O QUE SE PEDE. Questão 01. (Peso 2) A dissolução do cloreto de amônio, NH 4 Cl(s), em água ocorre

Leia mais

MEDIDA DO CALOR DE REAÇÃO

MEDIDA DO CALOR DE REAÇÃO TERMOQUÍMICA A energia liberada nas reações químicas está presente em várias atividades da nossa vida diária. Por exemplo, á o calor liberado na queima do gás butano que cozinha os nossos alimentos, é

Leia mais

Estrutura molecular Ligação química

Estrutura molecular Ligação química Estrutura molecular Ligação química A grande diversidade de materiais que nos rodeia tem origem na variedade de substâncias que os constituem. Esta variedade e diversidade resulta das diferentes combinações

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 6.º teste sumativo de FQA 3.março.15 ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 11.º Ano Turma B Professor: Maria do Anjo Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. VERSÃO 2 Este teste é constituído por 8 páginas

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2017, 2.ª Fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2017, 2.ª Fase, versão 1 Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A, 2.ª Fase, 2017 Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2017, 2.ª Fase, versão 1 Exame Final Nacional do Ensino

Leia mais

Eletrólitos e Não Eletrólitos

Eletrólitos e Não Eletrólitos Introdução Introdução Introdução Eletrólitos e Não Eletrólitos Tipos de Eletrólitos Tipos de Eletrólitos Tipos de Eletrólitos Reações Inorgânicas Reações O QUE É UMA REAÇÃO QUÍMICA? É processo de mudanças

Leia mais

Termodinâmica Química

Termodinâmica Química Termodinâmica Química Prof. Alex Fabiano C. Campos, Dr Naturezas de Energias Energia cinética é a energia do movimento (translacional, vibracional e rotacional). Energia potencial é a energia que um objeto

Leia mais

Termodinâmica A primeira Lei

Termodinâmica A primeira Lei Departamento de Química e Bioquímica Termodinâmica A primeira Lei Cap. 7 Atkins FUNDAMENTOS DE QUÍMICA Termodinâmica Estudo das transformações de energia entre as suas diferentes formas Sistema + Vizinhança

Leia mais

OQ-SP 2012 Exame da Fase Final Nota parcial. Série: 2ª ou 3ª; Ingresso: Redação Fuvest ORRP TVQ; Senha [ ] Parte I Experimentos de combustão da vela

OQ-SP 2012 Exame da Fase Final Nota parcial. Série: 2ª ou 3ª; Ingresso: Redação Fuvest ORRP TVQ; Senha [ ] Parte I Experimentos de combustão da vela 1 Parte I Experimentos de combustão da vela I.1 Seria o consumo de oxigênio o fator determinante da subida do nível da água no Erlenmeyer no experimento I.1, ou há nos experimentos 1 e 2 evidências que

Leia mais

Ligação iônica e suas propriedades

Ligação iônica e suas propriedades Ligação iônica e suas propriedades Química Geral Prof. Edson Nossol Uberlândia, 17/03/2016 Ligação química: é a força atrativa que mantém dois ou mais átomos unidos. c Cl = 3,0 c Br = 2,8 Ligação covalente:

Leia mais

Termodinâmica Química Prova P1, Eng. Materiais, Noturno, 2º Sem/2005 Resolução comentada Prof. Fabrício R. Sensato

Termodinâmica Química Prova P1, Eng. Materiais, Noturno, 2º Sem/2005 Resolução comentada Prof. Fabrício R. Sensato Termodinâmica Química Prova P1, Eng. Materiais, Noturno, 2º Sem/2005 Resolução comentada Prof. Fabrício R. Sensato 1) (1,0 ponto) a) Como é definido o fator de compressibilidade, Z, de um gás? b) Qual

Leia mais

Ligação iônica e suas propriedades

Ligação iônica e suas propriedades Ligação iônica e suas propriedades Química Geral Prof. Edson Nossol Uberlândia, 26/05/2017 Ligação química: é a força atrativa que mantém dois ou mais átomos unidos. c Cl = 3,0 c Br = 2,8 Ligação covalente:

Leia mais

EXAME DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (PPGQ-UFC)/ MESTRADO

EXAME DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (PPGQ-UFC)/ MESTRADO Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Programa de Pós-Graduação em Química Caixa Postal 12.200 Tel. 85 3366 9981 CEP: 60.450-970 Fortaleza - Ceará - Brasil EXAME DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE

Leia mais

DURAÇÃO DA PROVA Manual da disciplina, livros de Química, computador, Trabalho Escrito. Conteúdos Objetivos e/ou Competências Estrutura Cotações

DURAÇÃO DA PROVA Manual da disciplina, livros de Química, computador, Trabalho Escrito. Conteúdos Objetivos e/ou Competências Estrutura Cotações ÉPOCA ESPECIAL DE EXAMES ANO LETIVO 2011/2012 MATRIZ DO EXAME DO MÓDULO QM6 Estado Físico das Substâncias e Interações Moleculares. Estado Gasoso. Química MATERIAL A UTILIZAR TIPO DE PROVA DURAÇÃO DA PROVA

Leia mais

MOLÉCULAS NA TROPOSFERA. Espécies Maioritárias e Espécies Vestigiais

MOLÉCULAS NA TROPOSFERA. Espécies Maioritárias e Espécies Vestigiais MOLÉCULAS NA TROPOSFERA Espécies Maioritárias e Espécies Vestigiais 08-02-2011 Dulce Campos 2 A atmosfera é constituída maioritariamente por moléculas. Os átomos ligam-se, formando as moléculas, porque

Leia mais

17/3/2014. Carga nuclear efetiva. Z eff = Z - S

17/3/2014. Carga nuclear efetiva. Z eff = Z - S O desenvolvimento da tabela periódica Em 2002, haviam 115 elementos conhecidos. A maior parte dos elementos foi descoberta entre 1735 e 1843. Como organizar 115 elementos diferentes de forma que possamos

Leia mais

NOÇÕES GERAIS de EQUILÍBRIO em REACÇÕES QUÍMICAS

NOÇÕES GERAIS de EQUILÍBRIO em REACÇÕES QUÍMICAS 1 Valentim M B Nunes, Instituto Politécnico de Tomar, 007 NOÇÕES GERAIS de EQUILÍBRIO em REACÇÕES QUÍMICAS 1. GENERALIDADES SOBRE CINÉTICA QUÍMICA A partir da nossa experiência quotidiana, verificamos

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Informação Prova da Disciplina de Física e Química - Módulo: 1 Estrutura Atómica. Tabela Periódica.

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05.

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes e Fatores de Conversão R = 8,314

Leia mais

INTERAÇÕES INTERMOLECULARES

INTERAÇÕES INTERMOLECULARES INTERAÇÕES INTERMOLECULARES Serão abordados: as forças íon-dipolo, dipolo-dipolo, dispersão de London e ligação de hidrogênio e a relação entre propriedade física e interação intermolecular. As partículas

Leia mais

Cursos Profissionais-Física e Química 10º ano

Cursos Profissionais-Física e Química 10º ano 3.1.4. Parâmetros da ligação covalente A. O comprimento da ligação nas moléculas diatómicas Como já se referiu, quando os átomos se aproximam formando ligações dão origem a uma nova unidade estrutural-

Leia mais

Forças intermoleculares

Forças intermoleculares Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio As ligações de hidrogênio são responsáveis pela: Flutuação do gelo

Leia mais

Reacções de Oxidação-Redução

Reacções de Oxidação-Redução Reacções de Oxidação-Redução Há transferência de electrões entre espécies reagentes, com variação do número de oxidação de elementos dessas espécies. Regras simples para determinar o número de oxidação

Leia mais

ATENÇÃO: assinale ou apresente cuidadosamente as respostas e apresente TODOS os cálculos efectuados.

ATENÇÃO: assinale ou apresente cuidadosamente as respostas e apresente TODOS os cálculos efectuados. Prova de Acesso de Química Maiores de 23 Anos Candidatura 2015-2016 / Candidatos oriundos de outros sistemas de ensino 2015/2016 15 de Junho de 2016 10h00 12h30 ATENÇÃO: assinale ou apresente cuidadosamente

Leia mais

Termoquímica. Mestranda: Daniele Potulski Disciplina: Química da Madeira I

Termoquímica. Mestranda: Daniele Potulski Disciplina: Química da Madeira I Termoquímica Mestranda: Daniele Potulski Disciplina: Química da Madeira I Termoquímica É a parte da química que estuda as trocas de energia em uma reação química. ENERGIA INTERNA Reação que ocorre com

Leia mais

Ligação iônica Ligação covalente Ligação metálica

Ligação iônica Ligação covalente Ligação metálica Principais Tipos de Ligações Químicas Ligação iônica Ligação covalente Ligação metálica Iônicas Covalentes Metálicas Ligações químicas A maioria dos compostos situa-se dentro do triângulo Representações

Leia mais

XII Olimpíada Baiana de Química Exame 2017

XII Olimpíada Baiana de Química Exame 2017 GABARITO Questões discursivas DATA DA PROVA: 05/08/2017 DATA DA PUBLICAÇÃO DO GABARITO: 27/09/2017 Questão 01 (Peso 2) O que você entende por energia de ionização? Use seu entendimento para explicar o

Leia mais

Aumento do número de níveis eletrónicos, n, nas orbitais de valência

Aumento do número de níveis eletrónicos, n, nas orbitais de valência Causas da variação das propriedades periódicas dos elementos Aumento do número de níveis eletrónicos, n, nas orbitais de valência Eletrões de valência menos energéticos mais próximos do núcleo n aumenta

Leia mais

Tabela Periódica dos Elementos:

Tabela Periódica dos Elementos: Tabela Periódica dos Elementos: - Na tabela periódica os elementos estão dispostos por ordem crescente de número atómico. - O Hidrogénio é o primeiro elemento da tabela periódica. *Cada linha da tabela

Leia mais

2005 by Pearson Education. Capítulo 03

2005 by Pearson Education. Capítulo 03 QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas David P. White Equações químicas Lavoisier: a massa é conservada em uma reação química. Equações

Leia mais

TEORIA DAS ORBITAIS MOLECULARES

TEORIA DAS ORBITAIS MOLECULARES TORIA DAS ORBITAIS MOLCULARS Na teoria das orbitais moleculares (TOM), os eletrões ocupam precisamente orbitais definidas, chamadas orbitais moleculares (OM), que se estendem por toda a molécula. Na TOM,

Leia mais

Diagramas de Energia

Diagramas de Energia Diagramas de Energia 1.1- Análise Gráfica Reação exotérmica Reação endotérmica (a) Energia de ativação (Ea) para a reação inversa (b) Energia de ativação (Ea) para a reação direta (c) ΔH 1.2- Entropia

Leia mais