Mínimos de Acesso a Provas Internacionais Triatlo (YB) / Tetratlo (YA) / Pentatlo (Jun-Sen)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mínimos de Acesso a Provas Internacionais Triatlo (YB) / Tetratlo (YA) / Pentatlo (Jun-Sen)"

Transcrição

1 Mínimos de Acesso a Provas Internacionais Triatlo (YB) / Tetratlo (YA) / Pentatlo (Jun-Sen) 2016 NOTA INTRODUTÓRIA Na entrada para a recta final do ciclo olímpico a formula votos de continuidade da expressão qualitativa que os resultados desportivos das nossas selecções nacionais estão a evidenciar. Em 2015 atingiu-se um inédito pecúlio histórico de medalhas em competições internacionais associado a performances que confirmam o potencial de atletas que estão a consolidar o seu regime de preparação duma forma mais metódica e organizada, em especial os escalões mais jovens a provarem que existe futuro de qualidade na modalidade e a demonstrarem o talento sobre o qual justificam ser implementados programas de treino equilibrados e consistentes. Este é o caminho que a insiste em continuar a trilhar reforçando uma estratégia em articulação com clubes e técnicos de maneira a que objectivos mais ambiciosos voltem a estar na rota de todos quantos se dedicam à vertente competitiva de alto nível. O desporto de rendimento, indiscutivelmente, exige hoje cada vez mais, uma estrutura de suporte sistematizada e operacionalizada por uma vasta gama de recursos, e o pentatlo moderno pelas suas características não foge à regra, senão mesmo acentua esses requisitos. Em ano de Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro a não deixara de disputar algumas provas que contabilizam para o ranking de apuramento mas também é certo que a realidade da nossa elite torna mais sensata a necessidade de aproveitar já o processo como rampa de lançamento para o ciclo olímpico subsequente. Como habitual as principais competições europeias e mundiais estarão na mira do planeamento, com todas as categorias mobilizadas para uma valorização generalizada das nossas selecções nacionais. A definição dos Mínimos de Acesso a Provas Internacionais para 2016 dá continuidade a uma linha de actuação que já vem sendo seguida pela direcção da, realista e sustentada,

2 reiterando pressupostos de exigência, por um lado, de participações internacionais condignas e meritórias de rendimento desportivo que correspondam aos objectivos a que nos propomos, e por outro, na salvaguarda e respeito pela função social da representação nacional, seus princípios e valores. A filosofia de participação das nossas selecções nacionais no circuito internacional aponta para classificações que genericamente possam potencialmente situar-se entre a primeira metade e os primeiros dois terços das tabelas. É habitual para a construção dos quadros de pontuações dar especial e cuidada atenção à evolução estatística das performances que se vão registando nos planos europeu e mundial e também se respeitou esta regra nos critérios estabelecidos que definem e seguem ainda um grau de dificuldade progressivo de acesso às provas internacionais correspondente ao seu coeficiente de importância e prestígio no circuito UIPM, até porque os investimentos em deslocação e estadia normalmente se exponenciam. Para cada categoria estabelecem-se as condições de acesso às respectivas provas internacionais e financiamento associado. NOTAS COMPLEMENTARES: 1- O período de apuramento inicia-se a 1 de Outubro/2015; 2- Consideram-se provas B segundo regulamento UIPM, competições com um número mínimo de 24 atletas em representação de 6 países; 3- Atletas com são convocados atendendo ao ranking de pontuação estabelecido a partir de 1 de Outubro/2015. O limite de representantes de Portugal é considerado pelo definido nos regulamentos de cada prova (Convite), e atenderá ainda ao orçamento disponível; 4- Apenas 1 atleta com Mínimo B, o melhor ranking, é convocado, sempre que não existirem e sob pretexto do interesse nacional; 5- As pontuações requeridas para participação na T. Mundo e/ou C. Mundo (C. Europa no caso dos Juvenis e Juniores A) devem ser obtidas em Provas B ou superiores; 6- Os tempos de Natação devem ser obtidos em piscina de indiferentes dimensões; 7- O varia entre 20% e 100% conforme quadro; 8- Provas do Circuito Espanhol e/ou Catalão regem-se pelo disposto em Provas B; 9- A reserva sempre o direito de avaliar a condição física, técnica e psicológica do atleta qualificado e o direito de decidir a sua capacidade e aptidão para um bom desempenho na(s) prova(s) em questão;

3 10- A participação no calendário internacional da UIPM também é possível quando não suportada financeiramente pela. Neste sentido os clubes devem obrigatoriamente solicitar a inscrição de atletas seus em competições internacionais com a antecedência mínima de 30 dias; 11- Situações omissas serão objecto de análise e decisão pela Direcção da. ESCALAO SENIOR Planeamento FEVEREIRO 6 OPEN INTERNACIONAL SEN BARCELONA (ESP) MARÇO 31 TAÇA MUNDO III SEN ROMA (ITA) 14 TAÇA MUNDO IV SEN BUDAPESTE (HUN) 30 LUSITANIA TROPHY SEN MAFRA (POR) MAIO 22 CAMPEONATO DO MUNDO SEN MOSCOVO (RUS) PROVAS B 1060 (M) 900 (F) T. MUNDO 1440 (M) 1200 (F) C. MUNDO 1444 (M) 1222 (F) Final 36 TM 1025 (M) 865 (F) 1424 (M) 1186 (F) 8º Prova B 1434 (M) 1199 (F) 2º terço (M) (F) (M) (F) 50% Mín. B

4 ESCALAO JUNIOR Planeamento FEVEREIRO 6 OPEN INTERNACIONAL JUN BARCELONA (ESP) 30 LUSITANIA TROPHY JUN MAFRA (POR) SETEMBRO 12 CAMPEONATO DO MUNDO JUN CAIRO (EGY) PROVAS B 1050 (M) 890 (F) C. MUNDO 1366 (M) 1182 (F) 1015 (M) 855 (F) 1355 (M) 1172 (F) 8º Prova B (M) (F)

5 ESCALAO JUNIOR A Planeamento MARÇO??? CIRCUITO CATALANA YA TBC 5 MEETING INTERNACIONAL YA SOLIHULL (GBR) 23 TROBADA INTERNACIONAL YA ST. BOI (ESP) MAIO??? CIRCUITO CATALANA YA TBC JUNHO??? ULISSES TROPHY YA TBC JULHO 14 CAMPEONATO DO MUNDO YA LIMERICK (IRE) AGOSTO 10 CAMPEONATO DA EUROPA YA BARCELONA (ESP) c/ ESTAGIO OUTUBRO??? OLYMPIC HOPES YA TBC PROVAS B (M) 800 (F) C. EUROPA 1076 (M) 895 (F) C. MUNDO 1081 (M) 920 (F) 980 (M) 780 (F) (M) 875 (F) 1061 (M) 895 (F) (M) (F) (M) (F)

6 ESCALAO JUVENIL Planeamento MARÇO??? CIRCUITO CATALANA YOUTH TBC 5 MEETING INTERNACIONAL YB SOLIHULL (GBR) 23 TROBADA INTERNACIONAL YOUTH ST. BOI (ESP) MAIO??? CIRCUITO CATALANA YOUTH TBC JUNHO??? ULISSES TROPHY YB TBC AGOSTO 21 CAMPEONATO DA EUROPA YB BIRMINGHAM (GBR) c/ ESTAGIO OUTUBRO??? OLYMPIC HOPES YB TBC PROVAS B 805 (M) 710 (F) C. EUROPA 880 (M) 785 (F) Pódio Prova B 785 (M) 700 (F) 860 (M) 765 (F) (M) (F) Rua 15 de Agosto nº8 B, Caldas da Rainha - Tel: (351) Site Oficial: Cont. nº

Mínimos de Acesso a Provas Internacionais ANO DE 2013

Mínimos de Acesso a Provas Internacionais ANO DE 2013 Mínimos de Acesso a Provas Internacionais ANO DE 2013 NOTA INTRODUTÓRIA O novo ciclo olímpico 2013-2016 arranca sob a égide duma conjuntura económica e financeira extremamente adversa não obstante os votos

Leia mais

Orçamento Anual FPPM 2012 (PROVISÓRIO) ANTERIOR À DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IDP

Orçamento Anual FPPM 2012 (PROVISÓRIO) ANTERIOR À DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IDP Orçamento Anual FPPM 2012 (PROVISÓRIO) ANTERIOR À DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IDP DESCRIÇÃO 2012 Valor Euros 0 RECEITAS 230.469 1.1 Próprias 1.1.1 Quotizações Anuais 1.2 Entidades Oficiais 227.469

Leia mais

Orçamento Anual FPPM 2017

Orçamento Anual FPPM 2017 ANEXO AO PLANO DE ACTIVIDADES 2017 (ANTERIOR À DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IPDJ) DESCRIÇÃO Quantias em euros (A) RENDIMENTOS 501.470,00 1. Próprios 129.800,00 1.1. Quotizações Anuais 2.500,00 1.2.

Leia mais

Orçamento Anual FPPM 2013 ANEXO AO PLANO DE ACTIVIDADES 2013 ANTERIOR Á DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IPDJ

Orçamento Anual FPPM 2013 ANEXO AO PLANO DE ACTIVIDADES 2013 ANTERIOR Á DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IPDJ Orçamento Anual FPPM 2013 ANEXO AO PLANO DE ACTIVIDADES 2013 ANTERIOR Á DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IPDJ DESCRIÇÃO 2013 Valor Euros 0 RECEITAS 373.620 1.1 Próprias 1.1.1 Quotizações Anuais 1.2 Entidades

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO Programa Euro-Sénior

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO Programa Euro-Sénior Depois da Final da Taça do Mundo em 2008 a FPPM volta a receber a elite mundial da modalidade com a organização do Campeonato da Europa de Seniores 2016, o maior evento internacional jamais realizado em

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO 2 ÍNDICE Preâmbulo Capítulo I Regime de alta-competição Artigo 1.º - Praticantes com estatuto de alta competição Artigo 2.º - Praticantes no

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2016 às Federações filiadas à CBPM.

ORIENTAÇÃO TÉCNICA FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2016 às Federações filiadas à CBPM. 1 ORIENTAÇÃO TÉCNICA 2016 1. FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2016 às Federações filiadas à CBPM. 2. REFERÊNCIAS - Estatuto da CBPM; - Regulamento Técnico da CBPM; - Calendário Desportivo da

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA PLANO DE ACTIVIDADES 2011 1.- DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA DESPORTIVA Aumentar o número de praticantes e de Clubes filiados, assim como de praticantes informais da modalidade Realização de acções de divulgação

Leia mais

GINÁSTICA ARTÍSTICA MASCULINA

GINÁSTICA ARTÍSTICA MASCULINA GINÁSTICA ARTÍSTICA MASCULINA SELEÇÕES NACIONAIS E ALTO RENDIMENTO CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E PARTICIPAÇÃO 2015: SENIORES TAÇAS DO MUNDO 2015 CAMPEONATO DA EUROPA MONTPELLIER JOGOS EUROPEUS BAKU UNIVERSÍADAS

Leia mais

Federação Portuguesa de Orientação-FPO

Federação Portuguesa de Orientação-FPO Federação Portuguesa de Orientação-FPO Projeto de Seleções Nacionais de Orientação em BTT 2016 Índice 1 - Considerações Gerais... 3 2 - Regulamento de Alto Rendimento... 4 3 - Estágios de Seleção... 5

Leia mais

Orçamento Anual FPPM 2016 ANEXO AO PLANO DE ACTIVIDADES 2016 (ANTERIOR À DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IPDJ) 1. RENDIMENTOS 296 870

Orçamento Anual FPPM 2016 ANEXO AO PLANO DE ACTIVIDADES 2016 (ANTERIOR À DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IPDJ) 1. RENDIMENTOS 296 870 ANEXO AO PLANO DE ACTIVIDADES 2016 (ANTERIOR À DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IPDJ) DESCRIÇÃO 1. RENDIMENTOS 296 870 1.1 Próprios 66 900 1.1.1. Quotizações Anuais 2 500 1.1.2. Taxas de Inscrição (Quadros

Leia mais

OvarSincro - Clube de Natação /

OvarSincro - Clube de Natação / OvarSincro - Clube de Natação / 2011-2012 www.ovarsincro.pt http://facebook.com/ovarsincro.clubedenatacao Acerca da Natação Sincronizada... A natação sincronizada é um desporto multidisciplinar que abrange

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2013 às Federações filiadas à CBPM.

ORIENTAÇÃO TÉCNICA FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2013 às Federações filiadas à CBPM. 1 ORIENTAÇÃO TÉCNICA 2013 1. FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2013 às Federações filiadas à CBPM. 2. REFERÊNCIAS - Estatuto da CBPM; - Regulamento Técnico da CBPM; - Calendário Desportivo da

Leia mais

CALENDÁRIO E REGULAMENTO REGIONAL NATAÇÃO PURA

CALENDÁRIO E REGULAMENTO REGIONAL NATAÇÃO PURA CALENDÁRIO E REGULAMENTO REGIONAL NATAÇÃO PURA 2013/2014 Calendário 2013/2014 OUTUBRO Fim de Semana Dias Descrição da Prova Local 1 2 3 4 5 6 12 13 19 20 26 27 Torneio Regional de Abertura - INF Torneio

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO DE COMPETIÇÃO XIRA2015

REGULAMENTO ESPECIFICO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO DE COMPETIÇÃO XIRA2015 REGULAMENTO ESPECIFICO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO DE COMPETIÇÃO XIRA2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CATEGORIAS DE ATLETAS... 4 CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO... 4 INSCRIÇÕES... 5 TRANSFERÊNCIA DE

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA PLANO DE ATIVIDADES 2012 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA DESPORTIVA ALTO RENDIMENTO E SELEÇÕES NACIONAIS FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS MARKETING, COMUNICAÇÃO & IMAGEM 1.-

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO DE COMPETIÇÃO XIRA2017

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO DE COMPETIÇÃO XIRA2017 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO DE COMPETIÇÃO XIRA2017 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CATEGORIAS DE ATLETAS... 4 CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO... 4 INSCRIÇÕES... 5 TRANSFERÊNCIA DE ATLETAS...

Leia mais

REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA

REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA Art.º 1 Objeto 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

FUTEBOL DE PRAIA 2015

FUTEBOL DE PRAIA 2015 FUTEBOL DE PRAIA 2015 I - Campeonato Nacional de Futebol de Praia 2015 1. O Campeonato Nacional de futebol de praia é composto por duas divisões: Elite e Nacional. 2. Participam na divisão de elite os

Leia mais

CLUBE ATLETISMO DE MARINHA GRANDE

CLUBE ATLETISMO DE MARINHA GRANDE CLUBE ATLETISMO DE MARINHA GRANDE Índice 1. Introdução... 2 2. Rendimento desportivo... 2 3. Quadro técnico... 4 4. Atletas... 4 5. Organização de eventos... 4 1 1. Introdução Com a construção da pista

Leia mais

CAMPEONATO NACIONAL DE CLUBES (Fase de Apuramento)

CAMPEONATO NACIONAL DE CLUBES (Fase de Apuramento) CAMPEONATO NACIONAL DE CLUBES (Fase de Apuramento) 1. NORMAS REGULAMENTARES 1.1- Normas Gerais 1.1.1 A participação nas provas coletivas organizadas pela FPA é reservada aos clubes portugueses que tenham

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DO ALENTEJO REGULAMENTO REGIONAL DE COMPETIÇÕES NATAÇÃO PURA

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DO ALENTEJO REGULAMENTO REGIONAL DE COMPETIÇÕES NATAÇÃO PURA ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DO ALENTEJO REGULAMENTO REGIONAL DE COMPETIÇÕES NATAÇÃO PURA ÉPOCA 2015/2016 DISPOSIÇÕES GERAIS 1 Introdução: O documento que se apresenta regulamentará todas as provas de Atletas

Leia mais

plano de actividades e orçamento

plano de actividades e orçamento Instituição de Utilidade Publica Medalha de Bons Serviços Desportivos 1984 2010 plano de actividades e orçamento PLANO DE ACTIVIDADES - 2010 INTRODUÇÃO O Presidente e a Direcção da Associação de Natação

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE PISTA

ESCOLA NACIONAL DE PISTA CONGRESSO INTERNACIONAL DE CICLISMO ESCOLA NACIONAL DE PISTA ANADIA, JULHO 2012 GABRIEL MENDES UVP-FPC RESUMO ESCOLA DE CICLISMO DE PISTA O CONTEXTO OS OBJECTIVOS MODELO DE DESENVOLVIMENTO BASE DO SUCESSO

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL Avª de França, PORTO Tel: Fax:

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL Avª de França, PORTO Tel: Fax: FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL Avª de França, 549 4050-279 PORTO Tel: 22 834 95 70 Fax: 22 832 54 94 CIRCULAR Nº 21 2010/2011 Para conhecimento das Associações, Clubes seus filiados, Rádio, Televisão,

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA 2015

ORIENTAÇÃO TÉCNICA 2015 1 ORIENTAÇÃO TÉCNICA 2015 1. FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2015 às Federações filiadas à CBPM. 2. REFERÊNCIAS - Estatuto da CBPM; - Regulamento Técnico da CBPM; - Calendário Desportivo da

Leia mais

CURRÍCULO DO ATLETA DADOS PESSOAIS: Nome: Felipe Borges da Silva. Nome Esportivo: Felipe. Nasc.: 16/11/1994. Embarcação: Canoa Masculino C-1 - C-2

CURRÍCULO DO ATLETA DADOS PESSOAIS: Nome: Felipe Borges da Silva. Nome Esportivo: Felipe. Nasc.: 16/11/1994. Embarcação: Canoa Masculino C-1 - C-2 CURRÍCULO DO ATLETA DADOS PESSOAIS: Nome: Felipe Borges da Silva Nome Esportivo: Felipe Nasc.: 16/11/1994 Embarcação: Canoa Masculino C-1 - C-2 Naturalidade: Foz do Iguaçu-PR Estado Civil: Solteiro E-mail/msn:

Leia mais

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL REGULAMENTO DESPORTIVO CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA 2012 Art.º 1 OBJETO 1. O presente regulamento estabelece as regras e normas aplicáveis ao Andebol de Praia

Leia mais

Grau I. Perfil Profissional. Grau I

Grau I. Perfil Profissional. Grau I Perfil Profissional O corresponde à base hierárquica de qualificação profissional do treinador de desporto. No âmbito das suas atribuições profissionais, compete ao Treinador de a orientação, sob supervisão,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA Fundada em 30-03-1925 www.afbeja.com FUTEBOL ENCONTRO DE ESCOLAS DE FORMAÇÃO 1. OBJETIVOS GERAIS 1.01. Possibilitar a todas as crianças da nossa Associação praticar futebol

Leia mais

PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO DO REMO JOVEM

PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO DO REMO JOVEM PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO DO REMO JOVEM Reduzido número de atletas nas camadas jovens, quando comparado com os escalões de veteranos (melhorou em 2015) Poucas novas inscrições na FPR nas camadas jovens

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES ORÇAMENTO EXERCÍCIO DE 2017 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE

PLANO DE ACTIVIDADES ORÇAMENTO EXERCÍCIO DE 2017 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO DO EXERCÍCIO DE 2017 DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE 1. INTRODUÇÃO No âmbito das suas competências estatutárias, a Direcção da Federação Portuguesa de Bridge (FPB) elaborou

Leia mais

Associação de Natação do Norte de Portugal Instituição de Utilidade Publica Medalha de Bons Serviços Desportivos 1984

Associação de Natação do Norte de Portugal Instituição de Utilidade Publica Medalha de Bons Serviços Desportivos 1984 1 A Gala de Natação é um evento organizado pela Associação de Natação do Norte de Portugal, na qual se homenageiam atletas, treinadores, dirigentes, árbitros, entidades ou outros agentes desportivos das

Leia mais

Regulamento do 29.º Troféu de Atletismo do Seixal 2016

Regulamento do 29.º Troféu de Atletismo do Seixal 2016 Regulamento do 29.º Troféu de Atletismo do Seixal 2016 1. Definição O Troféu de Atletismo do Seixal (também designado por T.A.S. ), compreende um conjunto de provas organizadas, no ano 2016, pelas Coletividades

Leia mais

Calendário Integrado de Actividades 2013/2014

Calendário Integrado de Actividades 2013/2014 Calendário Integrado de Actividades 2013/2014 Clube de Artes Marciais de Albufeira Setembro: Primeira semana reunião de inicio de época com a direcção, técnicos, pais e sócios do Clube, no local de treino

Leia mais

MARCAS DE QUALIFICAÇÃO NAS COMPETIÇÕES NACIONAIS ÉPOCA 2016/2017

MARCAS DE QUALIFICAÇÃO NAS COMPETIÇÕES NACIONAIS ÉPOCA 2016/2017 NAS COMPETIÇÕES NACIONAIS ÉPOCA 2016/2017 Condições de aceitação de marcas de qualificação: A. O prazo de obtenção de marcas de qualificação nas competições que o exijam é compreendido entre o dia 16 de

Leia mais

COMUNICADO OFICIAL Nº

COMUNICADO OFICIAL Nº COMUNICADO OFICIAL Nº 1 2015-2016 1. ABERTURA DE ÉPOCA 2015-2016 - TÍTULO 8 - ARTº 2º Para efeitos regulamentares considera-se "ÉPOCA DESPORTIVA OFICIAL" o período compreendido entre a data do 1º Jogo

Leia mais

Comunicado Oficial n.º 1 Época: 2011/2012

Comunicado Oficial n.º 1 Época: 2011/2012 Comunicado Oficial n.º 1 Época: 2011/2012 1. ABERTURA DE ÉPOCA 2011/2012 - TÍTULO 11 - ARTº 2º Para efeitos regulamentares considera-se "ÉPOCA DESPORTIVA OFICIAL" o período compreendido entre a data do

Leia mais

REGULAMENTO DAS SELECÇÕES NACIONAIS & ALTO RENDIMENTO de Ginástica Aeróbica

REGULAMENTO DAS SELECÇÕES NACIONAIS & ALTO RENDIMENTO de Ginástica Aeróbica REGULAMENTO DAS SELECÇÕES NACIONAIS & ALTO RENDIMENTO de Ginástica Aeróbica (Aprovado em reunião de Direcção de 02 de Junho de 2011) ÍNDICE Introdução Capitulo 1 Regulamento das selecções nacionais 1.1.

Leia mais

COMPETIÇÕES DO CALENDÁRIO NACIONAL

COMPETIÇÕES DO CALENDÁRIO NACIONAL 1 2 ÍNDICE Disposições Gerais 1. Introdução 2. Quadro competitivo 3. Participação 4. Inscrições 5. Listas participantes 6. Categorias 7. Programas e resultados 8. Subsídios 9. Horários 10. Arbitragem 11.

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO KARATÉ. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO KARATÉ. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO KARATÉ Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Participação 5 Artigo 2.º Provas Previstas 5 Artigo 3.º Escalões Etários

Leia mais

25ª COMPETIÇÃO MUNDIAL POR GRUPOS DE IDADES 15 A 19 DE NOVEMBRO DE 2017 SOFIA (BUL) (TRI / TRS / DMT / TU) REGULAMENTAÇÃO DA PARTICIPAÇÃO PORTUGUESA

25ª COMPETIÇÃO MUNDIAL POR GRUPOS DE IDADES 15 A 19 DE NOVEMBRO DE 2017 SOFIA (BUL) (TRI / TRS / DMT / TU) REGULAMENTAÇÃO DA PARTICIPAÇÃO PORTUGUESA 25ª COMPETIÇÃO MUNDIAL POR GRUPOS DE IDADES 15 A 19 DE NOVEMBRO DE 2017 SOFIA (BUL) (TRI / TRS / DMT / TU) REGULAMENTAÇÃO DA PARTICIPAÇÃO PORTUGUESA INDICE Página 1. Notas Introdutórias 3 2. Objetivos

Leia mais

A minha Filosofia de Treino em Atletismo

A minha Filosofia de Treino em Atletismo A minha Filosofia de Treino em Atletismo Por Jorge Miguel Treinador de Atletas Olimpicos Como treinador de Atletismo há mais de trinta anos,a minha experiência nesta modalidade leva-me a afirmar que no

Leia mais

2 os Jogos Desportivos Populares de Macau. Regulamento

2 os Jogos Desportivos Populares de Macau. Regulamento 2 os Jogos Desportivos Populares de Macau Regulamento Organização: Instituto do Desporto do Governo da RAEM Co-organização: Associação Geral de Atletismo de Macau, Associação Geral de Natação de Macau,

Leia mais

PAR 2014 NOTA PRÉVIA DO PRESIDENTE DA FPN INTRODUÇÃO REGIME DE ALTO RENDIMENTO CRITÉRIOS DE ACESSO... 8

PAR 2014 NOTA PRÉVIA DO PRESIDENTE DA FPN INTRODUÇÃO REGIME DE ALTO RENDIMENTO CRITÉRIOS DE ACESSO... 8 ÍNDICE NOTA PRÉVIA DO PRESIDENTE DA FPN... 3 1. INTRODUÇÃO... 6 2. REGIME DE ALTO RENDIMENTO... 8 2.1. CRITÉRIOS DE ACESSO... 8 2.2. REGISTO DOS PRATICANTES... 8 2.3. INSCRIÇÃO DOS PRATICANTES... 8 2.4.

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO PLANO DE ALTO RENDIMENTO E SELECÇÕES NACIONAIS. PLANO DE ALTO RENDIMENTO - NATAÇÃO PURA Página 1

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO PLANO DE ALTO RENDIMENTO E SELECÇÕES NACIONAIS. PLANO DE ALTO RENDIMENTO - NATAÇÃO PURA Página 1 PLANO DE ALTO RENDIMENTO E SELECÇÕES NACIONAIS 2013 PLANO DE ALTO RENDIMENTO - NATAÇÃO PURA Página 1 ÍNDICE CONSIDERAÇÕES GERAIS. 04 REGIME DE ALTO RENDIMENTO. 05 1. Critérios de Acesso ao Regime de Alto

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2 / 11

PLANO DE ACTIVIDADES 2 / 11 Plano de Actividades 2012 e Orçamento 2012 PLANO DE ACTIVIDADES 2012 2 / 11 INTRODUÇÃO A Federação Portuguesa de Xadrez, representada pela sigla de FPX, foi fundada em Lisboa a 22 de Janeiro de 1927 e

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2012

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2012 R E L A T Ó R I OD EA C T I V I D A D E S2 0 1 2 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2012 1. Escolas e Equipas de Competição Durante o ano de 2012 o Centro de Vela manteve em pleno funcionamento as equipas de competição

Leia mais

MARCAS DE QUALIFICAÇÃO NAS COMPETIÇÕES NACIONAIS ÉPOCA 2015/2016

MARCAS DE QUALIFICAÇÃO NAS COMPETIÇÕES NACIONAIS ÉPOCA 2015/2016 NAS COMPETIÇÕES NACIONAIS ÉPOCA 2015/2016 Condições de aceitação de marcas de qualificação: A. O prazo de obtenção de marcas de qualificação nas competições que o exijam é compreendido entre o dia 16 de

Leia mais

GesLoures, E.M. Quadro Normativo (Anexo IV) Área Desportiva Época 2015/2016

GesLoures, E.M. Quadro Normativo (Anexo IV) Área Desportiva Época 2015/2016 GesLoures, E.M. Artigo 1º Regime Especial de Frequência 1. O acesso às classes de pré-treino e treino constitui um benefício acrescido proporcionado aos alunos das aulas de natação, que se traduz no aumento

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DAS DISTINÇÕES HONORÍFICAS

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DAS DISTINÇÕES HONORÍFICAS REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DAS DISTINÇÕES HONORÍFICAS Artigo 1º OBJECTO 1 O presente regulamento estabelece o regime de atribuição das distinções honoríficas da Federação Portuguesa de Atletismo (adiante

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ESGRIMA REGULAMENTO DE PROVAS

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ESGRIMA REGULAMENTO DE PROVAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ESGRIMA REGULAMENTO DE PROVAS 1. RESPONSABILIDADE Os atiradores armam-se, equipam-se, vestem-se e combatem sob a sua própria responsabilidade e por sua conta e risco, Ver Art.º

Leia mais

Relatório de actividades e Contas

Relatório de actividades e Contas Relatório de actividades e Contas Época 2012 / 2013 1 - Introdução A Direcção do CONDEIXA AC Condeixa Aqua Clube, no cumprimento ao estatutariamente regulamentado, apresenta para apreciação, discussão

Leia mais

FEP Guião de Programa para CDR- Campeonato Regional 2017

FEP Guião de Programa para CDR- Campeonato Regional 2017 Categoria da Competição / Evento: 1ª Jornada do Campeonato Regional de Dressage do Algarve Data: 26 de Março de 2017 Local: Olhão- Casal São José Condições Gerais Este evento é organizado de acordo com:

Leia mais

Centro de Atletismo de Arcos de Valdevez RESUMO DA ÉPOCA 2015/2016

Centro de Atletismo de Arcos de Valdevez RESUMO DA ÉPOCA 2015/2016 Centro de Atletismo de Arcos de Valdevez RESUMO DA ÉPOCA 2015/2016 Concluída mais uma brilhante temporada, o Centro de Atletismo de Arcos de Valdevez, prestes a alcançar o seu 20º aniversário, vem desta

Leia mais

REGULAMENTO SELEÇÕES NACIONAIS

REGULAMENTO SELEÇÕES NACIONAIS REGULAMENTO SELEÇÕES NACIONAIS Federação Portuguesa de Judo Dezembro 2015 Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º - Âmbito de aplicação Artigo 2.º - Seleção Nacional Artigo 3.º - Nacionalidade

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO ESGRIMA

REGULAMENTO ESPECÍFICO ESGRIMA REGULAMENTO ESPECÍFICO ESGRIMA Índice Introdução 3 Capítulo I Regulamentação Geral 4 1. Condições Gerais de Participação 4 2. Escalões Etários 4 Capítulo II Participação / Organização 4 3. Formas de Competição

Leia mais

III Gala do Desporto do IPLeiria

III Gala do Desporto do IPLeiria III Gala do Desporto do IPLeiria - 2006 O Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria) realizou, no dia 7 de Junho, a 3.ª edição da Gala do Desporto que teve como objetivo distinguir os alunos/atletas e

Leia mais

Circuito de Atletismo do Barreiro. 1º Corta-Mato da Academia do Korpo Associação Grupo Desportivo Academia do Korpo

Circuito de Atletismo do Barreiro. 1º Corta-Mato da Academia do Korpo Associação Grupo Desportivo Academia do Korpo Associação Grupo Desportivo Academia do Korpo REGULAMENTO DE PROVA 1. O Corta-Mato da Academia do Korpo é aberto a atletas de ambos os sexos em representação de Clubes, Comissões de Moradores, Bairros,

Leia mais

FEDERAÇÃO DE DESPORTOS AQUÁTICOS DO DISTRITO FEDERAL FDA/DF

FEDERAÇÃO DE DESPORTOS AQUÁTICOS DO DISTRITO FEDERAL FDA/DF Critérios indicativos à Bolsa Atleta de Natação conforme Reunião da Diretoria da FDA/DF e técnicos filiados, realizada no dia 03 de fevereiro de 2016. I BOLSA ATLETA OLÍMPICA 1.1- O atleta de natação só

Leia mais

22ª COMPETIÇÃO MUNDIAL POR GRUPOS DE IDADES

22ª COMPETIÇÃO MUNDIAL POR GRUPOS DE IDADES 22ª COMPETIÇÃO MUNDIAL POR GRUPOS DE IDADES 14 A 17 DE NOVEMBRO DE 2013 BULGÁRIA (SÓFIA) (TRI / TRS / DMT / TU) REGULAMENTAÇÃO DA PARTICIPAÇÃO PORTUGUESA INDICE Página 1. Notas Introdutórias 3 2. Objetivos

Leia mais

Campeonato Nacional de Corrida em Montanha / Grande Prémio de Montanha Senhora da Graça

Campeonato Nacional de Corrida em Montanha / Grande Prémio de Montanha Senhora da Graça Campeonato Nacional de Corrida em Montanha / Grande Prémio de Montanha Senhora da Graça Mondim de Basto Dia 15 de Junho de 2013 16H00 Organização: Câmara Municipal de Mondim de Basto, AA Vila Real e FPA

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE XADREZ

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE XADREZ REGULAMENTO ESPECÍFICO DE XADREZ 2009-2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. PARTICIPAÇÃO...4 3. ESCALÕES ETÁRIOS...4 4. COMPETIÇÕES/ENCONTROS ESCOLARES...4 4.1. FASE LOCAL...5 4.2. FASE REGIONAL...5 4.3. FASE

Leia mais

Calendário de Competições 2014 / 2015 A. A. Braga

Calendário de Competições 2014 / 2015 A. A. Braga Calendário de Competições 204 / 205 A. A. Data Competição Local Âmbito Setembro 6 2º GP Atletismo Nª Sra. Das Dores Alvelos (Barcelos) AA 20 ª Prova Popular de Esmeriz e Cabeçudos Famalicão AA 2 0º GP

Leia mais

COMUNICADO Nº / de Abril de ASSEMBLEIA GERAL (4 de Abril de 2016) 2- CENTRO DE TREINO MASCULINO 3- MINIVOLEIBOL

COMUNICADO Nº / de Abril de ASSEMBLEIA GERAL (4 de Abril de 2016) 2- CENTRO DE TREINO MASCULINO 3- MINIVOLEIBOL COMUNICADO Nº 29 2015/2016 13 de Abril de 2016 1- ASSEMBLEIA GERAL (4 de Abril de 2016) A Associação de Voleibol de São Miguel informa que o Relatório e Contas da atividade do ano 2015 foi aprovado, pela

Leia mais

14ª Taça de Portugal de Corrida de Montanha

14ª Taça de Portugal de Corrida de Montanha 14ª Taça de Portugal de Corrida de Montanha - 2017 Regulamento A Federação Portuguesa de Atletismo vai promover a realização da 14ª Taça de Portugal de Corrida de Montanha, em colaboração com a Associação

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVAS REGIONAIS DE ESGRIMA

REGULAMENTO DE PROVAS REGIONAIS DE ESGRIMA REGULAMENTO DE PROVAS REGIONAIS DE ESGRIMA 1. RESPONSABILIDADE Os atiradores armam-se, equipam-se, vestem-se e combatem sob a sua própria responsabilidade e por sua conta e risco, nos termos do art.º 10º.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO CAMPEONATO NACIONAL XCO 2009

REGULAMENTO GERAL DO CAMPEONATO NACIONAL XCO 2009 REGULAMENTO GERAL DO CAMPEONATO NACIONAL XCO 2009 1- INTRODUÇÃO 1.1- O Campeonato Nacional Cross Country Olímpico (XCO) é um troféu oficial da UVP/Federação Portuguesa de Ciclismo e consta de uma prova

Leia mais

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO 1. A Sessão de Treino A Sessão de Treino é a unidade estrutural que serve de base para toda a organização do treino. O treinador deve individualizar o treino, adaptando a

Leia mais

PLANO DE ALTO RENDIMENTO NATAÇÃO SINCRONIZADA 2016

PLANO DE ALTO RENDIMENTO NATAÇÃO SINCRONIZADA 2016 PLANO DE ALTO RENDIMENTO NATAÇÃO SINCRONIZADA 2016 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. REGIME DE ALTO RENDIMENTO... 6 2.1. CRITÉRIOS DE ACESSO... 6 2.2. REGISTO DOS PRATICANTES... 6 2.3. INSCRIÇÃO DOS PRATICANTES...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE S. MIGUEL

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE S. MIGUEL ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE S. MIGUEL Instituição de Utilidade Pública Pessoa Colectiva n.º 512019673 Fundada em 26.03.86 Filiada na Federação Portuguesa Atletismo RUA PINTOR DOMINGOS REBELO N.º 4 TELEFONE

Leia mais

Associação de Andebol da Madeira ÉPOCA 2016/2017

Associação de Andebol da Madeira ÉPOCA 2016/2017 COMUNICADO OFICIAL Nº 13 ÉPOCA 2016-2017 Distribuição: FAP e Clubes Filiados 1. DEPARTAMENTO TÉCNICO 1.1 CONVOCATÓRIA DA SELEÇÃO REGIONAL INICIADOS FEMININOS (2002-2003) A Seleção Regional de Iniciados

Leia mais

PLANO TÉCNICO Em 2014, a Associação de Ténis de Lisboa, através do seu Departamento Técnico, desenvolveu as seguintes atividades:

PLANO TÉCNICO Em 2014, a Associação de Ténis de Lisboa, através do seu Departamento Técnico, desenvolveu as seguintes atividades: PLANO TÉCNICO 2015 1. SÍNTESE DA ÉPOCA DE 2014: Em 2014, a Associação de Ténis de Lisboa, através do seu Departamento Técnico, desenvolveu as seguintes atividades: Organização da Fase Regional do Campeonato

Leia mais

As equipas de Formação do Ginásio para a próxima época vão ter o seguinte enquadramento

As equipas de Formação do Ginásio para a próxima época vão ter o seguinte enquadramento BASQUETEBOL TIAGO BARREIRO NO CASINO GINÁSIO A equipa do Casino Ginásio que disputará a Proliga vai contar com o base Tiago Barreiro, o qual na época anterior alinhou no Basquete de Barcelos, da LPB, e

Leia mais

15º CIRCUITO CONCELHIO CIDADE DE LAGOS, EM ATLETISMO 2015/16 REGULAMENTO GERAL A. ORGANIZAÇÃO:

15º CIRCUITO CONCELHIO CIDADE DE LAGOS, EM ATLETISMO 2015/16 REGULAMENTO GERAL A. ORGANIZAÇÃO: 15º CIRCUITO CONCELHIO CIDADE DE LAGOS, EM ATLETISMO 2015/16 REGULAMENTO GERAL A. ORGANIZAÇÃO: A Câmara Municipal de Lagos, com a colaboração da Associação de Atletismo do Algarve, das Juntas de Freguesia

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES e ORÇAMENTO PREVISIONAL 2016

PLANO DE ATIVIDADES e ORÇAMENTO PREVISIONAL 2016 w u s h u k u n g f u t a i j i q u a n q i g o n g PLANO DE ATIVIDADES e ORÇAMENTO PREVISIONAL Página 1 de 1 w u s h u k u n g f u t a i j i q u a n q i g o n g PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES

Leia mais

INDICE 5. NATAÇÃO SINCRONIZADA INTRODUÇÃO... 9

INDICE 5. NATAÇÃO SINCRONIZADA INTRODUÇÃO... 9 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO 2013 INDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. NATAÇÃO PURA... 5 2.1. INTRODUÇÃO... 5 2.2. OBJECTIVOS... 5 2.3. QUADRO DE EVENTOS DESPORTIVAS PROGRAMADAS... 6 3. POLO AQUÁTICO... 7 3.1.

Leia mais

CRITÉRIOS DE CONVOCAÇÃO PARA ATLETAS INTEGRANTES DE SELEÇÕES BRASILEIRAS DE ATLETISMO 2015

CRITÉRIOS DE CONVOCAÇÃO PARA ATLETAS INTEGRANTES DE SELEÇÕES BRASILEIRAS DE ATLETISMO 2015 CRITÉRIOS DE CONVOCAÇÃO PARA ATLETAS INTEGRANTES DE SELEÇÕES BRASILEIRAS DE ATLETISMO 2015 1. Copa Pan-Americana de Cross Country 21 de fevereiro de 2015 Cartagena, COL Serão convocados os 4 (quatros)

Leia mais

Calendário 2014 / versão 1 13 Novembro de 2014

Calendário 2014 / versão 1 13 Novembro de 2014 ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE LISBOA FILIADA NA FPA INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA FUNDADA EM 1929 MEDALHA DE MÉRITO DESPORTIVO Calendário 2014 / 2015 - versão 1 13 Novembro de 2014 Outubro 2014 5 Maratona

Leia mais

Casa do Povo do Concelho de Vila Nova de Paiva

Casa do Povo do Concelho de Vila Nova de Paiva PLANO DE ACTIVIDADES CASA DO POVO DE VILA NOVA DE PAIVA ANO DE 2016 Atividades a desenvolver para 2016 O plano de actividades a que nos propomos tem o objetivo de manter a imagem e a presença da Casa do

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE PROVAS DE PISTOLA SPORT.45 ACP 10 DE NOVEMBRO DE 2010 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE PROVAS DE PISTOLA SPORT.45 ACP Artigo 1º Âmbito do Regulamento

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS DA CHARNECA DE CAPARICA

JOGOS DESPORTIVOS DA CHARNECA DE CAPARICA ATLETISMO Integrado nos JOGOS DESPORTIVOS DA CHARNECA DE CAPARICA-SOBREDA, e no 43º Aniversário do 25 de Abril, vai realizar-se o DUATLO, de que farão parte as disciplinas de Salto em, Velocidade e Lançamento

Leia mais

REGULAMENTO. 1. Organização do 1.º Grande premio de Atletismo de Trilhos da Gardunha/ Louriçal do Campo

REGULAMENTO. 1. Organização do 1.º Grande premio de Atletismo de Trilhos da Gardunha/ Louriçal do Campo REGULAMENTO 1. Organização do 1.º Grande premio de Atletismo de Trilhos da Gardunha/ Louriçal do Campo A Corrida do Grande premio de Atletismo de Trilhos da Gardunha/Louriçal do Campo é uma prova de atletismo

Leia mais

BOWLING WORLD CUP 2013 Qualificação MASCULINOS E FEMININOS

BOWLING WORLD CUP 2013 Qualificação MASCULINOS E FEMININOS BOWLING WORLD CUP 2013 Qualificação MASCULINOS E FEMININOS Art. 1 ORGANIZAÇÃO 1.1 A QAMF Bowling World Cup é organizada pela Bowling Masters, em Portugal, na qualidade de representante exclusiva de QubicaAMF.

Leia mais

FEDERAÇÃO DE JUDÔ DE MATO GROSSO DO SUL

FEDERAÇÃO DE JUDÔ DE MATO GROSSO DO SUL REGULAMENTO DE RANKING PARA O PAF 2015 A Confederação Brasileira de Judô tem oportunizado através do PAF - Programa de apoio as Federações, o Judô brasileiro onde cada estado recebe seis passagens (cinco

Leia mais

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes).

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes). REGULAMENTO 1. O ATL MINI TOUR 2014 (MT) é um circuito de provas para os escalões de Sub8 e Sub10, promovido pela Associação de Ténis de Lisboa (ATL), havendo uma calendarização das provas através de um

Leia mais

Liga Ibérica sub 8 (2008) 6ª edição Época 2015/2016

Liga Ibérica sub 8 (2008) 6ª edição Época 2015/2016 Coordenação: Louletano Desportos Clube (Portugal) e Peloteros Sierra Sur de Sevilla (Espanha)» Escalão: Sub 8 (jogadores nascidos em 2008)» Tipo: Futebol 7» Objectivo: Garantir a este escalão de Traquinas

Leia mais

Objetivos Gerais do plano de desenvolvimento técnico desportivo

Objetivos Gerais do plano de desenvolvimento técnico desportivo Introdução Promover, divulgar, ensinar, treinar e competir no desporto em geral e no andebol em particular obriga a uma determinada organização e objetivos diferenciados em cada um dos escalões. Assim,

Leia mais

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR ASPECTOS A CONSIDERAR: A motivação do treinador e as oportunidades. Os atletas e a sua motivação. Como chegar

Leia mais

As modalidades são: andebol, natação, polo aquático, boccia, ténis de mesa, gira-volei, atletismo (kids athletics) e futsal.

As modalidades são: andebol, natação, polo aquático, boccia, ténis de mesa, gira-volei, atletismo (kids athletics) e futsal. REGULAMENTO GERAL 1. INTRODUÇÃO A realização dos I Jogos Desportivos do Município de Armamar visa promover a continuação da prática desportiva nos jovens, bem como continuar a procurar fomentar e dinamizar

Leia mais

BIATLE MODERNO E TRIATLE MODERNO. Regulamento da Modalidade

BIATLE MODERNO E TRIATLE MODERNO. Regulamento da Modalidade BIATLE MODERNO E TRIATLE MODERNO Regulamento da Modalidade Época 2016 Indice Capitulo I Disposições Gerais pag. 2 Capitulo II Disposições Técnicas...pag. 2 Capitulo III Renovação e Filiação de Clubes pag.3

Leia mais

MELHOR NADADOR DO ANO POR MODALIDADE E CLASSE

MELHOR NADADOR DO ANO POR MODALIDADE E CLASSE CAPITULO I MELHOR NADADOR DO ANO POR MODALIDADE E CLASSE - 2016 DAS FINALIDADES ART. 1º Com a finalidade de motivar e desenvolver o apuro técnico dos nadadores baianos foi criado o Troféu Melhor Atleta

Leia mais

Voleib l. Os jogos de Voleibol 4X4 incluídos no Campeonato Escolar estão sujeitos ao seguinte Regulamento:

Voleib l. Os jogos de Voleibol 4X4 incluídos no Campeonato Escolar estão sujeitos ao seguinte Regulamento: l Os jogos de Voleibo incluídos no Campeonato Escolar estão sujeitos ao seguinte Regulamento: 1. Constituição das Equipas 1.1 As equipas são formadas por 4 (quatro) alunos, podendo ser de ambos os géneros,

Leia mais

Índice. I Introdução. II Apresentação do Laser Run. III Formato Outdoor. IV Formato Indoor. V O segmento de Tiro. VI O segmento de Corrida

Índice. I Introdução. II Apresentação do Laser Run. III Formato Outdoor. IV Formato Indoor. V O segmento de Tiro. VI O segmento de Corrida O Projecto Desportivo - Época 2015 Índice I Introdução II Apresentação do Laser Run III Formato Outdoor IV Formato Indoor V O segmento de Tiro VI O segmento de Corrida VII Regras Gerais das Provas de Laser

Leia mais

PROJETO RIO MAIOR 2016 DESMOR CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TRIATHLON APRESENTAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DE ATLETAS SETEMBRO 2010

PROJETO RIO MAIOR 2016 DESMOR CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TRIATHLON APRESENTAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DE ATLETAS SETEMBRO 2010 PROJETO RIO MAIOR 2016 DESMOR CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TRIATHLON APRESENTAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DE ATLETAS SETEMBRO 2010 1. INTRODUÇÃO A Confederação Brasileira de Triathlon (CBTri) criada no ano de

Leia mais

Normas. Departamento de Cultura, Juventude e Desporto Divisão de Desporto e Juventude Núcleo de Actividades Desportivas

Normas. Departamento de Cultura, Juventude e Desporto Divisão de Desporto e Juventude Núcleo de Actividades Desportivas Normas Departamento de Cultura, Juventude e Desporto Núcleo de Actividades Desportivas Índice 1 Organização... 3 2 Calendarização e Local de Realização dos Jogos... 3 3 Inscrição... 3 3.1 Período de Inscrição...

Leia mais

Tendo a Direção da Associação de Futebol de Lisboa assumido realizar, desde a primeira hora

Tendo a Direção da Associação de Futebol de Lisboa assumido realizar, desde a primeira hora NOTA EXPLICATIVA 1. Introdução: Tendo a Direção da Associação de Futebol de Lisboa assumido realizar, desde a primeira hora do seu mandato, uma reorganização dos campeonatos organizados por si, na vertente

Leia mais

FARJ FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO CAMPEONATO ESTADUAL DUPLA CIDADANIA 2016 Atualizado em DAS FINALIDADES:

FARJ FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO CAMPEONATO ESTADUAL DUPLA CIDADANIA 2016 Atualizado em DAS FINALIDADES: FARJ FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO CAMPEONATO ESTADUAL DUPLA CIDADANIA 2016 Atualizado em 23.02.2016 DAS FINALIDADES: Realizar eventos competitivos em todo o território

Leia mais

REGULAMENTO RELATIVO À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA

REGULAMENTO RELATIVO À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA REGULAMENTO RELATIVO À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA Página 1 de 16 A. Homologação de Recordes de Portugal

Leia mais