LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA TENSÃO SUPERFICIAL. 1. Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA TENSÃO SUPERFICIAL. 1. Introdução"

Transcrição

1 LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA TENSÃO SUPERFICIAL 1. Introdução Uma propriedade característica dos líquidos é possuir uma superfície plana bem definida, o que os distingue dos gases. Uma medida da rigidez do filme que parece cobrir a superfície líquida é a tensão superficial, a tendência das moléculas da superfície serem puxadas para dentro. Quanto maior a tensão superficial, mais rijo parece ser o filme da superfície. A tensão superficial surge das forças intermoleculares, portanto, precisamos conseguir relacionar esta propriedade da matéria às propriedades de moléculas individuais. A superfície de um líquido é suave porque as forças intermoleculares tendem a puxar as moléculas juntas e para dentro. Podemos esperar que líquidos compostos de moléculas com forças intermoleculares altas tenham tensões superficiais altas, porque o puxão para o interior será forte. Na verdade a tensão superficial da água é, aproximadamente, três vezes maior que a maioria dos líquidos comuns por causa de suas ligações de hidrogênio fortes. As forças intermoleculares de atração que atuam no líquido fazem que exista uma diferença de energia entre as moléculas do interior do líquido, atraídas em todas as direções pelas moléculas vizinhas, e aquelas da superfície, atraídas apenas para o seio da massa líquida. As moléculas da superfície têm, portanto, um maior conteúdo de energia que as internas. Assim, para aumentar a superfície do líquido, ou seja, trazer moléculas do interior para a superfície é necessária a realização de trabalho. O trabalho exigido para o aumento unitário de área o líquido é denominado trabalho superficial específico e seu valor e dimensão é igual à tensão superficial (). A tensão superficial é representada pela letra gama () e expressa em N.m -1 ou dina.cm -1. A medida da tensão superficial é feita com a utilização do Tensiômetro de Lecomte Du Nouy (Figura 1). O tensiômetro de Lecomte Nouy utiliza para medidas o princípio do aumento de área superficial. O aparelho nos dá diretamente na escala do Vernier, a energia necessária para aumentar a superfície do líquido de 1cm 2, o que é justamente a tensão superficial. O tensiômetro é basicamente uma balança de torsão. A alavanca (7) do aparelho tem em uma de suas extremidades um dispositivo de imersão no líquido a ensaiar que consta de um anel de platina suspenso por uma alça (8) na alavanca. Na outra extremidade da alavanca passa o fio de torsão que está ligado a um ponteiro (2) que corre sobre uma escala numérica (Vernier) (4). A alavanca movimenta-se em frente a um visor (6) onde se acompanha a posição relativa da mesma. Da base do aparelho sai um braço que sustenta uma plataforma de altura variável, ajustável através dos parafusos (11 e 12), onde se apoia o recipiente de vidro contendo o líquido. Na base do tensiômetro existem dois parafusos (5) para nivelamento do sistema.

2 Figura 1 Representação esquemática do Tensiômetro de Lecomte Du Nouy. Este trabalho prático tem como objetivo determinar a tensão superficial de vários líquidos utilizando o tensiômetro de Lecomte Du Nouy (com a temperatura e o seu grau de associação). 2. Materiais e Reagentes

3 Tensiômetro de Lecomte Du Nouy termômetro 2 béqueres de 50 ml água destilada acetona álcool etílico absoluto 1 - propanol n - hexano ciclo hexano papel absorvente 3. Procedimento experimental Montar o aparelho sobre uma superfície plana e nivelar com os parafusos (5). Cuidadosamente colocar o anel de platina, limpo e seco, na extremidade da alavanca (7). Colocar o ponteiro da escala (2) na posição zero (4) por meio do parafuso (3) e a alavanca (7) na posição de equilíbrio, posição intermediária do visor (6) com o auxílio do parafuso (1). Adicionar o líquido, iniciando com a água, ao recipiente de vidro e este é colocado sobre a plataforma (9) cuja altura é ajustada com o auxílio dos parafusos (10 e 11), não permitindo que o anel entre em contato com a água. Em seguida, usando o parafuso (12) elevar a plataforma, lentamente, até que o anel mergulhe no líquido cerca de 5 mm. A imersão do anel na água fará com que a alavanca (7) saia da posição de equilíbrio. Com muito cuidado, abaixe a plataforma por meio do parafuso (12) até que a alavanca retorne à posição de equilíbrio. Este será o ponto de partida para a medida! Movimentar, simultaneamente, os parafusos (12) e (3) abaixando a plataforma (9) e girando o ponteiro da escala (2) fazendo com que a alavanca (7) fique na posição de equilíbrio, até que o círculo de platina se destaque da superfície da água. A leitura, na escala Vernier, no momento da liberação do anel da superfície é a tensão superficial da água na temperatura considerada. Anotar o valor lido. Ler a temperatura da água no próprio frasco imediatamente após a leitura da tensão superficial e anotar. Antes de iniciar uma nova leitura, retirar, cuidadosamente, o anel metálico, secá-lo com papel absorvente e colocá-lo no lugar. Repetir este procedimento 5 vezes para cada líquido. Lavar e secar o recipiente e, em seguida, repetir todo o procedimento com os solventes orgânicos. Cada grupo deve medir a tensão superficial da água e de um solvente orgânico. 4. Apresentação e discussão dos resultados

4 4.1 Preencher a Tabela 1 com os valores de tensão superficial obtidos experimentalmente. TABELA 1: Valores de tensão superficial dos líquidos. grupo Líquidos medidas de tensão superficial / dina. cm -1 I II III IV V Acetona n hexano Ciclohexano Etanol 1 propanol 1 a 2 a 3 a 4a 5 a 4.2 Calcular o valor médio para cada líquido, o desvio médio e o erro (%), em relação aos valores de tensão superficial esperados (ver apêndice), anotar os valores encontrados na tabela 2. TABELA 2: Valores de tensão superficial dos líquidos estudados. grupo I II III IV V Líquidos Acetona n hexano Ciclohexano Etanol 1 propanol ( _ m ) dina.cm -1 tabelado/ dina.cm -1 E% 4.3 Discutir os valores de tensão observados considerando as diferenças estruturais e interações intermoleculares nos líquidos.

5 ANEXO 1: VALORES DE TENSÃO SUPERFICIAL REGISTRADOS NO HANDBOOK TABELA 3: Valores de tensão superficial de alguns líquidos em uma temperatura considerada. Líquido Temperatura / ºC / dina. cm ,05 Acetona 20 23,70 n-hexano 20 18,43 Ciclohexano 20 25,50 Etanol 20 22,75 1-propanol 20 23,78

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 03 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Dilatação Térmica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 02. Física Geral e Experimental III 2014/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 02. Física Geral e Experimental III 2014/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 02 Física Geral e Experimental III 2014/1 Dilatação Térmica Volumétrica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS

Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental espera-se que o aluno seja capaz de: - Identificar compostos e determinar suas purezas usando

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 5

Química Geral Experimental - Aula 5 Química Geral Experimental - Aula 5 Título da Prática: Construção e calibração do densímetro. Objetivos: Construir e utilizar um densímetro de baixo custo; Determinar a densidade de líquidos puros e soluções;

Leia mais

Dilatação dos sólidos e dos líquidos

Dilatação dos sólidos e dos líquidos Dilatação dos sólidos e dos líquidos Dilatação dos sólidos e dos líquidos Dilatação dos sólidos e dos líquidos Dilatação dos sólidos e dos líquidos Dilatação dos sólidos e dos líquidos Dilatação dos sólidos

Leia mais

Mecânica dos solos AULA 4

Mecânica dos solos AULA 4 Mecânica dos solos AULA 4 Prof. Nathália Duarte Índices físicos dos solos OBJETIVOS Definir os principais índices físicos do solo; Calcular os índices a partir de expressões matemáticas; Descrever os procedimentos

Leia mais

DIAGRAMA DE FASES. 4) (ITA) Considere as seguintes afirmações relativas aos sistemas descritos a seguir, sob

DIAGRAMA DE FASES. 4) (ITA) Considere as seguintes afirmações relativas aos sistemas descritos a seguir, sob DIAGRAMA DE FASES 1) O gráfico abaixo apresenta a variação das pressões de vapor do sulfeto de carbono, metanol, etanol e água em função da temperatura. De acordo com o gráfico, assinale a afirmativa INCORRETA.

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE LIPÍDEOS

AULA PRÁTICA Nº / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE LIPÍDEOS LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO AULA PRÁTICA Nº - 05 31 / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE LIPÍDEOS FUNDAMENTO: Os lipídios constituem uma classe grande de compostos que

Leia mais

4.1. Planejamento e desenvolvimento da solução candidata à material de referência certificado

4.1. Planejamento e desenvolvimento da solução candidata à material de referência certificado 4 Parte experimental 4.1. Planejamento e desenvolvimento da solução candidata à material de referência certificado 4.1.1. Preparo da solução de condutividade eletrolítica de 5 µs cm 1 Foram preparados

Leia mais

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência 2 a Fase 1 o Ano 18/08/10 Material e Reagentes: Experiência Açúcar (sacarose) Bicarbonato de sódio Álcool etílico Recipiente com graduação (proveta ou seringa) Almofariz com pistilo Fósforo ou isqueiro

Leia mais

FCAV/UNESP. ASSUNTO: Forças Intermoleculares e Propriedades Físicas de Compostos Orgânicos. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCAV/UNESP. ASSUNTO: Forças Intermoleculares e Propriedades Físicas de Compostos Orgânicos. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCAV/UNESP ASSUNTO: Forças Intermoleculares e Propriedades Físicas de Compostos Orgânicos Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1 FORÇAS INTERMOLECULARES Fonte: BARBOSA, 2004. 2 FORÇAS INTERMOLECULARES 1.

Leia mais

Determinação da densidade relativa das soluções de sacarose e dos açucares a estudar

Determinação da densidade relativa das soluções de sacarose e dos açucares a estudar Determinação da densidade relativa das soluções de sacarose e dos açucares a estudar 1. Densidade relativa A densidade relativa é uma propriedade física característica de cada substância e a sua determinação

Leia mais

1ª Aula do cap. 19 Termologia

1ª Aula do cap. 19 Termologia 1ª Aula do cap. 19 Termologia T e m p e r a t u r a O valor da temperatura está associada ao nível de agitação das partículas de um corpo. A temperatura é uma medida da agitação térmica das partículas

Leia mais

Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia via Ebuliometria

Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia via Ebuliometria UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia

Leia mais

Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações.

Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações. EXPERIMENTO 2 Preparação e Padronização de Soluções OBJETIVOS Rever os conceitos de concentração de soluções. Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações. Exercitar

Leia mais

EXPERIÊNCIA 04: DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE LÍQUIDOS E SÓLIDOS

EXPERIÊNCIA 04: DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE LÍQUIDOS E SÓLIDOS 1 UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química 2015.1 EXPERIÊNCIA 04: DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE LÍQUIDOS E SÓLIDOS 1. Densidade Densidade (d) é uma grandeza expressa pela

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS E AVALIAÇÃO DA SUA PUREZA

IDENTIFICAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS E AVALIAÇÃO DA SUA PUREZA IDENTIFICAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS E AVALIAÇÃO DA SUA PUREZA O que se pretende Utilizar técnicas experimentais de determinação de propriedades físicas características das substâncias como métodos de identificação

Leia mais

Técnicas de Trabalho com Material Volumétrico

Técnicas de Trabalho com Material Volumétrico Universidade Federal de Goiás Instituto de Química Curso Experimental de Transformações Químicas 2010 Prof. Dr. Anselmo (adaptado, Agustina) Técnicas de Trabalho com Material Volumétrico 1 Objetivo Nesta

Leia mais

NOME DO LABORATÓRIO CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO

NOME DO LABORATÓRIO CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO da Prova Prática QUESTÃO 1: Cargo: D-46 Técnico em Química Metrologia Química Esboce um certificado de calibração com as informações mínimas obrigatórias que nele devem estar contidas. Use o formato a

Leia mais

Disciplina: Química A

Disciplina: Química A Disciplina: Química A EXTENSIVO E TERCEIRÃO PÁGINA: 6 EXERCÍCIO: 28.01 O álcool apresenta interações por ligações de hidrogênio, enquanto o hidrocarboneto interage por forças de dipolo induzido, dessa

Leia mais

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Calibração e utilização de um sensor de temperatura Química 12º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Actividades de Projecto Laboratorial Janeiro 2006 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng.

Leia mais

Prova de Questões Analítico-Discursivas FÍSICA

Prova de Questões Analítico-Discursivas FÍSICA 1 Um garoto lança horizontalmente uma bola, da altura de 80,0 cm, com a intenção de atingir um buraco situado a 0,0080 km do ponto de lançamento, conforme figura abaixo. Com qual velocidade inicial, em

Leia mais

QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 11 Forças intermoleculares, líquidos e sólidos David P. White

QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 11 Forças intermoleculares, líquidos e sólidos David P. White QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 11 Forças intermoleculares, líquidos e sólidos David P. White Uma comparação entre líquidos e sólidos As propriedades físicas das substâncias entendidas em

Leia mais

Propriedades Físicas de Compostos Orgânicos

Propriedades Físicas de Compostos Orgânicos Os principais fatores que influenciam nas propriedades físicas dos compostos orgânicos são: O tamanho das moléculas; Os tipos de interação intermolecular. Temperatura de Ebulição e Fusão Quanto mais fortes

Leia mais

FCAV/UNESP. ASSUNTO: Forças Intermoleculares. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCAV/UNESP. ASSUNTO: Forças Intermoleculares. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCAV/UNESP ASSUNTO: Forças Intermoleculares Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1 2 FLUXOGRAMA PARA RECONHECER OS PRINCIPAIS TIPOS DE FORÇAS INTERMOLECULARES 3 ENERGIA TÍPICA REQUERIDA PARA O ROMPIMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DETERMINAÇÃO DO TEMPO DE PRESA E DA EXPANSIBILIDADE DO CIMENTO. DOCENTE: Engº Elson Almeida 2006

Leia mais

Forças intermoleculares

Forças intermoleculares PARTE II Unidade F Capítulo 18 Forças intermoleculares Seções: 181 Interações dipolo permanente-dipolo permanente 182 Ligações de 183 Interações dipolo instantâneo-dipolo induzido 184 Forças intermoleculares

Leia mais

Interface entre Líquido e Sólido

Interface entre Líquido e Sólido Interface entre íquido e Sólido Vamos considerar as condições na interface entre um líquido e um sólido. A forma tomada pelo líquido é determinada pela relação entre as seguintes forças que atuam nas suas

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 01. Física Geral e Experimental III 2012/1. Experimento: Calibração de um Termômetro

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 01. Física Geral e Experimental III 2012/1. Experimento: Calibração de um Termômetro Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 01 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Calibração de um Termômetro 1. Calibração de um Termômetro Nesta tarefa será abordado o

Leia mais

META Determinar o volume molar parcial de uma mistura binária de água/etanol pela medida de diferentes composições da mistura.

META Determinar o volume molar parcial de uma mistura binária de água/etanol pela medida de diferentes composições da mistura. QUANTIDADES PARCIAIS MOLARES META Determinar o volume molar parcial de uma mistura binária de água/etanol pela medida de diferentes composições da mistura. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 30

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 30 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 30 9º N D ENSIN FUNDAMENTAL - 1º AN D ENSIN MÉDI BJETIV Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são possíveis

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 29

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 29 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 29 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são

Leia mais

QMC 5119 II Semestre de 2014 EXPERIÊNCIA Nº1 MEDIDAS E TRATAMENTO DE DADOS

QMC 5119 II Semestre de 2014 EXPERIÊNCIA Nº1 MEDIDAS E TRATAMENTO DE DADOS EXPERIÊNCIA Nº1 MEDIDAS E TRATAMENTO DE DADOS 1. Introdução: Química é uma ciência experimental e por isso consideramos importante que você inicie a disciplina Introdução ao Laboratório de Química realizando

Leia mais

Práticas de. Química Geral e Orgânica. para Engenharia Ambiental

Práticas de. Química Geral e Orgânica. para Engenharia Ambiental Práticas de Química Geral e Orgânica para Engenharia Ambiental INTRODUÇÂO A química é uma ciência experimental e se ocupa especialmente das transformações das substâncias, de sua composição e das relações

Leia mais

Forças intermoleculares

Forças intermoleculares Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio As ligações de hidrogênio são responsáveis pela: Flutuação do gelo

Leia mais

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO PL 3.4 Identificação e síntese de substâncias com aromas e sabores especiais Síntese do acetato de

Leia mais

Química. APL 2.5 Determinação da variação da entalpia de combustão de diferentes álcoois

Química. APL 2.5 Determinação da variação da entalpia de combustão de diferentes álcoois Química APL 2.5 Determinação da variação da entalpia de combustão de diferentes álcoois Luísa Neves, 12ºCT 20 de abril de 2015 Índice Introdução...2 Material e Reagentes...3 Procedimento..4 Perigos específicos

Leia mais

Determinação de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico

Determinação de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico Página 1 de 10 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a porcentagem de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico (Gerber). 2 Fundamentos Baseia-se na separação e quantificação

Leia mais

s t V = 42 7 = t t = 6s

s t V = 42 7 = t t = 6s FÍSICA 17 Um rato, em sua ronda à procura de alimento, está parado em um ponto P, quando vê uma coruja espreitando-o. Instintivamente, ele corre em direção à sua toca T, localizada a 4 m dali, em movimento

Leia mais

Física Geral e Experimental III. Dilatação

Física Geral e Experimental III. Dilatação Física Geral e Experimental III Dilatação 6. Em um dia quente em Las Vegas um caminhão-tanque foi carregado com 37.000 L de óleo diesel. Ele encontrou tempo frio ao chegar a Payson, Utha, onde a temperatura

Leia mais

NBR NM 65. CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega

NBR NM 65. CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega NBR NM 65 CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega OBJETIVO: CIMENTO TEMPO DE PEGA Determinar os tempos (intervalos) de início e fim de pega da pasta de cimento Portland; DEFINIÇÕES: CIMENTO TEMPO

Leia mais

Resolução de Questões de Provas Específicas de Química (Aula 7)

Resolução de Questões de Provas Específicas de Química (Aula 7) Resolução de Questões de Provas Específicas de Química (Aula 7) Resolução de Questões de Provas Específicas (Aula 7) 1. (UECE) A tabela periódica já era objeto das preocupações dos antigos químicos a partir

Leia mais

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Aparelho de torsão Conjunto de extensão do aparelho de torsão Instruções de uso

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Aparelho de torsão Conjunto de extensão do aparelho de torsão Instruções de uso 3B SCIENTIFIC FÍSICA Aparelho de torsão 1018550 Conjunto de extensão do aparelho de torsão 1018787 Instruções de uso 11/15 TL/UD 1. Descrição O aparelho de torsão destina-se à determinação do torque restaurador

Leia mais

29/2/2008. Interações intermoleculares

29/2/2008. Interações intermoleculares Química 2 ano Forças Intermoleculares Décio Helena Fev/08 O tipo de interação existente entre as moléculas e/ou íons definem algumas propriedades importantes das substâncias, como o estado físico, temperaturas

Leia mais

Química Orgânica I. Formas de representação de moléculas orgânicas e interações intermoleculares Aula 3

Química Orgânica I. Formas de representação de moléculas orgânicas e interações intermoleculares Aula 3 Química rgânica I Formas de representação de moléculas orgânicas e interações intermoleculares Aula 3 Profa. Alceni Augusta Werle ProfaTânia Márcia Sacramento Melo 2- Formas de representação de moléculas

Leia mais

Determinação do poder rotatório específico das soluções

Determinação do poder rotatório específico das soluções Determinação do poder rotatório específico das soluções O poder rotatório específico vai ser determinado utilizando o polarímetro. É necessário proceder-se à calibração deste aparelho. Constituição e características

Leia mais

E03 - CAMPO ELÉTRICO E MAPEAMENTO DE EQUIPOTENCIAIS. Figura 1: Materiais necessários para a realização desta experiência.

E03 - CAMPO ELÉTRICO E MAPEAMENTO DE EQUIPOTENCIAIS. Figura 1: Materiais necessários para a realização desta experiência. E03 - CAMPO ELÉTRICO E MAPEAMENTO DE EQUIPOTENCIAIS 1- OBJETIVOS Traçar as equipotenciais de um campo elétrico, em uma cuba eletrolítica. Determinar o campo elétrico, em módulo, direção e sentido, devido

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 4

Química Geral Experimental - Aula 4 Química Geral Experimental - Aula 4 Título da Prática: Determinação do teor de álcool etílico na gasolina. Objetivos: Determinar o teor de álcool etílico na gasolina Comercial. Determinar o teor de água

Leia mais

C m Q C T T 1 > T 2 T 1 T 2. 1 cal = 4,184 J (14,5 o C p/ 15,5 o C) 1 Btu = 252 cal = 1,054 kj

C m Q C T T 1 > T 2 T 1 T 2. 1 cal = 4,184 J (14,5 o C p/ 15,5 o C) 1 Btu = 252 cal = 1,054 kj A teoria do calórico (~1779) Para atingir o estado de equilíbrio térmico, T 1 T 2 T 1 > T 2 -Substância fluida - invisível - peso desprezível T a quantidade de calórico Esta teoria explicava um grande

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 22 4.2 Experimento 2: Resistência e Resistores, Voltagem, Corrente e Lei de Ohm 4.2.1 Objetivos Fundamentar os conceitos de resistência e resistor. Conhecer o código de cores, utilizado para especificar

Leia mais

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO. Resp. D

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO. Resp. D 10) Antes de medir a temperatura de um paciente, uma enfermeira verifica que o termômetro clínico indica 35 C. Em seguida, usando esse termômetro, ela mede a temperatura do paciente, encontrando o valor

Leia mais

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima PROPRIEDADES FÍSICAS PARTE II VISCOSIDADE; TENSÃO SUPERFICIAL E PRESSÃO DE VAPOR

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima PROPRIEDADES FÍSICAS PARTE II VISCOSIDADE; TENSÃO SUPERFICIAL E PRESSÃO DE VAPOR PROPRIEDADES FÍSICAS PARTE II VISCOSIDADE; TENSÃO SUPERFICIAL E PRESSÃO DE VAPOR SUBSTÂNCIA PURA Densidade - revisão Tensão superficial forças de adesão Tensão superficial As moléculas volumosas (no líquido)

Leia mais

ENSINO MÉDIO QUÍMICA

ENSINO MÉDIO QUÍMICA ENSINO MÉDIO QUÍMICA TERMOQUÍMICA TERMOQUÍMICA Termoquímica é a parte da química que estuda o calor associado a uma reação química. A unidade usada para medir a energia liberada ou absorvida por um sistema

Leia mais

ÍNDICE REGRAS GERAIS DE SEGURANÇA INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA EM REAGENTES Guia de Laboratório de F.Q. Docente: Marília Silva Soares 3

ÍNDICE REGRAS GERAIS DE SEGURANÇA INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA EM REAGENTES Guia de Laboratório de F.Q. Docente: Marília Silva Soares 3 ÍNDICE GUIA DE LABORATÓRIO Para atividades experimentais de Física e de Química Docente. Marília Silva Soares Guia de Laboratório de F.Q. Docente: Marília Silva Soares 2 REGRAS GERAIS DE SEGURANÇA INFORMAÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos/ atividades Habilidades Avaliação/ Atividade 1º Trimestre: (12 semanas)

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos/ atividades Habilidades Avaliação/ Atividade 1º Trimestre: (12 semanas) Disciplina: Química Trimestre: 1º Professor(a): Rodrigo Valério e Georgia Monique. Série: 1º Turmas: 101,102,103,104. Conteúdos/ atividades Habilidades Avaliação/ Atividade 1º Trimestre: (12 semanas) 1-

Leia mais

3.2 Hidrostática Material Necessário Objetivo Procedimentos Primeira Procedimento. 01 Balança. 01 barbante.

3.2 Hidrostática Material Necessário Objetivo Procedimentos Primeira Procedimento. 01 Balança. 01 barbante. 3.2. HIDROSTÁTICA 63 3.2 Hidrostática 3.2.1 Material Necessário 01 Balança. 01 barbante. 01 Régua milimetrada. 01 Dinamômetro. 02 Proveta de 250 ml. 01 Densímetro. 01 Tripé. 01 Haste de sustentação. 01

Leia mais

Em outras palavras, no regime elástico há uma dependência linear entre F e a deformação x. Este é o comportamento descrito pela lei de Hooke: F = k x

Em outras palavras, no regime elástico há uma dependência linear entre F e a deformação x. Este é o comportamento descrito pela lei de Hooke: F = k x Aula 6: Lei de Hooke 1 Introdução A lei de Hooke descreve a força restauradora que existe em diversos sistemas quando comprimidos ou distendidos. Qualquer material sobre o qual exercermos uma força sofrerá

Leia mais

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico 4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico H levedura C 8 H 12 3 C 8 H 14 3 (156,2) (158,2) Classificação Tipos de reação e classes de substâncias

Leia mais

Prática II INSTRUMENTOS DE MEDIDA

Prática II INSTRUMENTOS DE MEDIDA Prática II INSTRUMENTOS DE MEDIDA OBJETIVOS Medidas de massa e comprimentos (diâmetros, espessuras, profundidades, etc.) utilizando balança, paquímetro e micrômetro; Estimativa de erro nas medidas, propagação

Leia mais

RÉGUA VIBRATÓRIA DUPLA

RÉGUA VIBRATÓRIA DUPLA Manual do Locatário RÉGUA VIBRATÓRIA DUPLA Instruções para Instalação, Operação e Manutenção CARIMBO DO ASSOCIADO 1 RÉGUA VIBRATÓRIA DUPLA As réguas vibratórias duplas são utilizadas para dar acabamento

Leia mais

Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor

Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor Pretende-se com essa atividade dar ao aluno a oportunidade de fazer experiências que possibilitem calcular calores de reação e aplicação da Lei de Hess. Etapa

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO QUESTÕES: Não estudar apenas por esta lista 1) Cite três importantes aplicações da moderna física do solo. 2) Cite as principais causas de compactação do solo. 3) Descreva

Leia mais

1) O que aconteceu com o cubo de gelo no béquer 1? Que conclusão você tira desse resultado?...

1) O que aconteceu com o cubo de gelo no béquer 1? Que conclusão você tira desse resultado?... Nº da Prática: 01 Data: / / Título da Prática: Qual o líquido é mais denso: a água líquida ou o álcool? S Comparar as densidades da água líquida, do gelo e do álcool. 2 cubos de gelo; álcool; água. Coloque

Leia mais

AULA PRÁTICA 4 Série de sólidos

AULA PRÁTICA 4 Série de sólidos SANEAMENTO AMBIENTAL EXPERIMENTAL TH 758 DHS PPGERHA - UFPR AULA PRÁTICA 4 Série de sólidos 1. Série de sólidos Resíduos ou sólidos são todas as matérias suspensas ou dissolvidas na água, provenientes

Leia mais

4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico

4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico NP 4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico NaEt C 10 H 18 4 Na C 2 H 6 C 8 H 12 3 (202,2) (23,0) (46,1) (156,2) Classificação Tipos

Leia mais

LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE I. 1. Introdução

LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE I. 1. Introdução LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE I 1. Introdução No estado líquido as moléculas estão mais próximas uma das outras e entre elas existem forças atrativas. Para um líquido fluir suas moléculas devem

Leia mais

Teor de MO e Densidade de solos

Teor de MO e Densidade de solos Teor de MO e Densidade de solos 29/01/2012 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Introdução 2 1ª Parte Dia Mês Aula Programação Apresentação do Curso. 4 1ª Coleta e preparação de amostras. Caracterização

Leia mais

USO DE PLANEJAMENTO COMPOSTO CENTRAL NA AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS TEMPERAURA E CONCENTRAÇÃO DE SOLVENTES NO ESTUDO DA SOLUBILIDADE DA UREIA

USO DE PLANEJAMENTO COMPOSTO CENTRAL NA AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS TEMPERAURA E CONCENTRAÇÃO DE SOLVENTES NO ESTUDO DA SOLUBILIDADE DA UREIA USO DE PLANEJAMENTO COMPOSTO CENTRAL NA AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS TEMPERAURA E CONCENTRAÇÃO DE SOLVENTES NO ESTUDO DA SOLUBILIDADE DA UREIA F. M. A. S. COSTA 1, A. P. SILVA 1, M. R. FRANCO JÚNIOR 1 e R.

Leia mais

BeoLab 7 1. Livro de consulta

BeoLab 7 1. Livro de consulta BeoLab 7 1 Livro de consulta Utilização diária 3 Depois de ter terminado a configuração das colunas conforme descrito nas páginas a seguir, ligue o sistema todo à corrente eléctrica. Protecção das colunas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE QUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE QUÍMICA LABORATÓRIO DE QUÍMICA ANALÍTICA INSTRUMENTAL II CQ122 Prática 1 Profa. Iara Messerschmidt Prof. Claudio

Leia mais

Unidade 2 Dilatação Térmica. Comportamento dos sólidos Dilatação Linear Dilatação Superficial Dilatação Volumétrica

Unidade 2 Dilatação Térmica. Comportamento dos sólidos Dilatação Linear Dilatação Superficial Dilatação Volumétrica Unidade 2 Dilatação Térmica Comportamento dos sólidos Dilatação Linear Dilatação Superficial Dilatação Volumétrica Comportamento dos sólidos De um modo geral, quando aumentamos a temperatura de um corpo

Leia mais

FORÇAS INTERMOLECULARES

FORÇAS INTERMOLECULARES FORÇAS INTERMOLECULARES FORÇAS INTERMOLECULARES A intensidade das forças intermoleculares em diferentes substâncias varia em uma grande faixa, mas elas são muito mais fracas que ligações iônicas covalentes.

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DA HIDRÓLISE ÁCIDA DO ACETATO DE ETILA.

ESTUDO DA CINÉTICA DA HIDRÓLISE ÁCIDA DO ACETATO DE ETILA. ESTUDO DA CINÉTICA DA HIDRÓLISE ÁCIDA DO ACETATO DE ETILA. Glauber Silva Godoi Aula 14 META Desenvolver no aluno a capacidade de extrair informações quanto aos parâmetros cinéticos de uma reação a partir

Leia mais

AREIA BASE PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO TEOR DE ARGILA AFS PELO MÉTODO DO LAVADOR CONTÍNUO DE ARGILA

AREIA BASE PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO TEOR DE ARGILA AFS PELO MÉTODO DO LAVADOR CONTÍNUO DE ARGILA SUMÁRIO Método de Ensaio Folha : 1 de 6 1_ Objetivo 2_ Documentos a consultar 3_ Definição 4_ Aparelhagem 5_ Execução do ensaio 6_ Resultados 7_ Anexos 1_ OBJETIVO 1.1_ Esta recomendação prescreve o método

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Estudo de um Amperímetro Instituto Superior de Engenharia do Porto- Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida,

Leia mais

Termometria. Temperatura

Termometria. Temperatura Termometria Termometria Temperatura A Física Térmica, também conhecida como Termologia, é a área da Física que investiga os fenômenos relacionados à energia térmica. Dentre esses fenômenos, podemos citar

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Agregados determinação do inchamento de agregado miúdo

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Agregados determinação do inchamento de agregado miúdo Método de Ensaio Página 1 de 5 RESUMO Este documento, que é uma norma técnica, prescreve o método a ser adotado na determinação do inchamento de agregados miúdos empregados em obras rodoviárias. Prescreve

Leia mais

Determinação da Entalpia de uma Reacção

Determinação da Entalpia de uma Reacção INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano 1º Semestre) Trabalho Prático n.º 6 Determinação da Entalpia de uma Reacção

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 43 Comportamento da água com álcool - 2 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º e 2º ANO DO ENSINO MÉDIO

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 43 Comportamento da água com álcool - 2 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º e 2º ANO DO ENSINO MÉDIO AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 43 Comportamento da água com álcool - 2 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º e 2º ANO DO ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO Na primeira parte sobre a mistura água

Leia mais

DICAS FARMACOTÉCNICAS. Anderson de Oliveira Ferreira, MSc.

DICAS FARMACOTÉCNICAS. Anderson de Oliveira Ferreira, MSc. DICAS FARMACOTÉCNICAS Gotas x conta-gotas Anderson de Oliveira Ferreira, MSc. Introdução: A administração de um medicamento líquido por via oral dividido em dose unitária como gota é de longa tradição

Leia mais

O processo de dissolução

O processo de dissolução SOLUBILIDADE Sabemos que um soluto altera as propriedades do solvente. Solução sólida: silício dopado com fósforo eletrônica. indústria Sal sobre o gelo abaixa o ponto e congelamento se a temperatura é

Leia mais

Física Experimental II

Física Experimental II Universidade Federal Fluminense - PUVR Física Experimental II 1 Objetivos Experiência: Superfícies Equipotenciais 1. Traçar as linhas equipotenciais do campo elétrico de dois condutores a partir de medidas

Leia mais

Experimentos. Indústria Química. 10 Dicas e Truques para a Refratometria. Experiência com as leis da ciência natural "ao vivo" - fácil aprendizagem

Experimentos. Indústria Química. 10 Dicas e Truques para a Refratometria. Experiência com as leis da ciência natural ao vivo - fácil aprendizagem Indústria Química Experimentos Refratometria Catálogo de Ajuda 10 Dicas e Truques para a Refratometria Experiência com as leis da ciência natural "ao vivo" - fácil aprendizagem Caro Leitor Primeiramente,

Leia mais

Gabarito Resolvido de Química (12/03/2008) A tabela abaixo apresenta dados referentes a todas as questões da prova (pressão igual a 1 atm).

Gabarito Resolvido de Química (12/03/2008) A tabela abaixo apresenta dados referentes a todas as questões da prova (pressão igual a 1 atm). Química 1 ano Teste/Prova Rodrigo mar/08 Gabarito Resolvido de Química (12/03/2008) A tabela abaixo apresenta dados referentes a todas as questões da prova (pressão igual a 1 atm). substância densidade

Leia mais

Circuitos com Cargas em Série e em Paralelo

Circuitos com Cargas em Série e em Paralelo PONTFÍCA UNERSDADE CATÓLCA DE GOÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARA ENG04 Circuitos Elétricos Exper. 3 Circuitos com Cargas em Série e em Paralelo Objetivo dentificar, em um circuito resistivo, as associações

Leia mais

Lançamento Obliquo. Autores: Bruno Cesar Comeri Soffarelli; Gianni Dias Sasso; Jennifer Murrins Misiukas; Monique Marmol; Yasmin Mourtada Cassano

Lançamento Obliquo. Autores: Bruno Cesar Comeri Soffarelli; Gianni Dias Sasso; Jennifer Murrins Misiukas; Monique Marmol; Yasmin Mourtada Cassano Lançamento Obliquo Autores: Bruno Cesar Comeri Soffarelli; Gianni Dias Sasso; Jennifer Murrins Misiukas; Monique Marmol; Yasmin Mourtada Cassano 1. Objetivo Construir um sistema para lançamento de projeteis

Leia mais

ENERGIA BARREIROS LISTA FÍSICA 1 DILATAÇÃO DE LÍQUIDOS PROFESSOR: JOHN

ENERGIA BARREIROS LISTA FÍSICA 1 DILATAÇÃO DE LÍQUIDOS PROFESSOR: JOHN ENERGIA BARREIROS LISTA FÍSICA 1 DILATAÇÃO DE LÍQUIDOS PROFESSOR: JOHN 1. (CFTMG 2016) Para verificar se uma pessoa está febril, pode-se usar um termômetro clínico de uso doméstico que consiste em um líquido

Leia mais

Experiência 02 - SOLUBILIDADE SOLUBILIDADE

Experiência 02 - SOLUBILIDADE SOLUBILIDADE 1. Objetivos SOLUBILIDADE No final dessa experiência, o aluno deverá ser capaz de: - Identificar algumas variáveis que afetam a solubilidade. - Utilizar técnicas simples de separação de misturas. 2. Introdução

Leia mais

QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 22 RELAÇÕES NUMÉRICAS FUNDAMENTAIS - PARTE 2

QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 22 RELAÇÕES NUMÉRICAS FUNDAMENTAIS - PARTE 2 QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 22 RELAÇÕES NUMÉRICAS FUNDAMENTAIS - PARTE 2 Fixação 1) (UNESP) O volume de uma massa fixa de gás ideal, a pressão constante, é diretamente proporcional à: a) concentração do gás.

Leia mais

Forças Intermoleculares

Forças Intermoleculares Forças Intermoleculares Você já se perguntou por que a água forma gotas ou como os insetos conseguem caminhar sobre a água? Gota d'água caindo sobre a superfície da água. Inseto pousado sobre a superfície

Leia mais

FÍSICA TÉRMICA. Prof. Neemias Alves de Lima Instituto de Pesquisa em Ciência dos Materiais Universidade Federal do Vale do São Francisco 1

FÍSICA TÉRMICA. Prof. Neemias Alves de Lima Instituto de Pesquisa em Ciência dos Materiais Universidade Federal do Vale do São Francisco 1 FÍSICA TÉRMICA Prof. Neemias Alves de Lima Instituto de Pesquisa em Ciência dos Materiais Universidade Federal do Vale do São Francisco 1 Domínio da Física Térmica Como pode água aprisionada ser ejetada

Leia mais

Extração e Purificação do Óleo de Amendoim

Extração e Purificação do Óleo de Amendoim Extração e Purificação do Óleo de Amendoim Determinação do Índice de Saponificação e Íodo Objetivo Extração e purificação do Óleo de Amendoim Introdução Teórica. O processo de extração com solventes é

Leia mais

3 Limpeza Fácil Dados Técnicos Dezembro 2005 Substitui: Inicial

3 Limpeza Fácil Dados Técnicos Dezembro 2005 Substitui: Inicial 3 Limpeza Fácil Dados Técnicos Dezembro 2005 Substitui: Inicial Descrição: O aparelho 3M Limpeza Fácil é um aplicador de produtos químicos desenvolvido com a finalidade de obter um processo de limpeza,

Leia mais

Escoamentos Exteriores em torno de Corpos Não-fuselados

Escoamentos Exteriores em torno de Corpos Não-fuselados Mecânica dos Fluidos II Guia do trabalho laboratorial Escoamentos Exteriores em torno de Corpos Não-fuselados António Sarmento Março de 2006 Objectivos 1. Determinar experimentalmente e relacionar entre

Leia mais

Nome dos participantes: Jaqueline do Espirito Santo D Apresentação, Iven Roberto Andrade Oliveira e André Filipe Martins Justino

Nome dos participantes: Jaqueline do Espirito Santo D Apresentação, Iven Roberto Andrade Oliveira e André Filipe Martins Justino Título do Vídeo: Eletrólise da água Nome dos participantes: Jaqueline do Espirito Santo D Apresentação, Iven Roberto Andrade Oliveira e André Filipe Martins Justino Professor responsável: Isabel Domingues

Leia mais

Laboratório de Física

Laboratório de Física Laboratório de Física Experimento 03 - Trilho de Ar Movimento a Força Constante Disciplina: Laboratório de Física Experimental I Professor: Turma: Data: / /20 Alunos: 1: 2: 3: 4: 5: 1/11 03 - Trilho de

Leia mais

Neste caso, diz-se que a reação é de primeira ordem, e a equação pode ser resolvida conforme segue abaixo:

Neste caso, diz-se que a reação é de primeira ordem, e a equação pode ser resolvida conforme segue abaixo: 1. Introdução Cinética Química A termodinâmica indica a direção e a extensão de uma transformação química, porém não indica como, nem a que velocidade, uma reação acontece. A velocidade de uma reação deve

Leia mais

Noções Básicas de Física Arquitectura Paisagística PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES (1)

Noções Básicas de Física Arquitectura Paisagística PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES (1) INTRODUÇÃO Força de impulsão PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES O desenho da Figura 1a mostra um corpo de densidade ρ, submerso num líquido de densidade ρ líquido. As setas representam as forças que actuam nas diferentes

Leia mais

EXERCICIOS PARA A LISTA 1 CAPITULO 15 FLUIDOS E ELASTICIDADE

EXERCICIOS PARA A LISTA 1 CAPITULO 15 FLUIDOS E ELASTICIDADE Conceituais QUESTÃO 1. Enuncie o príncipio de Arquimedes. Em quais condições um objeto irá flutuar ou afundar num fluido? Descreva como o conceito de empuxo pode ser utilizado para determinar a densidade

Leia mais