NORMAS DE CANDIDATURA. Convocatória para projectos de formaçãoo em parceria e/ou de teses em co-tutela

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMAS DE CANDIDATURA. Convocatória para projectos de formaçãoo em parceria e/ou de teses em co-tutela"

Transcrição

1 NORMAS DE CANDIDATURA PROGRAMA DE ACÇÕES UNIVERSITÁRIAS INTEGRADAS LUSO FRANCESAS / PAUILF 2012 Convocatória para projectos de formaçãoo em parceria e/ou de teses em co-tutela Data de abertura: 22 de Março de 2011 Data de encerramento: 09 de Junho de 2011 O Programa das Acções Universitárias Integradas Luso Francesas (PAUILF), lançado por um acordo assinado em Lisboa, em 21 de Novembro de 2001, entre a Conférence des Présidents d Université (CPU) e o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas s (), destina-se a apoiar intercâmbios académicos e científicos entre os dois países. 1 Objectivos A convocatória para projectos PAUILF para o ano destina-se a incentivar: de 2012 Formações em parceria conducentes à obtenção de diplomas conjuntos ou diplomas duplos (nomeadamente ao nível de master); e/ou A realização e o acompanhamento de teses em co-tutela - Esta convocatóriaa está aberta para todas as áreas disciplinares. 1

2 2 Critérios de selecção dos projectos Qualidade e coerência da formação (conteúdos, selecção dos estudantes, modalidades de avaliação e de certificação) ou do projecto em co-tutela; Complementaridade académica dos dois parceiros; Integração da formação numa estratégia de cooperação das duas instituições proponentes; Tornar atractiva a formação para estudantes de países terceiros. Estão previstas Fichas de candidatura específicas para cada tipo de proposta: formação o conjunta e co-tutela, conforme se encontra especificado no Ponto 6 (Apresentação da Candidatura). 3 Financiamento O apoio financeiro, com uma duração máxima de três anos para cada projecto, destina-se: Para as formações em parceria: no 1º ano: a fomentar os contactos entre as equipas dos dois países, tendo como objectivo central a elaboração de uma formação em parceria, visando a obtenção de um diploma conjunto ou de um duplo diploma; a suportar as despesas relativas à implementação e promoção da formação conjunta (p. ex.: divulgação, págs. internet, etc.) nos 2 anos seguintes: a permitir a mobilidade dos estudantes e dos docentes da formação em parceria aprovada e iniciada. 2

3 3.2 - Para as teses em co-tutela o financiamento tem como objectivo: prioritário suportar a mobilidade do doutorando durante os três anos de tese; permitir a mobilidade dos docentes implicados; suportar igualmente os encargos resultantes da participação do doutorando em conferências e/ou seminários, organizados na EUROPA, desde que aí sejam apresentados trabalhos de investigação realizados no quadro do projecto de doutoramento em curso. Os encargos ligados à própria formação serão assegurados pelos recursos próprios dos estabelecimentos proponentes, no quadro de programas nacionais, comunitários ou internacionais. O PAUILF é complementar e compatível com o Programa Hubert Curien (PHC) / PESSOA, destinado a desenvolver intercâmbios científicos e tecnológicos entre os laboratórios de investigação dos dois países, administrado em França pelo Égide e em Portugal pela Fundação para a Ciência e Tecnologia pelo que: Os responsáveis de um projecto de formação em parceria ou de uma tese em co-tutela, aprovados no âmbito do PAUILF, poderão ser elegíveis ao PHC PESSOA para um projecto de investigação conjunto; Os candidatos de um projecto universitário de investigação aprovado no âmbito do PHC PESSOA, podem, no início ou durante a sua execução, candidatar-se a um subsídio no âmbito do PAUILF para efectuar um master em parceria ou uma tese em co-tutela. 3

4 4 CANDIDATURAS - Elementos constitutivos do processo Apenas serão considerados os projectos apresentados em simultâneo nos dois países. O responsável pelo projecto deverá apresentar em duplicado, junto da sua Universidade e dentro dos prazos fixados para o presente concurso, a respectiva candidatura, através do órgão directivo da sua Escola, Instituto, Departamento ou Faculdade, onde exerce a sua actividade de docente/investigador, acompanhada de um parecer do responsável do Departamento/Instituição. A Universidade portuguesa deve assegurar-se de que a Universidade francesa que com ela colabora apresenta idêntica proposta junto da Conférence des Présidents d Université (CPU). Os projectos devem ser escritos em português, pela parte portuguesa, e em francês, pela parte francesa. Podem candidatar-spaíses a passar o diploma proposto no âmbito do projecto. as instituições habilitadas nos seus respectivos Os formulários e as normas de candidatura estão disponíveis, em suporte de papel, na respectiva Reitoria de cada instituição membro do, e igualmente através da Internet em: No preenchimento da ficha de candidatura só deverá ser utilizado o modelo facultado e os espaços específicos previstos para cada item. As Reitorias deverão enviar ao as candidaturas, em duplicado, após a data de encerramento prevista para este Concurso (09 de Junho de 2011). 4

5 5 Renovações Uma vez que os projectos podem vir a beneficiar de uma duração máxima de três anos (como indicado no ponto 3), os candidatos que tenham tido projectos aprovados e que venham a solicitar a prorrogação do respectivo financiamento, devem remeter ao o formulário (Fich ha de Auto-Avaliação / Relatório de Actividades) F 8 (Tese em Co-Tutela), ou F 8A (Formação em Parceria), até 20 de Junho de Importante: o não envio dos Formulários F 8 ou F 8A, dentro do prazo estipulado, pode vir a comprometer a continuidade do financiamento do projecto. NOTA: Todos os formulários mencionados podem ser obtidos em formato MS Word, via internet, através das ligações abaixo indicadas, conforme se indica em seguida. 6 Apresentação da candidatura A candidatura, bem como os pedidos de renovação, devem ser formalizados dentro dos prazos estabelecidos neste aviso, em duplicado e, consoante o caso em que se inserem, através da documentação a seguir indicada com recurso aos formulários seguintes, disponíveis em formato MS Word em Ficha de candidatura Ficha de projectoo para teses em co-tutela Ficha de projectoo para formação em parceria Ficha curricular do responsável do projecto/portugal F - 1 F - 2 F - 3 F 4 5

6 Ficha curricular dos participantes / Portugal Ficha curricular do responsável do projecto/frança Ficha curricular dos participantes / França F - 5 F - 6 F - 7 Ficha de Auto-Avaliação / Relatório de Actividades: - Tese em Co-Tutela - Formação em Parceria F 8 F 8A Parecer do responsável do Departamento/Instituição Contactos e pedidos de informação Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas () «Acções Integradas Luso-Francesas» Edifício O, Campus do Lumiar Estrada do Paço do Lumiar Lisboa Internet: Conférence des Présidents d Université (CPU) «Appel d offres Portugal» 103 Boulevard Saint Michel Paris Internet : 6

Regulamento para atribuição de apoio financeiro a projetos submetidos no âmbito do Fundo de mobilidade FLAD-UAc Crossing the Atlantic

Regulamento para atribuição de apoio financeiro a projetos submetidos no âmbito do Fundo de mobilidade FLAD-UAc Crossing the Atlantic Regulamento para atribuição de apoio financeiro a projetos submetidos no âmbito do Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento, elaborado nos termos do disposto na cláusula quinta do protocolo de cooperação

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIDADE DA EDUCAÇÃO (Despacho nº 23/ME/95)

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIDADE DA EDUCAÇÃO (Despacho nº 23/ME/95) SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIDADE DA EDUCAÇÃO (Despacho nº 23/ME/95) - Organização de actividades de intercâmbio, entre as escolas, de projectos de inovação ou de investigação REGULAMENTO ESPECÍFICO -

Leia mais

Capítulo 1 Art. 10. Art. 2

Capítulo 1 Art. 10. Art. 2 ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELA REITORIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO REGULAMENTO PREÂMBULO Considerada a pertinência de algumas atividades não diretamente financiadas pelos centros dc I&D, bem como a importância

Leia mais

EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3

EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3 EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO DO LITORAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3 Nos termos do regulamento específico Acções de Valorização

Leia mais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais Artigo 1º Enquadramento, âmbito de aplicação e objectivo

Leia mais

PROFESSOR VISITANTE ESTRANGEIRO PVE

PROFESSOR VISITANTE ESTRANGEIRO PVE 1 Do programa e objetivos PROFESSOR VISITANTE ESTRANGEIRO Edital CGCI nº 015/2007 1.1 O Programa Professor Visitante Estrangeiro, tem como objetivo incentivar a realização de visitas de média ou longa

Leia mais

BALANÇO DO ANO LECTIVO

BALANÇO DO ANO LECTIVO BALANÇO DO ANO LECTIVO 2015 www.isptec.co.ao Introdução No termo de mais um ano académico, torna-se imprescindível apresentar o Balanço do Ano Académico 2015, sempre no âmbito do cumprimento dos princípios

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. /2008

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. /2008 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. /2008 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

BASE CONCEPTUAL DO CONCURSO FOMENTO DO EMPREENDEDORISMO NOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

BASE CONCEPTUAL DO CONCURSO FOMENTO DO EMPREENDEDORISMO NOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS BASE CONCEPTUAL DO CONCURSO FOMENTO DO EMPREENDEDORISMO NOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS 1. Introdução Na sociedade do conhecimento o desenvolvimento económico é potenciado por empresas de base

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTIGO 1º (DEFINIÇÕES ) O presente Regulamento, disciplina a concessão de apoios a prestar, pelas

Leia mais

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 32 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS Nos termos do Regulamento do

Leia mais

Programa Operacional Regional do Norte ON.2

Programa Operacional Regional do Norte ON.2 Programa Operacional Regional do Norte 2007-2013 ON.2 Eixo Prioritário 2 Valorização Económica de Recursos Específicos Aviso XXX/ X /2009 Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Modelo da Memória Descritiva

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC) Objectivos Como definido no Decreto-Lei nº 74/2006, o grau de doutor é conferido aos que demonstrem: Capacidade de compreensão sistemática

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 1. Âmbito O presente Regulamento visa definir as condições de acesso e financiamento a projectos

Leia mais

EDITAL EDITAL N 01, DE 11 de Abril de 2011

EDITAL EDITAL N 01, DE 11 de Abril de 2011 EDITAL EDITAL N 01, DE 11 de Abril de 2011 PROGRAMA DE MOBILIDADE ACADÊMICA INTERNACIONAL EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO ESTRANGEIRAS CONVENIADAS COM A UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA A Reitora da Universidade

Leia mais

Aviso de Abertura das Candidaturas à Pós-Graduação em Educação Musical Madeira Funchal 3ª FASE. 18 de Julho a 26 de Agosto de 2011

Aviso de Abertura das Candidaturas à Pós-Graduação em Educação Musical Madeira Funchal 3ª FASE. 18 de Julho a 26 de Agosto de 2011 Aviso de Abertura das Candidaturas à Pós-Graduação em Educação Musical Madeira Funchal 3ª FASE 18 de Julho a 26 de Agosto de 2011 1. Introdução A presente proposta refere-se a uma pós-graduação de 60 créditos

Leia mais

Doutoramento em Economia

Doutoramento em Economia Doutoramento em Economia 2010/2011 O Programa O Programa de Doutoramento em Economia tem como objectivo central proporcionar formação que permita o acesso a actividades profissionais de elevada exigência

Leia mais

Tenho a honra de acusar a recepção da nota de V. Ex.ª de 10 de Julho de 1990, do teor seguinte:

Tenho a honra de acusar a recepção da nota de V. Ex.ª de 10 de Julho de 1990, do teor seguinte: Decreto n.º 9/91 Acordo Especial, por troca de notas, entre a República Portuguesa e a República Federal da Alemanha no âmbito do projecto «Cooperação entre Universidades e Institutos Politécnicos no Domínio

Leia mais

CONTRATO DE PARCERIA ENTRE O LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL E O INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

CONTRATO DE PARCERIA ENTRE O LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL E O INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO CONTRATO DE PARCERIA ENTRE O LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL E O INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO ENQUADRAMENTO O Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e o Instituto Superior Técnico (IST)

Leia mais

DESPACHO RT-1/2002. Por proposta do Plenário do Conselho Académico, homologo o Regulamento

DESPACHO RT-1/2002. Por proposta do Plenário do Conselho Académico, homologo o Regulamento DESPACHO RT-1/2002 Por proposta do Plenário do Conselho Académico, homologo o Regulamento Geral dos Cursos de Doutoramento da Universidade do Minho, anexo ao presente despacho. Universidade do Minho, 4

Leia mais

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS)

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) CAPÍTULO I Natureza, Fins e Atribuições Artigo 1º (Natureza, Constituição, Localização) 1. O Instituto de Psicologia

Leia mais

PROPOSTA DE. Regulamento de funcionamento da unidade curricular de Projeto Final, do 1º ciclo em Artes e Multimédia

PROPOSTA DE. Regulamento de funcionamento da unidade curricular de Projeto Final, do 1º ciclo em Artes e Multimédia PROPOSTA DE Regulamento de funcionamento da unidade curricular de Projeto Final, do 1º ciclo em Artes e Multimédia Artigo 1º Projeto Final integrado no plano curricular De acordo com o disposto no Aviso

Leia mais

Unidade Sede: Rua Marquês do Herval, 701 Centro Caxias do Sul (RS) CEP: Unidade Ana Rech: Avenida Rio Branco, 1595 Bairro Ana Rech Caxias

Unidade Sede: Rua Marquês do Herval, 701 Centro Caxias do Sul (RS) CEP: Unidade Ana Rech: Avenida Rio Branco, 1595 Bairro Ana Rech Caxias OBJETIVO: As Atividades Complementares têm por objetivos: a) desenvolver a autonomia intelectual do acadêmico, favorecendo sua participação em atividades de estudos diversificados que contribuam para a

Leia mais

Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos. I. Disposições Gerais. Artigo 1º.

Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos. I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos I. Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) 1. O presente Regulamento rege a mobilidade internacional de estudantes

Leia mais

guia concurso de ideias

guia concurso de ideias guia do concurso de ideias O Projecto LIMACRIA tem como parceiros as seguintes entidades: CEVAL - Conselho Empresarial do Vale do Lima IPVC - Instituto Politécnico de Viana do Castelo SPI - Sociedade Portuguesa

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE)

REGULAMENTO DE BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE) REGULAMENTO DE BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE) Esta acção visa promover a formação avançada em ambiente empresarial, através da cooperação entre empresas e universidades em torno de projectos

Leia mais

Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE

Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA ELECTRÓNICA INDUSTRIAL E COMPUTADORES 1 Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

DESPACHO. ASSUNTO: Regulamento de Candidatura - Programa Leonardo Da Vinci para diplomados ESTeSL

DESPACHO. ASSUNTO: Regulamento de Candidatura - Programa Leonardo Da Vinci para diplomados ESTeSL DESPACHO N.º 29/2013 Data: 2013/06/21 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente ASSUNTO: Regulamento de Candidatura - Programa Leonardo Da Vinci para diplomados ESTeSL 2012-2014. No

Leia mais

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 Sendo a transparência dos processos de candidatura e recrutamento de estudantes um dos elementos constituintes do sistema interno

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário 4 Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL Centro-VQA-2009-13-BM-13 1 Nos termos do Regulamento Específico Acções

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR. Departamento de Matemática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR. Departamento de Matemática UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Matemática Regulamento interno do 3º Ciclo de Estudos Conducentes à obtenção do Grau de Doutor em Matemática e Aplicações Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO - ESCS. Artigo 1º. Missão

REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO - ESCS. Artigo 1º. Missão REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO - ESCS Artigo 1º Missão Os grupos de investigação têm como objetivo a promoção e desenvolvimento de atividades de investigação & desenvolvimento no âmbito das áreas científicas

Leia mais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1. Disposições Gerais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1. Disposições Gerais Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais Artigo 1º Enquadramento, âmbito de aplicação e objectivo

Leia mais

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO Regulamento do Programa de Bolsas de Educação Introdução Considerando a importância e oportunidade do Programa de Responsabilidade Social do Comité Olímpico de

Leia mais

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL PREÂMBULO O programa de doutoramento organiza, estrutura e explicita o percurso dos estudantes de doutoramento

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

COMPETÊNCIAS DA DAG / RELAÇÕES INTERNACIONAIS

COMPETÊNCIAS DA DAG / RELAÇÕES INTERNACIONAIS COMPETÊNCIAS DA DAG / RELAÇÕES INTERNACIONAIS Numa Europa que se pretende aberta, competitiva e multicultural, a livre circulação de pessoas e a igualdade de oportunidades também tem de ser assegurada

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

Artigo 1º. Âmbito. a) Os titulares de um curso superior de bacharelato, licenciatura, mestrado ou doutoramento;

Artigo 1º. Âmbito. a) Os titulares de um curso superior de bacharelato, licenciatura, mestrado ou doutoramento; Regulamento do Concurso Especial de Acesso aos Cursos da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa para Titulares de Cursos Médios, Superiores e Pós-Secundários Tendo por base o

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENFERMAGEM

PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENFERMAGEM PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO 1 - Justificação As Ciências da Saúde têm registado nos últimos anos um progresso assinalável em múltiplos domínios. Este progresso assenta, em grande

Leia mais

Programa BIP/ZIP de Lisboa

Programa BIP/ZIP de Lisboa Programa BIP/ZIP de Lisboa Objectivos e âmbito O Programa BIP-ZIP Bairros e Zonas de Intervenção prioritária de Lisboa é criado pela Câmara Municipal de Lisboa, no quadro do Programa Local de Habitação

Leia mais

Departamento de Matemática Relatório de Atividades 2015

Departamento de Matemática Relatório de Atividades 2015 Departamento de Matemática Relatório de Atividades 2015 O relatório do departamento de Matemática (DM) identifica atividade em diversos domínios constantes do Plano Estratégico para o ISEG. 1. Ensino e

Leia mais

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha, constante

Leia mais

Programa "Vasco da Gama" Regulamento

Programa Vasco da Gama Regulamento Programa "Vasco da Gama" Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O programa Vasco da Gama é um programa de mobilidade de estudantes entre escolas do ensino politécnico. 2. O intercâmbio de estudantes ao abrigo

Leia mais

Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

Escola Superior de Enfermagem de Coimbra CURSO DE PÓS-LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO (Portaria nº 42/2005 de 17 de Janeiro e Portaria n.º 268/2002, de 13 de Março) Ano Lectivo 2009/2010 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA

Leia mais

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM Tecnologia, Ciência e Segurança Alimentar Artigo 1º Concessão

Leia mais

REGULAMENTO Prémio Alumni Clube ISCTE BP Portugal

REGULAMENTO Prémio Alumni Clube ISCTE BP Portugal 2016/2017 REGULAMENTO - - 1º OBJETIVO 1. O PRÉMIO ALUMNI CLUBE ISCTE BP PORTUGAL é uma iniciativa que resulta de uma colaboração entre o Alumni Clube ISCTE e a BP Portugal e tem como objetivo reconhecer

Leia mais

Doutoramento em Saúde Pública

Doutoramento em Saúde Pública Doutoramento em Saúde Pública Normas regulamentares Artigo 1.º Criação do curso A Universidade Nova de Lisboa, através da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/UNL), em cumprimento do disposto no Decreto-Lei

Leia mais

Programa CNPq / Universidade de Coimbra / Associação Grupo de Coimbra de Dirigentes de Universidades Brasileiras

Programa CNPq / Universidade de Coimbra / Associação Grupo de Coimbra de Dirigentes de Universidades Brasileiras Programa CNPq / Universidade de Coimbra / Associação Grupo de Coimbra de Dirigentes de Universidades Brasileiras Processo de Inscrição 2010 Intercâmbio de Bolsistas de Doutorado-Sanduíche com a Universidade

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DE DOUTORAMENTO

REGULAMENTO DE BOLSAS DE DOUTORAMENTO REGULAMENTO DE BOLSAS DE DOUTORAMENTO Considerando que a formação avançada e a qualificação dos recursos humanos se revestem como uma prioridade da politica cientifica e de desenvolvimento da Faculdade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI VICE-REITORIA DE ENSINO E PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL PIBIC/CNPQ-2012

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI VICE-REITORIA DE ENSINO E PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL PIBIC/CNPQ-2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI VICE-REITORIA DE ENSINO E PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL PIBIC/CNPQ-2012 A Vice-Reitoria de Ensino e Pesquisa do Centro Universitário

Leia mais

EESTÁGIO PROFISSIONAL

EESTÁGIO PROFISSIONAL CAPÍTULO I Artigo 1.º Regime aplicável 1. O presente regulamento refere-se aos procedimentos de regulação do Estágio do 1.º ano do ramo de Design, da licenciatura do Curso de Arte e Design da Escola Superior

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE DOUTOR EM CIÊNCIAS DO DESPORTO Artigo 1.º Criação 1. A Universidade da Beira

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE DOCENTES ESPECIALMENTE CONTRATADOS EM REGIME CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS

PROJECTO DE REGULAMENTO INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE DOCENTES ESPECIALMENTE CONTRATADOS EM REGIME CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS PROJECTO DE REGULAMENTO INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE DOCENTES ESPECIALMENTE CONTRATADOS EM REGIME CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento tem como objecto a definição

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AOS EVENTOS DESPORTIVOS NO ÂMBITO DO DESPORTO PARA TODOS DESPORTO PARA TODOS. Artigo 1 ENTIDADES PROMOTORAS

REGULAMENTO DE APOIO AOS EVENTOS DESPORTIVOS NO ÂMBITO DO DESPORTO PARA TODOS DESPORTO PARA TODOS. Artigo 1 ENTIDADES PROMOTORAS REGULAMENTO DE APOIO AOS EVENTOS DESPORTIVOS NO ÂMBITO DO DESPORTO PARA TODOS DESPORTO PARA TODOS A generalização da prática desportiva de recreação e lazer, como forma de promoção de estilos de vida saudáveis,

Leia mais

CHAMADA 01/2017 PROEPI/PROENS CONVITE AOS CAMPI PARA A REALIZAÇÃO DO SEPIN 2017

CHAMADA 01/2017 PROEPI/PROENS CONVITE AOS CAMPI PARA A REALIZAÇÃO DO SEPIN 2017 CHAMADA 01/2017 PROEPI/PROENS CONVITE AOS CAMPI PARA A REALIZAÇÃO DO SEPIN 2017 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná, por meio da Pró- Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação

Leia mais

EDITAL DE CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO NA UFSCAR PARA O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2017

EDITAL DE CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO NA UFSCAR PARA O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2017 EDITAL DE CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO NA UFSCAR PARA O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2017 JUSTIFICATIVA Em atenção ao art. 66 e seu parágrafo único do Estatuto Geral da Universidade Federal de São Carlos UFSCar, e

Leia mais

Regulamento do Sistema Interno de Garantia da Qualidade da Universidade da Madeira

Regulamento do Sistema Interno de Garantia da Qualidade da Universidade da Madeira Regulamento do Sistema Interno de Garantia da Qualidade da Universidade da Madeira Preâmbulo A garantia de qualidade pode descrever se como a atenção sistemática, estruturada e contínua à manutenção e

Leia mais

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE 20 BOLSAS DE DOUTORAMENTO PROGRAMA DOUTORAL EM BIOLOGIA E ECOLOGIA DAS ALTERAÇÕES GLOBAIS

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE 20 BOLSAS DE DOUTORAMENTO PROGRAMA DOUTORAL EM BIOLOGIA E ECOLOGIA DAS ALTERAÇÕES GLOBAIS CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE 20 BOLSAS DE DOUTORAMENTO PROGRAMA DOUTORAL EM BIOLOGIA E ECOLOGIA DAS ALTERAÇÕES GLOBAIS Em Fevereiro de 2011, têm início as actividades lectivas do primeiro doutoramento em

Leia mais

Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014

Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014 Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014 1. Parte 1 Objectivos, valor e designação das bolsas 1.1. O programa PARSUK Xperience pretende dar a oportunidade a alunos de licenciatura ou mestrado em Portugal

Leia mais

Concursos de Principais alterações face a João Carreira

Concursos de Principais alterações face a João Carreira Concursos de 2014 Principais alterações face a 2013 João Carreira Que novos concursos são lançados hoje? São lançados 6 concursos: 2 Concursos de 2014: Principais alterações face a 2013 TIPOLOGIAS DE PROJETO:

Leia mais

MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL ERASMUS ERASMUS PLACEMENT (SMP) INFORMAÇÕES GERAIS

MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL ERASMUS ERASMUS PLACEMENT (SMP) INFORMAÇÕES GERAIS MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL ERASMUS ERASMUS PLACEMENT (SMP) Estágios Profissionais Erasmus INFORMAÇÕES GERAIS O Erasmus dá a possibilidade aos estudantes do ensino

Leia mais

Programa de Estágios Extra-Curricular (PEEC)

Programa de Estágios Extra-Curricular (PEEC) Programa de Estágios Extra-Curricular (PEEC) Faculdade de Ciências da U.Porto Ano 2016/2017 Regulamento 2 O QUE É O PROGRAMA PEEC DA FCUP? O Programa de Estágios Extra-Curricular (PEEC) é um programa de

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito I N S T I T U T O D E E N G E N H A R I A B I O M É D I C A REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente regulamento, aprovado pela Fundação

Leia mais

Sistemas de Incentivos do QREN

Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN 1. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME 2. Sistema de Incentivos à Inovação 3. Sistema de Incentivos à Investigação

Leia mais

Programa USP/U.Porto Edital 2015

Programa USP/U.Porto Edital 2015 1. Introdução A Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade do Porto (U.Porto) Portugal celebraram um Acordo de Cooperação Internacional objetivando a cooperação acadêmica em todas as áreas do conhecimento

Leia mais

Serviço de Educação e Bolsas REGULAMENTO DE BOLSAS PARA INVESTIGAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artº 1º

Serviço de Educação e Bolsas REGULAMENTO DE BOLSAS PARA INVESTIGAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artº 1º Serviço de Educação e Bolsas REGULAMENTO DE BOLSAS PARA INVESTIGAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim principal de estimular a investigação nos vários ramos do saber, a Fundação Calouste

Leia mais

EDITAL DA PRÓ-REITORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS 01/2016

EDITAL DA PRÓ-REITORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS 01/2016 EDITAL DA PRÓ-REITORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS 01/2016 A Pró-Reitora de Relações Institucionais, no uso de suas atribuições torna público a abertura de 10 (dez) vagas, para o ano de 2017, para a candidatura

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO HERMÍNIO OMETTO UNIARARAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPESQ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE AUXÍLIO À PESQUISA

CENTRO UNIVERSITÁRIO HERMÍNIO OMETTO UNIARARAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPESQ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE AUXÍLIO À PESQUISA CENTRO UNIVERSITÁRIO HERMÍNIO OMETTO UNIARARAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPESQ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE AUXÍLIO À PESQUISA PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Artigo 1º - O Programa

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL PARA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE DE AVEIRO-PORTUGAL - UA REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA EDITAL Nº 01/2014

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL PARA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE DE AVEIRO-PORTUGAL - UA REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA EDITAL Nº 01/2014 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL PARA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE DE AVEIRO-PORTUGAL - UA REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA EDITAL Nº 01/2014 O Reitor do Centro Universitário UNA, Prof. Átila Simões

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL Síntese do Workshop Nacional sobre o Projecto de Centros de Excelência do Ensino Superior para África

Leia mais

REGULAMENTO Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos Integrados em Engenharia Mecânica

REGULAMENTO Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos Integrados em Engenharia Mecânica REGULAMENTO da Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos Integrados em Engenharia Mecânica Aprovado pela Comissão Científica de Curso Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Ano

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA. Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA. Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica A componente de formação em contexto

Leia mais

CALL FOR IDEAS REGULAMENTO. Criação do Próprio Emprego, Negócio ou Empresa. apreender.pt

CALL FOR IDEAS REGULAMENTO. Criação do Próprio Emprego, Negócio ou Empresa. apreender.pt Criação do Próprio Emprego, Negócio ou Empresa APREENDER 3.0 2º Call for Ideas Drive in do Empreendedor Criação do Próprio Emprego, Negócio ou Empresa Regulamento Artigo 1º Âmbito 1. O 2º Call for Ideas

Leia mais

Regulamento das Unidades Curriculares de Dissertação dos Mestrados Integrados Lecionadas no Departamento de Engenharia Civil

Regulamento das Unidades Curriculares de Dissertação dos Mestrados Integrados Lecionadas no Departamento de Engenharia Civil Regulamento das Unidades Curriculares de Dissertação dos Mestrados Integrados Lecionadas no Departamento de Engenharia Civil 1. Condições de Inscrição a) Os estudantes para se inscreverem à Dissertação,

Leia mais

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos.

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos. PEDIDOS DE EQUIPARAÇÃO OU EQUIVALÊNCIA AOS NOVOS PLANOS DE ESTUDO E TÍTULOS ACADÉMICOS EM TEOLOGIA E CIÊNCIAS RELIGIOSAS 1. Cursos Básicos de Teologia O Mapa em anexo ao Despacho Normativo n.º 6-A/90,

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA

PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA NOME DO CURSO Português: Formação Avançada em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química

Leia mais

l.l.ílsj DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

l.l.ílsj DE ADMINISTRAÇÃO, I.P. r» - INSTITUTO NACIONAL l.l.ílsj DE ADMINISTRAÇÃO, I.P. PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS EO INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO Considerando que o Instituto

Leia mais

Protocolo de Colaboração

Protocolo de Colaboração Protocolo de Colaboração Entre os Centros de Formação de Associação de Escolas do distrito de Coimbra e a Universidade de Coimbra Os Centros de Formação de Associação de Escolas do distrito de Coimbra,

Leia mais

IPB Instituto Politécnico de Bragança

IPB Instituto Politécnico de Bragança IPB Instituto Politécnico de Bragança Regulamento de Bolsas de Investigação Científica Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Leia mais

CONCURSOS DE 2013: Acesso das ONG aos apoios do Programa

CONCURSOS DE 2013: Acesso das ONG aos apoios do Programa CONCURSOS DE 2013: Acesso das ONG aos apoios do Programa FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Nuno Venade* Lisboa, 22 de março de 2013 Índice 1 2 3 4 5 6 Introdução Concursos Candidaturas Admissibilidade Seleção

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

O ENSINO DE ENFERMAGEM EM PORTUGAL

O ENSINO DE ENFERMAGEM EM PORTUGAL O ENSINO DE ENFERMAGEM EM PORTUGAL Missão na Universidade de Cabo Verde Praia, 9 de Abril de 2008 Maria da Conceição Bento Até 1988 Curso de Enfermagem Geral Habilitavam: Prática Clínica de Cuidados de

Leia mais

INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III

INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III Colégio de Pós Graduações Regulamento do Mestrado em Psicologia Clínica Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF) confere o grau de Mestre em Psicologia Clínica. Artigo 2º Objectivos Gerais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Assessoria de Relações Internacionais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Assessoria de Relações Internacionais EDITAL ARI nº 07 de 22 de AGOSTO de 2016 Seleção de docentes vinculados aos cursos de pós-graduação da UFPR interessados em participar do Programa ESCALA DOCENTE 2017 da Associação de Universidades do

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-DOUTORAMENTO NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Artigo 1º (âmbito)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-DOUTORAMENTO NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Artigo 1º (âmbito) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-DOUTORAMENTO NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO Preâmbulo Tem vindo a aumentar o número de candidatos, especialmente estrangeiros, que pretendem realizar estudos

Leia mais

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Instituto de Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Tecnologias e Metodologias da Programação no Ensino Básico 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

Descrição do Curso de Verão

Descrição do Curso de Verão Descrição do Curso de Verão Portugal - 1 de 7 - Introdução O BEST Board of European Students of Technology é uma associação sem fins lucrativos, políticos ou religiosos que reúne estudantes de Engenharia,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO EDITAL PROGRAD/PROPLAD Nº 01, de 05 de maio de 2014. As Pró-reitorias de Graduação (PROGRAD) e de Planejamento e Desenvolvimento (PROPLAD) no uso das atribuições que lhes conferem o Regimento Geral da

Leia mais

Enquadramento Âmbito de Aplicação Logótipo da FCT... 3

Enquadramento Âmbito de Aplicação Logótipo da FCT... 3 Normas de Informação e Publicitação de Apoios para Beneficiários (Financiamentos exclusivamente por Fundos Nacionais) índice Enquadramento... 2 Âmbito de Aplicação... 2 Logótipo da FCT... 3 Obrigações

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais. Aviso - ALG

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais. Aviso - ALG Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Aviso - ALG-36-2010-01 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Prevenção e Gestão

Leia mais

Gabinete Coordenador de 1º e 2º Ciclos do Departamento de Bioengenharia (CoordGrad-DBE) Secretariado

Gabinete Coordenador de 1º e 2º Ciclos do Departamento de Bioengenharia (CoordGrad-DBE) Secretariado DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA GUIA DO ALUNO 1. ENTIDADES COORDENADORAS Comissão Científica do Mestrado em Engenharia Biomédica Prof. João Pedro Conde (Coordenador do Mestrado em Engenharia

Leia mais

Medidas de apoio ao I&D nas Empresas. Investigação em Co-Promoção SIFIDE. Aveiro, 7 de Fevereiro 2011

Medidas de apoio ao I&D nas Empresas. Investigação em Co-Promoção SIFIDE. Aveiro, 7 de Fevereiro 2011 Medidas de apoio ao I&D nas Empresas Investigação em Co-Promoção SIFIDE Aveiro, 7 de Fevereiro 2011 Investigação em Consórcio I&D em Consórcio: Instrumento do Alargamento do Número de Empresas com Actividades

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS MEDIEVAIS INDICADORES DE PRODUTIVIDADE

INSTITUTO DE ESTUDOS MEDIEVAIS INDICADORES DE PRODUTIVIDADE INSTITUTO DE ESTUDOS MEDIEVAIS INDICADORES DE PRODUTIVIDADE INVESTIGADORES INTEGRADOS DOUTORADOS (IID) 1. PRODUÇÃO CIENTÍFICA Critérios mínimos Cada investigador integrado deve cumprir, por triénio, três

Leia mais