Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS"

Transcrição

1 Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes Flávio Lins Ricardo Vieira ONS

2 Sumário Panorama Mundial da Geração Eólica Dados Gerais da Geração Eólica no Brasil Características da Geração Eólica Operação de Usinas Eólicas Estudos de Casos das Regiões Nordeste e Sul do Brasil Controle de Carregamento Intervenções Controle de Tensão Reprogramações de Geração Previsão de Geração Eólica Conclusões 2

3 Panorama Mundial da Geração Eólica Fonte: Relatório GWEC

4 Panorama Mundial da Geração Eólica Fonte: Relatório GWEC

5 Potência Instalada de Geração Eólica no Brasil (Tipo 1, Conjunto) SIN Dados maio/16 5

6 Potência Instalada de Geração Eólica no Brasil (Tipo 1, Conjunto) 4,27% 2,69% 14,33% 7,84% 33,02% 17,94% 19,91% Rio Grande do Norte Bahia Rio Grande do Sul Ceará Piauí Pernambuco Santa Catarina 6

7 Recordes de Geração Eólica (Instantânea) Geração (MW) Data/hora FC (%) Participação na carga (%) Nordeste /06/16 às 21h56 72,00 49,00 Sul /03/16 às 20h40 86,10 12,22 SIN /06/16 23h00 64,12 8,8% Recordes de Geração Eólica (Média Diária) Geração (MW/Méd) Data FC (%) Participação na carga (%) Nordeste /06/16 61,00 47,00 Sul /06/16 76,90 11,40 SIN /06/16 55,60 8,77% 7

8 Geração Eólica como fonte de energia º SEM 15 32,86 Fator de Capacidade do SIN (%) 1º SEM 16 32,36 2º SEM 15 44,37 ANO 15 38, *2013 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez País FC (%)* China 23,7 EUA 32,1 Alemanha 18,5 Espanha 26,9 Fonte: ONS 8

9 Evolução da Capacidade Instalada Fonte: ONS 10

10 Estudos de Caso João Câmara/Riachão/Extremoz II 1600 MW Igaporã/Pindaí II 1051 MW Livramento 2 (217 MW) St Vitória Palmar (583 MW) Quinta (108 MW) 11

11 Alta Variabilidade 12

12 Alta Variabilidade 13

13 Difícil Previsibilidade 14

14 Difícil Previsibilidade 15

15 Difícil Previsibilidade 16

16 Controle de Carregamento Complexo Igaporã/Pindaí II Limite 1684 A (670 MW) Potência instalada 1050 MW 17

17 Controle de Carregamento Controle de carregamento da LT 230 kv Igaporã II/Bom Jesus da Lapa II Geração Eólica Complexo Igaporã/Pindaí II Dia 05/04/ Controle de potência Ativa nos parques eólicos :0001:3002:3003:3004:3005:3006:3007:3008:3009:3010:3011:3012:3013:3014:3015:3016:3017:3018:3019:3020:3021:3022:3023:30 18

18 Controle de Carregamento Controle de carregamento da LT 230 kv Igaporã II/Bom Jesus da Lapa II Geração Eólica Complexo Igaporã/Pindaí II Dia 06/04/ Controle de potência Ativa nos parques eólicos

19 Controle de Carregamento Controle de carregamento dos transformadores 230/138 kv da SE Quinta 100 Geração Conjunto Eólico Quinta e Carregamento TR 230/138 kv Quinta Potência instalada de geração eólica: 108 MW SE 230/138 kv Quinta com 2 transformadores 50 MVA cada :00 2:00 4:00 6:00 8:00 10:00 12:00 14:00 16:00 18:00 20:00 22:00 Geração Conjunto Quinta 138 kv Carregameto TR 1 230/138 kv Quinta 20

20 Controle de Intervenções Complexo João Câmara/Riachão/Extremoz II Potência Instalada 1600 MW Linha monitorada. Lim=740 MW Linha sob intervenção: LT 500 kv Ceará Mirim II / Campina Grande III 21

21 Controle de Intervenções Recomendação da intervenção: De forma a evitar sobrecarga na LT 230 kv Extremoz II / Natal III, limitar a geração eólica conforme segue. (Esses valores máximos de geração equivalem a 63% das potências instaladas) SE João Câmara II: CGE Morro dos Ventos: 92 MW; CGE Modelo: 35 MW; CGE Santa Clara: 118 MW; CGE Caiçara, Potiguares, União dos Ventos: 107 MW 11 (onze) Agentes de Geração Eólica, ao todo. SE Extremoz II: CGE Riachão: 92 MW SE João Câmara III: CGE Asa Branca IV, V, VI, VII, VIII: 100 MW; CGE Boa Vista, Olho dágua, São Bento, Farol: 59 MW; CGE Eurus IV, Asa Branca I, II, III, Ventos de Santo Uriel, Santa Maria e Santa Helena: 116 MW; CGE Ventos de São Miguel, Renascença I, II, III, IV: 94 MW; CGE Morro dos Ventos II, Eurus I, III: 56 MW; CGE Campo dos Ventos II, Macacos, Costa Branca, Pedra Preta, Juremas: 68 MW; CGE Eurus II, Renascença V: 38 MW. 22

22 00:00 00:30 01:30 02:00 02:30 03:00 03:30 04:00 04:30 05:00 05:30 06:00 06:30 07:00 07:30 08:00 08:30 09:00 09:30 10:00 10:30 11:00 11:30 12:00 12:30 13:00 13:30 14:00 14:30 15:00 15:30 16:00 16:30 17:00 17:30 18:00 18:30 19:00 19:30 20:00 20:30 21:00 21:30 22:00 22:30 23:00 23:30 00:00 Controle de Intervenções Liberação de Equipamentos (Ex.: ATR 500/230 kv 300 MVA Bom Jesus da Lapa II) Geração Eólica Complexo Igaporã/Pindaí II Intervenção com restrição de geração Intervenção sem restrição de geração Dia 26/04/15 Dia 06/04/16 23

23 Controle de Tensão Mvar Conjunto Eólico Livramento - 13/03/2016 (Domingo) 0 0:00 2:00 4:00 6:00 8:00 10:00 12:00 14:00 16:00 18:00 20:00 22: Potência instalada de 217,2 MW

24 Controle de Tensão Mvar Conjunto Eólico Santa Vitória do Palmar - 02/01/ :00 2:00 4:00 6:00 8:00 10:00 12:00 14:00 16:00 18:00 20:00 22: Potência instalada de 583 MW

25 Influência da Geração Eólica no Recebimento NE Condições de Contorno atuais Despacho de Usinas Térmicas (~ 1600 MW) Limitação da geração hidráulica - Vazão mínima de 800 m3/s no Rio São Francisco (~ 2200 MW) 26

26 Influência da Geração Eólica no Recebimento NE RNE x Total Eólica NE Dia 28/08/ MW (exportação) Total Eólica NE RNE RNE x Total Eólica NE Dia 14/01/ MW Total Eólica NE RNE 27

27 Influência da Geração Eólica no Recebimento NE Dia 07/04/ MW Total de Eólica verificado Total de Eólica Previsto 650 MW Projeção 12:30 Dia 07/04/16 Projeção 01:30 RNE verificado RNE previsto Projeção do RNE 28

28 Previsão de Geração Eólica 29

29 Conclusões A energia eólica tem sido uma das principais fontes para o Sistema Dia Interligado 07/04/16 Nacional, principalmente para a Região Nordeste. Dependendo do período de carga, há envio de excedentes de energia para as demais Regiões do País. Como fonte de potência, requer ações rápidas de controle, devido à forte variabilidade. Portanto, destaca-se a importância da efetiva implantação dos controles adequados de potência ativa e reativa nos aerogeradores (segurança operativa). A grande quantidade de interlocutores é um fator a ser considerado no controle acima. Maior foco na reserva de potência, devido aos desvios de previsão de geração eólica. Necessidade de continuar aprimorando a previsão de geração eólica, tanto no médio quanto no curtíssimo prazo. 30

30 Obrigado!

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Flávio Guimarães Lins Gerente de Pré-operação e Tempo Real do ONS/COSR-NE Natal-RN, 27 de junho de 2017 Sumário Os Centros de

Leia mais

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Flávio Guimarães Lins Gerente de Pré-operação e Tempo Real do ONS/COSR-NE Natal-RN, 27 de junho de 2017 Sumário Os Centros de

Leia mais

Utilização de um Sistema Gestor de Previsões de Geração Eólica na Operação em Tempo Real. Flávio Lins

Utilização de um Sistema Gestor de Previsões de Geração Eólica na Operação em Tempo Real. Flávio Lins Utilização de um Sistema Gestor de Previsões de Geração Eólica na Operação em Tempo Real Flávio Lins Sumário Panorama da Geração Eólica no Mundo Geração Eólica no Brasil Características da Geração Eólica

Leia mais

Boletim Mensal de Geração Eólica Julho/2015

Boletim Mensal de Geração Eólica Julho/2015 Julho/215 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Centro Nacional de Operação do Sistema CNOS Gerência Executiva de Pós-Operação, Análise e Estatística da Operação GOA Gerência

Leia mais

Boletim Mensal de Geração Eólica Julho/2016

Boletim Mensal de Geração Eólica Julho/2016 Julho/216 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Centro Nacional de Operação do Sistema CNOS Gerência Executiva de Pós-Operação, Análise e Estatística da Operação GOA Gerência

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE FONTES RENOVÁVEIS NÃO DESPACHÁVEIS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL ALESSANDRA MACIEL - ONS

INTEGRAÇÃO DE FONTES RENOVÁVEIS NÃO DESPACHÁVEIS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL ALESSANDRA MACIEL - ONS INTEGRAÇÃO DE FONTES RENOVÁVEIS NÃO DESPACHÁVEIS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL ALESSANDRA MACIEL - ONS Sumário Evolução da capacidade instalada e expansão prevista Geração, fator de capacidade e recordes

Leia mais

Da teoria à prática: a operação real da fonte solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira

Da teoria à prática: a operação real da fonte solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira Da teoria à prática: a operação real da fonte solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira Dr. Sinval Zaidan Gama Diretor de Operação - ONS Rio de Janeiro, 12 de junho 2018 A Matriz de Energia Elétrica

Leia mais

Energia Eólica Segurança na oferta de energia

Energia Eólica Segurança na oferta de energia Energia Eólica Segurança na oferta de energia Elbia Gannoum Março, 2016 Trajetória Mundial (Capacidade Instalada Acumulada) -------------------- Ranking Mundial 2015 -------------------- 1º 2º 3º 4º 5º

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Boletim Mensal de Geração Eólica Dezembro/2014

Boletim Mensal de Geração Eólica Dezembro/2014 Dezembro/214 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Centro Nacional de Operação do Sistema CNOS Gerência Executiva de Pós-Operação, Análise e Estatística da Operação GOA

Leia mais

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos Pablo Motta Ribeiro Neoenergia Plácido Nieto Ostos Iberdrola Hugo Nunes Neoenergia José Eduardo Tanure Neoenergia 1 2 Mudança de Paradigma no Brasil

Leia mais

SETOR ENERGÉTICO NO RN

SETOR ENERGÉTICO NO RN SETOR ENERGÉTICO NO RN 17/10/2013 Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico - SEDEC CENÁRIO ATÉ 2009 Estado eminentemente importador da energia elétrica demandada; Sistema de transmissão limitado

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

O Avanço da Energia Eólica e os Desafios dos Centros de Operação do Sistema

O Avanço da Energia Eólica e os Desafios dos Centros de Operação do Sistema Brazil Windpower 2018 O Avanço da Energia Eólica e os Desafios dos Centros de Operação do Sistema Sinval Gama Diretor de Operação Rio de Janeiro, 08 de agosto de 2018 O Operador Nacional do Sistema Elétrico

Leia mais

Energia Eólica Setembro 2016

Energia Eólica Setembro 2016 Energia Eólica Setembro 2016 2 3 4 12 ton. / pá BRASIL: 5.432 aerogeradores construídos 5 Associados 6 Panorama do Setor Eólico Trajetória Mundial (Capacidade Instalada Acumulada) --------------------

Leia mais

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários Juliana Chade Agenda Cenário atual Preços Afluências Reservatórios Consumo de energia elétrica Meteorologia/Clima Expansão da Oferta Projeções de PLD 2 Agenda

Leia mais

Panorama Mensal do Setor Elétrico

Panorama Mensal do Setor Elétrico Janeiro 19 Análise Estrutural e Conjuntural da Operação Física e Comercial do Setor Elétrico Brasileiro Histórico dos Níveis dos Reservatórios SIN Histórico dos Níveis dos Reservatórios por Submercado

Leia mais

A ENERGIA EÓLICA NO BRASIL 1º. Congresso Brasileiro de Geração Distribuída e Energias Renováveis Agosto de 2009

A ENERGIA EÓLICA NO BRASIL 1º. Congresso Brasileiro de Geração Distribuída e Energias Renováveis Agosto de 2009 A ENERGIA EÓLICA NO BRASIL 1º. Congresso Brasileiro de Geração Distribuída e Energias Renováveis Agosto de 2009 Regina Araújo Desenvolvimento de Negócios Energia Eólica no Mundo 2 PRINCIPAIS MERCADOS DA

Leia mais

REDUÇÃO NAS VAZÕES NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO em 2014 e 2015

REDUÇÃO NAS VAZÕES NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO em 2014 e 2015 REDUÇÃO NAS VAZÕES NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO em 2014 e 2015 Reunião Plenária Ordinária Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco 1 09/dezembro/2015 Salvador/BA Características do Sistema de

Leia mais

Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos. Francisco José Arteiro de Oliveira Diretoria de Planejamento e Programação da Operação

Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos. Francisco José Arteiro de Oliveira Diretoria de Planejamento e Programação da Operação Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos Francisco José Arteiro de Oliveira Diretoria de Planejamento e Programação da Operação 1 Rio de Janeiro, 20 de maio de 2016 Condições Hidroenergéticas SE/CO

Leia mais

A Energia na Cidade do Futuro

A Energia na Cidade do Futuro Ministério de Minas e Energia A Energia na Cidade do Futuro 2º Workshop Perspectivas da Matriz Elétrica Brasileira I Participação das Fontes Renováveis e Alternativas Campinas, 07 de junho de 2013 José

Leia mais

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Abril/2018

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Abril/2018 Abril/218 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Gerência de Pós-Operação do CNOS e COSR-NCO NCP 218/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização.

Leia mais

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Janeiro/2018

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Janeiro/2018 Janeiro/218 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Gerência de Pós-Operação do CNOS e COSR-NCO NCP 218/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem

Leia mais

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Julho/2018

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Julho/2018 Julho/218 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Gerência de Pós-Operação do CNOS e COSR-NCO NCP 218/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização.

Leia mais

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Maio/2018

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Maio/2018 Maio/218 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Gerência de Pós-Operação do CNOS e COSR-NCO NCP 218/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização.

Leia mais

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Junho/2018

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Junho/2018 Junho/218 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Gerência de Pós-Operação do CNOS e COSR-NCO NCP 218/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização.

Leia mais

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Setembro/2018

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Setembro/2018 Setembro/218 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Gerência de Pós-Operação do CNOS e COSR-NCO NCP 218/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem

Leia mais

DELEGACIA REGIONAL TRIBUTÁRIA DE

DELEGACIA REGIONAL TRIBUTÁRIA DE Fatores válidos para recolhimento em 01/08/2016 JANEIRO 3,3714 3,2396 3,0166 2,8566 2,6932 2,5122 2,3076 2,1551 1,9790 1,8411 1,7203 1,5947 FEVEREIRO 3,3614 3,2158 3,0021 2,8464 2,6807 2,4939 2,2968 2,1429

Leia mais

XXIII SNPTEE. Sessão Técnica de Abertura SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO: CRESCIMENTO - DESAFIOS

XXIII SNPTEE. Sessão Técnica de Abertura SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO: CRESCIMENTO - DESAFIOS XXIII SNPTEE Sessão Técnica de Abertura SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO: CRESCIMENTO - DESAFIOS Cenários/Desafios a curto e médio prazos para a operação do SIN Hermes J. Chipp Diretor Geral Foz do Iguaçu, 19/10/2015

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

Manual de Procedimentos da Operação

Manual de Procedimentos da Operação Manual de Procedimentos da Operação Módulo 10 - Submódulo 10.20 Ajustamento Operativo Operação do Conjunto Eólico União dos Ventos Código Revisão Item Vigência AO-CE.NE.UVT 04 5.2.2. 12/01/2018 MOTIVO

Leia mais

A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO

A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 1 A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Angela C. S. L. Guimarães Pedro Bezerra Companhia Hidro Elétrica do São Francisco - Chesf 2 PROPOSTA DO TRABALHO MOTIVAÇÃO

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-46/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-46/12 JANEIRO 2,7899 2,6581 2,4351 2,2751 2,1117 1,9307 1,7261 1,5736 1,3975 1,2596 1,1388 1,0132 FEVEREIRO 2,7799 2,6343 2,4206 2,2649 2,0992 1,9124 1,7153 1,5614 1,3860 1,2496 1,1288 1,0032 MARÇO 2,7699 2,6010

Leia mais

GDOC INTERESSADO CPF/CNPJ PLACA

GDOC INTERESSADO CPF/CNPJ PLACA Fatores válidos para recolhimento em 01/02/2017 JANEIRO 3,4634 3,3316 3,1086 2,9486 2,7852 2,6042 2,3996 2,2471 2,0710 1,9331 1,8123 1,6867 FEVEREIRO 3,4534 3,3078 3,0941 2,9384 2,7727 2,5859 2,3888 2,2349

Leia mais

Desafios dos Centros de Operação do Sistema

Desafios dos Centros de Operação do Sistema 10º Fórum Nacional Eólico Desafios dos Centros de Operação do Sistema Sinval Gama Diretor de Operação Natal, 26 de julho de 2018 O Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Garantir o Suprimento de energia

Leia mais

3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016

3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016 3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016 Panorama político-econômico para a geração de energia eólica e perspectivas ambientais para o setor Saulo Cisneiros

Leia mais

Avaliação do Atendimento Energético 2007 / 2011

Avaliação do Atendimento Energético 2007 / 2011 Avaliação do Atendimento Energético 2007 / 2011 Reunião ABRAGE Brasília 30 de agosto de 2007 Hermes J. Chipp Diretor Geral 2 Estrutura da Apresentação 1. Objetivo 2. Sistemática de Avaliação 3. Atendimento

Leia mais

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Outubro/2018

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Outubro/2018 Outubro/218 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Gerência de Pós-Operação do CNOS e COSR-NCO NCP 218/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem

Leia mais

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Dezembro/2018

Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Dezembro/2018 Dezembro/218 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Gerência de Pós-Operação do CNOS e COSR-NCO NCP 218/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem

Leia mais

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 2008/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT 038/2009 REVISÃO DA CURVA BIANUAL

Leia mais

Energia Eólica Agosto / 2016

Energia Eólica Agosto / 2016 Energia Eólica Agosto / 2016 ABEEólica: Quem somos? A ABEEólica Associação Brasileira de Energia Eólica, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, fundada em 2002, congrega, em todo o Brasil,

Leia mais

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc REVISÃO 1 2003/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 156/2003 REVISÃO 1 P:\Meus documentos\nota Técnica\NT 156-2004 REVISÃO 1.doc !"# $%!#&'(# #$)*+,-+-)#-$&.',-+

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Energia Eólica Sandro Yamamoto Maio, 2016

Energia Eólica Sandro Yamamoto Maio, 2016 Energia Eólica Sandro Yamamoto Maio, 2016 Associados 2 Trajetória Mundial (Capacidade Instalada Acumulada) -------------------- Ranking Mundial 2015 -------------------- 1º 2º 3º 4º 5º China 145,10 EUA

Leia mais

Nº 003 Março/ Nº de usinas

Nº 003 Março/ Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 399.473,26 422.403,60 501.033,08 371.050,32 437.918,87 2.131.879,13 Valor

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL AGO.2012

INFORMATIVO MENSAL AGO.2012 Preço de Liquidação das Diferenças PLD Médio AGO/212 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 16, 6 14, 12, 5 1, 8, 6, 4, 2, 4 3 2 1, MÉDIA SEMANA 1 1/ a 3/ NORTE SEMANA 2 4/ a 1/ SEMANA 3 11/ a 17/ SEMANA 4 18/

Leia mais

A implantação do preço horário Visão do ONS

A implantação do preço horário Visão do ONS Workshop Preços Horários A implantação do preço horário Visão do ONS Brasília, 01 de agosto de 2018 Desafios das Energias Renováveis Motivação: Aspectos Operativos Perda da capacidade de regularização

Leia mais

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas Nº de usinas www.cceorg.br Nº 008 Agosto/2014 0 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia

Leia mais

- Valor - Fob ( Us$/Mil ) - Preço Médio ( Us$/Ton ) OUTROS

- Valor - Fob ( Us$/Mil ) - Preço Médio ( Us$/Ton ) OUTROS BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2018 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 618.931,34 618.931,34 Valor Fob ( Us$/Mil ) 115.218,56 115.218,56 Preço

Leia mais

O Mercado Livre de Energia Elétrica

O Mercado Livre de Energia Elétrica O Mercado Livre de Energia Elétrica Conjuntura atual do setor elétrico, seus impactos na indústria e perspectivas futuras. Campetro Energy Novembro de 2015 Sumário 1. Institucional Grupo Votorantim e Votorantim

Leia mais

Garantia do Atendimento do SIN Visões de Curto ( ) e Médio Prazos ( )

Garantia do Atendimento do SIN Visões de Curto ( ) e Médio Prazos ( ) Garantia do Atendimento do SIN Visões de Curto (2015-2016) e Médio Prazos (2017-2019) Hermes Chipp Diretor Geral FGV 1 Rio de Janeiro, 17/08/2015 Condições Hidroenergéticas de 2010 a 2015 2010 2011 2012

Leia mais

ACOMPANHAMENTO MENSAL DA GERAÇÃO DE ENERGIA DAS USINAS EOLIELÉTRICAS COM PROGRAMAÇÃO E DESPACHO CENTRALIZADOS PELO ONS SETEMBRO / 2013

ACOMPANHAMENTO MENSAL DA GERAÇÃO DE ENERGIA DAS USINAS EOLIELÉTRICAS COM PROGRAMAÇÃO E DESPACHO CENTRALIZADOS PELO ONS SETEMBRO / 2013 ACOMPANHAMENTO MENSAL DA GERAÇÃO DE ENERGIA DAS USINAS EOLIELÉTRICAS COM PROGRAMAÇÃO E DESPACHO CENTRALIZADOS PELO ONS SETEMBRO / 213 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP

Leia mais

Dados do Sistema Elétrico Brasileiro

Dados do Sistema Elétrico Brasileiro Dados do Sistema Elétrico Brasileiro Sistema Interligado de Transmissão Dimensão do Sistema (Sistema Integrado Nacional) Horizonte 2016 Tensão kv 4.000 4.000 km km 2014 230 52.449,8 345 10.303,2 440 6.728,2

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Março de 2014 1 Conjuntura do Sistema 2 Recordes de demanda mensal de energia elétrica... Fev/14 68.500 61.106

Leia mais

UMA EMPRESA FORTE EM ENERGIA. Energy Expo Fórum. Estratégias Vencedoras na Compra de Energia no Mercado Livre

UMA EMPRESA FORTE EM ENERGIA. Energy Expo Fórum. Estratégias Vencedoras na Compra de Energia no Mercado Livre UMA EMPRESA FORTE EM ENERGIA Energy Expo Fórum Estratégias Vencedoras na Compra de Energia no Mercado Livre Uma Empresa Forte em Energia 24 Usinas em Operação e 5 em Construção R$ 1,4 bilhão de investimentos

Leia mais

O ATENDIMENTO ENERGÉTICO º ENASE

O ATENDIMENTO ENERGÉTICO º ENASE O ATENDIMENTO ENERGÉTICO 27-211 4º ENASE São Paulo, 12 / 9 / 27 Hermes J. Chipp 2 Estrutura da Apresentação 1. Contextualização das Incertezas - Providências 2. Atendimento 27/211 PEN 27 2.1 Atendimento

Leia mais

Complexo Eólico Fortim. Licitação de Fornecimento de Aerogeradores. Audiência Pública

Complexo Eólico Fortim. Licitação de Fornecimento de Aerogeradores. Audiência Pública Licitação de Fornecimento de Aerogeradores Audiência Pública 26 de Junho de 2017 Sociedades de Propósito Específico SPEs SPE Energia dos Ventos V Energia dos Ventos VI Energia dos Ventos VII Energia dos

Leia mais

Energia Eólica Junho / 2016

Energia Eólica Junho / 2016 Energia Eólica Junho / 2016 ABEEólica: Quem somos? A ABEEólica Associação Brasileira de Energia Eólica, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, fundada em 2002, congrega, em todo o Brasil,

Leia mais

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14 31-jan-14 a - Juros 6.691.919,50 a - Juros 1.672.979,81 b - Amortização 3.757.333,97 b - Amortização 939.333,65 a - Saldo atual dos CRI Seniors (984.936.461,48) b - Saldo atual dos CRI Junior (246.234.105,79)

Leia mais

42,6 42,0 43,0 40,0 40,3 29,0 30,1 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4 23,1 20,5

42,6 42,0 43,0 40,0 40,3 29,0 30,1 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4 23,1 20,5 % Armazenamento 1.1 ARMAZENAMENTO HISTÓRICO DO SISTEMA INTEGRADO NACIONAL 100 60 40 20 56,8 55,7 54,8 53,5 50,2 42,3 42,9 38,5 40,4 42,6 42,0 43,0 40,0 34,9 37,0 38,1 40,3 34,4 35,7 29,0 30,1 32,3 23,4

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL OUT.2012

INFORMATIVO MENSAL OUT.2012 R$/MWh R$/MWh R$/MWh INFORMATIVO MENSAL OUT.212 Preço de Liquidação das Diferenças PLD Médio OUT/212 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 4, 6 35, 3, 5 25, 2, 15, 1, 5, 4 3 2 1, MÉDIA SEMANA 1 1/ a 5/ NORTE

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL NOV.2012

INFORMATIVO MENSAL NOV.2012 Preço de Liquidação das Diferenças PLD Médio NOV/212 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 5, 6 45, 4, 5 35, 3, 25, 2, 15, 1, 5, 4 3 2 1, MÉDIA SEMANA 1 1/ a 2/ NORTE SEMANA 2 3/ a 9/ SEMANA 3 1/ a 16/ SEMANA

Leia mais

Hudson Souza Gerente de Operação e Manutenção

Hudson Souza Gerente de Operação e Manutenção Hudson Souza Gerente de Operação e Manutenção Atlantic Energias Renováveis Nasceu em 2009 com a missão de gerar energia renovável com responsabilidade socioambiental e alto grau de investimento em qualidade

Leia mais

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Junho 2016 Agenda 1. CPFL Renováveis 2 Energia renovável Potencial a ser explorado

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2018 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2018 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2018 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 618.931,34 410.212,09 455.952,50 656.360,91 374.803,98 492.235,91 540.100,50

Leia mais

Esta mensagem substitui a MOP/ONS 379-S/2018 e altera a IO-ON.NNE e IO-OC.NNE

Esta mensagem substitui a MOP/ONS 379-S/2018 e altera a IO-ON.NNE e IO-OC.NNE . Esta mensagem substitui a 379-S/2018 e altera a IO-ON.NNE e IO-OC.NNE 1. OBJETIVO Melhoria de texto e inclusão de limites de RNE em 3 contingências. 2. ALTERAÇÕES 2.1.SUBSTITUIR O ITEM 5.1 DA IO-ON.NNE

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL AGO.2013

INFORMATIVO MENSAL AGO.2013 JAN SET OUT NOV DEZ JAN SET OUT NOV DEZ JAN Preço de Liquidação das Diferenças 3, PLD Médio /213 6 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 25, 5 2, 15, 1, 4 3 2 5,, MÉDIA SEMANA 1 27/ a 2/ NORTE SEMANA 2 3/ a 9/

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL MAR.2012

INFORMATIVO MENSAL MAR.2012 R$/MWh R$/MWh R$/MWh Preço de Liquidação das Diferenças PLD Médio MAR/212 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 2, 6 18, 16, 5 14, 12, 1, 8, 6, 4, 2, 4 3 2 1, MÉDIA SEMANA 1 1/ a 2/ NORTE SEMANA 2 3/ a 9/ SEMANA

Leia mais

Info PLD. Outubro de 2013

Info PLD. Outubro de 2013 Info PLD Outubro de 2013 Objetivo do encontro Discutir tecnicamente as informações relacionadas ao PLD e publicadas no boletim; Tratar da adequabilidade dos dados, procedimentos e resultados da cadeia

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO TÉCNICO ENERGIA ELÉTRICA RELATÓRIO TÉCNICO ENERGIA ELÉTRICA Dezembro 2018 Sumário Executivo O presente relatório elaborado pela equipe da ABRACE - Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores

Leia mais

BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2018 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 618.931,34 410.212,09 455.952,50 656.360,91 374.803,98 492.235,91 540.100,50

Leia mais

Desafios da Operação, em Tempo Real, do Sistema Elétrico Brasileiro com a Inserção da Geração Eólica

Desafios da Operação, em Tempo Real, do Sistema Elétrico Brasileiro com a Inserção da Geração Eólica SP41 XIV SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL AND EXPANSION PLANNING Desafios da Operação, em Tempo Real, do Sistema Elétrico Brasileiro com a Inserção da Geração Eólica Lins F. G., Lima F.H.A.,

Leia mais

Política Energética e Indústria. Cláudio Monteiro

Política Energética e Indústria. Cláudio Monteiro Política Energética e Indústria Cláudio Monteiro FEUP / INESC Porto Previsão, Eficiência Energética, Energética Energias Renováveis Energia, situação actual Produção Mensal (GWh) PRE Eólico Fio Água SEP

Leia mais

Fontes renováveis e smart grid

Fontes renováveis e smart grid Fontes renováveis e smart grid 2º Seminário sobre a Inserção de novas fontes renováveis no Planejamento Energético Nacional Mario Daher Gerente Executivo - ONS COPPE-UFRJ Rio de Janeiro, 30/04/2014 1 As

Leia mais

Manual de Procedimentos da Operação

Manual de Procedimentos da Operação Manual de Procedimentos da Operação Módulo 10 - Submódulo 10.20 Ajustamento Operativo Operação do Conjunto Eólico Babilônia Código Revisão Item Vigência AO-CE.NE.BAB 00 5.2.5. 10/11/2018. MOTIVO DA REVISÃO

Leia mais

FEVEREIRO RV0 1ª Semana

FEVEREIRO RV0 1ª Semana FEVEREIRO 2016 RV0 1ª Semana Sumário INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES INICIAIS... 3 1 - Nível dos reservatórios... 3 2 - Expansão da oferta hidrotérmica (MW)... 4 ANÁLISE DAS CONDIÇÕES HIDROMETEREOLÓGICAS...

Leia mais

Desenvolvimento da Indústria Eólica no Brasil Necessidades e Oportunidades de Investimentos

Desenvolvimento da Indústria Eólica no Brasil Necessidades e Oportunidades de Investimentos Desenvolvimento da Indústria Eólica no Brasil Necessidades e Oportunidades de Investimentos 17 Julho de 2017 Associados 2 Data: junho/2016 Contexto Mundial Trajetória Mundial (Capacidade Instalada Acumulada)

Leia mais

ANÁLISE DO IMPACTO DO ATRASO DAS OBRAS DA ABENGOA E PRIORIZAÇÃO DE OBRAS

ANÁLISE DO IMPACTO DO ATRASO DAS OBRAS DA ABENGOA E PRIORIZAÇÃO DE OBRAS ANÁLISE DO IMPACTO DO ATRASO DAS OBRAS DA ABENGOA E PRIORIZAÇÃO DE OBRAS Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 - Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3444-9400 Fax

Leia mais

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para 2015 Hermes Chipp Diretor Geral FGV Rio de Janeiro, 02/06/2014 1 Visão de Curto Prazo Avaliação das Condições Meteorológicas

Leia mais

A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira

A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira V Seminário de Geração e Desenvolvimento Sustentável Fundación MAPFRE Prof. Nivalde José de Castro Prof. Sidnei

Leia mais

III Seminário sobre a Matriz e Segurança Energética FGV / IBRE / CERI

III Seminário sobre a Matriz e Segurança Energética FGV / IBRE / CERI III Seminário sobre a Matriz e Segurança Energética FGV / IBRE / CERI Painel I O cenário político: Posição do Governo e Planejamento Energético Desafios e Cenários da Operação do SIN Hermes Chipp Diretor

Leia mais

Info PLD. Julho de 2014

Info PLD. Julho de 2014 Info PLD Julho de 2014 Objetivo do encontro Discutir tecnicamente as informações relacionadas ao PLD e publicadas no boletim; Tratar da adequabilidade dos dados, procedimentos e resultados da cadeia de

Leia mais

MARÇO RV0 1ª Semana

MARÇO RV0 1ª Semana MARÇO 2016 RV0 1ª Semana Sumário INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES INICIAIS... 3 1 - Nível dos reservatórios... 3 2 - Expansão da oferta hidrotérmica (MW)... 4 ANÁLISE DAS CONDIÇÕES HIDROMETEREOLÓGICAS... 5 1

Leia mais

ANEXO VII Encargos de Conexão (em R$) referente ao custeio das ICG e IEG.

ANEXO VII Encargos de Conexão (em R$) referente ao custeio das ICG e IEG. ANEXO VII Encargos de Conexão (em R$) referente ao custeio das ICG e IEG. ENCARGOS ANUAIS DE CONEXÃO, PARA O CICLO 2018-2019, ASSOCIADOS ÀS INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO DE INTERESSE EXCLUSIVO DE CENTRAIS

Leia mais

42,6 42,0 43,0 40,0 40,3 29,0 30,1 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4 23,1 20,5

42,6 42,0 43,0 40,0 40,3 29,0 30,1 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4 23,1 20,5 % Armazenamento AGO RV1 1.1 ARMAZENAMENTO HISTÓRICO DO SISTEMA INTEGRADO NACIONAL 100 80 60 40 20 56,8 55,7 54,8 53,5 50,2 49,5 42,3 42,9 38,5 40,4 42,6 42,0 43,0 40,0 34,9 37,0 38,1 40,3 34,4 35,7 29,0

Leia mais

A Previsão de Geração Solar Fotovoltaica

A Previsão de Geração Solar Fotovoltaica A Previsão de Geração Solar Fotovoltaica Contextualização Primeiro Workshop de Geração Solar Fotovoltaica ONS Rio de janeiro 11 de junho de 2018 Mario Daher 1 A Nossa Matriz de Energia Elétrica Hoje Potencial

Leia mais

Submódulo 5.1. Consolidação da previsão de carga: visão geral

Submódulo 5.1. Consolidação da previsão de carga: visão geral Submódulo 5.1 Consolidação da previsão de carga: visão geral Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de 25 de agosto de 2009. Versão decorrente da Audiência

Leia mais

Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais

Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais III Seminário "Estratégias para Conservação de Peixes em Minas Gerais 5 anos do Programa Peixe Vivo Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais Prof. Nivalde J. de

Leia mais

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Sessão IV: A Bacia do rio São Francisco. Origem das Águas. Regime Fluvial. Disponibilidades. Risco de Mudanças CGEE / ANA Brasília Agosto de 2008 Giovanni

Leia mais

A matriz elétrica nacional e a finalidade do Mecanismo de Realocação de Energia - MRE

A matriz elétrica nacional e a finalidade do Mecanismo de Realocação de Energia - MRE A matriz elétrica nacional e a finalidade do Mecanismo de Realocação de Energia - MRE São Paulo 24 de outubro de 2017 Angela Livino Assessora da Presidência Temário A matriz elétrica brasileira evolução

Leia mais

Info PLD. Fevereiro de 2014

Info PLD. Fevereiro de 2014 Info PLD Fevereiro de 2014 Objetivo do encontro Discutir tecnicamente as informações relacionadas ao PLD e publicadas no boletim; Tratar da adequabilidade dos dados, procedimentos e resultados da cadeia

Leia mais

Resultados 3T17. Novembro, 2017

Resultados 3T17. Novembro, 2017 Resultados 3T17 Novembro, 2017 Destaques 3T17 ESTRATÉGIA DE COMERCIALIZAÇÃO Nível de contratação do ano de 2017 reduzido de 88% para 79% R$ 130 milhões de custos evitados com a estratégia de mitigação

Leia mais

AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE. Felipe Barroso

AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE. Felipe Barroso AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE Felipe Barroso AGENDA CARACTERÍSTICAS DO MERCADO LIVRE ESPECIAL MONITORAMENTO DAS VARIÁVEIS DE FORMAÇÃO DOS PREÇOS APETITE AO RISCO EXPECTATIVA DE PREÇOS

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março 2017 Semana Operativa de 25/03/2017 a 31/03/2017

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março 2017 Semana Operativa de 25/03/2017 a 31/03/2017 Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março 2017 Semana Operativa de 25/03/2017 a 31/03/2017 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL JUL.2011

INFORMATIVO MENSAL JUL.2011 R$/MWh R$/MWh R$/MWh Preço de Liquidação das Diferenças 35, PLD Médio MAI/211 JUL/211 5 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 3, 25, 4 2, 15, 1, 5,, NORTE MÉDIA SEMANA 1 1 SEMANA SEMANA 2 2 SEMANA 3SEMANA 3SEMANA

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Setembro 2015 Semana Operativa de 19/09/2015 a 25/09/2015

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Setembro 2015 Semana Operativa de 19/09/2015 a 25/09/2015 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Setembro 2015 Semana Operativa de 19/09/2015 a 25/09/2015 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de 12 a 18/09/2015, ocorreu chuva fraca a moderada

Leia mais