Medida Cheque-Formação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Medida Cheque-Formação"

Transcrição

1 Medida Cheque-Formação Sofia David CTCV Coimbra 15/10/2015 1

2 O CTCV como entidade Formadora: Desígnios Apoiar as empresas no Desenvolvimento de Projetos que conduzam ao desenvolvimento de competências e consequente aumento de desempenho Conceber Ferramentas de Gestão que promovam o Potencial Humano Encontrar e Adaptar Soluções Formativas para as reais necessidades das empresas Estabelecer Parcerias que acrescentem valor aos serviços de formação do CTCV Conceber e desenvolver Cursos de Elevada Qualidade Técnica e Pedagógica 2

3 O CTCV como entidade Formadora O CTCV, pela sua natureza jurídica e âmbito de atuação, não carece de requerer a certificação como entidade formadora (isenção atribuída em NOVEMBRO 2012) Adicionalmente, o CTCV está certificado pela NP 4512 para a Gestão da Formação (desde Jan/2014). Parcerias (formais e informais) CERTIF ACT IEFP Diversas Associações Empresariais Universidades e outras entidades do SCT 3

4 O CTCV como entidade Formadora: o que fazemos Diagnóstico de necessidades de formação Elaboração de projetos de formação Formação intraempresas Oferta de formação de especialidade Sistemas de gestão da formação e certificação de empresas Auditorias da formação Elaboração de candidaturas a projetos de formação Balanços de competências Avaliações de desempenho dos colaboradores nas organizações. 4

5 A medida cheque-formação: objetivos e destinatários Objetivos Incentivo à formação profissional; Instrumento potenciador da criação e da manutenção do emprego; Instrumento de reforço da qualificação e empregabilidade. Criada pela Portaria n.º 229/2015, de 3 de agosto, constitui uma modalidade de financiamento direto da formação a atribuir aos utentes inscritos na rede de Centros de emprego e de Centros de emprego e formação profissional do IEFP, nomeadamente: - entidades empregadoras; - ativos empregados; - desempregados. 5

6 A medida cheque-formação: objetivos e destinatários Visa reforçar a qualidade e a celeridade das medidas ativas de emprego, em particular no que respeita à qualificação profissional, procurando, nomeadamente: a) Contribuir para a melhoria da produtividade e da competitividade das empresas, através do reforço da qualificação profissional dos seus trabalhadores, em especial dos menos qualificados; b) Potenciar a procura de formação por parte dos desempregados e dos ativos empregados; c) Incentivar os percursos de aprendizagem ao longo da vida, bem como o desenvolvimento pessoal dos ativos empregados e dos desempregados; d) Corresponsabilizar as entidades empregadoras, os ativos empregados e os desempregados na procura de respostas de formação que promovam a melhoria dos desempenhos profissionais; e) Potenciar o ajustamento entre a oferta e a procura de formação, imprimindo uma nova dinâmica nos operadores de formação 6

7 A medida cheque-formação: objetivos e destinatários São beneficiários da formação apoiada pelo Cheque-Formação: a) Ativos empregados, com idade superior ou igual a 16 anos, independentemente do seu nível de qualificação, cujas candidaturas podem ser apresentadas pelos próprios ou pelas respetivas entidades empregadoras; b) Desempregados inscritos no IEFP, I.P. há, pelo menos, 90 dias consecutivos, com idade igual ou superior a 16 anos, detentores do nível 3 a 6 de qualificação. As condições de elegibilidade dos beneficiários são aferidas à data da apresentação da candidatura 7

8 A medida cheque-formação Quem pode apresentar candidatura: Os beneficiários diretos da formação (empregados ou desempregados); As entidades empregadoras, relativamente aos seus trabalhadores, sendo consideradas para este efeito as pessoas coletivas ou singulares de direito privado, com ou sem fins lucrativos. No caso das candidaturas a apresentar pelas entidades podem ser propostos vários trabalhadores no mesmo pedido 8

9 A medida cheque-formação: requisitos para as entidades As entidades têm que: a) Estar constituídas e registadas; b) Ter a situação contributiva regularizada; c) Preencher os requisitos legais exigidos para o exercício da atividade ou apresentar comprovativo de ter iniciado o processo aplicável; d) Não se encontrarem em situação de incumprimento, no que respeita a apoios financeiros concedidos pelo IEFP, I.P.; e) Dispor de contabilidade organizada de acordo com o previsto na lei; f) Não ter sido condenadas em processo-crime, com sentença transitada em julgado, por factos que envolvam disponibilidades dos fundos estruturais; g) Não apresentar situações respeitantes a salários em atraso; h) Não ter sido condenadas em processo-crime ou contraordenacional por violação, praticada com dolo ou negligência grosseira, de legislação de trabalho sobre discriminação no trabalho e emprego, nos últimos dois anos. 9

10 A medida cheque-formação: Operacionalização Entidade Formadora Certificada pela DGERT ou entidades que estão isentas da certificação, como é o caso dos Centros Tecnológicos. Não são aceites candidaturas a formações a distância. Preferencialmente: unidades de formação de curta duração (UFCD) que integram os referenciais de formação de nível 2 ou 4 (CNQ). Pode assentar em percursos formativos extra-cnq, desde que devida e comprovadamente fundamentados, e que se revelem de interesse para potenciar a empregabilidade ou a (re) qualificação dos beneficiários da formação. Os percursos formativos devem integrar UFCD de um único referencial de formação ou UFCD de mais do que um referencial, desde que integrados na mesma área de educação e formação; Serão privilegiadas as áreas de formação prioritárias definidas anualmente pelo IEFP, I.P., em função das dinâmicas do mercado de emprego. 10

11 A medida cheque-formação: Operacionalização A candidatura é submetida no portal - a entidade empregadora deve inserir os dados de cada um dos seus colaboradores que irão receber aquela formação; - cada formando tem de ter um n.º de utente no IEFP; - associado a cada colaborador/formando tem de ser identificada a entidade formadora selecionada 11

12 A medida cheque-formação: Operacionalização - A caracterização da ação faz-se também formando a formando; - É necessário identificar o custo da ação; - É necessário identificar os conteúdos da ação e enquadrá-los com o perfil do formando e as suas perspetivas profissionais para cada colaborador (sendo que este suporte pode não ser idêntico para todos os colaboradores) 12

13 A medida cheque-formação: Apoios financeiros Os apoios a conceder no âmbito do Cheque-Formação não contemplam as despesas com ações de formação frequentadas antes do início da sua vigência ou da data de submissão da candidatura. O Cheque-Formação não pode ser atribuído quando a formação a frequentar já seja objeto de cofinanciamento público, nem pode ser utilizado pelos beneficiários para concretizar a realização de formação exigida no âmbito de outros apoios públicos atribuídos, nomeadamente, a exigida pela Medida Estímulo Emprego 13

14 A medida cheque-formação: Apoios financeiros (Ativos empregados) Duração máxima de 50 horas de formação, no período de dois anos; um valor/hora de 4, num montante máximo que poderá atingir os 175, sendo que o apoio a atribuir não pode exceder 90% do valor total da ação de formação, comprovadamente pago. Exemplos retirados do Regulamento Específico para a Medida Cheque-Formação, de 02/Outubro/2015, pelo IEFP I.P. 14

15 A medida cheque-formação: Análise e decisão Principais critérios: O percurso de formação proposto está orientado para a aquisição de competências relevantes para a melhoria dos desempenhos individuais e para o aumento da produtividade? Está enquadrado nas áreas de formação prioritárias definidas anualmente pelo IEFP, I.P., em sede de Conselho de Administração, em função das dinâmicas do mercado de emprego? Observa o definido no PPQ dos beneficiários? Nota: o regulamento refere que Quando necessário a formação pode ser precedida pelo desenvolvimento de um processo de reconhecimento, validação e certificação de competências (RVCC) dual ou profissional, e observar o definido no PPQ dos beneficiários. 15

16 A medida cheque-formação: Análise e decisão As Delegações Regionais fazem a instrução, análise e decisão dos procedimentos de candidatura. O Cheque-Formação tem um regime de candidatura aberta e as candidaturas são aprovadas até ao limite anual da dotação orçamental. Decisão sobre as candidaturas apresentadas no prazo máximo de 30 dias úteis, contados a partir da data da sua submissão. Retirado do Regulamento Específico para a Medida Cheque-Formação, de 02/Outubro/2015, pelo IEFP I.P. Nota: A contagem do prazo referido na alínea anterior é suspensa na situação em que sejam solicitados pelo IEFP, I.P., através da área pessoal do candidato no Portal, e por uma única vez, elementos adicionais à sua instrução, desde que os mesmos se revelem imprescindíveis para a decisão a proferir. Os esclarecimentos devem ser prestados no prazo de 10 dias úteis. 16

17 A medida cheque-formação Documentação a apresentar ao longo do processo Entidade Empregadora Cópia do Pacto Social da entidade empregadora; Comprovativo de situação tributária e contributiva regularizada da entidade empregadora (administração fiscal e a segurança social); Cópia do último mapa de pessoal; Cópia(s) do(s) PPQ, no(s) caso(s) aplicável(is); Comprovativo do pagamento do valor da formação, por cada empregado proposto em sede de candidatura; Se aplicável, cópia certificada da decisão a que se refere a alínea a) do n.º 3 do artigo 17.º-C do CIRE; Se aplicável, cópia certificada do despacho do processo no SREVE; Comprovativo da titularidade da conta bancária e indicação do respetivo IBAN; Declaração da entidade formadora, com a identificação do percurso de formação, respetiva a carga horária, as horas efetivamente assistidas, data de início e fim, e o número de dias de formação com 3 ou mais horas de formação, e o valor da inscrição pago. Deve ainda ser declarado que a ação não beneficiou de quaisquer apoios comunitários, nem que a entidade pagou apoios sociais ao formando; Cópia do certificado de qualificações ou de formação profissional, emitido pelo SIGO. 17

CHEQUE-FORMAÇÃO OBJECTIVOS:

CHEQUE-FORMAÇÃO OBJECTIVOS: CHEQUE-FORMAÇÃO OBJECTIVOS: O Cheque-Formação visa reforçar a qualidade e a celeridade das medidas ativas de emprego, em particular no que respeita à qualificação profissional, procurando, nomeadamente:

Leia mais

CHEQUE FORMAÇÃO JUNTOS PARA PLANEAR O FUTURO... E A FORMAÇÃO FAZ PARTE DELE! O1 O2 O3 O5 O6

CHEQUE FORMAÇÃO JUNTOS PARA PLANEAR O FUTURO... E A FORMAÇÃO FAZ PARTE DELE! O1 O2 O3 O5 O6 JUNTOS PARA PLANEAR O FUTURO... E A FAZ PARTE DELE! VEM CONHECER MAIS SOBRE AS POSSIBILIDADES DO - O1 O2 O3 O QUE É? CONDIÇÕES DE ACESSO QUAIS SÃO OS APOIOS PARA EMPRESAS O4 CANDIDATURAS O5 O6 PAGAMENTO

Leia mais

*RN PT* FLEXOPACK - INDÚSTRIA EMBALAGENS, LDA. LUGAR ALÉM DO RIO Nº 35 ANTA ESPINHO

*RN PT* FLEXOPACK - INDÚSTRIA EMBALAGENS, LDA. LUGAR ALÉM DO RIO Nº 35 ANTA ESPINHO Delegação Regional do Norte Rua Eng. Ezequiel Campos, 488 4149-004 PORTO - Porto *RN057158099PT* FLEXOPACK - INDÚSTRIA EMBALAGENS, LDA. LUGAR ALÉM DO RIO Nº 35 ANTA 4500-579 ESPINHO Refª n.º 05-05-2016

Leia mais

Medida CHEQUE-FORMAÇÃO

Medida CHEQUE-FORMAÇÃO Medida CHEQUE-FORMAÇÃO Objectivos O Cheque-Formação visa reforçar a qualidade e a celeridade das medidas activas de emprego, em particular no que respeita à qualificação profissional, procurando, nomeadamente:

Leia mais

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada Designação Estágios Emprego Considera-se estágio o desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho com o objetivo

Leia mais

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional No âmbito da medida de incentivos ao emprego "Estímulo 2012", estabelecida pela Portaria n 45/2012, de 13.2, o Instituto

Leia mais

MEDIDA CONTRATO-EMPREGO

MEDIDA CONTRATO-EMPREGO MEDIDA CONTRATO-EMPREGO EM QUE CONSISTE A medida Contrato-Emprego é um apoio financeiro aos empregadores que celebrem contratos de trabalho sem termo ou a termo certo, por prazo igual ou superior a 12

Leia mais

MEDIDA CONTRATO-EMPREGO PORTARIA N.º 34/2017, de 18 de janeiro

MEDIDA CONTRATO-EMPREGO PORTARIA N.º 34/2017, de 18 de janeiro MEDIDA CONTRATO-EMPREGO PORTARIA N.º 34/2017, de 18 de janeiro A Portaria n.º 34/2017, de 18 de janeiro criou a medida Contrato-Emprego, a qual consiste na concessão, à entidade empregadora, de um apoio

Leia mais

b) Fomentar e apoiar a criação líquida de postos de trabalho;

b) Fomentar e apoiar a criação líquida de postos de trabalho; RATIO LEGIS a SUL Medida Contrato-Emprego Por Carla Lima A Portaria n.º 34/2017, de 18 de janeiro, regula a criação da medida Contrato- Emprego, que consiste na concessão, à entidade empregadora, de um

Leia mais

Formação Algarve PROGRAMA FORMAÇÃO ALGARVE

Formação Algarve PROGRAMA FORMAÇÃO ALGARVE PROGRAMA FORMAÇÃO ALGARVE Em que consiste Concessão de um apoio financeiro à renovação, à conversão de contratos de trabalho a termo ou à celebração de novos contratos de trabalho com ex-trabalhadores

Leia mais

LBA NEWS. Direito Laboral. Janeiro de 2017

LBA NEWS. Direito Laboral. Janeiro de 2017 LBA NEWS Direito Laboral Janeiro de 2017 Contactos: Manuel Lopes Barata - manuellb@lopesbarata.com Diogo Lopes Barata - diogolb@lopesbarata.com Catarina Correia Soares cataricacs@lopesbarata.com Esta informação

Leia mais

ESCLARECIMENTOS - Avisos n.ºs POISE e POISE

ESCLARECIMENTOS - Avisos n.ºs POISE e POISE ESCLARECIMENTOS - Avisos n.ºs POISE-24-2016-04 e POISE-31-2016-05 - De acordo com os artigos 111.º e 115.º do Regulamento (UE) n.º 1303/2013, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro, conjugados

Leia mais

MEDIDA ESTÁGIO PROFISSIONAL Portaria n.º 131/2017, de 7 de abril

MEDIDA ESTÁGIO PROFISSIONAL Portaria n.º 131/2017, de 7 de abril MEDIDA ESTÁGIO PROFISSIONAL Portaria n.º 131/2017, de 7 de abril A portaria n.º 13/2017, de 7 de abril, veio regular a criação da medida Estágios Profissionais. Esta medida consiste no apoio à inserção

Leia mais

MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO

MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO Entidades Promotoras: Entidades privadas, com ou sem fins lucrativos e Autarquias Locais. Destinatários: Jovens à procura de emprego, entre os 18 e os 30 anos, inscritos no IEFP

Leia mais

Lisboa, 26 de Junho de 2012

Lisboa, 26 de Junho de 2012 Lisboa, 26 de Junho de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a

Leia mais

Briefing Laboral # 18 1

Briefing Laboral # 18 1 Briefing Laboral # 18 1 CRIAÇÃO DA MEDIDA ESTÍMULO EMPREGO E ALTERAÇÃO ÀS MEDIDAS ESTÁGIO EMPREGO Portaria n.º 149-A/2014, de 24 de Julho Concessão de Apoio Financeiro à celebração de contrato de Trabalho

Leia mais

BTOC TRAINING. Formação Profissional Obrigatória e Cheque Formação

BTOC TRAINING. Formação Profissional Obrigatória e Cheque Formação BTOC TRAINING Formação Profissional Obrigatória e Cheque Formação Formação profissional obrigatória: Um dever das empresas, um direito dos trabalhadores. Deveres do Empregador O empregador possui a obrigação

Leia mais

O formulário deve estar totalmente preenchido (sob pena de devolução). Só serão aceites candidaturas com todos os documentos constantes do ponto 12.

O formulário deve estar totalmente preenchido (sob pena de devolução). Só serão aceites candidaturas com todos os documentos constantes do ponto 12. FORMULÁRIO CANDIDATURA - REATIVAR MADEIRA (a preencher pelos serviços do Instituto de Emprego da Madeira, IP-RAM ) Processo nº: /REATIVAR/201 O formulário deve estar totalmente preenchido (sob pena de

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA Portaria n.º 74/2015, de 25 de março Portaria n.º 82/2015 de 15 de Abril

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA Portaria n.º 74/2015, de 25 de março Portaria n.º 82/2015 de 15 de Abril AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 9 Investir em Competências, Educação e Aprendizagem ao Longo da Vida PRIORIDADE DE

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Gestão e Coordenação da Formação em elearning INTRODUÇÃO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Gestão e Coordenação da Formação em elearning INTRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Coordenação da Formação em elearning INTRODUÇÃO O sistema de certificação das entidades formadoras supervisionado pela Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho

Leia mais

ESTÁGIOS PROFISSIONAIS

ESTÁGIOS PROFISSIONAIS ESTÁGIOS PROFISSIONAIS Processo nº: /EP/201 O formulário deve estar totalmente preenchido (sob pena de devolução) e ser entregue com a antecedência mínima de 30 dias face à data de início pretendida. Assinale

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social DATA: Quinta-feira, 24 de julho de 2014 NÚMERO: 141 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social DIPLOMA: Portaria n.º 149-A/2014 SUMÁRIO: Cria a Medida Estímulo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 47/2015 de 27 de Março de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 47/2015 de 27 de Março de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 47/2015 de 27 de Março de 2015 A Resolução do Conselho do Governo n.º 18/2013, de 19 de fevereiro, alterada e republicada pela Resolução do Conselho

Leia mais

FUNDO FLORESTAL PERMANENTE PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO, DA GESTÃO E DO ORDENAMENTO FLORESTAIS

FUNDO FLORESTAL PERMANENTE PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO, DA GESTÃO E DO ORDENAMENTO FLORESTAIS APOIO PARA A ELABORAÇÃO DO INVENTÁRIO DA ESTRUTURA DA PROPRIEDADE NO ÂMBITO DAS ZONAS DE (Portaria n.º 77/2015, de 16 de março, alterada pela Portaria n.º 163/2015, de 2 de junho, e Declaração de Retificação

Leia mais

EDITAL Nº1/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº1/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº1/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do

Leia mais

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO)

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) Condições de Acesso (Portaria n.º 985/2009 de 4 de Setembro) 0 PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO

Leia mais

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

Uma nova modalidade de apoio à contratação

Uma nova modalidade de apoio à contratação Uma nova modalidade de apoio à contratação Clique para editar o estilo do subtítulo do Modelo Global Portaria n.º 34/2017, de 18 de janeiro 5/24/2017 1 Uma medida integrada numa nova geração de políticas

Leia mais

MEDIDA VIDA ATIVA. Objetivos, destinatários e operacionalização

MEDIDA VIDA ATIVA. Objetivos, destinatários e operacionalização Objetivos, destinatários e operacionalização Objetivos - consolidar, integrar e aperfeiçoar um conjunto de intervenções orientadas para a ativação dos desempregados, favorecendo a aprendizagem ao longo

Leia mais

ESTÁGIOS PROFISSIONAIS APOIOS AO EMPREGO EMPREENDEDORISM O

ESTÁGIOS PROFISSIONAIS APOIOS AO EMPREGO EMPREENDEDORISM O ESTÁGIOS PROFISSIONAIS APOIOS AO EMPREGO EMPREENDEDORISM O ESTÁGIOS PROFISSION AIS ESTÁGIOS PROFISSIONAIS Desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho com o Objeto objetivo de promover

Leia mais

Diploma. Cria a medida Estágios Emprego

Diploma. Cria a medida Estágios Emprego Diploma Cria a medida Estágios Emprego Portaria n.º 204-B/2013 de 18 de junho Pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 36/2013, de 4 de junho, que altera a Resolução do Conselho de Ministros n.º 51-A/2012,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 3350 Diário da República, 1.ª série N.º 114 17 de junho de 2013 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Portaria n.º 203/2013 de 17 de junho O acordo tripartido Compromisso para o Crescimento, Competitividade

Leia mais

Semana do Empregador 15 a 19 de maio. Centro de Emprego do Sul Tejo 2017

Semana do Empregador 15 a 19 de maio. Centro de Emprego do Sul Tejo 2017 Semana do Empregador 15 a 19 de maio Centro de Emprego do Sul Tejo 2017 Centro de Emprego do Sul Tejo Concelhos de Alcochete, Barreiro, Moita e Montijo Estatísticas da População Desempregada Dezembro 2016

Leia mais

REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS E À PRESTAÇÃO DE CONTAS. Artigo 1.º. Objeto

REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS E À PRESTAÇÃO DE CONTAS. Artigo 1.º. Objeto REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS E À PRESTAÇÃO DE CONTAS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece os procedimentos e documentos necessários à verificação das despesas elegíveis necessárias

Leia mais

MEDIDAS DE ESTÍMULO EMPREGO (ACTUALIZAÇÃO)

MEDIDAS DE ESTÍMULO EMPREGO (ACTUALIZAÇÃO) MEDIDAS DE ESTÍMULO EMPREGO (ACTUALIZAÇÃO) INTRODUÇÃO Nos últimos anos e com o intuito de contrariar os efeitos da recessão económica no emprego, o legislador tem seguido uma política de estímulo ao mercado

Leia mais

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 ENQUADRAMENTO SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Leia mais

Programa de Promoção de Artes e Ofícios. Decreto- Lei n.º 122/2015, de 30 de junho

Programa de Promoção de Artes e Ofícios. Decreto- Lei n.º 122/2015, de 30 de junho Programa de Promoção de Artes e Ofícios Decreto- Lei n.º 122/2015, de 30 de junho Programa de Promoção das Artes e Ofícios - Em que consiste? Consiste num conjunto de modalidades de apoio, no âmbito das

Leia mais

Nota Metodológica. Análise e Seleção de Candidaturas ao PO CH

Nota Metodológica. Análise e Seleção de Candidaturas ao PO CH Nota Metodológica Análise e Seleção de Candidaturas ao PO CH Eixo Prioritário 3 - Aprendizagem, qualificação ao Longo da Vida e Reforço da Empregabilidade Tipologia de Operações: Centros Qualifica AVISO

Leia mais

CHEQUE - FORMAÇÃO. Criar valor

CHEQUE - FORMAÇÃO. Criar valor CHEQUE - FORMAÇÃO Criar valor Legislação Enquadradora A medida Cheque-Formação, criada pela Portaria n.º 229/2015, de 3 de agosto, constitui uma modalidade de financiamento direto da formação a atribuir

Leia mais

Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) - IEFP, I.P.

Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) - IEFP, I.P. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) - IEFP, I.P. Empreendedorismo: Apoios e casos de sucesso AERLIS (Museu do Design - Lisboa) 9 de maio de 2012 Enquadramento

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

. (A) N.º de trabalhadores com vínculo permanente na Entidade à data da candidatura:

. (A) N.º de trabalhadores com vínculo permanente na Entidade à data da candidatura: Formulário de Candidatura ao Programa Vida e Trabalho Prémio de Integração Sócio - Profissional (Portaria n.º 177/2002 de 02 de Novembro) 1. Identificação da Entidade Promotora Denominação: Sede: Freguesia:

Leia mais

Curso Especialização em Gestão da Formação

Curso Especialização em Gestão da Formação Curso Especialização em Gestão da Formação Módulo 7 GESTÃO FINANCEIRA CANDIDATURAS FORMAÇÃO FINANCIADA Formador/a Carlos Rocha 2 GESTÃO FINANCEIRA CANDIDATURAS A FORMAÇÃO FINANCIADA Legislação essencial:

Leia mais

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO DOSSIER INFORMATIVO 4 INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO EMPRESAS ÍNDICE 1 - Medida Estágio Emprego...4 2 - Medida Estímulo Emprego...10 3 - Medida REATIVAR...16 4 - Dispensa de pagamento de contribuições

Leia mais

LBA NEWS. Direito Laboral. Junho de 2017

LBA NEWS. Direito Laboral. Junho de 2017 LBA NEWS Direito Laboral Junho de 2017 Contatos: Manuel Lopes Barata - manuellb@lopesbarata.com Diogo Lopes Barata - diogolb@lopesbarata.com Catarina Correia Soares cataricacs@lopesbarata.com Esta informação

Leia mais

O curso de Gestão e Coordenação de Formação tem como objetivo principal planear, executar e avaliar ações de formação profissional.

O curso de Gestão e Coordenação de Formação tem como objetivo principal planear, executar e avaliar ações de formação profissional. 0. ENQUADRAMENTO Hoje em dia fala-se muito de formação, nos incentivos existentes à formação, através de por exemplo cheques-formação, mas raramente se fala sobre o que se formar e quem formar. No nosso

Leia mais

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA PARCIAL OU ISENÇÃO TOTAL DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO, DESEMPREGADO DE LONGA DURAÇÃO E DESEMPREGADO DE MUITO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA

Leia mais

Regime Contraordenacional

Regime Contraordenacional Ficha Técnica Título Autor de Segurança Social Regime Contraordenacional Conceção gráfica Edição Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação http://www.seg-social.pt/dgss-direccao-geral-da-seguranca-social

Leia mais

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência?

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? VOCÊ SABE O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? Setembro 2014 www.in-formacao.com.pt Formador/a O formador é o técnico

Leia mais

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA PARCIAL OU ISENÇÃO TOTAL DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES - 1º EMPREGO, DESEMPREGADO DE LONGA DURAÇÃO E DESEMPREGADO DE MUITO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA

Leia mais

Contrato-Emprego. Uma nova modalidade de apoio à contratação. Clique para editar o estilo do subtítulo do Modelo Global

Contrato-Emprego. Uma nova modalidade de apoio à contratação. Clique para editar o estilo do subtítulo do Modelo Global Uma nova modalidade de apoio à contratação Clique para editar o estilo do subtítulo do Modelo Global NERBE, 20 de fevereiro 2017 Portaria n.º 34/2017, de 18 de janeiro 2/20/2017 1 Uma medida integrada

Leia mais

EFA CURSO DE EDUCAÇÃO FORMAÇÃO DE ADULTOS

EFA CURSO DE EDUCAÇÃO FORMAÇÃO DE ADULTOS EFA CURSO DE EDUCAÇÃO FORMAÇÃO DE ADULTOS Os Cursos de Educação e de Adultos (Cursos EFA) são uma oferta de educação e formação para adultos que pretendam elevar as suas qualificações. Estes cursos desenvolvem-se

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS (SIAC) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 02 / SIAC / 2012 SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS (SIAC) Nos termos do regulamento do SIAC, a apresentação de candidaturas processa-se, em regra, através de

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº POISE

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº POISE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº POISE-24-2015-13 Vida Ativa para desempregados Programa Operacional Inclusão Social e Emprego Objetivo Temático 8 - Promover a sustentabilidade e a qualidade

Leia mais

ESTÁGIOS PROFISSIONAIS

ESTÁGIOS PROFISSIONAIS SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP RAM ESTÁGIOS PROFISSIONAIS Processo nº: /EP/2014 O formulári o deve est ar totalmente preenchido (sob pe na de devo lução) e

Leia mais

Porto, 15 de Julho de 2016

Porto, 15 de Julho de 2016 Porto, 15 de Julho de 2016 Elevar o nível de qualificação da população adulta balanço 2007-2013 A intervenção do QREN com vista à qualificação de adultos consubstanciou-se num investimento sem precedentes

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO ISENÇÃO DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO DOS JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL,

Leia mais

Regulamento de Apoio a Instituições sem fins lucrativos do. Concelho de Monforte

Regulamento de Apoio a Instituições sem fins lucrativos do. Concelho de Monforte Regulamento de Apoio a Instituições sem fins lucrativos do Concelho de Monforte Considerando que a Constituição da República nos seus artigos 73, 78 e 79 consagra que todos têm o direito à educação e à

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO 9 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) Investir em Competências, Educação e Aprendizagem ao Longo da Vida PRIORIDADE DE INVESTIMENTO

Leia mais

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal Maria José Caçador 18.abril.2016

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal Maria José Caçador 18.abril.2016 Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 18.abril.2016 Estrutura do Programa Eixo III Promoção da sustentabilidade e da qualidade do emprego

Leia mais

R E G I Ã O A U T Ó N O M A D A M A D E I R A GOVERNO REGIONAL. Portaria n.º /2016

R E G I Ã O A U T Ó N O M A D A M A D E I R A GOVERNO REGIONAL. Portaria n.º /2016 Portaria n.º /2016 No âmbito da Nova Estratégia Europeia para o emprego e crescimento, Europa 2020, constam várias iniciativas emblemáticas, das quais se destaca a Agenda para novas qualificações e novos

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) 1º ALTERAÇÃO EIXO PRIORITÁRIO 9 Investir em Competências, Educação e Aprendizagem ao Longo da Vida PRIORIDADE

Leia mais

FUNCIONAMENTO Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira

FUNCIONAMENTO Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira FUNCIONAMENTO 2020 Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira 08-07-2015 PROGRAMA OPERACIONAL MADEIRA 14-20 Eixo Prioritário 1 - Reforçar a investigação, o desenvolvimento

Leia mais

Conferência Nacional. Qualidade ao Serviço da Educação de Adultos. Revisão por Pares": uma proposta inovadora?

Conferência Nacional. Qualidade ao Serviço da Educação de Adultos. Revisão por Pares: uma proposta inovadora? Conferência Nacional Qualidade ao Serviço da Educação de Adultos Revisão por Pares": uma proposta inovadora? Maria João Alves CECOA 4 de maio 2017 Programa Qualifica Enquadramento Valorização da educação

Leia mais

Regime Contraordenacional

Regime Contraordenacional Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação

Leia mais

Contabilidade e Gestão na Atividade Agrícola

Contabilidade e Gestão na Atividade Agrícola Contabilidade e Gestão na Atividade Agrícola Subsídios e Outros Apoios das Entidades Publicas Operacionalização Apoios à Qualificação das Empresas Alexandra Vilela Comissão Diretiva do COMPETE 2020 14

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Portaria n.º 71/2016 de 4 de Julho de 2016

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Portaria n.º 71/2016 de 4 de Julho de 2016 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Portaria n.º 71/2016 de 4 de Julho de 2016 Considerando que o Regime Jurídico de Apoio ao Movimento Associativo Desportivo, aprovado pelo Decreto Legislativo Regional n.º 21/2009/A,

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

SIGO. Sistema Integrado de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa. Fórum Estatístico 2016 Lisboa, 13 de setembro de 2016

SIGO. Sistema Integrado de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa. Fórum Estatístico 2016 Lisboa, 13 de setembro de 2016 Sistema Integrado de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa Fórum Estatístico 2016 Lisboa, 13 de setembro de 2016 sigo@dgeec.mec.pt Paula Ferreira 1 Em Dezembro de 2005 foi constituído um

Leia mais

Cursos de Dupla Certificação - A Experiência do Cinform/Cercilei. ESECS - Leiria

Cursos de Dupla Certificação - A Experiência do Cinform/Cercilei. ESECS - Leiria Cursos de Dupla Certificação - A Experiência do Cinform/Cercilei ESECS - Leiria 1 de Abril de 2017 Apresentação será dividida em 3 momentos: 1º - Enquadramento legal e Cronologia 2º - Modalidade de Formação

Leia mais

Programa de Apoio ao Associativismo REGULAMENTO 2016

Programa de Apoio ao Associativismo REGULAMENTO 2016 2016 Programa de Apoio ao Associativismo REGULAMENTO 2016 ÍNDICE NOTA JUSTIFICATIVA... 2 CAPÍTULO I... 2 DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 A Fundação INATEL... 2 Conceito de CCD... 2 Objeto e âmbito de aplicação...

Leia mais

Concurso de 2014 ANEXO XVIII. 1. Programa e Secções O ICA apoia a formação de públicos nas escolas nos termos estabelecidos nas seguintes secções:

Concurso de 2014 ANEXO XVIII. 1. Programa e Secções O ICA apoia a formação de públicos nas escolas nos termos estabelecidos nas seguintes secções: Concurso de 2014 ANEXO XVIII PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PÚBLICOS NAS ESCOLAS 1. Programa e Secções O ICA apoia a formação de públicos nas escolas nos termos estabelecidos nas seguintes secções: Secção I -

Leia mais

ANEXO XVIII. O ICA apoia a formação de públicos nas escolas nos termos estabelecidos nas seguintes secções:

ANEXO XVIII. O ICA apoia a formação de públicos nas escolas nos termos estabelecidos nas seguintes secções: ANEXO XVIII PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PÚBLICOS NAS ESCOLAS 1. Programa e Secções O ICA apoia a formação de públicos nas escolas nos termos estabelecidos nas seguintes secções: Secção I Apoio à realização

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) 2. Programa Investe Jovem 3. Apoio Técnico à Criação e Consolidação de Projetos

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ESPECÍFICA Custos Operacionais e de Animação Nº 1/2017 VERSÃO 1.0 DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA ANEXO I Lista de documentos a apresentar com a candidatura para controlo documental

Leia mais

Catálogo Nacional de Qualificações

Catálogo Nacional de Qualificações Catálogo Nacional de Qualificações Sessão de Apresentação...Para uma oferta relevante e certificada 18 de Junho de 2007 INDICE 1. O Catálogo: enquadramento e objectivos 2. O Catálogo hoje 3. O Catálogo

Leia mais

CAPÍTULO I. Âmbito de aplicação. Artigo 1.º Objeto e âmbito

CAPÍTULO I. Âmbito de aplicação. Artigo 1.º Objeto e âmbito Documento que estabelece as Regras do procedimento de acreditação/renovação da acreditação de entidades candidatas à avaliação e certificação de manuais escolares estabelecidas pela Direção-Geral da Educação

Leia mais

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento. I Legislação de referência

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento. I Legislação de referência CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento I Legislação de referência Os Cursos de Educação e Formação de Adultos, na Região Autónoma da Madeira, regem-se segundo o seguinte Enquadramento Legal:

Leia mais

Sistema Integrado de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa Lisboa, 26 de maio de 2015

Sistema Integrado de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa Lisboa, 26 de maio de 2015 Sistema Integrado de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa Lisboa, 26 de maio de 2015 1 Em Dezembro de 2005 foi constituído um grupo de trabalho para definir e desenvolver um sistema de informação

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 1870 Diário da República, 1.ª série N.º 60 26 de março de 2013 da bolsa de estágio referida na alínea c) do artigo 13.º, reportado ao período de duração do estágio respetivo.» Secretaria-Geral, 25 de março

Leia mais

DESPACHO N. GR.03/05/2011

DESPACHO N. GR.03/05/2011 DESPACHO N. GR.03/05/2011 Regulamento Estatuto de Trabalhador-Estudante da Universidade do Porto No uso da competência que me é consagrada na alínea o) do n 1 do artigo 400 dos Estatutos da Universidade

Leia mais

TAXAS, PROPINAS E EMOLUMENTOS. Regimento

TAXAS, PROPINAS E EMOLUMENTOS. Regimento TAXAS, PROPINAS E EMOLUMENTOS Regimento Documento que regula a aplicação das taxas, propinas e emolumentos dos serviços praticados no Agrupamento de Escolas de Carnaxide. INDICE INTRODUÇÃO... 3 Artigo

Leia mais

INCENTIVOS À CONTRATAÇÃO DE JOVENS À PROCURA DO PRIMEIRO EMPREGO E DE DESEMPREGADOS DE LONGA DURAÇÃO E DE MUITO LONGA DURAÇÃO Decreto-Lei n.

INCENTIVOS À CONTRATAÇÃO DE JOVENS À PROCURA DO PRIMEIRO EMPREGO E DE DESEMPREGADOS DE LONGA DURAÇÃO E DE MUITO LONGA DURAÇÃO Decreto-Lei n. INCENTIVOS À CONTRATAÇÃO DE JOVENS À PROCURA DO PRIMEIRO EMPREGO E DE DESEMPREGADOS DE LONGA DURAÇÃO E DE MUITO LONGA DURAÇÃO Decreto-Lei n.º 72/2017 O Decreto-Lei n.º 72/2017, de 21 de junho veio estabelecer

Leia mais

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011 I Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DOS RECURSOS HUMANOS, DA EDUCAÇÃO E CULTURAE DO PLANO E FINANÇAS Portaria n.º 10/2011

Leia mais

GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM

GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM CANDIDATURA AO PROGRAMA PROJOVEM MEDIDA EXPERIÊNCIA GARANTIA (Portaria nº 136/2014 de 6 de agosto)

Leia mais

PDR Jovens Agricultores Investimentos na Exploração Agrícola

PDR Jovens Agricultores Investimentos na Exploração Agrícola PDR 2014-2020 Jovens Agricultores + 3.2 - Investimentos na Exploração Agrícola PSZ CONSULTING 2015 Índice Índice... 1 1 Prémio aos Jovens Agricultores... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários... 2

Leia mais

PDR Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola

PDR Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola PDR 2014-2020 3.2.2 Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola Portal dos Incentivos Maio 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários... 2 1.3 Critérios de Elegibilidade

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social DATA: Segunda-feira, 16 de setembro de 2013 NÚMERO: 178 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social DIPLOMA: Portaria n.º 286-A/2013 SUMÁRIO: Cria a medida Incentivo

Leia mais

Regulamento para atribuição do Fundo de Reestruturação

Regulamento para atribuição do Fundo de Reestruturação Regulamento para atribuição do Fundo de Reestruturação Nos termos das alíneas c), d) e e) do n.º 2 do artigo 3.º do Decreto- lei n.º 55/2013, de 17 de Abril, que aprova a lei orgânica da Fundação para

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Critérios de elegibilidade das operações

Critérios de elegibilidade das operações S Critérios de elegibilidade das operações Critérios de elegibilidade dos beneficiários Fontes de financiamento Criação do próprio emprego Confirmação de situação face ao emprego Contratação de estagiários

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Aviso 09 Auditoria Energética a Elevadores em Edifícios de DIREÇÃO EXECUTIVA DO PNAEE FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência

Leia mais

Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira- Funcionamento 2020

Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira- Funcionamento 2020 FICHA TÉCNICA FUNCIONAMENTO 2020 Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira- Funcionamento 2020 Objetivo Este sistema de incentivos tem por alvo direto as micro,

Leia mais

ANÚNCIO DE ABERTURA DE PERÍODO DE APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 001 / GAL/ / 2017 PROMOÇÃO DE PRODUTOS DE QUALIDADE LOCAIS

ANÚNCIO DE ABERTURA DE PERÍODO DE APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 001 / GAL/ / 2017 PROMOÇÃO DE PRODUTOS DE QUALIDADE LOCAIS ANÚNCIO DE ABERTURA DE PERÍODO DE APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 001 / GAL/ 10215 / 2017 PROMOÇÃO DE PRODUTOS DE QUALIDADE LOCAIS (Portaria n.º 152/2016, de 25 de maio e Portaria nº 249/2016 de 15 de

Leia mais

CHEQUE FORMAÇÂO. Como Funciona?

CHEQUE FORMAÇÂO. Como Funciona? CHEQUE FORMAÇÂO Como Funciona? A medida Cheque- Formação é um incentivo à qualificação e formação profissional dos trabalhadores, sendo um apoio direto do estado, através do IEFP. As entidades empregadoras

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO COM GARANTIA MÚTUA, IFD PROGRAMA CAPITALIZAR PORTUGAL Perguntas Frequentes

LINHA DE CRÉDITO COM GARANTIA MÚTUA, IFD PROGRAMA CAPITALIZAR PORTUGAL Perguntas Frequentes LINHA DE CRÉDITO COM GARANTIA MÚTUA, IFD 2016-2020 PROGRAMA CAPITALIZAR PORTUGAL 2020 Perguntas Frequentes Linha de Crédito com Garantia Mútua, IFD 2016-2020 Programa Capitalizar Portugal 2020 PERGUNTAS

Leia mais

INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO APOIO À CONTRATAÇÃO DE JOVENS, DE DESEMPREGADOS DE LONGA DURAÇÃO E DE DETERMINADOS PÚBLICOS INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL,

Leia mais

SI2E Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego

SI2E Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego SI2E Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego Portaria 105/2017, de 10 de março ORGANISMOS INTERMÉDIOS NO OESTE COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE Âmbito Territorial ORGANISMOS INTERMÉDIOS

Leia mais