CASE BI - INFORMAÇÕES GERENCIAIS EM HOSPITAL DE REFERÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CASE BI - INFORMAÇÕES GERENCIAIS EM HOSPITAL DE REFERÊNCIA"

Transcrição

1 CASE BI - INFORMAÇÕES GERENCIAIS EM HOSPITAL DE REFERÊNCIA Rejane Blomberg Audy, Ana Cristina Trois Endres, Maria Luiza Falsarella Malvezzi Hospital de Clínicas de Porto Alegre Rua Ramiro Barcelos, 2350, Largo Eduardo Z Faraco - Bom Fim Porto Alegre RS Brasil Abstract. Study of case of the accomplishment of a project of Management Information, using technology Business Intelligence. He is being presented the steps that had been followed since the moment of the survey of the necessity of this project until its implementation. The Hospital of Clinics of Porto Alegre has the majority of its health care and management processes computer aided, being enormous the volume and the variability of the available data. This project of Management Information has the objective to support process of decision-making, offering to the management level the easy attainment of the data necessary to subsidize and to characterize the health care staff of the Hospital. Resumo: Estudo de caso da realização de um projeto de Informações Gerenciais, utilizando tecnologia Business Intelligence. Estão sendo apresentados os passos que foram seguidos desde o momento do levantamento da necessidade deste projeto até a sua implementação. O Hospital de Clínicas de Porto Alegre tem a maioria de seus processos assistencias e gerenciais informatizados, sendo enorme o volume e a variabilidade dos dados disponíveis. Este projeto de Informações Gerenciais tem o objetivo de apoiar o processo decisório oferecendo ao nível gerencial a fácil obtenção dos dados necessários para subsidiar e qualificar a gestão assistencial do Hospital. 1. Introdução Um dos principais conceitos disponíveis atualmente no que diz respeito a gestão empresarial é o Business Intelligence (BI). O conceito de BI, de forma mais ampla, pode ser entendido como a utilização de variadas fontes de informação para se definir estratégias de competitividade nos negócios da empresa (Barbieri, 2001). BI é o resultado de um processo que começa com a coleta de dados. Esses dados são organizados e transformados em informação que, depois de analisada e contextualizada, transforma-se em inteligência. Essa, por sua vez, quando aplicada a processos de decisão, gera vantagem competitiva para a organização. BI é um conjunto de conceitos e metodologias que, fazendo uso de acontecimentos (fatos) e sistemas baseados nos mesmos, apóia a tomada de decisões em negócios. Aplicações BI incluem sistemas de suporte a decisões, ferramentas para pesquisas e relatórios, análises estatísticas e previsões.

2 O principal objetivo de um BI é conhecer os indicadores internos e poder compará-los no ambiente externo, visando o conhecimento do posicionamento competitivo da empresa, o que impulsionará mudanças internas e facilitará decisões estratégicas. Para compor o BI são utilizados vários tipos de tecnologias: Data Warehouse, Datamart e OLAP. O Data Warehouse (DW) consiste em organizar os dados corporativos da melhor maneira, para dar subsídio de informações aos gerentes e diretores das empresas para tomada de decisão. Tudo isso em um banco de dados separado do banco de dados dos sistemas transacionais da empresa. O Datamart (DM) é um subset do Data Warehouse (vários datamarts podem formar um data warehouse). Construído com um escopo menor de informações, segmentado para uma determinada área ou assunto. Por ser menor, possibilita a análise multidimensional, com os cruzamentos e visões previamente calculadas, visando aumentar a velocidade na consulta das informações. (site: www. datawarehouse.inf.br/). OLAP é um conjunto de funcionalidades que tenta facilitar a análise multidimensional. A análise multidimensional (MDA Multidimensional Analysis) é a habilidade de manipular dados que tenham sido agregados em várias categorias ou dimensões. De acordo com o Conselho de OLAP, o propósito da análise multidimensional é auxiliar o usuário a sintetizar informações empresariais através da visualização comparativa, personalizada, e também por meio de análise de dados históricos e projetados (Inmon, WH, Welch, JD, Glassey, KL, 1999). A base de dados OLAP (Online Analytical Processing) fornece um método de acessar, visualizar, e analisar dados corporativos com alta flexibilidade e performance via um modelo de dados natural e intuitivo. Transforma os dados em informações. O objetivo deste artigo é apresentar o sistema de Informações Gerenciais do HCPA. Na Seção 2 é apresentado o ambiente onde o estudo de caso foi desenvolvido. Apresenta um breve histórico da instituição, o motivo pelo qual foi desenvolvido o IG no HCPA, descrevendo os passos que foram seguidos para a concepção do projeto e seu ambiente. Na Seção 3 é apresentada a metodologia de desenvolvimento do IG utilizada. Na Seção 4 mostramos os resultados obtidos com a implantação do IG, apresentando relatos dos usuários. Na Seção 5 são apresentadas as lições aprendidas e na Seção 6 são apresentadas as considerações finais a respeito do IG. 2. Caso do HCPA 2.1. Organização O Hospital de Clínicas de Porto Alegre HCPA (www.hcpa.ufrgs.br) é o Hospitalescola da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, integrante da rede de hospitais universitários do Ministério da Educação. Foi inaugurado em 1972, com a missão de oferecer serviços assistenciais de nível terciário no sul do Brasil, contando para isso com 735 leitos, 143 consultórios ambulatoriais e 3817 funcionários. Neste ambiente são desenvolvidas três atividades principais, intrinsecamente relacionadas: assistência, ensino e pesquisa. Este amplo espectro de atuação evidencia a complexidade dos serviços prestados.

3 O HCPA possui um banco de dados corporativo operacional, construído para suportar as aplicações transacionais inerentes a sistemas de controle dos processos do hospital. Esta base de dados é composta de sistemas clínicos e administrativos com 1400 tabelas e 100 GB de dados armazenados em banco de dados Oracle. Possui uma rede de alta velocidade de pontos, distribuídos em todos os locais onde se geram informações, viabilizando o atendimento assistencial a uma população que se beneficia anualmente de 550 mil consultas, 27 mil internações, 2 milhões exames e 29 mil cirurgias Diagnóstico A partir dos dados provenientes do sistema corporativo e de sistemas externos utilizados pela instituição, constatou-se que a sistemática de obtenção de informações relevantes estava sendo feita de forma inadequada, não fornecendo respostas rápidas às questões complexas inerentes à tomada de decisão no negócio. Foi então detectada a necessidade de um projeto de BI. A divulgação de informações existentes na instituição não estava ocorrendo de forma abrangente, impossibilitando aos níveis gerenciais se beneficiarem delas. As informações estavam sendo geradas setorialmente e permanecendo neste nível, sem permear os demais. A falta de padronização e entendimento unificado de conceitos, geravam informações conflitantes sobre o mesmo assunto Histórico Em dezembro de 2002 a alta administração do HCPA, buscando obter informações claras, confiáveis e concisas, encomendou para a área de informática da instituição um projeto que viabilizasse esta necessidade. Com isto foi designado um grupo para buscar no mercado uma solução. Foi convidada uma empresa para construir um projeto piloto com a finalidade de apresentar, à alta direção da instituição, um protótipo da área financeira, composta dos módulos: Faturamento, Pagamentos e Recebimentos. A finalidade deste projeto piloto foi de mostrar a flexibilidade da ferramenta e constatar a facilidade para obtenção e análise das informações. Uma vez aceita esta tecnologia, foi feita uma licitação a fim de contratar uma empresa para ser parceira no projeto de construção do ambiente do IG, aonde esta empresa deveria participar no desenvolvimento da primeira fase e fazer o repasse tecnológico para a equipe interna da instituição. A construção do IG foi dividida nas seguintes fases: 1ª fase: Módulo Financeiro - Pagamentos - Faturamento - Orçamento 2ª fase: Módulo Produção Assistencial - Cirurgias - Consultas Ambulatoriais - Exames - Internações

4 - Partos 3ª fase: Módulo Indicadores de Qualidade Assistencial - Média Permanência - Taxa ocupação - Coeficiente de Mortalidade - Indicadores de Resolubilidade - Infecção Hospitalar 4ª fase: Módulo Indicadores Setoriais - Comissão de Medicamentos - Comissão de Controle de Infecção - Centro de Tratamento Intensivo 5ª fase: Módulo de Integração Para a construção do IG, foram cumpridos os seguintes requisitos: - Agilidade: Os cenários de análises são passíveis de adaptação às necessidades de cada gerente. - Facilidade: O acesso às informações é de forma intuitiva por parte dos níveis gerenciais, minimizando o treinamento. - Flexibilidade: Possibilita efetuar estratificação, fazendo Drill Down e Drill Up. - Segurança: O acesso às informações é amplo, restrito apenas em razão de aspectos legais ou sigilosos. - Rapidez: Os módulos referentes a cada assunto são passíveis de construção em curto período de tempo. - Interoperabilidade: Permite a conexão de bases de dados operacionais heterogêneas, buscando informações da base de dados do sistema corporativo e de bancos de dados setoriais utilizados em algumas áreas administrativas. Também busca informações em planilhas eletrônicas construídas pelos usuários, com informações provenientes de sistemas governamentais como SIAFI (financeiro) e SIAPE (pessoal). Existe um repositório único (Glossário de Termos) com termos padronizados, respectivas definições e exemplos, assegurando desta forma interpretação única dos dados em análise. Na instituição foram designados 2 analistas de sistemas com amplo conhecimento do modelo de dados (modelo ER) do sistema corporativo. O coordenador do projeto foi designado pela presidência da instituição, sendo um profissional com perfil empreendedor e com penetração nas áreas gerenciais e técnicas. Além destes profissionais, fazem parte da equipe usuários responsáveis da área sob análise. Buscaram-se profissionais com perfil de liderança e com profundo conhecimento do negócio da instituição. A empresa parceira que participou da 1ª fase do projeto, entrou com profissionais com conhecimento da ferramenta e com experiência de implantação de BI em outras empresas. Após a 1ª fase, utilizamos desta empresa a Interface (Front-End) através de um contrato de suporte técnico, cabendo o desenvolvimento dos módulos à equipe interna do HCPA.

5 2.4. Ambiente Para o desenvolvimento do IG estão sendo utilizados os seguintes produtos: Microsoft (SQL Server) Enterprise Manager 5.0 Query Analyser Analysis Service Excel Internet Explorer Dashboard 3.0 Processor BI (produto da Processor Informática Ltda) O servidor utilizado para o IG é separado do utilizado para os sistemas corporativos, eliminando o risco de os sistemas competirem espaço e tempo de resposta. Para a construção e armazenamento dos dados está sendo utilizado um servidor IBM x-350 com 2 processadores de 700 Mhz, 1 GB de memória e 36 GB de disco. As estações cliente são os microcomputadores em rede com software com Office XP. 3. Metodologia de Desenvolvimento Utilizamos a tecnologia Microsoft.NET. Para a geração do banco de dados multidimensional (OLAP), utiliza-se o Data Transformation Services (DTS), que é o serviço de extração do SQL Server Esta ferramenta copia, move, consolida, limpa e valida os dados, gerando a base de dados. A principal ferramenta para trabalhar com o Data Tranformation Services é o DTS Designer. O Designer é uma interface gráfica amigável onde criamos transformações de dados com as tarefas de DTS. A ferramenta Analysis Services permite a criação da base de dados OLAP (Online Analytical Processing), ou seja, a criação dos cubos. Estes são acessados através do produto Processor Business Intelligence (ferramenta de interface para o usuário) que fornece todos os recursos necessários para analisar e manipular as informações em interface WEB (Figura 1).

6 Figura 1. Interface para o usuário 3.1. Definição do Escopo Para a definição do escopo, o assunto é estudado e verificado a influência ou abrangência na instituição como um todo, a fim de que não sejam criados módulos que atendam somente a uma área específica e sim, com a preocupação de buscar relacionamento com outras áreas. Por exemplo: se estivermos falando em produção assistencial, é verificada a contrapartida na área financeira, o que representa e como se interligam as informações. Nesta fase é definido o grupo de usuários responsáveis pela área em questão, os quais apresentarão as necessidades da área e serão os responsáveis pela homologação das informações. O grupo de trabalho (analistas, coordenador e usuários), neste momento, define a padronização de nomes gerando o glossário de termos, que faz com que haja unicidade de termos em todas as áreas. Durante esta fase é definida a periodicidade de atualização dos dados e os níveis de acesso Modelo de Dados Nesta fase é construída a estrutura dos dados. São criadas tabelas que conterão as informações referentes ao escopo definido. Utilizamos o formato denominado estrela (the star schema), onde existe a estrutura para as Tabelas Fato e as Tabelas Dimensão. Dimensão é o que dá significado aos fatos e os torna únicos. As Medidas geralmente são valores quantitativos, colunas numéricas que representam o valor a ser analisado. A intersecção entre Medidas e Dimensões geram a Tabela Fato. ( Agosta, Louis, 1999) A modelagem estrela permite apresentar a relação entre as Tabelas Fato e suas e Dimensões, apresentando as mesmas como foreign key da Tabela Fato Transformação dos Dados (DTS) A ferramenta que utilizamos para fazer a transformação dos dados permite buscar qualquer tipo de dado seja qual for a sua origem. Através da transformação dos dados de

7 origem, geramos a base de dados do BI. Esta base é formada por vários DM, segmentando o DW por áreas e assuntos. As origens de dados que utilizamos no IG são: - Sistema Corporativo AGH (base Oracle): Para buscar estas informações são realizadas queries em SQL. Estas queries são realizadas a partir da análise do modelo E-R da instituição e baseadas em reuniões com os analistas de sistemas responsáveis pela respectiva área de atuação; - Sistemas Informatizados de Setores Específicos (base Oracle): São realizadas queries em SQL. Estas queries são realizadas a partir de contato com a empresa fornecedora do sistema a fim de repasse do conhecimento do modelo ER. - Planilhas Excel: Estas planilhas são mantidas pelos usuários. São utilizadas planilhas em Excel para áreas/assuntos que não possuem sistema informatizado. A busca das informações através destas planilhas é feita através do DTS onde as células da planilha funcionam como colunas de tabelas Projeto e Geração dos cubos Nesta fase é utilizada a ferramenta Analysis Manager, onde é feita a construção da base de dados OLAP através dos cubos, realcionando as dimensões e medidas por assunto. As dimensões podem ser criadas compartilhadas, isto é, permitindo que esta mesma dimensão seja utilizada em um ou mais cubos. Na construção das Dimensões, usamos dois tipos: Star Schema e Snowflake Schema Controle de Acesso Foram determinados grupos de acesso denominados roles que caracterizam grupos de usuários com mesmo nível funcional dentro da instituição. Foi feito o cruzamento de cada role com os cubos que o grupo tem direto de acesso. O controle de acesso se dá em 3 etapas: - Acesso à base de dados SQL Server através da ferramenta SQL Server Enterprise Manager: Determina todos os usuários do HCPA que possuem direito de acesso a base de dados do IG; - Acesso aos cubos através da ferramenta Analysis Manager: Determina os cubos que cada role poderá acessar e quais usuários fazem parte da mesma; - Acesso às visões publicadas no browser: Determina o menu de acesso para cada usuário do IG, de acordo com seu nível de acesso Disponibilização aos Usuários Finais Os cubos gerados são acessados via Pivot Table do Excel, transformados em tabelas dinâmicas e salvos em formato htm de acordo com a visão (lay-out) previamente definida. Através do produto Processor Business Intelligence, estes códigos em htm são importados e publicados. Este produto permite criar perfis de acesso às visões criadas e permite algumas facilidades, disponibilizadas no lado esquerdo da tela (Figura 2), tais como:

8 - Exportar a visão para o Excel, a fim de gerar projeções, criar novas colunas; - Enviar a visão explorada pelo usuário por , a fim de compartilhar análises; - Criar visões pessoais, com os filtros e formatos mais usuais; - Criar visões gerais, possibilitando disponibilizar para outros usuários visões construídas pelo próprio usuário; - Acessar o glossário de termos; - Visualizar em forma de gráfico; - Buscar explicação de funcionalidade do cubo; Figura 2. Cubo de Internação 3.5. Treinamento O treinamento foi composto de 2 módulos, um de 2 horas que explorava as funcionalidades da ferramenta e outro módulo de 2 horas com formato de workshop para discutir o conteúdo dos cubos. As turmas eram sempre de seis pessoas com micro computadores individuais para uso e agrupadas por perfil de usuário Análise Crítica das Informações Nesta fase os usuários utilizam as informações para tomada de decisão, fazem correlações e cruzamentos entre os cubos. Isto estimula questionamentos e até realização de projeções e geração de gráficos. 4. Resultados Obtidos O IG promove ampla discussão entre grupos de trabalho sobre a definição dos conceitos básicos sobre indicadores existente na área assistencial e informações referentes a produção e faturamento, gerando muitas vezes uma revisão nos processos de trabalhos e

9 mudanças no sistema corporativo (sistema AGH) com o objetivo de qualificar ainda mais as informações de origem. A ferramenta utilizada para a construção dos cubos rastreia o dado na origem (no banco de dados do sistema corporativo e/ou planilhas mantidas pelo usuário), tornando visível o seu conteúdo, possibilitando estratificações e permitindo que o gerente faça análise e críticas. Este é, sem dúvida, um dos efeitos mais importantes da não interferência do analista de sistemas na consulta ao banco de dados. Para ilustrar esta situação mostramos a seguir o depoimento do Assessor da Vice-Presidência Médica: O IG era uma solicitação muito antiga das pessoas que fazem o monitoramento da qualidade assistencial e dos processos administrativos no HCPA. Era um desejo poder trabalhar com uma base de dados diretamente na tela. Desejávamos um SW para construir indicadores e análises estratificadas sem depender dos analistas de sistemas para efetuar cada passo. O IG foi a realização desta aspiração. Ao final do processo de implantação do IG, evidenciaram-se resultados ocorridos em processos finalísticos, dentre os quais destacamos: - A atuação dos gerentes diretamente nos dados, gerando planilhas de projeção com os dados obtidos; - Disseminação de conceitos utilizados na instituição independente das áreas de atuação. Para ilustrar esta situação, mostramos a seguir o depoimento do coordenador da gerência administrativa: O IG disponibiliza informações da instituição instantaneamente. Estas dão suporte à tomada de decisões e possibilitam o cruzamento de informações de uma forma macro interagindo com todas as áreas. Através do IG verificamos se houve aumento da produção, da receita, etc. A posição do coordenador da gerência administrativa é clara neste sentido quando afirma que Com a implantação do IG, reduziu-se o tempo de formação de um consenso sobre os dados, pois o sistema indica, direciona o caminho a ser tomado. Dá um caráter científico à decisão eliminado assim suposições sem embasamento. 5. Lições Aprendidas O desenvolvimento do projeto IG no HCPA proporcionou um rico processo de aprendizagem à equipe envolvida. Ao analisarmos todo o processo vivenciado e os resultados obtidos, identificou-se um conjunto de lições aprendidas no processo. A seguir apresentamos as principais lições aprendidas e tecemos comentários sobre cada uma delas, buscando identificar as origens do processo de aprendizagem vivenciadas no processo descrito neste artigo. Lição 1: É fundamental a existência de um patrocinador com forte apoio político. Para a realização deste projeto contamos com um bom padrinho, no caso o presidente do HCPA, que fez com que fosse possível atravessar barreiras e quebrar paradigmas. Constatamos que realmente esta é uma figura muito importante para conseguirmos êxito na implantação do nosso IG- Informações Gerenciais. Sua atuação é bastante importante tanto nos aspectos que se referem a recursos financeiros quanto, e principalmente, no que se refere à utilização do IG como ferramenta de gestão de informações na instituição, utilizando-o para as tomadas de decisões nas reuniões com o grupo gerencial.

10 Lição 2: Participação dos usuários é fundamental. Durante o desenvolvimento deste projeto contamos em todos os módulos com usuários responsáveis das áreas para a definição das necessidades e análise das informações geradas. A participação destes usuários compondo a equipe de desenvolvimento é fundamental, pois eles têm o conhecimento da área e da instituição como um todo, possuindo a competência de saber o reflexo das informações, possibilitando o relacionamento entre as áreas. Lição 3: Nivelar o conhecimento dos participantes amplia a participação. A criação de um glossário único de termos, a transparência das informações e sua padronização permitiram que a integração entre as diversas áreas fosse estimulada. Atualmente, as decisões são compartilhadas e mudanças significativas são promovidas a partir da análise e exploração das informações contidas no IG. Lição 4: A equipe técnica deve ter atuação exclusiva no projeto. Ter sido designado uma equipe de analistas de sistemas exclusivamente dedicados a este projeto e com conhecimento do ambiente transacional foi de grande importância, permitindo um forte envolvimento nas áreas trabalhadas e com o grupo de usuários que participam das definições. Tendo uma equipe dedicada exclusivamente a este projeto torna possível a pesquisa e estudo para qualificar a obtenção das informações e publicação destas. Ter uma coordenação forte em liderança e persistente na eliminação de barreiras e de resistências com forte penetração nas diversas áreas de atuação e juntamente ao patrocinador do projeto. Lição 5: Aspectos técnicos e metodológicos são críticos para o sucesso. A utilização de tecnologias modernas e o treinamento para a sua utilização são fatores muito importantes. A parceria com uma empresa detentora de conhecimentos tecnológicos, fazendo o repasse tecnológico para a equipe interna paralelo ao desenvolvimento, foi um fator que com certeza contribuiu para o rápido assimilamento dos conhecimentos técnicos, pois a medida que foi feito o desenvolvimento a equipe teve a possibilidade de aprender praticando os novos conceitos. Também foi importante durante o desenvolvimento a oportunidade da realização de um treinamento formal externo, gerando um embasamento teórico e prático. Para o sucesso no desenvolvimento é importante que a equipe tenha um bom conhecimento técnico. Outro fator importante é manter um contrato de manutenção com uma empresa detentora da tecnologia para caso de duvidas posteriores. 6. Considerações Finais O projeto do IG ganhou notoriedade quando o patrocinador do projeto afirmou: O acesso à informação estimula o sentimento de pertencer e o senso de responsabilidade dos agentes de toda a instituição. Com base neste pensamento motivador, o IG caracterizou-se como um dos projetos institucionais prioritários da área de tecnologia da informação.

11 Na medida em que a solução IG foi se incorporando no processo decisório, passou a ser uma importante ferramenta para a realização de projeções e simulações neste contexto. Possibilitando, inclusive, comparações em tempo real com sites que disponibilizam indicadores. Mediante a disseminação do uso do IG pelo quadro gerencial do hospital, consolida-se a cultura necessária para que os principais benefícios esperados possam ser alcançados. Para a melhor utilização deste ambiente são necessárias criatividade e habilidade humanas na utilização das informações, a fim de criar novas oportunidades. Quanto mais criativo o usuário, melhor o uso das ferramentas. 7. Bibliografia Barbieri, Carlos (2001) BI Business Intelligence Modelagem & Tecnologia, Ed.: Axcel Books do Brasil Editora. Rio de Janeiro, 424 p. Inmon WH. (1997) Como Construir o Data Warehouse, Ed.: Campus, Rio de Janeiro, 388 p. Inmon WH. (1999) Gerenciando Data Warehouse, Ed.: Makron Books, São Paulo, 375 p. Agosta, Louis (1999) The essential guide to Data Warehousing, Ed. Prentice Hall, 480p.

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence Juntamente com o desenvolvimento desses aplicativos surgiram os problemas: & Data Warehouse July Any Rizzo Oswaldo Filho Década de 70: alguns produtos de BI Intensa e exaustiva programação Informação em

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

Experiência: Tecnologia da Informação como Suporte à Gestão em Controle de Infecções Hospitalares Impacto na Qualidade Assistencial

Experiência: Tecnologia da Informação como Suporte à Gestão em Controle de Infecções Hospitalares Impacto na Qualidade Assistencial Experiência: Tecnologia da Informação como Suporte à Gestão em Controle de Infecções Hospitalares Impacto na Qualidade Assistencial Ministério da Educação Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) -

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Carlos Alberto Ferreira Bispo (AFA) cafbispo@siteplanet.com.br Daniela Gibertoni (FATECTQ) daniela@fatectq.com.br

Leia mais

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO Através do estudo dos sistemas do tipo ERP, foi possível verificar a natureza integradora, abrangente e operacional desta modalidade de sistema. Contudo, faz-se necessário compreender que estas soluções

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PROJETO NOVAS FRONTEIRAS DECLARAÇÃO DE TRABALHO TREINAMENTO STATEMENT OF WORK Preparado por Nelson Azevedo Membro do Time Versão 1 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 28/11/2010 Propósito

Leia mais

Seu dia é mais inteligente

Seu dia é mais inteligente Seu dia é mais inteligente O 2007 Microsoft Office system é uma plataforma de soluções inteligentes para tarefas operacionais, estratégicas e organizacionais. O conjunto de aplicativos e servidores e a

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Informações Gerenciais em Hospital de Referência

Informações Gerenciais em Hospital de Referência Informações Gerenciais em Hospital de Referência Sérgio Felipe Zirbes 1, Maria Luiza Falsarella Malvezzi 2 1 Departamento de Informática Aplicada, Instituto de Informática, Universidade Federal do Rio

Leia mais

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining.

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining. BUSINESS INTELLIGENCE COM DADOS EXTRAÍDOS DO FACEBOOK UTILIZANDO A SUÍTE PENTAHO Francy H. Silva de Almeida 1 ; Maycon Henrique Trindade 2 ; Everton Castelão Tetila 3 UFGD/FACET Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO

INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO Pauta Visão do Negócio Oportunidades de Melhoria Resultados Alcançados Como nos estruturamos para alcançar os resultados? Organograma Institucional Controladoria

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006

Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006 Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006 Agenda A Informal Perspectiva Histórica Modelos de Arquitetura Benefícios para Gestão Caso de Referência Agenda A Informal

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012

PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012 PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012 Curso: TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Habilitação: TECNÓLOGO Disciplina: NEGÓCIOS INTELIGENTES (BUSINESS INTELLIGENCE) Período: M V N 4º semestre do Curso

Leia mais

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Mikael de Souza Fernandes 1, Gustavo Zanini Kantorski 12 mikael@cpd.ufsm.br, gustavoz@cpd.ufsm.br 1 Curso de Sistemas de Informação, Universidade

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

perspectivas e abordagens típicas de campos de investigação (Senra & Camargo, 2010).

perspectivas e abordagens típicas de campos de investigação (Senra & Camargo, 2010). 1 Introdução Os avanços na tecnologia da informação, bem como o crescimento da sociedade da informação através do uso da Internet, obrigaram os governos de inúmeros países, em seus mais variados níveis,

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Excelência em Metodologia de Helpdesk

Excelência em Metodologia de Helpdesk Excelência em Metodologia de Helpdesk O IntraDesk foi desenvolvido com base nas melhores práticas conhecidas de Helpdesk, indicadas por organizações como o Gartner Group e o Helpdesk Institute, que, aliadas

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 6º MÓDULO AVALIAÇÃO A3 DATA 09/07/2009 SISTEMAS EMPRESARIAIS Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 4.1 2 1 Material usado na montagem dos Slides BARBIERI,

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

Transformação do Agile ajuda a IBM Software a economizar 300 milhões de dólares

Transformação do Agile ajuda a IBM Software a economizar 300 milhões de dólares Transformação do Agile ajuda a IBM Software a economizar 300 milhões de dólares IBM Rational software possibilita práticas Agile e reutilização mais ampla de ativos Visão geral A necessidade IBM Software

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse

Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse Prof. Dr. Oscar Dalfovo Universidade Regional de Blumenau - FURB, Blumenau, Brasil dalfovo@furb.br Prof. Dr. Juarez

Leia mais

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Alcione Benacchio (UFPR) E mail: alcione@inf.ufpr.br Maria Salete Marcon Gomes Vaz (UEPG, UFPR) E mail: salete@uepg.br Resumo: O ambiente de

Leia mais

Subsecretaria de Contabilidade Pública. Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. Tesouro Gerencial

Subsecretaria de Contabilidade Pública. Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. Tesouro Gerencial Subsecretaria de Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União Tesouro Gerencial Brasília Novembro/2014 Objetivos do Curso O aluno deve ser capaz de: 1) Identificar as diferenças/semelhanças

Leia mais

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 13: Tecnologia da Informação Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Uma informação é um arranjo de dados (nomes, palavras, números, sons, imagens) capazes de dar forma ou sentido a algo do interesse

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU Stanley Galvão 1, Cláudia Miranda 2, Cristiano Souza 3 e Liz Yoshihara 4 1 Departamento de Informática do HU, São Paulo, Brasil

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA

IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA Bruno Nascimento de Ávila 1 Rodrigo Vitorino Moravia 2 Maria Renata Furtado 3 Viviane Rodrigues Silva 4 RESUMO A tecnologia de Business Intelligenge (BI) ou Inteligência de

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO:

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO: ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO: Fabre, Jorge Leandro; Carvalho, José Oscar Fontanini de. (2004). Uma Taxonomia para Informações

Leia mais

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: DSI Departamento de Sistema de Informação DISCIPLINA: Data Warehouse

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - TI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - TI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - TI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Aula 6 Fazendo BI NO EXCEL USANDO TABELA DINÂMICA EXCEL PARA TOMADA DE DECISÕES A ferramenta é nada, o talento é tudo.

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1

FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1 Nome da iniciativa inovadora: FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1 Painel de BI (Inteligência nos negócios) para publicação dos dados associados ao controle estadual Responsável pela Iniciativa

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Capítulo 5. 5.1 Laudon, Cap. 5

Capítulo 5. 5.1 Laudon, Cap. 5 Capítulo 5 Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gerenciamento da Informação e de Bancos de Dados 5.1 Laudon, Cap. 5 OBJETIVOS DE ESTUDO Descrever como um banco de dados relacional organiza os dados

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

MBA EM BUSINESS INTELLIGENCE

MBA EM BUSINESS INTELLIGENCE MBA EM BUSINESS INTELLIGENCE Como a sua empresa estrutura informações estratégicas? Como as decisões são tomadas? São considerados, dados, informações e tendências, de macroambientes? O quanto você conhece

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE Prof. Fabio Purcino

BUSINESS INTELLIGENCE Prof. Fabio Purcino Aula Teste BUSINESS INTELLIGENCE Prof. Fabio Purcino Faça o download desta aula Use um leitor de QR Code Definição Business Intelligence é um conjunto de conceitos e técnicas que buscam extrair conhecimento

Leia mais

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados MBA Inteligência Competitiva BI/CPM 1 Data Warehousing PÓS-GRADUAÇÃO MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM Metadados Andréa Cristina Montefusco (36927) Hermes Abreu Mattos (36768) Robson Pereira

Leia mais

Curso Desenvolvimento de Dashboards com o Excel 2007 e 2010

Curso Desenvolvimento de Dashboards com o Excel 2007 e 2010 Curso Desenvolvimento de Dashboards com o Excel 2007 e 2010 O mercado globalizado e altamente competitivo implica em que, as empresas que almejam serem líderes no mercado onde atuam, devem ter agilidade

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Tecnologia gerando valor para a sua clínica.

Tecnologia gerando valor para a sua clínica. Aumente a eficiência de seu negócio O sclínica é a ferramenta ideal para a gestão de clínicas de diagnóstico. Desenvolvido a partir das necessidades específicas deste mercado, oferece uma interface inteligente,

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO Analista Desenvolvedor de ETL OEI/TOR/FNDE/CGETI Nº /09

Leia mais

HOEPERS USA TECNOLOGIA PARA QUEBRAR PARADIGMAS E OBTER GERENCIAMENTO TOTAL DAS DEMANDAS DA ORGANIZAÇÃO

HOEPERS USA TECNOLOGIA PARA QUEBRAR PARADIGMAS E OBTER GERENCIAMENTO TOTAL DAS DEMANDAS DA ORGANIZAÇÃO HOEPERS USA TECNOLOGIA PARA QUEBRAR PARADIGMAS E OBTER GERENCIAMENTO TOTAL DAS DEMANDAS DA ORGANIZAÇÃO Perfil A Hoepers S.A se posiciona no mercado como uma das três maiores empresas de recuperação de

Leia mais

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos. Produto Conceito Benefícios Mobilidade Vantagens. Clientes

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos. Produto Conceito Benefícios Mobilidade Vantagens. Clientes Agenda A Empresa História Visão Conceito dos produtos Produto Conceito Benefícios Mobilidade Vantagens Clientes A empresa WF História Em 1998, uma ideia que continua atual: Soluções Corporativas via Web;

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento Inteligência Empresarial Prof. Luiz A. Nascimento BI Pode-se traduzir informalmente Business Intelligence como o uso de sistemas inteligentes em negócios. É uma forma de agregar a inteligência humana à

Leia mais

Como melhorar a tomada de decisão. slide 1

Como melhorar a tomada de decisão. slide 1 Como melhorar a tomada de decisão slide 1 P&G vai do papel ao pixel em busca da gestão do conhecimento Problema: grande volume de documentos em papel atrasavam a pesquisa e o desenvolvimento. Solução:

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO EFMP PROF: Edson Marcos da Silva CURSO: Técnico em Administração Subsequente TURMAS: 1º Ano APOSTILA: nº 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL Sistemas de Informação Campo

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

Solução em Software e Automação Comercial

Solução em Software e Automação Comercial Solução em Software e Automação Comercial EMPRESA A Aps Informática é uma empresa de desenvolvimento de sistemas voltados para a gestão empresarial localizada em Recife, Pernambuco. Desde 1992 no mercado,

Leia mais

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado DW OLAP BI Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Sumário OLAP Data Warehouse (DW/ETL) Modelagem Multidimensional Data Mining BI - Business

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Plataforma de Business Intelligence

Plataforma de Business Intelligence Plataforma de Business Intelligence ASTEN TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A Asten é uma empresa do ramo da tecnologia da informação (TI) que tem seu foco na busca por soluções inovadoras. Nosso slogan criando

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA APOIO ÀS DECISÕES DE E-BUSINESS E SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES Conceito O conceito básico de e-business é simples: negócios

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II Data Warehouse Diogo Matos da Silva 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil Banco de Dados II Diogo Matos (DECOM - UFOP) Banco de Dados II Jun 2013 1 /

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 04 Como se organizar para o sucesso em BI Dinâmica Organizacional Complexa Cria o maior ônus para o sucesso de BI

Leia mais

EVER SANTORO www.eversantoro.com.br DOCENCIA > UNIP

EVER SANTORO www.eversantoro.com.br DOCENCIA > UNIP GESTÃO DAS INFORMAÇÕES EVER SANTORO www.eversantoro.com.br DOCENCIA > UNIP CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PROGRAMAÇÃO EXPOSIÇÃO DA DISCIPLINA Cultura da informação Informação estratégica Conceito ampliado de informação

Leia mais