Roteamento de ordens do CME Group para a BM&FBOVESPA (do Globex para o PUMA Trading System BM&FBOVESPA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roteamento de ordens do CME Group para a BM&FBOVESPA (do Globex para o PUMA Trading System BM&FBOVESPA)"

Transcrição

1 Roteamento de ordens do CME Group para a BM&FBOVESPA (do Globex para o PUMA Trading System BM&FBOVESPA) Para negociar os contratos BM&FBOVESPA via roteamento, o investidor usuário do CME Globex deverá: ser registrado, no Brasil, como investidor não-residente, nos termos da Resolução CMN 2689 ou da Resolução CMN 2687; estabelecer vínculo contratual de prestação de serviços de intermediação com uma corretora BM&FBOVESPA (instituição detentora de Direito de Negociação); e estar devidamente cadastrado e habilitado como comitente na BM&FBOVESPA. O participante será registrado como comitente no Sistema de Cadastro de Participantes BM&FBOVESPA, conforme os procedimentos usuais, pela corretora BM&FBOVESPA com a qual tenha estabelecido vínculo de intermediação financeira. A corretora deverá cadastrar também, no mesmo sistema, as informações necessárias à identificação deste investidor, quando do recebimento, pela BM&FBOVESPA, de suas ordens de negociação roteadas do CME Group. Tais informações constarão das ordens (mensagem FIX) e serão utilizadas para converter a identificação do cliente final no CME Group em sua identificação como comitente BM&FBOVESPA, uma vez que a ordem inserida no CME Globex não conterá a identificação do investidor na BM&FBOVESPA. Sendo restrita a negociação de contratos BM&FBOVESPA via roteamento de ordens aos investidores não-residentes no Brasil, a BM&FBOVESPA controlará este acesso com base nas informações cadastrais registradas no Sistema de Cadastro de Participantes BM&FBOVESPA. Mapeamento de Identificação do participante do Roteamento de Ordens Globex PUMA Trading System BM&FBOVESPA Uma ordem transmitida ao PUMA Trading System BM&FBOVESPA é uma mensagem FIX (Financial Information exchange) contendo as informações que caracterizam a oferta, como a identificação do participante na Bolsa, o produto, a quantidade, o preço etc. A ordem roteada do Globex para o PUMA Trading System BM&FBOVESPA também é uma mensagem FIX contendo, no entanto, informações que permitem identificar a entidade/cliente responsável pela ordem no âmbito do CME Group. O mapeamento de identificação do participante do roteamento Globex- PUMA Trading System BM&FBOVESPA consiste da conversão da identificação do cliente no âmbito do CME Group (informação contida na mensagem Globex) em sua identificação no âmbito da Clearing de Derivativos BM&FBOVESPA (informação que deve constar da mensagem PUMA Trading System BM&FBOVESPA).

2 A partir das informações contidas na mensagem de uma ordem roteada do Globex, o sistema de roteamento, antes de inseri-la no livro de ofertas do PUMA Trading System BM&FBOVESPA, verifica se o cliente está cadastrado no módulo de mapeamento de identificação do participante. Em caso afirmativo, o sistema converte essas informações nos dados que identificam o participante na Clearing de Derivativos BM&FBOVESPA e a ordem segue o fluxo do roteamento. Caso contrário, a ordem é rejeitada. Informações de Identificação do Participante As informações de identificação do participante no CME Group utilizadas no mapeamento estão descritas a seguir. Código Globex Código, único no CME Group e por ele definido, de identificação do participante que recebeu, de seu clearing firm, acesso ao Globex. No sistema de mensageria FIX utilizado pelo Globex, corresponde à Tag 49 (somente os seis primeiros bytes). No sistema de cadastro da BM&FBOVESPA, recebe o nome de (Globex Execution Number at CME). Conta no CF Código de identificação do investidor como cliente final do CME Group, definido pelo seu clearing firm. No sistema de mensageria FIX utilizado pelo Globex, corresponde à Tag 1. No sistema de cadastro da BM&FBOVESPA, recebe o nome de (Account Number at Clearing Firm). Operador Identificação do operador que efetivamente insere a ordem no Globex. No sistema de mensageria FIX utilizado pelo Globex, corresponde à Tag 50. No sistema de cadastro da BM&FBOVESPA, recebe o nome de (Sender Sub at Trading Firm). As informações de identificação do participante na Clearing de Derivativos BM&FBOVESPA utilizadas no mapeamento são: Corretora BM&FBOVESPA Código de identificação da corretora, definido de forma única na Bolsa. Conta na Corretora Código de identificação de conta na Clearing de Derivativos, definido de forma única pela corretora. Esse código pode ser de conta de comitente, de conta máster, de conta com vínculo de indicação para PLD ou de código de vínculo de repasse.

3 O modelo de mapeamento assim definido permite ao investidor participante do roteamento operar por meio das corretoras de sua preferência, possuindo diversas contas na Clearing de Derivativos. Gerenciamento de Risco - Roteamento de Ordens As ordens roteadas serão submetidas a controles de exposição ao risco antes de se tornarem ofertas no PUMA Trading System BM&FBOVESPA, via verificação de limites de crédito (pretrade credit check). A BM&FBOVESPA oferecerá à corretora duas opções, quais sejam, a adoção de ferramenta de limites de crédito da BM&FBOVESPA ou de outra ferramenta de sua preferência. A figura que segue abaixo - alterantiva (i) - representa o roteamento considerando-se a utilização da ferramenta de gerenciamento de risco oferecida pela BM&FBOVESPA, enquanto a próxima figura alternativa (ii) - representa o roteamento no caso em que a corretora BM&FBOVESPA opta pela utilização de ferramenta de gerenciamento de risco que não a da BM&FBOVESPA.

4 Na parte superior da figura acima está representado o ambiente dos participantes do CME Group, enquanto, na parte inferior, está o ambiente dos participantes da BM&FBOVESPA. O fluxo operacional de negociação no mercado BM&FBOVESPA via roteamento de ordens tem início com os investidores originalmente usuários do CME Globex (representados no canto superior esquerdo da figura como clientes finais), que enviam suas ordens ao CME Globex via uma trading firm CME Group ou via acesso direto ao sistema. O sistema do CME Group, ao reconhecer tratar-se de ordem para o mercado BM&FBOVESPA, a transmite para a BM&FBOVESPA o que está representado, na figura, pela seta que liga o roteador de ordens, localizado no CME Group, e o gateway do CME Group, localizado na BM&FBOVESPA. Uma vez no ambiente da BM&FBOVESPA, a ordem é submetida à verificação cadastral do participante. Caso ele não seja reconhecido no cadastro de participantes da BM&FBOVESPA, a ordem é rejeitada; caso contrário faz-se a conversão de sua identificação CME Group em identificação BM&FBOVESPA, determinando-se a Corretora BM&FBOVESPA e o Membro de Compensação BM&FBOVESPA responsáveis. A ordem é então submetida à avaliação de limites de crédito, sendo enviada para o PUMA Trading System BM&FBOVESPA caso não represente violação de referidos limites, ou rejeitada, caso contrário. Uma vez enviada ao PUMA Trading System BM&FBOVESPA, a ordem é inserida no livro de ordens do mercado BM&FBOVESPA, a corretora BM&FBOVESPA responsável recebe a devida notificação (via drop copy) e pode, a partir de então, cancelar a ordem. Se a ordem for executada, o correspondente negócio é registrado e segue-se, a partir de então, o fluxo usual de procedimentos da Clearing de Derivativos procedimentos de especificação, repasse, gerenciamento de risco intradiário, depósito de garantias, liquidação, etc.

5 A figura acima apresenta fluxo semelhante ao representado na figura anterior, porém com verificação de limites de crédito ocorrendo no ambiente da corretora e não no ambiente da BM&FBOVESPA. Após a conversão de identificações, a ordem é roteada para a corretora, onde ocorre a verificação de risco. Caso não represente violação de limites, a ordem é transmitida da corretora para o PUMA Trading System BM&FBOVESPA e inserida no livro de ofertas, seguindo o fluxo usual a partir de então. Gerenciamento de Risco Limites de Crédito O modelo de gerenciamento de risco proposto pela BM&FBOVESPA para o roteamento de ordens consiste de pre trade credit check, sob o qual todas as ordens roteadas para a BM&FBOVESPA são submetidas a controle de exposições, antes de se tornarem ofertas no PUMA Trading System BM&FBOVESPA. Dada a necessidade de alta eficiência computacional, os limites e as regras de adequação devem ser simples. Caberá às corretoras BM&FBOVESPA atribuir limites de crédito adequados para seus clientes. A ordem roteada para a BM&FBOVESPA será rejeitada (não enviada ao núcleo do sistema de negociação) caso a inclusão no livro de ofertas represente violação do(s) limite(s) estabelecido(s) pela corretora para o comitente (ou titular de conta máster indicada, conforme o caso). A corretora BM&FBOVESPA terá à sua disposição duas alternativas, quais sejam, (i) utilizar a ferramenta de limites de crédito oferecida pela BM&FBOVESPA; e (ii) utilizar outra ferramenta, a seu critério, cuja implementação não envolverá a BM&FBOVESPA. Sob a alternativa (ii), o gerenciamento de risco é efetuado no ambiente da corretora. A BM&FBOVESPA definirá limites superiores para os limites atribuídos pela corretora ao cliente definirá exigências mínimas de gerenciamento de risco, a serem cumpridas pela corretora. A ferramenta de controle de risco oferecida pela BM&FBOVESPA permitirá à corretora atribuir a cada cliente 3 tipos de limites de crédito: limites para a quantidade de contratos da oferta, definidos por instrumento; limites para a quantidade de contratos da posição comprada e para a quantidade de contratos da posição vendida, por instrumento e sessão de negociação; e limites para a quantidade de contratos da posição comprada e para a quantidade de contratos da posição vendida, por contrato e sessão de negociação.

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA 20 de agosto de 2008 033/2008-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA Ref.: Início da Negociação via

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste

Leia mais

O F ÍC I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA 09 de agosto de 2010 030/2010-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA Ref.: Acesso ao Sistema Eletrônico de Negociação Implantação dos Modelos de

Leia mais

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

1. A SPECTOS GERAIS 1.1 APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS

1. A SPECTOS GERAIS 1.1 APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS C A P Í T U L O I - C A D A S T R O D E P A R T I C I P A N T E S E I N V E S T I D O R E S 1. A SPECTOS GERAIS A CBLC administra dois sistemas de cadastro: o Sistema de Cadastro de Participantes e o Sistema

Leia mais

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo OPORTUNIDADES ÚNICAS O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo Panorama da parceria do CME Group com a BM&FBOVESPA Conectando mercados

Leia mais

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim 5ª Reunião do GT-Testes 7 de Fevereiro de 2013 A implantação do IPN depende de prévia autorização dos órgãos reguladores A implantação da integração das

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A UMUARAMA S/A C.T.V.M, denominada simplesmente Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e

Leia mais

TELEFONES: (0XX11) 3175 5353 Mesa de Operações - FAX: (0XX11) 3283 5849

TELEFONES: (0XX11) 3175 5353 Mesa de Operações - FAX: (0XX11) 3283 5849 1 REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO BOVESPA TELEFONES: (0XX11) 3175 5353 Mesa de Operações - FAX: (0XX11) 3283 5849 ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. nº 4-3 com sede no Município de São

Leia mais

Capítulo 14 Cadastro, Segmentos BM&F e Bovespa

Capítulo 14 Cadastro, Segmentos BM&F e Bovespa Capítulo 14 Cadastro, Segmentos BM&F e Bovespa 14.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar os principais procedimentos e documentos de cadastro e monitoramento de participantes

Leia mais

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Ausência de padronização e automação na troca de informações entre os diversos participantes do mercado Corretoras de valores e de mercadorias

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO AGENDA AMBIENTE DE PÓS-NEGOCIAÇÃO

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 382, 28 DE JANEIRO DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA

O F Í C I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA 04 de setembro de 2008 045/2008-DP O F Í C I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA Ref.: Roteamento de Ordens entre

Leia mais

b) Público-alvo Profissionais que queiram atuar como Agentes Distribuidores de Derivativos ADD.

b) Público-alvo Profissionais que queiram atuar como Agentes Distribuidores de Derivativos ADD. TREINAMENTO DE AGENTE DISTRIBUIDOR DE DERIVATIVOS MODALIDADE ONLINE a) Objetivo Atender à demanda de todos que queiram atuar no mercado financeiro como agentes distribuidores de derivativos, oferecendo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 4 / 106 DEFINIÇÕES AFTER-MARKET período de negociação que ocorre fora do horário regular de Pregão. AGENTE DE COMPENSAÇÃO instituição habilitada pela CBLC a liquidar operações realizadas pelas Sociedades

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO GOLDMAN SACHS DO BRASIL CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Goldman Sachs do Brasil Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. ( Corretora ), em atenção à Instrução

Leia mais

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS MCI REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

MANUAL DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS MCI REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO PRINCIPIOS ÉTICOS E REGRAS DE CONDUTA A CONCÓRDIA, no que tange à sua atuação no Mercado de Valores Mobiliários, toma como base os princípios éticos e regras de conduta a seguir descritos: 1. Pautar suas

Leia mais

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A., CNPJ 04.332.281/0001-30 (doravante INSTITUIÇÃO ), objetivando atuar na qualidade

Leia mais

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários m Av. Brigadeiro Faria Lima, 3400 16º andar 04538-132 São Paulo, SP - Brasil Tel. (55 11) 2188-4000 Fax: (55 11) 2188-4074 Merrill Lynch S.A.

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Liquidação Normas e Regulamentos

Perguntas e Respostas sobre Liquidação Normas e Regulamentos Perguntas e Respostas sobre Liquidação Normas e Regulamentos 60 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) LIQUIDAÇÃO

Leia mais

Programa de Incentivo para Gestoras de Fundos de Investimento na América Latina Perguntas e Respostas Janeiro de 2015

Programa de Incentivo para Gestoras de Fundos de Investimento na América Latina Perguntas e Respostas Janeiro de 2015 Programa de Incentivo para Gestoras de Fundos de Investimento na América Latina Perguntas e Respostas Janeiro de 2015 1. O que é o Programa de Incentivo para Fundos de Investimento na América Latina? O

Leia mais

BVMF Programa de Relacionamento

BVMF Programa de Relacionamento Título da apresentação BVMF Programa de Relacionamento Reunião com Vendors de Difusão Setembro 2009 Agenda Ambiente de Negociação Eletrônica do Segmento Bovespa Ambiente de Negociação Eletrônica do Segmento

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM e demais normas expedidas pela BM&F BOVESPA, define através deste documento, suas

Leia mais

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010 OC 046/2010 07/10/2010 Índice 1. CAPTAR E MANTER CLIENTES... 4 2. GERENCIAR NEGÓCIO... 5 3. EECUTAR ORDENS... 6 4. COMPENSAR E LIQUIDAR... 6 5. FUNÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO... 7 GLOSSÁRIO... 8 2 Definições

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA A CM Capital Markets Corretora de Títulos e Valores Mobiliários LTDA, em atenção ao disposto no art.

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação

Regras e Parâmetros de Atuação Regras e Parâmetros de Atuação A Renascença Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda., ora designada Renascença, em atendimento ao disposto no art. 20º, 4º da Instrução nº 505, de 27 de Setembro

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Início da Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da 2ª Fase do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos órgãos reguladores

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS Janeiro de 2007 GLOSSÁRIO... 9 CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES... 14 1. ASPECTOS GERAIS... 14 1.1 APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS... 14 2. CADASTRO DE PARTICIPANTES...

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. A J.P. Morgan Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S.A. (a Corretora ), em atenção ao disposto no art.

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA de CONTROLES INTERNOS - MCI REGRAS E PArÂMETROS DE ATUAÇÃO

MANUAL DO SISTEMA de CONTROLES INTERNOS - MCI REGRAS E PArÂMETROS DE ATUAÇÃO PRINCIPIOS ÉTICOS E REGRAS DE CONDUTA A CONCÓRDIA CORRETORA, no que tange a sua atuação no Mercado de Valores Mobiliários, toma como base os princípios éticos e regras de conduta a seguir descritos: 1

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE CONDUTA E ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE CONDUTA E ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE CONDUTA E ATUAÇÃO A NOVINVEST CORRETORA DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. ( NOVINVEST ), em atenção ao disposto no Artigo 20, I, da Instrução n 505/11 da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A Corretora, em atendimento ao disposto no art 6 da Instrução n 387, de 28 de abril de 2003, da Comissão de Valores

Leia mais

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A W SITA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6 da Instrução no 387/03 da CVM, define através

Leia mais

IPN - Integração da Pós Negociação

IPN - Integração da Pós Negociação IPN - Integração da Pós Negociação IPN Integração da Pós Negociação Manual Operacional da (Fase 1 Derivativos financeiros e de commodities e ouro disponível) Fevereiro / 2014 Índice IPN Integração da Pós

Leia mais

Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes

Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes A Hoya Corretora de Valores e Câmbio Ltda. (doravante denominada HOYA

Leia mais

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento.

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento. C A P Í T U L O I I I - C O M P E N S A Ç Ã O E L I Q U I D A Ç Ã O 1. A SPECTOS G ERAIS A CBLC é responsável pela Compensação e Liquidação das Operações com Ativos realizadas nos Sistemas de Negociação

Leia mais

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DA BM&FBOVESPA

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DA BM&FBOVESPA MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DA BM&FBOVESPA Dezembro 2015 ÍNDICE Introdução 5 Funções e Notação 8 Capítulo 1 - Estrutura de Salvaguardas 9 1.1 Componentes da estrutura

Leia mais

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Av. Brigadeiro Faria Lima, 3400 6º andar 04538-32 São Paulo, SP - Brasil Tel. (55 ) 288-4000 Fax: (55 ) 288-4074 Merrill Lynch S.A. Corretora

Leia mais

GPD Gestão de Posições em Derivativos

GPD Gestão de Posições em Derivativos 2010 GPD Gestão de Posições em Derivativos BMF&Bovespa Versão 1.00 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O NOVO SISTEMA... 3 3. Lista de Referência... 5 3.1 Definições... 5 3.1.1 CAB Central de Atendimento BM&FBOVESPA...

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO BM&FBOVESPA

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO BM&FBOVESPA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO BM&FBOVESPA 1. INTRODUÇÃO A Geração Futuro Corretora de Valores S.A. ( Geração Futuro ou Corretora ), em atendimento ao disposto pela Comissão de Valores Mobiliários ( CVM

Leia mais

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado;

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado; Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações em bolsas de valores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em sessão

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação

Regras e Parâmetros de Atuação Regras e Parâmetros de Atuação A Renascença Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda, ora designada Renascença, em atendimento ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03, de 28 de abril de

Leia mais

SINCAD - SISTEMA INTEGRADO DE CADASTRO BM&F BOVESPA. Roteiro de Certificação Participante de Negociação Pleno (PNP)

SINCAD - SISTEMA INTEGRADO DE CADASTRO BM&F BOVESPA. Roteiro de Certificação Participante de Negociação Pleno (PNP) 7/4/2010 SINCAD - SISTEMA INTEGRADO DE CADASTRO BM&F BOVESPA Roteiro de Certificação Participante de Negociação Pleno (PNP) Versão: 1.0.1 Última modificação: 20/06/2013 Roteiro de certificação PNP Contato

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. A J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (a Corretora ), em atenção ao disposto no art.

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) Março 2011 GLOSSÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

Workshop 4 SINACOR Visão Geral

Workshop 4 SINACOR Visão Geral Workshop 4 SINACOR Visão Geral Dezembro de 2012 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e a LEROSA (ESCRITÓRIO LEROSA S/A CORRETORES

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A. A ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A. ( ITAÚ CORRETORA ), em consonância com a regulamentação em vigor, estabelece suas regras e parâmetros de

Leia mais

Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda.

Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda. Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda. Regras e Parâmetros de Atuação nos Mercados Administrados pela BM&F BOVESPA e nos Mercados de Balcão. CNPJ 60.783.503/0001-02 A Safra Corretora de Valores e Câmbio

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A OLIVEIRA FRANCO SOCIEDADE CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO LTDA, em atenção ao quanto disposto na Instrução CVM n. 505, de 27/09/2011, define por este documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 2 Continuação do Módulo 1 www.tradernauta.com.br Sistema de negociação da Bovespa e Home Broker Mega Bolsa Sistema implantado em 1997, é responsável por toda

Leia mais

Roteamento de ordens entre o CME Group e a BM&FBOVESPA

Roteamento de ordens entre o CME Group e a BM&FBOVESPA Dezembro/2008 Janeiro de 2008: a BM&FBOVESPA e o CME Group deram início a uma parceria estratégica de longo prazo abrangendo, entre outros, o projeto de desenvolvimento de um sistema de roteamento de ordens

Leia mais

Programa de Incentivos para Empresas de Proprietary Trading na América Latina Perguntas & Respostas Janeiro de 2016

Programa de Incentivos para Empresas de Proprietary Trading na América Latina Perguntas & Respostas Janeiro de 2016 Programa de Incentivos para Empresas de Proprietary Trading na América Latina Perguntas & Respostas Janeiro de 2016 1. O que é o Programa de Incentivos para Empresas de Proprietary Trading na América Latina?

Leia mais

Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados

Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CORRETORA DE VALORES S.A. Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados Outubro de 2013 Regras

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014.

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA Março 2014 Página 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Risco de Principal... 4 1.2. Risco

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A TERRA INVESTIMENTOS DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. ( CORRETORA ), em atendimento ao disposto no art. 34º da Instrução CVM nº 505, e das demais normas

Leia mais

Funcionalidades do Sistema de Negociação de Créditos de Carbono. Anexo VIII

Funcionalidades do Sistema de Negociação de Créditos de Carbono. Anexo VIII Anexo VIII Este Manual do Usuário possui caráter informativo e complementar ao Edital do Leilão de Venda de Reduções Certificadas de Emissão nº 001/2012, promovido pela Prefeitura da Cidade de São Paulo

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação da Convenção S/A Corretora de Valores e Câmbio

Regras e Parâmetros de Atuação da Convenção S/A Corretora de Valores e Câmbio Regras e Parâmetros de Atuação da Convenção S/A Corretora de Valores e Câmbio A Convenção S/A Corretora de Valores e Câmbio, doravante denominada Convenção S/A CVC, em atendimento ao disposto no art. 6º

Leia mais

Interfaces de negociação eletrônica. Andrei Goldchleger 12 de Maiode 2010

Interfaces de negociação eletrônica. Andrei Goldchleger 12 de Maiode 2010 Interfaces de negociação eletrônica Andrei Goldchleger 12 de Maiode 2010 Importante: as informações contidas nessa apresentação são consideradas corretas e atualizadas. Entretanto, fatores futuros podemlevaramudanças

Leia mais

CARTA CIRCULAR N.º 252. Ref.: Trata da implantação do Sistema Integrado de Mercados SIM Módulo STN.

CARTA CIRCULAR N.º 252. Ref.: Trata da implantação do Sistema Integrado de Mercados SIM Módulo STN. CARTA CIRCULAR N.º 252 Aos Participantes de Todos os Sistemas Ref.: Trata da implantação do SIM Módulo STN. A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos - CETIP comunica que, no dia 28/02/2000,

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA ATUAÇÃO EM BOLSAS DA CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CORRETORA DE VALORES S.A.

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA ATUAÇÃO EM BOLSAS DA CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CORRETORA DE VALORES S.A. As normas de procedimento descritas a partir desta página, são para conhecimento do cliente, não sendo obrigatório o envio para a Credit Suisse Hedging-Griffo. NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA ATUAÇÃO EM BOLSAS

Leia mais

Workshop Requisitos Normativos

Workshop Requisitos Normativos Workshop Requisitos Normativos BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados (BSM) Diretoria de Autorregulação 28 e 29 de maio de 2012 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO: CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Opção sobre Futuro de Boi Gordo Opção sobre Futuro de Boi Gordo O Contrato de Opção sobre Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira foi lançado pela BM&FBOVESPA, em 22/07/1994,

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação

Regras e Parâmetros de Atuação Regras e Parâmetros de Atuação Índice Introdução Regras e Parâmetros 1 - Cadastro 2 - Regras Quanto ao Recebimento de Ordens 3 - Regras Quanto ao Registro das Ordens de Operações 4 - Regras Quanto a Execução

Leia mais

Instruções de preenchimento. Perfis para os Participantes da Câmara de Ativos. Perfis para os Participantes da Câmara de Câmbio

Instruções de preenchimento. Perfis para os Participantes da Câmara de Ativos. Perfis para os Participantes da Câmara de Câmbio Instruções de preenchimento O participante deve: 1. Assinalar com X o seu perfil (ou perfis) em cada câmara para realização dos testes do Novo Cadastro Selic, sendo que os participantes podem se cadastrar

Leia mais

AULA 16. Mercado de Capitais III

AULA 16. Mercado de Capitais III AULA 16 Mercado de Capitais III FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE AÇÕES Mercado de bolsa: as negociações são abertas e realizadas por sistema de leilão, ou seja, a venda acontece para quem oferece melhor lance.

Leia mais

DEFINIÇÕES. IV - Lote-padrão - a quantidade de ações-objeto a que se refere necessariamente cada opção.

DEFINIÇÕES. IV - Lote-padrão - a quantidade de ações-objeto a que se refere necessariamente cada opção. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 14, DE 17 DE OUTUBRO DE 1980, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N o 283/98 E 506/11. Define as operações em Bolsas de Valores com opções de compra

Leia mais

Home Broker e as novas ferramentas para o investidor. Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado

Home Broker e as novas ferramentas para o investidor. Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado Home Broker e as novas ferramentas para o investidor Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado A Evolução da Bolsa de Valores 1895: Fundação da Bolsa de Fundos Públicos de São

Leia mais

Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa

Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco 02/03/2011 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL

Leia mais

J. Safra Corretora de

J. Safra Corretora de J. Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda. CNPJ 60.783.503/0001-02 REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA BM&FBOVESPA E NOS MERCADOS DE BALCÃO. A J. Safra Corretora de Valores

Leia mais

2. BASE LEGAL Disposto no artigo 34 da Instrução CVM n.º 505 de 27.09.2011 e nas demais normas expedidas pela BM&FBovespa.

2. BASE LEGAL Disposto no artigo 34 da Instrução CVM n.º 505 de 27.09.2011 e nas demais normas expedidas pela BM&FBovespa. REGRAS E PARÂMETROS DA INTERMEDIUM DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. OBJETIVO Estabelecer suas regras e parâmetros de atuação relativos ao recebimento, registro, recusa, prazo de validade,

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOLIDUS S.A. CCVM

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOLIDUS S.A. CCVM REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOLIDUS S.A. CCVM Esta Sociedade Corretora, em atenção à legislação vigente, define através deste documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento, registro,

Leia mais

CAPÍTULO II - REGISTRO E ACEITAÇÃO DE OPERAÇÕES... 23

CAPÍTULO II - REGISTRO E ACEITAÇÃO DE OPERAÇÕES... 23 GLOSSÁRIO... 9 CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES... 14 1. ASPECTOS GERAIS... 14 1.1. APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS... 14 1.2. CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES POR MERCADO E SISTEMAS

Leia mais

1. E STRUTURA DE CONTAS

1. E STRUTURA DE CONTAS C A P Í T U L O V I I I S E R V I Ç O D E C U S T Ó D I A D A C B L C 1. E STRUTURA DE CONTAS O Serviço de Custódia da CBLC mantém estrutura de Contas de Custódia individualizadas sob responsabilidade

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas em bolsas e mercados de balcão organizado por meio da rede mundial de computadores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Mercado Secundário de Valores Mobiliários: Negociação e Pós-Negociação

Mercado Secundário de Valores Mobiliários: Negociação e Pós-Negociação Mercado Secundário de Valores Mobiliários: Negociação e Pós-Negociação As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de inteira responsabilidade do palestrante, não refletindo, necessariamente,

Leia mais

Guia De Configuração do Sistema de Comunicação GPRS ID DATA

Guia De Configuração do Sistema de Comunicação GPRS ID DATA Guia De Configuração do Sistema de Comunicação GPRS ID DATA www.iddata.com.br Sumário 1. Introdução... 3 2. Requisitos Mínimos... 4 3. Modos de Configuração da Estrutura de Comunicação... 5 3.1. Conexão

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação BM&FBOVESPA Versão 7 Máxima CCTVM Data rev: 251114

Regras e Parâmetros de Atuação BM&FBOVESPA Versão 7 Máxima CCTVM Data rev: 251114 Este documento é propriedade do, para uso exclusivo de seus Acionistas, Diretores e Colaboradores. Sua divulgação só é permitida internamente. Este documento, ou qualquer parte dele, não pode ser reproduzido,

Leia mais

Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários

Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários Esta ficha complementa o cadastro do cliente na Credit Suisse (Brasil) S.A. CTVM ( Credit Suisse ) com informações

Leia mais

LIBERAÇÃO FINANCEIRA NO PEDIDO DE VENDA

LIBERAÇÃO FINANCEIRA NO PEDIDO DE VENDA LIBERAÇÃO FINANCEIRA NO PEDIDO DE VENDA As liberações financeiras somente são verificadas no faturamento do pedido, como conseqüência há situações em que o cliente tem limite de crédito excedido, vencido

Leia mais

REGRAS E P ARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E P ARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E P ARÂMETROS DE ATUAÇÃO A ALPES CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILI ÁRIOS S.A. (Alpes Corretora ou Corretora), em atendimento ao disposto no art. 3º, inciso I, da Instrução nº 505, de

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A. A ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A. ( ITAÚ CORRETORA ), em consonância com a regulamentação em vigor, estabelece suas regras e parâmetros de

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Ivan Wedekin Diretor de Produtos do Agronegócio e Energia ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária 1 Brasil o gigante da pecuária

Leia mais

Guia de Implantação Bluesoft ERP Fechamento de Caixa

Guia de Implantação Bluesoft ERP Fechamento de Caixa Guia de Implantação Bluesoft ERP Fechamento de Caixa Objetivo O objetivo deste guia é fornecer um roteiro para a implantação módulo Fechamento de Caixa do sistema Bluesoft ERP. O que é o Fechamento de

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco 36 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) GERENCIAMENTO

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO É propósito da Um Investimentos S.A Corretora de Títulos e Valores Mobiliários (doravante denominada Corretora), atuar sempre no melhor interesse de seus clientes, e na manutenção

Leia mais

A MAIOR PLATAFORMA ELETRÔNICA DO MUNDO. CME GLOBEX.

A MAIOR PLATAFORMA ELETRÔNICA DO MUNDO. CME GLOBEX. A MAIOR PLATAFORMA ELETRÔNICA DO MUNDO. CME GLOBEX. NEGOCIAÇÃO DE FUTUROS E OPÇÕES. MAIS ÁGIL, MAIS SIMPLES. A plataforma CME Globex foi o primeiro e permanece entre os mais rápidos sistemas de pregão

Leia mais

SISBEX WEB. Manual do Usuário. Treinamento Fase 1 (TRN 01)

SISBEX WEB. Manual do Usuário. Treinamento Fase 1 (TRN 01) SISBEX WEB Manual do Usuário Treinamento Fase 1 (TRN 01) Índice 1. Apresentação... 3 2. Funções... 4 2.1. Menu Principal... 4 2.2. Registro de Operações... 6 2.2.1. Registrar Operações...6 2.2.2. Incluir

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA FATOR S.A. CORRETORA DE VALORES

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA FATOR S.A. CORRETORA DE VALORES Fev/13 REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA FATOR S.A. CORRETORA DE VALORES A Fator S.A. Corretora de Valores ( Corretora ), em atenção ao disposto no artigo 6º da Instrução CVM nº 505, de 27 de setembro

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS Dispõe sobre empréstimo de valores mobiliários por entidades de compensação e liquidação de operações com valores mobiliários, altera as Instruções CVM nºs 40, de 7 de novembro de 1984 e 310, de 9 de julho

Leia mais

REPAC REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ATIVA INVESTIMENTOS S.A. CORRETORA DE TÍTULOS, CÂMBIO E VALORES

REPAC REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ATIVA INVESTIMENTOS S.A. CORRETORA DE TÍTULOS, CÂMBIO E VALORES REPAC REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ATIVA INVESTIMENTOS S.A. CORRETORA DE TÍTULOS, CÂMBIO E VALORES Outubro de 2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. PRINCÍPIOS... 3 2. CADASTRO... 4 3. RECEBIMENTO DE ORDENS...

Leia mais