Promotores da eficácia da acção executiva

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Promotores da eficácia da acção executiva"

Transcrição

1 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL PROMOVER A EFICÁCIA DAS EXECUÇÕES AUDITÓRIO DO ISCSP, da UTL -18/06/2010 PAINEL 9 ANÁLISE E PROSPECTIVA DA CPEE Jorge Almeida Promotores da eficácia da acção executiva

2 Em 2003 a Câmara dos Solicitadores assumiu a enorme tarefa de colocar em prática um regime que dava aos solicitadores tarefas para as quais não estavam devidamente preparados e para o correcto desempenho das quais não tinham as infra-estruturas de base devidamente implementadas. Acresce que, de um dia para o outro, houve uma revolução social para a qual ninguém estava preparado.

3 A legitimação dos solicitadores no papel de agentes de execução não ocorreu desde início. Ao longo dos últimos 6 anos, muitos solicitadores só têm conseguido assegurar a sua legitimidade ou pelo seu carisma ou pelo seu conhecimento especializado da acção executiva. Alguns advogados suspenderam a sua inscrição na Ordem dos Advogados para se poderem tornar agentes de execução.

4 Contudo, as profissões jurídicas legitimadas pela tradição têm assumido uma postura essencialmente hostil face às novas competências dos solicitadores. 3 razões principais: 1. Dificuldades práticas muito acentuadas em reorganizar o trabalho em função desta nova profissão; 2. Falta de legitimidade/formação do solicitador para assumir essas funções; 3. Ressentimento pela perda de funções próprias para o solicitador ou pela perda de um intermediário mais legítimo.

5 Em 2009 reiniciou-se, simplificando, a reforma de A análise do passado impôs uma actuação decidida em várias áreas: 1. Melhores meios tecnológicos (agora com as infraestruturas mínimas de suporte que haviam sido prometidas em 2003); 2. Transparência do processo para todos os intervenientes processuais assegurada pelo processo electrónico; 3. Definição clara de uma nova profissão agora não exclusiva dos solicitadores;

6 4. Aposta clara na criteriosa selecção e formação dos novos candidatos; 5. Maior empenho público e da sociedade na disciplina dos agentes e na eficácia da acção executiva (melhorando modelos já existentes para profissões que exercem funções públicas: CSM, CSTAF, Conselho do Notariado, etc.); 6. Aposta clara na qualificação da discussão pública sobre o tema, fomentando a troca de experiências e o conhecimento das diferentes realidades de todos os intervenientes;

7 7. Melhoria contínua dos meios e das soluções técnicas ao dispor dos Agentes de Execução; 8. Apoio ao estudo e reformulação dos fluxos comunicacionais e processuais de modo a eliminar actos inúteis e a maximizar a produtividade.

8 Para melhorar a acção executiva é preciso: De todas as instituições: A. Apoiar a implementação prática da simplificação da acção executiva: a) Compreendendo os seus objectivos; b) Desempenhando as suas funções de acordo com as normas (não esquecendo que HOUVE efectivamente redefinição de funções, novos critérios e novos fundamentos e que a acção executiva NÃO é uma declaração de direitos). B. Apoiar e disseminar a utilização das ferramentas tecnológicas disponibilizadas;

9 C. Apoiar o exercício efectivo da actividade disciplinar e fiscalizadora nos novos moldes em que foram aprovados; D. Regulamentar de forma consentânea com os novos poderes de todas as instituições, com as novas regras e com as novas instituições o exercício da actividade.

10 Para melhorar a acção executiva é preciso: Dos juízes, funcionários judiciais e advogados: A. Repensar o modo como organizam o seu trabalho e como vêem o seu papel na acção executiva: a) Agilizando procedimentos; b) Tendo como prioridade, nos processos antigos, a definição clara dos procedimentos tendentes a obter o crédito ou, não sendo possível por inexistência de bens, a publicitação dessa situação na Lista Pública de Execuções;

11 c) Tendo como prioridade, nos processos novos, decidir rápida e eficazmente as solicitações de qualquer interveniente. B. Trabalhar em conjunto com os agentes de execução de modo a definir procedimentos claros, rápidos e eficazes para a resolução das situações mais importantes para obter as finalidades da execução ou mais frequentes.

12 Para melhorar a acção executiva é preciso: Dos advogados: A. Conhecer bem as normas aplicáveis; B. Acautelar o cumprimento das obrigações dos exequentes e dos executados; C. Respeitar as decisões e solicitações fundamentadas dos Agentes de Execução; D. Não fomentar o uso indevido, inútil ou economicamente prejudicial para o cliente do sistema de justiça.

13 Para melhorar a acção executiva é preciso: Dos Grandes Litigantes: A. Respeitar as decisões legítimas dos Agentes de Execução sem exercer pressões ilegítimas; B. Ter uma racionalidade económica adequada relativamente à manutenção da acção executiva apenas nas situações em que há possibilidade de recuperação do crédito; C. Não fomentar o uso indevido, inútil ou economicamente prejudicial do sistema de justiça.

14

15 Para promover a eficácia da acção executiva é preciso: Agentes de execução com consciência ÉTICA e DEONTOLÓGICA adequada a obter a legitimidade da classe enquanto especialistas da acção executiva.

16 Ética é um conjunto de regras, de valores, de proibições e tabus que também determinam a actuação de cada indivíduo e que são construídos por cada um de nós através de uma reflexão teórica, racional e crítica sobre a validade de uma determinada moral.

17 A Ética procura que os actos humanos se orientem no sentido da procura da perfeição do indivíduo, da rectidão, da verdade, do bem, do ponto de equilíbrio entre dois extremos de excesso ou de deficiência (virtude). A ética, como ciência normativa, considera princípios metafísicos e antropológicofilosóficos, que tenta explicar questões como a liberdade, a natureza do bem e do mal, a virtude, a felicidade, o dever, a integridade, etc.

18 As actividades profissionais têm, em regra, como finalidade o bem comum e a prossecução do interesse público, e têm uma dimensão social, de serviço à comunidade, que se antecipa à dimensão individual (na forma de benefício particular que se retira dela). Para se ser um bom profissional a Ética individual (o interesse próprio) não pode estar em contradição insanável com a Deontologia profissional (com a prossecução do bem comum).

19 A deontologia é um conjunto de comportamentos exigíveis aos profissionais, e que muitas vezes não se encontram codificados em regulamentação jurídica. Assim, a deontologia é uma ética profissional das obrigações práticas, baseada na livre acção do profissional e no seu carácter ético.

20 A Deontologia é, assim, o conjunto das regras (escritas ou nãoescritas) construídas racionalmente pelo conjunto dos profissionais e que enquadram o comportamento esperado de cada um no desempenho das suas funções de modo a obter a excelência/o equilíbrio/a justiça/o bem comum.

21

22 1. Porque permite a cada profissional saber assumir a responsabilidade pelo impacto do exercício da sua actividade; 2. Porque o desenvolvimento de um sentido ético e deontológico comum promove-se através da discussão racional conjunta de problemas concretos;

23 3. Porque um profissional tem a capacidade de mudar o seu comportamento se interiorizar ou reconhecer que um determinado comportamento anterior não se adequa ao que ele próprio/outros espera/esperam do seu desempenho, evitando erros comuns ou ingénuos; 4. Porque se aprende a argumentar e a encontrar posições comuns enquanto classe que permite a cada profissional resistir a pressões externas que visam o compromisso dos princípios éticos e deontológicos.

24

25 1. Informação Tenho informação relevante e suficiente para tomar uma decisão no caso concreto? 2. Envolvimento Considerei e envolvi todas as pessoas com interesse relevante para a decisão em causa? 3. Consequências Analisei todas as consequências previsíveis e ponderei-as face ao resultado final da decisão? 4. Justiça Se as consequências mais graves da decisão se reflectissem em mim, mesmo assim consideraria a solução justa tendo em consideração todas as circunstâncias?

26 5. Valores A solução encontrada mantém a integridade dos valores que considero essenciais? 6. Solução universal Considero que a decisão que pretendo tomar se deve tornar uma norma universal aplicável a todas as situações semelhantes? 7. Publicidade Como me sentiria e como seria considerado pelas pessoas com quem me relaciono se os detalhes do processo de tomada de decisão e a solução encontrada fossem revelados?

27 Ética Deontologia Agente de Execução Questionar Saber Reflectir Actos proibidos Actos exigíveis Agir Actos permitidos/ permissíveis

28 Exercer e fiscalizar

29 6 anos de prática ensinaram-nos que não se pode apenas contar com cada um dos agentes de execução para exercer a deontologia Primeiro é necessário criar um conjunto de normas deontológicas eficazes e isso só se faz com um conjunto de profissionais empenhado na excelência de toda a classe.

30 Segundo, é necessário desenvolver o sentido ético e deontológico de todos, estagiários, patronos e agentes de execução no activo, promovendo formações e uma partilha generalizada das dificuldades quotidianas e das soluções encontradas.

31 Terceiro, é necessário um órgão independente de qualquer pressão política interna ou externa que vise, com uma postura pedagógica, harmonizar procedimentos deontologicamente correctos através de fiscalizações ordinárias e a pedido.

32 Por fim, é necessário também que o mesmo órgão independente de qualquer pressão política interna ou externa aplique, efectiva, uniforme e imparcialmente, as sanções disciplinares a quem se prove ter agido com dolo contra as regras da profissão, prejudicando gravemente exequentes, executados ou o próprio sistema de justiça.

33

34 Para melhorar a performance da acção executiva os Agentes de Execução necessitam: A. De conhecer bem as normas aplicáveis; B. De acautelar as finalidades das execuções; C. De fundamentar (legitimar) adequadamente as suas decisões e solicitações;

35 D. De exercer, quotidianamente, as suas regras éticas e deontológicas; E. De colaborar activamente com a CPEE e com todos os órgãos com competência para o desenvolvimento da profissão; F. De promover um relacionamento cordial e profissional com todos os envolvidos na acção executiva;

36 G. De fomentar, pela sua atitude ÉTICAMENTE RESPONSÁVEL e DEONTOLOGICAMENTE CORRECTA, a legitimação de todos os agentes de execução para assumir o efectivo controlo da acção executiva: a) Quer como garante do interesse do exequente (cujo direito já foi declarado ou não é contestado), b) Quer como garante da defesa dos direitos fundamentais dos executados e de todos os intervenientes no processo, c) Quer como garante do interesse público numa acção executiva eficaz e célere.

37 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL PROMOVER A EFICÁCIA DAS EXECUÇÕES AUDITÓRIO DO ISCSP, da UTL -18/06/2010 PAINEL 9 ANÁLISE E PROSPECTIVA DA CPEE Jorge Almeida Promotores da eficácia da acção executiva

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data:

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data: CÓDIGO de CONDUTA do Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica O Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica é a entidade concessionária da Rede Nacional de Transporte

Leia mais

Estatuto Universal do Juiz de 17NOV99. Preâmbulo

Estatuto Universal do Juiz de 17NOV99. Preâmbulo Estatuto Universal do Juiz de 17NOV99 Preâmbulo Na elaboração preliminar deste Estatuto colaboraram Juízes de diversos países do mundo. O presente Estatuto é o resultado do seu trabalho e teve o consenso

Leia mais

Recuperação Judicial de Créditos vs Recuperação da Empresa

Recuperação Judicial de Créditos vs Recuperação da Empresa RODOLFO VERMELHO Agente de Execução Cédula n.º 5357 Recuperação Judicial de Créditos vs Recuperação da Empresa A Tramitação da Acção Executiva e a Probabilidade da Recuperação do Crédito 02 de Abril de

Leia mais

A actividade fiscalizadora do agente de execução. 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções

A actividade fiscalizadora do agente de execução. 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções A actividade fiscalizadora do agente de execução 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções A Fiscalização através de meios informáticos A Fiscalização através de meios informáticos

Leia mais

Diploma DRE. Capítulo I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Objecto

Diploma DRE. Capítulo I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Objecto Diploma Regulamenta o acesso electrónico da Comissão para a Eficácia das Execuções (CPEE) à informação disponível no sistema de informação de suporte à actividade dos tribunais (Citius) e no sistema de

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO O ISQ sendo hoje uma grande organização, com larga implantação nacional e uma presença estabelecida internacionalmente, é fundamental que caracterizemos

Leia mais

(Certificado NP 4427 nº 2012/GRH.009, desde 19/01/2012) CÓDIGO DE ÉTICA

(Certificado NP 4427 nº 2012/GRH.009, desde 19/01/2012) CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA ENQUADRAMENTO Na sociedade contemporânea, melhor preparada e informada, o reconhecimento público de uma organização não se confina ao campo estrito do seu desempenho económico. A responsabilidade

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS 1 ÍNDICE Siglas... 3 1.Introdução... 4 2.Objeto... 4 3. Âmbito de aplicação... 4 4. Princípios gerais... 4 5. Princípios básicos.7 6. Disposições

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA

CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL (Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 28 de Março de 2014) PREÂMBULO As fundações são instituições privadas sem

Leia mais

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários DECRETO N.º 53/XI Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 923/2016

DELIBERAÇÃO N.º 923/2016 1 DELIBERAÇÃO N.º 923/2016 1. A pretensão de acesso aos dados pessoais constantes de recibo de vencimento de trabalhadores objeto de processo de execução A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD)

Leia mais

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto Código de Ética Empresarial da Metro do Porto MP-848057/09 V1.0 Índice A. A EMPRESA Enquadramento Missão Visão Valores B. CÓDIGO Âmbito de Aplicação Acompanhamento C. PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO RELACIONAMENTO

Leia mais

PROCESSOS DISCIPLINARES DOS AGENTES DE EXECUÇÃO

PROCESSOS DISCIPLINARES DOS AGENTES DE EXECUÇÃO ANEXO XII DADOS ESTATÍSTICOS DO GRUPO DE GESTÃO DA COMISSÃO PARA A EFICÁCIA DAS EXECUÇÕES: PROCESSOS DISCIPLINARES DOS AGENTES DE EXECUÇÃO PROCESSOS DISCIPLINARES 40 0 04 00 0 0 40 0 0 009 00 0 0 FIG.

Leia mais

DA FALTA DE REGULAMENTAÇÃO DO EOA

DA FALTA DE REGULAMENTAÇÃO DO EOA DA FALTA DE REGULAMENTAÇÃO DO EOA 1. Hoje, quando se fala na reforma do actual Estatuto, que constitui um processo moroso e dependente do poder político, ocorre-nos a estranheza da ausência de preocupação

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Formadora - Magda Sousa MÓDULO 1 NORMATIVOS LEGAIS OBJECTIVO Interpretar e aplicar a legislação, regulamentos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

CÓDIGO DE CONDUTA DO MUNICÍPIO DE BARCELOS CÓDIGO DE CONDUTA DO ÍNDICE Capítulo I Âmbito de Aplicação Capítulo II Princípios Gerais Capítulo III Relacionamento com o Exterior Capítulo IV Relações Internas Capítulo V - Aplicação CÓDIGO DE CONDUTA

Leia mais

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Código de Ética e Conduta Profissional Agosto 2009 Código de Ética e Conduta Profissional Um Código de Ética e Conduta Profissional

Leia mais

E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI)

E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) CÓDIGO de ÉTICA E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) «Para um serviço de excelência» 2015 INTRODUÇÃO O presente Código de Ética do Gabinete de Auditoria Interna (GAI) da Direção-Geral

Leia mais

ANEXO III DADOS ESTATÍSTICOS DA CPEE

ANEXO III DADOS ESTATÍSTICOS DA CPEE ANEXO III DADOS ESTATÍSTICOS DA CPEE I. PARTICIPAÇÕES.) ANO DE 009 No período compreendido entre 3 de Março e 3 de Dezembro de 009, foram recebidas pela CPEE 7 (setenta e uma) participações/queixas. 0

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO. 1. PREÂMBULO Nota Introdutória ao Novo Estatuto da Ordem dos Advogados Breves Notas a esta Edição 13

ÍNDICE SISTEMÁTICO. 1. PREÂMBULO Nota Introdutória ao Novo Estatuto da Ordem dos Advogados Breves Notas a esta Edição 13 1. PREÂMBULO 7 1.1. Nota Introdutória ao Novo Estatuto da Ordem dos Advogados 9 1.2. Breves Notas a esta Edição 13 2. O NOVO EOA 15 2.1. Lei nº 145/2015, de 9 de Setembro 17 2.2. Estatuto da Ordem dos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL 1. O presente Código de Ética contém os princípios de actuação dos gestores, demais dirigentes e trabalhadores do Centro Hospital de Lisboa Central,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO PARA SOLICITADORES

REGULAMENTO DO ESTÁGIO PARA SOLICITADORES NOTA JUSTIFICATIVA Nos termos do artigo 41.º do Estatuto da Câmara dos Solicitadores (ECS) compete ao conselho geral organizar, regulamentar e orientar o estágio dos solicitadores estagiários, devendo

Leia mais

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição Deliberação pública Deliberação 20140510.11.5 Definição do procedimento adotado pela Câmara dos Solicitadores quando lhe é diretamente solicitado uma desassociação de agente de execução Tendo em consideração

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL MENSAGEM DO PRESIDENTE São nossos objectivos garantir que as nossas formas de estar e de comunicar sejam, em cada momento, sinónimo da transparência e da idoneidade com que actuamos na concretização das

Leia mais

Sessão Solene de Boas Vindas aos Candidatos e Abertura do 2.º Estágio de Agente de Execução

Sessão Solene de Boas Vindas aos Candidatos e Abertura do 2.º Estágio de Agente de Execução Sessão Solene de Boas Vindas aos Candidatos e Abertura do 2.º Estágio de Agente de Execução Dia 26 de Março de 2011 Auditório 1 da Escola de Lisboa da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

Plano de actividades 2015/2016

Plano de actividades 2015/2016 Plano de actividades 2015/2016 TRIBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE SETÚBAL Artigo 94.º, n.º 6 alínea a), da Lei 62/2013, de 26 de agosto Período 01.09.2015 a 31.08.2016 Índice I. Nota introdutória... 2 II.

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016 da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016 ÍNDICE - 2 - REGULAMENTO DA OBJECTO O presente Regulamento da Comissão de Governo da Caixa Geral de Depósitos, S.A. ( CGD ) estabelece as suas regras

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO da EXECUTIVA MAIS CELERIDADE, MELHOR ECONOMIA

SIMPLIFICAÇÃO da EXECUTIVA MAIS CELERIDADE, MELHOR ECONOMIA SIMPLIFICAÇÃO da ACÇÃO EXECUTIVA MAIS CELERIDADE, MELHOR ECONOMIA Setembro de 2008 A Importância da Acção Executiva O sistema de execuções judiciais/processo executivo é um factor essencial para o bom

Leia mais

Mas, o dever de sigilo não é absoluto. Há casos, excepcionais, em que a justiça ficaria abalada se a dispensa de sigilo não procedesse.

Mas, o dever de sigilo não é absoluto. Há casos, excepcionais, em que a justiça ficaria abalada se a dispensa de sigilo não procedesse. ALGUMAS NOTAS PRÁTICAS SOBRE PEDIDOS DE DISPENSA DO SIGILO PROFISSIONAL Caros e Caras Colegas, Incontestavelmente, o segredo profissional é um princípio deontológico fundamental da advocacia e a base da

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito)

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito) CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Código de Conduta integra o conjunto das

Leia mais

Código de conduta. Aristóteles Ética a Nicómaco

Código de conduta. Aristóteles Ética a Nicómaco Código de conduta Toda a teoria da conduta tem de ser apenas um esquema, e não um sistema exacto ( ) os temas de conduta e comportamento não têm em si nada de fixo e invariável, tal como os temas de saúde.

Leia mais

17 MEDIDAS PARA DESBLOQUEAR A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA

17 MEDIDAS PARA DESBLOQUEAR A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA 17 MEDIDAS PARA DESBLOQUEAR A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA I. Ganhar tempo e acelerar a acção executiva, com mais automatismos nas aplicações informáticas. 1. A entrega electrónica do requerimento executivo

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta Código de Ética e de Conduta Edição: 1 Maio - 2015 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Finalidade O estabelecimento de princípios e regras gerais de ética e conduta que assegurem o cumprimento dos valores estabelecidos

Leia mais

Unidade de Recursos Humanos

Unidade de Recursos Humanos 2016 1 CODIGO DE ÉTICA E CONDUTA 2016 INTRODUÇÃO O presente tem como objectivo, não só estar em consonância com a alínea a) do ponto 3 da Recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção de 7 de Novembro

Leia mais

Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa - Sindical de Educação - CPLP-SE

Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa - Sindical de Educação - CPLP-SE Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa - Sindical de Educação - CPLP-SE No mundo da globalização com todos os desafios que são colocados ao mundo do trabalho, as organizações sindicais do sector

Leia mais

Autonomia e Gestão Novos Desafios

Autonomia e Gestão Novos Desafios Autonomia e Gestão Novos Desafios Francisco Oliveira Reforço da participação das famílias e comunidades na direcção estratégica da Escola Reforçar a liderança das Escolas Reforço da autonomia das Escolas

Leia mais

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n. Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2010, de de Na sequência da aprovação e entrada em vigor da Lei

Leia mais

A ARBITRAGEM NA ACÇÃO EXECUTIVA

A ARBITRAGEM NA ACÇÃO EXECUTIVA 2.º CONFERÊNCIA INTERNACIONAL PROMOVER A EFICÁCIA DAS EXECUÇÕES E WORKSHOP BOAS PRÁTICAS NA ACTIVIDADE DO AGENTE DE EXECUÇÃO A ARBITRAGEM NA ACÇÃO EXECUTIVA ANA CABRAL DIA 24 DE SETEMBRO DE 2011 SUMÁRIO

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Janeiro de

CÓDIGO DE CONDUTA Janeiro de CÓDIGO DE CONDUTA Janeiro de 2010 1 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO O presente Código de Conduta (a seguir designado por «Código») estabelece linhas de orientação em matéria de ética profissional para todos os

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: DEONTOLOGIA JURÍDICA Código da Disciplina: JUR268 Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 2º Faculdade responsável: DIREITO Programa em vigência a partir de:

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ESPECIALISTA EM TURISMO DE AR LIVRE

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ESPECIALISTA EM TURISMO DE AR LIVRE PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ESPECIALISTA EM TURISMO DE AR LIVRE Publicado no Boletim do Trabalho do Emprego (BTE) nº 4 de 29 de janeiro de 2013 com entrada em vigor a 29 de janeiro de 2013. Publicação

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS APS

CARTA DE PRINCÍPIOS APS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURADORES CARTA DE PRINCÍPIOS APS DEZEMBRO 2013 CARTA DE PRINCÍPIOS APS SUB TÍTULO / OBJETIVOS A presente carta de princípios visa: a) Formalizar e divulgar valores, princípios

Leia mais

16 de Junho de 2017 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A.

16 de Junho de 2017 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. ÍNDICE 2 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL OBJECTO O presente Regulamento da Comissão

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 11/2009 Interpretação do art. 189º do EOA O Senhor Advogado, Dr.... vem solicitar que o emita parecer sobre a factualidade que passamos a enunciar: a. O Senhor Advogado consulente foi notificado,

Leia mais

DEONTOLOGIA POLICIAL. Código Deontológico do Serviço Policial

DEONTOLOGIA POLICIAL. Código Deontológico do Serviço Policial ESCOLA PRÁTICA DE POLÍCIA DEONTOLOGIA POLICIAL 2 - Como zeladores pelo cumprimento da lei, os membros das forças de segurança cultivam e promovem os valores do humanismo, justiça, integridade, honra, dignidade,

Leia mais

PARECER NR. 33/PP/2009-P CONCLUSÃO:

PARECER NR. 33/PP/2009-P CONCLUSÃO: PARECER NR. 33/PP/2009-P CONCLUSÃO: A Para o advogado, a matéria de conflito de interesses é uma questão de consciência, competindo-lhe ajuizar se a relação de confiança que estabeleceu com um seu antigo

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA TRIBUNAL DE CONTAS. O papel da governação na melhoria da administração pública e o desenvolvimento nacional

REPÚBLICA DE ANGOLA TRIBUNAL DE CONTAS. O papel da governação na melhoria da administração pública e o desenvolvimento nacional REPÚBLICA DE ANGOLA TRIBUNAL DE CONTAS O papel da governação na melhoria da administração pública e o desenvolvimento nacional 1 INTRODUÇÃO 2 GOVERNAÇÃO ; SUMÁRIO 3-O PAPEL DO EXECUTIVO ANGOLANO NA MELHORIA

Leia mais

Decreto-Lei n.º 554/77, de 31 de Dezembro. Competências das Direcções-Gerais dos Ensinos Básico e Secundário

Decreto-Lei n.º 554/77, de 31 de Dezembro. Competências das Direcções-Gerais dos Ensinos Básico e Secundário Decreto-Lei n.º 554/77, de 31 de Dezembro Competências das Direcções-Gerais dos Ensinos Básico e Secundário Cria os Serviços de Coordenação de Educação Física e Desporto Escolar Decreto-Lei n.º 554/77

Leia mais

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010

Leia mais

Enquadramento Legal ARTIGO 38.º DO DECRETO-LEI N.º76-A/2006, DE 29 DE MARÇO

Enquadramento Legal ARTIGO 38.º DO DECRETO-LEI N.º76-A/2006, DE 29 DE MARÇO Enquadramento Legal ARTIGO 38.º DO DECRETO-LEI N.º76-A/2006, DE 29 DE MARÇO "Artigo 38.º Extensão do regime dos reconhecimentos de assinaturas e da Autenticação e tradução de documentos 1 - Sem prejuízo

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GESTÃO DAS NOVAS COMARCAS Informação de 20-01-2012 Disponibilizam-se os documentos elaborados pelo Grupo de Trabalho para Acompanhamento das Comarcas Experimentais, tendo

Leia mais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais Código Deontológico SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural Artigo 1.º Princípios gerais 1 - As intervenções de Medicina Natural são realizadas com a preocupação da defesa da liberdade

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 ÍNDICE Página A Missão da Fundação AEP 3 Visão 3 Valores 3 Objetivos 3 Objeto, Âmbito e Aplicação 4 Transparência na Atuação e Publicitação das Contas 4 Impedimentos ou Incompatibilidades

Leia mais

OBJETIVOS ESTRATÉGICOS E PROCESSUAIS - MP 2016/2017

OBJETIVOS ESTRATÉGICOS E PROCESSUAIS - MP 2016/2017 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS E PROCESSUAIS - MP 2016/2017 OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS E PROCESSUAIS DO MINISTÉRIO PÚBLICO (MP) COMARCA DE PORTALEGRE (2016/2017) DECLARAÇÃO INTRODUTÓRIA O Ministério Público enquanto

Leia mais

Comissão de Remunerações da INAPA - Investimentos, Participações e Gestão, S.A. PONTO 6

Comissão de Remunerações da INAPA - Investimentos, Participações e Gestão, S.A. PONTO 6 Comissão de Remunerações da INAPA - Investimentos, Participações e Gestão, S.A. PONTO 6 PROPOSTA DE REVISÃO PARCIAL DA POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS EXECUTIVOS DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA INAPA

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

ESTATUTO DA OASTP. Artigo 54.º Do Advogado como Servidor da Justiça e do Direito, sua independência e Isenção

ESTATUTO DA OASTP. Artigo 54.º Do Advogado como Servidor da Justiça e do Direito, sua independência e Isenção Artigo 54.º Do Advogado como Servidor da Justiça e do Direito, sua independência e Isenção 1. O advogado deve, no exercício da profissão e fora dele, considerar-se um servidor da justiça e do direito e,

Leia mais

NP Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização

NP Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização NP 4469-1 Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização Sonia Pires APEE soniapires@apee.pt Relação com a ISO 26000 Segue o mesmo espírito:

Leia mais

INSCRIÇÃO COMO ADVOGADO ESTAGIÁRIO CIDADÃO NACIONAL [art. 189º do EOA e art. 6º do RIAAE]

INSCRIÇÃO COMO ADVOGADO ESTAGIÁRIO CIDADÃO NACIONAL [art. 189º do EOA e art. 6º do RIAAE] INSCRIÇÃO COMO ADVOGADO ESTAGIÁRIO CIDADÃO NACIONAL [art. 189º do EOA e art. 6º do RIAAE] Documentação a entregar Inscrição deve ser requerida no Conselho Regional em que o candidato a Advogado estagiário

Leia mais

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO OBJECTIVO O objectivo deste regulamento é definir os requisitos para integração e manutenção de auditores na bolsa de auditores da Ordem dos Farmacêuticos. ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO Actividades desenvolvidas

Leia mais

ANEXO II ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO GRUPO DE GESTÃO DA CPEE

ANEXO II ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO GRUPO DE GESTÃO DA CPEE ANEXO II ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO GRUPO DE GESTÃO DA CPEE Durante o ano de 2009, nas 25 (vinte e cinco) reuniões de Grupo de Gestão da CPEE os assuntos abordados e as matérias alvo de deliberação

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016 COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016 ÍNDICE 2 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES OBJECTO O presente Regulamento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA CENTRO COMUNITÁRIO IRMANDADE DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA BATALHA

CÓDIGO DE ÉTICA CENTRO COMUNITÁRIO IRMANDADE DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA BATALHA CÓDIGO DE ÉTICA CENTRO COMUNITÁRIO IRMANDADE DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA BATALHA 02-05-2012 1 Introdução... 3 2 Principais objetivos do Código... 3 3 Âmbito de aplicação... 4 4 Legislação e Ética...

Leia mais

Seminário Internacional

Seminário Internacional Seminário Internacional Reforma Judiciária: as leis processuais e a reorganização dos tribunais UMA NOVA VISÃO PARA A AÇÃO EXECUTIVA Armando A Oliveira Câmara dos Solicitadores As crises O agente de execução

Leia mais

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO 1. Introdução O Estado Moçambicano encetou um processo de reformas legislativas e administrativas, visando dotar o País de leis

Leia mais

TEATRO NACIONAL S. JOÃO

TEATRO NACIONAL S. JOÃO TEATRO NACIONAL S. JOÃO CÓDIGO DE ÉTICA E REGRAS DE CONDUTA MISSÃO O TNSJ como Entidade Pública Empresarial que é, tem como missão a prestação do serviço público área da criação e apresentação de espectáculos

Leia mais

TRANSPARÊNCIA DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REFORMAS RECENTES E REFORMAS URGENTES

TRANSPARÊNCIA DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REFORMAS RECENTES E REFORMAS URGENTES TRANSPARÊNCIA DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REFORMAS RECENTES E REFORMAS URGENTES Fernando Teixeira dos Santos Presidente da CMVM Reformas recentes reformas urgentes 1 Sumário Introdução Medidas Recentes

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO 1. OBJECTIVOS DA NORMA REGULAMENTAR O que se pretende com a introdução

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011 REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011 O estágio dos candidatos a solicitadores rege-se pelas disposições do Estatuto da Câmara dos Solicitadores e pelo presente regulamento, aprovado

Leia mais

Licenciamento industrial e ambiental

Licenciamento industrial e ambiental Conceito: O (novo) Regime de Exercício da Actividade Industrial (REAI) evidencia claras preocupações de simplificação do processo de licenciamento industrial, procurando reduzir os custos de contexto e,

Leia mais

9.º CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS CONCLUSÕES

9.º CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS CONCLUSÕES 9.º CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS CONCLUSÕES 9º CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS CONCLUSÕES O 9º Congresso Nacional de Bibliotecários,

Leia mais

QUESTÕES. O GAN e a APDSI, com esta intervenção, procuram ajudar a formular respostas a estas e outras questões. APDSI

QUESTÕES. O GAN e a APDSI, com esta intervenção, procuram ajudar a formular respostas a estas e outras questões. APDSI QUESTÕES Pode a informação que nos diz respeito ser manipulada? Estar errada? Onde está toda a informação que foi criada sobre a nossa saúde? É a informação sobre os produtos e serviços rigorosa e transparente?

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A FISCALIZAÇÃO DA CONTRATAÇÃO PÚBLICA

SEMINÁRIO SOBRE A FISCALIZAÇÃO DA CONTRATAÇÃO PÚBLICA REPÚBLICA DE ANGOLA SECRETARIA PARA OS ASSUNTOS DA CONTRATAÇÃO PÚBLICA DA CASA CIVIL DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA SEMINÁRIO SOBRE A FISCALIZAÇÃO DA CONTRATAÇÃO PÚBLICA 1 ÓRGÃOS DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA JUNTO

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA 1. Preâmbulo Face ao actual modelo de profissionalização e aos imperativos de modernização organizacional, técnica

Leia mais

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1 Encontro na Ordem 1 Aspectos a Abordar 1. Entrada em Vigor 2. Objectivos do ISQC1 3. Elementos do Sistema de Controlo de Qualidade 4. Aspectos Práticos

Leia mais

PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES:

PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES: PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES: 1. O Decretos-lei n.º 28/2000, de 13 de Março, n.º 237/2001, de 30 de Agosto e n.º 76-A/2006, de 29 de Março atribuíram, nomeadamente, aos advogados e aos solicitadores,

Leia mais

Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências. Tema da Comunicação:

Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências. Tema da Comunicação: Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências Tema da Comunicação: O envolvimento das organizações e dos enfermeiros no desenvolvimento e reconhecimento

Leia mais

Correspondência entre articulados: CPA'15/CPA'91. Disposições gerais PARTE I. Princípios gerais da atividade administrativa CAPÍTULO II

Correspondência entre articulados: CPA'15/CPA'91. Disposições gerais PARTE I. Princípios gerais da atividade administrativa CAPÍTULO II Disposições gerais PARTE I Disposições preliminares CAPÍTULO I Definições Artigo 1.º Âmbito de aplicação Artigo 2.º Princípios gerais da atividade administrativa CAPÍTULO II Princípio da legalidade Artigo

Leia mais

Av. Carlos Silva, n.º Oeiras

Av. Carlos Silva, n.º Oeiras Parecer da Federação Nacional de Mediação de Conflitos sobre a Portaria que visa regulamentar o procedimento de seleção de mediadores de conflitos habilitados para prestar serviços de mediação no âmbito

Leia mais

Desmaterialização, eliminação e simplificação de actos e processos na Justiça

Desmaterialização, eliminação e simplificação de actos e processos na Justiça Desmaterialização, eliminação e simplificação de actos e processos na Justiça O projecto de Desmaterialização, eliminação e simplificação de actos e processos na Justiça foi seleccionado como um dos 10

Leia mais

POLÍTICA ANTI-FRAUDE

POLÍTICA ANTI-FRAUDE 1/9 POLÍTICA ANTI-FRAUDE Índice 1. Objectivo.... 2 2. Âmbito de Aplicação... 2 3. Definições.... 2 4. Compromisso... 3 5. Formas de Actuação.... 3 5.1. Conflito de Interesses... 3 5.2. Decisões relativas

Leia mais

OBJECTIVO GERAL OBJECTIVOS ALARGADOS E JUSTIFICAÇÃO

OBJECTIVO GERAL OBJECTIVOS ALARGADOS E JUSTIFICAÇÃO OBJECTIVO GERAL Elaborar um padrão que ajude as Províncias e os Centros da Ordem a definir as actividades a serem desenvolvidas para o processo de formação alargada em Bioética destinado aos Irmãos e Colaboradores

Leia mais

Política Antifraude POLÍTICA ANTIFRAUDE

Política Antifraude POLÍTICA ANTIFRAUDE Política Antifraude Página 1 de 14 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ÂMBITO E OBJECTIVO... 5 3. IMPLEMENTAÇÃO... 5 4. DEFINIÇÕES... 5 4.1. Fraude... 5 4.2. Política Anti-Fraude... 6 4.3. Fraude Externa... 6

Leia mais

VII Encontro do Conselho Superior da Magistratura Évora, 26 de Novembro de 2010

VII Encontro do Conselho Superior da Magistratura Évora, 26 de Novembro de 2010 Desmaterialização Processual e Tramitação VII Encontro do Conselho Superior da Magistratura Évora, 26 de Novembro de 2010 Electrónica: caminhos, vantagens e obstáculos Desmaterialização Processual e Tramitação

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE REGULAMENTO DA CARREIRA DOCENTE Capítulo I Dos Princípios Gerais Artigo (Âmbito e Constituição do Corpo Docente). O presente Regulamento aplica-se a todos os docentes

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública O direito administrativo é o direito que regula a Administração pública Administração pública: é o objeto do direito administrativo Fernanda Paula Oliveira 1. Administração: gestão

Leia mais

Política de Prevenção e Gestão de Conflitos de Interesses do Haitong Bank, S.A.

Política de Prevenção e Gestão de Conflitos de Interesses do Haitong Bank, S.A. do Haitong Bank, S.A. 1 Introdução O Haitong Bank, S.A. (o Banco ) desenvolve diversas actividades de intermediação financeira, oferecendo aos seus Clientes, nesta área, uma gama diversificada de serviços.

Leia mais

Código de Conduta CÓDIGO DE CONDUTA. Abarca Companhia de Seguros, S.A. V Página 1 de 8

Código de Conduta CÓDIGO DE CONDUTA. Abarca Companhia de Seguros, S.A. V Página 1 de 8 CÓDIGO DE CONDUTA Abarca Companhia de Seguros, S.A. V 2.0 18-12-2016 Página 1 de 8 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 3. COMPROMISSO DE CUMPRIMENTO... 4 4. PRINCÍPIOS GERAIS... 4 I. Igualdade

Leia mais

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES Documento de trabalho para Discussão entre os trabalhadores, Conselho Técnico e Direcção 1 OBJECTIVO DO CÓDICO Organizar um quadro de referência

Leia mais

PARECER N.º 267 / 2010

PARECER N.º 267 / 2010 PARECER N.º 267 / 2010 ASSUNTO: ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENFERMEIRO ESPECIALISTA, NO MOMENTO ACTUAL A atribuição do título enfermeiro especialista certifica um profissional com um conhecimento aprofundado

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP)

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) Considerando a necessidade de se definir políticas, regras e procedimentos para o funcionamento do Conselho de Auditoria

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Airães 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Airães

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO ICP-ANACOM

CÓDIGO DE CONDUTA DO ICP-ANACOM CÓDIGO DE CONDUTA DO ICP-ANACOM Janeiro 2010 INDÍCE 1. Âmbito e Objecto 2. Princípios Gerais 3. Igualdade de Tratamento e Não Discriminação 4. Diligência, Eficiência e Responsabilidade 5. Independência

Leia mais

RANSP. RÊNCIA Código de conduta da FPC

RANSP. RÊNCIA Código de conduta da FPC RANSP RÊNCIA Código de conduta da FPC Código de Conduta O Código de Conduta da Fundação Portuguesa das Comunicações (FPC) apresenta dois objetivos fundamentais: regular as obrigações de transparência,

Leia mais

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Entre Escola de Direito da Fundação Getulio Vargas, sito na [ ], adiante abreviadamente FGV, representada pelo Presidente do seu Conselho Directivo, Dr. [ ] e o Conselho

Leia mais

Direito Processual Civil Executivo. Programa

Direito Processual Civil Executivo. Programa Direito Processual Civil Executivo Programa Rui Pinto Duarte 2010/2011 I Aspectos Gerais 1. Noção de acção executiva 2. O princípio do dispositivo na acção executiva (3.º, 810 e 675-A) 3. Execução individual

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL. Reforma Judiciária: As leis processuais e a reorganização dos tribunais UMA NOVA VISÃO PARA A AÇÃO EXECUTIVA PLANO DE AÇÃO

SEMINÁRIO INTERNACIONAL. Reforma Judiciária: As leis processuais e a reorganização dos tribunais UMA NOVA VISÃO PARA A AÇÃO EXECUTIVA PLANO DE AÇÃO SEMINÁRIO INTERNACIONAL Reforma Judiciária: As leis processuais e a reorganização dos tribunais UMA NOVA VISÃO PARA A AÇÃO EXECUTIVA PLANO DE AÇÃO 4 de abril de 2012 Agenda e objetivo Introdução Apresentar

Leia mais