Processos em Sistemas Distribuídos e Comunicação entre Processos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processos em Sistemas Distribuídos e Comunicação entre Processos"

Transcrição

1 Processos em Sistemas Distribuídos e Comunicação entre Processos Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão

2 Objetivos Nesta aula iremos apresentar os conceitos sobre Processos/Threads sob o aspecto dos Sistemas Distribuídos. Iremos abordar também os elementos de comunicação entre Processos/Threads. No aspecto da comunicação também iremos abordar a representação dos dados trocados entre as entidades.

3 Plano de Aula Processos em Sistemas Distribuídos e Comunicação entre Processos Introdução Processos Threads Características da comunicação entre processos Representação externa de dados e empacotamento

4 Processos em Sistem. Distribuídos Introdução Os computadores executam várias operações ao mesmo tempo: Por exemplo, compilar um programa, enviar um arquivo para a impressora, exibir uma página Web, reproduzir músicas e receber mensagens de correio eletrônico; Os processos permitem que os sistemas executem e monitorem atividades simultâneas; Os processos transitam entre estados de processo; Os sistemas operacionais executam operações por meio de processos, como criar, destruir, suspender, retomar e acordar.

5 Processos em Sistem. Distribuídos Processos Informações necessárias para execução de processo: Contexto de hardware: estado do hardware no momento em que o processo é interrompido para ceder lugar a um outro processo em execução (mudança de contexto); Ex: registradores; Contexto de software: características e limites dos recursos que podem ser alocados pelo processo; Ex: identificação do processo (PID), usuário dono do processo, tamanho máximo em RAM que o processo pode alocar, tamanho máximo do buffer para operações de I/O. Espaço de endereçamento: endereço da memória principal alocado para armazenamento de instruções e os dados utilizados pelo processo;

6 Processos em Sistem. Distribuídos Processos owner (UID) nome PID registradores gerais prioridade de execução registrador PC data/ hora de criação Contexto de Software Contexto de Hardware tempo de processador registrador SP quotas privilégios Programa Espaço de Endereçamento registrador de status endereços de memória principal alocados

7 Processos em Sistem. Distribuídos Processos Único fluxo de execução? Um servidor de arquivos deve esperar por requisições feitas ao disco. O fluxo de execução que fez a requisição é bloqueado aguardando a resposta. (PERDA DE DESEMPENHO); Solução: Vários Fluxos de Execução Se o servidor de arquivos é implementado usando diferentes fluxos de execução, outras requisições de clientes podem ser processadas, enquanto o primeiro fluxo aguarda a resposta do disco. MELHOR VAZÃO (THROUGHPUT) E GANHO DE DESEMPENHO;

8 Processos em Sistem. Distribuídos Threads Partes de um processo que compartilham mesmo espaço de endereçamento; Sub-rotina de um programa executado paralelamente ao programa chamador (execução concorrente de subrotinas); Mais uma definição: Enquanto processos permitem que o sistema operacional execute mais de uma aplicação ao mesmo tempo, as threads permitem que a aplicação execute mais de um método ao mesmo tempo.

9 Processos em Sistem. Distribuídos Threads Cada um dos fluxos de execução de um processo é chamado de thread; Threads podem ser vistas como mini-processos; Cada thread executa sua própria porção de código; Threads compartilham a CPU do mesmo modo que diferentes processos (timesharing);

10 Processos em Sistem. Distribuídos Implementação de Threads em Sistemas Distribuídos Importante propriedade de threads é que eles podem proporcionar um meio conveniente de permitir chamadas bloqueantes de sistema sem bloquear o processo inteiro; Threads são particurlamente atraentes para utilização em sistemas distribuídos facilitam muito expressar comunicação na forma de manter múltiplas conexões lógicas ao mesmo tempo;

11 Processos em Sistem. Distribuídos Clientes Multithreads Sistemas distribuídos que operam em redes de longa distância escondem longos tempos de propagação de mensagens entre processos; A maneira de ocultar latências de comunicação é iniciar a comunicação e imediatamente prosseguir com outra atividade; Clientes Multithreads Browsers Web Documento Web consiste em: texto, imagens, ícones, etc. A cada elemento, browser estabelece uma conexão TCP/IP, para ler os dados e passar ao monitor do usuário; No entanto temos algumas operações bloqueadoras: estabelecimento da conexão, leitura de dados;

12 Processos em Sistem. Distribuídos Clientes Multithreads Browsers começam a exibir dados enquanto a medida em que novas informações chegam; Enquanto o texto está sendo disponibilizado para o usuário, incluindo as facilidades de rolamento, p.ex., o browser continua buscando outros arquivos, como imagens; Vantagem: usuário não precisa esperar até que todos os componentes sejam buscados; Browser como clientes multithread simplifica, pois: Threads separados são ativados para se encarregar de buscar diferentes partes de uma página; Caso o servidor esteja em sobrecarga, ter um cliente multithread possibilita estabelecer conexões com diferentes servidores, permitindo transmissão dos dados em paralelo;

13 Processos em Sistem. Distribuídos Servidores Multithreads Funcionamento de servidores multithreads: Requisições são enviadas por clientes para uma porta no servidor; Thread despachante lê requisições que entram para uma operação de arquivo; Servidor escolhe um thread operário; Se o thread escolhido estiver suspenso, outro thread é selecionado para ser executado: p.ex., o thread despachante pode ser selecionado para adquirir mais trabalho;

14 Processos em Sistem. Distribuídos Servidores Multithreads Funcionamento de servidores multithreads;

15 Processos em Sist. Distribuídos Características da comunicação entre processos A passagem de mensagens entre um par de processos pode ser suportada por duas operações de comunicação de mensagem: send e receive; Para que um processo se comunique com outro, um deles envia um (send) uma mensagem (uma sequencia de bytes) para um destino e o outro processo, no destino, recebe (receive) a mensagem.

16 Processos em Sist. Distribuídos Características da comunicação entre processos Comunicação Síncrona Na comunicação síncrona os processos remetente e de destino são sincronizados a cada mensagem; Send e Receive são operações que causam bloqueio; Quando um envio (send) é realizado, o processo remetente (ou thread) é bloqueado até que a recepção (receive) correspondente seja realizada; Quando uma recepção é executada, o processo (ou thread) é bloqueado enquanto a mensagem não chegar.

17 Processos em Sist. Distribuídos Características da comunicação entre processos Comunicação Assíncrona Na comunicação assíncrona o uso da operação send é não bloqueante; O processo remetente pode prosseguir assim que a mensagem tenha sido copiada para o buffer; A operação receive pode ter variantes com e sem bloqueio;

18 Processos em Sist. Distribuídos Características da comunicação entre processos Soquetes As duas formas de comunicação (UDP e TCP) usam a abstração de soquete, um ponto de destino para a comunicação entre processos; A API de Soquetes é uma das mais difundidas para programação sobre a arquitetura TCP/IP.

19 Processos em Sist. Distribuídos Características da comunicação entre processos Soquetes e Portas Um processo pode usar o mesmo soquete para enviar e receber; Um processo não pode compartilhar portas com outros processos.

20 Processos em Sist. Distribuídos Características da comunicação entre processos Comunicação por UDP Um datagrama enviado pelo protocolo UDP é transmitido de um processo origem para um processo destino sem a existência de confirmação ou novas tentativas de envio; Se ocorrer uma falha, a mensagem poderá não chegar; Para algumas aplicações, é aceitável usar um serviço que esteja exposto a falhas por omissões ocasionais (serviços executados sobre UDP): Domain Name Service; Voicer Over IP (VoIP);

21 Processos em Sist. Distribuídos

22 Processos em Sist. Distribuídos

23 Processos em Sist. Distribuídos Características da comunicação entre processos Comunicação por TCP A API do protocolo TCP fornece abstração de um fluxo de bytes no qual dados poder lidos (receive) e escritos (send); A API TCP pressupõe que, quando dois processos estão estabelecendo uma conexão, um deles desempenha papel de cliente e outro de servidor, mas daí em diante eles poderiam ser iguais; Muitos serviços são executados em conexões TCP com números de porta reservados: HTTP, FTP, Telnet, SMTP, etc.

24 Processos em Sist. Distribuídos

25 Processos em Sist. Distribuídos

26 Processos em Sist. Distribuídos Representação externa de dados e empacotamento As informações armazenadas nos programas em execução são representadas como estruturas de dados; Independente da forma de comunicação usada, as estruturas de dados devem ser simplificadas (convertidas em uma sequência de bytes) antes da transmissão e reconstruídas na sua chegada; Dificuldade na representação de dados: big-endian / little-endian Caracteres ASCII / padrão unicode Valores em ponto flutuante (expoente e parte fracionária) Solução: Conversão para um formato de dados de comum acordo (external Data Representation XDR)

27 Processos em Sist. Distribuídos Representação externa de dados e empacotamento

28 Processos em Sist. Distribuídos Representação externa de dados e empacotamento Formato independente de linguagem, Sistemas Operacionais, etc; Utilizada para comunicação dos dados de requisições e respostas entre clientes e servidores; Formato serializado; Marshalling: conversão entre a representação interna e externa: CORBA Common Data Representation Serialização de objetos em Java XML (Extensible Markup Language)

29 Processos em Sist. Distribuídos Marshalling Processo de converter uma coleção de dados e organizálos em um formato próprio para transmissão: Unmarshalling é o processo oposto Ideal não haver o envolvimento explícito da aplicação (transparência): Responsabilidade do middleware Duas técnicas básicas: Conversão dos dados para um formato binário Conversão dos dados para um formato texto (ASC II) Serialização Java e XML

30 Processos em Sist. Distribuídos CORBA CDR Representação para tipos primitivos inteiros, ponto flutuante, octeto; big-endian e little-endian; posicionamento de cada item de dados na msg. Representação para tipos construídos sequencia, string, array, struct, enumeração, união; construída a partir das seqüências de bytes correspondentes aos tipos primitivos constituintes. Informação de tipo: subentendida através da definição das operações em IDL. Uma mensagem CORBA CDR possui apenas valores, sem informação dos tipos de dados. As extremidades devem saber disso.

31 Processos em Sist. Distribuídos Mensagem em CORBA CDR

32 Processos em Sist. Distribuídos Serialização em Java Transformação de um objeto Java para uma sequencia de bytes; Informações de tipo e classe dos objetos são incluídas na forma serializada: Permitem a reconstrução dos objetos sem conhecimento prévio de suas classes. Processo recursivo: serializa todos os objetos referenciados pelo objeto em questão; Classes precisam implementar a interface Serializable; Objetos remotos: a referência é serializada.

33 Processos em Sist. Distribuídos Serialização em Java

34 Processos em Sist. Distribuídos Serialização em Java

35 Processos em Sist. Distribuídos XML Linguagem de marcação assim como HTML; Os itens de dados são rotulados com strings de marcação; Diferente do HTML, permite que os usuários definam suas próprias tags (Extensível); Usos de interesse aqui: definir a interface de serviços Web prover a representação externa de dados na comunicação entre clientes e serviços Representação textual: independente de plataforma; Representação hierárquica; Textual e Auto-descritiva: tags, esquemas e namespaces; Desempenho inferior comparado com Serialização.

36 Processos em Sist. Distribuídos Person em XML

37 Processos em Sist. Distribuídos NameSpace

38 Processos em Sist. Distribuídos Schema

39 Dúvidas Página do Professor Mauro:

40 Próxima Aula Nomeação e Sincronização

41 Referências Sistemas Distribuídos - Conceitos e Projeto, George Coulouris, 4ª Edição - Editora Bookman, 784 páginas.

Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião

Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião Processos Sistemas operacionais modernos criam vários processadores virtuais, cada um para executar um programa. Para monitorar

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulo 3 - Aula 3

Sistemas Distribuídos Capítulo 3 - Aula 3 Sistemas Distribuídos Capítulo 3 - Aula 3 Aula passada Arquitetura de SDs Estilo Arquitetônico Arquitetura de Sistemas Sistemas Autogerenciáveis Aula de hoje Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos

Leia mais

Roteiro... Sistemas Distribuídos Aula 4. Troca de mensagens. Comunicação entre processos. Conceitos de SD, vantagens e desvantagens

Roteiro... Sistemas Distribuídos Aula 4. Troca de mensagens. Comunicação entre processos. Conceitos de SD, vantagens e desvantagens Roteiro... Conceitos de SD, vantagens e desvantagens Infra-estrutura de um SD Considerações de projeto Sistemas Distribuídos Aula 4 Karine de Pinho Peralta Modelos de Comunicação - comunicação entre processos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Fabio Augusto Oliveira Processos O processador é projetado apenas para executar instruções, não sendo capaz de distinguir qual programa se encontra em execução. A gerência de

Leia mais

14/05/2017. Conceitos de Processos. Conceitos de Processos. Conceito de processo

14/05/2017. Conceitos de Processos. Conceitos de Processos. Conceito de processo Conceito de processo Os computadores executam várias operações ao mesmo tempo. - Compilar um programa; - Enviar um arquivo para a impressora; - Exibir uma página web; - Reproduzir músicas; - Receber mensagens

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Fabio Augusto Oliveira

Sistemas Operacionais. Prof. Fabio Augusto Oliveira Sistemas Operacionais Prof. Fabio Augusto Oliveira Threads Um processo representa uma sequência de instruções única, executada paralelamente a outra seqüências de instruções. Um thread é uma maneira de

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 13 - Camada de Aplicação Visão Geral Prof. Diego Pereira

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 10. Operações nos processos. Processos cooperativos, comunicação entre processos.

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 10. Operações nos processos. Processos cooperativos, comunicação entre processos. INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS outubro/2013 SEMANA 10 Operações nos processos. Processos cooperativos, comunicação entre processos. 1 - Introdução Um processo, ao longo da sua vida, passa por diferentes

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 - Processos Conceito originado do campos de sistemas operacionais no qual, em geral, são definidos como programas em execução

Leia mais

Thread. Thread. Sistemas Operacionais. Leonard B. Moreira. UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ fevereiro, / 41

Thread. Thread. Sistemas Operacionais. Leonard B. Moreira. UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ   fevereiro, / 41 Thread Sistemas Operacionais Leonard B. Moreira UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ e-mail: leonardbarreto@gmail.com.br fevereiro, 2013 1 / 41 Sumário 1 Introdução 2 Ambientes Monothread 3 Ambientes Multithread

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 6: Monitores, Troca de Mensagens e Deadlock Diego Passos Última Aulas Mecanismos de Exclusão Mútua Operações atômicas. Protocolos de controle de acesso. Spin-locks.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais 04 Processos Introdução Um sistema de computação quase sempre tem mais atividades a executar que o número de processadores disponíveis. Diferentes tarefas têm necessidades distintas

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com 1. Que são sistemas abertos? É um sistema que oferece serviços de acordo com

Leia mais

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES Unidade 5 Camada de Transporte e Aplicação. Luiz Leão

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES Unidade 5 Camada de Transporte e Aplicação. Luiz Leão Unidade 5 Camada de Transporte e Aplicação Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático 5.1 Protocolo UDP 5.2 Protocolo TCP 5.3 Principias Protocolos de Aplicação 5.3.1 SMTP

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 6

Prof. Marcelo Cunha Parte 6 Prof. Marcelo Cunha Parte 6 www.marcelomachado.com ARP (Address Resolution Protocol) Protocolo responsável por fazer a conversão entre os endereços IPs e os endereços MAC da rede; Exemplo: Em uma rede

Leia mais

SOP - TADS Threads. Revisão Ultima aula. Programa em execução Cada processo têm sua própria CPU

SOP - TADS Threads. Revisão Ultima aula. Programa em execução Cada processo têm sua própria CPU SOP - TADS Threads Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Revisão Ultima aula Processos [1/3] Conceito:

Leia mais

Sistemas de Troca de Mensagens

Sistemas de Troca de Mensagens Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Informática DCC/IM - NCE/UFRJ Arquitetura de Sistemas Paralelos Sistemas de Troca de Mensagens Sistemas de Comunicação O Sistema de Comunicação

Leia mais

Canais de Comunicação

Canais de Comunicação Canais de Comunicação February 24, 2010 Sumário Comunicação via Mensagens Propriedades dum Canal de Comunicação Protocolos da Internet UDP TCP Aplicação Distribuída O que é? É uma aplicação que consiste

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Sistemas Operacionais. Capítulo 5 Processos

Sistemas Operacionais. Capítulo 5 Processos Sistemas Operacionais Capítulo 5 Processos Baseado no Livro e Material de Apoio de Arquitetura de Sistemas Operacionais 3ª edição - LTC - 2004 Francis Berenger Machado Luiz Paulo Maia Cap. 5 Processo 1

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Introdução: Comunicação, e Coordenação março de 2015 Comunicação entre Processos troca de mensagens é sempre a primitiva básica sobre essa primitiva podemos construir outras visões da comunicação Mensagens

Leia mais

Camada de Aplicação da Arquitetura TCP/IP

Camada de Aplicação da Arquitetura TCP/IP Arquitetura de Redes de Computadores e Tecnologia de Implementação de Redes 2016.1 Camada de Aplicação da Arquitetura TCP/IP Curso Técnico Integrado em Informática Turma: INT.INF.3M Arquitetura de Redes

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO ALAN FERNANDO COELHO GARCIA EDUARDO GUILHERME CORDEIRO MECÂNISMO DE

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Threads. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de Unidade Threads

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Threads. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de Unidade Threads Threads Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Definição Partes de um processo que compartilham mesmo espaço de endereçamento Sub-rotina de um programa executada paralelamente ao programa chamador (execução

Leia mais

Sistemas de Entrada e Saída

Sistemas de Entrada e Saída Sistemas de Entrada e Saída Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Maio, 2016 1 / 33 Sumário 1 Dispositivos de E/S 2 Interrupções 3 Software de E/S 2

Leia mais

AULA ANTERIOR: MODELOS FUNDAMENTAIS

AULA ANTERIOR: MODELOS FUNDAMENTAIS AULA ANTERIOR: MODELOS FUNDAMENTAIS Modelos fundamentais de um sistema distribuído Permitem estabelecer quais as premissas existentes a respeito de aspetos chave. Permitem avaliar de forma objetiva as

Leia mais

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto Estrutura dos Sistemas Operacionais Adão de Melo Neto 1 Sistema Operacional - Formas de acessar o KERNEL do SISTEMA OPERACIONAL (SO) - A linguagem de comandos faz parte do SO O Sistema Operacional é formado

Leia mais

Programação para Web

Programação para Web Colégio Estadual João Manoel Mondrone Ensino Fundamental, Médio, Profissional e Norm Técnico em Informática Programação para Web Profª Ana Paula Mandelli anapaula_mandelli@hotmail.com O que é a COMUNICAÇÃO?

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais UFMG/DCC Redes de Computadores

Leia mais

Dados em programas são estruturados, enquanto que mensagens carregam informação seqüencial: Linearização x Restauração de dados Requisição

Dados em programas são estruturados, enquanto que mensagens carregam informação seqüencial: Linearização x Restauração de dados Requisição 6LVWHPDV'LVWULEXtGV 0GHO&OLHQWH6HUYLGU &PXQLFDom 6XPiUL Introdução Elementos Básicos de Comunicação Comunicação Cliente-Servidor Comunicação em Grupo Chamada emota de Procedimento (PC) Prof a. Cristina

Leia mais

ATENÇÃO O TCP/IP não é um protocolo. TCP/IP é um conjunto de diversos protocolos em 04 camadas próprias que se relaciona com o modelo OSI.

ATENÇÃO O TCP/IP não é um protocolo. TCP/IP é um conjunto de diversos protocolos em 04 camadas próprias que se relaciona com o modelo OSI. PROTOCOLOS DE TRANSMISSÃO DE DADOS PROTOCOLO TCP/IP Trata-se da sigla da palavra inglesa Transmission Control Protocol / Internet Protocol ou, simplesmente Protocolo de Controle de Transmissão / Protocolo

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Plano de Curso. Plano de Curso 04/03/12 ! EMENTA:

Sistemas Distribuídos. Plano de Curso. Plano de Curso 04/03/12 ! EMENTA: Sistemas Distribuídos Prof. Msc. André Luiz Nasserala Pires nassserala@gmail.com! EMENTA: Plano de Curso! Conceitos. Comunicação entre processos (IPC). Programação de aplicações cliente- servidor. Sincronização

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos TCP/IP

Redes de Computadores. Protocolos TCP/IP Redes de Computadores Protocolos TCP/IP Sumário 2! Endereços IP (lógicos) Sub-redes! Endereços Ethernet (físicos)! Conversão de endereços IP/Ethernet! Pacotes IP! Números de portos! Segmentos UDP! Segmentos

Leia mais

Sistemas de Entrada e Saída

Sistemas de Entrada e Saída Sistemas de Entrada e Saída Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Maio, 2016 1 / 31 Sumário 1 Interrupções 2 Camadas de Software de E/S 2 / 31 Interrupções

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Competências: SOP 1. Compreender as abstrações de um sistema operacional e operar um sistema operacional Unix/Linux como

Leia mais

Web Services REST. Sistemas Distribuídos. Mauro Lopes Carvalho Silva. Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo

Web Services REST. Sistemas Distribuídos. Mauro Lopes Carvalho Silva. Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Níkolas Timóteo Paulino da Silva Redes de Computadores I ADS 2ºTermo

Níkolas Timóteo Paulino da Silva Redes de Computadores I ADS 2ºTermo Níkolas Timóteo Paulino da Silva Redes de Computadores I ADS 2ºTermo 1) Desenhe duas redes com 7 e 8 computadores e defina a configuração IP de cada máquina com classe B e C, respectivamente. REDE A (7

Leia mais

Objetos e Componentes Distribuídos: EJB

Objetos e Componentes Distribuídos: EJB : EJB Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta

Leia mais

DESCONTOS DE ATÉ 50%

DESCONTOS DE ATÉ 50% Quer participar das promoções do Ponto dos Concursos e ganhar descontos imperdíveis em tempo real durante este evento? DESCONTOS DE ATÉ 50% Neste exato momento o professor Marco Antonio Macarrão (32 98475-5021)

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Processador INTRODUÇÃO Projetado apenas para executar instruções Não é capaz de distinguir qual programa está em execução Processo

Leia mais

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Sérgio Portari Júnior

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Sérgio Portari Júnior Estrutura dos Sistemas Operacionais Sérgio Portari Júnior - 2016 1 Sistema Operacional - Formas de acessar o KERNEL do SISTEMA OPERACIONAL (SO) - A linguagem de comandos faz parte do SO O Sistema Operacional

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída. 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída. 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Gerência de Entrada e Saída Fundamentos Evolução Estrutura

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Universidade Federal do ABC Turma: Ciência da Computação Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto Introdução: Sockets Para estabelecer a Comunicação Interprocesso nos Sistemas Distribuídos,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais ANHANGUERA Sistemas Operacionais Prof. Esp. Rafael Gross Processos Sumário Introdução Conceito de processo Estrutura do processo Estados do processo Mudanças de estado do processo Criação e eliminação

Leia mais

Aula 6: Comunicação entre processos. Instituto Federal da Bahia INF009 - Sistemas Operacionais Profª Flávia Maristela

Aula 6: Comunicação entre processos. Instituto Federal da Bahia INF009 - Sistemas Operacionais Profª Flávia Maristela Aula 6: Comunicação entre processos Instituto Federal da Bahia INF009 - Sistemas Operacionais Profª Flávia Maristela (-- motivação --) Processos em execução no sistema operacional podem ser: Independentes:

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações Camada de aplicação IGOR ALVES

Redes de Computadores e Aplicações Camada de aplicação IGOR ALVES Redes de Computadores e Aplicações Camada de aplicação IGOR ALVES Camada de aplicação Um protocolo da camada de aplicação define como processos de uma aplicação, que funcionam em sistemas finais diferentes,

Leia mais

Capítulo 2. Camada de aplicação

Capítulo 2. Camada de aplicação INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIADO RIO GRANDE DO NORTE IFRN Disciplina: Arquitetura de redes de computadores e Tecnologia de Implementação de Redes Professor: M. Sc. Rodrigo Ronner T.

Leia mais

Principais conceitos de CORBA

Principais conceitos de CORBA Principais conceitos de CORBA Tecgraf PUC-Rio fevereiro de 2011 Common Object Request Broker Architecture Uma arquitetura aberta para o desenvolvimento de aplicações distribuídas em um ambiente multilinguagem

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 3 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 3-12/09/2007 1 Objetivo da disciplina O objetivo dessa disciplina é dar ao aluno noções básicas de computação. Serão apresentados

Leia mais

Fundamentos de Rede. Aula 2 - Modelo OSI

Fundamentos de Rede. Aula 2 - Modelo OSI Fundamentos de Rede Aula 2 - Modelo OSI Protocolo e Arquitetura de Protocolos Problema Permitir a comunicação entre entidades de diferentes sistemas Solução Criar convenções de quando e como se comunicar

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Prof.ª Inara Santana Ortiz Aula 3 Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Para que ocorra a transmissão de uma informação entre o transmissor

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 10 Conjuntos de instruções: Características e funções slide 1 O que é um conjunto de instruções? A coleção completa de instruções

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 14: Entrada e Saída: Dispositivos e Tipos de Acesso Diego Passos Dispositivos de E/S Operação de E/S É qualquer operação que mova dados do contexto do processador

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores Prof. Macêdo Firmino Modelo TCP/IP e OSI Macêdo Firmino (IFRN) s de Computadores Setembro de 2011 1 / 19 Modelo de Camadas Para que ocorra a transmissão de uma informação entre o transmissor

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Conteúdo Introdução ao S.O Gerenciamento de processos. Gerenciamento de memória. Dispositivos de Entrada/Saída. Sistemas de arquivos. Gerenciamento de processos Processos Um processo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com BENEFÍCIOS MODELO OSI Menor complexidade; Interfaces padronizadas; Interoperabilidade entre

Leia mais

Subsistemas de E/S Device Driver Controlador de E/S Dispositivos de E/S Discos Magnéticos Desempenho, redundância, proteção de dados

Subsistemas de E/S Device Driver Controlador de E/S Dispositivos de E/S Discos Magnéticos Desempenho, redundância, proteção de dados Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Gerência de Dispositivos Subsistemas de E/S Device Driver Controlador de E/S

Leia mais

Aplicações Multimídia sobre Redes

Aplicações Multimídia sobre Redes Redes Multimídia 2016.2 Aplicações Multimídia sobre Redes Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.4T Redes Multimídia Conteúdo Programático :: 1 a Unidade 1. Aplicações multimídia

Leia mais

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Memória: Barramentos e Registradores FAC 1 / 34

Leia mais

Introdução a Sistemas Distribuídos

Introdução a Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Processos e Threads. Ciclo 2 AT3. Prof. Hermes Senger

Processos e Threads. Ciclo 2 AT3. Prof. Hermes Senger Processos e Threads Ciclo 2 AT3 Prof. Hermes Senger Nota O presente material foi elaborado com base no material didático do livro Sistemas Operacionais, 3ª edição, de H.M.Deitel, P.J. Deitel, D.R. Choffnes,

Leia mais

1 Porque o estado de um processo deve ser salvo quando ele deixa a CPU?

1 Porque o estado de um processo deve ser salvo quando ele deixa a CPU? 1 Porque o estado de um processo deve ser salvo quando ele deixa a CPU? 2 O que é ambiente de execução? 3 Qual a finalidade da PCB? 4 Quais os componentes básicos da PCB? 5 Quais os 3 grupos de elemento

Leia mais

Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída

Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída Nome: Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída 1. A gerência de dispositivos de entrada e saída é uma das principais e mais complexas funções de um sistema

Leia mais

Sockets e Threads em Java

Sockets e Threads em Java Sockets e Threads em Java U N I V E R S I D A D E T E C N O L Ó G I C A F E D E R A L D O P A R A N Á D E P A R T A M E N T O A C A D Ê M I C O D E E L E T R Ô N I C A P R O F. V I T O R Y A N O Comunicação

Leia mais

Protocolos e Serviços de Redes

Protocolos e Serviços de Redes Protocolos e Serviços de Redes Redes de Computadores Charles Tim Batista Garrocho Instituto Federal de São Paulo IFSP Campus Campos do Jordão garrocho.ifspcjo.edu.br/rdc charles.garrocho@ifsp.edu.br Técnico

Leia mais

Arquitetura e organização de computadores

Arquitetura e organização de computadores Arquitetura e organização de computadores 3º. Semestre - Sistemas de informação Prof. Emiliano S. Monteiro Classificação de computadores Grande porte: Supercomputadores e Mainframes Médio porte: Minicomputadores

Leia mais

Programação concorrente (processos e threads)

Programação concorrente (processos e threads) Programação concorrente (processos e threads) Programação concorrente Por que precisamos dela? Para utilizar o processador completamente Paralelismo entre CPU e dispositivos de I/O Para modelar o paralelismo

Leia mais

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall (definições) Por que do nome firewall? Antigamente, quando as casas eram feitas de madeira o fogo era um grande problema, pois se alastrava facilmente

Leia mais

Prof. Mizael Cortez Modelo em camadas Arquitetura TCP/IP Modelo ISO/OSI

Prof. Mizael Cortez Modelo em camadas Arquitetura TCP/IP Modelo ISO/OSI Prof. Mizael Cortez everson.cortez@ifrn.edu.br Modelo em camadas Arquitetura TCP/IP Modelo ISO/OSI A Internet é um sistema extremamente complicado e que possui muitos componentes: inúmeras aplicações e

Leia mais

Sistemas Distribuídos Aula 3

Sistemas Distribuídos Aula 3 Sistemas Distribuídos Aula 3 Aula passada Processos IPC Características Ex. sinais, pipes, sockets Aula de hoje Threads Kernel level User level Escalonamento Motivação: Servidor Web Considere Servidor

Leia mais

Matéria: Sistema Computacional - SC. Prof.: Esp.: Patrícia Dias da Silva Peixoto

Matéria: Sistema Computacional - SC. Prof.: Esp.: Patrícia Dias da Silva Peixoto Matéria: Sistema Computacional - SC Prof.: Esp.: Patrícia Dias da Silva Peixoto SISTEMA OPERACIONAL E TIPOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL (S.O.). Por mais complexo que possa parecer,

Leia mais

Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Arquitetura de Redes de Computadores e Tecnologia de Implementação de Redes 2016.1 Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Curso Técnico Integrado em Informática Turma: INT.INF.3M Arquitetura de Redes

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1.1 O que é um sistema operacional 1.2 História dos sistemas operacionais 1.3 O zoológico de sistemas operacionais 1.4 Conceitos sobre sistemas operacionais 1.5 Chamadas

Leia mais

Informática I. Aula 2. Ementa

Informática I. Aula 2.  Ementa Informática I Aula 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 2-29/08/2007 1 Ementa Noções Básicas de Computação (Hardware, Software e Internet) HTML e Páginas Web Internet e a Web Javascript e

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA. Adão de Melo Neto

BARRAMENTO DO SISTEMA. Adão de Melo Neto BARRAMENTO DO SISTEMA Adão de Melo Neto 1 BARRAMENTOS DO SISTEMA O mecanismo mais comum de interconexão dos componentes de um computador (processador, memória principal e módulos de E/S) usa um barramento

Leia mais

Figura 01 Programa e Processo

Figura 01 Programa e Processo 02 PROCESSOS 2.1 Introdução Para poder controlar a execução dos diversos programas e o uso concorrente do processador e dos demais recursos um programa deve sempre estar sempre associado a um processo.

Leia mais

Programação de Sistemas em Tempo Real

Programação de Sistemas em Tempo Real BCC722 Programação de Sistemas em Tempo Real Processos Prof. Charles Garrocho O conceito de processo Um S.O. executa uma variedade de programas Sistemas de tempo compartilhado: programas Processo: um programa

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO A Arquitetura de Computadores trata do comportamento funcional de um sistema computacional, do ponto de vista do programador (ex. tamanho de um tipo

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 PROCESSOS 1. INTRODUÇÃO Em sistemas distribuídos é importante examinar os diferentes tipos de processos e como eles desempenham seu papel. O conceito de um processo é originário do campo de sistemas

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 1 Conceitos básicos de comunicação Sumário Técnicas de transmissão

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Parte I Prof. Thiago Dutra Agenda n Parte I n Introdução n Protocolos de Transporte Internet n Multiplexação e n UDP n Parte II n TCP

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

Computadores e Programação (DCC/UFRJ)

Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Aula 3: 1 2 3 Abstrações do Sistema Operacional Memória virtual Abstração que dá a cada processo a ilusão de que ele possui uso exclusivo da memória principal Todo

Leia mais

Sistemas Operacionais. Entrada/Saída

Sistemas Operacionais. Entrada/Saída Sistemas Operacionais Entrada/Saída Atualizado em 28/02/2014 Como ocorre a comunicação de E/S Aplicação Operações de E/S Chamadas de Sistema S.O. Subsistema de E/S Núcleo (Kernel) Drivers HARDWARE Controladoras

Leia mais

RELATÓRIO DE INTRODUÇÃO AO PROJETO

RELATÓRIO DE INTRODUÇÃO AO PROJETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO RELATÓRIO DE INTRODUÇÃO AO PROJETO ALUNO: LEONARDO DE S. BRASIL MATRICULA: 04132513 ORIENTADOR: RICARDO PEREIRA E SILVA PROFESSOR:

Leia mais

Comunicação de Dados. Arquitecturas

Comunicação de Dados. Arquitecturas Comunicação de Dados Arquitecturas Arquitecturas de Comunicação Definem interacções entre equipamentos e/ou módulos de programas. Podem ser: Arquitecturas abertas Arquitecturas proprietárias Os principais

Leia mais

Modelo de Programação Paralela

Modelo de Programação Paralela Modelo de Programação Paralela As arquiteturas paralelas e distribuídas possuem muitos detalhes Como especificar uma solução paralela pensando em todos esses detalhes? O que queremos? Eecutar a solução

Leia mais

Volnys Bernal 1. Trabalho Chat UDP. PSI 2653 Meios Eletrônicos Interativos I

Volnys Bernal 1. Trabalho Chat UDP. PSI 2653 Meios Eletrônicos Interativos I 2007-2017 Volnys Bernal 1 Trabalho PSI 2653 Meios Eletrônicos Interativos I 2007-2017 Volnys Bernal 2 Objetivo: Desenvolvimento de um programa chat UDP (cliente e servidor) Grupo Cada grupo deve escolher

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Introdução à Computação Jordana Sarmenghi Salamon jssalamon@inf.ufes.br jordanasalamon@gmail.com http://inf.ufes.br/~jssalamon Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda

Leia mais

AULA 3 - REDES. Prof. Pedro Braconnot Velloso

AULA 3 - REDES. Prof. Pedro Braconnot Velloso AULA 3 - REDES Prof. Pedro Braconnot Velloso Resumo da última aula Começo da Internet Princípios básicos Comutação pacotes x circuitos Protocolos Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP APLICAÇÃO TRANSPORTE

Leia mais

Comunicação entre Processos

Comunicação entre Processos Comunicação entre Processos Comunicação entre Processos - Sistemas Operacionais fornecem mecanismos para comunicação entre processos (IPC), tal como filas de mensagens, semáfaros e memória compartilhada.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Introdução a Processos Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano da Aula 2 Introdução a Processos Threads vs Processos Características dos Processos Estados dos Processos 3

Leia mais

Modelo de Referência TCP/IP

Modelo de Referência TCP/IP Modelo de Referência TCP/IP Redes de Computadores Charles Tim Batista Garrocho Instituto Federal de São Paulo IFSP Campus Campos do Jordão garrocho.ifspcjo.edu.br/rdc charles.garrocho@ifsp.edu.br Técnico

Leia mais

Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais II

Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais II Definição de Processo Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais II Processo é o mesmo de Programa? Programa Estrutura estática Instruções + Dados Processo Entidade Ativa Instância de um Programa

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I BARRAMENTO Slide 1 Sumário Introdução Componentes de Computador Funções dos Computadores Estruturas de Interconexão Interconexão de Barramentos Slide 2 Introdução

Leia mais

Modelo de Camadas. Redes de Computadores

Modelo de Camadas. Redes de Computadores Modelo de Camadas Redes de Computadores Sumário Visão Geral de uma Rede de Computadores Protocolos Modelo de Camadas Porque utilizar Tipos de Modelos de Referência Modelo de Referência ISO/OSI Histórico

Leia mais