Recomendação tarifária Decreto-Lei n.º 194/2009 Recomendação IRAR n.º1/2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recomendação tarifária Decreto-Lei n.º 194/2009 Recomendação IRAR n.º1/2009"

Transcrição

1 Recomendação tarifária Decreto-Lei n.º 194/2009 Recomendação IRAR n.º1/2009 Alexandra Carrilho Ribeiro Departamento de Análise Económica e Financeira da ERSAR Sessão Informativa O novo regime jurídico dos sistemas municipais de águas e resíduos 28 de Janeiro de 2010

2 Decreto-Lei n.º 194/2009

3 Objectivos Definir um regime comum, uniforme e harmonizado aplicável a todos os serviços municipais, independentemente do modelo de gestão adoptado, sendo igualmente densificadas as normas específicas a cada modelo de gestão; Assegurar uma correcta protecção e informação do utilizador destes serviços; Assegurar, quando aplicável, condições de igualdade e transparência no acesso à actividade e no respectivo exercício, bem como nas relações contratuais. Acautelar a sustentabilidade económico-financeira, infraestrutural e operacional dos sistemas. Articular o regime aplicável com as alterações legislativas entretanto ocorridas.

4 Âmbito de aplicação Todas as Entidades Gestoras de titularidade municipal Gestão directa (Capítulo III) Delegação em empresa constituída em parceria com o Estado (Capítulo IV) Gestão delegada (Capítulo V) Gestão concessionada (Capítulo VI)

5 Gestão directa (Capítulo III) Sem prejuízo das regras orçamentais e de contabilidade aplicáveis aos serviços da administração local autárquica, os serviços municipais de águas e resíduos prestados em modelo de gestão directa devem ser objecto de apuramento económico financeiro específico, através de contabilidade analítica.

6 Parceria com o Estado (Capítulo IV) Podem ser estabelecidas parcerias entre o Estado e os municípios, as associações de municípios ou as áreas metropolitanas com vista à exploração e gestão de sistemas municipais de abastecimento público de água, de saneamento de águas residuais urbanas e de gestão de resíduos urbanos; Regem-se pelo disposto no Decreto-Lei n.º 90/2009, de 9 de Abril.

7 Gestão delegada (Capítulo V) Conteúdo do contrato Prazo mínimo de 10 anos Os dados previsionais, a preços constantes, incidem sobre um horizonte temporal de 15 anos, definidos vinculativamente para períodos sucessivos de 5 anos (revisão do contrato de gestão delegada). Plano de investimentos a cargo da empresa municipal delegatária Tarifário e a sua trajectória de evolução temporal Proveitos mínimos Matriz de risco

8 Gestão delegada (Capítulo V) Receitas tarifárias As tarifas a aplicar pela empresa municipal delegatária são definidas no contrato de gestão delegada em vigor, expressas a preços constantes e subsequentemente actualizadas com base na taxa de inflação, devendo a entidade delegante ratificar o seu cálculo; O cálculo da variação do tarifário deve ser realizado com base num índice de preços de Laspeyres, em que as quantidades utilizadas são as apuradas no período completo de 12 meses findo no mês de Junho do ano precedente ao exercício no qual é aplicado o novo tarifário.

9 Gestão concessionada (Capítulo VI) Conteúdo do contrato Prazo máximo de 30 anos ou 15 anos, consoante haja ou não investimento significativo Os dados previsionais, a preços constantes, incidem sobre o horizonte temporal da concessão. Plano de investimentos a cargo da empresa concessionária Tarifário e a sua trajectória de evolução temporal Matriz de risco

10 Gestão concessionada (Capítulo VI) Receitas e tarifário As tarifas do primeiro ano de exploração resultam da proposta vencedora no âmbito do concurso público. Para além das variações médias do tarifário, expressas a preços constantes, que sejam fixadas no contrato de concessão, as actualizações anuais do tarifário médio incorporam a taxa de inflação. O cálculo da variação do tarifário deve ser realizado com base num índice de preços de Laspeyres, em que as quantidades utilizadas são as apuradas no período completo de 12 meses findo no mês de Junho do ano precedente ao exercício no qual é aplicado o novo tarifário.

11 Delegação vs. Concessão Delegação Concessão Controlo do Município Definição de partilha de riscos Actualização tarifária Prazo

12 Recomendação IRAR n.º 1/2009

13 Objectivos Harmonizar as estruturas tarifárias que servem ao financiamento destes serviços, trazer-lhes racionalidade económica e financeira e assegurar a respectiva viabilidade e melhoria, sem pôr em causa a autonomia na gestão dos serviços; Proporcionar uma mais fácil compreensão por parte dos utilizadores através da utilização de processos simples e transparentes; Permitir a comparabilidade directa de tarifários

14 Âmbito de aplicação Todas as Entidades Gestoras com serviços ao utilizador final ( em baixa ) Não vinculativo Trata-se de um instrumento que se pretende constitua um primeiro passo na transição de uma prática tarifária algo casuística e reconhecidamente insustentável para uma prática que seja racionalmente fundamentada e condizente com as boas práticas na matéria.

15 Estrutura tarifária Regras comuns Para cada serviço (abastecimento, saneamento e gestão de resíduos) os tarifários devem ser caracterizados por: Tarifa fixa + tarifa variável com uma cobertura tendencial dos custos Tarifa fixa deve cobrir os custos de subscrição (disponibilidade do serviço) Tarifa variável deve cobrir os custos de prestação de serviços

16 Estrutura tarifária Regras comuns (cont.) Em virtude da aplicação das tarifas de abastecimento e saneamento, a entidade gestora deve ficar obrigada a realizar as seguintes actividades, não as devendo facturar de forma específica: Execução, manutenção e renovação de ramais, incluindo a ligação do sistema público ao sistema predial; Fornecimento de água/recolha e encaminhamento de águas residuais; Celebração ou alteração de contrato de fornecimento de águas/recolha de águas residuais;

17 Estrutura tarifária Regras comuns (cont.) Disponibilização e instalação de contador/medidor de caudal individual; Disponibilização e instalação de contador totalizador por iniciativa da entidade gestora; Leituras periódicas programadas e verificação periódica do contador/medidor de caudal; Reparação ou substituição de contador, torneira de segurança ou de válvula de corte/execução e conservação de caixas de ligação e sua reparação, salvo se por motivo imputável ao utilizador.

18 Estrutura tarifária Abastecimento utilizadores domésticos Tarifa fixa única para calibres até 25mm Para calibres superiores deve-se aplicar a tarifa dos utilizadores não domésticos Tarifa variável com escalões não zerados 1.º escalão: até 5m 3 ; 2.º escalão: superior a 5m 3 e até 15m 3 ; 3.º escalão: superior a 15m 3 e até 25m 3 ; 4.º escalão: superior a 25m 3.

19 Estrutura tarifária Abastecimento utilizadores não domésticos Tarifa fixa de valor superior à doméstica 1.º nível: até 20 mm; 2.º nível: superior a 20 e até 30 mm; 3.º nível: superior a 30 e até 50 mm; 4.º nível: superior a 50 e até 100 mm; 5.º nível: superior a 100 e até 300 mm. Tarifa variável deve apresentar valor idêntico ao 3.º escalão da tarifa variável do serviço aplicável aos utilizadores domésticos.

20 Estrutura tarifária Saneamento utilizadores domésticos Tarifa fixa única independente do calibre do contador de água A tarifa variável do serviço deve ser determinada pela aplicação de um coeficiente de custo, específico a cada entidade gestora, à tarifa variável média do serviço de abastecimento devida pelo utilizador final doméstico. O valor da tarifa variável média do serviço de abastecimento é o que resulta do rácio, apurado em cada factura, entre o somatório dos valores da componente variável do serviço facturados em cada escalão e o somatório dos volumes facturados em cada escalão, corrigidos de eventuais acertos.

21 Estrutura tarifária Saneamento utilizadores domésticos (cont.) Em rigor, o valor a ser facturado pela componente variável, corresponde a uma percentagem do valor facturado pela componente variável do serviço de abastecimento.

22 Estrutura tarifária Saneamento utilizadores não domésticos A estrutura é idêntica à das tarifas para utilizadores domésticos. O coeficiente de custo pode ser diferente daquele aplicado à tarifa dos utilizadores domésticos, reflectindo as diferenças nas estruturas de custos.

23 Estrutura tarifária Coeficiente de custo de saneamento Custos saneamento C s = φ Custos abastecimento φ é um coeficiente de ajuste das condições específicas Utilizadores domésticos/não domésticos Diferente cobertura dos serviços Etc Os custos utilizados para efeito de cálculo, e que se pretendem cobrir por meio da tarifa variável, podem ser os totais, os operacionais, os de exploração ou outros, desde que se garanta que no conjunto da componente fixa com a variável se cobrem, pelo menos, todos os custos.

24 Estrutura tarifária Resíduos utilizadores domésticos Tarifa fixa única Tarifa variável em função da quantidade de resíduos recolhida A quantidade de resíduos objecto de recolha deve ser estimada a partir de indicadores de base específica que apresentem uma correlação estatística significativa com a efectiva produção de resíduos pelos utilizadores finais Consumo da água Consumo da electricidade Área ou tipologia Etc..

25 Estrutura tarifária Resíduos utilizadores não domésticos Tarifa fixa única de valor superior ao da tarifa para utilizadores domésticos Tarifa variável em função da quantidade de resíduos recolhida, de valor superior ao da tarifa para utilizadores domésticos Devem poder ainda empregar-se como indicadores parâmetros vários associados ao tipo de actividade exercida pelo utilizador, ou proceder à determinação directa da quantidade de resíduos objecto de recolha com base em sistemas específicos de pesagem ou em sistemas volumétricos

26 Ciclo de revisão tarifária

27 Ciclo de revisão tarifária Submissão, para parecer, da proposta de tarifário à ERSAR Aprovação explícita pela Entidade Titular (Concedente/Delegante) Entre a publicação e a aplicação do novo tarifário devem decorrer, pelo menos, 15 dias. Deve ser enviado o documento de aprovação à Entidade Reguladora até 10 dias após a respectiva publicação

28 Ciclo de revisão tarifária O que seria desejável Submissão da proposta de novo tarifário, a partir de 1 de Setembro, à ERSAR e à Entidade Titular dos serviços Emissão do parecer da ERSAR à Entidade Titular e à Entidade Gestora, até 30 dias após a recepção da proposta Aprovação e publicação, pela Entidade Titular, do novo tarifário até 15 de Dezembro Aplicação do novo tarifário a partir de 1 de Janeiro

29 Ciclo de revisão tarifária Elementos necessários Estrutura tarifária da EG IA índice de actualização previsto no contrato de delegação/concessão Deve incluir IHPC Pode incluir riscos específicos (ex: preços em alta, custo de mão-de-obra, etc.) Aplicação de um índice de Laspeyres Proposta do novo tarifário

30 Ciclo de revisão tarifária IA Índice de actualização O índice de actualização deve permitir actualizar preços constantes do ano 0 para preços correntes do ano t.

31 Ciclo de revisão tarifária Índice de Laspeyres O índice de Laspeyres é, teoricamente, uma taxa de variação das receitas entre dois períodos nos quais se mantêm constantes as quantidades do período inicial, sendo calculado pela divisão entre a receita do ano t e a receita do ano t 0. Formalmente: No caso da aplicação do disposto no Decreto-Lei n.º 194/2009, o cálculo será efectuado em sentido contrário. Partindo do factor de actualização calculado pela fórmula polinomial de actualização, IA t 0 determinam-se quais os preços que gerariam a receita necessária.

32 Obrigada

TARIFÁRIO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO A VIGORAR EM 2014

TARIFÁRIO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO A VIGORAR EM 2014 TARIFÁRIO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO A VIGORAR EM 2014 Tarifário de abastecimento de água: O tarifário do serviço de abastecimento de água compreende uma componente fixa e uma componente

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO ARTIGO 1º Legislação Habilitante O presente Regulamento tem suporte legal no n.º 4 do artigo 16.º da Lei n.º 2/2007, de 15 de Fevereiro (Lei das Finanças Locais) e na alínea a) do

Leia mais

ARTIGO 1º Legislação Habilitante. ARTIGO 2º Objecto. ARTIGO 3º Âmbito de Aplicação. ARTIGO 4º Princípios

ARTIGO 1º Legislação Habilitante. ARTIGO 2º Objecto. ARTIGO 3º Âmbito de Aplicação. ARTIGO 4º Princípios ARTIGO 1º Legislação Habilitante O presente Regulamento tem suporte legal no n.º 4 do artigo 16.º da Lei n.º 2/2007, de15 de Fevereiro (Lei das Finanças Locais) e na alínea a) do n.º 2 do artigo 53.º e

Leia mais

A informação como prevenção do conflito. Isabel Andrade Álvaro Carvalho

A informação como prevenção do conflito. Isabel Andrade Álvaro Carvalho A informação como prevenção do conflito Isabel Andrade Álvaro Carvalho Encontro Nacional de Entidades Gestoras Coimbra, 4 de dezembro de 2013 A importância da informação aos utilizadores Abastecimento

Leia mais

Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores

Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores Seminário de apresentação da 2.ª geração do sistema de indicadores Indicadores comuns às 3 actividades Departamento

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho A empresarialização dos sistemas multimunicipais e municipais de captação, tratamento e distribuição de água para consumo

Leia mais

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA ESTRUTURA TARIFÁRIA 1. Estão sujeitos às tarifas relativas aos serviços de água e/ou saneamento todos os utilizadores finais que disponham de contrato, sendo as mesmas devidas

Leia mais

SERVIÇO DE ACTIVIDADES E COBRANÇAS

SERVIÇO DE ACTIVIDADES E COBRANÇAS ANEXO II - TARIFAS E PREÇOS PARA O ANO DE 2013 ARTIGO 1º - FIXAÇÃO E ACTUALIZAÇÃO DE TARIFAS 1. Com vista a assegurar o equilíbrio económico e financeiro da exploração dos sistemas de distribuição de água

Leia mais

Tarifas de execução de ramais

Tarifas de execução de ramais 1 - FIXAÇÃO S ANEXO II - TARIFAS E PREÇOS PARA O ANO DE 2015 ARTIGO 1º - FIXAÇÃO E ACTUALIZAÇÃO DE TARIFAS 1. Com vista a assegurar o equilíbrio económico e financeiro da exploração dos sistemas de distribuição

Leia mais

1. Tarifas referentes à prestação de serviços de fiscalização. 2. Tarifas de execução de ramais, nos termos das al. a) e c) do n.º 1 do Art.º.

1. Tarifas referentes à prestação de serviços de fiscalização. 2. Tarifas de execução de ramais, nos termos das al. a) e c) do n.º 1 do Art.º. 2010 ART.º. 1 FIXAÇÃO E ACTUALIZAÇÃO DE TARIFAS Todas as tarifas abrangidas pelo presente regulamento serão fixadas pela Câmara Municipal de Viana do Castelo, precedendo proposta do Conselho de Administração

Leia mais

Tarifário dos Serviços

Tarifário dos Serviços Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, de Saneamento e de Gestão de Resíduos Urbanos do Município de Reguengos de Monsaraz ANO 2017 Novembro de 2016 Secção I. Abastecimento de Água Página 1

Leia mais

Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores

Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores Seminário de apresentação da 2.ª geração do sistema de indicadores Adequação da interface com o utilizador

Leia mais

Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos

Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos Seção I Abastecimento de Água Tarifas de Abastecimento de Água Abastecimento de Água-Tabela

Leia mais

TARIFÁRIOS (aprovada pelas deliberações da Câmara Municipal datadas de 23/12/2015 e de 20/01/2016) Artigo N.º Alínea Designação Valor

TARIFÁRIOS (aprovada pelas deliberações da Câmara Municipal datadas de 23/12/2015 e de 20/01/2016) Artigo N.º Alínea Designação Valor TARIFÁRIOS 2016 (aprovada pelas deliberações da Câmara Municipal datadas de 23/12/2015 e de 20/01/2016) Artigo N.º Alínea Designação Valor Capitulo I Fornecimento de Água,Saneamento e Resíduos Urbanos

Leia mais

Projeto de Regulamento de Procedimentos Regulatórios - síntese das principais propostas. Consulta pública n.º 3/2016

Projeto de Regulamento de Procedimentos Regulatórios - síntese das principais propostas. Consulta pública n.º 3/2016 Projeto de Regulamento de Procedimentos Regulatórios - síntese das principais propostas Consulta pública n.º 3/2016 Enquadramento legal e estatutário Lei Quadro das Entidades Reguladoras Por forma a prosseguirem

Leia mais

TARIFÁRIO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

TARIFÁRIO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS TARIFÁRIO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Município de São Brás de Alportel Em vigor a partir de 1 de Novembro de 2011 (Com as alterações

Leia mais

Preços Municipais - Serviço de Abastecimento de Agua, Saneamento e Resíduos Urbanos

Preços Municipais - Serviço de Abastecimento de Agua, Saneamento e Resíduos Urbanos Tabela de Preços do Município do Alandroal - Preços Municipais - Serviço de Abastecimento de Agua, Saneamento e Resíduos Urbanos Artigo ( ) Capitulo I Fornecimento de Água,Saneamento e Resíduos Urbanos

Leia mais

IRAR. Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º LISBOA - PORTUGAL

IRAR. Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º LISBOA - PORTUGAL A reforma dos serviços de águas em Portugal Seminário - Política da Água: da progressiva harmonização do quadro legal e institucional à operacionalização das estratégias de intervenção Abril 2011, FEUC,

Leia mais

TARIFAS ABASTECIMENTO DE ÁGUA ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

TARIFAS ABASTECIMENTO DE ÁGUA ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS TARIFAS ABASTECIMENTO DE ÁGUA ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS ÍNDICE 1 ÂMBITO, DEFINIÇÕES E PRINCÍPIOS GERAIS...... 3 1.1 Âmbito e princípios gerais. 3 1.2 Definições 6 2 REGRAS COMUNS

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE PREÇOS NOS SISTEMAS DE TITULARIDADE MUNICIPAL MODELO DE GESTÃO DIRETA

DETERMINAÇÃO DE PREÇOS NOS SISTEMAS DE TITULARIDADE MUNICIPAL MODELO DE GESTÃO DIRETA DETERMINAÇÃO DE PREÇOS NOS SISTEMAS DE TITULARIDADE MUNICIPAL MODELO DE GESTÃO DIRETA Alexandra Gonçalves da CUNHA 1 ; Cristina Landeiro RODRIGUES 2 RESUMO A presente comunicação versa sobre o modelo de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 230/2008, de 27 de Novembro (Alterado pela Lei nº 7-A/2016, de 30 de março)

Decreto-Lei n.º 230/2008, de 27 de Novembro (Alterado pela Lei nº 7-A/2016, de 30 de março) Decreto-Lei n.º 230/2008, de 27 de Novembro (Alterado pela Lei nº 7-A/2016, de 30 de março) O Decreto-Lei nº 29/2006, de 15 de Fevereiro, cujo regime foi desenvolvido pelo Decreto- Lei nº 172/2006, de

Leia mais

Tarifário Praia Ambiente

Tarifário Praia Ambiente Tarifário Praia Ambiente Município da Praia da Vitória Ano de 1- Águas de Abastecimento 2 - Drenagem de Águas Residuais 3 - Resíduos Sólidos Águas de Abastecimento Município da Praia da Vitória Ano de

Leia mais

Tarifários de Água, Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos 2012

Tarifários de Água, Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos 2012 Tarifários de Água, Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos 2012 Este conjunto de tabelas elaboradas pela AMAL contém o resumo dos tarifários de abastecimento de água, saneamento e recolha e deposição de

Leia mais

Glossário. Caracterização económico-financeira

Glossário. Caracterização económico-financeira Glossário Caracterização económico-financeira 2011 TERMOS UTILIZADOS NA CARACTERIZAÇÃO ECONÓMICO-FINANCEIRA A Alterações por Escassez alteração extraordinária ao fornecimento de água por motivo de escassez.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PONTA DELGADA

CÂMARA MUNICIPAL DE PONTA DELGADA CÂMARA MUNICIPAL DE PONTA DELGADA ESTUDO TARIFÁRIO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, DE TRATAMENTO DE ÁGUA RESIDUAL E DE RECOLHA DE RESÍDUOS URBANOS RELATÓRIO FINAL Novembro de 2013 CÂMARA MUNICIPAL DE PONTA DELGADA

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA

ABASTECIMENTO DE ÁGUA ABASTECIMENTO DE ÁGUA Utilizadores Domésticos Tarifa fixa 3,85 Tarifa variável - por m³ 1.º Escalão [0 a 5 m³] - por metro cúbico 0,68 2.º Escalão [6 a 15 m³] por metro cúbico 1,08 3.º Escalão [16 a 25

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

Tabela de Preços

Tabela de Preços Tabela de Preços - 2017 MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ZÊZERE CÂMARA MUNICIPAL Entrada em vigor: 01 de janeiro de 2017 Atualização: Deliberação da Câmara Municipal de 13-10-2016 FL. 1/8 TABELA DE PREÇOS 2017

Leia mais

SEMINÁRIO DE ÁGUAS E RESÍDUOS

SEMINÁRIO DE ÁGUAS E RESÍDUOS SEMINÁRIO DE ÁGUAS E RESÍDUOS INDICADORES ECONÓMICOS E FINANCEIROS DA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇO 29 de novembro de 2016 FILIPE RUIVO - Departamento de Análise Económica e Financeira REVISÃO DE INDICADORES

Leia mais

PREÂMBULO. Nota justificativa

PREÂMBULO. Nota justificativa PREÂMBULO O texto do Manutenção de Infra-Estruturas Urbanísticas foi submetido a apreciação pública, durante 30 dias úteis, tendo sido publicado para o efeito em edital, com o n.º 126/2002, de 23 de Maio

Leia mais

O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem

O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem Filomena Rodrigues Lobo 6-Mar-14 1 Estrutura da Apresentação 1. A ERSAR e a sua Missão 2. O Modelo Regulatório 3. Contributo específico para o fluxo

Leia mais

IRAR. Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º LISBOA - PORTUGAL

IRAR. Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º LISBOA - PORTUGAL Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º 1600-209 LISBOA - PORTUGAL www.ersar.pt Tel.: +351 210 052 200 Fax: +351 210 052 259 Introdução Ciclo urbano da água: Abastecimento

Leia mais

Regulamento do Tarifário da Prestação dos Serviços de Abastecimento de Água, de Saneamento de Águas Residuais do Município de Sobral de Monte Agraço

Regulamento do Tarifário da Prestação dos Serviços de Abastecimento de Água, de Saneamento de Águas Residuais do Município de Sobral de Monte Agraço Regulamento do Tarifário da Prestação dos Serviços de Abastecimento de Água, de Saneamento de Águas Residuais do Município de Sobral de Monte Agraço Reunião de Câmara (aprovação do projeto) 12/11/2012

Leia mais

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras O acesso à água e saneamento como direito humano O papel das entidades gestoras Álvaro Carvalho, David Alves Departamento de Estudos e Projetos da ERSAR ENEG 2013 Coimbra, 4 de dezembro de 2013 O acesso

Leia mais

Tarifários de Água, Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos 2011

Tarifários de Água, Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos 2011 Tarifários de Água, Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos 2011 Este conjunto de tabelas elaboradas pela AMAL contém o resumo dos tarifários de abastecimento de água, saneamento e recolha e deposição de

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS E PREÇOS DE MUNICÍPIO DE BEJA (aprovado pela Câmara Municipal de Beja em )

REGULAMENTO DE TARIFAS E PREÇOS DE MUNICÍPIO DE BEJA (aprovado pela Câmara Municipal de Beja em ) PREÂMBULO REGULAMENTO DE TARIFAS E PREÇOS DE MUNICÍPIO DE BEJA (aprovado pela Câmara Municipal de Beja em 27-11- 2011) A presente Tabela de Tarifas e Preços do Município de Beja e respectivo regulamento

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA NAZARÉ PRECÁRIO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PARA O ANO DE 2017 (Preços a vigorar entre 01 de janeiro e 31 de dezembro)

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA NAZARÉ PRECÁRIO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PARA O ANO DE 2017 (Preços a vigorar entre 01 de janeiro e 31 de dezembro) Doméstico Não Doméstico SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA NAZARÉ (s a vigorar entre 01 de janeiro e 31 de dezembro) PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO, SANEAMENTO E GESTÃO DE RSU Escalão Abastecimento Saneamento

Leia mais

ÁGUA E SANEAMENTO EM PORTUGAL - O MERCADO E OS PREÇOS -

ÁGUA E SANEAMENTO EM PORTUGAL - O MERCADO E OS PREÇOS - A fim de ajudar a proteger a sua privacidade, o PowerPoint bloqueou a transferência automática desta imagem. COLÓQUIO ÁGUA E SANEAMENTO EM PORTUGAL - O MERCADO E OS PREÇOS - Porto 28 de Novembro de 2012

Leia mais

TARIFÁRIO CARTAGUA - ÁGUAS DO CARTAXO, S.A. Março, 2015

TARIFÁRIO CARTAGUA - ÁGUAS DO CARTAXO, S.A. Março, 2015 CARTAGUA - ÁGUAS DO CARTAXO, S.A. TARIFÁRIO 2015 O presente tarifário está de acordo com o Edital n.º 13/2015 aprovado em Assembleia Municipal da Câmara Municipal do Cartaxo realizada no dia 09/02/2015

Leia mais

TARIFÁRIO CARTAGUA - ÁGUAS DO CARTAXO, S.A. Abril, 2016

TARIFÁRIO CARTAGUA - ÁGUAS DO CARTAXO, S.A. Abril, 2016 CARTAGUA - ÁGUAS DO CARTAXO, S.A. TARIFÁRIO 2016 O presente tarifário está de acordo com o Edital n.º 17/2016 aprovado em Assembleia Municipal da Câmara Municipal do Cartaxo realizada no dia 25/02/2016.

Leia mais

Anexo III a) Indicadores de Realização e Resultado (AA)

Anexo III a) Indicadores de Realização e Resultado (AA) Anexo III a) Indicadores de Realização e (AA) Tipo ID Indicador Designação Unidade Indicador Contratualização de resultados e realizações Sim /Não Definição / Metodologia Definição da metodologia para

Leia mais

Decreto-Lei 306/2007 de 27 de Agosto

Decreto-Lei 306/2007 de 27 de Agosto Decreto-Lei 306/2007 de 27 de Agosto (Qualidade da água destinada ao consumo humano) (Entrada em vigor 1 de Janeiro de 2008) Sobreda, 20 de Novembro de 2007 M. Elisa Duarte 1 Artº 3º - Autoridade competente

Leia mais

Câmara Municipal do Barreiro

Câmara Municipal do Barreiro TARIFÁRIO 2017 1/7 TARIFÁRIO 2017 1. TARIFAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 1.1 TARIFA VARIÁVEL 1º ESCALÃO 5 m 3 0,3400 / m³ 2º ESCALÃO > 5 m 3 e 15 m 3 0,6902 / m³ 3º ESCALÃO > 15 m 3 e 25 m 3 1,3940 / m³ 4º

Leia mais

TABELA DE TARIFAS E PREÇOS DIVERSOS Parte 1 - Abastecimento de Água. Tarifário Normal - Utilizadores Domésticos

TABELA DE TARIFAS E PREÇOS DIVERSOS Parte 1 - Abastecimento de Água. Tarifário Normal - Utilizadores Domésticos TABELA DE TARIFAS E PREÇOS DIVERSOS Parte 1 - Abastecimento de Água Tarifário Normal - Contador de diâmetro igual ou inferior a 25mm/30 dias 1,2654 Contador de diâmetro superior a 25mm/30 dias 4,7831,

Leia mais

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO ÁGUA * CONSUMO DE ÁGUA DOMÉSTICO 1º Escalão (0 5 m 3 /mês) 2º Escalão (6 15 m 3 /mês) 3º Escalão (16 a 25 m 3 /mês) 4º Escalão (superior a 25 m 3 /mês) 0,5118 0,7603 1,2632 2,0355 COMÉRCIO, INDÚSTRIA E

Leia mais

XXXII. Compensações ÍNDICE

XXXII. Compensações ÍNDICE XXXII Compensações ÍNDICE SECÇÃO I COMPENSAÇÕES DA ENTIDADE GESTORA DO ESTABELECIMENTO... 2 1. Compensação em caso de resgate... 2 2. Compensação em caso de rescisão por interesse público... 6 3. Compensação

Leia mais

UTILIZADORES DOMÉSTICOS. Tarifas de Abastecimento de Água. Tarifas Fixas de Abastecimento de Água. Tarifas Variáveis de Abastecimento de Água

UTILIZADORES DOMÉSTICOS. Tarifas de Abastecimento de Água. Tarifas Fixas de Abastecimento de Água. Tarifas Variáveis de Abastecimento de Água Diâmetro do Contador UTILIZADORES DOMÉSTICOS 1ºEscalão 0 a 5 m 3 0,5300 2ºEscalão Superior a 5 m 3 e até 15m3 0,9600 3ºEscalão Superior a 15 m 3 e até 25m3 1,2600 4ºEscalão Superior a 25m3 1,4500 Consumidores

Leia mais

CAPACITAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DAS EG EM BAIXA

CAPACITAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DAS EG EM BAIXA CAPACITAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DAS EG EM BAIXA Seminário Águas & Resíduos Ana Barreto Albuquerque 29 de Junho de 2016 UNIDADE TÉCNICA DE APOIO Equipa de apoio externa: Prof. Rosário André Prof. Poças Martins

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO GERAL DE TAXAS, PREÇOS E OUTRAS RECEITAS DO MUNICÍPIO DE LISBOA - (Secções III e IV) CAPÍTULO III

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO GERAL DE TAXAS, PREÇOS E OUTRAS RECEITAS DO MUNICÍPIO DE LISBOA - (Secções III e IV) CAPÍTULO III ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO GERAL DE TAXAS, PREÇOS E OUTRAS RECEITAS DO MUNICÍPIO DE LISBOA - (Secções III e IV) CAPÍTULO III Taxas e Preços com regime especial É alterada a SECÇÃO III, que passa a ter a

Leia mais

Legislação. para a Exploração de Postos de Enchimento de Gás Natural Carburante.

Legislação. para a Exploração de Postos de Enchimento de Gás Natural Carburante. Princípios e Bases do Sector do Gás Natural Decreto-Lei n.º 66/2010: Estabelece o procedimento aplicável à extinção das tarifas reguladas de venda de gás natural a clientes finais, com consumos anuais

Leia mais

Protecção dos Utentes de Serviços Públicos Essenciais (Lei nº 23/96, de 23.7)

Protecção dos Utentes de Serviços Públicos Essenciais (Lei nº 23/96, de 23.7) Protecção dos Utentes de Serviços Públicos Essenciais (Lei nº 23/96, de 23.7) ÍNDICE Artigo 1.º Objecto e âmbito Artigo 2.º Direito de participação Artigo 3.º Princípio geral Artigo 4.º Dever de informação

Leia mais

Tarifário para Tarifário para 2015

Tarifário para Tarifário para 2015 Tarifário para 2015 Setembro de 2014 Página 1 de 12 Índice Tarifas de Abastecimento... 3 Tarifas de Saneamento... 4 Outros serviços de abastecimento... 5 Outros serviços de saneamento... 7 Processos de

Leia mais

Tabela de Tarifas e Preços

Tabela de Tarifas e Preços Serviço de Abastecimento Público de Água Serviço de Saneamento de Águas Residuais Urbanas Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos Tabela de Tarifas e Preços Ano 2016 (Versão 1.1 de 15.12.2015) Em vigor a

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE ÁGUA CONDIÇÕES PARTICULARES DO CONTRATO N. /20

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE ÁGUA CONDIÇÕES PARTICULARES DO CONTRATO N. /20 CONTRATO DE FORNECIMENTO DE ÁGUA CONDIÇÕES PARTICULARES DO CONTRATO N. /20 1. CLIENTE NOME: MORADA: CÓDIGO POSTAL: NIF / NIPC: TELEFONE: FAX: E-MAIL: 2. LOCAL DO CONSUMO MORADA: TIPO: MORADIA APARTAMENTO

Leia mais

Nota sobre a nova legislação relativa a serviços públicos essenciais

Nota sobre a nova legislação relativa a serviços públicos essenciais Nota sobre a nova legislação relativa a serviços públicos essenciais Jaime Melo Baptista Presidente do Conselho Directivo do IRAR Dulce Álvaro Pássaro Vogal do Conselho Directivo do IRAR João Simão Pires

Leia mais

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO ÁGUA * CONSUMO DE ÁGUA DOMÉSTICO 1º Escalão (0 5 m 3 /mês) 0,4966 2º Escalão (6 15 m 3 /mês) 0,7378 3º Escalão (16 a 25 m 3 /mês) 1,2258 4º Escalão (superior a 25 m 3 /mês) 1,9752 COMÉRCIO, INDÚSTRIA E

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PROPOSTA DE LEGISLAÇÃO RELATIVA AOS RC&D paula.correia@inresiduos.pt ÍNDICE TEMÁTICO TICO Quadro legislativo em vigor Quadro legislativo em preparação Quadro Legislativo em Vigor DL 239/97, de 9 de Setembro

Leia mais

Novo Regime Jurídico aplicável à energia produzida em Cogeração Decreto Lei nº 23/2010

Novo Regime Jurídico aplicável à energia produzida em Cogeração Decreto Lei nº 23/2010 Novo Regime Jurídico aplicável à energia produzida em Cogeração Decreto Lei nº 23/2010 José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia Lisboa, 09 de Junho 2010 0 Cogeração de Elevada Eficiência (EE)

Leia mais

Tabela de Tarifas e Preços

Tabela de Tarifas e Preços Serviço de Abastecimento Público de Água Serviço de Saneamento de Águas Residuais Urbanas Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos Tabela de Tarifas e Preços Ano 2015 Em vigor a partir de 1 de janeiro de

Leia mais

MUNICÍPIO DE CASTELO DE PAIVA

MUNICÍPIO DE CASTELO DE PAIVA Regime Tarifário da Prestação do Serviço de Abastecimento de Água, do Serviço de Saneamento de Águas Residuais Urbanas, e do Serviço de Recolha e Deposição de Resíduos Sólidos Urbanos Uma política tarifária

Leia mais

PORTARIA N.º 4 /05. de 17 de Janeiro

PORTARIA N.º 4 /05. de 17 de Janeiro MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E PLANEAMENTO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 4 /05 de 17 de Janeiro As alterações introduzidas no Orçamento do Estado para 2005 para vigorarem a partir de 1 de Janeiro, nomeadamente,

Leia mais

SEPARATA AOS BOLETINS MUNICIPAIS DOS MUNICÍPIOS DE OEIRAS E DA AMADORA. Julho 2017

SEPARATA AOS BOLETINS MUNICIPAIS DOS MUNICÍPIOS DE OEIRAS E DA AMADORA. Julho 2017 SEPARATA AOS BOLETINS MUNICIPAIS DOS MUNICÍPIOS DE OEIRAS E DA AMADORA (Exigibilidade legal de publicação no BM por força do artigo 56.º n.º 2 do Regime Jurídico das Autarquias Locais) Julho 2017 DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O CÁLCULO DA RECEITA LÍQUIDA ATUALIZADA DE OPERAÇÕES GERADORAS DE RECEITAS LÍQUIDAS E DO DÉFICE DE FINANCIAMENTO DAS OPERAÇÕES

ORIENTAÇÕES PARA O CÁLCULO DA RECEITA LÍQUIDA ATUALIZADA DE OPERAÇÕES GERADORAS DE RECEITAS LÍQUIDAS E DO DÉFICE DE FINANCIAMENTO DAS OPERAÇÕES Sessão de Esclarecimento - 14 de maio de 2015 ORIENTAÇÕES PARA O CÁLCULO DA RECEITA LÍQUIDA ATUALIZADA DE OPERAÇÕES GERADORAS DE RECEITAS LÍQUIDAS E DO DÉFICE DE FINANCIAMENTO DAS OPERAÇÕES Na aceção do

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA)

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) IES DECLARAÇÃO ANUAL (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM A TÍTULO PRINCIPAL ACTIVIDADE COMERCIAL INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) 01 No DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO 1 IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 14 de março de Série. Número 39

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 14 de março de Série. Número 39 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 14 de março de 2014 Série 2.º Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução n.º 133/2014 Determina a não atualização das tarifas que

Leia mais

LEI DOS SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS

LEI DOS SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS Lei n.º 23/96, de 26 de Julho (versão atualizada fev. 2016) LEI DOS SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS Artigo 1.º Objecto e âmbito 1 - A presente lei consagra regras a que deve obedecer a prestação de serviços

Leia mais

MUNICÍPIO DE OLHÃO OLHÃO EDITAL N.º 55/2010 FRANCISCO JOSÉ FERNANDES LEAL, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OLHÃO, FAZ SABER QUE:

MUNICÍPIO DE OLHÃO OLHÃO EDITAL N.º 55/2010 FRANCISCO JOSÉ FERNANDES LEAL, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OLHÃO, FAZ SABER QUE: EDITAL N.º 55/2010 FRANCISCO JOSÉ FERNANDES LEAL, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OLHÃO, FAZ SABER QUE: Em Assembleia Municipal realizada no dia 23 de Dezembro de 2010, foi aprovado, sob proposta da

Leia mais

Recomendação ERSAR n.º 02/2010

Recomendação ERSAR n.º 02/2010 Recomendação ERSAR n.º 02/2010 CRITÉRIOS DE CÁLCULO PARA A FORMAÇÃO DE TARIFÁRIOS APLICÁVEIS AOS UTILIZADORES FINAIS DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO, DE SANEAMENTO DE

Leia mais

Com implicações na administração local destacam-se as seguintes normas:

Com implicações na administração local destacam-se as seguintes normas: DECRETO-LEI N.º 25/2017, DE 3 DE MARÇO QUE ESTABELECE AS DISPOSIÇÕES NECESSÁRIAS À EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2017 APROVADO PEL LEI N.º 42/2016, DE 28 DE DEZEMBRO Com implicações na administração

Leia mais

CONTRATO DE ÁGUA, SANEAMENTO E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

CONTRATO DE ÁGUA, SANEAMENTO E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Registo de Entrada NIPG:... Data:... A Identificação O Funcionário... Nome / Entidade:... Morada / Sede:... 03 Freguesia:... 04 Código Postal:... 05 NIF / NIPC:... 06 Nº de Identificação Civil:... 07 Validade:...

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO CONCELHO DA MARINHA GRANDE - REPUBLICAÇÃO

REGULAMENTO DE TARIFAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO CONCELHO DA MARINHA GRANDE - REPUBLICAÇÃO REGULAMENTO DE TARIFAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO CONCELHO DA MARINHA GRANDE - REPUBLICAÇÃO Assim, em observância do artigo 241º da Constituição da República Portuguesa, das disposições legais acima citadas

Leia mais

Jaime Melo Baptista. Instituto Regulador de Águas e Resíduos

Jaime Melo Baptista. Instituto Regulador de Águas e Resíduos Jaime Melo Baptista Instituto Regulador de Águas e Resíduos Relevância da discussão sobre políticas e modelos de governança e sobre a gestão destes serviços: São serviços públicos essenciais e insubstituíveis,

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÀGUA E SANEAMENTO. Anexo II

MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÀGUA E SANEAMENTO. Anexo II Anexo II TABELA DE TARIFAS E PREÇOS DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO ANO 2006 CAPÍTULO I ÁGUA, SANEAMENTO E AMBIENTE Secção I Água Artigo 1º - Vistorias e ensaios a canalizações de água:

Leia mais

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2010

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2010 TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2010 Despacho nº 21/2009 da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, RT Regulamento tarifário RRC Regulamento de Relações comerciais Tarifário

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DO SECTOR ELÉCTRICO. Despacho n.º B / 2002

ENTIDADE REGULADORA DO SECTOR ELÉCTRICO. Despacho n.º B / 2002 ENTIDADE REGULADORA DO SECTOR ELÉCTRICO Despacho n.º 2504 - B / 2002 A factura constitui um importante instrumento de comunicação em qualquer relacionamento comercial, designadamente no âmbito da prestação

Leia mais

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLIC O. Escalão único 2,1335

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLIC O. Escalão único 2,1335 ÁGUA* CONSUMO DE ÁGUA CONSUMO DOMÉSTICO 1º Escalão (0 5 m 3 /mês) 0,4628 2º Escalão (6 15 m 3 /mês) 0,8421 3º Escalão (16 a 25 m 3 /mês) 1,3993 4º Escalão (superior a 25 m 3 /mês) 2,2546 COMÉRCIO, INDÚSTRIA,

Leia mais

ANEXO 1 Definições dos parâmetros de qualidade de serviço e objectivos de desempenho aplicáveis ao serviço universal

ANEXO 1 Definições dos parâmetros de qualidade de serviço e objectivos de desempenho aplicáveis ao serviço universal http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=232425 ANEXO 1 Definições dos parâmetros de qualidade de serviço e objectivos de desempenho aplicáveis ao serviço universal Prazo de fornecimento da ligação

Leia mais

Avaliação de conformidade dos tarifários aplicados aos utilizadores finais domésticos com as recomendações tarifárias

Avaliação de conformidade dos tarifários aplicados aos utilizadores finais domésticos com as recomendações tarifárias Dissertação submetida como requisito parcial para a obtenção de grau de Mestre em Economia da Empresa e da Concorrência Avaliação de conformidade dos tarifários aplicados aos utilizadores finais domésticos

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO O presente regulamento explicita as competências, responsabilidades e funcionamento do Gabinete de Estudos e Planeamento. Artigo 1.º Definição e Finalidade

Leia mais

CAPÍTULO I HIGIENE E SALUBRIDADE SECÇÃO I TARIFAS PELA LIGAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ESGOTOS. Artigo 1.º. Artigo 2.º

CAPÍTULO I HIGIENE E SALUBRIDADE SECÇÃO I TARIFAS PELA LIGAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ESGOTOS. Artigo 1.º. Artigo 2.º CAPÍTULO I HIGIENE E SALUBRIDADE SECÇÃO I TARIFAS PELA LIGAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ESGOTOS Artigo 1.º A tarifa de ligação será paga por uma só vez, ao estabelecer-se a ligação de rede ao interior do ramal

Leia mais

Tabela de Tarifas e Preços

Tabela de Tarifas e Preços Serviço de Abastecimento Público de Água Serviço de Saneamento de Águas Residuais Urbanas Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos Tabela de Tarifas e Preços Ano 2014 Em vigor a partir de 1 de janeiro de

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS PROPOSTA DE LEI Nº /IX /2017

CONSELHO DE MINISTROS PROPOSTA DE LEI Nº /IX /2017 CONSELHO DE MINISTROS PROPOSTA DE LEI Nº /IX /2017 DE DE ASSUNTO: Concede autorização legislativa ao Governo para legislar em matéria de regime jurídico específico de atribuição e gestão dos serviços públicos

Leia mais

Inspecção de Instalações

Inspecção de Instalações Uma Rede de Tecnologia e Qualidade i Inspecção de Instalações EDIFICAÇÕES de Gás Certificamos o seu bem estar Instituto de Soldadura e Qualidade António Vilarinho 2008 16 de Abril de 2010 Gasoduto Ibérico

Leia mais

CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO

CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NOTA TÉCNICA Nº 001/2011 Brasília, 16 de março de 2011. ÁREA: Saneamento Área de Desenvolvimento Urbano TÍTULO: Contratação dos serviços de saneamento básico REFERÊNCIA(S): Lei nº 11.445/2010, Decreto

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 93/3 Preçário da Interbolsa

Regulamento da CMVM n.º 93/3 Preçário da Interbolsa Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 93/3 Preçário da Interbolsa Ao abrigo do disposto no nº 8 do artigo 188º, do nº 2 do artigo 493º do Código do

Leia mais

Conteúdo mínimo a incluir nos contratos para a prestação de serviços de comunicações electrónicas

Conteúdo mínimo a incluir nos contratos para a prestação de serviços de comunicações electrónicas http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=151642 Conteúdo mínimo a incluir nos s para a prestação de serviços Elementos a incluir nos s Identidade e endereço do fornecedor Serviços fornecidos Identificação

Leia mais

Financas Municipais em Mocambique. Dr. Jose Manuel Guamba

Financas Municipais em Mocambique. Dr. Jose Manuel Guamba Financas Municipais em Mocambique Dr. Jose Manuel Guamba A actividade municipal inscreve-se num contexto legal amplo de atribuições, cujo quadro de competências está estabelecido na Lei 2/97, preconizando

Leia mais

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola.

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola. MINISTÉRIO DAS PESCAS E AMBIENTE Decreto Executivo n." 48/98 de 28 de Agosto Havendo necessidade de estabelecer o ordenamento dos recursos pesqueiros nacionais; No uso da faculdade que me é conferida pela

Leia mais

Conteúdo mínimo a incluir nos contratos para a prestação de serviços de comunicações electrónicas

Conteúdo mínimo a incluir nos contratos para a prestação de serviços de comunicações electrónicas http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=208622 Conteúdo mínimo a incluir para a prestação de serviços Elementos a incluir Identidade e endereço do fornecedor Serviços fornecidos Identificação do

Leia mais

Relatório de Conformidade 2013

Relatório de Conformidade 2013 Relatório de Conformidade 2013 março de 2014 Responsável de Conformidade Índice 1. Introdução... 3 2. Obrigações... 3 Independência e Autonomia de Gestão... 3 Não Discriminação... 4 Confidencialidade da

Leia mais

Regulação de serviços de água e saneamento em Portugal Jaime Melo Baptista

Regulação de serviços de água e saneamento em Portugal Jaime Melo Baptista Regulação de serviços de água e saneamento em Portugal Jaime Melo Baptista ADERASA / URSEA Montevideu, Uruguai Novembro de 2013 Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º 1600-209

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA UIR REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA Avenida Cónego Manuel das Neves n o 234 R/C * Luanda Angola DISCUSSÃO PÚBLICA SOBRE A DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

Leia mais

PENSAAR Uma nova Estratégia para o Setor de Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais VOLUME 3

PENSAAR Uma nova Estratégia para o Setor de Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais VOLUME 3 PENSAAR 2020 Uma nova Estratégia para o Setor de Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais ÍNDICE DE FIGURAS VOLUME 3 Figura 1 Acessibilidade física dos serviços de AA e de SAR em Portugal

Leia mais

Fundamento da não adopção. Recomendação Adoptada Total / Parcial Não adoptada. 1. Princípios Gerais

Fundamento da não adopção. Recomendação Adoptada Total / Parcial Não adoptada. 1. Princípios Gerais Recomendação Adoptada / Parcial Não adoptada As instituições devem adoptar uma politica de remuneração consistente com uma gestão e controlo de riscos eficaz que evite uma excessiva exposição ao risco,

Leia mais

Janeiro de 2009 As Encomendas recebidas na indústria diminuíram 12,6%

Janeiro de 2009 As Encomendas recebidas na indústria diminuíram 12,6% ÍNDICE DE NOVAS ENCOMENDAS NA INDÚSTRIA 10 de Março de 2009 Janeiro de 2009 As Encomendas recebidas na indústria diminuíram 12,6% Em Janeiro de 2009 1, o valor das novas encomendas recebidas pelas empresas

Leia mais

Lei n.º 102/99 LEI DE BASES DOS SERVIÇOS POSTAIS

Lei n.º 102/99 LEI DE BASES DOS SERVIÇOS POSTAIS Lei n.º 102/99 de 26 de Julho LEI DE BASES DOS SERVIÇOS POSTAIS Define as bases gerais a que obedece o estabelecimento, gestão e exploração de serviços postais no território nacional, bem como os serviços

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05/POFC/2008

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05/POFC/2008 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05/POFC/2008 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 123/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 123/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 123/XII Exposição de Motivos A Lei n.º 88-A/97, de 25 de julho, alterada pela Lei n.º 17/2012, de 26 de abril, regula o acesso da iniciativa privada a determinadas atividades, determinando

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO Entre [ ]., com sede em [ ], matriculada na Conservatória do Registo Comercial de [ ], com o número de matrícula e pessoa colectiva

Leia mais