UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CAMILE STEFANO SEGURANÇA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: TRABALHO DE EDUCAÇÃO, CONSCIENTIZAÇÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CAMILE STEFANO SEGURANÇA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: TRABALHO DE EDUCAÇÃO, CONSCIENTIZAÇÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CAMILE STEFANO SEGURANÇA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: TRABALHO DE EDUCAÇÃO, CONSCIENTIZAÇÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO SÃO PAULO 2008

2 ii CAMILE STEFANO. SEGURANÇA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: TRABALHO DE EDUCAÇÃO, CONSCIENTIZAÇÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Orientador: Prof. Antônio Calafiori Neto SÃO PAULO 2008

3 iii CAMILE STEFANO SEGURANÇA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: TRABALHO DE EDUCAÇÃO, CONSCIENTIZAÇÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia civil com ênfase Ambiental da Universidade Anhembi Morumbi Trabalho em: de de Prof. Antônio Calafiori Neto Nome do professor(a) da banca Comentários:

4 iv

5 v AGRADECIMENTOS Ao Professor Antonio Calafiori Neto, meus agradecimentos, por ter sido meu orientador, que com muito interesse e paciência acompanhou-me e me fez concluir esta empreitada. Aos professores e funcionários da Universidade Anhembi Morumbi, pelo incentivo e ajuda na realização do trabalho.

6 vi RESUMO Para garantir uma execução de obra sem a ocorrência de acidentes se trabalho, deve-se sempre aliar dois fatores: a conscientização dos funcionários nela envolvidos, e o cumprimento das leis de trabalho, sendo focadas neste trabalho as leis e medidas recomendadas para proteção coletiva em edifícios. A conscientização dos funcionários é fator determinante no combate aos acidentes pessoais, normalmente ocasionados pela falta de uso de equipamentos de proteção individuais e coletivos. Esta conscientização deverá ser foco das atenções da dirigência da obra, e a sua conquista poderá ser feita de diversas formas, como palestras, treinamentos, cartazes, avisos, fiscalização rigorosa, advertências e concursos de segurança. Por fim, a obra deverá respeitar as medidas obrigatórias de proteção coletiva, que previamente são planejadas nos PCMAT s das obras (Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção Civil), PCMAT s estes que deverão respeitar as normas brasileiras NR18 (condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção) e NR 26 (Sinalização de Segurança). Neste trabalho, serão analisadas as medidas obrigatórias ou recomendadas na construção de um edifício, desde a fundação, até a sua conclusão, passando pela execução de estrutura, execução de fachada, alvenaria e acabamentos. Serão analisadas também medidas de proteção aos trabalhadores que estão submetidos aos perigos de equipamentos de alto risco e perigos de doenças provocadas pelo meio físico do canteiro de obras. Como complementação a este trabalho, será feita uma entrevista com a Técnica de segurança do Trabalho Cláudia Cavalcanti, da empresa Regra Sistema da Construção Ltda, para comentar sobre as medidas impostas, sua eficácia e as estatísticas mais freqüentes em obras. Palavra-chave: Conscientização, Palestras, Sinalização, Medidas de Proteção

7 vii ABSTRACT To guarantee an execution of construction without the occurrence of work accidents, it must always be united two factors: the awareness of the employees in involved ones, and the fulfilment of the laws of work, being focos in this work the laws and measures recommended for collective protection in buildings. The awareness of the employees is determinative factor in the combat to the casualties, normally caused for the lack of equipment use of the individual protection (EPI s). This awareness will have to be focus of attentions of the engineers of the construction, and its conquest could be made through diverse forms, as lectures, training, posters, acknowledgments, rigorous fiscalization, warming and competitions of security. Finally, the construction will have to respect the obligator measures of collective protection, that previously are planned in the PCMAT s of the constructions (Program of Conditions and Environment of Work in the Industry Of the Civil Construction), PCMAT s these that will have to respect Brazilian s norm NR18 (Condition and Environment of work in the Industry of the Construction) and NR26 (Signaling of Security). In this work, the obligator or recommended measures in the construction of building will be analyzed, since the foundation, until its conclusion, passing for the execution of the structure, execution of façade, masonry and finishing. They will also be analyzed measured of protection the workers who are submitted to the dangerous of equipment of high risk and dangerous of illnesses provoked for the environment of seedbed of constructions. As complementation to this work, an interview with a Technician of Security of the Work Claudia Cavalcanti, of the company Regra Sistema na Construção Ltda, to comment on the imposed measures, its effectiveness and the statisticians most frequent in construction. Key Words: Awareness, lectures, Signaling, measures protection

8 viii LISTA DE FIGURAS Ilustração 1 Demonstrativo de placas de sinalização de segurança Ilustração 2 Escoramento de solos instáveis Ilustração 3 Esquema de proteção de periferia de talude Ilustração 4 Esquema de passarela de transposição Ilustração 5 Proteção de arranques Ilustração 6 Empurrador de bancada de serra circular Ilustração 7 Coifa protetora de serra circular Ilustração 8 Protetor de motor Ilustração 9 Placas de aviso de alta periculosidade Ilustração 10 Proteção periférica varandas Ilustração 11 Proteção contra queda de pessoas escadas Ilustração 12 Proteção contra queda de pessoas vãos de lajes Ilustração 13 Proteção contra queda de pessoas poço de elevadores Ilustração 14 Bandejas de proteção Ilustração 15 Esquematização de utilização de bandejas primárias e secundaria Ilustração 16 Detalhe de fixação da mão-francesa na laje Ilustração 17 Esquematização de utilização de bandejas primárias e secundária Ilustração 18 Esquema de proteção de periferia de laje para concretagem Ilustração 19 Esquema lateral e frontal do elevador cremalheira Ilustração 20 Esquema vertical de uma grua Ilustração 21 Gruas Ascensionais Ilustração 22 Telas de fachada Ilustração 23 Peças estruturais metálicas presas na cobertura de edifícios... 40

9 ix LISTA DE TABELAS TABELA 1 Mapa de riscos por atividades...25

10 x LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS APR Análise Preliminar de Riscos CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho DDS Diálogo Diário de Segurança DRT Direção Responsável Técnica EPC Equipamento de Proteção Coletiva EPI Equipamento de Proteção Individual NR Norma Regulamentadora PCMAT Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Industria da Construção Civil PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais SIPAT Semana Interna de Prevenção de Acidentes

11 LISTA DE SÍMBOLOS xi

12 xii SUMÁRIO p. 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico MÉTODO DE TRABALHO JUSTIFICATIVA DESCRIÇÃO E LOCALIZAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS RISCOS AMBIENTAIS Riscos físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos ergonômicos Riscos de acidentes MAPA DE LEVANTAMENTO DE RISCOS AMBIENTAIS E ACIDENTES DE TRABALHO ESTUDO DE CASO ENTREVISTA COM TÉCNICO DE SEGURANÇA CONSCIENTIZAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS Medidas de Proteção coletiva em Edifícios... 24

13 xiii 6.4 Canteiro de obras Fundação e terraplanagem Escoramento de solos instáveis Periferia de talude Passarela de transposição Execução de tubulões Proteção de arranque (pontas de ferro) Estrutura e transporte de pessoas e cargas Atividades em centrais de forma e armação Atividades em altura (proteções contra quedas) Bandejas primárias e secundárias Concretagens Elevadores cremalheiras e gruas Fachada Tela fachadeira Balancins ANÁLISE DOS RESULTADOS CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 45

14 1. INTRODUÇÃO Os estudos e leis trabalhistas vêm sofrendo um constante processo de evolução, principalmente desde o início da revolução industrial, quando grupos sindicalistas começaram a se fortalecer e se comunicar. Desde a sua implantação, no Governo do ex. Ministro Marcondes Filho até hoje, as leis referentes à segurança do trabalho estão cada vez mais rigorosas e a ocorrência de acidentes e doenças ocupacionais é cada vez menor. Mas para haver uma eficácia maior no combate a esses males, é necessária uma política de educação ao trabalhador, de modo que este passe a compreender, obedecer e cooperar com as normas pré-estabelecidas. De tal modo, a conscientização, através de treinamentos, palestras, concursos de segurança cartazes e afins são um dos fatores determinantes para um decorrer dos serviços da obra sem a ocorrência de prejuízos físicos ao trabalhador. Para haver uma política de segurança bem implantada, cabe à dirigência da obra garantir um contínuo planejamento e desenvolvimento de ações, desde a elaboração do PCMAT (Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho Na Indústria da Construção Civil) e cumprimento de suas medidas previstas, até a garantia de obediências de seus trabalhadores, principalmente na utilização dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI s), bem como a realização de todas as medidas coletivas na lei. Entende-se como medidas de proteção coletiva toda e qualquer medida prevencionista que faça parte do corpo do prédio em construção, ou medida tomada que visa a proteção de um conjunto de trabalhadores, que foge ao kit de proteção individual do mesmo (botas, capacetes e cintos, entre outros). Somente a união entre leis, dirigentes e trabalhadores é que irá minimizar os riscos humanos, garantindo a qualidade da segurança do trabalho na obra, que para além dos benefícios pessoais e sociais, influi em uma maior produtividade nos serviços. Neste trabalho serão desenvolvidos dois dos principais fatores na prevenção de acidentes, já mencionados anteriormente: as medidas capazes de conscientizar o funcionário e as medidas de proteção coletiva em edifícios.

15 2 2. OBJETIVOS O principal objetivo desta pesquisa é demonstrar as medidas obrigatórias de proteção coletiva na construção de edifícios 2.1 Objetivo Geral Informar e ilustrar a importância da segurança do trabalho na construção de edifícios, da prevenção de acidentes, e redução de doenças ocupacionais. 2.2 Objetivo Específico Demonstrar métodos capazes de conscientizar os trabalhadores envolvidos na obra sobre a questão da segurança, tanto a individual quanto a coletiva.

16 3 3. MÉTODO DE TRABALHO Este trabalho será desenvolvido por meio de referências bibliográficas, consulta a leis em vigor e do levantamento de dados e fotos específicas das proteções em obras atualmente em fase de construção. Será feita uma entrevista com um técnico de segurança para avaliar as medidas impostas, sua eficácia e as estatísticas de acidentes em obras.

17 4 4 JUSTIFICATIVA... A vida humana tem certamente um valor econômico. E um capital que produz e os atuários e matemáticos podem avaliá-lo. Mas a vida do homem possui também um imenso valor afetivo e um valor espiritual inestimável, que não se pode pagar com todo dinheiro do mundo. Nisto consiste, sobretudo, o valor da prevenção, em que se evita o valor da perda irreparável de um pai, de um marido, de um filho, enfim, daquele que sustenta o lar proletário e preside os destinos de uma família. A prevenção é como a saúde. Um bem no qual só reparamos quando o acidente e a moléstia chegam. ( Marcondes Filho, 1943). O trecho acima é retirado de um depoimento do ex-ministro Marcondes Filho, no governo de Getúlio Vargas, em cuja gestão foram elaboradas as leis trabalhistas brasileiras, e estas palavras são a síntese da motivação que gerou o trabalho a seguir. Em tempos onde se discute a desigualdade social como nos dias de hoje, é inadmissível que o capital prevaleça sobre o bem-estar do trabalhador, no que se refere à sua segurança pessoal. Discutir segurança do trabalho é discutir sobre justiça social, e aplicá-la é garantir um futuro ao trabalhador e sua família, sem imprevistos de danos físicos ou mesmo mortes. Por outro lado, Cesarino Jr (Apud Pacheco Junior, 1995) salienta:...as medidas de higiene e segurança do trabalho, sob certo ponto de vista pode considerar-se que barateiam a produção, embora aparentemente trazendo maior ônus ao empregador, pois é geralmente conhecido quanto aos acidentes de trabalho e as moléstias profissionais representam de perdas em horas de trabalho e indenizações. Em síntese, a aplicação das leis de prevenção de acidentes, para além dos benefícios sociais, influi em uma maior produtividade dos serviços e previne maiores custos com indenizações, caso venha a ocorrer um acidente.

18 5

19 6 5 DESCRIÇÃO E LOCALIZAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS O programa de prevenção de riscos ambientais (P.P.R.A) tem como principais objetivos a identificação e antecipação dos riscos ambientais do empreendimento, atuando de acordo com a norma brasileira NR18, procurando minimizar a incidência de acidentes, garantindo assim a preservação da saúde integridade física dos trabalhadores. Em função dos riscos ambientais levantados, serão implantadas medidas de controle nas diversas áreas atingidas, conforme mapa de riscos ambientais. O planejamento e riscos das ações devem consistir em um treinamento específico para cada função a ser executada pelo trabalhador ( cursos exigidos para trabalhos de alto risco, como operação em gruas, elevadores cremalheiras, trabalhos relacionados à elétrica, etc), eleição da CIPA, com registro no DRT ( departamento responsável técnico), registros de acidentes, e por fim, investigação de acidentes, causas apuradas e medidas propostas. Com a estrutura montada acima, o P.P.R.A está pronto para atuar na profilaxia dos acidentes de trabalho, sendo avaliado e constantemente revisado pela CIPA, que deverá acompanhara sua execução, e avaliar a obra em questão, podendo ou não efetuar concursos internos de segurança. Estes concursos internos têm por finalidade estimular a prática de prevenção de acidentes de trabalho, redução das taxas de freqüência dos mesmos, fornecer parâmetros para a avaliação das administrações das obras, evitar a maculação da imagem da empresa em questão e penalidades do Ministério do trabalho. 5.1 RISCOS AMBIENTAIS Previstos no P.P.R.A, podemos dividir os riscos ambientais em 5 principais categorias: riscos físicos, riscos químicos, riscos biológicos, ergonômicos e riscos de acidentes. De acordo com o médico do trabalho Dr. Juan Canet Font, da empresa Gafisa S/A, em revista interna da empresa, serão mostradas as principais conseqüências destes riscos ambientais para a saúde do trabalhador.

20 Riscos físicos Podem-se dividir os riscos físicos na construção em sete principais categorias: ruídos, vibrações, calor, radiações não ionizantes, radiações ionizantes e umidade. São encontrados na maior parte do canteiro, sendo os ruídos e vibrações mais presentes nas proximidades de maquinário pesado, fundações cravadas, e locais de concretagem. As radiações estão presentes na armação, com o uso de máquinas de solda e insolação por exposição excessiva ao sol. Calor pode tanto ter a ver com exposição excessiva ao sol, como presença em ambientes não ventilados, como é o caso de fundações estilo tubulões, onde existem também problemas ligados à umidade. Esta última está relacionada a ambientes expostos constantemente à ação da água, como vestiários, e lavatórios e locais de contato direto com o solo. Segundo Font, as principais conseqüências possíveis de cada risco físico, causadoras de problemas físicos as trabalhadores são: Ruídos Os ruídos podem ter como conseqüências físicas, o cansaço, irritações nos ouvidos, dores de cabeça, diminuição da audição, aumento da pressão arterial, problemas do aparelho digestivo, taquicardia e perigo de infarto. Vibrações As vibrações podem ter como conseqüências físicas, o cansaço,l irritações, dores nos membros, na coluna, doença do movimento, artrite, problemas no aparelho digestivo, lesões ósseas, circulatórias e dos tecidos moles. Calor O calor pode ter como conseqüências físicas, o aumento da pulsação, irritações, internação, prostração térmica, choque térmico, fadiga térmica, perturbações das funções digestivas, hipertensão. Radiações não ionizantes

21 8 As radiações não ionizantes podem ter como conseqüências físicas, queimaduras, lesões nos olhos, lesões na pele, e em outros órgãos. Como exemplo podemos citar a exposição excessiva ao sol Radiações ionizantes As radiações ionizantes podem ter como conseqüências físicas, alterações celulares, câncer, fadiga, problemas visuais e acidentes do trabalho. Não afeta diretamente a construção civil, como exemplo podemos citar as partículas alfa, beta, raios-, entre outros. Umidade A umidade como conseqüências físicas, doenças no aparelho respiratório, quedas, doenças de pele e doenças circulatórias Riscos Químicos Pode-se dividir os riscos químicos em quatro principais categorias: poeiras incômodas, fumos metálicos, poeiras alcalinas e névoas, gases e vapores. Os riscos químicos se encontram por todo o canteiro de obra, e são resultado de agentes nocivos presentes na atmosfera da obra, principalmente em locais onde se manuseiam substâncias de pequena granulometria, como cimento, cal, areias, substâncias estas que podem ser inaladas ou mesmo ser absorvidas por via cutânea Riscos Biológicos Em obras é comum encontrar bacilos, bactérias, fungos, parasitas, vírus, protozoários, insetos, aranhas, escorpiões, raros e cobras. Estes seres vivos podem trazer como conseqüências físicas ao trabalhador, doenças como tuberculose, brucelose, malária, febre amarela, entre outras. As ações dos agentes penetram nas vias cutâneas e respiratórias Riscos ergonômicos Pode-se dividir os riscos ergonômicos em dois sub-itens.

22 9 Trabalho físico pesado, postura incorreta, posição incomoda, transporte e levantamento manual de material de peso: tem como conseqüências o cansaço, dores musculares, fraqueza, hipertensão arterial, diabetes, úlcera, doenças nervosas, alterações no sono, problemas de coluna, acidentes; Riscos excessivos, jornada prolongada e outras situações causadoras de stress físico e/ou psíquico: tem como conseqüências o cansaço, dores musculares, hipertensão arterial, diabetes, úlcera, doenças nervosas, alterações no sono, asma, tensão, ansiedade, medo, comportamento estereotipado Riscos de acidentes Podem-se dividir os riscos referentes a este item em 5 principais sub itens: arranjo físico deficiente, máquinas sem proteção, ligações elétricas deficientes, ferramentas defeituosas, EPI e EPC inadequados. Arranjo físico deficiente: Os arranjos físicos deficientes podem ter como conseqüências os acidentes e desgaste físico excessivo; Máquinas sem proteção: As máquinas de corte como serra circular e serra policorte, sem proteção, podem ser responsáveis por acidentes graves, principalmente mutilações e cegueira, uma vez que podem projetar objetos contra os olhos do trabalhador; Ligações elétricas deficientes: As ligações elétricas deficientes podem ter como conseqüências, curtos-circuitos, choques elétricos, incêndio, queimaduras, acidentes fatais; Ferramentas defeituosas:

23 10 Ferramentas defeituosas podem ser responsáveis por acidentes e mutilações, principalmente nos membros superiores; EPI s e EPC s inadequados ou inexistentes: A falta ou usos inadequados dos equipamentos de segurança, tanto individuais como coletivos podem trazer como conseqüências acidentes e doenças ocupacionais, como infecções, cegueira, problemas auditivos, quedas de níveis de materiais, entre outros. 5.2 MAPA DE LEVANTAMENTO DE RISCOS AMBIENTAIS E ACIDENTES DE TRABALHO Será mostrado a seguir um resumo dos principais serviços em obras de construção de edifícios, e os principais agentes/riscos causadores de acidentes/doenças ocupacionais, mapa este que é um guia para execução das medidas de proteção coletiva (EPC) e equipamentos pra proteção individual (EPI). O levantamento dos dados referentes a este mapa foram colhidos em 3 diferentes PCMAT s de diferentes empreendimentos e construtoras, da obra Portal de são Francisco (Cconstrutora Gafisa S/A), obra Spazzio dell Aqua (construtora Gafisa S/A) e condomínio Praça Villa-Lobos (construtora Hochtief do Brasil). EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS ESCAVAÇÃO MANUAL AGENTES/ RISCOS Umidade RECOMENDAÇÕES Uso de botas de borracha com cano alto PROTEÇÃO INDIV. ESCAVAÇÃO MANUAL Soterramento Proteçãoes laterais ESCAVAÇÃO MANUAL ESCAVAÇÃO MANUAL Doenças infecciosas queda de nível alto Utilização de EPI's (botas, luvas, capacete, óculos e vestiáario impermeável) Proteger as bordas das escavações, utilização de escadas COLET.

24 11 SOTERRAMENTO Deslizamento ou soterramento de terra sobre a vala de escavação Locação de escavação com taludes devidamente dimensionados; proteger redes de abastecimento, tubulações e vias públicas; dispor de saída rápida para funcionários; utilização de cinto de segurança com cabo guia CHOQUE ELÉTRICO Cabos elétricos aéreos e subterrâneos Verificar a existência de cabos no local a ser escavado EECUÇÃO DE FORMAS Acidentes de queda de nível Guarda corpo nas periferias das lajes; proteger vãos e espaços vazios; utilização dos EPI's; facilitar os acessos (rampas, escadas); bandejas primárias e secundárias SERRA CIRCULAR Acidentes diversos Uso correto dos EPI's; carpinteiro treinado e exclusivo; não permitir a retirada de protetores da serra EECUÇÃO DE FORMAS Acidentes com ferramentas pessoais Utilização de botas e capacete; uso de cinto portas ferramentas ARRANQUES DE ARMADURAS EPOSTAS Acidentes Proteger as pontas de ferragens verticais ARMAÇÃO Queda de nível alto Utilização de cinto de segurança atado a um cabo guia TRANSPORTE E MANUSEIO DE FERRAGENS acidentes Utilizar luvas protetoras, ombreiras e óculos de segurança; observar fiação elétrica, aéreo ou pelo piso (risco de choque elétrico) CONCRETAGEM (LANÇAMENTO DE CONCRETO) Riscos químicos Utilização de EPI's ( botas, luvas, capacete, vestiário adequado)

25 12 CONCRETAGEM (VIBRAÇÃO) Riscos físicos Além dos acima mencionados, utilização de protetores auriculares CONCRETAGEM Queda de nível alto Utilização de cinto de segurança, protetores de borda de laje; bandejas primárias e secundárias ALVENARIA (MARCAÇÃO) Riscos de acidentes; riscos químicos Uso de cinto de segurança na borda da laje; uso de luvas de látex ALVENARIA (ELEVAÇÃO) Riscos de acidentes; riscos químicos Uso de cinto de segurança na borda da laje; uso de luvas de látex; travamento provisório da alvenaria OPERAÇÃO DE BETONEIRA Poeira Manter ventilação natural ou artificial; utilização de máscara SOLVENTES E ÁCIDO MURIÁTICO Gases e vapores Utilização de EPI's ( máscara contra poeira e máscara contra gases); ventilação natural ou artificial CIMENTO Produtos químicos Utilização de EPI's (luva de látex); proibição do uso de solventes para lavagem das mãos após a jornada de trabalho, limpeza rigorosa corporal e troca de vestiário CARPINTARIA, MÁQUINAS E EQUIPAMNTOS EM GERAL, CANTEIRO DE OBRAS Ruídos. iluminação deficiente Utilização de protetor auricular; instalação elétrica adequada SERVIÇOS SOBRE ANDAIMES, POÇOS DE ELEVADORES E BALANCINS Queda de nível alto Instalação de guarda corpo rígido; uso de cinto de segurança atado a cabo guia COLOCAÇÃO DE VIDROS E SERVIÇOS DE FACHADAS Queda de material Área embaixo dos serviços deverá ser isolada e interditada; uso de tela fachadeira

26 13 ARMAZENAMENTO INADEQUADO DE MATERIAIS E ENTULHOS Arranjo físico inadequado Organização e distribuição de equipamentos e máquinas a fim de evitar acidentes e liberar o tráfego de pessoas IMPROVISAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Máquinas e equip. sem proteção Proibição de retirada de proteção de equipamentos; não improvisar ferramentas SOL, CALDEIRAS E AMBIENTES CONFINADOS Temperatura excessiva Uso de vestimenta especial, ventilação forçada, turnos curtos de trabalho RISCO DE INCÊNDIO E EPLOSÃO Caldeira para derretimento de piche (impermeabilização) Instalar a caldeira em local isolado e devidamente sinalizado; extintores de pó químicos próximos SERVIÇOS DE SOLDA E CORTE A OI ACETILENO Radiações ionizantes Utilização de óculos de proteção com lentes escuras; proteção com anteparos em locais de trânsito de pessoas ÁGUA EMPOÇADA, SANITÁRIOS, VESTIÁRIOS E REFEITÓRIOS Bactérias, fungos e vírus, insetos Drenagem periódica; limpeza constante; uso de botas de borracha; uso de piso plurigoma (vestiários); lavagem de caixa de água BANCADAS DE CORTE E DOBRA DE VERGALHÕES Arranjo físico inadequado Manter bancada estável, apoiada sobre piso nivelado e não escorregadio, afastada de trânsito de pessoas MÁQUINAS. EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E MATERIAIS Operações de corte, desforma Utilização dos EPI's; locais de riscos de quedas devidamente sinalizados e isolados; madeiras para corte ou desforma com os pregos retirados, assim como arames e fitas LIAMENTO E TRATAMENTO DO CONCRETO Poeira Ventilação natural ou forçada; utilização de máscara contra poeira

27 14 UTILIZAÇÃO DE GESSO E FORRO DE PAREDES Poeira Ventilação natural ou forçada; utilização de máscara contra poeira COLAS E TINTAS Gases e vapores Ventilação natural ou forçada; utilização de máscara contra gases REVESTIMENTO COM CHAPISCO, REBOCO, JATEAMENTO E LIMPEZA DE PASTILHAS Corpos estranhos nos olhos Utilização de óculos de segurança EECUÇÃO DE PINTURAS, APLICAÇÃO DE VERNIZES E COLAS, SOLVENTES INFLAMÁVEIS Incêndio, explosão e inalação de produtos químicos Ventilação natural ou forçada; sinalizar o local de risco de incêndio; extintores espalhados pelo canteiro; verificação de instalações elétricas Tabela I - Mapa de riscos por atividades (Gafisa, 2004) A tabela mostra os principais serviços em execução de edifícios que acarretam grandes riscos à saúde e integridade física dos funcionários. Os itens com assinalado no campo destinado às proteções coletivas são o foco desta pesquisa e terão tratamento mais detalhado no decorrer da mesma, onde as medidas de proteção coletivas serão assinaladas individualmente de acordo com as etapas da obra.

28 15 6 ESTUDO DE CASO Como complementação a este trabalho, será mostrada a seguir uma entrevista feita com um técnico de segurança do trabalho Cláudia Silveira Calvacante, credencial nº SP/ , da empresa MPD Engenharia Ltda, trabalhou na empresa REGRA Sistema da Construção Ltda, empresa subcontratada da HOCHTIEF do Brasil para executar a obra Condomínio Parque Villa-Lobos (Marginal Pinheiros). Cláudia Cavalcante tem como experiência profissional não só a empresa atual, como também as empresas ADOLPHO LINDERBERG E ODEBRECHT. Como estudo de caso, será mostrado as principais atividades realizadas em edifícios, e as medidas de proteção que devem ser adotadas para cada atividade, segundo a NR18. Foram utilizadas fotos de uma obra atualmente em construção (obra Office Tamboré MPD Engenharia), e artigos e fotos do PCMAT da empresa Gafisa. 6.1 ENTREVISTA COM TÉCNICO DE SEGURANÇA 1) Quais os benefícios para a sua empresa e que importância esta dá para as medidas de proteção coletiva? Temos como benefícios a melhoria contínua dos serviços, qualidade de vida dos colaboradores, maior produtividade em obra, em função da falta de ausência dos trabalhadores por afastamento médico causado por indenização. Principalmente, temos um pensamento focado no bem estar do trabalhador, que através das medidas adotadas poderá trabalhar mais tranqüilo e ter uma vida útil de trabalho mais duradoura. 2) Quais os tipos de acidentes que estas previnem? E quais são os mais usuais segundo a sua experiência? Os acidentes que estas previnem são principalmente os relacionados às quedas de níveis superiores a 2,0 metros (de trabalhadores ou materiais), prevenção de mutilações por parte de máquinas pesadas ou de corte, combate á infecções bacteriológicas e prevenção de danos físicos aos colaboradores por

29 16 agentes nocivos de obra. Os mais usuais são sem dúvida a queda de materiais de alto nível, que podem ser fatais, se caírem sobre algum trabalhador e mutilações derivadas de uso incorreto de máquinas de corte. Os acidentes fatais ocorrem geralmente da queda de pessoas de alto nível e queda de materiais. 3) Como é feito o planejamento das medidas de segurança em sua empresa, e quando é elaborado? Antes da execução da obra foi elaborado uma espécie de manual de segurança, PCMAT, que continha o resumo de todas as medidas necessárias para a futura obra. Um capítulo deste é destinado ao PPRA, onde é feito um levantamento de todos os riscos relacionados à obra, para futuro planejamento de ações. São eleitos os membros da CIPA, para estes serem os responsáveis pela fiscalização e ação nas medidas, e efetuarem reuniões mensais para discussão das mesmas e sua eficácia. No decorrer da obra, o PCMAT poderá sofrer modificações, e são efetuados os APR s (análise preliminar de riscos), que são levantamentos de riscos por responsabilidades. 4) Quais as mediadas mais adotadas pela empresa para conscientização dos colaboradores da obra? Na empresa temos placas de sinalização, treinamentos, DD s (diálogos diários de segurança) com os encarregados, que serão responsáveis por transmitir o conteúdo para seus funcionários. Temos ainda treinamentos específicos por função e integração dos funcionários novos, onde muitas vezes convidamos alguns colaboradores de obra para serem palestrantes e falarem sobre suas experiências pessoais específicas. Por fim, existe, existe uma eleição dos membros da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes), são efetuados os APR s (Análise Preliminar de Risco), é feito um planejamento para prevenção e sugeridas futuras soluções, e fiscalização rigorosa dos técnicos de segurança. 5) Que assuntos são abordados no treinamento, quanto tempo demora? Cada treinamento deve ter uma carga horária Mínima de 2 horas. Reuniões ordinárias de CIPA são mensais. São abordados como temas o uso correto e

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Equipamento de Proteção Coletiva (EPC): 2 Áreas vazadas: Equipamento de Proteção Coletiva (EPC) 18.13.1. É obrigatória a instalação de proteção coletiva

Leia mais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais Riscos Ambientais Riscos Ambientais São os agentes, elementos ou substâncias presentes nos locais de trabalho. A exposição dos trabalhadores a estes agentes pode causar acidentes com lesões ou danos à

Leia mais

NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem.

NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem. NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem. NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora NR tem por objetivo fixar as

Leia mais

DICAS DE SEGURANÇA NA OBRA

DICAS DE SEGURANÇA NA OBRA ASSOCIAÇÃO DOS CONSTRUTORES E INCORPORADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE CAPÃO DA CANOA DICAS DE SEGURANÇA NA OBRA Profissional qualificado e registrado operando o Guincho ( com certificado); Profissional qualificado

Leia mais

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO DESCRIÇÃO: 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: - vermelho; - amarelo; - branco; - preto; - azul; - verde; - laranja; - púrpura;

Leia mais

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida.

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. Campanha do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul e Campo Alegre contra os Acidentes de Trabalho

Leia mais

CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA;

CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA; Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA; CONTEÚDO DO TRABALHO Doenças ocupacionais e riscos da construção civil; Quedas; Choque elétrico; Soterramento. A construção é um dos ramos mais antigos do

Leia mais

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho Sinalização de Segurança As cores na segurança do trabalho Funções das cores na segurança Prevenção de Acidentes; Identificar os equipamentos de segurança; Delimitando áreas; Identificação de Tubulações

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 Desenvolvimento Parte 3

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 Desenvolvimento Parte 3 Curso Técnico Segurança do Trabalho Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 Desenvolvimento Parte 3 Instalações Elétricas a) Manter quadros de distribuição trancados e circuitos identificados;

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Por que eu devo utilizar equipamentos de segurança e onde encontrá-los? Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) foram feitos para evitar

Leia mais

MAPA DE RISCO. Anexo XIV Mapa de Risco

MAPA DE RISCO. Anexo XIV Mapa de Risco MAPA DE RISCO O QUE É? Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho (sobre a planta baixa da empresa, podendo ser completo ou setorial), capazes

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

Grupo 1. Grupo 2. Poeiras minerais Ex.: sílica, asbesto, carvão, minerais Poeiras vegetais Ex.: algodão, bagaço de cana-de-açúcar

Grupo 1. Grupo 2. Poeiras minerais Ex.: sílica, asbesto, carvão, minerais Poeiras vegetais Ex.: algodão, bagaço de cana-de-açúcar Zelãene dos Santos SEGURANÇA NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE NR-9 - RISCOS AMBIENTAIS (Atual: Programa de Controle Médico de Saúde Ambientais PPRA) Ambientais Consideram-se riscos ambientais os agentes químicos,

Leia mais

LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 26.1 Cor na Segurança do Trabalho. 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora (NR) tem por objetivo fixar as cores que devem ser usadas nos locais

Leia mais

Seja bem Vindo! NR 8 Edificações. Carga horária: 30hs

Seja bem Vindo! NR 8 Edificações. Carga horária: 30hs Seja bem Vindo! Curso NR 8 Edificações CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 30hs Conteúdo programático: Introdução Circulação Atividades em Edificações com Risco de Queda Cuidados Extras na Circulação

Leia mais

26.1 Cor na segurança do trabalho. 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: 26.1.5.2 Vermelho. (126.003-0 / I 2 )

26.1 Cor na segurança do trabalho. 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: 26.1.5.2 Vermelho. (126.003-0 / I 2 ) 26.1 Cor na segurança do trabalho. NR 26 - Sinalização de Segurança (126-000-6) 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora - NR tem por objetivo fixar as cores que devem ser usadas nos locais de trabalho para prevenção

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

INSPEÇÃO DE SEGURANÇA

INSPEÇÃO DE SEGURANÇA INSPEÇÃO DE SEGURANÇA Grupo 01 Riscos Físicos 01. Existe ruído constante no setor? 02. Existe ruído intermitente no setor? 03. Indique os equipamentos mais ruidosos: 04. Os funcionários utilizam Proteção

Leia mais

Prof. Gianfranco Pampalon

Prof. Gianfranco Pampalon 2º E-ENCONTRO 15º ENCONTRO DO GRUPO SESMT - ENCONTRO DR OSWALDO PAULINO 2 ENCONTRO DE SEGURANÇA E SAUDE NO TRABALHO Prof. Os nove Princípios Gerais de Prevenção 1. Evitar os riscos 2. Avaliar os riscos

Leia mais

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes RISCO Consideram-se Risco de Trabalho todas as situações, reais ou potenciais, suscetíveis de a curto, médio ou longo prazo, causarem lesões aos trabalhadores ou à comunidade, em resultado do trabalho.

Leia mais

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil.

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil. FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª MarivaldoOliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de prevenção

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR LOGO DA EMPRESA EMPRESA: DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: LOCAL DA ATIVIDADE: ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR FOLHA: 01 DE 10. DATA DE EMISSÃO: DATA DE APROVAÇÂO: REVISÃO: HORÁRIO: ASSINATURA DOS ENVOLVIDOS NA

Leia mais

FICHA DE VERIFICAÇÃO DE SERVIÇO - COMPACTAÇÃO DE ATERRO

FICHA DE VERIFICAÇÃO DE SERVIÇO - COMPACTAÇÃO DE ATERRO SISTEMA DA QUALIDADE FVS 01 FICHA DE VERIFICAÇÃO DE SERVIÇO - COMPACTAÇÃO DE ATERRO = APROVADO = REPARADO / REPROVADO = NÃO APLICÁVEL 01 O local está limpo, sem entulhos, vegetação ou madeira? O material

Leia mais

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES C1 OBJETIVOS DA CIPA Prevenção de Doenças e Acidentes de Trabalho, mediante o controle dos Riscos presentes: no ambiente nas condições e na organização do

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais RISCOS LABORAIS São agentes presentes nos ambientes de trabalho, decorrentes de precárias condições que, se não forem detectados e eliminados a tempo, provocam os Acidentes de Trabalho e as Doenças Ocupacionais.

Leia mais

Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS

Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS MAPA DE RISCOS Previsto na NR 5. 5.16 A CIPA terá por atribuição: a) identificar os riscos do processo de trabalho, e elaborar o mapa de riscos, com a participação do maior

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) (DOU de 30/12/94 Seção 1 págs 21.280 a 21.282) (Republicada em 15/12/95 Seção

Leia mais

DDS DIÁLOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA. Parte 5

DDS DIÁLOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA. Parte 5 DDS DIÁLOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA Parte 5 1 AUTOR HÉLIO MARCOS DA SILVA Iniciou sua carreira em 1987 como auxiliar de escritório em um Tabelionato; 1994 Formou-se em Técnico em Segurança do Trabalho e 1998

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

DDS DIÁLOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA. Parte 4

DDS DIÁLOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA. Parte 4 DDS DIÁLOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA Parte 4 1 AUTOR HÉLIO MARCOS DA SILVA Iniciou sua carreira em 1987 como auxiliar de escritório em um Tabelionato; 1994 Formou-se em Técnico em Segurança do Trabalho e 1998

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

MAPA DE RISCOS COMSAT

MAPA DE RISCOS COMSAT MAPA DE RISCOS COMSAT Comissão de Saúde do Trabalhador 1 - Cores usadas no Mapa de Risco e Tabela de Gravidade GRUPO 1: VERDE GRUPO 2: VERMELHO GRUPO 3: MARROM GRUPO 4: AMARELO GRUPO 5: AZUL Riscos Físicos

Leia mais

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho 1 0 Dia Realizar a apresentação dos participantes 1. Técnica de Lista de presença; apresentação e O multiplicador

Leia mais

Anexo 3 - Questionário específico - construção

Anexo 3 - Questionário específico - construção Anexo 3 - Questionário específico - construção 85 Empresa: Morada: Localidade: Cód. Postal: Distrito: Telefone: NIF: Código de CAE-Rev. 2/92: Actividade principal da empresa: Categoria da Actividade: Número

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVAS APLICÁVEIS NAS ESCAVAÇÕES E EM TUBULÕES A CÉU ABERTO E COM PRESSÃO HIPERBÁRICA. Antonio Pereira do Nascimento

MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVAS APLICÁVEIS NAS ESCAVAÇÕES E EM TUBULÕES A CÉU ABERTO E COM PRESSÃO HIPERBÁRICA. Antonio Pereira do Nascimento MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVAS APLICÁVEIS NAS ESCAVAÇÕES E EM TUBULÕES A CÉU ABERTO E COM PRESSÃO HIPERBÁRICA Antonio Pereira do Nascimento ACIDENTES DO TRABALHO Eventos: súbitos, indesejáveis, que ocorrem

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Introdução A Engemix possui uma equipe de Engenheiros de Segurança e Meio Ambiente capacitada para dar todo subsídio técnico para implantação, operação e desmobilização

Leia mais

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho;

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho; Curso: Técnico de Segurança do Trabalho Curso Reconhecido pelo MEC: PORTARIA N 959/2007 Apresentação: O curso de Técnico de Segurança do Trabalho da Conhecer Escola Técnica é reconhecido pela excelência

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03 Normas Regulamentadoras do trabalho, trabalho rural..objetivos ESPECÍFICOS Apresentar o modelo legal de organização,

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

Demolições. Algumas ações devem ser executadas antes de se iniciar e durante uma demolição:

Demolições. Algumas ações devem ser executadas antes de se iniciar e durante uma demolição: Demolições Algumas ações devem ser executadas antes de se iniciar e durante uma demolição: Desligamento das linhas de fornecimento de energia elétrica, água, inflamáveis líquidos e gasosos liquefeitos,

Leia mais

PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1. Do Objeto A Empresa que firmar contrato com a Universidade São Judas Tadeu, obriga-se a cumprir integralmente os Procedimentos

Leia mais

Técnico de Segurança do Trabalho

Técnico de Segurança do Trabalho SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação 02

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 8 2 REGRAS PARA AS EMPRESAS CONTRATADAS

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 8 2 REGRAS PARA AS EMPRESAS CONTRATADAS TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 8 1 PROGRAMA OBRAS SEGURAS 2 REGRAS PARA AS EMPRESAS CONTRATADAS 3 VOCÊ PARTICIPA DO PROGRAMA 4 VISITA TÉCNICA 5 PRINCIPAIS DESVIOS 6 SUSPENSÃO Programa Obras Seguras PROGRAMA

Leia mais

Higiene e Segurança no Trabalho

Higiene e Segurança no Trabalho Curso Técnico em Mecânica Integrado ao Ensino Médio. Higiene e Segurança no Trabalho EPI & EPC Joinville, outubro de 2014 Medidas de Proteção no Trabalho Quando se fala em Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Equipamento De Proteção Individual - EPI Definição: EPI é todo dispositivo de uso individual, destinado a proteger a integridade física do trabalhador. EPI (s)

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Nova Instalação da SEMMAC LOCAL: Rua Dr. Lamartine Pinto de Avelar, 2338. Setor Ipanema. Catalão GO TIPO DE SERVIÇO: Reforma e Ampliação. 1.0 INTRODUÇÃO A finalidade do presente

Leia mais

ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL. RELATÓRIO Nº XX/20XX, referente ao mês XX/20XX (Medição nº XX)

ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL. RELATÓRIO Nº XX/20XX, referente ao mês XX/20XX (Medição nº XX) ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL OBJETIVO DO REQUISITO: Demonstrar mensalmente os resultados qualitativos e quantitativos dos serviços, avaliando o cumprimento das obrigações e metas estabelecidas

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO

FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO Material Safety Data Sheet MSDS ARAME MIG DENVER 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. 1.1. EMPRESA FÁBRICA MINEIRA DE ELETRODOS E SOLDAS DENVER S/A Av. Governador Magalhães

Leia mais

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 Norma Regulamentadora NR 9 Riscos ambientais Nova redação Programa de Prevenção de

Leia mais

SeGURAnÇA do TRABALHO

SeGURAnÇA do TRABALHO SeGURAnÇA do TRABALHO Se durante o trabalho você se deparar com alguma situação que não conste neste manual, não se precipite e nem se arrisque desnecessariamente. Em caso de dúvida procure seu Encarregado

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água.

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água. RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁCIDO MURIÁTICO Composição: Água e Ácido Clorídrico Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO 1 Objetivo Promover a permanente melhoria e contínua compatibilização do trabalho com a prevenção da vida, integridade e patrimônio do SAAE Sorocaba e a promoção da saúde e segurança dos profissionais.

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS 1 O SESMT Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho elaborou esta norma com o objetivo de estabelecer as condições mínimas no cumprimento

Leia mais

Pelo exercício do Trabalho. A serviço da Empresa. Lesão Corporal Perturbação Funcional Redução da Capacidade e/ou Morte. Temporária ou Permanente

Pelo exercício do Trabalho. A serviço da Empresa. Lesão Corporal Perturbação Funcional Redução da Capacidade e/ou Morte. Temporária ou Permanente ACIDENTE DO TRABALHO CONCEITO LEGAL Pelo exercício do Trabalho. A serviço da Empresa. PROVOCANDO Lesão Corporal Perturbação Funcional Redução da Capacidade e/ou Morte Temporária ou Permanente ACIDENTE

Leia mais

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA CATÁLOGO 2015 Metro Form System São Paulo Matriz Rua Maria Paula Motta, 239 CEP 07171-140 Guarulhos SP Brasil Fone: (11) 2431-6666 Rio de Janeiro Filial Rua Agaí,

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO E NOS PORTOS. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009

ÁREAS DE ATUAÇÃO E NOS PORTOS. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009 ACINTES ÁREAS ATUAÇÃO João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2009 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Carpinteiro de Obras CBO 7155-25 COD-SGE 013.541 MODALIDADE Qualificação Profissional Básica Área Tecnológica Construção Civil CARGA HORÁRIA 220 horas ITINERÁRIO Regional

Leia mais

Documentos Obrigatórios em UANs

Documentos Obrigatórios em UANs Documentos Obrigatórios em UANs Profa. Ms Kelly Ribeiro Amichi DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Para o funcionamento de uma UAN, existe a documentação obrigatória exigida pela legislação. Essa documentação deve

Leia mais

http://creaweb.crea-pr.org.br/procrea/arquivosaula/curso11/modulo3/aula3/cv_flavio_freitas_dinao.html

http://creaweb.crea-pr.org.br/procrea/arquivosaula/curso11/modulo3/aula3/cv_flavio_freitas_dinao.html MÓDULO 01 AULA 04 SEGURANÇA NO TRABALHO Aqui serão enfocadas as peculiaridades deste assunto tão destacado, e que visa à proteção daqueles que interagem de alguma maneira com o processo de edificação de

Leia mais

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio Ciclo de Vida do Empreendimento: Todos os empreendimentos tem um ciclo de vida - têm um início, um crescimento

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

Segurança e Saúde no Trabalho Professor Flávio Nunes

Segurança e Saúde no Trabalho Professor Flávio Nunes O Ministério do Trabalho e Emprego publicou, em 09/05/2013, a Portaria 644, que alterou os itens 18.6, 18.14 e 18.17 da Norma Regulamentadora nº 18. O item 18.6 trata de Escavação, Fundações e Desmontes

Leia mais

NR-26. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Curso: Tecnólogo em Gestão Ambiental

NR-26. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Curso: Tecnólogo em Gestão Ambiental NR-26 Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Curso: Tecnólogo em Gestão Ambiental NR-26 Sinalização de Segurança NR-26 Estabelece a padronização das cores a serem utilizadas como sinalização de segurança

Leia mais

MAPA DE RISCO. Risco Químico Leve. Risco Químico Médio. Risco Químico Elevado. Risco Ergonômico Leve. Risco Ergonômico Médio. Risco Ergonômico Elevado

MAPA DE RISCO. Risco Químico Leve. Risco Químico Médio. Risco Químico Elevado. Risco Ergonômico Leve. Risco Ergonômico Médio. Risco Ergonômico Elevado MAPA DE RISCO Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho, capazes de acarretar prejuízos à saúde dos trabalhadores: acidentes e doenças de trabalho.

Leia mais

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho A Consolidação das Leis do Trabalho foi aprovada pelo decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de l.943. Em seu art. 1º a Consolidação estatui as normas

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PES - Procedimento de Execução de Serviço

Sistema de Gestão da Qualidade PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 02 Folha: 1 de 5 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Jerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

REDES DE COOPERAÇÃO PARA MELHORIA DOS AMBIENTES E PREVENÇÃO DE AGRAVOS NOS CANTEIROS DE OBRAS

REDES DE COOPERAÇÃO PARA MELHORIA DOS AMBIENTES E PREVENÇÃO DE AGRAVOS NOS CANTEIROS DE OBRAS REDES DE COOPERAÇÃO PARA MELHORIA DOS AMBIENTES E PREVENÇÃO DE AGRAVOS NOS CANTEIROS DE OBRAS Ijuí 13/09/2012 José Enio Fontoura de Andrade Médico do Trabalho CEREST-Serra Deuteronômio 22.8 Quando edificares

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único SeÄÅo IX Das InstalaÄÉes ElÑtricas Art. 179 - O Ministério do Trabalho disporá sobre as condições de segurança e as medidas

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR - 9

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR - 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR - 9 MARÇO/ 2004 SANTA MARIA - RS Rua Barão do Triunfo, 862, Santa Maria/RS - CEP: 97015-070 - Fone/Fax: (55) 222-8151 1 SUMÁRIO 1 Aspectos Gerais...3

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DOM PEDRO II Cursos: Administração Ciências Econômicas Engenharia Civil Arquitetura e Urbanismo São José do Rio Preto SP.

FACULDADES INTEGRADAS DOM PEDRO II Cursos: Administração Ciências Econômicas Engenharia Civil Arquitetura e Urbanismo São José do Rio Preto SP. FACULDADES INTEGRADAS DOM PEDRO II Cursos: Administração Ciências Econômicas Engenharia Civil Arquitetura e Urbanismo São José do Rio Preto SP. CURSO: ENGENHARIA CIVIL Disciplina: HIGIENE E SEGURANÇA DO

Leia mais

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Sinalização Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Materiais VINIL AUTO-ADESIVO PVC / PS Utilizado em ambientes internos e externos. Pode ser confeccionado com

Leia mais

GRUPO 01 GRUPO 02 GRUPO 03 NÃO SE APLICA

GRUPO 01 GRUPO 02 GRUPO 03 NÃO SE APLICA CONCEITO DE AVALIAÇÃO CHECK LIST 1. MEMORIAL SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NAS NOTA MÉDIA FINAL: 6,71NOTA MÉDIA FINAL: 4,82NOTA MÉDIA FINAL: 8,97 ATIVIDADES E OPERAÇÕES a) O memorial contempla

Leia mais

NR.26 Sinalização de Segurança (28/05/2015)

NR.26 Sinalização de Segurança (28/05/2015) Foi criada pela: Portaria nº 3214, de 08 de Junho de 1978. NR.26 Sinalização de Segurança (28/05/2015) Modificada pela: Portaria da Secretaria de Inspeção do Trabalho nº 229, de 24 de Maio de 2011. A NR

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100.

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. PARECER TÉCNICO DAS ANOMALIAS ENCONTRADAS NA EDIFICAÇÃO DE GARANTIA POR PARTE DA CONSTRUTORA. 1ªPARTE TORRES 1 a 3. CONDOMÍNIO: Brink Condomínio Clube. ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. CIDADE/UF:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02 RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE Julho 2011 Revisão 02 2 INTRODUÇÃO Os Centros de Saúde incluídos nesta categoria são unidades que foram construídas recentemente e que

Leia mais

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015 EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES PCMSO (NR-7) estabelece que o programa deverá ser desenvolvido sob a responsabilidade de um médico coordenador (OBRIGATORIAMENTE MT, podendo este repassar responsabilidades

Leia mais

CATÁLOGO 2013 PLACAS DE SINALIZAÇÃO CONSTRUÇÃO CIVIL INDÚSTRIAS

CATÁLOGO 2013 PLACAS DE SINALIZAÇÃO CONSTRUÇÃO CIVIL INDÚSTRIAS CATÁLOGO 2013 rev. 01 PLACAS DE SINALIZAÇÃO CONSTRUÇÃO CIVIL INDÚSTRIAS Um dos fatores responsáveis pela causa de grande parte dos acidentes é a falta de sinalização disponível sobre os locais que oferecem

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL FUNDAMENTO LEGAL Artigo 201, 1º, CF/88 Artigo 57 e 58 da Lei 8213/91 Artigo 64 a 70, do Decreto 3048/99 Artigo 246 a 299 da IN 77/2015 CONCEITO É o benefício previdenciário devido ao segurado que tenha

Leia mais

CADERNO DE PROTEÇÕES COLETIVAS

CADERNO DE PROTEÇÕES COLETIVAS Quando edificares uma casa nova, farás um parapeito, no eirado, para que não ponhas culpa de sangue na tua casa, se alguém de algum modo cair dela. Moisés (1473 A.C.). Deuteronômio 22.8 CADERNO DE PROTEÇÕES

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR Sumário Andaime Tubular...03 Montagem Especial...04 Acessórios...05 Modos e Pontos de Ancoragem...06 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09

Leia mais

NR 26 - Sinalização de Segurança. 26.1 Cor na segurança do trabalho

NR 26 - Sinalização de Segurança. 26.1 Cor na segurança do trabalho ANEXO AO COMUNICADO: ROTULAGEM PREVENTIVA DE PRODUTOS SANEANTES É DISPENSADA Abrangência: indústria e comércio de produtos saneantes. Conteúdo: dispensa de aplicação de rotulagem preventiva. Vigência:

Leia mais

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes?

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Publicado em 13 de outubro de 2011 Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e/ou indicado

Leia mais

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações DEFESA CIVIL - ES Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações NR- 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL Agosto/2011 CONDOMÍNIO VISION Engº Claudio Eduardo Alves da Silva CREA nº: 0682580395 F o n e / F a x : ( 1 1 ) 2 6 5 1-5918 R. C e l. B e n to J o s é d e C a r v a lh o,

Leia mais

I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB

I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB 29 de setembro, 09 e 10 de outubro de 2012 MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO TRABALHO: Título do trabalho Elaboração de Mapa de Risco: uma ação comunitária de cuidado interno na

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais