Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí"

Transcrição

1 1 Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí Felipe de Sousa Soares* Felipe Rocha Carvalho Lima** Petherson Farias de Oliveira*** 1. Introdução O texto visa apresentar proposta de estudo dos acervos arqueológicos dos museus do Couro e Zé Didor, ambos na cidade de Campo Maior PI, localizada a 86 km de Teresina. Antes abordaremos as primeiras formações de museus e acervos no Brasil. Os primeiros museus surgiram no século XIX e foi a história natural que mais se sustentou nesse meio, aos poucos algumas ciências que estavam dando seus primeiros passos como a etnologia, a antropologia e a arqueologia se inseriram nos museus (SILVA, 2008, p. 42). Sendo que (...) o Museu Nacional Rio de Janeiro, o Museu Paraense Emílio Goeldi Belém e o Museu Paulista São Paulo; contribuíram para a sedimentação no país de várias ciências (...) (SILVA, 2008, p. 42), como as citadas anteriormente. Os primeiros acervos foram formados a partir de expedições de naturalistas estrangeiros [...] em busca de espécimes para as suas coleções. A palavra de ordem era salvar o que mais se pudesse, uma vez que imperava a idéia de que essas culturas se extinguiriam, estando os vestígios mais bem preservados nos museus metropolitanos. (SCHWARCS, 1993, p. 69 Apud SILVA, 2008). Os museus têm um papel importante na sociedade, visando o seu desenvolvimento a partir dos trabalhos de pesquisa, preservação e comunicação (BRUNO; NEVES, 1989, p. 39), e o Brasil conta com diversos museus, a maioria deles apresenta a cultura material como exposição, onde algumas mostras são temáticas e outras são regionais. O museu deve ser considerado um espaço destinado à obtenção de conhecimento e reflexão, e a exposição é o veículo responsável pelo diálogo com o público (BRUNO; NEVES, 1989, p ). O Museu do Couro é do tipo público, foi fundado em 1983, com financiamento da SUDENE. O seu objetivo, como o próprio nome diz, é a valorização do couro na história de Campo Maior, pois foi uma das principais atividades econômicas da cidade. O seu acervo hoje é bem diversificado, tendo coleções de numismática, passando por armas de 1

2 2 fogo, indumentárias de couro, até madeira trabalhada manualmente, como por exemplo, pilões. O Museu do Zé Didor é um museu particular, foi criada em 1994 por José Cardoso da Silva Neto (o próprio Zé Didor), a partir de doações pessoais de quem freqüentava o seu bar (misto bar-museu), considerado um dos maiores museus privados do Brasil e ficou reconhecido como instituição de utilidade pública em nível municipal, estadual e federal. Para geri-lo juridicamente foi criada a Fundação Cardoso Neto. Hoje o museu do Zé Didor se encontra nas instalações da estação da Rede Ferroviária Federal de Campo Maior (REFFESA) e o seu acervo é bastante variado, formado por indumentárias militares, coleções de moedas, fotografias, registros escritos, materiais líticos, entre outros. O que buscamos com esta proposta de investigação é contribuir para a socialização do acervo e do conhecimento arqueológico existente nos museus do Couro e do Zé Didor, para a população de Campo Maior e visitante em geral, e mais: Pesquisar sobre a origem das instituições Museu do Couro e Museu do Zé Didor e dos acervos nelas existentes; Desenvolver estudos de curadoria técnica nos acervos arqueológicos dos museus do Couro e do Zé Didor Campo Maior, Piauí; Contribuir para a compreensão do potencial informativo/comunicativo dos acervos arqueológicos existentes nas instituições museológicas, para o benefício das populações locais, pois dessa forma compreenderão mais sobre suas origens, os saberes e os fazeres de seus antepassados. A situação em que se encontram atualmente os museus do Couro e do Zé Didor é de abandono dos acervos arqueológicos. O visitante/espectador tem certa dificuldade de contextualizar o objeto em exposição com a história da Região Nordeste, pois estes, não estão acompanhados por nenhum tipo de informação. A Musealização da Arqueologia, de forma simples, é a inserção de objetos arqueológicos nos museus. Para se estudar tais materiais tem-se que abordá-los na ótica arqueológica e museológica (SILVA, 2008, p. 17), pois as coleções arqueológicas estão na gênese da história dos museus (BRUNO, 1996, p. 293 Apud SILVA, 2008). O estudo da Musealização da Arqueologia no Piauí tem uma relevância no âmbito cultural, uma vez que pode contribuir para o conhecimento da arqueologia e do patrimônio 2

3 3 arqueológico em certas áreas, como na região norte do Piauí, onde foram feitas poucas pesquisas. Atualmente, no Piauí, na cidade de São Raimundo Nonato a aproximadamente 500 km de Teresina, se encontra a Fundação Museu do Homem Americano (FUMDHAM), que desenvolve pesquisas arqueológicas no Parque Nacional Serra da Capivara, instituição onde os pesquisadores desenvolvem vários estudos sobre objetos arqueológicos, como enterramentos, materiais líticos, cerâmicas e executam exposições permanentes, com informações dos primeiros habitantes da área que hoje delimita o estado do Piauí. Essas exposições são importantes para conhecermos, como o homem interagia com o ambiente em que vivia, e entendermos como era o modo de fazer seus objetos, e para que eles o utilizavam. Levando em consideração, a exemplo o museu da FUMDHAM, os museus da região centro norte do estado do Piauí ainda deixam muito a desejar em relação a curadoria técnica, pois muitas vezes as informações contidas nas descrições das peças são insuficiente para um entendimento básico dos visitantes. Enquanto a Fundação Museu do Homem Americano é estruturada com recursos audiovisuais didáticos, a exposição e os acervos são devidamente separados e armazenados de acordo com a classificação, que facilitam um melhor entendimento dos visitantes, os museus do Couro e Zé Didor sofrem com a falta de estrutura física e científica para sua exposição e armazenamento. Os museus do Zé Didor e do Couro apresentam algumas distinções, uma delas é que o Museu do Zé Didor é particular e o Museu do Couro é público, sendo que o Museu do Zé Didor dispõe de milhares de objetos, o que dificulta a sua organização no espaço. Um aspecto em comum entre eles é que não estão mais em sua sedes de origem. O museu do Couro, por exemplo, já mudou de sede várias vezes e em muitos casos isso traz a perda de objetos. Será que encontraremos informações ou fotos dessas peças que não se encontre mais neles? No futuro, esses acervos poderão, realmente dialogar com o público, trazendo uma forma interativa com o visitante? Entretanto é importante que algumas propostas de exposições sejam apresentadas, cabendo às autoridades, cuidar desse patrimônio, sejam municipais ou estaduais. Os bens culturais, que compõe nosso patrimônio regional, no caso os bens arqueológicos, são variados e representam vivências, memórias que quando exiladas têm a tendência de serem esquecidas e não trabalhadas, logo, não possuem 3

4 4 representatividade, perdem a capacidade de significação (SILVA, 2008, p. 15). Uma vez que isto ocorra, o estudo do acervo de arqueologia nos museus do Zé Didor e do Couro pode contribuir tanto no que diz respeito à inserção do patrimônio arqueológico em ambientes permeados por desenvolvimentos sócio-históricos particulares, quanto no que concerne ao fornecimento de informações sobre os antigos grupos humanos que habitaram o solo piauiense e brasileiro. A metodologia que será empregada neste Projeto vai ser agrupada em algumas partes. Em relação às coleções arqueológicas, será feita uma análise tecno-tipológica, visando à percepção de características, entre outras, como técnicas de execução, forma, função, dimensões e lugar de origem. Este último, embora não seja o foco deste estudo, tornará possível, situar os artefatos, que compõem os acervos arqueológicos no recinto, dentro do que se conhece em termos de arqueologia regional no Estado do Piauí. Esta parte do trabalho ocorrerá, por meio de uma curadoria técnica tendo em vista a preparação do inventário do acervo arqueológico. As pesquisas ao redor das instituições museológicas exigirão consultar pesquisadores, pessoas da cidade de Campo Maior e/ou funcionários sobre coleções arqueológiaos; consultar a bibliografia histórica e arqueológica associada aos objetos que dispõe o acervo de arqueologia dos museus do Zé Didor e do Couro; percorrer salas de exposição; ler recortes de jornal sobre pesquisas arqueológicas e analisar documentações administrativas dessas instituições. Contudo, no que diz respeito às formas de extroversão serão analisados, fotografias, vídeos e expografia. O estudo do acervo ainda está em desenvolvimento, mas apesar de não ter sido concluído podemos sugerir que os acervos dos museus do Couro e do Zé Didor precisam passar pela curadoria técnica para que os mesmos museus estejam devidamente didáticos a ponto de servirem como base de pesquisas relacionada à cultura da região do município de Campo Maior. Ou seja, uma melhor estruturação dos museus citados seria um investimento que enriqueceria fontes de pesquisa científica como o conhecimento sobre a cultura daquela região. 4

5 5 Referências BRUNO, M. C. Museus de arqueologia: uma história de conquistadores, abandonos e mudanças. In: Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia. n. 6. São Paulo: EDUSP, BRUNO, M. C; NEVES, W. A. Ossos para o Ofício: Proposta, Execução e Avaliação de uma exposição temporária. In: Ciências em Museus, São Paulo, v.1, n. 1, p , SILVA, A. S. N. F. da. Musealização da Arqueologia: Diagnóstico do Patrimônio Arqueológico em museus potiguares Dissertação (Mestrado em Arqueologia) Universidade de São Paulo, São Paulo, SCHWARCZ, L. M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil São Paulo: Companhia das Letras,

PROJETO DE HISTÓRIA: CAMINHOS DA HISTÓRIA

PROJETO DE HISTÓRIA: CAMINHOS DA HISTÓRIA PROJETO DE HISTÓRIA: CAMINHOS DA HISTÓRIA VIAGEM PARA A SERRA CAPIVARA PI ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II 7º AO 9º ANO. COLÉGIO DÍNAMO 2011 PROFESSORES: * MARCOS MURILO DE OLIVEIRA SILVA * SEMIRAMES ARAÚJO

Leia mais

Secretaria de Estado da Cultura

Secretaria de Estado da Cultura Secretaria de Estado da Cultura UPPM Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico GTC SISEM-SP Grupo Técnico de Coordenação do Sistema Estadual de Museus de São Paulo MUSEUS E PATRIMÔNIO Os museus

Leia mais

O QUE É UMA EXPOSIÇÃO?

O QUE É UMA EXPOSIÇÃO? O QUE É UMA EXPOSIÇÃO? O que torna as exposições diferentes entre si? O que torna as exposições diferentes entre si? Local da exposição? Num parque Sob céu aberto... Num Museu... No corredor de um Shopping...

Leia mais

Um lugar de muitas Histórias

Um lugar de muitas Histórias Texto publicado no site Arqueologia e Pré-História: http://arqueologiaeprehistoria.com/2015/02/06/um-lugar-de-muitas-historias-o-museuarqueologico-do-rio-grande-do-sul/ Luísa d Avila 1 (Fevereiro de 2015)

Leia mais

ENTREVISTA Questões para Adauto José Gonçalves de Araújo, FIOCRUZ, em 12/11/2009

ENTREVISTA Questões para Adauto José Gonçalves de Araújo, FIOCRUZ, em 12/11/2009 FGV CPDOC 29/10/2010 Disciplina: Pesquisas Qualitativas - Prof. Mariana Cavalcanti Aluna: Adriana Maria Ferreira Martins Matrícula 091401001 ENTREVISTA Questões para Adauto José Gonçalves de Araújo, FIOCRUZ,

Leia mais

Autora: Janaina da Silva Lima. Co-autora: Drª. Ruth Künzli

Autora: Janaina da Silva Lima. Co-autora: Drª. Ruth Künzli Autora: Janaina da Silva Lima Co-autora: Drª. Ruth Künzli E-mail: Janaina_limah@hotmail.com CEMAARQ - Centro de Museologia Antropologia e Arqueologia FCT- UNESP Presidente Prudente MUSEU E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território Graça Filipe Modelos de redes de museus I Encontro de Museus do Douro Vila Real 24 Setembro

Leia mais

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA:

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: POTENCIALIDADES TURÍSTICAS E ESTRATÉGIAS DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL DOS SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS DE DOZE MUNICÍPIOS DO OESTE E ALTO-OESTE POTIGUAR. AUTORES: Valdeci dos Santos Júnior (valdecisantosjr@ig.com.br);

Leia mais

Quando o Marajó é Museu: o percurso museológico do padre Giovanni Gallo

Quando o Marajó é Museu: o percurso museológico do padre Giovanni Gallo Quando o Marajó é Museu: o percurso museológico do padre Giovanni Gallo Projeto Tecendo a Museologia Local na Amazônia Paraense: mudanças, perspectivas e ações Autora: Lúcia Santana ULHT- Lisboa, Portugal

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI/MCTI) ANA VILACY GALUCIO MARCOS PAULO ALVES DE SOUSA CLODOMIR SOARES SOUZA JUNIOR

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI/MCTI) ANA VILACY GALUCIO MARCOS PAULO ALVES DE SOUSA CLODOMIR SOARES SOUZA JUNIOR PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI/MCTI) PLANO DE TRABALHO COORDENADOR RESPONSÁVEL: ANA VILACY GALUCIO ORIENTADOR RESPONSÁVEL: MARCOS PAULO ALVES DE SOUSA BOLSISTA: CLODOMIR SOARES SOUZA JUNIOR

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG)

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG) DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Marisa Damas Vieira Comunicadora/ Produtora Cultural Rosani Moreira Leitão Antropóloga/ Coordenadora de Antropologia Museu Antropológico da Universidade

Leia mais

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011 Relatório da Visita da Comissão ao Museu Nacional UFRJ 5 de agosto de 2011 Bruno de Cerqueira Luiz da Motta Recepção Fomos recebidos de maneira extremamente cordial pela diretora do Museu Nacional, Profª.

Leia mais

Outubro/2014. Período. 1 a 31 de outubro de 2014

Outubro/2014. Período. 1 a 31 de outubro de 2014 Outubro/2014 Período 1 a 31 de outubro de 2014 Museu da Energia de São Paulo promove curso gratuito sobre Educação Patrimonial Essencial para o desenvolvimento cultural, tema será apresentado em um evento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Museu Nacional de Arqueologia

Museu Nacional de Arqueologia Museu Nacional de Arqueologia - História O atual Museu Nacional de Arqueologia (MNA) foi fundado em 1893 pelo Doutor José Leite de Vasconcelos (e daí a designação oficial mais completa do Museu, conforme

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Viçosa, Minas Gerais 2014 1 INTRODUÇÃO As atividades complementares, inseridas no projeto pedagógico, têm por finalidade proporcionar

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ. A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ. A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN Esse texto pretende ofertar breve noção sobre a atuação do arqueólogo no licenciamento

Leia mais

A Oficina O lixo conta nossa História e suas raízes. O lixo conta nossa História

A Oficina O lixo conta nossa História e suas raízes. O lixo conta nossa História A Oficina O lixo conta nossa História e suas raízes. O Centro Histórico-Cultural Santa Casa oferece a oficina O lixo conta nossa História, atividade cultural sócio-educativa concebida por Amanda Mensch

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Nasceu!!! É imensa a felicidade que sentimos quando um bebê vem ao mundo! Mas você já parou

Nasceu!!! É imensa a felicidade que sentimos quando um bebê vem ao mundo! Mas você já parou EXPOSIÇÃO NASCER Nasceu!!! É imensa a felicidade que sentimos quando um bebê vem ao mundo! Mas você já parou para pensar que, além de um fato biológico, o ato de nascer pode ser encarado pelo ponto de

Leia mais

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos.

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos. 15 O Boletim do Museu da Imigração chega à sua décima quinta edição. Junto com a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o processo de restauro das edificações e reformulação

Leia mais

PROPOSTA DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE TUPI

PROPOSTA DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE TUPI EIXO TEMÁTICO: Ciências Sociais PROPOSTA DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE TUPI Pedro Lemos Marques 1 Maria Luísa Bonazzi Palmieri 2 RESUMO: A Estação Experimental de Tupi

Leia mais

GESTÃO E PRODUÇÃO CULTURAL por Bruna Fetter

GESTÃO E PRODUÇÃO CULTURAL por Bruna Fetter GESTÃO E PRODUÇÃO CULTURAL por Bruna Fetter Fluxo Escola de Fotografia Expandida Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida GESTÃO E PRODUÇÃO CULTURAL Desde a criação das leis

Leia mais

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Museu Casa de Rui Barbosa: estabelecendo relações com os turistas nacionais e internacionais Coordenador

Leia mais

Conexões Santa Catarina Museus em Números e as políticas culturais em SC

Conexões Santa Catarina Museus em Números e as políticas culturais em SC Brasília, 14 de agosto de 2012. Informativo Temático nº 10 Conexões Santa Catarina Museus em Números e as políticas culturais em SC Uma das principais ações do Ministério da Cultura (MinC), na última década,

Leia mais

Dreamshaper, Jovens empreendedores construindo o futuro.

Dreamshaper, Jovens empreendedores construindo o futuro. Dreamshaper, Jovens empreendedores construindo o futuro. E.E. Prof. José Pereira Éboli Sala 12 - Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Meire Regina de Almeida Siqueira Maria Regina Nunes de Campos Realização:

Leia mais

EXPOSIÇÕES ARQUEOLÓGICAS COMO ESPAÇOS DE PODER: algumas reflexões sobre a divulgação da arqueologia. Dra. Camila A.

EXPOSIÇÕES ARQUEOLÓGICAS COMO ESPAÇOS DE PODER: algumas reflexões sobre a divulgação da arqueologia. Dra. Camila A. EXPOSIÇÕES ARQUEOLÓGICAS COMO ESPAÇOS DE PODER: algumas reflexões sobre a divulgação da arqueologia Dra. Camila A. de Moraes Wichers ENQUADRAMENTO DO TRABALHO Pesquisa inserida no doutorado em Museologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA. Departamento de Arqueologia. Disciplina Museologia Arqueológica. Professora: Ms. Marcelle Pereira Museóloga EMENTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA. Departamento de Arqueologia. Disciplina Museologia Arqueológica. Professora: Ms. Marcelle Pereira Museóloga EMENTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Departamento de Arqueologia Disciplina Museologia Arqueológica Professora: Ms. Marcelle Pereira Museóloga EMENTA Esta disciplina pretende apresentar, discutir e problematizar

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados,

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados, Dircurso proferido Pela Dep. Socorro Gomes, na Sessão da Câmara dos Deputados do dia 08 de novembro de 2006 acerca da 19ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, promovido pelo Instituto do Patrimônio

Leia mais

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO Maria do Socorro dos Santos EEEFM José Soares de Carvalho socorrosantosgba@gmail.com Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS FEIRA DE CORES E SABORES A mostra, contemplada pelo Fundo de Cultura da Bahia através do IPAC, tem a intenção de valorizar os patrimônios materiais e imateriais da Feira de São Joaquim

Leia mais

HISTÓRIAS EM REDE. Programa de valorização da relação do indivíduo com a empresa, sua identidade, seus vínculos e o sentimento de pertencimento.

HISTÓRIAS EM REDE. Programa de valorização da relação do indivíduo com a empresa, sua identidade, seus vínculos e o sentimento de pertencimento. HISTÓRIAS EM REDE Programa de valorização da relação do indivíduo com a empresa, sua identidade, seus vínculos e o sentimento de pertencimento. O Programa O programa HISTÓRIAS EM REDE é um novo olhar sobre

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

Observatórios Virtuais

Observatórios Virtuais UNIVASF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE SÃO FRANCISCO TRABALHO DE ASTROFÍSICA ALUNO: PEDRO DAVID PEDROSA PROFESSOR: MILITÃO CURSO: MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Observatórios Virtuais

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos.

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos. 4.3.3 Programa de Monitoramento Arqueológico O Programa de Monitoramento Arqueológico, conforme consta no Plano Básico Ambiental prevê a catalogação de amostras nas áreas de construção da Estrada Parque,

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

X Concurso Jovens Escritores. Regulamento /2015

X Concurso Jovens Escritores. Regulamento /2015 1 X Concurso Jovens Escritores Regulamento /2015 O X Concurso Jovens Escritores faz parte das atividades do XIII SALIPI, realizado em parceria pela Fundação Quixote e pelo Jornal O Dia que oportuniza a

Leia mais

MUSEU VIRTUAL DA EDUCAÇÃO EM ANÁPOLIS: PRESERVANDO SEU CONTEXTO EDUCACIONAL. Curso de Pedagogia, Unidade de Ciências Sócio-Econômicas e Humanas, UEG.

MUSEU VIRTUAL DA EDUCAÇÃO EM ANÁPOLIS: PRESERVANDO SEU CONTEXTO EDUCACIONAL. Curso de Pedagogia, Unidade de Ciências Sócio-Econômicas e Humanas, UEG. MUSEU VIRTUAL DA EDUCAÇÃO EM ANÁPOLIS: PRESERVANDO SEU CONTEXTO EDUCACIONAL Fernanda Vasconcelos Silva Souza 1,4, Mirza Seabra Toschi 2,4, Marlene Santos da Silva 3,4, 1 Bolsista PBIC/UEG 2 Pesquisadora

Leia mais

COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental.

COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental. COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental. PANZENHAGEN, Liane Margarete 1, VALE, Giovane Maia 2 ; MOREIRA, Ilson 3. Palavras-chave: composteira, meio ambiente, comunidade escolar. Introdução

Leia mais

OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015

OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015 OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015 AGOSTO 2015 1 APRESENTAÇÃO O Museu da Energia de Itu, pertencente à Fundação Energia e Saneamento, integra a Rede Museu da Energia composta por mais dois núcleos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

Museu dos Povos Indígenas do Oiapoque - Kuahi

Museu dos Povos Indígenas do Oiapoque - Kuahi Museu dos Povos Indígenas do Oiapoque - Kuahi Lux Vidal Apresentação Os povos indígenas do extremo Norte do Amapá, habitantes da bacia do rio Uaçá e do baixo curso do rio Oiapoque - Karipuna, Palikur,

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares

Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares Professora Elizabeth Johansen ( UEPG) Jessica Monteiro Stocco (UEPG) Tatiane

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

O Museu do índio jã tem sua estrutura, organização propria, alguns recursos e acervo rico mas sem local apropriado.

O Museu do índio jã tem sua estrutura, organização propria, alguns recursos e acervo rico mas sem local apropriado. A FUNDAÇÃO DO MUSEU DAS ORIGENS Deve-se compor de cinco museus: - Museu do índio - Museu de Arte Virgem (Museu do Inconsciente) - Museu de Arte Moderna - Museu do Negro - Museu de Artes Populares Os museus

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Início das inscrições: 22 de fevereiro de 2013 Final das inscrições: 20 de março de

Leia mais

O DVD DESENHO ANIMADO AMBIENTAL

O DVD DESENHO ANIMADO AMBIENTAL O DVD DESENHO ANIMADO AMBIENTAL Apoiado pela Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários PROEX, da Univille, o projeto Desenho Animado Ambiental (DAA) iniciou em 2005 com a produção de sete animações,

Leia mais

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE Evelyn Nunomura* Isadora Fernanda Rossi* Gilberto Hildebrando* Sonia Maria de Oliveira Dantas* Leandro Henrique Magalhães** Mirian Cristina Maretti** *Acadêmicos

Leia mais

Museu Nacional da Arte Antiga

Museu Nacional da Arte Antiga Museu Nacional da Arte Antiga Índice 1. Horários e localização: 2. Ingresso 3. História do museu 4. Informações acerca do museu 5. As 10 obras de referência do MNAA 6. Coleções 1 - Horário e Localização

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

De mãos dadas ESCOLA NO MUSEU

De mãos dadas ESCOLA NO MUSEU De mãos dadas ESCOLA NO MUSEU Empenhado no desenvolvimento cultural da população que serve directamente, o Museu do Trajo considera prioritário o investimento na formação pessoal do escalão etário correspondente

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema de pesquisa, temos que traçar um caminho a seguir durante a investigação. Realizar um estudo mais planejado dos aspectos que

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA: ARTIGOS CIENTÍFICOS SOBRE QUELÔNIOS AMAZÔNICOS E SEU USO EM CONTEÚDOS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA: ARTIGOS CIENTÍFICOS SOBRE QUELÔNIOS AMAZÔNICOS E SEU USO EM CONTEÚDOS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS 61 TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA: ARTIGOS CIENTÍFICOS SOBRE QUELÔNIOS AMAZÔNICOS E SEU USO EM CONTEÚDOS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Elieder Bonet ABENSUR Augusto Fachín TERÁN Universidade do Estado do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu?

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? é programa que visa ampliar as experiências culturais de estudantes, professores e comunidades por meio de ações educativas que envolvem visitas a espaços de preservação

Leia mais

MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA

MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA Apresentação do Museu O Museu Nacional de História Natural é um organismo da Universidade de Lisboa, vocacionado para a investigação científica e atividades

Leia mais

Valor Pedagógico da Exposição Geodiversidade na Educação da UEPG. Gisele Pidhorodecki Antonio Liccardo

Valor Pedagógico da Exposição Geodiversidade na Educação da UEPG. Gisele Pidhorodecki Antonio Liccardo Valor Pedagógico da Exposição Geodiversidade na Educação da UEPG Gisele Pidhorodecki Antonio Liccardo Laboratório Didático de Geologia da UEPG - L12 atende 8 cursos Uso do intenso do laboratório pelos

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

Conversando sobre Museu. >> Saiba mais e faça sua inscrição

Conversando sobre Museu. >> Saiba mais e faça sua inscrição Conversando sobre Museu Edição Nº 4 Florianópolis, 02 de maio de 2012 O ciclo de discussão Conversando sobre Museu, uma iniciativa do Sistema Estadual de Museus (SEM/SC), da Fundação Catarinense de Cultura

Leia mais

O Patrimônio arqueológico como elemento do Patrimônio Cultural

O Patrimônio arqueológico como elemento do Patrimônio Cultural O Patrimônio arqueológico como elemento do Patrimônio Cultural Adriana Machado Pimentel de Oliveira Kraisch Mestranda do Programa de Pós-graduação em História da UFPB E-mail: adriana.butija@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM PATOS, PARAÍBA: A PROFICIÊNCIA DOS ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DE PATOS

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM PATOS, PARAÍBA: A PROFICIÊNCIA DOS ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DE PATOS O DESAFIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM PATOS, PARAÍBA: A PROFICIÊNCIA DOS ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DE PATOS Davi Argemiro Henrique Cardoso de Oliveira e-mail: davicardosod@gmail.com Francione Gomes Silva

Leia mais

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU Ano: 2015 Edital nº 01/2015 Temas: energia elétrica;

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO OSWALDO CRUZ

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO OSWALDO CRUZ Introdução Quando se pretende elaborar um trabalho acadêmico e sua respectiva comunicação científica, é necessário que se faça inicialmente um planejamento, no qual devem constar os itens que permitirão

Leia mais

Caderno Temático de Educação Patrimonial nº 02

Caderno Temático de Educação Patrimonial nº 02 Caderno Temático de Educação Patrimonial nº 02 Chamada artigos A série Caderno Temático de Educação Patrimonial é uma publicação da Casa do Patrimônio de João Pessoa, uma parceria entre a Superintendência

Leia mais

FOTOGRAFIA IMPRESSA E EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO GRUPO FOCA FOTO

FOTOGRAFIA IMPRESSA E EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO GRUPO FOCA FOTO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Palavras-Chave Educação Patrimonial, Museu/Universidade/Escola, Arqueologia, Índios Guarani, Índios Kaingang

Palavras-Chave Educação Patrimonial, Museu/Universidade/Escola, Arqueologia, Índios Guarani, Índios Kaingang EDUCAÇÃO PATRIMONIAL SE FAZ NO MUSEU, NA ESCOLA E JUNTO Á COMUNIDADE. Faccio, Neide Barrocá; Carrê, Gabriela Machado; Souza, Hellen Cristiane. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Planejamento,

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

OS CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS NO ENSINO SUPERIOR: OUTRAS POSSIBILIDADES PARA A PRÁTICA DO PROFESSOR

OS CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS NO ENSINO SUPERIOR: OUTRAS POSSIBILIDADES PARA A PRÁTICA DO PROFESSOR OS CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS NO ENSINO SUPERIOR: OUTRAS POSSIBILIDADES PARA A PRÁTICA DO PROFESSOR Alexsandro de Melo Silva 1, Leon Cavalcante Lima², Arlyson Alves do Nascimento 3. ¹Instituto Federal de

Leia mais

Autores: Fatima Proença, ACEP / Luís Vaz Martins, LGDH. Lisboa, 17 de Setembro de 2015

Autores: Fatima Proença, ACEP / Luís Vaz Martins, LGDH. Lisboa, 17 de Setembro de 2015 Casa dos Direitos da Guiné-Bissau Uma aposta de cooperação numa cultura de Direitos Humanos como chave para construção da Paz e a realização dos Direitos Autores: Fatima Proença, ACEP / Luís Vaz Martins,

Leia mais

Curso Livre Online. 3.ª edição. Gestão e Valorização de Coleções Paleontológicas e Arqueológicas em Museus PLANO MODULAR

Curso Livre Online. 3.ª edição. Gestão e Valorização de Coleções Paleontológicas e Arqueológicas em Museus PLANO MODULAR Curso Livre Online 3.ª edição Gestão e Valorização de Coleções Paleontológicas e Arqueológicas em Museus PLANO MODULAR Apresentação da entidade organizadora Centro Português de Geo História e Pré-História

Leia mais

O Museu do Papel Moeda e o Público Sénior. Programa de Literacia Financeira

O Museu do Papel Moeda e o Público Sénior. Programa de Literacia Financeira O Museu do Papel Moeda e o Público Sénior Programa de Literacia Financeira Missão O Museu do Papel Moeda integra a Fundação Dr. António Cupertino de Miranda e assume na sua missão a dimensão do desenvolvimento

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

MOSTRA DE PROJETOS 2015. Iniciativas Sociais que contribuem para o desenvolvimento local. REGULAMENTO Anexos I e II

MOSTRA DE PROJETOS 2015. Iniciativas Sociais que contribuem para o desenvolvimento local. REGULAMENTO Anexos I e II MOSTRA DE PROJETOS 2015 Iniciativas Sociais que contribuem para o desenvolvimento local REGULAMENTO Anexos I e II O Sesi Paraná, por meio do programa Sesi Indústria e Sociedade e do Movimento Nós Podemos

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2014

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2014 PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2014 ( ) ENSINO ( ) PESQUISA ( X ) EXTENSÃO 1. Título: Memórias do Pantanal Rupestre Área temática: Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural 2. Responsável pelo Projeto:

Leia mais

EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA

EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA ESTEVAN LISKA 1, DENIS DE OLIVEIRA RODRIGUES 1, GUSTAVO COSTA 1, GUSTAVO FIALHO 1, JENNIFER SILVA 1, JOSIAS OLIVEIRA 1, RENAN FERNANDO 1, TAMARES

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

ANEXO II PLANO DE TRABALHO

ANEXO II PLANO DE TRABALHO ANEXO II PLANO DE TRABALHO Objetivo: Inaugurado em 14 de março de 1877, o Centro Cultural José Bonifácio foi o primeiro colégio público da América Latina. Construído por ordem de D. Pedro II para a educação

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Daniel de Castro Brainer Pereira PIRES 1 Thatiane Oliveira de ALENCAR 2 Alessandra Oliveira ARAÚJO 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE RESUMO

Leia mais

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/26

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/26 Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/26 Função social do Museu 2/26 O museu é uma instituição permanente sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

CIRCULAR Nº 2 / 2013 PROCEDIMENTOS DE GESTÃO DE BENS ARQUEOLÓGICOS MÓVEIS EM TERRITÓRIO NACIONAL

CIRCULAR Nº 2 / 2013 PROCEDIMENTOS DE GESTÃO DE BENS ARQUEOLÓGICOS MÓVEIS EM TERRITÓRIO NACIONAL CIRCULAR Nº 2 / 2013 PROCEDIMENTOS DE GESTÃO DE BENS ARQUEOLÓGICOS MÓVEIS EM TERRITÓRIO NACIONAL 1. Legislação aplicável 1.1. Lei n.º 107/2001, de 8 de setembro, que estabelece as bases da política e do

Leia mais