Sensoriamento Remoto (SR) Orbital (Parte II): satélites de observação terrestre e assinatura espectral de alvos

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sensoriamento Remoto (SR) Orbital (Parte II): satélites de observação terrestre e assinatura espectral de alvos"

Transcrição

1 Sensoriamento Remoto (SR) Orbital (Parte II): satélites de observação terrestre e assinatura espectral de alvos

2 Introdução Agenda: Sensoriamento Remoto Orbital Satélites Orbitais Assinatura Espectral de Alvos

3 Resumo (1) Aula Sistemas Sensores Fonte: [2]

4 Resumo (2) Aula Sistemas Sensores Fonte: [2]

5 Seleção de variáveis biofísicas e híbridas Potencial dos sistemas de SR Fonte: [2]

6 Introdução Agenda: Sensoriamento Remoto Orbital Satélites Orbitais Satélites de observação terrestre Assinatura Espectral de Alvos

7 Satélites Orbitais (1) Satélites de imageamento Construídos com determinada finalidade Classificados como: Satélites de observação da superfície terrestre Recursos Naturais Satélites Ambientais Meteorológicos Oceanográficos

8 Satélites Orbitais (2) Três partes básicas: b subsistema coletor (ex.: óptico) detector ou sensor subsistema eletrônico (processador) Subsistema coletor (ex.: óptico): determina a resolução espacial e área coletora da radiação Sensores: imageadores (fotográficos ficos e não fotográficos) ficos) não imageadores Subsistema eletrônico: amplia o sinal da fonte

9 Componentes do sistema (1) Coletor: recebe a energia p/ uma lente, espelho, antena etc

10 Componentes do sistema (2) Detector: capta a energia coletada de uma determinada faixa do espectro.

11 Componentes do sistema (3) Processador: o sinal registrado é submetido a um processamento para obtenção do produto

12 Satélites de S.R.

13 Satélites Orbitais (exemplos) [1] Espectro visível vel e infravermelho sistema LANDSAT sistema SPOT sistema CBERS sistema IKONOS Espectro microondas sistema RADARSAT sistema ERS

14 Satélites Orbitais (exemplos) [2] Em Operação: Alta Resolução

15 Satélites de observação da superfície terrestre: LANDSAT (Land Remote Sensing Satellite) Desenvolvido pela NASA (National Aeronautics and Space Administration) Inicialmente chamado ERTS (Earth Resources Technology Satellite) Janeiro de 1975 Lançou 7 satélites, perdeu o n 6n

16 Satélites de observação da superfície terrestre: LANDSAT 5 Resolução Espacial: 30m Escala (cm/km): 1:35 (1=350) Tamanho da cena (km): 185 x 185

17 Satélites de observação da superfície terrestre: LANDSAT 7 Resolução Espacial: 15m (pancromático) Escala (cm/km): 1:25 (1=250) Tamanho da cena (km): 185 x 185

18 Evolução da série s de satélites LANDSAT ao longo do tempo

19 Principais Sensores de Imageamento (1) Espectro visível vel e infravermelho: LANDSAT 1 até 3: subsistema RBV (Sistema de Câmera de Vídeo V com Deflexão de Feixe) [Return Beam Beam Vidicon ]: rbv LANDSAT 1 até 5: subsistema MSS (Sistema de Varredura Multiespectral) [Multispectral Scanner System ]: mss

20 Principais Sensores de Imageamento (2) Espectro visível vel e infravermelho (LANDSAT( 5 e 7): 7 Subsistema TM (Mapeador( Mapeador Temático tico) [Thematic Mapper] Conjunto de subsistemas configurados para permitir o imageamento do terreno com fidelidade geométrica: Subsistema ETM (Mapeador( Mapeador Temático Avançado ado) [Enhanced Thematic Mapper Plus] Distinção do TM - foi a inclusão de uma banda pancromática e o aumento de ganho na banda termal, que permitiu a melhoria da resolução espacial: etm+

21 Bandas espectrais do LANDSAT - TM

22 Resoluções Espaciais

23 Satélites Orbitais: LANDSAT e SPOT LANDSAT 7 Bandas Sistema ETM Resposta Espectral (µm) Resolução Espacial (m) 1 0,450-0, ,525-0, ,630-0, ,750-0, ,550-1, ,40-12, ,090-2, PAN 0,520-0, Características do Sensor ETM+ / LANDSAT SPOT 1, 2 e 3 Bandas Sistema HRV Resposta Espectral (µm) Resolução Espacial (m) 1 0,50-0, ,61-0, ,79-0,89 20 PAN 0,51-0,73 10 Características do Sensor HRV / SPOT

24 Sites para Consulta EMBRAPA / INPE LANDSAT

25

26 Imagem LANDSAT - TM

27 Imagem SPOT - Pancromática

28 PTR 5002 Sensoriamento remoto orbital e tratamento numérico de imagens de sensoriamento remoto Cláudia Soares Machado EPUSP Departamento de Engenharia de Transportes Laboratório rio de Geoprocessamento

29 GeoEye - 1 Satélite norte-americano, patrocinado pela Agência Nacional de Inteligência Geoespacial dos EUA e a empresa Google Earth. Faz parte da mais recente geração de satélites de imageamento da superfície terrestre - sub half-meter Earth imaging satellite. Até recentemente era o satélite comercial com a maior resolução espacial disponível: 0,41m no modo pancromático; 1,65 m no modo multiespectral. Foi lançado ado em 6 de setembro de 2008, da Base Aérea A de Vandenberg, na Califórnia.

30

31

32 Produtos Por solicitação (encomenda) Imagens ortorretificadas; Produtos derivados das imagens, como por exemplo: Modelos Digitais de Elevação (MDE), Mosaicos, Mapas de Feições (Feature Maps).

33 Exemplos de produtos e aplicações (1)

34 Exemplos de produtos e aplicações (2)

35 Exemplos de imagens GeoEye - 1

36 Universidade de Kutztown Pensilvânia EUA Imagem coletada às s 12h do dia 7 de outubro de 2008

37

38

39

40 Na América Latina a empresa responsável pela comercialização das imagens do satélite GeoEye é a Space Imaging South America. Space Imaging South America Rua da Assembléia, 10 Centro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro Brasil Fonte da pesquisa:

41 Resumo

42 Introdução Agenda: Sensoriamento Remoto Orbital Satélites Orbitais Assinatura Espectral de Alvos

43 Assinatura Espectral: Curvas de Reflectância espectral para fenômenos urbanos-periurbanos na região espectral de nm Aula Sistemas Sensores Fonte: [2]

44 Assinatura Espectral

45 Bandas e Assinatura Espectral

46 Introdução Agenda: Sensoriamento Remoto Orbital Satélites Orbitais Assinatura Espectral de Alvos Bandas e Assinatura Espectral Estudo de caso: LANDSAT 5 - TM Conceitos Radiométricos Alvos Selecionados

47 Imagens do LANDSAT 5 Banda 1 Banda 2 Banda 3 Banda 4 Banda 5 Banda 6

48 Bandas e Assinatura Espectral: LANDSAT 5 - TM (1) Faixa Espectral: 0,450 mm 0,515 mm Banda 1 (azul) Absorção pela clorofila e pigmentos fotossintéticos ticos Diferenciação entre solo e vegetação Diferenciação entre vegetação conífera e decídua dua (*) Grande penetração em corpos d água transparentes Mapeamento de águas costeiras Estudos de sedimentos na água Sensibilidade a plumas de fumaça a (nuvens) por queimadas ou atividades industrias (*) plantas que perdem suas folhas em determinadas épocas do ano

49 Bandas e Assinatura Espectral

50 Vegetação Assinatura espectral da vegetação fotossinteticamente ativa

51 Bandas e Assinatura Espectral: LANDSAT 5 TM (2) Banda 2 (Verde) Qualidade da água Boa penetração em corpos d água Grande sensibilidade à presença de sedimentos em suspensão Faixa Espectral: 0,525 mm 0,605 mm Estradas e áreas urbanas Mapeamento de vegetação Maior reflectância dos canais do visível vel Lab: : Nuvens (??)

52 Assinatura Espectral: Curvas de Reflectância espectral para fenômenos urbanos-periurbanos na região espectral de nm Aula Sistemas Sensores Fonte: [2]

53 Bandas e Assinatura Espectral: LANDSAT 5 TM (3) Faixa Espectral: 0,630 mm 0,690 mm Banda 3 (Vermelho) Espécies vegetais (absor( absorção da clorofila) Vegetação verde densa uniforme apresenta absorção fica mais escura) Diferenciação dos tipos de cobertura vegetal ão (= Uso do solo Mapeamento da mancha urbana inclusive novos loteamentos Contraste vegetação x área urbana

54 Bandas e Assinatura Espectral

55 Bandas e Assinatura Espectral: LANDSAT 5 TM (4) [A][ Faixa Espectral: 0,760 mm 0,900 mm Banda 4 (IV próximo) Delineamento de corpos d'água (ficam mais escuros ficam mais escuros) Mapeamento da rede de drenagem Levantamento da biomassa (pico da vegetação sadia) Vegetação verde e densa reflete muito nesta banda (= fica mais clara) Sensibilidade à rugosidade da copa das florestas Separação de áreas com eucaliptos e pinus

56 Assinatura Espectral

57 Vegetação (2) Energia refletida por plantas verdes

58 Bandas e Assinatura Espectral: LANDSAT 5 TM (4) [B][ Banda 4 (IV próximo) É possível mapear: Áreas ocupadas com vegetação queimada Áreas com aguapés Áreas com agricultura Sensibilidade à morfologia do terreno Mapeamento geomorfológico gico e feições geológicas gicas

59 Reflectância da Vegetação (1) Aula Sistemas Sensores Vegetação no Visível Vegetação no Infravermelho

60 Reflectância da Vegetação (2) Aula Sistemas Sensores `` Foto normal Foto Infravermelho

61 Bandas e Assinatura Espectral: LANDSAT 5 TM (5) Faixa Espectral: 1,550 mm 1,750 mm Banda 5 (IV médio) m Umidade da vegetação e solo (ou estresse hídrico) h Sensibilidade ao teor de umidade das plantas Esta banda sofre perturbações se ocorrer chuva antes da obtenção da cena Diferenciação entre nuvem e neve Mapeamento de rios e corpos d água Lab: : vias e solo exposto (??)

62 Bandas e Assinatura Espectral

63 Vegetação Assinatura espectral da vegetação fotossinteticamente ativa

64 Água: Nuvens 0,38 a 2,5 µm: altíssima reflectância

65 Água: Neve 0,4 a 0,7 µm = alta reflectância 0,7 a 1,2 µm: decréscimo rápido 1,4 a 2,5 µm: baixa reflectância

66 Bandas e Assinatura Espectral: LANDSAT 5 TM (7) Faixa Espectral: 2,080 mm 2,350 mm Banda 7 (IV médio) m Estudo de rochas e minerias Identificação de minerais Umidade do solo e vegetação Mapeamento hidrotermal Geomorfologia, solos e Geologia Sensibilidade à morfologia do terreno

67 Assinatura Espectral: Curvas de Reflectância espectral para fenômenos urbanos-periurbanos na região espectral de nm Aula 03: Sistemas sensores Fonte: [2]

68 Solos Assinatura Espectral de solos variam bastante, em função de: tipos de solos; teor de umidade; teor de matéria orgânica etc.

69 Bandas e Assinatura Espectral: LANDSAT 5 TM (6) Faixa Espectral: 10,400 mm 12,500 mm Banda 6 (IV distante / termal) Propriedades termais dos solos e rochas Sensibilidade aos fenômenos termais e contrastes térmicost Propriedades termais dos solos Mapeamento de estresse térmico em vegetação Correntes marinhas

70 Combinação de bandas - R(5)G(4)B(3)

71 Introdução Agenda: Sensoriamento Remoto Orbital Satélites Orbitais Assinatura Espectral de Alvos Bandas e Assinatura Espectral Conceitos Radiométricos Alvos Selecionados

72 Aquisição de dados: componentes básicosb Aula de Sensoriamento Remoto: Conceitos BásicosB Adaptado de W.J. Kaufmann, Universe Universe

73 O E. E. e a energia do Fóton F da Luz Visível (1) Aula : Sistemas Sensores Fonte: [2]

74 O E. E. e a energia do Fóton F da Luz Visível (2) Aula : Sistemas Sensores

75 (B) Interações da Energia na Atmosfera (C) Interações da Energia na Superfície da Terra Aula : Sistemas Sensores

76 Aula : Sistemas Sensores Absorção da E.E. do Sol incidente na região de 0,1 a 3,0 µm Fonte: [2]

77 (B) Interações da Energia na Atmosfera (C) Interações da Energia na Superfície da Terra Aula : Sistemas sensores

78 Aquisição de dados: componentes básicos. b Alvo/superfície terrestre Aula de Sensoriamento Remoto: Conceitos BásicosB Assinatura Espectral: : intensidade relativa com que cada corpo reflete ou emite a REM (radiação eletromagnética) tica) nos diversos comprimentos de onda (curvas de reflectância x comprimento de onda)

79 O O que é? Comportamento Espectral de Alvos (1) É o estudo da Reflectância de alvos (objetos) como a vegetação, solos, minerais e rochas, água Ou seja: É o estudo da interação da REM com as substâncias da superfície terrestre

80 Comportamento Espectral de Alvos (2) O conhecimento do comportamento espectral de alvos não é importante somente para a extração de informações de imagens obtidas do SR É importante também m para a própria pria definição: De novos sensores Do tipo de pré-processamento processamento a que devem ser submetidos os dados brutos Da forma de aquisição dos dados Geometria de coleta dos dados Freqüência Altura do imageamento Resolução limite

81 Comportamento Espectral de Alvos (3) Quando é selecionado, por ex., a melhor combinação de canais e filtros para a composição colorida, deve-se conhecer o comportamento espectral do alvo de nosso interesse Senão, corre-se o risco de desprezar faixas espectrais de grande significância na sua discriminação

82 Comportamento Espectral de Alvos (4) Quanto maior a gama de opções, em termos de canais (resolução espectral), maior será a capacidade discriminatória ria do sensor A resolução espectral pode ser decisiva para a capacidade discriminatória ria dos alvos

83 Seleção de variáveis biofísicas e híbridas Potencial dos sistemas de SR Fonte: [2]

84 Imagem Hiperespectral Palestra SMABC Grande número n de bandas de largura estreita Cada pixel da imagem possui uma assinatura espectral correspondente Dados espectrais são usados para identificar: materiais e objetos espécies vegetais saúde da vegetação impacto ambiental qualidade da água, etc. Até 288 bandas espectrais podem ser gravadas por pixel.

85 Importância do Hiperespectral (1) Palestra SMABC Por que Imagens Hiperespectrais são importantes? Resolução espectral é mandatória para a maioria das análises. As características de absorção espectral são informações valiosas para a maioria das aplicações. 16 Bandas Hiperespectrais 4 Bandas Espectrais

86 Importância do Hiperespectral (2) Palestra SMABC

87 Importância do Hiperespectral (3) Palestra SMABC

88 Assinatura Espectral: Curvas de Reflectância espectral para fenômenos urbanos-periurbanos na região espectral de nm Aula: Sistemas Sensores Fonte: [2]

89 Introdução Agenda: Sensoriamento Remoto Orbital Satélites Orbitais Assinatura Espectral de Alvos Bandas e Assinatura Espectral Conceitos Radiométricos Alvos Selecionados

90 INTERAÇÕES ENTRE A VEGETAÇÃO E OS COMPRIMENTOS DE ONDA VISÍVEL, VEL, I. V. PRÓXIMO E I. V. MÉDIOM

91 Assinatura Espectral

92 Vegetação (1) Assinatura espectral da vegetação fotossinteticamente ativa Aula de Sensoriamento Remoto: Conceitos BásicosB

93 Curva espectral da vegetação (1) Até 0,7µm reflectância baixa ( ρ<0,2 ) absorção da radiação incidente pelos pigmentos da planta 0,7µm m a 1,3µm alta reflectância da vegetação (0,3<ρ< ρ<0,4) interferência da estrutura celular 1,3µm m a 2,5µm a reflectância é dominada pelo conteúdo de água das folhas.

94 Curva espectral da vegetação (2) 0,58µm - reflectância responsável pela percepção da cor verde da vegetação 1,4µm m e 1,95 µm - são dois máximos m de absorção de água Correspondem também m as bandas de absorção atmosférica

95 Vegetação (2) Energia refletida por plantas verdes

96 Pigmentação (alta absorção) Visível (0,4-0,6 µm) Clorofila (fotossíntese) Estrutura fisiológica (alta reflectância) I.V. P (0,6-1,3 µm) Descontinuidades estruturais Teor de água (alta absorção) I.V.P. a médiom (0,6-2,5 µm) Absorção maior que reflectância Envelhecimento Azul e vermelho Aumento da reflectância Interferências: Solo subjacente, elevação do sol e do sensor, ângulo azimutal do sol e do sensor, geometria da cobertura vegetal, etc.

97 Vegetação (3) A saúde da vegetação é mapeada por: Índice de diferença normalizada - NDVI Outros índices de vegetação: EVI (Enhanced Vegetation Index ) ARVI (Atmospheric Resistance Vegetation Index)

98 NDVI ) (Normalized Difference Vegetation Index ÍNDICE DE VEGETAÇÃO POR DIFERENÇA NORMALIZADA

99 Introdução (1) Os índices de vegetação foram desenvolvidos para o monitoramento da quantidade (distribuição) e qualidade (vigor, saúde) da vegetação nas imagens de satélite Reduzem os número de parâmetros nas medições multiespectrais para um único parâmetro.

100 Introdução (2) Através da combinação de bandas espectrais, pode-se obter respostas espectrais diferentes, minimizando o efeito de outros fatores como o solo, a luminosidade e a atmosfera.

101 NDVI (1) O NDVI é o Índice de Vegetação por Diferença Normalizada que utiliza, como combinação espectral, duas porções do espectro: a região do vermelho e a região do IV próximo

102 NDVI (2) O NDVI é obtido através do seguinte algoritmo: NDVI = (NIR - RED) onde: (NIR + RED) NIR = Região do Infravermelho Próximo RED = Região do Vermelho

103 Fatores que influenciam os valores de NDVI (1) Estrutura interna das folhas Envelhecimento das folhas Índice de área foliar Orientação das folhas

104 Fatores que influenciam os valores NDVI (2) Características da superfície orientação da superfície, relevo, sombra efeito de background do solo (brilho)

105 Fatores que influenciam os valores do NDVI (3) Parâmetros dos sensores calibragem perda da sensibilidade com o tempo

106 Fatores que influenciam os valores do NDVI (4) Efeito do sol e elevação do sensor altitude do sensor elevação do sol ângulo solar zenital ângulo de visada ângulo azimutal

107 Fatores que influenciam os valores do NDVI (5) Variáveis Atmosféricas nuvens aerossóis espalhamento ou absorção da radiação pela atmosfera

108 Fatores que influenciam os valores do NDVI (6) Sazonalidade primavera, verão, outono e inverno A sazonalidade é importante devido ao crescimento da planta e conseqüentemente das folhas, umidade do solo e do clima

109 Aplicações Estudos do clima da terra: Produtividades primárias no oceano - produção de algas Acompanhamento de culturas Áreas urbanas: qualidade habitacional

110 INTERAÇÕES ENTRE O SOLO E OS COMPRIMENTOS DE ONDA VISÍVEL, VEL, I. V. PRÓXIMO E I. V. MÉDIOM

111 Assinatura Espectral: Curvas de Reflectância espectral para fenômenos urbanos-periurbanos na região espectral de nm Aula : Sistemas Sensores Fonte: [2]

112 Solos Assinatura Espectral de solos variam bastante, em função de: tipos de solos; teor de umidade; teor de matéria orgânica etc.

113 Rochas e minerais Folhelhos e Andesitos: 3 regiões distintas

114 Superfícies construídas ou urbanizadas Concreto até 0,6 µm m = baixa reflectância 0,6 a 1,3 µm m = alta reflectância Asfalto é semelhante ao concreto, porém m com níveis mais baixos Aula de Sensoriamento Remoto: Conceitos BásicosB

115 Assinatura espectral: Asfalto GDS376 Aula de Sensoriamento Remoto: Conceitos BásicosB

116 Assinatura espectral: Asfalto Tar GDS346 Aula de Sensoriamento Remoto: Conceitos BásicosB

117 Assinatura espectral: Concreto Aula de Sensoriamento Remoto: Conceitos BásicosB

118 Bandas e Assinatura Espectral

119 Teor de umidade, textura e estrutura Visível I.V.P. I.V.M. Ex: solo arenoso estrut. fraca, superfície lisa, alto teor de umidade, baixa reflectância Matéria orgânica Visível I.V.P. Teores altos provocam redução da reflectância do solo Óxido de Ferro Visível (0,5-0,7 µm) Reflete luz vermelha Absorve luz verde (localização de jazidas) Obs: a maior parte da energia incidente sobre o solo é refletida ou absorvida e uma pequena quantidade é transmitida.

120 INTERAÇÕES ENTRE A ÁGUA E OS COMPRIMENTOS DE ONDA VISÍVEL, VEL, I. V. PRÓXIMO E I. V. MÉDIOM

121 Bandas e Assinatura Espectral

122 Água Comportamento espectral depende do estado físicof

123 Água: Líquida 0,38 a 0,7 µm m = baixa reflectância. Acima de 0,7 µm m a água absorve toda a REM

124 Água: Nuvens 0,38 a 2,5 µm: altíssima reflectância

125 Água: Neve 0,7 a 1,2 µm m = alta reflectância 0,7 a 1,2 µm: decréscimo rápido r 1,4 a 2,0 µm: baixa reflectância

126 Profundidade da água Visível I.V.P. Quanto mais profundo menor a reflexão Materiais suspensos (argila, húmus) h Visível I.V.P. Reflectância e cor da água Rugosidade Visível I.V.P. Superfície rugosa: alta reflectância Obs: a maior parte do fluxo radiante incidente sobre a água, não é refletido, mas sim absorvido ou transmitido.

127 INTERAÇÕES ENTRE A SUPERFÍCIE DA TERRA E OS COMPRIMENTOS DE ONDA DO I. V. TERMAL

128 Infravermelho Termal (3,0-5,0 µm) Mede a temperatura irradiante do objeto Depende Emissividade: capacidade de absorção e irradiação de calor Temperatura cinética: diretamente medida (termômetro) Propriedades termais: distribuição do calor em um objeto Taxa de aquecimento: capacidade de absorção de calor

129 INTERAÇÕES ENTRE A VEGETAÇÃO E OS COMPRIMENTOS DE ONDA DO I. V. TERMAL

130 VEGETAÇÃO Absorção no visível vel Re-emissão emissão I.V.T. irradiação controlada por 4 fatores irradiação do solo Ângulo do sensor Cobertura vegetal Teor de umidade Ti = Ts + Tf Sensor vertical alta Ti (solo + vegetação) Determina a emissividade folhas úmidas > E Ti = temperatura de irradiância; Tf = temperatura da folhagem; Ts = temperatura do solo; E = emissividade; T4

131 INTERAÇÕES ENTRE O SOLO E ENTRE A ÁGUA E O I. V. TERMAL

132 Temperatura de irradiância do solo Teor de umidade Ex: solos úmidos frios de dia quentes à noite Temperatura de irradiância da água Propriedades termais Baixa durante o dia Elevada à noite

133 INTERAÇÕES ENTRE A SUPERFÍCIE DA TERRA E AS MICROONDAS

134 Rugosidade da superfície Comprimento de onda microondas Ângulo de incidência Muito longos Muito curtos Superfície lisa Superfície rugosa Superfície lisa Superfície rugosa Ângulo baixo Ângulo Alto Pouca influência do ângulo Reflectância especular Reflectância difusa Alto retorno Baixo retorno Retorno similar T4

135 Condutibilidade da superfície Alta reflectância Teor de umidade das plantas e do solo Propriedades elétricas

136 INTERAÇÕES ENTRE A VEGETAÇÃO E AS MICROONDAS

137 Rugosidade Depende do tamanho, forma, orientação e quantidade de folhas É evidente em imagens de comprimento de onda baixo Comprimento de onda ângulo de incidência polarização Geradas e captadas em altos ângulos de incidência Condutibilidade Normalmente alta, varia com o teor de umidade nas plantas e no solo

138 INTERAÇÕES ENTRE O SOLO E ENTRE A ÁGUA E AS MICROONDAS

139 Solo rugosidade condutibilidade Retornam sinais fracos ou moderados (quando captados em baixo ângulo) Subsolo Penetração maior ângulo de incidência baixo, comprimento de onda longo, teor de umidade baixo Água Reflexão especular (não retorna o sinal) Aparece como uma área preta na imagem

140 Bibliografia (1) [1] MORAES NOVO, Evlyn L.M. Sensoriamento Remoto: Princípios e Aplicações ões.. 3ª 3 Edição. São Paulo: Blucher,, [2] JENSEN, John R. Sensoriamento Remoto do Ambiente Uma Perspectiva em Recursos Terrestres.. 2ª 2 Edição. São José dos Campos: Parêntese, [3] DALMOLIN, Quintino; SANTOS, Daniel R. Sistema Laserscanner: : Conceitos e Princípios de Funcionamento. 3ª Edição. Curitiba: UFPR, 2004.

141 Bibliografia (2) [4] LIU, William T.H. Aplicações de Sensoriamento Remoto.. Campo Grande: UNIDERP, [5] MENESES, Paulo R; MADEIRA NETTO, José S. Sensoriamento Remoto: Reflectância dos Alvos Naturais. Brasília: UnB, 2001.

142 Bibliografia (3) [6] PONZONI, Flávio J.; SHIMABUKURO, Yosio E. Sensoriamento Remoto no Estudo da Vegetação ão. São José dos Campos: Parêntese, [7] FERREIRA, Nelson J. Aplicações Ambientais Brasileiras dos Satélites NOAA e TIROS-N.. São Paulo: Oficina de Textos, 2004.

143 Bibliografia (4): Sítios S da Internet EMBRAPA / INPE LANDSAT php SPOT sat%c3%a9lites)

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DE ALVOS

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DE ALVOS COMPORTAMENTO ESPECTRAL O que é? DE ALVOS É o estudo da Reflectância espectral de alvos (objetos) como a vegetação, solos, minerais e rochas, água Ou seja: É o estudo do da interação da REM com as substâncias

Leia mais

Sensoriamento remoto x uso do solo x transportes

Sensoriamento remoto x uso do solo x transportes Sensoriamento remoto x uso do Introdução e justificativas Objetivos da aula Sensoriamento Remoto: introdução; conceitos básicos. Processamento digital de imagens: conceito de imagem digital e de processamentos

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO INTRODUÇÃO E ÍNDICES DE VEGETAÇÃO

SENSORIAMENTO REMOTO INTRODUÇÃO E ÍNDICES DE VEGETAÇÃO SENSORIAMENTO REMOTO INTRODUÇÃO E ÍNDICES DE VEGETAÇÃO Paulo Guilherme Molin, MSc Prof. Silvio F. de Barros Ferraz Prof. Carla Cassiano Laboratório de Hidrologia Florestal Departamento de Ciências Florestais

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Prof. Enoque Pereira da Silva

Sensoriamento Remoto. Prof. Enoque Pereira da Silva Sensoriamento Remoto Prof. Enoque Pereira da Silva Radiação Eletromagnética (REM) Radiação Eletromagnética (REM) REM pode se deslocar no vácuo, ou seja, não precisa de um material (corda) Todo corpo acima

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Sensoriamento Remoto. Prof. Luiz Rotta

GEOPROCESSAMENTO. Sensoriamento Remoto. Prof. Luiz Rotta 1 GEOPROCESSAMENTO Sensoriamento Remoto Prof. Luiz Rotta SENSORIAMENTO REMOTO - DEFINIÇÕES Utilização de sensores para a aquisição de informações sobre objetos ou fenômenos sem que haja contato direto

Leia mais

Sensoriamento Remoto: características espectrais de alvos. Patricia M. P. Trindade; Douglas S. Facco; Waterloo Pereira Filho.

Sensoriamento Remoto: características espectrais de alvos. Patricia M. P. Trindade; Douglas S. Facco; Waterloo Pereira Filho. Sensoriamento Remoto: características espectrais de alvos Patricia M. P. Trindade; Douglas S. Facco; Waterloo Pereira Filho. Vegetação Novo, 2010. No visível a reflectância é baixa em função da absorção

Leia mais

Interpretação Visual de Produtos de Sensoriamento Remoto

Interpretação Visual de Produtos de Sensoriamento Remoto UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Interpretação Visual de Produtos de Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Richarde Marques IMAGENS DE SENSORIAMENTO

Leia mais

Sensoriamento Remoto (SR) Orbital (Parte I): sistemas sensores satelitais e satélites de observação terrestre

Sensoriamento Remoto (SR) Orbital (Parte I): sistemas sensores satelitais e satélites de observação terrestre Sensoriamento Remoto (SR) Orbital (Parte I): sistemas sensores satelitais e satélites de observação terrestre Advanced Land Observing Satellite (ALOS) Example for city model using PRISM/DSM (high-resolution

Leia mais

Satélites e Sensores Orbitais

Satélites e Sensores Orbitais Satélites e Sensores Orbitais Satélites de monitoramento da superfície da Terra: série LANDSAT e CBERS Satélites meteorológicos: série NOAA Polar Altitude de 250 a 800 Km Direção Norte-Sul Tipos de Órbitas

Leia mais

O resultado é uma série de "fatias" da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma

O resultado é uma série de fatias da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

REVISÃO SENSORIAMENTO REMOTO AULA ZERO. Daniel C. Zanotta 14/03/2018

REVISÃO SENSORIAMENTO REMOTO AULA ZERO. Daniel C. Zanotta 14/03/2018 REVISÃO SENSORIAMENTO REMOTO AULA ZERO Daniel C. Zanotta 14/03/2018 O que é Sensoriamento Remoto? Arte e ciência da obtenção de informações sobre um objeto, através de radiação eletromagnética, sem contato

Leia mais

09/03/2017. O que é Sensoriamento Remoto? Tipos de Sensoriamento Remoto REVISÃO SENSORIAMENTO REMOTO AULA ZERO. Satélites.

09/03/2017. O que é Sensoriamento Remoto? Tipos de Sensoriamento Remoto REVISÃO SENSORIAMENTO REMOTO AULA ZERO. Satélites. REVISÃO SENSORIAMENTO REMOTO AULA ZERO Daniel C. Zanotta 09/03/2017 O que é Sensoriamento Remoto? Arte e ciência da obtenção de informações sobre um objeto, através de radiação eletromagnética, sem contato

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO. Daniel C. Zanotta

INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO. Daniel C. Zanotta INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO Daniel C. Zanotta O que é Sensoriamento Remoto? Arte e ciência da obtenção de informação sobre um objeto sem contato físico direto com o objeto. É a tecnologia científica

Leia mais

Fundamentos de Sensoriamento Remoto

Fundamentos de Sensoriamento Remoto UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: Geoprocessamento para aplicações ambientais e cadastrais Fundamentos de Sensoriamento Remoto Profª. Adriana

Leia mais

Tecnologias de sensoriamento remoto para a identificação e monitoramento das mudanças no uso e ocupação dos solos urbanos

Tecnologias de sensoriamento remoto para a identificação e monitoramento das mudanças no uso e ocupação dos solos urbanos Tecnologias de sensoriamento remoto para a identificação e monitoramento das mudanças no uso e ocupação dos solos urbanos associadas às vias de transportes terrestres. José A. Quintanilha C láudia A. S.

Leia mais

O resultado é uma série de "fatias" da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma

O resultado é uma série de fatias da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

PMI 3331 GEOMÁTICA APLICADA À ENGENHARIA DE PETRÓLEO

PMI 3331 GEOMÁTICA APLICADA À ENGENHARIA DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Politécnica Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo PMI Graduação em Engenharia de Petróleo PMI 3331 GEOMÁTICA APLICADA À ENGENHARIA DE PETRÓLEO PROCESSAMENTO

Leia mais

processos de formação e suas inter-relações com o ambiente. As diversas combinações de fatores (clima, relevo,

processos de formação e suas inter-relações com o ambiente. As diversas combinações de fatores (clima, relevo, INTRODUÇÃO AO LEVANTAMENTO DE SOLOS INTRODUÇÃO AO LEVANTAMENTO DE SOLOS variabilidade espacial dos solos fenômeno natural variabilidade espacial dos solos fenômeno natural resultante da interação resultante

Leia mais

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Comportamento Espectral dos Objetos Reinaldo Paul Pérez Machado Prof. Dr. Fernando Reinaldo Shinji Paul Kawakubo Pérez Machado O que é? Comportamento Espectral

Leia mais

27/03/2017 OPERAÇÕES ARITMÉTICAS NDVI E RAZÃO DE BANDAS AULA 04 RAZÃO DE BANDAS. Ex: Realce de minerais de Ferro = ρ v / ρ A

27/03/2017 OPERAÇÕES ARITMÉTICAS NDVI E RAZÃO DE BANDAS AULA 04 RAZÃO DE BANDAS. Ex: Realce de minerais de Ferro = ρ v / ρ A OPERAÇÕES ARITMÉTICAS NDVI E AULA 04 Daniel C. Zanotta 27/03/2017 Dividir uma banda por outra (pixel a pixel) pode trazer diversas informações a respeitos dos alvos contidos na cena. Dependendo dos canais

Leia mais

Flávia da Fonseca Feitosa

Flávia da Fonseca Feitosa Sensoriamento Remoto Flávia da Fonseca Feitosa Disciplina PGT 035 Geoprocessamento Aplicado ao Planejamento e Gestão do Território Aula disponível em: https://flaviafeitosa.wordpress.com/talksteaching/geopgt/

Leia mais

Definições: Sistemas Sensores

Definições: Sistemas Sensores SISTEMAS SENSORES Sistemas Sensores Definições: Equipamento capaz de transformar alguma forma de energia em um sinal passível de ser convertido em informação sobre o ambiente. No caso específico do sensoriamento

Leia mais

Avaliação Parcial 01 - GABARITO Questões Bate Pronto. As questões 1 a 23 possuem apenas uma alternativa correta. Marque-a.

Avaliação Parcial 01 - GABARITO Questões Bate Pronto. As questões 1 a 23 possuem apenas uma alternativa correta. Marque-a. Avaliação Parcial 01 - GABARITO Questões Bate Pronto. As questões 1 a 23 possuem apenas uma alternativa correta. Marque-a. 1) A água reflete muita radiação no infravermelho próximo. (5 pontos) 2) A radiação

Leia mais

Mapeamento do uso do solo para manejo de propriedades rurais

Mapeamento do uso do solo para manejo de propriedades rurais 1/45 Mapeamento do uso do solo para manejo de propriedades rurais Teoria Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Marcelo Pedroso Curtarelli 2/45 Conteúdo programático: Capitulo 1: Conceitos

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS. Thales Sehn Körting

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS. Thales Sehn Körting PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Thales Sehn Körting 2 Por que processar as imagens? Objetivo Identificar e extrair informações da imagem Transformar a imagem (aumentar o contraste, realçar bordas) de

Leia mais

Sensoriamento remoto 1. Prof. Dr. Jorge Antonio Silva Centeno Universidade Federal do Paraná 2016

Sensoriamento remoto 1. Prof. Dr. Jorge Antonio Silva Centeno Universidade Federal do Paraná 2016 Sensoriamento remoto 1 Prof. Dr. Jorge Antonio Silva Centeno Universidade Federal do Paraná 2016 Sensoriamento Remoto Resposta espectral de alvos VEGETAÇÃO Qual a cor da vegetação? Como é a resposta espectral

Leia mais

Satélites Artificiais da Terra

Satélites Artificiais da Terra Satélites Artificiais da Terra Os valores numéricos correspondem aos níveis radiométricos registados pelo sensor em cada uma das bandas espectrais. Satélites Artificiais da Terra As imagens de satélite

Leia mais

Sensoriamento Remoto I Engenharia Cartográfica. Prof. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista

Sensoriamento Remoto I Engenharia Cartográfica. Prof. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista Sensoriamento Remoto I Engenharia Cartográfica Prof. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista 2016 Coleta de dados de sensoriamento remoto A quantidade de radiação eletromagnética,

Leia mais

José Alberto Quintanilha Mariana Giannotti

José Alberto Quintanilha Mariana Giannotti José Alberto Quintanilha jaquinta@usp.br Mariana Giannotti mariana.giannotti@usp.br Estrutura da Aula Momento Satélite (Apresentação de um novo satélite a cada aula) O que é uma imagem de satélite? O histograma

Leia mais

Geoprocessamento e sensoriamento remoto como ferramentas para o estudo da cobertura vegetal. Iêdo Bezerra Sá

Geoprocessamento e sensoriamento remoto como ferramentas para o estudo da cobertura vegetal. Iêdo Bezerra Sá Geoprocessamento e sensoriamento remoto como ferramentas para o estudo da cobertura vegetal. Iêdo Bezerra Sá Engº Florestal, D.Sc. Sensoriamento Remoto/Geoprocessamento, Pesquisador Embrapa Semi-Árido

Leia mais

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DE ALVOS

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DE ALVOS O QUE É COMPORTAMENTO ESPECTRAL DE ALVOS? Importância É a medida da reflectância de um alvo ao longo do espectro eletromagnético Extração de informações sobre imagens Definição de Novos Sensores Prof.

Leia mais

1. Introdução: um breve histórico

1. Introdução: um breve histórico 1. Introdução: um breve histórico Sensoriamento Remoto no Brasil Início das Atividades 1968 - Projeto SERE 1972 - PG em SR 1973 - Recepção de dados Landsat 1975-1 a Dissertação de Mestrado Sensoriamento

Leia mais

CAPÍTULO 7 SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AOS ESTUDOS GEOLÓGICOS

CAPÍTULO 7 SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AOS ESTUDOS GEOLÓGICOS INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 7 SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AOS ESTUDOS GEOLÓGICOS Fabio Moreira INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 7 S E N S O R I A M E NT O R E M O T O A P L I C A D O A O S

Leia mais

Resoluções das Imagens fotogramétricas e digitais. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Resoluções das Imagens fotogramétricas e digitais. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Resoluções das Imagens fotogramétricas e digitais Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Classificação dos filmes aerofotogramétricos Os filmes podem ser: preto e branco ou coloridos.

Leia mais

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia. Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia. Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado Fundamentos de Sensoriamento Remoto Apresentação do Programa OBJETIVOS DO CURSO Fornecer os princípios básicos do Sensoriamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Prof. Dr. Richarde Marques Satélite Radiação solar refletida Atmosfera

Leia mais

Satélites e Sensores. Bruno Silva Oliveira

Satélites e Sensores. Bruno Silva Oliveira Satélites e Sensores Bruno Silva Oliveira São José dos Campos - SP Julho/2017 Órbita Polar Cíclica, heliossíncrona Órbita Geoestacionária Órbita Geoestacionária Quantos satélites orbitam a Terra? Satélites

Leia mais

Eng. Ambiental Geoprocessamento

Eng. Ambiental Geoprocessamento Eng. Ambiental Geoprocessamento Índices de vegetação Profa. Ligia Fonte: PONZONI; SHIMABUKURO (2007) Comportamento espectral da vegetação Estrutural: Epiderme, cutícula Mesófilo: onde encontram-se os pigamentos

Leia mais

Radiômetros imageadores

Radiômetros imageadores Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Radiômetros imageadores Professora Valéria Peixoto Borges I. SISTEMAS FOTOGRÁFICOS Levantamento aerofotogramétrico.

Leia mais

Comportamento Espectral de Alvos Vegetação. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Comportamento Espectral de Alvos Vegetação. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Comportamento Espectral de Alvos Vegetação Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Estudo do comportamento espectral de uma feição Assinatura espectral O conhecimento sobre

Leia mais

Mapeamento do uso do solo

Mapeamento do uso do solo Multidisciplinar Mapeamento do uso do solo para manejo de propriedades rurais Allan Arnesen Frederico T. Genofre Marcelo Pedroso Curtarelli CAPÍTULO 3 Aquisição de imagens e processamento de dados Neste

Leia mais

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DOS ALVOS

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DOS ALVOS Reflectância espectral característica da folha vegetal verde sadia, para o intervalo de comprimentos de onda entre 0,4 e 2,61μm. Os fatores dominantes que controlam a reflectância foliar são os vários

Leia mais

CONCEITOS RADIOMÉTRICOS

CONCEITOS RADIOMÉTRICOS CONCEITOS RADIOMÉTRICOS Irradiância: intensidade do fluxo radiante, proveniente de todas as direções, que atinge uma dada superfície. EXCITÂNCIA fluxo deixando a superfície em todas as direções CONCEITO

Leia mais

Classificação e Exemplos de Sistemas Sensores. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Classificação e Exemplos de Sistemas Sensores. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Classificação e Exemplos de Sistemas Sensores Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Plataformas e Sistemas Sensores Sistema sensor: são dispositivos capazes de detectar e registrar

Leia mais

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Características das Imagens

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Características das Imagens Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Características das Imagens Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado Remote Sensing Raster (Matrix) Data Format Jensen, 2004 Nível de Cinza Tipos de Resolução resolução

Leia mais

Sensoriamento Remoto I Engenharia Cartográfica. Prof. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista

Sensoriamento Remoto I Engenharia Cartográfica. Prof. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista Sensoriamento Remoto I Engenharia Cartográfica Prof. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista 2016 Interações Energia-Matéria na Atmosfera Energia Radiante Ao contrário

Leia mais

SENSOREAMENTO REMOTO AULA1

SENSOREAMENTO REMOTO AULA1 O QUE É? SENSOREAMENTO REMOTO AULA1 QUAL A DIFERENÇA ENTRE FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSOREAMENTO REMOTO?. SENSOREAMENTO REMOTO AULA1 O QUE É? SENSOREAMENTO REMOTO AULA1 O Sensoriamento Remoto - SR, segundo

Leia mais

Sensoriamento Remoto: Imagens orbitais e resoluções. Patricia M. P. Trindade; Douglas S. Facco; Waterloo Pereira Filho.

Sensoriamento Remoto: Imagens orbitais e resoluções. Patricia M. P. Trindade; Douglas S. Facco; Waterloo Pereira Filho. Sensoriamento Remoto: Imagens orbitais e resoluções Patricia M. P. Trindade; Douglas S. Facco; Waterloo Pereira Filho. Fases de aquisição de uma cena Captação; Estação de processamento, arquivamento, distribuição.

Leia mais

Fundamentos de Sensoriamento Remoto. Elisabete Caria Moraes (INPE) Peterson Ricardo Fiorio

Fundamentos de Sensoriamento Remoto. Elisabete Caria Moraes (INPE) Peterson Ricardo Fiorio Fundamentos de Sensoriamento Remoto Elisabete Caria Moraes (INPE) Peterson Ricardo Fiorio Processos de Transferência de Energia Corpos com temperatura acima de 0 K emite energia devido às oscilações atômicas

Leia mais

SISTEMA DE COLETA. Fonte de. Trajetória. ria PRODUTOS INTERAÇÃO SISTEMA TRATAMENTO. Produto final AÇÕES

SISTEMA DE COLETA. Fonte de. Trajetória. ria PRODUTOS INTERAÇÃO SISTEMA TRATAMENTO. Produto final AÇÕES Fonte de radiação SISTEMA DE COLETA Trajetória ria PRODUTOS INTERAÇÃO SISTEMA TRATAMENTO AÇÕES Produto final OS EQUIPAMENTOS UTILIZADOS PARA MEDIR a REM SÃO GENERICAMENTE DENOMINADOS RADIÔMETROS Radio

Leia mais

Bacharelado em Engenharia Agronômica AGROMETEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA. Prof. Samuel Silva. Radiação Solar. IFAL/Piranhas

Bacharelado em Engenharia Agronômica AGROMETEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA. Prof. Samuel Silva. Radiação Solar. IFAL/Piranhas Bacharelado em Engenharia Agronômica AGROMETEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA Prof. Samuel Silva Radiação Solar IFAL/Piranhas Diâmetro Sol: 1.392.684 km Terra: 12.742 km Estratificação da Atmosfera Terrestre

Leia mais

Satélites e Sensores. Bruno Silva Oliveira

Satélites e Sensores. Bruno Silva Oliveira Satélites e Sensores Bruno Silva Oliveira São José dos Campos - SP Julho/2016 Órbita Polar Cíclica, heliossíncrona Órbita Geoestacionária Órbita Geoestacionária Quantos satélites orbitam a Terra? Satélites

Leia mais

Satélites e Sensores. Profa. Ligia Flávia Antunes Batista

Satélites e Sensores. Profa. Ligia Flávia Antunes Batista Satélites e Sensores Profa. Ligia Flávia Antunes Batista Referências Slides baseados em: Geomática Aplicada à Gestão de Recursos Hídricos. PROF. ALEXANDRE ROSA DOS SANTOS. UNIVERSIDADE FEDERAL DOS ESPÍRITO

Leia mais

Qualidade Radiométrica das Imagens Sensor ADS40

Qualidade Radiométrica das Imagens Sensor ADS40 Qualidade Radiométrica das Imagens Sensor ADS40 O sensor ADS40 (Airborne Digital Sensor) é um Sensor Digital Linear de alta resolução geométrica e radiométrica desenvolvido pela Leica Geosystems. O sensor

Leia mais

Prof o. Ti T a i go B adr d e r Mar a ino n Geoprocessamento D pa p rtam a ent n o de d Ge G oc o iê i nc n ias Instituto de Agronomia - UFRRJ

Prof o. Ti T a i go B adr d e r Mar a ino n Geoprocessamento D pa p rtam a ent n o de d Ge G oc o iê i nc n ias Instituto de Agronomia - UFRRJ Resoluções das Imagens O termo resolução em sensoriamento remoto se desdobra na verdade em três diferentes (e independentes) parâmetros: resolução espacial, resoluçãoo espectral e resolução radiométrica

Leia mais

Sistemas Sensores Passivos. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Sistemas Sensores Passivos. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Sistemas Sensores Passivos Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Exemplos de Sistemas e Plataformas mais utilizados 1 satélite da série: 1972... Série LANDSAT Objetivo: monitorar

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO

INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB838 SENSORIAMENTO REMOTO II - PRIMEIRO SEMESTRE DE 2010 PROF. DR. CARLOS

Leia mais

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Sensoriamento remoto é um termo utilizado na área das ciências aplicadas que se refere à obtenção

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Ministério da Ciência e Tecnologia

Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Ministério da Ciência e Tecnologia Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Ministério da Ciência e Tecnologia O INPE e a Amazônia PRODES - Monitoramento do desmatamento em formações florestais

Leia mais

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Comportamento Espectral dos Objetos Fernando Shinji Kawakubo Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado O que é? Comportamento Espectral É o estudo da interação da

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Sensoriamento

Curso de Extensão: Noções de Sensoriamento UFBA Curso de Extensão: Noções de Sensoriamento IPF Institut für Photogrammetrie und Fernerkundung Mauro Alixandrini Universität Karlsruhe (TH) Universität Karlsruhe (TH) www.kit.edu 04.08 Noções de Sensoriamento

Leia mais

ESTIMATIVA DO ALBEDO E TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS PARA O MUNICÍPIO DE BARRA BONITA SP

ESTIMATIVA DO ALBEDO E TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS PARA O MUNICÍPIO DE BARRA BONITA SP ESTIMATIVA DO ALBEDO E TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS PARA O MUNICÍPIO DE BARRA BONITA SP Laurizio Emanuel Ribeiro Alves 1 ; Heliofábio Barros Gomes 1 ; Sandro Correia de Holanda

Leia mais

PMI 3331 GEOMÁTICA APLICADA À ENGENHARIA DE PETRÓLEO

PMI 3331 GEOMÁTICA APLICADA À ENGENHARIA DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Politécnica Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo PMI Graduação em Engenharia de Petróleo PMI 3331 GEOMÁTICA APLICADA À ENGENHARIA DE PETRÓLEO COMPORTAMENTO

Leia mais

Fundamentos de Sensoriamento Remoto. Elisabete Caria Moraes

Fundamentos de Sensoriamento Remoto. Elisabete Caria Moraes Fundamentos de Sensoriamento Remoto Elisabete Caria Moraes bete@dsr.inpe.br Login: guestuser Senha: 5554DZ9M Sensoriamento Remoto Adquirir informações a distância Sensoriamento Remoto Sensoriamento

Leia mais

Uso de Imagens de Satélite para o Estudo do Uso da Terra e Sua Dinâmica

Uso de Imagens de Satélite para o Estudo do Uso da Terra e Sua Dinâmica 2 Uso de Imagens de Satélite para o Estudo do Uso da Terra e Sua Dinâmica Elaine Cristina Cardoso Fidalgo, Maurício Rizzato Coelho, Fabiano de Oliveira Araújo, Humberto Gonçalves dos Santos, Maria de Lourdes

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) CONCEITOS BÁSICOS DE SR REPRESENTAÇÃO DAS IMAGENS DIGITAIS CALIBRÃÇÃO RADIOMÉTRICA. Daniel C.

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) CONCEITOS BÁSICOS DE SR REPRESENTAÇÃO DAS IMAGENS DIGITAIS CALIBRÃÇÃO RADIOMÉTRICA. Daniel C. PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) CONCEITOS BÁSICOS DE SR REPRESENTAÇÃO DAS IMAGENS DIGITAIS CALIBRÃÇÃO RADIOMÉTRICA Daniel C. Zanotta PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) Co-fundador do CEPSRM-UFRGS

Leia mais

Pedro Quarto Júnior 1 Mileide de Holanda Formigoni 1 Alexandre Cândido Xavier 1 Julião Soares de Souza Lima 1

Pedro Quarto Júnior 1 Mileide de Holanda Formigoni 1 Alexandre Cândido Xavier 1 Julião Soares de Souza Lima 1 Investigação empírica do NDVI de sensores distintos utilizando dados do EO-1/ Hyperion Pedro Quarto Júnior 1 Mileide de Holanda Formigoni 1 Alexandre Cândido Xavier 1 Julião Soares de Souza Lima 1 1 Universidade

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

Sensoriamento Remoto: Sistemas de imageamento e níveis de aquisição de dados. Patricia M. P. Trindade; Douglas S. Facco; Waterloo Pereira Filho.

Sensoriamento Remoto: Sistemas de imageamento e níveis de aquisição de dados. Patricia M. P. Trindade; Douglas S. Facco; Waterloo Pereira Filho. Sensoriamento Remoto: Sistemas de imageamento e níveis de aquisição de dados Patricia M. P. Trindade; Douglas S. Facco; Waterloo Pereira Filho. Recapitulando... Os sensores podem ser: Imageadores ou Não-imageadores

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Sensoriamento

Curso de Extensão: Noções de Sensoriamento UFBA Curso de Extensão: Noções de Sensoriamento IPF Institut für Photogrammetrie und Fernerkundung Mauro Alixandrini Universität Karlsruhe (TH) www.kit.edu 04.08 Noções de Sensoriamento Remoto Aula 2 Comportamento

Leia mais

Sensoriamento Remoto I Engenharia Cartográfica. Prof. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista

Sensoriamento Remoto I Engenharia Cartográfica. Prof. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista Sensoriamento Remoto I Engenharia Cartográfica Prof. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista 2016 Informes! 1) Data da prova #1: 09/05/2016 1) Conteúdo? até a aula anterior

Leia mais

Sensoriamento Remoto Hiperespectral PPGCC. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista Presidente Prudente

Sensoriamento Remoto Hiperespectral PPGCC. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista Presidente Prudente Sensoriamento Remoto Hiperespectral PPGCC Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista Presidente Prudente 2014 Conceitos Radiométricos Básicos Uma breve revisão 1. Energia

Leia mais

Fundamentos do Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Fundamentos do Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Fundamentos do Sensoriamento Remoto Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Fundamentos do Sensoriamento Remoto Procedimentos destinados a obtenção de imagens mediante o registro

Leia mais

Vinícius Emmel Martins 2, Dieison Morozoli Da Silva 3, Sidnei Luís Bohn Gass 4

Vinícius Emmel Martins 2, Dieison Morozoli Da Silva 3, Sidnei Luís Bohn Gass 4 CORREÇÃO ATMOSFÉRICA DE IMAGENS DE SATÉLITE PARA FINS DE MAPEAMENTO TEMPORAL DE USO E COBERTURA DO SOLO 1 ATMOSFERIC CORRECTION OF SATELLITE IMAGES FOR MAPPING TEMPORAL LAND USE AND LAND COVER Vinícius

Leia mais

Carlos Fernando Quartaroli Luiz Eduardo Vicente Luciana Spinelli de Araújo

Carlos Fernando Quartaroli Luiz Eduardo Vicente Luciana Spinelli de Araújo 4 Sensoriamento Remoto Carlos Fernando Quartaroli Luiz Eduardo Vicente Luciana Spinelli de Araújo 89 O que é sensoriamento remoto? É a aquisição de informações sobre um objeto mediante análise de dados

Leia mais

Sensoriamento Remoto (SR) Orbital: sistemas sensores e satélites de observação terrestre

Sensoriamento Remoto (SR) Orbital: sistemas sensores e satélites de observação terrestre Sensoriamento Remoto (SR) Orbital: sistemas sensores e satélites de observação terrestre Agenda: Sensoriamento Remoto Conceituação Orbital A energia eletromagnética Sistemas Sensores Sistemas Orbitais

Leia mais

Radiometria e Princípios de Sensoriamento Remoto Hiperespectral

Radiometria e Princípios de Sensoriamento Remoto Hiperespectral Radiometria e Princípios de Sensoriamento Remoto Hiperespectral - Porto Alegre, Outubro de 2006 - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) Divisão de Sensoriamento Remoto (DSR) São José dos Campos

Leia mais

Estimativa da Temperatura da TST

Estimativa da Temperatura da TST Estimativa da Temperatura da Superfície Terrestre TST Estimativa da TST TST estimada a partir da temperatura de brilho (TB) (temperatura radiante radiação emitida pela superfície) A TB é uma estimativa

Leia mais

Sistema de Sensoriamento remoto

Sistema de Sensoriamento remoto Sistema de Sensoriamento remoto Fonte de radiação sensores Trajetória espalhamento absorção Produto interação alvo Tratamento dos dados Usuário Mauricio Alves Moreira -INPE - PARA O SENSORIAMENTO REMOTO

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO

INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

José Alberto Quintanilha Mariana Giannotti

José Alberto Quintanilha Mariana Giannotti José Alberto Quintanilha jaquinta@usp.br Mariana Giannotti mariana.giannotti@usp.br Estrutura da Aula O que é Sensoriamento Remoto REM Atmosfera e Janelas Atmosféricas Assinatura Espectral Comportamento

Leia mais

Interpretacão de Imagens. Teresa G.Florenzano DSR/INPE

Interpretacão de Imagens. Teresa G.Florenzano DSR/INPE Interpretacão de Imagens Teresa G.Florenzano DSR/INPE Aquisição de dados Fonte: Florenzano (2007) Espectro Eletromagnético Fonte: Florenzano (2007) Curvas espectrais Sensores e Satélites Sensores remotos:

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO: CONCEITOS, TENDÊNCIAS E APLICAÇÕES. Imagens de Satélites Orbitais

SENSORIAMENTO REMOTO: CONCEITOS, TENDÊNCIAS E APLICAÇÕES. Imagens de Satélites Orbitais Distribuidor Erdas e RapidEye no Brasil SENSORIAMENTO REMOTO: CONCEITOS, TENDÊNCIAS E APLICAÇÕES Imagens de Satélites Orbitais Contato: Santiago & Cintra Consultoria E-mail: contato@sccon.com.br Fone:

Leia mais

Flávio Vaz José Alberto Quintanilha Mariana Giannotti

Flávio Vaz José Alberto Quintanilha Mariana Giannotti Flávio Vaz flaviovaz@usp.br José Alberto Quintanilha jaquinta@usp.br Mariana Giannotti mariana.giannotti@usp.br Estrutura da Aula O que é Sensoriamento Remoto REM Atmosfera e Janelas Atmosféricas Assinatura

Leia mais

Allan Arantes PEREIRA 1 ; Thomaz Alvisi de OLIVEIRA 1 ; Mireile Reis dos SANTOS 1 ; Jane Piton Serra SANCHES 1

Allan Arantes PEREIRA 1 ; Thomaz Alvisi de OLIVEIRA 1 ; Mireile Reis dos SANTOS 1 ; Jane Piton Serra SANCHES 1 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG APLICAÇÕES DE GEOTECNOLOGIAS NA ANÁLISE ESPAÇO-TEMPORAL DAS TENDÊNCIAS DE

Leia mais

Sensoriamento Remoto Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto Imagens Orbitais INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SC CAMPUS FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE AGRIMENSURA Sensoriamento Remoto Imagens Orbitais Prof. Angelo Martins Fraga

Leia mais

REFLECTÂNCIA DA FOLHA

REFLECTÂNCIA DA FOLHA PROPRIEDADES ESPECTRAIS DA VEGETAÇÃO Reflectância da Folha; Reflectância do Dossel; Índices de Vegetação e Parâmetros do Dossel; Fatores que Afetam a Determinação de Índices de Vegetação; Fatores Relacionados

Leia mais

Fusão de imagens MODIS com NDVI do Landsat para a classificação de áreas de cultivo de Soja

Fusão de imagens MODIS com NDVI do Landsat para a classificação de áreas de cultivo de Soja Fusão de imagens MODIS com NDVI do Landsat para a classificação de áreas de cultivo de Soja Paula Debiasi 1 Rafael Rodrigo Eckhardt 1 Giovani Castolldi 1 Roberta Madruga 1 André Coutinho 1 1 Centro Estadual

Leia mais

Processamento Digital de Imagens - PDI

Processamento Digital de Imagens - PDI Processamento Digital de Imagens - PDI x Definição: x Manipulação da imagem por computador x Área Multidisciplinar: x Ótica x Engenharia Elétrica x Colorimetria x Neurofisiologia x Ciência da Computação

Leia mais

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Características dos Sensores Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa TAMANHO DO PIXEL Alta Resolução Média Resolução Cobertura Sinótica Meteorológicos

Leia mais

Interações com a Atmosfera. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Interações com a Atmosfera. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Interações com a Atmosfera Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Interação com a Atmosfera A energia eletromagnética proveniente do sol, deve atravessar a atmosfera antes de

Leia mais

LAB 1 - GEOPROCESSAMENTO Introdução à imagem multiespectral e assinatura espectral de alvos

LAB 1 - GEOPROCESSAMENTO Introdução à imagem multiespectral e assinatura espectral de alvos LAB 1 - GEOPROCESSAMENTO Introdução à imagem multiespectral e assinatura espectral de alvos Neste laboratório, você começará a trabalhar com imagens multiespectrais. O objetivo do laboratório é desenvolver

Leia mais

3 - AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE

3 - AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE 3 - AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE A Figura 1 ilustra o espectro eletromagnético e as respectivas bandas espectrais do sensor TM e ETM do satélite Landsat. O Quadro 1 indica os intervalos espectrais

Leia mais

Departamento de Agronomia UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO

Departamento de Agronomia UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Tecnologias utilizadas na agricultura de precisão. Os sensores Interacção da EEM com os objetos. Assinaturas espetrais. A cor dos objetos vs sensores óticos Sensores óticos vs deteção remota Caraterização

Leia mais

REFLECTÂNCIA ESPECTRAL DA ÁGUA

REFLECTÂNCIA ESPECTRAL DA ÁGUA REFLECTÂNCIA ESPECTRAL DA ÁGUA Radiação Eletromagnética no Ambiente Aquático; Absorção e Espalhamento da Luz em um Corpo D água; Influência Espectral dos Componentes da Água; Sensoriamento Remoto de Ambientes

Leia mais

Imagens Ópticas QUAL O PROBLEMA DESTA CENA...? 3B 4G 5R Sul de Santarém Pará. TM/Landsat

Imagens Ópticas QUAL O PROBLEMA DESTA CENA...? 3B 4G 5R Sul de Santarém Pará. TM/Landsat Radar imageador Imagens Ópticas QUAL O PROBLEMA DESTA CENA...? TM/Landsat 3B 4G 5R Sul de Santarém Pará Imagens de Radar E QUAL O PROBLEMA DESTA CENA...? JERS-1 SAR Banda L (23 cm) Radar Conceito O termo

Leia mais

IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE

IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 3 PARTE B IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE Paulo Roberto Martini INPE

Leia mais