O PROGRAMA 5 S. Prof.ª Ghislaine Bonduelle, Drª UFPR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROGRAMA 5 S. Prof.ª Ghislaine Bonduelle, Drª UFPR"

Transcrição

1 O PROGRAMA 5 S Prof.ª Ghislaine Bonduelle, Drª UFPR

2 SUMÁRIO O PROGRAMA 5 S (PROGRAMA 8 S) O PROGRAMA 8 S IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA 5 S / 8 S MANUTENÇÃO DO PROGRAMA 5 S / 8 S A EDUCAÇÃO E O 5 S / 8 S CONCLUSÃO 2

3 O PROGRAMA 5 S (PROGRAMA 8S) 1- INTRODUÇÃO O programa 5 S, é um conjunto simples que, ao serem praticados, são capazes de modificar o seu humor, o seu ambiente de trabalho, a maneira de conduzir suas atividades rotineiras e as suas atitudes. Ao conhecer o significado de cada S você poderá avaliar melhor o porquê do uso deste termo auxiliar. O 5 S equivale ao Jardim de Infância da Qualidade Total dentro de uma empresa. Sua filosofia é profunda e envolve mudanças comportamentais, que acompanharão as pessoas onde quer que elas estejam. A mudança de hábito é lenta e portanto deve-se ter paciência. Devido ao aumento da concorrência, maior exigência dos clientes e desenvolvimento da tecnologia a qualidade de serviços dentro de uma empresa ganhou grande importância, por isso da necessidade das empresas instalarem o Programa 5 S. As empresas têm encontrado no sistema integrado de gestão pela qualidade, denominado pelos japoneses de Total Quality Control TQC, no Brasil denominado genericamente de Gestão pela Qualidade Total GQT, um sistema administrativo suficientemente forte e ágil para garantir a sua sobrevivência e desenvolver um clima que conduza os funcionários à emoção pelo trabalho. O programa 5 S tem o objetivo específico de melhorar as condições de trabalho e criar na organização o ambiente da qualidade, tornando-o altamente estimulador para que as pessoas possam transformar os seu potenciais em realização. A prática nas empresas tem mostrado que o Programa 5 S representa uma oportunidade inigualável de mobilização dos empregados, preparando o caminho para a introdução de programas de qualidade mais avançados. 2- HISTÓRICO 3

4 As atividades do 5 S tiveram início no Japão, logo após a Segunda Guerra Mundial, para combater a sujeira das fábricas, tendo sido formalmente lançado no Brasil em O termo 5 S é derivado de cinco palavras em japonês, todas iniciadas com a letra S, porém na tradução para o português não conseguiu-se encontrar palavras que começassem com a letra S. Sendo a melhor forma encontrada acrescentar o termo senso de antes de cada palavra, que tem o significado de aplicação correta da razão para julgar ou raciocinar em cada caso particular. Tabela do significado dos Sensos Japonês Inglês Português. S Japonês Inglês Português 1º Seiri Sorting Utilização Arrumação Organização Seleção 2º Seiton Systematyzing Ordenação Sistematização Classificação 3º Seisou Sweeping Limpeza Zelo 4º Seiketsu Sanitizing Asseio Higiene Saúde Integridade 5º Shitsuke Sefl-disciplining Autodisciplina Educação Compromisso 4

5 3- DESCRIÇÃO DE CADA S 1º. utilização Relaciona-se à identificar materiais, equipamentos, ferramentas, utensílios, informações e dados necessários e desnecessários, descartando ou dando a devida destinação àquilo considerado desnecessário ao desenvolvimento das atividades. Seu conceito chave é a utilidade, porém, devemos tomar cuidado com o que vai ser descartado para não perdermos informações e documentos importantes. As principais vantagens dessa técnica são resumidamente: Ganho de espaço; Maior segurança; Facilidade de limpeza e manutenção; Melhor controle de estoque; Redução de custos; Disposição mental para a qualidade; Reaproveitamento de recursos; Realocação de pessoas que não estão sendo bem utilizadas; Combate à burocracia; É importante que além de identificar os excessos, é necessário também que haja a preocupação em identificar o porquê do excesso e evitar que o acúmulo destes excessos volte a ocorrer, o que é denominado de bloqueio das causas. Deve-se verificar que a responsabilidade de quem descarta só termina no momento em que o material descartado chega ao destino final. Ter senso de utilização, é também, preservar consigo apenas os sentimentos valiosos como o amor, amizade, sinceridade, companheirismo, compreensão, descartando sentimentos negativos, fortalecendo e ampliando a convivência apenas com sentimentos valiosos. Aplicação do Utilização: Classificar os objetos e dados necessários e desnecessários; Os objetos e dados necessários devem ser agrupados conforme a freqüência de uso Quanto aos objetos e dados desnecessários no trabalho verificar: - sem uso potencial vender ou dispor; - potencialmente úteis ou valiosos transferir para onde forem úteis; Promover uma faxina geral inicial, aproveitando par listar os equipamentos e materiais que precisarão ser removidos ou consertados; 5

6 This document was created with Win2PDF available at The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only. This page will not be added after purchasing Win2PDF.

Programa 5S. Profa. Reane Franco Goulart

Programa 5S. Profa. Reane Franco Goulart Programa 5S Profa. Reane Franco Goulart 1 Real Conceito do Programa 5S Devido ao novo cenário econômico mundial intensificado pela globalização fica mais intenso o código de defesa do consumidor em função

Leia mais

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA Seção I: Receitas decorrentes da venda de mercadorias por elas industrializadas não sujeitas a substituição tributária, exceto as receitas decorrentes

Leia mais

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Prof. Alan Schmitt 1 O que é o Programa dos 5s? É um programa de melhoria comportamental, cuja principal característica é a simplicidade. Seus conceitos são bastante profundos

Leia mais

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO FATEC-SP CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO Prof. Me. Francisco Tadeu Degasperi Janeiro de 2005 Agradeço a colaboração do Tecnólogo Alexandre Cândido de Paulo Foi Auxiliar de Docente do LTV da Fatec-SP Atualmente

Leia mais

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade Desenvolvido no Japão, pós Segunda Guerra Mundial, o Programa 5S (conhecido também como Housekeeping) era um método utilizado pelos pais para ensinar a seus filhos os

Leia mais

Cardans de Trat ores

Cardans de Trat ores Cardans de Trat ores Com o código da Montadora ou do Fabricante, montamos qualquer tipo de Cardans e fornecemos seus componentes avulsos. N DA MONTADORA TRATORES JONH DEERE PRODUTO OBS. SERIE DQ44685 CARDAN

Leia mais

SISTEMA 5S. Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval CoTCN

SISTEMA 5S. Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval CoTCN Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval CoTCN SISTEMA 5S Sâmara Pinto Souza, 3 Período Matrícula: 1011367282 Rio de Janeiro 2011 SISTEMA 5S Trabalho

Leia mais

Técnicas e Ferramentas da Qualidade. Apresentação da Professora. Aula 1. Contextualização. Organização da Aula. Função e Objetivos da Qualidade

Técnicas e Ferramentas da Qualidade. Apresentação da Professora. Aula 1. Contextualização. Organização da Aula. Função e Objetivos da Qualidade Técnicas e Ferramentas da Qualidade Aula 1 Apresentação da Professora Profa. Rosinda Angela da Silva Organização da Aula Visão geral da área de Qualidade A importância do uso de Ferramentas Qualificação

Leia mais

Objetivos do curso. Durante este curso iremos:

Objetivos do curso. Durante este curso iremos: Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Housekeeping 5S Objetivos do curso Este curso é dirigido a todos

Leia mais

Podemos representar a relação existente entre as entidades de um relacionamento 1:1 através do conjunto abaixo:

Podemos representar a relação existente entre as entidades de um relacionamento 1:1 através do conjunto abaixo: MÓDULO 10 MODELAGEM DE DADOS II Os relacionamentos devem ser enquadrados em três grandes grupos para que possam cumprir a finalidade de expressar a semântica das associações entre as entidades. As três

Leia mais

PROGRAMA 5S. Uma dose de BOM SENSO em tudo o que a gente faz.

PROGRAMA 5S. Uma dose de BOM SENSO em tudo o que a gente faz. Uma dose de BOM SENSO em tudo o que a gente faz. Deve-se ter em mente: que não há nada mais difícil de executar, nem de sucesso mais duvidoso, nem mais perigoso de se conduzir, do que iniciar uma nova

Leia mais

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva.

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva. MANUAL DE PROCEDIMENTOS Formulários on-line SISTEMAS INTEGRADOS MANUAL DE PROCEDI MENTOS PADRÃO Formulários on-line Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da

Leia mais

Housekeeping 5S. Gestão e otimização da produção. Gestão e Otimização da Produção. Marco Antonio Dantas de Souza

Housekeeping 5S. Gestão e otimização da produção. Gestão e Otimização da Produção. Marco Antonio Dantas de Souza Gestão e otimização da produção Housekeeping 5S Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho 1 Fonte: www.tpfeurope.com/en_5sinfo.html 2 1 O é uma filosofia

Leia mais

Ambiente 1: Colônia de Pesca do Rio Vermelho

Ambiente 1: Colônia de Pesca do Rio Vermelho 186 Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia M E S T R A D O E M A R T E S V I S U A I S Linha: Processos Criativos nas Artes Visuais Orientadora: profª drª Sônia Rangel Aluna: Maria Isabel

Leia mais

MATEMÁTICA DISCRETA E LÓGICA MATEMÁTICA PROF. APARECIDO EDILSON MORCELLI

MATEMÁTICA DISCRETA E LÓGICA MATEMÁTICA PROF. APARECIDO EDILSON MORCELLI MATEMÁTICA DISCRETA E LÓGICA MATEMÁTICA PROF. APARECIDO EDILSON MORCELLI CONSTRUÇÃO DA TABELA- VERDADE Dada a fórmula: {A [C (A C)]} Observamos três ocorrências de conectivos:,,. O último é a primeira

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 10: PLANEJAMENTO E PRINCÍPIOS DO DESIGN Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro Data:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA CONSTRUÇÃO CIVIL UNIFEBE Centro Universitário de Brusque Engenharia Civil Construção Civil II SISTEMA DE GESTÃO DA DEFESA CIVIL/SC 300 CASAS QUALIDADE PARA CONSTRUÇÃO CIVIL Prof. Diogo Visconti GESTÃO DA QUALIDADE NORMALIZAÇÃO

Leia mais

Os 5 sensos da qualidade. Mestrando: Rodrigo Andreo Santos Orientador: Fernando Miranda de Vargas Junior

Os 5 sensos da qualidade. Mestrando: Rodrigo Andreo Santos Orientador: Fernando Miranda de Vargas Junior Os 5 sensos da qualidade Mestrando: Rodrigo Andreo Santos Orientador: Fernando Miranda de Vargas Junior Principal objetivo da Técnica dos 5S Melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores, diminuindo os

Leia mais

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração Secretaria de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

AFRF Exercícios Tele-Transmitido. Prof. Sérgio Altenfelder Estatística - 01

AFRF Exercícios Tele-Transmitido. Prof. Sérgio Altenfelder Estatística - 01 01. Para dados agrupados representados por uma curva de freqüências, as diferenças entre os valores da média, da mediana e da moda são indicadores da assimetria da curva. Indique a relação entre essas

Leia mais

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração Secretaria de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração Secretaria de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Prof.ª: Suziane Antes Jacobs

Prof.ª: Suziane Antes Jacobs Prof.ª: Suziane Antes Jacobs Introdução Filosofia de qualidade originária do Japão Objetivo: elevar a organização a um nível superior de qualidade Japonês Seiri Seiton Seiso Seiketsu Shitshuke Português

Leia mais

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração Secretaria de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Aula 03 Conceitos Atuais de Manutenção

Aula 03 Conceitos Atuais de Manutenção TPM. (Total Productive Maintenance): O TPM consiste em um procedimento de administração da manutenção que teve início por volta dos anos 50 e apresentou resultados expressivos na economia Japonesa na década

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PLANO DE TRABALHO INDIVIDUAL ATIVIDADES EM DESENVOLVIMENTO ENSINO ORIENTAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PLANO DE TRABALHO INDIVIDUAL ATIVIDADES EM DESENVOLVIMENTO ENSINO ORIENTAÇÃO Amilton Giácomo Tomasi DECF 2007/2 EFETIVO Mestre 40 Estatutário Contabilidade Gerencial ADM/Empresarial (vespertino) 2º 4 ESTÁGIO 02 ADM/Empresarial 7º e 8º 02 Secretário de Comunicação Portaria Reitoria

Leia mais

Veja o gráfico a seguir. Ele mostra o histórico das vendas do produto.

Veja o gráfico a seguir. Ele mostra o histórico das vendas do produto. Módulo 2 Ciclo de Vida do Produto Os produtos são lançados, tendo sucesso começará a vender cada vez mais até atingir um pico de vendas e passará a cair. Usa-se em marketing a imagem de um ser vivo para

Leia mais

Capítulo 13 - A Análise SWOT

Capítulo 13 - A Análise SWOT Capítulo 13 - A Análise SWOT O objetivo da SWOT é definir estratégias para manter pontos fortes, reduzir a intensidade de pontos fracos, aproveitando oportunidades e protegendo-se de ameaças.(vana, Monteiro

Leia mais

Dumping, Subsídios e Salvaguardas

Dumping, Subsídios e Salvaguardas Conceito Dumping, Subsídios e Salvaguardas Considera-se haver prática de dumping, isto é, oferta de um produto no comércio de outro país a preço inferior a seu valor normal, no caso de o preço de exportação

Leia mais

Responsável: Gerente de Projetos e TI Revisado em:

Responsável: Gerente de Projetos e TI Revisado em: Responsável: Revisado em: Abrangência/Aplicação Área de Vendas: Todos os cargos. Área Técnica: Todos os cargos. Serviços Compartilhados: Todos os cargos. Objetivos Estabelecer critérios, responsabilidades,

Leia mais

Quem são esses Senhores?

Quem são esses Senhores? 5 S Quem são esses Senhores? Vagner Marques Diretor Administrativo e Financeiro I Jornadas Ibéricas de Metrologia e Qualidade - ESCE-IPVC 3 de Junho de 2016 1. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2. Conceito 5 S A

Leia mais

FERRAMENTAS DE MELHORIA CONTÍNUA 5S; 6 SIGMA

FERRAMENTAS DE MELHORIA CONTÍNUA 5S; 6 SIGMA FERRAMENTAS DE MELHORIA CONTÍNUA 5S; 6 SIGMA PROCESSO DE MELHORIA CONTÍNUA O 5S se baseia em cinco passos aparentemente muito simples para embasar o desenvolvimento da qualidade. São eles: organização,

Leia mais

Nilson do Rosário Costa 1, Ana Paula Coelho 2, Maria Thereza Fortes 3 e Vanina Matos 4

Nilson do Rosário Costa 1, Ana Paula Coelho 2, Maria Thereza Fortes 3 e Vanina Matos 4 IX Encontro Nacional da Associação Nacional de Economia da Saúde, Rio de Janeiro, dez/2009. A posição regional das empresas no mercado de planos privados de assistência à saúde Nilson do Rosário Costa

Leia mais

Princípios Orçamentários

Princípios Orçamentários 01. Acerca dos princípios orçamentários aceitos em nosso país, é incorreto afirmar a) a existência da separação do orçamento da União em fiscal, de investimento das estatais e da seguridade social não

Leia mais

A nossa catedral, concebida na primeira metade do século passado, foi projetada para um número de pessoas hoje não mais compatível quando em grandes

A nossa catedral, concebida na primeira metade do século passado, foi projetada para um número de pessoas hoje não mais compatível quando em grandes Catedral de goiânia TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO II Universidade Católica de Goiás Departamento de artes e Arquitetura TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO II Professor: Antonio LÚCIO ALUNO: igor toscani A nossa

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento. Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento. Instrutor: José Roberto Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto 5 S Introdução PROGRAMA 5 S Surgiu no Japão final da década de 60 - É a visão sistêmica de todos os agentes envolvidos no processo produtivo,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO 5S E GESTÃO DE ESTOQUES DE ITENS PARA AULA PRÁTICA: EXPERIÊNCIA NO CAMPUS EXPERIMENTAL DE ITAPEVA.

UTILIZAÇÃO DO 5S E GESTÃO DE ESTOQUES DE ITENS PARA AULA PRÁTICA: EXPERIÊNCIA NO CAMPUS EXPERIMENTAL DE ITAPEVA. UTILIZAÇÃO DO 5S E GESTÃO DE ESTOQUES DE ITENS PARA AULA PRÁTICA: EXPERIÊNCIA NO CAMPUS EXPERIMENTAL DE ITAPEVA. MELHORES PRÁTICAS DE GESTÃO UNESP ÁGUAS DE LINDÓIA/SP SETEMBRO/2010 Introdução O entendimento

Leia mais

Porque mudar é preciso!!

Porque mudar é preciso!! 5S Porque mudar é preciso!! COMO SURGIU: Após a Segunda Guerra (1950), o Japão, sem recursos, reuniu engenheiros japoneses e americanos para criar um método de combate ao desperdício Nosso Hospital SEIRI

Leia mais

OBJETIVOS. O que são os 5 S

OBJETIVOS. O que são os 5 S OBJETIVOS Preparar uma empresa, departamento, bairro, escola, cidade, ou qualquer espaço físico para uma intervenção de melhoria no ambiente. Histórico Concebido por Kaoru Ishikawa; 0 no Japão; Colocar

Leia mais

Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos. Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre

Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos. Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre Pode-se criar um ambiente de qualidade em torno de si, usando as mãos para agir,

Leia mais

MÓDULO 16 PLANEJAMENTO DE CONSTRUÇÃO, TESTES E DOCUMENTAÇÃO DO SISTEMA

MÓDULO 16 PLANEJAMENTO DE CONSTRUÇÃO, TESTES E DOCUMENTAÇÃO DO SISTEMA MÓDULO 16 PLANEJAMENTO DE CONSTRUÇÃO, TESTES E DOCUMENTAÇÃO DO SISTEMA Quando falamos para os alunos sobre projeto e desenvolvimento de sistemas de informação eles pensam logo em programar. A programação

Leia mais

Ano / Turma: Data: / / Classificação: Observações: Espaço do aluno

Ano / Turma: Data: / / Classificação: Observações: Espaço do aluno Es c o la Bá s i c a d o s 2 º e 3 º c i c lo s d e S an t o An t ó n i o Ficha de Avaliação Sumativa M a t e m á t i c a Nome: N.º Professor: Ano / Turma: Data: / / Classificação: Observações: A MINHA

Leia mais

IX Encontro Nacional da

IX Encontro Nacional da IX Encontro Nacional da Economia da Saúde Inserção de Sistema Gerencial e o Bahia - Brasil ABrES 20 anos Rio de Janeiro, 2009 Definição: É um sistema gerencial, integrado aos sistemas corporativos do Estado,

Leia mais

PALESTRA SOBRE CUIDADOS COM A HIGIENE: PALESTRA SOBRE METODO DE TEMPO E TEMPERTAURAS

PALESTRA SOBRE CUIDADOS COM A HIGIENE: PALESTRA SOBRE METODO DE TEMPO E TEMPERTAURAS PALESTRA SOBRE CUIDADOS COM A HIGIENE: Melhorar hábitos de higiene. Diminuir índices de contaminação em alimentos PALESTRA SOBRE METODO DE TEMPO E TEMPERTAURAS Importância do controle de tempos e temperaturas.

Leia mais

Ar qu it e t u r a a de e Sist e m a s Ope r a cion a is Fa bia n o o Ut iy a m a Ca pít u lo o 8 Ge r ê n cia a do o Pr oce ssa dor

Ar qu it e t u r a a de e Sist e m a s Ope r a cion a is Fa bia n o o Ut iy a m a Ca pít u lo o 8 Ge r ê n cia a do o Pr oce ssa dor Arquitetura de Sistem as Operacionais Fabiano Utiyam a Capítulo 8 Gerência do Processador 8/1 I ntrodução Com o surgimento dos sistemas multiprogramáveis, nos quais múltiplos processos poderiam permanecer

Leia mais

As mudanças na política de financiamento da saúde a partir da segunda metade dos anos 90

As mudanças na política de financiamento da saúde a partir da segunda metade dos anos 90 GRUPO DE PESQUISA EM ECONOMIA POLÍTICA DA SAÚDE EVOLUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA MUNICIPAL COM SAÚDE EM PERNAMBUCO DE 2000 A 2007 Antônio Carlos do Espírito Santo - Depto. de Medicina Social da UFPE Virgínia

Leia mais

As produções e interações ficarão registradas no Moodle.

As produções e interações ficarão registradas no Moodle. Disciplina: Carga Horária: 60horas Modalidade: a distância Regime: semestral Professor: Luís Felipe Schilling Esta disciplina tem por objetivo oportunizar a prática de planejamento, modelagem, implementação

Leia mais

Informática UFRGS. Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) Java Comunicação 1

Informática UFRGS. Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) Java Comunicação 1 Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) Java Comunicação 1 Autor Autor Local Cláudio Geyer Instituto de Informática disciplinas: POD e PDP Versão v4 2010-1 Programação com Objetos Distribuídos

Leia mais

Conteúdo 2 -Qualidade em Saúde. Profª Melissa Rodrigues de Lara

Conteúdo 2 -Qualidade em Saúde. Profª Melissa Rodrigues de Lara Conteúdo 2 -Qualidade em Saúde Com o fenômeno da globalização da economia, aliado ao código do consumidor, as exigências do mercado consumidor, coloca as empresas e hospitais em desafio frente aos novos

Leia mais

Analise Financeira das Demonstrações Contábeis

Analise Financeira das Demonstrações Contábeis Gest ão em Cooper at i vi smo Analise Financeira das Demonstrações Contábeis Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial www.dinamicapatrimonial.com.br 1 Serve para uma avaliação

Leia mais

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Francislaine Pereira de Souza, Unisalesiano de Lins, e-mail: francislaine_ps@hotmail.com Janaina Fanali Daniel, Unisalesiano de Lins,

Leia mais

O Programa 5S ORIGEM. Serviu de base para a implantação dos programas de qualidade total naquele país. Surgiu no Japão no fim dos anos 60

O Programa 5S ORIGEM. Serviu de base para a implantação dos programas de qualidade total naquele país. Surgiu no Japão no fim dos anos 60 O Programa 5S ESCOLA POLITÉCNICA André Gilmar Hélio Surgiu no Japão no fim dos anos 60 Serviu de base para a implantação dos programas de qualidade total naquele país ORIGEM 5S para lembrar as 5 palavras

Leia mais

Determinação do Consumo de Água e Kc para Plantas Isoladas utilizando a Técnica da Lisimetria.

Determinação do Consumo de Água e Kc para Plantas Isoladas utilizando a Técnica da Lisimetria. Determinação do Consumo de Água e Kc para Plantas Isoladas utilizando a Técnica da Lisimetria. José Alves Júnior Cláudio Ricardo da Silva Tonny José Araújo da Silva Marcos Vinícius Folegatti ESALQ-USP

Leia mais

5S Aplicação. na Gestão

5S Aplicação. na Gestão 5S Aplicação na Gestão Praticamos?? Metodologia de trabalho 5S é uma metodologia de trabalho que usa uma lista de cinco palavras japonesas: Seiri utilização, seleção Seiton arumação ão,, ordem Seiso -

Leia mais

AVALIACÃO DA POSTURA DOS RETIREIROS DENTRO DE SALAS DE ORDENHA COM OU SEM FOSSO E SUAS IMPLICAÇÕES NO BEM-ESTAR HUMANO E ANIMAL

AVALIACÃO DA POSTURA DOS RETIREIROS DENTRO DE SALAS DE ORDENHA COM OU SEM FOSSO E SUAS IMPLICAÇÕES NO BEM-ESTAR HUMANO E ANIMAL REFERÊNCIA: MADUREIRA, A. P. et al. O efeito do tipo de instalação de sala de ordenha na qualidade da interação retireiro-vaca. In: 42a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia, 2005, Goiânia.

Leia mais

Objetivo: Garantir a continuidade das ações de melhoria no ambiente de trabalho, visando a produtividade e bem estar dos colaboradores da Unidade.

Objetivo: Garantir a continuidade das ações de melhoria no ambiente de trabalho, visando a produtividade e bem estar dos colaboradores da Unidade. Definição: Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de manter padrões de organização e limpeza, agilizando atividades diárias e diminuindo tempo e custos. Objetivo: Garantir a continuidade das ações

Leia mais

A diagramação entidade-relacionamento é muito simples, servindo como representação dos conceitos que são manipulados por ela.

A diagramação entidade-relacionamento é muito simples, servindo como representação dos conceitos que são manipulados por ela. MÓDULO 8 MODELAGEM DE DADOS I Em 1976 foi publicado um trabalho que definia uma possível abordagem para o processo de modelagem de dados. O trabalho intitulado de The Entity-Relationship Model passou a

Leia mais

COMUNICAÇÃO. É a capacidade de transmitir uma informação com certeza de que o outro lado entenda a mensagem.

COMUNICAÇÃO. É a capacidade de transmitir uma informação com certeza de que o outro lado entenda a mensagem. NÚCLEO COMUM DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL (DPP) AULA 08 E 09: COMUNICAÇÃO, ELABORAÇÃO E ACEITAÇÃO DE CRÍTICAS Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA DE SANTA CATARINA LAUDO PERICIAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA DE SANTA CATARINA LAUDO PERICIAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA DE SANTA CATARINA LAUDO PERICIAL Nº DO PROCESSO: 0000000 CLASSE: AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: RÉU:, brasileira, solteira, contadora, estabelecida

Leia mais

MANUAL DE CADASTRO DE PROJETOS DO ESCOLA DE FÁBRICA

MANUAL DE CADASTRO DE PROJETOS DO ESCOLA DE FÁBRICA MANUAL DE CADASTRO DE PROJETOS DO ESCOLA DE FÁBRICA 2 ÍNDICE 1. Acessando o Sistema...03 2. Cadastrando da Unidade Gestora...05 2.1. Adicionando Curso ao Projeto...07 2.2. Montando a Infra-Estrutura do

Leia mais

DPS1036 SISTEMAS DA QUALIDADE I. Aula 24 Programa 5S

DPS1036 SISTEMAS DA QUALIDADE I. Aula 24 Programa 5S DPS1036 SISTEMAS DA QUALIDADE I Aula 24 Programa 5S Origem 2 No Japão pós-guerra faltava tudo: Alimentos, roupas, Moradia, trabalhadores, Máquinas, equipamentos, Materiais, métodos de gestão. Não podia

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS

CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS - faz as coisas antes de solicitado ou antes de ser forçado pelas circunstâncias; - age para expandir o negócio em novas áreas, produtos ou serviços; - aproveita

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 13: ELEMENTOS CONSTRUTIVOS. 1ª PARTE Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro Data: 8

Leia mais

MEMORIAL EXPLICATIVO

MEMORIAL EXPLICATIVO MEMORIAL EXPLICATIVO O Instituto, por ser destinado a pessoas especiais e planejado para atender suas necessidades, deve apresentar uma linguagem diferenciada e funcional. O prédio que se distribui cerca

Leia mais

EXMO. SR. PRESI DENTE DO TRI BUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO CEARÁ

EXMO. SR. PRESI DENTE DO TRI BUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO CEARÁ EXMO. SR. PRESI DENTE DO TRI BUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO CEARÁ A ASSOCI AÇÃO DOS SERVI DORES DO TRI BUNAL DE CONTAS DO ESTADO - ASSERTCE, entidade associativa representativa dos servidores desse Tribunal

Leia mais

Posicionamento na Terra suposta esférica

Posicionamento na Terra suposta esférica Posicionamento na Terra suposta esférica Primeira imagem da Terra de TV feita do espaço em 1 de abril de 1960 sombra da Terra projetada na Lua Cheia durante o eclipse total Lua mostrava que a forma da

Leia mais

O Sistema Harmonizado (SH) abrange:

O Sistema Harmonizado (SH) abrange: Sistema Harmonizado O Sistema Harmonizado (SH), é um método internacional de classificação de mercadorias, baseado em uma estrutura de códigos e suas respectivas descrições. Tem como objetivo padronizar

Leia mais

O Programa 5S nasceu em Maio de 1950 no Japão. O seu objetivo inicial era combater perdas e desperdícios.

O Programa 5S nasceu em Maio de 1950 no Japão. O seu objetivo inicial era combater perdas e desperdícios. PROGRAMA 5S INTRODUÇÃO O Programa 5S nasceu em Maio de 1950 no Japão. O seu objetivo inicial era combater perdas e desperdícios. É fundamentado em 5 regras básicas que promovem intensa mobilização e educação

Leia mais

RaciocínioLógico TFC -C G U Tele - Transmitido Teoria Mais de 360 aprovados na Receita Federal em 2006 Prof.Milton Ueta Data de impressão: 08/02/2008 67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas

Leia mais

Física Geral e Experimental II Engenharia Ambiental e de Produção. Prof. Dr. Aparecido Edilson Morcelli

Física Geral e Experimental II Engenharia Ambiental e de Produção. Prof. Dr. Aparecido Edilson Morcelli Física Geral e Experimental II Engenharia Ambiental e de Produção Prof. Dr. Aparecido Edilson Morcelli TERMOLOGIA A termologia é uma parte da Física que estuda as diversas manifestações de calor. A parte

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 06: PERSPECTIVA LINEAR DE 1 PONTO. MÃO LIVRE Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro

Leia mais

Ar qu it e t u r a a de e Sist e m a s Ope r a cion a is Fa bia n o o Ut iy a m a Ca pít u lo o 9 Ge r ê n cia a de e M e m ór ia

Ar qu it e t u r a a de e Sist e m a s Ope r a cion a is Fa bia n o o Ut iy a m a Ca pít u lo o 9 Ge r ê n cia a de e M e m ór ia Arquitetura de Sistem as Operacionais Fabiano Utiyam a Capítulo 9 Gerência de Mem ória 9/1 I ntrodução Nos sistemas monoprogramáveis a gerência de memória não é muito complexa Nos sistemas multiprogramáveis

Leia mais

j = c.i.t M = c + j MATEMÁTICA FINANCEIRA

j = c.i.t M = c + j MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES j = c.i.t j = juros, c = capital, i = taxa, t = tempo 05) João abriu uma caderneta de poupança e, em 1o de janeiro de 2006, depositou R$ 500,00 a uma taxa de juros simples,

Leia mais

Site: http://www.parcelias.com.br/online/faet. Código da autorizada: Login: master Senha:

Site: http://www.parcelias.com.br/online/faet. Código da autorizada: Login: master Senha: Nosso novo Sistema de Garantia está em funcionamento no endereço abaixo, favor acessar o site e cadastrar as Ordens de Serviços para que possamos encaminhar os seus pedidos de Garantia. Site: http://www.parcelias.com.br/online/faet

Leia mais

Nota: Este módulo abordará aspectos relacionados à administração do capital intelectual e a relação entre os gestores de linha e o Recursos Humanos.

Nota: Este módulo abordará aspectos relacionados à administração do capital intelectual e a relação entre os gestores de linha e o Recursos Humanos. MÓDULO V Nota: Este módulo abordará aspectos relacionados à administração do capital intelectual e a relação entre os gestores de linha e o Recursos Humanos. A IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO DE TALENTOS

Leia mais

MELHORIA CONTÍNUA. 5 S: fundamental para enfrentar os momentos de crise

MELHORIA CONTÍNUA. 5 S: fundamental para enfrentar os momentos de crise MELHORIA CONTÍNUA 5 S: fundamental para enfrentar os momentos de crise Eliminação de desperdícios, otimização do espaço e criação de um ambiente de trabalho agradável. Estes são alguns dos benefícios da

Leia mais

Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução. O jogo

Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução. O jogo Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução A química estuda as substâncias e suas transformações químicas. Essas substâncias são formadas de átomos de elementos

Leia mais

Apresentação. Atuando em diversos ramos do direito, nosso Escritório tem como meta oferecer. O Escritório

Apresentação. Atuando em diversos ramos do direito, nosso Escritório tem como meta oferecer. O Escritório Um Escritório de Advocacia, atualmente, tem que estar preparado para atender as mais diversas situações do mundo moderno. Para tanto, focalizamos como nossos preceitos, que os serviços oferecidos sejam:

Leia mais

ADUBAÇÃO DE MANUTENÇÃO COM NITROGÊNIO E FÓSFORO PARA A PRODUÇÃO DE FENO COM O CAPIM MASSAI (Panicum maximum CV. Massai)

ADUBAÇÃO DE MANUTENÇÃO COM NITROGÊNIO E FÓSFORO PARA A PRODUÇÃO DE FENO COM O CAPIM MASSAI (Panicum maximum CV. Massai) ADUBAÇÃO DE MANUTENÇÃO COM NITROGÊNIO E FÓSFORO PARA A PRODUÇÃO DE FENO COM O CAPIM MASSAI (Panicum maximum CV. Massai) Renata Freires Lima¹; José Antonio Maior Bono² ¹Acadêmica do Curso de Agronomia da

Leia mais

OS 5S INTRODUÇÃO OS 5S VSTREAM.WORDPRESS.PT

OS 5S INTRODUÇÃO OS 5S  VSTREAM.WORDPRESS.PT OS 5S INTRODUÇÃO OS 5S WWW.VALUESTREAM.PT VSTREAM.WORDPRESS.PT 1 OS 5S Seiri ( 整理 ) Seiton ( 整頓 ) Seiso ( 清掃 ) Seiketsu ( 清潔 ) Shitsuke ( 躾 ) Senso de Utilização Senso de Ordenação Senso de Limpeza Senso

Leia mais

Uma pequena reflexão...

Uma pequena reflexão... Uma pequena reflexão... Nosso ambiente de trabalho poderia ser mais agradável? Não estamos guardando coisas que poderíamos jogar fora ou retirar do posto de trabalho? Nosso posto de trabalho está realmente

Leia mais

Organização e funcionalidade interna da Comunidade Terapêutica ( 5S )

Organização e funcionalidade interna da Comunidade Terapêutica ( 5S ) Capacitação - Monitores Organização e funcionalidade interna da Comunidade Terapêutica ( 5S ) Capacitação Monitores 1 Capacitação Monitores Organização e funcionalidade O 5s é uma prática desenvolvida

Leia mais

Apostila do curso de. OS 8S s Administrativos

Apostila do curso de. OS 8S s Administrativos Apostila do curso de OS 8S s Administrativos 1- A Metodologia 8S 2- Seiri (Utilização) 3- Seiton (Ordem, Arrumação) 4- Seiso (Limpeza) 5- Seiketsu (Padronização) 6- Shitsuke (Disciplina) 7- Shido (Capacitação)

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Nesse módulo abordaremos as duas demonstrações contábeis Balanço Patrimonial BP e Demonstração do Resultado do Exercício DRE,

Leia mais

Manual de Aplicação da Marca UEC

Manual de Aplicação da Marca UEC 1 Manual de Aplicação da Marca UEC 2 Apresentação Nossa História...5 Introdução... 6 Introdução à Marca... 7 Elementos Básicos Marca UEC...9 Marca Cor Positiva... 11 Preto e Branco... 12 Negativa... 13-14

Leia mais

GRUPO SPEEDY PROGRAMA 5S

GRUPO SPEEDY PROGRAMA 5S PROGRAMA 5S 1 PROGRAMA 5S SPEEDY FILM Implementar programas internos de Segurança, Ordem, Limpeza e OPA(Observar, Planejar e Agir) 2 Qual o objetivo do 5S? GRUPO SPEEDY Melhoria no ambiente de trabalho;

Leia mais

Uma revolução cultural no mundo empresarial do Brasil! (2)

Uma revolução cultural no mundo empresarial do Brasil! (2) Uma revolução cultural no mundo empresarial do Brasil! (2) José Carlos Cavalcanti Professor de Economia da UFPE, ex-secretário executivo de Tecnologia, Inovação e Ensino Superior de Pernambuco (http://jccavalcanti.wordpress.com)

Leia mais

PROGRAMA 5S. Alessandra Cristina Toledo Miranda

PROGRAMA 5S. Alessandra Cristina Toledo Miranda PROGRAMA 5S Alessandra Cristina Toledo Miranda Realidade e Percepção Os nossos sentidos e os nossos valores podem nos confundir. Quando isso ocorre, deixamos de ver a bagunça, o desperdício, e todo tipo

Leia mais

Qualidade. Qualidade é a Satisfação do Cliente com produtos ou serviços!

Qualidade. Qualidade é a Satisfação do Cliente com produtos ou serviços! Qualidade é a Satisfação do Cliente com produtos ou serviços! Breve Histórico O Japão evoluiu muito o conceito de qualidade, mas na verdade ela vem da época dos artesãos. A revolução industrial introduziu

Leia mais

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação Benefícios! Quais são? Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação de condições e atos inseguros

Leia mais

O Espaço Geográfico da Ficção

O Espaço Geográfico da Ficção O Espaço Geográfico da Ficção IX Salão de Iniciação Científica PUCRS Audrien de Abreu Maciel, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FFCH), PUCRS (graduando apresentador). Teresinha Maria Furlanetto

Leia mais

A experiência de um Laboratório Regional de Prótese Dentária administrado sob o contrato de gestão celebrado entre a Casa de Saúde Santa Marcelina e a Prefeitura do Município de São Paulo Adoracion de

Leia mais

MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ

MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ Nesse módulo iremos estudar o Modelo de Excelência Brasileiro, seus fundamentos, características e especificidades, abordando os critérios

Leia mais

LABORATÓRIO DE GEODÉSIA ESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

LABORATÓRIO DE GEODÉSIA ESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE GEODÉSIA ESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MANUAL DE OPERAÇAO DO EQUIPAMENTO LEICA 900 CS DIRECIONADO A DISCIPLINA DE LEVANTAMENTOS GEODESICOS II Autores: Profa.Dra.Claudia Pereira

Leia mais

CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS

CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS 1 CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 Bem Vindo ao Curso! _Seiri _Seiton _Seiso _Seiketsu _Shitsuke _Shido _Sitsuyaki

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves Exemplo de Aplicação do ABC

ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves Exemplo de Aplicação do ABC Exemplo de Aplicação do ABC A indústria de Confecções Pano Bom Ltda produz três tipos de produtos: Camisas, Calças, Blusas. O quadro abaixo apresenta as quantidades produzidas e seus respectivos preços.

Leia mais

Responsável: Supervisor Emissão e Processos Revisado em: 31/10/2016

Responsável: Supervisor Emissão e Processos Revisado em: 31/10/2016 Responsável: Revisado em: 31/10/2016 Objetivos Estabelecer critérios, responsabilidades, regras e procedimentos aos colaboradores na execução das suas atividades profissionais dentro da metodologia do

Leia mais

INFORMÁTICA 9 ENCONTRO. PROF PAULO MAXIMO

INFORMÁTICA 9 ENCONTRO. PROF PAULO MAXIMO 9 ENCONTRO PROF PAULO MAXIMO pmaximo@gmail.com 1.Analise a planilha e o gráfico a seguir. Considerando a situação apresentada é correto afirmar que: (a) a média de João foi calculada utilizando a fórmula

Leia mais

private void btapresentanomeactionperformed(java.awt.event.actionevent evt) {

private void btapresentanomeactionperformed(java.awt.event.actionevent evt) { Jorge Ferreira 1 NOTAS DE AULA JAVA 5 E NETBEANS 5 Seguindo as configurações iniciais do formulário, devemos definir o comportamento de apresentação da janela quando executarmos o programa. Para tanto,

Leia mais