Este procedimento tem por objetivo descrever os instrumentos e processos de controle dimensional empregados na verificação de vasos de pressão.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Este procedimento tem por objetivo descrever os instrumentos e processos de controle dimensional empregados na verificação de vasos de pressão."

Transcrição

1 Página: 1 de 6 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo descrever os instrumentos e processos de controle dimensional empregados na verificação de vasos de pressão. 2. INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO E MATERIAIS AUXILIARES Prancheta e papel; Mangueira d água; Relatório; Nível de bolha; Procedimento; Esquadro; Calculadora; Régua graduada de aço; Fita crepe; Trena; Caneta; Prumo de aço com fio. Os instrumentos a serem empregados devem estar calibrados e com a data de calibração dentro da validade.. DESVIOS E DIMENSÕES A SEREM CONTROLADOS Distâncias x, y e z entre os bocais; Volume do vaso. 4. PROCESSOS DE MEDIÇÃO APLICADOS 4.1 Medição do perímetro das tubulações para o cálculo dos raios. P r = 2π

2 Página: 2 de Marcar em um esquadro o valor correspondente ao raio. 4. Colocar fita crepe nas geratrizes dos tubos e nos eixos dos flanges. 4.4 Traçar as geratrizes dos trechos retos de tubulação. Geratriz superior Geratriz lateral

3 Página: de Transporte para os flanges dos pontos correspondentes às geratrizes traçadas no tubo, gerando os eixos x-x. 4.6 Obter os eixos y-y a partir dos eixos x-x, correspondentes às geratrizes dos tubos. 4.7 Obtenção das distâncias z entre os flanges.

4 Página: 4 de Obtenção das distâncias y entre os flanges. 4.9 Obtenção das distâncias x entre os flanges.

5 Página: 5 de 6 Quando os flanges estão em alturas diferentes, o valor x deve ser calculado pelo triângulo: x = valor da trena 2 y Cálculo do volume interno do vaso (para vasos com tampo semi-esférico). Obtido utilizando a fórmula: Tampo hemisférico (meia esfera) r (mm) interno = Di (mm) r Fórmulas: Área do circulo = π r 2 Volume cilindro = Área da base. h Volume da esfera = 4 π r H (mm) V = V + V total cilindro esfera Para vasos com tampo semi-elíptico, utilizar a fórmula π r (volume do tampo) 5. PROCESSO DE MEDIÇÃO - TANQUE 5.1 Medição do Diâmetro O diâmetro deve ser medido em duas geratrizes ortogonais sendo que a localização da primeira geratriz será informada As medidas devem ser tomadas a partir do diâmetro interno A trena deve ser tensionada com dinamômetro calibrado. A tensão a ser utilizada está determinada na fita O candidato deve instruir o auxiliar sobre o correto posicionamento da trena na extremidade. O dinamômetro deverá ser operado pelo candidato No final, o candidato deverá calcular a correção a ser aplicada nas medidas de acordo com o cálculo da catenária de acordo com a fórmula abaixo:

6 Página: 6 de Verificação do Nivelamento O nivelamento deve ser verificado em pontos e na origem pré-determinados e informados no perímetro do anel Instalar o nível óptico no centro do anel do tanque e prepará-lo para as leituras efetuando a colimação da bolha bipartida quando o instrumento necessitar. Para os instrumentos automáticos, basta efetuar o nivelamento através dos parafusos calantes. NOTA: Instruir o auxiliar sobre o correto posicionamento da trena nos pontos pré-determinados. Efetuar a primeira leitura no ponto de origem. Considerar que este ponto está na cota de projeto e todos os demais serão referenciados a ele Efetuar as leituras nos demais pontos, sendo que a última medida deve ser efetuada no ponto de origem Calcular as diferenças entre as elevações de cada ponto e a medida encontrada no ponto de origem. Registrar os valores no relatório de registro de resultados. 6. PARECER Quando solicitado, comparar os resultados obtidos com os critérios de aceitação informados emitindo parecer aprovando ou rejeitando o equipamento e justificando.

E-QP-ECD-077 REV. C 01/Abr/2008 - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES

E-QP-ECD-077 REV. C 01/Abr/2008 - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES ENGENHARIA - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado, a proposta e a justificativa.

Leia mais

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo orientar os candidatos na execução de provas práticas, na qualificação de Inspetor de Controle Dimensional, modalidade Caldeiraria. 2. REGRAS

Leia mais

QEMM QUADRO DE EQUIPAMENTO DE MONITORAMENTO E MEDIÇÃO

QEMM QUADRO DE EQUIPAMENTO DE MONITORAMENTO E MEDIÇÃO QEMM QUADRO DE EQUIPAMENTO DE MONITORAMENTO E PÁGINA 01 DE 07 Dispositivo: Trena Padrão (30 m) Periodicidade de calibração: A cada dois anos Uso Método de calibração Tolerância Servir de padrão de referência

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE CALIBRAÇÕES NO GRUPO DE SERVIÇOS DE CALIBRAÇÃO EM METROLOGIA DIMENSIONAL. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE CALIBRAÇÕES NO GRUPO DE SERVIÇOS DE CALIBRAÇÃO EM METROLOGIA DIMENSIONAL. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE CALIBRAÇÕES NO GRUPO DE SERVIÇOS DE CALIBRAÇÃO EM METROLOGIA DIMENSIONAL Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-004 Revisão 02 FEV/2010

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 051

Norma Técnica Interna SABESP NTS 051 Norma Técnica Interna SABESP NTS 051 Tubos de Polietileno - Determinação das Dimensões Método de Ensaio São Paulo Fevereiro - 1999 NTS 051 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1

Leia mais

Esta norma se aplica aos Técnicos do Inmetro e da RBLMQ-I, executores dos serviços de arqueação de tanques.

Esta norma se aplica aos Técnicos do Inmetro e da RBLMQ-I, executores dos serviços de arqueação de tanques. 1 MINUTA NIE/DIMEL XXX/XX PROCEDIMENTOS PARA TANQUES FIXOS HORIZONTAIS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO 3 RESPONSABILIDADE 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 6 SIGLAS 7 DEFINIÇÕES

Leia mais

Caderno de Respostas

Caderno de Respostas Caderno de Respostas DESENHO TÉCNICO BÁSICO Prof. Dr.Roberto Alcarria do Nascimento Ms. Luís Renato do Nascimento CAPÍTULO 1: ELEMENTOS BÁSICOS DO DESENHO TÉCNICO 1. A figura ilustra um cubo ao lado de

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 11

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 11 Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo Roteiro para prática experimental EXPERIMENTO 11 Momento Linear e Impulso Disciplina: Física Experimental GRUPO DE TRABALHO: Estudante 1 (nome e

Leia mais

João Carlos Guimarães Lerch

João Carlos Guimarães Lerch 13301 A Rede Metrológica do Estado do Rio Grande do Sul qualifica o Laboratório METROLOGIA WG localizado na Rua Henrique Dias, 630, na cidade de Sapucaia do Sul - RS. Conforme critérios estabelecidos no

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Educação de Rio Claro

Escola Superior de Tecnologia e Educação de Rio Claro Favor grampear! Engenharia de Produção Cálculo Vetorial e Geometria Analítica Prof. Dr. Marcello G. Rodrigues Nota só do relatório (máx. 9,0 pontos): Data: / / 2015 Nome completo do aluno Número RA Período:

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva CERTIFICADO: Nº 004/2012 A Rede Metrológica do Estado de São Paulo qualifica o Laboratório de Calibração

Leia mais

Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA

Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA Caracterizado no Capítulo 3, à luz da prática internacional de normalização, o sistema normativo do SISMETRA foi objeto de criteriosa análise de

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. Com base nos seus conhecimentos, complete a lacuna com a alternativa abaixo que preencha corretamente

Leia mais

JOÃO ALZIRO HERZ DA JORNADA

JOÃO ALZIRO HERZ DA JORNADA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro nº 648, de 12 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Luiz Daniel (31) 2106-1750

Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Luiz Daniel (31) 2106-1750 Lista de exercícios de Geometria Espacial PRISMAS 1) Calcular a medida da diagonal de um paralelepípedo retângulo de dimensões 10 cm, 8 cm e 6 cm 10 2 cm 2) Determine a capacidade em dm 3 de um paralelepípedo

Leia mais

E-QP-ECD-078 REV. C 02/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - GABARITO DE FORMA PARA VASOS DE PRESSÃO -

E-QP-ECD-078 REV. C 02/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - GABARITO DE FORMA PARA VASOS DE PRESSÃO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - GABARITO DE FORMA PARA VASOS DE PRESSÃO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser

Leia mais

E-QP-ECD-097 REV. B 15/Abr/2008

E-QP-ECD-097 REV. B 15/Abr/2008 ENGENHARIA CONTROLE DIMENSIONAL TOPOGRAFIA VERIFICAÇÃO DE ESTAÇÃO TOTAL / TEODOLITO Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado,

Leia mais

OS DIFERENTE SISTEMAS DE FECHO:

OS DIFERENTE SISTEMAS DE FECHO: OS ELEMENTOS DE UMA FECHADURA OS DIFERENTES MODELOS DE FECHADURAS - Fechadura de embutir:também designada por fechadura de encastrar, este tipo de fechadura é montada encastrada na espessura da porta.

Leia mais

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro Objetivo As práticas que serão trabalhadas nesta aula têm os objetivos de

Leia mais

Esta norma se aplica aos Técnicos do Inmetro e da RBLMQ-I, executores dos serviços de arqueação de tanques.

Esta norma se aplica aos Técnicos do Inmetro e da RBLMQ-I, executores dos serviços de arqueação de tanques. 1 MINUTA NIE/DIMEL XXX/XX PROCEDIMENTOS PARA TANQUES FIXOS VERTICAIS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO 3 RESPONSABILIDADE 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 6 SIGLAS 7 DEFINIÇÕES

Leia mais

27 Tolerância geométrica

27 Tolerância geométrica A U A UL LA Tolerância geométrica de posição Um problema Como se determina a tolerância de posição de peças conjugadas para que a montagem possa ser feita sem a necessidade de ajustes? Essa questão é abordada

Leia mais

CONTROLE DIMENSIONAL - CALDEIRARIA CALIBRAÇÃO DE TRENA E ESCALA COM ESCALA PADRÃO E TRENA PADRÃO

CONTROLE DIMENSIONAL - CALDEIRARIA CALIBRAÇÃO DE TRENA E ESCALA COM ESCALA PADRÃO E TRENA PADRÃO Página: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo descrever o processo de calibração de trenas de fita de aço e escalas metálicas, utilizando como padrões trenas padrão ou escalas padrão.

Leia mais

Atividade extra. Exercício 1. Exercício 2. Matemática e suas Tecnologias Matemática

Atividade extra. Exercício 1. Exercício 2. Matemática e suas Tecnologias Matemática Atividade extra Exercício 1 A figura ilustra a planificação da superfície lateral de um cilindro reto de 10 metros de altura. Considere π = 3,14. Qual o valor da área total desse cilindro, em metros quadrados?

Leia mais

CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A INSTRUÇÕES PARA ABERTURA DO CABO EN320

CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A INSTRUÇÕES PARA ABERTURA DO CABO EN320 a EMISSÃO INICIAL FTY MM LYT 18/12/14 REV. ALTERAÇÕES EXEC. VISTO APROV. DATA EXEC. VISTO APROV. FTY MM LYT DATA: CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A LD 1 ALMENARA - JEQUITINHONHA, 138kV (Op. 69 kv) 18/12/14 INSTRUÇÕES

Leia mais

SAN.T.IN.PR 143. Projeto e Instalação de Válvulas de Controle e Macromedidores 1. FINALIDADE

SAN.T.IN.PR 143. Projeto e Instalação de Válvulas de Controle e Macromedidores 1. FINALIDADE 1 / 8 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. PROCEDIMENTOS GERAIS 5. CONSIDERAÇÕES GERAIS 6. REFERÊNCIAS 7. ANEXOS 1. FINALIDADE Este procedimento define diretrizes básicas

Leia mais

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA:

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: 05/10/2015 1. Objetivo A expansão do sistema de abastecimento de

Leia mais

CATÁLOGO DE METROLOGIA

CATÁLOGO DE METROLOGIA CATÁLOGO DE METROLOGIA 1 PAQUÍMETRO PAQUÍMETRO UNIVERSAL PAQUÍMETRO UNIVERSAL (MD) capacidade LEITURA 141-112 0-150mm / 0-6 0,02mm / 0,001 141-113 0-150mm / 0-6 0,05mm / 1/128 141-114 0-200mm / 0-8 0,02mm

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade. PO Procedimento Operacional

Sistema de Gestão da Qualidade. PO Procedimento Operacional Sistema de Gestão da Qualidade PO Procedimento Operacional Identificação: PO.07 Versão: 02 Folha: 1 de 3 Processo: Controle de Equipamentos de Medição 1. OBJETIVO Descrever a forma como devem ser controlados

Leia mais

EXPERIMENTO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDA E MEDIDAS FÍSICAS

EXPERIMENTO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDA E MEDIDAS FÍSICAS EXPERIMENTO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDA E MEDIDAS FÍSICAS I - OBJETIVO Operar com algarismos significativos, definir o limite do erro instrumental para instrumentos de medição, definir o desvio avaliado para

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na fgv

CPV O cursinho que mais aprova na fgv O cursinho que mais aprova na fgv FGV economia a Fase 17/dezembro/006 RACIOCÍNIO MATEMÁTICO 01. Em uma pesquisa de mercado feita com 50 entrevistados, todos responderam o seguinte questionário: I. Assinale

Leia mais

Paquimetro Digital especial. (Métrico) 0,01 ± 0,05. (Polegada/Métrico) .0005/0,01 ± 0,05. Paquimetro Digital especial com face em metal duro

Paquimetro Digital especial. (Métrico) 0,01 ± 0,05. (Polegada/Métrico) .0005/0,01 ± 0,05. Paquimetro Digital especial com face em metal duro Paquimetro Digital especial (Métrico) 0,01 ± 0,05 (Polegada/Métrico) pol/.0005/0,01 ± 0,05 Paquimetro Digital especial com face em metal duro 0,01 ± 0,02 Paquimetro Especial Paquimetro com bico tipo Lâmina

Leia mais

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5. ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO...7 6. EXECUÇÃO DO

Leia mais

SISTEMA ECO PIPE ALCANCE GLOBAL, SOLUÇÕES ESPECÍFICAS

SISTEMA ECO PIPE ALCANCE GLOBAL, SOLUÇÕES ESPECÍFICAS SISTEMA ECO PIPE ALCANCE GLOBAL, SOLUÇÕES ESPECÍFICAS Características técnicas: Temperatura trabalho: - C a +70 C Pressão de trabalho: -0,13 a 13 bar Material: Tubo de alumínio estrudado sem costura, passagem

Leia mais

Sistema de Monitoramento da Infiltração de Água em Terraços e Bacias de acumulação

Sistema de Monitoramento da Infiltração de Água em Terraços e Bacias de acumulação Sistema de Monitoramento da Infiltração de Água em Terraços e Bacias de acumulação Sistema de Monitoramento da Infiltração de Água em Terraços e Bacias de acumulação André Leonardo Tavares Paula Fernando

Leia mais

Física Parte 2. Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7.

Física Parte 2. Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7. Física Parte 2 Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7.Empuxo Introdução A memorização de unidades para as diversas grandezas existentes

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Página CILINDROS... 150 Inspeção e medição... 150 Retificação de cilindros... 150 Acabamento... 151 Limpeza... 151 MANCAIS DE MOTOR... 152 Mancal

Leia mais

Medição de vazão. Aplicações. Características especiais. Descrição

Medição de vazão. Aplicações. Características especiais. Descrição Medição de vazão Bocal de vazão para instalação interna na tubulação, modelo FLC-FN-PIP Bocal de vazão para montagem entre flanges, modelo FLC-FN-FLN WIKA folha de dados FL 10.03 Aplicações Geração de

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 16/06/12 PROFESSOR: MALTEZ

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 16/06/12 PROFESSOR: MALTEZ RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 6/06/ PROFESSOR: MALTEZ Uma pirâmide quadrangular regular possui área da base igual a 6 e altura igual a. A área total da pirâmide é igual

Leia mais

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto 1. INTRODUÇÃO Será calculado o volume de objetos como esferas, cilindros e cubos

Leia mais

CRITÉRIO PARA MEDIÇÃO DE ÁREA PARA PINTURA

CRITÉRIO PARA MEDIÇÃO DE ÁREA PARA PINTURA CRITÉRIO PARA MEDIÇÃO DE ÁREA PARA PINTURA 1 EQUIPAMENTOS DE MÉDIO E GRANDE PORTE 1.1 Tanques de Armazenamento: a área será calculada, em metros quadrados, a partir das dimensões básicas de projeto do

Leia mais

SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA RM 53 ORIENTAÇÕES SOBRE DECLARAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM METROLOGIA DIMENSIONAL PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REVISÃO: 04 ABR/2015 SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva CERTIFICADO: Nº 006/2012 A Rede Metrológica do Estado de São Paulo qualifica o Laboratório de Calibração

Leia mais

FICHAS DE INSTALAÇÃO - CPC COMO INSTALAR UMA FECHADURA

FICHAS DE INSTALAÇÃO - CPC COMO INSTALAR UMA FECHADURA 1. Constituintes de uma fechadura 2. Modelos de Fechadura Fechadura de embutir: Também designada por fechadura de encastrar, este tipo de fechadura é montada encastrada na espessura da porta. É sobretudo

Leia mais

Parecer Técnico de Conformidade NR 17 e NBR 13966 MESA REUNIÃO REDONDA

Parecer Técnico de Conformidade NR 17 e NBR 13966 MESA REUNIÃO REDONDA Parecer Técnico de Conformidade NR 17 MESA REUNIÃO REDONDA Parecer Técnico de Conformidade NR 17 A SEFIT Serviços Especializados de Fisioterapia do Trabalho Ltda, inscrita no CNPJ n.º 04.207.225/0001-74,

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

MATEMÁTICA Abril 2015

MATEMÁTICA Abril 2015 152547 - Agrupamento de Escolas D. António Ferreira Gomes 342592 - Escola E.B. 2,3 D. António Ferreira Gomes INFORMAÇÃO - PROVA FINAL A NÍVEL DE ESCOLA MATEMÁTICA Abril 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico

Leia mais

Esfera e Sólidos Redondos Área da Esfera. Volume da Esfera

Esfera e Sólidos Redondos Área da Esfera. Volume da Esfera Aula n ọ 04 Esfera e Sólidos Redondos Área da Esfera A área de uma esfera é a medida de sua superfície. Podemos dizer que sua área é igual a quatro vezes a área de um círculo máximo, ou seja: eixo R O

Leia mais

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II Informações sobre este material didático: Edição: 1ª Edição Data da versão: 30/12/2006 Autor(es): Bruno Campos Pedroza, DSc Professor

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Enquadramento A base do conhecimento de qualquer sistema de abastecimento de água e

Leia mais

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle 25/11/2012 1 2012 Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle A disciplina de Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle, com 40 horas/aulas, será dividida em 2 (duas) partes, sendo : Metrologia

Leia mais

ROTEIRO 20 PÊNDULO SIMPLES E PÊNDULO FÍSICO

ROTEIRO 20 PÊNDULO SIMPLES E PÊNDULO FÍSICO ROTEIRO 20 PÊNDULO SIMPLES E PÊNDULO FÍSICO INTRODUÇÃO Estamos cercados de oscilações, movimentos que se repetem. Neste roteiro vamos abordar oscilações mecânicas para uma classe de osciladores harmônicos

Leia mais

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Siglas e Abreviaturas

Leia mais

DMS 680 - Inspeção de calibradores

DMS 680 - Inspeção de calibradores DMS 680 - Inspeção de calibradores Banco universal de medida calibrações segundo a norma»iso 9000«JOINT OINT J 2 3 JOINT Banco universal de medida DMS 680 Grande campo de aplicações Calibração de vários

Leia mais

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1 Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Objetivo: Conhecer os materiais volumétricos e as técnicas de utilização desses materiais. I. Introdução teórica: Medir volumes de líquidos faz

Leia mais

ALGUNS TERMOS TÉCNICOS IMPORTANTES

ALGUNS TERMOS TÉCNICOS IMPORTANTES Topografia Medições de Distâncias ALGUNS TERMOS TÉCNICOS IMPORTANTES Ponto topográfico: É todo e qualquer ponto do terreno, que seja importante e levado em conta na medição da área. Ao final de cada alinhamento

Leia mais

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO Dezembro de 2011 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406082 Revisão 0.0 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO 1... 1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1 ONDE

Leia mais

VM AC 01 INDICADOR DE VOLUME PARA TANQUE AÉREO INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO R00

VM AC 01 INDICADOR DE VOLUME PARA TANQUE AÉREO INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO R00 VM AC 01 INDICADOR DE VOLUME PARA TANQUE AÉREO INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO R00 1-INTRODUÇÃO: Equipamento utilizado para indicar o volume de líquidos remanescente dentro de tanques de armazenamento. Baixo

Leia mais

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES BENEFÍCIOS AOS PARTICIPANTES: Sistema de gestão que opera seguindo os requisitos da norma técnica ISO/IEC 17043; Programas concluídos cadastrados na base de dados internacional EPTIS European Proficiency

Leia mais

A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q:

A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q: Cálculo da Perda de Carga 5-1 5 CÁLCULO DA PEDA DE CAGA 5.1 Perda de Carga Distribuída 5.1.1 Fórmula Universal Aplicando-se a análise dimensional ao problema do movimento de fluidos em tubulações de seção

Leia mais

Metrologia Dimensional 17-07-2003

Metrologia Dimensional 17-07-2003 Artigo Serviço Referências 52.15.205 Apalpa Folgas (a) DIN 2275 52.15.206 Aplicador Rectangular (b) -------------- 52.15.207 Base de Comparador (b) -------------- 52.15.210 de Haste Telesc. Analógica

Leia mais

FORMATO DA REDE. Basicamente existem dois formatos de rede: aberto ou em circuito fechado (anel). Formato Aberto: Formato Fechado:

FORMATO DA REDE. Basicamente existem dois formatos de rede: aberto ou em circuito fechado (anel). Formato Aberto: Formato Fechado: FORMATO DA REDE Basicamente existem dois formatos de rede: aberto ou em circuito fechado (anel). Formato Aberto: Quando não justifica fazer um anel, pode-se levar uma rede única que alimente os pontos

Leia mais

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014.

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo V. Torres

Estruturas Metálicas. Módulo V. Torres Estruturas Metálicas Módulo V Torres APLICAÇÕES ESTRUTURAIS - TORRES Introdução Neste capítulo são abordadas as estruturas não classificadas como de edificações nem como de obras de arte, já abordadas

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

Volumes parte 02. Isabelle Araujo

Volumes parte 02. Isabelle Araujo olumes parte 02 Isabelle Araujo olume da pirâmide O princípio de Cavalieri afirma que: Pirâmides com áreas das bases iguais e com mesma altura têm volumes iguais. A fórmula para determinar o volume de

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA estado do rio grande do sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO INHACORÁ MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA COORDENADAS:

Leia mais

1/5. be-16. Bancada laboratório 2 CUBAS 50x40x25cm (L=180cm) eco. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1 04/04/14

1/5. be-16. Bancada laboratório 2 CUBAS 50x40x25cm (L=180cm) eco. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1 04/04/14 /5 2/5 3/5 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Tampo de granito polido (L=65cm, e=2cm), cinza andorinha ou cinza corumbá, com moldura perimetral (3,5x2cm) e frontão (7x2cm), conforme detalhe. Alvenaria de apoio

Leia mais

CAPÍTULO 1 INSTRUMENTOS TOPOGRÁFICOS

CAPÍTULO 1 INSTRUMENTOS TOPOGRÁFICOS 1 CAPÍTULO 1 INSTRUMENTOS TOPOGRÁFICOS 1.1. INTRODUÇÃO Este capítulo pretende fazer uma breve descrição dos equipamentos topográficos utilizados para a execução das tarefas diárias realizadas ao longo

Leia mais

Eletroduto de PVC Rígido Roscável

Eletroduto de PVC Rígido Roscável Eletroduto de PVC Rígido Roscável Localização no Website TIGRE: Obra Predial Eletricidade Eletroduto roscável Função: Proteção mecânica para instalações elétricas embutidas. Aplicação: instalações elétricas

Leia mais

Saneamento I Adutoras

Saneamento I Adutoras Saneamento I Adutoras Prof Eduardo Cohim ecohim@uefs.br 1 INTRODUÇÃO Adutoras são canalizações que conduzem água para as unidades que precedem a rede de distribuição Ramificações: subadutoras CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DRP 007/2011 ANEXO A DESCRIÇÃO TÉCNICA DAS AÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DO SISTEMA SAAE S U M Á R I O

TERMO DE REFERÊNCIA DRP 007/2011 ANEXO A DESCRIÇÃO TÉCNICA DAS AÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DO SISTEMA SAAE S U M Á R I O TERMO DE REFERÊNCIA DRP 007/2011 ANEXO A DESCRIÇÃO TÉCNICA DAS AÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DO SISTEMA SAAE S U M Á R I O 01. POSTO DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA, EM BALSA, NO RIO MACHADO...

Leia mais

RECOMENDADA PRÁTICA PR - 4

RECOMENDADA PRÁTICA PR - 4 PRÁTICA RECOMENDADA PR - 4 Execução de Alvenaria - Marcação Sair do discurso e implantar mudanças efetivas nos procedimentos habituais tem sido uma ação cada vez mais constante nas empresas que atuam no

Leia mais

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES LATERAIS E ADUTORAS Uma tubulação em irrigação pode, conforme a finalidade, ser designada como adutora, ramal ou lateral. A adutora é aquela tubulação que vai da bomba até a área a ser irrigada. Normalmente

Leia mais

O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem.

O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem. TRIDIMENSIONALIDADE O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem. As formas tridimensionais são aquelas que têm

Leia mais

ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS

ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. E NORMAS COMPLEMENTARES... 3 4. DEFINIÇÃO... 3

Leia mais

E-QP-ECD-069 REV. C 26/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO -

E-QP-ECD-069 REV. C 26/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao

Leia mais

EDIFICAÇÕES. Técnicas construtivas Memória de aula 03 MARCAÇÃO DE OBRA

EDIFICAÇÕES. Técnicas construtivas Memória de aula 03 MARCAÇÃO DE OBRA 1. LOCAÇÃO DA OBRA Professora Carolina Barros EDIFICAÇÕES Técnicas construtivas Memória de aula 03 MARCAÇÃO DE OBRA A locação de uma obra consiste em marcar no solo a posição de cada um dos elementos constitutivos

Leia mais

ESCOPO DO LABORATORIO

ESCOPO DO LABORATORIO Haste Padrão parã Micrômetro Externo âté 500 mm Paquímetro Micrômetro Externo Relógio Apalpador Milesimal / Centesimal até 25 mm Paquímetro Medidor de Altura Bloco Padrão Calibrador Anel de Rosca Paralela

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

Grupo 16 Instrumentos de medição

Grupo 16 Instrumentos de medição BRALE Grupo 16 Instrumentos de medição Fornecedor: Tipo Descrição Página Instrumentos de medição em geral 00 Paquímetro com leitura analógica 01 Características 01-01 Produtos 01-02 Paquímetro com leitura

Leia mais

Algoritmos com Estrutura Sequencial

Algoritmos com Estrutura Sequencial Algoritmos com Estrutura Sequencial 1. A partir da diagonal de um quadrado, deseja-se elaborar um algoritmo que informe o comprimento do lado do quadrado. Construa um algoritmo que leia o valor da diagonal

Leia mais

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -DQHLUR

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -DQHLUR 81,9(56,'$'()('(5$/'&($5È '(3$57$0(17'((1*(1+$5,$(6758785$/( &16758d &,9,/ 17$6'($8/$6 &16758d '((',)Ë&,6, /&$d '$%5$ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -DQHLUR &RQVWUXomRGH(GLItFLRV, /RFDomRGDEUD -7 /&$d '$%5$,175'8d

Leia mais

MANUAL DE ADAPTAÇÃO DE D.I.F.

MANUAL DE ADAPTAÇÃO DE D.I.F. SUMÁRIO Item Assunto Página 1.0 Objetivo 02 1.1 Aprovação do Manual 03 1.2 Normas e Regulamentos Complementares 04 1.3 Documentos de Referência 04 1.3.1 Projetos 04 2.0 Recomendações Iniciais 05 2.1 Equipamentos

Leia mais

ORGANISMOS DE INSPEÇÃO DE VEÍCULOS

ORGANISMOS DE INSPEÇÃO DE VEÍCULOS Pág. 1 de 6 1. OBJECTIVO O presente documento tem como objetivo definir o serviço de acreditação para o setor Organismos de Inspeção de Veículos (OIV) inserido no esquema de acreditação de organismos de

Leia mais

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Terra Departamento de Geomática Profa. Dra. Regiane Dalazoana LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 a) Cálculo de Volumes

Leia mais

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014 5 DIMENSIONAMENTO Versão 2014 Data: Março / 2014 5.1. Parâmetros para o dimensionamento... 5.3 5.1.1. Escolha de parâmetros... 5.3 5.1.2. Tipologia construtiva da instalação predial... 5.3 5.1.3. Pressão

Leia mais

CADERNO DE MOBILIÁRIO EXTERNO FÓRUM CÍVEL DO TJ-GO

CADERNO DE MOBILIÁRIO EXTERNO FÓRUM CÍVEL DO TJ-GO ESTADO DE GOIÁS PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DIRETORIA DOS SETORES DE OBRAS, SERVIÇOS, RECURSOS MATERIAIS E PROJETOS ESPECIAIS COMISSÃO TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DE AMOSTRAS CADERNO DE MOBILIÁRIO EXTERNO

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 30 HIDRANTE PÚBLICO

NORMA TÉCNICA N o 30 HIDRANTE PÚBLICO ANEXO XXX AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 30 HIDRANTE PÚBLICO 1 OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece a regulamentação das condições mínimas para a instalação de hidrante

Leia mais

Topografia Aplicada a Terraplenagem

Topografia Aplicada a Terraplenagem Topografia Aplicada a Terraplenagem ALTIMETRIA Nivelamento Geométrico Método das Visadas Extremas PLANIMETRIA Malha Regular PLANIMETRIA IMPLANTAÇÃO DA MALHA REGULAR Equipamentos: 1 Teodolito (Utilizado

Leia mais

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 COORDENAÇÃO DO LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL PROFESSORES: MARCELO TSUYOSHI HARAGUCHI NAZARENO FERREIRA

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires MEMORIAL DESCRITIVO Obra: OBRAS CIVIS, REFORMA E INSTALAÇÕES - PMAT PAVIMENTO TÉRREO E SUPERIOR DA PREFEITURA MUNICIPAL Local: Rua Osvaldo Aranha-nº 634 Venâncio Aires EXECUÇÃO E SERVIÇOS A execução dos

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

Manual de Referência Técnica ELEVAC 250

Manual de Referência Técnica ELEVAC 250 Manual de Referência Técnica ELEVAC 250 t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s ESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO A Plataforma Elevac 250 traz comodidade e praticidade para todas as pessoas com dificuldades permanentes

Leia mais

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS REDES DE ESGOTO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE REDE DE ESGOTO SANITÁRIO Deverão ser obedecidas as normas NBR 9649, 8160 e 9648 da ABNT sobre o assunto

Leia mais

Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 03

Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 03 Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 03 Medidas Lineares Diretas e Indiretas: Leitura e Formulação Laboratório de Cartografia Digital - CTUFES Definição de levantamento topográfico NBR13.133/1994

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais