Direito Empresarial III Falência e Recuperação. Foed Saliba Smaka Jr. Direito ISEPE.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito Empresarial III Falência e Recuperação. Foed Saliba Smaka Jr. Direito ISEPE."

Transcrição

1 Direito Empresarial III Falência e Recuperação Foed Saliba Smaka Jr. Direito ISEPE.

2 Aula 15.

3 Primeira Fase Pré Falimentar: Sujeito Ativo: Devedor, Sócio, Credor (fazenda pública, empresário irregular, domiciliado no exterior caução); Sujeito Passivo Empresário (controle do poder público, câmaras de compensação e previdência complementar fechada cias de seguro, operadoras de saúde e instituições financeiras Leasing, Consórcio, Capitalização e Fundo Mútuo); Competência Universalidade do Juízo; Do Rito: arts. 94 a 96 e 98 (contencioso) e Autofalência arts. 105 a 107 (não contencioso).

4 Primeira Fase Pré Falimentar: Resposta à Petição Inicial - Prazo = 10 dias; Contestar; Pedir Incidentalmente Recuperação Judicial; Ao contestar pode efetuar o depósito elisivo.

5 Primeira Fase Pré Falimentar: Resposta à Petição Inicial: Da Contestação (art. 96): I falsidade de título; II prescrição; III nulidade de obrigação ou de título; IV pagamento da dívida; V qualquer outro fato que extinga ou suspenda obrigação ou não legitime a cobrança de título; VI vício em protesto ou em seu instrumento; VII apresentação de pedido de recuperação judicial no prazo da contestação, observados os requisitos do art. 51 desta Lei; VIII cessação das atividades empresariais mais de 2 (dois) anos antes do pedido de falência, comprovada por documento hábil do Registro Público de Empresas, o qual não prevalecerá contra prova de exercício posterior ao ato registrado.

6 Primeira Fase Pré Falimentar: Resposta à Petição Inicial: Depósito Elisivo: retira a legitimidade; não é confissão de dívida; haverá denegação da falência; análise do pedido: procedente ou improcedente (valor); Principal, juros, correção e honorários (antes súmula 29 STJ, hoje art. 98 LF);

7 Primeira Fase Pré Falimentar: Sentença do Pedido de Falência: Pode ser: Procedente determinando o processo falimentar ou; Improcedente denegando o pedido e impedindo o processo; Será procedente quando comprovados os fatos e improcedente quando não comprovados os fatos; E o depósito?

8 Primeira Fase Pré Falimentar: Sentença do Pedido de Falência: Ocorre em Duas hipóteses: Denegada ou; Concedida. Sentença Denegatória: Impede a instauração do procedimento de falência. Fundamenta-se em dois motivos: Improcedência do Pedido Art. 96 Depósito elisivo Pode ter pedido procedente ou improcedente, mas a falência será denegada (cobrança).

9 Primeira Fase Pré Falimentar: Sentença do Pedido de Falência Decretação: Quando for julgado procedente e não houver depósito elisivo; Natureza Jurídica Já foi declaratória, mas é constitutiva constitui o devedor no estado de falência, a partir dai é considerado falido, mesmo que já esteja em falência real a anos sua constituição jurídica inicia-se dai (ex nunc); Terá o conteúdo genérico às sentenças e os específicos da sentença falimentar (art. 458 CPC e 99 LF);

10 Primeira Fase Pré Falimentar: Sentença do Pedido de Falência Decretação: Conteúdo da Sentença Art. 99: I conterá a síntese do pedido, a identificação do falido e os nomes dos que forem a esse tempo seus administradores; II fixará o termo legal da falência, sem poder retrotraí-lo por mais de 90 (noventa) dias contados do pedido de falência, do pedido de recuperação judicial ou do 1º (primeiro) protesto por falta de pagamento, excluindo-se, para esta finalidade, os protestos que tenham sido cancelados; (tempo para falir, tentativa de proteger o patrimônio, determina a validade dos impedimentos da falência) PERÍODO SUSPEITO;

11 Primeira Fase Pré Falimentar: Sentença do Pedido de Falência Decretação: PERÍODO SUSPEITO: Retroage 90 dias a contar da: Pedido de Falência (atos de falência ou execução frustrada); Do pedido de recuperação judicial (convolação); Primeiro protesto (não o que embasou o pedido - impontualidade injustificada);

12 Primeira Fase Pré Falimentar: Sentença do Pedido de Falência Decretação: Conteúdo da Sentença Art. 99: III ordenará ao falido que apresente, no prazo máximo de 5 (cinco) dias, relação nominal dos credores, indicando endereço, importância, natureza e classificação dos respectivos créditos, se esta já não se encontrar nos autos, sob pena de desobediência; IV explicitará o prazo para as habilitações de crédito, observado o disposto no 1o do art. 7o desta Lei; V ordenará a suspensão de todas as ações ou execuções contra o falido, ressalvadas as hipóteses previstas nos 1o e 2o do art. 6o desta Lei;

13 Primeira Fase Pré Falimentar: Sentença do Pedido de Falência Decretação: Conteúdo da Sentença Art. 99: VI proibirá a prática de qualquer ato de disposição ou oneração de bens do falido, submetendo-os preliminarmente à autorização judicial e do Comitê, se houver, ressalvados os bens cuja venda faça parte das atividades normais do devedor se autorizada a continuação provisória nos termos do inciso XI do caput deste artigo;

14 Primeira Fase Pré Falimentar: Sentença do Pedido de Falência Decretação: Conteúdo da Sentença Art. 99: VII determinará as diligências necessárias para salvaguardar os interesses das partes envolvidas, podendo ordenar a prisão preventiva (CONSTITUCIONAL PREVENTIVA, SEGUE CÓDIGO PROCESSO PENAL) do falido ou de seus administradores quando requerida com fundamento em provas da prática de crime definido nesta Lei; (PODER GERAL DE CAUTELA)

15 Primeira Fase Pré Falimentar: Sentença do Pedido de Falência Decretação: Conteúdo da Sentença Art. 99: VIII ordenará ao Registro Público de Empresas que proceda à anotação da falência no registro do devedor, para que conste a expressão "Falido", a data da decretação da falência e a inabilitação de que trata o art. 102 desta Lei;

16 Primeira Fase Pré Falimentar: Sentença do Pedido de Falência Decretação: Conteúdo da Sentença Art. 99: IX nomeará o administrador judicial, que desempenhará suas funções na forma do inciso III do caput do art. 22 desta Lei sem prejuízo do disposto na alínea a do inciso II do caput do art. 35 desta Lei; (QUEM É? Art. 21. O administrador judicial será profissional idôneo, preferencialmente advogado, economista, administrador de empresas ou contador, ou pessoa jurídica especializada).

17 Primeira Fase Pré Falimentar: Sentença do Pedido de Falência Decretação: Conteúdo da Sentença Art. 99: X determinará a expedição de ofícios aos órgãos e repartições públicas e outras entidades para que informem a existência de bens e direitos do falido (ARRECADAÇÃO DOS BENS); XI pronunciar-se-á a respeito da continuação provisória das atividades do falido com o administrador judicial ou da lacração dos estabelecimentos, observado o disposto no art. 109 desta Lei (MAXIMIZAÇÃO DOS ATIVOS E MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE, MANTER-SE VIVA NO MERCADO) (PODER GERAL DE CAUTELA);

18 Primeira Fase Pré Falimentar: Sentença do Pedido de Falência Decretação: Conteúdo da Sentença Art. 99: XII determinará, quando entender conveniente, a convocação da assembléia-geral de credores para a constituição de Comitê de Credores, podendo ainda autorizar a manutenção do Comitê eventualmente em funcionamento na recuperação judicial quando da decretação da falência (NÃO É ÓRGÃO OBRIGATÓRIO); XIII ordenará a intimação do Ministério Público e a comunicação por carta às Fazendas Públicas Federal e de todos os Estados e Municípios em que o devedor tiver estabelecimento, para que tomem conhecimento da falência (PUBLICIDADE TOTAL).

19 Primeira Fase Pré Falimentar: Sentença do Pedido de Falência Decretação: Conteúdo da Sentença Art. 99: Parágrafo único. O juiz ordenará a publicação de edital contendo a íntegra da decisão que decreta a falência e a relação de credores.(publicidade TOTAL). Publicidade Total nacional. Publicação em jornal regional ou Poder Geral de Cautela (inc. VII e IX): Para não causar ou evitar causar prejuízos as partes envolvidas no processo: Tomar medidas que preserve o interesse, determinar a prisão preventiva e autorizar o funcionamento da atividade;

20 Primeira Fase Pré Falimentar: Sentença do Pedido de Falência Recurso Cabível: Da sentença que denega a falência = apelação; Põe fim ao processo todo, não há mais seguimento, ou seja, é uma decisão terminativa do processo; Da sentença que decreta a falência = agravo. Nesse caso não pões fim ao processo como um todo, mas há uma parte inicial e essencial do restante do processo, ou seja, dá início ao processo de falência. É na forma de instrumento. Art. 100

21 Primeira Fase Pré Falimentar: Participação do Ministério Público: Art. 4º - VETADO - O representante do Ministério Público intervirá nos processos de recuperação judicial e de falência. Parágrafo Único: além das disposições previstas nesta Lei, o representante do Ministério Público intervirá em toda ação proposta pela massa falida ou contra ela. A lei já veio para desjudicializar um pouco o processo, visa a celeridade, com este artigo iria regredir.

22 Fase Falimentar - Decretação da Falência Efeitos. Com relação à pessoa e os bens do devedor: Fica inabilitado para exercício de empresa (art. 102); Só pode retornar finda a falência (exceção art. 181, 1º); Perde o direito de administrar seus bens (art. 103); Sociedade Ilimitada Sócio é falido citado (art. 81); Sociedade Limitada em princípio sócio não é falido (art. 82); Ação própria no prazo de 2 anos no juízo universal; Prescrição das dívidas, sujeição dos credores (art. 115); Não resolução dos contratos bilaterais maximização dos ativos (art. 117);

23 Fase Falimentar - Decretação da Falência Efeitos. Com relação aos credores: Formação da massa falida subjetiva (sujeição dos credores habilitação forma o quadro geral de credores ordem de classificação); Instauração do juízo universal da falência suspenção das ações de execução e das prescrições: Art. 76 compatibilizado com art. 6º (ações de execução) da lei. Não são atraídas: trabalhistas, quantia ilíquida, execuções fiscais, autora ou litisconsorte ativa não reguladas pela lei. Quantia ilíquida e trabalhistas após a liquidação a execução se dá na falência. Se demorar muito (reserva de valor); Execuções fiscais, não suspendem, mas não há constrição;

24 Administração da Falência: Lembrar o que é falência; Execução penhorar quantos bens forem necessários; Execução da falência = todos os bens; Afasta-se o devedor mantém-se a empresa; Empresário sai de cena atividade permanece.

25 Administração da Falência: Juiz é o Principal Administrador; Administrador Judicial; Assembleia de Credores; Comitê.

26 Administração da Falência: A administração da falência = juiz da causa; Atribuições: autorizar a venda de bens; aprovar a prestação de contas do administrador judicial; fixar a remuneração dos auxiliares deste; autorizar o aluguel de bem arrecadado para renda da massa; Proferir decisões sobre o andamento da empresa;

27 Administração da Falência: Decisões fundamentadas; Nem sempre poderá ter pareceres técnicos (custo); Auxiliares diretos: administrador e o promotor; O representante do MP atua como fiscal da lei, como parte (denuncia de crimes falimentares) ou ainda como auxiliar do juiz (impugnação da prestação de contas);

28 Administração da Falência: Crítica: tanto o juiz como o promotor saem de suas funções constitucionais. Uma sociedade empresária especializada em falência deveria administrar, sob a supervisão do juiz e do MP.

29 Administração da Falência: Administrador Judicial: Pode ser pessoa física ou jurídica; É o agente auxiliar do juiz que, em nome próprio, deve cumprir com as funções cometidas pela lei; Auxilia do juiz na administração da falência; É o representante da comunhão de interesses dos credores (massa falida subjetiva); Para fins penais, é considerado funcionário público. Para civil e administrativo, ele é agente externo colaborador da justiça, da pessoal e direta confiança do juiz.

30 Administração da Falência: Administrador Judicial: Buscar sempre profissional com experiência em administração de empresas, porte da falida; Advogado não é a pessoas mais indicada; Novidade nova lei pessoa jurídica;

31 Administração da Falência: Administrador Judicial: Estão impedidos: Pessoa impedida por lei especial (juiz, promotor de justiça, delegado de polícia, funcionários públicos etc.). Administrador judicial ou membro de Comitê de outra falência ou recuperação judicial nos 5 anos anteriores que: Foi destituído da função, não prestou as contas nos prazos devidos ou teve qualquer uma delas desaprovada (LF, art. 30). Quem tiver relação de parentesco ou afinidade até terceiro grau com os administradores da sociedade empresária falida, ou deles for amigo, inimigo ou dependente (art. 30, 1º).

32 Administração da Falência: Administrador Judicial: Encerra suas funções por: Substituição: não é sanção, providência prevista em lei, para a melhor administração da falência ou continuidade do processo falimentar. São causas para a substituição a renúncia justificada, morte, incapacidade civil, falência etc. Destituição: sanção para quem não cumpriu obrigações inerentes à função ou passou a ter interesses conflitantes com os da massa. São motivos de destituição a inobservância de prazo legal, renúncia injustificada ou o interesse conflitante com o da massa.

33 Administração da Falência: Administrador Judicial: Indelegável; Pode ter assessores; Quando advogado não pode defender os interesses da massa;

34 Administração da Falência: Administrador Judicial: Renumeração: determinada pelo juiz em percentual do ativo; Leva em conta: A diligência e pela qualidade do trabalho; A importância da massa, isto é, o valor do passivo envolvido, inclusive quantidade de credores; Os valores de mercado para trabalho equivalente; O limite máximo da lei, fixado em percentual de 5% sobre o valor de venda dos bens na falência (LF, art. 24 e 1º).

35 Administração da Falência: Administrador Judicial: Renumeração: Diz a lei que a remuneração deve ser paga em duas parcelas, a primeira de 60% quando do atendimento dos créditos extraconcursais; e a segunda, correspondente a 40%, após a aprovação das contas; Não é devida à quem renunciar sem relevante razão ou for destituído por desídia, culpa, dolo ou descumprimento de suas obrigações; se suas contas não forem aprovadas. Substituído por motivo justificável (impedimento físico, problemas de saúde etc.), fará jus à remuneração proporcional (LF, art. 24, 3º e 4º).

36 Administração da Falência: Administrador Judicial: Prestação de Contas: Presta contas em duas hipóteses: Ordinariamente ao término do processo, e; Extraordinariamente, quando deixa as suas funções por renúncia, substituição ou destituição. Quando deixar de fazê-lo nessas oportunidades, será intimado para cumprir a obrigação legal no prazo de 5 dias, sob pena de desobediência (LF, art. 23). A prestação de

37 Administração da Falência: Administrador Judicial: Prestação de Contas: Deve estar acompanhada dos documentos comprobatórios; Autuada em separado; Abre-se prazo de 10 dias para impugnação dos interessados; Ocorrendo, o juiz determina diligências cabíveis à apuração dos fatos porventura alegados; Oitiva do MP e resposta do administrador judicial; Julgamento: Aprovadas sem problemas, rejeitadas pode o juiz decretar a indisponibilidade dos bens do administrador.

38 Administração da Falência: Administrador Judicial: Prestação de Contas: Não havendo impugnação, o juiz julga as contas independentemente de oitiva do Ministério Público e nova manifestação do administrador judicial (art. 154 e parágrafos).

39 Administração da Falência: Administrador Judicial: Missão: Auxiliar o juiz: Manifestar-se nos autos sempre que solicitado ou apontando medidas que considere uteis ao desempenho do processo. Representar os interesses dos credores: Administrar os bens a fim de maximizar os recursos disponíveis para a quitação das dívidas, não goza de autonomia absoluta, pois depende de autorização judicial para a maioria das medidas, a contratação de profissionais só obriga a falida se autorizado, caso contrário o próprio administrador deve arcar com as consequências;

40 Administração da Falência: Assembleia de Credores: Reunião dos credores para decisões sobre interesses próprios ou da massa; Credores tem interesses convergentes (ativo) e divergentes (passivo pagamento); Emaranhado de interesses, decidir o melhor para o conjunto, interpretar a comunhão de vontades; Hora é o juiz quando decide como será a venda dos bens; Hora é o administrador quando cobra os devedores da massa;

41 Administração da Falência: Assembleia de Credores: Em alguns casos os credores são chamados a opinar, através de uma reunião: Assembleia de Credores; Atribuições (art. 35, II): Aprovar a constituição do Comitê de Credores, elegendo os seus membros; Aprovar, por 2/3 dos créditos, modalidades alternativas de realização do ativo; Deliberar sobre qualquer matéria do interesse dos credores.

42 Administração da Falência: Comitê de Credores: Órgão consultivo e de fiscalização; É formado por determinação judicial declaração da falência; Ou por deliberação de qualquer das classes dos credores em Assembleia; É formado por 1 representante titular e 2 suplentes de cada classe de credores; Ausência de uma classe não prejudica o funcionamento;

43 Administração da Falência: Comitê de Credores: Juiz pode independente da assembleia, nomear ou destituir qualquer representante, requerimento da classe, maioria; Não deve ocorrer em todas as falências; Apenas se o passivo ou ativo forem amplos, ou a complexidade da atividade requerer;

44 Aula 14

45 Administração da Falência Etapas do Processo: Objetivo: Arrecadar os bens e habilitação dos créditos; Arrecadação dos bens: Primeiro ato após assinar o termo de compromisso (art. 108), auto de arrecadação, pode demorar; Ficam sob sua responsabilidade, pode delegar; Não serão arrecadados bens absolutamente impenhoráveis; Constam nos autos inventário dos bens e avaliação (art. 110);

46 Administração da Falência Etapas do Processo: Bens Perecíveis: Venda antecipada após arrecadação e avaliação (art. 113); Pode iniciar as vendas mesmo antes do quadro geral (lei nova); Aluguel de Bens: Pode gerar bens através de seus patrimônio (art. 114); Maximização dos ativos

47 Administração da Falência Etapas do Processo: Bens no período suspeito (termo legal de falência); Não vem da noite para o dia, esconde ou vende bens; Investigação do passado para verificar a possibilidade de trazer bens ou valores para a massa (atos ineficaz); Condutas ineficazes praticadas (art. 129 taxativo), objetivamente ineficaz; Declarada de ofício pelo juiz, alegada em defesa ou pleiteada mediante ação própria ou incidentalmente no curso do processo;

48 Administração da Falência Etapas do Processo: Bens no período suspeito (termo legal de falência); Outras condutas ineficácia subjetiva (art. 130); Art São revogáveis (herança art. 129, V) os atos praticados com a intenção de prejudicar credores, provando-se o conluio fraudulento entre o devedor e o terceiro que com ele contratar e o efetivo prejuízo sofrido pela massa falida. Depende de prova em determinação própria em ação revocatória, movida pelo adm. Judicial, MP, ou qualquer credor; Decadência: até 3 anos;

49 Administração da Falência Etapas do Processo: Bens no período suspeito (termo legal de falência);

Direito Empresarial III Falência e Recuperação. Foed Saliba Smaka Jr. Direito ISEPE.

Direito Empresarial III Falência e Recuperação. Foed Saliba Smaka Jr. Direito ISEPE. Direito Empresarial III Falência e Recuperação Foed Saliba Smaka Jr. Direito ISEPE. Aula 13. Primeira Fase Pré Falimentar: Sujeito Ativo: Devedor, Sócio, Credor (fazenda pública, empresário irregular,

Leia mais

Administrador Judicial na Falência e na Recuperação de Empresas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Administrador Judicial na Falência e na Recuperação de Empresas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Administrador Judicial na Falência e na Recuperação de Empresas Administrador Judicial O administrador judicial será profissional idôneo, preferencialmente advogado, economista, administrador de empresas

Leia mais

CONCEITO. (Rocha Azevedo)

CONCEITO. (Rocha Azevedo) FALÊNCIA CONCEITO "é o processo de execução específico, contra empresário ou sociedade empresária insolvente, instaurador de comunhão incidental organizada entre todos os credores, por direitos e obrigações

Leia mais

MANUAL DE DIREITO EMPRESARIAL

MANUAL DE DIREITO EMPRESARIAL Benigno Cavalcante MANUAL DE DIREITO EMPRESARIAL Sumário Apresentação... 17 Abreviatura... 21 CAPÍTULO I HISTÓRIA DO DIREITO COMERCIAL 1. O Surgimento do Direito Comercial... 25 1.2. Evolução do Direito

Leia mais

DISPOSIÇÕES COMUNS ÀS RECUPERAÇÕES E À FALÊNCIA

DISPOSIÇÕES COMUNS ÀS RECUPERAÇÕES E À FALÊNCIA DISPOSIÇÕES COMUNS ÀS RECUPERAÇÕES E À FALÊNCIA 1. EMPRESAS EXCLUÍDAS DO PROCESSO 2. JURISDIÇÃO ESPECIAL 3. CRÉDITOS EXCLUÍDOS 4. CONSEQUÊNCIAS DO JUÍZO UNIVERSAL 5. A VERIFICAÇÃO DOS CRÉDITOS 6. A ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

FALÊNCIA. Armindo de Castro Júnior. Homepage: Facebook: Armindo Castro Cel.

FALÊNCIA. Armindo de Castro Júnior.   Homepage:  Facebook: Armindo Castro Cel. FALÊNCIA Armindo de Castro Júnior E-mail: armindocastro@uol.com.br Homepage: www.armindo.com.br Facebook: Armindo Castro Cel.: (65) 99352-9229 HIPÓTESES Fatos que autorizam a DECRETAÇÃO DE FALÊNCIA (LF,

Leia mais

1 INSOLVÊNCIA 1 O risco de empreender 2 Obrigação e solução 3 Princípio geral da solvabilidade jurídica 4 Execução coletiva 5 Histórico

1 INSOLVÊNCIA 1 O risco de empreender 2 Obrigação e solução 3 Princípio geral da solvabilidade jurídica 4 Execução coletiva 5 Histórico 1 INSOLVÊNCIA 1 O risco de empreender 2 Obrigação e solução 3 Princípio geral da solvabilidade jurídica 4 Execução coletiva 5 Histórico 2 INSOLVÊNCIA EMPRESÁRIA 1 Regime jurídico para a insolvência empresária

Leia mais

Direito Empresarial III Falência e Recuperação. Foed Saliba Smaka Jr. Direito ISEPE.

Direito Empresarial III Falência e Recuperação. Foed Saliba Smaka Jr. Direito ISEPE. Direito Empresarial III Falência e Recuperação Foed Saliba Smaka Jr. Direito ISEPE. Introdução Direito Falimentar Falência Recuperação Judicial Recuperação Extrajudicial Direito Falimentar. Provas: 29/09

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 - Introdução ao Direito Falimentar 1

Sumário. Capítulo 1 - Introdução ao Direito Falimentar 1 Sumário Capítulo 1 - Introdução ao Direito Falimentar 1 1.1. Antecedentes... 1 LU. O princípio...2 1.1.2. Operacionalidade.. 3 1.1.3. Forma... 3 1.2. Justiça distributiva e procedimento concursal... 4

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV Período: 6 Carga Horária: 72 h/a EMENTA Teoria geral do direito falimentar. Evolução histórica. Processo falimentar: Requisitos. Fases do processo

Leia mais

ÓRGÃOS DA FALÊNCIA O MINISTÉRIO PÚBLICO. instituições designadas na lei para atuarem diretamente no, cada uma dentro de suas respectivas competências.

ÓRGÃOS DA FALÊNCIA O MINISTÉRIO PÚBLICO. instituições designadas na lei para atuarem diretamente no, cada uma dentro de suas respectivas competências. ÓRGÃOS DA FALÊNCIA Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi São as instituições designadas na lei para atuarem diretamente no, cada uma dentro de suas respectivas competências. O MINISTÉRIO PÚBLICO É a autoridade

Leia mais

Direito Empresarial. Aula 18. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Empresarial. Aula 18. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Empresarial Aula 18 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

CONCLUSÃO SENTENÇA É O RELATÓRIO. DECIDO.

CONCLUSÃO SENTENÇA É O RELATÓRIO. DECIDO. fls. 2187 CONCLUSÃO Em 17 de março de 2017, faço estes autos conclusos ao (à) Doutor(a) Ana Lucia Fusaro Juiz(a) de Direito. Willians Manoel Duarte Murillo, Assistente Judiciário Processo nº: 1008180-54.2014.8.26.0565

Leia mais

ÓRGÃOS DA RECUPERAÇÃO E DA FALÊNCIA

ÓRGÃOS DA RECUPERAÇÃO E DA FALÊNCIA Curso de Direito Falimentar 2010, Ivanildo Figueiredo ÓRGÃOS DA RECUPERAÇÃO E DA FALÊNCIA FALÊNCIA E RECUPERAÇÃO Processo judicial de intervenção estatal na atividade econômica RESPONSABILIDADE DO PROCESSO

Leia mais

SENTENÇA. Processo Digital nº: Classe - Assunto Recuperação Judicial - Recuperação judicial e Falência

SENTENÇA. Processo Digital nº: Classe - Assunto Recuperação Judicial - Recuperação judicial e Falência fls. 2027 SENTENÇA Processo Digital nº: 4004874-49.2013.8.26.0019 Classe - Assunto Recuperação Judicial - Recuperação judicial e Falência Requerente: Têxtil Tabacow S/A Requerido: Textil Tabacow S/A Juiz(a)

Leia mais

CONCEITO DE EMPRESÁRIO

CONCEITO DE EMPRESÁRIO DIREITO EMPRESARIAL NO DIREITO DO TRABALHO DR. JOSÉ RODRIGO DORNELES VIEIRA 1. CARACTERIZAÇÃO DO EMPRESÁRIO Conceito de empresário A questão do registro 2. ESPÉCIES DE EMPRESÁRIO Empresário individual

Leia mais

CURSO ONLINE APERFEIÇOAMENTO EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE EMPRESAS

CURSO ONLINE APERFEIÇOAMENTO EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE EMPRESAS CURSO ONLINE APERFEIÇOAMENTO EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE EMPRESAS Aula 3 - VERIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO DE CRÉDITOS - IMPUGNAÇÃO E DIVERGÊNCIAS PARTE 2 2 FASE ADMINISTRATIVA HABILITAÇÕES E DIVERGÊNCIAS É dever

Leia mais

Direito Empresarial Promotor de Justiça - 4ª fase

Direito Empresarial Promotor de Justiça - 4ª fase CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER Direito Empresarial Promotor de Justiça - 4ª fase Falência e Recuperação Judicial de Empresas Período 2006-2016 1) Comissão Examinadora Promotor de Justiça - MPE SP (2013)

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO Comarca de Joinville 4ª Vara Cível

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO Comarca de Joinville 4ª Vara Cível fls. 589 Autos n 0301750-45.2016.8.24.0038 Ação: Recuperação Judicial/PROC Autor: Wetzel S/A DECISÃO Trato de pedido de recuperação judicial manejado por Wetzel S. A., em que a autora alega, em síntese,

Leia mais

O Administrador Judicial na nova Lei de Falências

O Administrador Judicial na nova Lei de Falências O Administrador Judicial na nova Lei de Falências CONCEITO: é profissional (pessoa física ou jurídica) de confiança do juízo, idôneo e capacitado tecnicamente para auxiliá-lo na administração da falência

Leia mais

ARMINDO DE CASTRO JÚNIOR

ARMINDO DE CASTRO JÚNIOR Conceito de falência DIREITO FALIMENTAR Falência (do latim fallere e do grego sphallein ): falha, defeito, carência, engano ou omissão ARMINDO DE CASTRO JÚNIOR E-mail: armindocastro@uol.com.br Homepage:

Leia mais

CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 8º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL III NOME DO CURSO: DIREITO

CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 8º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL III NOME DO CURSO: DIREITO 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D. 40 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 8º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL III NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA RECUPERAÇÃO

Leia mais

Sentenças e recursos no processo de falência

Sentenças e recursos no processo de falência Sentenças e recursos no processo de falência Luiz Henrique Alves de oliveira 1 RESUMO Este artigo apresenta como parte da disciplina de Direito Falimentar e a luz da Lei 11.101/2005 que regula a Recuperação

Leia mais

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA 1 (Dec.-lei 7.661/1945 e Lei /2005)

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA 1 (Dec.-lei 7.661/1945 e Lei /2005) TABELA DE CORRESPONDÊNCIA 1 (Dec.-lei 7.661/1945 e Lei 11.101/2005) TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DECLARAÇÃO DA FALÊNCIA Da caracterização da falência Art. 1.º... Art. 94 Art. 2.º... Art. 94 Art. 3.º...

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA DE DIREITO COMERCIAL IV

QUESTÕES PARA A PROVA DE DIREITO COMERCIAL IV QUESTÕES PARA A PROVA DE DIREITO COMERCIAL IV Prof. José Carlos Vaz e Dias 1º. Semestre de 2009 1) O que é falência e qual é a etimologia deste vocábulo? Explique a falência sobre o ponto de vista jurídico,

Leia mais

Prof. Ms. Guilherme Martins Teixeira Borges FACE: Guilherme Martins INSTA: Professor Guilherme Martins

Prof. Ms. Guilherme Martins Teixeira Borges FACE: Guilherme Martins INSTA: Professor Guilherme Martins Prof. Ms. Guilherme Martins Teixeira Borges FACE: Guilherme Martins Periscope: @ProfGuilherm INSTA: Professor Guilherme Martins E-mail: g.martins.borges@hotmail.com Ação de Cobrança Ação de Obrigação de

Leia mais

PUBLICIDADE DA SENTENÇA DECLARATÓRIA DA FALÊNCIA

PUBLICIDADE DA SENTENÇA DECLARATÓRIA DA FALÊNCIA PUBLICIDADE DA SENTENÇA DECLARATÓRIA DA FALÊNCIA Yuri VILA NOVA BERNARDI 1 Regina MAIA 2 RESUMO: Este artigo aborda de maneira genérica pontos importantes a respeito da Publicidade da sentença declaratória

Leia mais

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ Posição legal Momento processual Necessidade, finalidade, objeto e limites Natureza jurídica Liquidação na pendência de recurso Liquidação concomitante com execução Modalidades Liquidação de sentença Sumário

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

CIRCULAR N 14/2005 CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL ALTERÇÃO AJUSTE À LEI DE FALÊNCIA PENHORA ON-LINE

CIRCULAR N 14/2005 CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL ALTERÇÃO AJUSTE À LEI DE FALÊNCIA PENHORA ON-LINE São Paulo, 16 de Fevereiro de 2.005 DE: PARA: ASSESSORIA JURÍDICA ASSOCIADOS CIRCULAR N 14/2005 CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL ALTERÇÃO AJUSTE À LEI DE FALÊNCIA PENHORA ON-LINE Anexamos, para conhecimento,

Leia mais

AULA 9 AÇÃO TRABALHISTA Elementos da Resposta do Réu DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PROFª KILMA GALINDO DO NASCIMENTO

AULA 9 AÇÃO TRABALHISTA Elementos da Resposta do Réu DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PROFª KILMA GALINDO DO NASCIMENTO AULA 9 AÇÃO TRABALHISTA Elementos da Resposta do Réu DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PROFª KILMA GALINDO DO NASCIMENTO RESPOSTAS DO RÉU CONTESTAÇÃO; EXCEÇÃO (Incompetência relativa, suspeição

Leia mais

ATUALIZAÇÃO PROFISSIONAL DIANTE DO NOVO CPC: DESAFIOS PRESENTES E FUTUROS

ATUALIZAÇÃO PROFISSIONAL DIANTE DO NOVO CPC: DESAFIOS PRESENTES E FUTUROS ATUALIZAÇÃO PROFISSIONAL DIANTE DO NOVO CPC: DESAFIOS PRESENTES E FUTUROS Clarisse Frechiani Lara Leite Formada pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) em 2002. Mestre e doutora em

Leia mais

ÍNDICE-SUMÁRIO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL 31 ÍNDICE-SUMÁRIO

ÍNDICE-SUMÁRIO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL 31 ÍNDICE-SUMÁRIO ÍNDICE-SUMÁRIO NOTA PRÉVIA 5 NOTA PRÉVIA À 16ª EDIÇÃO 6 NOTA PRÉVIA À 15ª EDIÇÃO 7 NOTA PRÉVIA À 14ª EDIÇÃO 9 NOTA PRÉVIA À 13ª EDIÇÃO 10 NOTA PRÉVIA À 12ª EDIÇÃO 11 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS 13 CÓDIGO DE PROCESSO

Leia mais

Direito Empresarial. Aula 17. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Empresarial. Aula 17. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Empresarial Aula 17 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Texto da questão. Escolha uma: a. Aos consórcios. b. Apenas às sociedades de economia mista.

Texto da questão. Escolha uma: a. Aos consórcios. b. Apenas às sociedades de economia mista. Questão 1 O Direito Falimentar está consagrado na Lei n. 11.101, de 9 de fevereiro de 2005, a qual aborda e disciplina a falência, a recuperação judicial e a recuperação extrajudicial. Desta forma, o Direito

Leia mais

SENTENÇA V I S T O S

SENTENÇA V I S T O S fls. 1 SENTENÇA Processo nº: 0016548-92.2009.8.26.0032 Classe - Assunto Recuperação Judicial - Recuperação judicial e Falência Requerente: Rede de Supermercados Passarelli Ltda Requerido: O Juizo e outro

Leia mais

LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL Encerramento Compulsório das Atividades

LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL Encerramento Compulsório das Atividades LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL Encerramento Compulsório das Atividades Clique para editar o nome do autor Diretoria de Normas e Habilitação Clique para das editar Operadoras o cargo do - DIOPE autor Gerência-Geral

Leia mais

Formação, suspensão e extinção do processo

Formação, suspensão e extinção do processo Formação, suspensão e extinção do processo Direito Processual Civil I Prof. Leandro Gobbo 1 Princípios norteadores da formação do processo Art. 2 o O processo começa por iniciativa da parte e se desenvolve

Leia mais

SUMÁRIO. Direito do Trabalho Direito Processual Civil Direito Processual do Trabalho

SUMÁRIO. Direito do Trabalho Direito Processual Civil Direito Processual do Trabalho SUMÁRIO Direito do Trabalho... 05 Direito Processual Civil... 139 Direito Processual do Trabalho... 195 DIREITO DO TRABALHO ÍNDICE CAPÍTULO 01... 7 Fontes e Princípios de Direito do Trabalho... 7 Surgimento

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII EDIFÍCIO ALMIRANTE BARROSO CNPJ/MF N.º /

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII EDIFÍCIO ALMIRANTE BARROSO CNPJ/MF N.º / FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII EDIFÍCIO ALMIRANTE BARROSO CNPJ/MF N.º 05.562.312/0001-02 ATA DE ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA DE COTISTAS REALIZADA EM 31 DE OUTUBRO DE 2017 1. DATA,

Leia mais

PRINCIPAIS PRAZOS NA LEI Nº , DE (Lei de Falências)

PRINCIPAIS PRAZOS NA LEI Nº , DE (Lei de Falências) PRINCIPAIS PRAZOS NA LEI Nº 11.101, DE 9-2-2005 (Lei de Falências) Ação revocatória Art. 132. A ação revocatória, de que trata o art. 130 desta Lei, deverá ser proposta pelo administrador judicial, por

Leia mais

VILMAR SANTOS GUIMARÃES - ME

VILMAR SANTOS GUIMARÃES - ME COMARCA DE PORTO ALEGRE VARA DE FALÊNCIAS, CONCORDATAS E INSOLVÊNCIAS Rua Márcio Veras Vidor (antiga Rua Celeste Gobato), 10 Processo nº: Natureza: Recuperação de Empresa Autor: Vilmar Santos Guimarães

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Execução I. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Execução I. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Execução I Prof. Luiz Dellore Inadimplemento + título executivo extrajudicial: Processo de execução. PARTE ESPECIAL LIVRO II DO PROCESSO DE EXECUÇÃO Sempre? Art. 785. A existência

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 145 SENTENÇA Processo nº: 1071548-40.2015.8.26.0100 Classe - Assunto Falência de Empresários, Sociedades Empresáriais, Microempresas e Empresas de Pequeno Porte - Autofalência Requerente: Banco Cruzeiro

Leia mais

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº Registro: 2012.0000063826 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 0225852-62.2011.8.26.0000, da Comarca de Jundiaí, em que é agravante ROLFF MILANI DE CARVALHO sendo

Leia mais

DIREITO COMERCIAL 3 BIMESTRE Prof. Ruy Coppola Junior

DIREITO COMERCIAL 3 BIMESTRE Prof. Ruy Coppola Junior DIREITO COMERCIAL 3 BIMESTRE Prof. Ruy Coppola Junior 13.08.2014 Falência - Conceito - Crise patrimonial Trata-se da insolvência. A falência é instituo reservado para insolventes. As empresas viáveis tem

Leia mais

Organização da Justiça do Trabalho, Competência... 25

Organização da Justiça do Trabalho, Competência... 25 SUMÁRIO Organização da Justiça do Trabalho, Competência... 25 1.1. Organização da Justiça do Trabalho... 25 1.1.1. Introdução... 25 1.1.2. Tribunal Superior do Trabalho... 26 1.1.3. Tribunais Regionais

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº DA 2ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIAS E RECUPERAÇÃO JUDICIAL AGRAVANTE: DISTRIBUIDORA CRUZ LTDA

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº DA 2ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIAS E RECUPERAÇÃO JUDICIAL AGRAVANTE: DISTRIBUIDORA CRUZ LTDA AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0950925-5 DA 2ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIAS E RECUPERAÇÃO JUDICIAL AGRAVANTE: DISTRIBUIDORA MEDICAMENTOS CRUZ LTDA DE SANTA AGRAVADO: GRUPO MULTIFARMA MASSA FALIDA RELATOR:

Leia mais

Capítulo 1 Teoria Geral do Direito de Empresa

Capítulo 1 Teoria Geral do Direito de Empresa SUMÁRIO Capítulo 1 Teoria Geral do Direito de Empresa... 17 1. Origens do Direito Empresarial.... 17 2. Autonomia do Direito Empresarial... 20 3. Fontes do Direito Empresarial... 21 4. Do Direito de Empresa...

Leia mais

SUMÁRIO PARTE 1 PARTE 2 DICAS PARA A REALIZAÇÃO DE UMA BOA PROVA...17 PRINCIPAIS TEMAS DISCUTIDOS NA JUSTIÇA DO TRABALHO...23

SUMÁRIO PARTE 1 PARTE 2 DICAS PARA A REALIZAÇÃO DE UMA BOA PROVA...17 PRINCIPAIS TEMAS DISCUTIDOS NA JUSTIÇA DO TRABALHO...23 SUMÁRIO PARTE 1 DICAS PARA A REALIZAÇÃO DE UMA BOA PROVA...17 PARTE 2 PRINCIPAIS TEMAS DISCUTIDOS NA JUSTIÇA DO TRABALHO...23 2.1. Gratuidade de justiça...23 2.2. Honorários advocatícios...24 2.3. Homologação

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina DIR322 Direito Empresarial: Direito Cambiário e Concursal

Programa Analítico de Disciplina DIR322 Direito Empresarial: Direito Cambiário e Concursal Catálogo de Graduação 06 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina DIR3 Direito Empresarial: Direito Cambiário e Concursal Departamento de Direito - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 2 JUSTIÇA DO TRABALHO E MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 2.1 Organização da Justiça do Trabalho... 59

SUMÁRIO. Capítulo 2 JUSTIÇA DO TRABALHO E MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 2.1 Organização da Justiça do Trabalho... 59 SUMÁRIO Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1.1 Evolução histórica... 19 1.2 Direito estrangeiro... 22 1.3 Denominação... 25 1.4 Conceito... 25 1.5 Abrangência... 26 1.6 Autonomia...

Leia mais

Ações judiciais na locação de imóveis urbanos

Ações judiciais na locação de imóveis urbanos Ações judiciais na locação de imóveis urbanos Ação revisional de aluguel Ação de consignação de aluguel e acessórios da locação Prof. Denis Donoso Denis Donoso blogspot.denisdonoso.com.br Apresentação

Leia mais

CPC adota TEORIA ECLÉTICA DA AÇÃO. Que parte de outras duas teorias: b) concreta: sentença favorável. Chiovenda: direito potestativo.

CPC adota TEORIA ECLÉTICA DA AÇÃO. Que parte de outras duas teorias: b) concreta: sentença favorável. Chiovenda: direito potestativo. 1 PROCESSO CIVIL PONTO 1: CONDIÇÕES DA AÇÃO PONTO 2: CÓDIGO REFORMADO - TEORIA DA AÇÃO DOUTRINA PROCESSUAL CONTEMPORÂNEA PONTO 3: RESPOSTA DO RÉU PONTO 4: CONTESTAÇÃO 1. CONDIÇÕES DA AÇÃO ELEMENTOS CONSTITUTIVOS

Leia mais

ÍNDICE. Parte 1 Direito Material Empresarial, 19

ÍNDICE. Parte 1 Direito Material Empresarial, 19 ÍNDICE Parte 1 Direito Material Empresarial, 19 Capítulo 1 Teoria Geral do Direito de Empresa, 21 1. Origens do Direito Empresarial, 21 2. Autonomia do Direito Empresarial, 24 3. Fontes do Direito Empresarial,

Leia mais

AULA 19. Ilícito praticado por ação, a responsabilidade é individual.

AULA 19. Ilícito praticado por ação, a responsabilidade é individual. Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Direito Empresarial Professor: Leandro Antunes Monitor: André Manso AULA 19 Da responsabilidade Qualquer ato praticado pelo administrador que venha a prejudicar

Leia mais

Sumário COLEÇÃO SINOPSES PARA CONCURSOS GUIA DE LEITURA DA COLEÇÃO... 15

Sumário COLEÇÃO SINOPSES PARA CONCURSOS GUIA DE LEITURA DA COLEÇÃO... 15 COLEÇÃO SINOPSES PARA CONCURSOS... 13 GUIA DE LEITURA DA COLEÇÃO... 15 Capítulo 1 INTRODUÇÃO DO DIREITO EMPRESARIAL... 19 1. Breve histórico do Direito Empresarial... 19 2. A Empresa... 23 3. O Empresário...

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO. Capítulo 2 JUSTIÇA DO TRABALHO E MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

SUMÁRIO. Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO. Capítulo 2 JUSTIÇA DO TRABALHO E MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO SUMÁRIO Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1.1 Evolução histórica... 19 1.2 Direito estrangeiro... 22 1.3 Denominação... 25 1.4 Conceito... 25 1.5 Abrangência... 26 1.6 Autonomia...

Leia mais

/2015/ / (CNJ: )

/2015/ / (CNJ: ) COMARCA DE SANTA MARIA 3ª VARA CÍVEL Rua Alameda Buenos Aires, 201 Processo nº: 027/1.15.0006060-7 (CNJ:.0015974-15.2015.8.21.0027) Natureza: Recuperação de Empresa Autor: Lojas Código Calçados e Confecções

Leia mais

Direito Empresarial III

Direito Empresarial III Direito Empresarial III FALÊNCIA : TEORIA GERAL INTRODUÇÃO A FALÊNCIA (que é a execução concursal do empresário), A RECUPERAÇÃO JUDICIAL E A RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL (que são medidas de preservação do

Leia mais

CAPÍTULO 1 TRIBUTO. CONCEITO E ESPÉCIES...19 CAPÍTULO 2 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...21 CAPÍTULO 3 PRINCÍPIOS DO DIREITO TRIBUTÁRIO...

CAPÍTULO 1 TRIBUTO. CONCEITO E ESPÉCIES...19 CAPÍTULO 2 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...21 CAPÍTULO 3 PRINCÍPIOS DO DIREITO TRIBUTÁRIO... SUMÁRIO PARTE 1 TEORIA DIREITO MATERIAL CAPÍTULO 1 TRIBUTO. CONCEITO E ESPÉCIES...19 CAPÍTULO 2 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...21 2.1 Repartição das receitas tributárias... 23 2.2 Exercício da competência tributária...

Leia mais

ATOS PROCESSUAIS. 2 - Forma dos atos processuais - CPC, art. 188/211

ATOS PROCESSUAIS. 2 - Forma dos atos processuais - CPC, art. 188/211 Curso Escrevente SP Atos processuais Código de Processo Civil - dos Atos Processuais (Livro IV): da Forma, do Tempo e do Lugar dos Atos Processuais (Título I), da Comunicação dos Atos Processuais (Título

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-46 PERÍODO: 8 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL III NOME DO CURSO: DIREITO 2.

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-46 PERÍODO: 8 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL III NOME DO CURSO: DIREITO 2. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-46 PERÍODO: 8 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL III NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 RECUPERAÇÃO

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL QUESTÃO 1 - Sobre a disciplina do direito empresarial no Brasil: 1. O adquirente de um estabelecimento comercial jamais responderá pelo

Leia mais

Direito Processual Civil III

Direito Processual Civil III Direito Processual Civil III»Aula 19 Providências preliminares: Providências Preliminares Ação Declaratória Incidental X Providências Preliminares 1 Conceito - art. 323 do CPC - providências preliminares

Leia mais

UNIDADE 4 FALÊNCIA: HABILITAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CRÉDITOS

UNIDADE 4 FALÊNCIA: HABILITAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CRÉDITOS UNIDADE 4 FALÊNCIA: HABILITAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CRÉDITOS Profª Roberta C. de M. Siqueira/ Direito Empresarial IV ATENÇÃO: Este material é meramente informativo e não exaure a matéria. Foi retirado da

Leia mais

Pratica Civil I 7º Semestre. AULA 07 Ação de Consignação em pagamento

Pratica Civil I 7º Semestre. AULA 07 Ação de Consignação em pagamento AULA 07 Ação de Consignação em pagamento TEXTO LEGAL COMPARADO TÍTULO III- DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS- CAPÍTULO I DA AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO Art. 539 Nos casos previstos em lei, poderá o devedor

Leia mais

CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 9º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO EMPRESARIAL IV NOME DO CURSO: DIREITO

CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 9º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO EMPRESARIAL IV NOME DO CURSO: DIREITO 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D. 40 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 9º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO EMPRESARIAL IV NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA RECUPERAÇÃO

Leia mais

José Aparecido dos Santos Juiz titular da 17ª Vara do Trabalho de Curitiba 21/10/2015

José Aparecido dos Santos Juiz titular da 17ª Vara do Trabalho de Curitiba 21/10/2015 José Aparecido dos Santos Juiz titular da 17ª Vara do Trabalho de Curitiba 21/10/2015 1. Para que servem os cálculos trabalhistas? O objetivo é liquidar a sentença Sentença líquida e sentença ilíquida

Leia mais

Lei de Compensação do Estado de Goiás

Lei de Compensação do Estado de Goiás Lei de Compensação do Estado de Goiás Lei Ass. Leg. - GO 15.316/05 - Lei ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS nº 15.316 de 05.08.2005 DOE-GO: 11.08.2005 Revoga a Lei nº 13.646/00, que dispõe sobre

Leia mais

Regras - Eleições 2013

Regras - Eleições 2013 Regras - Eleições 2013 Diretoria Executiva e Conselho Fiscal 1 - Composição 1.a A Diretoria Executiva será composta de 09 (nove) membros eleitos sendo 6 (seis) membros efetivos e 3 (três) suplentes. I

Leia mais

Manual de Prática Trabalhista - 6ª Edição - Cinthia Machado de Oliveira. Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL

Manual de Prática Trabalhista - 6ª Edição - Cinthia Machado de Oliveira. Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL SUMÁRIO Título I PETIÇÃO INICIAL PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal... 15 Cabimento... 15 Espécies de ritos do processo do trabalho... 16 Rito sumário... 16 Rito sumaríssimo... 16

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL I. Princípios que Regem o Processo Penal... 002 II. Lei Processual Penal e Sistemas do Processo Penal... 007 III. Inquérito Policial... 009 IV. Processo e Procedimento... 015 V.

Leia mais

PENHORA ONLINE SOBRE O FATURAMENTO DE EMPRESAS RESUMO

PENHORA ONLINE SOBRE O FATURAMENTO DE EMPRESAS RESUMO PENHORA ONLINE SOBRE O FATURAMENTO DE EMPRESAS RESUMO Pretende-se com este artigo fazer uma analise simplificada, do que se trata a penhora online e o seu relacionamento com as empresas. O risco existente

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES DO PROCESSO DE INSOLVÊNCIA. 35 PERGUNTAS E RESPOSTAS

ASPECTOS RELEVANTES DO PROCESSO DE INSOLVÊNCIA. 35 PERGUNTAS E RESPOSTAS ASPECTOS RELEVANTES DO PROCESSO DE INSOLVÊNCIA. 35 PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Como se processa a liquidação do património do devedor na insolvência? Através da venda do património do devedor; Outra forma,

Leia mais

Ação Monitória. Mattos, Raquel Monteiro Calanzani de. Ação monitória / Raquel Monteiro Calanzani de Mattos. Varginha, slides.

Ação Monitória. Mattos, Raquel Monteiro Calanzani de. Ação monitória / Raquel Monteiro Calanzani de Mattos. Varginha, slides. Ação Monitória M435a Mattos, Raquel Monteiro Calanzani de. Ação monitória / Raquel Monteiro Calanzani de Mattos. Varginha, 2015. 24 slides. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World

Leia mais

NOÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE LANÇAMENTO DE OFÍCIO NO ESTADO DE SÃO PAULO 6ª PARTE

NOÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE LANÇAMENTO DE OFÍCIO NO ESTADO DE SÃO PAULO 6ª PARTE NOÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE LANÇAMENTO DE OFÍCIO NO ESTADO DE SÃO PAULO 6ª PARTE Alencar Frederico Mestre em Direito pela Universidade Metodista de Piracicaba;

Leia mais

Sumário CAPÍTULO 1 ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO, COMPETÊNCIA CAPÍTULO 2 MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO... 59

Sumário CAPÍTULO 1 ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO, COMPETÊNCIA CAPÍTULO 2 MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO... 59 CAPÍTULO 1 ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO, COMPETÊNCIA... 21 1.1. Organização da Justiça do Trabalho... 21 1.1.1. Introdução... 21 1.1.2. Tribunal Superior do Trabalho... 21 1.1.3. Tribunais Regionais

Leia mais

DA FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO PROCESSO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

DA FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO PROCESSO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO DA FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO PROCESSO Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO Formação do processo ETAPAS DA ESTABILIZAÇÃO DO PROCESSO DA FORMAÇÃO DO PROCESSO Art. 262. O processo civil começa por

Leia mais

LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DOS PROCESSOS EXECUTIVOS

LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DOS PROCESSOS EXECUTIVOS LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DOS PROCESSOS EXECUTIVOS DADOS GERAIS PROCESSO N.º TRIBUNAL: JUÍZO: SECÇÃO: DATA DE ENTRADA: _ TÍTULO EXECUTIVO: TIPO DE EXECUÇÃO: EXECUÇÃO INICIADA ANTES DE 15/09/2003: FORMA

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO SINDUSCON-ES SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

REGULAMENTO ELEITORAL DO SINDUSCON-ES SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO REGULAMENTO ELEITORAL DO SINDUSCON-ES SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º - Este Regulamento Eleitoral é parte integrante

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Prazos Capítulo 2 Incompetência: principais mudanças

Sumário Capítulo 1 Prazos Capítulo 2 Incompetência: principais mudanças Sumário Capítulo 1 Prazos 1.1. Forma de contagem: somente em dias úteis 1.2. Prática do ato processual antes da publicação 1.3. Uniformização dos prazos para recursos 1.4. Prazos para os pronunciamentos

Leia mais

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL VII (ADE)

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL VII (ADE) FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL VII (ADE) I FALÊNCIA 1. Introdução: - Constitui o patrimônio do devedor a garantia dos credores, e, em assim sendo, não cumprindo o devedor com as suas obrigações,

Leia mais

LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS E FALÊNCIA Capítulo II Disposições comuns à recuperação judicial e à falência

LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS E FALÊNCIA Capítulo II Disposições comuns à recuperação judicial e à falência LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS E FALÊNCIA Capítulo II Disposições comuns à recuperação judicial e à falência Armindo de Castro Júnior E-mail: armindocastro@uol.com.br Homepage: www.armindo.com.br Facebook:

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA HISTÓRICO

SOCIEDADE LIMITADA HISTÓRICO SOCIEDADE LIMITADA HISTÓRICO Decreto-lei nº 3.078/19: em princípio, era regulada por este decreto, mas foi revogada. Código Civil, arts. 1.052 e 1087: atual regulamentação Antes possuía o nome de sociedade

Leia mais

SUMÁRIO A ESSÊNCIA DO CPC DE 2015 E AS NOVAS

SUMÁRIO A ESSÊNCIA DO CPC DE 2015 E AS NOVAS Sumário SUMÁRIO A ESSÊNCIA DO CPC DE 2015 E AS NOVAS TENDÊNCIAS PARA OS CONCURSOS PÚBLICOS... 15 CÓDIGO PROCESSUAL CIVIL... 37 PARTE GERAL LIVRO I DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS... 37 TÍTULO ÚNICO DAS NORMAS

Leia mais

Índice (CPC/2015) Índice (CPC/2015) PARTE GERAL TÍTULO I DA JURISDIÇÃO E DA AÇÃO Seção II Do Auxílio Direto Arts.

Índice (CPC/2015) Índice (CPC/2015) PARTE GERAL TÍTULO I DA JURISDIÇÃO E DA AÇÃO Seção II Do Auxílio Direto Arts. Índice (CPC/2015) Índice (CPC/2015) PARTE GERAL LIVRO I DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS... 39 TÍTULO ÚNICO DAS NORMAS FUNDAMENTAIS E DA APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS... 39 CAPÍTULO I DAS NORMAS FUNDAMENTAIS

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROFESSOR EDUARDO FRANCISCO

DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROFESSOR EDUARDO FRANCISCO DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROFESSOR EDUARDO FRANCISCO 1 Nomeação à autoria arts. 62 a 69, CPC. Intervenção de terceiros Mecanismo de correção do polo passivo Dever do réu, vide art. 69, CPC. 1.1 - A nomeação

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina DIR323 Direito Empresarial IV - Recuperações e Falência

Programa Analítico de Disciplina DIR323 Direito Empresarial IV - Recuperações e Falência Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina DIR33 Direito Empresarial IV - Recuperações e Falência Departamento de Direito - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de

Leia mais

REGIME JURÍDICO DA ARBITRAGEM SOCIETÁRIA. Artigo 1.º. (Objeto)

REGIME JURÍDICO DA ARBITRAGEM SOCIETÁRIA. Artigo 1.º. (Objeto) REGIME JURÍDICO DA ARBITRAGEM SOCIETÁRIA Artigo 1.º (Objeto) 1 O presente diploma estabelece o regime aplicável à resolução de litígios em matéria societária com recurso à arbitragem. 2 Podem ser submetidos

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA MM. VARA DE FALÊNCIAS E CONCORDATAS DA COMARCA DE PORTO ALEGRE - RS

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA MM. VARA DE FALÊNCIAS E CONCORDATAS DA COMARCA DE PORTO ALEGRE - RS EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA MM. VARA DE FALÊNCIAS E CONCORDATAS DA COMARCA DE PORTO ALEGRE - RS Ref. Processo n.º 1050331633-8 Falência MASSA FALIDA DE BAR DRINK TALISMÃ LTDA., por

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro:2011.0000284910 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos destes autos do Agravo de Instrumento nº, da Comarca São Paulo, em que é agravante J COHEN EMPREENDIMENTOS COMÉRCIO E REPRESENTAÇÕES LTDA

Leia mais

Sem Solução de mérito (artigo 485 CPC) Com Solução de mérito (artigo 487 CPC) Com satisfação da obrigação (artigo 924 CPC) Fase Cognitiva

Sem Solução de mérito (artigo 485 CPC) Com Solução de mérito (artigo 487 CPC) Com satisfação da obrigação (artigo 924 CPC) Fase Cognitiva Processo Civil de Conhecimento Aula VIII 04/05/2017 Extinção do Processo Extinção Sem Solução de mérito (artigo 485 CPC) Com Solução de mérito (artigo 487 CPC) Com satisfação da obrigação (artigo 924 CPC)

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo II SUBSTABELECIMENTO... 31

SUMÁRIO. Capítulo II SUBSTABELECIMENTO... 31 SUMÁRIO Capítulo I PROCURAÇÃO AD JUDICIA... 19 1. Conceito... 19 2. Extensão dos poderes conferidos pelo outorgante ao advogado... 21 3. Modelo da procuração ad judicia com poderes para o foro em geral...

Leia mais

Anexo II do Provimento 3/ CÍVEL SENTENÇA DE JULGAMENTO COM RESOLUÇÃO DE MÉRITO (CÍVEL) :

Anexo II do Provimento 3/ CÍVEL SENTENÇA DE JULGAMENTO COM RESOLUÇÃO DE MÉRITO (CÍVEL) : ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA CENTRO ADMINISTRATIVO GOVERNADOR VIRGÍLIO TÁVORA Av. Gal. Afonso Albuquerque de Lima s/n.º - Cambeba Fortaleza Ceará CEP 60.830-120 DDD (0**85)

Leia mais

O agravo de instrumento no novo CPC

O agravo de instrumento no novo CPC O agravo de instrumento no novo CPC Advogado; GILBERTO GOMES BRUSCHI Mestre e Doutor em Processo Civil pela PUC/SP; Sócio efetivo do Instituto Brasileiro de Direito Processual (IBDP); Membro do Centro

Leia mais

PORTARIA VEP 001 DE 14 DE MARÇO DE 2017

PORTARIA VEP 001 DE 14 DE MARÇO DE 2017 PORTARIA 001 DE 14 DE MARÇO DE 2017 Dispõe sobre o calendário e os requisitos para o gozo das Saídas Temporárias no ano de 2017, no âmbito do sistema penitenciário do Distrito Federal. A Doutora LEILA

Leia mais

O protesto é um direito do credor decorrente do descumprimento, pelo devedor, da obrigação de lhe pagar determinada quantia em dinheiro.

O protesto é um direito do credor decorrente do descumprimento, pelo devedor, da obrigação de lhe pagar determinada quantia em dinheiro. O protesto é um direito do credor decorrente do descumprimento, pelo devedor, da obrigação de lhe pagar determinada quantia em dinheiro. O que é o protesto? É o ato pelo qual se prova a inadimplência

Leia mais

Autores:E.P.A. da Silva & Cia. Ltda. EPP e Supermercado Santo AntonioLtda e Distribuidora Prima Quali Ltda.

Autores:E.P.A. da Silva & Cia. Ltda. EPP e Supermercado Santo AntonioLtda e Distribuidora Prima Quali Ltda. 29/08/2016 Com Resolução do Mérito >Decretação de falência Autos n. 7213 12.2013.811.0037 (124646) Recuperação Judicial Autores:E.P.A. da Silva & Cia. Ltda. EPP e Supermercado Santo AntonioLtda e Distribuidora

Leia mais

Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal Cabimento Espécies de ritos do processo do

Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal Cabimento Espécies de ritos do processo do Sumário Manual de Prática Trabalhista Título I PETIÇÃO INICIAL PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal... 19 Cabimento... 19 Espécies de ritos do processo do trabalho... 19 Rito sumário...

Leia mais