Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014"

Transcrição

1 Belo Horizote, MG, 20 a 24 de Setembro de 204 BANCADA DIDÁTICA DE CARGAS MECÂNICAS APLICADA EM MIT ACIONADO POR INVERSOR DE FREQUÊNCIA FELIPPE DOS S. E SILVA *, VANDEIR P. MARINS *, CÁSSIO A. DE OLIVEIRA *, ELVIS L. R. SILVA *, DARIZON A. DE ANDRADE *, LUCIANO C. GOMES *, AUGUSTO W. FLEURY *, KLEIBER D. RODRIGUES *. * Laboratório de Acioametos Elétricos, Faculdade de Egeharia Elétrica, Uiversidade Federal de Uberlâdia Av. João Naves de Ávila 22 - Campus Sata Môica - CX Uberlâdia - MG - CEP s: Abstract This paper presets the developmet of a learig platform for testig of rotatig electrical machies. The project cosists of the implemetatio ad istrumetatio of a mechaical bech for testig electrical machies with power of up to 5 hp. The developed platform allows user iteractio, gradual ad assisted i all stages, ie, from the choice of the electric machie to the experimetal verificatio of the dyamic behavior of the tested machie. With this stad it is possible to perform relevat tests to determie the performace of electric motors, such as measurig voltages ad stator currets, speed, torque ad power o to the motor shaft, beyod the curves of torque ad curret versus speed, power ad efficiecy versus applied load factor. Processig of iformatio obtaied (measures), uses a data acquisitio system cotrolled by a applicatio developed specifically for this work i graphical programmig "LabVIEW " laguage. The study was coducted i steps that were performed accordig to the followig descriptio: literature review study of NBR 5383-/2002, study ad simulatio of iductio motors, physical desig of the stad for testig, specificatio of sesors ad equipmet, assembly of stad testig ad implemetatio of the testig maager applicatio. Keywords Didactic tools, Test stad, Three Phase Iductio Motor. Resumo Neste trabalho apreseta-se o desevolvimeto de uma plataforma didática para esaios de máquias elétricas girates. O projeto cosiste a implemetação e automação de uma bacada mecâica para esaios de máquias elétricas com potêcia de até 5cv. A plataforma desevolvida permite uma iteração do usuário, gradual e assistida, em todos os estágios dos esaios, ou seja, desde a escolha do tipo da máquia elétrica até a verificação experimetal do comportameto diâmico da máquia esaiada. Com esta bacada é possível a realização de testes relevates para determiação de desempeho dos motores elétricos, como a medição de tesões e corretes de estator, velocidade, cojugado e potêcia o eixo da máquia esaiada, além da obteção das curvas de cojugado e correte versus velocidade, fator de potêcia e redimeto versus carga aplicada. Para acioameto e processameto de iformações obtidas (mesuradas), utiliza-se um sistema de aquisição de dados cotrolado por um aplicativo desevolvido especificamete para este trabalho a liguagem de programação gráfica LabVIEW. O trabalho foi desevolvido as seguites etapas: levatameto bibliográfico, estudo da Norma NBR 5383-/2002, estudo e simulação dos motores de idução trifásicos, projeto físico da bacada para esaios, especificação dos sesores e equipametos, motagem da bacada de esaios e implemetação do aplicativo gereciador dos esaios. Palavras-chave Ferrametas Didáticas, Bacada de Esaios, Motor de Idução Trifásico. Itrodução As máquias elétricas são elemetos fudametais a coversão eletromecâica de eergia, seja a geração elétrica (geradores) ou as aplicações em acioametos elétricos (motores), costituido-se assim em agetes causadores de desevolvimeto tecológico e propiciadores de coforto à sociedade. O motor de idução trifásico (MIT) apreseta-se atualmete como a melhor opção para acioametos cotrolados, pois possui vatages sobre o motor de correte cotíua, detre elas a iexistêcia do comutador (Castro, 204). Em aplicações destes tipos de máquias o setor idustrial brasileiro que cosome em cerca de 40% da eergia elétrica do país, 2/3 dessa eergia é utilizada em sistemas motrizes (Eletrobrás, 203). Assim, as ormas relativas à especificação e termiologia das máquias elétricas girates bem como a orma de esaio de MITs, são defiidas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técicas) que publicou a orma NBR 5383-/2002, que especifica os esaios para determiação das características de desempeho destes motores de idução trifásico. A orma NBR 5383-/2002 estabelece esaios para motores acioados com tesões trifásicas seoidais, etretato a realidade do mercado exige que o seu acioameto, pricipalmete em velocidades variáveis, sejam realizados através de iversores de frequêcia. Neste caso, a alimetação do motor passa a ser ão seoidal através de modulação por largura de pulso (PWM). Com este ituito, os cursos de Egeharia Elétrica buscam aprimorar a formação dos estudates por itermédio de mudaças curriculares e motivação, empregado aplicações práticas que lhes permitam desevolver capacidade de medição e aálise de sistemas reais. Desta forma, foi elaborado o projeto de uma bacada de esaios de máquias elétricas que permite realizar uma série de testes a fim de se determiar os parâmetros mecâicos e elétricos das máquias esaiadas e verificar o seu comportameto diâmico quado alimetadas por fotes seoidais e ão seoidais. 2043

2 Belo Horizote, MG, 20 a 24 de Setembro de Descrição do Sistema A bacada possibilita a realização dos testes relevates para determiação do desempeho dos MITs. Desta forma, é possível realizar a medição da tesão e correte aplicadas as bobias do estator, velocidade e cojugado. Nela é permitido também a determiação da potêcia ativa de etrada, potêcia o eixo, obteção das curvas de cojugado sob diferetes codições de fucioameto e curvas do fator de potêcia e redimeto com a máquia sedo acioada em regime ão seoidal. A bacada de esaios de MITs é composta por elemetos idetificados a seguir: 2. A Base Estrutural Metálica e Proteção elétrica. A base estrutural metálica foi projetada para esaios de motores com potêcia de até 5cv com diversos tipos de carcaças, uma vez que ela permite o ajuste de posicioameto do motor sob teste de acordo com o seu tamaho. A base estrutural foi motada com chapas de aço carboo com espessura de /2 (meia polegada) de forma a reduzir a vibração do sistema quado em fucioameto. A bacada permite a coexão dos eixos das máquias com diferetes alturas por meio de uma plataforma móvel regulada ode a máquia sob teste está fixada. A estrutura possui uma base de borracha ajustável para um melhor alihameto com o piso, de for- Comuicação ModBus COMPUTADOR PESSOAL 0-0Vcc V/I motor PLACA DE AQUISIÇÃO DE DADOS Velocidade RPM V/I Carga Resistiva SENSOR HALL TENSÃO E CORRENTE Torque V/I CONVERSOR DE FREQUÊNCIA V/I 440V V/I Trasformador :2 2kVA 220V - 3ϕ 220V - 3ϕ CONVERSOR CA-CC V/I CARGA RESISTIVA 3kW Figura. Diagrama de blocos do sistema da bacada de esaio de máquias elétricas. Base estrutural metálica; Placa de aquisição de dados; Coversor de frequêcia; Coversor CA-CC; Fotes de alimetação; Trasdutor de efeito Hall; Trasdutor de cojugado; Ecoder icremetal; Máquia de correte cotíua de 4,5cv; Motor de idução de 3cv; Microcomputador. A figura apreseta o diagrama fucioal dos elemetos citados que compõem a bacada de esaios de máquias elétricas. ma a compesar pequeos desíveis, assim a coexão dos eixos das máquias com o trasdutor de cojugado seja precisa. O projeto da bacada de testes foi desevolvido usado o software Cad SolidWorks, a figura 2 apreseta o deseho da bacada de testes. A mesma também possui dois botões de emergêcia que podem ser usados em uma evetual ecessidade desligado a bacada da rede elétrica istataeamete. Para a proteção foram istalados fusíveis ultrarrápidos e disjutores em série com os dos circuitos elétricos e eletrôicos, a fim de proporcioar uma proteção mais eficiete e cofiável. 2044

3 Belo Horizote, MG, 20 a 24 de Setembro de 204 Paiel de Comado Ecoder Máquia CC Trasdutor de Torque Máquia Sob Teste Plataforma Móvel Pés de Borracha Ajustáveis Estrutura Metálica Figura 2. Base estrutural da bacada em chapa de aço carboo /2 e posição das máquias elétricas. A disposição e as iformações o paiel frotal da bacada foram elaboradas de forma didática, ode o estudate poderá ecotrar com facilidade as iformações ecessárias o mometo dos testes e esaios. A figura 3 mostra o paiel frotal de comado da bacada. Comado Geral Botoeira de Emergêcia IHM velocidade, aceleração costate e ampla sob qualquer codição de carga, aceleração e/ou desaceleração cotrolada e cojugado costate com cotrole pela armadura (WEG ecatalog, 204). A figura 4 apreseta o diagrama esquemático de uma máquia de correte cotíua com excitação idepedete a máquia CC está operado como gerador com campo alimetado pelo coversor CA- CC alimetado a carga resistiva. V aj I a R a Ea L a J b T L f T L ω R f I f V f Figura 3. Paiel de comado frotal da bacada de esaios. 2.2 Gerador Correte Cotíua Com o avaço o campo da eletrôica em circuitos de grade potêcia, o cojuto coversor, comado e motor de correte cotíua mostra-se ecoomicamete viável. Os motores de correte cotíua oferecem uma ampla faixa de variação de velocidade sem prejuízos o desempeho da máquia acioada. Os acioametos de correte cotíua, compostos por coversores CA/CC e motor, possuem exceletes propriedades técicas de comado e regulação, garatido: regulagem precisa de Figura 4. Diagrama esquemático de um motor de correte cotíua com excitação idepedete. Para relacioar a correte I a com a tesão aplicada aos termiais da armadura V aj, a equação () é obtida. Va j ( s) k( s) Ia ( s) ( R sl ) 2.3 Motor de Idução Trifásico a a () O motor de idução trifásico (MIT) é utilizado para coverter eergia elétrica em eergia mecâica 2045

4 Belo Horizote, MG, 20 a 24 de Setembro de 204 motriz, ou seja, existe trasferêcia de potêcia através dessa máquia. O MIT é costituído substacialmete de uma parte fixa, à qual se dá o ome de estator, sedo este formado por chapas ferromagéticas, ode se ecotram três bobias eroladas, formado um circuito magético. No meio dessas bobias é posicioado o rotor, a parte móvel do MIT. De acordo com Fitzgerald, et al (2006) a relação etre a rotação, a frequêcia de alimetação, o úmero de pólos e o escorregameto de um motor de idução obedecem a equação (2): motores de baixa tesão as aplicações idustriais que requerem variação de velocidade. A figura 6 mostra o diagrama de blocos que compõe o cojuto coversor e motor de idução trifásico. Etrada Tesão e Freq. Fixas IRede CA Coversor Estático Idireto de Frequêcia CA Motor 3ϕ Saída Tesão e Freq. Variáveis VPWM 20 f ( s) p (2) VRede Imotor Figura 6. Diagrama de blocos do cojuto coversor e motor de idução trifásico. V ode: = velocidade rotação mecâica (RPM), f = frequêcia da rede elétrica, p = úmero de pólos e s = escorregameto. O cojugado desevolvido pelo motor de idução segue a equação (3): T k.. R jx R 2 Rm m I r jxm jx 2 ( s) R'2. s (3) ode: T = cojugado o eixo (N.m), ϕ m : fluxo de magetização (Wb), I r : correte circuito do rotor, k: costate que depede do material e do projeto da máquia. Os valores dos parâmetros do circuito elétrico equivalete do MIT podem ser determiados a partir dos esaios a vazio, de rotor bloqueado e das medições das resistêcias CC dos erolametos do estator. A figura 5 mostra o circuito equivalete moofásico para o motor de idução trifásico sob teste. O motor de idução, quado alimetado por um coversor de frequêcia PWM, tem seu redimeto dimiuído, em relação a um motor alimetado por tesão puramete seoidal, devido ao aumeto as perdas ocasioado pelas corretes harmôicas. Em aplicações de motores de idução de gaiola com coversores de frequêcia, porém, deve ser avaliado o redimeto do sistema (cojuto coversor + motor) e ão apeas do motor, (WEG Motores, 2006). 2.5 Sesores Uma placa codicioadora de siais foi costruída para adequar os siais de correte e tesão dos motores esaiados aos íveis omiais da placa de aquisição. A placa é composta por quatro sesores Hall de tesão modelo LV25P e quatro sesores Hall de correte modelo LA25P da fabricate LEM. Não foi utilizado um trasdutor de potêcia pelo fato de ser possível obter a potêcia elétrica o motor através de cálculos matemáticos aplicados aos valores istatâeos de correte e tesão obtidos por meio dos outros trasdutores hall. Com a placa codicioadora de siais, é possível a medição de tesões e corretes com terras isoladas eletricamete (LEM 2006). Figura 5. Circuito equivalete moofásico do motor idução. 2.4 Cojuto Coversor de Frequêcia e Motor de Idução Trifásico. A utilização de coversores estáticos de frequêcia atualmete compreede o método mais eficiete para cotrolar a velocidade dos motores de idução. Os coversores trasformam a tesão da rede, de amplitude e frequêcia costates, em uma tesão de amplitude e frequêcia variáveis. Variado-se a frequêcia da tesão de alimetação, varia-se também a velocidade do campo girate e cosequetemete a velocidade mecâica de rotação da máquia. Coversores estáticos idiretos de frequêcia com tesão imposta PWM são atualmete os equipametos mais empregados para a alimetação de 2.5. Trasdutores de Efeito Hall Os trasdutores utilizados covertem um sial aalógico a ser medido em um sial de tesão também aalógico de amplitude meor para que possa ser digitalizado pela placa de aquisição de dados. Seu pricípio de fucioameto está baseado o efeito Hall. Os valores de tesão e correte eficazes são calculados através da equação (4): A i 2 K a a i (4) Ode: = o úmero de amostras o itervalo de um período; a i = o valor istatâeo da tesão ou 2046

5 Belo Horizote, MG, 20 a 24 de Setembro de 204 correte, K a = fator de escala e A = valor eficaz de um período de um sial elétrico. A potêcia ativa de etrada do motor sob teste é obtida através do cálculo matemático da potêcia média, a partir dos valores de tesão e correte. Pode ser determiada pela equação (5): P Ativa i K v K i v i i i (5) Ode: v i = o valor istatâeo da tesão para amostragem i aplicada ao motor sob teste, i i = valor istatâeo da correte para amostragem i de etrada o motor sob teste, K v = fator de escala para a tesão, K i = fator de escala para a correte Trasdutor de Cojugado e Velocidade O trasdutor de cojugado utilizado é o modelo T22/50NM do fabricate HBM. Este trasdutor é capaz de medir cojugado diâmico e estático. Tem fudo de escala de até 50 N.m. O trasdutor ecessita de um codicioador de siais (coversor de frequêcia-tesão), que produz um sial de tesão CC de 0V a +0V proporcioal ao cojugado. A velocidade é medida utilizado um ecoder com resolução de 600 pulsos por volta. As equações para o cálculo de cojugado médio e da potêcia o eixo do motor são dadas pelas equações (6) e (7), respectivamete: P eixo T Médio i i K t t i ( K t ) ( K t i w w ) i (6) (7) Ode: t i é o valor istatâeo do cojugado para amostragem i, K t e K w são fatores de escala, w i é o valor da velocidade para amostragem i, = o úmero de amostras o itervalo de um período. 3 Resultados Experimetais A NBR5383- prescreve os seguites esaios para a determiação de características de desempeho e coformidade com a NBR 7094: a vazio, rotor bloqueado, térmico, de partida, dielétrico, sobre velocidade, ível de ruído, tesão o eixo e vibração. A tabela apreseta os dados que foram obtidos a partir do esaio a vazio, sedo que as corretes foram medidas o circuito do estator. Tesão (V) Tabela. Medições obtidas a partir do esaio a vazio. Potêcia (W) I I 2 I 3 RPM ,40 4,38 4, Outro esaio realizado é o esaio em rotor bloqueado. Segudo a Norma NBR 5383-, este esaio deve ser realizado para determiação da correte, cojugado e potêcia de etrada com rotor bloqueado. O esaio cosiste em bloquear mecaicamete o eixo do MIT. O motor de idução trifásico é alimetado com um valor de tesão suficiete para que se atija o valor de correte omial. A tabela 2 apreseta os dados do esaio de rotor bloqueado. Tabela 2. Medições obtidas do esaio com rotor bloqueado. Tesão (V) Potêcia (W) I I 2 I 3 I med 44,96 348,0 9,02 8,72 8,75 8,67 Vale ressaltar que os parâmetros do circuito equivalete do MIT são calculados por fase, de modo que as leituras de tesão e a média das corretes, bem como de potêcia, devem ser covertidas para valores de fase, de acordo com o tipo de cofiguração (estrela ou triâgulo) efetuada para a realização dos esaios. Na tabela 3 são apresetados os valores dos parâmetros do circuito equivalete do MIT em estudo, calculados a partir dos esaios efetuados. Tabela 3. Valores dos parâmetros do circuito equivalete do MIT. R(Ω) X(Ω) Rm(Ω) Xm(Ω) R 2(Ω) X 2(Ω) 2,86 3,84 066,5 8,66,77 3,84 Através dos parâmetros do circuito equivalete, é possível levatar por simulação computacioal as curvas características típicas do MIT. Algus tipos de cargas mecâicas foram simulados e detre elas foi escolhida a carga do tipo quadrática, que são cargas que variam com o quadrado da rotação e são ecotradas em aplicações como vetiladores, cetrífugas, exaustores (Neto 200). As curvas de cojugado desevolvido e cojugado de carga quadrática ambos em fução da velocidade são mostrados a figura 8. Cojugado (N.m) Curva de cojugado do MIT Curva de carga tipo quadrática Velocidade do Rotor (rpm) Figura 8 - Curva de carga quadrática comparada e curva do cojugado do motor de idução trifásico. 2047

6 Belo Horizote, MG, 20 a 24 de Setembro de 204 Para validar a eficiêcia da bacada de testes em máquias elétricas foi escolhido um MIT como sedo a máquia sob teste e a tabela 4 as especificações de placa desta máquia são mostradas: Tabela 4. Dados de placa do motor sob teste. kw Hz RPM V(V) I η% FP 2, ,8 8,9 0,84 ica é iserida em seu eixo por meio da máquia primária utilizado-se do cotrole de cojugado ode o tipo de carga é selecioado. Nesta aba observa-se que houve uma iserção de carga o eixo do MIT do tipo quadrática, assim o cotrole de cojugado da máquia primária foi icremetado e a carga resistiva coectada em série com a armadura e o coversor CA-CC passou a dissipar eergia térmica. Este cotrole de acioameto idepede das abas de visuali- Curva de tesão a carga Curva de correte a carga Figura 9. Primeira aba de cotrole e visualização dos dados obtidos o esaio. Para melhor visualização e aálise dos dados, foi criado uma iterface gráfica composta por duas tab cotrols (abas) ode os siais de tesão e correte trifásico o cojuto coversor e motor, tesão e correte a carga podem ser visualizadas a primeira aba. A Figura 9 mostra a istrumetação virtual implemetada, aqui podemos aalisar as formas de odas de tesões e corretes a etrada do iversor e a forma de oda de tesão e correte a carga. O cotrole do acioameto do MIT e o acioameto da máquia primária permite que o estudate faça os ajustes de forma sequecial. Primeiramete é feito o acioameto do MIT, ode o setido de rotação é defiido e velocidade é ajustada com valor iicial em 000RPM. Neste mometo uma carga mecâ- zação dos dados, permitido assim que a todo o mometo o estudate possa iferir o sistema idepedete da aba que está sedo visualizada. Na seguda aba são visualizadas as potêcias de etrada o cojuto coversor/motor, potêcia de saída o eixo do MIT, o gráfico do redimeto percetual do cojuto coversor/motor, a velocidade do eixo do MIT em rotações por miuto e os valores eficazes de tesão e corretes do sistema calculados de acordo com a equação (4). Na figura 0, a seguda aba é mostrada e ota-se que o mometo da iserção de carga o valor iicial do cojugado da máquia sob teste era de,39n.m ode este cojugado é o míimo valor para que o grupo se mativesse em movimeto a vazio. 2048

7 Belo Horizote, MG, 20 a 24 de Setembro de 204 Curva do Redimeto 73,8% Carga mecâica Quadrática 3,68N.m 40,34%,39N.m Figura 0. Seguda aba de cotrole e visualização dos dados obtidos o esaio. Assim que a carga foi icremetada de forma quadrática, o valor do cojugado aumetou para 3,68N.m operado a uma velocidade de 3354 RPM e esta mesma aba são verificadas os valores das potecias elétricas e mecâicas. A figura mostra a bacada de esaios de máquias elétricas desevolvida com os elemetos elétricos e eletrôicos já istalados. O valor registrado da eficiêcia do cojuto coversor/motor é de 73,8%, sedo que em codições omiais (dados de fabricate) o valor típico para esta máquia é de 8,9%. Esta difereça se deve ao fato do MIT estar operado alimetado por uma fote ão seoidal evideciado a queda do redimeto. Estes dados estão dispoíveis o paiel frotal da bacada que dispõe de um moitor de LCD coectado ao computador e também de uma iterface homem máquia (IHM) que permite o moitorameto dos parâmetros do iversor de frequêcia. Figura. Foto da bacada de esaios de máquias elétricas. 4 Coclusões O presete trabalho apresetou uma bacada didática de testes para motores de idução trifásicos de potêcia até 5cv. Com vistas à padroização dos testes os motores de idução trifásicos, procurou-se ter como orietação as recomedações da NBR 5383-, publicada pela Associação Brasileira de Normas Técicas. A implemetação da bacada didática possibilita além de realizar testes com motores elétricos de idução trifásicos, como também familiarizar-se com algumas das ferrametas computacioais utilizadas 2049

8 Belo Horizote, MG, 20 a 24 de Setembro de 204 a egeharia elétrica cotemporâea, sedo possível executar vários testes com modificações simples, pois a grade importâcia de se usar o LabView como ferrameta de istrumetação virtual é que possibilita a elimiação de muitos istrumetos de medidas, tais como: osciloscópios, multímetros, wattímetros, aalisadores de eergia, etc. E com isso uma redução de custos operacioais. Esta opção deve ser icetivada, a fim de ajudar a uma melhor compreesão das máquias elétricas e as técicas de medição. Esta bacada de testes proporcioa o trabalho em grupo, que é de suma importâcia, com uma qualidade desejável durate a realização de esaios, preparado os futuros egeheiros para trabalhos em equipe. A utilização da bacada pode potecializar o apredizado multidiscipliar do estudate, uma vez que leva em cota coteúdos de várias disciplias, como: Liguagem de Programação, Máquias Elétricas e Coversão de Eergia, Eletrôica Digital, Eletrôica Aalógica, Eletrôica de Potêcia e Istrumetação Idustrial. Agradecimetos Agradecemos a Fudação de Amparo a Pesquisa do estado de Mias Gerais FAPEMIG pelo fometo do projeto úmero: APQ , a CAPES pelo apoio idispesável e também a FEELT-UFU que viabilizou o projeto. Referêcias Bibliográficas ABNT NBR Máquias elétricas girates Parte : Motores de Idução Trifásicos Esaios. Associação Brasileira de Normas Técicas. Rio de Jaeiro, A. E. Fitzgerald, Charles Kigsley Jr., Stephe D. Umas, Máquias Elétricas. 6ª Edição. Bookma, São Paulo, Castro, A.C. Motor de Idução Trifásico. Apostila do curso de Eletrotécica, CEFET Bahia Eletrobrás - Programa Nacioal de Coservação de Eergia Elétrica, p?teamid={fbfb8d50-65b B0B27D7AD8} acesso: 9/2/203. LEM. Remote Cotrol Maual Wide-Bad Power Aalyzer orma 3000 / 4000/ 5000, versão Fevereiro de Natioal Istrumets Corporatio. LabVIEW User Maual. Natioal Istrumets Corp. Austi, Texas, 998. Neto, F. A. T. Geração de perfis de cargas idustriais mediate o cotrole PWM da tesão de campo do gerador de correte cotíua. Uiversidade de São Paulo, 200. WEG Motores. Motores de idução alimetados por coversores de frequêcia PWM. Jaraguá do Sul, Sata Cataria, WEG Motores. Motores de Correte Cotíua. motores-de-correte-cotiua catalogo-portugues-br.pdf. Acesso: 9/0/

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE OTORES ELÉCTRICOS ACCIONAENTOS A VELOCIDADE VARIÁVEL Rede Coversor de potecia otor Carga Dispositivo de cotrolo Parâmetros O coversor estático trasforma a eergia eléctrica de

Leia mais

O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE-

O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE- O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE- MA DE IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL PAULO HENRIQUE C. PEREIRA 1, ALBERTO COLOMBO 2, GIOVANNI FRANCISCO RABELO 2. 1.

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT ATRAVÉS DE DADOS DE CATÁLOGOS DE FABRICANTE

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT ATRAVÉS DE DADOS DE CATÁLOGOS DE FABRICANTE DETERMINAÇÃO DOS ARÂMETROS DO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT ATRAVÉS DE DADOS DE CATÁLOGOS DE FABRICANTE José Tarcísio Assução 1 ; Tereza Cristia Bessa Nogueira Assução Uiversidade Federal de São João del-rei,

Leia mais

MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ

MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ MODELO MATEMÁTO ARA ANALAR O DEEMENHO DO MOTORE ELÉTRO EM MÁQUNA DE ROEAMENTO DE ARROZ LUZ G.. ORTO, RENATO. REE Departameto de Egeharia Elétrica, Faculdade de Egeharia de Bauru Uiversidade Estadual aulista

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

CLEBER V. R. ALMEIDA *, AMAURI OLIVEIRA, JÉS J. F. CERQUEIRA, ANTONIO C. C. LIMA

CLEBER V. R. ALMEIDA *, AMAURI OLIVEIRA, JÉS J. F. CERQUEIRA, ANTONIO C. C. LIMA EQUIPAMENTO PARA ESTIMAÇÃO DO TORQUE EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS PELO MÉTODO DO ESCORREGAMENTO AUXILIADO PELA ANÁLISE ESPECTRAL DO SINAL DE CORRENTE DO ESTATOR - DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO CLEBER

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA?

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA? AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? Desevolvemos soluções para automação idustrial em idustrias gerais, telecomado e telemetria para supervisão e cotrole remotos, com desevolvimeto e fabricação de

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

VALORES por unidade (pu)

VALORES por unidade (pu) VALORES por uidade (pu) 13,8/230kV 230/69kV Como trabalhar um circuito com múltiplas tesões? As impedâcias deem ser referidas ao lado de alta ou baixa (o trafo)? Solução: ormalizar os alores para uma base

Leia mais

Monitoração e Diagnósticos de Pára-Raios a ZnO

Monitoração e Diagnósticos de Pára-Raios a ZnO Moitoração e Diagósticos de Pára-Raios a ZO E. T. Waderley Neto, E. G. da Costa, R. T de Souza, E. C. T de Macedo, UFCG. M. J. A. Maia, Chesf. Abstract Surge arresters are part of the protectio system

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

C O M P O S I T I O N No-break. S é r i e P r e m i u m. No-Break. para Rack CM COMANDOS LINEARES CM COMANDOS LINEARES

C O M P O S I T I O N No-break. S é r i e P r e m i u m. No-Break. para Rack CM COMANDOS LINEARES CM COMANDOS LINEARES C O P O S I T I O N No-break S é r i e P r e m i u m No-Break para Rack C E Iovação, qualidade, tecologia e cofiabilidade. arcas das soluções C Comados Lieares A E P R E S A Com mais de 30 aos de atuação,

Leia mais

SOLUTION. No-Break. Série Premium. No-Break. Digital Signal Processor

SOLUTION. No-Break. Série Premium. No-Break. Digital Signal Processor SOLUTION No-Break Série Premium No-Break Digital Sigal Processor C E Iovação, qualidade, tecologia e cofiabilidade. arcas das soluções C Comados Lieares A E P R E S A Com mais de 27 aos de atuação, a C

Leia mais

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS Coelh ho, J.P. @ Sistem mas Digita ais : Y20 07/08 CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS O que é um circuito it sequêcial? Difereça etre circuito combiatório e sequecial... O elemeto básico e fudametal da lógica sequecial

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZAÇÃO ÓTIMA E TRANSFORMAORES E OTIMIZAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEAES RURAIS *ROGÉRIO SILVA A CUNHA (BSC) - JOSÉ ROBERTO CAMACHO (PH) SEBASTIÃO CAMARGO GUIMARÃES JR. (R.) *UNIVERSIAE FEERAL

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

(1) E que a força contra-eletromotriz é dada por: (2)

(1) E que a força contra-eletromotriz é dada por: (2) Resolução da questão 3 Para respoder essa questão é ecessário veriicar que o motor já está operado e que em determiado mometo algum gradeza do motor irá variar. Frete a essa variação, deve-se determiar

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

Monitoração e Diagnósticos de Pára-Raios a ZnO

Monitoração e Diagnósticos de Pára-Raios a ZnO 70 IEEE LATIN AMERICA TRANSACTIONS, VOL. 4, NO. 3, MAY 006 Moitoração e Diagósticos de Pára-Raios a ZO E. T. Waderley Neto, E. G. da Costa, R. T de Souza, E. C. T de Macedo, UFCG. M. J. A. Maia, Chesf.

Leia mais

Incertezas de Medição e Ajuste de dados

Incertezas de Medição e Ajuste de dados Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul Escola de Egeharia Egeharia Mecâica Icertezas de Medição e Ajuste de dados Medições Térmicas - ENG0308 Prof. Paulo Scheider www.geste.mecaica.ufrgs.br pss@mecaica.ufrgs.br

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO Dr. Olívio Novaski Uiversidade Estadual de Campias - UNICAMP - DEF CP 6122 CEP 13083-970 CAMPINAS - SP - BRASIL MSc.

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES EM ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à corrosão,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

CAPÍTULO VIII - REGIMES DE TRABALHO

CAPÍTULO VIII - REGIMES DE TRABALHO 8. Regimes de trabalho. CAÍULO VIII - REGIMES DE RABALHO Há iúmeros tios de máquias cujos regimes de trabalho se caracterizam or aresetar eríodos curtos de oeração, seguidos de logos eríodos de reouso.

Leia mais

5. Transitórios de chaveamento: partida de motores, energização de transformadores e chaveamento de capacitores.

5. Transitórios de chaveamento: partida de motores, energização de transformadores e chaveamento de capacitores. 5. Trasitórios de chaveameto: partida de motores, eergização de trasformadores e chaveameto de capacitores. Itrodução Nos capítulos ateriores verificou-se o impacto causado pela operação de algumas cargas

Leia mais

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL O Lie com a ecessidade de sua empresa CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? O CFTV que a verdade sigifica "circuito fechado de televisão", ou "circuito itero de televisão" é um sistema

Leia mais

Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo nas Redes de Distribuição Atendidas por Subestações de Diferentes Fontes

Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo nas Redes de Distribuição Atendidas por Subestações de Diferentes Fontes a 5 de Agosto de 006 Belo Horizote - MG Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo as Redes de Distribuição Atedidas por Subestações de Diferetes Fotes M.Sc. Daiel P. Berardo AES

Leia mais

Introdução às Telecomunicações 2014/2015. 4º Trabalho de Laboratório

Introdução às Telecomunicações 2014/2015. 4º Trabalho de Laboratório Itrodução às Telecomuicações 2014/2015 Departameto de Egeharia Electrotécica Secção de Telecomuicações Mestrado itegrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores Liceciatura em Egeharia Iformática Grupo:

Leia mais

Desenvolvimento de Ferramenta Computacional para Estudos Transitórios de Alta-Freqüência em Transformadores

Desenvolvimento de Ferramenta Computacional para Estudos Transitórios de Alta-Freqüência em Transformadores 1 Desevolvimeto de Ferrameta Computacioal para Estudos Trasitórios de Alta-Freqüêcia em Trasformadores L. C. Zaetta Jr, C. E.. Pereira, R.. Soares, PEA-USP e A. A. C. Arruda, CTEEP Resumo- O presete projeto

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO SMULAÇÃO DO SSTEMA DE ENEGA DE UM VEÍULO Luiz Gustavo Gusmão Soeiro Fiat Automóveis luiz.soeiro@fiat.com.br ESUMO O trabalho tem como objetivo viabilizar uma simulação computacioal para se determiar o

Leia mais

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? O CFTV que a verdade sigifica "circuito fechado de televisão", ou "circuito itero de televisão" é um sistema de câmeras baseados em computador

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES DE ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

Um arquivo digital para dados de monitorização

Um arquivo digital para dados de monitorização Um arquivo digital para dados de moitorização Fábio Costa, Gabriel David, Álvaro Cuha ViBest e INESC TEC, Faculdade de Egeharia Uiversidade do Porto {fabiopcosta, gtd, acuha}@fe.up.pt 1 Uidade de ivestigação

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações Potifícia Uiversidade Católica do Paraá Curso de Especialização em Iteligêcia Computacioal 2004/2005 Plao de Aula Iteligêcia Computacioal: Defiições e Aplicações Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. soares@ppgia.pucpr.br

Leia mais

nanotecnologia na nossa vida e na soldagem de revestimento E mais: Economia de Energia Automação Aplicativos Android Aplicações Industriais

nanotecnologia na nossa vida e na soldagem de revestimento E mais: Economia de Energia Automação Aplicativos Android Aplicações Industriais ovacao revista iformativa trimestral da Eutectic Castoli º 1-213 aotecologia a ossa vida e a soldagem de revestimeto E mais: Ecoomia de Eergia Automação Aplicativos Adroid Aplicações Idustriais editorial

Leia mais

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

CAPÍTULO 2 2 - NORMAS RELATIVAS A FATOR DE POTÊNCIA E DISTORÇÃO HARMÔNICA

CAPÍTULO 2 2 - NORMAS RELATIVAS A FATOR DE POTÊNCIA E DISTORÇÃO HARMÔNICA FASCÍCULO / harmôicos Este texto foi preparado como um curso de extesão: Ifluêcia dos Harmôicos as Istalações Elétricas Idustriais. Trata-se de um curso voltado para profissioais atuates o setor elétrico

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6 Aula 6 Eletrodiâmica III Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos setido arbitrário. A ddp obtida deve ser IGUAL a ZERO, pois os potos de partida e chegada são os mesmos!!! Gerador Ideal Todo

Leia mais

Banco de Dados. Linguagem SQL

Banco de Dados. Linguagem SQL Baco de Dados Liguagem SQL 1 A liguagem SQL: história Em juho de 1970, o matemático Edgar Frak Codd, publicou o artigo "A Relatioal Model of Data for Large Shared Data Baks" a revista "Commuicatios of

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO

FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO Dayse Regia Batistus (UTFPR) batistus@utfpr.edu.br Marcelo Rosa (UTFPR) marcelorosa@aluos.utfpr.edu.br

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais

Aplicativo Computacional para Subsidiar a Análise Técnica de Pedidos de Ressarcimento

Aplicativo Computacional para Subsidiar a Análise Técnica de Pedidos de Ressarcimento 1 Aplicativo Computacioal para Subsidiar a Aálise Técica de Pedidos de Ressarcimeto C. E. Tavares, M. V. B. Medoça, J. C. de Oliveira, A. C. Delaiba, R. M. T. da Silva Resumo--Este artigo apreseta uma

Leia mais

Motores Energia Automação Tintas. Motores Motores Elétricos

Motores Energia Automação Tintas. Motores Motores Elétricos Motores Eergia Automação Titas Motores Motores Elétricos O motor elétrico torou-se um dos mais otórios ivetos do homem ao logo de seu desevolvimeto tecológico. Máquia de costrução simples, custo reduzido,

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO GSC

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO GSC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSC 30 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Jaeiro - RJ GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO GSC ESTUDOS

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004

ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004 ILHA SOLTEIRA XII Cogresso Nacioal de Estudates de Egeharia Mecâica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-FS20 ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004

Leia mais

Dimensionamento de Perfis de Aço Formados a Frio via Método da Resistência Direta

Dimensionamento de Perfis de Aço Formados a Frio via Método da Resistência Direta Dimesioameto de Perfis de Aço Formados a Frio via Método da Resistêcia Direta Gladimir de Campos Grigoletti Dr. Grigoletti@uiritter.edu.br Resumo: A utilização de perfis formados a frio tem aumetado cosideravelmete

Leia mais

PREVISÃO DE VIDA À FADIGA DOS ENGATES (RABETAS) DOS VAGÕES DE TRANSPORTE DE CARVÃO

PREVISÃO DE VIDA À FADIGA DOS ENGATES (RABETAS) DOS VAGÕES DE TRANSPORTE DE CARVÃO Revista da Associação Portuguesa de Aálise Experimetal de Tesões ISSN 646-7078 PREVISÃO DE VIDA À FADIGA DOS ENGATES (RABETAS) DOS VAGÕES DE TRANSPORTE DE CARVÃO T. L. M. Morgado, C. M. Braco, V. Ifate

Leia mais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Na disciplia de sistemas digitais foram estudadas técicas de desevolvimeto de circuitos digitais ao ível da porta lógica, ou seja, os circuito digitais projectados,

Leia mais

ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO

ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO Rita Moura Fortes proeg.upm@mackezie.com.br Uiversidade Presbiteriaa Mackezie, Escola de Egeharia, Departameto de Propedêutica de Egeharia Rua da Cosolação,

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2012, 2.ª fase, versão 1. constante

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2012, 2.ª fase, versão 1. constante Proposta de Resolução do Exame Nacioal de Física e Química A 11.º ao, 01,.ª fase, versão 1 Sociedade Portuuesa de Física, Divisão de Educação, 18 de julho de 01, http://de.spf.pt/moodle/ Grupo I 1. (D)

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS

CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS José Carlos Valete de Oliveira Aluo do mestrado profissioal em Sistemas de Gestão da Uiversidade

Leia mais

METODOLOGIA DE CALIBRAÇÃO DE SISTEMA DE MEDIDA DE PRESSÃO EM TÚNEIS DE VENTO

METODOLOGIA DE CALIBRAÇÃO DE SISTEMA DE MEDIDA DE PRESSÃO EM TÚNEIS DE VENTO VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campia Grade Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campia Grade Paraíba Brazil METODOLOGIA

Leia mais

RECon Line. Conversores para Energias Renováveis

RECon Line. Conversores para Energias Renováveis RECo Lie Coversores para Eergias Reováveis Com ivestimetos cotíuos o sector da ivestigação e do desevolvimeto, a FRIEM FRIEM é líder as ovas tecologias aplicadas a coversores de alta potêcia a díodos,

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

Evaluation of medical X-ray machines in Paraíba state radiology centers between 2008 and 2009

Evaluation of medical X-ray machines in Paraíba state radiology centers between 2008 and 2009 Avaliação ARTIGO dos ORIGINAL equipametos ORIGINAL de raios X ARTICLE o Estado da Paraíba Avaliação das codições de fucioameto dos equipametos de raios X médico em serviços de radiologia o Estado da Paraíba,

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE SISTEMAS HÍBRIDOS EÓLICO-SOLAR- DIESEL

ANÁLISE ECONÔMICA DE SISTEMAS HÍBRIDOS EÓLICO-SOLAR- DIESEL V COGRESSO ACIOAL DE EGEHARIA MECÂICA V ATIOAL COGRESS OF MECHAICAL EGIEERIG 25 a 28 de agosto de 2008 Salvador Bahia - Brasil August 25 28 2008 - Salvador Bahia Brazil AÁLISE ECOÔMICA DE SISTEMAS HÍBRIDOS

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

Projetos de Controle

Projetos de Controle Projetos de Cotrole EA7 - Prof. Vo Zube Cotrole do Pêdulo Ivertido com Carro.... Modelo matemático (pg. 7 das Notas de Aula).... Cotrole por realimetação de estados supodo acesso a todos os estados (CASO

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física Uiversidade Federal do Marahão Cetro de Ciêcias Exatas e Tecologia Coordeação do Programa de Pós-Graduação em Física Exame de Seleção para Igresso o 1º. Semestre de 2011 Disciplia: Mecâica Clássica 1.

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

Inspeção e medição em Full HD Excelente sistema de inspeção de vídeo digital, projetado para captura de imagens, documentação e medição fáceis

Inspeção e medição em Full HD Excelente sistema de inspeção de vídeo digital, projetado para captura de imagens, documentação e medição fáceis Ispeção e medição em Full HD Excelete sistema de ispeção de vídeo digital, projetado para captura de images, documetação e medição fáceis Realize ispeções, ampliações e medições em Full HD com o Makrolite

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA IM 317 METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL E ANÁLISE DE RESULTADOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA IM 317 METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL E ANÁLISE DE RESULTADOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA IM 37 METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL E ANÁLISE DE RESULTADOS PROF. DR. SÉRGIO

Leia mais

O período do pêndulo: Porque Galileu estava ao mesmo tempo certo e errado

O período do pêndulo: Porque Galileu estava ao mesmo tempo certo e errado UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UFMG DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA ICEx MONOGRAFIA PARA OBTENÇÃO DE TÍTULO DE ESPECIALISTA EM MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM CÁLCULO O período do pêdulo: Porque Galileu estava

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais