A Importância da análise preventiva do custo efetivo total das operações de desconto de duplicatas em bancos comerciais no Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Importância da análise preventiva do custo efetivo total das operações de desconto de duplicatas em bancos comerciais no Brasil"

Transcrição

1 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 1 A Importância a análise preventiva o custo efetivo total as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil Aail Marcos Lima a Silva UFCG Renata Eivânia Costa Gouveia UFCG RESUMO O esconto e uplicatas em bancos comerciais figura como uma alternativa e captação e recursos onerosos e curto prazo, exigino as empresas o pagamento e três tipos e espesas: esconto, tarifas e cobrança e e contratação e imposto sobre operações financeiras. Este trabalho tem por objetivo emonstrar a importância o exercício preventivo a análise o custo efetivo total as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil. Quanto aos fins, poe ser consierao explicativo, quanto aos meios, bibliográfico e estuo e caso. Por meio e uma planilha, foram realizaas simulações com o intuito e esclarecer: prazo méio ponerao e vencimento a carteira; espesa total; impactos negativos sobre o valor nominal e o valor escontao; custo efetivo total ao ia, ao mês e ao ano. Decisões afiançaas somente na observação as taxas e esconto, praticaas pelos bancos comerciais brasileiros, poem promover a contratação e operações efetivamente mais onerosas, consoliano uma conuta aleatória. De moo preventivo, seguno uma conuta funamentaa, o gestor financeiro eve realizar continuamente as tarefas e aferir e analisar o custo efetivo total e caa banco, buscano promover uma sistemática e trabalho calcaa no esquema e pregão. Sob o raciocínio a necessiae e restrição as espesas, as ecisões eviamente funamentaas amenizam o arrefecimento natural o lucro nas contratações e operações e esconto, principalmente em períoos e crise enfrentaos pela economia, quano a maior preferência por liquiez os bancos e o arrefecimento as venas as empresas, consoliam um ambiente e alta epenência ante a contratação e operações e esconto e uplicatas. Palavras-chave: Desconto e Duplicatas. Bancos Comerciais. Análise Preventiva. 1. INTRODUÇÃO O esconto e títulos e créito operacional representa uma opção e financiamento e curto prazo, ofertaa pelos bancos comerciais. Quano a contratação e uma operação, as empresas brasileiras efetuam o pagamento o conjunto e espesas a seguir (TOSI, 2007): esconto, calculao com base na taxa e esconto, especificaa por caa instituição financeira, e no prazo méio ponerao e vencimento a carteira negociaa; tarifas, seno e contratação, valor fixo exigio no ato e caa transação, e e cobrança, exigia por caa título contio no borerô a operação; imposto sobre operações financeiras, atualmente regulamentao pelo Decreto nº 6.306/07 moificao pelos Decretos n 6.339/8 e nº 6.345/08 (ASSAF NETO; LIMA, 2009), prevê o recolhimento e um valor processao a partir a inciência combinaa sobre o valor escontao e uma taxa e 0,38%, e e um fator e valor futuro a juros simples envolveno uma taxa e 0,0041% ao ia e o prazo méio ponerao e vencimento. Sob a perspectiva a capitalização exponencial, a apuração o impacto global as espesas as operações e esconto e títulos e créito refere-se ao custo efetivo total, poeno ser expresso ao ia, ao mês e ao ano. Destarte, este trabalho tem por objetivo emonstrar a importância o exercício contínuo a análise preventiva o custo efetivo total as operações e esconto e títulos e créito, como ferramenta e suporte às ecisões e financiamento e curto prazo no Brasil.

2 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 2 Ao cumprimento a iniciativa aluia empregou-se um moelo e aferição e análise construío sob a forma e uma planilha eletrônica o Microsoft Excel. A utilização a planilha prevê, inicialmente, a inserção os seguintes aos: ata a operação, nome o banco, percentuais o imposto sobre operações financeiras, taxa e esconto praticaa pela instituição, tarifa e contratação, tarifa e cobrança por título, valores nominais e atas e vencimentos os títulos a serem negociaos. Com os aos eviamente igitaos, a planilha permite esclarecer: prazo e vencimento, esconto e imposto por título; espesa total etalhaa e prazo méio ponerao e vencimento a transação; análise o impacto negativo a espesa total com base no valor nominal e no valor escontao; apuração o custo efetivo total seguno o regime exponencial e capitalização, com taxas expressas ao ia, ao mês e ao ano. Uma empresa poe contratar uma operação e esconto e títulos e uas formas: aleatória e funamentaa. Na moaliae aleatória, a melhor as hipóteses sugere o embasamento as ecisões através a observação unilateral as taxas e esconto eterminaas pelas instituições financeiras, seno esprezaos os efeitos negativos provenientes as tarifas e os impostos. Na moaliae funamenta, o custo efetivo total subsiia a tomaa e ecisão, eveno ser analisao e forma preventiva. Portanto, o custo efetivo total eve ser interpelao como a variável mais importante, a ser trabalhaa nas ecisões e financiamento com esconto e uplicatas nos bancos comerciais brasileiros. Ao gestor financeiro cabe a aoção e um posicionamento one seja prestigiaa uma rotina calcaa na manutenção e um pregão entre os bancos comerciais. Seno conhecia a carteira e títulos e créito a ser negociaa, necessário se faz ientificar e forma prévia o banco comercial com a melhor política e esconto. Naturalmente, a espesa total resultante o esconto os títulos arrefece o lucro as empresas, assim seno, seguir o esquema o pregão, metoologia e trabalho as operações e esconto funamentaas, promove à restrição as espesas, consequentemente, ameniza o impacto sobre o resultao, justificano a necessiae e cumprimento o exercício contínuo e análises preventivas os custos efetivos totais as alternativas ofertaas pelos bancos comerciais brasileiros. A conução funamentaa as transações e esconto e uplicatas, calcaa no pregão o custo efetivo total calculao previamente para caa banco comercial, torna-se aina mais importante em períoos e crise enfrentaos pela economia: a maior preferência por liquiez as instituições financeiras resulta em um maior sprea bancário; veneno menos, as empresas sofrem com a formação e autofinanciamento, aumentano a contratação e escontos e uplicatas em bancos comerciais. 2. OPERAÇÕES DE DESCONTO DE DUPLICATAS EM BANCOS COMERCIAIS As isponibiliaes representam recursos passíveis e utilização imeiata por uma empresa, em face as exigências e encerramento e obrigações urante o cumprimento e suas ativiaes fins. Aina, o total as isponibiliaes eriva a aição entre os salos o caixa e as aplicações financeiras e curto prazo (ASSAF NETO; SILVA, 2002) ou títulos negociáveis ou quase-caixa ou equivalente a caixa (BRIGHAM; EHRHARDT, 2007). Seguno Keynes (1985), a manutenção o salo e caixa em um eterminao patamar encontra justificativa na necessiae e atenimento os seguintes motivos: motivo transação, motivo precaução e motivo especulação. O volume ieal o salo e caixa, em face a obrigação e atenimento os motivos transação, precaução e especulação, eriva o perfil a previsibiliae e caixa configuraa

3 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 3 por uma empresa, através a execução e suas ativiaes fins (EMERY; FINNERTY; STOWE, 2004). Por exercerem ingerências específicas na composição o ciclo financeiro, as gestões os ativos operacionais estoques e uplicatas a receber e o créito e forneceores efinem a qualiae a previsibiliae e caixa (BRAGA, 1991). Quanto mais ilatao o ciclo financeiro, pior o perfil e previsibiliae e caixa, exigino granes quantias e recursos à formação e salos suficientes ao atenimento os motivos transação, precaução e especulação. A interpretação o risco na gestão o capital e giro poe variar entre as classificações extremas conservaora e agressiva (BRIGHAM; EHRHARDT, 2007). Quano o passivo circulante espontâneo e o capital circulante líquio são utilizaos no sustento integral as parcelas permanente e sazonal o ativo circulante, sem a participação e recursos onerosos e curto prazo, tem-se caracterizaa uma política conservaora e financiamento o capital e giro (WESTON; BRIGHAM, 2000). Quano a porção sazonal e uma fração a parcela permanente o ativo circulante são financiaas com empréstimos e financiamentos e curto prazo, tem-se a efinição e uma política agressiva (WESTON; BRIGHAM, 2000). Nas políticas conservaoras o volume o capital circulante líquio favorece a ocorrência e recursos isponíveis ociosos; os motivos transação e precaução são contemplaos sem maiores ificulaes; não existe ambiente propício ao surgimento e prejuízos resultantes o custo e falta; para evitar peras esnecessárias por carregamento, os recursos isponíveis circunstancialmente ociosos exigem habiliae gerencial na execução o motivo especulação (WESTON; BRIGHAM, 2000). Nas políticas agressivas o volume o capital circulante líquio esfavorece a ocorrência e recursos isponíveis ociosos; o motivo especulação encontra ificulae estacaa ao seu exercício; não existe ambiente propício ao surgimento e prejuízos resultantes o custo e carregamento; para evitar peras esnecessárias por falta, a gestão se exige habiliae na correta estimação o salo e caixa necessário ao atenimento os motivos transação e precaução pelo menos. Inepenentemente o tipo e configuração assumia pela política e financiamento o capital e giro, uma organização eve buscar um salo e caixa e equilíbrio capaz e prover um nível e isponibiliae suficiente ao atenimento os motivos transação e precaução, e e alcançar o máximo e benefícios provenientes e juros e aplicações financeiras e e oportuniaes e aproveitamento e escontos economicamente viáveis em negociações envolveno créito comercial sobre os recursos circunstancialmente ociosos (GITMAN, 2004). As iniciativas na gestão as isponibiliaes galgam um contínuo balanceamento entre os custos e falta e e carregamento, com o intuito e inibir a manifestação e esperícios com espesas esnecessárias e peras e oportuniaes (VAN HORNE, 1997). Uma empresa faz uso a antecipação e venas a prazo, esconto e títulos e créito operacional ou esconto e uplicatas quano algum motivo e manutenção e salos e caixa não encontra atenimento. Na prática, o esconto tem por objetivo o encerramento a carência e recursos isponíveis ao cumprimento os motivos transação e precaução. Antecipar venas a prazo para aproveitar oportuniaes no mercao financeiro e em negociações e créito comercial, contexto o motivo especulação, exige um retorno resiual satisfatório entre a rentabiliae a oportuniae e o custo o esconto, não seno uma circunstância comum, toavia, poe ocorrer eventualmente nas negociações e créito comercial.

4 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 4 O perfil a previsibiliae e caixa e a capaciae e formar capital circulante líquio eterminam o grau e propensão em face a antecipação e venas a prazo. Uma empresa com uma previsibiliae e caixa sofrível necessita e um estacao volume e capital circulante líquio, poeno optar por um posicionamento conservaor ou intermeiário na efinição a política e financiamento o capital e giro. Os posicionamentos intermeiários fazem alusão à istribuição o capital circulante líquio e o passivo circulante oneroso no sustento a parcela sazonal o ativo circulante (ASSAF NETO; SILVA, 2002). A coexistência entre uma baixa previsibiliae e caixa e um reuzio volume e capital circulante líquio representa a principal motivação à antecipação e venas a prazo, por se tratar e uma configuração esfavorável à formação e salos e caixa suficientes ao atenimento os motivos transação e precaução. Os títulos e créito criaos a partir a realização as venas a prazo são formalizaos através a emissão e uplicatas sacaas contra as pessoas físicas e juríicas sob a conição e cliente (TOSI, 2007). Com o objetivo e garantir o recruescimento a capaciae e atener os motivos transação e precaução, os títulos e créito poem ser submetios ao processo e esconto em instituições financeiras. Além as uplicatas emitias com as venas a prazo, os bancos consieram passíveis e negociação cheques e notas promissórias (TOSI, 2007). As notas promissórias apresentam características semelhantes ao e uma uplicata, seno sua emissão mais comum junto às pessoas físicas (TOSI, 2007). Não necessariamente cheques e notas promissórias erivam somente e transações comerciais realizaas por uma empresa, poeno apresentar outro tipo e origem. Ao submeter uplicatas a receber ao processo e antecipação em bancos comerciais, uma empresa everá arcar com as espesas inerentes a caa transação. São 3 (três) as espesas: espesa com o esconto (DD), representaa pelos juros cobraos em forma e esconto sobre o valor nominal a operação; espesa com impostos, referente ao total o esembolso exigio pelo imposto sobre operações financeiras (IOF); espesa tarifária (DTF), vinculaa ao pagamento e tarifas especificaas pelos bancos comerciais. Toas as espesas são cobraas e moo antecipao, exatamente no ato a liberação os recursos líquios (ASSAF NETO; LIMA, 2009). O total as espesas a ser arcao por uma empresa em operações e esconto e uplicatas poe ser interpretao como um custo e falta, proveniente a escassez e recursos isponíveis ao atenimento os motivos transação e precaução. Quanto mais uma empresa trabalhar com o arranjo entre baixa previsibiliae e caixa e reuzio volume e capital circulante líquio, maior o consumo o lucro bruto por conta o efeito combinao proveniente a soma entre DD, IOF e DTF, prejuicano a formação o lucro operacional, consequentemente, reuzino a rentabiliae sobre os investimentos e a geração e autofinanciamento (BRASIL; BRASIL, 2005), seno mais grave em circunstâncias one não seja possível a transferência planejaa as espesas aos preços praticaos nas venas quano escontaos títulos e créito provenientes as venas a prazo DESPESA COM DESCONTO No mercao financeiro brasileiro os bancos comerciais utilizam o proceimento e cálculo o esconto por fora sob o regime linear e capitalização, para efinir o valor a DD em operações e esconto e títulos e créito (ASSAF NETO, 2008).

5 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 5 Em transações envolveno um único título, a DD eriva o prouto entre o valor nominal o título (VN), a taxa e esconto () expressa ao mês e o prazo méio e recebimento (PMR) em ias, como ilustra a fórmula 01. DD = VN PMR 30 Na maioria as operações, as empresas escontam um conjunto e títulos, gerano ao banco comercial um borerô e esconto (TOSI, 2007). O VN o borerô e esconto (VNB) resulta o somatório os VN s e toos os títulos, e acoro com a fórmula 02. O PMR a ser utilizao eriva e uma méia poneraa (PMRP) envolveno o PMR e o VN e caa título contio no borerô e esconto (ASSAF NETO; LIMA, 2009), como segue escrito na fórmula 03. Definios o VNB e o PMRP, o cálculo a DD segue a orientação a fórmula 04. VNB = PMRP n ( VN t ) t= 1 n ( PMR t VN t ) t= 1 = n ( VN t ) t= 1 DD = VNB PMRP DESPESA COM IMPOSTOS Seguno o Decreto nº 6.306/07, moificao pelos Decretos n 6.339/8 e nº 6.345/08, o cálculo o IOF respeitará a utilização e 2 (ois) percentuais: um fixo (%IFO F ) e outro variável (%IFO V ), respectivamente e 0,38% por operação e 0,0041% ao ia. O total a ser esembolsao com o IOF segue as seguintes etapas: inciência ireta o %IOF F sobre o valor escontao o título (VD) ou o borerô e esconto (VDB); inciência e um fator calculao seguno o processamento os juros no regime linear e capitalização, sobre o VD ou VDB, com o %IOF V figurano como taxa e juros e o PMR ou o PMRP como períoo e capitalização. As fórmulas 05 e 06 expõem o cálculo a parcela fixa o IOF (IOF F ) em operações e esconto envolveno um único título. IOF F = VD % IOF F F ( VN DON) % IOFF IOF = As fórmulas 07 e 08 expõem o cálculo a parcela variável o IOF (IOF V ) em operações e esconto envolveno um único título. IOFV = VD %IOFV PMR IOF ( VN DON) %IOF PMR F = V As fórmulas 09 e 10 expõem o cálculo o total o IOF a ser pago em operações e esconto envolveno um único título. (01) (02) (03) (04) (05) (06) (07) (08)

6 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 6 IOF = IOF F + IOF V IOF = ( VN DON) (%IOF + %IOF PMR) F V Nas operações envolveno um borerô e esconto, a seqüência e cálculo o IOF seguirá a mesma istribuição as fórmulas 05 a 10, eveno ser consieraa somente as substituições o VN, VD e PMR por VNB, VDB e PMRP, respectivamente. As fórmulas 11 e 12 escrevem o processamento a parcela fixa o IOF (IOF F ), em operações e esconto envolveno um borerô. IOF F = VDB % IOF F F ( VNB DON) % IOFF IOF = As fórmulas 13 e 14 apresentam o cálculo a parcela variável o IOF (IOF V ), em operações e esconto envolveno um borerô IOFV = VDB %IOFF PMRP IOF ( VNB DON) %IOF PMRP V = V A fórmula 15 expõe o cálculo o total o IOF, a ser pago em operações e esconto envolveno um borerô e esconto. IOF = ( VNB DON) (%IOF + %IOF PMRP) 2.3. DESPESA COM TARIFAS F V Assim como a DD e o IOF, a DTF eve ser liquiaa no instante e liberação o créito. Nas operações e esconto e títulos e créito figuram ois tipos (TOSI, 2007): tarifa e cobrança (TCB) e tarifa e contratação (TCT). Aina, os valores as tarifas são arbitraos por caa banco comercial. A TCB faz alusão a um valor fixo exigio sobre caa título e créito escontao, seno sua requisição justificaa pelos bancos sob o argumento a necessiae e cobertura as espesas e cobrança os títulos no vencimento (TOSI, 2007). A TCT também expressa um valor fixo exigio sobre caa transação, inepenentemente o número e títulos envolvios, seno justificaa pelos bancos sob o argumento a necessiae e cobertura as espesas aministrativas intrínsecas a execução o serviço (SILVA, 2006). A fórmula 16 apresenta o cálculo a DTF, one n refere-se ao total e títulos negociaos por operação. DTF = n TCB + TCT (16) 2.4. DESPESA TOTAL DAS OPERAÇÕES DE DESCONTO A espesa total as operações e esconto e títulos e créito (DT), eriva a soma entre DD, IOF e DTF, como sugere a fórmula 17. DT = DD + IOF + DTF (17) Nos casos e esconto e um único título, o valor a DT segue o raciocínio contio na fórmula 18. (09) (10) (11) (12) (13) (14) (15)

7 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 7 DT = VN 30 PMR PMR (%IOF + %IOF PMR) + TCB TCT F V + Nos casos envolveno antecipação e um borerô e esconto, o valor a DT segue o raciocínio contio na fórmula 19. DT = VNB 30 PMRP PMRP (%IOF + %IOF PMR) + n TCB TCT F V CUSTO EFETIVO TOTAL DAS OPERAÇÕES DE DESCONTO De acoro com o Banco Central o Brasil (2007), no processamento o custo efetivo total (CET) os empréstimos e financiamentos eve figurar o total os encargos com juros, imposto sobre operações financeiras, tarifas e créito, seguros transacionais e outras espesas atrelaas à intermeiação financeira. Assim seno, a não eve ser trataa como referência primorial ao estuo as operações e esconto e títulos e créito, por representar somente um componente a DT, exatamente a DD. O legítimo CET eriva a aplicação a fórmula estinaa ao cálculo a taxa e juros no regime exponencial e capitalização, com o VN ou o VNB e o VD ou o VDB assumino as posições e montante e capital inicial, respectivamente. Nas transações envolveno o esconto e um único título, o CET ao ia (CET ) poe ser calculao como segue escrito na fórmula 20. Nas transações envolveno a antecipação e um borerô e esconto, se faz necessário substituir VN por VNB. CET = PMR VN 1 VN DON IOF DTF Os valores ao mês e ao ano o CET (CET m e CET a ), exigem o emprego as fórmulas 21 e 22, em transações envolveno um único título e créito. Nos casos e um borerô e esconto, basta substituir PMR por PMRP nas fórmulas 21 e 22. (18) (19) (20) CET m = ( 1+ CET ) 30 PMR 1 (21) CET a = ( 1+ CET ) 360 PMR 1 3. METODOLOGIA De acoro com as efinições os tipos e pesquisa trabalhaas por Vergara (2009), quanto aos fins e quanto aos meios, tem-se: quanto aos fins caracteriza-se como uma pesquisa o tipo explicativa, em função a iniciativa calcaa na intenção e tornar inteligível a necessiae e avaliação preventiva o custo efetivo total as operações e esconto e títulos e créito em bancos comerciais no Brasil; quanto aos meios bibliográfica e estuo e caso. A classificação estuo e caso se eve ao cumprimento e uma simulação prática, one uma empresa analisa preventivamente as proposta e ois bancos para a realização e uma transação e esconto. O tratamento bibliográfico eriva a utilização e aos concernentes ao mercao e créito nacional, como taxas e juros e volumes e negócios (22)

8 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 8 monitoraos pelo Banco Central o Brasil e ivulgaos no site visano consoliar uma justificativa acerca a importância e se praticar análises preventivas em ecisões e financiamento e curto prazo. A figura 01 reprouz a montagem construía no Microsoft Excel para viabilizar a execução o estuo e caso, consierano os seguintes argumentos: no intervalo C3:C9, evem ser igitaos os aos a operação, compreeneno o nome o banco, a ata a operação com o formato ia/mês/ano (xx/xx/xxxx), os valores o IOF F (0,38%) e IOF V (0,0041%),, TCB e TCT, respectivamente; será trabalhaa uma carteira e títulos limitaa a 20 (vinte) elementos; no intervalo B19:B38, igita-se o VN e caa título; no intervalo C19:C38, igita-se a ata e vencimento, respeitano o formato ia/mês/ano (xx/xx/xxxx); para encontrar o PMR e caa título, emprega-se a fórmula SE(C19>0;C19- $C$4;"") na célula D19, eveno ser arrastaa até a célula D38; para calcular o esconto, inserir na célula F19 a fórmula SE(D19="";"";$C$7/30*B19*D19), eveno ser arrastaa até a célula F38; para calcular o IOF, inserir na célula E19 a fórmula SE(F19="";"";(B19- F19)*($C$5+D19*$C$6)), eveno ser arrastaa até a célula E38; a célula F3 eica-se ao cálculo o IOF total por operação, eveno constar a fórmula SOMA(E19:E38); a célula F4 esclarece a DD por operação, constano a fórmula SOMA(F19:F38); a célula F5 ivulga a DTF, por meio a fórmula C9+CONT.SE(B19:B38;">0")*C8; a célula F6 calcula a DT, com a fórmula SOMA(F3:F5); a célula F7 utiliza a fórmula SOMA(B19:B38) para ientificar o VNB; a célula F8 ivulga o VDB com a fórmula F7-F6; para tornar conhecio o PMRP, a célula F9 faz uso a fórmula SOMARPRODUTO(D19:D38;B19:B38)/F7; o intervalo C13:F13 apura, com base no VNB, o impacto a espesa com IOF, DD, DTF e DT, processano percentuais com as fórmulas F3/F7, F4/F7, F5/F7 e F6/F7, respectivamente; o intervalo C14:F14 apura, com base no VDB, o impacto a espesa com IOF, DD, DTF e DT, processano percentuais com as fórmulas F3/F8, F4/F8, F5/F8 e F6/F8, respectivamente; as células B16, D16 e F16 apuram o CET seguno o regime exponencial e capitalização, processano taxas ao ia, ao mês e ao ano, com as fórmulas (1+F14)^(1/F9)-1, (1+F14)^(30/F9)-1 e (1+F14)^(360/F9)-1, respectivamente. Com as inserções os aos operacionais e o borerô a ser negociao, o moelo a planilha escrita na figura 01 tornará eviente PMR, IOF e DD para caa título e créito. De moo preliminar serão levantaas informações concernentes ao borerô IOF, DTF, DD,

9 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 9 DTD, VNB, VDB e PMRP. A análise a transação ar-se-á por meio a apreciação os impactos negativos provocaos pelas espesas sobre o VNB e o VDB e o CET em suas versões CET, CET m e CET a. Figura 01: montagem no Microsoft Excel para aferir e analisar o custo efetivo total as operações e esconto e títulos e créito. Fonte: formulação própria. 4. DECISÕES DE FINANCIAMENTO COM DESCONTO DE DUPLICATAS NO BRASIL Nesta apresentação e análise os resultaos será empregao um estuo e caso hipotético, eicao à aferição e análise o CET as operações e esconto e títulos e créito em bancos comerciais no Brasil. Inicialmente, será apresentaa a simples apuração o CET por meio a aplicação ireta a planilha etalhaa na figura 01. Em seguia, será empregao um argumento calcao na preservação a lucrativiae sobre as venas, como referência à consecução a análise

10 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 10 preventiva o CET. Por fim, serão expostos os argumentos empenhaos na justificativa a contínua necessiae e análise preventiva o CET, como ferramenta e apoio às ecisões e financiamento e curto prazo por meio o esconto e títulos e créito no Brasil. Sobre o caso a ser avaliao: na tabela 01, constam os VN s e atas e vencimento os títulos e créito, a serem antecipaos em 11 e novembro e 2008; arbitrou-se, aina, a possibiliae e contratação e uma operação e esconto e títulos em ois bancos comerciais: o banco XXXX: e 1,80% ao mês; TCB e R$2,50; TCT e R$150,00; o banco YYYY: e 1,76% ao mês; TCB e R$4,00; TCT e R$300,00. Tabela 01: carteira e títulos e Título créito Valor Nominal Vencimento ,00 12/12/ ,00 24/12/ ,00 6/1/ ,00 7/1/ ,00 10/1/ ,00 10/1/ ,00 12/1/ ,00 17/1/ ,00 20/1/ ,00 20/1/ ,00 21/1/ ,00 21/1/ ,00 27/1/ ,00 31/1/ ,00 1/2/ ,00 6/2/ ,00 7/2/ ,00 18/2/ ,00 28/2/ ,00 25/3/2009 Fonte: formulação própria 4.1. A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE PREVENTIVA DO CUSTO EFETIVO TOTAL Inserino os aos a tabela 01 na planilha escrita com a figura 01, bem como os aos operacionais os bancos XXXX e YYYY, a execução a operação poerá assumir as configurações escritas nas figuras 02 e 03. Sobre o banco XXXX: com base no VNB, o impacto a DT gerou uma reução e 5,54% a receita prevista, proveniente os consumos e 0,66%, 4,62% e 0,26%, respectivamente impetraos por IOF, DD e DTF;

11 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 11 o arranjo entre o PMRP, e 77 ias, e o impacto a DT com base no VDB, e 5,86%, subsiiou o processamento e um CET e 0,0740% ao ia, 2,2446% ao mês e 30,5228% ao ano, seguno o regime e capitalização exponencial. Figura 02: aferição e análise o custo efetivo total e uma operação e esconto e títulos e créito banco XXXX. Fonte: formulação própria. Sobre o banco YYYY: com base no VNB, o impacto a DT gerou uma reução e 5,67% a receita prevista, proveniente os consumos e 0,66%, 4,52% e 0,49%, respectivamente imputaos por IOF, DD e DTF;

12 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 12 o arranjo entre o PMRP, e 77 ias, e o impacto a DT com base no VDB, e 6,01%, subsiiou o processamento e um CET e 0,0758% ao ia, 2,2988% ao mês e 31,3548% ao ano, seguno o regime e capitalização exponencial. Figura 02: aferição e análise o custo efetivo total e uma operação e esconto e títulos e créito banco YYYY. Fonte: formulação própria. A forma e istribuição os títulos e créito na carteira o estuo e caso em iscussão, calcaa em uma orem crescente eicaa ao PMR, não se trata e uma regra, poeno ser utilizao um critério ecrescente ou aleatório, sem haver quaisquer interferências nos resultaos as informações preliminares e nos valores o CET. Por ser mais facilmente compreenia, a praticaa pelos bancos poe ser utilizaa por gestores como parâmetro único na efinição a melhor alternativa a ser trabalhaa na

13 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 13 contratação e uma operação e esconto e uma carteira e títulos e créito. Sob o referio argumento, o banco YYYY, por apresentar uma menor, proporciona a opção mais vantajosa. Toavia, quano analisaos e moo aequao, com base no CET, o banco XXXX promove um menor impacto negativo sobre a lucrativiae as venas, logo, consegue estabelecer uma configuração capaz e amenizar o arrefecimento a rentabiliae sobre os investimentos em curso natural ao esconto e títulos. Uma empresa poe estabelecer mais e um relacionamento e créito com bancos comerciais, portanto, através o esconto e títulos e créito, poe ispor e múltiplas opções e recruescimento o salo e suas isponibiliaes. Excluino o IOF, toas as emais variáveis contias no CET o esconto e títulos e créito são passíveis e negociação. Assim seno, a análise combinaa as características particulares e caa banco poe aprimorar o esempenho econômico e uma empresa. A classificação os agentes financeiros a partir e uma orem crescente o CET colabora com a utilização racional os limites e créito, exatamente funamentaa em um raciocínio one se prestigia a restrição as espesas, conseqüentemente, corrobora com a minimização o impacto negativo sobre a qualiae o esempenho econômico. Consierano a possibiliae e se trabalhar com múltiplas alternativas e esconto e títulos e créito, bem como a oportuniae e se ientificar previamente o CET, uma empresa poe executar uma operação e esconto e uas formas exclusivas: aleatória e funamentaa. Nas transações aleatórias não se faz nenhum tipo e análise atinente à necessiae e restrição as espesas, seno poneraos outros critérios ou, no máximo, a observação isolaa a cobraa pelos bancos comerciais brasileiros. As transações funamentaas evem trabalhar com o CET, prestigiano a iniciativa e contratar operações com o menor impacto gerao pela DT. Sob o prisma a necessiae e restrição as espesas, a busca contínua por circunstâncias economicamente qualificaas interfere iretamente no aprimoramento a margem e lucro sobre as venas, amenizano o arrefecimento a rentabiliae sobre os investimentos, quano a contração e um esconto e títulos. A contratação e uma operação e esconto e títulos bem funamentaa eve seguir uma sistemática e trabalho equivalente a um pregão, seno respeitao o roteiro abaixo: levantamento os aos operacionais os bancos TCB, TCT e ; inserção os aos operacionais em uma ferramenta especificamente preparaa ao levantamento e análise o CET a montagem no Microsoft Excel etalhaa na figura 01 representa um exemplo; seleção os títulos e créito a empresa eve trabalhar somente com títulos livres e restrições e créito; inserção os valores nominais e as atas e vencimento os títulos selecionaos na ferramenta e apuração e análise no caso a montagem escrita na figura 01, uma opção seria isolar uma planilha para caa banco, conteno os aos operacionais específicos e o borerô e esconto cogitao; classificação os bancos seguino a orem crescente o CET; execução a operação com o banco e menor CET.

14 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 14 Nas ocasiões one o salo o limite e créito o melhor banco apresentar valor inferior ao volume expresso no borerô, inclusive nulo, eve-se acionar a seguna melhor alternativa, e assim por iante, até o cumprimento integral a captação esejaa. Nos casos e equivalência entre os valores o CET e ois ou mais bancos, cabe a empresa estabelecer negociações com os mesmos, visano à reução as espesas com tarifas e escontos. A conução funamentaa as operações e esconto e uplicatas, calcaa na avaliação preventiva as opções ofertaas pelos bancos comerciais, torna-se aina mais útil em períoos e crise enfrentaos pela economia, quano a maior preferência por liquiez manifestaa pelas instituições financeiras torna o créito mais escasso, conseqüentemente, mais caro (KLEBER, 2009). A figura 04 escreve o comportamento a taxa méia e juros as operações e esconto e uplicatas no Brasil. O períoo compreene os instantes: anterior, e manifestação e contemporâneo à crise financeira eflagraa no mercao e créito imobiliário americano. No ápice a crise, exatamente em novembro e 2008, a taxa e esconto alcançou a marca e 46,87% ao ano, exatamente 18,55% superior ao valor méio o intervalo formao entre os meses e janeiro e setembro e 2008, e 39,54% ao ano, e 22,79% superior ao menor valor o ano e 2008, e 38,17% ao ano mês e fevereiro. Figura 04: comportamento a taxa méia e esconto praticaa pelos bancos comerciais no Brasil e janeiro e 2008 a junho e Fonte: Banco Central o Brasil (2009). Durante o intervalo iniciao em outubro e 2008 e encerrao em maio e 2009, as empresas brasileiras anteciparam uplicatas sob uma taxa méia e esconto e 44,46% ao ano. Como era e se esperar, a taxa e esconto alcançou valores substanciais exatamente quano as empresas mais precisaram antecipar suas uplicatas, como poe ser comprovao a partir a observação a figura 05 one se encontra etalhao o histórico o volume e negócios em milhões e reais.

15 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 15 Figura 05: volume e negócios (em milhões e reais) a contratação o esconto e uplicatas janeiro e 2008 a junho e Fonte: Banco Central o Brasil (2009). Com o arrefecimento a ativiae econômica, as empresas brasileiras passaram a enfrentar uma situação financeira propícia à contratação e operações e esconto e uplicatas: previsibiliae e caixa sofrível e capital circulante líquio reuzio. A principal repercussão o menor volume e venas encontra-se no comprometimento a manutenção o capital circulante líquio em níveis aceitáveis: com lucro inferior, ou até mesmo apresentano prejuízo, uma organização não consegue auferir apoio ante a fonte natural e recruescimento o capital circulante líquio, exatamente o autofinanciamento (BRASIL; BRASIL, 2005). Dese outubro e 2008 as empresas brasileiras enfrentam a seguinte situação: a menor capaciae e formação e recursos próprios, a ser empregao no reabastecimento o capital circulante líquio, coincie com a maior preferência por liquiez os bancos comerciais, estarte, passam a recorrer com maior intensiae às operações e esconto e uplicatas, notoriamente mais onerosas. No mês e maior valor para a taxa e esconto, novembro e 2008, o volume e contratação superou o valor méio e janeiro a setembro em 15,80%. Outra justificativa ao crescimento a contração o esconto e uplicatas em períoos e crise resie na preocupação os bancos em face a necessiae e preservação e um nível aceitável e liquiez, como forma e reuzir o risco as transações (BUENO, 2009). Para os bancos comerciais, os recebíveis escontaos constituem uma garantia real ante o valor embolsao por uma empresa com a contratação e uma operação, assim seno, incentivar o crescimento a antecipação e recebíveis contempla a estratégia os bancos calcaa na maior busca por liquiez em épocas e crise (BUENO, 2009). 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS No Brasil, a captação e recursos por meio a antecipação e títulos e créito operacional exige o cumprimento e espesas com esconto, tarifas e impostos, inviabilizano ecisões e financiamento afiançaas somente na observação as taxas e esconto praticaas pelos bancos comerciais. O conjunto as espesas as operações e esconto e uplicatas corrobora com o arrefecimento a margem e lucrativiae sobre as venas, consequentemente, contribui com a reução a rentabiliae sobre os investimentos em curso e uma empresa.

16 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 16 A importância a análise o custo efetivo total as transações envolveno o esconto e uplicatas encontra-se na oportuniae e se executar uma gestão o capital e giro calcaa no raciocínio a restrição as espesas, subsiiano ecisões e financiamento e curto prazo funamentaas na preservação o lucro. Os proceimentos pertinentes ao cumprimento a análise o custo efetivo total evem ocorrer seguno uma conuta preventiva, com o gestor negociano ativamente com as opções propostas pelos bancos comerciais, antes a contratação e uma operação, configurano uma sistemática e trabalho semelhante ao funcionamento e um pregão. Com a implantação e uma rotina e trabalho semelhante à e um pregão, ganham os bancos com os menores custos efetivos totais e, principalmente, as empresas, cientes a contínua necessiae e preservação o esempenho econômico. Portanto, urante a contratação e uma operação e esconto e uplicatas, as empresas brasileiras poem optar por uas sistemáticas e atuação: aleatória, quano outras variáveis são consieraas na efinição o banco comercial a ser requisitao; funamentaa, quano a efinição a instituição a ser trabalhaa resulta o pregão o custo efetivo total. Com a crise financeira eflagraa no ano e 2008, a avaliação preventiva as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais tornou-se aina mais importante, como segue escrito nos argumentos abaixo: com base na maior preferência por liquiez manifestaa pelas instituições financeiras: o o sprea bancário, iferença entre as taxas e aplicação e e captação trabalhaas pelos bancos comerciais, assume comportamento ascenente significativo, em virtue a maior escassez o créito oneroso; o os bancos comerciais passam a incentivar as linhas e créito com garantias intrínsecas, em estaque o esconto e títulos e créito comercial; com base no arrefecimento a ativiae econômica: o o menor nível e venas as empresas, em meio à crise econômica, resulta na ebiliae simultânea a previsibiliae e caixa e a formação e autofinanciamento exatamente a configuração capaz e inuzir as empresas a contratação excessiva e escontos e uplicatas. Finalmente, o esclarecimento a importância e um esquema e pregão voltao à contratação e operações e antecipação e recebíveis, principalmente em períoos e crise enfrentaos pela economia, exprime a principal contribuição este trabalho às ecisões e financiamento e curto prazo as empresas brasileiras. 6. REFERÊNCIAS ASSAF NETO, A. Matemática financeira e suas aplicações. 10. e. São Paulo: Atlas, p. ; SILVA, C. A. T. Aministração o capital e giro. 3. e. São Paulo: Atlas, p. ; LIMA, F. G. Curso e aministração financeira. São Paulo: Atlas, p.

17 SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 17 BANCO CENTRAL DO BRASIL. Relatório e economia bancária e créito (2007). Disponível em: <http://www.bc.gov.br/?spread>. Acesso em: 20 abr Taxas e juros e operações e créito (2009). Disponível em: <http://www.bc.gov.br/?txjuros>. Acesso em: 18 jun BUENO, D. Recebíveis ão mais segurança e liquiez. Valor Econômico, São Paulo, 20 jul Caerno F, p. 02. BRAGA, R. Análise Avançaa o Capital e Giro. Caerno e Estuos Contábeis. São Paulo: FEA-USP, FIPECAFI, IPECAFI. n.03, set., BRASIL, H. V.; BRASIL, H. G. Gestão financeira as empresas: um moelo inâmico. 4. e. Rio e Janeiro: Qualitymark, p. BRIGHAM, E. F.; EHRHARDT, M. C. Aministração financeira: teoria e prática. São Paulo: Atlas, p. EMERY, D. R.; FINNERTY, J. D.; STOWE, J. D. Corporate financial management. 2. e. New Jersey: Prentice Hall, p. GITMAN, L. J. Princípios e aministração financeira. 10. e. São Paulo: Pearson, p. KEYNES, J. M. A teoria geral o emprego, o juro e a moea. São Paulo: Nova Cultura, p. KLEBER, K. A. Dinheiro escasso e caro. Conjuntura Econômica FGV, São Paulo v. 63, n. 3, p , mar ROSS, S. A.; WESTERFIELD, R. W.; JAFFE, J. F. Aministração financeira: corporate finance. São Paulo: Atlas, p. SILVA, J. P. Gestão e análise e risco e créito. 5. e. São Paulo: Atlas, p. TOSI, A. J. Matemática financeira com ênfase em proutos bancários. 2. e. São Paulo: Atlas, p. VAN HORNE, J. C. Financial management an policy. 11. e. New Jersey: Prentice Hall, p. VERGARA, S. Constant. Projetos e relatórios e pesquisa em aministração. 11. e. São Paulo: Atlas, p. WESTON, J. F.; BRIGHAM, E. F. Funamentos a aministração financeira. 10. e. São Paulo: Makron Books, p.

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo:

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo: Aferição o custo efetivo final as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil para empresas lucro real, lucro presumio e simples nacional Aail Marcos Lima a Silva (UFCG) - aail.marcos@hotmail.com

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

20/02/2014. Capítulo 22 Capital de Giro. Introdução

20/02/2014. Capítulo 22 Capital de Giro. Introdução Introdução A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades operacionais e financeiras Deve garantir a adequada consecução

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery) Controle Estatístico e Qualiae Capítulo 4 (montgomery) Amostragem e Aceitação Lote a Lote para Atributos Introução A Amostragem poe ser efinia como a técnica estatística usaa para o cálculo e estimativas

Leia mais

Matemática Financeira com Utilização do Microsoft Excel

Matemática Financeira com Utilização do Microsoft Excel FUNÇÕES FINANCEIRAS As funções financeiras contidas no microsoft excel prestigiam operações elementares vinculadas ao regime exponencial de capitalização ou juros compostos. Outros procedimentos pertinentes

Leia mais

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira 30 3 Os impostos sore ivienos, ganhos e capital e a legislação societária rasileira As legislações societárias e fiscais o Brasil iferem muito quano comparamos ao sistema americano. Neste capítulo aoraremos

Leia mais

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo Controlaor PID 154 8- Controlaor PID PID = Proporcional + Integral + Derivativo É interessante assinalar que mais a metae os controlaores inustriais em uso nos ias atuais utiliza estratégias e controle

Leia mais

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos Administração Prof: Marcelo dos Santos Índices Financeiros e Capital de Giro A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades

Leia mais

Administração do Caixa

Administração do Caixa Administração do Caixa 1- Introdução 2- O capital circulante 3- Políticas de gerenciamento do capital circulante 4- Gestão do Caixa 5- Gestão de recursos temporariamente ociosos - Títulos Negociáveis 6-

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

ADAIL MARCOS LIMA DA SILVA (UFCG) marcos.adail@gmail.com JULIANA ENEAS PORTO (UFCG) juliana.e.porto@gmail.com

ADAIL MARCOS LIMA DA SILVA (UFCG) marcos.adail@gmail.com JULIANA ENEAS PORTO (UFCG) juliana.e.porto@gmail.com MENSURAÇÃO DO RISCO DE CONTRATAÇÃO DO DESCONTO DE DUPLICATAS NOS BANCOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEGUNDO O MODELO FLEURIET DE ANÁLISE FINANCEIRA - ABORDAGENS DETERMINÍSTICA E ESTOCÁSTICA ADAIL MARCOS LIMA

Leia mais

Gestão Capital de Giro

Gestão Capital de Giro Gestão Capital de Giro Conceito Capital de giro (ou de capital circulante), identifica os recursos que giram (circulam) várias vezes em determinado período. É formado basicamente por três importantes ativos

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE

NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE Resumo: NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE O artigo trata sobre a estratégia financeira de curto prazo (a necessidade de capital

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ANAIS A FRAGILIDADE DO ESTUDO DA ALAVANCAGEM FINANCEIRA POR DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO BRASIL

ANAIS A FRAGILIDADE DO ESTUDO DA ALAVANCAGEM FINANCEIRA POR DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO BRASIL A FRAGILIDADE DO ESTUDO DA ALAVANCAGEM FINANCEIRA POR DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO BRASIL ADAIL MARCOS LIMA DA SILVA ( adail.marcos@hotmail.com, marcos.adail@gmail.com ) UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

- Gestão Financeira 1 -

- Gestão Financeira 1 - 1 Cap 2 - Administração do Capital de Giro 2.1 Introdução 2.2 O capital circulante e capital circulante líquido 2.3 Políticas de gerenciamento do capital circulante 2.4 Capital de Giro Próprio 2.5 Capital

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

ADM020 Matemática Financeira

ADM020 Matemática Financeira Sumário 1. Objetivo da Aula 13 ADM020 Matemática Financeira 2. CDB e RDB 3. Debêntures 4. Obrigações Produtos do mercado financeiro ADM020 Matemática Financeira Aula 13 29/11/2009 2 2. Objetivo da Aula

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Factoring - Fomento Mercantil

Factoring - Fomento Mercantil 1.Considerações Iniciais Factoring - Fomento Mercantil A expressão factoring é de origem anglo-latina, cujo radical latino factor significa fomento mercantil e tem por finalidade expandir a capacidade

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 01 Finanças e Empresas Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO Finanças e Empresas... 3 1. Introdução a Administração Financeira... 3 2. Definições... 3 2.1. Empresas...

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO TÓPICO 02: CICLO OPERACIONAL Além da já comentada falta de sincronização temporal, o capital de giro convive com duas

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011

FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011 FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011 Prof. Ms. Wagner Ismanhoto Economista M.B.A. em Engenharia Econômica Universidade São Judas São Paulo-SP Mestrado em Economia Rural UNESP Botucatu-SP

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS

SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER 1 SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS Vimos que a variação de um capital ao longo do tempo pode ser ilustrada em uma planilha eletrônica. No

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística Conceitos e Gestão e Estoques Análise Probabilística Prof. Ruy Alexanre Generoso CONCEITOS BÁSICOS DE ESTOQUE Estoques: acúmulo e recursos materiais em um sistema e transformação Fase 1 estoque Fase 2

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente. COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 12 Ajuste a Valor Presente. Estabelece a obrigatoriedade do ajuste a valor presente nos realizáveis e exigíveis a longo prazo e, no caso de efeito relevante,

Leia mais

Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado

Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado Cooperativa de Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da Policia Militar do Estado de São Paulo Cooperacs - SP Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado Aprovados pela Diretoria Executiva em 02/08/2010

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

FA.RS - Fundação dos Administradores do Rio Grande do Sul. TCC - Trabalho de Conclusão de Curso MBA. GPEN11 - Ago/2007 Dez/2008

FA.RS - Fundação dos Administradores do Rio Grande do Sul. TCC - Trabalho de Conclusão de Curso MBA. GPEN11 - Ago/2007 Dez/2008 FA.RS - Funação os Aministraores o Rio Grane o Sul TCC - Trabalho e Conclusão e Curso MBA GPEN11 - Ago/27 Dez/28 A ESCOLA DA VISÃO uma escola e investimento baseaa na visão e futuro Aluno: Rogério Figurelli

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA AULA 05. Prof. Mário Leitão

MATEMÁTICA FINANCEIRA AULA 05. Prof. Mário Leitão MATEMÁTICA FINANCEIRA AULA 05 Prof. Mário Leitão Desconto Simples As operações de desconto de títulos diversos são realizadas por bancos, factorings e outas instituições financeiras. Nesse caso o beneficiário

Leia mais

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial Página 1 de 5. 05/09/2011 ORÇAMENTO BASE ZERO uma ferramenta gerencial para redução de custos e otimização de resultados, distribuição de dividendos e nível de retorno dos investimentos Prof. Ricardo Ferro

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Adriano Antonio Nuintin Andréa Salvi Carlos Alberto Grespan Bonacim Evandro Marcos Saidel Ribeiro

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro.

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Tendo em vista que o capital de giro representa o saldo correspondente à diferença entre os saldos das contas do ativo e passivo circulantes,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

Podemos representar em fluxo de caixa através do seguinte diagrama: (+) (+) (+) (+) 0 1 2 3 4 5... n tempo

Podemos representar em fluxo de caixa através do seguinte diagrama: (+) (+) (+) (+) 0 1 2 3 4 5... n tempo FLUXO DE CAIXA O estudo da matemática financeira é desenvolvido, basicamente, através do seguinte raciocínio: ao longo do tempo existem entradas de dinheiro (receitas) e saídas de dinheiro (desembolsos)

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 6 Reciprocidade Bancária São exigências estabelecidas pelas instituições

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN). A Matemática Financeira tem como objetivo estudar o valor do dinheiro no tempo. CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

Leia mais

FUNDO DE COMÉRCIO ("GOODWILL") Algumas Considerações

FUNDO DE COMÉRCIO (GOODWILL) Algumas Considerações FUNDO DE COMÉRCIO ("GOODWILL") Algumas Considerações Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Natureza Jurídica 3. Como Avaliar o Fundo de Comércio 3.1 - Cálculo do Valor Atual de Negociação do Patrimônio

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Janeiro de 2013 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliário FII ( Fundo ) é dedicado ao investimento em Ativos de renda

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Maio de 2013 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliários FII ( Fundo ) é dedicado ao investimento em Ativos de renda

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO CONTRATO FUTURO DE TAXA DE CÂMBIO COMO INSTRUMENTO DE HEDGE EM IMPORTAÇÕES UM ESTUDO DE CASO

A UTILIZAÇÃO DO CONTRATO FUTURO DE TAXA DE CÂMBIO COMO INSTRUMENTO DE HEDGE EM IMPORTAÇÕES UM ESTUDO DE CASO V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O F I N A N Ç A S A UTILIZAÇÃO DO CONTRATO FUTURO DE TAXA DE CÂMBIO COMO INSTRUMENTO DE HEDGE EM IMPORTAÇÕES UM ESTUDO DE CASO Autores: EDUARDO BRAGA e-braga@uol.com.br

Leia mais