2.1 Princípios gerais da ligação química. Ligações químicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2.1 Princípios gerais da ligação química. Ligações químicas"

Transcrição

1 2.1 Princípios gerais da ligação química Ligações químicas A associação de átomos formando moléculas, ou em agregados de maiores dimensões como, por exemplo, nos metais, é possível pelo estabelecimento de ligações químicas. As ligações químicas formam-se devido a forças atrativas de natureza eletrostática, resultantes do facto de eletrões e núcleos terem cargas elétricas de sinal contrário. 1

2 2.1 Princípios gerais da ligação química Interações elétricas nos átomos e nas moléculas Num átomo há interações núcleo-eletrões e interações entre eletrões. As forças de interação nas moléculas são de: 1. repulsão entre os núcleos (setas a azul); 2. repulsão entre os eletrões (setas a verde); 3. atração entre os núcleos e os eletrões (setas a vermelho). 2

3 2.1 Princípios gerais da ligação química A imagem esquematiza as forças elétricas entre as partículas que constituem dois átomos de hidrogénio, que são: repulsões entre núcleos; repulsões entre eletrões; atrações entre núcleos e eletrões. Repulsões e atrações entre núcleos e eletrões dos átomos de H 3

4 2.1 Princípios gerais da ligação química O gráfico mostra a energia do sistema formado por dois átomos de hidrogénio em função da distância internuclear, isto é, da distância entre os núcleos.

5 2.1 Princípios gerais da ligação química A energia de interação nos átomos e nas moléculas é uma energia potencial. As forças de atração eletrostática fazem baixar a energia potencial de interação entre as cargas. As forças de repulsão fazem aumentar a energia potencial de interação entre as cargas. As forças de interação atrativas entre cargas nas moléculas conduzem a um estado de energia mínima. Nas moléculas há um equilíbrio entre as forças de atração e as de repulsão. São as forças elétricas entre as partículas dos átomos que levam à formação das ligações.

6 2.1 Princípios gerais da ligação química Variação da energia potencial elétrica na formação de uma ligação O gráfico representa a variação da energia potencial elétrica do conjunto de dois átomos de hidrogénio à medida que a distância entre ambos, r, diminui para formar a molécula de hidrogénio, H 2. r e Esta situação corresponde ao estado de menor energia possível para o conjunto dos 7,24 dois átomos, que assim atinge o máximo de estabilidade, formando a molécula H 2 sendo que a energia potencial elétrica é mínima. Quando os núcleos se situam à distância r e, distância internuclear de equilíbrio, também conhecida por comprimento de ligação, atinge-se uma situação de equilíbrio entre as forças repulsivas e as forças atrativas. 6

7 2.1 Princípios gerais da ligação química Variação da energia potencial elétrica na formação de uma ligação O gráfico representa a variação da energia potencial elétrica do conjunto de dois átomos de hidrogénio à medida que a distância entre ambos, r, diminui para formar a molécula de hidrogénio, H 2. Se os núcleos se aproximam mais do que a distância r e, as forças repulsivas tornam-se mais intensas, aumentando a energia potencial elétrica. O sistema torna-se então instável e os núcleos afastam-se de novo. 7

8 2.1 Princípios gerais da ligação química Variação da energia potencial elétrica na formação de uma ligação A energia de ligação é a energia que se liberta quando se estabelece uma ligação entre dois átomos. No caso de uma molécula de hidrogénio teremos E ligação = 7, J. H + H H kj mol 1 O valor numérico da energia de ligação é, assim, igual ao da energia de dissociação, sendo este valor positivo que se considera para os valores de energia de ligação. H kj mol 1 H + H 8

9 2.1 Princípios gerais da ligação química Ligações químicas Para a distância de equilíbrio, r 0, as forças de repulsão entre núcleos e entre eletrões são equilibradas pelas forças de atração entre os núcleos e os eletrões. Para a distância de equilíbrio, r 0, a energia é mínima e quanto maior for o valor (em módulo) dessa energia, maior será a estabilidade da molécula. As repulsões predominam a curta distância (distâncias menores do que r 0 ). As atrações predominam a longas distâncias (distâncias maiores do que r 0 ). 9

10 2.1 Princípios gerais da ligação química Exercício Classifica em verdadeira ou falsa cada uma das afirmações seguintes. A. Quando se estabelece uma nova ligação química existe um equilíbrio entre as forças atrativas e repulsivas. Verdadeira. B. Quanto maior a energia potencial de uma molécula mais estável ela se torna Falsa. Quanto menor a energia potencial maior a estabilidade da molécula. C. Os eletrões constituintes de uma molécula repelem-se entre si. Verdadeira. D. Numa molécula só há forças de atração. Falsa. Existem forças de atração e de repulsão. E. À medida que dois átomos se aproximam para formar uma molécula as forças atrativas aumentam mais que as forças repulsivas. Verdadeira. 10

11 2.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Estrutura de Lewis Na notação de Lewis utilizam-se cruzes (x) ou pontos ( ) para representar os eletrões de valência. Esta notação permite destacar o contributo de alguns dos eletrões de valência para a ligação química, que são chamados de eletrões partilhados neste modelo. 11

12 2.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Estrutura de Lewis A tabela seguinte apresenta na notação de Lewis a camada de valência dos átomos do segundo e do terceiro período da Tabela Periódica. Grupo Período Grupo 1 ns 2 Grupo 2 Grupo 13 ns 2 ns 2 np 1 Grupo 14 ns 2 np 2 Grupo 15 ns 2 np 3 Grupo 16 ns 2 np 4 Grupo 17 ns 2 np 5 Grupo 18 ns 2 np 6 Segundo Terceiro 12

13 2.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Estrutura de Lewis Vamos interpretar, utilizando o modelo de Lewis, a ligação química covalente em moléculas diatómicas: H 2, F 2, O 2 e N 2. Em primeiro lugar é preciso conhecer o número de eletrões de valência dos átomos que originaram as moléculas. Essa informação pode obter-se: consultando a Tabela Periódica, pelo nome ou símbolo químico; escrevendo a configuração eletrónica a partir do número atómico (Z). 13

14 2.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas 14

15 2.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Estrutura de Lewis A notação de Lewis para o átomo de hidrogénio, flúor, oxigénio e nitrogénio é: Os quatro lados podem estar preenchidos, cada um dos quais com um máximo de dois eletrões por lado. Para esta representação o número máximo de eletrões é oito.

16 2.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Regra do octeto Os átomos ligam-se partilhando eletrões de forma que cada um fique com oito eletrões de valência (no caso do hidrogénio são apenas dois).

17 2.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Ligação covalente As moléculas formam-se por ligações chamadas ligações covalentes, geralmente entre átomos de não metais. Numa ligação covalente, há eletrões partilhados que pertencem aos dois átomos ligados. Para se estabelecer uma ligação covalente tem de haver uma partilha localizada de eletrões de valência, ou seja, os eletrões têm de se localizar na proximidade dos dois núcleos.

18 2.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Ligação covalente A partilha ocorre: entre alguns eletrões que se localizam preferencialmente entre os dois núcleos, pelo que a atração eletrão-núcleo favorece a ligação química (A). entre outros eletrões que se localizam preferencialmente fora do espaço entre os dois núcleos (B). 18

19 2.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Ligação covalente As ligações covalentes: Ocorrem em substâncias moleculares. São caracterizadas pela partilha localizada de eletrões entre átomos. Ligação covalente no amoníaco 19

20 2.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Ligação covalente Neste tipo de ligação: os eletrões que contribuem para a formação da ligação covalente são os eletrões de valência dos átomos; os eletrões de valência da molécula são todos os eletrões de valência dos átomos que formam a molécula. Os eletrões de valência da molécula que participam efetivamente na ligação são os eletrões ligantes. São eletrões partilhados. Os eletrões de valência da molécula que não participam efetivamente na ligação são os eletrões não-ligantes, que formam pares não-ligantes. São eletrões não partilhados, ou isolados. Os eletrões ligantes ocupam, na maior parte do tempo, a região do espaço entre os núcleos.

21 2.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Ligação covalente Para se estabelecer a fórmula de estrutura de Lewis das moléculas diatómicas devem ser realizados os seguintes procedimentos: Escrever a configuração eletrónica dos átomos. 1H 1s 1 1 eletrão de valência Representar cada átomo pela notação de Lewis. Estabelecer a ligação com eletrões desemparelhados de cada átomo, formando os pares de eletrões ligantes ou partilhados. Os restantes eletrões formam os pares não-ligantes, ou não partilhados. Possui um par de eletrões ligantes

22 2.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Ligação covalente Para a molécula de flúor: Escrever a configuração eletrónica dos átomos. 9F 1s 2 2s 2 2p 5 7 eletrões de valência Representar cada átomo pela notação de Lewis. Estabelecer a ligação com eletrões desemparelhados de cada átomo, formando os pares de eletrões ligantes ou partilhados. Os restantes eletrões formam os pares não-ligantes, ou não partilhados. Possui: 1 par de eletrões ligantes 6 pares de eletrões não-ligantes 22

23 2.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Ligação covalente simples Para a molécula de flúor: 23

24 1.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Ligação covalente Para a molécula de oxigénio: Escrever a configuração eletrónica dos átomos. 8O 1s 2 2s 2 2p 4 6 eletrões de valência Representar cada átomo pela notação de Lewis. Estabelecer a ligação com eletrões desemparelhados de cada átomo, formando os pares de eletrões ligantes ou partilhados. Os restantes eletrões formam os pares não-ligantes, ou não partilhados. Possui: 2 pares de eletrões ligantes 4 pares de eletrões não-ligantes 24

25 1.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Ligação covalente dupla 25

26 1.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Ligação covalente Para a molécula de azoto: Escrever a configuração eletrónica dos átomos. 7N 1s 2 2s 2 2p 3 5 eletrões de valência Representar cada átomo pela notação de Lewis. Estabelecer a ligação com eletrões desemparelhados de cada átomo, formando os pares de eletrões ligantes ou partilhados. Os restantes eletrões formam os pares não-ligantes, ou não partilhados. Possui: 3 pares de eletrões ligantes 2 pares de eletrões não-ligantes 26

27 1.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Ligação covalente tripla 27

28 1.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Tipos de ligação covalente Simples Ligação Covalente Dupla Tripla 28

29 1.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Ligação covalente: há partilha de eletrões entre átomos. Da partilha podem resultar: eletrões ligantes: eletrões que asseguram a ligação; eletrões não ligantes: eletrões que não afetam a ligação. Uma ligação covalente pode ser: 29

30 1.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Número total de eletrões ligantes e não ligantes Resultam da luz emitida por um corpo Resultam da absorção parcial da luz ao atravessar a matéria 30

31 1.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Ligações simples, duplas e triplas-ordem de ligação A ordem de ligação corresponde ao número de pares de eletrões partilhados ou ligantes. em F 2 a ordem de ligação é 1; em O 2 ) a ordem de ligação é 2; em N 2 a ordem de ligação é 3. Quanto maior é a ordem de ligação maior é a energia da ligação e menor é o comprimento da ligação 31

32 1.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas As energias de ligação são apresentadas para uma mole de ligações, pelo que costumam ser expressas em kj/mol. Maior energia de ligação Ligação mais difícil de quebrar Ligação mais forte 32

33 1.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Comprimento de ligação O comprimento de ligação é a distância entre os núcleos de dois átomos que estabelecem a ligação. Trata-se sempre de uma distância média, pois os átomos ligados vibram continuamente. Normalmente expressa-se em picómetros (pm). É possível prever relações entre comprimentos de ligação e energias de ligação com base na variação do raio atómico dos elementos envolvidos. Quanto maior é a energia de ligação, menor será o comprimento de ligação. 33

34 1.2 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Os gases nobres não formam moléculas porque não há eletrões disponíveis para serem partilhados por dois núcleos. 10Ne: 1s 2 2s 2 2p x 2 2p y 2 2p z 2 8 eletrões de valência Não tem eletrões disponíveis para criar uma ligação química 34

35 1.2 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Fórmulas de estrutura de Lewis Molécula de metano CH 4 6C: 1s 2 2s 2 2p 2 o átomo possui quatro eletrões de valência. 1H: 1s 1 o átomo possui um eletrão de valência. + ou A molécula de metano possui quatro pares de eletrões ligantes que correspondem a quatro ligações covalentes simples C H. 35

36 1.2 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Fórmulas de estrutura de Lewis Molécula de amoníaco NH 3 7N: 1s 2 2s 2 2p 3 o átomo possui cinco eletrões de valência. 1H: 1s 1 o átomo possui um eletrão de valência. + ou A molécula de amoníaco possui: três pares de eletrões ligantes que correspondem a três ligações covalentes simples N H; um par de eletrões não-ligantes.

37 1.2 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Fórmulas de estrutura de Lewis Molécula de água H 2 O 8O: 1s 2 2s 2 2p 4 o átomo possui seis eletrões de valência. 1H: 1s 1 o átomo possui um eletrão de valência. + ou A molécula de água possui: dois pares de eletrões ligantes que correspondem a duas ligações covalentes simples O H; dois pares de eletrões não-ligantes.

38 1.2 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Fórmulas de estrutura de Lewis Molécula de dióxido de carbono CO 2 6C: 1s 2 2s 2 2p 2 o átomo possui cinco eletrões de valência. 8O: 1s 2 2s 2 2p 4 o átomo possui seis eletrões de valência. + ou A molécula de dióxido de carbono possui: quatro pares de eletrões ligantes que correspondem a duas ligações covalentes duplas C=O; Quatro pares de eletrões não-ligantes. 38

39 1.2 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Geometria molecular A geometria que a molécula adquire é a que minimiza as repulsões entre os pares de eletrões de valência. Para interpretar e prever a geometria das moléculas, usa-se a Teoria da Repulsão de Pares Eletrónicos de Valência (TRPEV). Teoria das repulsões dos pares eletrónicos de valência (TRPEV) As repulsões entre pares eletrónicos de valência são minimizadas para que aumente a estabilidade, o que determina a geometria da molécula.

40 1.2 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Geometria espacial das moléculas Molécula de metano, CH 4 Molécula de amoníaco, NH 3 Geometria tetraédrica Geometria piramidal trigonal 40

41 1.3 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Geometria espacial das moléculas Molécula de água, H 2 O Molécula de dióxido de carbono, CO 2 Geometria angular Geometria linear 41

42 1.3 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Uma maneira fácil de determinar a geometria de algumas moléculas é a seguinte: Moléculas com três átomos: sem pares de eletrões não-ligantes no átomo central: geometria linear. com um ou dois pares de eletrões não-ligantes no átomo central: geometria angular. Moléculas com quatro átomos: sem pares de eletrões não-ligantes no átomo central: geometria triangular plana. com um par de eletrões não-ligantes no átomo central: geometria piramidal trigonal. Moléculas com cinco átomos, sem pares de eletrões no átomo central: geometria tetraédrica. 42

43 1.3 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Geometrias moleculares mais comuns

44 1.2 Ligação covalente em moléculas diatómicas Ângulo de ligação O ângulo de ligação é o menor ângulo formado pelos segmentos de reta que unem os núcleos de três átomos ligados. A geometria da molécula de água é angular porque há quatro pares de eletrões de valência à volta do átomo central, dois ligantes e dois não ligantes.

45 1.3 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Ângulo de ligação nas moléculas CH 4, NH 3, H 2 O e CO 2 No CH 4 os ângulos de ligação são iguais aos do tetraedro ou seja cerca de 109,5. No caso da molécula de amoníaco, NH 3, dos quatro pares de eletrões um deles é um par não-ligante. Como as repulsões entre o par não-ligante e os pares ligantes são maiores do que as repulsões entre os pares ligantes, o ângulo de ligação H N H na molécula de amoníaco é ligeiramente menor:

46 1.3 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Comparação dos comprimentos e ângulos de ligação nas moléculas H 2 O e H 2 S No caso da molécula de água, H 2 O, há dois pares de eletrões não-ligantes à volta do átomo de oxigénio, o que obriga que o ângulo de ligação H O H na molécula de água seja ainda menor: 104,5. Como a geometria da molécula de CO 2 é linear, uma vez que é a geometria linear que torna mínimas as repulsões dos pares de eletrões em torno do átomo central, o ângulo de ligação na molécula de dióxido de carbono é

47 1.3 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Moléculas apolares e polares As moléculas apolares, por exemplo o H 2 e O 2, possuem uma distribuição simétrica de carga. As moléculas polares, por exemplo o HF e HCl, possuem uma distribuição assimétrica de carga.

48 1.3 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Ligações apolares e polares

49 1.3 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Moléculas apolares e polares Uma molécula é polar ou apolar dependendo da distribuição global de carga elétrica, que está relacionada com a polaridade das ligações presentes e também com a geometria molecular. As moléculas H 2 O e NH 3 são exemplos bem conhecidos de moléculas polares, enquanto as moléculas CO 2 e CH 4 são exemplos de moléculas apolares. H 2 O NH 3 CO 2 CH 4

50 1.3 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Mapas de potencial eletrostático mostram distribuições tridimensionais de carga elétrica. O potencial eletrostático mede a interação de uma carga positiva com núcleos e eletrões de uma molécula ao longo de uma superfície de isodensidade eletrónica.

51 1.2 Ligação covalente em moléculas poliatómicas Quando há distribuição assimétrica de carga elétrica, o potencial eletrostático é diferente em diferentes partes da molécula. Uma diferença extrema de distribuição de carga é evidenciada por regiões inteiramente vermelhas e outras inteiramente azuis, quase sem cores intermédias entre elas. Superfícies verdes e amarelas indicam uma distribuição mais uniforme de carga

Estrutura molecular Ligação química

Estrutura molecular Ligação química Estrutura molecular Ligação química A grande diversidade de materiais que nos rodeia tem origem na variedade de substâncias que os constituem. Esta variedade e diversidade resulta das diferentes combinações

Leia mais

Ligação covalente em moléculas diatómicas

Ligação covalente em moléculas diatómicas Ligação covalente em moléculas diatómicas Os átomos tal como a Natureza regemse pelo princípio de energia mínima. Ligação covalente em moléculas diatómicas r e distância internuclear de equilíbrio r e

Leia mais

Cursos Profissionais-Física e Química 10º ano

Cursos Profissionais-Física e Química 10º ano 3.1.4. Parâmetros da ligação covalente A. O comprimento da ligação nas moléculas diatómicas Como já se referiu, quando os átomos se aproximam formando ligações dão origem a uma nova unidade estrutural-

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTA MARIA MAIOR E QUÍMICA A 10ºANO (2015/2016)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTA MARIA MAIOR E QUÍMICA A 10ºANO (2015/2016) ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTA MARIA MAIOR FÍSICA E QUÍMICA A 10ºANO (2015/2016) Ficha de Trabalho nº 2.1 Domínio 2: Propriedades e Transformações da Matéria Subdomínioo 4: Ligações químicas 1. Na figura está

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA PINHAL DO REI FICHA FORMATIVA 2ºTESTE

ESCOLA SECUNDÁRIA PINHAL DO REI FICHA FORMATIVA 2ºTESTE Ano Letivo 2016/2017 ESCOLA SECUNDÁRIA PINHAL DO REI FICHA FORMATIVA 2ºTESTE Física e Química A 10ºAno 1. A energia dos eletrões nos átomos inclui: (A) apenas o efeito das atrações entre os eletrões e

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Informação Prova da Disciplina de Física e Química - Módulo: 1 Estrutura Atómica. Tabela Periódica.

Leia mais

QUESTÕES DE EXAME 3. Física e Química A. Domínio 2 - Propriedades e transformações da matéria. 2.1 Ligação química

QUESTÕES DE EXAME 3. Física e Química A. Domínio 2 - Propriedades e transformações da matéria. 2.1 Ligação química QUESTÕES DE EXAME 3 Física e Química A Questões de provas nacionais realizadas entre 2008 e 2014 organizados por subdomínio e por secção, por ordem cronológica. Os itens estão identificados por data e

Leia mais

Química Orgânica Ambiental

Química Orgânica Ambiental Química Orgânica Ambiental Aula 2 Formas de representação e interações moleculares Prof. Dr. Leandro Vinícius Alves Gurgel 1. Introdução: Estrutura de Lewis 1) Estruturas de Lewis mostram as conexões entre

Leia mais

Ligação Química. - Os elétrons mais fracamente ligados ao átomo podem tomar parte na formação de ligações químicas.

Ligação Química. - Os elétrons mais fracamente ligados ao átomo podem tomar parte na formação de ligações químicas. Ligação Química É necessário compreender (prever) as ligações químicas, se quisermos entender as propriedades químicas e físicas de elementos e compostos. - Os elétrons mais fracamente ligados ao átomo

Leia mais

Geometria Molecular e polaridade de ligações

Geometria Molecular e polaridade de ligações Geometria Molecular e polaridade de ligações Prof. Éderson Química Geometria Molecular Geometria molecular O arranjo tri-dimensional dos átomos em uma molécula, ou seja, é a orientação espacial das moléculas,

Leia mais

Ficha de preparação para o 2º teste- Física e Química 10º CPM e CPSI

Ficha de preparação para o 2º teste- Física e Química 10º CPM e CPSI Ficha de preparação para o 2º teste- Física e Química 10º CPM e CPSI 1. A substância composta fluoreto de hidrogénio, HF, está representada na figura segundo notação de Lewis. 1.1 O que representam os

Leia mais

Ajuda a descrever o compartilhamento dos elétrons entre os átomos

Ajuda a descrever o compartilhamento dos elétrons entre os átomos Polaridade, Geometria Molecular e Forças Intermoleculares Polaridade das Ligações Ajuda a descrever o compartilhamento dos elétrons entre os átomos Ligações covalentes Apolares: elétrons são compartilhados

Leia mais

LIGAÇÃO COVAL COV AL NT

LIGAÇÃO COVAL COV AL NT LIGAÇÃO COVALENTE INTRODUÇÃO Resulta do compartilhamento de elétrons. Ex: H 2 Os dois átomos de hidrogênio se aproximam devido à força de atração que depois de determinada distância diminuem surgindo as

Leia mais

Forma e estrutura das moléculas Atkins e Jones, Princípios de Química, cap. 3, p (5 a edição)

Forma e estrutura das moléculas Atkins e Jones, Princípios de Química, cap. 3, p (5 a edição) Forma e estrutura das moléculas Atkins e Jones, Princípios de Química, cap. 3, p. 93-131 (5 a edição) Relembre: Estrutura de Lewis e a regra do octeto - Antiga (introduzida por GN Lewis em 1916), mas útil

Leia mais

CURSO FARMÁCIA SEMESTRE

CURSO FARMÁCIA SEMESTRE QUÍMICA ORGÂNICA I INTRODUÇÃO À QUÍMICA ORGÂNICA (Parte I) CURSO FARMÁCIA SEMESTRE 2016/2 Professoras: Alceni Augusta Werle Tânia Márcia Sacramento Melo Tabela Periódica/Revisão Representação esquemática

Leia mais

TEORIA DA LIGAÇÃO QUÍMICA

TEORIA DA LIGAÇÃO QUÍMICA TERIA DA LIGAÇÃ QUÍMICA s exercícios seguintes estão directamente relacionados com a matéria exposta no capítulo do manual da disciplina de Química Geral. São apresentados vários tipos de exercícios resposta

Leia mais

4ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 10ºA. Física e Química A - 10ºAno

4ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 10ºA. Física e Química A - 10ºAno 4ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 10ºA Física e Química A - 10ºAno Professora Paula Melo Silva Data: 7 de dezembro 2015 Ano Letivo: 2015/2016 135 + 15 min 1. Os espetros de absorção e de emissão

Leia mais

Ligações Interatômicas: IÔNICA = metal + não-metal COVALENTE = não-metais METÁLICA = metais

Ligações Interatômicas: IÔNICA = metal + não-metal COVALENTE = não-metais METÁLICA = metais Ligações Químicas Ligações Interatômicas: IÔNICA = metal + não-metal COVALENTE = não-metais METÁLICA = metais Ligação iônica Transferência de elétrons de um átomo para outro Íons de cargas opostas Forças

Leia mais

Disciplina: Química Professor: Rubens Barreto. III Unidade

Disciplina: Química Professor: Rubens Barreto. III Unidade Disciplina: Química Professor: Rubens Barreto III Unidade Ligações Químicas Ligações iônicas Tipos de Ligações Ligações covalentes Ligações metálicas Os gases nobres e a regra do octeto Todas as substâncias

Leia mais

Questões de Exame Resolvidas. Física e Química A. 11. ano. Química

Questões de Exame Resolvidas. Física e Química A. 11. ano. Química Questões de Exame Resolvidas Física e Química A 11. ano Química Índice Apresentação 3 Questões de Exame e de Testes Intermédios Química 10.º ano Domínio 1 Elementos químicos e sua organização 7 Subdomínio

Leia mais

Ligação Covalente. O íon molecular H 2

Ligação Covalente. O íon molecular H 2 O íon molecular H 2 + Dois núcleos de hidrogênio estão ligados por um único elétron O que acontece à medida que os núcleos se aproximam? 4 O íon molecular H 2 + Dois núcleos de hidrogênio estão ligados

Leia mais

Escola Secundária de Lagoa. Ficha de Trabalho 5. Física e Química A 11º Ano Paula Melo Silva. 1. Considere a molécula de metano.

Escola Secundária de Lagoa. Ficha de Trabalho 5. Física e Química A 11º Ano Paula Melo Silva. 1. Considere a molécula de metano. Escola Secundária de Lagoa Física e Química A 11º Ano Paula Melo Silva Ficha de Trabalho 5 Química 10ºano 1. Considere a molécula de metano. 1.1. Calcule o número de moléculas de metano, CH 4, presentes

Leia mais

É O RESULTADO DE FORÇAS ATRATIVAS E REPULSIVAS

É O RESULTADO DE FORÇAS ATRATIVAS E REPULSIVAS Ligações covalentes É O TIPO DE INTERAÇÃO NA QUAL OS ÁTOMOS SE MANTÊM UNIDOS ATRAVÉS DE ELÉTRONS DE VALÊNCIA QUE SÃO ATRAÍDOS, SIMULTANEAMENTE, POR MAIS DE UM NÚCLEO. É O RESULTADO DE FORÇAS ATRATIVAS

Leia mais

Prof.: Guilherme Turma: TR. Tema da aula: Aulas 13 Geometria molecular e polaridade. Geometria molecular

Prof.: Guilherme Turma: TR. Tema da aula: Aulas 13 Geometria molecular e polaridade. Geometria molecular Disciplina: Química Prof.: Guilherme Turma: TR 19/ 05/2016 Tema da aula: Aulas 13 Geometria molecular e polaridade Geometria molecular - Nas aulas sobre ligações químicas, vimos que as moléculas são formadas

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA - QUÍMICA Prof. Adriana Strelow 1º Ano

CIÊNCIAS DA NATUREZA - QUÍMICA Prof. Adriana Strelow 1º Ano CIÊNCIAS DA NATUREZA - QUÍMICA Prof. Adriana Strelow 1º Ano - 2016 Geometria molecular : Forma como os átomos estão espacialmente dispostos em uma molécula. A geometria de uma molécula depende do número

Leia mais

QUÍMICA ORGÂNICA LIGAÇÕES QUÍMICAS GEOMETRIA MOLECULAR HIBRIDIZAÇÃO

QUÍMICA ORGÂNICA LIGAÇÕES QUÍMICAS GEOMETRIA MOLECULAR HIBRIDIZAÇÃO QUÍMICA ORGÂNICA LIGAÇÕES QUÍMICAS GEOMETRIA MOLECULAR IBRIDIZAÇÃO 1 Geometria molecular O arranjo tri-dimensional dos átomos em uma molécula geometria molecular A teoria da repulsão dos pares de elétrons

Leia mais

Revisão de Ligações Químicas

Revisão de Ligações Químicas Revisão de Ligações s 1. Explique o que é Eletronegatividade. Material de Apoio para Monitoria 2. Explique a Teoria do Octeto. 3. Como funcionam as ligações iônicas? 4. O que são compostos iônicos? Cite

Leia mais

Ligação Covalente: compartilhamento de elétrons entre os átomos.

Ligação Covalente: compartilhamento de elétrons entre os átomos. Aula 14 10/jun Marcelo Ligação Covalente: compartilhamento de elétrons entre os átomos. Formação de compostos moleculares Ocorre entre átomos de não-metais (baixa diferença de eletronegatividade) Acima,

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS SOBRE LIGAÇÃO QUÍMICA. Prof a. Dr a. Luciana M. Saran

CONCEITOS FUNDAMENTAIS SOBRE LIGAÇÃO QUÍMICA. Prof a. Dr a. Luciana M. Saran CONCEITOS FUNDAMENTAIS SOBRE LIGAÇÃO QUÍMICA Prof a. Dr a. Luciana M. Saran 1 1. INTRODUÇÃO Ligações Químicas Interatômicas - Forças de interação entre os átomos. - São responsáveis pela formação de moléculas,

Leia mais

QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 8 Conceitos básicos de ligação química David P. White

QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 8 Conceitos básicos de ligação química David P. White QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 8 Conceitos básicos de ligação química David P. White Ligações químicas, símbolos de Lewis e a regra do octeto Ligação química: é a força atrativa que mantém

Leia mais

Roteiro de Estudos 1 trimestre 2015 Disciplina: Química 1ª série Professor: Ricardo Augusto Marques da Costa

Roteiro de Estudos 1 trimestre 2015 Disciplina: Química 1ª série Professor: Ricardo Augusto Marques da Costa Roteiro de Estudos 1 trimestre 2015 Disciplina: Química 1ª série Professor: Ricardo Augusto Marques da Costa - Teoria do octeto. Unidade 5: Interações atômicas e moleculares - Ligação iônica ou eletrovalente.

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS. Ocorre entre elétrons da CAMADA DE VALÊNCIA Portanto não ocorrem mudanças no núcleo dos átomos. Não altera a massa dos átomos.

LIGAÇÕES QUÍMICAS. Ocorre entre elétrons da CAMADA DE VALÊNCIA Portanto não ocorrem mudanças no núcleo dos átomos. Não altera a massa dos átomos. LIGAÇÕES QUÍMICAS 1 Ocorre entre elétrons da CAMADA DE VALÊNCIA Portanto não ocorrem mudanças no núcleo dos átomos. Não altera a massa dos átomos. Os átomos se ligam uns aos outros com a finalidade de

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Química e Biologia. Dr. Tiago P. Camargo

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Química e Biologia. Dr. Tiago P. Camargo Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Química e Biologia Dr. Tiago P. Camargo Forma das moléculas Correlação da geometria com propriedades físico-químicas Instável Instável

Leia mais

Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Química. Programa do 10º ano e do 11º ano de Química do Ensino Secundário

Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Química. Programa do 10º ano e do 11º ano de Química do Ensino Secundário Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Química Programa da Prova de Acesso de Química (2016): Exemplos de exercícios 1.Indique a afirmação correcta. Programa do 10º ano e do 11º

Leia mais

2005 by Pearson Education. Capítulo 09

2005 by Pearson Education. Capítulo 09 QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Geometria molecular e teorias de ligação David P. White Forma molecular e polaridade molecular Os dipolos de ligação no CO2 cancelam-se porque o CO2 é linear. Forma

Leia mais

Forças Intermoleculares

Forças Intermoleculares Forças Intermoleculares Você já se perguntou por que a água forma gotas ou como os insetos conseguem caminhar sobre a água? Gota d'água caindo sobre a superfície da água. Inseto pousado sobre a superfície

Leia mais

TEORIA DAS ORBITAIS MOLECULARES

TEORIA DAS ORBITAIS MOLECULARES TORIA DAS ORBITAIS MOLCULARS Na teoria das orbitais moleculares (TOM), os eletrões ocupam precisamente orbitais definidas, chamadas orbitais moleculares (OM), que se estendem por toda a molécula. Na TOM,

Leia mais

Reis, Oswaldo Henrique Barolli. R375l Ligações químicas / Oswaldo Henrique Barolli. Varginha, slides : il.

Reis, Oswaldo Henrique Barolli. R375l Ligações químicas / Oswaldo Henrique Barolli. Varginha, slides : il. Reis, Oswaldo Henrique Barolli. R375l Ligações químicas / Oswaldo Henrique Barolli. Varginha, 2015. 28 slides : il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Ligações químicas.

Leia mais

Ligações covalentes. Modelinho simplificado: será que dá conta de explicar tudo?

Ligações covalentes. Modelinho simplificado: será que dá conta de explicar tudo? Ligações covalentes Modelinho simplificado: será que dá conta de explicar tudo? 1 Ligação Covalente Características Aproximação de dois átomos, podendo serem iguais Sobreposição de orbitais atômicos, gerando

Leia mais

Aula 09 19/mai Marcelo..continuação da aula 08 (12/mai) CONTEÚDO EXTRA SOBRE LIGAÇÃO IÔNICA Escrevendo a fórmula de um composto iônico: http://www.brasilescola.com/quimica/formulas-para-representar-as-ligacoesionicas.htm

Leia mais

Introdução ao curso, Ligação química e TOM. Aula 1

Introdução ao curso, Ligação química e TOM. Aula 1 Universidade Federal de Ouro Preto Introdução ao curso, Ligação química e TOM Aula 1 Flaviane Francisco Hilário 1 CRONOGRAMA DA DISCIPLINA QUÍMICA ORGÂNICA I - QUI225 ICEB - UFOP I - CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Leia mais

Critérios Específicos de Classificação da Questão Aula

Critérios Específicos de Classificação da Questão Aula Critérios Específicos de da Questão Aula Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos DISCIPLINA: Física e Química Módulo: Q 0/0 0 ºAno de escolaridade Duração: 90 minutos

Leia mais

Ligação Covalente: compartilhamento de elétrons entre os átomos.

Ligação Covalente: compartilhamento de elétrons entre os átomos. Aula 12 28/abr Marcelo Ligação Covalente: compartilhamento de elétrons entre os átomos. Formação de compostos moleculares Ocorre entre átomos de não-metais (baixa diferença de eletronegatividade) http://www.desconversa.com.br/quimica/tag/ligacao-covalente/

Leia mais

H 2. Cl 2 N 2 O 2. família dos calcogênios 4. É uma substância apolar

H 2. Cl 2 N 2 O 2. família dos calcogênios 4. É uma substância apolar H 2 Cl 2 1. O elemento que forma essa substância simples possui em sua única camada 1 elétron 3. Substância simples formada apenas por átomos de Hidrogênio 1. O elemento que forma essa sua camada valência

Leia mais

Se dois átomos combinarem entre si, dizemos que foi estabelecida entre eles uma LIGAÇÃO QUÍMICA

Se dois átomos combinarem entre si, dizemos que foi estabelecida entre eles uma LIGAÇÃO QUÍMICA ÁGUA AMÔNIA Se dois átomos combinarem entre si, dizemos que foi estabelecida entre eles uma LIGAÇÃO QUÍMICA Os elétrons mais externos do átomo são os responsáveis pela ocorrência da ligação química Para

Leia mais

Ligações Químicas. Iônicas. Metálicas. Covalentes. Átomo: constituinte da menor parte de qualquer matéria;

Ligações Químicas. Iônicas. Metálicas. Covalentes. Átomo: constituinte da menor parte de qualquer matéria; Ligações Químicas Átomo: constituinte da menor parte de qualquer matéria; -capacidade de se combinarem uns com os outros, lhes permite a formação de uma grande variedade de substâncias; Ligações Químicas

Leia mais

GOIÂNIA, / / ALUNO(a): NOTA:

GOIÂNIA, / / ALUNO(a): NOTA: GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 1 ano ALUNO(a): Valor: NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE RECUPERAÇÃO 01) Localize na Tabela Periódica o elemento químico de número atômico 20 e

Leia mais

QUESTÕES DE EXAME Tabela Periódica. Física e Química A

QUESTÕES DE EXAME Tabela Periódica. Física e Química A QUESTÕES DE EXAME 2 Física e Química A Questões de provas nacionais realizadas entre 2008 e 2014 organizados por subdomínio e por secção, por ordem cronológica. Os itens estão identificados por data e

Leia mais

LIGAÇÃO COVALENTE: PRINCÍPIOS/ESTRUTURAS DE LEWIS. QFL-4010 Prof. Gianluca C. Azzellini

LIGAÇÃO COVALENTE: PRINCÍPIOS/ESTRUTURAS DE LEWIS. QFL-4010 Prof. Gianluca C. Azzellini LIGAÇÃO COVALENTE: PRINCÍPIOS/ESTRUTURAS DE LEWIS LIGAÇÃO QUÍMICA Principais Tipos de Ligação Química Iônica Covalente Metálica Gilbert N. Lewis LIGAÇÃO COVALENTE: Compartilhamento de elétrons entre dois

Leia mais

SIMULADO de QUÍMICA 1 os anos 2008 TODOS COLÉGIOS

SIMULADO de QUÍMICA 1 os anos 2008 TODOS COLÉGIOS SIMULADO de QUÍMICA 1 os anos 2008 TODOS COLÉGIOS 1) Em relação às partículas atômicas, a alternativa falsa é: a) a massa do próton é igual a massa do elétron. b) a massa do elétron é menor que a massa

Leia mais

A Tabela Periódica pode ser um guia para a ordem na qual os orbitais são preenchidos...

A Tabela Periódica pode ser um guia para a ordem na qual os orbitais são preenchidos... Aula 02 - Tabela Periódica TABELA PERIÓDICA e Lothar Meyer A Tabela Periódica pode ser um guia para a ordem na qual os orbitais são preenchidos... Pode-se escrever a distribuição eletrônica de um elemento

Leia mais

Disciplina de Didáctica da Química I

Disciplina de Didáctica da Química I Disciplina de Didáctica da Química I Texto de Apoio Estrutura dos átomos no ensino básico e secundário Visão crítica / síntese dos tópicos de química nos ensinos básico e secundário A - ESTRUTURA DOS ÁTOMOS

Leia mais

Química Orgânica Ambiental

Química Orgânica Ambiental Química Orgânica Ambiental Aula 1 Estrutura Eletrônica e ligação química Prof. Dr. Leandro Vinícius Alves Gurgel 1. Introdução: O átomo Os átomos são formados por nêutrons, prótons e elétrons: Prótons

Leia mais

Química 2º Ano. Professora Cristina Lorenski Ferreira

Química 2º Ano. Professora Cristina Lorenski Ferreira Química 2º Ano Professora Cristina Lorenski Ferreira 2016 1 GEOMETRIA MOLECULAR POLARIDADE DAS MOLÉCULAS INTERAÇÕES INTERMOLECULARES PROFESSORA CRISTINA LORENSKI FERREIRA 2 ALGUNS QUESTIONAMENTOS Como

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS AULA 02 TURMA FMJ

RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS AULA 02 TURMA FMJ RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS AULA 02 TURMA FMJ 03. Item C O equador da figura mostrada pode ser representado como abaixo. 01. Item B I Correto. A energia para quebrar a ligação H F (568 kj/mol) é

Leia mais

Disciplina: Química Inorgânica I Professor: Fabio da Silva Miranda. Lista de exercícios sobre Teoria dos Orbitais Moleculares

Disciplina: Química Inorgânica I Professor: Fabio da Silva Miranda. Lista de exercícios sobre Teoria dos Orbitais Moleculares Disciplina: Química Inorgânica I Professor: Fabio da Silva Miranda. Lista de exercícios sobre Teoria dos Orbitais Moleculares 1) Construa os orbitais moleculares para H 2 O e NO 2 baseado nos SALCs de

Leia mais

Química Bio-inorgânica - roteiro de aulas

Química Bio-inorgânica - roteiro de aulas Química Bio-inorgânica - roteiro de aulas 2014 - Prof. André Ferraz Pense: Como esta um metal em um sistema vivo? Para entender a questão dos "metais em sistemas biológicos" precisamos entender: 1. Ligação

Leia mais

As reações químicas são uma consequência da perda, ganho compartilhamento e rearranjo dos elétrons de valência entre átomos.

As reações químicas são uma consequência da perda, ganho compartilhamento e rearranjo dos elétrons de valência entre átomos. ESTRUTURA MOLECULAR As reações químicas são uma consequência da perda, ganho compartilhamento e rearranjo dos elétrons de valência entre átomos. Nas reações químicas somente nos interessa saber quantos

Leia mais

Estudo do átomo de carbono (Hibridização), Estrutura de Lewis, Carga formal. Aula 2

Estudo do átomo de carbono (Hibridização), Estrutura de Lewis, Carga formal. Aula 2 Universidade Federal de Ouro Preto Estudo do átomo de carbono (Hibridização), Estrutura de Lewis, Carga formal Aula 2 Flaviane Francisco Hilário 1 1 Estudo do átomo de carbono 1.1 - Configuração eletrônica

Leia mais

Ligações Químicas - II. Ligação covalente Orbitais moleculares (LCAO) Hibridização Geometrias moleculares

Ligações Químicas - II. Ligação covalente Orbitais moleculares (LCAO) Hibridização Geometrias moleculares Ligações Químicas - II Ligação covalente Orbitais moleculares (LCAO) Hibridização Geometrias moleculares 1 Revisão: Estruturas de Lewis G.N. Lewis (~1916) Representação das ligações químicas Compartilhamento

Leia mais

Ligações Químicas Interatômicas

Ligações Químicas Interatômicas Ligações Químicas Interatômicas Gabarito Parte I: Resposta da questão 1: [Resposta do ponto de vista da disciplina de Biologia] O tomate é um fruto do tipo baga. O vinagre apresenta caráter ácido. O azeite

Leia mais

Propriedades da tabela periódica

Propriedades da tabela periódica Propriedades da tabela periódica Química Geral Prof. Edson Nossol Uberlândia, 30/09/2016 calcogênioos halogênios Metais alcalinos Metais alcalinos terrosos Gases nobres Metais de transição Dimitris Mendeliev

Leia mais

LUAULA. Professor: Eduardo Ulisses

LUAULA. Professor: Eduardo Ulisses LUAULA Professor: Eduardo Ulisses Sobre as ligações químicas, analise as afirmativas. I. Nas estruturas de Lewis, a ligação covalente resulta do compartilhamento de um par de elétrons entre dois átomos.

Leia mais

Química Orgânica. Compostos orgânicos contêm carbono. O carbono não ganha nem cede elétrons

Química Orgânica. Compostos orgânicos contêm carbono. O carbono não ganha nem cede elétrons Organic Chemistry 4 th Edition Paula Yurkanis Bruice Aula 1 Estrutura Eletrônica e Ligação Química Ácidos e Bases Irene Lee Case Western Reserve University Cleveland, OH 2004, Prentice Hall Química Orgânica

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS. Prof. Marcel Piovezan. Curso Superior de Tecnologia em Processos Químicos

LIGAÇÕES QUÍMICAS. Prof. Marcel Piovezan. Curso Superior de Tecnologia em Processos Químicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS LAGES LIGAÇÕES QUÍMICAS Prof. Marcel Piovezan marcel.piovezan@ifsc.edu.br

Leia mais

Química Orgânica I. Ligação Química e Estudo do Átomo de Carbono. Aula 1. Profa. Alceni Augusta Werle ProfaTânia Márcia Sacramento Melo

Química Orgânica I. Ligação Química e Estudo do Átomo de Carbono. Aula 1. Profa. Alceni Augusta Werle ProfaTânia Márcia Sacramento Melo Química Orgânica I Ligação Química e Estudo do Átomo de Carbono Aula 1 Profa. Alceni Augusta Werle ProfaTânia Márcia Sacramento Melo 1- CONSTITUIÇÃO DO ÁTOMO Cada átomo contém o mesmo número de prótons

Leia mais

LIGAÇÕES INTERMOLECULARES

LIGAÇÕES INTERMOLECULARES Chama-se ligações intermoleculares, ou forças intermoleculares, a forças atrativas entre moléculas ou átomos sem que haja partilha significativa de eletrões. As ligações intermoleculares devem-se a forças

Leia mais

QUÍMICA GERAL Ligações Químicas. slide- 1 LIGAÇÕES QUÍMICAS. Profª. Camila Amorim

QUÍMICA GERAL Ligações Químicas. slide- 1 LIGAÇÕES QUÍMICAS. Profª. Camila Amorim slide- 1 LIGAÇÕES QUÍMICAS Cap. 8 J.B. Russel 1 LIGAÇÕES QUÍMICAS slide- 2 Definição: forças que unem átomos formando moléculas, agrupamentos de átomos ou sólidos iônicos; Forças de interação mais fortes;

Leia mais

Qui. Semana. Allan Rodrigues Xandão (Gabriel Pereira)

Qui. Semana. Allan Rodrigues Xandão (Gabriel Pereira) Semana 6 Allan Rodrigues Xandão (Gabriel Pereira) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. CRONOGRAMA

Leia mais

Ligação covalente comum.

Ligação covalente comum. Ligação covalente comum. Na ligação covalente, ao contrário do que acontece na iônica, nenhum dos participantes deseja doar elétrons. Ambos os elementos desejam receber elétrons Como fazer acordo desta

Leia mais

Capítulo 6 - LIGAÇÕES QUÍMICAS-resoluções

Capítulo 6 - LIGAÇÕES QUÍMICAS-resoluções Capítulo 6 - LIGAÇÕES QUÍMICAS-resoluções 1-C X e T devem ter a mesma carga com sinais contrários: +1 e -1, +2 e -2 ou +3 e -3. 2-B A) Fe 2 S 3 B) CsCl C) CaI 2 D) Al 2 3 E) Ba 3 N 2 Quanto maior a diagonal

Leia mais

03/02/2014. Falha da TLV. Teoria do Orbital Molecular. Teoria dos Orbitais Moleculares - TOM

03/02/2014. Falha da TLV. Teoria do Orbital Molecular. Teoria dos Orbitais Moleculares - TOM Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Campus JK Diamantina - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Falha da TLV -As estruturas de Lewis falham na descrição correta da ligação em um

Leia mais

Teorias da Ligação Química Orbitais Atómicas Moléculas

Teorias da Ligação Química Orbitais Atómicas Moléculas Teorias da Ligação Química 1? Orbitais Atómicas Moléculas Teorias da Ligação (TOM) 2 TEORIA DAS ORBITAIS MOLECULARES Robert Mulliken) Electrões de valência estão deslocalizados electrões de valência ocupam

Leia mais

Aula 5: Propriedades e Ligação Química

Aula 5: Propriedades e Ligação Química Aula 5: Propriedades e Ligação Química Relacionar o tipo de ligação química com as propriedades dos materiais Um entendimento de muitas propriedades físicas dos materiais é previsto através do conhecimento

Leia mais

Unidade Tabela Periódica

Unidade Tabela Periódica 10.º ano - Física e Química A História da Tabela Periódica De onde veio a Tabela Periódica? A tentativa de organizar os elementos químicos já vem desde o pai da Química, Lavoisier. No entanto, durante

Leia mais

No final do enunciado, encontrarás um anexo com alguma informação relevante à sua realização. Bom Trabalho!

No final do enunciado, encontrarás um anexo com alguma informação relevante à sua realização. Bom Trabalho! Escola Secundária Filipa de Vilhena 2010/2011 Curso: Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Física e Química TESTE DE AVALIAÇÃO Módulo Q1 Estrutura atómica. Tabela periódica. Ligação Química. 11ºAno

Leia mais

LIGAÇÕES INTERATÔMICAS X LIGAÇÕES INTERMOLECULARES

LIGAÇÕES INTERATÔMICAS X LIGAÇÕES INTERMOLECULARES Prof. Edson Cruz LIGAÇÕES INTERATÔMICAS X LIGAÇÕES INTERMOLECULARES Já estudamos que qualquer tipo de matéria é formado por átomos. Vimos também que cada agrupamento de átomos, combinados em uma determinada

Leia mais

Os orbitais 2p (3 orb p = px + py + pz ) estão na segunda camada energética, portanto mais afastados que o orbital esférico 2s, logo mais energético.

Os orbitais 2p (3 orb p = px + py + pz ) estão na segunda camada energética, portanto mais afastados que o orbital esférico 2s, logo mais energético. 1 - Introdução Os elementos mais importantes para a química orgânica são C, H, N e O. Estes elementos estão nos dois primeiros períodos da tabela periódica e os seus elétrons estão distribuídos próximos

Leia mais

Ligação Química Parte 1

Ligação Química Parte 1 Ligação Química Parte 1 Poucos elementos são encontrados no estado atômico na natureza, os outros são encontrados como compostos, ligados a outros átomos. Os únicos elementos encontrados na forma atômica

Leia mais

PPGQTA. Prof. MGM D Oca

PPGQTA. Prof. MGM D Oca PPGQTA Prof. Introdução: A química orgânica possui um enorme abrangência estando presente em diversas áreas como a biologia, medicina, farmacologia, polímeros, agricultura, petróleo, engenharia, fontes

Leia mais

17/3/2014. Carga nuclear efetiva. Z eff = Z - S

17/3/2014. Carga nuclear efetiva. Z eff = Z - S O desenvolvimento da tabela periódica Em 2002, haviam 115 elementos conhecidos. A maior parte dos elementos foi descoberta entre 1735 e 1843. Como organizar 115 elementos diferentes de forma que possamos

Leia mais

FORÇAS INTERMOLECULARES

FORÇAS INTERMOLECULARES FORÇAS INTERMOLECULARES São as forças que mantêm os sólidos e líquidos unidos. A ligação covalente que mantém uma molécula unida é uma força intramolecular. A atração entre moléculas é uma força intermolecular.

Leia mais

E-books PCNA. Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 2 LIGAÇÕES QUÍMICAS

E-books PCNA. Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 2 LIGAÇÕES QUÍMICAS E-books PCNA Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 2 LIGAÇÕES QUÍMICAS 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 2 SUMÁRIO Apresentação -------------------------------------------- 2 Capítulo 2 -------------------------------------------------

Leia mais

Aumento do número de níveis eletrónicos, n, nas orbitais de valência

Aumento do número de níveis eletrónicos, n, nas orbitais de valência Causas da variação das propriedades periódicas dos elementos Aumento do número de níveis eletrónicos, n, nas orbitais de valência Eletrões de valência menos energéticos mais próximos do núcleo n aumenta

Leia mais

Ligação Química. São as forças de atracção que ligam os átomos de modo a formar substâncias mais complexas. Podem-se classificar em 3 grandes grupos:

Ligação Química. São as forças de atracção que ligam os átomos de modo a formar substâncias mais complexas. Podem-se classificar em 3 grandes grupos: Ligação Química 1 Ligação Química São as forças de atracção que ligam os átomos de modo a formar substâncias mais complexas. Podem-se classificar em 3 grandes grupos: Ligação iónica: refere-se às forças

Leia mais

Substâncias Indesejáveis das Gasolinas: S, C 6 H 6 e outros aromáticos

Substâncias Indesejáveis das Gasolinas: S, C 6 H 6 e outros aromáticos Substâncias Indesejáveis das Gasolinas: S, C 6 H 6 e outros aromáticos Estrutura do Benzeno: um Híbrido de Ressonância Molécula plana, todas ligações são iguais e todos os ângulos de ligação são de 120º

Leia mais

Ligações Químicas. No hidrônio, quantos pares de elétrons pertencem, no total, tanto ao hidrogênio quanto ao oxigênio? a) 1 b) 2 c) 3 d) 4 e) 6

Ligações Químicas. No hidrônio, quantos pares de elétrons pertencem, no total, tanto ao hidrogênio quanto ao oxigênio? a) 1 b) 2 c) 3 d) 4 e) 6 Aluno(a): Prof.: Éderson Ligações Químicas Questão 1) Abaixo temos as fórmulas de Lewis para átomos de cinco elementos químicos. Fórmulas eletrônicas de Lewis para alguns elementos Podemos afirmar que

Leia mais

Qui. Semana. Allan Rodrigues Xandão (Gabriel Pereira)

Qui. Semana. Allan Rodrigues Xandão (Gabriel Pereira) Semana 5 Allan Rodrigues Xandão (Gabriel Pereira) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. CRONOGRAMA

Leia mais

Configurações eletrônicas e a tabela periódica. Os grupos 1 e 2 têm elétrons nos orbitais s. Os grupos 13 ao 18 têm elétrons nos orbitais p

Configurações eletrônicas e a tabela periódica. Os grupos 1 e 2 têm elétrons nos orbitais s. Os grupos 13 ao 18 têm elétrons nos orbitais p TABELA PERIÓDICA 32 18 Configurações eletrônicas e a tabela periódica A tabela periódica pode ser utilizada como um guia para as configurações eletrônicas. O número do período é o valor de n. Os grupos

Leia mais

Introdução à Nanotecnologia

Introdução à Nanotecnologia Introdução à Nanotecnologia Ele 1060 Aula 4 2010-01 Fundamentos Aula Anterior Classificação dos Materiais; Átomos; Elétrons nos Átomos. Ligação Atômica no Sólidos Para compreender as propriedades físicas

Leia mais

Ligações Químicas Por que os átomos formam ligações químicas? Distância de equilíbrio Comprimento da ligação H-H r o = 74 pm distância internuclear Uma ligação química entre dois átomos é formada se

Leia mais

Por muito tempo acreditou-se que a estabilidade dos gases nobres se dava pelo fato de, à exceção do He, todos terem 8 elétrons na sua última camada.

Por muito tempo acreditou-se que a estabilidade dos gases nobres se dava pelo fato de, à exceção do He, todos terem 8 elétrons na sua última camada. Ligação química Atualmente, conhecemos cerca de 115 elementos químicos. Mas ao olharmos ao nosso redor vemos uma grande variedade de compostos (diferindo em sua cor e forma), muitas vezes formados pelo

Leia mais

Sumário. Atmosfera da Terra. Interação Radiação-Matéria 27/02/2013

Sumário. Atmosfera da Terra. Interação Radiação-Matéria 27/02/2013 Sumário Na : Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2 : A atmosfera e a radiação solar. As reações fotoquímicas e a formação de radicais livres. Formação de iões na termosfera e na mesosfera. Os

Leia mais

Estrutura atômica e ligação interatômica. Profa. Daniela Becker

Estrutura atômica e ligação interatômica. Profa. Daniela Becker Estrutura atômica e ligação interatômica Profa. Daniela Becker Referências Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 2, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos

Leia mais

LIGAÇÃO QUÍMICA. O que causa a formação de uma ligação Química? ZeZe

LIGAÇÃO QUÍMICA. O que causa a formação de uma ligação Química? ZeZe LIGAÇÃ QUÍMICA que causa a formação de uma ligação Química? Surgem, então, os termos de energia potencial que descrevem a interação entre as partículas. Energia Potencial Repulsiva (entre partículas de

Leia mais

Estrutura Atômica. Prof. Dr. Carlos Roberto Grandini. Bauru 2006

Estrutura Atômica. Prof. Dr. Carlos Roberto Grandini. Bauru 2006 Estrutura Atômica Prof. Dr. Carlos Roberto Grandini Bauru 2006 O que é nanotecnologia? Nanotecnologia pode ser considerada como um conjunto de atividades ao nível de átomos e moléculas que tem aplicação

Leia mais

Exercícios Sobre Geometria Molecular

Exercícios Sobre Geometria Molecular Professora onia Exercícios obre Geometria Molecular Resumo do Método VEPR ou TRPEV enunciado a seguir se refere aos exercícios de 01 a 20. Qual o tipo de geometria molecular predominante nas seguintes

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina Aula 7 Ligação Iônica Prof. Isac G. Rosset Prof. Isac G. Rosset - UFPR - Palotina - Ciências Exatas 13 1 Ligações fortes: Ligações fracas:

Leia mais

Química Orgânica I. Estruturas de Lewis, Carga Formal e Estruturas de Ressonância. Aula 2

Química Orgânica I. Estruturas de Lewis, Carga Formal e Estruturas de Ressonância. Aula 2 Química Orgânica I Estruturas de Lewis, Carga Formal e Estruturas de Ressonância Aula 2 Profa. Alceni Augusta Werle ProfaTânia Márcia Sacramento Melo 1 Estrutura de Lewis Um símbolo de Lewis é um símbolo

Leia mais

Ligações Químicas Folha 01 Prof.: João Roberto Mazzei

Ligações Químicas Folha 01 Prof.: João Roberto Mazzei www.professormazzei.com Ligações Químicas Folha 01 Prof.: João Roberto Mazzei 01. (UFRJ 2009) a) O elemento X, que aparece no balão II, está localizado no 2º período, grupo 14. Um de seus isótopos apresenta

Leia mais