ANEXO I (À Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais 2012) DESCONTOS A APLICAR AOS VALORES DA TABELA DE PREÇOS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO I (À Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais 2012) DESCONTOS A APLICAR AOS VALORES DA TABELA DE PREÇOS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS"

Transcrição

1 ANEXO I (À Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais 2012) DESCONTOS A APLICAR AOS VALORES DA TABELA DE PREÇOS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS Aos preços da Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais para 2012 aplicam-se os seguintes descontos, por áreas de actividade / entidade / situação: 1. CEDÊNCIA / ALUGUER DE ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS MUNICIPAIS 1.1. Equipamentos Culturais Sobre o preço da cedência (de equipamento cultural ou biblioteca municipal), para cada um dos períodos admitidos: Para Associações culturais de interesse público e sem fins lucrativos, organismos do Estado e Entidades que beneficiem de apoios da CML 50% de Empresas municipais instituídas pelo Município, relativamente aos actos e factos decorrentes da prossecução dos seus fins, directamente relacionados com as actividades objecto de contrato-programa ou contrato de gestão com o Município 95% de 1.2. Outros Equipamentos Municipais Sobre o preço da cedência (do CIUL - Centro de Informação Urbana de Lisboa), para cada um dos períodos admitidos: Estados Estrangeiros, Organismos do Estado e Autarquias locais no que tange à realização de actividades próprias, organizadas em exclusivo pelas próprias autarquias e disponibilizadas em exclusivo e de forma não onerosa para os respectivos participantes 100% Empresas municipais instituídas pelo Município, relativamente aos actos e factos decorrentes da prossecução dos seus fins, directamente relacionados com as actividades objecto de contrato-programa ou contrato de gestão com o Município 100% de Entidades de interesse público e sem fins lucrativos e Associações sem fins lucrativos - 100% Qualquer entidade, publica ou privada, que promova um evento de relevante interesse público de carácter urbanístico, arquitectónico, histórico ou cultural, salvaguardando que o reconhecimento do relevante interesse público é da responsabilidade do serviço que tutela o equipamento 100% de 1/10

2 Pessoas colectivas de utilidade pública, as instituições particulares de solidariedade social, as associações empresariais, comerciais, associações ou fundações culturais, sociais, religiosas, desportivas ou recreativas, legalmente constituídas, relativamente a actos e factos que se destinem à directa e imediata realização dos seus fins - 100% de desconto, desde que: A ocupação seja no seu exclusivo interesse ou a publicidade se refira exclusivamente à sua pessoa; A pessoa colectiva não distribua quaisquer resultados ou por outro meio proporcione vantagens económicas aos associados ou membros dos órgãos sociais; O exercício dos cargos sociais não seja remunerado; Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa e Câmara Lisboa Clube 100% de Estabelecimentos de ensino público 100% de Estabelecimentos de ensino particular e cooperativo 50% de Partidos políticos, coligações e associações sindicais e ainda os movimentos de cidadãos, desde que registados de acordo com a lei, para a realização de acções de relevante interesse para a cidade de Lisboa, salvaguardando que o reconhecimento do relevante interesse público é da responsabilidade do serviço que tutela o equipamento 100% de Observações: a) Os requerimentos para reconhecimento do desconto devem ser acompanhados dos documentos comprovativos de todos os factos dos quais depende esse reconhecimento. b) Previamente ao reconhecimento dos descontos, devem os Serviços, no respectivo processo, informar fundamentadamente o pedido e proceder à determinação do montante do preço, considerando o desconto aplicado. c) Na apreciação dos pedidos de utilização, a CML utilizará como critério preferencial a promoção de actividades no âmbito do Urbanismo, Planeamento e Gestão Urbanística, Arquitectura e Património Histórico, bem como outros assuntos relacionados com estes temas 1.3. Filmagens Sobre o preço a cobrar pelas filmagens em equipamentos e espaços municipais: 2/10

3 Para filmagens e gravações de relevante interesse cultural ou artístico 100% de desconto Celebração de Casamentos Civis Sobre o preço de cedência: Para celebração de casamentos civis no âmbito das Festas da Cidade Casamentos de Santo António 100% de desconto. 2. ALUGUER / GUARDA DE BENS 2.1. Aluguer de Material de Ornamentação - Sobre o preço que resultar da fórmula: Para pedidos de aluguer de material de ornamentação provenientes de outros Municípios, juntas de freguesia não pertencentes ao concelho de Lisboa, entidades públicas e pessoas colectivas de utilidade pública, partidos políticos, organizações sindicais 75% de Para pedidos de aluguer de material de ornamentação provenientes das Juntas de freguesia do concelho de Lisboa 90% de 3. VENDA DE BENS 3.1. Venda de Livros e Documentação Técnica e Venda de Publicações e Impressos Sobre o preço que resultar da fórmula: Para estudantes, professores e funcionários do Município, mediante apresentação de documento de identificação 20% de desconto No que respeita às publicações constantes do catálogo da Livraria Municipal quando vendidas para revenda 30 % de 3.2. As publicações constantes no catálogo da Livraria Municipal podem ser alvo de descontos excepcionais ou promocionais (em feiras e outros eventos especiais), que venham a ocorrer ao longo do ano. 3/10

4 4. CULTURA 4.1. Museus Sobre o preço do bilhete de acesso a Museus: Para adultos com idade igual ou superior a 65 anos de idade e desempregados, mediante apresentação de documento comprovativo 50% de desconto Para grupos constituídos por, pelo menos, um adulto e uma criança (bilhete família) 50% de Para portadores de Cartão-Jovem de acordo com o valor a fixar em protocolo a estabelecer com a Movijovem Para grupos de alunos e respectivos acompanhantes (professores ou auxiliares), em visitas de estudo previamente agendadas com o serviço dos Museus 100% de Para membros do ICOM (Comité Internacional de Museologia) ou da APOM (Associação Portuguesa de Museologia) 100% de Para portadores do "Lisboa Card" 100% de Aos domingos e feriados, entre as 9h e as 14h, no dia Internacional dos Museus (18 de Maio) e em dias comemorativos mediante despacho hierárquico e para exposições temporárias em Museus e Galerias 100% de Para entradas no Museu Antoniano, Museu do Teatro Romano e MUDE 100% de Desconto; 4.2. Serviços Técnicos especializados Reproduções, com excepção das de imagens dos acervos para fins publicitários ou editoriais e exposições sobre o preço das reproduções: Para estudantes e professores, mediante a apresentação de documento comprovativo 50% de Reproduções de imagens dos acervos para fins editoriais e exposições sobre o preço das reproduções: Quando mais de 25 imagens 25% de Destinadas a trabalhos sem fins comerciais 100% de Para organismos do Estado ou Administração Local, não se destinando a publicações comerciais 100% de Para exposições com fins culturais 100% de desconto. 4/10

5 5. DESPORTO 5.1. Inscrição e actos afins para utilização das instalações desportivas municipais: sobre o preço da inscrição e renovação: Para os utentes que se encontrem nas situações descritas nos pontos , , , , e deste anexo: 100% de 5.2. Piscinas e OID utilização em regime livre: sobre o preço normal de cada horário, 2ª a 6ª feira até às 17h e 2ª a 6ª feira após as 17h, fins-de-semana e feriados: Para crianças e jovens (dos 3 aos 18 anos) e titulares de Cartão-Jovem : 25% de Para pensionistas, reformados, aposentados e em situação de reserva: 50% de Para pessoas singulares que comprovem a parcial insuficiência económica demonstrada nos termos da lei sobre o apoio judiciário (Lei n.º 34/2004, de 29 de Julho, com a redacção atribuída pela Lei n.º 47/2007, de 28 de Agosto): 50% de Para trabalhadores da Câmara Municipal de Lisboa: 50% de Para pessoas com deficiência com grau de incapacidade superior a 70% e acompanhante nos casos de terem necessidades especiais: 100% de Para pessoas singulares que comprovem a total insuficiência económica demonstrada nos termos da lei sobre o apoio judiciário (Lei n.º 34/2004, de 29 de Julho, com a redacção atribuída pela Lei n.º 47/2007, de 28 de Agosto): 100% de desconto Piscinas e OID utilização em actividades desportivas (cedências): sobre o preço normal de cada horário, 2ª a 6ª feira até às 17h e 2ª a 6ª feira após as 17h, fins-desemana e feriados: Para estabelecimentos de ensino particular e cooperativo: 25% de Para estabelecimentos de ensino público: 50% de Para equipas federadas de clubes e colectividades sedeados em Lisboa, associações e federações, excepto nos escalões absolutos e profissional: 50% de Para pessoas colectivas de fins não lucrativos que, no seu exclusivo interesse e para a prossecução dos seus fins, comprovem a parcial insuficiência económica 5/10

6 demonstrada nos termos da lei sobre o apoio judiciário (Lei n.º 34/2004, de 29 de Julho, com a redacção atribuída pela Lei n.º 47/2007, de 28 de Agosto): 50% de Para Grupos informais constituídos integralmente por trabalhadores da Câmara Municipal de Lisboa: 50% de Para o Câmara Lisboa Clube e Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa: 50% de Para Clubes que tendo apresentado candidatura a cedência de instalações, no âmbito do Regulamento de Atribuição de Apoios de Município de Lisboa (RAAML), a proposta tenha sido aprovada pela CML, excepto nos escalões absolutos e profissional: 100% de Para instituições particulares de solidariedade social, excepto nos escalões absolutos e profissional: 100 % de Para instituições particulares de solidariedade social, excepto nos escalões absolutos e profissional, caso cobrem aos seus associados valores para além das verbas previstas no âmbito do CAO (Centro de Actividades Ocupacionais): 50% de Para instituições com actividade desportiva dirigida a pessoas com deficiência, mediante declaração de não cobrança aos respectivos beneficiários: 100% de Para pessoas colectivas de fins não lucrativos que, no seu exclusivo interesse e para a prossecução dos seus fins, comprovem a total insuficiência económica demonstrada nos termos da lei sobre o apoio judiciário (Lei n.º 34/2004, de 29 de Julho, com a redacção atribuída pela Lei n.º 47/2007, de 28 de Agosto): 100% de Para partidos políticos, coligações e associações sindicais, movimentos de cidadãos, desde que registados de acordo com a lei, quanto à cedência de equipamentos e materiais logísticos e de divulgação para as suas actividades próprias: 100% de Para autarquias locais no que tange à realização de actividades próprias, organizadas em exclusivo pelas próprias autarquias e disponibilizadas em exclusivo e de forma não onerosa para os respectivos participantes: 100% de Para empresas municipais instituídas pelo Município, relativamente a actos e factos decorrentes da prossecução dos seus fins, directamente relacionados 6/10

7 com as actividades objecto de contrato-programa ou contrato de gestão com o Município: 100% de desconto Piscinas e OID Aulas e Outras Actividades: sobre o preço normal, para as diferentes frequências/mensalidades: Para bebés, crianças e jovens (até aos 18 anos) e titulares do Cartão-Jovem : 25% de Para pensionistas, reformados, aposentados e em situação de reserva: 50% de Para trabalhadores da Câmara Municipal de Lisboa: 50% de Para pessoas singulares ou colectivas de fins não lucrativos que, no seu exclusivo interesse e para a prossecução dos seus fins, comprovem a parcial insuficiência económica demonstrada nos termos da lei sobre o apoio judiciário (Lei n.º 34/2004, de 29 de Julho, com a redacção atribuída pela Lei n.º 47/2007, de 28 de Agosto): 50% de Para pessoas com deficiência com grau de incapacidade superior a 70% e acompanhante nos casos de terem necessidades especiais: 100% de Para pessoas singulares ou colectivas de fins não lucrativos que, no seu exclusivo interesse e para a prossecução dos seus fins, comprovem a total insuficiência económica demonstrada nos termos da lei sobre o apoio judiciário (Lei n.º 34/2004, de 29 de Julho, com a redacção atribuída pela Lei n.º 47/2007, de 28 de Agosto): 100% de desconto. 6. ACTIVIDADES ECONÓMICAS 6.1. Mercados, Lojas e Lugares Sobre o preço do Estacionamento em Mercados - Particulares (período diurno ou nocturno) e Residentes (24 horas): Para residentes (período nocturno) e Comerciantes 50% de desconto Ocupações de Lojas municipais atribuídas após Janeiro de 2012 Sobre o preço de Ocupações de Lojas municipais atribuídas após Janeiro de 2012: Lojas Municipais com fins comerciais em Bairros BIP-ZIP 50% de desconto, durante 5 anos; Lojas Municipais para uso de IPSS, ONG s, colectividades, Associações de Moradores e equiparadas, com fins de desenvolvimento comunitário - 95% de 7/10

8 desconto e valor mínimo de 28,36 ou 15,00, aplicando-se este último em Bairros classificados como BIP-ZIP; Lojas Municipais destinados a estimular o empreendedorismo e a criação de emprego 50% de desconto durante 5 anos, com período de carência de 1 ano aplicando-se neste caso o desconto de 95%. O período de carência poderá ser prorrogado por mais 1 ano aplicando-se as mesmas condições. 7. AMBIENTE E ESPAÇOS VERDES 7.1. Estufa-fria Sobre o preço de entrada simples: Para grupos escolares (incluindo os professores e demais profissionais que os acompanham), e mediante agendamento prévio 100% de Para menores de 6 anos (exclusive) 100% de Para portadores do cartão Lisboa Card 100% de Para pessoas com deficiência com grau de incapacidade superior a 70% e acompanhante, nos casos de terem necessidades especiais: 100% de Aos domingos e feriados, entre as 9h e as 14h 100% de Para pensionistas, reformados e aposentados, mediante a apresentação de documento comprovativo 50% de Para estudantes, mediante a apresentação de documento comprovativo 50% de Para crianças e jovens (dos 6 aos 18 anos) e titulares de Cartão-Jovem : 25% de desconto. 8. PUBLICIDADE 8.1. Publicidade em publicações Municipais incluindo a Agenda Cultural Sobre o preço de cada item: Para agentes culturais, entendendo-se como tal as pessoas singulares e colectivas cuja actividade principal seja no domínio cultural: 40% de Por cada três anúncios de idêntico preço: 100% de desconto em anúncio de preço igual; 8/10

9 Por cada seis anúncios de idêntico preço: 100% de desconto em dois anúncios de preço igual. 9. SERVIÇOS MÉDICO-VETERINÁRIOS 9.1. Identificação electrónica (DGV Tabelado) Sobre o preço de cada: Canídeos adoptados no Canil / Gatil Municipal 100% de Canídeos vacinados ao abrigo de campanhas de vacinação anti-rábica nos postos de vacinação da CML 100% de Eventos promovidos por associações zoófilas que visem promover a adopção de animais em parceria com a CML 100% de desconto Recolha de animais a pedido Sobre o preço de cada: Recolha de animais a pedido da GEBALIS, de instituições que prestem serviços à comunidade ou outros serviços da CML, em situações de realojamento, doença, acidente, etc 100% de desconto Penso a animais Sobre o preço de cada, por dia: Acolhimento de animais a pedido da GEBALIS, de instituições que prestem serviços à comunidade ou outros serviços da CML, em situações de realojamento, doença, acidente, etc 100% de Em caso de adopção de animais, o penso a animais tem um desconto de 100%. 10. OUTRAS PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS Aluguer de transporte de carga, constante dos nºs , e da TPORM, por parte de Associações, Congregações Religiosas e Instituições Públicas de Solidariedade Social (IPSS), na área geográfica do concelho de Lisboa 100% de 11. RENDIMENTOS DE PROPRIEDADE Cedências Precárias (Ocupações de terrenos do domínio privado municipal) Sobre o preço da cedência: Ocupação de terrenos por entidades sem fins lucrativos 95% de 9/10

10 Ocupação de terrenos por entidades sem fins lucrativos, destinados a recintos desportivos 99% de Ocupação de terrenos para fins rurais, de Hortas Sociais em Parques Hortícolas Municipais 80% de Ocupação de terrenos para fins rurais, de Hortas de Recreio em Parques Hortícolas Municipais 20% de Ocupações de Espaços Não Habitacionais em edifícios no património municipal de domínio privado, designadamente armazéns, garagens, arrecadações, lugares de estacionamento Sobre o preço da cedência: Espaços Não Habitacionais com fins comerciais em Bairros BIP-ZIP 50% de desconto, durante 5 anos; Espaços Não Habitacionais para uso de IPSS, ONG s, colectividades, Associações de Moradores e equiparadas, com fins de desenvolvimento comunitário - 95% de desconto e valor mínimo de 28,36 ou 15,00, aplicando-se este último em Bairros classificados como BIP-ZIP; Espaços Não Habitacionais destinados a estimular o empreendedorismo e a criação de emprego 50% de desconto durante 5 anos, com período de carência de 1 ano aplicando-se neste caso o desconto de 95%. O período de carência poderá ser prorrogado por mais 1 ano aplicando-se as mesmas condições. 10/10

REGULAMENTO DO CARTÃO JOVEM ConVida DO MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO. Nota Justificativa

REGULAMENTO DO CARTÃO JOVEM ConVida DO MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO. Nota Justificativa REGULAMENTO DO CARTÃO JOVEM ConVida DO MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO Nota Justificativa O cartão Jovem ConVida do Município de Santo Tirso é uma iniciativa desta autarquia, que visa proporcionar aos jovens

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X Benefícios fiscais relativos ao mecenato Artigo 61.º Noção de donativo Para efeitos fiscais, os donativos constituem entregas em dinheiro ou em espécie, concedidos,

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação

Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação FEIRA DO EMPREENDEDOR 22-11-2012 Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Apoios à Contratação Programa Estágios Port.92 Medida Estímulo 2012

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA TABELA DE PREÇOS DO MUNICÍPIO DE MEALHADA

CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA TABELA DE PREÇOS DO MUNICÍPIO DE MEALHADA CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA TABELA DE PREÇOS DO MUNICÍPIO DE MEALHADA Dezembro de 2009 Índice I PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS... 4 II ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO E RESÍDUOS SÓLIDOS... 4 1. Preço

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Apoios pelo Município de Lisboa - RAAML

Regulamento de Atribuição de Apoios pelo Município de Lisboa - RAAML Apoios pelo Município de Lisboa - RAAML Sessão de Capacitação Apoios Financeiros para a área social João Boavida - Maio 2013 Entrou em vigor em Fevereiro de 2009 com os seguintes objetivos: Sistematização

Leia mais

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL Sexo FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL 1/9 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA (nº SM ) Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra 1. Identificação (nome completo), Nascido em (data:) / /, estado civil: género:

Leia mais

Regulamento do Cartão Jovem Municipal

Regulamento do Cartão Jovem Municipal Regulamento do Cartão Jovem Municipal O Cartão Jovem Municipal é um documento emitido pela Câmara Municipal de S. João da Madeira, capaz de conceder benefícios na utilização de bens e serviços públicos

Leia mais

Junta de Freguesia de Valongo do Vouga -----010119-----

Junta de Freguesia de Valongo do Vouga -----010119----- REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇAS DE TAXAS E LICENÇAS E RESPECTIVA TABELA DA JUNTA DE FREGUESIA DE VALONGO DO VOUGA CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Aprovação 1 - É aprovado o Regulamento de

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE MEDIDAS DE APOIO SOCIAL A FAMÍLIAS CARENCIADAS DO CONCELHO DE VALENÇA Preâmbulo A atual situação económica tem provocado o aumento das situações de desemprego e como tal um elevado

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de Atribuição Artigo 4.º - Organização Processual Artigo 5.º - Benefícios do Cartão

Leia mais

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA. Câmara Municipal de Lisboa

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA. Câmara Municipal de Lisboa FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA Câmara Municipal de Lisboa FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA O que é o Fundo de Emergência Social de Lisboa (FES)? É um programa municipal criado em 2012 e que se

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR O direito a uma justa e efectiva igualdade de oportunidades no acesso e sucesso

Leia mais

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL Medida 3.1 - Diversificação da economia e criação de emprego Objectivos : - Promover

Leia mais

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS lano de Activida e es Orçamento PPI 2012 À INTRODUCÃO Para cumprimento do disposto na alínea a) do n 2 do artigo 34 da lei n 169/99 de 18 de Setembro, na redacção que lhe

Leia mais

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA 10 de Fevereiro de 2010 Elsa Correia Gavinho 1 Novo enquadramento jurídico das EAT 2 1 - As razões para a mudança 2 - As principais alterações

Leia mais

MECENATO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X BENEFÍCIOS RELATIVOS AO MECENATO. Artigo 56.º-C Noção de donativo

MECENATO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X BENEFÍCIOS RELATIVOS AO MECENATO. Artigo 56.º-C Noção de donativo MECENATO (O artigo 87.º, n.º 3, alínea f), da Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro (Lei do Orçamento do Estado para 2007), revogou o Estatuto do Mecenato aprovado pelo Decreto-Lei n.º 74/99, de 16 de Março.

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO CARTÃO MUNICIPAL DO DEFICIENTE

PROJECTO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO CARTÃO MUNICIPAL DO DEFICIENTE PROJECTO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO CARTÃO MUNICIPAL DO DEFICIENTE NOTA JUSTIFICATIVA Art.º 1.º DEFINIÇÃO No âmbito das actividades de interesse municipal, compete às câmaras municipais prestar apoio

Leia mais

Fiscalidade do Terceiro Setor. Donativos. Leonardo Marques dos Santos

Fiscalidade do Terceiro Setor. Donativos. Leonardo Marques dos Santos Fiscalidade do Terceiro Setor Donativos Leonardo Marques dos Santos Estado 3.º Setor Mercado Sociedade Civil Entidade Sociedade Enquadramento fiscal da entidade Enquadramento fiscal de quem se relaciona

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais

MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS. Medidas de Emprego. Sabugal, 9 de Abril de 2013 13-04-2013. Contrato Emprego Inserção + (CEI+);

MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS. Medidas de Emprego. Sabugal, 9 de Abril de 2013 13-04-2013. Contrato Emprego Inserção + (CEI+); MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS Sabugal, 9 de Abril de 2013 Medidas de Emprego Contrato Emprego Inserção (CEI); Contrato Emprego Inserção + (CEI+); CEI Património; Medida Estímulo 2013; Estágios

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS Documentos de Prestação de Contas 2010 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Fluxos de Caixa Documentos de Prestação de Contas 2010 DOC

Leia mais

ESPAÇO SOLIDÁRIO. Normas de Funcionamento. Preâmbulo. A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de

ESPAÇO SOLIDÁRIO. Normas de Funcionamento. Preâmbulo. A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de ESPAÇO SOLIDÁRIO Normas de Funcionamento Preâmbulo A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de protecção social, tem vindo a implementar um conjunto de medidas de apoio às

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

Normas de Admissão (Regulamento de Jóias e Quotas)

Normas de Admissão (Regulamento de Jóias e Quotas) Normas de Admissão (Regulamento de Jóias e Quotas) Capítulo I // Disposições Gerais As presentes normas têm como finalidade estabelecer as regras a que devem obedecer a admissão de novos associados da

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias;

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias; Considerando que: Se torna necessário aprovar um novo Regulamento das Taxas a aplicar pela Junta de Freguesia pela prestação de serviços administrativos, em ordem à sua harmonização com a recente produção

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO CONCELHO Aprovado na 3.ª Reunião Ordinária

Leia mais

Estímulo Emprego. Promotores

Estímulo Emprego. Promotores Estímulo Emprego Apoio financeiro aos empregadores que celebrem contratos de trabalho a termo certo por prazo igual ou superior a 6 meses ou contratos de trabalho sem termo, a tempo completo ou a tempo

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais

FLUXOS DE CAIXA CONSOLIDADOS

FLUXOS DE CAIXA CONSOLIDADOS CÂMARA MUNICIPAL DO / SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE TRANSPORTES COLECTIVOS DO RECEBIMENTOS Saldo da gerência anterior 2.363.424,49 Execução Orçamental 1.404.990,71 Operações de Tesouraria 958.433,78 Total

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento A Lei de Bases do Sistema Educativo assume que o sistema educativo se deve organizar de forma a descentralizar, desconcentrar

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

ESPAÇOS COMERCIAIS NO MERCADO DO BAIRRO DO CONDADO

ESPAÇOS COMERCIAIS NO MERCADO DO BAIRRO DO CONDADO JUNTA DE FREGUESIA DE MARVILA CONCURSO PÚBLICO N / 2 ESPAÇOS COMERCIAIS NO MERCADO DO BAIRRO DO CONDADO Avisam-se todos os interessados que entre os dias de março e de abril de 2 se encontra aberto Concurso

Leia mais

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito Regulamento Interno Fundamentação As preocupações sociais da Associação Vidas Cruzadas estão bem patentes nos objectivos de intervenção desta Instituição. Face ao actual contexto sócio económico cujas

Leia mais

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º ESTATUTOS CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º 1 É constituída a partir desta data e por tempo indeterminado uma associação de solidariedade social que adopta a denominação Associação de Idosos de Santa

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

PROPOSTA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

PROPOSTA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Aprovado em reunião de Junta de Freguesia de 10/12/2009 Aprovado em reunião Assembleia de Freguesia de / / O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA, PROPOSTA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Em conformidade com o

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 1.348.952,41 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 1.034.500,26 Operações de Tesouraria 314.452,15 16.035.427,63 Receitas Correntes 11.478.511,35 01

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 7.946.571,02 Execução Orçamental 5.519.930,76 Operações de Tesouraria 2.426.640,26 das Receitas Orçamentais 58.322.634,95 Receitas Correntes 55.610.658,97 01 Impostos

Leia mais

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA AGREGADOS FAMILIARES CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO (Deliberação 27/AML/2012, publicada no 1º Sup. ao BM nº 951, de 10 de Maio

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 30/10 (DELIBERAÇÕES) - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna público que no dia 26 de Novembro de 2010,

Leia mais

A LEI DO MECENATO. Foi nesse enquadramento que se procedeu à elaboração do Estatuto do Mecenato.

A LEI DO MECENATO. Foi nesse enquadramento que se procedeu à elaboração do Estatuto do Mecenato. A LEI DO MECENATO Decreto-Lei N.º 74/99, de 16 de Março publicado em DR n.º 63 - I série A com as introduções dadas pela Lei 160/99 de 14 de Setembro, Lei 176-A/99 de 30 de Dezembro, Lei 3-B/00 de 4 de

Leia mais

CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO, RECREATIVO, CULTURAL E SOCIAL

CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO, RECREATIVO, CULTURAL E SOCIAL CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO, CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO, RECREATIVO, CULTURAL E SOCIAL INTRODUÇÃO O Movimento Associativo

Leia mais

Programação de equipamentos colectivos

Programação de equipamentos colectivos Programação de equipamentos colectivos Definição e tipologia Conceitos associados à programação de equipamentos Critérios de programação, dimensionamento e localização; exemplos Instituto Superior Técnico/Departamento

Leia mais

Última alteração 03-12-2009

Última alteração 03-12-2009 01 Impostos directos * 01 02 Outros 01 02 02 Imposto municipal sobre imóveis * 01 02 03 Imposto único de circulação 01 02 04 Imposto municipal sobre as transacções onerosas de imóveis 01 02 05 Derrama

Leia mais

REGULAMENTO DO MUSEU DO CARRO ELÉCTRICO REGRAS DE UTILIZAÇÃO DOS BENS DO MUSEU DO CARRO ELÉCTRICO

REGULAMENTO DO MUSEU DO CARRO ELÉCTRICO REGRAS DE UTILIZAÇÃO DOS BENS DO MUSEU DO CARRO ELÉCTRICO REGULAMENTO DO MUSEU DO CARRO ELÉCTRICO REGRAS DE UTILIZAÇÃO DOS BENS DO MUSEU DO CARRO ELÉCTRICO Mário Castro Marques 26.11.2002 Regulamento de Utilização do Museu do Carro Eléctrico Título I Da Propriedade

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS Nota Justificativa Considerando a necessidade de alterar o Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças em vigor na freguesia de Gâmbia-Pontes-Alto da Guerra,

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL A realidade do concelho de Resende e as carências reais das suas populações mais desfavorecidas impõem que a Câmara Municipal, seu órgão representativo democraticamente eleito,

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Associativismo constitui um esteio importante e singular de intervenção da sociedade civil na realização e prática de atividades de índole cultural,

Leia mais

Artigo 1.º (Âmbito) Artigo 2.º (Empresas e Pró-Empresas) Artigo 3.º (Serviços Base) Artigo 4.º (Serviços Extra)

Artigo 1.º (Âmbito) Artigo 2.º (Empresas e Pró-Empresas) Artigo 3.º (Serviços Base) Artigo 4.º (Serviços Extra) REGULAMENTO O conceito de CENTRO DE EMPRESAS consiste na disponibilização de espaços destinados a empresas e pró-empresas, visando a promoção, desenvolvimento e consolidação das mesmas, com a finalidade

Leia mais

DONATIVOS RECEBIDOS IRS - IRC. DECLARAÇÃO (Art. 66.º, n.º 1, al. c) do EBF e Art. 11.º-A, n.º 1, al. c) do Estatuto do Mecenato Científico) MODELO 25

DONATIVOS RECEBIDOS IRS - IRC. DECLARAÇÃO (Art. 66.º, n.º 1, al. c) do EBF e Art. 11.º-A, n.º 1, al. c) do Estatuto do Mecenato Científico) MODELO 25 MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2009 DECLARAÇÃO (Art. 66.º, n.º 1, al. c) do EBF e Art. 11.º-A, n.º 1, al. c) do Estatuto do Mecenato Científico) NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO 1 2 FISCAL DO DECLARANTE

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) -

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - PREÂMBULO A definição e implementação de uma política local promotora da dinamização da atividade

Leia mais

Regulamento Financeiro

Regulamento Financeiro Regulamento Financeiro 09/12/2011 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Cursos de graduação... 3 1.1 Matrícula... 3 1.2 Propina... 3 1.3 Reduções... 4 1.4 Seguro escolar... 5 1.5 Penalizações... 5 2 Programas

Leia mais

CAPÍTULO VIII APROVEITAMENTO DE BENS DESTINADOS A UTILIZAÇÃO DO PÚBLICO

CAPÍTULO VIII APROVEITAMENTO DE BENS DESTINADOS A UTILIZAÇÃO DO PÚBLICO TABELA DE TAXAS E LICENÇAS CAPÍTULO VIII APROVEITAMENTO DE BENS DESTINADOS A UTILIZAÇÃO DO PÚBLICO Utilização das instalações do complexo municipal de piscinas de Santa Marta de Penaguião (Art. 5º do Regulamento

Leia mais

Regulamento. Loja Social de Ourique

Regulamento. Loja Social de Ourique Regulamento Loja Social de Ourique Regulamento Loja Social de Ourique Nota Justificativa O presente Regulamento define as normas de funcionamento da Loja Social e faz parte integrante do projecto Espaço

Leia mais

Município de Gouveia. Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia

Município de Gouveia. Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia (Regulamento) Preâmbulo A promoção do desenvolvimento económico no Concelho de Gouveia está intimamente ligada à implementação de medidas de

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2013 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2013 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 213.697,03 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 67.235,92 OPERAÇÕES DE TESOURARIA...

Leia mais

Página 765 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

Página 765 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS Despacho Normativo n.º 22/2008: Estabelece as regras da cooperação, no âmbito da toxicodependência, luta contra o HIV-Sida, comportamentos de risco e igualdade

Leia mais

Acção 3.2.2 Serviços Básicos para a População Rural

Acção 3.2.2 Serviços Básicos para a População Rural 1. OBJECTIVOS DAS INTERVENÇÕES Os apoios previstos no âmbito do presente regulamento visam aumentar a acessibilidade a serviços básicos, que constituem um elemento essencial na equiparação dos níveis de

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

Acordo de Voluntariado (minuta)

Acordo de Voluntariado (minuta) Acordo de Voluntariado (minuta) Considerando que: a) O IMC é o organismo do Ministério da Cultura responsável pela definição de uma política museológica nacional e pela concretização de um conjunto de

Leia mais

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 I APRESENTAÇÃO A educação pré-escolar contribui de forma significativa para o desenvolvimento

Leia mais

Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado.

Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado. 1 Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado. Artigo 25.º, n.ºs 3 e 4 da Lei n.º 50/2012, de 31 de agosto O valor da remuneração do(s)

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno Regulamento Interno Capítulo I Dos fins e serviços do Serviço de Apoio Domiciliário Artigo 1º Fins O Serviço de Apoio Domiciliário (adiante designado por SAD), constitui uma das valências do Centro de

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO A ANIMAIS PERTENCENTES A FAMÍLIAS CARENCIADAS

PROGRAMA DE APOIO A ANIMAIS PERTENCENTES A FAMÍLIAS CARENCIADAS 1/5 PROGRAMA DE APOIO A ANIMAIS PERTENCENTES A FAMÍLIAS CARENCIADAS FORMULÁRIO DE CANDIDATURA (nº SM) Exmo Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra 1. Identificação (nome completo), Masculino Feminino

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014 MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO 23 de outubro de 2014 APOIOS À CONTRATAÇÃO ESTÍMULO EMPREGO Caracterização Apoio financeiro às entidades empregadoras que celebrem contratos de trabalho com desempregados inscritos

Leia mais

Municipio de Santa Marta de Penaguião

Municipio de Santa Marta de Penaguião Municipio de Santa Marta de Penaguião ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS DO MUNICIPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO (publicada no Diário da República II Série nº 203 de 19 de Outubro de 2010) ----

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Gabinete de Ação Social e Saúde Pública EU MUDO O MUNDO. SOU VOLUNTÁRIO! Banco Local de Voluntariado de Barcelos

Gabinete de Ação Social e Saúde Pública EU MUDO O MUNDO. SOU VOLUNTÁRIO! Banco Local de Voluntariado de Barcelos EU MUDO O MUNDO. SOU VOLUNTÁRIO! ENQUADRAMENTO Nos termos da alínea b) do n.º 4 do art.º 64º da Lei das Autarquias Locais, aprovado pela Lei 169/99, em 18 de Setembro e alterado pela Lei n.º 5-A/2002,

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO MUNICIPAL RESPEITANTE AO FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS EM RECINTOS ITINERANTES OU IMPROVISADOS E À REALIZAÇÃO ACIDENTAL DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA ARTÍSTICA

Leia mais

Fundo de Apoio a Famílias

Fundo de Apoio a Famílias gari Fundo de Apoio a Famílias Formulário de Candidatura Identificação do Requerente: Freguesia: N.º de Processo: Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Aveiro Informação de Caráter Confidencial Sexo

Leia mais

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS UNIÃO DE FREGUESIAS RAMADA E CANEÇAS

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS UNIÃO DE FREGUESIAS RAMADA E CANEÇAS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE RAMADA E CANEÇAS PARA 2015 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE RAMADA E CANEÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de

Leia mais

Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento

Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento PREÂMBULO Perante a crescente dificuldade das famílias Portuguesas no acesso ao mercado da habitação, determinada pela actual conjuntura económico-financeira,

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC REFORMA FISCAL: IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC MARÇO 2012 Integrado na reforma fiscal que está em curso, a Imprensa Nacional disponibilizou recentemente o

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV) competências

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES (aprovado por deliberação de Câmara de 16 de junho de 2011 em conformidade com as orientações do Conselho Nacional para

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Inclusão Social e Emprego Eixo 5 - Emprego e Valorização Económica dos Recursos Endógenos Objectivo Temático 8 - Promoção da sustentabilidade e qualidade

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA O Pavilhão Gimnodesportivo Municipal, constituído pelo recinto de jogos principal, ginásio e sala de musculação, é propriedade da

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO NORMAS DE FUNCIONAMENTO Preâmbulo O Voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de uma forma livre, responsável

Leia mais