A. Informação básica. Estónia (2) Estónia. País : Título da iniciativa :

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A. Informação básica. Estónia (2) Estónia. País : Título da iniciativa :"

Transcrição

1 Estónia (2) Com Inteligência na Web A. Informação básica País : Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original e em inglês, se possível) Estónia [EE] Targalt Internetis [PT] Com inteligência na web Tiigrihüppe Sihtasutus (Fundação Tiger Leap - TLF); Associação para o Bem-Estar da Criança da Estónia; InSafe, European Schoolnet - EUN) [PT] Competência digital [PT] Digitaalsed kompetentsid [PT] Aprender a aprender [PT] Õppima õppimine [PT] Competências sociais e cívicas [PT] Sotsiaalsed ja ühiskondlikud kompetentsid [PT] Pensamento crítico [PT] Kriitiline mõtlemine [PT] Resolução de problemas [PT] Probleemi lahendusoskus [PT] Avaliação de riscos [PT] Riskianalüüs [PT] Tomada de decisões [PT] Otsuste langetamine [PT] Gestão construtiva das emoções [PT] Konstruktiivne tunnete juhtimine Tipo de iniciativa e canais de implementação usados (designadamente, reforma curricular introduzida por lei, etc.) Teve início como uma iniciativa da Comissão Europeia; integrada no currículo. Formação para crianças, professores e encarregados de educação; campanhas na comunicação social; eventos (seminários, etc.)

2 Parceiros : Âmbito : (alunos/professores/escola; nível local/regional/nacional) Contexto de aprendizagem : (formal ou não formal) Nível(is) de ensino : (ensino primário, ensino secundário inferior ou superior) Grupos-alvo : Calendário : (data de início e fim) Associação para o Bem-Estar da Criança da Estónia; MTÜ Lasteabi (Helpline); Direção-Geral da Polícia e Administração da Guarda de Fronteiras; Direção Consultiva (23 empresas de TIC diferentes); Painel da Juventude Alunos, professores, escolas e encarregados de educação Local, regional e nacional Formal e não formal Primário e secundário inferior Crianças dos 6 aos 16 anos, professores, encarregados de educação Início: setembro de 2009 O 1º projeto terminou em maio de 2012 Período do 2º projeto: agosto de 2012 setembro de 2014 Ligações relevantes :

3 B. Informações detalhadas Fundamentação/contexto/motivação para lançar a iniciativa/reforma : A iniciativa foi lançada pela Comissão Europeia, mas a necessidade de ensinar as crianças a utilizar a Internet em segurança faz igualmente parte do currículo. As crianças estónias ocupam a terceira posição a nível europeu, em termos de frequência de utilização da Internet, e a forma como a Internet é usada é também mais diversa do que a média, o que significa que as crianças na Estónia têm mais probabilidades de se deparar com várias ameaças em linha. Por essa razão, é importante assegurar que as crianças e os jovens estejam conscientes de como usar a Internet de modo seguro e que saibam onde podem procurar ajuda e conselho, se deles necessitarem. O principal objetivo do projeto é desenvolver materiais de sensibilização, organizar campanhas e sessões de esclarecimento para crianças e jovens, encarregados de educação, educadores, assistentes sociais e professores, a fim de permitir que as crianças e os jovens usem as tecnologias web de forma responsável. Objetivos : Promover um uso mais responsável da Internet pelas crianças, professores e encarregados de educação; Sensibilizar os encarregados de educação e as crianças para conteúdos e experiências em linha positivos. Dimensões visadas pela iniciativa/reforma (designadamente, currículo, avaliação dos alunos, formação dos professores em serviço, autonomia escolar, etc.) : Currículo escolar o uso inteligente e seguro da Internet já faz parte do currículo, mas o nosso objetivo é promovê-lo e sensibilizar para a sua importância. Atualmente, estamos a empreender esforços para tornar a Segurança na Internet uma componente obrigatória da formação de formadores. Abordagem geral (designadamente, holística - existência de uma estratégia abrangente ou de uma abordagem direcionada, centrada numa dimensão específica, etc.) : Este programa segue uma abordagem holística, centrada na educação e desenvolvimento de professores e encarregados de educação, através da qual as crianças venham a receber melhor apoio e conselhos relativamente ao uso seguro da Internet. 3

4 Explicação detalhada da(s) competência(s) essencial(is) em questão : Competência digital (estreitamente associada ao pensamento crítico; avaliação de riscos; tomada de decisões; resolução de problemas) As crianças, professores e encarregados de educação tornar-se-ão mais conscientes do uso seguro da Internet e dos riscos. Aprenderão a detetar sítios web problemáticos (e comunicá-los à linha direta Segurança na Internet), terão conhecimento da disponibilidade de ajuda e onde encontrá-la e aprenderão ainda a proteger o seu computador e dados pessoais quando usam a Internet. O objetivo principal é que todos os participantes pensem antes de usar a Internet. As crianças devem compreender que a Internet é um espaço aberto e que é praticamente impossível eliminar informação a partir do momento em que ela é introduzida. As crianças, professores e encarregados de educação aprendem igualmente que podem criar uma identidade digital própria e usá-la/protegê-la nos meios sociais (particularmente, no Facebook). A finalidade é dotar os encarregados de educação de conhecimentos suficientes para que possam ajudar e aconselhar as crianças relativamente ao uso da Internet. Aprender a aprender As crianças que já participaram em ações de formação e workshops têm a oportunidade de aprender de forma prática de que modo podem proteger o seu computador e conduzir pesquisas inteligentes. Será igualmente pedido a estas crianças que expliquem aos seus pares em que consiste o uso responsável da Internet. Gestão construtiva das emoções Os professores e as crianças tornar-se-ão mais conscientes do problema da ciberperseguição. Os professores receberão igualmente informação a respeito da maneira de reconhecer se uma criança está a ser sexualmente molestada através da Internet, ao passo que as crianças aprenderão que devem sempre informar um professor ou encarregado de educação a respeito de contactos anormais, etc. Disciplinas específicas implicadas ou abordagem transcurricular : Ciberperseguição, abuso sexual na Internet. De que modo a iniciativa/reforma está a ser implementada (designadamente, processo adotado, empenhamento político, consulta dos parceiros e respetivos papéis, incentivos aos parceiros, financiamento específico, materiais didáticos, definição de metas e modelos, mecanismos de avaliação, impacto sobre a formação de formadores/desenvolvimento profissional e práticas escolares/ liderança, intensificação da abordagem com base na pesquisa/factos, etc.) : Atividades de formação para crianças, professores, encarregados de educação e assistentes sociais: formação para formadores; workshops interativos para crianças e jovens; programas especiais de formação para professores e educadores infantis; programa de palestras customizadas para encarregados de educação; curso de e-learning para professores. Eventos públicos: campanhas de sensibilização (em estónio e russo) nos órgãos de comunicação social locais, seminário nacional sobre Internet Mais Segura, rede Participação Inteligente na Web para jovens; criação e disseminação de desenhos animados Bunny-Johnny para crianças dos 5 aos 9 anos. 4

5 Concursos e materiais de estudo: materiais de estudo e concursos nacionais para alunos; livro digital Targalt Internetis (Com Inteligência na Web); materiais de estudo digitais e impressos para alunos e professores; compilação, publicação e distribuição de materiais informativos para encarregados de educação. Etapa/fase atual de implementação : Estamos em fase de organização de novas ações de formação para formadores; estamos a realizar mais programas de formação e a planear ações de formação para os próximos 2 anos. Aspetos positivos (para identificar facilitadores) : Formação e workshops nas escolas. As campanhas de sensibilização na comunicação social (sobretudo, na TV) funcionaram particularmente bem para a consciencialização dos encarregados de educação e os desenhos animados revelaram-se eficazes na sensibilização tanto das crianças, como dos adultos. Desafios e de que modo estão a ser abordados (para identificar obstáculos e soluções) : De um modo geral, os professores demonstram ceticismo a respeito do uso das TIC. A principal razão é a falta de conhecimento sobre as TIC e de que modo podem ser usadas. A melhor forma de ultrapassar este problema é explicar como as TIC podem ser usadas e também facilitar o aprender fazendo, ou seja, os professores têm de experimentar por si mesmos coisas diferentes (designadamente, usar os meios sociais). Tópicos como a pesquisa inteligente, a pornografia na Internet e a violação de direitos de autor já integram o currículo, mas não lhes é dada importância suficiente. Os encarregados de educação na Estónia tratam muitas vezes a Internet como uma babysitter e não estão suficientemente conscientes dos riscos que o ambiente em linha comporta. Estamos a esforçar-nos por reforçar a consciencialização dos encarregados de educação, para que possam apoiar as crianças quando elas usam a Internet, e encorajá-los a usar a Internet juntamente com os filhos. Contudo, é difícil envolver os encarregados de educação em programas de sensibilização para o uso da Internet. Temos organizado palestras sobre este tópico, integradas nas reuniões de pais nas escolas, com vista a ultrapassar este problema. Os encarregados de educação, cuja primeira língua é o russo, exigem que todos os materiais estejam redigidos em russo. Tanto quanto possível, temos envidado esforços para facultar os programas de formação e os materiais de estudo em estónio e em russo. 5

6 Monitorização e avaliação realizadas/planeadas e que métodos estão a ser usados (designadamente, controlo de qualidade interna/externa, inspeção, avaliações nacionais, testes internacionais, autoavaliação, avaliações formativas ou sumativas) : São distribuídos questionários para feedback aos professores e aos encarregados de educação. Estamos também a preparar questionários para feedback para as crianças dos 6 aos 16 anos. Todos os formadores analisarão o feedback sobre o programa de formação. Será elaborado um relatório anual sobre todas as atividades realizadas no âmbito do projeto Com Inteligência na Web. Impacto (designadamente, eventual avaliação do impacto prevista) : No início de 2013, realizaremos um levantamento completo de todos os parceiros envolvidos. Atualmente, estamos na presença de resultados claros atestados pelo crescimento do número de participações à linha direta baseada na web a respeito da distribuição de materiais que violam os direitos, dignidade e integridade física das crianças na Internet. Comunicação da iniciativa/disseminação dos resultados e atividades : Mailings às administrações escolares e aos departamentos de TIC nas escolas; Sítio web da Fundação Tiger Leap; Sítio web Koolielu (Vida Escolar); Sítio web Targalt Internetis; Publicidade na comunicação social: rádio, TV, principais jornais nacionais, jornais de professores; Campanha de rua duas vezes por ano: cartazes em paragens de autocarro, etc. Próximos passos/seguimento : Organizar ações de formação em toda a Estónia (numa base regional). Em fevereiro de 2013, realizaremos um seminário internacional Internet Mais Segura para assistentes sociais e prestadores de cuidados infantis. 6

7 Informações adicionais : Tínhamos previsto uma participação de 7000 pessoas no programa de formação, durante o primeiro período do projeto (2009 a maio de 2012), mas a realidade é que este número rondou os 9900 (7000 alunos; cerca de 1000 professores e 900 encarregados de educação); O número previsto de programas de formação no referido período era de 43, mas foram efetivamente realizados 152. Na sua maioria, foram organizados em regime de voluntariado visto que a procura de formação era extremamente elevada. Inicialmente, o projeto destinava-se a crianças dos 10 aos 16 anos, mas tomámos a iniciativa de realizar programas especiais para crianças mais novas, entre 6 e 9 anos de idade. Deste modo, o projeto inclui atualmente crianças dos 6 aos 16 anos. Concluímos que os desenhos animados funcionam muito bem para sensibilizar as crianças e os adultos e produzimos vários desenhos animados em estónio, russo e inglês. Os desenhos animados criados em resultado do projeto estão a ser igualmente transmitidos em canais da televisão pública da Estónia numa base diária. The KEYCONET project has been funded with support from the Lifelong Learning Programme of the European Commission. Responsibility for this publication lies solely with the author, and the Commission is not responsible for any use which may be made of the information contained therein.

8 c. Resumo O projeto Targalt Internetis (Com Inteligência na Web) teve início em 2009, como uma iniciativa da Comissão Europeia, e está agora a ser coordenado pela Tiigrihüppe Sihtasutus (Fundação Tiger Leap - TLF) em parceria com a Associação para o Bem-Estar da Criança da Estónia e a InSafe (EUN). O principal objetivo do projeto é permitir que as crianças e os jovens usem a Internet em segurança, através do desenvolvimento de materiais de sensibilização e da organização de campanhas e sessões de esclarecimento para crianças e jovens, encarregados de educação, educadores, assistentes sociais e professores. As principais competências que o projeto procura desenvolver são a competência digital (estreitamente associada ao pensamento crítico; avaliação de riscos; tomada de decisões; resolução de problemas), aprender a aprender e a gestão construtiva das emoções. Para alcançar estes objetivos, o projeto centra-se na oferta de várias atividades de formação para crianças, encarregados de educação e assistentes sociais, formação para formadores; organização de campanhas de sensibilização na comunicação social local (em estónio e russo); desenvolvimento de concursos e materiais de estudo; criação da rede Participação Inteligente na Web para jovens; desenvolvimento de um conceito de rótulo Segurança Eletrónica e encorajamento das escolas para que adiram; criação e disseminação de desenhos animados Bunny-Johnny para crianças dos 5 aos 9 anos. O projeto entrou agora no seu segundo período; os novos participantes estão atualmente a receber formação e estão a ser desenvolvidos novos programas de formação. Os problemas básicos prendem-se com o ceticismo dos professores relativamente às TIC, com a falta de conhecimento dos encarregados de educação sobre a segurança na Internet e com a necessidade das crianças de terem um dos pais por perto quando usam a Internet. Estas questões estão a ser sanadas através da organização de mais ações de formação, que são principalmente realizadas com base no princípio do aprender fazendo. Os resultados até ao momento permitem-nos constatar que a consciencialização na sociedade tem aumentado em relação ao uso seguro da Internet, com resultados claros patentes no número de participações à linha direta baseada na web a respeito da distribuição de materiais que violam os direitos, dignidade e integridade física das crianças na Internet. Organizámos igualmente muitos programas de formação complementares conduzidos por voluntários que reconhecem a importância de sensibilizar para o uso seguro da Internet. 8

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA PORTUGAL (2) - 2012 CLUBE EUROPEU A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA ESTÓNIA (1) - 2012 MODELO DE AVALIAÇÃO E GESTÃO DAS TIC NAS ESCOLAS A. INFORMAÇÃO BÁSICA País : Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA SUÉCIA (2) - 2012 COMPETÊNCIAS FUTURAS A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA SUÉCIA (1) - 2012 ABORDAGEM EMPRESARIAL A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua

Leia mais

A. Informação básica. Irlanda (1) Irlanda. País : Competências Essenciais para o 2º Ciclo do Ensino Básico. Título da iniciativa :

A. Informação básica. Irlanda (1) Irlanda. País : Competências Essenciais para o 2º Ciclo do Ensino Básico. Título da iniciativa : Irlanda (1) - 2012 Competências Essenciais para o 2 e Ciclo do Ensino Básico A. Informação básica País : Título da iniciativa : Irlanda Competências Essenciais para o 2º Ciclo do Ensino Básico Coordenador(a)/

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA NORUEGA (1) - 2012 JUNIOR ACHIEVEMENT YOUNG ENTERPRISE A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas

Leia mais

A. Informação básica

A. Informação básica JA-YE (1) - 2012 Projeto Empresa Global (GEP) A. Informação básica Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : 11 países europeus Projeto Empresa Global (GEP) Coordenador(a)/ Organização

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA POLÓNIA (1) - 2012 ACADEMIA DOS ALUNOS A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA NORUEGA (4) - 2012 A MOCHILA CULTURAL A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua

Leia mais

A. Informação básica

A. Informação básica Bélgica (1) - 2012 Objetivos finais transcurriculares @ 2010 A. Informação básica País : Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original e em

Leia mais

Uma Rede Europeia de Políticas sobre Competências-Chave na Educação Escolar http://keyconet.eun.org Sobre o projeto KeyCoNet KeyCoNet (2012-14) é uma rede centrada na identificação e análise de iniciativas

Leia mais

WP8 Quality and Management/Governance National study Portuguese version 2012

WP8 Quality and Management/Governance National study Portuguese version 2012 With the support of the Lifelong Learning Programme of the European Union Identifying Barriers in Promoting the European Standards and Guidelines for Quality Assurance at Institutional Level IBAR Agreement

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA PORTUGAL (3) - 2012 EDUSCRATCH A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Portugal EduScratch Coordenador(a)/ Organização : Miguel Figueiredo e Teresa Marques

Leia mais

II Encontro de Boas Práticas Educativas Projeto SER (Super European Reader) Bragança, 8 setembro 2016

II Encontro de Boas Práticas Educativas Projeto SER (Super European Reader) Bragança, 8 setembro 2016 II Encontro de Boas Práticas Educativas Projeto SER (Super European Reader) Bragança, 8 setembro 2016 Motivação Projeto SER Descrição Implementação Kit de Leitura Aplicação do Kit Mobilidade Inglaterra

Leia mais

vai mais além NOS TEUS HORIZONTES

vai mais além NOS TEUS HORIZONTES Mobilidade E COOPERAÇÃO PROGRAMA COMENIUS vai mais além NOS TEUS HORIZONTES O Programa COMENIUS A O Programa setorial Comenius, que integra o Programa Aprendizagem ao Longo da Vida (PALV), visa melhorar

Leia mais

PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA

PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação (comunicação) Vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável

Leia mais

Tecnologia e pedagogia no ensino a distância de engenharia relato de uma experiência de sucesso. Manuel Gericota André Fidalgo Paulo Ferreira

Tecnologia e pedagogia no ensino a distância de engenharia relato de uma experiência de sucesso. Manuel Gericota André Fidalgo Paulo Ferreira Tecnologia e pedagogia no ensino a distância de engenharia relato de uma experiência de sucesso Manuel Gericota André Fidalgo Paulo Ferreira Instituto Superior de Engenharia do Porto This project has been

Leia mais

PLANO TIC 1

PLANO TIC 1 2015-2016 PLANO TIC 1 Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres Estrada Nacional n.º 16 6370-147 Fornos de Algodres Tel.: 271700110 Fax: 271700118 www.ae-fa.pt e-mail: aefa.og@ae-fa.pt 2 Equipa PTE

Leia mais

O Referencial de Educação para os Media: currículo, contexto, capacitação. Manuel Pinto CECS Universidade do Minho

O Referencial de Educação para os Media: currículo, contexto, capacitação. Manuel Pinto CECS Universidade do Minho O Referencial de Educação para os Media: currículo, contexto, capacitação Manuel Pinto CECS Universidade do Minho Trajetórias 1982: Declaração de Grünwald, UNESCO 1988: CRSE - Proposta de Reforma Global

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA REINO UNIDO (1) - 2012 CONSTRUIR UMA CULTURA DE SUCESSO ESCOLAR ATRAVÉS DO CERTIFICADO DE EFICÁCIA PESSOAL DA ASDAN A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa

Leia mais

PLANO TIC 2 º E 3 º C I C L O S D O E N S I N O B Á S I C O E E N S I N O S E C U N D Á R I O 2012/2013. O Coordenador TIC

PLANO TIC 2 º E 3 º C I C L O S D O E N S I N O B Á S I C O E E N S I N O S E C U N D Á R I O 2012/2013. O Coordenador TIC PLANO TIC 2012/2013 2 º E 3 º C I C L O S D O E N S I N O B Á S I C O E E N S I N O S E C U N D Á R I O O Coordenador TIC Tânia Maria Pimenta Pereira de Castro Dias CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA Escola Básica

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016 RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Data da intervenção Código 170574 Designação AE Vale Aveiras Início 21 de junho de 2016 Fim 23 de junho de 2016 PLANEAMENTO

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO)

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) 1.1 Missão Capítulo 1. Missão e Política A biblioteca escolar no ensino-aprendizagem para todos. A biblioteca escolar proporciona informação e ideias

Leia mais

O curso Tafcity na Escola Superior CDEA ESPANHA

O curso Tafcity na Escola Superior CDEA ESPANHA Newsletter3 - maio 2013 Como parte do projeto TAFCity, o curso piloto já foi traduzido para todas as línguas parceiras e está a ser implementado nos cinco países, entre fevereiro e junho. Cada país tem

Leia mais

Taking relevant professional experience into account

Taking relevant professional experience into account Taking relevant professional experience into account Validation of non-formal and informal learning in the EQUAL-CLASS countries Summary Report Engineers Qualified in Higher Non-University VET Institutions

Leia mais

Durante os últimos meses, a parceria tem trabalhado nos produtos finais do projecto T-STORY, a saber:

Durante os últimos meses, a parceria tem trabalhado nos produtos finais do projecto T-STORY, a saber: T- Story NEWSLETTER April 2014 June 2013 Edition N. Apresentamos a newsletter oficial do projeto T-Story - Storytelling Aplicado à Educação e Formação, um projeto financiado pela ação transversal Atividade-chave

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES

PLANO DE ATIVIDADES DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES Agrupamento de Escolas de Grândola PLANO DE ATIVIDADES DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES 2015/2016 Pág.1/ 7 INTRODUÇÃO O Plano Anual de das s Escolares do Agrupamento de Escolas de Grândola atende à especificidade

Leia mais

10159/17 cmm/tca/jv 1 DGD 1C

10159/17 cmm/tca/jv 1 DGD 1C Conselho da União Europeia Bruxelas, 12 de junho de 2017 (OR. en) 10159/17 ENFOPOL 301 PROCIV 54 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data: 8 de junho de 2017 para: Delegações n.º

Leia mais

SALE Formação em Redes Sociais para Combater o Desemprego em Recém Licenciados

SALE Formação em Redes Sociais para Combater o Desemprego em Recém Licenciados SALE Formação em Redes Sociais para Combater o Desemprego em Recém Licenciados Project Number: 2014-1-AT01-KA202-000953 This project has been funded with support from the European Commission. This publication

Leia mais

6170/17 aap/ip 1 DGC 2B

6170/17 aap/ip 1 DGC 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 9 de fevereiro de 2017 (OR. en) 6170/17 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações COHOM 16 CONUN 54 SOC 81 FREMP 11 n.º doc. ant.:

Leia mais

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Psicóloga Ana Rita Antunes (Pré-escolar e 1º Ciclo) C.P. nº 5148 Psicóloga Filipa Braamcamp Sobral (2º e 3º Ciclos

Leia mais

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Psicóloga Ana Rita Antunes (2º e 3º Ciclos e Coordenadora do Serviço de Psicologia e Orientação) Psicóloga Filipa

Leia mais

Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil. Plano de Acção. Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR

Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil. Plano de Acção. Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil Plano de Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR ACÇÃO N.º I CONFERÊNCIA: Os Direitos das Crianças Gerais Específico Recursos a Afectar Calendarização

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2010

Plano de Actividades e Orçamento 2010 Plano de Actividades e Orçamento 2010 1 2 1. Missão A CooLabora é uma cooperativa de consultoria e intervenção social criada em 2008. Tem por missão contribuir para a inovação social no desenvolvimento

Leia mais

Erasmus+ Agência Nacional Erasmus+ - Educação e Formação Rui Gato

Erasmus+ Agência Nacional Erasmus+ - Educação e Formação  Rui Gato Erasmus+ Agência Nacional Erasmus+ - Educação e Formação www.erasmusmais.pt Rui Gato Erasmus+ O Erasmus+ é o programa da UE nos domínios da educação, da formação, da juventude e do desporto para o período

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU 2015-2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA 2015-2017 Aprovado

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA Plano de Formação do Agrupamento 2015/2018 Índice 1. Nota Introdutória... 3 2. Enquadramento do Plano de Formação... 4 3. Diagnóstico... 6 4. Objetivos Gerais...

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local INTRODUÇÃO Este documento foi concetualizado como uma ferramenta para a construção de um território Educador, em que a educação e a formação podem acontecer dentro e fora da escola, através da promoção

Leia mais

Clube da Proteção Civil

Clube da Proteção Civil Agrupamento de Escolas das Taipas Clube da Proteção Civil 1. Estrutura organizacional Coordenadora: Paula Ribeiro da Silva Grupo de Recrutamento: 620 Departamento: Expressões Composição do grupo de trabalho:

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro Programa EaSI É um instrumento de financiamento, a nível europeu, gerido diretamente pela Comissão Europeia, para apoiar o emprego, a política social e a mobilidade profissional em toda a UE Visa contribuir

Leia mais

7 de julho de 2016 Número 118

7 de julho de 2016 Número 118 7 de julho de 2016 7 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 282/2016 O calendário de atividades educativas e escolares constitui um elemento indispensável à organização e planificação do ano escolar,

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS OBJETIVOS EDUCAR EM CIDADANIA 1. RESULTADOS ESCOLARES Alcançar os resultados esperados de acordo com o contexto do agrupamento. Melhorar

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES

BIBLIOTECAS ESCOLARES PLANO DE AÇÃO BIBLIOTECAS ESCOLARES Agrupamento de Escolas da Moita 1 As Bibliotecas Escolares assumem, para além das funções informativa, educativa, cultural e recreativa, o papel de adjuvante do aluno,

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

A educação que faz a diferença Um esforço coletivo

A educação que faz a diferença Um esforço coletivo A educação que faz a diferença Um esforço coletivo Pág. 1 Nota Introdutória AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CAMILO CASTELO BRANCO (151762) O Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco (AECCB), no ano letivo 2014/2015,

Leia mais

EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE

EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE Programa de Ocupação de Jovens (POJ) Descrição: Programa que proporciona a jovens experiências iniciais de contacto com o mercado de trabalho facilitando o desenvolvimento

Leia mais

Todos Contam para uma cidadania financeira responsável

Todos Contam para uma cidadania financeira responsável FINKIT LITERACIA FINANCEIRA Todos Contam para uma cidadania financeira responsável LÚCIA LEITÃO BANCO DE PORTUGAL 28 de março de 2017 A FORMAÇÃO FINANCEIRA PROMOVE UMA CIDADANIA FINANCEIRA RESPONSÁVEL

Leia mais

Parceria para a formação financeira na Região Norte

Parceria para a formação financeira na Região Norte Parceria para a formação financeira na Região Norte Objetivos da formação financeira Elevar os conhecimentos financeiros da população Contribuir para a melhoria dos comportamentos financeiros Promover

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES

PLANO DE ATIVIDADES Domínio A Currículo, literacias e aprendizagem Desenvolver atividades curriculares com os docentes de História e Português trabalhando de forma transversal as literacias da informação e dos média constantes

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Liderança e Gestão Intermédia na Escola 14 15 Edição Instituto

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro Bibliotecas Escolares

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro Bibliotecas Escolares grupamento de Escolas de Eugénio de Castro ibliotecas Escolares Professoras bibliotecárias: Paula Fidalgo e Maria João Olaio Plano de acção 2009- Página 0 grupamento de Escolas de Eugénio de Castro ibliotecas

Leia mais

MENTEE Mentoring, Networking e Formação para Empreendedores Europeus. Quadro de Competências-chave para o Mentoring

MENTEE Mentoring, Networking e Formação para Empreendedores Europeus. Quadro de Competências-chave para o Mentoring MENTEE Mentoring, Networking e Formação para Empreendedores Europeus Proj. nº: 2014-1-PL01-KA202-003383 Quadro de Competências-chave para o Mentoring Maio 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Quadro de Competências-Chave

Leia mais

REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra

REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra CENTRO 2020 POR EIXOS Eixo 1 Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDEIAS) 7,8% 169 M 2,5% 54 M Eixo 10 Assistência Técnica Eixo 2 Competitividade

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Mafra

Agrupamento de Escolas de Mafra CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome da Diretora Maria de Jesus Azevedo dos Santos Roxo Geraldes Pires Escalão 6º Escola : Agrupamento de Escolas de Mafra Grupo de Recrutamento

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Águeda PLANO DE ATIVIDADES Biblioteca Escolar 2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES 2013/2014

Agrupamento de Escolas de Águeda PLANO DE ATIVIDADES Biblioteca Escolar 2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES 2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES 2013/2014 1 DOMÍNIO A Apoio ao desenvolvimento curricular SUBDOMÍNIO: A.1. Curricular da BE com as Estruturas de Coordenação Educativa e Supervisão Pedagógica e os Docentes Escola/comunid.

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2017

PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2017 Agrupamento de Escolas Vasco Santana Código 171840 PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2017 Aprovado em conselho pedagógico de 22 de janeiro 2015. Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 3 PÚBLICO-ALVO... 3 OBJETIVOS GERAIS...

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

Comparação dos dados das campanhas de sensibilização (entre 2013 e 2015)

Comparação dos dados das campanhas de sensibilização (entre 2013 e 2015) Comparação dos dados das campanhas de sensibilização (entre 2013 e 2015) I. Divulgação através de visitas à comunidade 1. Cidadãos em geral, idosos e jovens Tema 01/06/2013- residências, Guarde bem os

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DE AEMB - DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR DEPE 2013/2017

PROJETO CURRICULAR DE AEMB - DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR DEPE 2013/2017 AEMB - DEPE PROJETO CURRICULAR DE DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR 2013/2017 O Jardim de Infância é um espaço mágico repleto de cores, sons, onde os grandes aprendem com os pequenos o que é ser realmente grande

Leia mais

Ferramentas de Controlo Parental

Ferramentas de Controlo Parental Ferramentas de Controlo Parental Sustentabilidade Março, 2014 AGENDA ENQUADRAMENTO INICIATIVAS PARA FACILITAR O CONTROLO PARENTAL RECURSOS DE SEGURANÇA (OPÇÕES DE CONTROLO, DE DENÚNCIA) RESULTADOS ENQUADRAMENTO

Leia mais

Apontar uma estratégia de comunicação ambiental de um projeto escolar de EAS

Apontar uma estratégia de comunicação ambiental de um projeto escolar de EAS Apontar uma estratégia de comunicação ambiental de um projeto escolar de EAS Seminário Agentes de educação ambiental, contributos de participação e cidadania Lisboa 9 de Maio de 2014 Associação Nacional

Leia mais

Plano de Formação

Plano de Formação Plano de Formação 2013-2015 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 2 PÚBLICO-ALVO... 2 OBJETIVOS GERAIS... 2 EXPLICITAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES... 3 ÁREAS PRIORITÁRIAS DE FORMAÇÃO... 3 ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO...

Leia mais

Escola Superior de Educação Almeida Garrett

Escola Superior de Educação Almeida Garrett Escola Superior de Educação Almeida Garrett Regulamento Interno do Gabinete de Formação Contínua Preâmbulo O Gabinete de Formação Contínua (adiante designado por GFC) da Escola Superior de Educação Almeida

Leia mais

2013/2015 PLANO DE FORMAÇÃO

2013/2015 PLANO DE FORMAÇÃO 2013/2015 PLANO DE FORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS 3. LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES 4. S DE FORMAÇÃO 4.1. PESSOAL DOCENTE 4.2. PESSOAL NÃO DOCENTE ASSISTENTES ADMINISTRATIVOS 4.3. PESSOAL NÃO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA- SINTRA PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR 2013/2014

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA- SINTRA PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR 2013/2014 ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA- SINTRA PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DA ILIOTECA ESCOLAR 2013/2014 Professora ibliotecária/equipa Maria dos Anjos Fernandes 0 ATIVIDADES DESCRIÇÃO 1º PERÍODO INTERVENIENTES/

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

Descrição do Curso de Verão

Descrição do Curso de Verão Descrição do Curso de Verão Portugal - 1 de 7 - Introdução O BEST Board of European Students of Technology é uma associação sem fins lucrativos, políticos ou religiosos que reúne estudantes de Engenharia,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Grândola. Plano de Atividades. Projeto de Educação para a Saúde e a Sexualidade

Agrupamento de Escolas de Grândola. Plano de Atividades. Projeto de Educação para a Saúde e a Sexualidade Agrupamento de Escolas de Grândola Pl de Atividades Projeto de Educação para a e a Sexualidade 2015/2016 1 ESCOLA BÁSICA D. JORGE DE LENCASTRE: OFÉLIA ROSA SIMÃO VALÉRIO (COORDENADORA) P D O PLANO Obj.

Leia mais

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Programa Operacional Norte 2020 Estrutura da Apresentação I. Eixo Prioritário/ Prioridade de Investimento/ Objetivo Específico

Leia mais

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo Taxa média de retenção no 2.º ano de escolaridade de 12% no ano letivo 2014/2015 e de 11,6% no ano letivo 2015/2016. 1.º e 2.º anos. 3. Designação da Apoio educativo coadjuvante nas turmas de 1.º e 2.º

Leia mais

2016/2018 PLANO DE FORMAÇÃO

2016/2018 PLANO DE FORMAÇÃO 2016/2018 PLANO DE FORMAÇÃO Aprovado em Conselho Pedagógico de 18 de novembro de 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS 3. LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES 4. MODALIDADES DE FORMAÇÃO 5. ÁREAS DE FORMAÇÃO 5.1.

Leia mais

TET-SAT. (Technology Enhanced Teaching Self Assessment Tool) - QUADRO DE CONTEÚDOS -

TET-SAT. (Technology Enhanced Teaching Self Assessment Tool) - QUADRO DE CONTEÚDOS - TET-SAT (Technology Enhanced Teaching Self Assessment Tool) - QUADRO DE CONTEÚDOS - ÁREA 1. PEDAGOGIA DIGITAL 1.1. Planear e implementar o ensino com as TIC (Desenho da Aprendizagem) 1.1.1. Desenvolver,

Leia mais

Plano de Educação Ambiental

Plano de Educação Ambiental Projeto LIFE Charcos (LIFE12 NAT/PT/997) Conservação dos Charcos Temporários da Costa Sudoeste de Portugal Plano de Educação Ambiental Criação e design: Cristina Madeira Baião (cristina.bai@lpn.pt) Técnica

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 15.12.2016 2017/0000(INI) PROJETO DE RELATÓRIO que contém uma proposta de recomendação do Parlamento Europeu ao Conselho

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Europeu

Plano de Desenvolvimento Europeu Plano de Desenvolvimento Europeu Agrupamento de Escolas Santos Simões Gabinete de Apoio a Projetos Europeus Guimarães, janeiro 2017 1/11 Índice Introdução.. 3 Projetos de Internacionalização da Escola..

Leia mais

Projecto de Plano de Actividades do CNE para Em 2008, a actividade do CNE centrar-se-á em quatro grandes áreas de intervenção:

Projecto de Plano de Actividades do CNE para Em 2008, a actividade do CNE centrar-se-á em quatro grandes áreas de intervenção: Projecto de Plano de Actividades do CNE para 2008 Em 2008, a actividade do CNE centrar-se-á em quatro grandes áreas de intervenção: - A escola, as suas finalidades, os seus contextos e parceiros; - Currículo

Leia mais

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral julho 2015 Introdução O presente Plano de Melhoria insere-se no âmbito do Relatório elaborado pela Equipa de Avaliação Externa da IGEC, em resultado

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Vouzela. Regimento Interno da Equipa de Autoavaliação

Agrupamento de Escolas de Vouzela. Regimento Interno da Equipa de Autoavaliação Regimento Interno da Equipa de Autoavaliação 2013/2014 Artigo 1.º Enquadramento Legal 1. Nos termos do artigo 55º, do Decreto-Lei nº 75/2008, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei 137/2012 de

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO DE ATIVIDADES 2016 Modalidade Destinatários Calendarização Obs. Divulgar e Promover a Comissão junto da população Promover a Comissão e Informar a Comunidade através de ações específicas. Aumentar competências no âmbito

Leia mais

PLANO DE MELHORIA

PLANO DE MELHORIA PLANO DE MELHORIA 2013 2015 1 - Introdução Entende-se por Plano de Melhoria da Escola um conjunto de procedimentos e estratégias organizadas e implementadas com o objetivo de promover a melhoria dos processos

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES. da RRN

PLANO DE ATIVIDADES. da RRN PLANO DE ATIVIDADES da RRN 2015-2016 O presente plano de atividades foi homologado pelas Autoridades de Gestão dos PDR s a: AG PDR 2020 a 05/05/2016 AG PRORURAL + a 05/05/2016 AG PRODERAM 2020 a 02/05/2016

Leia mais

Regulamento do Programa de Tutorias

Regulamento do Programa de Tutorias Regulamento do Programa de Tutorias Escola Secundária Ferreira Dias, Agualva- Sintra Artigo 1º Competências Específicas O professor tutor tem as seguintes competências: Desenvolver medidas de apoio aos

Leia mais

Plano de formação e atividades ª fase Ações financiadas pela C.M. Sintra

Plano de formação e atividades ª fase Ações financiadas pela C.M. Sintra 1 Plano de formação e atividades 2016 1ª fase Ações financiadas pela C.M. Sintra - A emergência da escrita no pré-escolar. Uma abordagem à escrita em contexto pré-escolar Formadora: Manuela Guedes Destinatários:

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria Inicial

Projeto de Ações de Melhoria Inicial Projeto de Ações de Melhoria Inicial PAM Inicial 2015/2016 Outubro de 2015 Índice Pág. 2 1. Introdução 2. Estrutura do documento PAM (Projeto de Ações de Melhoria) Tabela 1 Estrutura do documento Projeto

Leia mais

PLANO TIC E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O 2012/2013. O Coordenador TIC. Manuel José Gouveia Alves

PLANO TIC E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O 2012/2013. O Coordenador TIC. Manuel José Gouveia Alves PLANO TIC 2012/2013 E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O O Coordenador TIC Manuel José Gouveia Alves [1] CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA ESCOLA Escola Básica do 1º Ciclo

Leia mais

Regulamento Interno. Centro de Estudos e Atividades

Regulamento Interno. Centro de Estudos e Atividades Regulamento Interno Centro de Estudos e Atividades Índice Objetivos... 3 Funcionamento ESTUDO ACOMPANHADO... 3 Funcionamento EXPLICAÇÕES... 3 Atividades Extra... 3 Atividades de FÉRIAS... 4 Calendarização

Leia mais

Regulamento Interno. Centro de Estudos e Atividades

Regulamento Interno. Centro de Estudos e Atividades Regulamento Interno Centro de Estudos e Atividades Índice Objetivos... 3 Funcionamento ESTUDO ACOMPANHADO... 3 Funcionamento EXPLICAÇÕES... 3 Atividades Extra... 3 Atividades de FÉRIAS... 4 Calendarização

Leia mais

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP)

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP) ESCOLA SECUNDÁRIA D. MANUEL I 7800-478 BEJA Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP) CURSOS PROFISSIONAIS Artigo 1.º Enquadramento Legal O Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, rectificado

Leia mais

A gratificação da função foi implementada pela Lei Complementar nº de 15/10/2007 e pela Lei Complementar nº de 01/07/2013.

A gratificação da função foi implementada pela Lei Complementar nº de 15/10/2007 e pela Lei Complementar nº de 01/07/2013. A Diretora da EE NOSSA SENHORA DOS NAVEGANTES, em Guarujá com fundamento na Resolução SE 75 de 30/12/2014, torna público o processo para seleção de docente para a função gratificada de Professor Coordenador

Leia mais

Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da leitura. Apoiar iniciativas; Estimular a adesão de voluntários:

Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da leitura. Apoiar iniciativas; Estimular a adesão de voluntários: O Projeto Um projeto de cidadania Missão Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da leitura. Objetivos Apoiar iniciativas; Estimular a adesão de voluntários: Disponibilizar

Leia mais

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. A METODOLOGIA EFQM E O QUESTIONÁRIO PARA AUTO- AVALIAÇÃO... 4 3. A METODOLOGIA EM PROJECTOS

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas Um Plano de Acção consiste num instrumento componente do Plano de Desenvolvimento Social, que define sistematicamente, as acções a desenvolver, o cronograma, os parceiros responsáveis e os recursos. 1

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

Centro de Formação da Associação de Escolas de Sintra

Centro de Formação da Associação de Escolas de Sintra 1ª Fase Pessoal Docente 02.2014D A indisciplina e os seus contornos: prevenção e ação do Ensino Básico e 25 1 Isabel Mesquita Fevereiro: 3, 5, 10, 12, 17 (18:30-21.30) 19, 26 (18:00-21.30) 03.2014D Criação

Leia mais