REGULAMENTO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE EMPREITEIROS E DE CONSULTOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE EMPREITEIROS E DE CONSULTOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL"

Transcrição

1 Flash Informativo Flash News 28/04/2015 REGULAMENTO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE EMPREITEIROS E DE CONSULTOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL Foi publicado no Boletim da República n.º 104. I Série, 24.º Suplemento, de 31 de Dezembro de 2013, o Decreto n.º 94/2013, o qual aprova o Regulamento do Exercicio da Actividade de Empreiteiros e de Consultor de Construção Civil. O Regulamento, inicialmente publicado no 18.º Suplemento do Boletim da República n.º 104, I Série de 31 de Dezembro de 2013, foi agora republicado, por se ter constatado algumas falhas no texto inicial. Com a publicação do actual Decreto n.º 94/2013 é revogado o Decreto n.º 38/2009, de 1 de Setembro que aprova o Regulamento do Exercicio da Actividade de Empreiteiro de Obras Públicas e de Construção Civil. O actual Regulamento teve o inicio da sua vigência a 31 de Dezembro de Destacamos de seguida os principais aspectos regulados no diploma ora aprovado: 1. É introduzida a figura de consultor de construção civil, actividade que até agora estava sujeita a uma licença de prestador de serviços especifica. 2. Tem acesso à actividade de empreiteiro e de consultor de construção civil os empreiteiros ou consultores nacionais ou os estrangeiros, desde que devidamente autorizados. 3. São considerados nacionais as empresas em nome individual pertencentes a cidadãos nacionais e as sociedades comerciais, com sede na República de Moçambique, e nas quais o respectivo capital social pertença em mais de 50% a cidadãos nacionais ou sociedades ou instituições, privadas ou públicas moçambicanas.

2 4. São considerados estrangeiros as não pertencentes a cidadãos moçambicanos ou, tratandose de sociedades comerciais, todas aquelas que tiverem sido constituidas ao abrigo de lei estrangeira ou, que sendo constituidas ao abrigo da Lei moçambicana, o respectivo capital social seja detido em mais de 50% por pessoas singulares, sociedades ou instituições estrangeiras. 5. São consideradas obras públicas os trabalhos de construção, reconstrução, ampliação, alteração, reparação, conservação, reabilitação, limpeza, restauro ou demolição de bens imóveis promovidos total ou parcialmente por conta do Estado, das autarquias locais, dos institutos públicos, das empresas públicas e das empresas participadas pelo Estado e particulares as promovidas por entidades particulares. 6. Operam e concorrem permanentemente nas obras públicas e serviços de consultoria públicos os empreiteiros e consultores nacionais que sejam titulares de alvarás para obras públicas e serviços de consultoria públicos, emitidos pela Comissão de Licenciamento de Empreiteiros e Consultores de Construção Civil. 7. Os empreiteiros e consultores estrangeiros apenas podem ser autorizados a operar ou concorrer permanentemente a obras ou consultorias públicas se satisfizerem uma das seguintes condições: 7.1- estar a operar no território nacional com autorização para executar obras públicas ou serviços de consultoria públicos ao abrigo da Lei; 7.2- ter sido constituido e estar a operar legalmente na actividade de empreiteiro e de consultor de construção civil, há mais de 10 anos; 7.3- ou, ser sucursal ou filial de empreiteiro ou consultor de construção civil estrangeiro, constituído e registado no seu país de origem, e que esteja a operar legalmente no território moçambicano, há mais de 10 anos. 8- Os empreiteiros e consultores de construção civil estrangeiros podem ser autorizados a exercer temporariamente a actividade de consultor ou consultor de construção civil, nas obras públicas quando se encontrem numa das seguintes situações: 8.1- ter sido adjudicada uma obra pública ou serviço de consultoria público por intermédio de concurso internacional; 8.2- ser empreiteiro ou consultor com origem num país com que hajam sido estabelecidos acordos governamentais de reciprocidade no domínio do exercicio da actividade de empreiteiro ou de consultor de construção civil;

3 8.3- Ser empreiteiro ou consultor autorizado no estrangeiro, que actua na condição de subempreiteiro ou consultor licenciado em Moçambique; 8.4- ter sido autorizado a executar obras públicas ou serviços de consultoria, ao abrigo da Lei dos Projectos de Investimentos no país, na área da construção civil. A autorização para exercer temporariamente a actividade de empreiteiro ou consultor nas obras públicas ou serviços de consultoria públicos é feita através de licença (para cada obra), emitida pela Comissão de Licenciamento de Empreiteiros e Consultores de Construção Civil. 9- O exercicio permanente da actividade de empreiteiro ou consultor de construção civil, para obras ou consultoria particulares está aberto a todas as pessoas ou sociedades, nacionais ou estrangeiras, desde que reunam as condições para tal actividade e é feita mediante a emissão de alvará de obras particulares e serviços de consultoria particular emitido pela Comissão de Licenciamento de Empreiteiros e Consultores de Construção Civil. 10- As empresas titulares de alvarás de obras públicas e serviços de consultoria públicos estão automaticamente habilitadas a operar em obras e serviços de consultoria particulares. 11- A obtenção do alvará de empreiteiro ou consultor de construção civil é feita mediante pedido do interessado à Comissão de Licenciamento de Empreiteiros e Consultores de Construção Civil, devendo o requernte fazer a indicação da classe e categorias em que pretende ser inscrito. O pedido será acompanhado dos elementos comprovativos de que a empresa, os seus corpos gerentes e técnicos responsáveis se enquadram nos requisitos definidos em lei para o exercicio da actividade. O alvará, com a validade de 36 meses, habilita o requerente ao exercicio da actividade em todo o território nacional e é instransmissivel a qualquer título e para qualquer efeito. 12- O Regulamento ora aprovado estabelece as seguintes categorias de obras: Obras públicas ou particulares Dentro destas: a) Edificios e monumentos; b)obras e urbanização; c)vias de comunicação;

4 d) Instalações eletricas em edificios; e) Obras hidráulicas; f) Fundações e captações de água. 13- O mesmo Regulmento estabelece, com relação aos serviços de consultoria, as seguintes categorias: a) Estudos e projectos de infraestruturas; b) Arquitectura e urbanismo; c) Fiscalização; d) Gestão de contrato; e) Consultoria técnica. 14- As obras são classificadas em classes, de 1.ª a 7.ª classe. A classe corresponde a um valor máximo de obra ou serviço de consultoria que a empresa pode executar e determina os requisitos mínimos de elegibilidade que as empresas autorizadas ao abrigo do presente Regulamento devem satisfazer quanto à capacidade técnica e económico-financeira. Do mesmo modo, nas obras ou serviços de consultoria públicos, a classificação dos empreiteiros ou dos consultores determina a sua qualificação para concursos, execução de obras ou serviços de consultoria dentro da categoria em que estão inscritos, quando o valor da contratação estimado pela entidade contratante for igual ou inferior ao valor limite da classe. 15- A classe determina o respectivo tipo de empresa, sendo: - De 1.ª a 2.ª classes- pequena empresa; - De 3.ª a 4.ª classes- média empresa; - De 5.ª a 7.ª classes- grande empresa.

5 Classe de Empreiteiros de Obras Públicas e Construção Civil Classe Limite superior de valor de cada obra (em mil Meticais) Capital social mínimo (em mil Meticais) 1.ª ª 3.ª ª ª ª ª Acima de

6 Quadro Técnico Permanente de Empreiteiros de Obras Públicas e Construção Civil Classe Quadro Técnico Permanente Director Técnico 1.ª 1 construtor civil ou equiparado. 1 construtor civil ou 2.ª equiparado, com 5 anos de prática. 1 técnico médio de engenharia 3.ª e 1 construtor civil. 4.ª 1 engenheiro civil ou 1 arquitecto e 1 técnico médio de engenharia 2 engenheiros ou 1 engenheiro 5.ª e 1 arquitecto ou 1 engenheiro e 2 técnicos médios de engenharia 6.ª 3 engenheiros e 1 técnico médio de engenharia ou 2 engenheiros e 1 arquitecto e 1 técnico médio de engenharia 7.ª 5 engenheiros e 2 técnicos médios de engenharia ou 3 engenheiros, 1 arquitecto e 2 técnicos médios de engenharia com mais de 5 anos de prática 1 construtor civil ou equiparado. Construtor civil ou equiparado com 5 anos de prática. Técnico médio de engenharia. Engenheiro ou arquitecto ou técnico médio de engenharia com mais de 5 anos de prática Engenheiro ou arquitecto com mais de 5 anos de prática Engenheiro ou arquitecto com mais de 5 anos de prática Engenheiro ou arquitecto com mais de 5 anos de prática

Câmara Municipal. Município de Alenquer. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Alenquer,

Câmara Municipal. Município de Alenquer. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Alenquer, Departamento de Urbanismo Município de Alenquer Câmara Municipal REGISTO DE ENTRADA Nº Em / / Proc. N.º / / O Func. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Alenquer, EMISSÃO DE ALVARÁ DE OBRAS DE

Leia mais

REGULAMENTO DOS MECANISMOS E PROCEDIMENTOS PARA CONTRATAÇÃO DE CIDADÃOS DE NACIONALIDADE ESTRANGEIRA

REGULAMENTO DOS MECANISMOS E PROCEDIMENTOS PARA CONTRATAÇÃO DE CIDADÃOS DE NACIONALIDADE ESTRANGEIRA Flash Informativo Flash News 20/09/2016 REGULAMENTO DOS MECANISMOS E PROCEDIMENTOS PARA CONTRATAÇÃO DE CIDADÃOS DE NACIONALIDADE ESTRANGEIRA Foi recentemente publicado no Boletim da Republica n.º 104,

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS Registo de entrada RESERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS (Art.º 76º do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

ACTOS PRÓPRIOS RESERVADOS E OUTROS ACTOS EM QUE PODEM INTERVIR OS ARQUITECTOS

ACTOS PRÓPRIOS RESERVADOS E OUTROS ACTOS EM QUE PODEM INTERVIR OS ARQUITECTOS ACTOS PRÓPRIOS RESERVADOS E OUTROS ACTOS EM QUE PODEM INTERVIR OS ARQUITECTOS INSCRIÇÃO EFECTIVA ACTIVA NA ORDEM DOS ARQUITECTOS DECLARAÇÃO GENÉRICA EMITIDA PELA OA - Elaborar e apreciar estudos, projectos

Leia mais

Regulamento do Licenciamento da Actividade de Empreiteiro de Construção Civil

Regulamento do Licenciamento da Actividade de Empreiteiro de Construção Civil 22 DE MAIO DE 2015 261 Diploma Ministerial n.º 77/2015 de 22 de Maio Havendo necessidade de adequar as normas de licenciamento de empresas para o exercício da actividade de empreiteiro de construção civil

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro Altera o Código Civil, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 47 344, de 25 de Novembro de 1966, e procede à primeira

Leia mais

CAE Rev_3: 60200, 61100, 61200, e TELECOMUNICAÇÕES

CAE Rev_3: 60200, 61100, 61200, e TELECOMUNICAÇÕES O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui FUNCHAL CAE Rev_3: 60200, 61100, 61200, 61300 e 61900 TELECOMUNICAÇÕES ACTIVIDADES ABRANGIDAS: - Operador de Redes Públicas de Telecomunicações

Leia mais

REQUERIMENTO DE REGISTO

REQUERIMENTO DE REGISTO REQUERIMENTO DE REGISTO PRESTADORES ESTABELECIDOS NOUTROS ESTADOS MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA (Art. 6.º-A do Decreto-Lei n.º12/2004, de 09.01, com a redação introduzida pelo Decreto-Lei n.º69/2011, de 15.06)

Leia mais

Foram ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas e a Associação Nacional dos Municípios Portugueses.

Foram ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas e a Associação Nacional dos Municípios Portugueses. DL 242/2006 A dinamização do mercado do arrendamento urbano e a reabilitação e renovação urbanas almejadas no Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), aprovado pela Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro,

Leia mais

Catálogo de Licenças Online

Catálogo de Licenças Online Catálogo de Licenças Online Licença n.º 234 Registo de Alojamento Local www.cm-freixoespadacinta.pt Pág. 1 de 9 1. Qual a finalidade? (preencher só quando a informação for diferente da informação geral

Leia mais

Regime sobre exercício das actividades de construção civil e obras públicas, projectos de obras e de fiscalização de obras

Regime sobre exercício das actividades de construção civil e obras públicas, projectos de obras e de fiscalização de obras ABR 2016 Regime sobre exercício das actividades de construção civil e obras públicas, projectos de obras e de fiscalização de obras O Decreto Presidencial n.º 63/16, de 29.03.2016, estabelece o Regime

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 315/95, de 28 de Novembro e o Decreto Regulamentar n.º 34/95, de 16 de Dezembro

Leia mais

GUIAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENCIAMENTO DE OBRAS (NA ÁREA DE COMPETÊNCIAS DA APSS, S.A.)

GUIAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENCIAMENTO DE OBRAS (NA ÁREA DE COMPETÊNCIAS DA APSS, S.A.) 1. De acordo com a legislação em vigor (Decreto-Lei n.º 338/98, de 3 de Novembro), na sua área de jurisdição, compete à APSS, S.A. conceder licenças para a execução de obras directamente relacionadas com

Leia mais

PLANEAMENTO e GESTÃO da CONSTRUÇÃO

PLANEAMENTO e GESTÃO da CONSTRUÇÃO Instituto Superior Técnico MESTRADO em CONSTRUÇÃO e REABILITAÇÃO 2013/2014 PLANEAMENTO e GESTÃO da CONSTRUÇÃO Pedro Gameiro Henriques pgameiro@civil.ist.utl.pt ENQUADRAMENTO LEGAL Livro de obra e responsabilidades

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA PRAIA. Deliberação nº 03_/ de Janeiro

CÂMARA MUNICIPAL DA PRAIA. Deliberação nº 03_/ de Janeiro CÂMARA MUNICIPAL DA PRAIA Deliberação nº 03_/13 18 de Janeiro Que autoriza o exercício de actividades geradoras de rendimento e pequenos negócios em edifícios com uso habitação Considerando que muitas

Leia mais

Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama

Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama Foi com a aprovação do Decreto Presidencial n.º 190/2011, de 30 de Junho, diploma que criou o Gabinete Técnico para a Implementação e Gestão do Plano

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE BILHETES PARA ESPECTÁCULOS OU DIVERTIMENTOS PÚBLICOS EM AGÊNCIAS OU POSTOS DE VENDA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE BILHETES PARA ESPECTÁCULOS OU DIVERTIMENTOS PÚBLICOS EM AGÊNCIAS OU POSTOS DE VENDA REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE BILHETES PARA ESPECTÁCULOS OU DIVERTIMENTOS PÚBLICOS EM AGÊNCIAS OU POSTOS DE VENDA (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro

Leia mais

1 de 6 11-06-2009 19:23 Portaria n.º 216-E/2008, de 3 de Março Enuncia todos os elementos que devem instruir os pedidos de emissão dos alvarás de licença ou autorização de utilização das diversas operações

Leia mais

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE BENAVENTE - PRIMEIRA REVISÃO - RELATÓRIO 5 COMPROMISSOS URBANÍSTICOS MAIO 2014

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE BENAVENTE - PRIMEIRA REVISÃO - RELATÓRIO 5 COMPROMISSOS URBANÍSTICOS MAIO 2014 PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE BENAVENTE - PRIMEIRA REVISÃO - MAIO 2014 COMPROMISSOS URBANÍSTICOS Os trabalhos para a elaboração do processo de revisão do Plano Director Municipal de Benavente decorreram

Leia mais

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto:

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto: Legislação Portaria n.º 1327/2004, de 19 de Outubro Publicada no D.R. n.º 246, I Série-B, de 19 de Outubro de 2004 SUMÁRIO: Regulamenta os procedimentos administrativos previstos no Decreto-Lei n.º 211/2004,

Leia mais

ANEXO I QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS NA ÁREA DA REABILITAÇÃO URBANA DO CONCELHO DO CRATO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DO CENTRO HISTÓRICO DO CRATO

ANEXO I QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS NA ÁREA DA REABILITAÇÃO URBANA DO CONCELHO DO CRATO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DO CENTRO HISTÓRICO DO CRATO ANEXO I QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS NA ÁREA DA REABILITAÇÃO URBANA DO CONCELHO DO CRATO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DO CENTRO HISTÓRICO DO CRATO To os inseri na área de urbana do centro histórico do

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PROPOSTA DE LEGISLAÇÃO RELATIVA AOS RC&D paula.correia@inresiduos.pt ÍNDICE TEMÁTICO TICO Quadro legislativo em vigor Quadro legislativo em preparação Quadro Legislativo em Vigor DL 239/97, de 9 de Setembro

Leia mais

BOLETIM DA REPÚBLICA 18.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Terça-feira, 31 de Dezembro de I SÉRIE Número 104 SUMÁRIO

BOLETIM DA REPÚBLICA 18.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Terça-feira, 31 de Dezembro de I SÉRIE Número 104 SUMÁRIO Terça-feira, 31 de Dezembro de 2013 I SÉRIE Número 104 BOLETIM DA REPÚBLICA PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE 18.º SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P. SUMÁRIO Conselho de Ministros

Leia mais

Regime Legal atinente a contratação de estrangeiros no sector de petróleos em Moçambique

Regime Legal atinente a contratação de estrangeiros no sector de petróleos em Moçambique Regime Legal atinente a contratação de estrangeiros no sector de petróleos em Leis e regulamentos Lei número 23/2007, de 01 de Agosto Lei do Trabalho Decreto número 55/2008, de 30 de Dezembro Mecanismos

Leia mais

B1 - DECLARAÇÃO DE HABILITAÇÃO DE EMPREITEIRO DE OBRAS PÚBLICAS (al. a) do n.º 5 do art. 81.º do CCP)

B1 - DECLARAÇÃO DE HABILITAÇÃO DE EMPREITEIRO DE OBRAS PÚBLICAS (al. a) do n.º 5 do art. 81.º do CCP) A preencher pelos Serviços Código da Empresa: Instrutor: B1 - DECLARAÇÃO DE HABILITAÇÃO DE EMPREITEIRO DE OBRAS PÚBLICAS (al. a) do n.º 5 do art. 81.º do CCP) Exm.º Senhor, Presidente do Conselho Diretivo

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA Registo de entrada RE SERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA (Art.º 63 do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

Projecto de Lei n.º 576/XIII/2.ª. Exposição de motivos

Projecto de Lei n.º 576/XIII/2.ª. Exposição de motivos Projecto de Lei n.º 576/XIII/2.ª Procede à alteração da Lei n.º 31/2009, de 03 de Julho, que aprova o regime jurídico que estabelece a qualificação profissional exigível aos técnicos responsáveis pela

Leia mais

REGULAÇÃO DAS ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CARTOGRAFIA

REGULAÇÃO DAS ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CARTOGRAFIA REGULAÇÃO DAS ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CARTOGRAFIA João Cordeiro Fernandes jcordeiro@igeo.pt Workshop Regulamentação da Cartografia a utilizar nos Instrumentos de Gestão Territorial Ordem

Leia mais

4 QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS/INCENTIVOS ASSOCIADOS À REABILITAÇÃO URBANA

4 QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS/INCENTIVOS ASSOCIADOS À REABILITAÇÃO URBANA 4 QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS/INCENTIVOS ASSOCIADOS À REABILITAÇÃO URBANA Na delimitação de área de reabilitação urbana, nos termos da alínea c) do n.º2 do artigo 13º e da alínea a) do artigo 14º do

Leia mais

Gabinete de Auditoria e Qualidade APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SINTRA EM 8 DE FEVEREIRO DE 2008

Gabinete de Auditoria e Qualidade APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SINTRA EM 8 DE FEVEREIRO DE 2008 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA O LICENCIAMENTO DAS ACTIVIDADES DE VENDA AMBULANTE DE LOTARIAS, DE VENDA DE BILHETES PARA ESPECTÁCULOS OU DIVERTIMENTOS PÚBLICOS EM AGÊNCIAS OU POSTOS DE VENDA E DE REALIZAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE Data: 30/09/2009 PROCEDIMENTOS Página 1 de 10 LICENCIAMENTO

MANUAL DE Data: 30/09/2009 PROCEDIMENTOS Página 1 de 10 LICENCIAMENTO OBJECTIVO: DEPARTAMENTO DE URBANISMO Capítulo: II Secção: 3 PROCEDIMENTOS Página 1 de 10 Definir o modo de tratar o pedido de autorização de operação urbanística, ao abrigo do artigo 4.º e dos artigos

Leia mais

AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO

AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO Publicado no Diário da República, I série, nº 74, de 22 de Abril AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO Havendo necessidade de adequar as regras

Leia mais

Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro

Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro Anexo B A Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, que revogou o Decreto n.º 73/73, de 28 de Fevereiro, aprovou o regime jurídico que estabelece a qualificação exigível aos

Leia mais

MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Portaria n.º 1068/2006 de 29 de Setembro

MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Portaria n.º 1068/2006 de 29 de Setembro MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1068/2006 de 29 de Setembro As taxas devidas pelos serviços prestados pela Direcção-Geral de Viação não são actualizadas

Leia mais

Ex.mo(a) Sr.(a) Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

Ex.mo(a) Sr.(a) Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Requerimento n.º Processo de Obras n.º (quadro a preencher pelos serviços) (n.º 4 do artigo 4º do D.L.555/99 de 16 de Dezembro) Ex.mo(a) Sr.(a) Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Identificação

Leia mais

Registo nº. DATA: / /

Registo nº. DATA: / / Registo nº. DATA: / / O Funcionário Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais AVERBAMENTO DE NOME EM PROCESSO POR SUBSTITUIÇÃO DO DIRECTOR DE OBRA/DIRECTOR DE FISCALIZAÇÃO DE OBRA/EMPREITEIRO

Leia mais

Para: Conhecimento de todos os Estabelecimentos de Saúde dependentes do Ministério da Saúde

Para: Conhecimento de todos os Estabelecimentos de Saúde dependentes do Ministério da Saúde Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto:Autorização para o exercício de Medicina do Trabalho ao abrigo do nº. 4 do artº. 25º do Decreto-lei nº. 26/94 de 1/02 com a redacção

Leia mais

Empreendimentos Turísticos

Empreendimentos Turísticos Empreendimentos Turísticos Procedimentos associados ao processo de licenciamento Os conceitos e os requisitos mínimos de instalação e funcionamento dos vários grupos e categorias de cada um destes tipos

Leia mais

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO Já conhece as regras de instrução de processos em formato digital? Consulte toda a informação em

Leia mais

I. O Regime Jurídico de Urbanização e Edificação

I. O Regime Jurídico de Urbanização e Edificação I. O Regime Jurídico de Urbanização e Edificação 1 Edificação Urbanização Loteamento 1. As operações urbanísticas Remodelação de terrenos Utilização de edifícios 2 Utilização dos solos para fins não agrícolas,

Leia mais

AVISO Nº. 04/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Tendo em vista melhorar as disposições referentes ao regime legal de licenciamento das instituições bancárias;

AVISO Nº. 04/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Tendo em vista melhorar as disposições referentes ao regime legal de licenciamento das instituições bancárias; AVISO Nº. 04/98 DE 30 DE NOVEMBRO Tendo em vista melhorar as disposições referentes ao regime legal de licenciamento das instituições bancárias; Nos termos das disposições da Lei nº. 5/91, de 20 de Abril

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA CADASTRAMENTO PRÉVIO DE EMPREITEIRAS, CONSTRUTORAS, PRESTADORES DE SERVIÇOS E FORNECEDORES DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS.

INSTRUÇÕES PARA CADASTRAMENTO PRÉVIO DE EMPREITEIRAS, CONSTRUTORAS, PRESTADORES DE SERVIÇOS E FORNECEDORES DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS. INSTRUÇÕES PARA CADASTRAMENTO PRÉVIO DE EMPREITEIRAS, CONSTRUTORAS, PRESTADORES DE SERVIÇOS E FORNECEDORES DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS. A ASSOCIAÇÃO PRÓ-ENSINO SUPERIOR EM NOVO HAMBURGO ASPEUR, reconhecida

Leia mais

BOLETIM DA REPÚBLICA 7.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE

BOLETIM DA REPÚBLICA 7.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE Terça -feira, 1 de Setembro de 2009 I SÉRIE Número 34 BOLETIM DA REPÚBLICA PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE 7.º SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE Conselho de Ministros: Decreto n.º

Leia mais

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E PROPRIEDADE HORIZONTAL. Registo de Entrada

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E PROPRIEDADE HORIZONTAL. Registo de Entrada Registo de Entrada Despacho Registado em SPO Reqº.n.º. / / Procº. / / Data / / O Assist. Técnico Em, / / O Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E

Leia mais

Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória

Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória REQUERIMENTO: CMPV 216/2 PRORROGAÇÃO DE PRAZO Número de Processo / / Data de Entrada / / Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória (nome do requerente ), Contribuinte (pessoa singular

Leia mais

Boletim Municipal das Deliberações e Decisões Regulamento de Instalação e Funcionamento de Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos

Boletim Municipal das Deliberações e Decisões Regulamento de Instalação e Funcionamento de Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos Regulamento de Instalação e Funcionamento de Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos Ano V - N.º 1 13 de Janeiro de 2004 Regulamento de Instalação e Funcionamento de Recintos de Espectáculos

Leia mais

6336 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o de Outubro de 2004

6336 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o de Outubro de 2004 6336 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 246 19 de Outubro de 2004 MINISTÉRIOS DAS CIDADES, ADMINISTRAÇÃO LO- CAL, HABITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIO- NAL E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

Leia mais

SEPARATA. N. o 2 5 Jun 2009

SEPARATA. N. o 2 5 Jun 2009 SEPARATA Propriedade Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Edição Gabinete de Estratégia e Planeamento N. o 2 5 Jun 2009 Centro de Informação e Documentação PROJECTO DE DECRETO -LEI QUE REGULA

Leia mais

PEDIDO DE RECONHECIMENTO DO INVESTIMENTO

PEDIDO DE RECONHECIMENTO DO INVESTIMENTO PEDIDO DE RECONHECIMENTO DO INVESTIMENTO Lista Documentação Exigida DOCUMENTOS 1 Estudo de viabilidade económico-financeira 2 Cópia documento de identificação do(s) promotor(es) 3 Curriculum vitae do(s)

Leia mais

QUEIJARIAS TRADICIONAIS ATIVIDADE PRODUTIVA LOCAL OU SIMILAR CAE REV_3: INDÚSTRIAS DO LEITE E SEUS DERIVADOS ÂMBITO

QUEIJARIAS TRADICIONAIS ATIVIDADE PRODUTIVA LOCAL OU SIMILAR CAE REV_3: INDÚSTRIAS DO LEITE E SEUS DERIVADOS ÂMBITO QUEIJARIAS TRADICIONAIS ATIVIDADE PRODUTIVA LOCAL OU SIMILAR CAE REV_3: 10510 - INDÚSTRIAS DO LEITE E SEUS DERIVADOS ÂMBITO Estabelece o regime a que está sujeita a instalação e modificação dos estabelecimentos

Leia mais

Consumo de cimento em 2012: o menor dos últimos 39 anos

Consumo de cimento em 2012: o menor dos últimos 39 anos FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Realização de Acampamentos Ocasionais

Realização de Acampamentos Ocasionais Capítulo 470 Realização de Acampamentos Ocasionais MR.470.01.Vers.1.0.b Página 1 de 11 Conteúdo PREÂMBULO... 3 CAPÍTULO I - ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 4 Artigo 1.º Lei habilitante... 4 Artigo 2.º Âmbito e

Leia mais

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS PARA A Nota Introdutória Os elementos instrutórios dos procedimentos previstos no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação (RJUE) estão definidos na Portaria nº 113/2015,

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA POSTO DE ABASTECIMENTO DE A CANDIDATURA A PROMOTOR DA ÁREA RESIDENCIAL DE CAMAMA PRODUTOS PETROLÍFEROS

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA POSTO DE ABASTECIMENTO DE A CANDIDATURA A PROMOTOR DA ÁREA RESIDENCIAL DE CAMAMA PRODUTOS PETROLÍFEROS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA A CANDIDATURA A PROMOTOR DA ÁREA RESIDENCIAL DE CAMAMA POSTO DE ABASTECIMENTO DE PRODUTOS PETROLÍFEROS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA A CANDIDATURA A PROMOTOR DA ÁREA RESIDENCIAL

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 22 de março de Série. Número 52

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 22 de março de Série. Número 52 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 22 de março de 2016 Série Suplemento Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DOS ASSUNTOS PARLAMENTARES E EUROPEUS E DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Leia mais

Decreto-Lei n.º 62/99, de 2 de Março

Decreto-Lei n.º 62/99, de 2 de Março (não dispensa a consulta do Diário da República) Decreto-Lei n.º 62/99, de 2 de Março A Lei n.º 57/98, de 18 de Agosto, e o Decreto-Lei n.º 381/98, de 27 de Novembro, vieram operar uma profunda renovação

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 1/2012/A de 11 de Janeiro de 2012

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 1/2012/A de 11 de Janeiro de 2012 ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 1/2012/A de 11 de Janeiro de 2012 Define condições excecionais para o transporte particular de trabalhadores em veículos

Leia mais

direção municipal de urbanismo e ambiente. divisão de planeamento e reabilitação urbana. janeiro 2017

direção municipal de urbanismo e ambiente. divisão de planeamento e reabilitação urbana. janeiro 2017 estratégia de regeneração urbana vila nova de gaia proposta de retificação do Quadro de Benefícios Fiscais e Incentivos Financeiros das ARU Cidade de Gaia, Encostas do Douro, Zona Central dos Carvalhos,

Leia mais

Pagamento da taxa através da guia n.º de / /

Pagamento da taxa através da guia n.º de / / Registo de Entrada N.º Proc.º Em / / Funcionário: Informação - Prosseguir seus termos Em / / A Responsável da U.O.F.U.O.S.U. Despacho - Prosseguir seus termos Em / / O Vereador do Pelouro Exm.º Senhor:

Leia mais

CARTA DE CAÇADOR. A carta de caçador pode ser emitida a favor dos requerentes que reunam simultaneamente as seguintes condições :

CARTA DE CAÇADOR. A carta de caçador pode ser emitida a favor dos requerentes que reunam simultaneamente as seguintes condições : CARTA DE CAÇADOR INDÍCE Requisitos para obter carta de caçador Especificações Validade Concessão, renovação, 2.ºs vias e alteração de dados Quando requerer Renovação de cartas de caçador emitidas antes

Leia mais

EXERCICIO DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO E ENTREGA DOMICILIÁRIA DE GASES MEDICINAIS

EXERCICIO DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO E ENTREGA DOMICILIÁRIA DE GASES MEDICINAIS EXERCICIO DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO E ENTREGA DOMICILIÁRIA DE GASES MEDICINAIS São considerados gases medicinais os gases ou mistura de gases, liquefeitos ou não, destinados a entrar em contacto directo

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Comércio precário Decreto Executivo n. 43/00 de 2 de Junho O Decreto n.º 29, de 2 de Junho de 2000, estabelece o comércio precário como uma das modalidades do exercício da actividade

Leia mais

ÁREAS DE REABILITAÇÃO URBANA EM VIGOR NO MUNICÍPIO DE BEJA. 4. ARU da Rua da Lavoura, na cidade de Beja (objeto de duas alterações)

ÁREAS DE REABILITAÇÃO URBANA EM VIGOR NO MUNICÍPIO DE BEJA. 4. ARU da Rua da Lavoura, na cidade de Beja (objeto de duas alterações) ÁREAS DE REABILITAÇÃO URBANA EM VIGOR NO MUNICÍPIO DE BEJA 1. ARU do Centro Histórico de Beja 2. ARU do Bairro Social de Beja 3. ARU do Centro Histórico de Beja II 4. ARU da Rua da Lavoura, na cidade de

Leia mais

COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO Documentos instrutórios (preenchimento obrigatório) Pág. 0. Requerimento... a Acompanhado de cópia do documento de identificação do requerente 1. Documento comprovativo

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Envie-se a presente informação ao Sr. Director Municipal do Departamento de Gestão Urbanística, Arq. Aníbal caldas. Anabela Moutinho Monteiro Chefe da 111.02.2011 N/Inf.: (...) N/Ref.ª: (...)

Leia mais

CALENDÁRIO * * O calendário poderá estar sujeito a pequenas alterações. Por favor confirme a data. actualizada no site da OASRN.

CALENDÁRIO * * O calendário poderá estar sujeito a pequenas alterações. Por favor confirme a data. actualizada no site da OASRN. CICLO DE LEGISL AÇÃO NA PRÁTICA PROFISSIONAL 2009 CALENDÁRIO * FORMAÇÃO FORMADOR VISEU COIMBRA BRAGA AVEIRO L1 DL60/2007 (RJUE) Dr. Nuno César Machado 4 Junho 18 Junho 30 Abril 7 Maio L2 DL163/2006 (ACESSIBILIDADE)

Leia mais

Recintos de Diversões Aquáticas. Licença de Funcionamento

Recintos de Diversões Aquáticas. Licença de Funcionamento Recintos de Diversões Aquáticas Licença de Funcionamento 1. FINALIDADE A realização das atividades em recintos com diversões aquáticas (Parques Aquáticos) depende da posse de licença de funcionamento,

Leia mais

Disponibilizar formação e informação especializadas e promover as boas práticas;

Disponibilizar formação e informação especializadas e promover as boas práticas; Assunto: Exposição sobre a especificidade da reabilitação do edificado e da infra-estrutura e da conservação do Património e a necessidade de uma abordagem particular destes segmentos de actividade. O

Leia mais

MUNICÍPIO DE BARRANCOS

MUNICÍPIO DE BARRANCOS MUNICÍPIO DE BARRANCOS REGULAMENTO MUNICIPAL DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS E DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Nota Justificativa O novo Regime Jurídico de Instalação, Exploração e Funcionamento

Leia mais

Decreto-Lei n.º140/2009, de 15 de Junho

Decreto-Lei n.º140/2009, de 15 de Junho Decreto-Lei n.º140/2009, de 15 de Junho 1. Que intervenções ou obras estão sujeitos à obrigatoriedade de elaboração de relatórios? O presente diploma abrange os bens culturais móveis e imóveis, assim como

Leia mais

Ponto de Situação da Execução da Carta de Qualidade da DSE 2012

Ponto de Situação da Execução da Carta de Qualidade da DSE 2012 Ponto de Situação da Execução da Carta de Qualidade da DSE 2012 Serviços Prestados Indicadores de Qualidade dos Serviços Previsibilidade de Cumprimento Taxa de Cumprimento 2012 1 Extensão de Patente de

Leia mais

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Elementos instrutórios do pedido Elementos comuns aos procedimentos de controlo prévio (Comunicação Prévia), nos termos da Portaria n.º 113/2015, de

Leia mais

Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos

Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos MAR 2016 Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos O Decreto Presidencial n.º 36/16, de 15.02.2016, estabelece o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento de empreendimentos turísticos.

Leia mais

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 1. Serviços Comerciais. Subsector. A. Serviços Profissionais. d. Serviços de Arquitectura (CPC8671)

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 1. Serviços Comerciais. Subsector. A. Serviços Profissionais. d. Serviços de Arquitectura (CPC8671) CEPA g. Serviços de Planeamento Urbanístico e de Arquitectura Paisagística (excluindo Serviços de elaboração de Planos Directores de Urbanização) (CPC8674) É permitido aos prestadores de serviços de Macau,

Leia mais

EMISSÃO DE ADITAMENTO AO ALVARÁ DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO Nº.

EMISSÃO DE ADITAMENTO AO ALVARÁ DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO Nº. Registo Nº. DATA / / O funcionário, Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais EMISSÃO DE ADITAMENTO AO ALVARÁ DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO Nº. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher com letra maiúscula)

Leia mais

Definições e princípios patentes em diversa legislação que tem por objecto a questão dos resíduos.

Definições e princípios patentes em diversa legislação que tem por objecto a questão dos resíduos. Fontes: Proposta de Decreto-Lei sobre RC&D. Estrutura usual de um Regulamento Municipal. Definições e princípios patentes em diversa legislação que tem por objecto a questão dos resíduos. Contributos do

Leia mais

PRINCIPAIS INTERVENIENTES E FUNÇÕES, NAS OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL J. AMORIM FARIA FEUP

PRINCIPAIS INTERVENIENTES E FUNÇÕES, NAS OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL J. AMORIM FARIA FEUP PRINCIPAIS INTERVENIENTES E FUNÇÕES, NAS OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL J. AMORIM FARIA FEUP 2008 / Fevereiro 1 Objecto da apresentação Definir principais áreas de actividade dos engenheiros civis Definir principais

Leia mais

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA A intermediação de medicamentos é qualquer atividade ligada à venda ou compra de medicamentos, com exceção

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL JOVEM. Introdução

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL JOVEM. Introdução REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL JOVEM Introdução Considerando a importância crescente das autarquias locais, no âmbito do apoio social às populações; Considerando que as câmaras municipais podem apoiar

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador Instituto Politécnico de Setúbal Edital Abertura de concurso documental para professor coordenador 1 Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 6º do Regulamento de Recrutamento e Contratação do Pessoal

Leia mais

Diploma legal. Convindo regulamentar tais procedimentos; 1 / 7

Diploma legal. Convindo regulamentar tais procedimentos; 1 / 7 O Decreto n.º 13/10, de 10 de Fevereiro faz a regulamentação ao Decreto-Lei n.º 17/09, de 26 de Junho (que regula a Formação do Pessoal Angolano no Sector Petrolífero) nomeadamente do recrutamento, integração,

Leia mais

PEDIDO DE CERTIDÃO DE URBANISMO. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória

PEDIDO DE CERTIDÃO DE URBANISMO. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória REQUERIMENTO: CMPV 228/2 PEDIDO DE CERTIDÃO DE URBANISMO Número de Processo / / Data de Entrada / / Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória (nome do requerente ), Contribuinte (pessoa

Leia mais

PRORROGAÇÃO DO PRAZO DA LICENÇA DE OCUPAÇÃO DE VIA PÚBLICA PARA OBRAS DE CONSERVAÇÃO, ISENTAS OU SUJEITAS A LICENCIAMENTO OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA

PRORROGAÇÃO DO PRAZO DA LICENÇA DE OCUPAÇÃO DE VIA PÚBLICA PARA OBRAS DE CONSERVAÇÃO, ISENTAS OU SUJEITAS A LICENCIAMENTO OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PRORROGAÇÃO DO PRAZO DA LICENÇA DE OCUPAÇÃO DE VIA PÚBLICA PARA OBRAS DE CONSERVAÇÃO, ISENTAS OU SUJEITAS A LICENCIAMENTO OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA Documentos a entregar 1. Requerimento 2. Cópia do documento

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

Diploma. Estabelece os modelos de licenças, alvarás, certificados e outras autorizações a emitir pela Polícia de Segurança Pública

Diploma. Estabelece os modelos de licenças, alvarás, certificados e outras autorizações a emitir pela Polícia de Segurança Pública Diploma Estabelece os modelos de licenças, alvarás, certificados e outras autorizações a emitir pela Polícia de Segurança Pública Portaria n.º 931/2006 de 8 de Setembro O novo regime jurídico das armas

Leia mais

Fundações públicas previstas na Lei n.º 62/2007 (art.º 2.º, n.º 1 al. e) e n.º 2); Hospitais EPE (art.º 5, n.º 3).

Fundações públicas previstas na Lei n.º 62/2007 (art.º 2.º, n.º 1 al. e) e n.º 2); Hospitais EPE (art.º 5, n.º 3). Fundações públicas previstas na Lei n.º 62/2007 (art.º 2.º, n.º 1 al. e) e n.º 2); Hospitais EPE (art.º 5, n.º 3). Ajuste directo (art. 19.º) a) A escolha do ajuste directo só permite a celebração de contratos

Leia mais

REQUISITOS: 1. REGISTO DE PROMOTOR DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA ARTÍSTICA;

REQUISITOS: 1. REGISTO DE PROMOTOR DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA ARTÍSTICA; O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL ATIVIDADE VIDEOGRÁFICA CAE: 77220 Aluguer de videocassetes

Leia mais

Deliberação n.º 2473/2007, de 28 de Novembro (DR, 2.ª série, n.º 247, de 24 de Dezembro de 2007)

Deliberação n.º 2473/2007, de 28 de Novembro (DR, 2.ª série, n.º 247, de 24 de Dezembro de 2007) Deliberação n.º 2473/2007, de 28 de Novembro (DR, 2.ª série, n.º 247, de 24 de Dezembro de 2007) Aprova os regulamentos sobre áreas mínimas das farmácias de oficina e sobre os requisitos de funcionamento

Leia mais

Estabelece o regime contra-ordenacional do Regulamento de Segurança de Barragens aprovado pelo Decreto-Lei n.º 344/2007, de 15 de Outubro

Estabelece o regime contra-ordenacional do Regulamento de Segurança de Barragens aprovado pelo Decreto-Lei n.º 344/2007, de 15 de Outubro DECRETO N.º 268/X Estabelece o regime contra-ordenacional do Regulamento de Segurança de Barragens aprovado pelo Decreto-Lei n.º 344/2007, de 15 de Outubro A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

CONTRATAÇÃO PÚBLICA. 27 de Outubro RAUL MOTA CERVEIRA

CONTRATAÇÃO PÚBLICA. 27 de Outubro RAUL MOTA CERVEIRA Auditório SIBS CONTRATAÇÃO PÚBLICA 27 de Outubro RAUL MOTA CERVEIRA PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE Enquadramento Legal Regulamento da Contratação de Empreitadas de Obras Públicas, Fornecimento de Bens e Prestação

Leia mais

EMISSÃO DE ADITAMENTO AO ALVARÁ DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO Nº.

EMISSÃO DE ADITAMENTO AO ALVARÁ DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO Nº. Registo n.º Data / / O Funcionário EMISSÃO DE ADITAMENTO AO ALVARÁ DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO Nº. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Cascais IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher com letra

Leia mais

AVISO N.º 17/07 de 28 de Setembro. Havendo necessidade de se actualizar as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio;

AVISO N.º 17/07 de 28 de Setembro. Havendo necessidade de se actualizar as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; AVISO N.º 17/07 de 28 de Setembro Havendo necessidade de se actualizar as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; No uso da competência que me é atribuída pelo artigo 58 0 da Lei n.

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO SÉNIOR MUNICIPAL NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CARTÃO SÉNIOR MUNICIPAL NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DO CARTÃO SÉNIOR MUNICIPAL NOTA JUSTIFICATIVA Tendo em vista a reformulação do Regulamento do Cartão Municipal do Idoso em vigor desde 1999, considerando a realidade presente e a adequação

Leia mais

Junta de Freguesia de Boa Ventura Município de São Vicente Madeira. Regulamento de Licenciamento de Atividades Ruidosas REGULAMENTO

Junta de Freguesia de Boa Ventura Município de São Vicente Madeira. Regulamento de Licenciamento de Atividades Ruidosas REGULAMENTO REGULAMENTO ATIVIDADES RUIDOSAS DE CARÁTER TEMPORÁRIO QUE RESPEITEM A FESTAS POPULARES, ROMARIAS, FEIRAS, ARRAIAIS E BAILES Nota Justificativa Com a publicação da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, foram

Leia mais

André Silva Saint-Gobain Weber Portugal, S.A. Contratação de Empresas Externas Aspectos da SHST

André Silva Saint-Gobain Weber Portugal, S.A. Contratação de Empresas Externas Aspectos da SHST André Silva Saint-Gobain Weber Portugal, S.A. Contratação de Empresas Externas Aspectos da SHST Escola Profissional de Aveiro Auditório Eng.º Victor Matos 4 de Maio de 2011 Aspectos da SHST na Contratação

Leia mais

De destacar, a obrigatoriedade de igualdade de tratamento, pelo Empregador, entre o Trabalhador Nacional e o Trabalhador Estrangeiro.

De destacar, a obrigatoriedade de igualdade de tratamento, pelo Empregador, entre o Trabalhador Nacional e o Trabalhador Estrangeiro. O Decreto n.º 6/01, de 19 de Janeiro aprova o Regulamento Sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente, quer no sector público, quer no sector privado, tendo entrado

Leia mais

O Instituto Nacional de Estatística, INE, IP, abre procedimento concursal para preenchimento do Cargo de Delegada/o do INE na Delegação de Coimbra

O Instituto Nacional de Estatística, INE, IP, abre procedimento concursal para preenchimento do Cargo de Delegada/o do INE na Delegação de Coimbra O Instituto Nacional de Estatística, INE, IP, abre procedimento concursal para preenchimento do Cargo de Delegada/o do INE na Delegação de Coimbra (Direção Intermédia de 2º Grau) Designação do Cargo: Áreas

Leia mais

Habitação, Construção e Obras Públicas. Anexo nº 2 - Sistema Conceptual completo

Habitação, Construção e Obras Públicas. Anexo nº 2 - Sistema Conceptual completo Bens e serviços imobiliários Alojamento Alojamento colectivo Alojamento de convivência Estabelecimento hoteleiro e similar Alojamento familiar Alojamento familiar clássico Alojamento sobrelotado Alojamento

Leia mais

26 horas / De 05 a 09 de Outubro / De 4.ª Feira a Domingo / horas / De 10 a 21 de Outubro / 2.ª, 4.ª e 6.ª Feiras, das 19h00 às 22h00 / 150

26 horas / De 05 a 09 de Outubro / De 4.ª Feira a Domingo / horas / De 10 a 21 de Outubro / 2.ª, 4.ª e 6.ª Feiras, das 19h00 às 22h00 / 150 A ARQCOOP é uma instituição sem fins lucrativos e aposta em formação inovadora, prática e actualizada, melhorando conhecimentos e práticas profissionais e contribuindo para a sua empregabilidade ou desenvolvimento

Leia mais