V Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 19 a 23 de outubro de 2009 (1998) 303. de outro condecorado pelo prêmio de Estocolmo, Eric

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "V Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 19 a 23 de outubro de 2009 (1998) 303. de outro condecorado pelo prêmio de Estocolmo, Eric"

Transcrição

1 A PSICANÁLISESE DO VELHO FREUD E AS CIÊNCIAS DA COGNIÇÃO NO SÉCULO DOS SOUVENIRS ET LES DÉSIRS Josiane Cristina Bocchi Doutorado Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Bolsista FAPESP Le siècle qui se termine s est beaucoup occupé d acides nucéiques et de protéines. Le suivant va se concentrer sur les souvenirs et les désirs. Saura-t-il résoudre de telles questions? Fançois Jacob, La souris, la mouche et l homme (1998) 303 A passagem de Jacob - biólogo francês, ganhador do Nobel em Fisiologia/Medicina de 1965 por seus trabalhos em genética molecular - documenta um capítulo recente na história ia da ciência biológica. A passagem, muito simples, joga com a idéia daquilo que foi cientificamente representativo para o século 20 e com uma tendência da ciência para o século 21. As palavras do Monsieur Jacob ecoaram, textualmente, nas páginas de outro condecorado pelo prêmio de Estocolmo, Eric Kandel, um ativo representante de uma linha de pensamento em neurociência cognitiva, que defende a incorporação da neurobiologia molecular para o estudo do comportamento e das funções mentais complexas. Kandel (2005; 05; 2007) cita a provocação de François Jacob antes de apontar que os principais avanços da biologia contemporânea concentram-se nas pesquisas sobre a relação cérebro-mentede que a mente será para a biologia do século 21 o que o gene muitos biólogos convenceram-se foi para a biologia do século 20 (Kandel 1999/2005, p. 69; Kandel 2001/2005, p. 379). Por que começar através da referência a dois autores que não são filósofos nem teóricos da psicologia, muito menos fazem filosofia da psicanálise se ou filosofia da biologia? Um é geneticista, ta, o outro é neurocientista. Ocorre que ambos anunciam uma grande expectativa de que este seja o século da mente. Por exemplo: tem ficado claro que o último grande mistério que confronta a biologia é a natureza da mente humana. 303 O século que termina ocupou-se muito com ácidos nucléicos e com proteínas. O século seguinte vai se concentrar nas lembranças e nos desejos. Será que ele saberá responder a estas questões PPG-Fil - UFSCar

2 Este é o último grande desafio, não só para a biologia, mas para toda ciência (Kandel 2001/2005, p. 379). E isso, so, naturalmente, nos diz alguma coisa e também contextualiza essa licença prosaica - o século da memória e do desejo ( souvenirs s et les désirs ) - para algumas consideraçõeses sobre a relação entre psicanálise e ciências da cognição. A memória não é um tema exclusivo ou típico da psicanálise, ao contrário da noção freudiana de desejo como reencontro com o primeiro objeto de gratificação, o seio materno, o objeto perdido (Freud, 1895, 1905). A memória é, antes de tudo, um tópico clássico dos manuais de psicologia. A exploração do tema marcou as primeiras incursões no campo da psicologia dita científica ou acadêmica (Schultz & Schultz 1992). Por outro lado, a teoria freudiana do aparelho psíquico, em um sentido lato, pode ser pensada como uma teoria da memória, se não em toda obra, pelo menos durante a etapa que coincide com a primeira tópica, seja pelo seu papel organizador do psíquico, seja como um fundamento para a teoria das neuroses (Gabbi Jr. 1993; Simanke 2005; Gamwell & Solms 2008) 304. Afinal, os histéricos sofriam de reminiscências (Freud & Breuer 1895). E de novo, o que temas tradicionais da psicologia e da psicanálise fazem nos escritos desses biólogos? Kandel e Jacob não têm problemas com o materialismo e, no caso de Kandel, com um tipo de reducionismo radical quando, por exemplo, barganha protocolos comportamentais da aprendizagem reflexa de Pavlov pelos protocolos biológicos ao nível das sinapses, como bem ilustra o título desse capítulo do seu último livro 305 : The Biological Basis of Individuality e outros como From metapsychiology to molecular biology... ou Psychotherapy and the single synapse..., ambos de Ora... já não é novidade que, desde meados da década de 90, uma estridente literatura se avoluma nos periódicos de Psicologia Cognitiva, de Neuropsiquiatria e Neurociência e mesmo nas revistas de Psicanálise, sugerindo aproximações gradativas entre estas áreas, isto é, uma comparação de algumas metodologias, um certo consenso quanto aos seus objetos. Quase na mesma proporção, para outros, tal diálogo é dispensável, inviável e auto-contraditório. De um lado, maior rigor r investigativo; de outro, o dado fenomênico o das narrativas em primeira pessoa e da descrição clínica. Nas gírias esportivas, quiçá o meio de campo se embola? Senhoras e senhores, façam suas apostas, o carteado está na mesa. Entretanto, os dados lançados não se misturam. 304 Cf. Gamwell, L.; Solms, M. (2008). Da neurologia à psicanálise: desenhos neurológicos e diagramas da mente por Sigmund Freud. In: Pastore (Org.). Apresentação. 305 Kandel, E. R. (2006). In Search of Memory: The Emergence of a New Science of Mind. New York: W.W. Norton & Company, Édition PPG-Fil - UFSCar

3 Tomemos a situação da psicanálise em relação às neurociências. Também não é novidade que, para algumas correntes, essa aproximação questiona a autonomia conceitual do estudo da subjetividade, reforça uma visão organicista e positivista, possivelmente através de uma releitura biológica e cognitiva da psicanálise, contrariando a psicologia ia abissal de Freud e as vantagens do seu método clínico. Malgrado, ainda, o risco de retorno ao século 19 mediante a reedição de concepções desacreditadas, como a Frenologia e todas as deduções das faculdades mentais complexas, como a auto-estima ou a vitalidade, a partir do formato do crânio (método cranioscópico de Franz Gall) ou como a doutrina da localização das funções, ligada a neuropatologistas como Paul Broca, C. Wernicke, T. Meynert ou Ludwig Lichtheim. Algumas dessas críticas são consistentes, como a de Prado Jr. (2004) quanto aos excessos da doutrina neuronal de Rodolfo Llinás, em I of the vortex: From Neurons to Self (2002): em algumas de suas manifestações, tal literatura nos devolve à atmosfera do naturalismo de meados do século XIX. Também são pertinentes as ponderações de John Uttal (2001) sobre o perigo na super-valorização dos estudos de neuro-imagem e uma irrefletida recategorização da mente à moda oitocentista, num surto localizacionista. Haveria, por exemplo, uma confusão conceitual e terminológica nos estudos sobre memória e aprendizagem em Kandel, Squire e Brenda Milner, que tratariam estados mentais e cerebrais como equivalentes diretos. É um equívoco perguntar como o sistema nervoso lembra e aprende (Bennett & Hacker 2005, p. 154), assim como é duvidoso que a partir de danos ao hipocampo ou que a partir de modelos animais, que respondem com a aquisição de novos padrões comportamentais, se possa deduzir ou caracterizar a memória: isto certamente sugere que a retenção de alguns padrões de disparos neuronais e de conexões sinápticas são essenciais para a possibilidade da lembrança. Mas disto não segue que memórias estão armazenadas nas sinapses s (p. 170), estes elementos não nos autorizam falar sobre como a memória é lembrada ou como o conhecimento é adquirido. Em busca da memória na Aplysia californica: um caso de redução Junto com o que eu classifico como uma literatura de convergência nas ciências da mente, parece surgir uma aposta ousada no poder explicativo da biologia, bem como uma forte tendência multidisciplinar ainda difusa, mal definida, mas especialmente PPG-Fil - UFSCar

4 apelativa à derrubada da oposição entre os enunciados biológicos e psicológicos no estudo do comportamento o e à busca de uma unidade para as áreas que circundam esses fenômenos. Salvo algumas as manifestações equivocadas quanto às noções de mente e de cérebro ou de uma expectativa irrealista no uso da neuro-imagem, para ficar só nesses exemplos (e que não são representativos do amplo movimento das neurociências em relação campo das psicologias), não há nada, de antemão, no programa neurocientífico que diminua a importância ia dos enunciados psicológicos e psicanalíticos ou que indique a eliminação do amplo know-how de suas metodologias clínicas ou, finalmente, que suprima a identidade e, no limite, a existência destas áreas. Os repetidos esforços de Kandel (1998; 1999; 2001; 2007) e este talvez seja o principal porta-voz da aproximação entre a neurociência cognitiva e a psicanálise sugerem a necessidade de um enquadre teórico-metodológico (the new intellectual framework) para reverter r o afastamento que a psiquiatria e a psicanálise operaram ao longo da segunda metade do século 20 em relação à biologia e ao seu âmbito científico de investigação. A partir destes novos parâmetros, Kandel descreve e um novo terreno aberto à experimentação e teorização, a chamada nova biologia da mente, para a qual a pesquisa neurobiológica fundamental não é o único pilar: meu argumento chave é de que a biologia do próximo século está, de fato, em boas condições para responder a algumas questões sobre memória e desejo, cujas respostas serão tanto mais ricas e significativas se forem forjadas por um esforço sinérgico entre biologia e psicanálise (Kandel 2005, p. 69. Grifos nossos). O reducionismo neurocientífico de Kandel é radical nele mesmo, porque inclui a resolução celular como um novo nível de análise para o fenômeno psíquico. No entanto, não é eliminativista, no sentido de que a análise biológica possa substituir a análise comportamental. Tampouco ele argumenta que mapear sinapses seja o procedimento mais adequado para abordar o psíquico - do mesmo jeito que a descoberta da resolução sub-atômica ( quarks, elétrons ) não foi eleita como o nível mais indicado para o estudo dos fenômenos biológicos. Recorrer ao plano das entidades mais simples e que compõem um dado fenômeno complexo pode, tão somente, trazer novas informações sobre seu funcionamento. Kandel não propõe que entidades explicativas, como motivação, crença, desejo, prazer, intenção sejam eliminadas. Existem diferentes modos de reducionismo, como este, o reducionismo o eliminativista, identificado às posições de Steven Stitch, Paul Churchland e Patricia Churchland (Bennett & Hacker 2005, p. 366). O reducionismo de Kandel é metodológico, inerente à PPG-Fil - UFSCar

5 investigação experimental, como um entre outros expedientes operacionais para a definição do objeto em m questão. Procedimento este não isento de restrições, evidentemente. Contudo,, traduzir protocolos complexos em unidades mais elementares não é, forçosamente, o mesmo que simplificar seu objeto de estudo, mas somente uma etapa da análise. Assim como, por exemplo, isolar um comportamento to reflexo simples, como a retração das guelras na lesma-do-mar 306, para seguir o todo o fluxo da informação sensorial ou isolar o reflexo do sugar do bebê quando amamentado. Naturalmente, essesses recortes são coordenados junto a outros elementos da investigação: uma cartografia de todas as conexões motoras da lesma, por exemplo, ou os demais registros observacionais da relação mãe-bebê, a interação visual da dupla, a disponibilidade materna. Qualquer investigador, em ciência natural ou não, dispõe de estratagemas para delimitar sua pergunta ou reproduzir o fenômeno estudado, ainda que sempre tangencialmente. Desde a física quântica, já na primeira metade do século 20, deu-se por terra a suposta neutralidade do observador e junto com ela nossa herança da visão mecanicista, que perdeu terreno nas próprias ciências naturais, devido a modificações sobre o conhecimento do mundo físico, da nossa interação com ele e sobre nossa relação com o conhecimento. Desse modo, se a psicanálise se dispuser a discutir com as neurociências não significa a bancarrota do método clínico, absolutamente, nem a perda do espaço do rol das ferramentas ou regras analíticas sugeridas por Freud ( atenção flutuante, transferência, associação livre de idéias), aliás, bastante reformuladas depois dele, por Lacan, Klein, Winnicott, t, e estendidas para além das neuroses. Por outro lado, a psicanálise freudiana não pode ser identificada a um purismo psicológico, visto sua afinidade com uma neuropsicologia e o importante papel da biologia na metapsicologia. A psicanálise freudiana não é uma neuropsicologia nem, exclusivamente, uma teoria do sujeito ou uma ética do cuidado, ela é também uma teoria sobre a mente e seus processos. Sendo assim, quando Kandel sugere uma correção da mira investigativa da psicanálise, para além da relação transferencial, privada e sigilosa da dupla analista- e o analisando 307, não soa incoerente com o vínculo do pensamento freudiano espírito 306 Kandel utiliza a Aplysia californica, um tipo de lesma-marinha, como modelo animal para o estudo da gênese molecular da memória de longo prazo. 307 René Spitz, psicanalista, realizou, na década de 40, pesquisas observacionais, da interação mãe-bebê, formulando as noções de depressão anaclítica e de hospitalismo, bastante te úteis na área de desenvolvimento infantil. John Bowlby, leitor de Spitz, também se insere nesta linha de investigação comparativa e evolutiva, de orientação psicanalítica, à qual se inclui também Margareth Mahler. Estes psicanalistas forneceram modelos e teorias sobre o desenvolvimento humano, inaugurando novas estratégias de investigação, que extrapolaram os limites da abordagem clínica nos moldes específicos do PPG-Fil - UFSCar

6 naturalista da ciência de sua época. Além do mais, auto-contraditório é a radical recusa desse diálogo por parte de e muitos psicanalistas (Andrade 2003). Rumores sobre o fim f da psicanálise são reeditados de tempos em tempos, conforme os modismos e, agora, por uma abordagem científica ou supostamente biologizante 308. São curiosos estes boatos quando implícitos nas bravatas de alguns defensores da identidade conceitual da psicanálise 309. E por falar em memória, o século 20 viu florescer uma tradição de diálogo entre a psicanálise e outros campos, como as artes, as ciências sociais,, a educação ou a filosofia. Se couber uma analogia rasa, nem por isso houve uma antropologização da psicanálise ou ela converteu-se em outra forma de teoria literária ou uma corrente filosófica. Assim, o teor exacerbado de certas reações à aproximação da a psicanálise com as neurociências apresenta muito mais de uma convicção ideológica a do que de uma posição teoricamente consistente e livre de contradições. As neurociências fazem parte de um programa naturalista para o estudo da mente, hoje em dia, amplamente identificado ao enquadre das Ciências da Cognição. São assim chamadas um conjunto de diferentes disciplinas: psicologia cognitiva, lingüística, inteligência artificial, as neurociências, a filosofia, a lógica: as ciências cognitivas me pareceram ser um mosaico de perspectivas mais ou menos compatíveis, e não um domínio homogêneo (Varela 1996, p. 9). Em um convite às cognitives sciences, Francisco Varela a (1996) compara seu pequeno ensaio a uma visita guiada a um domínio pluridisciplinar ainda mal definido. Existem correntes divergentes nas ciências cognitivas. Em linhas bem gerais, Varela descreve três grupos. Os de extrema direita, os neuro-reducionistas que eliminam as explicações psicológicas, como já dissemos. Os de centro, muito presente nos estudos sobre a consciência e sobre IA (inteligência artificial), classificando-os de funcionalistas, como G. Edelman e D. Dennett. Finalmente, os de esquerda, entre os quais o próprio Varela se inclui, seriam os que não abrem mão do papel irredutível da experiência subjetiva. tratamento psicoterápico. Estas s estratégias, inclusive, puderam ser reproduzidas em outras ocasiões pela comunidade científica. 308 Matéria de capa da Revista Super Interessante: O fim da psicanálise?. Outubro/ ro/2002. Discutia-se a perda da força da psicanálise mediante o avanço da panacéia dos neurofarmacos que, inclusive, viriam a caracterizar os anos 2000 como o a década das terapêuticas clínico-cerebrais. 309 Refiro-me, por exemplo, ao volume de críticas que chegou à redação do American Journal of Psychiatry, em Suscitadas as pelo primeiro artigo de Eric Kandel, A new intellectual framework for psychiatry, vol. 155, n. 4, pp , que propunha uma fusão da psicanálise e da neurobiologia. Não há um trabalho crítico, em especial, a mencionar PPG-Fil - UFSCar

7 Uma última observação diz respeito à mudança de perspectiva nas ciências da cognição, de um enfoque e cognitivista para uma visão dinâmica e motivacional, que também coincide com a busca por novos modelos de uma filosofia do corpo (Andrieu 2007). Desde o fim da década de 80, a mente deixa de ficar restrita à cognição, e sua explicação integra as representações corporais, principalmente nos trabalhos de Joseph LeDoux, A. Damásio, Howard Shevrin, nos EUA, e Marc Jeannerod, na França. O estudo da mente fica distorcido se não incluir as emoções (Simanke 2006). Para concluir, apenas de um modo geral aqui, o programa naturalista da ciência cognitiva vai ao encontro do programa a psicológico de Freud, no sentido de contemplarem, ambos, uma psicologia integral, ou seja, que inclua uma teoria dos afetos, uma teoria da motivação e dos processos s cognitivos ou psicológicos em geral. Conclusão Sobre o alcance e as limitações da aproximação da psicanálise em relação às neurociências ou, mais amplamente, em relação às ciências cognitivas, será necessário um outro trabalho de reflexão, mais extenso, desenvolvendo essas questões e contemplando outras. Pelo momento, diria que a relação da psicanálise com a ciência pode ser menos complicada e mais bem problematizada. Notem que são coisas diferentes. Lembremos que a própria ciência se desmente, sempre quando necessário. Afinal, a ciência não é outra coisa que a permanente reiteração da dúvida: testar, testar, testar, falsear, confirmar, re-testar - tentativa e erro. Para atender um dos critérios eleitos de cientificidade, a replicação, as hipóteses e as especulações são postas à prova. As posturas ideológicas (e menos científicas ou pseudocientíficas) ou simplesmente os modelos mal fundamentados não suportam o crivo da própria ciência. Lembremos dos desgastes da frenologia do século 19 e do modelo farmacológico na explicação da doença mental, no auge nas décadas de 60 e 70, que declinou pela sua simplicidade mecanicista: a etiologia da doença era pensada a partir do efeito da droga (Pliszka 2004). Exemplos infelizes es de pseudociência foram a eugenia e a idéia de darwinismo social, o que constitui o capítulo de uma outra história. Mas, enfim, no século da memória e do desejo, fiquemos nem tão confinados ao anacronismo nem tão aderidos a verdades definitivas PPG-Fil - UFSCar

8 Referências bibliográficas: FREUD, S. Projeto de e psicologia (1950 [1895]). In: Sigmund Freud. Obras completas. Buenos Aires: Amorrortu Editores, 1989, vol. 1, p FREUD, S.; BREUER, S.. (1895). Estudos sobre histeria. In: Sigmund Freud. Obras completas. Buenos Aires: : Amorrortu Editores, 1989, vol. 2. FREUD, S. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade (1905). Rio de Janeiro: Imago, p. ANDRADE, V. M. (2003). Um diálogo entre a psicanálise e a neurociência: a psicanálise maior prevista por Freud torna-se realidade no século XXI como metapsicologia científica.. São Paulo: Casa do Psicólogo. ANDRIEU, B. La chair vécue du cerveau: un objet épistémologique du cerveau psychologique. In: Psychologie française, 52, 2007, pp BENNETT, M. R. & HACKER, P. M. S. (2005). Philosophical foundations of neuroscience. Malden: Blackwell Publishing. GABBI Jr. O. F. A teoria do inconsciente como teoria da memória ia. In: Psicologia Usp, São Paulo, 4 (1/2), 1993, pp GAMWELL, L.; SOLMS, M. (2008). Da neurologia à psicanálise: desenhos neurológicos e diagramas da mente por Sigmund Freud. In: PASTORE, J. A. D. (Org.). Trad. de J. A. D. Pastore e Márcia Dancini. São Paulo: Iluminuras. JACOB, F. (1997). La souris, la mouche et l homme. Collection Science. Paris: Odile Jacob. KANDEL, Eric R. (2005). Psychiatry, Psychoanalysis and the New Biology of Mind. American Psychiatric c Publishing, Inc., Washington, DC. KANDEL, Eric R. (1998). A new intellectual framework for psychiatry. In: KANDEL, Eric R. Psychiatry, Psychoanalysis and the New Biology of Mind. American Psychiatric Publishing, Inc., Washington, DC. KANDEL, Eric R. (1999). Biology and the future of psychoanalysis: a new intellectual framework for psychiatry y revisited. In: KANDEL, Eric R. Psychiatry, Psychoanalysis and the New Biology of Mind. American Psychiatric Publishing, Inc., Washington, DC. KANDEL, Eric R. (2001). Genes, brains, and self-understanding: biology s aspirations for a new humanism. In: KANDEL, Eric R. Psychiatry, Psychoanalysis and the New Biology of Mind. American Psychiatric Publishing, Inc., Washington, DC. PLISZKA, Steven. R. (2004). Neurociência para o clínico de saúde mental. Trad. Carlos Alberto Silveira Netto Soares. Porto Alegre: Artmed PPG-Fil - UFSCar

9 PRADO Jr., B. (2004).. Aurora do Século XXI: Onde estamos? s? Fonte: URL: Consultado em 02/10/2009 às 17h00. SCHULTZ, D. P. & SCHULTZ, S. E. (1992). História da psicologia moderna. 16ª. edição. São Paulo, Cultrix. SIMANKE, R. T. (2005). Memória, afeto e representação: o lugar do Projeto... no desenvolvimento inicial da metapsicologia freudiana. In: Revista Olhar. Ano 7, no. 12/13, jan-jul e ago-dez, pp SIMANKE, R. T. (2006). O problema mente-corpo e o problema mente-mente da metapsicologia: pontos de convergência entre a psicanálise freudiana e as ciências cognitivas. Natureza humana, 8 (1): UTTAL, W. R. (2001). The New Phrenology: The Limits of Localizing Cognitive Processes in the Brain (Life and Mind: Philosophical Issues in Biology and Psychology). MIT Press. VARELA, F. J. (1996). Invitation aux sciences cognitives. Traduit de l anglais par Pierre Lavoie. 2e. édition. Paris: Éditions du Seuil PPG-Fil - UFSCar

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Psicologia Aplicada à Enfermagem. Prof. Adriana Campos Psicóloga CRP: 01/11273

Psicologia Aplicada à Enfermagem. Prof. Adriana Campos Psicóloga CRP: 01/11273 Psicologia Aplicada à Enfermagem Prof. Adriana Campos Psicóloga CRP: 01/11273 UNIDADE I Aula 01 Introdução à Psicologia da Saúde Origens da psicologia A Psicologia como ciência A Psicologia aplicada à

Leia mais

Arthur Araújo Universidade Federal de Goiás arthur@fchf.ufg.br

Arthur Araújo Universidade Federal de Goiás arthur@fchf.ufg.br O PROBLEMA DAS REPRESENTAÇÕES MENTAIS E ALGUMAS TENTATIVAS DE SOLUÇÃO 1 Arthur Araújo Universidade Federal de Goiás arthur@fchf.ufg.br RESUMO: O problema das representações mentais tem sido alvo de várias

Leia mais

Mudança de paradigma na psiquiatria ou um roteiro para a psiquiatria do futuro

Mudança de paradigma na psiquiatria ou um roteiro para a psiquiatria do futuro Mudança de paradigma na psiquiatria ou um roteiro para a psiquiatria do futuro Paradigm change in psychiatry or a map for the psychiatry in the future Na viragem do século XIX, Bleuler, Kraeplin e outros

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROJETO DE PESQUISA A EPISTEMOLOGIA NA PERSPECTIVA DAS NOVAS CIÊNCIAS COGNITIVAS: IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO (DESDOBRAMENTO)

FORMULÁRIO DE PROJETO DE PESQUISA A EPISTEMOLOGIA NA PERSPECTIVA DAS NOVAS CIÊNCIAS COGNITIVAS: IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO (DESDOBRAMENTO) FORMULÁRIO DE PROJETO DE PESQUISA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título do projeto: A EPISTEMOLOGIA NA PERSPECTIVA DAS NOVAS CIÊNCIAS COGNITIVAS: IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO (DESDOBRAMENTO) Pesquisador responsável:

Leia mais

Áreas, sub-áreas e especialidades dos estudos da cognição

Áreas, sub-áreas e especialidades dos estudos da cognição 01. GRANDE ÁREA: CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E NATURAIS 2. Área - Probabilidade Probabilidade Aplicada (aspectos 3. Área - Estatística Fundamentos da Estatística (aspectos Modelagem Estatística Teoria da Amostragem

Leia mais

Crianças autistas e seus familiares: peculiaridades relacionais e afetivas a partir do atendimento em serviço de saúde paulistano

Crianças autistas e seus familiares: peculiaridades relacionais e afetivas a partir do atendimento em serviço de saúde paulistano Crianças autistas e seus familiares: peculiaridades relacionais e afetivas a partir do atendimento em serviço de saúde paulistano Primeiro autor Rosa Maria Monteiro López Antropóloga, Bacharel em Ciências

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

PSICOTERAPIAS: O QUE HÁ DE NOVO?

PSICOTERAPIAS: O QUE HÁ DE NOVO? PSICOTERAPIAS: O QUE HÁ DE NOVO? Roberto Faustino de Paula (palestra proferida durante seminário promovido pela Associação Pernambucana de Terapia Familiar - APETEF Recife, 24/11/12) Quando alguém julga

Leia mais

Objetivos do Curso: Público alvo:

Objetivos do Curso: Público alvo: Formação em Coaching Com Abordagem Neurocientífica, Psicofisiológica, Filosófica e Comportamental. Destinado aos Profissionais das Áreas de Saúde, Educação e Gestão de Pessoas Coaching é a palavra inglesa

Leia mais

Gagueira, neurociência e o sujeito cerebral

Gagueira, neurociência e o sujeito cerebral Gagueira, neurociência e o sujeito cerebral Ana Flávia L.M. Gerhardt IBF UFRJ Criadora e moderadora da lista do yahoo discutindo- gagueira gerhardt@ufrj.br Motivações O movimento epistemológico promovido

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

9. Papel, funções, atuação, limites e possibilidades do pesquisador na concepção burocrática e na concepção complexa de metodologia da pesquisa;

9. Papel, funções, atuação, limites e possibilidades do pesquisador na concepção burocrática e na concepção complexa de metodologia da pesquisa; Setor de Estudos: Fundamentos Teóricos Metodológicos da Psicologia 1. Conhecimentos popular, filosófico, religioso, artístico e científico: relações, construções, dificuldades e desafios do pesquisador;

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa da Disciplina

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa da Disciplina AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa da Disciplina ENSINO SECUNDÁRIO PSICOLOGIA B 12º ANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Fabio Thá Psicólogo, psicanalista, doutor em estudos linguísticos pela UFPR, coordenador do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD Eloy San Carlo Maximo Sampaio- IP-USP Psicólogo, mestrando em Psicologia Clínica IP- USP, Bolsista FAPESP 2011/2013

Leia mais

Grade Curricular - Psicologia (Psicologia - integral)

Grade Curricular - Psicologia (Psicologia - integral) Grade Curricular - Psicologia (Psicologia - integral) SEMESTRE 1 - Obrigatórias BIO0105 Biologia 6 0 6 MAE0112 Introducao a Probabilidade e a Estatistica I 4 0 4 PSA0113 Psicologia da Aprendizagem PSE0101

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Diagnóstico em psicoterapia. Método psicoterapêutico e da avaliação dos seus resultados. Ética dos processos terapêuticos.

Diagnóstico em psicoterapia. Método psicoterapêutico e da avaliação dos seus resultados. Ética dos processos terapêuticos. COMUNS AO DOUTORADO ANÁLISE DE VARIÂNCIA E DE REGRESSÃO Análise de regressão múltipla. Tipos mais comuns de análise de regressão. Análise de variância para planos fatoriais (ANOVA). Análise de variância

Leia mais

Entrevista com Pierre Fédida

Entrevista com Pierre Fédida Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., IV, 1, 168-174 Entrevista com Pierre Fédida (Concedida a Paulo Roberto Ceccarelli em Paris, no dia 27 de julho de 2000) 168 Há algum tempo o Sr. tem utilizado a expressão

Leia mais

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo.

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo. A função especular da fala materna e suas referências ao psiquismo e à constituição do si mesmo. Alexandre Socha No artigo O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil (1967), Winnicott

Leia mais

O ESTUDO DA RELAÇÃO MENTE E CORPO SEGUNDO O PENSAMENTO FUNCIONAL DE WILHELM REICH Alberto Pucci Junior

O ESTUDO DA RELAÇÃO MENTE E CORPO SEGUNDO O PENSAMENTO FUNCIONAL DE WILHELM REICH Alberto Pucci Junior 1 O ESTUDO DA RELAÇÃO MENTE E CORPO SEGUNDO O PENSAMENTO FUNCIONAL DE WILHELM REICH Alberto Pucci Junior Resumo Este artigo apresenta algumas características da técnica de pesquisa desenvolvida por Wilhelm

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Teorias Psicodinâmicas A Psicanálise de Sigmund Freud A perspectiva de

Leia mais

A PSICANÁLISE FREUDIANA E O ATUAL CONTEXTO CIENTÍFICO DA BIOLOGIA DA MENTE Uma discussão a partir das concepções sobre o ego

A PSICANÁLISE FREUDIANA E O ATUAL CONTEXTO CIENTÍFICO DA BIOLOGIA DA MENTE Uma discussão a partir das concepções sobre o ego UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA E METODOLOGIA DAS CIÊNCIAS Josiane Cristina Bocchi A PSICANÁLISE FREUDIANA E O ATUAL CONTEXTO CIENTÍFICO

Leia mais

Referências para citação:

Referências para citação: Referências para citação: CUERVO, Luciane. Articulações entre Música, Educação e Neurociências: Ideias para o Ensino Superior. In: 7 SIMCAM Simpósio de Cognição e Artes Musicais, 2011, Brasília. Anais

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A RELAÇÃO TERAPEUTA-CLIENTE

A RELAÇÃO TERAPEUTA-CLIENTE A RELAÇÃO TERAPEUTA-CLIENTE Os cinco textos que se seguem foram preparados para uma aula ministrada durante concurso de ingresso na carreira docente no Instituto de Psicologia da USP. Resolvemos reuni-los

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA: SUA HISTÓRIA E A INTESDISCIPLINARIDADE EM AULAS DE 45 MINUTOS SEMANAIS

ENSINO DE FILOSOFIA: SUA HISTÓRIA E A INTESDISCIPLINARIDADE EM AULAS DE 45 MINUTOS SEMANAIS ENSINO DE FILOSOFIA: SUA HISTÓRIA E A INTESDISCIPLINARIDADE EM AULAS DE 45 MINUTOS SEMANAIS Frederico Silva Lopes AGUIAR; Carmelita Brito de Freitas FELÍCIO Faculdade de Filosofia (FaFil) - Universidade

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Richard Theisen Simanke Daniele Costa Rachid Lacerda Isabela Souza Conti

Richard Theisen Simanke Daniele Costa Rachid Lacerda Isabela Souza Conti O passo inaugural da psicanálise freudiana finalmente em português Resenha de Sobre a concepção das afasias: um estudo crítico, de Sigmund Freud. Tradução, notas e posfácio de Emiliano de Brito Rossi,

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Psicologia: Teoria e Prática 2007, 9(2):149-154 Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Iraní Tomiatto de Oliveira Universidade Presbiteriana Mackenzie Nessa

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Planificação Psicologia º Ano ANO LETIVO 2015/2016 º GRUPO B MÓDULO 1- Descobrindo a Psicologia 26 1. Especificidade da Psicologia

Leia mais

Sobre a concepção das afasias

Sobre a concepção das afasias Sobre a concepção das afasias Um estudo crítico sigmund freud Dedicado ao sr. Josef Breuer, com admiração e amizade I. Se eu, sem dispor de novas observações próprias, tento tratar de um tema no qual as

Leia mais

MESA REDONDA: EVENTOS PRIVADOS E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO: ACERTOS E EQUÍVOCOS 1

MESA REDONDA: EVENTOS PRIVADOS E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO: ACERTOS E EQUÍVOCOS 1 MESA REDONDA: EVENTOS PRIVADOS E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO: ACERTOS E EQUÍVOCOS 1 O COMPORTAMENTO ENCOBERTO NA PRÁTICA CLÍNICA: UM FIM OU UM MEIO? Roberto Alves Banaco 2 Antes de iniciar a discussão proposta

Leia mais

LEITURAS SOBRE NEUROCIÊNCIAS NA MÍDIA: CONSIDERAÇÕES PARA O ENSINO DE BIOLOGIA.

LEITURAS SOBRE NEUROCIÊNCIAS NA MÍDIA: CONSIDERAÇÕES PARA O ENSINO DE BIOLOGIA. LEITURAS SOBRE NEUROCIÊNCIAS NA MÍDIA: CONSIDERAÇÕES PARA O ENSINO DE BIOLOGIA. GUILHERME TRÓPIA BARRETO DE ANDRADE (PPGECT/UFSC). Resumo Com o propósito de compreender alguns dispositivos discursivos

Leia mais

CURSO ESTRATÉGIAS TERAPÊUTICAS PARA AS DOENÇAS DA ALMA.

CURSO ESTRATÉGIAS TERAPÊUTICAS PARA AS DOENÇAS DA ALMA. CURSO ESTRATÉGIAS TERAPÊUTICAS PARA AS DOENÇAS DA ALMA. JUSTIFICATIVA Apesar dos avanços tecnológicos e o aperfeiçoamento dos métodos especializados e modernos da prática médica tradicional, fica cada

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA Munir os alunos de conhecimentos sobre: estudo dos fenômenos psicológicos da relação homemtrabalho; Abordar temas como as influências da estrutura e da cultura organizacional sobre o comportamento,

Leia mais

MONITORIA PRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA

MONITORIA PRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA ANEXO IV - EDITAL Nº. 15/2011 PERÍODO: 2012/01 INSTITUTO DE DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E E ARTES -- ICHLA MONITORIA PRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PSICOLOGIA VAGAS DIA CARGA Introdução à Psicologia

Leia mais

ELEMENTOS DA HOMINIZAÇÃO

ELEMENTOS DA HOMINIZAÇÃO 1 ELEMENTOS DA HOMINIZAÇÃO Ao descobrir a Psicanálise Freud se defrontou com a inesperada necessidade de lançar mão de conceitos que pertencem a outras ciências como a Antropologia e a Lingüística, já

Leia mais

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2 INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA MÓDULO: REAL, SIMBÓLICO E IMAGINÁRIO Quintas-feiras, horário: 9:30 às 11:30h, semanal

Leia mais

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) -------

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Transferência Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Erros na tradução da Imago: 1 Página 505: 5a. linha (de baixo para cima: não consenso,

Leia mais

Contardo Calligaris. Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses. z Zagodoni. 2 a edição. Editora

Contardo Calligaris. Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses. z Zagodoni. 2 a edição. Editora Contardo Calligaris Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses 2 a edição z Zagodoni Editora Copyright 2013 by Contardo Calligaris Todos os direitos desta edição reservados à Zagodoni Editora Ltda.

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

PSICOLOGIA. INTRODUÇÃO À FILOSOFIA 54 54 HISTÓRIA DA PSICOLOGIA 72 72 1º SOCIOLOGIA 36 36 Temática: INTRODUÇÃO À METODOLOGIA CIENTÍFICA 36 36

PSICOLOGIA. INTRODUÇÃO À FILOSOFIA 54 54 HISTÓRIA DA PSICOLOGIA 72 72 1º SOCIOLOGIA 36 36 Temática: INTRODUÇÃO À METODOLOGIA CIENTÍFICA 36 36 PSICOLOGIA INTRODUÇÃO À FILOSOFIA 54 54 HISTÓRIA DA PSICOLOGIA 72 72 1º SOCIOLOGIA Temática: INTRODUÇÃO À METODOLOGIA CIENTÍFICA Psicologia: PSICOLOGIA: CIÊNCIA E PROFISSÃO 36 36 72 Ciência e ANTROPOLOGIA

Leia mais

EMENTAS CURRÍCULOS 1/310 E 1/311. Nível I 24 Créditos

EMENTAS CURRÍCULOS 1/310 E 1/311. Nível I 24 Créditos EMENTAS CURRÍCULOS 1/310 E 1/311 Nível I 24 Créditos Fundamentos Epistemológicos e História da Psicologia Ementa: Compreensão da epistemologia e história dos diferentes períodos que influenciaram o surgimento

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015 1. INTRODUÇÃO 340 Psicologia B O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino secundário, a realizar em 2015 pelos alunos que se encontram abrangidos

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

5. Referências bibliográficas:

5. Referências bibliográficas: 82 5. Referências bibliográficas: ASSOUN, P. Lecciones Psicoanalíticas sobre Hermanos y Hermanas., Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 1998. BENGHOZI, P. E FERÉS- CARNEIRO, T. Laço frátrio e continente

Leia mais

Currículo 1/306 (tarde e noite)

Currículo 1/306 (tarde e noite) Currículo 1/306 (tarde e noite) Nível I - 24 créditos Fundamentos Epistemológicos e Históricos da Psicologia Ementa: Paradigmas epistemológicos e históricos e suas influências na Psicologia: Estruturalismo,

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 5

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 5 O aparelho psíquico: memória, satisfação e desejo Lilany Vieira Pacheco Como anunciado na Agenda, esta é a vigésima quarta edição das Lições Introdutórias, agora com nova dupla de coordenadores. O nome

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA 1º SEMESTRE Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo-funcional de estruturas orgânicas na relação com manifestações emocionais.

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

PODERES DO PSICANALISTA

PODERES DO PSICANALISTA Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 PODERES DO PSICANALISTA Nelisa Guimarães O título tem o duplo sentido de discutir o que pode um psicanalista na clínica a partir

Leia mais

A psicoterapia é um processo que permite transformações profundas da pessoa, com resultados evidentes em diversas situações como:

A psicoterapia é um processo que permite transformações profundas da pessoa, com resultados evidentes em diversas situações como: UMA INTRODUÇÃO À PSICOTERAPIA Oferecido em Su Casa por Joana Sepreny Martins por Artur Scarpato A Psicoterapia é um método de tratamento, uma aplicação dos conhecimentos da Psicologia e da Psicopatologia

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA A NATUREZA DO PSÍQUICO E O SENTIDO DA METAPSICOLOGIA NA PSICANÁLISE FREUDIANA Aluna: Fátima

Leia mais

René Roussillon. Beatriz Pinheiro de Andrade*** Pedro Salem*** Perla Klautau***

René Roussillon. Beatriz Pinheiro de Andrade*** Pedro Salem*** Perla Klautau*** Entrevista René Roussillon René Roussillon Beatriz Pinheiro de Andrade*** Pedro Salem*** Perla Klautau*** Durante o 71 Congresso de Psicanalistas de Língua Francesa (CPLF), realizado em Paris entre 2 e

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

Currículo 1/305 (noite)

Currículo 1/305 (noite) Currículo 1/305 (noite) Nível I - 24 créditos Fundamentos Epistemológicos e Históricos da Psicologia Ementa: Paradigmas epistemológicos e históricos e suas influências na Psicologia: Estruturalismo, Associacionismo,

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação Faculdade de Humanidades e Direito Curso de Filosofia EAD VI semestre Módulo Formação Docente Prof. Dr. Paulo Bessa da Silva Objetivo O objetivo desta teleaula é apresentar os fundamentos

Leia mais

Currículo 1/307 (noite) e 1/308 (tarde e noite)

Currículo 1/307 (noite) e 1/308 (tarde e noite) Currículo 1/307 (noite) e 1/308 (tarde e noite) Nível I - 26 créditos Fundamentos Epistemológicos e História da Psicologia Ementa: Caracterização dos diferentes paradigmas de ciência e suas repercussões

Leia mais

AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE.

AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE. AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE. Mônica Cintrão França Ribeiro Universidade Paulista (UNIP) Comunicação Científica RESUMO O objetivo desse estudo

Leia mais

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Joel Jessen Traduzido para o Português do Brasil por Guita R. Herman a partir da versão inglesa

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Especial O equilíbrio do cérebro

Especial O equilíbrio do cérebro Especial O equilíbrio do cérebro Uma boa notícia para depressivos, ansiosos e fóbicos: amparados em novas descobertas, psiquiatras e psicólogos unem forças para combater os transtornos da mente, superando

Leia mais

DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão

DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão Diálogos da última edição deste Boletim trouxe os bastidores e um pouco da história dos nossos eventos. Desta feita, apontamos nossa mira

Leia mais

TEORIAS DA PERSONALIDADE

TEORIAS DA PERSONALIDADE 1 Ano Lectivo 2010/11 Psicologia do Desporto e do Exercício PROGRAMA UNIDADE CURRICULAR TEORIAS DA PERSONALIDADE Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior Anabela Vitorino

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 05/03/2008

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 05/03/2008 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 05/03/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Educnet Consultoria Educacional Ltda.

Leia mais

APRENDIZAGEM MOTORA E COGNIÇÃO EM PORTADORES DE DEFICIÊNCIA. por Ruth Eugênia Cidade * Maria da Consolação G. C. F. Tavares ** Iverson Ladewig ***

APRENDIZAGEM MOTORA E COGNIÇÃO EM PORTADORES DE DEFICIÊNCIA. por Ruth Eugênia Cidade * Maria da Consolação G. C. F. Tavares ** Iverson Ladewig *** APRENDIZAGEM MOTORA E COGNIÇÃO EM PORTADORES DE DEFICIÊNCIA por Ruth Eugênia Cidade * Maria da Consolação G. C. F. Tavares ** Iverson Ladewig *** RESUMO Para que o professor possa otimizar a aprendizagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º PS578- CONTROVÉRSIAS NA PSICOLOGIA OBRIG 60 0 60 4.0 Fórmula: PS272 PS272- PSICOLOGIA DIFERENCIAL IDENTIFICAÇÃO DE TEMAS GERADORES DE TENSÃO NO SABER PSICOLÓGICO. PRÁTICA INTENSIVA E ESTRUTURADA

Leia mais

A VISÃO ESPÍRITA DO SONO E DOS SONHOS

A VISÃO ESPÍRITA DO SONO E DOS SONHOS A VISÃO ESPÍRITA DO SONO E DOS SONHOS Capa: Equipe O Clarim Projeto gráfico: Equipe O Clarim Revisão: Enéas Rodrigues Marques Todos os direitos reservados Casa Editora O Clarim (Propriedade do Centro Espírita

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às transformações. Eixo temático 3 A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com intensidade pela dupla, seja

Leia mais

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii SUMÁRIO Introdução XV 1. Construção do Campo do Trabalho no Pensamento Ocidental como Condição para a Emergência da Psicologia do Trabalho

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 2009/1 EMENTAS

MATRIZ CURRICULAR 2009/1 EMENTAS MATRIZ CURRICULAR 2009/1 EMENTAS DISCIPLINA: Estatística aplicada à psicologia Ementa: Técnicas de amostragem. Introdução ao estudo de probabilidades. Distribuição binomial. Curva normal. Estimação de

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

REVISÃO DE LITERATURA: ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM NO ACOMPANHAMENTO PSCIOPEDAGÓGICO EM SUJEITOS COM DISLEXIA DO DESENVOLVIMENTO RESUMO

REVISÃO DE LITERATURA: ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM NO ACOMPANHAMENTO PSCIOPEDAGÓGICO EM SUJEITOS COM DISLEXIA DO DESENVOLVIMENTO RESUMO 1 REVISÃO DE LITERATURA: ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM NO ACOMPANHAMENTO PSCIOPEDAGÓGICO EM SUJEITOS COM DISLEXIA DO DESENVOLVIMENTO Andréa Carla Machado Mestranda em Educação Especial bolsista CNPq Universidade

Leia mais

A Teoria de Campo Gestalt

A Teoria de Campo Gestalt A Teoria de Campo Gestalt MARIA APPARECIDA MAMEDE NEVES A Teoria de Campo Gestalt foi inicialmente desenvolvida de modo formal no início da década de 20, pelo filósofo e psicólogo alemão Max Wertheimer

Leia mais

A Sociologia e os Estudos do Turismo: algumas divagações 1 Vera Maria Guimarães 2 Universidade de Caxias do Sul

A Sociologia e os Estudos do Turismo: algumas divagações 1 Vera Maria Guimarães 2 Universidade de Caxias do Sul - 1- V Seminário de Pesquisa em Turismo do MERCOSUL SeminTUR Turismo: Inovações da Pesquisa na América Latina A Sociologia e os Estudos do Turismo: algumas divagações 1 Vera Maria Guimarães 2 Universidade

Leia mais

28/11/2007 - Quart ética. Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz

28/11/2007 - Quart ética. Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz 28/11/2007 - Quart ética Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz Agradeço o convite para participar deste encontro. Considero muito importante a iniciativa

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

ERRATA Nº 01. Art. 1 - Retifica-se, na página 02, o item 4 do Cronograma do Concurso, o qual passa a vigorar com a data de 20/04/2012.

ERRATA Nº 01. Art. 1 - Retifica-se, na página 02, o item 4 do Cronograma do Concurso, o qual passa a vigorar com a data de 20/04/2012. ERRATA Nº 01 Art. 1 - Retifica-se, na página 02, o item 4 do Cronograma do Concurso, o qual passa a vigorar com a data de 20/04/2012. Art. 2º - Retifica-se o item 5.3.4, que passa a vigorar com a seguinte

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CASO CLÍNICO E A PSICANÁLISE NO CONTEXTO DA CLÍNICA-ESCOLA 1

A CONSTRUÇÃO DO CASO CLÍNICO E A PSICANÁLISE NO CONTEXTO DA CLÍNICA-ESCOLA 1 A CONSTRUÇÃO DO CASO CLÍNICO E A PSICANÁLISE NO CONTEXTO DA CLÍNICA-ESCOLA 1 Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti * Psic. Res. Fernanda Borges * Psic. Res. Silvia Louise Rosa de Oliveira * O presente texto

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO Sandra C. Tschirner 1 Winnicott compreende que as técnicas psicanalíticas clássicas atenderiam a um grupo específico de pacientes, aos neuróticos, que

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES Eliana Rela 1 Karla Marques da Rocha 2 Marceli Behm Goulart 3 Marie Jane Soares Carvalho 4 RESUMO: É inadiável tentar

Leia mais

O CÉREBRO DA CRIANÇA

O CÉREBRO DA CRIANÇA O CÉREBRO DA CRIANÇA Documentário da série A vida secreta do cérebro SINOPSE Uma professora de psicologia discute e apresenta uma proposta de atividade sobre o documentário Com a sílaba do som o cérebro

Leia mais

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Kelly Gonçalves da Silva gsilva.kelly@gmail.com Instituto de Psicologia 12º período Clara Castilho Barcellos

Leia mais

Dra. Suziane Sasaki ABPp nº 11634 AESP n 041028 CRT 36708. Dicas de leitura:

Dra. Suziane Sasaki ABPp nº 11634 AESP n 041028 CRT 36708. Dicas de leitura: Dicas de leitura: 1. Sigmund Freud (1856 a 1939) médico neurologista fundador da psicanálise: - Publicações Pré-psicanalíticas e Esboços Inéditos (1886-1889). - Estudos sobre a Histeria (1893-1899). -

Leia mais

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Tailene Kommling Behling(Acadêmica de Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Católica de Pelotas/UCPEL Bolsista PRONECIM) Viviane Barneche Fonseca

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Carlos Henrique Kessler Foi com muita satisfação que recebi o convite para colaborar com este Informativo, abordando o tema Clínica-escola de psicologia: ética

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Psicologia

Estrutura Curricular do Curso de Psicologia Estrutura Curricular do Curso de Psicologia 1º Período Bases Culturais da Psicologia - Bases Sociais da Psicologia - Leitura e Produção de Texto - 57 Fundamentos da Anatomia Humana - História da Psicologia

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO 1 Conteúdos conceituais ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO CONSTRUÇÃO DO PENSAMENTO PSICOLÓGICO Definição dos conceitos de conhecimento científico e de senso comum; Estudo do processo de obtenção

Leia mais

Psicologia USP versão impressa ISSN 0103-6564. Psicol. USP v.12 n.2 São Paulo 2001. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65642001000200019

Psicologia USP versão impressa ISSN 0103-6564. Psicol. USP v.12 n.2 São Paulo 2001. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65642001000200019 Psicologia USP versão impressa ISSN 0103-6564 Psicol. USP v.12 n.2 São Paulo 2001 http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65642001000200019 PSICANÁLISE E UNIVERSIDADE: PESQUISA Cláudio Laks Eizirik 1 Universidade

Leia mais