Conselho Geral Transitório. Ag4 de Odivelas LINHAS ORIENTADORAS DO ORÇAMENTO PARA 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conselho Geral Transitório. Ag4 de Odivelas LINHAS ORIENTADORAS DO ORÇAMENTO PARA 2014"

Transcrição

1 Conselho Geral Transitório Ag4 de Odivelas LINHAS ORIENTADORAS DO ORÇAMENTO PARA 2014 Comissão Eventual do Conselho Geral Transitório, nomeada na sua sessão de 13 de Janeiro de 2014, para elaborar um Projecto para as Linhas Orientadoras do Orçamento do Ag4. No dia 07 de Fevereiro de 2014, pelas 18.30h, a vossa comissão encarregada de preparar o Projecto de Linhas Orientadoras do Orçamento do Ag4 (PLOO) para o ano de 2014, conforme competência definida pelo Artigo 13º, alínea h) do Decreto Lei nº 75/2008, de 22 de Abril, reuniu, tendo como base o documento Contribuição para a Definição das Linhas Orientadoras do Orçamento, entregues ao Presidente do CGT, pelo Presidente da CAP, em 03 de Fevereiro de 2014 (ANEXO I). A - Apreciação formal do documento elaborado pelo Director da Escola O documento apresentado pelo Presidente da CAP elenca um conjunto de Intenções meritórias que merecem o apoio do Conselho Geral Transitório, embora eventualmente parcelares e incompletamente explicitadas. As Linhas Orientadoras do Orçamento decorrentes destas Intenções cobrem igualmente três áreas de intervenção, sem dúvida pertinentes, mas deixa em aberto outras necessidades urgentes da Escola, verificáveis por forma empírica. B Contexto do Projecto de Linhas Orientadoras do Orçamento para o ano de 2014 Para elaborar o seu PLOO, o Conselho Geral Transitório tem em atenção os seguintes dados e constrangimentos: DADOS: 1. Balancete do Orçamento Geral do Ag4 referente a Dezembro de 2013; 2. Receitas e saldo do Orçamento Privativo do Ag4 em 2013; 3. Contribuição para a definição das Linhas Orientadoras do Orçamento 2014, apresentadas pelo Presidente da CAP. CONSTRANGIMENTO 4. A ausência de um Plano de Necessidades que oriente as prioridades que devem presidir à apresentação do Orçamento, constitui um forte constrangimento no que toca à definição das Linhas Orientadoras do Orçamento de 2014, já detectável nos anteriores Orçamentos de 2012 e Nas circunstâncias actuais, um Plano de Necessidades apresenta-se ainda mais urgente e imprescindível, já que se tornaram de todo imperceptíveis, de modo

2 empírico, as necessidades pedagógicas e administrativas do Ag4, em função da dimensão e da diversidade dos espaços educativos. HISTÓRICO 6. As Linhas Orientadoras para o Orçamento apresentadas pelos Conselhos Gerais em 2012 e 2013 apresentam um conjunto de recomendações que, no juízo deste Conselho, se mantêm actuais em 2014, a saber: i) Urgência na elaboração de um Plano de Necessidades do Ag4; ii) Sugestão de um pedido de reforço de verba para colmatar as necessidades urgentes de reforma de instalações e manutenção de equipamentos; iii) Sugestão de exploração da possibilidade de fontes alternativas de financiamento ou de equipamento, com recurso ao apoio da comunidade escolar. APROVAÇÃO DO ORÇAMENTO DE A aprovação do Orçamento de 2012 permitiu verificar um conjunto de procedimentos administrativos e financeiros inadequados à situação da ESO e que continuam patentes no Balancete do Ag4 apresentado em Dezembro de 2013, a saber: i) inexistência de reforço de verbas orçamentais (por comparação entre os orçamentos de 2012 e 2013), de todo incompatível com as necessidades muito urgentes de manutenção das instalações e equipamentos educativos; ii) persistência de saldos positivos crescentes do Orçamento de Receitas próprias, já existentes à altura da Aprovação do Orçamento de 2012, considerados inexplicáveis nessa altura face aos problemas existentes. C Princípios orientadores da elaboração do Orçamento O Conselho considera adequadas as intenções expressas pelo Director na Contribuição para a Definição das Linhas Orientadoras do Orçamento e acrescenta as seguintes recomendações para a elaboração do Orçamento: 1. Elaboração de um Plano de Necessidades do Ag4 nos domínios das instalações, equipamentos, manutenção, material didático e serviços, com definição clara das prioridades para o ano de 2014; 2. Pré-orçamentação das intervenções no Ag4 no domínio da manutenção e renovação das instalações e equipamento, por modo a poder fundamentar reforços orçamentais ou vias alternativas de financiamento. 3. Definição de metas anuais objetivas de poupança de energia, água e comunicações com base em estudos rigorosos de análise geral ou sectorial. 4. Exploração de formas de financiamento alternativo ou de obtenção de equipamentos e de serviços por meio de contratos de cedência ou de parceria, com a colaboração da comunidade escolar; 5. Elaboração de um Plano Orçamental com objectivos claros e orçamentados, por modo a facilitar o controlo sistemático da sua execução e a resposta urgente a despesas inesperadas ou casos de emergência. 6. Programação de um balancete semestral da execução do Orçamento, a apresentar pelo Diretor em reunião do Conselho Geral; 7. Orçamentação prévia das actividades programadas pelos diferentes corpos do Ag4 no Plano Anual de Actividades;

3 8. Em anos futuros, apresentação das Linhas Orientadoras do Orçamento, pela parte do Conselho Geral, no mês de Dezembro anterior ao ano económico a que se destinam. D Algumas propostas de cabimentação orçamental 1. Consideração de um montante significativo destinado a trabalhos urgentes e imprescindíveis de manutenção de instalações e equipamentos; 2. Consideração de um reforço de verba para trabalhos de renovação de coberturas dos pavilhões e dos espaços exteriores, nos quais são utilizados materiais sobre os quais recaem dúvidas de malefícios para a saúde, de roturas dos pavimentos e de renovação das casas de banho de alunos e de professores; 3. Consideração de uma verba suficiente para garantir a limpeza adequada diária e continuada -, dos espaços educativos e dos espaços de grande circulação, como átrios e corredores, reforçando assim a falta de meios criada pela cessação de uma empresa de limpeza ao serviço do Ag4; 4. Consideração de uma verba suficiente para o equipamento, com papel higiénico e sabonete líquido de, pelo menos, uma casa de banho dos alunos por Pavilhão durante todo o tempo da sua utilização; 5. Cativação de uma verba de montante fixado para acorrer aos casos de carência de alunos com dificuldades económicas e não cobertas pelo SASE; 6. Cativação de uma verba de montante fixado para promover a mobilidade de alunos com dificuldades económicas, em casos de deslocação para fora da escola, designadamente em visitas de estudo; 7. Equipamento de projectores de imagem nas salas em que não existem; equipamento de todos os sistemas informáticos das salas de aula com uma ficha de junção dos (dois) cabos de ligação; : Escola Secundária de Odivelas, 07 de Fevereiro de 2014 Comissão Eventual: Luís Farinha Álvaro Marçal Carla Ganhão Célia Tomás Olga Nicolau Validação do Documento O documento foi aprovado por unanimidade pelo Conselho Geral Transitório na sua reunião ordinária de 10/02/2014.

4 Luís Farinha (Presidente do Conselho Geral Transitório) ANEXO I Enviado ao CGT pelo Sr. Presidente da CAP: CONTRIBUIÇÃO PARA A DEFINIÇÃO DAS LINHAS ORIENTADORAS DO ORÇAMENTO A elaboração do orçamento para o ano económico de 2014 deve considerar as intenções e as linhas de orientação que a seguir se enumeram. Intenções Dar prioridade, sempre que possível, às opções de natureza pedagógica na comparação com as opções de natureza administrativa. Responder, tanto quanto possível, às necessidades financeiras das actividades propostas no plano anual de actividades. Implementar medidas de desburocratização e simplificação. Linhas orientadoras do orçamento De natureza pedagógica Aquisição de material educativo e didáctico, para os grupos de recrutamento e biblioteca. De instalações/segurança Melhoria do espaço escolar, reforçando as verbas de conservação de bens. De equipamento Aquisição de 15 videoprojectores. Substituição dos quadros de giz mais degradados, por quadros brancos. Aquisição de cadeiras e mesas para os grupos de recrutamento e salas de aula.

5

Proposta de linhas orientadoras para a elaboração do orçamento de 2016

Proposta de linhas orientadoras para a elaboração do orçamento de 2016 Proposta de linhas orientadoras para a elaboração do orçamento de 2016 Introdução: De entre as competências atribuídas ao Conselho Geral, no âmbito do decreto-lei nº 75/2008 de 22 de abril, pela redação

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Escola Básica 2/3 Martim de Freitas Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais 2009/2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS REGIMENTO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 40/XIII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 40/XIII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 40/XIII Exposição de Motivos A aprovação de uma Lei de programação de infraestruturas e equipamentos para as Forças e Serviços de Segurança do Ministério da Administração Interna (Lei

Leia mais

Autonomia e Gestão Novos Desafios

Autonomia e Gestão Novos Desafios Autonomia e Gestão Novos Desafios Francisco Oliveira Reforço da participação das famílias e comunidades na direcção estratégica da Escola Reforçar a liderança das Escolas Reforço da autonomia das Escolas

Leia mais

Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor

Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor OBJECTO O presente regulamento estabelece as condições de acesso e normas para a eleição do diretor da Escola Secundária Quinta das Palmeiras,

Leia mais

Encontros Temáticos Autonomia das Escolas e Avaliação do Desempenho Docente Parte II Autonomia das Escolas

Encontros Temáticos Autonomia das Escolas e Avaliação do Desempenho Docente Parte II Autonomia das Escolas REGIME JURÍDICO DE AUTONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO Decreto-lei nº 75/2008 de 22 de Abril Maio de 2008 Disposições transitórias e finais (Cap. VIII) [artigos 60º-72º] Disposições transitórias Conselho

Leia mais

Relatório do Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho na Administração Pública 2013/14

Relatório do Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho na Administração Pública 2013/14 Relatório do Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho na Administração Pública 213/14 da Universidade do Minho Maio de 215 471-57 Braga P Etapas formais: Pretende-se com este documento elaborar um

Leia mais

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO)

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) 1.1 Missão Capítulo 1. Missão e Política A biblioteca escolar no ensino-aprendizagem para todos. A biblioteca escolar proporciona informação e ideias

Leia mais

JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 27 de setembro de 2013

JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 27 de setembro de 2013 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 27 de setembro de 2013 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho n.º 143/2013 Dá nova redação ao Despacho

Leia mais

Capítulo I. Composição/eleição do Delegado. Artº 1º. Definição

Capítulo I. Composição/eleição do Delegado. Artº 1º. Definição Regimento do Grupo de Recrutamento 530 Secretariado Capítulo I Composição/eleição do Delegado Artº 1º Definição O Grupo de Recrutamento 530 é uma estrutura pertencente ao Departamento Curricular de Ciências

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Quadriénio 2009-2013 Segundo o artigo 68º do Regulamento Interno, aprovado em 4 de Janeiro de 2011, para o quadriénio 2009/2013,

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

Orçamento Participativo da Escola - OPE

Orçamento Participativo da Escola - OPE Orçamento Participativo da Escola - OPE 2017 O orçamento participativo nas escolas constitui-se como uma forma de estimular a participação cívica e democrática dos alunos, promovendo o espírito de cidadania

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO. Introdução RELATÓRIO DE GESTÃO Introdução O relatório de gestão enquadra-se no âmbito da prestação de contas relativa ao exercício de 2010 e foi elaborado de acordo com os procedimentos estabelecidos no Plano Oficial

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTIGO 1º (DEFINIÇÕES ) O presente Regulamento, disciplina a concessão de apoios a prestar, pelas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. FR ANCISCO FERNANDES LOPES BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO DE ACÇÃO

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. FR ANCISCO FERNANDES LOPES BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO DE ACÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA DR. FR ANCISCO FERNANDES LOPES BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO DE ACÇÃO 2009-2013 Introdução O Plano de Acção da Biblioteca Escolar para o quadriénio 2009/2013 encontra-se dividido em quatro

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CINFÃES Ano Letivo 2012/2013 REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CINFÃES Ano Letivo 2012/2013 REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA Regimento da Comissão de Avaliação Interna Preâmbulo O conteúdo do presente Regimento resulta do desenvolvimento de uma conceção de avaliação justa e cooperativa

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pedro Álvares Cabral Belmonte Escola Sede: Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos com Ensino Secundário

Agrupamento de Escolas Pedro Álvares Cabral Belmonte Escola Sede: Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos com Ensino Secundário Agrupamento de Escolas Pedro Álvares Cabral Belmonte Escola Sede: Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos com Ensino Secundário Pedro Álvares Cabral - Belmonte Regulamento para a Eleição do Director do Agrupamento

Leia mais

Que Serviços de Nova Geração para a Educação? Museu da Electricidade 8 de Julho de 2009

Que Serviços de Nova Geração para a Educação? Museu da Electricidade 8 de Julho de 2009 Que Serviços de Nova Geração para a Educação? Museu da Electricidade 8 de Julho de 2009 plano tecnológico da educação objectivo estratégico e metas objectivo estratégico colocar Portugal entre os cinco

Leia mais

Fundação Escola Gest ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE MANTEIGAS Centro De Férias Da Sicó - Senhora De Fátima Manteigas

Fundação Escola Gest ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE MANTEIGAS Centro De Férias Da Sicó - Senhora De Fátima Manteigas ESTATUTOS DA EPHM Artigo 1.º A Escola Profissional de Hotelaria de Manteigas, adoptou esta designação aquando da sua criação, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 26/89 de 21 de Janeiro, por Contrato Programa

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

Avaliação Interna do Desempenho Docente Avaliação do Diretor. Critérios para a Avaliação Interna do Diretor

Avaliação Interna do Desempenho Docente Avaliação do Diretor. Critérios para a Avaliação Interna do Diretor Direção Geral dos Equipamentos Escolares Escola Secundária da Baixa da Banheira, Vale da Amoreira-Moita (403234) Avaliação Interna do Desempenho Docente Avaliação do Diretor Critérios para a Avaliação

Leia mais

Regulamento do Procedimento Concursal para eleição do Director do Conservatório de Música de Coimbra

Regulamento do Procedimento Concursal para eleição do Director do Conservatório de Música de Coimbra Regulamento do Procedimento Concursal para eleição do Director do Conservatório de Música de Artigo 1.º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso e normas do concurso para a eleição

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIDADE DA EDUCAÇÃO (Despacho nº 23/ME/95)

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIDADE DA EDUCAÇÃO (Despacho nº 23/ME/95) SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIDADE DA EDUCAÇÃO (Despacho nº 23/ME/95) - Organização de actividades de intercâmbio, entre as escolas, de projectos de inovação ou de investigação REGULAMENTO ESPECÍFICO -

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES Objecto O presente regulamento, elaborado nos termos e ao abrigo do disposto nos artigos 21.º a 23.º do Decreto Lei

Leia mais

associação de pais / encarregados de educação do agrupamento de escolas do concelho de Valença do Minho Relatório de Atividades e Contas 2014/2015

associação de pais / encarregados de educação do agrupamento de escolas do concelho de Valença do Minho Relatório de Atividades e Contas 2014/2015 Relatório de Atividades e Contas 2014/2015 Com o presente relatório a Associação de Pais e Encarregados de Educação do Concelho de Valença vem informar os seus associados sobre as atividades desenvolvidas

Leia mais

Relatório de Contas de Gerência

Relatório de Contas de Gerência Relatório de Contas de Gerência Período: 01 de janeiro a 31 dezembro 2014 A INTRODUÇÃO Para cumprimento no estabelecido na alínea j) do nº 1 do artigo 13º do Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de Abril, alterado

Leia mais

Plano Estratégico do Departamento de Matemática e Ciências Experimentais

Plano Estratégico do Departamento de Matemática e Ciências Experimentais 1. Introdução O Plano Estratégico é um instrumento de gestão orientado para a produção de decisões e de acções que guiam o que uma organização quer alcançar a partir da formulação do que é. A elaboração

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO FERNANDO NAMORA DE CONDEIXA-A-NOVA

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO FERNANDO NAMORA DE CONDEIXA-A-NOVA CÓDIGO DA ESCOLA 404457 CONTRIBUINTE Nº: 600074129 RUA LONGJUMEAU 3150-122 CONDEIXA-A-NOVA Telf.: 239940200 Fax: 239941090 Email: info@eps-condeixa-a-nova.rcts.pt REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 1. Âmbito O presente Regulamento visa definir as condições de acesso e financiamento a projectos

Leia mais

NCE/10/00981 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00981 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00981 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO. Introdução RELATÓRIO DE GESTÃO Introdução O relatório de gestão enquadra-se no âmbito da prestação de contas relativa ao exercício de 2010 e foi elaborado de acordo com os procedimentos estabelecidos no Plano Oficial

Leia mais

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DO CENFORMA 2 Artigo 1.º Definição 1. O Regimento Interno da Secção de Formação e

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS NOTA JUSTIFICATIVA (art.º 116.º do Código do Procedimento Administrativo) Considerando que: Cada vez mais é imprescindível a intervenção da freguesia no âmbito da Acção Social,

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA L sa Regulamento de Apoio Financeiro ao Movimento Associativo da Freguesia das Alcáçovas APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA Junta de Freguesia das Alcáçovas Abril 2010 INTRODUÇÃO O movimento

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DA AVALIAÇÃO INTERNA. Relatório Final. Ano Lectivo 2010/ Plano de trabalhos/ acções previsto

GRUPO DE TRABALHO DA AVALIAÇÃO INTERNA. Relatório Final. Ano Lectivo 2010/ Plano de trabalhos/ acções previsto GRUPO DE TRABALHO DA AVALIAÇÃO INTERNA Relatório Final Ano Lectivo 2010/2011 1. Plano de trabalhos/ acções previsto Escola Secundária Dr. José Afonso RF: 2010-11 Calendarização dos principais processos

Leia mais

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo 1/5

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo 1/5 1/5 APONTAMENTOS LEGISLATIVOS FINANÇAS LOCAIS N.º 2 / CCDR LVT /2016 ASSUNTO: MUNICÍPIOS: RECOMENDAÇÕES A TER EM CONTA NA ELABORAÇÃO DOS DOCUMENTOS PREVISIONAIS No âmbito do acompanhamento das finanças

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 (Âmbito)

Leia mais

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade Implementação do Sistema de Gestão de Qualidade da Segurança Social Nível C 1.1.Reflexão sobre o que significa um processo de Qualidade Pertinência / Oportunidade para o CST IPSS Reunião Técnica 5 de Fevereiro

Leia mais

REGULAMENTO PARA PROCESSO CONCURSAL DE ELEIÇÃO DO DIRETOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SÁ DA BANDEIRA

REGULAMENTO PARA PROCESSO CONCURSAL DE ELEIÇÃO DO DIRETOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SÁ DA BANDEIRA REGULAMENTO PARA PROCESSO CONCURSAL DE ELEIÇÃO DO DIRETOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SÁ DA BANDEIRA Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento define as condições de acesso e as regras a observar no procedimento

Leia mais

Município de Chamusca AV I S O

Município de Chamusca AV I S O Município de Chamusca AV I S O Dr. Paulo Jorge Mira Lucas Cegonho Queimado, Presidente da Câmara Municipal de Chamusca. TORNA PÚBLICO que, nos termos e para os efeitos do disposto no art.118. º do Código

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA DE MUSICA Artigo 1º Objecto A Associação Cultural Musimax é uma Escola do Ensino Artístico Especializado em Música, e tem como principal objecto o ensino da música. Artigo

Leia mais

Sessão ordinária da Assembleia Municipal

Sessão ordinária da Assembleia Municipal Sessão ordinária da Assembleia Municipal Data: 30 de junho de 2014 Hora: 14.30 horas Local: Salão Nobre dos Paços do Município DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA I PERÍODO DA ORDEM DO DIA PONTO 1: DISCUSSÃO

Leia mais

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO (Anexo I do Regulamento Interno 2009.13) Uma visita de estudo é uma actividade decorrente do Projecto Educativo do Agrupamento e enquadrável no âmbito do desenvolvimento

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA A integração no espaço europeu de ensino superior das instituições académicas portuguesas trouxe consigo a necessidade de adoptar

Leia mais

A CONTA GERAL DO ESTADO

A CONTA GERAL DO ESTADO Seminario sobre Responsabilização Financeira e Prestação de Contas Ministerio de Finanças e Cooperação Internacional(MFCI) S.Tomé, 28 à 30 de Maio 2012 A CONTA GERAL DO ESTADO Prestação de Contas Aprovação

Leia mais

Jornal da República. Diploma Ministerial nº 9/2011. de 13 de Abril

Jornal da República. Diploma Ministerial nº 9/2011. de 13 de Abril Diploma Ministerial nº 9/2011 de 13 de Abril Aprova o Regimento Interno e Procedimentos de execução do Conselho de Administração do Fundo de Desenvolvimento do Capital Humano - FDCH O Fundo de Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias, devido à sua proximidade com a população, são os órgãos de poder que mais facilmente poderão desenvolver condições

Leia mais

ANO:2011 Ministério da Justiça. Instituto de Gestão Financeira e Infra Estruturas da Justiça, IP. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais

ANO:2011 Ministério da Justiça. Instituto de Gestão Financeira e Infra Estruturas da Justiça, IP. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais ANO:211 Ministério da Justiça Instituto de Gestão Financeira e Infra Estruturas da Justiça, IP MISSÃO: Assegurar a gestão orçamental, financeira e das instalações afectas ao Ministério da Justiça. Objectivos

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário Escola Secundária de Felgueiras 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário (Decreto-Lei 139/2012, de 5 de julho, e Portaria 243/2012, de 10 de agosto) O processo de avaliação de alunos

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS Janeiro 2017 ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS O Orçamento Participativo das Escolas tem como objetivos contribuir para as comemorações do Dia do Estudante e estimular a participação cívica e democrática

Leia mais

Relatório de Progresso do Projecto SGQIPS 2011

Relatório de Progresso do Projecto SGQIPS 2011 ESAS ESES ESDRM ESGTS ESSS SERVIÇOS ACÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA SERVIÇOS do IPS BIBLIOTECA IPS FORM UIIPS DO SISTEMA DE GARANTIA INTERNA DA QUALIDADE À QUALIDADE TOTAL NO IPS JUNHO 2011 Pró-Presidente do

Leia mais

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO A MISSÃO DO REGULADOR FERROVIÁRIO HOJE E NUM CONTEXTO DE UMA REDE ONDE PODERÃO CIRCULAR MÚLTIPLOS OPERADORES FERROVIÁRIOS DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 SEMINÁRIO O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês

Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês Art.º 1º Composição e competências O Grupo de Recrutamento tem a composição e as competências determinadas pelo Decreto-lei 75/2008 de

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2016 / 2017

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2016 / 2017 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2016 / 2017 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO DISCIPLINA: Docente Técnico de Turismo Ambiental e Rural Turismo e Técnicas de Gestão António José Borralho Ramalho N.º TOTAL DE MÓDULOS

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Vieira de Leiria

Agrupamento de Escolas de Vieira de Leiria Agrupamento de Escolas de Vieira de Leiria Escola Sede: ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ LOUREIRO BOTAS 4 0 1 9 8 5 REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIEIRA DE LEIRIA Artigo 1º Objecto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Quadriénio 2009/2013 ÍNDICE PREÂMBULO...3 Artigo 1º OBJECTO E ÂMBITO...4 Artigo 2º -COMPOSIÇÃO...4 Artigo 3º -QUADRO DE COMPETÊNCIAS...4 Artigo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR Ano Letivo: 2012 / 2013 ÍNDICE CAPÍTULO I PÁG. ÂMBITO 3 CAPÍTULO I I Conselho de Docentes 3 CAPÍTULO III Competências

Leia mais

Atividades de Apoio Educativo

Atividades de Apoio Educativo Plano Curricular 2012 2013 Plano Anual de Atividades Atividades de Apoio Educativo Departamento/Estrutura: Orientações para as Atividades de Apoio Educativo Receção Biblioteca Manuel Monteiro Zonas de

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO CULTURAL

REGULAMENTO CENTRO CULTURAL REGULAMENTO CENTRO CULTURAL Capítulo I Funcionamento e Gestão Artigo 1.º O Centro Cultural é um espaço da A.T.C. Artigo 2.º Compete à Direcção da A.T.C. decidir da forma e modelo de gestão do Centro Cultural.

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS Despacho n.º 436-A 2017

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS Despacho n.º 436-A 2017 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS 2017 Despacho n.º 436-A 2017 PREÂMBULO O Orçamento Participativo constitui um instrumento que tem vindo a ser adotado por um conjunto crescente

Leia mais

Regulamento para a Atribuição de Apoio a Estratos Sociais Desfavorecidos. Nota justificativa (art. 116º do Código do Procedimento Administrativo)

Regulamento para a Atribuição de Apoio a Estratos Sociais Desfavorecidos. Nota justificativa (art. 116º do Código do Procedimento Administrativo) APÊNDICE N.º 60 II SÉRIE N.º 114 17 de Maio de 2002 Aviso n.º 4113/2002 Regulamento para a Atribuição de Apoio a Estratos Sociais Desfavorecidos Nota justificativa (art. 116º do Código do Procedimento

Leia mais

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS)

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) CAPÍTULO I Natureza, Fins e Atribuições Artigo 1º (Natureza, Constituição, Localização) 1. O Instituto de Psicologia

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL 2014/2015 Artigo 1º ÂMBITO E DEFINIÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL 2014/2015 Artigo 1º ÂMBITO E DEFINIÇÃO REGULAMENTO INTERNO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL 2014/2015 Artigo 1º ÂMBITO E DEFINIÇÃO A Prova de Aptidão Profissional, designada abreviadamente por PAP, faz parte integrante da avaliação. 1 - A PAP

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010

BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010 BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010 ONTEM... tendo magníficas colecções de informação, um ambiente físico inspirador ou uma rede avançada de tecnologia de informação.

Leia mais

Orçamento Participativo das Escolas REGULAMENTO

Orçamento Participativo das Escolas REGULAMENTO REGULAMENTO Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento aplica-se ao orçamento participativo das escolas com alunos do 3.º ciclo do ensino básico e/ou do ensino secundário do Agrupamento de Escolas de Terras

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

Capítulo I. Definição, Objecto e Objectivos da RBAL. Cláusula 1.ª. Definição. Cláusula 2.ª. Objecto. Cláusula 3.ª. Objectivos

Capítulo I. Definição, Objecto e Objectivos da RBAL. Cláusula 1.ª. Definição. Cláusula 2.ª. Objecto. Cláusula 3.ª. Objectivos PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Preâmbulo A Rede de Bibliotecas de Alcochete, adiante designada RBAL, visa a prossecução de uma dinâmica de trabalho colaborativo quer ao nível da organização, gestão e disponibilização

Leia mais

Nota Informativa N.º 3/2016

Nota Informativa N.º 3/2016 Nota Informativa N.º 3/2016 MANUAIS ESCOLARES 1.º Ano do 1.º Ciclo Constitui uma prioridade para o XXI Governo Constitucional, plasmada no seu Programa de Governo, a valorização das pessoas, centrando

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU 2015-2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA 2015-2017 Aprovado

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Conforme o ponto 1 do artigo 128º do Regulamento Interno

Leia mais

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando Teixeira dos Santos - 16 de Janeiro de 2008 - Senhores

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO JESUS MAIATO Director Nacional de Segurança Social do MAPTSS Benguela. 22. Maio 2014 INSTALAÇÃO DOS NOVOS DEPARTAMENTOS

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

Preâmbulo. O presente regulamento define as regras a observar no procedimento concursal para a eleição do

Preâmbulo. O presente regulamento define as regras a observar no procedimento concursal para a eleição do ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ SARAMAGO-MAFRA Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio 2015-2019 Preâmbulo O presente regulamento define as regras a observar no procedimento

Leia mais

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA Proposta ****** Art. 1 Denominação e natureza 1. É constituída A Rede de Parlamentares

Leia mais

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SÃO JOÃO DAS LAMPAS E TERRUGEM REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SÃO JOÃO DAS LAMPAS E TERRUGEM REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SÃO JOÃO DAS LAMPAS E TERRUGEM REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS Outubro de 2014 REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS Nota justificativa (art.º 116.º do Código do Procedimento Administrativo)

Leia mais

Regimento Interno. Departamento da Educação pré escolar

Regimento Interno. Departamento da Educação pré escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE 161718 Regimento Interno do Departamento da Educação pré escolar 2013//2014 Constituição do departamento O departamento curricular da educação pré-escolar é constituído

Leia mais

Índice. Introdução 3. Identificação dos pontos fortes do Agrupamento. 3. Identificação das Áreas de Melhoria. 4. Priorização das Áreas de Melhoria.

Índice. Introdução 3. Identificação dos pontos fortes do Agrupamento. 3. Identificação das Áreas de Melhoria. 4. Priorização das Áreas de Melhoria. Índice Introdução 3 Identificação dos pontos fortes do. 3 Identificação das Áreas de Melhoria. 4 Priorização das Áreas de Melhoria. 6 Ações de melhoria modelo de ficha. 8 Ações de melhoria. 8 2 Introdução

Leia mais

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

(FESTAS DO POVO) Artigo 1º. (Organização e Coordenação)

(FESTAS DO POVO) Artigo 1º. (Organização e Coordenação) PROJETO DE REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO, COORDENAÇÃO E REALIZAÇÃO DAS FESTAS DO POVO DE CAMPO MAIOR (FESTAS DO POVO) Artigo 1º (Organização e Coordenação) 1.- A organização e coordenação das Festas do Povo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SEBASTIÃO DA GAMA REUNIÃO DO CONSELHO GERAL. ATA RESUMO 24 de julho de Presidência do Conselho Geral

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SEBASTIÃO DA GAMA REUNIÃO DO CONSELHO GERAL. ATA RESUMO 24 de julho de Presidência do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DE SEBASTIÃO DA GAMA REUNIÃO DO CONSELHO GERAL ATA RESUMO 24 de julho de 2012 1. Leitura e aprovação da ata nº 20 Aprovada por maioria, com 4 abstenções. 2. Informações Presidência do

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BRÁS GARCIA DE MASCARENHAS

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BRÁS GARCIA DE MASCARENHAS REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BRÁS GARCIA DE MASCARENHAS Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento estabelece as condições de acesso e normas do concurso para eleição

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

Sub-programa Comenius. Jardins da Europa

Sub-programa Comenius. Jardins da Europa Sub-programa Comenius Jardins da Europa Instituições parceiras: Agrupamento de Escolas de Fernando Pessoa Portugal Scuola Media M. L. Patrizi Itália Základná Skola Eslováquia Collège Saint Joseph - França

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural

Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural Decreto executivo n.º 1/06 de 9 de Janeiro Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento, estruturação e organização do Secretariado Executivo do

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARADAS Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna 2006-2013 Equipa de Avaliação Interna Página 1 [ES C R E V E R O E N D E R E Ç O D A

Leia mais

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita.

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita. Escola Secundária Abel Salazar Sala de Estudo DEFINIÇÃO Pretende-se que a Sala de Estudo seja um espaço com um ambiente educativo diferente daquele a que o aluno está habituado a vivenciar nas áreas curriculares

Leia mais

Plano de Melhoria para 2015/2016

Plano de Melhoria para 2015/2016 Plano de Melhoria para 2015/2016 Ano letivo de 2015/2016 Preâmbulo justificativo O recebeu, de 17 a 20 de novembro de 2014, a visita da equipa de avaliação externa (constituída no âmbito da Área Territorial

Leia mais