Funções de Distribuição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Funções de Distribuição"

Transcrição

1 Funções de Distribuição Menu DISTR Para visualizar o menu DISTR, prima y =. DISTR DRAW 1:normalpdf( Densidade de probabilidade normal 2:normalcdf( Probabilidade de distribuição normal 3:invNorm( Distribuição inversa cumulativa normal 4:tpdf( Densidade de probabilidade da t-student 5:tcdf( Probabilidade de distribuição da t-student 6:c 2 pdf( Densidade de probabilidade Chi ao quadrado 7:c 2 cdf Probabilidade de distribuição Chi ao quadrado 8:Ûpdf( Densidade de probabilidade Û 9:Ûcdf( Probabilidade de distribuição Û 0:binompdf( Probabilidade binomial A:binomcdf( Densidade cumulativa binomial B:poissonpdf( Probabilidade de Poisson C:poissoncdf( Densidade cumulativa de Poisson D:geometpdf( Probabilidade geométrica E:geometcdf( Densidade cumulativa geométrica Nota: L1å99 e 1å99 especificam infinito. Caso queira ver a área esquerda do limitesuperior por exemplo, especifique limiteinferior=l1å99. TI-83 Plus Estatísticas e Distribuições Inferenciais 431

2 normalpdf( normalpdf( calcula a função densidade da probabilidade (pdf) para a distribuição normal num valor especificado x. As predefinições são média m=0 e desvio padrão s=1. Para traçar a distribuição normal, cole normalpdf( no editor Y=. A função é: ( x µ ) 2 1 = e 2σ 2 2π σ, σ > 0 normalpdf(x[,m,s]) Nota: Para este exemplo, Xmin = 28 Xmax = 42 Ymin = 0 Ymax =.25 Sugestão: Para representar graficamente a distribuição normal, pode definir variáveis de janela Xmin e Xmax de forma que a média m se situe entre elas e, em seguida, seleccione 0:ZoomFit no menu ZOOM. TI-83 Plus Estatísticas e Distribuições Inferenciais 432

3 normalcdf( normalcdf( calcula a probabilidade de distribuição normal entre limiteinferior e limitesuperior para a média especificada m e para o desvio padrão s. As predefinições são m=0 e s=1. normalcdf(limiteinferior,limitesuperior[,m,s]) invnorm( invnorm( calcula a função de distribuição cumulativa normal inversa para uma dada área sob a curva de distribuição normal especificada pela média m e o desvio padrão s. Calcula o valor x associado a uma área à esquerda do valor x. 0 área 1 tem de ser verdadeiro. As predefinições são m=0 e s=1. invnorm(área[,m,s]) TI-83 Plus Estatísticas e Distribuições Inferenciais 433

4 tpdf( tpdf( calcula a função da densidade da probabilidade (pdf) para a distribuição t-student num valor x especificado. gl (graus de liberdade) tem de ser > 0. Para traçar a distribuição t-student, cole tpdf( no editor Y=. A função é: = Γ[( df + 1)/2] Γ( df /2) (1 + x / df 2 ) ( df πdf + 1)/2 tpdf(x,gl) Nota: Para este exemplo, Xmin = L4.5 Xmax = 4.5 Ymin = 0 Ymax =.4 tcdf( tcdf( calcula a probabilidade de distribuição t-student entre limiteinferior e limitesuperior para os gl (graus de liberdade) especificados, que têm de ser > 0. TI-83 Plus Estatísticas e Distribuições Inferenciais 434

5 tcdf(limiteinferior,limitesuperior,gl) c 2 pdf( c 2 pdf( calcula a função de densidade de probabilidade (pdf) para a distribuição de c 2 (chi ao quadrado) num valor x especificado. gl (graus de liberdade) tem de ser um inteiro > 0. Para traçar a distribuição de c 2, cole c 2 pdf( no editor Y=. O pdf é: 1 = (1/2) df 2 xdf /2 1e x/ 2, x Γ( df /2) / 0 c 2 pdf(x,gl) Nota: Para este exemplo, Xmin = 0 Xmax = 30 Ymin = L.02 Ymax =.132 TI-83 Plus Estatísticas e Distribuições Inferenciais 435

6 c 2 cdf( c 2 cdf( calcula a probabilidade de distribuição de c 2 (chi ao quadrado) entre limiteinferior e limitesuperior para os gl (graus de liberdade) especificados, que têm de ser > 0. c 2 cdf(limiteinferior,limitesuperior,gl) Üpdf( Üpdf( calcula a função de densidade de probabilidade (pdf) para a distribuição Û num valor x especificado. numerador gl (graus de liberdade) e denominador gl têm de ser inteiros > 0. Para traçar a distribuição Û, cole Üpdf( no editor Y=. A função é: Γ[( n + d )/2] n n/2 = xn/2 1(1 + nx/ d ) ( n + d )/ 2, x 0 Γ( n/2) Γ( d/2) d em que, n = numerador graus de liberdade d = denominador graus de liberdade Üpdf(x,numerador gl,denominador gl) TI-83 Plus Estatísticas e Distribuições Inferenciais 436

7 Nota: Para este exemplo, Xmin = 0 Xmax = 5 Ymin = 0 Ymax = 1 Ücdf( Ücdf( calcula a probabilidade de distribuição Û entre limiteinferior e limitesuperior para o numerador gl (graus de liberdade) especificado e denominador gl. numerador gl e denominador gl têm de ser inteiros > 0. Ücdf(limiteinferior,limitesuperior,numerador gl,denominador gl) binompdf( binompdf( calcula uma probabilidade em x para a distribuição binomial discreta com o númensaios especificado e a probabilidade de sucesso (p) de cada ensaio. x pode ser um inteiro ou uma lista de inteiros. 0p1 tem de ser verdadeiro. númensaios tem de ser um inteiro > 0. Caso você não TI-83 Plus Estatísticas e Distribuições Inferenciais 437

8 especifique x, recebe uma lista de probabilidades desde 0 até númensaios. A função é: n = p p n x x n x x (1 ), = 0,1, K, em que, n = númensaios binompdf(númensaios,p[,x]) binomcdf( binomcdf( calcula uma probabilidade cumulativa em x para a distribuição binomial discreta com o númensaios especificado e a probabilidade de sucesso (p) de cada ensaio. x pode ser um número real ou uma lista de números reais. 0p1 tem de ser verdadeiro. númensaios tem de ser um inteiro > 0. Caso não especifique x, recebe uma lista de probabilidades cumulativas. binomcdf(númensaios,p[,x]) TI-83 Plus Estatísticas e Distribuições Inferenciais 438

9 poissonpdf( poissonpdf( calcula uma probabilidade em x para a distribuição de Poisson discreta com a média especificada m, que tem de ser um número real > 0. x pode ser um inteiro ou uma lista de inteiros. A função é: = e µµ x/ x!, x = 0,1,2, poissonpdf(m,x) poissoncdf( poissoncdf( calcula uma probabilidade cumulativa em x para a distribuição de Poisson discreta com a média especificada m, que tem de ser um número real > 0. x pode ser um número real ou uma lista de números reais. poissoncdf(m,x) TI-83 Plus Estatísticas e Distribuições Inferenciais 439

10 geometpdf( geometpdf( calcula uma probabilidade em x, o número do ensaio em que ocorre o primeiro sucesso, para a distribuição geométrica discreta com a probabilidade especificada de sucesso (p). 0p1 tem de ser verdadeiro. x pode ser um inteiro ou uma lista de inteiros. A função é: = p(1 p) x 1, x = 1,2, geometpdf(p,x) geometcdf( geometcdf( calcula uma probabilidade cumulativa em x, o número do ensaio em que ocorre o primeiro sucesso, para a distribuição geométrica discreta com a probabilidade especificada de sucesso (p). 0p1 tem de ser verdadeiro. x tem de ser um número real ou uma lista de números reais. geometcdf(p,x) TI-83 Plus Estatísticas e Distribuições Inferenciais 440

Funções de Distribuição

Funções de Distribuição Funções de Distribuição Menu DISTR Para visualizar o menu DISTR, prima. DISTR DRAW 1: normalpdf( Densidade de probabilidade normal 2: normalcdf( Probabilidade de distribuição normal 3: invnorm( Distribuição

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES de variável discreta BERNOULLI E BINOMIAL

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES de variável discreta BERNOULLI E BINOMIAL DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES de variável discreta BERNOULLI E BINOMIAL Introdução Variável aleatória Discreta: assume um número finito ou infinito numerável de valores Contínua: assume todos os valores

Leia mais

Proposta de Resolução da Prova Escrita de MACS Matemática Aplicada Às Ciências Sociais

Proposta de Resolução da Prova Escrita de MACS Matemática Aplicada Às Ciências Sociais Proposta de Resolução da Prova Escrita de MACS Matemática Aplicada Às Ciências Sociais 11.º Ano de Escolaridade Prova 835/2.ª Fase 6 páginas 2015 1. 1.1. Número total de funcionários: 300 560 830 240 1930

Leia mais

Capítulo 3 Modelos Estatísticos

Capítulo 3 Modelos Estatísticos Capítulo 3 Modelos Estatísticos Slide 1 Resenha Variáveis Aleatórias Distribuição Binomial Distribuição de Poisson Distribuição Normal Distribuição t de Student Distribuição Qui-quadrado Resenha Slide

Leia mais

Exercício 5: Analisar Dados Recolhidos em Páginas da Internet

Exercício 5: Analisar Dados Recolhidos em Páginas da Internet Exercício 5: Analisar Dados Recolhidos em Páginas da Internet Podemos extrair, directamente, dados numéricos de uma página da Internet para um documento do TI-InterActive!. Este exercício é semelhante

Leia mais

Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência.

Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Há dois tipos de

Leia mais

Probabilidade. Distribuição Exponencial

Probabilidade. Distribuição Exponencial Probabilidade Distribuição Exponencial Aplicação Aplicada nos casos onde queremos analisar o espaço ou intervalo de acontecimento de um evento; Na distribuição de Poisson estimativa da quantidade de eventos

Leia mais

Probabilidade. Distribuição Exponencial

Probabilidade. Distribuição Exponencial Probabilidade Distribuição Exponencial Aplicação Aplicada nos casos onde queremos analisar o espaço ou intervalo de acontecimento de um evento; Na distribuição de Poisson estimativa da quantidade de eventos

Leia mais

Exercícios Resolvidos da Distribuição de Poisson

Exercícios Resolvidos da Distribuição de Poisson . a. Qual é a diferença entre as distribuições de Poisson e inomial? b. Dê alguns exemplos de quando podemos aplicar a distribuição de Poisson. c. Dê a fórmula da distribuição de Poisson e o significado

Leia mais

Datas Importantes 2013/01

Datas Importantes 2013/01 INSTRUMENTAÇÃO CARACTERÍSTICAS DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO PROBABILIDADE PROPAGAÇÃO DE INCERTEZA MÍNIMOS QUADRADOS Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Vianna - Felipe Dalla Vecchia 2013 Datas Importantes

Leia mais

Como começar com a TI-82 STATS

Como começar com a TI-82 STATS Como começar com a TI-82 STATS Informações importantes A Texas Instruments não dá qualquer garantia, expressa ou implícita, incluindo, mas não se limitando a quaisquer garantias implícitas de comercialização

Leia mais

Como começar com a TI-83 Plus e TI-83 Plus Silver Edition

Como começar com a TI-83 Plus e TI-83 Plus Silver Edition Como começar com a TI-83 Plus e TI-83 Plus Silver Edition Importante A Texas Instruments não dá qualquer garantia, expressa ou implícita, incluindo mas não se limitando a quaisquer garantias de negociabilidade

Leia mais

TESTES DE HIPÓTESES. Testes de comparação entre grupos

TESTES DE HIPÓTESES. Testes de comparação entre grupos TESTES DE HIPÓTESES Testes de comparação entre grupos 1 Abordagem não paramétrica Não se faz suposição sobre as medidas da variável de interesse Exemplo 1 Com o objetivo de avaliar o efeito de um programa

Leia mais

Distribuições de Probabilidade Distribuição Normal

Distribuições de Probabilidade Distribuição Normal PROBABILIDADES Distribuições de Probabilidade Distribuição Normal BERTOLO PRELIMINARES Quando aplicamos a Estatística na resolução de situações-problema, verificamos que muitas delas apresentam as mesmas

Leia mais

SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA 2016.2 ANEXO I DISCIPLINA/PERFIL DO CANDIDATO/NÚMERO DE VAGAS/ CR VAGA= Vaga imediata CR = Cadastro de Reserva

SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA 2016.2 ANEXO I DISCIPLINA/PERFIL DO CANDIDATO/NÚMERO DE VAGAS/ CR VAGA= Vaga imediata CR = Cadastro de Reserva SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA 26.2 ANEXO I Grupo : Geometria e Números Complexos Construções Geométricas Geometria Plana Geometria Espacial Números Complexos Grupo 2: Matemática Financeira Matemática

Leia mais

Logo, para estar entre os 1% mais caros, o preço do carro deve ser IGUAL OU SUPERIOR A:

Logo, para estar entre os 1% mais caros, o preço do carro deve ser IGUAL OU SUPERIOR A: MQI 00 ESTATÍSTICA PARA METROLOGIA - SEMESTRE 008.0 Teste 6/05/008 GABARITO PROBLEMA O preço de um certo carro usado é uma variável Normal com média R$ 5 mil e desvio padrão R$ 400,00. a) Você está interessado

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DO RECURSO PLANILHA PARA O ENSINO DE PROBABILIDADE

UMA AVALIAÇÃO DO RECURSO PLANILHA PARA O ENSINO DE PROBABILIDADE UMA AVALIAÇÃO DO RECURSO PLANILHA PARA O ENSINO DE PROBABILIDADE Lorí Viali, Dr. (*) Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Av. Ipiranga, 6681 90619-900 Porto Alegre RS Fone (51) 320 3531

Leia mais

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado,

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e distribuições contínuas 4.1 Variáveis aleatórias contínuas. Função densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, variância e algumas das suas propriedades. Moda e quantis

Leia mais

Bioestatística Aula 3

Bioestatística Aula 3 Aula 3 Castro Soares de Oliveira Probabilidade Probabilidade é o ramo da matemática que estuda fenômenos aleatórios. Probabilidade é uma medida que quantifica a sua incerteza frente a um possível acontecimento

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE i1 Introdução Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Há dois tipos

Leia mais

TI-89 / TI-92 Plus / Voyage 200 Aplicação de Estatística com o Editor de Lista

TI-89 / TI-92 Plus / Voyage 200 Aplicação de Estatística com o Editor de Lista TI-89 / TI-92 Plus / Voyage 200 Aplicação de Estatística com o Editor de Lista Informações importantes Instruções de instalação Suporte a clientes Contrato de licenciamento Índice A aplicação Statistics

Leia mais

Propagação de distribuições pelo método de Monte Carlo

Propagação de distribuições pelo método de Monte Carlo Sumário Propagação de distribuições pelo método de Monte Carlo João Alves e Sousa Avaliação de incertezas pelo GUM Propagação de distribuições O método de Monte Carlo Aplicação a modelos de medição por

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO NORMAL 1

DISTRIBUIÇÃO NORMAL 1 DISTRIBUIÇÃO NORMAL 1 D ensid ade Introdução Exemplo : Observamos o peso, em kg, de 1500 pessoas adultas selecionadas ao acaso em uma população. O histograma por densidade é o seguinte: 0.04 0.03 0.02

Leia mais

Probabilidade. Distribuição Normal

Probabilidade. Distribuição Normal Probabilidade Distribuição Normal Distribuição Normal Uma variável aleatória contínua tem uma distribuição normal se sua distribuição é: simétrica apresenta (num gráfico) forma de um sino Função Densidade

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática. Reconhecimento de Padrões. Revisão de Probabilidade e Estatística

Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática. Reconhecimento de Padrões. Revisão de Probabilidade e Estatística Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática Reconhecimento de Padrões Revisão de Probabilidade e Estatística Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. http://lesoliveira.net Conceitos Básicos Estamos

Leia mais

Os primeiros passos com a TI-Nspire

Os primeiros passos com a TI-Nspire Os primeiros passos com a TI-Nspire 1. Cria um novo documento: pressiona a tecla HOME, c, e selecciona 6:New Doc pressionando 6 ou quando o ícone estiver seleccionado. Se tiveres outro documento aberto,

Leia mais

Geração de variáveis aleatórias

Geração de variáveis aleatórias Geração de variáveis aleatórias Danilo Oliveira, Matheus Torquato Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco 5 de setembro de 2012 Danilo Oliveira, Matheus Torquato () 5 de setembro de 2012

Leia mais

Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuições de Probabilidade

Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuições de Probabilidade Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuições de Probabilidade Objetivos do aprendizado a.determinar probabilidades a partir de funções de probabilidade b.determinar probabilidades a partir de funções

Leia mais

Exercícios Resolvidos da Distribuição Binomial

Exercícios Resolvidos da Distribuição Binomial . a. Estabeleça as condições exigidas para se aplicar a distribuição binomial? b. Qual é a probabilidade de caras em lançamentos de uma moeda honesta? c. Qual é a probabilidade de menos que caras em lançamentos

Leia mais

Minicurso de MATLAB. Programa de Educação Tutorial de Engenharia Elétrica 28/03/15. lmax Rodrigues. lcaroline Pereira.

Minicurso de MATLAB. Programa de Educação Tutorial de Engenharia Elétrica 28/03/15. lmax Rodrigues. lcaroline Pereira. Minicurso de MATLAB Programa de Educação Tutorial de Engenharia Elétrica lmax Rodrigues lcaroline Pereira lnayara Medeiros 28/03/15 Gráficos no Matlab O Matlab possui várias rotinas para plotagens gráficas

Leia mais

Aplicações de Programação CNC/ISO com Microcomputador

Aplicações de Programação CNC/ISO com Microcomputador Aplicações de Programação João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução No contexto da programação CNC seria benéfica a possibilidade de trabalhar com programas que, dentro do possível,

Leia mais

Distribuições de Probabilidade. Distribuições usuais discretas

Distribuições de Probabilidade. Distribuições usuais discretas Distribuições de Probabilidade Distribuições usuais discretas 1 Distribuições usuais discretas Bernoulli Binomial Poisson 2 Distribuição de Bernoulli Sempre que uma experiência aleatória só tem dois resultados

Leia mais

MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS

MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS Definições Variáveis Aleatórias Uma variável aleatória representa um valor numérico possível de um evento incerto. Variáveis aleatórias

Leia mais

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS UTILIZANDO O SISVAR

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS UTILIZANDO O SISVAR APLICAÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS UTILIZANDO O SISVAR Nádia Giaretta Biase 1 Universidade Federal de Uberlândia nadia@pontal.ufu.br Jéssica Paula Silva Costa 2 Universidade Federal de Uberlândia jessicapaula@mat.pontal.ufu.br

Leia mais

NOTAS DE AULA Capítulo 1 Introdução à Análise Exploratória de dados

NOTAS DE AULA Capítulo 1 Introdução à Análise Exploratória de dados NOTAS DE AULA Capítulo 1 Introdução à Análise Exploratória de dados 1) Estatística: o O que é? o Para que serve? o Qual a importância para o meu trabalho? o Qual a importância no dia a dia?? 2) Abordagem:

Leia mais

Estatística e Probabilidade. Aula 8 Cap 05. Distribuição normal de probabilidade

Estatística e Probabilidade. Aula 8 Cap 05. Distribuição normal de probabilidade Estatística e Probabilidade Aula 8 Cap 05 Distribuição normal de probabilidade Estatística e Probabilidade Na aula anterior vimos... Distribuições Binomiais Distribuição Geométrica Distribuição de Poisson

Leia mais

Tipos de Modelos. Exemplos. Modelo determinístico. Exemplos. Modelo probabilístico. Causas Efeito. Determinístico. Sistema Real.

Tipos de Modelos. Exemplos. Modelo determinístico. Exemplos. Modelo probabilístico. Causas Efeito. Determinístico. Sistema Real. Tipos de Modelos Sistema Real Determinístico Prof. Lorí Viali, Dr. viali@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~viali/ Probabilístico Modelo determinístico Exemplos Gravitação F GM M /r Causas Efeito Aceleração

Leia mais

Distribuições de Probabilidade Distribuição Binomial

Distribuições de Probabilidade Distribuição Binomial PROBABILIDADES Distribuições de Probabilidade Distribuição Binomial BERTOLO PRELIMINARES Quando aplicamos a Estatística na resolução de situações-problema, verificamos que muitas delas apresentam as mesmas

Leia mais

Exercício de aplicação para a calculadora gráfica TI-83 A SUBIDA DA BOLA

Exercício de aplicação para a calculadora gráfica TI-83 A SUBIDA DA BOLA Exercício de aplicação para a calculadora gráfica TI-83 A SUBIDA DA BOLA No instante t = 0, uma bola é lançada na vertical a partir de um ponto situado a 5 pés acima do solo. Após t segundos, a distância

Leia mais

Descreve de uma forma adequada o

Descreve de uma forma adequada o EST029 Cálculo de Probabilidade I Cap. 8 - Variáveis Aleatórias Contínuas Prof. Clécio da Silva Ferreira Depto Estatística - UFJF 1 Variável Aleatória Normal Caraterização: Descreve de uma forma adequada

Leia mais

Método de Monte Carlo e ISO

Método de Monte Carlo e ISO Método de Monte Carlo e ISO GUM para cálculo l de incerteza Prof. Dr. Antonio Piratelli Filho Universidade de Brasilia (UnB) Faculdade de Tecnologia Depto. Engenharia Mecânica 1 Introdução: Erro x incerteza

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS

LISTA DE EXERCÍCIOS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS LISTA DE EXERCÍCIOS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS 1. Construir um quadro e o gráfico de uma distribuição de probabilidade para a variável aleatória X: número de coroas obtidas no lançamento de duas moedas. 2. Fazer

Leia mais

ESTATÍSTICA. x(s) W Domínio. Contradomínio

ESTATÍSTICA. x(s) W Domínio. Contradomínio Variáveis Aleatórias Variáveis Aleatórias são funções matemáticas que associam números reais aos resultados de um Espaço Amostral. Uma variável quantitativa geralmente agrega mais informação que uma qualitativa.

Leia mais

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo)

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Prof. Esp. João Carlos Hipólito e-mail: jchbn@hotmail.com Sobre o professor: Contador; Professor da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais

Leia mais

Introdução ao Scilab 3.0 Parte 4

Introdução ao Scilab 3.0 Parte 4 Introdução ao Scilab 3.0 Parte 4 Paulo S. Motta Pires pmotta@dca.ufrn.br Departamento de Engenharia de Computação e Automação Universidade Federal do Rio Grande do Norte NATAL - RN Paulo Motta (DCA-UFRN)

Leia mais

Aplicação adicional para calculadoras da série fx-9860g/série GRAPH 85. Geometria. Manual de Instruções. http://edu.casio.com

Aplicação adicional para calculadoras da série fx-9860g/série GRAPH 85. Geometria. Manual de Instruções. http://edu.casio.com Aplicação adicional para calculadoras da série fx-9860g/série GRAPH 85 Po Geometria Manual de Instruções http://edu.casio.com Índice Índice 1 Apresentação do Modo Geometria 2 Desenhar e editar objectos

Leia mais

Simulação Estocástica

Simulação Estocástica Simulação Estocástica O que é Simulação Estocástica? Simulação: ato ou efeito de simular Disfarce, fingimento,... Experiência ou ensaio realizado com o auxílio de modelos. Aleatório: dependente de circunstâncias

Leia mais

TRABALHO DE PROGRAMAÇÂO LINEAR

TRABALHO DE PROGRAMAÇÂO LINEAR TRABALHO DE PROGRAMAÇÂO LINEAR Pedro Barbosa Luís Gomes 1 Introdução O objectivo da Programação Linear é optimizar problemas de decisão, usando para isso modelos que caracterizem uma realidade. A Programação

Leia mais

Mídia com RSS próprio é aconselhável fazer testes com o feed Feeds com texto de descrição grandes podem gerar um texto com fonte pequena na mídia.

Mídia com RSS próprio é aconselhável fazer testes com o feed Feeds com texto de descrição grandes podem gerar um texto com fonte pequena na mídia. Mídia com RSS próprio A solução ElementarDS oferece mídias jornalísticas prontas, como o ig ou o Terra. Mas pode ser que você queira dar outras notícias. Talvez as manchetes do jornal de sua cidade, ou

Leia mais

AEP FISCAL CURSO DE ESTATÍSTICA

AEP FISCAL CURSO DE ESTATÍSTICA AEP FISCAL CURSO DE ESTATÍSTICA Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil, Analista Tributário da Receita Federal do Brasil e Auditor Fiscal do Trabalho. Prof. Weber Campos webercampos@gmail.com AUDITOR-FISCAL

Leia mais

ALGEBRA FX 2.0 PLUS FX 1.0 PLUS

ALGEBRA FX 2.0 PLUS FX 1.0 PLUS ALGEBRA FX.0 PLUS FX 1.0 PLUS Guia do Usuário (Funções adicionais) Po http://world.casio.com/edu_e/ CASIO ELECTRONICS CO., LTD. Unit 6, 1000 North Circular Road, London NW 7JD, U.K. Importante! Por favor

Leia mais

Construção de modelos: 1 estimativa dos parâmetros que melhor ajustam os modelos aos dados, 2 selecionar aqueles modelos que tem o melhor ajuste

Construção de modelos: 1 estimativa dos parâmetros que melhor ajustam os modelos aos dados, 2 selecionar aqueles modelos que tem o melhor ajuste Verossimilhança Construção de modelos: 1 estimativa dos parâmetros que melhor ajustam os modelos aos dados, 2 selecionar aqueles modelos que tem o melhor ajuste Métrica usada para avaliar o ajuste Verossimilhança:

Leia mais

PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2011

PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2011 PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO Junho de 2011 Página 1 de 19 ÍNDICE 1. VISÃO GERAL DO PROGRAMA VIV STOCK...3 2. ESTRUTURA DO PROGRAMA VIV STOCK...3 3. ENTRADA DE DADOS...4 3.1. DADOS

Leia mais

Monte Carlo em Estimativas de Software

Monte Carlo em Estimativas de Software Monte Carlo em Estimativas de Software Mauricio Aguiar ti MÉTRICAS Ltda www.metricas.com.br 1 Agenda Introdução Um Exemplo Simples Outro Exemplo Reamostragem Faça Você Mesmo Resumo www.metricas.com.br

Leia mais

Como começar com a unidade CX portátil TI-Nspire

Como começar com a unidade CX portátil TI-Nspire Como começar com a unidade CX portátil TI-Nspire Este manual do utilizador aplica-se ao software TI-Nspire versão 3.0. Para obter a versão mais recente da documentação, visite education.ti.com/guides.

Leia mais

Rediscussão do BC&T. Eixo de Representação e Simulação

Rediscussão do BC&T. Eixo de Representação e Simulação Rediscussão do BC&T Eixo de Representação e Simulação Resumo 1ª Reunião Proposta Ideal Principais Alterações: GA - 4 créditos IPE - 4 créditos FUV - 6 créditos 6-0-6 ou 4-2-6 Plano B - retirada de FVV

Leia mais

CBL. Guia de Calculadoras Compatíveis com o sistema CBL

CBL. Guia de Calculadoras Compatíveis com o sistema CBL CBL Guia de Calculadoras Compatíveis com o sistema CBL Importante A Texas Instruments não dá qualquer garantia, expressa ou implícita, incluindo mas não se limitando a quaisquer garantias de negociabilidade

Leia mais

Excel Básico e Avançado. Aula 6

Excel Básico e Avançado. Aula 6 Excel Básico e Avançado Aula 6 Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Mudanças Abruptas www.mudancasabruptas.com.br TABELA DE FREQUÊNCIAS Objetivos Quantificar repetições de experimentos e eventos Ajudar

Leia mais

FOLHA DE CÁLCULO EXCEL

FOLHA DE CÁLCULO EXCEL 1 FOLHA DE CÁLCULO EXCEL segunda-feira, 25 de Abril de 2011 SUMÁRIO 1. Características e Potencialidades de uma folha de cálculo. 2. Ambiente de trabalho do Excel. 3. Noção de livro e de folha de cálculo.

Leia mais

Recorte. Márcio Bueno Fonte: Material do Prof. Claudio Esperança e do Prof. Paulo Roma Cavalcanti

Recorte. Márcio Bueno Fonte: Material do Prof. Claudio Esperança e do Prof. Paulo Roma Cavalcanti Recorte Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com) Fonte: Material do Prof. Claudio Esperança e do Prof. Paulo Roma Cavalcanti O Problema de Visibilidade Numa cena tri-dimensional, normalmente não

Leia mais

Utilizando Monte Carlo e Reamostragem em Estimativas. Mauricio Aguiar, TI Métricas

Utilizando Monte Carlo e Reamostragem em Estimativas. Mauricio Aguiar, TI Métricas Utilizando Monte Carlo e Reamostragem em Estimativas Mauricio Aguiar, TI Métricas Agenda Introdução Um Exemplo Simples Outro Exemplo Reamostragem Faça Você Mesmo - Monte Carlo Resumo Introdução Estimativas

Leia mais

Tema 4- Modelos de probabilidade. (Versão: para o manual a partir de 2016/17)

Tema 4- Modelos de probabilidade. (Versão: para o manual a partir de 2016/17) Tema 4- Modelos de probabilidade. (Versão: para o manual a partir de 016/17) 1- Modelos de probabilidade(136) 1.1) Introdução.(36) (Vídeo: 33) 1.) Fenómenos aleatórios(138) Experiência determinística-produz

Leia mais

Capítulo4- Modelos de probabilidade.

Capítulo4- Modelos de probabilidade. Capítulo4- Modelos de probabilidade. 1- Modelos de probabilidade(110) 1.1) Introdução.(110) 1.) Fenómenos aleatórios(11) Experiência determinística-produz sempre o mesmo resultado desde que seja repetido

Leia mais

Processo de chegada: o Chegadas em grupo ocorrem segundo um processo Poisson com taxa. O tamanho do grupo é uma variável aleatória discreta

Processo de chegada: o Chegadas em grupo ocorrem segundo um processo Poisson com taxa. O tamanho do grupo é uma variável aleatória discreta Aula 5 Como gerar amostras de uma distribuição qualquer a partir de sua CDF e de um gerador de números aleatórios? Processo de chegada: o Chegadas em grupo ocorrem segundo um processo Poisson com taxa.

Leia mais

Sistema Online de Emissão de Declarações

Sistema Online de Emissão de Declarações Sistema Online de Emissão de Declarações OBJECTIVOS DO SISTEMA A ANET, satisfazendo um compromisso assumido com os Engenheiros Técnicos, passou a disponibilizar um sistema online para a emissão de declarações

Leia mais

PROBABILIDADE, VARIÁVEIS ALEATÓRIAS, DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADES E GERAÇÃO ALEATÓRIA

PROBABILIDADE, VARIÁVEIS ALEATÓRIAS, DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADES E GERAÇÃO ALEATÓRIA PROBABILIDADE, VARIÁVEIS ALEATÓRIAS, DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADES E GERAÇÃO ALEATÓRIA Conceitos sob a ótica de Avaliação de Desempenho de Sistemas Marcos Portnoi Edição 26.6.2010 Universidade Salvador

Leia mais

O Problema de Visibilidade. Computação Gráfica Recorte. Onde Acontece? O que é Recorte? Renato Ferreira

O Problema de Visibilidade. Computação Gráfica Recorte. Onde Acontece? O que é Recorte? Renato Ferreira O Problema de Visibilidade Computação Gráfica Recorte Renato Ferreira Numa cena tri-dimensional, normalmente não é possível ver todas as superfícies de todos os objetos Queremos descartar objetos ou partes

Leia mais

Distribuições de Probabilidades do Crystal Ball

Distribuições de Probabilidades do Crystal Ball Distribuições de Probabilidades do Crystal Ball Este apêndice lista uma curta descrição de cada distribuição da galeria do Crystal Ball juntamente com sua função distribuição de probabilidade ou função

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Arquitetura e Urbanismo DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL ESTIMAÇÃO AUT 516 Estatística Aplicada a Arquitetura e Urbanismo 2 DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL Na aula anterior analisamos

Leia mais

ANO 5-1 QUADRIMESTRE - JANEIRO 2014 - NÚMERO 11

ANO 5-1 QUADRIMESTRE - JANEIRO 2014 - NÚMERO 11 ANO 5-1 QUADRIMESTRE - JANEIRO 2014 - NÚMERO 11 Casio Tutoriais... T1 : EXE_Matriz T2 : Funções T3 : Retas paralelas aos eixos... T4 : Estudo da reta T5 : Família de funções T6 : Estatística NOVO APLICATIVO

Leia mais

Acessar em tempo real seus boletos de cobrança, extratos financeiros e demonstrativos do IRPF;

Acessar em tempo real seus boletos de cobrança, extratos financeiros e demonstrativos do IRPF; PARA VOCÊ CLIENTE www.plaenge.com.vc 2 Prezado Cliente, Seja bem-vindo ao Para Você Cliente, um portal digital desenvolvido para que você tenha informações sobre o seu empreendimento com mais facilidade

Leia mais

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com TEORIA DO RISCO LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com 1 TARIFAÇÃO (FERREIRA, 2002) Diversos conceitos e metodologias envolvidos no cálculo do preço pago

Leia mais

Remoção de Faces Traseiras Recorte

Remoção de Faces Traseiras Recorte Remoção de Faces Traseiras Recorte Edward Angel, Cap. 7 Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010 1 Na última aula... Câmara Virtual Simples Transformação de Visualização Volumes canónicos

Leia mais

29/9/2011 MANUAL WWW.ESTATISTICASDAMEGASENA.COM.BR

29/9/2011 MANUAL WWW.ESTATISTICASDAMEGASENA.COM.BR 29/9/2011 MANUAL WWW.ESTATISTICASDAMEGASENA.COM.BR Estudos e Estatísticas das Loterias 2011 S U M Á R I O O Sistema ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Análise descritiva de Dados. a) Média: (ou média aritmética) é representada por x e é dada soma das observações, divida pelo número de observações.

Análise descritiva de Dados. a) Média: (ou média aritmética) é representada por x e é dada soma das observações, divida pelo número de observações. Análise descritiva de Dados 4. Medidas resumos para variáveis quantitativas 4.1. Medidas de Posição: Considere uma amostra com n observações: x 1, x,..., x n. a) Média: (ou média aritmética) é representada

Leia mais

Primitivas Gráficas. Prof. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com. Fonte: Material do Prof. Robson Pequeno de Sousa e do Prof.

Primitivas Gráficas. Prof. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com. Fonte: Material do Prof. Robson Pequeno de Sousa e do Prof. Primitivas Gráficas Prof. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com Fonte: Material do Prof. Robson Pequeno de Sousa e do Prof. Robson Lins Traçado de Primitivas em Dispositivos Matriciais Conversão

Leia mais

Manual do Plone (novo portal do IFCE)

Manual do Plone (novo portal do IFCE) Manual do Plone (novo portal do IFCE) Dezembro/2015 Índice Como criar submenus... 3 Como criar banner rotativo... 4 Como remover um banner... 5 Como criar uma notícia... 6 Como inserir imagem na notícia...

Leia mais

Linguagem R R-Gui e R-Commander

Linguagem R R-Gui e R-Commander Linguagem R R-Gui e R-Commander 1 INSTALAÇÃO DO PROGRAMA BÁSICO E PACOTES O sistema é formado por um programa básico (R-Gui) e muitos pacotes com procedimentos adicionais. Tudo é gratuito e com código

Leia mais

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas

Leia mais

A aplicação CellSheet. Tecnologia Flash para a TI-83 Plus e TI-83 Plus Silver Edition

A aplicação CellSheet. Tecnologia Flash para a TI-83 Plus e TI-83 Plus Silver Edition A aplicação CellSheet Tecnologia Flash para a TI-83 Plus e TI-83 Plus Silver Edition Porto, Outubro de 2002 Albino Martins Nogueira Pereira P 1 de 33 A aplicação CellSheet combina a funcionalidade de uma

Leia mais

Linguagem R R-Gui e R-Commander

Linguagem R R-Gui e R-Commander Linguagem R R-Gui e R-Commander 1 INSTALAÇÃO DO PROGRAMA BÁSICO E PACOTES O sistema é formado por um programa básico (R-Gui) e muitos pacotes com procedimentos adicionais. Tudo é gratuito e com código

Leia mais

Dimensionamento de Layout de PCI

Dimensionamento de Layout de PCI Dimensionamento de Layout de PCI Há um método de dimensionamento de layout para impressão bem mais simples do que os mostrados por aí (em que se tem como quesito a aquisição de um programa caro, complexo

Leia mais

Ferramentas de Desenvolvimento do Tecgraf: IUP, CD e IM Antonio Scuri. scuri@tecgraf.puc-rio.br

Ferramentas de Desenvolvimento do Tecgraf: IUP, CD e IM Antonio Scuri. scuri@tecgraf.puc-rio.br Ferramentas de Desenvolvimento do Tecgraf: IUP, CD e IM Antonio Scuri scuri@tecgraf.puc-rio.br O Laboratório Sistemas de Ancoragem e Flutuantes Simulação, Controle e Automação Sistemas de Informação Geográfica

Leia mais

Distribuição de Erlang

Distribuição de Erlang Distribuição de Erlang Uma variável aleatória exponencial descreve a distância até que a primeira contagem é obtida em um processo de Poisson. Generalização da distribuição exponencial : O comprimento

Leia mais

Probabilidade e Modelos Probabilísticos

Probabilidade e Modelos Probabilísticos Probabilidade e Modelos Probabilísticos 2ª Parte: modelos probabilísticos para variáveis aleatórias contínuas, modelo uniforme, modelo exponencial, modelo normal 1 Distribuição de Probabilidades A distribuição

Leia mais

GeoMafra SIG Municipal

GeoMafra SIG Municipal GeoMafra SIG Municipal O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar a qualidade dos serviços prestados pela autarquia. O seu novo ambiente de trabalho optimiza

Leia mais

Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis

Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br 1 AULA 03 Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis 2 OBSERVAÇÃO: é o valor obtido durante um processo de medição.

Leia mais

Oficina de produção de tutoriais. POLLYANA - TUTORIAL Gimp Avidemux

Oficina de produção de tutoriais. POLLYANA - TUTORIAL Gimp Avidemux Prefeitura de Volta Redonda Secretaria Municipal de Educação Implementação de Informática Aplicada à Educação Oficina de produção de tutoriais POLLYANA - TUTORIAL Gimp Avidemux Oficina de produção de tutoriais

Leia mais

'DGRVGH(QWUDGD SDUD D6LPXODomR

'DGRVGH(QWUDGD SDUD D6LPXODomR 6LPXODomR GH6LVWHPDV 'DGRVGH(QWUDGD SDUD D6LPXODomR,1387 'DGRVGH(QWUDGD SDUD D6LPXODomR 3URSyVLWRReproduzir o comportamento aleatório / estocástico do sistema real dentro do modelo de simulação. *$5%$*(,1*$5%$*(287

Leia mais

Histórico. Software estatístico utilizado em mais de 80 países por pesquisadores, engenheiros, analistas empresariais, professores, estudantes.

Histórico. Software estatístico utilizado em mais de 80 países por pesquisadores, engenheiros, analistas empresariais, professores, estudantes. MINITAB 14 Histórico Software estatístico utilizado em mais de 80 países por pesquisadores, engenheiros, analistas empresariais, professores, estudantes. Possui ferramentas para diversos tipos de análise

Leia mais

Distribuição de Freqüência

Distribuição de Freqüência Distribuição de Freqüência Representação do conjunto de dados Distribuições de freqüência Freqüência relativa Freqüência acumulada Representação Gráfica Histogramas Organização dos dados Os métodos utilizados

Leia mais

Microsoft PowerPoint

Microsoft PowerPoint Microsoft PowerPoint Microsoft PowerPoint é utilizado para desenvolver apresentações. Os trabalhos desenvolvidos com este aplicativo normalmente são apresentados com o auxílio de um datashow. Apresentações

Leia mais

Distribuições Importantes. Distribuições Contínuas

Distribuições Importantes. Distribuições Contínuas Distribuições Importantes Distribuições Contínuas Distribuição Normal ou de Gauss Definição Diz-se que uma v.a. X contínua tem distribuição normal ou de Gauss, X Nor(µ,σ), se a sua função densidade de

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES Caros concurseiros, Como havia prometido, seguem comentários sobre a prova de estatística do ICMS RS. Em cada questão vou fazer breves comentários, bem como indicar eventual possibilidade de recurso. Não

Leia mais

Laudos... 02. Amostras x Análises... 03. Relatório - Estatística Analítico... 04. Relatório - Estatística Sintético... 06. Gráficos...

Laudos... 02. Amostras x Análises... 03. Relatório - Estatística Analítico... 04. Relatório - Estatística Sintético... 06. Gráficos... Manual do Usuário Índice Visão Geral... 01 Laudos... 02 Amostras x Análises... 03 Relatório - Estatística Analítico... 04 Relatório - Estatística Sintético... 06 Gráficos... 08 Acessos... 10 Dúvidas, Comentários

Leia mais