Breve revisão de Análise Combinatória

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Breve revisão de Análise Combinatória"

Transcrição

1 1. Princípio fundamental da contagem Breve revisão de Análise Combinatória Considere que certo procedimento pode ocorrer de duas maneiras diferentes, quais sejam: A 1ª maneira, ocorrendo de a modos distintos; A 2ª maneira, ocorrendo de b modos distintos. Portanto, a quantidade de maneiras de ocorrer o procedimento é dada pelo produto a*b. Quando o procedimento ocorrer de três modos diferentes, o total de possibilidades será: a*b*c. Vamos ver um exemplo? Exemplo Três bicicletas (B 1, B 2 e B 3 ) disputam uma corrida. Quantas são as possibilidades de chegada para os dois primeiros lugares? 1º lugar 2º lugar Pontos (3 possibilidades) (2 possibilidades) (6 possibilidades) B B 1 B 2 B B B 1 B 3 B B 2 B 1 B B B 2 B 3 B B 3 B 1 B B B 3 B 2 Observe que: O número de possibilidades para o 1º lugar é 3; O número de possibilidades para o 2º lugar é 2; O número total de possibilidades é 3 * 2 = 6. O esquema desenvolvido no exemplo é chamado de árvore das possibilidades e facilita a resolução dos problemas de contagem.

2 2. Fatorial de um número O produto de n fatores (a começar por n) até o valor 1 é denominado fatorial de n e o indicamos por n! Portanto: n! = n * (n-1) * (n-2) *... *3*2*1 Sendo assim, temos: 0! = 1 1! = 1 2! = 2*1 = 2 3! = 3*2*1 = 6 4! = 4*3*2*1 = 24 5! = 5*4*3*2*1 = 120 Veja, a seguir, um exemplo. Exemplo Vamos simplificar o seguinte número: Realizando a simplificação, temos: Colocando em evidência n*(n-1)!, temos: 3. Arranjos simples Arranjo é o tipo de agrupamento em que um grupo é diferente de outro pela ordem ou pela natureza dos elementos componentes. Quantos números de 2 algarismos distintos são formados com os algarismos do conjunto A = {1, 2, 3, 4}?

3 1º algarismo 2º algarismo Números formados (4 possibilidades) (3 possibilidades) (12 números) Observe que os grupos (números ou elementos) obtidos diferem entre si: Pela ordem dos elementos (13 ou 31, por exemplo); Pelos elementos componentes natureza (14 e 43, por exemplo). Os grupos obtidos são denominados arranjos simples dos 4 elementos, tomados 2 a 2, e são indicados por A 4,2. A fórmula geral do arranjo simples é a seguinte: 4. Combinações simples = = *Arranjo simples de n elementos tomados p a p. Combinação é o tipo de agrupamento em que um grupo é diferente de outro apenas pela natureza dos elementos componentes. Quantas comissões de duas pessoas podem ser formadas com 4 alunos (A, B, C e D) de 3 uma classe?

4 1º aluno 2º aluno Números de comissões (4 possibilidades) (3 possibilidades) (6 comissões) B AB A C AC D AD A BA B C BC D BD A CA C B CB D CD A DA D B DB C DC Observe que os grupos AB e BA representam a mesma comissão. Os alunos A e B não importam a ordem, mas formam apenas uma comissão. Isso significa que a mesma comissão foi contada duas vezes. Portanto, o total de comissão é seis 12 / 2 = 6. Os grupos assim obtidos são denominados combinações simples dos 4 elementos, tomados 2 a 2, e são indicados por. A fórmula geral da combinação simples é a seguinte: 5. Permutações simples *Combinação de n elementos tomados p a p. Permutação é o tipo de agrupamento ordenado em que em cada grupo entram todos os elementos. Quantos números de 3 algarismos distintos podem ser formados, usando os algarismos 1, 3 e 5?

5 1º algarismo 2º algarismo 3º algarismo Números formados (3 possibilidades) (2 possibilidades) (1comissões) (6 números) Observe que a permutação simples é um caso particular de arranjo simples, isto é: 6. Permutação com elementos repetidos = n! O número de permutações possíveis com n elementos, dentre os quais certo elemento se repete vezes, é igual ao fatorial de n dividido pelo fatorial de. Veja: Considere que tenhamos n elementos, dos quais: ; ;. O número de permutações distintas de n elementos será: Quantos anagramas tem a palavra MARCIA? A palavra MARCIA tem 6 letras, sendo que 2 são iguais a A. Portanto:

6 Sendo assim, a palavra MARCIA tem 360 anagramas. Resumo Veja o que estudamos até agora: 1. Arranjos são agrupamentos em que a ordem dos elementos É importante; 2. Combinações são agrupamentos em que a ordem dos elementos NÃO é importante; 3. Permutações são arranjos de n elementos que apenas trocam de lugar entre si.

Análise Combinátorio. 1 - Introdução. 2 - Fatorial

Análise Combinátorio. 1 - Introdução. 2 - Fatorial Análise Combinátorio 1 - Introdução Foi a necessidade de calcular o número de possibilidades existentes nos chamados jogos de azar que levou ao desenvolvimento da Análise Combinatória, parte da Matemática

Leia mais

Ensino Médio. Fatorial

Ensino Médio. Fatorial As Permutações Comentários: As primeiras atividades matemáticas da humanidade estavam ligadas à contagem de objetos de um conjunto, enumerando seus elementos. As civilizações antigas, como egípcia, babilônia,

Leia mais

Cálculo Combinatório

Cálculo Combinatório Cálculo Combinatório Introdução Foi a necessidade de calcular o número de possibilidades existentes nos chamados jogos de azar que levou ao desenvolvimento da Análise Combinatória, parte da Matemática

Leia mais

CAPÍTULO 2 ANÁLISE COMBINATÓRIA

CAPÍTULO 2 ANÁLISE COMBINATÓRIA CAPÍTULO 2 ANÁLISE COMBINATÓRIA A análise combinatória é um ramo da matemática, que tem por fim estudar as propriedades dos agrupamentos que podemos formar, segundo certas leis, com os elementos de um

Leia mais

10. Fatorial e Análise combinatória

10. Fatorial e Análise combinatória 10. Fatorial e Análise combinatória 1. Definição e propriedades básicas. Seja n um número natural, n 2. Então, designamos o produto 123... (n-1)n como, que se lê n fatorial. Dessa definição, deduzimos

Leia mais

REVISÃO DOS CONTEÚDOS

REVISÃO DOS CONTEÚDOS REVISÃO DOS CONTEÚDOS Prof. Patricia Caldana Seno, Cosseno e Tangente de um arco Dado um arco trigonométrico AP de medida α, chamam-se cosseno e seno de α a abscissa e a ordenada do ponto P, respetivamente.

Leia mais

PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM OU PRINCÍPIO MULTIPLICATIVO

PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM OU PRINCÍPIO MULTIPLICATIVO ESTUDO DA ANÁLISE COMBINATÓRIA A resolução de problemas é a parte principal da Análise Combinatória, que estuda a maneira de formar agrupamentos com um determinado número de elementos dados, e de determinar

Leia mais

Análise Combinatória

Análise Combinatória Introdução Análise combinatória PROBLEMAS DE CONTAGEM Princípio Fundamental da Contagem Exemplo: Um número de telefone é uma seqüência de 8 dígitos, mas o primeiro dígito deve ser diferente de 0 ou 1.

Leia mais

Matemática Régis Cortes ANÁLISE COMBINATÓRIA

Matemática Régis Cortes ANÁLISE COMBINATÓRIA ANÁLISE COMBINATÓRIA 1 ANÁLISE COMBINATÓRIA PERMUTAÇÃO é o tipo de agrupamento ordenado em que cada grupo entram todos os elementos. Os grupos diferem pela ORDEM Pn = n! ARRANJO : é o tipo de agrupamento

Leia mais

ANÁLISE COMBINATÓRIA

ANÁLISE COMBINATÓRIA ANÁLISE COMBINATÓRIA Lucas Santana da Cunha lscunha@uel.br http://www.uel.br/pessoal/lscunha/ Universidade Estadual de Londrina 17 de maio de 2017 Introdução A Análise Combinatória é a parte da Matemática

Leia mais

Fatorial de um número natural

Fatorial de um número natural Fatorial de um número natural Exemplos: a) 6! 6. 6. 5. 4. 3. 2. 1 720 b) 4. 3! 4. 3. 2. 1 24 c) 7! 7. 6! 7. 6. 5. 4. 3. 2. 1 5040 d) 10. 9. 8. 7. 6. 5. 4. 3. 2. 1 3.628.800 e) 3! 3. 2. 1 6 Perceba que

Leia mais

PROBABILIDADE. Prof. Patricia Caldana

PROBABILIDADE. Prof. Patricia Caldana PROBABILIDADE Prof. Patricia Caldana Estudamos probabilidade com a intenção de prevermos as possibilidades de ocorrência de uma determinada situação ou fato. Para determinarmos a razão de probabilidade,

Leia mais

ARRANJO OU COMBINAÇÃO?

ARRANJO OU COMBINAÇÃO? ARRANJO OU COMBINAÇÃO? As principais ferramentas da Análise Combinatória são a Permutação, o Arranjo e a Combinação, mas muitos estudantes se confundem na hora de decidir qual delas utilizar para resolver

Leia mais

TEOREMA DOS COSSENOS: ( Estabelece uma relação entre as medidas dos lados e dos lados de um triângulo qualquer) a) b) c) 10 x x 4 7 x

TEOREMA DOS COSSENOS: ( Estabelece uma relação entre as medidas dos lados e dos lados de um triângulo qualquer) a) b) c) 10 x x 4 7 x MATEMÁTIA- DEPENDÊNIA DO 4º BIMESTRE ( Prof KOJI) ENSINO MÉDIO 2º ANO TEOREMA DOS OSSENOS: ( Estabelece uma relação entre as medidas dos lados e dos lados de um triângulo qualquer) Em todo triângulo, o

Leia mais

Continuando com. O título desta aula já indica que continuaremos. Nossa aula. Permutações com repetição

Continuando com. O título desta aula já indica que continuaremos. Nossa aula. Permutações com repetição A UA UL LA Continuando com permutações Introdução Nossa aula O título desta aula já indica que continuaremos o assunto da Aula 49, em que vimos vários exemplos de permutações denominadas permutações simples

Leia mais

Para entender um segmento de reta, vou mostrar a RETA, SEMI-RETA e SEGMENTO.

Para entender um segmento de reta, vou mostrar a RETA, SEMI-RETA e SEGMENTO. SEGMENTOS PROPORCINAIS SEGMENTOS PROPORCINAIS Para entender um segmento de reta, vou mostrar a RETA, SEMI-RETA e SEGMENTO. A B Esta é a representação de uma reta, em uma reta temos infinitos pontos é como

Leia mais

Unidade IV ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade IV ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues Unidade IV ESTATÍSTICA Prof. Fernando Rodrigues Análise combinatória Analise combinatória é a área da Matemática que trata dos problemas de contagem. Ela é utilizada para contarmos o número de eventos

Leia mais

Probabilidade. Contagem

Probabilidade. Contagem Probabilidade Contagem Problema da Contagem no Estudo da Probabilidade Conforme definição clássica, podemos determinar uma probabilidade calculando a relação entre o total de eventos de sucesso e o total

Leia mais

Análise Combinatória

Análise Combinatória Análise Combinatória PFC Princípio Fundamental da Contagem O princípio fundamental da contagem está diretamente ligado às situações que envolvem as possibilidades de um determinado evento ocorrer, por

Leia mais

Estatística Básica Capítulo 2 Ayrton Barboni. Anotamos n(x) o número de elementos do conjunto X. Vejamos algumas situações:

Estatística Básica Capítulo 2 Ayrton Barboni. Anotamos n(x) o número de elementos do conjunto X. Vejamos algumas situações: 2. TÉCNICAS DE CONTAGEM Capítulo 2 Para resolver problemas de probabilidades, que serão estudados adiante, é necessário, em alguns casos, contar os elementos de um conjunto finito. 2.1. REGRAS DE CONTAGEM

Leia mais

APOSTILA DE MATEMÁTICA

APOSTILA DE MATEMÁTICA 1 NEEJA: NÚCLEO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS CONSTRUINDO UM NOVO MUNDO APOSTILA DE MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO MÓDULO - 8 PROFESSOR: Suzerly Fatima Bonotto Ano: 2015 2 MÓDULO/ 8 SEQUÊNCIAS: Muitos problemas

Leia mais

Análise Combinatória

Análise Combinatória Análise Combinatória PFC Princípio Fundamental da Contagem O princípio fundamental da contagem está diretamente ligado às situações que envolvem as possibilidades de um determinado evento ocorrer, por

Leia mais

10 opções. 10 opções. 9 opções. 22 opções. 23 opções

10 opções. 10 opções. 9 opções. 22 opções. 23 opções Contagem Princípio Fundamental de Contagem Se algum procedimento pode ser realizado de n 1 maneiras diferentes; se, seguindo este, um segundo procedimento pode ser realizado de n 2 maneiras diferentes;

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/20 4 - INTROD. À ANÁLISE COMBINATÓRIA 4.1) Arranjos

Leia mais

Contagem e Probabilidade Soluções do Exercícios Adicionais. Paulo Cezar Pinto Carvalho

Contagem e Probabilidade Soluções do Exercícios Adicionais. Paulo Cezar Pinto Carvalho Contagem e Probabilidade Soluções do Exercícios Adicionais Paulo Cezar Pinto Carvalho 1. a) AB, AC, AD, BA, BC, BD, CA, CB, CD, DA, DB, DC b) O líder pode ser escolhido de modos; uma vez escolhido o líder,

Leia mais

ESTUDO DA ANÁLISE COMBINATÓRIA

ESTUDO DA ANÁLISE COMBINATÓRIA ESTUDO DA ANÁLISE COMBINATÓRIA A resolução de problemas é a parte principal da Análise Combinatória, que estuda a maneira de formar agrupamentos com um determinado número de elementos dados, e de determinar

Leia mais

(b) Em quantos destes anagramas as letras CI aparecem juntas e nesta ordem? (c) Em quantos anagramas a letra A aparece antes (a esquerda) da letra E?

(b) Em quantos destes anagramas as letras CI aparecem juntas e nesta ordem? (c) Em quantos anagramas a letra A aparece antes (a esquerda) da letra E? Exercício 1. (a) Quantos são os anagramas da palavra CINEMA. (b) Em quantos destes anagramas as letras CI aparecem juntas e nesta ordem? (c) Em quantos anagramas a letra A aparece antes (a esquerda) da

Leia mais

Recursividade, Tentativa e Erro

Recursividade, Tentativa e Erro Recursividade, Tentativa e Erro Túlio Toffolo www.toffolo.com.br Marco Antônio Carvalho marco.opt@gmail.com BCC402 Aula 07 Algoritmos e Programação Avançada Na aula anterior Prova 2 Na aula de hoje Técnicas

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESCOLHA A ÚNICA ALTERNATIVA CERTA, ASSINALANDO-A COM X NOS PARÊNTESES

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESCOLHA A ÚNICA ALTERNATIVA CERTA, ASSINALANDO-A COM X NOS PARÊNTESES MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO (Casa de Thomaz Coelho/1889 9º Ano SubSeção de Matemática 1 a PARTE Múltipla Escolha Álgebra e Geometria ESCOLHA A

Leia mais

Monômios são expressões algébricas formadas por apenas um número, por uma variável ou pela multiplicação de números e variáveis.

Monômios são expressões algébricas formadas por apenas um número, por uma variável ou pela multiplicação de números e variáveis. 1 PRODUTOS NOTÁVEIS Monômios Monômios são expressões algébricas formadas por apenas um número, por uma variável ou pela multiplicação de números e variáveis. 15 x 3x y 5 y ab Em geral, os monômios são

Leia mais

Rumo Curso Pré Vestibular Assistencial - RCPVA Disciplina: Matemática Professor: Vinícius Nicolau 19 de Setembro de 2014

Rumo Curso Pré Vestibular Assistencial - RCPVA Disciplina: Matemática Professor: Vinícius Nicolau 19 de Setembro de 2014 Sumário 1 Análise Combinatória 1 1.1 Questões de Vestibular.............................. 1 1.1.1 IME-RJ, Adaptada............................ 1 1.1.2 ESPM-SP................................. 2 1.1.3 Mackenzie-SP,

Leia mais

Matéria: Matemática Assunto: Princípios da Contagem Prof. Dudan

Matéria: Matemática Assunto: Princípios da Contagem Prof. Dudan Matéria: Matemática Assunto: Princípios da Contagem Prof. Dudan Matemática Princípio da Contagem Os primeiros passos da humanidade na matemática estavam ligados a necessidade de contagem de objetos de

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Turma: 4ª Série. Probabilidade e Estatística. Aula 2

Curso: Ciência da Computação Turma: 4ª Série. Probabilidade e Estatística. Aula 2 Curso: Ciência da Computação Turma: 4ª Série Aula 2 Análise Combinatória: Arranjo, Permutação, Combinação Simples e com Repetição Motivação Quantas ordenações são possíveis fazer com um baralho de 52 cartas?

Leia mais

UNITAU APOSTILA ANÁLISE COMBINATÓRIA PROF. CARLINHOS

UNITAU APOSTILA ANÁLISE COMBINATÓRIA PROF. CARLINHOS ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA ANÁLISE COMBINATÓRIA PROF. CARLINHOS NOME DO ALUNO: Nº TURMA: blog.portalpositivo.com.br/capitcar 1 ANÁLISE COMBINATÓRIA A Análise Combinatória

Leia mais

EXPERIMENTO ALEATÓRIO : Experimento que pode fornecer diferentes resultados, embora seja repetido toda vez da mesma maneira.

EXPERIMENTO ALEATÓRIO : Experimento que pode fornecer diferentes resultados, embora seja repetido toda vez da mesma maneira. EXPERIMENTO ALEATÓRIO : Experimento que pode fornecer diferentes resultados, embora seja repetido toda vez da mesma maneira. ESPAÇO AMOSTRAL : O conjunto de todos os resultados possíveis de um experimento

Leia mais

Trigonometria no Triângulo Retângulo

Trigonometria no Triângulo Retângulo Trigonometria no Triângulo Retângulo Prof. Márcio Nascimento marcio@matematicauva.org Universidade Estadual Vale do Acaraú Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Curso de Licenciatura em Matemática Disciplina:

Leia mais

Carnes: filé de peixe, filé de frango, carne de porco e bife de carne bovina.

Carnes: filé de peixe, filé de frango, carne de porco e bife de carne bovina. ANÁLISE COMBINATÓRIA CONTEÚDOS Princípio multiplicativo Permutações simples Arranjos simples Combinações simples Permutações com elementos repetidos AMPLIANDO SEUS CONHECIMENTOS Princípio multiplicativo

Leia mais

AXB = {(x, y) x A e y B}

AXB = {(x, y) x A e y B} CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA LÓGICA E MATEMÁTICA DISCRETA 2010 1 Produto Cartesiano Par ordenado: são dois elementos em uma ordem fixa, (x,y) Produto Cartesiano: Dados dois conjuntos A e B, não

Leia mais

III) Os vetores (m, 1, m) e (1, m, 1) são L.D. se, somente se, m = 1

III) Os vetores (m, 1, m) e (1, m, 1) são L.D. se, somente se, m = 1 Lista de Exercícios de SMA000 - Geometria Analítica 1) Indique qual das seguintes afirmações é falsa: a) Os vetores (m, 0, 0); (1, m, 0); (1, m, m 2 ) são L.I. se, somente se, m 0. b) Se u, v 0, então

Leia mais

Matemática Discreta. Aula 01: Análise Combinatória I. Tópico 02: Arranjos com e sem repetição. Solução. Arranjos com Repetição.

Matemática Discreta. Aula 01: Análise Combinatória I. Tópico 02: Arranjos com e sem repetição. Solução. Arranjos com Repetição. Aula 01: Análise Combinatória I Tópico 02: Arranjos com e sem repetição Agora que demos o pontapé inicial aprendendo os Princípios Fundamentais de Contagem com e sem repetições, vamos ver que o restante

Leia mais

Sistemas Digitais / Sistemas Digitais I 3 Simplificação de funções

Sistemas Digitais / Sistemas Digitais I 3 Simplificação de funções Simplificação de funções lógicas com mapas de Karnaugh característica essencial dos mapas de Karnaugh é que quadrículas geometricamente adjacentes na horizontal ou na vertical (mas não na diagonal) correspondem

Leia mais

DIVISÃO EUCLIDIANA. (a) Quais são os postos de partida e chegada de uma corrida de 14 quilômetros?

DIVISÃO EUCLIDIANA. (a) Quais são os postos de partida e chegada de uma corrida de 14 quilômetros? DIVISÃO EUCLIDIANA LISTA 04 DIVISÃO EUCLIDIANA E PROBLEMAS PERIÓDICOS Prof: Wagner Monte Raso Braga Aluno(a): 12/07/2016 01) Em cada caso calcule o quociente q e o resto r da divisão de a por b. Em seguida

Leia mais

MAE116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 semestre de 2015

MAE116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 semestre de 2015 MAE116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 semestre de 2015 Gabarito Lista 4 - Probabilidade - CASA Exercício 1. (2 pontos) Para cada um dos experimentos abaixo, descreva o espaço amostral e apresente

Leia mais

Grupo 1 - PIC OBMEP 2011 Módulo 2 - Geometria. Resumo do Encontro 6, 22 de setembro de Questões de geometria das provas da OBMEP

Grupo 1 - PIC OBMEP 2011 Módulo 2 - Geometria. Resumo do Encontro 6, 22 de setembro de Questões de geometria das provas da OBMEP Grupo 1 - PIC OBMEP 2011 Módulo 2 - Geometria Resumo do Encontro 6, 22 de setembro de 2012 Questões de geometria das provas da OBMEP http://www.obmep.org.br/provas.htm 1. Área: conceito e áreas do quadrado

Leia mais

Técnicas de contagem 1 Introdução. 2 Sequências

Técnicas de contagem 1 Introdução. 2 Sequências 1 Introdução Muitos problemas em Probabilidades e Estatística consistem em estimar a incerteza associada a um evento ou acontecimento, o que implica frequentemente determinar o número de elementos associados

Leia mais

Lista 1 com respostas

Lista 1 com respostas Lista 1 com respostas Professora Nataliia Goloshchapova MAT0105/MAT0112-1 semestre de 2015 Exercício 1. Verifique se é verdadeira ou falsa cada afirmação e justifique sua resposta: (a) (A, B) (C, D) AB

Leia mais

Tabela 1 - Minitermos e Maxtermos para uma função de 3 variáveis.

Tabela 1 - Minitermos e Maxtermos para uma função de 3 variáveis. Curso Técnico em Eletrotécnica Disciplina: Automação Predial e Industrial Professor: Ronimack Trajano 1 FORMAS CANÔNICAS A lógica estruturada é baseada na capacidade de escrever equações booleanas de maneira

Leia mais

MÓDULO 5. Números. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA

MÓDULO 5. Números. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA MÓDULO 5 Números 1. (OBM) A prefeitura de uma certa cidade fez uma campanha que permite trocar 4 garrafas de 1 litro vazias por uma garrafa

Leia mais

2 Igualdade e Operações com pares ordenados. 1 Conjunto R 2. 3 Vetores. 2.1 Igualdade. 1.2 Coordenadas Cartesianas no Plano

2 Igualdade e Operações com pares ordenados. 1 Conjunto R 2. 3 Vetores. 2.1 Igualdade. 1.2 Coordenadas Cartesianas no Plano 1 Conjunto R 1.1 Definição VETORES NO PLANO Representamos por R o conjunto de todos os pares ordenados de números reais, ou seja: R = {(x, y) x R y R} 1. Coordenadas Cartesianas no Plano Em um plano α,

Leia mais

ANÁLISE COMBINATÓRIA E PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM

ANÁLISE COMBINATÓRIA E PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM 1. (Fac. Albert Einstein - Medicin 2016) Suponha que nos Jogos Olímpicos de 2016 apenas um representante do Brasil faça parte do grupo de atletas que disputarão a final da prova de natação dos 100 metros

Leia mais

Paulo chegou a uma lanchonete e encontrou as seguintes opções de bebidas disponíveis:

Paulo chegou a uma lanchonete e encontrou as seguintes opções de bebidas disponíveis: Analise Combinatória 1 1.1 Princípio Aditivo Exemplo 1.1 Paulo chegou a uma lanchonete e encontrou as seguintes opções de bebidas disponíveis: 4 opções de refrigerante: R 1, R 2, R 3 e R 4 ; 3 opções de

Leia mais

setor 1102 Aula 20 PRINCÍPIOS BÁSICOS DA CONTAGEM 2 REVISÃO

setor 1102 Aula 20 PRINCÍPIOS BÁSICOS DA CONTAGEM 2 REVISÃO setor 1102 1102008 Aula 20 PRINCÍPIOS BÁSICOS DA CONTAGEM 1 PRINCÍPIOS BÁSICOS DA CONTAGEM Seja, por exemplo, uma lanchonete que vende três tipos de refrigerantes e dois tipos de cerveja. Pergunta-se:

Leia mais

Uma maneira alternativa de olhar para este problema é a seguinte. Imagine que há dois espaços, um para o aluno 1 e outro para o aluno 2,

Uma maneira alternativa de olhar para este problema é a seguinte. Imagine que há dois espaços, um para o aluno 1 e outro para o aluno 2, Contagem Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 14 Muitos problemas de probabilidades envolvem o uso de conceitos da análise combinatória Esta aula tem por objetivo fazer uma revisão dessa área

Leia mais

GAAL: Exercícios 1, umas soluções

GAAL: Exercícios 1, umas soluções GAAL: Exercícios 1, umas soluções 1. Determine o ponto C tal que AC = 2 AB, sendo A = (0, 2), B = (1, 0). R: Queremos C tal que AC = 2 AB. Temos AB = (1 0, 0 ( 2)) = (1, 2), logo 2 AB = (2, 4). Então queremos

Leia mais

Produto Cartesiano. Exemplo: Dados os conjuntos A = {5,6} e B = {2,3,4}, vamos determinar o produto cartesiano AXB;

Produto Cartesiano. Exemplo: Dados os conjuntos A = {5,6} e B = {2,3,4}, vamos determinar o produto cartesiano AXB; Produto Cartesiano Par ordenado: são dois elementos em uma ordem fixa, (x,y) Produto Cartesiano: Dados dois conjuntos A e B, não vazios, chamamos de produto cartesiano de A por B o conjunto indicado por

Leia mais

Rumo Curso Pré Vestibular Assistencial - RCPVA Disciplina: Matemática Professor: Vinícius Nicolau 12 de Setembro de 2014

Rumo Curso Pré Vestibular Assistencial - RCPVA Disciplina: Matemática Professor: Vinícius Nicolau 12 de Setembro de 2014 Sumário 1 Análise Combinatória 1 1.1 Princípio Multiplicativo.............................. 1 1.1.1 Exercícios................................. 4 1.2 Permutação Simples................................

Leia mais

Polígonos PROFESSOR RANILDO LOPES 11.1

Polígonos PROFESSOR RANILDO LOPES 11.1 Polígonos PROFESSOR RANILDO LOPES 11.1 Polígonos Polígono é uma figura geométrica plana e fechada formada apenas por segmentos de reta que não se cruzam no mesmo plano. Exemplos 11.1 Elementos de um polígono

Leia mais

Elementos de Matemática

Elementos de Matemática Elementos de Matemática Exercícios de Análise Combinatória - Atividades de 2007 Versão compilada no dia 11 de Setembro de 2007. Departamento de Matemática - UEL Prof. Ulysses Sodré: ulysses(a)uel(pt)br

Leia mais

Reaprendendo a contar

Reaprendendo a contar Reaprendendo a contar Aula 16 Ricardo Ferreira Paraizo e-tec Brasil Matemática Instrumental Fonte: www.sxc.hu Meta Apresentar diferentes problemas de análise combinatória. Objetivos Após o estudo desta

Leia mais

8 ANÁLISE COMBINATÓRIA E

8 ANÁLISE COMBINATÓRIA E MATEMATICA 8 ANÁLISE COMBINATÓRIA E PROBABILIDADE NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA PERMUTAÇÕES SIMPLES EXEMPLO QUANTOS NÚMEROS, DE 3 ALGARISMOS DISTINTOS, PODEMOS FORMAR COM OS DÍGITOS 7, 8 E 9? Temos

Leia mais

PROVAS DE NÍVEL MÉDIO DA FUNDATEC

PROVAS DE NÍVEL MÉDIO DA FUNDATEC PROVAS DE NÍVEL MÉDIO DA FUNDATEC Obs: Algumas questões das provas abaixo continham questões que não estavam de acordo com o edital atual da Câmara/POA. Nesses casos, cada questão foi retirada ou adaptada.

Leia mais

Análise Combinatória e Probabilidade

Análise Combinatória e Probabilidade Análise Combinatória e Probabilidade Exemplo: NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA PERMUTAÇÕES SIMPLES -Roteiro do aluno- QUANTOS NÚMEROS, DE 3 ALGARISMOS DISTINTOS, PODEMOS FORMAR COM OS DÍGITOS 7, 8

Leia mais

Técnicas Digitais para Computação

Técnicas Digitais para Computação INF 8 Técnicas Digitais para Computação Minimização de Funções Booleanas Aula Técnicas Digitais. Mapas de Karnaugh com 2 variáveis Diagrama onde cada célula corresponde a um mintermo Exemplo com 2 variáveis

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Regional Catalão - IMTec

Universidade Federal de Goiás Regional Catalão - IMTec Universidade Federal de Goiás Regional Catalão - IMTec Disciplina: Álgebra I Professor: André Luiz Galdino Gabarito da 1 a Lista de Exercícios 11/03/2015 1. Prove que G é um grupo com a operação de multiplicação

Leia mais

Então ao todo ela pode se vestir de 3+3=6 modos diferentes. Veja estas possibilidades na figura a seguir.

Então ao todo ela pode se vestir de 3+3=6 modos diferentes. Veja estas possibilidades na figura a seguir. Contagem 5: resolução de exercícios Desde a primeira aula de contagem estamos estudando o princípio multiplicativo e o princípio aditivo. Também estudamos o conceito de permutação e nas últimas aulas foram

Leia mais

Probabilidade. Contagem

Probabilidade. Contagem Probabilidade Contagem Problema da Contagem no Estudo da Probabilidade Conforme definição clássica, podemos determinar uma probabilidade calculando a relação entre o total de eventos de sucesso e o total

Leia mais

Circuitos Lógicos Combinacionais (parte 2) CPCX UFMS Slides: Prof. Renato F. dos Santos Adaptação: Prof. Fernando Maia da Mota

Circuitos Lógicos Combinacionais (parte 2) CPCX UFMS Slides: Prof. Renato F. dos Santos Adaptação: Prof. Fernando Maia da Mota Circuitos Lógicos Combinacionais (parte 2) CPCX UFMS Slides: Prof. Renato F. dos Santos Adaptação: Prof. Fernando Maia da Mota 4.5 Método do Mapa de Karnaugh Método gráfico usado para simplificar uma equação

Leia mais

Análise Combinatória. Matemática Discreta. Prof Marcelo Maraschin de Souza

Análise Combinatória. Matemática Discreta. Prof Marcelo Maraschin de Souza Análise Combinatória Matemática Discreta Prof Marcelo Maraschin de Souza Introdução Combinatória é o ramo da matemática que trata de contagem. Esses problema são importantes quando temos recursos finitos,

Leia mais

Lista de Exercícios de Geometria

Lista de Exercícios de Geometria Núcleo Básico de Engenharias Geometria - Geometria Analítica Professor Julierme Oliveira Lista de Exercícios de Geometria Primeira Parte: VETORES 1. Sejam os pontos A(0,0), B(1,0), C(0,1), D(-,3), E(4,-5)

Leia mais

Noções de Probabilidade parte I

Noções de Probabilidade parte I Noções de Probabilidade parte I 5 de Março de 2012 Site: http://ericaestatistica.webnode.com.br/ e-mail: ericaa_casti@yahoo.com.br Referências: Probabilidae Aplicações à Estatística - Mayer (Capítulo 1)

Leia mais

Combinatória. Samuel Barbosa. 28 de março de 2006

Combinatória. Samuel Barbosa. 28 de março de 2006 Combinatória Samuel Barbosa 28 de março de 2006 1 Princípios Básicos de Contagem Em contagem, tentamos abordar o problema de contar o número de elementos de um conjunto sem efetivamente contá-los de um

Leia mais

As permutações. Nesta aula você estudará um tipo muito comum. Nossa aula

As permutações. Nesta aula você estudará um tipo muito comum. Nossa aula A UA UL LA As permutações Introdução Nesta aula você estudará um tipo muito comum de problemas de contagem, que está relacionado com as várias formas de organizar ou arrumar os elementos de um conjunto.

Leia mais

Análise Combinatória e Probabilidade

Análise Combinatória e Probabilidade Análise Combinatória e Probabilidade E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de análise combinatória e probabilidade? Análise Combinatória Considere a seguinte situação:

Leia mais

MATEMÁTICA A - 11.º Ano TRIGONOMETRIA

MATEMÁTICA A - 11.º Ano TRIGONOMETRIA MATEMÁTICA A - 11.º Ano TRIGONOMETRIA NOME: N.º 1. Na figura ao lado [ABCD] é um quadrado de lado 5 cm. O é o ponto de interseção das diagonais. Calcula: 1.1. AB BC 1.2. AB DC 1.3. AB BD 1.4. AO DC 2.

Leia mais

EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA MATEMÁTICA

EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA MATEMÁTICA EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA MATEMÁTICA Professor: LUIZ ANTÔNIO 1 >>>>>>>>>> PROGRESSÃO ARITMÉTICA P. A.

Leia mais

5) São quantos os números ímpares com três algarismos, que não possuem dígitos repetidos e que de trás para frente também são ímpares?

5) São quantos os números ímpares com três algarismos, que não possuem dígitos repetidos e que de trás para frente também são ímpares? ANÁLISE COMBINATÓRIA PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM O princípio fundamental da contagem diz que um evento que ocorre em n situações independentes e sucessivas, tendo a primeira situação ocorrendo de

Leia mais

Planejamento de Experimentos

Planejamento de Experimentos Planejamento de Experimentos 8. Planos Fatoriais Fracionários 2 k 8.1 Introdução A medida que o número de fatores k cresce, o número de combinações de tratamento em cada replicação cresce exponencialmente

Leia mais

n. 15 ÁREA DE UM TRIÂNGULO Logo, a área do triângulo é obtida calculando-se a metade da área do S = 1 2

n. 15 ÁREA DE UM TRIÂNGULO Logo, a área do triângulo é obtida calculando-se a metade da área do S = 1 2 n. 15 ÁREA DE UM TRIÂNGULO Do cálculo da área do paralelogramo temos: S ABCD = u x v Logo, a área do triângulo é obtida calculando-se a metade da área do paralelogramo, portanto S ABC = 1 u x v Assim,

Leia mais

GEOMETRIA: ÂNGULOS E TRIÂNGULOS

GEOMETRIA: ÂNGULOS E TRIÂNGULOS Atividade: Ângulos e Triângulos (ECA 03 Atividade para 16/03/2015) Série: 1ª Série do Ensino Médio Etapa: 1ª Etapa 2014 Professor: Cadu Pimentel GEOMETRIA: ÂNGULOS E TRIÂNGULOS ATENÇÃO: Estimados alunos,

Leia mais

Raciocínio Lógico. 06- A quantidade de anagramas que podem ser formados com as letras da palavra MINISTÉRIO é inferior a

Raciocínio Lógico. 06- A quantidade de anagramas que podem ser formados com as letras da palavra MINISTÉRIO é inferior a Raciocínio Lógico 01- Se Carlos é surfista, então Julia não é tenista. Se Julia não é tenista, então Michelle anda de skate. Se Michelle anda de skate, então Lucas não é patinador. Ora, Lucas é patinador.

Leia mais

Aula 02: Probabilidade

Aula 02: Probabilidade ITA - Laboratório rio de Guerra Eletrônica EENEM 2008 Estatística stica e Probabilidade Aula 02: Probabilidade população probabilidade (dedução) inferência estatística stica (indução) amostra Definições

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL ENQ 2017.1 Gabarito Questão 01 [ 1,25 ] Determine as equações das duas retas tangentes à parábola de equação y = x 2 2x + 4 que passam pelo ponto (2,

Leia mais

Retas e planos. Posições relativas

Retas e planos. Posições relativas Retas e planos. Posições relativas Recordar Noção de Plano Se prolongares indefinidamente e em todas as direções o tampo do quadro, obténs um Plano. Como desenhar um plano é impossível, convencionou-se

Leia mais

UNIVERSITÁRIO DE SINOP CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSITÁRIO DE SINOP CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Exercícios propostos: aulas 01 e 02 GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO GA - LISTA DE EXERCÍCIOS 001 1. Calcular o perímetro do triângulo ABC, sendo dado A = (2, 1), B = (-1, 3) e C = (4, -2). 2. Provar que

Leia mais

Aula 3 Polígonos Convexos

Aula 3 Polígonos Convexos MODULO 1 - AULA 3 Aula 3 Polígonos Convexos Conjunto convexo Definição: Um conjunto de pontos chama-se convexo se, quaisquer que sejam dois pontos distintos desse conjunto, o segmento que tem esses pontos

Leia mais

PROBABILIDADE. Aula 2 Probabilidade Básica. Fernando Arbache

PROBABILIDADE. Aula 2 Probabilidade Básica. Fernando Arbache PROBABILIDADE Aula 2 Probabilidade Básica Fernando Arbache Probabilidade Medida da incerteza associada aos resultados do experimento aleatório Deve fornecer a informação de quão verossímil é a ocorrência

Leia mais

Probabilidade - aula I

Probabilidade - aula I e 27 de Fevereiro de 2015 e e Experimentos Aleatórios e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Entender e descrever espaços amostrais e eventos para experimentos aleatórios. Interpretar

Leia mais

MATEMÁTICA ELEMENTAR II:

MATEMÁTICA ELEMENTAR II: Marcelo Gorges Olímpio Rudinin Vissoto Leite MATEMÁTICA ELEMENTAR II: situações de matemática do ensino médio no dia a dia 2009 2009 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

Álgebra de Boole. João Paulo Cerquinho Cajueiro 19 de agosto de 2009

Álgebra de Boole. João Paulo Cerquinho Cajueiro 19 de agosto de 2009 Álgebra de Boole João Paulo Cerquinho Cajueiro 19 de agosto de 2009 A álgebra de Boole foi desenvolvida por George Boole(1815 1864) em seu livro An Investigation of the Laws of Thought on Which are Founded

Leia mais

Módulo de Elementos básicos de geometria plana. Conceitos Geométricos Básicos. Oitavo Ano

Módulo de Elementos básicos de geometria plana. Conceitos Geométricos Básicos. Oitavo Ano Módulo de Elementos básicos de geometria plana Conceitos Geométricos Básicos Oitavo Ano Conceitos Geométricos Básicos 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. Dados quatro pontos distintos A, B, C e D,

Leia mais

Módulo de Princípios Básicos de Contagem. Segundo ano

Módulo de Princípios Básicos de Contagem. Segundo ano Módulo de Princípios Básicos de Contagem Permutação simples Segundo ano Permutação Simples 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. De quantas formas se pode dispor quatro pessoas em fila indiana? Exercício

Leia mais

O quadrado e outros quadriláteros

O quadrado e outros quadriláteros Acesse: http://fuvestibular.com.br/ A UUL AL A O quadrado e outros quadriláteros Para pensar No mosaico acima, podemos identificar duas figuras bastante conhecidas: o quadrado, de dois tamanhos diferentes,

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

ISSN Pubblicato dal 23/11/2012

ISSN Pubblicato dal 23/11/2012 ISSN 1127-8579 Pubblicato dal 23/11/2012 All'indirizzo http://xn--leggedistabilit2013-kub.diritto.it/docs/34317-tr-fico-de-drogas-esubstitui-o-de-pena-privativa-de-liberdade-por-pena-restritivas-de-direitos-uma-an-liseevolutiva-do-tratamento-da-mat-ria-no-ordenamento-jur-dico-brasileiro

Leia mais

Centro Estadual de Educação Supletiva de Votorantim

Centro Estadual de Educação Supletiva de Votorantim Centro Estadual de Educação Supletiva de Votorantim ANÁLISE COMBINATÓRIA O PRINCÍPIO MULTIPLICATIVO A palavra Matemática, para um adulto ou uma criança, está diretamente relacionada com atividades e técnicas

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Métodos Matemáticos

Universidade Federal do Rio de Janeiro INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Métodos Matemáticos Universidade Federal do Rio de Janeiro INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Métodos Matemáticos Gabarito da a Prova de Geometria I - Matemática - Monica 9/05/015 1 a Questão: (4,5 pontos) (solução na

Leia mais

Experimentos Fatoriais 2 k Fracionados

Experimentos Fatoriais 2 k Fracionados Experimentos Fatoriais k Fracionados Prof. Silvio S. Zocchi ESALQ/USP /09/015 Prof. Silvio S. Zocchi (ESALQ/USP) Experimentos Fatoriais k Fracionados /09/015 1 / 8 1. Introdução Ex. Fatorial com k = 6

Leia mais

Figura disponível em: <http://soumaisenem.com.br/fisica/conhecimentos-basicos-e-fundamentais/grandezas-escalares-egrandezas-vetoriais>.

Figura disponível em: <http://soumaisenem.com.br/fisica/conhecimentos-basicos-e-fundamentais/grandezas-escalares-egrandezas-vetoriais>. n. 7 VETORES vetor é um segmento orientado; são representações de forças, as quais incluem direção, sentido, intensidade e ponto de aplicação; o módulo, a direção e o sentido caracterizam um vetor: módulo

Leia mais

GEOMETRIA ANALÍTICA CONTEÚDOS. Distância entre pontos Equação da reta Distância ponto reta Coeficientes Equação da circunferência.

GEOMETRIA ANALÍTICA CONTEÚDOS. Distância entre pontos Equação da reta Distância ponto reta Coeficientes Equação da circunferência. GEOMETRIA ANALÍTICA CONTEÚDOS Distância entre pontos Equação da reta Distância ponto reta Coeficientes Equação da circunferência. AMPLIANDO SEUS CONHECIMENTOS Neste capítulo, estudaremos a Geometria Analítica.

Leia mais

Permutacões com elementos repetidos

Permutacões com elementos repetidos Permutacões com elementos repetidos Lembre-se de que permutar um grupo de elementos consiste em colocá-los em uma determinada ordem. E lembre-se de que, quando n é um inteiro não negativo, a quantidade

Leia mais