MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA"

Transcrição

1 MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA Urbanização Energia NR08 Trabalho Realizado Por: Carlos Manuel Pinto Oliveira, Ricardo Nuno Freitas Neves, Tiago Filipe Ferreira dos Santos,

2 P R O J E C T O D E L I C E N C I A M E N T O Índice ÍNDICE DE TABELAS... 3 ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES CONSIDERAÇÕES GERAIS LEGISLAÇÃO CLASSIFICAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESCRIÇÃO DA URBANIZAÇÃO: POTÊNCIAS A CONTRATAR... 8 Lote 1 a 83:... 8 Lote A1 e A2 Habitações T2:... 9 Lote A1 e A2 Serviços Comuns:... 9 Lote A3 e A4 Habitações T4:... 9 Lote A3 e A4 Serviços Comuns: Lote A3 Café: Lote A3 Restaurante: Lote A4 E.C.: Lote B1 e B2 Habitações T4: Lote B1 e B2 Habitações T3: Lote B1 e B2 Serviços Comuns: Lote B1 E.C.: Lote B2 Clínica: Lote C1 a C4 Habitações T3: Lote C1 a C4 Habitações T2: Lote C1 a C4 Habitações T1: Lote C1 a C4 Serviços Comuns: Lote C1 a C4 E.C.: Lote C1 a C4 E.C.: Lote C5 e C6 Habitações T4: Lote C5 e C6 Habitações T3: Lote C5 e C6 Serviços Comuns: Lote C5 E.C.: Lote C6 Infantário: Lote E1 a E7 Habitações T3: Lote E1 a E7 Serviços Comuns: POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO CARACTERÍSTICAS DA REDE DE BAIXA TENSÃO Características dos cabos FEUP - MIEEC Página 1

3 Características dos tubos Condições técnicas de estabelecimento dos cabos e tubos Armários de distribuição Condições técnicas de estabelecimento dos Armários de Distribuição FEUP - MIEEC Página 2

4 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1 - Descrição da Urbanização... 7 Tabela 2 - Potências Mínimas a Contratar... 8 Tabela 3 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote 1 a Tabela 4 - Potência Contratada Real no Lote 1 a Tabela 5 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote A1 e A2 Nos T Tabela 6 - Potência Contratada Real no Lote A1 e A2 nos T Tabela 7 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote A1 e A2 nos S.C Tabela 8 - Potência Contratada Real no Lote A1 e A2 nos S.C Tabela 9 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote A3 e A4 nos T Tabela 10 - Potência Contratada Real no Lote A3 e A4 nos T Tabela 11 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote A3 e A4 nos S.C Tabela 12 - Potência Contratada Real no Lote A3 e A4 nos S.C Tabela 13 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote A3 no Café...10 Tabela 14 - Potência Contratada Real no Lote A3 no Café...10 Tabela 15 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote A3 no Café...11 Tabela 16 - Potência Contratada Real no Lote A3 no Restaurante...11 Tabela 17 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote A4 nos E.C Tabela 18 - Potência Contratada Real no Lote A4 nos E.C Tabela 19 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote B1 e B2 nos T Tabela 20 - Potência Contratada Real no Lote B1 e B2 nos T Tabela 21 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote B1 e B2 nos T Tabela 22 - Potência Contratada Real no Lote B1 e B2 nos T Tabela 23 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote A3 e A4 nos S.C Tabela 24 - Potência Contratada Real no Lote A3 e A4 nos S.C Tabela 25 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote B1 nos E.C Tabela 26 - Potência Contratada Real no Lote B1 nos E.C Tabela 27 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote B2 na Clínica...13 Tabela 28 - Potência Contratada Real no Lote B B2 na Clínica...13 Tabela 29 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote C1 a C4 nos T Tabela 30 - Potência Contratada Real no Lote B1 e B2 nos T Tabela 31 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote C1 a C4 nos T Tabela 32 - Potência Contratada Real no Lote C1 a C4 nos T Tabela 33 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote C1 a C4 nos T Tabela 34 - Potência Contratada Real no Lote C1 a C4 nos T FEUP - MIEEC Página 3

5 Tabela 35 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote C1 e C4 nos S.C Tabela 36 - Potência Contratada Real no Lote C1 e C4 nos S.C Tabela 37 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote C1 a C4 nos E.C Tabela 38 - Potência Contratada Real no Lote C1 a C4 nos E.C...15 Tabela 39 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote C1 a C4 nos E.C Tabela 40 - Potência Contratada Real no Lote C1 a C4 nos E.C...15 Tabela 41 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote C5 e C6 nos T Tabela 42 - Potência Contratada Real no Lote C5 e C6 nos T Tabela 43 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote C5 e C6 nos T Tabela 44 - Potência Contratada Real no Lote C5 e C6 nos T Tabela 45 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote C5 e C6 nos S.C Tabela 46 - Potência Contratada Real no Lote C4 e C5 nos S.C Tabela 47 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote C5 nos E.C Tabela 48 - Potência Contratada Real no Lote C5 nos E.C...16 Tabela 49 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote C6 no Infantário...17 Tabela 50 - Potência Contratada Real no Lote C6 no Infantário...17 Tabela 51 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote E1 a E7 nos T Tabela 52 - Potência Contratada Real no Lote E1 a E7 nos T Tabela 53 Dimensionamento da Potência a Contratar no Lote E1 a E7 nos S.C Tabela 54 - Potência Contratada Real no Lote E1 a E7 nos S.C Tabela 55 - Potência associada ao PT Tabela 56 - Potência Associada ao PT Tabela 57 - Distribuição dos lotes pelo PT Tabela 58 - Distribuição dos lotes pelo PT FEUP - MIEEC Página 4

6 ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES Não foi encontrada nenhuma entrada do índice de ilustrações. FEUP - MIEEC Página 5

7 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS A presente memória descritiva tem como objectivo o dimensionamento de todos as canalizações de baixa tensão (iluminação publica, ramais e canalizações principais), bem como a escolha dos locais mais adequados para a localização dos postos de transformação, armários de distribuição e postes de iluminação pública. Estas infra-estruturas encontram-se dimensionadas de forma a garantir energia com qualidade e fiabilidade de serviço a todos os consumidores da urbanização 2. LEGISLAÇÃO Este projecto foi realizado de acordo com: Novas Regras Técnicas de Instalações Eléctricas de Baixa Tensão (N.R.T.I.E.B.T.); Regulamento de Segurança de Redes de Distribuição de Energia Eléctrica em Baixa Tensão (R.S.R.D.E.E.B.T.); Normativas de EDP: DMA-C68-10/N; DMA-C63-201/N; DMA-C62-801/N; DMA-C68-040/N; DRE-C11-040/N; DIT-C11-010/N. Portaria nº 454/ CLASSIFICAÇÃO DAS INSTALAÇÕES As descrições e dimensionamentos presentes neste projecto são instalações de serviço público e referem-se a: Rede de distribuição de energia em baixa tensão (230/400V); Rede de iluminação pública. 4. DESCRIÇÃO DA URBANIZAÇÃO: A Urbanização NR08 é constituída por zonas habitacionais, um infantário, zonas comerciais para uso geral e zonas comerciais pré-definidas, sendo estas, uma clínica, café e restaurante, cuja descrição se encontra na tabela 1. FEUP - MIEEC Página 6

8 Esta urbanização encontra-se localizada no Porto. Destina-se a agregados familiares de classe alta, com rede de gás canalizada que se destina unicamente a aquecimento de águas e climatização ambiente. No que concerne a rede eléctrica, esta é do tipo subterrânea e explorada em rede radial. Esta irá ser alimentada por dois postos de transformação de 630 kva que são alimentados por uma rede de 15kV. Lote Função Composição Habitações por piso/topologia 1-83 Habitação Moradia T6 200 Anexos - 35 A1-A2 Garagem + Habitação R/C+4 Pisos 2xT2 95 A3 2xT4 130 Garagem + Comercio + CV+R/C+3 Pisos 1xCafé 90 Habitação 1xRestaurante 120 A4 Garagem + Comercio + 2xT4 130 CV+R/C+3 Pisos Habitação 2xE.C. 105 B1 1xT4 140 Garagem + Comercio + CV+R/C+8 Pisos 1xT3 120 Habitação 2xE.C. 110 B2 1xT4 140 Garagem + Comercio + CV+R/C+8 Pisos 1xT3 120 Habitação 1xClínica 220 1xT3 125 C1-C4 1xT2 90 Garagem + Comercio + CV+R/C+4 Pisos 1xT1 70 Habitação 2xE.C. 90 1xE.C. 60 C5 1xT4 140 Garagem + Comercio + CV+R/C+5 Pisos 1xT3 120 Habitação 4xE.C. 60 C6 1xT4 140 Garagem + Comercio + CV+R/C+5 Pisos 1xT3 120 Habitação 1xInfantário 250 E1-E7 Garagem + Habitação R/C+4 Pisos 2xT3 125 TABELA 1 - DESCRIÇÃO DA URBANIZAÇÃO FEUP - MIEEC Página 7

9 5. POTÊNCIAS A CONTRATAR As instalações de utilização da urbanização necessitam de uma determinada potência para alimentar as cargas destas. De acordo com as Novas Regras Técnicas as deverão ser dimensionadas com base nos valores mínimos que dependem das áreas úteis e do tipo das dependências servidas pelas instalações eléctricas respectivas. Após se ter analisado as situações anteriores e de acordo com as N.R.T.I.U.B.T. (tabela 2) efectuou-se uma previsão das potências a contratar assegurando alguma flexibilidade para que exista a possibilidade de futuramente os consumidores poderem pedir aumentos de potência sem que seja necessário modificar a rede de distribuição. No que concerne às potências contratadas para os serviços comuns dos prédios, considerou-se o valor comercializado seguinte devido às correntes de arranque. Tipo de Instalação Potência a Contratar Iluminação e Tomadas de Usos Gerais 25 Instalações Fixas de Climatização Ambiente 80 VA /m 2 Instalações de Cozinha Eléctrica 3,3 kva Até três divisões principais: 3 kva Para 4 divisões principais: 4 kva Para 5 divisões principais: 5 kva Para mais de 5 divisões principais: 8 kva TABELA 2 - POTÊNCIAS MÍNIMAS A CONTRATAR De acordo com a norma anterior, definiu-se as potências contratadas para todas as instalações de utilização da urbanização (tabela 3). Lote 1 a 83: Iluminação e T.U.G Climatização Ambiente Cozinha eléctrica TABELA 3 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE 1 A 83 FEUP - MIEEC Página 8

10 0,4 13,96 17,25 TABELA 4 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE 1 A 83 Lote A1 e A2 Habitações T2: Iluminação e T.U.G Climatização Ambiente Cozinha eléctrica TABELA 5 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE A1 E A2 NOS T2 0,4 8,35 10,35 TABELA 6 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE A1 E A2 NOS T2 Lote A1 e A2 Serviços Comuns: Iluminação e T.U.G Elevador Bombas Supressoras TABELA 7 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE A1 E A2 NOS S.C. 0,9 13,5 17,25 TABELA 8 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE A1 E A2 NOS S.C. Lote A3 e A4 Habitações T4: Iluminação e T.U.G Climatização Ambiente Cozinha eléctrica TABELA 9 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE A3 E A4 NOS T4 FEUP - MIEEC Página 9

11 0,4 11,66 13,8 Lote A3 e A4 Serviços Comuns: TABELA 10 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE A3 E A4 NOS T4. Iluminação e T.U.G Elevador Bombas Supressoras TABELA 11 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE A3 E A4 NOS S.C. 0,9 12,582 17,25 Lote A3 Café: TABELA 12 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE A3 E A4 NOS S.C. Iluminação e T.U.G Climatização Ambiente Cozinha eléctrica TABELA 13 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE A3 NO CAFÉ 0,8 21,12 27,6 TABELA 14 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE A3 NO CAFÉ FEUP - MIEEC Página 10

12 Lote A3 Restaurante: Iluminação e T.U.G Climatização Ambiente Cozinha eléctrica TABELA 15 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE A3 NO CAFÉ 0,8 28,80 34,5 Lote A4 E.C.: TABELA 16 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE A3 NO RESTAURANTE Iluminação e T.U.G TABELA 17 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE A4 NOS E.C. 0,9 9,45 10,35 Lote B1 e B2 Habitações T4: TABELA 18 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE A4 NOS E.C. Iluminação e T.U.G Climatização Ambiente Cozinha eléctrica TABELA 19 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE B1 E B2 NOS T4 0,4 12,08 13,8 TABELA 20 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE B1 E B2 NOS T4 FEUP - MIEEC Página 11

13 Lote B1 e B2 Habitações T3: Iluminação e T.U.G Climatização Ambiente Cozinha eléctrica TABELA 21 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE B1 E B2 NOS T3 0,4 9,64 10,35 TABELA 22 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE B1 E B2 NOS T3 Lote B1 e B2 Serviços Comuns: Iluminação e T.U.G Elevador Bombas Supressoras TABELA 23 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE A3 E A4 NOS S.C. 0,9 16,38 20,70 TABELA 24 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE A3 E A4 NOS S.C. Lote B1 E.C.: Iluminação e T.U.G TABELA 25 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE B1 NOS E.C. 0,9 9,9 10,35 TABELA 26 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE B1 NOS E.C. FEUP - MIEEC Página 12

14 Lote B2 Clínica: Iluminação e T.U.G Climatização Ambiente Instalações de Máquinas TABELA 27 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE B2 NA CLÍNICA 0,9 34,29 41,4 Lote C1 a C4 Habitações T3: TABELA 28 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE B B2 NA CLÍNICA Iluminação e T.U.G Climatização Ambiente Cozinha eléctrica TABELA 29 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE C1 A C4 NOS T3 0,4 9,85 10,35 Lote C1 a C4 Habitações T2: TABELA 30 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE B1 E B2 NOS T3 Iluminação e T.U.G Climatização Ambiente Cozinha eléctrica TABELA 31 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE C1 A C4 NOS T2 FEUP - MIEEC Página 13

15 0,4 8,3 10,35 Lote C1 a C4 Habitações T1: TABELA 32 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE C1 A C4 NOS T2 Iluminação e T.U.G Climatização Ambiente Cozinha eléctrica TABELA 33 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE C1 A C4 NOS T1 0,4 6,14 6,9 TABELA 34 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE C1 A C4 NOS T1 Lote C1 a C4 Serviços Comuns: Iluminação e T.U.G Elevador Bombas Supressoras TABELA 35 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE C1 E C4 NOS S.C. 0,9 12,33 17,25 TABELA 36 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE C1 E C4 NOS S.C. FEUP - MIEEC Página 14

16 Lote C1 a C4 E.C.: Iluminação e T.U.G TABELA 37 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE C1 A C4 NOS E.C. 0,9 8,10 10,35 TABELA 38 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE C1 A C4 NOS E.C. Lote C1 a C4 E.C.: Iluminação e T.U.G TABELA 39 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE C1 A C4 NOS E.C. 0,9 5,4 6,9 TABELA 40 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE C1 A C4 NOS E.C. Lote C5 e C6 Habitações T4: Iluminação e T.U.G Climatização Ambiente Cozinha eléctrica TABELA 41 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE C5 E C6 NOS T4 0,4 12,08 13,8 TABELA 42 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE C5 E C6 NOS T4 FEUP - MIEEC Página 15

17 Lote C5 e C6 Habitações T3: Iluminação e T.U.G Climatização Ambiente Cozinha eléctrica TABELA 43 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE C5 E C6 NOS T3 0,4 9,64 10,35 TABELA 44 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE C5 E C6 NOS T3 Lote C5 e C6 Serviços Comuns: Iluminação e T.U.G Elevador Bombas Supressoras TABELA 45 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE C5 E C6 NOS S.C. 0,9 12,58 17,25 TABELA 46 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE C4 E C5 NOS S.C. Lote C5 E.C.: Iluminação e T.U.G TABELA 47 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE C5 NOS E.C. 0,9 5,4 6,9 TABELA 48 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE C5 NOS E.C FEUP - MIEEC Página 16

18 Lote C6 Infantário: Iluminação e T.U.G Climatização Ambiente Cozinha eléctrica TABELA 49 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE C6 NO INFANTÁRIO 0,6 31,2 34,5 Lote E1 a E7 Habitações T3: TABELA 50 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE C6 NO INFANTÁRIO Iluminação e T.U.G Climatização Ambiente Cozinha eléctrica TABELA 51 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE E1 A E7 NOS T3 0,4 9,85 10,35 Lote E1 a E7 Serviços Comuns: TABELA 52 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE E1 A E7 NOS T3 Iluminação e T.U.G Elevador Bombas Supressoras TABELA 53 DIMENSIONAMENTO DA POTÊNCIA A CONTRATAR NO LOTE E1 A E7 NOS S.C. FEUP - MIEEC Página 17

19 0,9 12,46 17,25 TABELA 54 - POTÊNCIA CONTRATADA REAL NO LOTE E1 A E7 NOS S.C. 6. POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO Após ter definido a potência total contratada por todas as instalações de utilização, analisou-se a planta de forma a decidir o número de PTs e a sua melhor localização e potência. O local onde se irá instalar os PTs é influenciado por diversos factores, tais como os impactes visuais, mobilidade das pessoas, questões de segurança e fácil acesso em caso de manutenções que impliquem a substituição dos elementos de maior volume. Na urbanização em questão decidiu-se efectuar uma divisão em duas zonas e por consequência foram estipulados dois PTs. Para determinar a potência de cada um destes PTs foi necessário calcular a potência total afectada de um factor de simultaneidade que é determinado a partir da expressão: para habitações e serviços comuns e para estabelecimentos comerciais em que N é o numero de instalações. Então pode determinar-se a potência do PT através de: o PT normalizado com o valor imediatamente superior.. Após se ter concluído este cálculo é necessário escolher Nº Total Potência Contratada Habitações ,3 0, , TABELA 55 - POTÊNCIA ASSOCIADA AO PT1 Nº Total Potência Contratada Total Habitações + S.C ,4 0, , E.C ,5 Infantário 1 34,5 Clínica 1 41,4 Total E.C ,4 0, , , TABELA 56 - POTÊNCIA ASSOCIADA AO PT2 Tendo em conta os resultados obtidos, verifica-se que são necessários dois PTs de 630 kva. PT 1 Lote 1 a 83 A1 e A2 FEUP - MIEEC Página 18

20 E1 a E7 PT 2 TABELA 57 - DISTRIBUIÇÃO DOS LOTES PELO PT1 Lote A3 e A4 B1 e B2 C1 a C6 TABELA 58 - DISTRIBUIÇÃO DOS LOTES PELO PT2 Os postos de transformação foram dimensionados de forma a satisfazer toda a carga. Cada PT é constituído por 6 saídas para alimentação dos lotes e 2 para a iluminação pública. Para que apenas estas seis saídas permitam a alimentação dos lotes descriminados anteriormente, torna-se necessário a utilização de diversos armários de distribuição. A localização destes teve em conta diversos factores, impactes visuais, quedas de tensão nos condutores, números de saídas e correntes de curto-circuito mínimas. 7. CARACTERÍSTICAS DA REDE DE BAIXA TENSÃO Devido à rede a implementar se tratar de uma zona urbana, optou-se por uma rede subterrânea com condutores enterrados directamente no solo, preferencialmente em passeios e jardins e entubados nas travessias das estradas, ruas ou caminhos. A rede será explorada de forma radial, sendo constituída por cabos do tipo LVAV 3x mm 2, LVAV 3x mm 2, LSVAV 3x mm 2 e LSVAV 3x mm 2 e ramais do tipo, LSVAV 3x mm 2, LSVAV 3x mm 2, LSVAV 4x16 mm 2 e LVAV 3x mm 2. Estes cabos deverão possuir uma resistência mecânica suficiente ou ser protegidos contra avarias ocasionadas pela compressão ou abatimento de terras, pelo contacto de corpos duros ou pelo choque de ferramentas metálicas. Devem ainda ser dotados de uma bainha resistente à corrosão provocada pelo terreno. A classe de protecção contra as acções mecânicas deverá ser superior á da classe M7, conforme o artº. 55 do R.S.R.D.E.E.B.T. Estes cabos deverão estar de acordo com o disposto nos artº. 53 e artº. 54 do mesmo regulamento. As protecções das canalizações são garantidas por corta-fusíveis de alto poder de corte, instalados nos QGBT dos PTs e nos ADs. Características dos cabos Os cabos utilizados na distribuição de baixa tensão para secções superiores a 90 mm 2, possuem condutores de alumínio multifilar, da classe 2, isolação de PVC tipo A, com bainha interior, armadura de fitas de aço, bainha exterior de PVC tipo ST1 para a tensão nominal 0,6/1 kv que se encontra de acordo com as normas de fabrico NP 2363 (CEI 228) e NP 2365 (CEI 502). Relativamente aos cabos com secção inferior a 90 mm 2, devem possuir condutores de alumínio maciço, circular ou sectorial, da classe 1, isolação de PVC tipo A, com bainha interior, armadura de fitas de aço, bainha exterior de PVC tipo ST1 para a tensão nominal 0,6/1 kv que se encontra de acordo com as normas de fabrico NP FEUP - MIEEC Página 19

21 2363 (CEI 228) e NP 2365 (CEI 502). A cor da isolação para ambos os casos deverá ser para o condutor de neutro azul e para os condutores de fase preto, castanho e cinzento. Relativamente à cor da bainha, esta deverá ser preta. Características dos tubos Segunda a norma da EDP DMA-C68-010/N, os tubos deverão ser constituídos por material plástico corrugados, rígidos ou curvos, com propriedade especiais relativas à protecção ambiental, no que diz respeito ao seu fabrico e de cor vermelha. Estes deverão ainda obedecer as normas EN :1993, EN :1994, ISO 306:1987, ISO 12091:1995, EN 60529:2001 e ainda EN 50102:1995. Os tubos a utilizar devem ter os diâmetros normalizados e devem permitir uma fácil e rápida aplicação, garantindo uma boa eficácia na protecção mecânica dos condutores. Estes devem possuir um grau de protecção contra a penetração de corpos sólidos e contra a projecção de água e um grau de protecção contra impactos mecânicos, IP 66 e IK 08 respectivamente de acordo com as normal EN e EN Condições técnicas de estabelecimento dos cabos e tubos De acordo com o artº 56 e artº 115 do R.S.R.D.E.E.B.T. os cabos enterrados directamente no solo deverão assentar em valas convenientemente preparadas e sempre que possível abertas ao longo de vias públicas, nos passeios. No que concerne à preparação da vala, o fundo desta deverá ser preparado de forma a eliminar todas as irregularidades do terreno susceptíveis de deteriorarem a bainha exterior dos cabos. Por fim, estes deverão ficar envolvidos em areia adequada, em terra fina ou cirandada, conforme peça desenha nº 2. As canalizações quando se encontram enterradas directamente no solo deverão ser sinalizadas por uma rede metálica plastificada ou de material plástico de cor vermelha colocado acima deste pelo menos a 0,20 metros, conforme a norma NP 608. Se na mesma vala houver vários cabos, estes deverão ser identificáveis de maneira inequívoca para que possam individualizar-se com facilidade em todo o percurso. Nesta situação é importante garantir o máximo afastamento entre estes para minimizar a influência entre estas. No dimensionamento destes cabos, foram considerados os factores de correcção adequados. Relativamente à profundidade a que os cabos deverão ficar instalados, esta não pode ser inferior a 1 metro para travessias de estradas, ruas ou caminhos, atravessando estas na perpendicular de forma a ocupar a menor distância de travessia possível. Nas restantes situações a profundidades não pode ser inferiores a 0,7 metros. O raio de curvatura dos cabos não deverá ser inferior a 10 vezes o seu diâmetro exterior médio máximo de acordo com o nº 3 do artº 43 do R.S.R.D.E.E.B.T. FEUP - MIEEC Página 20

22 Os ramais de alimentação, assim como, as travessias de estradas, ruas ou caminhos, deverão ser entubadas para permitir o enfiamento e desenfiamento sem que haja necessidade de destruir a área envolvente. No que concerne à secção dos tubos, esta deve corresponder a uma secção recta que seja pelo menos o triplo da soma das secções rectas dos condutores que se encontram no interior destes. Armários de distribuição Os ADs tem como objectivo repartir as cargas, realizar derivações, colocar protecções quando necessárias e efectuar ligações à terra. Estes deverão ser construídos de forma a assegurar os graus de protecção mínimos IP 44 e IK 10, dispor de uma barreira de material isolante e transparente que garanta, após a abertura da porta, os graus de protecção IP 2X e IK 09 e obedecer ao disposto no artº 64 do R.S.R.D.E.E.B.T. Esta barreira deverá ser separável dos restantes elementos constituintes do armário, devendo a sua remoção ser de fácil execução. Os ADs previstos para esta urbanização são em fibra de vidro termoprensada a quente, equipados com triblocos, com bastidor permitindo a extracção do invólucro sem desmontar o equipamento, suporte de cabos. Relativamente aos maciços de assentamento serão fabricados com o mesmo material. Para a urbanização em questão foram considerados dois tipos de armários, X e Z, de acordo com a nomenclatura da norma DMA-C62-801/N da EDP. Relativamente ao armário X, é constituído por 5 circuitos com triblocos de tamanho 2. O armário Z tem 7 circuitos com triblocos de tamanho 2. BASTIDOR, INVÓLUCRO; SUPORTE DE CABOS e MACIÇO DE FUNDAÇÃO????? Os ADs deverão ser instalados nos passeios das vias públicas de forma a não perturbarem a normal circulação de veículo e de pessoas conforme o artº 65 do R.S.R.D.E.E.B.T. Condições técnicas de estabelecimento dos Armários de Distribuição Os ADs deverão ser instalados nos locais indicados na peça desenhada nº 3. Todos os ADs deverão ser ligados de acordo com a peça desenhada nº 4, ou seja, o barramento deve ser ligado à terra de modo a assegurar uma ligação do tipo TN para proceder à equipotencialização tanto do condutor neutro como das massas destes. Será também importante assegurar a continuidade das bainhas metálicas dos cabos sendo também estas ligadas ao barramento de neutro. Deverá constar em local bem visível no exterior do invólucro uma placa de identificação onde conste a identificação da empresa de distribuição de energia, assim como, a identificação do armário. No interior do armário deverá constar o esquema unifilar deste, que indique o destino dos cabos, assim como os sistemas de protecção das canalizações contra curto-circuitos e situações de sobrecarga. FEUP - MIEEC Página 21

23 Os elementos que irão assegurar esta protecção são corta-circuitos fusíveis instalados nos condutores de fase de acordo com o artº 127 do R.S.R.D.E.E.B.T. Os fusíveis são de alto poder de corte, com corte não inferior a 100 ka e do tipo gg. OS fusíveis deverão ser do tamanho 00 ou 2 de acordo com a norma IEC 269. Relativamente aos fusíveis de tamanho 00, estes suportam uma corrente superior a 6 A e inferior a 160 A. Os fusíveis de tamanha 2, suportam uma corrente superior a 125 A e inferior a 400 A. SISTEMA TN FEUP - MIEEC Página 22

MEMÓRIA DESCRITIVA. OBRA: CENTRO DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS ARQUITECTURA: EPUR - assessorias de urbanismo e arquitectura, Lda 1 - INTRODUÇÄO

MEMÓRIA DESCRITIVA. OBRA: CENTRO DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS ARQUITECTURA: EPUR - assessorias de urbanismo e arquitectura, Lda 1 - INTRODUÇÄO MEMÓRIA DESCRITIVA 1 - INTRODUÇÄO O presente estudo refere-se ao conjunto das infra-estruturas eléctricas, constituídas por rede de distribuição em Baixa Tensão e rede de Iluminação Publica, a levar a

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA 1 VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PROJECTO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA PROJECTO DE EXECUÇÃO ÍNDICE 4-1 LEGISLAÇÃO... 2 4-2 COMPOSIÇÃO DO PROJECTO... 2 4-2.1 PEÇAS

Leia mais

Enunciados de problemas sobre cálculo aproximado de correntes de curto-circuito e dimensionamento de canalizações eléctricas e suas protecções

Enunciados de problemas sobre cálculo aproximado de correntes de curto-circuito e dimensionamento de canalizações eléctricas e suas protecções Enunciados de problemas sobre cálculo aproximado de correntes de curto-circuito e dimensionamento de canalizações eléctricas e suas protecções J. Neves dos Santos J. Rui Ferreira M. Costa Matos J. Tomé

Leia mais

INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA

INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA A instalação colectiva de edifícios deve obedecer ao Regulamento de Segurança de Instalações Colectivas de Edifícios e Entradas, sendo constituída por: Quadro

Leia mais

CABOS ELECTRICOS TABELA DE PREÇOS MARÇO 2008 COMÉRCIO E INDÚSTRIAS ELECTRICAS, SA

CABOS ELECTRICOS TABELA DE PREÇOS MARÇO 2008 COMÉRCIO E INDÚSTRIAS ELECTRICAS, SA KTE08003AA. As características técnicas podem ser alteradas sem aviso prévio. Todos os preços estão sujeitos ao IVA em vigor. 01/03/2008 CABOS ELECTRICOS TABELA DE PREÇOS MARÇO 2008 Cruz da Pedra, Lt 12/13

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAFETYMAX

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAFETYMAX DOCUMENTAÇÃO (LEGAL) REGULAMENTAR E NORMATIVA APLICÁVEL REGRAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BAIXA TENSÃO - Portaria 949-A/2006 de 11 de Setembro. DIRECTIVA DE BAIXA TENSÃO 2006/95/CE - Decreto

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOCUMENTAÇÃO (LEGAL) REGULAMENTAR E NORMATIVA APLICÁVEL REGRAS DAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BAIXA TENSÃO - Portaria 949-A/2006 de 11 de Setembro DIRECTIVA DE BAIXA TENSÃO 2006/95/CE - Decreto-lei 6/2008,

Leia mais

Cascais Câmara Municipal

Cascais Câmara Municipal Cascais Câmara Municipal D P E Departamemto De Planeamento Estratégico DORT Divisão de Ordenamento de Território Parceiros: BRISA AUTOESTRADAS DE PORTUGAL S.A. Obs.: Assunto: PLANO DE PORMENOR para a Instalação

Leia mais

Quadros Eléctricos de Entrada

Quadros Eléctricos de Entrada Quadros Eléctricos de Entrada Quadros Eléctricos de Entrada Entrada de uma instalação Eléctrica Quadro de Entrada Definição, implantação e localização Condições de escolha do Equipamento Em função do aparelho

Leia mais

CENTRALIZAÇÃO DE CONTAGENS EM EDIFÍCIOS

CENTRALIZAÇÃO DE CONTAGENS EM EDIFÍCIOS CENTRALIZAÇÃO DE CONTAGENS EM EDIFÍCIOS Regras para a concepção dos quadros ou painéis de contagem Elaboração: DPR Homologação: Edição: 2ª Emissão: Av. Urbano Duarte, 100 3030-215 Coimbra Tel.: 239002000

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Tecnologias de electrificação Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES

CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES Conetores de derivação do tipo compacto, de perfuração do isolante, para redes subterrâneas de baixa tensão Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação:

Leia mais

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura 1. FINALIDADE MEMORIAL DESCRITIVO Fornecimento de energia elétrica a três edifícios da Universidade Federal do Sul da Bahia, com a sede sendo a Reitoria localizada na Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus Vitória

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS QUADROS EQUIPADOS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS QUADROS EQUIPADOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS QUADROS EQUIPADOS DOCUMENTAÇÃO (LEGAL) REGULAMENTAR E NORMATIVA APLICÁVEL REGRAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BAIXA TENSÃO - Portaria 949-A/2007 de 11 de Setembro. DIRECTIVA

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 13 Dimensionamento de Condutores (Critério do Limite de Queda de Tensão) Porto Alegre - 2012 Tópicos Critério do limite de queda

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO DA-C13-523/N EV 2007 INSTALAÇÕES AT E T. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Armários de reagrupamento de cabos Características Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão:

Leia mais

CABOS ISOLADOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE BAIXA TENSÃO

CABOS ISOLADOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE BAIXA TENSÃO DMAC33200/N Modificação n.º 1 MAI 2003 CABOS ISOLADOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE BAIXA TENSÃO Características e ensaios Elaboração: GBNT Homologação: conforme despacho do CA de 20030522 Edição: 1ª.

Leia mais

O que é Aterramento? É A LIGAÇÃO INTENCIONAL DE UM EQUIPAMENTO OU UM SISTEMA À TERRA DE MODO A CRIAR UM CAMINHO SEGURO E DE BAIXA RESISTÊNCIA.

O que é Aterramento? É A LIGAÇÃO INTENCIONAL DE UM EQUIPAMENTO OU UM SISTEMA À TERRA DE MODO A CRIAR UM CAMINHO SEGURO E DE BAIXA RESISTÊNCIA. ATERRAMENTO BT O que é Aterramento? É A LIGAÇÃO INTENCIONAL DE UM EQUIPAMENTO OU UM SISTEMA À TERRA DE MODO A CRIAR UM CAMINHO SEGURO E DE BAIXA RESISTÊNCIA. FUNÇÕES DO ATERRAMENTO Desligamento Automático

Leia mais

Jornadas Electrotécnicas ISEP. Equipamentos de Média M Tensão para Parques EólicosE

Jornadas Electrotécnicas ISEP. Equipamentos de Média M Tensão para Parques EólicosE Jornadas Electrotécnicas 2006 - ISEP Equipamentos de Média M e Alta Tensão para Parques EólicosE Jornadas Electrotécnicas 2006 - ISEP MW 50.000 45.000 40.000 35.000 30.000 25.000 20.000 15.000 10.000 5.000

Leia mais

ELETRICIDADE E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

ELETRICIDADE E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICIDADE E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 6.5.4.7 Nos quadros de distribuição, deve ser previsto espaço reserva para ampliações futuras, com base no número de circuitos com que o quadro for efetivamente equipado,

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; frequência nominal; potência ou

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

PADRÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA PARA LOTEAMENTO ABERTO

PADRÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA PARA LOTEAMENTO ABERTO PADRÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA PARA LOTEAMENTO ABERTO Celso Rogério Tomachuk dos Santos CPFL Piratininga Rogério Macedo Moreira CPFL Piratininga 1 CPFL Energia Visão Geral da Empresa Líder

Leia mais

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Condutores O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada das condições de sua instalação e da carga a ser suprida. Dimensionar

Leia mais

CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE PLANTA BAIXA MEDIDAS EM: cm BEP 1 x Ø4" VISTA FRONTAL MEDIDAS EM: cm VISTA CORTE LATERAL: A-A" MEDIDAS EM: cm Av.

Leia mais

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA Notas: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada; O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA Notas: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada; O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES 1. Introdução - O dimensionamento dos condutores deve ser realizado seguindo as seguintes etapas: a) cálculo da corrente de projeto; b) dimensionamento pelo critério da máxima

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CANALIZAÇÕES ELÉTRICAS. António Augusto Araújo Gomes

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CANALIZAÇÕES ELÉTRICAS. António Augusto Araújo Gomes António Augusto Araújo Gomes INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CANALIZAÇÕES ELÉTRICAS SEGUNDO AS REGRAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO V Índice Nota de abertura... IX Prefácio...

Leia mais

CÁLCULO DAS CARACTERÍSTICAS DE CABOS

CÁLCULO DAS CARACTERÍSTICAS DE CABOS CÁLCULO DAS CARACTERÍSTICAS DE CABOS Relatório Intercalar PARA CONSTRUÇÃO DE MODELOS DE LINHA 1 2010 BOLSA DE INTEGRAÇÃO À INVESTIGAÇÃO MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES

Leia mais

Desenho de Instalações Elétricas CVT- MESQUITA ELÉTRICA PROFª DAGMAR

Desenho de Instalações Elétricas CVT- MESQUITA ELÉTRICA PROFª DAGMAR Desenho de Instalações Elétricas CVT- MESQUITA ELÉTRICA PROFª DAGMAR 1- INTRODUÇÃO No desenho de um projeto de instalação elétrica de uma residência, devemos proceder do seguinte modo: a) possuir um jogo

Leia mais

CABOS ELÉCTRICOS TABELA DE PREÇOS 27 ABRIL 2009 COMÉRCIO E INDÚSTRIAS ELECTRICAS, SA

CABOS ELÉCTRICOS TABELA DE PREÇOS 27 ABRIL 2009 COMÉRCIO E INDÚSTRIAS ELECTRICAS, SA CABOS ELÉCTRICOS TABELA DE PREÇOS 27 ABRIL 2009 Cruz da Pedra, Lt 12/13 - Frielas EC. APT. N.º 94-2670 - 901 LOURES Telefone ( 351 ) 21 98 98 500 Fax ( 351 ) 21 98 98 598 E-mail elpor@elpor.pt ÍNDICE COMÉRCIO

Leia mais

"EMPREITADA DE VALORIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DA FIGUEIRA DA FOZ" LISTA DE ERROS

EMPREITADA DE VALORIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DA FIGUEIRA DA FOZ LISTA DE ERROS 2 - ESTRUTURA DO CAIS COMERCIAL 2.1 - Remoção de betão em profundidade 2.1.1 - Remoção do betão de recobrimento com recurso a martelos pneumáticos leves, na profundidade de recobrimento de cada elemento,

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. PEBD Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação Especificação Técnica Tubos

Leia mais

Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho

Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho SEGURANÇA DE PESSOAS: TECNOLOGIAS E CONCEITOS 1 Sumário Acidentes com a eletricidade. Porque acontecem Proteção contra choques elétricos Prevenção de

Leia mais

Cruz da Pedra, Lt 12/13 - Frielas EC. APT. N.º 94-2670 - 901 LOURES Telefone ( 351 ) 21 98 98 500 Fax ( 351 ) 21 98 98 598

Cruz da Pedra, Lt 12/13 - Frielas EC. APT. N.º 94-2670 - 901 LOURES Telefone ( 351 ) 21 98 98 500 Fax ( 351 ) 21 98 98 598 Cruz da Pedra, Lt 12/13 - Frielas EC. APT. N.º 94-2670 - 901 LOURES Telefone ( 351 ) 21 98 98 500 Fax ( 351 ) 21 98 98 598 E-mail elpor@elpor.pt Tabela de 3 de Janeiro de 2011 1 de 16 INDICE TABELA COBRE

Leia mais

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS GERAIS Cuidados a ter com o transporte e armazenamento de tubagens ou

Leia mais

Conjunto Tripolar de Corte em Carga de Acordo com a DFT-C18-321/N da EDP - Invitécnica

Conjunto Tripolar de Corte em Carga de Acordo com a DFT-C18-321/N da EDP - Invitécnica Catálogo Geral 2017 Conjunto Tripolar de Corte em Carga de Acordo com a DFT-C18-321/N da EDP - Invitécnica CONJUNTO TRIPOLAR DE CORTE EM CARGA (IN=400A) PARA FUSÍVEIS a.p.c. de acordo com a DFT-C18-321/N

Leia mais

MUNICÍPIO DA NAZARÉ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA NAZARÉ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA NAZARÉ CÂMARA MUNICIPAL DIVISÃO DE OBRAS MUNICIPAIS E AMBIENTE TRABALHOS A MAIS E A MAIS NÃO PREVISTOS INFORMAÇÃO Nº 202/2015 OBRA: Adjudicada a: Obras de Urbanização e Infraestruturas / Instalações

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de Método de instalação Esquema ilustrativo Descrição instalação a utilizar número: para a capacidade de condução de corrente 1 1 Condutores isolados

Leia mais

2º Bimestre. Prof. Evandro Junior Rodrigues. Agosto Evandro Junior Rodrigues

2º Bimestre. Prof. Evandro Junior Rodrigues. Agosto Evandro Junior Rodrigues 2º Bimestre Prof. Evandro Junior Rodrigues Agosto 2016 Evandro Junior Rodrigues Robôs M óveis e sua Aplicação em Sumário Transformadores Geração + Transmissão + Distribuição Proteção contra sobrecorrente

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA NORMA PARA A EXECUÇÃO DE RAMAIS OU ENTRADAS, DERIVADOS DA REDE, DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA, EM BAIXA TENSÃO, DA EEM. 1. DEFINIÇÕES 1.1 Ramal Para efeitos da

Leia mais

!!" #$% & ''"'"!!! ()% & ''"'"!! % *+$), -.% /%00111-$), -

!! #$% & '''!!! ()% & '''!! % *+$), -.% /%00111-$), - !!" #$% & ''"'"!!! ()% & ''"'"!! % *+$), -.% /%00111-$), - 2 *3 4 2 50 2,,6 7, 8#9:9#9:9;#9, -2 6, - 2;:;8?*,$,6 9@A= 2,B 2 0B 5, * 8> / 2 * /C* 2 $* * 92 ;@9!D 2 $78?A

Leia mais

Anexo A. Síntese do cálculo da potência requisitada/identificação das fracções

Anexo A. Síntese do cálculo da potência requisitada/identificação das fracções Anexo A Síntese do cálculo da potência requisitada/identificação das fracções Nº de Ramais: Em instalações colectivas alimentadas por mais que um ramal (mais do que um quadro de colunas) deverá ser preenchido,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CAMPO MAIOR ANO LECTIVO 2011 / 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CAMPO MAIOR ANO LECTIVO 2011 / 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CAMPO MAIOR ANO LECTIVO 2011 / 2012 DÍSCIPLINA: Electrónica Fundamental CURSO de Técnico de Instalações Eléctricas PLANIFICAÇÃO A MÉDIO PRAZO DOCENTE: Jorge Miguel Mexia Branca

Leia mais

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA.

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Largura 150 L 2,5 X 160 2,5 2,6 2,6 70 L 3,5 X 200 3,5 70 L 4,5 X 200 3,5 40 L 4,5 X 290 4,8 35 L 4,5 X 360 4,5 30 L 7,5 X 180 4,5 25 L 7,5 X 300 7,8

Largura 150 L 2,5 X 160 2,5 2,6 2,6 70 L 3,5 X 200 3,5 70 L 4,5 X 200 3,5 40 L 4,5 X 290 4,8 35 L 4,5 X 360 4,5 30 L 7,5 X 180 4,5 25 L 7,5 X 300 7,8 ABRAÇADEIRAS DE SERRILHA Poliamida 6.6. Resistência UV. Resistência à propagação da chama UL 94 Classe V2. Gama de temperatura: - 40o C, - 85o C. Especificações, norma CEI EN 62275 UL_FILE E86244 Dimensões

Leia mais

Guia Prático de Instalações de Micropodução

Guia Prático de Instalações de Micropodução Guia Prático de Instalações de Micropodução 1-Introdução Com a publicação de legislação específica, foi criada a possibilidade de todas as entidades que disponham de um contrato de compra de electricidade

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Redes de Instalação Elétrica. Prof. Msc. Getúlio Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Redes de Instalação Elétrica. Prof. Msc. Getúlio Tateoki Redes de Instalação Elétrica Redes de Instalação Elétrica Produção Usinas Hidroelétricas, Termoelétricas, eólicas, etc. Transmissão Transporte de energia elétrica gerada até centros consumidores. Distribuição

Leia mais

NOVIDADES 2013

NOVIDADES 2013 www.quiterios.pt NOVIDADES 2013 NOVIDADES 2013 CAIXA PORTINHOLA P100 S/ EQUIPAMENTO +32450 CX PORTINHOLA P100 VZ N/Q INT 250x375x200 Portinhola P100 vazia e não qualificada. CAIXA PORTINHOLA 2xP100 +32522

Leia mais

Relatório Final CONTRIBUIÇÕES PARA A ESTIMATIVA DA POTÊNCIA A ALIMENTAR DE UMA INSTALAÇÃO

Relatório Final CONTRIBUIÇÕES PARA A ESTIMATIVA DA POTÊNCIA A ALIMENTAR DE UMA INSTALAÇÃO Relatório Final CONTRIBUIÇÕES PARA A ESTIMATIVA DA POTÊNCIA A ALIMENTAR DE UMA INSTALAÇÃO Nuno Ricardo de Oliveira Pinho FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Mar.13 PEBD / PEAD Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação

Leia mais

Notas explicativas: Proteção contra descargas atmosféricas e sobretensões para sistemas de iluminação LED Versão 09/2015

Notas explicativas: Proteção contra descargas atmosféricas e sobretensões para sistemas de iluminação LED Versão 09/2015 Notas explicativas: Proteção contra descargas atmosféricas e sobretensões para sistemas de iluminação LED Versão 09/2015 Índice Capítulo 1 Proteção contra descargas atmosféricas e sobretensões para sistemas

Leia mais

PORTA DO MEZIO ILUMINAÇÃO EXTERIOR CADERNO DE ENCARGOS

PORTA DO MEZIO ILUMINAÇÃO EXTERIOR CADERNO DE ENCARGOS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS ILUMINAÇÃO EXTERIOR Página: 1 / 9 PORTA DO MEZIO ILUMINAÇÃO EXTERIOR CADERNO DE ENCARGOS 1 / 9 INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS ILUMINAÇÃO EXTERIOR Página: 2 / 9 1. CONDIÇÕES TÉCNICAS GERAIS

Leia mais

TABELAS DE FACTORES DE CORRECÇÃO

TABELAS DE FACTORES DE CORRECÇÃO TABELAS DE FACTORES DE CORRECÇÃO J. Neves dos Santos IELE / 3º Ano MIEEC a. Temperatura ambiente (só para canalizações ao ar); b. Temperatura do solo (só para canalizações enterradas); c. Profundidade

Leia mais

Índice. Página 1 de 10

Índice. Página 1 de 10 Índice 1 - Objectivos...2 2 - Legislação aplicável...2 3 - Características da instalação...2 4 - Classificação da instalação...2 4.1 - Classificação em termos de utilização...2 4.2 - Lotação da instalação...2

Leia mais

SISTEMAS ELÉCTRICOS DE ENERGIA I. Linhas de Transmissão

SISTEMAS ELÉCTRICOS DE ENERGIA I. Linhas de Transmissão Linhas de Transmissão José Rui Ferreira 2004 TÓPICOS: Linhas de transmissão de energia? Porquê? Qual a tensão de serviço que se deve escolher para uma linha? Qual o tipo de corrente? Devo optar por uma

Leia mais

Sistema de Distribuição de Energia Elétrica com Barramentos Blindados para Edifícios de Uso Coletivo com Medição Centralizada

Sistema de Distribuição de Energia Elétrica com Barramentos Blindados para Edifícios de Uso Coletivo com Medição Centralizada Sistema de Distribuição de Energia Elétrica com Barramentos Blindados para Edifícios de Uso Coletivo com Medição Centralizada Barramentos Blindados Novemp - Tipos de Barramentos - Vantagens - Sistema Modular

Leia mais

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PEÇAS ESCRITAS: ÍNDICE 6.1 - INTRODUÇÃO... 1 6.2.1 BARREIRAS ACÚSTICAS... 2 6.2-1.1 LOCALIZAÇÃO... 2 6.2-1.2 CARACTERÍSTICAS ACÚSTICAS... 2 6.2-2.1.1 BARREIRA B1- BARREIRA REFLECTORA... 2 6.2-1.3 CONDIÇÕES

Leia mais

PROTECÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMODFÉRICAS E SOBRETENSÕES PROJECTO DE LICENCIAMENTO

PROTECÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMODFÉRICAS E SOBRETENSÕES PROJECTO DE LICENCIAMENTO PROTECÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMODFÉRICAS E SOBRETENSÕES PROJECTO DE LICENCIAMENTO O presente caderno de encargos destina-se ao Projecto de Licenciamento de um Pára-Raios e Descarregadores de Sobretensões

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO. Critérios para Dimensionamento e Ajustes da Proteção de Redes Aéreas de Distribuição Classes 15 e 36,2 kv ITD-17

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO. Critérios para Dimensionamento e Ajustes da Proteção de Redes Aéreas de Distribuição Classes 15 e 36,2 kv ITD-17 INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO Critérios para Dimensionamento e Ajustes da Proteção de Redes Aéreas de Distribuição Classes 15 e 36,2 kv ITD-17 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E

Leia mais

Capítulo 3. Proteção contra choques elétricos fundamentos. 3.1 A corrente elétrica no corpo humano 26/04/2010

Capítulo 3. Proteção contra choques elétricos fundamentos. 3.1 A corrente elétrica no corpo humano 26/04/2010 Capítulo 3 Proteção contra choques elétricos fundamentos 2008 by Pearson Education slide 1 3.1 A corrente elétrica no corpo humano A publicação IEC/TS 60479-1: Effects of current on human beings and livestock.

Leia mais

PROJETO DE INFRAESTRUTURAS DE REDE DE ÁGUAS E ESGOTOS

PROJETO DE INFRAESTRUTURAS DE REDE DE ÁGUAS E ESGOTOS Projeto de Loteamento Urbano e dos Projetos das Obras de Urbanização da Zona de Localização Empresarial do Sabugal PROJETO DE INFRAESTRUTURAS DE REDE DE ÁGUAS E ESGOTOS MEMÓRIA DESCRITIVA REQUERENTE: CÂMARA

Leia mais

Calha DLP de climatização

Calha DLP de climatização Calha DLP de climatização AR CONDICIONADO AQUECIMENTO CANALIZAÇÕES A GAMA ADAPTADA A QUALQUER TIPO DE APLICAÇÃO [ DLP CLIMATIZAÇÃO ] Produtos e sistemas Calha DLP de climatização Um sistema especialmente

Leia mais

2 Condutores Elétricos

2 Condutores Elétricos 2 Condutores Elétricos 2.1 Introdução O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada de sua instalação e da carga a ser suprida. Um condutor mal dimensionado, além de implicar

Leia mais

Ficha técnica. Rodapé. Descrição

Ficha técnica. Rodapé. Descrição Rodapé em Descrição Utilização Rodapé técnico para equipar, com instalações elétricas e de telecomunicações, as habitações e pequenos escritórios. Instalações acessíveis de montagem superficial, oferecendo

Leia mais

Ficha técnica. Calhas em cor branco. Descrição. Marcas de qualidade (1)

Ficha técnica. Calhas em cor branco. Descrição. Marcas de qualidade (1) Descrição Utilização Calha de tampa interior desenhada para a adaptação de mecanismos e condução de cabos instalações elétricas e de telecomunicações. Compartimentação fixa, com tampas independentes e

Leia mais

SPDA - SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFERICAS ( PARA-RAIOS ) Principais mudanças da norma NBR5419-Parte 3

SPDA - SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFERICAS ( PARA-RAIOS ) Principais mudanças da norma NBR5419-Parte 3 SPDA - SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFERICAS ( PARA-RAIOS ) Principais mudanças da norma NBR5419-Parte 3 A nova norma NBR5419 teve com o diretriz a IEC 62305 e se divide em 4 partes bem distintas,

Leia mais

3. Redes - Aéreas de BT

3. Redes - Aéreas de BT 3. Redes - Aéreas de BT As redes de distribuição de baixa tensão, são constituídas por condutores isolados em feixe (torçadas), do tipo LXS ou XS. O sistema utilizado pela EDA é o sistema sem neutro tensor,

Leia mais

SELEÇÃO DOS CONDUTORES

SELEÇÃO DOS CONDUTORES SELEÇÃO DOS CONDUTORES UNIDADE III 1. INTRODUÇÃO Um correto dimensionamento dos condutores é tão importante quanto o próprio condutor utilizado. Realizar o cálculo e a seleção é necessário quando são instalados

Leia mais

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Eletricidade Aplicada Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Dimensionamento de Condutores Elétricos I Circuitos Elétricos Residenciais Dimensionamento Consiste em determinar a seção mínima

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO A norma brasileira para instalações elétricas de baixa tensão é a NBR 5410 Fixa as condições que as instalações de baixa tensão devem atender; Primeira edição de 1941;

Leia mais

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT Disjuntores MT 17,5 kv Características Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de DEZ 1987 Emissão: EDP

Leia mais

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT Disjuntores MT 36 kv Características Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de DEZ 1987 Emissão: EDP

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ATENDIMENTO DE LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES JUNTO À FAIXA DE PRAIA DA ORLA MARÍTIMA Código NTD-00.074 Data da emissão 05.12.2005 Data da última revisão 18.01.2008 Folha

Leia mais

CALHAS TÉCNICAS FICHA TÉCNICA SÉRIE 10 - MOLDURAS (SELEÇÃO DE CALHAS) CALHAS. 12x7 (IK05) 12x7 Adesiva (IK05) 16x10. 16x10 Adesiva.

CALHAS TÉCNICAS FICHA TÉCNICA SÉRIE 10 - MOLDURAS (SELEÇÃO DE CALHAS) CALHAS. 12x7 (IK05) 12x7 Adesiva (IK05) 16x10. 16x10 Adesiva. TÉCNICAS SÉRIE 0 - MOLDURAS (SELEÇÃO DE ) Interiores Comp. Útil (Su) (m) (S:,4),5mm,5mm 4mm 6mm x7 (IK05) x7 Adesiva (IK05) 000 CBR 000 FBR 0x5,0 6, 44 5 5 4 3 6x0 6x0 Adesiva 000 CBR 000 FBR x8,0 86 8

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia ANEXO VIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Os projetos de instalações hidrossanitárias deverão atender às recomendações e especificações

Leia mais

CC-MD10 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

CC-MD10 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS CC-MD10 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INTRODUÇÃO O presente Memorial descreve e especifica os requisitos mínimos para o fornecimento de materiais e serviços para Desativação com remoção de dois transformadores

Leia mais

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA FINALIDADE Este memorial refere-se ao projeto(de acordo com a NT-002/2011 R03 da COELCE) de implantação de uma subestação aérea de 225kVA, atendendo à BM Pré-Moldados LTDA. Localidade:, Rodovia BR 222,

Leia mais

Faculdade de Engenharia da UERJ Instalações Elétricas

Faculdade de Engenharia da UERJ Instalações Elétricas Faculdade de Engenharia da UERJ Instalações Elétricas ATERRAMENTO DE INSTALAÇÕES EM BAIXA TENSÃO NORMAS BRASILEIRAS NBR-5410/2004 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR-5419/2005 - Proteção de Estruturas

Leia mais

REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO

REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO ÍNDICE 1 CADERNO DE ENCARGOS 2 PROJECTO DE EXECUÇÃO A ARQUITECTURA 1.1.2 Solução Proposta 1.1.2.1 - Introdução 1.1.2.2 Caracterização do Espaço 1.1.2.2.1

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: INCÊNDIO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. Apresentação... 03 2. Extintores... 04 3. Iluminação de Emergência...

Leia mais

CURTO CIRCUITOS ESQUEMA IT

CURTO CIRCUITOS ESQUEMA IT CURTO CIRCUITOS ESQUEMA IT ESTUDO DO CURTO-CIRCUITO NA REDE 2 PODER DE CORTE EXIGIDO A UM APARELHO DE PROTEÇÃO SAIDA TRANSFORMADOR PdC Icc máxima prevista Icc máxima prevista f (rede equivalente a montante)

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA NR Carpintaria Versão_CPN. TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO JUSTIFICATIVA (discussões)

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA NR Carpintaria Versão_CPN. TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO JUSTIFICATIVA (discussões) PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA NR 18 18.7. Carpintaria Versão_CPN TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO JUSTIFICATIVA (discussões) 18.7.1. As operações em máquinas e equipamentos necessários à realização da atividade de

Leia mais

1 Iluminação (SAT + Recepção + Acesso Coberto + WC PNE)

1 Iluminação (SAT + Recepção + Acesso Coberto + WC PNE) Introdução Este documento técnico tem por objetivo descrever os critérios utilizados nos projetos elétricos e telefônicos do Centro de Referência de Assistência Social CRAS da cidade de Cachoeira de Goiás,

Leia mais

PROJECTO DA REDE DE ÁGUAS PLUVIAIS

PROJECTO DA REDE DE ÁGUAS PLUVIAIS PROJECTO DA REDE DE ÁGUAS PLUVIAIS CONSTRUÇÃO DE MORADIA UNIFAMILIAR E MUROS LICENCIAMENTO Requerente: João Pedro Tavares da Silva Localização: Rua do Solposto - Santa Joana Aveiro Dina Teresa Simões Moreira

Leia mais

INSCRIÇÕES NA PORTA DA CAIXA DE ABRIGO A EQUIPAMENTOS DE GÁS NOS EDIFÍCIOS

INSCRIÇÕES NA PORTA DA CAIXA DE ABRIGO A EQUIPAMENTOS DE GÁS NOS EDIFÍCIOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 437 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 437 30 de Novembro de 2009 Página 2 de 6 ÍNDICE Registo das revisões... 3 1. Objectivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências... 4 4. Inscrições na porta...

Leia mais

Projetos Elétricos. Esquemas Unifilares e Multifilares Dimensionamento dos Condutores e Proteção.

Projetos Elétricos. Esquemas Unifilares e Multifilares Dimensionamento dos Condutores e Proteção. Projetos Elétricos Esquemas Unifilares e Multifilares Dimensionamento dos Condutores e Proteção. Dezembro 2016 02/12/2016 1 / 31 Introdução Esquemas Unifilares e Multifilares Dimensionamento dos Condutores

Leia mais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais OBJETIVO Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais Garantir o funcionamento adequado da instalação e a conservação

Leia mais

RZ1-K - BS EN XLPE LSZH Cabo Flexível

RZ1-K - BS EN XLPE LSZH Cabo Flexível RZ1-K - BS EN 50267 XLPE LSZH Cabo Flexível APLICAÇÕES Para instalação onde o fogo, emissão de fumos e gases tóxicos são uma potencial ameaça à vida e equipamentos. Cabo flexível de potência ou controlo

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Aula 06 Esquema de ligação dos condutores Diagramas multifiliar e unifiliar Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino 2016 Condutores Geralmente, a

Leia mais

onyx DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS LUMINÁRIA OPÇÕES DIMENSÕES

onyx DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS LUMINÁRIA OPÇÕES DIMENSÕES onyx 2 3 onyx DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS LUMINÁRIA Estanquicidade do bloco óptico: IP 66 Sealsafe (*) Estanquicidade dos acessórios eléctricos: - Onyx 2: IP 44 (*) - Onyx 3: IP 44 (*) Resistência aerodinâmica

Leia mais

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA Fornecimento e montagem, incluíndo todos os acessórios, de acordo com o Caderno de Encargos e as Peças Desenhadas, de: 1. QUADROS ELÉCTRICOS 1.1 Quadros Eléctricos, incluindo toda a aparelhagem e equipamento

Leia mais

Figura 1 Exemplo de pasta de arquivo do projecto... 5 Figura 2 Sugestão de capa do projecto... 6 Figura 3 Folha Síntese de Loteamento...

Figura 1 Exemplo de pasta de arquivo do projecto... 5 Figura 2 Sugestão de capa do projecto... 6 Figura 3 Folha Síntese de Loteamento... EDP DISTRIBUIÇÃO ENERGIA S..A. GUIA TECNICO DE PROJECTOS DE SERVIÇO PÚBLICO Regras para a concepção de projectos de serviço público, nomeadamente redes de distribuição em baixa tensão, redes de iluminação

Leia mais

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT Disjuntores AT 72,5 kv Características Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de DEZ 1995 Emissão: EDP

Leia mais

CNPJ: / INSC. ESTADUAL:

CNPJ: / INSC. ESTADUAL: ANEXO V Padrões Técnicos a serem obedecidos quando da elaboração do Projeto Hidráulico que permita a Medição Individualizada nas Unidades Usuárias de Condomínios Horizontais ou Verticais I Instalação do

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição DICAS Instalações elétricas prediais/industriais 2ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PRE Flexibilidade Os cabos flexíveis estão substituindo, com vantagens, os cabos rígidos tradicionais. Veja porque:

Leia mais

GUIA TÉCNICO DE TERRAS

GUIA TÉCNICO DE TERRAS Guia Técnico Terras GUIA TÉCNICO DE TERRAS a) Ligações à terra homologada em 2005-07-26 e revista em MAI 2007 e Regras para a ligação à terra das instalações de distribuição de energia em MT e BT (redes

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 07 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 07 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 07 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir quais os tipos e especificações técnicas dos modelos de hidrantes exteriores, de modo a cumprirem com a Regulamentação Nacional

Leia mais