Histórico das Revisões

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Histórico das Revisões"

Transcrição

1 PSQM-DO Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 1/15 Histórico das Revisões Revisão Itens Alterados Elaboração Análise Critica/Aprovação Data 01 Emissão Inicial Assessora da Qualidade Executivo Sênior 14/06/10 02 Correção da referência do Guia 65, no item 4 Gestão da Qualidade Executivo Sênior 12/12/ Adequação de Layout, item 7.1 Gestão da Qualidade Presidência 20/08/ Revisão Geral Gestão da Qualidade Presidência 18/02/ Revisão Geral adequação NBR ISO/IEC Recursos Humanos Presidência 11/04/2014 Aprovação Elaborado por Juliana Lima Analisado Criticamente e Aprovado por Maristela R. Bento Data Data 11/04/ /05/2014

2 PSQM-DO Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 2/15 ÍNDICE 1. OBJETIVO ABRANGENCIA DEFINICOES REFERENCIAS RESPONSABILIDADES CONSIDERACOES GERAIS DESCRICAO DAS ATIVIDADES MÉTODO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE COM NORMAS MARCA DE CONFORMIDADE CERTIFICADO DE CONFORMIDADE SISTEMÁTICA E REGRAS PARA USO DOS CERTIFICADOS E LOGOMARCA CERTIFICADOS PUBLICIDADE DA CERTIFICAÇÃO SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE MANUTENÇÃO DA AUTORIZAÇÃO PARA USO DO SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE AUTORIZAÇÃO PARA USO DO SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE SUSPENSÃO OU CANCELAMENTO DA AUTORIZAÇÃO PARA USO DO SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE USO INDEVIDO DA AUTORIZAÇÃO PARA USO DO SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE RENÚNCIA RECONSIDERAÇÃO USO INDEVIDO DO SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE EM PRODUTOS PENALIDADES APLICADAS EM CASO DE USO INDEVIDO DO SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE EM PRODUTOS CONDIÇÕES SOB AS QUAIS A AÇÃO CORRETIVA É EXECUTADA TIPOS DE AÇÃO CORRETIVA ESCOLHA DE AÇÃO CONTRA A PARTE QUE FEZ USO INDEVIDO DA MARCA PRAZO PARA AÇÃO CORRETIVA INICIO DA AÇÃO CORRETIVA COM A PARTE QUE FEZ USO INDEVIDO DA MARCA ENCERRAMENTO DE UMA AÇÃO CORRETIVA EFICAZ COM A PARTE QUE FEZ USO INDEVIDO DA MARCA QUE TEM UM ACORDO COM A MASTER...13

3 PSQM-DO Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 3/ GRAU DE AÇÃO CORRETIVA A SER OBTIDO RECUSA EM EFETUAR AÇÃO CORRETIVA CONTROLE DE REGISTROS ANEXOS... 15

4 PSQM-DO Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 4/15 1. OBJETIVO Definir os requisitos para as respectivas regras para utilização e divulgação da certificação e logomarcas da MASTER e órgãos reguladores, quando houver. 2. ABRANGÊNCIA Toas as áreas da Master e Clientes. 3. DEFINIÇÕES CERTIFICADO DE CONFORMIDADE LOGOMARCA MASTER SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE Documento, emitido de acordo com os procedimentos de um sistema de certificação por terceira parte, que atesta que um produto ou serviço obedece às normas especificas ou outras especificações técnicas. Símbolo que identifica a MASTER e o Órgão Regulador, quando aplicável. MASTER ASSOCIAÇÃO DE AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE. O Selo de Identificação da Conformidade com a marca INMETRO tem como objetivo identificar os produtos, processos e serviços avaliados e aprovados de acordo com regulamentos técnicos ou normas exigidas, indicando a existência de nível adequado de confiança dos produtos, em conformidade com o estabelecido nas normas referentes. MARCA DE CONFORMIDADE RECOLHIMENTO Marca de Certificação registrada legalmente, aplicada ou emitida sob os procedimentos de um sistema de certificação por terceira parte, para um produto ou serviço que esteja de acordo com as normas especificas ou outras especificações técnicas. Ação pela qual a parte que fez uso indevido da marca, ou o fabricante do produto que posteriormente apresentou perigo, ou outra parte responsável pela distribuição do produto, recolhe os produtos dos usuários, do mercado ou dos pontos de venda e os retorna à fabrica, ou à outro local adequado, para a ação corretiva.

5 PSQM-DO Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 5/15 PARTE QUE FAZ USO INDEVIDO DA MARCA Qualquer pessoa, organização ou outro organismo corporativo que tenha feito uso indevido da marca de conformidade, seja ou não o produto elegível para usar a marca. FABRICANTE DE UM PRODUTO POSTERIORMENTE PERIGOSO (FPPP) PERIGOSO Qualquer pessoa, organização ou outro organismo corporativo que, tendo cumprido todos os requisitos da MASTER, e aplicado corretamente a marca de conformidade nos produtos envolvidos, descobre que o(s) produto(s) apresenta(m) condições perigosas. Condição que, com respeito a um produto manufaturado, expõe a vida ou propriedade a condições perigosas ou eminentemente perigosas. Um produto é considerado perigoso se a quantidade de produtos envolvidos é tal que constitui um percentual inaceitável, e se: a) Apresenta uma construção insegura, ou b) Está sendo utilizado largamente em aplicações que não estavam previstas quando a norma foi escrita, aplicações para as quais o produto não foi certificado, e - não foi previsto na norma, nenhum campo de aplicação específico; e - nenhuma limitação na aplicação foi indicada pelo fabricante nos impressos que acompanham o produto nos pontos de venda. AÇÃO CORRETIVA Ação reclamada da parte que fez uso indevido da marca ou de um FPPP, ou outra parte responsável pela comercialização do produto, de forma considerada apropriada pela MASTER, para eliminar as consequências do uso indevido e remover o perigo, tanto quanto necessário e praticamente possível. 4. REFERÊNCIAS Portaria nº 179/2009 Regulamento para uso das Marcas, dos Símbolos de Acreditação, de Reconhecimento da Conformidade das Boas Práticas de Laboratório BPL e dos Selos de Identificação do INMETRO. MSQM-PR Manual do Sistema de Gestão da Qualidade MASTER PSQM-DQ-001 Elaboração e Controle de Documentos do Sistema de Gestão da Qualidade

6 PSQM-DO Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 6/15 ABNT NBR ISO/IEC Avaliação da Conformidade Requisitos para Organismos de Certificação de Produtos, Processos e Serviços. Resolução N. 242, de 30 de Novembro de Regulamento Para Certificação E Homologação De Produtos Para Telecomunicações. ABNT ISO/IEC Guia 23 Métodos de Indicação de Conformidade com Normas para Sistemas de Certificação por Terceira Parte. ABNT ISO/IEC Guia 27 Diretrizes para Ações Corretivas a Serem Adotadas por Um Organismo de Certificação no Caso de Uso Indevido de sua Marca de Conformidade. Manual de Aplicação dos Selos de Identificação da Conformidade - INMETRO. 5. RESPONSABILIDADES 6. CONSIDERACOES GERAIS O cliente deve fazer uso dos certificados e logomarca MASTER, somente para os sistemas, processos, serviços e produtos que tenha efetivamente contratado e recebido aprovação na avaliação de conformidade.

7 PSQM-DO Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 7/15 7. DESCRICAO DAS ATIVIDADES 7.1 MÉTODO DE INDICAÇÃO DA CONFORMIDADE COM NORMAS Marca de Conformidade A marca de conformidade é limitada ao uso de um sistema de certificação por terceira parte, para indicar que a conformidade com a norma está sob a supervisão deste sistema. Ao implantar o método da marca de conformidade, é necessário indicar claramente a área de sua abrangência. Nos casos em que só alguns dos componentes de um produto possuem a marca de conformidade deve se evitar que o consumidor seja levado a concluir que o produto inteiro esteja certificado. A marca de conformidade deve ser usada, apenas, no caso de atendimento integral das exigências de uma norma e não de seções ou características selecionadas, e deve ser empregada segundo regras especificas pertinentes Certificado de Conformidade A finalidade deste método é oferecer ao usuário informações sobre as normas abrangidas pelo certificado. O método pode ser utilizado para indicar conformidade com normas pertinentes a produtos, ou com normas para propriedades especificas. Certificados de conformidade podem referir-se a todos os requisitos de uma norma ou, apenas, a seções e características selecionadas. São emitidos de acordo com os procedimentos da MASTER, e podem ser de natureza voluntária ou compulsória. 7.2 SISTEMÁTICA E REGRAS PARA USO DOS CERTIFICADOS E LOGOMARCAS CERTIFICADOS O Certificado só será concedido ao solicitante, após a consolidação e aprovação dos ensaios e das auditorias, bem como dos demais requisitos previstos; O uso do certificado é permitido somente para a entidade certificada, não sendo permitido para qualquer outra entidade que não esteja certificada; A entidade certificada tem o direito a divulgação da Certificação somente após a emissão do Certificado, e respeitando seu prazo de validade; Caso ocorra suspensão e/ou cancelamento da certificação, o certificado não poderá ser utilizado até a regularização de todas as ocorrências que justifiquem novamente a ativação da certificação; Modificações nas condições em relação as quais a certificação foi concedida devem ser comunicadas a Master para análise das providências necessárias para manutenção da certificação; As suspensões e cancelamentos serão imediatamente comunicados a entidade acreditadora; A validade do Certificado está condicionada à inexistência de não conformidade durante a Avaliação de Manutenção.

8 PSQM-DO Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 8/ PUBLICIDADE DA CERTIFICAÇÃO Os certificados poderão ser copiados, digitalizados ou colocados eletronicamente em documentos, propagandas e/ou internet para fins de divulgação em material publicitário, desde que a publicidade seja referente ao escopo da acreditação e que o certificado seja reproduzido em sua íntegra. 7.4 SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE A contratante tem o direito de uso do Selo de Identificação da Conformidade, concedida pela MASTER, desde que utilizada na íntegra, não devendo ser modificada sem o consentimento por escrito da MASTER; O Selo da Conformidade de produtos será disponibilizado à empresa contratante após a conclusão do processo de certificação; A marca de conformidade pode ser reproduzida em qualquer tamanho e em preto e branco, desde que sejam mantidas as proporções e todos os detalhes estejam legíveis; Para a certificação de produtos para telecomunicações conforme regras estabelecidas pela ANATEL, a marcação deverá ser feita de acordo com as diretrizes estabelecidas na Resolução 242 de Para os demais produtos, a marcação deve estar de acordo com a Portaria 179/09 emitida pelo INMETRO, salvo disposições contrárias, que estarão contidas nas respectivas regras específicas de cada produto; Os aparelhos devem ostentar o Selo de Identificação da Conformidade no produto e na embalagem de cada produto, devendo o mesmo ser legível e indelével, obedecendo as instruções fornecidas pela Master; O selo só deve ser utilizado impresso nas embalagens ou nos próprios produtos de certificação, compulsória ou voluntária, dentro do Programa de Avaliação da conformidade do INMETRO. Cada produto tem seu Selo específico, com lay out definido em Regulamentos Técnicos daquele órgão; O selo aposto nos demais produtos, que tiverem a conformidade avaliada pela MASTER de forma voluntária, não decorrente de Programas de Avaliação da Conformidade, deve conter unicamente a marca da MASTER para demonstrar que a conformidade foi avaliada. O lay out do selo é pré-definido e deve ser seguido pela organização certificada; A contratante poderá veicular em propostas, contratos, catálogos ou prospectos, somente informações relativas à certificação dos sistemas, processos, serviços ou produtos efetivamente certificados pela MASTER; A Marca de Conformidade, bem como a marca combinada com outras pertencentes a acordos mútuos devem ser usadas exclusivamente pela Cgcre; O Símbolo de Acreditação é de uso exclusivo da MASTER, só poderá ser utilizado na emissão de seus Certificados.

9 PSQM-DO Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 9/ MANUTENÇÃO DA AUTORIZAÇÃO PARA USO DO SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE Da mesma forma, a emissão do atestado de manutenção da conformidade e a manutenção da Autorização para o uso do Selo de Identificação da Conformidade só serão concedidas ao solicitante, após a consolidação e aprovação dos ensaios e das auditorias, bem como dos demais requisitos previstos. Assim, a MASTER, a partir da análise das informações apresentadas nas fases do processo, dará o parecer sobre a recomendação da manutenção da certificação; A validade do atestado de conformidade e a manutenção da Autorização para uso do Selo de Identificação da Conformidade estão condicionadas à inexistência de não conformidade durante a Avaliação de Manutenção. 7.6 AUTORIZAÇÃO PARA USO DO SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE A Autorização para o uso do Selo de Identificação da Conformidade será concedida quando forem cumpridas as fases descritas nos programas de avaliação da conformidade. A emissão do atestado de conformidade e Autorização para o uso do Selo de Identificação da Conformidade, bem como sua utilização nos produtos, não transfere, em nenhum caso, a responsabilidade da empresa autorizada para o Inmetro e/ou MASTER. 7.7 SUSPENSÃO OU CANCELAMENTO DA AUTORIZAÇÃO PARA USO DO SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE O não atendimento a qualquer dos requisitos exigidos, pode levar a suspensão ou cancelamento da autorização para uso do selo de identificação da conformidade. 7.8 USO INDEVIDO DA AUTORIZAÇÃO PARA USO DO SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE É indevido o uso da Certificação, ou seja, a utilização do Certificado e do Selo de Identificação da Conformidade, e cabível de punição quando: a) A Certificação ainda não foi concedida, ou tenha sido cancelada; b) A Certificação tenha sido suspensa; c) Faz referência a produtos não cobertos pela Certificação. 7.9 RENÚNCIA A Empresa pode renunciar à certificação quando o produto for descontinuado obrigando-se a:

10 PSQM-DO Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 10/15 a) Encaminhar a Master documento assinado pelo seu responsável legal ou quem por ele designado, informando a sua decisão; b) Restituir e não mais utilizar o Certificado de Conformidade de Produto; c) Não utilizar mais o Selo de Identificação da Conformidade; d) Destruir todo material publicitário que faça alusão à Certificação ou à identificação do Selo de Identificação da Conformidade RECONSIDERAÇÃO Se a Empresa deseja a reconsideração nos casos de renúncia, suspensão ou cancelamento, esta deve encaminhar à MASTER, em prazo inferior a 06 (seis) meses da renúncia ou cancelamento, documento assinado pelo responsável legal da Empresa ou quem por ele designado, informando os motivos que deram origem à condição atual, e o que a Empresa realizou para mudar esta condição USO INDEVIDO DO SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE EM PRODUTOS É considerado uso indevido do selo de identificação da conformidade em produtos: a) Utilização do selo de conformidade em produtos diferentes daqueles aos quais a certificação foi concedida; b) Colocação do produto no mercado de consumo com utilização do selo de conformidade antes da assinatura do contrato e antes da concessão da certificação; c) Utilização do selo de conformidade em produtos antes da concessão da licença, durante o período de suspensão ou após cancelamento; d) Utilização do selo de conformidade de extensão da certificação ainda em processo; e) Utilização do certificado do produto após a rescisão do contrato; f) Realização de publicidade em desacordo com as disposições do Código de Defesa do Consumidor, Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990; g) Violação ao contrato de certificação; h) Menção de referências incorretas do sistema de certificação ou utilização do selo de conformidade em publicidades, sem o prévio consentimento da MASTER PENALIDADES APLICADAS EM CASO DE USO INDEVIDO DO SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE EM PRODUTOS Caso ocorra a reprodução indevida do certificado, assim como o uso indevido dos selos com marca INMETRO e MASTER, as sanções aplicadas podem ser: a) Advertência, para que no prazo definido pela MASTER, seja eliminada a falha e corrigida a infração e/ou não conformidade, podendo ser aumentada a frequência de auditorias; b) Suspensão temporária da autorização e da vigência do contrato; c) Cancelamento da autorização e rescisão do contrato.

11 PSQM-DO Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 11/ CONDIÇÕES SOB AS QUAIS A AÇÃO CORRETIVA É EXECUTADA A MASTER Certificações requer ação corretiva da parte que fez uso indevido da marca sempre que a marca de conformidade estiver aplicada em um produto que: a) É perigoso; b) Não está autorizado a usar a marca de conformidade, por exemplo: a não existência de registro do produto em questão como tendo sido certificado, ou não cumpre os requisitos de certificação aplicáveis, a ponto de pôr em risco a integridade da marca de conformidade; c) Ostenta um tipo de marca de conformidade não autorizada (exemplo: etiqueta de certificação falsificada; ou d) Viola o contrato de certificação. e) Quando for denunciado à MASTER o uso indevido da marca de conformidade ou perigo envolvendo um produto que leva a sua marca de conformidade, o fato denunciado será investigado e havendo a confirmação de que ocorreu o uso indevido da marca de conformidade, a MASTER determinará a extensão do uso, incluindo produtos, número do modelo, números de série, instalações fabris, lotes de produção e quantidade envolvidas e exigirá que sejam tomadas as ações necessárias (ações corretivas) TIPOS DE AÇÕES CORRETIVAS A ação corretiva pode ser uma ou mais dentre as seguintes: a) Notificação pela MASTER das partes autorizadas e responsáveis a providenciar um recolhimento, quando, na opinião da MASTER, este é necessário para proteger o público e para permitir implementação da ação; b) Remoção da marca de conformidade do produto: na fábrica ou outro lugar central, de tal forma que o produto em questão é removido do estoque, do mercado, de pontos de distribuição ou da posse do usuário. Como alternativa, a marca de conformidade poderá ser removida do produto no local, desde que esta remoção seja em colaboração com as autoridades de regulamentação envolvidas, que então continuarão o processo até à aceitação ou rejeição do produto; c) Retrabalho do produto de forma que ele atenda aos requisitos de certificação vigentes. Preferencialmente que o retrabalho seja feito na fábrica, entretanto, quando não for possível recolher algumas das unidades em questão para a fábrica, o retrabalho em campo poderá ser autorizado; d) Sucateamento ou reposição do produto devolvido por não ser possível remover a marca de conformidade ou reparar o produto de forma a atender aos requisitos de certificação vigentes; e) Quando existe uma condição perigosa, e não é praticável a implementação de a), b), c) ou d), deve ser publicada uma nota ao público em geral informando sobre o perigo, ou ser adotada uma ação consistente com a legislação nacional.

12 PSQM-DO Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 12/ ESCOLHA DE AÇÃO CONTRA A PARTE QUE FEZ USO INDEVIDO DA MARCA O tipo de ação corretiva a ser tomada será influenciado pela natureza do uso indevido e suas consequências. Quando a marca de conformidade tiver sido usada sem contrato ou em desacordo com o contrato, procedimentos legais poderão resultar numa decisão judicial sobre qual será a ação corretiva PRAZO PARA A AÇÃO CORRETIVA Quando os fatos indicadores de necessidade de uma ação corretiva forem conclusivos, a MASTER iniciará imediatamente a ação corretiva, desde que haja uma parte que fez uso indevido da marca ou FPPP para ser responsabilizada por tal ação. Quando os fatos forem conclusivos e a ação corretiva for indicada, mas não houver uma parte que fez uso indevido da marca ou FPPP para ser responsabilizada (exemplo: falência da empresa), ou o produto em questão já não estiver sendo fabricado há alguns anos e não estiver mais disponível no mercado, a MASTER deve obter auxilio legal e notificar os órgãos governamentais, públicos e de regulamentação apropriados INÍCIO DA AÇÃO CORRETIVA COM A PARTE QUE FEZ USO INDEVIDO DA MARCA Quando houver prova conclusiva de que um produto é perigoso ou está envolvido em uso indevido da marca de conformidade, a ação corretiva será iniciada pela MASTER. Em tais circunstâncias, a parte que fez uso indevido da marca e, quando apropriado, as autoridades de regulamentação devem ser notificadas imediatamente do problema, e a autorização para aplicação da marca de conformidade nos produtos envolvidos deve ser suspensa. Também no caso de um produto perigoso que ostente a marca de conformidade, a MASTER deve informar à parte que fez uso indevido da marca, da necessidade de tomar ação apropriada de notificação aos usuários, avisando sobre o perigo e sobre a ação a ser adotada. A notificação inicial à parte que fez uso indevido da marca deverá sempre ser confirmada por escrito em correspondência registrada (ou equivalente), com cópias para as autoridades de regulamentação apropriadas e/ou outros órgãos, quando pertinente. Esta carta é escrita para atender as circunstâncias particulares; por exemplo, se o produto em questão pode ou não ser recolhido para a fábrica. Em todo caso, a carta normalmente deverá conter: o(s) motivo(s) da ação corretiva, qualquer condição de perigo que possa existir, as ações a serem tomadas pela parte que fez uso indevido da

13 PSQM-DO Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 13/15 marca, para resolver o problema, e uma declaração que compreenda as ações para assegurarem que a marca de conformidade não seja aplicada a produtos inadequados ENCERRAMENTO DE UMA AÇÃO CORRETIVA EFICAZ COM A PARTE QUE FEZ USO INDEVIDO DA MARCA QUE TEM UM ACORDO COM A MASTER. Quando uma ação corretiva tiver sido providenciada, as seguintes ações devem ser tomadas: a) Para todos aqueles que receberam correspondência, comunicando a necessidade de ações corretivas deve ser enviada outra correspondência, a qual: Deve declarar que a suspensão imposta à parte que fez uso indevido da marca foi retirada e que a autorização para uso da marca de conformidade foi restabelecida; Deve sumarizar a ação corretiva que foi executada pela parte que fez uso indevido da marca e quando aplicável, deve descrever a nova marcação exigida para distinguir o produto corrigido daquele na condição inaceitável anterior. b) Os registros de certificação devem ser revistos para incluir quaisquer modificações exigidas pela ação corretiva. A MASTER deve, também, efetuar uma auditoria em: Suas próprias tarefas de aprovação e supervisão para determinar se parte do uso indevido foi decorrente de um ponto fraco de sua própria organização; Seus procedimentos para determinar de que forma as responsabilidades de aprovação e supervisão da MASTER, podem ser alteradas de modo a assegurar, ao máximo possível, que tal uso indevido da marca não se repetirá GRAU DE AÇÃO CORRETIVA A SER OBTIDO O grau de ação corretiva tomada deve ser em 100% dos produtos específicos envolvidos. Entretanto, nos casos em que isso não for possível, especialmente se o produto já está no mercado há um tempo considerável, a MASTER considera a ação corretiva tomada como satisfatória se: a) A parte que fez uso indevido da marca tiver feito uma comunicação apropriada ao público, quando solicitada; b) Os produtos tiverem sido recolhidos do mercado e dos pontos de venda, reparados, trocados ou destruídos sob supervisão, ou outras correções tiverem sido executadas como requerido, no mais alto grau possível;

14 PSQM-DO Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 14/15 c) A parte que fez uso indevido da marca tiver concordado em prosseguir com a ação corretiva requisitada nas unidades em poder dos usuários, até que a MASTER esteja de acordo e que o resultado prático máximo possível tenha sido alcançado; e d) Os passos necessários tiverem sido dados no processo de fabricação para prevenir que a produção de tais produtos não venha, novamente, requerer ação corretiva similar RECUSA EM EFETUAR AÇÃO CORRETIVA Quando a parte que fez uso indevido da marca se negar a executar ação corretiva, a MASTER tomará as seguintes providências: a) Efetuará o cancelamento dos respectivos contratos de certificação com a parte que fez uso indevido da marca; b) Informará as autoridades de regulamentação envolvidas, e/ou outros organismos, quando pertinente, que a parte que fez uso indevido da marca se recusou a executar ações corretivas e que os contratos de certificação em nome desta foram cancelados, quando a gravidade do caso exigir tal ação; e c) Obterá assessoramento legal sobre outra ação que possa ser implementada (por exemplo, ordens judiciais, informação à imprensa sobre o processo impetrado pelo organismo de certificação). Um FPPP provavelmente iniciará voluntariamente uma ação corretiva, ao saber que seu produto envolve um perigo, mesmo estando conforme com as normas aplicáveis. No caso improvável de um FPPP se recusar a implementar ações corretivas, conversações devem ser mantidas com as autoridades de regulamentação concernentes, e um assessoramento legal obtido, para se decidir sobre o rumo da ação. Além da ação que as autoridades de regulamentação possam tomar, alguns rumos de ação possíveis, cabíveis a MASTER, podem incluir: Obtenção de uma rápida revisão da norma, para eliminar o perigo e exigir que todos os produtos certificados, do mesmo tipo, atendam aos novos critérios, sem demora, após a publicação da revisão da norma; e Notificação ao público da descoberta do perigo, através do meio de comunicação mais apropriado.

15 PSQM-DO Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 15/15 Para maiores detalhes relacionados ao uso do selo/logomarca em caso de certificações relacionadas especificamente a ANATEL, consultar o anexo à Resolução da ANATEL n. 242, de 30 de novembro de CONTROLE DE REGISTROS Documentos Identificação Localização Acesso Tempo de Retenção Disposição Treinamento Manual MSQM-PR-001 Intranet Livre Permanente Mídia/backup Formal Procedimento PSQM-DQ-001 Intranet Livre Permanente Mídia/backup Formal 9. ANEXOS Não há.

HISTÓRICO DAS REVISÕES

HISTÓRICO DAS REVISÕES PSQM-DO-007 03 Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 1/6 HISTÓRICO DAS REVISÕES Revisão Itens Alterados Elaboração Análise Critica Aprovação 01 Emissão Inicial Assessora da Qualidade 02 4 Gestão

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 47, de 13 de março de 1992 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização

Leia mais

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT Pág. Nº 1/8 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Siglas 4 Marcas e certificados da ABNT Certificadora 5 Requisitos Gerais 6 Requisitos específicos para sistemas certificados

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

CARTILHA PARA O USO DA MARCA

CARTILHA PARA O USO DA MARCA Página 1 de 11 PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO Este procedimento é parte integrante do Sistema de Gestão da Qualidade da BRICS. Quando disponível em domínio público, está sujeito a alterações sem aviso

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES APROVAÇÃO

HISTÓRICO DAS REVISÕES APROVAÇÃO PSQM-DO-005 05 USO DE CERTIFICADOS E LOGOMARCA 1 de 6 HISTÓRICO DAS REVISÕES Revisão Itens Alterados Elaboração Análise Critica Aprovação Data 01 Emissão Inicial Diretoria de Operações - Presidência 27/07/06

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção...

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 3 7. Condições gerais... 3 7.1 Selo

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

BICICLETAS DE USO INFANTIL

BICICLETAS DE USO INFANTIL Página: 1/12 Elaborado por: Maria Lucia Hayashi Verificado por: João Gustavo L. Junqueira Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 10/12/2013 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO Processo de Certificação PGMQ -TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pela CGCRE Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais,

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços:

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 031, de 24 de fevereiro de 2006. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos 1 - Objetivo Estabelecer o Regulamento para a Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, acreditado pelo INMETRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 9000, a ser usada

Leia mais

Manual Logomarca ITAC Sistemas de Gestão

Manual Logomarca ITAC Sistemas de Gestão Pág.: 1/5 Elaboração Análise Crítica Aprovação Representante da Direção Gerente de Certificação Executivo Sênior Alterações - Revisão 06 Alteração do item 5 1. ESCOPO Este manual aplica-se às empresas

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES Página: 1/08 Elaborado por: Claudio Francisco Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/13 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os critérios utilizados

Leia mais

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014.

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

Regulamento Técnico - Selo de Qualidade ABRAVEST

Regulamento Técnico - Selo de Qualidade ABRAVEST SUMÁRIO Histórico das Alterações... 2 1 Condições Gerais... 3 2 Condições de Admissão e Visão Geral do Processo... 4 3 Abertura de Processo do Selo de... 6 4 Processo Técnico Certificação... 6 5 Processo

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a concessão da Autorização para Uso do Selo de Identificação

Leia mais

REGISTRO DO PRODUTO, SELO DE IDENTIFICAÇÃO,

REGISTRO DO PRODUTO, SELO DE IDENTIFICAÇÃO, INTERFACE PROCESSO NÚMERO REVISÃO 02 TÍTULO : CERTIFICAÇÃO E USO DE LICENÇA, CERTIFICAÇÃO/MARCAS DE CONFORMIDADE. DATA DE APROVAÇÃO INICIAL 08/04/2013 REVISÃO ATUAL 09/12/2013 APROVAÇÃO FÁBIO CAMPOS FATALLA

Leia mais

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO Versão 5 Outubro de 2015 INDICE 1 Introdução 2 Utilização das Marcas de Conformidade no Produto 3 Utilização das

Leia mais

TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO

TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO Estes Termos de Serviços de Acompanhamento (i) regem os Serviços de Acompanhamento executados pela Parte Contratante UL para o Cliente, algumas vezes também referido

Leia mais

Portaria n.º 073 de 29 de março de 2006.

Portaria n.º 073 de 29 de março de 2006. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 073 de 29 de março de 2006.

Leia mais

NBC TA 501 - APROVAÇÃO. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009

NBC TA 501 - APROVAÇÃO. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009 NBC TA 501 - APROVAÇÃO RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009 Aprova a NBC TA 501 Evidência de Auditoria Considerações Específicas para Itens Selecionados. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício

Leia mais

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3162 / 3166 Fax

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3162 / 3166 Fax REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO... 4 2 SIGLAS... 4 3 DEFINIÇÕES... 4 4 GENERALIDADES... 4 REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE...

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

ANEXO 3 CONDIÇÕES DE COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA PARA INTERCONEXÃO

ANEXO 3 CONDIÇÕES DE COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA PARA INTERCONEXÃO ANEXO 3 CONDIÇÕES DE COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA PARA INTERCONEXÃO 1. CLÁUSULA PRIMEIRA - CONDIÇÕES GERAIS 1.1. A PARTE proprietária dos itens de infra-estrutura cedidos e a PARTE a qual será feita

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR SUMÁRIO 1 CONDIÇÕES GERAIS... 2 2 CONDIÇÕES DE CERTIFICAÇÃO E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 3 PROCESSO TÉCNICO PARA CONCESSÃO DO SELO... 5 4 PROCESSO TÉCNICO AUDITORIA DOS RESULTADOS... 7 5 RECONHECIMENTO

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Revisão da documentação SAS conforme ABNT NBR ISO/IEC 17021:2011

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 15 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO PRODUTO. Elaborado por: Karen C. Martins Verificado por: Arnaldo Barbúlio

REGRA DE CERTIFICAÇÃO PRODUTO. Elaborado por: Karen C. Martins Verificado por: Arnaldo Barbúlio Doc:700-RC-001 Página: 1/11 Elaborado por: Karen C. Martins Verificado por: Arnaldo Barbúlio Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 09/12/2013 1 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção 1 de 16 1. OBJETIVO: Estabelecer a metodologia para a solicitação, extensão, manutenção e revalidação de certificados de conformidade. 2. APLICAÇÃO: Aplicável a todo processo de certificação, extensão

Leia mais

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE ESTRUTURA DESTE DOCUMENTO: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Nº da Revisão Histórico das Alterações 0 Emissão inicial aprovada.

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO Página: 1 de 13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO 4. AUDITORIA DA ORGANIZAÇÃO 5. AÇÕES CORRETIVAS IDENTIFICADAS DURANTE AS AUDITORIAS 6. CERTIFICAÇÃO E USO DO LOGOTIPO

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 1 ICQ BRASIL OCA Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Ambiental, acreditado pelo INME- TRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 14000, a ser usada

Leia mais

Ministério da Indústria e do Comércio

Ministério da Indústria e do Comércio Ministério da Indústria e do Comércio Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 111 de 20 de setembro de 1983 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência.

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n º 105, de 02 de junho de 2005 CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 26, de 21 de maio de 2009. D.O.U de 22/05/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 245, de 22 de maio de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE HISTÓRICO DE MUDANÇAS. Introdução Retirada a cláusula do ISO Guia 62.

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE HISTÓRICO DE MUDANÇAS. Introdução Retirada a cláusula do ISO Guia 62. Página: 1 de 14 HISTÓRICO DE MUDANÇAS PÁGINA SUMÁRIO DE MUDANÇA DATA ELABORADO APROVADO Emissão 09/07/96 Várias Revisão Geral 06/10/99 ACO 3 Introdução Retirada a cláusula do ISO Guia 62. 24/11/99 ACO

Leia mais

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS Página 1 de 9 POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 27/01/2014 Revisado por: Rominik M. Fontenele 03/10/2014

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 114, de 29 de junho de 1998. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) Estabelece procedimentos para o credenciamento de laboratórios pelo Ministério do Trabalho

Leia mais

Vocabulário Internacional de Termos de Metrologia Legal Portaria Inmetro nº 163 de 06 de Setembro de 2005

Vocabulário Internacional de Termos de Metrologia Legal Portaria Inmetro nº 163 de 06 de Setembro de 2005 Vocabulário Internacional de Termos de Metrologia Legal Portaria Inmetro nº 163 de 06 de Setembro de 2005 VOCABULÁRIO INTERNACIONAL DE TERMOS DE METROLOGIA LEGAL 1 INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA,

Leia mais

Certificação de Artigos Escolares

Certificação de Artigos Escolares Pág.: 1/44 Elaboração / Revisão Análise Crítica e Aprovação Data Clider Silva Gerente Técnico Fabio Eduardo Barbosa Executivo Sênior 19/09/2014 1. OBJETIVO E ESCOPO DE APLICAÇÃO Estabelecer as diretrizes

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta Pág. Nº 1/13 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Descrição do processo de certificação 6 Manutenção da certificação 7 Marcação dos produtos certificados

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 11 EMENDA nº 00 PROCEDIMENTOS E NORMAS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGULAMENTOS BRASILEIROS DA AVIAÇÃO CIVIL Aprovação: Resolução

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra?

O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra? 1 O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra? (ADAPTAÇÃO REALIZADA PELO ABNT/CB-25 AO DOCUMENTO ISO, CONSOLIDANDO COMENTÁRIOS DO INMETRO E DO GRUPO DE APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO)

Leia mais

Contrato (on-line) de Loja Virtual. Última modificação: 07/05/2015. Bem vindo a Propaganda Certa!

Contrato (on-line) de Loja Virtual. Última modificação: 07/05/2015. Bem vindo a Propaganda Certa! Contrato (on-line) de Loja Virtual Última modificação: 07/05/2015 Bem vindo a Propaganda Certa! Este contrato (on-line) de Loja Virtual (o "Contrato") é celebrado entre Propaganda Certa, emprsa de razão

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO Pagina 1 de 16 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar a Regra de Certificação Geral utilizada pela A ENOR Serviços de Certificação Brasil Ltda., ( AENOR Brasil), para realizar a prestação

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 536, de 21 de outubro de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Certificação de Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

Certificação de Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado Pág. Nº 1/26 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Descrição do processo de certificação 6 Manutenção da certificação 7 Marcação dos produtos certificados

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

SUPLEMENTO DE OPERAÇÃO ELETRÔNICA

SUPLEMENTO DE OPERAÇÃO ELETRÔNICA A ActivTrades Plc é autorizada e regulada pela Financial Conduct Authority SUPLEMENTO DE OPERAÇÃO ELETRÔNICA Estes termos suplementares devem ser lidos em conjunto com o Contrato de Cliente da ActivTrades.

Leia mais

Agulhas Hipodérmicas Estéreis para Uso Único e Agulhas Gengivais Estéreis para Uso Único

Agulhas Hipodérmicas Estéreis para Uso Único e Agulhas Gengivais Estéreis para Uso Único Complemento de Regra de Certificação Doc: 703-CRC-002 Página: 1/11 Elaborado por: Priscila Martins Pedroso Verificado por: Karen Martins Eliana T. Shimoda Lester Amaral Edilson Tsutomu Kishimoto Aprovado

Leia mais

Certificação de Revenda de Gás GLP

Certificação de Revenda de Gás GLP Pág.: 1/14 Elaboração / Revisão Análise Crítica e Aprovação Data Priscilla Marques Representante da Direção Fabio Eduardo Barbosa Executivo Sênior 15/06/2015 1. OBJETIVO E ESCOPO DE APLICAÇÃO Estabelecer

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS Alexandre Dias de Carvalho INMETRO/CGCRE/DICLA 1/ 28 NBR ISO/IEC 17025 Estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DA MEDIÇÃO SUMÁRIO

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DA MEDIÇÃO SUMÁRIO Página: 1 de 17 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO 4. DOCUMENTAÇÃO DO SISTEMA DA QUALIDADE DA ORGANIZAÇÃO REQUERIDA PARA ANÁLISE CRÍTICA 5. AUDITORIA

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064 1 de 10 GP01 INVENTÁRIO DE EMISSÕES Descrição do Processo de Validação e Verificação Bureau Veritas Certification Avenida do Café, 277, 5 andar, Torre B Tel.: +55 (11) 2655-9000 São Paulo/SP - CEP: 04311-000

Leia mais

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

Procedimento Geral da Marca ABNT Qualidade Ambiental

Procedimento Geral da Marca ABNT Qualidade Ambiental Pág. Nº 1/20 SUMÁRIO Histórico das revisões 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Solicitação de serviços 6 Fornecimento dos serviços 7 Transferência de Certificação

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SIAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SIAC Execução de Obras REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SIAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte.

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Doc.961-RC-003 Página: 1/8 Elaborado por: Vanessa Ferraz Hernandes Verificado por: Karen C. Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 24/04/2014 A Empresa abaixo identificada declara

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração?

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração? Página 1 de 8 Esclarecimentos prestados pelo IPEM-PR aos questionamentos realizados pela Vigilância Sanitária, através do oficio n 420/2014 DVVSP/CEVS/SVS de 04 de junho de 2014. 1. A Vigilância Sanitária

Leia mais

CONTRATO DE API. iporto.com Serviços de Internet LTDA CNPJ: 09.249.136/0001-04

CONTRATO DE API. iporto.com Serviços de Internet LTDA CNPJ: 09.249.136/0001-04 CONTRATO DE API iporto.com Serviços de Internet LTDA CNPJ: 09.249.136/0001-04 Última revisão: 03 de julho de 2015 1. VISÃO GERAL: 1.1. Este é um contrato entre o CONTRATANTE, aqui anuente, e a CONTRATADA

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET POLÍTICA GLOBAL DE NA INTERNET A política da PayU Latam é cumprir com todas as leis aplicáveis referentes à proteção de dados e privacidade. Este compromisso reflete o valor que conferimos à conquista

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia,Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria n.º 158, de 29 de agosto de 2005. O PRESIDENTE

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS.

CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS. CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS. MÓDULO SISTEMAS DE GESTÃO LTDA, com sede na cidade de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, na Rua Amapá, 309

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 86, de 26 de maio de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS Página 1 de 9 POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 29/01/2014 Revisado por: Fernanda G. Brandão 26/03/2014 28/03/2014

Leia mais

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Leia mais

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ - (4.2.3 - Controle de Documentos) (820.40 Document Control) APROVAÇÃO MARCOS FERNANDES NUNES Gerente da QA/RA Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO GISELA CRISTINA LUÇOLLI NASS Assistente Administrativo APARECIDA

Leia mais

Portaria n.º 456, de 01 de dezembro de 2010

Portaria n.º 456, de 01 de dezembro de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 456, de 01 de dezembro de

Leia mais

Manual de Uso da Logomarca C- 15

Manual de Uso da Logomarca C- 15 ÉTICA, COMPETÊNCIA E IMPARCIALIDADE Manual de Uso da Logomarca C-15 REGRAS GERAIS Manual de Uso da Logomarca - C-15 - REGRAS GERAIS Revisão 4 26/05/2015, Página 1 Histórico de Alterações REV.0-07/11/2008

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais